RATING Dezembro de 2003 SOLIDEZ FINANCEIRA. Baixo Risco de Crédito BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A. Fatores Positivos 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RATING Dezembro de 2003 SOLIDEZ FINANCEIRA. Baixo Risco de Crédito BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A. Fatores Positivos 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA"

Transcrição

1 BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS RATING Dezembro de 2003 SOLIDEZ FINANCEIRA A BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião no dia 12 de fevereiro de 2004 confirmou o rating A para o Banco Industrial do Brasil S.A. O Banco Industrial do Brasil opera com regularidade e vem crescendo sob alavancagem controlada. O lucro acumulado em 2003, de R$ 10,9 milhões representa uma rentabilidade sobre o patrimônio de 9%, abaixo da média registrada nos exercícios anteriores. O fato da rentabilidade de 2003, assim como a receita de crédito inferior às do exercício anterior é contábil, já que o patrimônio líquido assim como a captação do banco inclui uma parcela em moeda estrangeira, lastreada em títulos cambiais travados a R$ 3,20. Ao expurgar tal efeito verificamos que o Industrial mantém o desempenho dentro dos padrões obtidos em anos anteriores, fechando 2003 com volume na carteira de crédito ligeiramente superior a R$ 400 milhões. Para 2004 tem como estratégia dar continuidade no crescimento sustentado da carteira de crédito com foco em operações de crédito de curto prazo para médias empresas, aproximadamente 65% da carteira, repasses do BNDES, com 25% de participação e uma parte menor (10%) alocado em operações de crédito pessoal consignado em folha de pagamento. Pelo lado do funding salientamos que o Banco não está limitado aos tradicionais CDBs, promovendo a abertura de novos canais de captação. Fatores Positivos Comprometimento e participação do acionista em todas as decisões estratégicas do Banco Industrial bem como das outras empresas que controla; O Banco opera com estrutura de capital pouco alavancada com ativos direcionados para operações de crédito de boa qualidade; Política de crédito é seletiva no que se refere à prospecção e manutenção de clientes; Abertura e exploração de novas fontes de funding, principalmente captação via fundos e clientes private; Abertura de agência em Grand Cayman diminuirá o custo de captação externa. Fatores Negativos Baixo Risco de Crédito Reduzida economia de escala, tornando suas captações mais vulneráveis às oscilações da economia; Estratégia de crescimento centrada no segmento de middle market clientes médios cuja tendência é de aumento da competição. A capacidade financeira do Banco é protegida pela estrutura de capital pouco alavancada, com base de ativos formada por operações de crédito de boa qualidade. Contato Banco Industrial S/A Eduardo Barcelos Guimarães Tel. : (11) Austin Rating Classificadora de Risco 12 de fevereiro de 2004

2 2) ASPECTOS QUALITATIVOS 2.1) Controle Acionário O Banco Industrial do Brasil S/A é controlado por Carlos Alberto Mansur, o qual também exerce o cargo de presidente do banco com uma participação efetiva no processo decisório da organização. No segmento não financeiro, o acionista adquiriu em 1973 a Fábrica de Produtos Alimentícios Vigor, tradicional empresa no setor em que atua. Posteriormente, novas empresas foram compradas, ficando o grupo assim formado: Cia. Leco de Produtos Alimentícios (adquirida em 1982), Danvigor Indústria e Comércio Ltda.(criada em 1986 a partir de uma jointventure com o grupo dinamarquês MD Foods, onde cada um detêm 50% de participação), Laticínios Flor da Nata Ltda (adquirida em 1989), Refino de Óleos Brasil Ltda.(adquirida em 1995), Vipe Processamento de Dados (criada em 1978 para desenvolver um processamento de dados entre as diversas empresas do grupo). A estrutura acionária do grupo é a seguinte: CARLOS ALBERTO MANSUR C.M. IND.COM. LTDA 99,99% 2.2) Administração Juntamente com o presidente, a alta administração é feita por quatro Diretores Executivos: Administrativo, Operacional, Comercial e Financeiro. As decisões estratégicas são tomadas por esses membros em reuniões de Comitê, conforme quadro a seguir: Membros do Comitê Carlos Alberto Mansur Enrique J. Zaragoza Duena Fernando Ferraz Marcondes de Souza Luiz Castellani Perez Eduardo Barcelos Guimarães Desde Jan/94 Jan/95 Jan/94 Jan/95 Set/01 Reportando-se ao Diretor Administrativo estão os superintendentes de tecnologia e crédito, as áreas administrativas de operações financeiras e comerciais, além do jurídico e recursos humanos. A diretoria financeira inclui as operações no mercado interbancário, internacional e operações de captação. As operações de varejo, incluindo-se as operações de arrendamento mercantil e as operações da Corretora de Seguros estão subordinadas à Diretoria Operacional. Abaixo da Diretoria Comercial está a Gerência Geral Comercial que inclui três plataformas. As decisões estratégicas são tomadas em reuniões de Diretoria (Comitês) realizadas semanalmente, incluindo o Presidente, e os quatro Diretores Executivos (Administrativo, Operacional, Comercial e Financeiro). Presidência 1,05% S/A FÁBRICA DE PROD. ALIM. VIGOR 98,19% CAP. VOTANTE 73,64% CAP.TOTAL Comitê Risco de Crédito Comitê Risco de Mercado DAN VIGOR INDUSTR.COM. LATIC. LTDA 50,00 % Diretoria Administrativa Diretoria Operacional Diretoria Comercial Diretoria Financeira LEGENDA : 0,01% PESSOA FÍSICA PESSOA JURÍDICA CIA LECO DE PROD ALIMENTÍCIOS 100,00% CAP.VOTANTE 80,00% CAP.TOTAL CRM INC NOVA YORK USA 100,00 % 7,02% Especificamente para gerenciar os riscos e aperfeiçoar seus instrumentos de controle constituíram-se os seguintes Comitês: Risco de Crédito e Risco de Mercado, que assessoram a presidência e estão representados, juntamente com as diretorias acima citadas no organograma a seguir: SALVATI 100,00 % 2

3 2.3) Participações Societárias O Banco Industrial participa diretamente das seguintes empresas: IB Administradora de Cartões; Industrial do Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários; Monceau Consultoria e Serviços. Em 2003 O Banco Industrial S.A. promoveu uma reestruturação societária, os quais os detalhes estão abaixo: (a) Em Assembléia Geral Extraordinária de 1 o de abril de 2003, foi deliberada a incorporação da controlada, Industrial do Brasil Administração e Fomento Comercial Ltda., pelo controlador, o Banco Industrial do Brasil S.A.. Devido a essa incorporação a Monceau Consultoria e Serviços Ltda., passou a ser controlada direta do banco. (b) Em 11 de julho de 2003, o Banco Industrial formalizou no Banco Central o pedido de abertura de carteira de arrendamento mercantil e por meio de Assembléia Geral Extraordinária, de 1º de outubro de 2003, incorporou a controlada Industrial do Brasil Arrendamento Mercantil S.A. Esse processo encontra-se em fase de homologação pelo Banco Central. (c) O banco solicitou ao Banco Central autorização de abertura de agência em Grand Cayman, a qual encontra-se em processo de aprovação. 2.4) Estratégia de Negócio Sob a denominação de Banco Industrial do Brasil S/A, a instituição iniciou suas atividades em janeiro de 1994, após aquisição do Banco Santista do Grupo Bunge y Born, fundado em Inicialmente focado em operações de tesouraria, redirecionou sua estratégia para crédito a partir de 1995, permanecendo até hoje como foco da estratégia operacional. O banco é permeado por uma política conservadora, funcionando com folga de liquidez. A filosofia do acionista é de operar pouco alavancado, o que garante maior proteção, frente aos cenários de crise. O banco apresenta histórico de folga no índice da Basiléia. A estratégia é funcionar como banco comercial, sem rede de agências, tem como objetivo principal formar ativos de crédito para pessoas jurídicas do middle market, que define como empresas com faturamento anual entre R$ 12 milhões e R$ 100 milhões, operações de repasse de órgão oficiais e operações de varejo de desconto de cheques, possuindo cerca de 500 clientes com créditos aprovados, de diversos segmentos econômicos. Adicionado à estratégia centrada em crédito que permanece inalterada, para 2004 espera-se a abertura de novas alternativas de funding, principalmente via fundos de investimento e operações internacionais envolvendo clientes private. Realiza operações de tesouraria que são destinadas à resguardar a liquidez do Banco com eventuais ganhos com arbitragem na curva de juros. Além do gerenciamento do fluxo de caixa e dos descasamentos do banco, têm como função, precificar as taxas a serem utilizadas nas operações de captação, sendo que a variação das taxas a serem praticadas estão dentro de intervalo que foi previamente aprovado pela Diretoria Executiva. A prospecção de clientes de crédito é seletiva, levandose em consideração exigências e condições para enquadramento da empresa no mercado alvo do banco. 2.5) Política de Crédito É definida pelo Comitê Risco de Crédito, composto pelo Presidente e quatro Diretores Executivos (Operacional, Comercial, Administrativo e Financeiro). O Comitê de Crédito reúne-se semanalmente para tomar decisões referentes à aprovação de limites, definição de alçadas e acompanhamento do desempenho da carteira sob vários aspectos. Apenas o Presidente e os quatro Diretores têm direito de voto. O Comitê só é realizado com a presença mínima de três membros. O core business concentra-se nas operações de crédito com garantia de recebíveis para as empresas de middle market com faturamento mensal entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões enquadradas no perfil do Banco Industrial do Brasil. Sempre com garantias reais, a aprovação é feita por alçadas. O Gerente Geral de Crédito aprova operações de R$ 150 mil até 90 dias e o Diretor Regional aprova operações de R$ 200 mil até 180 dias. A decisão para operações de limite entre 200 mil e R$ 600 mil exige a presença de um dos membros da Diretoria Estatutária: Operacional ou Comercial. Toda operação de limite superior a R$ 600 mil é decidida pelo Comitê de Crédito composto pelo controlador e Diretoria Estatutária. A concentração é de no máximo R$ 5 milhões por cliente. O número de operações desse porte é reduzido. O atual modelo de gerenciamento de risco pondera basicamente duas variáveis: Cliente e Operação. No primeiro é mensurado o risco da empresa com base na análise de informações cadastrais, operacionais, situação econômico-financeira (três últimos balanços e balancetes com avaliação dos indicadores), relacionamento com outras instituições financeiras, visitas à empresa, posicionamento no mercado de atuação frente aos seus concorrentes e seu conceito e reputação perante o mercado. 3

4 A segunda categoria de risco é determinado pela modalidade de operação praticada (natureza do crédito), destinação dos recursos, reciprocidade (rentabilidade versus risco) e principalmente pelas garantias oferecidas. Nas análises de desconto de recebíveis, acrescenta-se um caráter mais empírico, incluindo a checagem e confirmação do título junto ao sacado, verificação de restritivos e o grau de concentração dentro da carteira. O grau de garantia pode variar de acordo o histórico de liquidez dos recebíveis cedidos pelos clientes, que neste caso constitui a principal determinante de risco. 2.6) Política de Captação A política de captação exerce importante papel na administração financeira do grupo. Em moeda local, os recursos captados concentram-se nos depósitos a prazo sendo a maior parte com instituições financeiras, empresas e clientes institucionais. Outras fontes de captação são os repasses de instituições oficiais. O banco é atuante em repasses junto ao BNDES, objetivando atender o cliente médio, com taxas favoráveis. Paralelamente, o Industrial complementa sua captação com recursos externos, que são repassados no mercado local. Destaca-se que com a abertura da agência em Grand Cayman, os custos das captações externas serão reduzidos. As empresas do grupo chegaram a participar em 20% dos recursos captados, mas atualmente têm uma participação pouco significativa. Vale ressaltar ainda, que o grupo opera bem capitalizado, decorrência do funding dos acionistas, o que diminui sua dependência de recursos de terceiros e possíveis oscilações no mercado. 2.7) Política de Tesouraria A atividade de trading, subordinada à Diretoria Financeira, tem como principal objetivo o gerenciamento do fluxo de caixa e a formação de taxas e preços, não sendo sua principal fonte de receita. A política é determinada pelo Comitê Risco de Mercado composto pelo Presidente, Diretores Estatutários juntamente com a participação dos Diretores de tesouraria e risco. O Industrial procura operar casado, transformando os recursos captados em taxas pós-fixadas em prefixadas, adequando-os aos ativos de crédito. Para evitar descasamentos de prazo ou moeda utilizam-se principalmente de operações futuras de DI e swap. Privilegiando a operação em mercados de maior liquidez, gerencia este índice para cada um dos mercados futuros em que atua: câmbio, bolsa e juros. Os controles de risco de mercado foram implementados a partir de 1998, tendo como principais indicadores de risco os gaps de moedas e as posições de mark to market, além da exposição máxima a riscos definida pelo Comitê Risco de Mercado. Apesar de não ser sua principal fonte de receita, a Tesouraria do banco Industrial está atenta às oportunidades propiciadas pelas oscilações do mercado. No entanto evita assumir posições expostas a flutuações de fatores de mercado, devido principalmente ao seu porte. O VaR (Value at Risk) utilizado é válido para um dia, com risco máximo de 1% do Patrimônio Líquido, e um intervalo de confiança de 98%. 2.7) Política de Disclosure As informações obtidas junto ao banco, bem como aquelas publicadas em jornais, permitem delinear a evolução da estratégia adotada. Sua política de disclosure pode ser considerada muito boa. 3) ASPECTOS QUANTITATIVOS (Consolidado) 3.1) Captação O passivo total do Banco Industrial totalizou R$ 903,9 milhões em dezembro de 2003, representando um crescimento de 15,7% sobre o ano anterior. A evolução dos volumes captados por produto foi a seguinte: Dez/03 Dez/02 Dez/01 Depósitos à Vista Depósitos Interfinanceiros Depósitos a prazo Captação no Mercado Aberto Recursos de Aceites e Emissão de Títulos Obrigações por empréstimos Obrigações por Repasses no país Obrigações por repasse no exterior Instrumentos financeiros derivativos Assunção de dívidas TOTAL Valores em milhares de reais 4

5 A maior parcela dos recursos captados refere-se a depósitos a prazo. Ao final de dezembro de 2003 o saldo dessa rubrica era de R$ 277,5 milhões, valor 67,6% maior, que o verificado em dezembro de Do montante atual 89,1% vence no curto prazo. As captações no mercado aberto montam R$ 251 milhões. São compromissos de recompra de títulos a preços fixos. O aumento das Obrigações por repasses no país (13,7%) refere-se aos recursos do BNDES e FINAME, com vencimento final em janeiro de 2011, sendo atualizados pela TJLP. As obrigações por repasses no exterior são decorrente de duas captações. A primeira de fixed rate notes, foi emitida em fevereiro de 1997, com vencimento em fevereiro de 2005, cujo saldo é de R$ 29,3 milhões. A Segunda, são short term notes, emitidos em dezembro de 2003, com vencimento para dezembro de 2004 e saldo de R$ 29,3 milhões. Os recursos de aceites e emissão de títulos referiam-se às debêntures emitidas pela Industrial Leasing em maio de 2000 e que já foram integralmente resgatadas. O patrimônio líquido final de 2003 montava R$ 125,6 milhões, representando um crescimento de 3,9% sobre o patrimônio líquido de dezembro de 2002, que era de R$ 120,9 milhões. 3.2) Aplicação As operações de crédito e arrendamento mercantil encerraram 2003 com saldo de R$ 410,0 milhões, que representa um aumento de 36,7% ante o valor final de A composição da carteira de crédito consolidada se encontra-se dividida da seguinte forma (Valores em milhares de reais): Por modalidade de operação: Dez/03 Dez/02 Dez/01 Resolução n º Conta Garantida Financiamento de Importação Aquisição de direitos creditórios Desconto de Títulos BNDES FINEM Capital de Giro CDC Arrendamento Mercantil Vendor FINAME Hot Money Outros Créditos Total antes da provisão Provisão das Operações (6.334) (4.194) (5.084) Total Líquido Por ramo de atividade: Dez/03 Dez/02 Dez/01 Indústria Comércio Outros Serviços Pessoa Física Total antes da provisão Por prazo de vencimento: Dez/03 Dez/02 Dez/01 A vencer em mais de 60 meses A vencer entre 36 e 60 meses A vencer entre 12 e 36 meses A vencer entre 3 e 12 meses A vencer até 3 meses Vencidas Total antes da Provisão ) Resultado A receita de intermediação financeira de 2003 alcançou montante de R$ 146,5 milhões, apresentando queda de 15,6% ante o valor de O ganho com operações de crédito foi de R$ 83,1 milhões e o referente a operações de arrendamento mercantil de R$ 5,8 milhões. Embora menores que os verificados em 2002, os valores citados não significam queda na atividade de crédito, principal foco do Industrial, e sim um componente cambial, já que parte do funding é externo e gera impacto tanto nas receitas quanto nas despesas relacionadas. Assim, as despesas de empréstimos, cessões e repasses encerraram 2003 com montante de R$ 17,6 milhões, com redução de 68,0% na comparação com No que se refere aos custos, as despesas administrativas totalizaram R$ 12,9 milhões e as de pessoal R$ 13,6 milhões, com queda de 7,3% e 15,3% respectivamente, com relação a O Banco Industrial do Brasil S/A registrou nesse ano, lucro de R$ 10,9 milhões, bem divido entre o primeiro e o segundo semestre. 3.4) Indicadores de Desempenho (Consolidado) ADEQUAÇÃO DO CAPITAL (%) Capitalização 35,5 18,3 16,1 Imobilização 4,9 4,2 3,5 Índice da Basiléia 25,9 31,1 - O Banco Industrial é historicamente bem capitalizado. A diminuição brusca do índice de 2002 em relação ao ano anterior decorre do volume captado no mercado aberto, por volta de R$ 250 milhões. Em 2001 essa modalidade praticamente inexistia. A nova redução registrada em 2003 decorre do aumento da captação via depósitos a 5

6 prazo e da maior utilização das linhas oficiais de repasse no país e no exterior. O Banco opera sob alavancagem controlada, com folga no índice da Basiléia e com imobilização reduzida, perfeitamente condizentes com o seu perfil como instituição financeira. LIQUIDEZ (%) Depend. Interbancário 0,8 1,3 2,3 Liquidez Corrente 148,6 101,8 101,5 Liquidez Imediata 57,4 75,3 59,9 Em comparação com os padrões do segmento de atuação do Industrial, os indicadores de liquidez estão em patamar inferior. QUALIDADE DO ATIVO (%) Inadimplência 2,2 1,3 1,5 Provisionamento 2,2 1,4 1,5 Comprometimento do PL 5,2 3,2 4,7 A política de crédito encontra-se refletida nos indicadores de qualidade do ativo. Além de melhores que a mediana dos pares do Industrial do Brasil, os índices de qualidade do ativo apresentam bastante regularidade não sendo observada nenhuma discrepância que mereça ser destacada. CUSTO (%) Intermediação 18,3 18,7 13,6 Eficiência 63,8 55,9 59,7 Custo Total 27,5 23,7 17,4 Os custos do Industrial estão bem equacionados, em linhas gerais diminuíram em 2003, mesmo o indicador de referência à eficiência encontra-se dentro da mediana alcançada pelo mercado. dezembro, com dólar cotado a R$ 2,889 ficou próximo ao registrado em 30 de junho, que foi de R$ 2,872. GESTÃO (%) Custo Operacional 6,0 3,8 2,9 Concentração em Crédito 66,9 38,7 45,6 Taxa Crescimento PL 8,9 29,6 3,9 A estrutura reduzida e eficiente do Banco Industrial encontra-se refletida no indicador de custo operacional, que é menor que o verificado no exercício anterior, visto que tanto as despesas administrativas, quanto as de pessoal diminuíram no último exercício. 4) GESTÃO DE RISCOS 4.1) Risco de Crédito O resultado do Banco Industrial é proveniente, na sua maior parte, das operações de crédito no segmento de atacado focando as empresas do middle market e no varejo, atuando em diversos segmentos. Verificamos um aumento da concorrência no segmento de clientes médios com a entrada de grandes players neste nicho de pessoa jurídica. Conseqüentemente os spreads praticados em operações desta natureza para o nicho do banco tendem no médio prazo a decrescer. A aprovação e acompanhamento das operações é bastante criteriosa, contendo um manual de normas que se encontra em vigor desde abril de Devido ao nível hierárquico ser bastante reduzido o Industrial proporciona soluções ágeis e relativamente customizadas, mostrando-se eficiente. Os clientes prospectados pelo Departamento Comercial são reavaliados pelo departamento de análise verificando-se o enquadramento segundo os parâmetros estipulados pelo Comitê. 4.2) Risco de Mercado RENTABILIDADE (%) Sobre o pat. Líquido 15,3 20,9 8,7 Sobre o ativo 4,0 3,2 1,2 Sobre a ativid. bancária 10,3 17,0 11,5 O Banco Industrial vem mantendo regularidade nas operações. A queda de rentabilidade perante os anos anteriores e que já havia sido registrada no resultado do primeiro semestre de 2003 não reflete uma piora de suas operações, sendo esta fruto da oscilação cambial. O patrimônio líquido do Banco Industrial é composto em parte por investimento em moeda estrangeira, os quais interferem no resultado conforme variação do câmbio. O efeito ocorrido no primeiro semestre se prolongou durante o ano de 2003, já que o câmbio encerrado em 31 O banco realiza operações com derivativos, que se destinam a atender às necessidades próprias, no sentido de reduzir à exposição a riscos de mercado, moeda e juros. As carteiras são controladas e consolidadas pela área de Informações Gerenciais, sob gestão da Diretoria Administrativa, a qual tem por responsabilidade apurar o valor de mercado das posições de derivativos e dos seus respectivos objetos de hedge. Essas informações são encaminhas à Mesa Financeira para a gestão intra day. Durante o dia, a Mesa possui informações sobre a posição das diversas carteiras ativas e passivas do banco, e providencia os instrumentos de hedge necessários, de acordo com a política previamente definida pela administração. As posições descobertas são acompanhadas 6

7 constantemente para verificação de que estão dentro dos limites aprovados pelo Comitê Risco Mercado. As operações são utilizadas para proporcionar liquidez e estão representadas por transações com opções e swaps, realizadas na Bolsa de Valores -BOVESPA, Bolsa de Mercadorias e Futuros - BM&F e Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados CETIP. 4.3) Riscos Operacionais 4.3.1) Riscos Legais As alterações constantes na legislação são o fator preponderante no risco da atividade bancária. Apesar disto, os órgãos regulatórios têm se mostrado eficientes no sentido de fortalecer o nosso sistema financeiro, cuja performance não tem sido prejudicada nos últimos anos por esses fatores. acompanhar de perto os riscos de insolvência do setor bancário. Nos últimos anos a sua atuação tem demonstrado ser forte o suficiente na condução da resolução dos problemas em que o setor passou, quer com a utilização de programas como o Proer e o Proes ou através de fusões entre as instituições sadias e as deficitárias. Por não ser uma atividade causadora de impactos ambientais, o setor não tem sido alvo de Organizações não Governamentais, bem como o risco de greve nos parece distante, já que o nível de desemprego atual é alto, inibindo qualquer iniciativa nesse sentido. O banco e suas controladas vêm contestando judicialmente a legalidade da exigência de diversos impostos e contribuições. Os valores envolvidos estão sendo provisionados e apresentados na rubrica Outras obrigações Provisões para passivos contingentes. Quando requerido pela justiça, são efetuados depósitos judiciais, apresentados na rubrica Outros créditos Devedores por depósito em garantia. O Banco, baseado na opinião de seus assessores legais, não espera a ocorrência de perdas no desfecho desses processos, além das já provisionadas ) Controles Internos Em termos operacionais, o processo de crédito encontrase bem estruturado. O acompanhamento e controle da carteira são eficientes, tanto para as operações de atacado como de varejo, sendo que nas operações de atacado é feito caso a caso enquanto que nas operações de varejo, faz-se a checagem das duplicatas por amostragem dependendo da classificação obtida pelo cliente. Muitos bancos médios estão se voltando para o middle market, pois os spreads obtidos têm-se mostrado generosos e compensam os riscos embutidos no porte dos clientes ) Compliance O banco tem se ajustado ao cumprimento da Resolução emanada pelo BACEN referente às normas de crédito estabelecidas. Os critérios anteriormente adotados foram enquadrados nesta nova resolução. 4.4) Risco político Os riscos políticos são considerados quase nulos. O Governo Federal, através do Bacen tem por política 7

8 AAA AA A BBB BB B CCC CC C Classificação da Austin Rating Solidez Financeira - O banco apresenta solidez financeira intrínseca excepcional. Normalmente trata-se de grandes instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, excelente situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial podem variar sem, contudo, afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é quase nulo. - O banco apresenta solidez financeira intrínseca excelente. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial podem variar sem, porém, afetar as condições de funcionamento do banco. O risco é irrisório. - O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial podem variar sem, porém, afetar as condições de funcionamento do banco. O risco é muito baixo. - O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação financeira razoável e estável. O ambiente empresarial e setorial podem ter uma variação mais acentuada do que nas categorias anteriores e apresenta algum risco nas condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é baixo - O banco apresenta solidez financeira intrínseca regular. Apresenta parâmetros de proteção adequados mas vulneráveis às condições econômicas, gerais e setorial que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é médio. - O banco apresenta solidez financeira intrínseca regular. Apresenta parâmetros de proteção adequados, tem uma vulnerabilidade grande às condições econômicas, gerais e setoriais que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é médio. - O banco apresenta baixa solidez financeira, exigindo eventual assistência externa, apresenta uma vulnerabilidade muito grande às condições econômicas, gerais e setorial que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é alto. - O banco apresenta baixa solidez financeira, exigindo eventual assistência externa, apresenta uma vulnerabilidade muito grande às condições econômicas, gerais e setorial que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é muito alto. - O banco apresenta péssima solidez financeira, exigindo eventual assistência externa. Tais instituições estão limitadas por um ou mais dos seguintes elementos: negócio de questionável valor; condições financeiras deficientes e um ambiente empresarial altamente desfavorável. O risco é altíssimo. Comitê de Crédito e Risco Erivelto Rodrigues (Presidente) Luis Miguel Santacreu Jorge U. S. Alves Tadeu Marcelo Resca Rodrigo Indiani Departamento de Análise de Risco Jorge U. S. Alves Tadeu Marcelo Resca Luis Miguel Santacreu Pablo Mantovanni Rodrigo Indiani Departamento Comercial Décio Baptista dos Santos Sandra Andrade Austin Rating Consultoria e Serviços Ltda. Rua Leopoldo Couto Magalhães, nº 110 São Paulo SP Tel.: (11) Rating é uma classificação de risco, por nota ou símbolo. Esta expressa a capacidade do emitente de título de dívida negociável ou inegociável em honrar seus compromissos de juros e amortização do principal até o vencimento final. O rating pode ser do emitente, refletindo sua capacidade em honrar qualquer compromisso de uma maneira geral, ou de uma emissão específica, onde é considerada apenas a capacidade do emitente em honrar aquela obrigação financeira determinada. As informações obtidas pela Austin Rating foram consideradas como adequadas e confiáveis. As opiniões e simulações realizadas neste relatório constituem-se no julgamento da Austin Rating acerca do emitente, não se configurando, no entanto em recomendação de investimento para todos os efeitos. 8

Análise de Risco de Bancos

Análise de Risco de Bancos Rating A Baixo Risco de Crédito BANCO DO BRASIL S/A Eduardo Guimarães guimaraes@bancoindustrial.com.br Relatório 1 o trimestre de 2004 Elaborado em 21/junho/2004 Análise de Risco de Bancos Comitê de Crédito

Leia mais

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS RATING Set / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA A BANCO DO BRASIL S/A 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião do dia 11 de

Leia mais

RATING Dez / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA INDUSTRIAL BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A

RATING Dez / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA INDUSTRIAL BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS RATING Dez / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA A BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S/A 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião no

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013 BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2013 0 CONTEÚDO Visão Geral... 02 Histórico... Estrutura Societária... Administração... Ativos e Passivos... Carteira de Crédito... Carteira

Leia mais

Rating BANCO BMG S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO BMG S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating A+ O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014 BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO 2014 0 CONTEÚDO Visão Geral Histórico Estrutura Societária Administração Ativos e Passivos Carteira de Crédito Carteira de Captação Vencimentos:

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating A- As cotas do FIDC encontram-se suportadas por uma carteira de recebíveis com inadimplência muito baixa, a qual garante margem de cobertura muito boa para o pagamento do principal,

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Política de. Gestão do Risco de Liquidez

Política de. Gestão do Risco de Liquidez Política de Gestão do Risco de Liquidez 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PERFIL OPERACIONAL DO CONGLOMERADO CRUZEIRO DO SUL 3 3. DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ 4 3.1 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

BBB. Rating BANCO PAULISTA S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

BBB. Rating BANCO PAULISTA S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating BBB O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. São instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação financeira razoável e estável.

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira São Paulo, 30 de Outubro de 2008 O Banco Sofisa S.A. (Bovespa: SFSA4) anuncia hoje seu resultado do terceiro trimestre de 2008. Todas as informações operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703 Condomínio: CAIXA FIDC CDC VEÍCULOS DO BANCO PANAMERICANO Aberto Administrador: Caixa Econômica Federal Prazo: Indeterminado Custodiante: Banco Itaú S.A. Data de Registro: 25/09/2003 Auditor: Ernest &

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A.

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A. Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/09 Rating A- O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica.

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

BBB. Rating NBC BANK BRASIL S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

BBB. Rating NBC BANK BRASIL S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/10 Rating BBB O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Análise de Risco de Bancos

Análise de Risco de Bancos Rating A Baixo Risco de Crédito Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A Relatório Completo Banrisul Dez/04 Finalizado em 09/Maio/2005 Análise de Risco de Bancos Comitê de Crédito e Risco Erivelto Rodrigues

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Balanço Patrimonial Em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço Patrimonial Em 31 de dezembro Em milhares de reais e e Subsidiárias ( ) Balanço Patrimonial Em 31 de dezembro Em milhares de reais ATIVO 2002 2001 2002 2001 CIRCULANTE... 14.382.517 12.151.770 14.612.047 12.680.326 Disponibilidades... 11.179 34.054 16.969

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 1 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA, reconhecido pela sua prestação de serviços de câmbio e de tesouraria, assim como pelo financiamento

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 09 de Setembro de 2010, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 4 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA e a SOCOPA - CORRETORA PAULISTA anunciam os resultados do quarto trimestre de 2011. O BANCO PAULISTA

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Análise de Risco de Bancos

Análise de Risco de Bancos Análise de Risco de Bancos Rating A Baixo Risco de Crédito IB e da renda - Comitê de Crédito e Risco Erivelto Rodrigues Presidente Jorge U. S. Alves Luis Miguel Santacreu Mauricio Bassi Pablo Mantovani

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Indicadores do Segmento Bancário. Março 2013

Indicadores do Segmento Bancário. Março 2013 Indicadores do Segmento Bancário Março 2013 Indicadores do segmento bancário O ambiente atual que permeia a indústria bancária, caracterizado pelo acirramento da concorrência, estreitamento de margens,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Banco Luso Brasileiro S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO da ADMINISTRAÇÃO - 2012 SENHORES ACIONISTAS A Administração do Banco Luso

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais