3 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATOS E DESPACHOS DO PRESIDENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATOS E DESPACHOS DO PRESIDENTE"

Transcrição

1 3 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATOS E DESPACHOS DO PRESIDENTE ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA EMENTA: Estabelece orientações para a Semana Nacional de Conciliação. O Excelentíssimo Senhor Desembargador JORGE GOES COUTINHO, Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça, no uso de suas atribuições legais; CONSIDERANDO o Projeto da Conciliação instituído pelo Conselho Nacional de Justiça, com a adesão de todos os Tribunais de Justiça do país; CONSIDERANDO que este Tribunal realizará a semana da conciliação, dos dias 04 a 08 de dezembro e, em especial, o dia 08 de dezembro, Dia da Justiça; CONSIDERANDO que cabe ao Presidente do Tribunal de Justiça, na qualidade de chefe máximo do Poder Judiciário Estadual, superintender os trabalhos judiciários e administrativos da Justiça Estadual. RESOLVE: Art. 1º. ESTABELECER que os cartórios dos Juizados Especiais funcionarão do dia 04 ao dia 07 de dezembro em seu horário de expediente normal, qual seja, das 8 às 18 horas. No dia 08 de dezembro, dia "D" da Conciliação, os cartórios dos Juizados Especiais de Terceira Entrância e de Entrância Especial funcionarão, das 8 horas às 17 horas. Art. 2º. DETERMINAR aos Juízes Diretores dos Fóruns de Terceira Entrância e Entrância Especial que adotem as providências necessárias para a manutenção das instalações dos Juizados Especiais com a estrutura para atender partes, advogados e funcionários durante o feriado do dia 8 de dezembro; Art. 3º DETERMINAR aos Juízes Diretores dos Fóruns de Terceira Entrância e Entrância Especial que organizem plantão de Oficiais de Justiça para o cumprimento prioritário dos mandados expedidos para audiências dos Juizados Especiais durante a semana de Conciliação e plantão especial para o dia 08 de dezembro; Art. 4º DETERMINAR aos Juízes em exercício nos Juizados Especiais que encaminhem, impreterivelmente até o dia 25 de novembro, a lista dos funcionários que atuarão nos serviços cartorários e na conciliação no dia 08 de dezembro sendo deferida, desde já, a compensação do feriado trabalhado por 2 (dois) dias de folga. Deverão ser encaminhadas, ainda, as pautas de audiências designadas para toda a semana da conciliação; Art. 5º DETERMINAR aos Juízes que encaminhem a Coordenadoria dos Juizados Especiais o relatório de atuação de seu cartório, exclusivamente pelo ou pelo fax , conforme modelo disponível no anexo, no dia 08 de dezembro em uma parcial às 12 horas e o fechamento, às 17 horas; Art. 6º DETERMINAR o processamento regular dos feitos após a audiência de conciliação, inclusive com aplicação de revelia e extinção por não comparecimento da parte autora, se for o caso, e/ ou continuidade do feito nos casos de tentativa de acordo não realizadas. Publique-se. Cumpra-se. Vitória, 21 de novembro de Desembargador JORGE GOES COUTINHO Presidente do TJES Vara: Conciliador: Conciliador: Juiz: Data Dia 04 Dia 05 Dia 06 Dia 07 COORDENADORIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS Audiências de Conciliação designadas Audiência de Conciliação realizadas Tel. Acordos Realizados Processos Extintos Audiências não realizadas e/ou redesignadas Dia 08-até 12h Dia 08-após 12h Esta tabela será encaminhada às 12:00h e atualizada às 17:00h do dia 8 de Dezembro de 2006 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA ATO NORMATIVO Nº 53/2006 O Excelentíssimo Senhor Desembargador JORGE GOES COUTINHO, Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os termos do Ofício nº 292/06, de lavra da Excelentíssima Senhora Juíza de Direito - Diretora do Fórum da Comarca de Apiacá; CONSIDERANDO o disposto no Art. 58 da Resolução nº 15/95 - Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, que atribui ao Presidente do Tribunal de Justiça a competência geral para exercer a superintendência de todo o serviço judiciário, na qualidade de Chefe da Magistratura do Estado. RESOLVE: AUTORIZAR o fechamento do prédio do Fórum da Comarca de Apiacá, no dia 23/11/2006 (quinta-feira), para realização de dedetização, desratização, descupinização, limpeza de calha e lavagem de caixa d água, quando, por esse motivo, os prazos processuais ficarão suspensos. PUBLIQUE-SE. Vitória, 20 de novembro de Desembargador JORGE GOES COUTINHO Presidente do TJES TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA

2 4 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO ATO NORMATIVO N.º 54/2006 EMENTA - Recomenda a expedição de comunicação às Ciretrans, para registro de restrição judicial, em caso de busca e apreensão de Veículos. O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR JORGE GOES COUTINHO, PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS, E CONSIDERANDO os termos do OFÍCIO/PMES/BPRV/2ª SEÇÃO/Nº065/2006, da lavra do Ilmo. Sr. Comandante do Batalhão de Polícia de Trânsito Rodoviário Urbano da 2ª Seção; CONSIDERANDO os termos do Ofício Circular nº 065/06.SGV-DETRAN/ES, protocolizado neste Tribunal de Justiça sob o nº , que encaminhou ao Tribunal o OF.CIRC.Nº. 056/06.SGV-DETRAN/ES; CONSIDERANDO ainda os termos do Ofício Circular nº 89/05.SGV-DETRAN/ES, que deu origem ao Ato Normativo nº 56/2005 deste Tribunal de Justiça que recomendou aos Magistrados que expeçam solicitações de dados de veículos diretamente às Circunscrições Regionais de Trânsito - CRT; CONSIDERANDO que cabe ao Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça, na qualidade de Chefe máximo do Poder Judiciário Estadual, superintender os trabalhos judiciários. RESOLVE: Art. 1º. RECOMENDAR aos Magistrados que, por ocasião da expedição de mandado de busca e apreensão de veículo automotor, também façam expedir comunicação de restrição à Circunscrição Regional de Trânsito da circunscrição da respectiva Comarca, se for o caso. Art. 2º. Este Ato entra em vigor na data de sua publicação. ATO NORMATIVO Nº 55/2006 O Excelentíssimo Senhor Desembargador JORGE GOES COUTINHO, Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os termos do Ofício nº 373/2006/SJ-PK, protocolizado neste Tribunal sob o nº , de lavra da Excelentíssima Senhora Juíza de Direito - Diretora do Fórum da Comarca de Presidente Kennedy; CONSIDERANDO o disposto no Art. 58 da Resolução nº 15/95 - Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, que atribui ao Presidente do Tribunal de Justiça a competência geral para exercer a superintendência de todo o serviço judiciário, na qualidade de Chefe da Magistratura do Estado. RESOLVE: AUTORIZAR o fechamento do prédio do Fórum da Comarca de Presidente Kennedy, no dia 03/12/2006 (segunda-feira), para realização de dedetização, desratização, descupinização, limpeza de calha e lavagem de caixa d água, quando, por esse motivo, os prazos processuais ficarão suspensos. PUBLIQUE-SE. Vitória, 20 de novembro de Desembargador JORGE GOES COUTINHO Presidente do TJES TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA ATO NORMATIVO Nº 56/2006 O Excelentíssimo Senhor Desembargador JORGE GOES COUTINHO, Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os termos do Ofício nº 1494/06, protocolizado neste Tribunal sob o nº , de lavra da Excelentíssima Senhora Juíza de Direito - Diretora do Fórum de Cariacica; CONSIDERANDO o disposto no Art. 58 da Resolução nº 15/95 - Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, que atribui ao Presidente do Tribunal de Justiça a competência geral para exercer a superintendência de todo o serviço judiciário, na qualidade de Chefe da Magistratura do Estado. RESOLVE: AUTORIZAR o fechamento do prédio do Fórum de Cariacica, sito na Rua Bogotá, s/nº, Jardim América - Cariacica-ES, bem como o prédio dos Juizados Especiais Cíveis, Criminais e Vara da Infância e Juventude, sito na Av. Expedido Garcia, nº 188, Campo Grande, Cariacica-ES, no dia 24/11/2006 (sexta-feira), para realização de dedetização, desratização, limpeza de calhas e lavagem de caixas d água, quando, por esse motivo, os prazos processuais ficarão suspensos. PUBLIQUE-SE. Vitória, 20 de novembro de Desembargador JORGE GOES COUTINHO Presidente do TJES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA ATO ESPECIAL ASSINADO PELO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DESTE EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. ATO E Nº 780/ CONSIDERAR AFASTADA a Exmª. Srª. Drª. NELLY LABRUNIE MARTINELLI, MM. Juíza de Direito da 2ª Vara Cível do Juízo da Serra, Comarca da Capital, de Entrância Especial, por 90 (noventa) dias de licença remunerada por motivo de adoção, a partir de 20/11/2006, de acordo com o artigo 122, Inciso II, da Lei Complementar nº 46/94. P U B L I Q U E - S E Vitória, 21 de novembro de 2006 Desembargador JORGE GOES COUTINHO Presidente Art. 3º. Revogam-se as disposições em contrário. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE. Vitória/ES, 20 de novembro de Desembargador JORGE GOES COUTINHO PRESIDENTE DO TJES TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA ATOS ASSINADOS PELO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. ATO Nº 1509/06 - NOMEAR o Sr. JORGE MOYSÉS para o exercício do cargo em comissão de Adjunto Judiciário, padrão OPJ deste Egrégio Tribunal de Justiça. ATO Nº 1510/06 - NOMEAR o Sr. ANDRE LUIZ MARTINS PEREIRA para o exercício do cargo em comissão de Oficial Judiciário, padrão OPJ deste Egrégio Tribunal de Justiça.

3 5 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO ATO Nº 1511/06 - NOMEAR o Sr. JOHNSON PISSARRA para o exercício do cargo em comissão de Oficial Judiciário, padrão OPJ deste Egrégio Tribunal de Justiça. Vitória-ES, 22 de novembro de DESEMBARGADOR JORGE GOES COUTINHO PRESIDENTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA ATO ASSINADO PELO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. ATO Nº 1512/06 - NOMEAR a Sra. PRISCILA BOTELHO DE CARVALHO WANDEKOKEM para o exercício do cargo em comissão de Oficial Judiciário deste Egrégio Tribunal de Justiça. Vitória-ES, 22 de novembro de DESEMBARGADOR JORGE GOES COUTINHO PRESIDENTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA ATOS ASSINADOS PELO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. ATO Nº 1513/06 - NOMEAR o Sr. RODRIGO BARCELLOS GONÇALVES para o exercício do cargo em comissão de Assessor de Juiz de Direito de 1º Grau, lotado na 2ª Vara Criminal do Juízo de Viana, Comarca da Capital, de Entrância Especial. ATO Nº 1514/06 - NOMEAR o Sr. CARLOS ALEXANDRE VARGAS TEIXEIRA para o exercício do cargo em comissão de Oficial Judiciário, padrão OPJ deste Egrégio Tribunal de Justiça. Vitória-ES, 22 de novembro de DESEMBARGADOR JORGE GOES COUTINHO PRESIDENTE ATOS E DESPACHOS DO DIRETOR-GERAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA ATOS ADMINISTRATIVOS ASSINADOS PELO ILUSTRÍSSIMO SENHOR DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DESTE EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. ATO A Nº 541/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para acompanhar pessoa da família, a Sra. ANA LUCIA MIRANDA ABAURRE SILVEIRA, Agente Judiciário Função Administrativa deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , nos dias 06/11/06 e 07/11/06, na forma do art. 142 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 542/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para acompanhar pessoa da família, a Sra. ANDRESSA COSTA FIGUEIREDO, Técnico Judiciário Função Administrador deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , nos dias 31/10/06 e 01/11/06, na forma do art. 142 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 543/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para acompanhar pessoa da família, a Sra. IZABELLA DALLA SILY CASAGRANDE, Técnico Judiciário Função Administrador deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , no dia 08/11/06, na forma do art. 142 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 544/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para tratamento de saúde, a Sra. MARIA APARECIDA CORREA DE PAIVA, Assessor Judiciário deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , no dia 07/11/06, na forma do art. 129 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 545/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para tratamento de saúde, a Sra. EMMANUELA DE BARROS ROCHA, Adjunto Judiciário deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , nos dias 06/11/06 e 07/11/06, na forma do art. 129 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 546/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para tratamento de saúde, a Sra. MARIA NERLI ZANELLATO ACERBI, Agente de Serviços Função Comunicação deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , no dia 09/11/06, na forma do art. 129 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 547/06 - CONSIDERAR LICENCIADA para tratamento de saúde, a Sra. JOANA BROTAS CORREA FELISBERTO, Oficial Judiciário deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , nos dias 13/11/06 e 14/11/06, na forma do art. 129 da Lei Complementar nº 46/94. ATO A Nº 548/06 - AUTORIZAR A AUSÊNCIA por motivo de falecimento de pessoa da família, da Sra. RITA DE CÁSSIA PEREIRA, servidora estável deste Egrégio Tribunal de Justiça, matrícula nº , por 5 (cinco) dias a partir de 05/11/06, na forma do art. 30 inciso IV da Lei Complementar nº 46/94. P U B L I Q U E - SE Vitória-ES, 22 de novembro de JOSÉ DAS GRAÇAS PEREIRA DIRETOR-GERAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA ADMINISTRATIVA RESUMO DO TERMO DE DOAÇÃO QUE CELEBRAM O PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E A ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E DE AMPARO SOCIAL VIDA FELIZ, COM BASE NO ART. 17, INCISO II, ALÍNEA a DA LEI Nº 8.666/93. PROCESSO Nº DOADOR: Poder Judiciário do Estado do Espírito Santo. DOADO: Associação Educacional e de Amparo Social Vida Feliz OBJETO: 01 (um) Portão danificado. Vitória, 21 de novembro de JOSÉ DAS GRAÇAS PEREIRA DIRETOR GERAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL ESTADO DO ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL CARTÓRIO DA 9ª ZONA ELEITORAL SANTA LEOPOLDINA E SANTA MARIA DE JETIBÁ INFORMO QUE, DESDE O MÊS DE SETEMBRO DE 2006, O POSTO ELEITORAL DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBÁ-ES, 9ª ZONA, POSSUI NOVO ENDEREÇO, QUAL SEJA, RUA AUGUSTO JACOB, Nº 33, CENTRO, SANTA MARIA DE JETIBÁ-ES. SANTA LEOPOLDINA-ES, 23 DE OUTUBRO DE CARLOS ERNESTO CAMPOSTRINI MACHADO JUIZ ELEITORAL

4 6 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DA PRESIDÊNCIA AVISO DE RESULTADO DE JULGAMENTO DE LICITAÇÃO RETIFICAÇÃO PROCESSO Nº TJ- 1482/06-4º VOL. EDITAL DE PREGÃO Nº 088/06 OBJETO: AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (SERVIDORES DE BANCO DE DADOS, STORAGE E SOFTWARE) O PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS, HOMOLOGA, NA CONFORMIDADE DO DISPOSTO NO INCISO XXII DO ART. 4º DA LEI /02, O RESULTADO DO PREGÃO DE QUE TRATAM OS AUTOS DO PROCESSO EM REFERÊNCIA, NO QUAL O LOTE 1 FOI ADJUDICADO POR ESTA PRESIDÊNCIA À LICITANTE ITAUTEC INFORMÁTICA S/A - GRUPO ITAUTEC PHILCO, PELA IMPORTÂNCIA DE R$ 1.185, (UM MILHÃO E CENTO E OITENTA E CINCO MIL REAIS), O LOTE 02 FOI ADJUDICADO PELA PREGOEIRA À LICITANTE SERVIX INFORMÁTICA LTDA., PELO VALOR GLOBAL DE R$ ,00 (OITOCENTOS E VINTE MIL REAIS), O LOTE 3 RESTOU DESERTO E O LOTE 4 FOI SUSPENSO. VITÓRIA/ES, 20 DE NOVEMBRO DE 2006 DES. JORGE GOES COUTINHO PRESIDENTE DO TJ-ES SEGUNDA CÂMARA CÍVEL SEGUNDA CÂMARA CÍVEL CONCLUSÃO DE ACÓRDÃOS PARA EFEITO DE RECURSO OU TRÂNSITO EM JULGADO 1- Agravo de Instrumento Nº ARACRUZ - 2ª VARA CÍVEL AGVTE A R G LTDA Advogado(a) JENEFER LAPORTI PALMEIRA Advogado(a) JULIANA COUTINHO PIOL Advogado(a) ODAIR NOSSA SANT'ANA AGVDO B B G DISTRIBUIDORA LTDA Advogado(a) HERISON EISENHOWER RODRIGUES DO NASCIMENTO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSO CIVIL E CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO COM PEDIDO DE EFEITO SUSPENSIVO - PRELIMINAR - ALEGAÇÃO DE FALTA DE CAPACIDADE PROCESSUAL - REGEITADA - AÇÃO CAUTELAR DE ARRESTO - ART. 813 CPC - HIPÓTESES EXEMPLIFICATIVAS - INDÍCIOS DE ABUSO DE DIREITO DOS SÓCIOS - DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - CAUÇÃO FACULTATIVA - EXISTÊNCIA DO FUMUS BONI IURIS E PERICULUM IN MORA - CONCESSÃO DA MEDIDA PLEITEADA - DESPROVIMENTO DO AGRAVO. 1. A formação do presente agravo restou plenamente atendida, com cumprimento à regra do art. 525 do CPC, já que a agravante juntou a decisão agravada (fls. 41/42), a certidão da intimação da decisão (fls. 45) que comprova a tempestividade do recurso, e as procurações dos advogados de ambas as partes. 2. Sem conteúdo probatório diverso, resta a primeira instância o enfrentamento de eventual irregularidade na outorga da procuração da pessoa jurícida. 3. A ausência de elementos capazes de alterar o convencimento no qual se baseou o indeferimento do pedido de efeito suspensivo reforça o acerto da decisão liminar, privilegiando-a quando do julgamento definitivo. 2. Conforme entende a jurisprudência e a doutrina de nosso país, é possível ao juiz deferir cautelar de arresto fora dos casos enumerados no art. 813 do CPC. 3. Em havendo indícios de abuso de direito por parte dos sócios, torna-se aconselhável manter os bens arrestados, visando sobretudo garantir a satisfação do crédito dos credores na hipótese de se confirmar, por meio da instrução processual, a ocorrência de tal fraude. 4. Preliminar rejeitada e agravo desprovimento. indicadas. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, rejeitar a preliminar argüida, para, quanto ao mérito e por igual votação, negar provimento ao recurso. 2- Agravo de Instrumento Nº COMARCA DA CAPITAL - JUÍZO DE VITÓRIA AGVTE BANCO BRADESCO S/A Advogado(a) ANTONELLA M CONSENTIDO Advogado(a) GUILHERME VALDETARO MATHIAS Advogado(a) MARCELO GONCALVES AGVDO FARINAS INDUSTRIA COMERCIO MASSAS LTDA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO ILSA INDUSTRIA LUELLMA S/A Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO COMERCIAL CATANIA LTDA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO BRESCIA COMERCIO DE MASSAS LTDA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO AGROPECUARIA VIVA MARIA LTDA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO SAN FRANCISCO DE S GONCALO COM IND PANIF LTDA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO MANOEL FRANCISCO DE PAULA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO TARCISO LELES DE PAULA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO LUCIANO BEITE Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI AGVDO CHRISTIANO HELAL DE PAULA Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) JULIANA ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ JOSE F SIMONI RELATOR DES. ALINALDO FARIA DE SOUZA JULGADO EM 10/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO - PRELIMINARES: INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA - INÉPCIA DA INICIAL - LITISPENDÊNCIA - PREVENÇÃO - REJEITADAS - MÉRITO: PERÍCIA REQUERIDA POR AMBAS AS PARTES - HONORÁRIOS

5 7 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO PERICIAIS SUPORTADOS PELO AUTOR - ARTIGO 33 DO CPC - RECURSO PROVIDO. 1 - Os Tribunais tem posicionado no sentido de entender como relação de consumo os contratos bancários, assim tem-se competente o juízo especializado da Vara do Consumidor. Preliminar de incompetência absoluta rejeitada. 2 - É lícito ao autor formular pedido genérico, quando não foi possível determinar, de modo definitivo, as conseqüências do ato ou do fato ilícito, não caracterizando inépcia da inicial. Preliminar rejeitada. 3 - A hipótese dos autos não guarda nenhuma pertinência com a ação em curso no processo n.º , que possa justificar o conhecimento da alegada litispendência. Preliminar de litispendência rejeitada. 4 - Preliminar de prevenção prejudicada, vez que os agravados não comprovaram o alegado. 5 - Havendo ambas as partes requerido prova técnica, a responsabilidade pelo pagamento dos honorários periciais cabe ao autor, a teor do artigo 33 do Código de Processo Civil. 6 - Recurso provido parcialmente. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, rejeitar as preliminares argüidas, para quanto mérito e por igual votação, dar provimento parcial ao recurso. 3- Agravo de Instrumento Nº VILA VELHA - 1ª VARA DE FAMÍLIA AGVTE LUIZ GUILHERME RISSO Advogado(a) CAROLINA LEMOS PICANÇO Advogado(a) WANOKZOR ALVES AMM DE ASSIS AGVDO CLAUDINE RODRIGUES PIMENTA Advogado(a) ALEXANDRE PANDOLPHO MINASSA Advogado(a) MICHEL MINASSA JUNIOR Advogado(a) NAMYR CARLOS DE SOUZA FILHO RELATOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 10/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO - PROCESSUAL CIVIL E DIREITO DE FAMÍLIA - REGULAMENTAÇÃO DE VISITA - PEDIDO ALTERNATIVO - VISITAÇÃO DO PAI - CONDIÇÕES DE IGUALDADE - PRIMAZIA DO INTERESSE DO MENOR - GUARDA ALTERNADA E GUARDA COMPARTILHADA - DIFERENÇA ONTOLÓGICA. 1). O pedido alternativo traduz-se em possibilidade da aceitação de qualquer um dos pedidos realizados. 2). Na participação da vida sócio-educativa do menor, os pais devem participar em condições de igualdade, propiciando, desse modo, tanto a existência da figura materna, quanto da paterna. 3). Na regulamentação de visita do pai ou da mãe deve o Poder Judiciário primar pelos interesses do menor, de modo que as alterações em sua rotina não sejam drásticas. 4). A diferença entre guarda alternada e a compartilhada é ontológica. Enquanto a guarda compartilhada de filhos menores é o instituto que visa a participação em nível de igualdade dos genitores nas decisões que se relacionam aos filhos, a guarda alternada se consubstancia na alternância de lares, ou seja, passa a menor a possuir duas casas. 5). A guarda compartilhada é recomendada quando os pais, mesmos separados ou divorciados, convivem em perfeita harmonia e pacificidade. Precedentes. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento ao recurso. 4- Agravo de Instrumento Nº VILA VELHA - 5ª VARA CÍVEL AGVTE SMS ASSISTENCIA MEDICA LTDA Advogado(a) CARLOS JOSE LIMA FARONI Advogado(a) GUILHERME MARCHIORI DE ASSIS Advogado(a) MARCO POLO FRIZERA FILHO Advogado(a) THAISA SILVA DE OLIVEIRA NUNES AGVDO JOSE MARIA DE MARTIM Advogado(a) TIAGO BRANDAO MAGESKI RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO. PLANO DE SAÚDE. RECUSA DE COBERTURA. TUMOR DE CAVUM. CÂNCER. IDADE AVANÇADA. 76 ANOS. ESTADO DE SAÚDE PREJUDICADO. PRESUNÇÃO. DIREITO DO CONSUMIDOR. CARACTERÍSTICAS PECULIARES. ART. 51, IV, CDC. AGRAVO DE CONHECIMENTO CONHECIDO. NEGADO PROVIMENTO AO RECURSO. 1. O autor da ação originária ao presente recurso (Ação de Obrigação de Fazer), além de já contar com idade avançada (76 anos), encontra-se acometido de doença muito grave, qual seja, câncer, razão pela qual a situação ora apresentada merece ser tratada com extrema cautela. 2. Além da situação excepcional somados a alguns fatores peculiares ao caso vertente, tais como: a) o fato do autor ser conveniado no referido plano de saúde desde o ano de 1992; b) o fato do plano de saúde ter iniciado o tratamento de câncer através da quimioterapia, que acabou por se verificar insuficiente; c) o fato do autor nunca ter atrasado nenhuma das parcelas referente ao plano de saúde; d) o fato do autor contar com 76 anos de idade, dentre outros, implicam na obrigação, por parte da empresa agravada, em custear o necessário tratamento do ora agravado. 3. A doutrina e a jurisprudência tem entendido que, em casos como o vertente, a cláusula que veda este tipo de tratamento é ilegal, tendo em vista os ditames prescritos no art. 51, IV, do CDC, eis que o contrato firmado entre as partes é o típico "contrato de adesão", que somente é admitido caso não contenham cláusulas abusivas. 4. A alegação de que não há qualquer parecer médico indicando a urgência do referido tratamento, ao meu ver, e, por si só, não é capaz de rechaçar a necessidade de custeamento do tratamento, notadamente porque configura-se público e notório a urgência a que se apresenta doença de câncer, tal como apresentada pelo agravado, urgência esta intensificada com a faixa etária em que se encontra o autor. 5. Agravo de Instrumento conhecido, para negar provimento ao recurso. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 5- Apelação Civel Nº COLATINA - 2ª VARA CÍVEL APTE BANCO BRADESCO S/A Advogado(a) PONCIANO REGINALDO POLESI APDO INDUSTRIA EUGENIO MENEGHELLI LTDA Advogado(a) LORENA TARDIN ALVES BELLON APDO JORGE AUGUSTO COSTA MENEGHELLI Advogado(a) LORENA TARDIN ALVES BELLON APDO JOAO MANOEL MENEGHELLI Advogado(a) LORENA TARDIN ALVES BELLON RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSO CIVIL - AÇÃO DE EXECUÇÃO - DE ACORDO COM O ART. 598 DO CPC as disposições que regem o processo de conhecimento se aplicam subsidiariamente ao de execução - INTIMAÇÃO PESSOAL DO EXEQÜENTE - AUSÊNCIA DE MANIFESTAÇÃO - SÚMULA 240 DO STJ - IMPOSSIBILIDADE EM GRAU DE RECURSO DE A PARTE ALEGAR A PRÓPRIA TORPEZA - EXTINÇÃO POR ABANDONO (ART. 267, III, DO CPC) - SENTENÇA MANTIDA. 1 Apesar de a ação de execução ter regras próprias, o artigo 598 do CPC, permite que sejam aplicadas, subsidiariamente, as regras do procedimento ordinário ao de execução, não importando em afronta ao artigo 794, do mesmo diploma legal. 2 - Resta claro pela sequência de atos no processo o inequívo desinteresse do credor, pois após dois leilões negativos este permaneceu inerte, não se manifestando nos autos, mesmo lhe tendo sido dada duas oportunidades para tanto. 3 - Ao contrário do que afirma o Banco recorrente, o processo ficou paralisado, sem manifestação da parte autora, por muito mais do que 30 (trinta) dias, tendo decorrido, do dia que o exequente fez carga dos autos em 29/10/2003 (folhas 193)

6 8 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO até a data da certidão de folhas 194, na qual demonstra que até o dia 05/02/2004, o autor ainda não havia se manifestado, mais de três meses. 4- Muito embora a Súmula 240 do STJ disponha no sentido de prévio pedido do réu para o reconhecimento da inércia, tal disposição não se aplica ao presente caso, pois o exclusivo interesse recursal dessa matéria resta ao réu, impossibilitando que em apelação a parte inerte alegue a própria torpeza. 5 - Recurso conhecido e desprovido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 6- Apelação Civel Nº COLATINA - 2ª VARA CÍVEL APTE VILA VELHA ADM. DE CONSÓRCIOS LTDA. Advogado(a) EDUARDO NEVES GOMES APDO SANDRAMARA CASER Advogado(a) HENRIQUE SOARES MACEDO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - CONVERSÃO DE AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO EM AÇÃO DE DEPÓSITO - INADIMISSIBILIDADE DA PRISÃO CIVIL - AUSÊNCIA DE CONTRATO DE DEPÓSITO TÍPICO - PACTO DE SÃO JOSÉ DA COSTA RICA - CIRCUNSTÂNCIAS ANTERIORES AO ADVENTO DO NOVO CÓDIGO CIVIL - RECURSO IMPROVIDO. 1 - A apelante sustenta, com base em entendimento do Supremo Tribunal Federal, que persiste a constitucionalidade da prisão civil do depositário infiel em se tratando de alienação fiduciária em garantia. Afirma que a despeito dos precedentes do Superior Tribunal de Justiça em sentido contrário, trata-se de matéria constitucional. 2 - Com efeito, assinala-se, inicialmente, que os inúmeros precedentes do Colendo STJ que entendem ser incabível a prisão do devedor fiduciante, não tratam a questão sob o enfoque constitucional, mas tão-somente sob o aspecto do direito infraconstitucional, e assim o fazem sob dois fundamentos: 1) não consideram o devedor-fiduciante como depositário infiel, em razão de não se tratar de hipótese de contrato de depósito tradicional, próprio ou típico (art do Código Civil de 1916, e art. 627, do Código Civil vigente); 2) consideram que o Pacto São José da Costa Rica derrogou os dispositivos legais do Código Civil de 1916 e do Código de Processo Civil que dispunham acerca da prisão civil do depositário infiel. 3 - Conforme voto da lavra do Ministro Ruy Rosado de Aguiar, relator do EREsp nº /GO, julgado na sessão do dia 05 de maio de 1999, pela Corte Especial do STJ, além do devedor fiduciante não se equiparar ao depositário infiel, a imposição da prisão civil ao infiel depositário encontra-se suprimida de nosso ordenamento jurídico devido à falta de previsão legal em vigor. E, conquanto seja por exceção constitucionalmente permitida, destacou o Ministro que "não basta a permissão". 4 - No que concerne ao primeiro fundamento, oportuno destacar a lição de Alexandre de Freitas Câmara no sentido de que o Decreto-lei nº 911/69 equiparou o devedor na alienação fiduciária ao depositário, estabelecendo um caso de prisão por dívida, o que é vedado pelo Texto Magno, posto que este somente permite a prisão por dívida do depositário (além do devedor de alimentos), e não de quem - não sendo depositário - a ele seja equiparado. 5 - De fato, o devedor fiduciante não é depositário do bem. No dizer do aludido jurista carioca: Em primeiro lugar, é de se ver que o depositário não pode - salvo expressa autorização do depositante - usar a coisa cuja guarda lhe foi confiada. De outro lado, o devedor na alienação fiduciária não só pode usar como, registra-se, a finalidade da alienação fiduciária é, precisamente, facilitar o acesso aos bens de consumo, permitindo-se, desde logo, sua utilização. Além disso, no contrato de depósito o principal direito do credor é o de obter a coisa de volta, enquanto no contrato de alienação fiduciária o credor tem, precipuamente, direito a receber dinheiro com o que a propriedade do bem passará a ser do devedor. Por fim, no contrato de depósito o proprietário depositante, arca com os riscos da coisa (afinal, res perit domino), enquanto na alienação fiduciária em garantia os riscos da coisa correm perecido sem culpa sua. 6 - Assim, conclui o jurista, parece evidente que não há depósito na alienação fiduciária em garantia, o que exclui a possibilidade de prisão, ao menos nos termos em que este meio de coerção está previsto no Decreto-lei nº 911/ Embora esse não seja o entendimento dominante do STF, há vozes dissonantes no Pretório Excelso que entendem pela inconstitucionalidade da prisão civil fundada na equiparação do devedor fiduciário ao depositário. O Ministro Carlos Velloso, hoje aposentado, no julgamento do Habeas Corpus nº 77527/MG, publicado no Diário da Justiça de 16/04/2004, embora vencido juntamente com os Ministros Marco Aurélio e Sepúlveda Pertence, asseverou que: A Constituição, no art. 5º, LXVII, não autoriza a prisão civil de quem não é depositário e, porque não é depositário, na sua exata compreensão jurídica, não pode ser depositário infiel; noutras palavras, a Constituição autoriza a prisão civil - art. 5º, LXVII - apenas do depositário infiel, vale dizer, daquele que se tornou depositário mediante contrato de depósito, não de devedor que se torna depositário em razão de equiparação baseada numa mera ficção legal. Se isso fosse possível, amanhã, mediante outras equiparações, fortes em outras ficções legais, poderíamos ter uma prisão excepcional - CF, art. 5º, LXVII - transformada em regra, fraudando-se, assim, a Constituição. 8 - O Ministro Marco Aurélio, no julgamento do Habeas Corpus nº 72131/RJ, publicado no Diário da Justiça da União de 01/08/2003, embora também vencido, anotou que o preceito inserido no inciso LXVII, do rol das garantias constitucionais, não tem outro sentido senão o de situar, como passível de vir a ser preso, o depositário, ou seja, aquele que, à mercê da celebração de um contrato, o de depósito, haja recebido um bem móvel, para guardar, até que a parte depositante o reclame. Sustentou, além disso, que são justamente as peculiaridades do referido negócio que respaldam tal elemento de coerção drástico, uma vez que alguém na titularidade de domínio de um bem, entrega-o, sem aliená-lo, a outrem, que assume, por sua vez, a obrigação não só de preservá-lo, como de devolvê-lo no momento em que instado a fazê-lo. 9 - De fato, isso não ocorre no caso da alienação fiduciária, em que uma pessoa (devedor fiduciante) obtém um financiamento para aquisição de bem móvel, alienando-o ao fiduciário (credor), que fica com a posse indireta e o domínio resolúvel do referido bem, independente da tradição efetiva do bem, como garantia de pagamento da dívida assumida No que tange especificamente ao segundo fundamento, ou seja, de que o Pacto de São José da Costa Rica revogou os dispositivos do CC/1916 e do CPC acerca da prisão do depositário infiel, também o Ministro Carlos Velloso e o Ministro Marco Aurélio defenderam no julgamento do Habeas Corpus nº /GO, publicado no Diário da Justiça da União de 19/8/2005, embora vencidos no STF, no mesmo sentido da corrente dominante do STJ de que não subsiste a prisão do depositário ante a falta de regulamentação do dispositivo constitucional - já que teria este sido suplantado pelo Pacto de São José da Costa Rica. Nota-se que tal matéria está adstrita à seara infraconstitucional, pois não se discute acerca da constitucionalidade ou não da prisão do depositário infiel Com efeito, com o advento do Código Civil de 2002, notadamente no que tange aos fatos ocorridos após a sua entrada em vigor, tal argumento perdeu a valia, visto que o art. 652, do referido diploma, estabelece que o depositário que não restituir quando exigido, seja decorrente do depósito voluntário ou necessário, será compelido a fazê-lo mediante prisão não excedente a um ano. Da mesma forma que outrora ocorrera com o ingresso do Pacto São José da Costa Rica em nosso ordenamento jurídico, com o advento do novo Código Civil, sendo norma de mesma hierarquia, por ser posterior, prevalece sobre aquele Todavia, no presente caso, os fatos ocorreram antes ao advento do Código Civil de 2002, sendo incabível a prisão da devedora fiduciante também nesse particular. Desse modo, vislumbra-se não ser cabível a decretação da prisão da apelada, devedora fiduciante, tanto em razão dos fatos terem ocorrido antes do advento do Novo Código Civil, que previu acerca da prisão do depositário infiel, como em função de não ser equiparada ao depositário infiel propriamente dito Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 7- Apelação Civel Nº COMARCA DE DOMINGOS MARTINS APTE MUNICIPIO DE DOMINGOS MARTINS Advogado(a) ALINE TESCH SIMON Advogado(a) LETICIA BRANDAO HERINGER APDO FLORISVALDO SANTANA DIAS Advogado(a) ECIO JOAO BAPTISTA FARINA RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSO CIVIL - EMBARGOS À EXECUÇÃO TÍTULO EXECUTIVO - administração pública - LC 101/ particular de boa-fé - DÍVIDA

7 9 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO CONSUBSTANCIADA EM TERMO - adicional de periculosidade - SENTENÇA MANTIDA. 1 - O julgamento de improcedência dos embargos à execução confirma a validade do título executivo que aparelha a execução. 2 - A administração pública não pode ser sub dividida, devendo ser entendida como una e contínua, sob pena de prejudicar o interesse público. Assim, se a administração passada burlou os dispositivos da LC 101/2000, tal como alega o Município apelante, não será o particular de boa-fé que irá arcar com os prejuízos de uma má administração. Até mesmo porque, a legislação oferece meios próprios para que a atual administração responsabilize o administrador passado. 3 - Dívida comprovada nos autos referente à adicional de periculosidade devido ao apelado. 3- Apelo conhecido e desprovido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 8- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 5ª VARA CÍVEL APTE JM ORG CONTABIL S/C Advogado(a) SERGIO DOS SANTOS APDO FERPAN COMERCIO E REPRESENTACOES LTDA Advogado(a) GILVAN BASTOS MORANDI Advogado(a) RODRIGO BRAGA FERNANDES RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - MEDIDA CAUTELAR INOMINADA - DUPLICATA SEM ACEITE - COBRANÇA DE VERBA PREVISTA EM TABELA PARA O MÊS DE NOVEMBRO - EMISSÃO DE DUPLICATA PARA COBRANÇA DE 13º SALÁRIO EM MEADOS DO ANO A QUE SE REFERE O RESPECTIVO EXERCÍCIO - HONORÁRIOS FIXADOS CONFORME AS PECULIARIDADES DO CASO CONCRETO - RECURSO IMPROVIDO. 1 - O apelante sustenta que a duplicata foi emitida em decorrência da nota fiscal de serviço nº 0227, não havendo que se falar em vício na sua origem. Aduz que há comprovação de que a apelada, em 21/08/2000, comunicou à Secretaria da Fazenda o rompimento da relação jurídica havida entre as partes. Entretanto, assinala-se, já de início, que a nota fiscal acostada a folhas 62 não faz nenhuma menção à prestação de serviços contábeis realizados até o dia 21/08/2000, tal como sustenta o apelante, mas sim refere-se ao denominado 13º honorários contábeis referente ao exercício de O apelante afirmou na contestação de folhas 31-36, que a remuneração contratual de honorários denominados 13º salário é cobrada ao longo do pacto em um dos meses de cada ano calendário, conforme tabela fixada pelo Sindicato das Empresas de Serviços e Assessoria Contábil. Ocorre que a referida tabela estabelece que a 13ª parcela de honorários será cobrada juntamente com a mensalidade de novembro, não devendo ultrapassar ao 5º dia útil do mês de dezembro do mesmo ano (folhas 44, processo principal). Importa mencionar que há nos autos nota fiscal emitida em 02/12/1999, referente à cobrança do 13º honorários exercício de Restando manifesto que a cobrança de tal verba no mês de agosto de 2000, referente ao exercício daquele ano, é despropositada. Assim, não se afigura lícito a emissão de tal duplicata visando a cobrança no mês de agosto, data do rompimento do contrato, do referido 13º salário. 3 - Acentua-se que o referido 13º salário referia-se ao exercício de 2000, sendo que em meados desse mesmo ano o contrato foi rompido. 4 - O aceite na duplicata tem a propriedade de desvincular o referido título de crédito de sua causa. Sem o aceite, portanto, deve ser comprovada a efetiva prestação do serviço - o que não ocorreu no presente caso. Conforme consignou acertadamente o Juízo de origem, se o apelante alega possuir qualquer direito decorrente de eventuais serviços prestados à apelada, deve pleitear através de uma ação de conhecimento de natureza condenatória, mas não emitir uma duplicata e levá-la à protesto, tal como ocorrido. 5 - Por derradeiro, acerca do pedido de reforma da sentença para minorar a condenação em honorários advocatícios para um salário mínimo, melhor sorte não assiste ao apelante. Os honorários fixados pelo Juízo de origem aos patronos da apelada, no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais), atendem perfeitamente às peculiaridades do caso concreto, não havendo que se falar em minoração. 6 - Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 9- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 5ª VARA CÍVEL APTE PANADERIL DISTRIBUIDORA LTDA Advogado(a) LEONARDO O C DE MIRANDA Advogado(a) RODRIGO BRAGA FERNANDES APDO JM ORG CONTABIL SC Advogado(a) SERGIO DOS SANTOS RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - MEDIDA CAUTELAR INOMINADA - DUPLICATA SEM ACEITE - PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMPROVADO - HONORÁRIOS MANTIDOS EM 20% SOBRE O VALOR DA CAUSA - RECURSO IMPROVIDO. 1 - É sabido que o aceite na duplicata tem a propriedade de desvincular o referido título de crédito de sua causa. Sem o aceite, portanto, deve ser comprovada a efetiva entrega da mercadoria ou prestação do serviço. 2 - Com efeito, em que pese os argumentos deduzidos pelo apelante, o Juízo de origem entendeu, acertadamente, que, no caso sub examine, a duplicata sem aceite foi emitida com base na nota fiscal de serviço acostada a folhas 57, a qual descreve a realização de serviços contábeis no período de 01 a 21 de agosto de A referida nota continha a data do vencimento para o dia 06/10/2000, tal como destacado no título acostado a folhas 15 do processo cautelar em apenso. 3 - Veja-se que embora ali não haja referência à nota fiscal de serviço supra mencionada, consoante já se manifestou o Colendo Superior Tribunal de Justiça, a lei pretendeu aplicar as duplicatas oriundas de prestação de serviço o mesmo tratamento conferido as sacadas em virtude de compra e venda, assim, estando abolida a necessidade de transcrição do documento comprobatório da entrega da mercadoria, no instrumento de protesto, há que se entender que a formalidade e dispensável também quando se cuide de duplicata decorrente de prestação de serviço. 4 - Nota-se, além disso, pelo teor da correspondência enviada ao Agente da Fazenda Estadual de Vitória, com o escopo de informar o rompimento do contrato de prestação de serviços com o apelado, que o próprio apelante afirma que a partir daquela data, ou seja, 21 de agosto de 2000, estaria contratando o outro contabilista ali nomeado. 5 - Assinala-se que, muito embora o apelante afirme que a presunção de que se valeu o Juízo de origem de que os serviços foram prestados até comunicação à Secretaria da Fazenda sobre o rompimento da relação jurídica entre as partes é equivocada, os documentos acostados a folhas 60 e 61 comprovam que no mesmo dia em que o apelante outorgou procuração para o apelado lhe representar perante a Fazenda Pública Estadual, em 16 de janeiro de 1997, foi comunicado ao agente fazendário. Consoante destacou o MM Magistrado de primeira instância, se efetivamente os serviços foram prestados até junho ou julho de 2000, como afirmado pela testemunha de folhas 100, deveria o apelante ter tido a cautela de, imediatamente, comunicar o rompimento do vínculo obrigacional. 6 - Por derradeiro, no que tange à condenação em honorários advocatícios em 20% (vinte por cento) sobre o valor da causa, também não merece prosperar a irresignação do apelante, notadamente porque o valor da causa, sem a devida atualização, corresponde à tão-somente R$ 318,55 (trezentos e dezoito reais e cinqüenta e cinco centavos). 7 - Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 10- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 3ª VARA CÍVEL APTE BANDES S/A Advogado(a) ALESSANDRO ANDRADE PAIXAO Advogado(a) SEBASTIÃO TRISTÃO STHEL APDO MARIO FERNANDO HOLZBACH

8 10 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO Advogado(a) DIOGO CAMPO DALL ORTO APDO GLAUCIA MARIA HOLZBACH Advogado(a) DIOGO CAMPO DALL ORTO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - CÉDULA DE CRÉDITO INDUSTRIAL - TÍTULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL - ART. 585, VII, DO CPC - DECRETO-LEI Nº 413/69 - SENTENÇA ANULADA - CONHECIMENTO DO OBJETO DOS EMBARGOS - RESPONSABILIDADE PESSOAL E DIRETA DOS AVALISTAS - A HIPOTECA CEDULAR NÃO EXCLUI O AVAL - FACULDADE DO CREDOR PARA BUSCAR A SATISFAÇÃO DO SEU CRÉDITO - RECURSO PROVIDO. 1 - Assinala-se, inicialmente, que os apelados opuseram os presentes embargos à execução, a qual foi movida em face da empresa COURONORTE INDÚSTRIA E COMÉRCIO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA, deles e demais sócios, os quais foram avalistas do empréstimo tomado pela empresa com o Banco apelante, aduzindo que a execução teve início em agosto de 1999, três anos após a saída dos mesmos do quadro societário. Por essa razão, pugnaram para que fossem excluídos do pólo passivo da execução. Alegaram, além disso, que foi dada garantia hipotecária no ato do empréstimo, a qual é suficiente para saldar o débito. 2 - O Juízo de origem considerou que a cédula de crédito industrial não está encartada em nenhuma das hipóteses do art. 585, do CPC, e concluiu, além disso, que, em verdade, trata-se de um contrato de abertura de crédito bancário em conta corrente. 3 - O art. 585, VII, do Código de Processo Civil, dispõe que são títulos executivos extrajudiciais todos os demais títulos, a que, por disposição expressa, a lei atribuir força executiva. Preleciona Araken de Assis que não existe fórmula única para atribuir eficácia executiva, tanto valendo, apesar da necessária interpretação restrita, menção à vetusta ação executiva, ou expressão equivalente, quanto a identificação de elementos estruturais e funcionais comuns ao rol do art Dentre os exemplos fornecidos pelo citado jurista, inclui-se a cédula de crédito industrial, notadamente tendo em vista o disposto no art. 41, do Decreto-lei nº 413, de 09/01/1969, que dispõe acerca da ação para cobrança da Cédula de Crédito Industrial. Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery classificam a cédula de crédito industrial como espécie de título executivo extrajudicial cambiariforme. 4 - Com efeito, o Decreto-lei nº 413, de 09/01/1969, que dispõe acerca dos títulos de créditos industriais, preceitua, em seu art. 10, que a cédula de crédito industrial é título líquido, certo e exigível. O art. 14, da mesma lei, estabelece os requisitos que a mesma deverá conter. Consoante manifestou-se o Superior Tribunal de Justiça: (...) A CEDULA DE CREDITO INDUSTRIAL CONSTITUI TITULO EXECUTORIO EXTRAJUDICIAL, UMA VEZ REVESTIDA DAS FORMALIDADES LEGAIS. CONFERE AO CREDOR DIREITO DE, EM JUIZO, VALER-SE DA EXECUÇÃO FORÇADA (...). 5 - Diante dessas considerações, cabe analisar se efetivamente o título que se vale o apelante para ajuizar a execução ora embargada trata-se de cédula de crédito industrial, porquanto, se assim for considerado, há enunciado expresso do STJ no sentido de que o contrato de abertura de crédito, ainda que acompanhado de extrato da conta-corrente, não é título executivo (Súmula nº 233). Basta uma singela leitura do título em comento para concluir com absoluta certeza de que se trata sim de uma cédula de crédito industrial, emitida com fulcro no Decreto nº 413/69, não havendo como se confundir tal financiamento com contrato de abertura de crédito. Assim sendo, prospera os argumentos expendidos pelo apelante, devendo ser anulada a sentença que acolheu os embargos no sentido de considerar inepta a inicial da execução. 6 - Tendo em vista que a presente ação está em condições de imediato julgamento, uma vez que se trata de questão exclusivamente de direito, passar-se-á à análise do mérito dos embargos à execução opostos pelos apelado, com fulcro no art. 515, 3º do Código de Processo Civil. 7 - Os apelados, doravante denominados embargantes, opuseram embargos à execução pugnando para que fossem excluídos do pólo passivo da execução, aduzindo que esta teve início em agosto de 1999, três anos após a saída dos mesmos do quadro societário. Sustentam que os sócios remanescentes assumiram toda a responsabilidade civil e criminal em relação à sociedade até então existente, respondendo os mesmos por quaisquer prejuízos quanto aos avais e fianças prestadas pelos embargantes ( 3º da cláusula primeira da alteração contratual, folhas 23). 8 - Ressalta-se, contudo, que os embargantes figuraram como avalistas da cédula de crédito industrial emitida pela empresa que fizeram parte. De acordo com o art. 52, do Decreto-lei nº 413/69, aplica-se à cédula de crédito industrial, no que for cabível, as normas de direito cambial, dispensando, porém, o protesto para garantir o direito de regresso contra endossantes e avalistas. 9 - O aval, como sabido, é uma declaração cambial firmada por terceiro que garante, total ou parcialmente, o pagamento do título. O avalista é coobrigado nas mesmas condições do devedor principal e, desde que lançou o seu aval, deve estar ciente de que poderá ser chamado a cumprir a obrigação nos casos de inadimplência, pois é devedor solidário. Assim, a ação cambial (isto é, a execução), pode ser proposta contra todos os que se obrigaram no título O fato dos sócios terem eximido os embargantes de qualquer responsabilidade quanto ao aval, não afasta a responsabilidade destes, notadamente porque se trata de obrigação pessoal e direta assumida pelos embargantes em relação ao credor do título Consigna-se, por oportuno, as lições de Rubens Requião, no sentido de que sendo as obrigações cambiárias autônomas uma das outras, o avalista que está sendo executado em virtude da obrigação avalizada, não pode opor-se ao pagamento, fundado em matéria atinente à origem do título, que lhe é estranha. O aval é obrigação formal, autônoma, independente, e que decorre da simples aposição, no título, da assinatura do avalista. (Curso de Direito Comercial, Editora Saraiva, página 342) Outrossim, o fato de haver mais de uma garantia no mesmo contrato, não afasta a possibilidade de o credor-embargado se valer de quaisquer uma delas para buscar a satisfação do seu crédito. De fato, embora o contrato esteja garantido por hipoteca cedular, o credor preferiu ajuizar ação de execução por quantia certa contra devedor solvente fundada em título executivo extrajudicial tanto em face do devedor principal, como em face dos avalistas e co-obrigados - o que é plenamente admitido ao mesmo Recurso provido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento ao recurso. 11- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 5ª VARA CÍVEL APTE JM ORG CONTABIL S/C Advogado(a) SERGIO DOS SANTOS APDO FERPAN COMERCIO E REPRESENTACOES LTDA Advogado(a) GILVAN BASTOS MORANDI Advogado(a) RODRIGO BRAGA FERNANDES RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DECLARATÓRIA DE anulação de títulos cumulada com reparação de danos - DUPLICATA SEM ACEITE - COBRANÇA DE VERBA PREVISTA EM TABELA PARA O MÊS DE NOVEMBRO - EMISSÃO DE DUPLICATA PARA COBRANÇA DE 13º SALÁRIO EM MEADOS DO ANO A QUE SE REFERE O RESPECTIVO EXERCÍCIO - HONORÁRIOS FIXADOS CONFORME AS PECULIARIDADES DO CASO CONCRETO - RECURSO IMPROVIDO. 1 - O apelante sustenta que a duplicata foi emitida em decorrência da nota fiscal de serviço nº 0227 (folhas 48), não havendo que se falar em vício na sua origem. Aduz que o documento de folhas 47 comprova que a apelada, em 21/08/2000, comunicou à Secretaria da Fazenda o rompimento da relação jurídica havida entre as partes. Entretanto, assinala-se, já de início, que a nota fiscal acostada a folhas 48 não faz nenhuma menção à prestação de serviços contábeis realizados até o dia 21/08/2000, tal como sustenta o apelante, mas sim refere-se ao denominado 13º honorários contábeis referente ao exercício de O apelante afirmou na contestação de folhas 33-37, que a remuneração contratual de honorários denominados 13º salário é cobrada ao longo do pacto em um dos meses de cada ano calendário, conforme tabela fixada pelo Sindicato das Empresas de Serviços e Assessoria Contábil. Ocorre que a referida tabela estabelece que a 13ª parcela de honorários será cobrada juntamente com a mensalidade de novembro, não devendo ultrapassar ao 5º dia útil do mês de dezembro do mesmo ano (folhas 44). 3 - Desse modo, não se afigura lícito a emissão de tal duplicata visando a cobrança no mês de agosto, data do rompimento do contrato, do referido 13º salário. Acentua-se que o referido 13º salário referia-se ao exercício de 2000, sendo que em meados desse mesmo ano o contrato foi rompido. 4 - O aceite na duplicata tem a propriedade de desvincular o referido título de crédito de sua causa. Sem o aceite, portanto, deve ser comprovada a efetiva prestação do serviço - o que não ocorreu no presente caso. Conforme consignou acertadamente o Juízo de origem, se o apelante alega possuir qualquer direito decorrente de eventuais serviços prestados à apelada, deve pleitear através de uma

9 11 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO ação de conhecimento de natureza condenatória, mas não emitir uma duplicata e levá-la à protesto, tal como ocorrido. 5 - Por derradeiro, acerca do pedido de reforma da sentença para minorar a condenação em honorários advocatícios para um salário mínimo, melhor sorte não assiste ao apelante. Os honorários fixados pelo Juízo de origem aos patronos da apelada, no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), atendem perfeitamente às peculiaridades do caso concreto, não havendo que se falar em minoração. 6 - Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 12- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 5ª VARA CÍVEL APTE PANADERIL DISTRIBUIDORA LTDA Advogado(a) LEONARDO O C DE MIRANDA Advogado(a) RODRIGO BRAGA FERNANDES APDO JM ORG CONTABIL SC Advogado(a) KLEBER LUIZ VANELI DA ROCHA Advogado(a) SERGIO DOS SANTOS RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DECLARATÓRIA DE anulação de títulos cumulada com reparação de danos - DUPLICATA SEM ACEITE - PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMPROVADO - HONORÁRIOS MANTIDOS EM 20% SOBRE O VALOR DA CAUSA - RECURSO IMPROVIDO. 1 - É sabido que o aceite na duplicata tem a propriedade de desvincular o referido título de crédito de sua causa. Sem o aceite, portanto, deve ser comprovada a efetiva entrega da mercadoria ou prestação do serviço. 2 - Com efeito, em que pese os argumentos deduzidos pelo apelante, o Juízo de origem entendeu, acertadamente, que, no caso sub examine, a duplicata sem aceite foi emitida com base na nota fiscal de serviço acostada a folhas 57, a qual descreve a realização de serviços contábeis no período de 01 a 21 de agosto de A referida nota continha a data do vencimento para o dia 06/10/2000, tal como destacado no título acostado a folhas 15 do processo cautelar em apenso. 3 - Veja-se que embora ali não haja referência à nota fiscal de serviço supra mencionada, consoante já se manifestou o Colendo Superior Tribunal de Justiça, a lei pretendeu aplicar as duplicatas oriundas de prestação de serviço o mesmo tratamento conferido as sacadas em virtude de compra e venda, assim, estando abolida a necessidade de transcrição do documento comprobatório da entrega da mercadoria, no instrumento de protesto, há que se entender que a formalidade e dispensável também quando se cuide de duplicata decorrente de prestação de serviço. 4 - Nota-se, além disso, pelo teor da correspondência enviada ao Agente da Fazenda Estadual de Vitória, com o escopo de informar o rompimento do contrato de prestação de serviços com o apelado, que o próprio apelante afirma que a partir daquela data, ou seja, 21 de agosto de 2000, estaria contratando o outro contabilista ali nomeado. 5 - Assinala-se que, muito embora o apelante afirme que a presunção de que se valeu o Juízo de origem de que os serviços foram prestados até comunicação à Secretaria da Fazenda sobre o rompimento da relação jurídica entre as partes é equivocada, os documentos acostados a folhas 60 e 61 comprovam que no mesmo dia em que o apelante outorgou procuração para o apelado lhe representar perante a Fazenda Pública Estadual, em 16 de janeiro de 1997, foi comunicado ao agente fazendário. Consoante destacou o MM Magistrado de primeira instância, se efetivamente os serviços foram prestados até junho ou julho de 2000, como afirmado pela testemunha de folhas 100, deveria o apelante ter tido a cautela de, imediatamente, comunicar o rompimento do vínculo obrigacional. 6 - Por derradeiro, no que tange à condenação em honorários advocatícios em 20% (vinte por cento) sobre o valor da causa, também não merece prosperar a irresignação do apelante, notadamente porque o valor da causa, sem a devida atualização, corresponde à tão-somente R$ 464,31 (quatrocentos e sessenta e quatro reais e trinta e um centavos). 7 - Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 13- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 3ª VARA CÍVEL APTE BANDES S/A Advogado(a) ALESSANDRO ANDRADE PAIXAO Advogado(a) SEBASTIÃO TRISTÃO STHEL APDO COURONORTE INDUSTRIA E COMERCIO EXPORTAÇAO E IMPORTAÇAO LTDA Advogado(a) LEONARDO BARBOSA CABRAL Advogado(a) LUIZ FERNANDO CHIABAI PIPA SILVA APDO CARLOS FURTADO DE MELO Advogado(a) LEONARDO BARBOSA CABRAL Advogado(a) LUIZ FERNANDO CHIABAI PIPA SILVA APDO JANE FONSECA DE MELO Advogado(a) LEONARDO BARBOSA CABRAL Advogado(a) LUIZ FERNANDO CHIABAI PIPA SILVA RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - CÉDULA DE CRÉDITO INDUSTRIAL - TÍTULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL - ART. 585, VII, DO CPC - DECRETO-LEI Nº 413/69 - SENTENÇA ANULADA - CONHECIMENTO DO OBJETO DOS EMBARGOS - LEGITIMIDADE DO EMBARGADO PARA A COBRANÇA DO CRÉDITO EXEQÜENDO - EXCESSO DE EXECUÇÃO CONFIGURADO - ILEGALIDADE DA TAXA DE JUROS REMUNERATÓRIOS SUPERIOR A 12% - CORREÇÃO MONETÁRIA - INPC - NÃO PACTUAÇÃO DE TR - RECURSO PROVIDO. 1 - Assinala-se, inicialmente, que os apelados opuseram os presentes embargos à execução, a qual foi movida em face da empresa COURONORTE INDÚSTRIA E COMÉRCIO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA, deles e demais avalistas do empréstimo tomado pela empresa com o Banco apelante, aduzindo que o exeqüente não teria comprovado que é o titular do crédito, bem como que o título é inexigível, porque 1) impõe taxa de juros diversa daquela prevista na Lei nº 9.365/96, 2) a correção monetária está em desacordo com as disposições da Medida Provisória nº 542, de 30/06/1994, convolada na Lei nº 9.069/97 (art. 27). 2 - O Juízo de origem considerou que a cédula de crédito industrial não está encartada em nenhuma das hipóteses do art. 585, do CPC, e concluiu, além disso, que, em verdade, trata-se de um contrato de abertura de crédito bancário em conta corrente. 3 - O art. 585, VII, do Código de Processo Civil, dispõe que são títulos executivos extrajudiciais todos os demais títulos, a que, por disposição expressa, a lei atribuir força executiva. Preleciona Araken de Assis que não existe fórmula única para atribuir eficácia executiva, tanto valendo, apesar da necessária interpretação restrita, menção à vetusta ação executiva, ou expressão equivalente, quanto a identificação de elementos estruturais e funcionais comuns ao rol do art Dentre os exemplos fornecidos pelo citado jurista, inclui-se a cédula de crédito industrial, notadamente tendo em vista o disposto no art. 41, do Decreto-lei nº 413, de 09/01/1969, que dispõe acerca da ação para cobrança da Cédula de Crédito Industrial. Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery classificam a cédula de crédito industrial como espécie de título executivo extrajudicial cambiariforme. 4 - Com efeito, o Decreto-lei nº 413, de 09/01/1969, que dispõe acerca dos títulos de créditos industriais, preceitua, em seu art. 10, que a cédula de crédito industrial é título líquido, certo e exigível. O art. 14, da mesma lei, estabelece os requisitos que a mesma deverá conter. Consoante manifestou-se o Superior Tribunal de Justiça: (...) A CEDULA DE CREDITO INDUSTRIAL CONSTITUI TITULO EXECUTORIO EXTRAJUDICIAL, UMA VEZ REVESTIDA DAS FORMALIDADES LEGAIS. CONFERE AO CREDOR DIREITO DE, EM JUIZO, VALER-SE DA EXECUÇÃO FORÇADA (...). 5 - Diante dessas considerações, cabe analisar se efetivamente o título que se vale o apelante para ajuizar a execução ora embargada trata-se de cédula de crédito industrial, porquanto, se assim for considerado, há enunciado expresso do STJ no sentido de que o contrato de abertura de crédito, ainda que acompanhado de extrato da conta-corrente, não é título executivo (Súmula nº 233). Basta uma singela leitura do título em comento para concluir com absoluta certeza de que se trata sim de uma cédula de crédito industrial, emitida com fulcro no Decreto nº 413/69, não havendo como se confundir tal financiamento com contrato de abertura de crédito. Assim sendo, prospera os argumentos expendidos pelo

10 12 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO apelante, devendo ser anulada a sentença que acolheu os embargos no sentido de considerar inepta a inicial da execução. 6 - Tendo em vista que a presente ação está em condições de imediato julgamento, uma vez que se trata de questão exclusivamente de direito, passar-se-á à análise do mérito dos embargos à execução opostos pelos apelado, com fulcro no art. 515, 3º do Código de Processo Civil. 7 - Os apelados, doravante denominados embargantes, opuseram embargos à execução, aduzindo que o exeqüente não teria comprovado que é o titular do crédito, bem como que o título é inexigível, porque 1) impõe taxa de juros diversa daquela prevista na Lei nº 9.365/96, violando a TJLP; 2) a correção monetária está em desacordo com as disposições da Medida Provisória nº 542, de 30/06/1994, convolada na Lei nº 9.069/97 (art. 27). 8 - Acerca da titularidade do crédito, afirmam os embargantes que o embargado, antes denominado apelante, não trouxe aos autos a prova de que se subrogou nos direitos do credor originário. Ocorre que a cédula de crédito industrial em comento foi emitida pela primeira embargante com a finalidade de ser paga justamente ao Banco embargado, e não obstante a fonte dos recursos ser a FINAME, foi apresentado pelo embargado na qualidade de seu Agente Financeiro. É por meio da FINAME, através de instituições financeiras credenciadas, tal como o BANDES - Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo S/A, que se consegue financiamentos para aquisição isolada de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados pelo BNDES, e capital de giro associado para micro, pequenas e médias empresas. Toda operação é realizada por meio da instituição financeira, que responsabiliza-se pelo repasse do dinheiro, bem como pelo recebimento de todos os pagamentos (tal como previsto na cédula de crédito, folhas 12, do processo de execução em apenso). Desse modo, não há que se falar em ilegitimidade do embargante para ajuizamento da execução ora embargada. 9 - No que tange à taxa de juros, constata-se que o percentual de juros remuneratórios, somada a taxa de juros fixa de 3% à TJLP, ultrapassou o legal de 12% (doze por cento) ao ano em todos os meses, daí porque é cabível o recorte do excesso. O Colendo Superior Tribunal de Justiça já encampou o entendimento segundo o qual "(...) O artigo 5º do Decreto-lei nº 413/69, posterior à Lei nº 4.595/64, específico para as cédulas de crédito industrial, confere ao Conselho Monetário Nacional o dever de fixar os juros a serem praticados. Ante a omissão desse órgão governamental, incide a limitação de 12 % ao ano prevista no Decreto nº /33 (Lei de Usura) (...)". (REsp Nº /RJ - Relator MIN. CASTRO FILHO - TERCEIRA TURMA - DJ ). 10- Por fim, no que concerne a inexigibilidade do título em razão da correção monetária estar em desacordo com as disposições da Medida Provisória nº 542, de 30/06/1994, convolada na Lei nº 9.069/97 (art. 27), também prospera os argumentos dos embargantes. Afirmam os embargantes que a correção monetária somente pode ser calculada pelos índices editados pelo IBGE, com fulcro no art. 27, da Lei nº 9.069/97, que prevê que "A correção, em virtude de disposição legal ou estipulação de negócio jurídico, da expressão monetária de obrigação pecuniária contraída a partir de 1º de julho de 1994, inclusive, somente poderá dar-se pela variação acumulada do Índice de Preços ao Consumidor, Série r - IPC-r" Veja-se que é admitida pelos tribunais superiores, quando pactuada, a Taxa Referencial como índice de correção monetária dos contratos bancários - notadamente em razão do disposto no 5º do referido dispositivo legal. Ocorre que, no presente caso, não há previsão no contrato para a utilização da TR, e o embargado não nega tal fato afirmado pelos embargantes, somente afirmando que não utiliza a TJLP como índice de atualização monetária. Nota-se que na tabela acostada pelo embargado à execução também não há informação de qual o índice utilizado. Assim sendo, merece ser acolhida a irresignação dos embargantes no sentido de que seja utilizado o INPC como índice de correção monetária, afastado qualquer outro, nos termos do 2º do art. 27, da Lei nº 9.069/97, que considera de nenhum efeito a estipulação, a partir de 1º de julho de 1994, de correção monetária em desacordo com o estabelecido no caput do artigo supra citado Por derradeiro, consigna-se que o excesso de execução não importa em nulidade desta, mas apenas no acolhimento total ou parcial dos embargos a fim de que seja adequado o valor do quantum exeqüendo Recurso provido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento ao recurso. 14- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 11ª VARA CÍVEL APTE CESAN COMPANHIA ESP SANTENSE DE SANEAMENTO Advogado(a) FRANCINE FAVARATO LIBERATO Advogado(a) FRANCISCO ANTONIO CARDOSO FERREIRA APDO CONDOMINIO DO EDIFICIO VITORIA OFFICE TOWER Advogado(a) ZACARIAS F MOCA NETO * Apelação Adesiva Nº APTE CONDOMINIO DO EDIFICIO VITORIA OFFICE TOWER APDO CESAN COMPANHIA ESP SANTENSE DE SANEAMENTO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - COBRANÇA DE TARIFA MÍNIMA DE SALAS COMERCIAIS - INSTALAÇÃO DE APENAS UM HIDRÔMETRO NO CONDOMÍNIO - COBRANÇA EXCESSIVA - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS QUE ATENDEM AS PECULIARIDADES DO CASO CONCRETO - APELAÇÃO ADESIVA - não cabimento da DEVOLUÇÃO DAS QUANTIAS PAGAS em dobro - AUSÊNCIA DE MÁ-FÉ - RECURSOS IMPROVIDOS. 1 - O cerne da controvérsia versada nos presentes autos cinge-se tão-somente acerca da legalidade ou não de a concessionária apelante proceder à cobrança de consumo mínimo mensal de água de cada unidade imobiliária autônoma integrante do Condomínio apelado, o qual possui um hidrômetro instalado. Não se trata, assim, de apreciar a legalidade da cobrança da tarifa/taxa mínima, pois o apelado apenas afirma que a legislação não permite que se multiplique aquela pelo número de salas que compõem o condomínio, notadamente em razão de haver somente um hidrômetro. 2 - Com efeito, o apelado argüi que o consumo mínimo deve ser considerado em relação a cada hidrômetro e não em relação a cada unidade imobiliária. E, nesse particular, razão lhe assiste. 3 - A própria concessionária apelante instalou apenas um hidrômetro no condomínio, que, em razão disso, conclui-se que o mesmo atende a todas as salas. Exigir que cada sala, independentemente do único hidrômetro instalado, tenha que suportar o pagamento da tarifa mínima, é como estabelecer uma espécie de consumo presumido em um imóvel que há um hidrômetro para medir o consumo. 4 - É em função da existência do hidrômetro no prédio, que além de não se falar em consumo presumido, é possível a cobrança de um consumo mensal mínimo, a fim de proporcionar a perfeita continuidade do serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto, proporcionando o custeio dos gastos fixos da concessionária apelante. 5 - Não afronta a preservação dos aspectos sociais a cobrança da tarifa mínima somente em relação à cada hidrômetro instalado, especialmente pelo fato já existir um escalonamento tarifário em razão das faixas de consumo de água, bem como de serviço de esgoto tratado ou não tratado. 6 - Não obstante haver somente um hidrômetro medindo o consumo de água de todas as lojas do condomínio apelado, o mesmo está efetivamente pagando mais caro em razão da tarifa progressiva. Se houvesse um hidrômetro para cada sala isso não ocorreria, muito embora todas as 331 salas, nesse caso, tivessem que suportar a tarifa mensal pelo consumo mínimo. 7 - O escalonamento tarifário (ou tarifa progressiva), ou seja, a distinção dos preços da tarifas conforme o consumo, cuida-se, sim, de uma forma de garantir a justiça social, na medida que pagará menos pelo serviço de abastecimento de água o consumidor com menor gasto, e mais aquele com maior gasto. 8 - A apelante insurgi-se, ainda, contra os honorários arbitrados, afirmando serem demasiadamente elevados, pois foram fixados em 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Ocorre que o Juízo de origem arbitrou os honorários em 20% (vinte por cento) do valor atribuído à causa, que sem a devida atualização, foi fixado em R$ 1.000,00 (mil reais). Assim, constata-se que a verba honorária não foi fixada em valor excessivo. Ao contrário, atende perfeitamente as peculiaridades do caso concreto. 9 - No que tange à apelação adesiva, não prospera a alegação do Condomínio, visto que embora tenha se concluído pela ilegalidade da cobrança, não se vislumbra má-fé da concessionária ora apelada Recursos improvidos. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento aos recursos. 15- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 1ª VARA CÍVEL APTE BANESTES S/A Advogado(a) DIOGO MARTINS

11 13 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO Advogado(a) FERNANDA MACHADO SANTOS APDO DORVAL ALEXANDRE DA SILVA Advogado(a) LUIZ CARLOS MATHIAS SOARES APDO ALEXANDRE JUNIOR TAVARES DA SILVA Advogado(a) LUIZ CARLOS MATHIAS SOARES RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSO CIVIL/CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL EM AÇÃO DE EXECUÇÃO - TERMO DE RENEGOCIAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO SUBSEQÜENTE A CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO - EXECUTIVIDADE - RECURSO CONHECIDO E PROVIDO - SENTENÇA ANULADA. I- Apelação cível em Ação de Execução. II- O Termo de Renegociação é ato plenamente válido, pois resulta de um acordo de vontades e nele consta a assinatura dos devedores. Os apelantes - claro está - reconheceram, com a criação do novo instrumento, serem devedores de um montante líquido e certo. Por conseguinte, a quantia apurada pela instituição financeira deixou de ser unilateral diante da manifesta e inequívoca concordância dos devedores, cabendo a estes, nos embargos, apresentar as defesas que tiverem contra a dívida e os contratos anteriores que levaram à formação do débito. III- O termo de renegociação de dívida, ainda que seqüente a contrato de abertura de crédito, constitui título executivo extrajudicial. Precedentes deste Tribunal e do Colendo STJ. V- Apelação conhecida e provida. Sentença anulada. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento ao recurso. 16- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 8ª VARA CÍVEL APTE SOLANGE RIBEIRO DE SOUZA NUNES Advogado(a) ALEX SANDRO STEIN APTE SUELY RIBEIRO JUNQUEIRA Advogado(a) ALEX SANDRO STEIN APTE CLAUDIO RIBEIRO NUNES Advogado(a) ALEX SANDRO STEIN APTE CRISTINA RIBEIRO NUNES Advogado(a) ALEX SANDRO STEIN APTE MARIO DA SILVA NUNES NETO Advogado(a) ALEX SANDRO STEIN APDO RONALDO NOGUEIRA DE FREITAS Advogado(a) GRAZIELA VERVLOET BORTOLINI Advogado(a) LEONARDO PEREIRA CHAGAS Advogado(a) MARIA APARECIDA DE NADAI Advogado(a) THIAGO TRISTAO LIMA APDO ESTER MARIA BANHOS FERNADES FREITAS Advogado(a) GRAZIELA VERVLOET BORTOLINI Advogado(a) LEONARDO PEREIRA CHAGAS Advogado(a) MARIA APARECIDA DENADAI Advogado(a) THIAGO TRISTAO LIMA RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - PRELIMINAR DE IRREGULARIDADE DE REPRESENTAÇÃO REJEITADA - AÇÃO REIVINDICATÓRIA - COMPROVAÇÃO DO DOMÍNIO DOS APELANTES E POSSE INJUSTA DOS APELADOS - COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA VERBAL - CONTROVÉRSIA APENAS ACERCA DO VALOR DO INADIMPLEMENTO - NÃO COMPROVAÇÃO PELOS APELADOS DE HIPÓTESE DE ADIMPLEMENTO SUBSTANCIAL - INVERSÃO DOS ÔNUS DA SUCUMBÊNCIA - RECURSO PROVIDO. 1 - Consoante remansoso entendimento jurisprudencial, pela conjugação dos artigos 13 e 37 do Código de Processo Civil, entende-se incorreto, nas instâncias ordinárias, considerar inexistente ato processual por irregularidade na representação processual sem que antes seja oportunizada à parte a regularização. Assim sendo, tendo sido devidamente sanada a verificada irregularidade na representação dos apelados, rejeita-se a preliminar argüida. 2 - A ação reivindicatória pressupõe um proprietário não possuidor que age em face de um possuidor não proprietário. Entretanto, para a procedência dessa ação faz-se mister reunir dois elementos, a saber: o domínio da parte requerente e a posse injusta da parte requerida. 3 - No caso sob exame, não há dúvidas não há que o imóvel reivindicando é de propriedade dos apelantes, e, não obstante o compromisso de compra e venda verbal, também não há controvérsia acerca do fato de que os apelados não adimpliram com a totalidade do valor avençado para compra do mesmo. 4 - A ausência do pagamento, por si só, configura a posse injusta. Veja-se que independente do valor ajustado entre as partes, não se pode exigir que o vendedor receba valor menor do que o efetivamente combinado, porquanto se trata de autonomia privada. 5 - Assinala-se que há jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça no sentido de improcedência do pedido reivindicatório, afastando o reconhecimento da posse injusta, quando, por força de contrato de promessa de compra e venda não previamente rescindido, já foi paga parte substancial do preço. Nesse particular, cabia aos apelados comprovar que efetivamente pagaram 95% (noventa e cinco por cento) do valor ajustado,, tal como alegaram, e não aos apelantes, os quais comprovaram que são os legítimos proprietários do imóvel, bem como o inadimplemento dos apelados. 6 - Ressalta-se, por derradeiro, que a procedência do pleito reivindicatório, não afasta a possibilidade dos apelados buscarem o ressarcimento dos valores despreendidos para a compra do mesmo. 7 - Recurso provido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, rejeitar a preliminar argüida, para, quanto ao mérito e por igual votação, dar provimento ao recurso. 17- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 2ª VARA CÍVEL APTE BANCO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO - BANESTES Advogado(a) GILMAR ZUMAK PASSOS Advogado(a) JULIANA PAIVA FARIA FALEIRO APDO GRAFICA EDITORA PAPELARIA TUPINAMBA LTDA Advogado(a) ALESSANDRA PADUA MODENESI Advogado(a) KLAUSS COUTINHO BARROS RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSO CIVIL - EMBARGOS À EXECUÇÃO AOS CONTRATOS BANCÁRIOS APLICA-SE O CDC - CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO FIXO EM CONTA CORRENTE - TAXA DE JUROS ACIMA DA TAXA LEGAL - POSSIBILIDADE - APLICABILIDADE DA SÚM. 596 DO STF (ADIN Nº 4/ STF) - ART. 192, 3.º, CF, NÃO É AUTOAPLICÁVEL, depende de lei complementar - posteriormente revogado pelo constituinte derivado - É VEDADA A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS (art. 4º do Dec /33) - MULTA CONTRATUAL DEVE PERMANECER EM 10% - CONTRATO ANTERIOR A LEI 9298/96 - SENTENÇA REFORMADA. 1 - É aplicável o CDC aos contratos bancários, por serem as instituições financeiras expressamente definidas como prestadoras de serviço. 2 - Da leitura da cópia do contrato verifica-se que, embora intitulado de "nota de crédito", trata-se de típico contrato de abertura de crédito em conta corrente. Assim, aplica-se à hipótese em análise a legislação e o entendimento jurisprudencial pertinentes a esta espécie de contrato, abertura de crédito em conta corrente, e não as relativas à cédula de crédito (rural, comercial ou industrial). 3 - Com a edição da Lei 4.595/64, não se aplicam aos juros remuneratórios as limitações fixadas pelo Dec /33, em 12% ao ano, aos contratos celebrados com instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional, Súm. 596/STF, salvo nas hipóteses previstas em legislação específica. A matéria atinente à auto-aplicabilidade da norma contida no 3º, do art. 192 da CF já foi, suficientemente, definida quando do pronunciamento do STF na ADIN nº 04, entendendo depender tal dispositivo de lei complementar, posteriormente revogado pelo constituinte derivado. 4 - Quanto à capitalização mensal dos juros, persiste a vedação contida no artigo 4º do Dec /33, pois, no presente caso, não existe legislação específica que autorize o anatocismo, como ocorre com as cédulas de crédito rural, comercial e industrial.

12 14 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO 5 - O contrato foi realizado em 19/03/1996, ou seja, anterior à entrada em vigor da Lei 9298/96, razão por que deve ser mantida a cláusula contratual que prevê a multa de 10% (dez por cento), nos limites constantes do CDC em sua redação original. 6- Apelo conhecido e provido parcialmente. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, rejeitar a preliminar argüida, para, quanto ao mérito e por igual votação, dar provimento parcial ao recurso. 18- Apelação Civel Nº VITÓRIA - 11ª VARA CÍVEL APTE FIAT LEASING S/A - ARREND MERCANTIL Advogado(a) CREUZENI BRANDAO DE OLIVEIRA Advogado(a) ERIC GARMES DE OLIVEIRA Advogado(a) MARCOS SOUSA RONCHESEL Advogado(a) RAQUEL M MENDES PESSANHA APDO CARLOS ANTONIO SPINA GONZALES Advogado(a) ANDRA MARA VALLADARES SARMENTO Advogado(a) ANTONIO BARBOSA DOS SANTOS NETO CAVALCANTE Advogado(a) CELIO ALEXANDRE P DE OLIVEIRA RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROCESSO CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL - ANTECIPAÇÃO DO VALOR RESIDUAL GARANTIDO - NÃO DESCARACTERIZAÇÃO - NÃO CONHECIMENTO DO RECURSO NO QUE TANGE À VERIFICADA PRÁTICA DE ANATOCISMO - AUSÊNCIA DE INDICAÇÃO DAS RAZÕES DO INCONFORMISMO NESSE PARTICULAR - SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA - ART. 21 CPC - CUSTAS PRO RATA E HONORÁRIOS COMPENSADOS - RECURSO PROVIDO. 1 - Estando superada a Súmula 263 STJ (cancelada DJU 25/09/2003), e acompanhando a orientação atual e pacificada no âmbito do STJ, o adiantamento do valor residual garantido (VRG) não descaracteriza o contrato de arrendamento mercantil, posto subsistirem as opções de renovação do contrato ou de devolução do bem. 2 - Embora a apelante tenha pugnado pela reforma total da sentença, não aduziu nenhuma consideração em relação à prática de anatocismo, a qual também foi constatada pelo Juízo de origem. 3 - É sabido que o recorrente deve indicar as razões do seu inconformismo, não se admitindo o recurso genérico. Por essa razão não se conhece do recurso no que tange especificamente à verificada prática de anatocismo. 4 - Por derradeiro, tendo em vista que a parte sucumbiu em mais um pedido, aplicar-se-á o disposto no caput do art. 21, do Código de Processo Civil, devendo as custas serem repartidas e os honorários compensados. 5 - Recurso provido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento ao recurso. 19- Apelação Civel Nº VILA VELHA - 2ª VARA CÍVEL APTE INTERNACIONAL TRAVEL SERVICES LTDA Advogado(a) CESAR PIANTAVIGNA Advogado(a) MARCO ANTONIO M MAGALHAES Advogado(a) ROMEU SEIXAS PINTO NETO APDO LAELIA CRISTINA CASEIRO VICENTE Advogado(a) SIMONE PAGOTTO RIGO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: EMBARGOS À EXECUÇÃO. SENTENÇA. TRÂNSITO EM JULGADO. EXECUÇÃO DESENVOLVIDA NOS LIMITES DO DECISUM EXEQUENDO. REDISCUSSÃO DE QUESTÃO ANTERIORMENTE JULGADA. IMPOSSIBILIDADE. RECURSO DE APELO CONHECIDO. NEGADO PROVIMENTO AO RECURSO. 1. Em sede de embargos à execução de título executivo judicial, hipótese dos autos, é vedada a rediscussão de questão anteriormente julgada de forma definitiva, em razão da aplicação do princípio da coisa julgada. Assim sendo, deve o processo executivo se desenvolver nos estritos limites do decisum exeqüendo. (Precedentes do STJ - v.g, REsp ). 2. A questão aventada deveria ter sido objeto de discussão antes do trânsito em julgado do provimento judicial exequendo, não configurando excesso de execução, razão pela qual restam infundados os embargos executivos. 3. Recurso de apelo conhecido. 4. Negado provimento ao recurso. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 20- Ação Rescisória Sentença de 1º grau Nº VITÓRIA - 1ª VARA DE ORFÃOS E SUCESSÕES RELATOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE REVISOR DES. SAMUEL MEIRA BRASIL JUNIOR JULGADO EM 03/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 Republicado nesta data por omissão Na publicação original dos nomes das partes Ação Rescisória nº Autor : Antônio Sérgio Gaudio Passos Costa. Réu : Luis Carlos Alvarenga dos Santos e outros. Relator: Des. Elpídio José Duque. EMENTA: RESCISÓRIA - JUÍZO DE ÓRFÃOS E SUCESSÕES - ADJUDICAÇÃO - DESCONSTITUIÇÃO - EQUIVOCADA A ELEIÇÃO DA VIA RESCISÓRIA - MEIO IDÔNEO - AÇÃO ANULATÓRIA - ATAQUE À VALIDADE DO NEGÓCIO JURÍDICO QUE ENSEJOU A ADJUDICAÇÃO - EXTINÇÃO PELO ART. 267, VI DO CPC - DECISÃO UNÂNIME. 1) - Deve ser extinta sem julgamento de mérito pelo art. 267, VI do CPC, ação rescisória com o escopo de desconstituir adjudicação em inventário feita com base em em escritura pública de cessão de direitos hereditários. 2) Na verdade o que se ataca é a validade do negócio jurídico que ensejou a adjudicação nos autos do inventário. 3) Equivocada a eleição da via rescisória para a desconstituição da adjudicação sendo a ação anulatória o meio idôneo. 4) Decisão unânime. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, julgar extinto o processo na forma do art. 267, VI do Código de Processo Civil. 21- Remessa Ex-officio Nº ARACRUZ - 1ª VARA CÍVEL E COMERCIAL REMTE JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CIVEL DE ARACRUZ PARTE MUNICIPIO DE ARACRUZ Advogado(a) MARCOS ROGERIO FERREIRA PATRICIO PARTE LOGOS SERVICOS MEDICOS LTDA Advogado(a) JURANDIR B SOUZA FILHO * Apelação Voluntária Nº APTE MUNICIPIO DE ARACRUZ APDO LOGOS SERVICOS MEDICOS LTDA RELATOR DES. ALINALDO FARIA DE SOUZA REVISOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 12/09/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: REMESSA EX OFFICIO - APELAÇÃO CÍVEL - MANDADO DE SEGURANÇA - PRELIMINAR - JULGAMENTO EXTRA PETITA - NULIDADE - REJEITADA - ISSQN - SOCIEDADE MÉDICA - LEI MUNICIPAL N.º 2.661/ INCONSTITUCIONAL - PREVALÊNCIA DO ART. 9º, 3º DO DL N.º 406/ RECURSO IMPROVIDO. 1 - A alegação de que houve julgamento extra petita não procede, já que o julgador não necessita de pedido formal de declaração de inconstitucionalidade para decidir nesse sentido. Preliminar rejeitada. 2 - As sociedades civis de prestação de serviços médicos especializados têm direito ao tratamento tributário privilegiado estabelecido no parágrafo 3º do art. 9º do Decreto-Lei n.º 406/68, razão pela qual o ISSQN deve ser cobrado sobre a receita bruta auferida, relativamente a cada profissional legalmente habilitado junto ao

13 15 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO órgão fiscalizador da profissão, através de alíquota fixa, e não sobre o faturamento mensal das mesmas. Sentença mantida. Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, conhecer do recurso voluntário para negar-lhe provimento e da remessa, para manter a sentença. 22- Embargos de Declaração Emb Declaração Emb Declaração Agv Instrumento Nº VITÓRIA - VARA EXECUÇÕES FISCAIS EMGTE ESTADO DO ESPIRITO SANTO Advogado(a) GUSTAVO SIPOLATTI Advogado(a) RODRIGO RABELLO VIEIRA EMGDO IBEZA INCORPORADORA E CONSTRUTORA LTDA Advogado(a) EDUARDO M FONSECA RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 TRIBUTÁRIO/PROC. CIVIL - TEMPESTIVIDADE DO AGRAVO DE INSTRUMENTO - RECURSO PROTOCOLADO DENTRO DO PRAZO PREVISTO NO ART. 522 DO CPC - AUSÊNCIA DE OMISSÃO, OBSCURIDADE OU CONTRADIÇÃO - RECURSO DESPROVIDO. 1 - Não havendo qualquer omissão, obscuridade ou contradição a ser sanada, julga-se desprovido o recurso de embargos de declaração. 2 - Recurso desprovido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em julgar desprovido o recurso. 23- Embargos de Declaração Agv Instrumento Nº VITÓRIA - 9ª VARA CÍVEL EMGTE ESCELSA S/A Advogado(a) ELISANGELA VASCONCELOS CALMON Advogado(a) FABIANA LIBANIO ROCHA Advogado(a) FRANCIANNE QUARTO SILVEIRA Advogado(a) IMERO DEVENS Advogado(a) IMERO DEVENS JUNIOR Advogado(a) JULIANA GAVA Advogado(a) MARCELO PAGANI DEVENS Advogado(a) ORLANDO DE OLIVEIRA GIANORDOLI EMGDO CASSARO S/A INDUSTRIA E COMERCIO Advogado(a) MARCUS ROLAND MAZZEI Advogado(a) RODRIGO REIS MAZZEI RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROC. CIVIL - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - INSURGÊNCIA QUANTO À APLICAÇÃO DO DIREITO - VÍCIOS INEXISTENTES - RECURSO IMPROVIDO. 1 - Com efeito, não obstante os argumentos colacionados pela embargante, não se vislumbra no decisum recorrido nenhum vício a ser remediado pelo presente recurso. 2 - Verifica-se que, no presente caso, a parte prejudicada pelo decisum se insurge quanto à aplicação do direito, não se enquadrando, portanto, em nenhumas das hipóteses previstas nos incisos I e II do art. 535, do Código de Processo Civil. 3 - Recurso improvido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 24- Embargos de Declaração Ag Interno Agv Reg Agv Instrumento Nº VILA VELHA - 1ª VARA DE FAMÍLIA EMGTE LUIZ GUILHERME RISSO Advogado(a) CAROLINA LEMOS PICANÇO Advogado(a) WANOKZOR ALVES AMM DE ASSIS EMGDO CLAUDINE RODRIGUES PIMENTA Advogado(a) ALEXANDRE PANDOLPHO MINASSA Advogado(a) MICHEL MINASSA JUNIOR Advogado(a) NAMYR CARLOS DE SOUZA FILHO RELATOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 10/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO INTERNO NO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO - JULGAMENTO DO RECURSO PRINCIPAL - PERDA SUPERVENIENTE DO OBJETO. 1). Com o julgamento do recurso principal, de Agravo por Instrumento, perdem o objeto aqueles interpostos visando a reforma da decisão preliminar do Agravo. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, julgar prejudicado o recurso preliminarmente. 25- Embargos de Declaração Ap Civel Nº SERRA - 2ª VARA CÍVEL EMGTE ICAPEL INDRUSTRIA CAPIXABA DE PAPEL Advogado(a) CLARISSE GOMES ROCHA Advogado(a) FERNANDO BRESSER SILVEIRA DE CARVALHO Advogado(a) FLAVIO ADORNETTI MARANINCHI Advogado(a) JACQUELINE DE ANDRADE S FREDERICO EMGDO EMILIO GONCALVES FIGUEIRAS Advogado(a) ANDRÉ GUASTI MOTTA Advogado(a) EVANDRO MACIEL BARBOSA Advogado(a) FABIO PRETTI Advogado(a) FELIPE SARDENBERG MACHADO Advogado(a) LUIZ ALFREDO PRETTI Advogado(a) MARCELO MARTINS ALTOE Advogado(a) VITOR CUNHA THOMAZ RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 CIVIL/PROC. CIVIL - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - INSURGÊNCIA QUANTO À APLICAÇÃO DO DIREITO - OMISSÃO NO QUE TANGE À MINORAÇÃO DOS HONORÁRIOS - SUPRIDA A OMISSÃO E MANTIDA A SENTENÇA - RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1 - Acerca do alegado cerceamento de defesa, registra-se que restou consignado no voto condutor do decisum ora embargado que os documentos acostados às folhas , que foram juntados aos autos posteriormente à prolação da sentença, em razão de que estes já estavam conclusos para tal fim, conforme certidão de folha 94-verso, referem-se à ata da assembléia geral ordinária e extraordinária realizada em 25/06/2004, e são absolutamente impertinentes para o deslinde da questão suscitada pela parte requerente, ora embargado, em face da requerida, ora embargante. 2 - Verifica-se que, em verdade, a parte prejudicada pelo decisum se insurge quanto à valoração da prova e à aplicação do direito, não se enquadrando, no que tange a esse primeiro ponto, em nenhumas das hipóteses previstas nos incisos I e II do art. 535, do Código de Processo Civil. 3 - Em relação aos honorários advocatícios, constata-se, contudo, que efetivamente o acórdão embargado restou omisso, posto que embora a ora embargante não tenha consignado nas razões recursais nada a respeito desse ponto, pugnou, ao final, subsidiariamente, pela reforma da sentença, reduzindo-se o valor da condenação em honorários advocatícios tendo em vista que o julgamento antecipado da lide simplificou a atividade profissional. 4 - Nota-se que o Juízo de origem arbitrou os honorários, considerando o argumento deduzido pela ora embargante, ou seja, condenou a requerida ao pagamento daqueles fixados em 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa, uma vez que o julgamento antecipado simplificou a atividade do profissional. 5 - Com efeito, o valor atribuído à causa corresponde, sem a devida atualização, à R$ 1.000,00 (mil reais), não havendo que se falar, portanto, em minoração da referida condenação, a qual atende perfeitamente às peculiaridades do caso concreto. 3 - Recurso parcialmente provido. VISTOS, relatados e discutidos, estes autos em que estão as partes acima indicadas.

14 16 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em dar provimento parcial aos embargos declaratórios. 26- Agravo Interno - (Arts 557/527, II CPC) Ap Voluntária Rem Ex-officio Nº CARIACICA - VARA FAZ PUB ESTADUAL/REG PÚBLICO/MEIO AMBIENTE AGVDO ESTADO DO ESPIRITO SANTO Advogado(a) JOSÉ RICARDO DE ABREU JUDICE Advogado(a) LEONARDO GUSTAVO PASTORE DYNA AGVDO YARA HANNA COMERCIO E INDUSTRIA LTDA Advogado(a) BERNARDO DE SOUZA MUSSO RIBEIRO Advogado(a) BRUNO REIS FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUCIA MARIA RORIZ VERISSIMO PORTELA Advogado(a) LUIZ F Z F SIMONI Advogado(a) LUIZ FELIPE ZOUAIN FINAMORE SIMONI Advogado(a) LUIZ OTAVIO PEREIRA GUARÇONI DUARTE Advogado(a) TIAGO SIMONI NACIF RELATOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 26/09/2006 E LIDO EM 14/11/2006 PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ICMS. MANDADO DE SEGURANÇA. AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DE TALONÁRIO DE NOTAS FISCAIS.EXISTÊNCIA DE DÉBITOS COM A FAZENDA PÚBLICA. PRINCÍPIO DO LIVRE EXERCÍCIO DE ATIVIDADE ECONÔMICA. ARTIGO 170, PARÁGRAFO ÚNICO, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. SÚMULA N.º 547 DO STF. MATÉRIA CONSTITUCIONAL. 1. É defeso à administração impedir ou cercear a atividade profissional do contribuinte, para compeli-lo ao pagamento de débito, uma vez que este procedimento redundaria no bloqueio de atividades lícitas.2. O Poder Público atua com desvio de poder negando ao comerciante em débito de tributos a autorização para impressão de documentos fiscais, necessários ao livre exercício das suas atividades. 2. Afronta ao Artigo 170, parágrafo único da Carta Magna.3. É entendimento sumulado que:"não é lícito a autoridade proibir que o contribuinte em débito adquira estampilhas, despache mercadorias nas alfândegas e exerça suas atividades profissionais" (Súmula n.º 547/STF). VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 27- Agravo Interno - (Arts 557/527, II CPC) Agv Instrumento Nº VITÓRIA - 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL AGVTE DETRAN - ES Advogado(a) REGINA CELI MARIANI AGVDO CARLOS DOS SANTOS CUNHA Advogado(a) ALEXANDRA FRANCISCO Advogado(a) ARLINDO SASSO Advogado(a) HENRIQUE TORRES DE FARIA Advogado(a) JOAO CLAUDIO GONCALVES LEAL Advogado(a) MARIA LUISA DE CARLI Advogado(a) ORLANDO DIAS RELATOR DES. ELPÍDIO JOSÉ DUQUE JULGADO EM 03/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: CONSTITUCIONAL - ART. 100 DA CF - LEI N 7.674/03 - FRACIONAMENTO DE PRECATÓRIO - INOCORRÊNCIA - FRACIONAMENTO DE VALORES DA EXECUÇÃO - DISTINÇÃO - honorários advocatícios - VERBA DE NATUREZA ALIMENTar - POSSIBILIDADE DE DESMEMBRAMENTO ANTES DA FORMAÇÃO DO PRECATÓRIO - verba dentro do limite de requisição de pequeno valor - dispensa de expedição de precatório - possibilidade - recurso desprovido - decisão unânime. 1) - Não afronta a Constituição Federal a discriminação dos valores da execução antes da formação do precatório, situação distinta do fracionamento do próprio precatório depois da sua formação, hipótese proibida pelo art. 100 da CF. 2) - O atrelamento dos valores de natureza alimentar aos que não detém esta natureza conferir-se-ia inocuidade a esta natureza. 3) - Inocorrência do fracionamento do débito constitucionalmente vedado pelo art. 100 da Constituição da República por se tratarem de obrigações diversas com naturezas diversas. 4) - Desprovimento do recurso. 5) - Decisão unânime. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 28- Agravo Interno - (Arts 557/527, II CPC) Agv Instrumento Nº VITÓRIA - 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL AGVTE UBIRATAN CRUZ RODRIGUES Advogado(a) FERNANDO CRUZ NATALI AGVDO PETROBRAS S/A Advogado(a) ALEXANDRE VIEIRA REIS Advogado(a) ANDRE LUIZ P CARREIRA Advogado(a) ANTONIO CARLOS DE FREITAS Advogado(a) CARLOS CASTRO CABRAL DE MACEDO Advogado(a) ELIAS NONATO DA SILVA Advogado(a) LENOIR DE SOUZA RAMOS Advogado(a) MARCELA FERNANDO DUARTE Advogado(a) NILTON ANTONIO DE ALMEIDA MAIA Advogado(a) RENATO DONADIO MUNHOZ Advogado(a) RUY JORGE RODRIGUES Advogado(a) SOFIA VAREJAO FILGUEIRAS RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 24/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 ADMINISTRATIVO/PROC. CIVIL - AGRAVO REGIMENTAL (ART. 201 DO RITJES) RECEBIDO COMO AGRAVO INTERNO ( 1º DO ART. 557 DO CPC) - DECISÃO MONOCRÁTICA EM AGRAVO DE INSTRUMENTO - PREJUDICIALIDADE DO RECURSO FACE O RECONHECIMENTO DA PERDA SUPERVENIENTE DO INTERESSE NO MANDADO DE SEGURANÇA - RECORRENTE BENEFICIADO POR LIMINAR RESPALDADA NA SÚMULA 266 DO STJ - ASSEGURADO O DIREITO DE DEMONSTRAÇÃO DOS REQUISITOS PARA A INVESTIDURA NA DATA DA POSSE - PREENCHIMENTO DA VAGA DE ADVOGADO JÚNIOR NUM MOMENTO ONDE O IMPETRANTE AINDA NÃO HAVIA CONCLUÍDO O EXAME DA OAB/ES - AUSÊNCIA DE INSCRIÇÃO NA CONDIÇÃO DE ADVOGADO NO MOMENTO DA CONVOCAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DA VAGA - PRECEDENTE DO STJ - DISCRICIONARIEDADE NA ESCOLHA DO FATOR TEMPORAL - NÃO AFERIÇÃO DE DESVIO DE FINALIDADE NO ATO DE OCUPAÇÃO DA VAGA - EXISTÊNCIA DE OUTRAS CONTRAÇÕES NA MESMA DATA - NÃO CARACTERIZAÇÃO DE AFRONTA AOS DISPOSITIVOS E PRINCÍPIOS EMANADOS DAS LEIS 8.112/90, 9.962/00 E INCISO IV DO ART. 37 DA CF/88 - NÃO VIABILIDADE DA DISCUSSÃO DE EVENTUAL NULIDADE DO ATO DE NOMEAÇÃO POR AFRONTA À LEGISLAÇÃO ELEITORAL (LEI Nº9.504/97) - IMPROCEDÊNCIA DA ALEGAÇÃO DE MÁ-FÉ POR PARTE DA EMPRESA RECORRIDA - RECURSO DESPROVIDO. 1 - Apesar da concessão da liminar (deferida corretamente), conforme documentos de fls. 110/120, no dia 07/08/2006 a Petrobrás contratou diversos profissionais para a função de Advogado Júnior acarretando, por conseqüência, a perda superveniente do interesse para o impetrante, uma vez que o cumprimento efetivo da liminar, e até mesmo eventual provimento futuro de mérito na ação mandamental não mais seria útil para o fim almejado. 2 - Admitindo-se o agravo de instrumento como sendo um recurso ordinário, que realmente é, possuidor de efeito translativo, torna-se possível, no presente caso, tratando-se de perda superveniente do interesse de agir no mandamus - matéria de ordem pública - e prestigiando o princípios da celeridade e economia processual, a partir do julgamento do presente recurso definir, também, os rumos mandado de segurança originariamente processado na instância a quo, extinguindo-o sem mérito. 3 - Conforme julgado do E. Superior Tribunal de Justiça citado na decisão combatida, extrai-se do enunciado da Súmula 266 daquela Colenda Corte, que o candidato tem o direito de comprovar o preenchimento dos requisitos no momento do ato da posse, não lhe podendo ser exigido tal comportamento nas fases pretéritas; entretanto, quando da regular convocação para a apresentação dos documentos necessários para a formalização do ato de posse, deverá o interessado contar com todos os atributos exigidos pelo edital do concurso, nos termos da ênfase registrada pela Min. Laurita Vaz, quando da formulação da ementa do RMS / RJ (DJ ).

15 17 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO 4 - Não comprovação da má-fé por parte da Sociedade de Economia Mista contratante. 5 - O mandado de segurança distribuído para a 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Estadual de Vitória, nos moldes como deduzido, não se presta para eventual desconstituição do ato de nomeação do candidato que ocupou a vaga de Advogado Júnior do pólo de Linhares, uma vez que nessa ação mandamental não se discute a interveniência de norma eleitoral no momento do preenchimento dos cargos ou empregos públicos. 6 - Recurso desprovido. indicadas. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. 29- Agravo Interno - (Arts 557/527, II CPC) Agv Instrumento Nº ITAPEMIRIM - 1ª VARA CÍVEL AGVTE MAURICIO DOS SANTOS GALANTE Advogado(a) ERIKA HELENA LESQUEVES GALANTE AGVDO UNIBANCO - UNIAO DE BANCOS BRASILEIRO S/A Advogado(a) ANTONIO CLAUDIO RIBEIRO GEGE Advogado(a) CARLOS ALESSANDRO SANTOS SILVA Advogado(a) CARLOS FELYPPE TAVARES PEREIRA Advogado(a) CELSON MARCON Advogado(a) EDUARDO GARCIA JUNIOR Advogado(a) FLAVIA VELLARDO KOUYOMKJIAN Advogado(a) GIOVANA TESSAROLO BATISTA Advogado(a) JOELMA APARECIDA RODRIGUES DOS SANTOS Advogado(a) LIA DIAS GREGORIO Advogado(a) MARCIA GONÇALVES DA SILVA RIBEIRO Advogado(a) MARCIA RAMOS SANTOS Advogado(a) MARIA LUCIA DE CARVALHO RELATOR: DES. SUBST. FERNANDO ESTEVAM BRAVIN RUY JULGADO EM 05/09/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: PROCESSO CIVIL. AGRAVO INTERNO (ART. 557, 1º, DO CPC). AÇÃO CAUTELAR DE SUSTAÇÃO DE PROTESTO. MEDIDA CAUTELAR DEFERIDA. NÃO AJUIZAMENTO DA AÇÃO PRINCIPAL DENTRO DO PRAZO DE 30 DIAS. INCIDÊNCIA DO ART. 808, I, DO CPC. PECULIARIDADES ARGÜIDAS. IMPOSSIBILIDADE DE SE RECHAÇAR A APLICAÇÃO DA REGRA GERAL. AGRAVO INTERNO CONHECIDO. NEGADO PROVIMENTO AO RECURSO. 1. A ação cautelar de sustação de protesto encarta-se dentro da regra geral, inserta nos arts. 806 c/c 808, I, do CPC, notadamente porque o protesto judicial configura-se meio indireto de coagir o inadimplente ao pagamento do débito impugnado, acarretando ofensa à esfera jurídica da parte contrária. 2. Segundo precedentes do STJ, deferida a liminar em cautelar de sustação de protesto de título, cumpre a parte ajuizar a demanda principal nos trinta dias subsequentes a efetivação da medida (REsp 35807/RS). 3. As peculiaridades apresentadas no caso vertente não são capazes de rechaçar, por si só, a aplicação da exegese dos arts. 806 c/c 808, I, do CPC. 4. Agravo interno conhecido, para negar-lhe provimento. indicadas. VISTOS, relatados e discutidos estes autos em que são partes as acima CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, à unanimidade, em negar provimento ao recurso. Vitória, 21 de Novembro de FERNANDA M. FERREIRA FRASSON DOS ANJOS Secretária de Câmara TERCEIRA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL PAUTA DE JULGAMENTO DA 42ª SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 28/11/2006 TERÇA-FEIRA, QUE TERÁ INÍCIO ÀS 09:00 HORAS, PODENDO, ENTRETANTO, NESSA SESSÃO OU EM SESSÕES SUBSEQÜENTES, PROCEDER-SE AO JULGAMENTO DE PROCESSOS ADIADOS OU CONSTANTES DE PAUTAS JÁ PUBLICADAS. 1 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº CACH ITAPEMIRIM - 1ª VARA FEITOS FAZENDA PÚBLICA CLASSE 1º GRAU: EXECUÇÃO FISCAL TRIBUTÁRIO AGVTE.: ANTONIO CARLOS DE CARVALHO ADVOGADO(A): MARCELA MACHADO FERRI ADVOGADO(A): ROGERIO D CARNEIRO ADVOGADO(A): WALMIR ANTONIO BARROSO AGVDO.: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO RELATOR: DES. RONALDO GONÇALVES DE SOUSA 2 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº COMARCA DE GUAÇUI CLASSE 1º GRAU: INDENIZAÇÃO CIVIL AGVTE.: BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO(A): ADILSON GUIOTTO TORRES ADVOGADO(A): ADOLFO DE OLIVEIRA ROSA ADVOGADO(A): ANDREA NEVES REBELLO ADVOGADO(A): CLAUDINE S MOREIRA ADVOGADO(A): EMIR JOSE TESCH ADVOGADO(A): FRANCISCO A S SOARES ADVOGADO(A): PAULO CESAR BUSATO ADVOGADO(A): RONALDO GIARETTA AGVDO.: EMPORIO CAZARETO LTDA. ME ADVOGADO(A): PINDARO BORGES ECCARD AGVDO.: MARCIA MARCO DE SOUZA FERRAZ ADVOGADO(A): PINDARO BORGES ECCARD AGVDO.: HELIO JOSE CAMPOS FERRAZ ADVOGADO(A): PINDARO BORGES ECCARD RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 3 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL CLASSE 1º GRAU: OBRIGAÇÃO DE FAZER CIVIL AGVTE.: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ADVOGADO(A): DANIELA RIBEIRO PIMENTA AGVDO.: CASA DO PVC LTDA. ADVOGADO(A): JOAO LIEVORI ADVOGADO(A): JONHNY ESTEFANO RAMOS LIEVORI RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 4 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº LINHARES - 3ª VARA CÍVEL FAZENDA E REG PÚBLICOS EXECUÇÃO FISCAL TRIBUTÁRIO CLASSE 1º GRAU: AGVTE.: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ADVOGADO(A): GUSTAVO SIPOLATTI AGVDO.: FABIO MARGOTTO BERTOLLO ADVOGADO(A): ESTHER MARQUES NEVES DA SILVA AGVDO.: ELIAS ALVES DA SILVA ADVOGADO(A): ESTHER MARQUES NEVES DA SILVA RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 5 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VILA VELHA - 3ª VARA CÍVEL EMBARGOS A EXECUÇÃO CIVIL CLASSE 1º GRAU: AGVTE.: BANCO BANESTES S/A ADVOGADO(A): ARMANDO VERRI JUNIOR ADVOGADO(A): ARRUDA ALVIM ADVOGADO(A): EDUARDO P DE ARRUDA ALVIM

16 18 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO ADVOGADO(A): FRANCISCO CALIMAN ADVOGADO(A): LIGIA REGINI DA SILVEIRA ADVOGADO(A): MARCO ANTONIO REDINZ ADVOGADO(A): NELZA SCHULTHAIS ANDRADE ADVOGADO(A): PATRÍCIA RAGAZZI ADVOGADO(A): RENATO BONINSENHA DE CARVALHO ADVOGADO(A): RODRIGUES RIBEIRO FLEURY AGVDO.: ROGERIO RODRIGUES DE ALMEIDA ADVOGADO(A): FABRICIO CARDOSO FREITAS RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 6 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº SÃO MATEUS - 2ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU:EMBARGOS CIVIL AGVTE.: TEXAS DERIVADOS DE PETROLEO LTDA. ADVOGADO(A): RONALDO SANTOS MASSUCATTI DE CARVALHO AGVDO.: LUVENIA CATHARINA AGOSTINI ALVES ADVOGADO(A): JOSE PAULO ROSALEM ADVOGADO(A): PEDRO PAULO WENDEL GASPARINI RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 7 - APELAÇÃO CÍVEL Nº COMARCA DE BAIXO GUANDU CLASSE 1º GRAU: EXONERAÇÃO PENSÃO ALIMENTICIA CIVIL APTE.: CELIO SCHNEIDER ADVOGADO(A): ARNALDO LEMPKE APDO.: JOANA MARIA SCHWE ADVOGADO(A): MERCINIO ROBERTO GOBBO RELATOR: DES. RONALDO GONÇALVES DE SOUSA REVISOR: DES. RÔMULO TADDEI 8 - APELAÇÃO CÍVEL Nº VITÓRIA - 10ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU:OBRIGAÇÃO DE FAZER CIVIL APTE.: UNIMED VITÓRIA - COOP DE TRAB MEDICO ADVOGADO(A): MARCELO SCHUNK GARDIOLI APDO.: JOAQUIM RODRIGUES DE SOUZA ADVOGADO(A): CRISTIANO DA SILVA FURTADO ADVOGADO(A): DAVID BOURGUIGNON BIGOSSI ADVOGADO(A): JOSE MARIA DE MOURA RELATOR: DES. RONALDO GONÇALVES DE SOUSA REVISOR: DES. RÔMULO TADDEI 9 - APELAÇÃO CÍVEL Nº LINHARES - 2ª VARA CÍVEL E COMERCIAL CLASSE 1º GRAU:COBRANCA CIVIL APTE.: SOCE - SOCIEDADE CAPIXABA DE EDUCAÇÃO LTDA. ADVOGADO(A): GERALDO TADEU SCARAMUSSA DA SILVA ADVOGADO(A): JAYME HENRIQUE RODRIGUES DOS SANTOS APDO.: ALEXANDRA SANTUZZI ZUCOLOTO ADVOGADO(A): JORGE LUIS DA SILVA RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI 10 - APELAÇÃO CÍVEL Nº VILA VELHA - 3ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU:INDENIZAÇÃO CIVIL APTE.: ENOIR HERINGER DA SILVEIRA ADVOGADO(A): MARCUS VINICIUS CORRÊA ESPOSITO APDO.: BANESTES SEGUROS S/A ADVOGADO(A): ADRIANO FRISSO RABELO ADVOGADO(A): ANOZOR ALVES DE ASSIS ADVOGADO(A): BRUNO CURTY VIVAS ADVOGADO(A): CLAUDIA VALLI CARDOSO ADVOGADO(A): FERNANDA ALVES DE MATTOS MENEGUSSI ADVOGADO(A): FRANKLIN DELMAESTRO ADVOGADO(A): GERALDO LUIZ DA SILVEIRA ADVOGADO(A): GISLAINE DE OLIVEIRA ADVOGADO(A): JOSE ALEXANDRE RESENDE BELLOTE ADVOGADO(A): RAINALDO MARCOS DE OLIVEIRA RELATOR: DES. RONALDO GONÇALVES DE SOUSA REVISOR: DES.RÔMULO TADDEI 11 - REMESSA EX-OFFICIO Nº COMARCA DE PIUMA CLASSE 1º GRAU:ORDINARIA CIVIL REMTE.: JUIZ DE DIREITO COMARCA DE PIUMA PARTE: PAULO GALENO PARANHOS ADVOGADO(A): ALEXANDRE FERRAZ GUARINO PARTE: MUNICÍPIO DE PIUMA ADVOGADO(A): MARCO ANTONIO R. DINIZ RELATOR: DES. RÔMULO TADDEI VITÓRIA, 21/11/2006 INTIMO: MARCELA BARCELLOS TAVARES MARCHESCHI SECRETÁRIA DE CÂMARA PODER JUDICIÁRIO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL INTIMAÇÕES 01- NO PROCESSO Nº AGRAVO DE INSTRUMENTO PANFLOR EMPREENDIMENTOS LTDA. ONDE É AGRAVANTE POR SEU ADVOGADO: DR MG FABIO CARDOSO PINTO COELHO PARA CUMPRIR O ART. 527, V, DO CPC. VITÓRIA, 21 DE NOVEMBRO DE MARCELA BARCELLOS TAVARES MARCHESCHI SECRETÁRIA DE CÂMARA PODER JUDICIÁRIO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL DECISÕES MONOCRÁTICAS - PARA EFEITO DE RECURSO OU TRÂNSITO EM JULGADO 1 AGRAVO INTERNO - (ARTS 557/527, II CPC) AGV INSTRUMENTO Nº AGVTE.: PAULO ROBERTO RIBAS LOUREIRO ADVOGADO(A): ALTIVO MACIEL BARROS SILVA AGVTE.: REGINA CELIA CORADELLO FERNANDES ADVOGADO(A): ALTIVO MACIEL BARROS SILVA AGVDO.: MILTON SALIBA ADVOGADO(A): DANIELA RIBEIRO PIMENTA ADVOGADO(A): RAFAEL VALENTIM NOGUEIRA AGVDO.: SHIRLEY MARYLENE PEIXOTO SALIBA ADVOGADO(A): DANIELA RIBEIRO PIMENTA ADVOGADO(A): RAFAEL VALENTIM NOGUEIRA RELATOR: RÔMULO TADDEI AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº AGVTE.: S.:PAULO ROBERTO RIBAS LOUREIRO E OUTRA AGVDO.: S.:MILTON SALIBA E OUTRA RELATOR: DESEMBARGADOR ROMULO TADDEI DECISÃO TRATA-SE DE AGRAVO REGIMENTAL INTERPOSTO POR PAULO ROBERTO RIBAS LOUREIRO E OUTRA, INSURGINDO-SE CONTRA O ACÓRDÃO DE FLS. 675/681 PELA QUAL A E. TERCEIRA CÂMARA CÍVEL NEGOU PROVIMENTO AO RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO POR ELES INTERPOSTO. A DESPEITO DO EVIDENTE NÃO CABIMENTO DE AGRAVO REGIMENTAL CONTRA ACÓRDÃO QUE NEGOU PROVIMENTO AO RECURSO DE AGRAVO DE INSTRUMENTO, OS RECORRENTES REQUEREM, A POSTERIORI, A DESISTÊNCIA DO PRESENTE AGRAVO REGIMENTAL. DE FATO, O ART. 501, DO CPC AUTORIZA A DESISTÊNCIA DO RECURSO PELA PARTE RECORRENTE, A QUALQUER TEMPO, SEM

17 19 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO ANUÊNCIA DO RECORRIDO OU DOS LITISCONSORTES QUANDO EXISTENTES. EM ASSIM SENDO, ESTANDO DEVIDAMENTE RECOLHIDAS AS RESPECTIVAS CUSTAS JUDICIAIS, HOMOLOGO O PEDIDO DE DESISTÊNCIA E, VIA DE CONSEQÜÊNCIA, JULGO EXTINTO O PRESENTE RECURSO DE AGRAVO REGIMENTAL. INTIMEM-SE AS PARTES. VITÓRIA, 20 DE NOVEMBRO DE DESEMBARGADOR ROMULO TADDEI RELATOR CAGRREG09280-DEC II 2 REMESSA EX-OFFICIO Nº REMTE.: JUIZ DE DIREITO 1ª V CÍVEL DA COM. DE NOVA VENECIA PARTE: LOCCAR LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA. ME ADVOGADO(A): ELVIS CUNHA FARIAS PARTE: MUNICÍPIO DE NOVA VENECIA ADVOGADO(A): LELIO MARCARINI ADVOGADO(A): VIVIANE SCARDINI TULER RELATOR: RONALDO GONÇALVES DE SOUSA DECISÃO MONOCRÁTICA TRATA-SE DE REMESSA NECESSÁRIA REALIZADA EM RAZÃO DA R. SENTENÇA DO DOUTO MAGISTRADO DE PISO, PROLATADA NOS AUTOS DA AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA, AJUIZADA POR LOCCAR LOCAÇÃO DE VEÍCULO LTDA. ME, EM FACE DO MUNICÍPIO DE NOVA VENÉCIA/ES, QUE JULGOU PROCEDENTE O PEDIDO INICIAL, DECLARANDO A INEXISTÊNCIA DE OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. OS PRESENTES AUTOS PODEM SER JULGADOS MONOCRATICAMENTE TENDO EM VISTA QUE A PRESENTE REMESSA É FLAGRANTEMENTE IMPROCEDENTE, O QUE SE REFORÇA POR TER SE ESGOTADO O PRAZO PARA INTERPOSIÇÃO DE RECURSO IN ALBIS. ANALISANDO COM MAIOR ACUIDADE OS AUTOS DO PROCESSO, OBSERVA-SE QUE A DEMANDA VERSA SOBRE MATÉRIA TRIBUTÁRIA DE POSIÇÃO JÁ MANSA E PACIFICA NO SEIO DA JURISPRUDÊNCIA. EM BREVES LINHAS, O QUE SE OBSERVA É O ENTENDIMENTO DO FISCO MUNICIPAL DE QUE SOBRE A LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS INCIDE O IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN, O QUE REDUNDOU NA FEITURA DE UMA SÉRIE DE LANÇAMENTOS E, POR VIA REFLEXA, NA COBRANÇA DA ALUDIDA EXAÇÃO MUNICIPAL. TODAVIA, CONFORME DEMONSTRADO PELO JUÍZO MONOCRÁTICO, QUESTÕES COMO ESTA VEM SENDO DECIDIDAS, DE MANEIRA REITERADA PELOS TRIBUNAIS PÁTRIOS. RESTA CONFIGURADO QUE A LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS É, ESSENCIALMENTE, UMA OBRIGAÇÃO DE DAR, E NÃO UMA OBRIGAÇÃO DE FAZER, ESTA SIM, PASSÍVEL DE INCIDÊNCIA DO ALUDIDO TRIBUTO MUNICIPAL DESDE QUE: A) PREVISTA NA LISTA ANEXA DE SERVIÇOS DA LEI COMPLEMENTAR NACIONAL DO ISSQN QUE, ATUALMENTE, É A LC 116/03 E B) TENHAM SIDO INSTITUÍDOS NA LISTA DE SERVIÇOS ALVO DE TRIBUTAÇÃO DO MUNICÍPIO, PRESSUPOSTOS ESTES NÃO OBSERVADOS NO CASO DOS AUTOS E, SUFICIENTES, PARA QUE O JUÍZO SINGULAR JULGASSE PROCEDENTE O PEDIDO INICIAL. JÁ EM GRAU DE REMESSA, OBSERVANDO TODOS ESTES DETALHES, A PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA OPINOU PELA RATIFICAÇÃO DA DECISÃO QUE ENCERROU O PROCEDIMENTO EM PRIMEIRO GRAU. E, A MEU SENTIR, ESTÁ CORRETA A POSIÇÃO JÁ CONSOLIDADA NA JURISPRUDÊNCIA, DEVENDO SER MANTIDA A R. DECISÃO. IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS (ISS) - LOCAÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR - INADMISSIBILIDADE, EM TAL HIPÓTESE, DA INCIDÊNCIA DESSE TRIBUTO MUNICIPAL - DISTINÇÃO NECESSÁRIA ENTRE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS (OBRIGAÇÃO DE DAR OU DE ENTREGAR) E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (OBRIGAÇÃO DE FAZER) - IMPOSSIBILIDADE DE A LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL ALTERAR A DEFINIÇÃO E O ALCANCE DE CONCEITOS DE DIREITO PRIVADO (CTN, ART. 110) - INCONSTITUCIONALIDADE DO ITEM 79 DA ANTIGA LISTA DE SERVIÇOS ANEXA AO DECRETO-LEI Nº 406/68 - PRECEDENTES DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - RECURSO IMPROVIDO. NÃO SE REVELA TRIBUTÁVEL, MEDIANTE ISS, A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES (QUE CONSUBSTANCIA OBRIGAÇÃO DE DAR OU DE ENTREGAR), EIS QUE ESSE TRIBUTO MUNICIPAL SOMENTE PODE INCIDIR SOBRE OBRIGAÇÕES DE FAZER, A CUJA MATRIZ CONCEITUAL NÃO SE AJUSTA A FIGURA CONTRATUAL DA LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS. PRECEDENTES (STF). DOUTRINA (RE-AGR / PR - PARANÁ; AG. REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. RELATOR(A) MINISTRO CELSO DE MELLO. SEGUNDA TURMA. JULGAMENTO 30/05/2006).TRIBUTÁRIO. ISSQN. LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS (VEÍCULOS). PRONUNCIAMENTO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ITEM 79 DA LISTA DE SERVIÇOS ANEXA AO DL 406/68. MATÉRIA CONSTITUCIONAL. 1. TRATAM OS AUTOS DE AÇÃO ORDINÁRIA COM PEDIDO LIMINAR PROPOSTA POR AUTO LOCADORA RICCI DE VEÍCULOS LTDA.. EM FACE DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ. A EXORDIAL REQUEREU: A) A INCONSTITUCIONALIDADE DA EXIGIBILIDADE NA COBRANÇA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA (ISSQN) INCIDENTE SOBRE A "LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS", NO CASO, A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS; B) A CONCESSÃO DE TUTELA ANTECIPADA COM O FIM DE SUSPENDER O CRÉDITO TRIBUTÁRIO EM LITÍGIO, INDEPENDENTEMENTE DE DEPÓSITO; C) SUCESSIVAMENTE, O DEFERIMENTO DE DEPÓSITO, NA POSSIBILIDADE DE INDEFERIMENTO DA TUTELA. DECISÃO PRELIMINAR DEFERIU PARCIALMENTE A TUTELA NO SENTIDO DE SER DEFERIDO O DEPÓSITO JUDICIAL DO ISS. A SENTENÇA JULGOU IMPROCEDENTE O PEDIDO. INTERPOSTA APELAÇÃO PELO AUTOR, O TRIBUNAL A QUO NEGOU-LHE PROVIMENTO POR ENTENDER QUE A LOCAÇÃO DE SERVIÇOS TRANSCENDE ATIVIDADE " COM DETERMINADO COMPLEXO DE AÇÕES QUE RESULTAM EM SERVIÇOS (FAZER OU VENDA DE BEM IMATERIAL)". RECURSO ESPECIAL DE AUTO LOCADORA RICCI DE VEÍCULOS LTDA. FUNDAMENTADO NAS ALÍNEAS "A" E "C" APONTANDO VIOLAÇÃO DO ART. 535, I E II DO CPC, ART. 170 DO CTN E ART DO C.C (1916). DEFENDE, EM SUMA, QUE A LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS NÃO SE CONFIGURA COMO FATO GERADOR DO ISSQN. 2. MERECE SER REPELIDA A TESE DE VIOLAÇÃO AO ART. 535, I E II. ANALISANDO-SE OS FUNDAMENTOS DESENVOLVIDOS NO ARESTO OBJURGADO, PERCEBE-SE A APRECIAÇÃO DE TODOS OS PONTOS RELEVANTES AO DESLINDE DA CAUSA, SENDO DESNECESSÁRIA A INDICAÇÃO EXPRESSA DO DISPOSITIVO LEGAL AVENTADO NOS ACLARATÓRIOS. OS FUNDAMENTOS, NOS QUAIS SE SUPORTA A DECISÃO A QUO, SÃO CLAROS E NÍTIDOS. O QUE ACONTECEU, NA VERDADE, É QUE NÃO FOI A QUESTÃO DECIDIDA CONFORME PLANEJAVA A PARTE: AGRAVANTE, MAS, SIM, COM A APLICAÇÃO DE ENTENDIMENTO DIVERSO. 3. O PLENO DO COLENDO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL CONCLUIU O JULGAMENTO DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO /SP (REL. MIN. OCTAVIO GALLOTTI, DJ 25/05/2001), INTERPOSTO POR EMPRESA DE LOCAÇÃO DE GUINDASTES ONDE SE DISCUTIA A CONSTITUCIONALIDADE DA COBRANÇA DO ISS SOBRE A LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS. DECIDIU-SE QUE A EXPRESSÃO LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS CONSTANTE NO ITEM 79 DA LISTA DE SERVIÇOS A QUE SE REFERE O DL 406/68 (REDAÇÃO DA LC 56/87) É INCONSTITUCIONAL. NAS RAZÕES DE DECIDIR, FRISOU-SE QUE A TERMINOLOGIA CONSTITUCIONAL DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS REVELA O OBJETO DA TRIBUTAÇÃO. CONFLITA COM A LEI MAIOR DISPOSITIVO QUE IMPONHA O TRIBUTO A CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL. EM DIREITO, OS INSTITUTOS, AS EXPRESSÕES E OS VOCÁBULOS TÊM SENTIDO PRÓPRIOS, DESCABENDO CONFUNDIR A LOCAÇÃO DE SERVIÇOS COM A DE MÓVEIS, PRÁTICAS DIVERSAS REGIDAS PELO CÓDIGO CIVIL, CUJAS DEFINIÇÕES SÃO DE OBSERVÂNCIA INAFASTÁVEL". 4. TENDO EM VISTA O PRONUNCIAMENTO DA CORTE MAIOR, NÃO É POSSÍVEL PROCEDER À ANÁLISE DE RECURSO ESPECIAL QUE DISCUTE, EM INFRACONSTITUCIONAL, A MESMA MATÉRIA: INCIDÊNCIA DO ISSQN SOBRE A LOCAÇÃO DE VEÍCULOS (BENS MÓVEIS). 5. RECURSO ESPECIAL NÃO-CONHECIDO. (RESP / PR; RECURSO ESPECIAL; 2006/ RELATOR(A) MINISTRO JOSÉ DELGADO (1105). ÓRGÃO JULGADOR T1 - PRIMEIRA TURMA. DATA DO JULGAMENTO 05/09/2006. DATA DA PÚBLICAÇÃO/FONTE DJ P. 273). (GRIFO MEU) DESTA FORMA, É ACERTADA A DECISÃO QUE ORA É SUBMETIDA AO DUPLO GRAU NECESSÁRIO, NOS TERMOS DA LEI 1.533/51.

18 20 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO NO CASO EM TELA A REGRA DE JULGAMENTO MONOCRÁTICO É PLENAMENTE APLICÁVEL À REMESSA NECESSÁRIA, COMO JÁ PACIFICOU O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, POR MEIO DA SÚMULA 253, IN VERBIS: O ART. 557 DO CPC, QUE AUTORIZA O RELATOR A DECIDIR O RECURSO, ALCANÇA O REEXAME NECESSÁRIO. PELO EXPOSTO, MONOCRATICAMENTE CONHEÇO E NEGO PROVIMENTO À REMESSA NECESSÁRIA, MANTENDO IN TOTUM A R. SENTENÇA. PUBLIQUE-SE NA ÍNTEGRA. INTIMEM-SE AS PARTES. VITÓRIA, 17 DE NOVEMBRO DE DESEMBARGADOR RONALDO GONÇALVES DE SOUSA RELATOR: VITÓRIA, 21/11/2006 MARCELA BARCELLOS TAVARES MARCHESCHI SECRETÁRIA DE CÂMARA QUARTA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA QUARTA CÂMARA CÍVEL PAUTA DE JULGAMENTO DA 44ª SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 28/11/2006 TERÇA-FEIRA, QUE TERÁ INÍCIO ÀS 09:00 HORAS, PODENDO, ENTRETANTO, NESSA SESSÃO OU EM SESSÕES SUBSEQUENTES, PROCEDER-SE AO JULGAMENTO DE PROCESSOS ADIADOS OU CONSTANTES DE PAUTAS JÁ PUBLICADAS. 1 - AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 5ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU ORDINARIA CIVIL AGVTE.: NAVEMAR TRANSPORTES E COMERCIO MARITIMO LTDA ADVOGADO(A): ALEXANDRE PUPPIM ADVOGADO(A): IVON ALCURE DO NASCIMENTO ADVOGADO(A): MARCUS FELIPE BOTELHO PEREIRA AGVDO.: COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA ADVOGADO(A): FABRICIO CARDOSO FREITAS RELATOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU 2 - APELAÇÃO CÍVEL Nº CACH ITAPEMIRIM - 2ª VARA DE FAMÍLIA CLASSE 1º GRAU INDENIZAÇÃO CIVIL APTE.: CELIA REGINA CUNHA ADVOGADO(A): MARCELO BOURGUIGNON MOURA ADVOGADO(A): VAGNER ANTONIO DE SOUZA APDO.: FERNANDO ALBERTO BITENCOURT PINHEIRO ADVOGADO(A): MARCELO TORRES FERNANDES RELATOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS REVISOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU 3 - APELAÇÃO CÍVEL Nº CACH ITAPEMIRIM - 4ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU REINTEGRAÇÃO DE POSSE CIVIL APTE.: ATARCILIO DEPRA ADVOGADO(A): VANESSA SANTA B. RODRIGUES COUTINHO APTE.: NORMA SUELI LEAL GONÇALVES DEPRA ADVOGADO(A): VANESSA SANTA B. RODRIGUES COUTINHO APDO.: WIRMA WANDERMULHE ADVOGADO(A): VICENTE RODRIGUES APDO.: ESPÓLIO DE JOSE RODRIGUES RAFAEL ADVOGADO(A): VICENTE RODRIGUES RELATOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU REVISOR: DES. CARLOS ROBERTO MIGNONE 4 - APELAÇÃO CÍVEL Nº COLATINA - 2ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU COBRANCA CIVIL APTE.: CENTRO DE ENSINO COLATINENSE DARWIN LTDA ADVOGADO(A): CARLOS FELYPPE TAVARES PEREIRA APDO.: ADINARTE FONSECA ADVOGADO(A): ILSON JOSÉ TEIXEIRA DA SILVA RELATOR: DES. CARLOS ROBERTO MIGNONE 5 - APELAÇÃO CÍVEL Nº COLATINA - 2ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU INDENIZAÇÃO CIVIL APTE./APDO.: CARLOS MAGNO TELLES ADVOGADO(A): DANILO DE ARAUJO CARNEIRO ADVOGADO(A): SANDRO COGO APTE./APDO.: MARIA DO CARMO COSTA ALMEIDA TELLES ADVOGADO(A): DANILO DE ARAUJO CARNEIRO ADVOGADO(A): SANDRO COGO APDO./APTE.: BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO(A): FRANCISCO DOMINGOS VIEIRA RELATOR: DES. CARLOS ROBERTO MIGNONE REVISOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS 6 - APELAÇÃO CÍVEL Nº VITÓRIA - 3ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU COBRANCA CIVIL APTE.: ELIANE DO CARMO GARBINI PEREIRA ADVOGADO(A): RAFAEL TONELI TEDESCO ADVOGADO(A): RODRIGO LOUREIRO MARTINS APDO.: CITUR - CIDADE TURISMO E VIAGENS LTDA ADVOGADO(A): LUIZ ROBERTO MARETO CALIL ADVOGADO(A): RONALDO PAVAN RELATOR: DES. CARLOS ROBERTO MIGNONE 7 - APELAÇÃO CÍVEL Nº VITÓRIA - 3ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU EMBARGOS A EXECUÇÃO CIVIL APTE.: VITÓRIA APART HOSPITAL S/A ADVOGADO(A): MARCELLO GONÇALVES FREIRE APDO.: LORENGE INDUSTRIA E COMERCIO LTDA ADVOGADO(A): CARLOS AUGUSTO DA MOTTA LEAL ADVOGADO(A): FABRICIO ALVES GHIDETTI ADVOGADO(A): LEONARDO LAGE DA MOTTA ADVOGADO(A): MIRIAM BARROS DA MOTTA LEAL RELATOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU REVISOR: DES. CARLOS ROBERTO MIGNONE 8 - APELAÇÃO CÍVEL Nº LINHARES - 1ª VARA CÍVEL E COMERCIAL CLASSE 1º GRAU INDENIZAÇÃO CIVIL APTE.: VALDICEA DE ALCANTARA NUNES ADVOGADO(A): JARBAS FRANCISCO GONCALVES GAMA APTE.: CLERIO DO NASCIMENTO ADVOGADO(A): JARBAS FRANCISCO GONCALVES GAMA APDO.: IGNES ANTONIA PIANCA LIMA ADVOGADO(A): ALCIDIA PEREIRA DE PAULA SOUZA APDO.: LILIANE ROSEIRO DE ARAUJO ARIVABENI ADVOGADO(A): NATANAEL BAPTISTA CRUZ RELATOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS REVISOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU 9 - APELAÇÃO CÍVEL Nº SÃO MATEUS - 1ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU DANOS MORAIS APTE.: BANCO BANESTES S/A ADVOGADO(A): CARLOMAR SILVA GOMES DE ALMEIDA ADVOGADO(A): CLAUDIA VALLI CARDOSO ADVOGADO(A): FABIANO DE CHRISTO DEPES TALLON ADVOGADO(A): JOSE CARLOS SAID APDO.: RENALDO FERREIRA ADVOGADO(A): GILSON GUILHERME CORREIA ADVOGADO(A): JEFFERSON CORRÊA DE SOUZA RELATOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS REVISOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU 10 - APELAÇÃO CÍVEL Nº SERRA - 3ª VARA CÍVEL CLASSE 1º GRAU DESPEJO CIVIL

19 21 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO APTE.: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL EVANGELICA DA SERRA ADVOGADO(A): VALCIMAR PAGOTTO RIGO APTE.: RUY BARBOSA ADVOGADO(A): LIZONETE MACHADO GUARNIER APTE.: ALAIDE DE SOUZA BARBOSA ADVOGADO(A): LIZONETE MACHADO GUARNIER APDO.: MARLI ALBENES FERREIRA DE ALMEIDA ADVOGADO(A): FRANCISCO RIBEIRO ADVOGADO(A): MARIA MARTA NEVES CABRAL ADVOGADO(A): PERICLES FERREIRA DE ALMEIDA RELATOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS REVISOR: DES. MAURÍLIO ALMEIDA DE ABREU 11 - REMESSA EX-OFFICIO Nº COMARCA DE SÃO JOSÉ DO CALCADO CLASSE 1º GRAU MANDADO DE SEGURANCA PARTE: AUGUSTO PIMENTEL DA SILVEIRA ADVOGADO(A): EVARISTO ALMEIDA DA SILVA PARTE: MUNICÍPIO DE SÃO JOSE DO CALÇADO RELATOR: DES. CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS VITÓRIA, 21/11/2006 LARISSA SCHAIDER PIMENTEL CORTES SECRETÁRIA DE CÂMARA TRIBUNAL DE JUSTIÇA QUARTA CÂMARA CÍVEL CONCLUSÃO DE ACÓRDÃOS PARA EFEITO DE RECURSO OU TRÂNSITO EM JULGADO 1- APELAÇÃO CÍVEL Nº VILA VELHA - 1ª VARA CÍVEL APTE.: TANIA CARMEN TRIBES APDO.: ISAC RODRIGUES ADVOGADO(A): GRAZIELLA NEIVA NEVES APDO.: ROGERIO DOMINGOS ADVOGADO(A): GRAZIELLA NEIVA NEVES RELATOR: DES. MANOEL ALVES RABELO REVISOR: DES. DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA JULGADO EM 15/06/2004 E LIDO EM 28/09/2004 ACÓRDÃO EMENTA - APELAÇÃO CÍVEL - NULIDADE DA SENTENÇA - AUSÊNCIA INJUSTIFICADA DO ADVOGADO DA AUTORA À AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO - DISPENSA DE PROVAS TESTEMUNHAIS REQUERIDAS - POSSIBILIDADE - CPC, ART. 453, 2º. ALEGAÇÕES FINAIS DISPENSADAS - NÃO DEMONSTRAÇÃO DOS PREJUÍZOS SOFRIDOS - NULIDADE NÃO DECLARADA - SENTENÇA MANTIDA - APELAÇÃO DESPROVIDA. 1 - A AUSÊNCIA INJUSTIFICADA DO ADVOGADO DA AUTORA À AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO IMPLICA NA POSSIBILIDADE DE O MAGISTRADO, VALENDO-SE DA REGRA ESTABELECIDA NO ART. 453, 2º, DO CPC, DISPENSAR A PRODUÇÃO DA PROVA REQUERIDA SEM QUE ISTO REPRESENTE QUALQUER NULIDADE. 2 - A SIMPLES ALEGAÇÃO DE IMPOSSIBILIDADE DE DISPENSA DE OFERECIMENTO DAS ALEGAÇÕES FINAIS NÃO É CAUSA SUFICIENTE PARA A DECRETAÇÃO DA NULIDADE DO PROCEDIMENTO, DEVENDO A PARTE DEMONSTRAR UM MÍNIMO DE PREJUÍZO SOFRIDO COM ESTA CONDUTA, POIS VIGE EM NOSSO ORDENAMENTO CIVIL A REGRA MANIFESTADO PELO BROCARDO PAS DE NULLITÉ SANS GRIEF. 3 - SENTENÇA MANTIDA. APELAÇÃO DESPROVIDA. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGRÉGIO(A) QUARTA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO. VITÓRIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2006 LARISSA SCHAIDER PIMENTEL CORTES SECRETÁRIA DE CÂMARA TRIBUNAL DE JUSTIÇA QUARTA CÂMARA CÍVEL CONCLUSÃO DE ACÓRDÃOS PARA EFEITO DE RECURSO OU TRÂNSITO EM JULGADO. 1 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL AGVTE.: SEARCH INFORMATICA LTDA ADVOGADO(A): BIANCA V LIMONGE RAMOS ADVOGADO(A): CELSO BITTENCOURT RODRIGUES ADVOGADO(A): MARIANA CABAS E BICCAS BRAGA AGVDO.: DETRAN ES ADVOGADO(A): CRISTIANE MENDONÇA ADVOGADO(A): EVANDRO DE CASTRO BASTOS ADVOGADO(A): MIRNA MARIA SARTORIO RIBEIRO ADVOGADO(A): ROWENA FERREIRA TOVAR ADVOGADO(A): SUELI DE OLIVEIRA BESSONI AGVDO.: INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA INFORM E COMUN DO ESP SANTO ITI ADVOGADO(A): CRISTIANE MENDONÇA ADVOGADO(A): EVANDRO DE CASTRO BASTOS ADVOGADO(A): MIRNA MARIA SARTORIO RIBEIRO ADVOGADO(A): ROWENA FERREIRA TOVAR ADVOGADO(A): SUELI DE OLIVEIRA BESSONI RELATOR: CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS JULGADO EM 03/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO - TUTELA ANTECIPADA - SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO DE CONTRATO ADMINISTRATIVO - SERVIÇOS DE INFORMÁTICA - AUSÊNCIA DOS PRESSUPOSTOS LEGAIS PARA CONCESSÃO - RECURSO DESPROVIDO. 1. AÇÃO ANULATÓRIA AJUIZADA PELA EMPRESA AGRAVANTE EM FACE DO DETRAN/ES E DO ITI (SUCESSOR DA PRODEST), BUSCANDO, EM DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, A SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMÁTICA FIRMADOS PELOS DEMANDADOS, COM FULCRO NO ART. 24, XVI, DA LEI Nº 8.666/ DE FATO, HÁ FORTES INDÍCIOS DE QUE O DETRAN/ES VALEU-SE DO PERMISSIVO LEGAL PARA, ATRAVÉS DA PRODEST (ATUAL ITI), ENTIDADE PÚBLICA DETENTORA DA EXCLUSIVIDADE NA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE INFORMÁTICA AOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO ESTADUAL (LEI Nº 2.501/70), DIRECIONAR A CONTRATAÇÃO SEM PRÉVIA LICITAÇÃO EM BENEFÍCIO DAS EMPRESAS PRIVADAS INDICADAS NO CONTRATO ADMINISTRATIVO, EM APARENTE VIOLAÇÃO AOS PRINCÍPIOS DA MORALIDADE E IMPESSOALIDADE. 3. NÃO SE PODE OLVIDAR, PORÉM, QUE O ART. 72 DA LEI Nº 8.666/93 ADMITE A CESSÃO PARCIAL DO OBJETO CONTRATADO PELA VENCEDORA DA LICITAÇÃO PÚBLICA, NÃO CONSTITUINDO TAL PROCEDIMENTO, POR SI SÓ, DESRESPEITO À NATUREZA INTUITU PERSONAE DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. PRECEDENTE DO STJ. 4. ASSIM, A LEGALIDADE DA LICITAÇÃO PÚBLICA HÁ DE SER VERIFICADA EM DE COGNIÇÃO PLENA, APÓS REGULAR INSTRUÇÃO PROBATÓRIA, E NÃO MEDIANTE COGNIÇÃO SUPERFICIAL, FUNDADA EM JUÍZO DE MERA VEROSSIMILHANÇA. 5. ADEMAIS, NESSE MOMENTO, EM ATENÇÃO AO PRINCÍPIO DA SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO SOBRE O PARTICULAR, É MAIS PRUDENTE MANTER OS CONTRATOS, A FIM DE NÃO COMPROMETER A ORDEM ADMINISTRATIVA E A CONTINUIDADE DE SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS, ENTRE OS QUAIS O DE EMISSÃO DE CARTEIRAS DE HABILITAÇÃO PARA MOTORISTAS (PERICULUM IN MORA INVERSO), ATÉ PORQUE A SUSPENSÃO PARECE BENEFICIAR MUITO MENOS A COLETIVIDADE À PRÓPRIA EMPRESA AGRAVANTE, QUE JÁ TEVE O SEU CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CARÁTER EMERGENCIAL RENOVADO POR OITO VEZES, COM DISPENSA DE LICITAÇÃO, AFRONTANDO O ART. 24, IV, DA LEI Nº 8.666/ RECURSO DESPROVIDO. CONCLUSÃO: ACORDA A EGRÉGIA QUARTA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, NEGAR

20 22 Quinta-Feira 23 de Novembro de 2006 Edição nº 2960 D.J. ESPÍRITO SANTO PROVIMENTO AO RECURSO, A TEOR DO VOTO PROFERIDO PELA RELATORA. 2 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 10ª VARA CÍVEL AGVTE.: BANESTES S/A ADVOGADO(A): BRUNO CURTY VIVAS ADVOGADO(A): CLAUDIA VALLI CARDOSO ADVOGADO(A): FERNANDA ALVES DE MATTOS MENEGUSSI ADVOGADO(A): FRANKLIN DELMAESTRO ADVOGADO(A): GERALDO LUIZ DA SILVEIRA ADVOGADO(A): OMAR DE ALBUQUERQUE MACHADO JÚNIOR AGVDO.: VLADIMIR GALDINO LOPES ADVOGADO(A): GUSTAVO MACIEL TARDIN AGVDO.: VALDINEI CARLINI ADVOGADO(A): GUSTAVO MACIEL TARDIN AGVDO.: ADA MARIA CARNIATO ADVOGADO(A): GUSTAVO MACIEL TARDIN RELATOR: CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS JULGADO EM 03/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA - AGRAVO DE INSTRUMENTO - RELAÇÃO DE CONSUMO - INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA - PERÍCIA - RESPONSABILIDADE PELOS HONORÁRIOS PERICIAIS PRÉVIOS - RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. 1. É ESSENCIAL A PRODUÇÃO DA PROVA PERICIAL DEFERIDA PARA O JULGAMENTO DA AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATO BANCÁRIO, ONDE SE APONTA A COBRANÇA INDEVIDA DECORRENTE DE SUPOSTAS PRÁTICAS ABUSIVAS, ENTRE AS QUAIS A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS, FLUTUAÇÃO DE TAXAS, CUMULAÇÃO DE COMISSÃO DE PERMANÊNCIA COM OUTROS ENCARGOS CONTRATUAIS, O QUE EXIGE CONHECIMENTO TÉCNICO CONTÁBIL, EM AUXÍLIO À ATIVIDADE JULGADORA. 2. SE O AGRAVANTE (FORNECEDOR) RESISTE EM PAGAR OS HONORÁRIOS DO PERITO, INVIABILIZANDO A PRODUÇÃO DA PROVA TÉCNICA, DEVERÁ SUPORTAR OS EVENTUAIS GRAVAMES DAÍ DECORRENTES, UMA VEZ QUE LHE CABE DESCONSTITUIR AS ALEGAÇÕES DOS AGRAVADOS (CONSUMIDORES), POR FORÇA DA INVERSÃO DO ÔNUS PROBATÓRIO (ART. 6º, VIII, CDC). 3. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO, PARA AFASTAR A EXIGÊNCIA DE DEPÓSITO PRÉVIO DOS HONORÁRIOS PERICIAIS PELO AGRAVANTE. CONCLUSÃO: ACORDA A EGRÉGIA QUARTA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, DAR PROVIMENTO PARCIAL AO RECURSO. 3 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 3ª VARA CÍVEL AGVTE.: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ADVOGADO(A): LUIZ FERNANDO NOGUEIRA MOREIRA AGVDO.: JOSE LUIZ PIMENTEL PAZETO ADVOGADO(A): EVANDRO DE CASTRO BASTOS ADVOGADO(A): RAFAEL SANTA ANNA ROSA RELATOR: CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS JULGADO EM 10/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO. PRELIMINAR DE CONEXÃO ENTRE RECURSOS. REJEITADA. PRELIMINAR DE INTEMPESTIVIDADE DA CONTRAMINUTA. ACOLHIDA. MÉRITO. DELEGADOS DE POLÍCIA. GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO DE CHEFIA. PRETENSÃO DE INCORPORAÇÃO AOS VENCIMENTOS PARA FINS DE INCIDÊNCIA DE VANTAGENS PESSOAIS. LIMINAR CONCEDIDA EM FAVOR DOS ALUDIDOS SERVIDORES EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO. EXISTÊNCIA DE VEDAÇÃO LEGAL. CONSTITUCIONALIDADE DA PROIBIÇÃO RESPALDADA PELO PRONUNCIAMENTO DO STF NA MEDIDA CAUTELAR NA ADC Nº 04/DF. RECURSO PROVIDO. I- ALÉM DE O INSTITUTO DA CONEXÃO SE REFERIR A AÇÕES (E NÃO A RECURSOS), NÃO É ADEQUADO APLICÁ-LO QUANDO UM DOS VETORES RECURSAIS JÁ FOI JULGADO, MORMENTE SE OS AGRAVOS DE INSTRUMENTO EM QUESTÃO GUARDAM ENTRE SI AUTONOMIA PROCESSUAL, OU SEJA, UM NÃO TEM COMO PRESSUPOSTO NECESSÁRIO A EXISTÊNCIA DO OUTRO. II- SE A CONTRAMINUTA ESTÁ INTEMPESTIVA, SEU CONTEÚDO DEVE SER DESCONSIDERADO PARA FINS DE APRECIAÇÃO DO PRESENTE RECURSO. PRECEDENTE DO STJ. III- O ART. 1º DA LEI Nº 9.494/97, CUJA CONSTITUCIONALIDADE FOI CONFIRMADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AO APRECIAR A MEDIDA CAUTELAR NA ADC Nº 04/DF, VEDA EXPRESSAMENTE A CONCESSÃO DE LIMINARES CONTRA O PODER PÚBLICO, SEMPRE QUE HOUVER A ADIÇÃO DE VALORES OU RESULTAR EM IMPLEMENTAÇÃO DE EFEITOS FINANCEIROS A SEREM SUPORTADOS PELO ERÁRIO. IV- SE O JUIZ DA CAUSA CONCEDEU A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA SEM OBSERVAR A EFICÁCIA VINCULANTE DA ADC Nº 04/DF, TAL PRONUNCIAMENTO JUDICIAL NÃO PODE SUBSISTIR, IMPONDO-SE, DESTARTE, A SUA REVOGAÇÃO. V- RECURSO PROVIDO. CONCLUSÃO: ACORDA A EGRÉGIA QUARTA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, REJEITAR A PRELIMINAR DE CONEXÃO, E ACOLHER A PRELIMINAR DE INTEMPESTIVIDADE DA CONTRA-MINUTA, E NO MÉRITO, POR IGUAL VOTAÇÃO, DAR PROVIMENTO AO RECURSO, NOS TERMOS DO VOTO PROFERIDO PELA RELATORA. 4 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL AGVTE.: ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ADVOGADO(A): JOSE ALEXANDRE REZENDE BELLOTE AGVDO.: NEUSA GLORIA DOS SANTOS ADVOGADO(A): ODILON MARTINS SILVEIRA RELATOR: CATHARINA MARIA NOVAES BARCELLOS JULGADO EM 03/10/2006 E LIDO EM 14/11/2006 EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO. DELEGADOS DE POLÍCIA. GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO DE CHEFIA. PRETENSÃO DE INCORPORAÇÃO AOS VENCIMENTOS PARA FINS DE INCIDÊNCIA DE VANTAGENS PESSOAIS. LIMINAR CONCEDIDA EM FAVOR DOS ALUDIDOS SERVIDORES EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO. EXISTÊNCIA DE VEDAÇÃO LEGAL. CONSTITUCIONALIDADE DA PROIBIÇÃO RESPALDADA PELO PRONUNCIAMENTO DO STF NA MEDIDA CAUTELAR NA ADC Nº 04/DF. RECURSO PROVIDO. I- O ART. 1º DA LEI Nº 9.494/97, CUJA CONSTITUCIONALIDADE FOI CONFIRMADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AO APRECIAR A MEDIDA CAUTELAR NA ADC Nº 04/DF, VEDA EXPRESSAMENTE A CONCESSÃO DE LIMINARES CONTRA O PODER PÚBLICO, SEMPRE QUE HOUVER A ADIÇÃO DE VALORES OU RESULTAR EM IMPLEMENTAÇÃO DE EFEITOS FINANCEIROS A SEREM SUPORTADOS PELO ERÁRIO. II- SE O JUIZ DA CAUSA CONCEDEU A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA SEM OBSERVAR A EFICÁCIA VINCULANTE DA ADC Nº 04/DF, TAL PRONUNCIAMENTO JUDICIAL NÃO PODE SUBSISTIR, IMPONDO-SE, DESTARTE, A SUA REVOGAÇÃO. III- RECURSO PROVIDO. CONCLUSÃO: ACORDA A EGRÉGIA QUARTA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, DAR PROVIMENTO AO RECURSO, NOS TERMOS DO VOTO PROFERIDO PELA RELATORA. 5 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº VITÓRIA - 4ª VARA CÍVEL AGVTE.: OTTO NETTO ANDRADE ADVOGADO(A): ANTONIO AUGUSTO GENELHU JUNIOR ADVOGADO(A): JOUBERT GARCIA SOUZA PINTO AGVDO.: AGENCIA MARITIMA UNIVERSAL LTDA ADVOGADO(A): ANNA KARLA CONCEIÇAO DOS SANTOS REIS ADVOGADO(A): CARLOS EDUARDO AMARAL DE SOUZA ADVOGADO(A): CRISTINA CORDEIRO DOS SANTOS ADVOGADO(A): DIOGO PAIVA FARIA ADVOGADO(A): FLAVIO CHEIM JORGE ADVOGADO(A): FREDERICO LUÍS SCHAIDER PIMENTEL ADVOGADO(A): MARCELO ABELHA RODRIGUES ADVOGADO(A): TIAGO BALBINO AZEREDO DA SILVA AGVDO.: ADRIANO MARIANO SCOPEL ADVOGADO(A): FLAVIO CHEIM JORGE ADVOGADO(A): FREDERICO LUÍS SCHAIDER PIMENTEL

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES.

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. LUIZ EDUARDO DE SOUSA EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. BUSCA E APREENSÃO.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 REEXAME NECESSÁRIO Nº 0031154-87.2008.8.08.0024 (024080311541) - VITÓRIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho si ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 2 011.2005.001579-8/003 RELATOR : Carlos Antônio Sarmento, Juiz Convocado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 49.020 - SP (2015/0199845-0) RELATOR : MINISTRO RAUL ARAÚJO RECORRENTE : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO : LÍLIAN CARLA FÉLIX THONHON E OUTRO(S) RECORRIDO : KATAL BIOTECNOLOGICA

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

(ft.." 4 Án 41. sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS

(ft.. 4 Án 41. sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS (ft.." 4 Án 41 sks, 4, Pus JUSTIT11 Pijj z ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 076.2008.000525-9/001 Comarca de

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

1-9N8 Jtk"iitE. tsr 'ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

1-9N8 JtkiitE. tsr 'ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO , 1-9N8 Jtk"iitE tsr 'ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO DECISÃO MONOCRÁTICA RECURSO EX OFFICIO N. 032.2009.000.034-3/001 RELATOR : Des.

Leia mais

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade APELAÇÃO CÍVEL. DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO C/C DANO MORAL. DUPLICATA SEM ACEITE. PROTESTO POR INDICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE.

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA Apelação Cível ri 026.2006.000553-0/001 Origem : 2 4 Vara da Comarca de naná TRIBUNAL DE JUSTIÇA Relator : Desembargador Frederico Martinho da NObrega Coutinho

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.351388-9/001 Númeração 3513889- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Rogério Medeiros Des.(a) Rogério Medeiros 05/11/2013 14/11/2013 EMENTA:

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.273016-1/001 Númeração 2730161- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 11/02/2015 23/02/2015 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000250943 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0080413-48.2010.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

Processo no. 200.2009.000.751-5/001. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque

Processo no. 200.2009.000.751-5/001. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque Acórdão APELAÇÃO CÍVEL - no. 200.2009.000.751-5/001 Relator: Dr. Eduardo José de Carvalho

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0498.07.010195-7/001 Númeração 0101957- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Osmando Almeida Des.(a) Osmando Almeida 03/06/2008 14/06/2008 EMENTA: EXECUÇÃO

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 26.044 - MS (2008/0000154-1) RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA : MÁRCIA ARAÚJO LIMA : IGOR NAVARRO RODRIGUES CLAURE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira AC no 035.2005.000.557-4/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 035.2005.000.5 001

Leia mais

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA APELAÇÃO CÍVEL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO APRESENTADO EM JUÍZO. RECURSO DO RÉU. A transação em juízo não exige a intervenção de advogados, restando válido o acordo pactuado no presente

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO APELAÇÃO CÍVEL (AC) Nº 296203/AL (2000.80.00.003296-1) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : NATHALIE PAIVA TEIXEIRA CAMBUY SODRE VALENTIM E OUTROS APTE : PREVI - CAIXA PREVIDENCIARIA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO Registro: 2011.0000128338 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9091312-94.2006.8.26.0000, da Comarca de Nova Odessa, em que é apelante BANCO BMC S/A sendo apelado MASSA FALIDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 468.333 - MS (2002/0108270-6) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : GILBERTO EIFLER MORAES E OUTRO(S) RECORRIDO : LEODARCY DA SILVA ANGELIERI

Leia mais

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68.

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68. A C Ó R D Ã O 10ª TURMA PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Marcelo Antero de Carvalho Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6º

Leia mais

,^0; 71/3ápf. d.) ír.o.t.lra

,^0; 71/3ápf. d.) ír.o.t.lra ,^0; 71/3ápf Moto/ 2udiço, d.) ír.o.t.lra ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 035.2005.000.510-3/001 - Sapé RELATOR: Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz de Direito convocado APELANTE: INTERNÁUTICA INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251

PODER JUDICIÁRIO COLÉGIO RECURSAL DA COMARCA DE SANTOS ACÓRDÃO. Recurso nº 0007220-95.2012.8.26.0562. Registro 2012.0000021251 fls. 1 Registro 2012.0000021251 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 0007220-95.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é recorrente L I V - INTERMEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior DECISÃO APELAÇÃO CIVEL N 048.2003.001021-8/001 CUITEGI RELATOR: Juíza Maria das Neves do Egito

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Fernando e Lara se conheceram em 31/12/2011 e, em 02/05/2014, celebraram seu casamento civil pelo regime de comunhão parcial de bens. Em 09/07/2014, Ronaldo e Luciano

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda. Certo

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015 Regula o procedimento a ser adotado nas medidas assecuratórias em matéria processual-penal e as providências a serem adotadas quando decretada a perda de bens móveis ou imóveis

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200770530011010/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : JUAREZ FIGUEIREDO RECORRIDO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL E NASCIMENTO & CÉSAR LTDA EPP VOTO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99

Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 Nº 11/CSMPF GAB/MC PROCESSO Nº : 1.00.001.000097/2006-99 INTERESSADO : Doutor Igor Nery Figueiredo RELATORA : Conselheira MARIA CAETANA CINTRA SANTOS ASSUNTO : 22º Concurso Público para Provimento de Cargos

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa:

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa: PELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5011683-79.2010.404.7200/SC RELATOR : Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL APELADO : ALPHA TRADE IMPORTACAO DE ELETRONICOS LTDA ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos.

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos. ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. VALORA- ÇÃO DE TÍTULOS. ENTIDADE PRIVADA. REMUNERA- ÇÃO PAGA PELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS). ADMISSIBILIDADE. 1. Admite-se a valoração, em concurso público do Município

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados.

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados. 4* 'L, Á `4'INI ~nu Pd Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Des. Marcos Antônio Souto Maior ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001148-7/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR : Juiz

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

~14 - 1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D.

~14 - 1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D. AC no 200.2008.042.249-2/001 1 ~14-1891,( Poder Judiciário do Estado da Parai Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves çigito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2008.042.249-2/001

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores JAYME QUEIROZ LOPES (Presidente), ARANTES THEODORO E PEDRO BACCARAT.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores JAYME QUEIROZ LOPES (Presidente), ARANTES THEODORO E PEDRO BACCARAT. fls. 1 Registro: 2015.0000378701 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0001863-52.2013.8.26.0481, da Comarca de Presidente Epitácio, em que é apelante UNIÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP 1. Como podemos incluir o Seguro Garantia Judicial como válida hipótese de Penhora

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA APELADO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2006.021661-7/002 Capital RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho Juiz de Direito convocado. APELANTE : Indústria Reunidas F. Matarazzo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região;

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região; CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002 A Excelentíssima Doutora MARIA HELENA CISNE CID, Corregedora- Geral da Justiça Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO Agravo de Instrumento n 200.2011.019980-5/001 Origem : 8 4 Vara Cível da Comarca da Capital Relatora : Juíza de Direito Convocada Maria

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO CÍVEL. LICITAÇÃO E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. CGTEE. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS JURÍDICOS ESPECIALIZADOS NAS ÁREAS TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. TÉRMINO DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. AUSÊNCIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N.

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. 49/2008 A Doutora Luciana de Souza Sanchez, Juíza Federal Titular,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator : MARIA ALICE FERRAZ. : BRASIL TELECOM S/A. : J. S. FAGUNDES CUNHA.

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator : MARIA ALICE FERRAZ. : BRASIL TELECOM S/A. : J. S. FAGUNDES CUNHA. RECURSO INOMINADO 2006.0003546-2/0 3 o JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE MARINGÁ RECORRENTE RECORRIDO_ RELATOR : MARIA ALICE FERRAZ. : BRASIL TELECOM S/A. : J. S. FAGUNDES CUNHA. AUSÊNCIA DO AUTOR,

Leia mais

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos.

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. AC no 200.2010.014.406-8/001 1 jn:idá-j Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2010.014.406-8/001

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 476.713 - DF (2002/0152167-8) RELATOR : MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RECORRENTE : LA CARNE COMÉRCIO E REPRESENTAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS LTDA ADVOGADO : DARCY MARIA GONÇALVES

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

APELAÇÃO DESPROVIDA. Nº 70044406015 COMARCA DE NOVA PETRÓPOLIS A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO DESPROVIDA. Nº 70044406015 COMARCA DE NOVA PETRÓPOLIS A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ACIDENTE DE TRABALHO. SÓCIO COTISTA. CONTRIBUINTE INDIVIDUAL. AUXÍLIO-ACIDENTE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. Sendo o autor contribuinte individual, por ser sócio cotista de empresa de responsabilidade

Leia mais

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ).,, JI WrIlei ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 041.2007.001993-4/001 RELATOR: Eduardo José de Carvalho Soares

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO ClVEL n^ 071.433-4/5, da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante TROPVILLE COMERCIAL LTDA., sendo apelada EMPRESARIAL E ASSESSORIA S/C LTDA.:

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1)

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Relator: ALVIMAR DE ÁVILA Relator do Acordão: ALVIMAR DE ÁVILA Data do Julgamento: 28/05/2008 Data da Publicação: 07/06/2008 Inteiro Teor: EMENTA: AÇÃO DE

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000216806 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0196471-72.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SOCIORTHO COMERCIO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO f PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÒRDÃO/DECISAOMONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da

Leia mais

A executada PATRÍCIA DOMINGUES DOS SANTOS opôs embargos à execução às fls. 862/875 dos autos.

A executada PATRÍCIA DOMINGUES DOS SANTOS opôs embargos à execução às fls. 862/875 dos autos. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO 7ª VARA DO TRABALHO DE BELÉM Processo: 0000239-19.2012.5.08.0007 Exequente : ANTONIO CLAUDIO DARWICH CNPJ/CPF:044.002.007-79 BORGES LEAL Executado

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido

ACÓRDÃO. Ao contrário do que afirma a apelante, não existem provas de que o condutor do veículo de propriedade do segundo promovido ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gah. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL N 016.2009.000727-5/ 001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho APELANTE: Nikanora

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

+, -7+ ''*,.:,,,i Pe", NiBJ1,,1,g..0 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

+, -7+ ''*,.:,,,i Pe, NiBJ1,,1,g..0 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho , 5 +, -7+ ''*,.:,,,i Pe", NiBJ1,,1,g..0 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2007.752.691-7/001 Comarca de João Pessoa

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

RELATÓRIO IV - APELACAO CIVEL 2010.51.01.018449-4. Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (...)

RELATÓRIO IV - APELACAO CIVEL 2010.51.01.018449-4. Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (...) Nº CNJ : 0018449-85.2010.4.02.5101 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALUISIO MENDES APELANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS ADVOGADO : ROBERTO DONATO BARBOZA PIRES DOS REIS E OUTROS APELADO : COMPANHIA

Leia mais

D E C I S Ã O. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

D E C I S Ã O. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG APELAÇÃO CÍVEL Nº 0193026-72.2011.8.19.0001 Apelante (Autor): AMANDA PEIXOTO MARINHO DOS SANTOS Apelado

Leia mais

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA

Prática Cível 2ª Fase da OAB Ação Monitória AÇÃO MONITÓRIA AÇÃO MONITÓRIA A está regulada nos artigos 1102-A a 1102-C, CPC. Eles são fruto da Lei 9.079/95. Essa ação é um grande exemplo de sincretismo processual em nosso ordenamento. é processo sincrético que

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0)

RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RECURSO ESPECIAL Nº 502.765 - RS (2003/0023756-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : PATRÍCIA VARGAS LOPES E OUTROS RECORRIDO : OSTRA OBRAS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda.

Leia mais