Projeto Pedagógico de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Pedagógico de Curso"

Transcrição

1 Farmácia (CEUNES) Farmácia CEUNES, Projeto Pedagógico do Curso de Farmácia (aprovado no CEPE EM 7/11/2007) versão FINAL, 2006 Vitória-ES, Brasil Versão do PPC: 15/12/2007

2

3 Sumário 1. Apresentação 1 2. Justificativa 1 3. Histórico 1 4. Princípios norteadores 2 5. Objetivos 2 6. Perfil do profissional 3 7. Organização curricular Estrutura do currículo Programas de disciplinas Regulamento dos Estágios Obrigatório e Não-obrigatório Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Acompanhamento e Avaliação 28

4 1. Apresentação O explicita os fundamentos teórico-metodológicos, os objetivos, o tipo de organização e as formas de implementação e avaliação do curso. Em síntese, é um instrumento clarificador da ação educativa do curso, em sua totalidade. 2. Justificativa A missão do curso de Farmácia é promover e participar do desenvolvimento político, cultural, social, econômico, científico local e regional, oferecendo ensino de qualidade, formando um profissional com conhecimentos sólidos na sua área de competência. As novas Diretrizes Curriculares para os cursos de graduação em Farmácia, publicadas no Diário Oficial da União em março de 2002, propõem que o formando egresso/profissional farmacêutico tenha uma formação generalista, humanista, crítica e reflexiva para o exercício de atividades em todo o âmbito profissional, ou seja, referente aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas e ao controle, produção e análise de alimentos, envolvendo também a assistência farmacêutica. Com esta proposta de Projeto Pedagógico, o profissional farmacêutico formado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)/ Centro Universitário Norte do Espírito Santo (CEUNES) passa a ter uma formação com conhecimentos nas grandes áreas de atuação profissional supracitadas. 3. Histórico Em 17 de maio de 2005, foi encaminhado ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Educação, o Anteprojeto de Expansão da Interiorização Presencial da UFES. Os investimentos se destinam à criação do CEUNES, que situar-se-á em São Mateus, norte do estado, bem como a ampliação e a consolidação do Centro de Ciências Agrárias, localizado na cidade de Alegre, sul do Espírito Santo. A proposta de consolidação e expansão do curso de Farmácia e de criação do CEUNES, com 09 (nove) cursos e autonomia de gestão, orienta-se na mesma direção em relação à qual a comunidade capixaba e a bancada parlamentar do estado vêm se mobilizando, de forma independente e autônoma. Dentre os 09 (nove) cursos a serem implantados no CEUNES, encontra-se o curso de Farmácia

5 O curso obedecerá aos padrões das novas diretrizes curriculares (Resolução CNE/CES 2, de 19 de fevereiro de 2002). O objetivo do curso é a formação de um profissional generalista com enfoque na Farmácia de dispensação/manipulação de medicamentos e em Indústria. 4. Princípios norteadores Segundo as diretrizes curriculares, o perfil do formando egresso/profissional baseia-se na formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Para isso, propõe-se uma aprendizagem baseada no diagnóstico e resolução de problemas para o setor farmacêutico com integração entre as áreas do ciclo básico e profissionalizante requerendo do corpo docente criatividade, competência técnica, humana e política. Estas habilidades constituem-se, portanto, num grande desafio, e para vencê-lo faz-se necessário diversificar estratégias de ensino-aprendizagem em diversos cenários. A extensão reafirma a relação da universidade com a sociedade e parte do processo educacional induzido e motivado por questões imediatas e mais relevantes demandadas pela sociedade. É a forma de a universidade interagir com a sociedade, procurando com a mesma resolver as suas necessidades. As ações de pesquisa/extensão desenvolvidas contam com a participação de professores do curso de Farmácia, comunidade, profissionais da área, e principalmente a participação dos acadêmicos para que aprendam a valorizar os aspectos sociais em equilíbrio com os conhecimentos das ciências farmacêuticas visando ainda contextualizá-los no mercado de trabalho. 5. Objetivos - Adequar o perfil do curso à missão e aos compromissos da Universidade e às necessidades do mercado de trabalho; - Formar profissionais que possam atender às necessidades da região de abrangência da Universidade aumentando as possibilidades de inserção de jovens profissionais no mercado de trabalho; - Realizar pesquisas que atendam aos interesses sócio/político e econômico no contexto local, regional e nacional; - Contribuir na promoção de saúde da comunidade; - Adequar e colocar o Projeto Pedagógico do curso de Farmácia, como instrumento norteador das ações a serem desenvolvidas; - Promover projetos de extensão e ação comunitária; - Promover parcerias de pesquisa e extensão com órgãos de fomento, empresas, governo/sociedade e - 2 -

6 demais cursos da área de saúde; - Integrar conhecimentos teóricos e práticos para diagnosticar e propor ações, concernentes ao seu campo de ação, que visem a melhoria da qualidade de vida; - Desenvolver a postura ética profissional. 6. Perfil do profissional O farmacêutico é o profissional da saúde que trabalha com o fármaco-medicamento, análises clínicas, toxicológicas e de alimentos nos aspectos social, científico, econômico e tecnológico. Tem o dever ético de estar comprometido com a política nacional de saúde e, em particular, de desenvolver e implantar uma política de medicamentos que atenda às reais necessidades nacionais. Neste sentido, exerce a assistência farmacêutica crítica e efetivamente em todos os níveis das diversas ações de saúde individual e coletiva. Deverá possuir sólida formação teórica, histórica e quantitativa; formação cultural ampla, que possibilite a compreensão das questões farmacêuticas no seu contexto social e ambiental; capacidade de tomada de decisões e de resolução de problemas, numa realidade diversificada e em constante transformação; capacidade analítica, visão crítica e competência para adquirir novos conhecimentos; capacidade de comunicação e expressão oral e escrita; e consciência de que o senso ético de responsabilidade social deve nortear o exercício da profissão. 7. Organização curricular A estrutura curricular foi formulada com 9 (nove) semestres letivos, para vigorar a partir do 2º (segundo) semestre de 2006, com (duas mil, seiscentas e vinte e cinco) horas-aula teóricas, laboratórios e exercícios, 180 (cento e oitenta) horas-aula de atividades complementares e (mil, trezentas e vinte) horas-aula de estágio. Esse estágio curricular será desenvolvido ao longo do curso na disciplina Prática Farmacêutica I a VIII e no último período no Estágio Supervisionado na forma dos Campos de Ação Acadêmica (CAA) extensionista sob supervisão do docente e/ou pelo responsável técnico do local. Para a definição do período máximo para a integralização do curso será feito um acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre a duração do mesmo. 7.1 Estrutura do currículo 1º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00003 ANATOMIA HUMANA

7 Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00004 BIOLOGIA CELULAR ece00001 CÁLCULO I sba00002 FARMÁCIA SOCIAL sba00005 HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA sba00001 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ece00002 QUÍMICA GERAL Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos ece00003 BIOESTATÍSTICA ece00006 FÍSICO-QUÍMICA sba00006 GENÉTICA sba00007 MICROBIOLOGIA sba00008 PRÁTICA FARMACÊUTICA I ece00004 QUÍMICA ANALÍTICA ece00005 QUÍMICA ORGÂNICA I Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00012 BIOQUÍMICA sba00011 BOTÂNICA APLICADA À FARMÁCIA sba00010 FISIOLOGIA HUMANA 90 5 sba00003 sba00013 PRÁTICA FARMACÊUTICA II ece00007 QUÍMICA ORGÂNICA II 75 4 ece00005 sba00009 SAÚDE COLETIVA Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00019 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I sba00013 sba00018 FARMACOGNOSIA sba00015 FARMACOLOGIA I 90 5 sba

8 Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00017 IMUNOLOGIA CLÍNICA 60 3 sba00010 sba00016 PATOLOGIA GERAL 45 3 sba00010 sba00014 POLÍTICAS DE SAÚDE ece00008 QUÍMICA INSTRUMENTAL Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00024 FARMACOLOGIA II 90 5 sba00015 sba00025 FARMACOTÉCNICA 90 5 ece00004 sba00020 GESTÃO DE EMPRESAS FARMACÊUTICAS sba00023 MICROBIOLOGIA CLÍNICA 60 3 sba00007 sba00026 OPERAÇÕES UNITÁRIAS NA INDÚSTRIA 45 3 ece00006 sba00021 PATOLOGIA CLÍNICA 45 3 sba00016 sba00022 UROANÁLISE E PARASITOLOGIA CLÍNICA Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00033 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE ALIMENTOS 45 3 ece00004 sba00028 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA 30 2 sba00015 sba00029 BIOÉTICA sba00030 BIOQUÍMICA CLÍNICA 60 3 sba00012 sba00032 HOMEOPATIA sba00027 METODOLOGIA CIENTÍFICA sba00034 QUÍMICA FARMACÊUTICA 75 4 sba00015 sba00031 TOXICOLOGIA 60 3 sba00015 Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00039 sba00041 CONTROLE DE QUALIDADE EM ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO- QUÍMICO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS 30 2 sba ece

9 Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00036 DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO FARMACÊUTICA sba00038 FARMÁCIA HOSPITALAR 60 3 sba00025 sba00037 HEMATOLOGIA CLÍNICA 60 3 sba00017 sba00035 TCC I 30 1 sba00027 sba00040 TECNOLOGIA DE ALIMENTOS 60 3 sba00026 Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00046 CONTROLE DE QUALIDADE MICROBIOLÓGICO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS 45 2 sba00007 sba00047 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II sba00025 sba00043 MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS 45 2 sba00007 sba00042 TCC II 30 1 sba00035 sba00044 TECNOLOGIA DE COSMÉTICOS 60 3 sba00025 sba00045 TECNOLOGIA FARMACÊUTICA 90 5 sba00026 Totais do período º Período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00048 ESTÁGIO SUPERVISIONADO III sba00025 Totais do período Código Disciplina CHS Cr Requisitos sba00052 DISCIPLINAs OPTATIVAS DIAGNÓSTICO MOLECULAR DAS DOENÇAS INFECCIOSAS 60 3 sba00007 sba00054 FITOTERAPIA 60 3 sba00018 sba00053 HEMOTERAPIA 60 3 sba00017 sba00051 TÓPICOS AVANÇADOS EM CONTROLE DE QUALIDADE FARMACÊUTICO 60 3 ece00008 sba00049 TÓPICOS AVANÇADOS PARA FARMÁCIA I sba00050 TÓPICOS AVANÇADOS PARA FARMÁCIA II Totais das disciplinas optativas

10 7.2 Programas de disciplinas sba ANATOMIA HUMANA (90 h, OBR, T:45 E:0 L:45) Estudo da anatomia humana através de seus sistemas. Estudo da nomenclatura anatômica, planos de delimitação do corpo humano, história da anatomia, sistemas: ósseo, articular, muscular, nervoso, respiratório, cardiovascular, digestório, urinário e reprodutor masculino e feminino. Neuroanatomia. sba CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS (90 h, OBR, T:30 E:0 L:60) Legislação na garantia e controle de qualidade. Histórico das Farmacopéias. Ensaios específicos de matérias primas farmacêuticas. Ensaios em produto acabado. Dissolução e Perfil de Dissolução. Métodos Clássicos e Instrumentais de Análise. Cromatografias. Estabilidade de Fármacos e Medicamentos. Validação de Métodos Analíticos. Validação de Processos. Validação de Limpeza. Controle de Qualidade de Fitoterápicos. Controle de Qualidade na Farmácia Magistral. Especificação x Certificado de análise. sba FARMÁCIA SOCIAL (0 h, OBR, T:0 E:0 L:0) Aspectos sociológicos aplicados à Farmácia. Farmácia no contexto da saúde da família e comunidade. Educação em saúde e a saúde da comunidade. Inserção social da prática farmacêutica e cuidados com uso de medicamentos. Sistema nacional de saúde. Ética, cidadania e política. O homem e a interação com o mundo. sba MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS (45 h, OBR, T:15 E:0 L:30) Microorganismos de interesse em alimentos. Metodologias analíticas para o isolamento, identificação de quantificação. Segurança alimentar

11 sba ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE ALIMENTOS (45 h, OBR, T:30 E:0 L:15) Definição e conceitos básicos. Estudo dos componentes dos alimentos e suas funções. Métodos físico-químicos de análise de alimentos. Composição centesimal. Legislação de alimentos. sba ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Assistência farmacêutica no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS). Epidemiologia aplicada na Assistência farmacêutica. Gerenciamento da Assistência Farmacêutica. Seleção de medicamentos. Programação de medicamentos. Aquisição de medicamentos. Armazenamento de medicamentos. Dispensação de medicamentos. Atenção farmacêutica. Uso Racional de medicamentos. sba BIOÉTICA (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Estudo dos princípios de ciências sociais e humanas na construção da postura éticoprofissional do farmacêutico. O direito: conceitos elementares e aspectos contemporâneos. O direito e a proteção da personalidade: direitos humanos e direitos da personalidade. O biodireito e a biotecnologia: pessoa humana, família e propriedade industrial e suas relações com o aborto, manipulações genéticas, terapia genética, filiação, transgênicos, discriminação genética e clonagem. Lei de Biossegurança. sba BIOLOGIA CELULAR (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Estudo das células, sua organização molecular, processos de reprodução, sinalização e diferenciação celular. Estudos do metabolismo dos orgânulos e das estruturas celulares. Métodos e técnicas de estudos e observação de análises citológicas e citoquímicas. sba BIOQUÍMICA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Estudo da estrutura, conformação e função das biomoléculas (aminoácidos, proteínas, ácidos nucléicos, carboidratos e lipídeos). Bioenergética. Estudo do papel das biomoléculas no metabolismo celular. Integração e Regulação metabólica. sba BIOQUÍMICA CLÍNICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Padronização e controle de qualidade em bioquímica clínica. Metodologia de análise, diagnóstico e interpretação clínico-laboratorial das anormalidades no metabolismo de carboidratos, lipídeos, proteínas e de substâncias não protéicas. Exames para avaliação de distúrbios da fisiologia renal, hepática, cardíaca, ósteo-muscular e endócrina envolvendo a metodologia de análise, diagnóstico e interpretação clínico-laboratorial. Enzimologia clínica: conceitos, metodologia de análise, diagnóstico e interpretação clínico-laboratorial. sba BOTÂNICA APLICADA À FARMÁCIA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) - 8 -

12 Morfologia interna vegetal. A célula vegetal. Tecidos vegetais. Organização do corpo da planta. Caracterização botânica. Morfologia externa dos órgãos vegetativos e reprodutores. Identificação e caracteres de famílias com interesse farmacêutico. Herbário e técnicas de herborização. sba CONTROLE DE QUALIDADE EM ANÁLISES CLÍNICAS (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Meios de detecção de erros experimentais em análises clínicas e toxicológicas: medidas corretivas concretas. Precisão e exatidão metodológica e aprimoramento. sba CONTROLE DE QUALIDADE MICROBIOLÓGICO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS (45 h, OBR, T:15 E:0 L:30) Aplicações farmacêuticas de técnicas microbiológicas; Contaminação microbiana em produtos farmacêuticos, correlatos e cosméticos. Análise da qualidade Microbiana de produtos não estéreis. Controle de produtos estéreis. Teste de esterilidade; pirogênio. Eficácia de conservantes. Dosagem microbiológica de Antibióticos e fatores de crescimento. Ensaios Toxicológicos e de Inocuidade. sba DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO FARMACÊUTICA (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) Relação do farmacêutico/coletividade. Peritos e perícias em farmácia. Legislação trabalhista, comercial e do exercício legal da profissão do farmacêutico abrangendo os níveis municipal, estadual e federal. Conselho Federal e Conselho Regional. Vigilância sanitária de alimentos, fármacos, medicamentos, cosméticos, saneantes, domissaneates e produtos para a saúde. sba DIAGNÓSTICO MOLECULAR DAS DOENÇAS INFECCIOSAS (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30) Fundamentos da Biologia Molecular. Tecnologias baseadas em Biologia Molecular disponíveis para o diagnóstico de doenças infecciosas. Detecção de genes de resistência aos antimicrobianos. O diagnóstico molecular: tuberculose, meningite bacteriana, infecções por Chlamydia, por Helicobacter pylori, toxoplasmose, hepatites virais, infecções por Papilomavírus, por HIV, Vírus Sincicial Respiratório, Influenza e Gastroenterites virais por Rotavírus e Norovírus. Epidemiologia molecular aplicada à Vigilância em Saúde. sba ESTÁGIO SUPERVISIONADO I (150 h, OBR, T:0 E:0 L:150) Prática em drogarias, farmácia pública ou unidades de saúde dos conhecimentos sobre bioquímica, fisiologia humana, farmacologia, farmacognosia, primeiros socorros, farmácia social, saúde coletiva e políticas de saúde

13 sba ESTÁGIO SUPERVISIONADO II (250 h, OBR, T:0 E:0 L:250) Prática dos conhecimentos sobre (a) dispensação em drogarias, farmácias públicas ou unidades de saúde, (b) manipulação farmacêutica alopática, homeopática, fitoterápica ou hospitalar, (c) análises clínicas e toxicológicas ou (d) produção, análise, fiscalização e gestão industrial de alimentos, fármacos, medicamentos, cosméticos, correlatos e produtos para a saúde. sba ESTÁGIO SUPERVISIONADO III (450 h, OBR, T:0 E:0 L:450) Pré-requisito: Farmacotécnica. Prática dos conhecimentos sobre (a) dispensação em drogarias, farmácias públicas ou unidades de saúde, (b) manipulação farmacêutica alopática, homeopática, fitoterápica ou hospitalar, (c) análises clínicas e toxicológicas ou (d) produção, análise, fiscalização e gestão industrial de alimentos, fármacos, medicamentos, cosméticos, correlatos e produtos para a saúde. sba FARMÁCIA HOSPITALAR (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Integração entre a farmácia, o hospital e o Sistema Único de Saúde (SUS). Introdução à farmácia hospitalar. Gerenciamento de Farmácia Hospitalar. Seleção de medicamentos e correlatos. Aquisição de produtos farmacêuticos. Armazenamento de produtos farmacêuticos. Sistema de informação de medicamentos. Infecção hospitalar. Farmacotécnica Hospitalar. Terapia nutricional. sba FARMACOGNOSIA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Objetivo, conceito e classificação farmacognóstica. Identificação morfológica externa e interna das drogas: extração, caracterização e validação dos princípios ativos das drogas de origem animal e vegetal oficializadas. Farmacognosia especial. sba FARMACOLOGIA I (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Introdução. Generalidade e conceitos. Farmacocinética. Relação entre estruturas químicas e atividades farmacológicas. Autofarmacologia. Estudo das drogas: autônomas, cardiovasculares renais, com ações importantes no músculo liso e que atuam no sistema nervoso central. sba FARMACOLOGIA II (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Estudo das drogas utilizadas no tratamento de doenças do sangue, na inflamação e gota, no sistema endócrino e de agentes quimioterápicos. Estudo de tópicos especiais da farmacologia. sba FARMACOTÉCNICA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Evolução histórica, definição e importância da Farmacotécnica. Insumos farmacêuticos e boas práticas de manipulação. Formas farmacêuticas: considerações biofarmacêuticas. Formas

14 farmacêuticas sólidas de interesse na Farmácia Magistral: pós, granulados e cápsulas; comprimidos; formas farmacêuticas líquidas: soluções e suspensões; emulsões: cremes, loções cremosas e pomadas; pastas; géis; preparações otológicas, nasais e oftálmicas; supositórios e óvulos; aerossóis; formulações transdérmicas; cálculos matemáticos em farmácia magistral; embalagens; prazo de validade; montagem de laboratórios de manipulação de medicamentos magistrais. sba FISIOLOGIA HUMANA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Introdução à fisiologia por meio do estudo dos fundamentos biofísicos e fisiológicos de interesse à prática farmacêutica. Fisiologia dos órgãos e sistemas humanos: músculoesquelético, cardiovascular, renal, respiratório, endócrino, nervoso, digestório, endócrino e reprodutor. sba FITOTERAPIA (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30) História; definições e legislação para produção de medicamentos fitoterápicos. Cultivo, coleta, secagem e processamento de plantas medicinais. Produção, controle de qualidade e aplicações de medicamentos fitoterápicos. sba GENÉTICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Base química da herança; padrões de herança monogênica; ligação fatorial; alelos múltiplos; aberrações cromossômicas; instrumentos da genética molecular humana; farmacogenética; genética de populações. sba GESTÃO DE EMPRESAS FARMACÊUTICAS (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Análise financeira de juros, despesas, receitas, lucros, impostos e taxas. Regimes de capitalização. Equivalência entre capitais. Rendas. Empréstimos clássicos e empréstimos por obrigações. Aplicações. Conceitos gerais de economia. Economia e administração de empresas aplicáveis à área farmacêutica. Noções de marketing e marketing farmacêutico. sba HEMATOLOGIA CLÍNICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Pré-requisito: Imunologia Clínica. Hematopoese, hemoglobinas, alterações morfológicas dos eritrócitos e leucócitos, hemograma, anemias, policitemias, hemostasia sanguínea, fibrinólise, leucopoese, leucopenias, leucocitoses, leucemias. Imunohematologia: sistemas sanguíneos. Estudo, separação e análise dos hemocomponentes e hemoderivados e interpretação de exames de hemoterapia. Dosagem de fatores, pesquisa de inibidores e exames sorológicos. Controle físico, químico e biológico de todo o processo para operação e administração de hemocentros. sba HEMOTERAPIA (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30)

15 Estudo, separação e análise dos hemocomponentes e hemoderivados e interpretação de exames de hemoterapia. Dosagem de fatores, pesquisa de inibidores e exames sorológicos. Controle físico, químico e biológico de todo o processo para operação e administração de hemocentros. sba HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Estudo teórico e prático da morfofisiologia dos tecidos humanos. Tecido epitelial (revestimento e glandular), conjuntivo (Próprio, Adiposo, Sangue e Hemopoiese, Cartilaginoso e Ósseo), nervoso e muscular. Estudo dos processos gerais de desenvolvimento embrionário. sba HOMEOPATIA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Estudo da farmacologia e farmacotécnica dos produtos homeopáticos de interesse à saúde. Conceito de saúde e doença na homeopatia. Noções sobre a terapêutica homeopática, nosódios e auto-nosódios. sba IMUNOLOGIA CLÍNICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Estudo da constituição e funcionamento do Sistema Imune. Estudo das atividades do Sistema Imune correlacionada ás alterações sistêmicas. Estudos sobre testes imunológicos e suas interpretações. Reações de precipitação, aglutinação, imunofluorescência e enzimaimunoensaio. Citometria de fluxo. Imunologia de transplantes, rubéola, mononucleose infecciosa, hepatites virais. Imunodeficiências: classificação e diagnóstico. Marcadores tumorais. sba INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Histórico da Farmácia. Estrutura curricular do curso de Farmácia. Medicamento: genérico, similar e referência. Forma farmacêutica e Grupo farmacológico. Centro de Informação de Medicamentos. Assistência farmacêutica. Atenção farmacêutica. Entidades de classe. Campo de atuação profissional. sba METODOLOGIA CIENTÍFICA (30 h, OBR, T:30 E:0 L:0) Perspectivas da pesquisa em saúde: aspectos conceituais, metodológicos e etapas a serem seguidas para o seu desenvolvimento. Elaboração de pesquisa e coleta de dados. A divulgação do conhecimento produzido pela pesquisa. O rigor científico em pesquisa e a análise de estudos publicados. sba MICROBIOLOGIA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Características gerais e classificação dos microrganismos e dos vírus. Morfologia, estrutura e multiplicação dos microrganismos e dos vírus. Microrganismos eucariontes e procariontes. Métodos de estudos dos microrganismos e dos vírus. Genética microbiana e a biotecnologia. Nutrição, cultivo e crescimento dos microrganismos. Métodos de controle

16 dos microrganismos, agentes físicos e químicos. Antibióticos e outros agentes antimicrobianos. Flora normal do corpo humano. Fatores de virulência e mecanismos de patogenicidade. Principais microrganismos e vírus clinicamente importantes e suas vias de transmissão. sba MICROBIOLOGIA CLÍNICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Etiologia, patologia, sintomatologia, profilaxia, epidemiologia e diagnóstico laboratorial de infecções bacterianas, fúngicas e viróticas. Metodologias de análises, diagnóstico e interpretação clínico-laboratorial. sba OPERAÇÕES UNITÁRIAS NA INDÚSTRIA (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) Métodos, técnicas e equipamentos para operações de transformações físicas presentes nos processamentos das indústrias de alimentos, cosméticos, farmacêutica, biotecnológicas e afins. sba PATOLOGIA CLÍNICA (45 h, OBR, T:30 E:0 L:15) Técnicas histológicas para análises patológicas e técnicas em citologia esfoliativa do colo do útero. Citologia dos líquidos ascítico, pleural, sinovial, espermático, raquidiano e líquor. Análises de processos oncológicos e toxicológicos. sba PATOLOGIA GERAL (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) Estudo da etiologia, patogenia, características clínicas, macroscópicas e histopatológicas das doenças humanas, discussão de processos patológicos fundamentais com abordagens aos processos de lesões reversíveis e irreversíveis, distúrbios circulatórios locais e sistêmicos, processo inflamatório, alterações patológicas nas doenças infecciosas. Conhecimento de processos patológicos fundamentais para observação anatomo-patológica básica. sba POLÍTICAS DE SAÚDE (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) História das políticas de saúde no Brasil. Contextos sócio-eco-culturais das políticas sociais e de saúde. Movimento da Reforma Sanitária. Estado e políticas sociais. Mudanças econômicas e políticas de saúde no Brasil. Previdência Social. Políticas governamentais de saúde pública. Sistema Único de Saúde. Política nacional de ciência,tecnologia e inovação em saúde. Política Nacional de Medicamentos. Política nacional de assistência farmacêutica. sba PRÁTICA FARMACÊUTICA I (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Aspectos gerais e prática de Primeiros Socorros. Emergências clínicas e traumáticas. Envenenamentos e intoxicações. Outras ocorrências, como acidentes radioativos e partos de emergências

17 sba PRÁTICA FARMACÊUTICA II (45 h, OBR, T:15 E:0 L:30) Técnicas de lavagem das mãos e calçamento de luvas. Administração de medicações: oral, nasal, oftálmica, otológica e parenteral: intramuscular, subcutânea, intradérmica e endovenosa. Curativos. Visitas técnicas com estudo dirigido e elaboração de relatórios em drogaria, farmácia, hospital, laboratório de análises clínicas e unidades básicas de saúde. sba QUÍMICA FARMACÊUTICA (75 h, OBR, T:45 E:0 L:30) Estudo dos compostos com propriedades biológicas: análise, síntese e estrutura química. Propriedades físico-químicas e químicas relacionadas com atividade biológica dos medicamentos. sba SAÚDE COLETIVA (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) Introdução à Saúde Coletiva. O papel do farmacêutico na Saúde Pública. Epidemiologia e saúde. Determinação Social do Processo Saúde-Doença. Indicadores de saúde. O Sistema Único de Saúde (SUS). Vigilância em saúde. sba TCC I (30 h, OBR, T:0 E:0 L:30) Elaboração e execução do projeto de conclusão de graduação em áreas aplicadas à Farmácia. sba TCC II (30 h, OBR, T:0 E:0 L:30) Execução e análise dos resultados do projeto de conclusão de graduação em áreas aplicadas à Farmácia. sba TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Princípios de tecnologia de alimentos. Métodos de conservação dos alimentos. Higienização e sanitização de indústria de alimentos. sba TECNOLOGIA DE COSMÉTICOS (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Introdução à cosmetologia. A legislação de produtos cosméticos. Adjuvantes em cosméticos. Anatomia da pele. Anatomia do cabelo. Cosméticos para a pele. Cosméticos capilares. Produtos para banho. Produtos para higiene oral. Perfumes. Saneantes, domissaneantes e correlatos. Considerações sobre a qualidade dos cosméticos. sba TECNOLOGIA FARMACÊUTICA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30)

18 Legislação para a Indústria Farmacêutica. Boas práticas de fabricação. Tecnologia de fabricação de sólidos (Comprimidos, Comprimidos Especiais e Cápsulas). Tecnologia de revestimento de comprimidos. Sistema de liberação controlada. Tecnologia de fabricação de soluções e suspensões. Tecnologia de fabricação de emulsões. Tecnologia de fabricação de preparações parenterais e líquidos estéreis. Esterilização na indústria farmacêutica. Desenho de uma instalação farmacêutica. Embalagem e acondicionamento. Qualificação de fornecedores. sba TÓPICOS AVANÇADOS EM CONTROLE DE QUALIDADE FARMACÊUTICO (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30) Desenvolvimento de produtos sólidos, utilizando como ferramenta a Análise Térmica; Desenvolvimento de ensaios de Perfil de Dissolução; Análise de Carbono Orgânico Total (TOC) e Infravermelho próximo (Near-IV) para garantir o preconizado pela legislação de Boas Práticas de Fabricação. Tópicos avançados de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência. sba TÓPICOS AVANÇADOS PARA FARMÁCIA I (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30) Construção e desenvolvimento de tópicos de atualização e aperfeiçoamento aplicados à Farmácia. sba TÓPICOS AVANÇADOS PARA FARMÁCIA II (60 h, OPT, T:30 E:0 L:30) Construção e desenvolvimento de tópicos de atualização e aperfeiçoamento aplicados à Farmácia. sba TOXICOLOGIA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Definição e conceitos básicos. Toxicocinética. Toxicodinâmica. Toxicologia social e ambiental, de alimentos, medicamentos e ocupacional. Farmacotoxicologia. Análise Toxicológica. sba UROANÁLISE E PARASITOLOGIA CLÍNICA (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Uroanálise. Sistemática em Parasitologia: morfologia, biologia, epidemiologia, transmissão, diagnóstico e profilaxia de insetos, protozoários e helmintos de interesse médico. Estudo da interação parasito-hospedeiro e sua relação com o meio

19 ece BIOESTATÍSTICA (45 h, OBR, T:15 E:30 L:0) Variáveis e gráficos. Distribuições de freqüências. Medidas de posição e dispersão. Regressão e correlação. Noções sobre probabilidade. Distribuições especiais de probabilidade. Teoria da amostragem. Intervalo de confiança. Testes de hipóteses e significância. Análise de variância. Aplicação de planilhas eletrônicas. ece CÁLCULO I (75 h, OBR, T:45 E:30 L:0) Funções reais de uma variável real. Limite. Continuidade. Derivação. Funções Trancendentes (trigonométricas, logarítmicas, exponenciais, hiperbólicas). Regra de L Hôpital. Aplicações da derivada (traçado de gráficos, máximos e mínimos, movimento retilíneo) Integral indefinida. Integral definida e o Teorema Fundamental do Cálculo. ece FÍSICO-QUÍMICA (45 h, OBR, T:45 E:0 L:0) Comportamento dos Gases. Termodinâmica aplicada à Farmácia. Propriedades das soluções e cinética de reações. ece QUÍMICA ANALÍTICA (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Introdução à Química Analítica. Equilíbrio e Titulação Ácido-Base. Equilíbrio de Solubilidade e Titulação de Precipitação. Gravimetria. Equilíbrio e Titulação de Complexação. Equilíbrio e Titulação de Óxido-Redução. Potenciometria. ece QUÍMICA GERAL (60 h, OBR, T:30 E:0 L:30) Teoria atômica e estrutura atômica. Ligações químicas e propriedades. Reações e substâncias químicas. Estequiometria química. Soluções. Fundamentos de Termoquímica e Cinética química. Equilíbrio molecular. Equilíbrio iônico em soluções aquosas. Eletroquímica. Compostos de Coordenação. ece QUÍMICA INSTRUMENTAL (90 h, OBR, T:60 E:0 L:30) Espectroscopias Atômicas. Cromatografia à Líquido. Mecanismos de separação em Cromatografia Líquida. Cromatografia Líquida de Alta Eficiência. Métodos de Calibração. Cromatografia Gasosa. Espectroscopias Moleculares (UV e VIS). Espectroscopias Moleculares (IV e RMN). Espectrometria de Massas. Análise Térmica (TG; DTA; DSC). ece QUÍMICA ORGÂNICA I (75 h, OBR, T:45 E:0 L:30) Compostos de carbono e ligações químicas;.grupos funcionais e forças intermoleculares. Ácidos e Bases orgânicas. Alcanos e cicloalcanos: análise conformacional. Estereoquímica

20 Reações iónicas: reações de substituição e de eliminação dos haletos de alquila. Alcenos e alcinos. Propriedades e síntese. Reações radicalares. Álcoois e éteres. Sistemas insaturados conjugados. Compostos aromáticos. Reações de compostos aromáticos. ece QUÍMICA ORGÂNICA II (75 h, OBR, T:45 E:0 L:30) Aldeídos e cetonas: adição nucleofílica ao grupo carbonila e reações aldólicas. Ácidos carboxílicos e seus derivados. Adição nucleofílica e eliminação no carbono acílico. Síntese e reações dos compostos beta-dicarbonílicos: ânions enolato. Aminas: propriedades físicas e reatividade química. Fenóis e haletos de arila: substituição aromática nucleofílica e outras reações de interesse farmacêutico

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR ANEXO C UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COMISSÃO COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Fone: (31) 3899-2526. E-mail: cobio@ufv.br NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE Fixa o Currículo Pleno do Curso de Farmácia, do Setor de Ciências da Saúde. O, órgão normativo, consultivo e deliberativo da Administração Superior, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009 QUADRO D QUIVALÊNIA, SUBSTITUTAS ONTIDAS FAULDAD D NFRMAGM V 1º PRÍODO URRÍULO 2009 DISIPLINA A DISIPLINA B ódigo Disciplina /H urso Disciplina H ódigo urso 01264 Anatomia 51T 17P nfermagem Anatomia 51T

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Economia, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau, no uso

Leia mais

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica.

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica. Campus Governador Valadares Concurso 106: Departamento de Economia Proc. nº 23071.009825/2013-25 Vaga(s): 01(uma) Classe A: Professor Assistente A a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: Econometria. DAS PROVAS:

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO

FINALIDADES E OBJETIVOS DO CURSO 1.Identificação e situação legal - Identificação do curso, ato de criação, início do curso e ato de reconhecimento. CURSO: SITUAÇÃO LEGAL: Medicina Veterinária Dados de Criação/Autorização: Documento:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Engenharia Mecânica prevê em sua grade curricular atividades práticas de suma

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM: TELECOMUNICAÇÕES I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Tecnologia em Telecomunicações prevê em sua grade curricular atividades

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 05/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FARMÁCIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 9 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRICULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRICULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: FARMÁCIA Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 5 (CINCO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 7 (SETE)

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Direito, na forma do Anexo. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Enfermagem, modalidade bacharelado,

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADE ASSIS GURGACZ_FAG Cascavel, PR. MEDICINA VETERINÁRIA Manual de TCC do Curso de Medicina Veterinária, em concordância com o Regulamento De Trabalhos De Conclusão De Curso, Anexo I, Cap.XIV, da

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS Administração: Reconhecido pela Portaria nº 4218, de 06/12/2005, D.O.U. de 07/12/2005 Pedagogia: Reconhecido pela Portaria nº 42, de 22/05/2006, D.O.U. de 24/05/2006 Serviço Social:

Leia mais

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina Matriz Curricular A grade curricular proposta para o Curso de Farmácia abrange três modalidades de disciplinas: disciplinas básicas, que serão comuns aos cursos de Bioquímica, Enfermagem e Medicina, disciplinas

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Odontologia da Faculdade ASCES constitui um momento de aprendizagem

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 067/2011

RESOLUÇÃO nº 067/2011 RESOLUÇÃO nº 067/2011 Disciplina os estágios obrigatórios e não obrigatórios na Universidade Federal do Amazonas. A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO e PRESIDENTE DA CÂMARA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DO CONSELHO

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA Odontologia Regulamento dos Estágios Supervisionados Fixa normas dos Estágios Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E S O L U Ç Ã O N.º 043/2008 CI / CCH Aprovar alterações curriculares no projeto pedagógico do Curso de Graduação em Psicologia. Considerando o conteúdo das folhas 560 a 626, do Processo nº 1698/1991

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENFERMAGEM - ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENFERMAGEM - ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENFERMAGEM - ARCOS 1.PERFIL DO CURSO Nos últimos anos, a Enfermagem teve sua imagem fortalecida, principalmente quando se consideram as proposições do Sistema Único de Saúde

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS DE CURITIBANOS

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS DE CURITIBANOS ANEXO 11 Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Apresentação da Regulamentação do Trabalho de Conclusão de Curso, em consonância com a Resolução CNE/CES nº 11, de 11 de março de 2002. De acordo com a Resolução

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2013 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS

O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O ESTÁGIO CURRICULAR: ESPECIFICIDADES E FUNDAMENTOS LEGAIS O QUE É O ESTÁGIO? Estágio é um ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS E ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Título I

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS E ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Título I REGULAMENTO DE ESTÁGIOS E ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Título I DAS DEFINIÇÕES, DAS COMPETÊNCIAS E DAS HABILIDADES Art. 1 Considera-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007 Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ,

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE BIOMEDICINA Introdução à Biomedicina Apresentação ao aluno das diversas áreas de atuação do profissional Biomédico analisando a estrutura curricular oferecida

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso I e II Presidente Prudente 2009 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS Art. 1. o - O Trabalho de Conclusão

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FARMÁCIA Justificativa da oferta do curso O curso de Farmácia da Universidade do Sagrado Coração está inserido no âmbito do Centro de Ciências da Saúde e

Leia mais

Objetivos das Disciplinas Curso de Química

Objetivos das Disciplinas Curso de Química Objetivos das Disciplinas Curso de Química ANÁLISE INSTRUMENTAL Ementa: Introdução aos métodos eletroquímicos. Potenciometria; Condutometria; Voltametria; Espectrofotometria UV- VIS; Espectrometrias de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS À Comunidade Acadêmica do Curso de Farmácia da UFPR. A Comissão Orientadora de Estágios (COE) do curso de Farmácia elaborou este documento com o objetivo de esclarecer as dúvidas referentes aos estágios

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

BIOESTATÍSTICA Ementa: Desenvolvimento do aprendizado de estatística descritiva, análise dos dados, probabilidade, amostragem, testes estatísticos.

BIOESTATÍSTICA Ementa: Desenvolvimento do aprendizado de estatística descritiva, análise dos dados, probabilidade, amostragem, testes estatísticos. 1º SEMESTRE ANATOMIA I Construção geral do corpo. Anatomia ósteo-articular. Miologia. Sistema Cardiovascular. Sistema respiratório, digestivo e urogenital. Neuroanatomia. Anatomia Radiológica. CITOLOGIA

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 2º. SEMESTRE DE 2014

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 2º. SEMESTRE DE 2014 O Centro Universitário IBMR, com sede no Rio de Janeiro, nos termos de seu Regimento Geral, torna públicas as regras de funcionamento da Monitoria em Cursos de Graduação, cria vagas para o seu o programa

Leia mais

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Metodologia do Ensino de Biologia

Leia mais

PREMISSAS DE ORIENTAÇÃO DAS DCN

PREMISSAS DE ORIENTAÇÃO DAS DCN DOCUMENTO CONSOLIDADO ABEF/COMENSINO/CAEF PREMISSAS DE ORIENTAÇÃO DAS DCN As Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Farmácia (DCNs) constituem orientações para a elaboração dos currículos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 1º. SEMESTRE DE 2015

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 1º. SEMESTRE DE 2015 O Centro Universitário IBMR, com sede no Rio de Janeiro, nos termos de seu Regimento Geral, torna públicas as regras de funcionamento da Monitoria em Cursos de Graduação, cria vagas para o seu o programa

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO: FARMÁCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA O GRUPO PET FARMÁCIA VIVA torna público aos estudantes de graduação do

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais