Título : COOPERATIVAS DE CRÉDITO UM MODELO VIÁVEL. Área Temática: Perfil das Organizações Cooperativas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título : COOPERATIVAS DE CRÉDITO UM MODELO VIÁVEL. Área Temática: Perfil das Organizações Cooperativas"

Transcrição

1 Título : COOPERATIVAS DE CRÉDITO UM MODELO VIÁVEL Área Temática: Perfil das Organizações Cooperativas ARTIGO APRESENTADO NO III ENCONTRO LATINO AMERICANO DE COOPERATIVISVO EM SÃO LEOPOLDO RS 2004 Autores: MARCIO ROBERTO PALHARES NAMI ANA ALICE VILAS BOAS, Phd Resumo: Nosso país possui um extenso território com uma diversidade imensa de características culturais e econômicas, baseado neste princípio existe o grande desafio de fazer chegar o crédito, destinado ao fomento e expansão, a quem necessita de pequenas somas, e ao mesmo tempo, tem dificuldade de suprir as exigências normais de mercado, devido à falta de recursos culturais e patrimoniais. Face ao quadro acima, mostramos a importância de uma cooperativa de crédito aberta para o desenvolvimento de uma região, as chamadas cooperativas Luzzatti, que trazem em sua filosofia a preocupação em reverter os recursos ao menor custo possível e buscam atingir o maior número possível de associados, não havendo preocupação com o lucro. O modelo escolhido foi a Cooperativa de Crédito de Mendes Ltda, uma cooperativa que atua no interior do estado do Rio de Janeiro há 73 anos ininterruptamente e que vem trazendo respostas aos anseios da população em geral, com foco especial nas operações destinadas aos associados de baixa renda. 1. INTRODUÇÃO As Cooperativas nasceram em Rochdale, no distrito de Lancashire, Inglaterra em 21 de dezembro de 1844 sob o nome de Rochdale Society of Equitable Pionners.

2 Segundo Thenório Filho (1999:19) esta sociedade somente tomaria o nome de Cooperativa de Rochdale após a promulgação da Lei de 1852, que versa sobre a sociedade industrial e de previdência com uma rápida disseminação pelo mundo com presença marcante na Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Holanda e outros países da Europa, em 28 de dezembro de 1902 sob as influências das necessidades dos colonos da região Sul, o padre jesuíta suíço Theodor Amistad inspirado no modelo Raifessen. Segundo Meinem, Domingues e Domingues (2002:11) associação restrita a produtores rurais que alcançou tamanho êxito nas comunidades interioranas que estimulou um grupo de bancários da capital gaúcha a constituir em 1946 a Cooperativa de Crédito dos Funcionários do Banrisul Ltda. Antes disso em 1929 na cidade de Mendes, interior do estado do Rio de Janeiro, era inaugurada a Cooperativa de Crédito de Mendes. 2. O PERFIL DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO As cooperativas de crédito se dividem em três principais tipos: ocupacional, associacional e residencial, dentro da primeira categoria temos os empregados de unidades industriais, trabalhadores de ferrovias, funcionários públicos... O segundo grupo inclui membros de organizações fraternais específicas, sindicatos, associações de produtores agrícolas e similares. E há finalmente as pequenas cooperativas de crédito circunscritas aos residentes em pequenas comunidades e nas vizinhanças dos lugares maiores. No Brasil as cooperativas destinadas às pequenas comunidades não podem ser criadas nos dias atuais, existiu inclusive no ano de 1999 a resolução número 2608 do Banco Central do Brasil determinando o fechamento das existentes, após efetuado um movimento nacional o quadro foi parcialmente revertido, pois embora a proibição da 2

3 criação de novas cooperativas abertas ao público as chamadas Luzzatti foi autorizada a manutenção das existentes. As cooperativas de crédito, fiscalizadas por suas centrais e pelo Banco Central do Brasil são muitas das vezes confundidas com bancos comerciais, mas segundo Meinen, Domingues e Domingues (2002) possuem expressivas diferenças conforme Quadro 1. Quadro l: Distinções principais entre Cooperativas de Crédito e Bancos BANCOS São sociedades de capital O poder é exercido na proporção do número de ações As deliberações são concentradas O administrador é um terceiro (homem de mercado) O usuário de operações é mero cliente O usuário não exerce qualquer influência no preço dos produtos Podem tratar distintamente cada usuário Avançam pela competição Visam o lucro por excelência O resultado é de poucos donos (nada é dividido com o cliente) São reguladas pela Lei das Sociedades Anônimas Fonte: Meinen et al (2002:16) COOPERATIVAS DE CRÉDITO São sociedades de pessoas O voto tem peso igual para todos, uma pessoa um voto As decisões são partilhadas entre muitos O administrador é do meio (cooperativado) O usuário é o próprio dono (cooperativado) O usuário é o próprio dono (cooperativado) toda a política operacional é decidida pelos próprios donos (cooperativados) Não podem distinguir: o que vale para um vale para todos (Lei 5764/71) Desenvolvem-se pela cooperação O lucro está fora de seu objeto (art. 3 da Lei 5764/71 O excedente (sobras) é distribuído entre todos os usuários na proporção das operações individuais reduzindo ao máximo o preço pago pelos cooperativados São reguladas pela Lei cooperativista A última revisão dos princípios cooperativistas ocorreu no congresso da ACI realizado em Manchester, em Sendo aprovado o seguinte enunciado sintético: Princípio da adesão livre e voluntária; Princípio do controle democrático pelos sócios; 3

4 Princípio da participação econômica dos sócios; Princípio da independência e autonomia das cooperativas; Princípio da educação, treinamento e formação; Princípio da cooperação entre cooperativas; Princípio da preocupação com a comunidade. As cooperativas centrais, sobre as quais a vigilância do BC é maior, têm obrigação de fiscalizar as singulares a elas vinculadas. Desde que as normas referentes a auditorias, controles internos e prestação de informações ficaram mais rígidos, o BC avalia que houve progresso em termos prudenciais na concessão do crédito. A maior segurança das operações que resultou desse processo, é o que permite agora reduzir o capital mínimo requerido. Das cooperativas não-vinculadas ou independentes, que representam os 19% restantes do total de cooperativas singulares, o BC continuaria a exigir uma capitalização maior. Neste caso, o BC não conta com a ajuda das centrais para fiscalizar. Não necessariamente, porém, o percentual continuaria nos atuais 20%. O capital mínimo requerido das cooperativas centrais, atualmente de 13% dos ativos ponderados pelo risco, também deverá cair para 11%, se a proposta dele for acatada pelo governo. Os bancos cooperativos - ou seja, controlados por cooperativas - já são sujeitos ao mínimo de 11%, como qualquer banco. Embora devam ser adotadas em momentos diferentes, a permissão para que se formem cooperativas de livre associação e a exigência de menos capital das cooperativas vão no mesmo sentido. Ambas as medidas buscam fazer do setor uma alternativa aos bancos e financeiras e ajudar a reduzir os spreads bancários com o aumento da concorrência. 4

5 Até a década de 70, a regulamentação permitia a formação de cooperativas de livre associação no Brasil. Eram as chamadas cooperativas Luzzatti - referência ao italiano Luigi Luzzatti, que criou o modelo em Hoje existem apenas 13 delas no país. A formação de novas foi proibida e a maioria das existentes na época foi liquidada na pelo BC por problemas de gestão e de mau uso da poupança dos associados. O governo acredita que, com as normas prudenciais mais duras e a rígida fiscalização que imporá às futuras cooperativas abertas, o risco de isso acontecer de novo é muito pequeno. O modelo não levará o nome Luzzatti justamente porque este ficou associado a problemas. Segundo dados do BC, ao final de 2002, existiam no país cooperativas em funcionamento, com mais de 1,43 milhão de cooperados. Elas detém, contudo, apenas 1,4% do patrimônio líquido exigível e 1% do ativo permanente do sistema financeiro nacional. Até o final de junho do ano passado, elas respondiam por apenas 1,64% do total de operações de crédito do sistema financeiro e cerca de 70% tinha patrimônio líquido inferior a R$ 1 milhão. 3. COOPERATIVAS LUZZATTI O cooperativismo na Itália segundo Thenório Filho (1999) teve como seus maiores expoentes Luigi Luzzatti e Leone Wollemborg. Luzzatti fundou no ano de 1865 o primeiro banco cooperativo urbano em Milão, e Wollemborg organizou a primeira cooperativa de crédito em Lorégia em Os bancos populares de Luzzatti e as cooperativas de crédito de Wollemborg, eram a adaptação das novas condições econômico-sociais, inspiradas no sistema alemão com algumas modificações, segundo Pinho (1997:54) adotam o self-help embora admitam ajuda estatal. Esta deve ser apenas supletiva, desaparecendo tão logo a sociedade esteja em condições de resolver os seus problemas; 5

6 dão grande importância à conduta dos associados, dos quais exigem sérias qualidades morais e fiscalização recíproca; adotam a máxima convertire in capital l`onestá a fim de criar em torno da sociedade uma atmosfera moral de confiança; concedem empréstimo mediante palavra de honra; não remuneram os administradores da sociedade. As Luzzatti existentes no Brasil, atualmente são treze, nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Ceará e Mato Grosso, tem como característica principal a de serem cooperativas abertas ao público em geral, tendo como requisito básico para a admissão residir no município sede ou nos circunvizinhos. Estas cooperativas são fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil que desde os idos de 1950 proibiu a criação de novas cooperativas Luzzatti e em 1999 através da resolução 2608 instituiu normas que inviabilizavam a manutenção das cooperativas ainda existentes. Após mobilização das mais diversas frentes cooperativistas junto ao Congresso Nacional foi editada a resolução 2771 de 30 de agosto de 2000 que entre outros aspectos revogava em seu artigo quinto a resolução número COOPERATIVA DE MENDES A Cooperativa de Mendes Fundada em 1929, do tipo Luzzatti, na definição de Bergengren (1973) as cooperativas Luzzatti são cooperativas circunscritas aos residentes em pequenas comunidades e nas vizinhanças de lugares maiores esta cooperativa veio cumprindo sua função social ao longo dos anos fomentando a região com: crédito imobiliário, crédito agrícola, crédito hipotecário e outras linhas disponíveis e oportunas de acordo com o capital e legislação vigente. Ela funciona ininterruptamente desde sua fundação sempre apresentando fechamentos positivos de balanço, com distribuição de sobras líquidas (fonte conselho de administração), porém as cooperativas 6

7 do tipo Luzzatti tiveram sua criação proibida desde os idos de 1950, em 1965, quando da reformulação da legislação bancária os bancos oficiais foram prestigiados como instrumentos canalizadores de recursos para o campo, reduzindo assim o escopo das cooperativas. Face ao ocorrido a cooperativa vem operando com modesta capacidade, mas sempre assistindo aos anseios básicos da comunidade. 4.1: HISTÓRICO DA COOPERATIVA DE MENDES Foi o idealismo dos primeiros 31 sócios quotistas, todos moradores de Mendes, naquela época 4 o distrito do município de Barra do Piraí/RJ, sul do estado, que deu início em 20 de outubro de 1929, ao primeiro banco da cidade com a fundação da Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Limitada, Banco de Mendes, para funcionar nas dependências da Pharmácia Central da cidade. Para conhecer melhor a opinião dos associados sobre a atuação da cooperativa, foi feita uma pesquisa com os usuários. A qual é descrita a seguir: 4.2: A PESQUISA O conselho de administração da Cooperativa de Mendes quando da realização de sua reunião ordinária no início de março de 2002 deixou patente a necessidade premente de renovar e atualizar os produtos e serviços oferecidos aos seus associados como forma de manutenção e modernização da gama de serviços nesta ocasião existentes. Do universo à época, de cerca de 1400 associados, os diretores selecionaram aleatoriamente sob a forma de abordagem na sede da cooperativa cerca de 100 cooperados das mais variadas atividades profissionais e níveis de renda, indagando a cada um dos mesmos as seguintes perguntas: 1. O Sr./Sra. está satisfeito(a) com a qualidade do atendimento da sua Cooperativa? 7

8 2. O Sr./Sra. necessita de algum produto ou serviço que sua cooperativa ainda não oferece? Qual? 3. O que mais o(a) motiva para permanecer associado de nossa Cooperativa? 4. Qual seu grau de satisfação com sua Cooperativa em uma escala de 0 a 10? 5. Favor citar o que o Sr./Sra. considera um ponto positivo em nossa Cooperativa. 6. Favor citar o que o Sr./Sra. considera um ponto negativo em nossa Cooperativa. 7. Caso queira favor apresentar suas sugestões ou reclamações. Após colhidos e devidamente computados os seguintes resultados foram elencados: Com relação à questão 1 73% se declararam satisfeitos, 23% insatisfeitos e 4% não opinaram / não tinham opinião formada; A questão 2 abordava produtos ou serviços, o critério para seleção das respostas considerou a primeira opção elencada pelo associado por ordem de preferência. Foram destacados os seguintes resultados: 36 pessoas citaram cartões de crédito; 12 pessoas (comerciantes em geral) necessitavam de políticas de desconto de títulos; 16 associados citaram a necessidade de convênio com a light (concessionária de luz do estado do Rio de Janeiro) para recebimento de faturas de conta de luz; 10 associados proprietários de pontos comerciais salientaram a necessidade de autorização para abertura de contas correntes pessoa jurídica; 8 associados manifestaram o desejo de receberem seus benefícios do INSS na cooperativa, e 18 associados não opinaram/não sentiam necessidade de outros produtos ou serviços. Do universo de 100 associados indagados 4 não quiseram atribuir grau, a média dos demais 96 ficou em 6.7 (seis inteiros e sete décimos); Para apuração dos pontos positivos foi adotado o critério de escolha do citado em primeiro plano, nos casos em que o associados apresentou mais de uma opção, em primeiro lugar: atendimento (70 citações), seguido (21 citações) baixos custos de manutenção, e 7 citaram a localização, 2 não opinaram / não quiseram responder. 8

9 Para os pontos negativos foi adotado o mesmo critério de apuração da questão 5 tendo como respostas principais: 20 pessoas citaram a necessidade de diversificar serviços, 12 pessoas citaram a necessidade de um caixa automático, 68 pessoas não opinaram / não quiseram responder. Com base nos resultados apresentados foi criada uma comissão consultiva que se encaminhou para a Central das Cooperativas de Economia e Crédito Mútuo do Estado do Rio de Janeiro (CECRERJ), Central das Cooperativas do Estado do Rio de Janeiro, entidade cooperativista de segundo grau da qual a cooperativa de Mendes é filiada e a mesma fornece consultoria e assessoria nas mais diferentes áreas de produtos e serviços ligados ao cooperativismo e ao sistema financeiro como um todo. Realizou também em paralelo reuniões de grupo com os diretores de forma a viabilizar e estruturar os planos de reestruturação e modernização dos produtos/serviços oferecidos. De forma concisa seguem algumas necessidades apuradas e suas respectivas conclusões/andamentos descritas pelo Conselho Diretor: Foi efetuada uma reforma geral nas instalações da sede da cooperativa envolvendo piso, pintura, mobiliário maquinas e equipamentos de informática buscando modernizar e atualizar o lay-out; Foi firmado convênio com a Prefeitura Municipal de Mendes para arrecadação dos carnês de IPTU e Água da cidade; Foi firmado convênio com a UNIMED (cooperativa médica de serviços de saúde) através da Cooprevisaúde (cooperativa especializada em produtos e serviços de saúde) de forma a ofertar aos funcionários um plano de saúde completo de escopo nacional para o atendimento de suas necessidades nesta área. Após período de experiência foi negociada a possibilidade dos associados em geral se filiarem com um custo médio de mensalidades cerca de 35% mais atrativos que os demais planos disponíveis no mercado; 9

10 Firmado um convênio com o BANCOOB (Banco Cooperativo do Brasil S/A) para a oferta aos associados do cartão Bancoob Visa, que possui todas as comodidades disponíveis na bandeira visa e negociada por seu turno uma taxa reduzida de rotativo (média do mercado 9.5% praticada pela cooperativa em 01/05/2003 7%); Os funcionários passaram por criterioso treinamento e reciclagem de forma a enfatizar a necessidade do bom atendimento, agilidade e presteza nas informações aos associados da cooperativa; Foram contratados funcionários oriundos de outras instituições / com experiência em outras instituições financeiras (bancos comerciais) para agirem como multiplicadores dos diversos perfis de mercado; Foi contatada a central das cooperativas de forma a solicitar a viabilização de convênio com a Light, até a data da elaboração do presente as negociações não haviam alcançado um termo. 4.3: DADOS COMPLEMENTARES Após efetuadas as ações supra descritas, ao serem analisados os números da instituição foram levantados os seguintes dados: Quadro 1: Carteira de Empréstimos da Cooperativa de Mendes evolução empréstimos ,00 R$ , ,00 0,

11 O Quadro 1 mostra a evolução da carteira de empréstimos, sendo os dados em laranja, verde e azul respectivos aos balancetes de dez/2001, dez/ 2002 e mar/2003 respectivamente. A carteira de empréstimos apresentou uma evolução de mais de 50% com ênfase na concessão de empréstimos de pequena monta, cerca de 100 contratos em 2002 com valores iguais ou inferiores a R$ dando acesso ao crédito a associados de baixa renda e com pequenas necessidades de consumo. Quadro 2: Evolução do Capital Social da Cooperativa de Crédito de Mendes EVOLUÇÃO CAPITAL VALOR R$ , , , , , O Quadro 2 mostra que durante longo período em parte devido à conjuntura econômica que impedia e corroía os valores aplicados a médio e longo prazos, não houve uma política efetiva de elevação de capital, somente eventos esporádicos. Face à nova realidade aliada ao projeto de conscientização da comunidade e associados da importância de se conhecer e atuar em cooperativismo foi lançada uma campanha de 12 parcelas mensais, que no momento 1 (dez 2001) comparado ao momento 2(dez 2002) e finalmente no momento 3 (mar/2003) deixa visível a evolução do aporte de capital, com valor médio de R$ que até a presente conta com um aporte total superior a R$ 19 mil e mais de 60 adesões. A administração da cooperativa se considera satisfeita com os resultados apresentados, ressalta ainda que realizou após março de 2003 quando do andamento da implantação da maioria das modificações supra descritas, uma pesquisa de satisfação 11

12 com de 100 usuários da cooperativa com a seguinte questão: Qual seu grau de satisfação com sua Cooperativa em uma escala de 0 a 10?, Como critério de escolha foi distribuído de forma aleatória nas mesas da gerência e guichês de caixa formulários com a questão citada, após efetuada a média dos 100 formulários recolhidos chegou-se ao número de 8.7 (oito inteiros e sete décimos), do índice de satisfação dos associados. 5: CONCLUSÕES Este case, denota a capacidade de uma empresa de 73 anos reaprender, sobreviver, inovar e por seu turno conseguir sobressair em um universo altamente dinâmico e competitivo, embora não sejam concorrentes de uma forma direta, devido às diferentes características dos bancos comerciais em relação às cooperativas, a cidade de Mendes no interior do estado do Rio é assistida por agências do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banerj e por dois escritórios de financeiras, um exclusivo para atendimento de funcionários públicos e outro destinado ao público em geral. A cooperativa de Mendes devido ao atual momento econômico se encontra em evidência como exemplo de cooperativa aberta, servindo como base inclusive para matérias em periódicos diversos, transcrevemos a seguir matéria assinada pela jornalista Janis Rocha do Valor Econômico, publicada em 03/06/2003: Embora não tivessem sido consultados até agora, os líderes do sistema de cooperativas comemoraram a intenção do governo federal de permitir a criação de cooperativas de crédito de livre associação. Matéria publicada na edição de ontem do Valor noticiou que está quase pronto o programa que possibilitará qualquer pessoa, sem exigência de qualquer vínculo empregatício, aderir às cooperativas de crédito. "É um grande avanço", afirmou Gilson Gavião, presidente da central das cooperativas do Rio de Janeiro (Cecrerj). "É uma boa notícia", disse Marcio Roberto Palhares Nami, diretor-conselheiro da CreMendes, uma das poucas 12

13 cooperativas abertas existentes no Brasil, que opera no município de Mendes, a 90 km da capital do Rio. Por outro lado, estes profissionais mostraram preocupação com a falta de informação sobre que modelo será utilizado e, principalmente, se os bancos cooperativos (Bancoob e Bansicred) serão utilizados no programa de abertura ou se vão dividir o espaço com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. O sistema de cooperativas aberto existe há décadas. É o chamado sistema Luzzatti, tolhido com a reforma do sistema financeiro de 1964, que proibiu a criação de novas cooperativas. Hoje existem apenas 10 em andamento - Itororó (BA); Barbalha (CE); Caixeiral do Crato (Crato, CE); Lageado (RS); Sul Riograndense (Porto Alegre, RS); Hering (Blumenau, SC); Mirassol (SP); Olímpia (SP); Mendes (RJ) e Guarulhos (SP). Em 1999, o Banco Central tentou fechar estas cooperativas abertas. Pela Resolução 2.608, o BC deu um prazo de dois anos para que elas fechassem as portas. Houve um intenso lobby, que envolveu as centrais estaduais e a Organização das Cooperativas do Brasil, que conseguiram reverter a resolução. No entanto, continuou proibida a criação de novas. Para permitir a criação de instituições abertas, o governo terá que reformular a Resolução do BC, explica Marcio Palhares Nami. A cooperativa de Mendes tem 73 anos de existência e atende pessoas, moradores da cidade (de 17 mil habitantes) e de municípios vizinhos (Barra do Piraí, Paulo de Frontin, Vassouras, Piraí e Paracambi). Para entrar na cooperativa, o cidadão tem apenas que apresentar comprovante de endereço no município, CIC, RG e comprovante de renda. Demora 30 dias para a conta ser aprovada, prazo em que são checados os dados dos cadastros negativos de crédito (Serasa e SPC). Não se trata de uma mera conta corrente. O cooperado 13

14 tem que comprar cotas da cooperativa. Na CreMendes, o candidato a cooperado paga R$ 157,00 - R$ 100 para comprar o mínimo de 100 cotas; R$ 50,00 para depósito de abertura da conta; e R$ 7,00 pela pesquisa aos cadastros negativos. Aberta a conta, ele terá direito a talão de cheque, saldo, extrato e crédito, que varia de acordo com a renda apresentada. A taxa de juros, que era 3,5%, com as sucessivas altas da Selic foi aumentada mês passado para 4,1% ao mês. Há dois meses, a Mendes instituiu uma tarifa de R$ 3,00 para financiar um programa de modernização tecnológica que a interligará ao sistema nacional cooperativo. E há também um fundo de renda fixa, que remunera os aplicadores em 1,5% ao mês. Face ao histórico apresentado, consoante ao perfil apresentado pelo mercado neste momento, em nossa visão este modelo é comprovadamente viável, podendo ser utilizado como base para implantações nas mais diversas regiões do país. 14

15 6. BIBLIOGRAFIA IRION, João Eduardo Oliveira, Cooperativismo e Economia Social. São Paulo. Editora STS, Manual de Consulta. Legislação Cooperativista. Segunda Edição, Dominium Coop, BERGENGREN, Roy Frederick ( ) Cruzada, a Luta pela Democracia Econômica na América do Norte, , a história das cooperativas de crédito na América do Norte/ Roy F. Bergengren, introdução de Percy S. Brown; colaboração de Agnes C. Gartlande e James W. Brown; interlúdio de Alex F. Laidlaw, Brasília Cooperforte, MEINEN, Enio. Cooperativas de Crédito no Direito Brasileiro/ In: Jefferson Nercolini Domingues org. Jane Aparecida Stefanes Domingues. Porto Alegre, Editora Sagra Luzzatto, (série cooperativismo volume dois) THENÓRIO FILHO, Luiz Dias Pelos Caminhos do Cooperativismo : com destino ao crédito mútuo, São Paulo: Central das Cooperativas de Crédito do Estado de São Paulo, PINHO, Diva Benevides As grandes coordenadas do cooperativismo brasileiro Volume I Realidade Econômica do Cooperativismo, Cecrespa

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados.

Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação e da ajuda mútua entre associados. COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DE CERÂMICA CoopASPACER Cooperativismo É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, sem fins lucrativos, por meio da cooperação

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO...

Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... Manual do Cooperado Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 VOCÊ SABE COMO FUNCIONA UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO?... 3 3 COOPERATIVISMO... 3 4 COOPERATIVA DE CRÉDITO... 3 5 COOPERHIDRO... 3 6 RECONHECIMENTO PARA FUNCIONAMENTO...

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS

ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS ORIENTAÇÃO PARA CONSTITUIÇÃO DE COOPERATIVAS 1. BREVE HISTÓRICO O cooperativismo objetiva difundir os ideais em que se baseia, para atingir o pleno desenvolvimento financeiro, econômico e social de todas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento das ações promovidas no decorrer deste projeto, terão como resultado o estreitamento dos laços Cooperado\Cooperativa que vai integrar

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes

Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes Título: A Influência do Cooperativismo de Crédito na Região Sul Fluminense: Um Estudo de Caso da Cooperativa de Crédito de Mendes Autor: NAMI, M. R. P.; VENTURA, L. da S.; MIRANDA, T. N. Fonte: para citar

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação Pesquisa de Satisfação Anualmente a Visão Prev realiza uma Pesquisa de Satisfação com seus participantes. A ação é uma das ferramentas utilizadas pela Entidade para ouvir a opinião dos participantes e

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú.

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú. Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú. O Plano de Vantagens Itaú oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento e a sua utilização dos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Política de Suitability

Política de Suitability Política de Suitability Outubro 2015 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Suitability ( Política ) é estabelecer procedimentos formais que possibilitem verificar a adequação do investimento realizado

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N O Cartão do Servidor PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Cartão BMG Card O BMG Card é um cartão de crédito com bandeira MasterCard, direcionado aos Servidores Públicos Estatutários do Governo de Santa Catarina,

Leia mais

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS

Manual do Cooperado COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS COLABORADORES DO GRUPO SAINT-GOBAIN A MELHOR SOLUÇÃO PARA OS SEUS PROBLEMAS C re d i C o o p e r a t i v a de Ec o n om i a e C rédi t o Mút u o d o s C o l a b o r a d o re s d o G r u p o S a i n t- G o b a i n Ave n id a S a n t a M a r i n a, 443 Ág u a Br a n c a - São Pau

Leia mais

Sr (ª). Prefeito (a),

Sr (ª). Prefeito (a), Sr (ª). Prefeito (a), O Banco do Brasil é um dos principais parceiros dos Governos Federal, Estaduais e Municipais na implantação de políticas públicas, projetos e programas impulsionadores do desenvolvimento.

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos:

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos: 1 FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO OBJETIVO 1. O Fundo FINVEST, objetiva o suprimento parcial de recursos a FUNDO PERDIDO, conforme definido no presente regulamento, nos casos de

Leia mais

Seja sócio dessa ideia. Filiada a

Seja sócio dessa ideia. Filiada a Seja sócio dessa ideia. Filiada a COMPARE... E VEJA A DIFERENÇA BANCO Você é um Cliente Precisa de resultado Os lucros vão para o banqueiro ou acionistas Antes do ajudar, vem a questão do retorno Taxas

Leia mais

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO

II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO II ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO EM MICROFINANÇAS Painel: Crédito Cooperativo e Desenvolvimento COMPARAÇÃO DE MODELOS MUNDIAIS E O CASO BRASILEIRO TEMAS A SEREM ABORDADOS: Características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contextualização

1 Introdução 1.1. Contextualização 1 Introdução 1.1. Contextualização O mercado de cartões no Brasil ainda está em fase de amadurecimento. A maior estabilização da economia brasileira com o plano real após 1994 permitiu uma explosão da

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes Índice 01. Incorporação Imobiliária...3 02. Contrato...4 03. Pagamento e Boletos...5 04. Financiamento...6 05. Distrato e Transferência...8 06. Documentações...9 07. Instalação

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos Manual do Comprador Abertura de conta bancária nos Estados Unidos É obrigatória a abertura de conta, caso haja interesse em comprar imóveis nos Estados Unidos. As principais vantagens em ter uma conta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATTURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROJETO FLORESTA EM PÉ TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 TÍTULO DO SERVIÇO A SER PRESTADO: Assessoria de natureza financeira

Leia mais

I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas

I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas História da CAIXA O dia 12 de janeiro de 1861 marcou o início da história da CAIXA e de seu compromisso com o povo brasileiro. Foi

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES

Solicitando o Cartão BNDES Solicitando o Cartão BNDES Atualizado em 03/03/2010 Pág.: 1/18 Introdução Este manual destina-se a orientar as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) na solicitação do Cartão BNDES no Portal de Operações

Leia mais

Guia Prático para você. O Besc é Banco do Brasil. Veja a diferença que isso faz no seu dia-a-dia.

Guia Prático para você. O Besc é Banco do Brasil. Veja a diferença que isso faz no seu dia-a-dia. Guia Prático para você. O Besc é Banco do Brasil. Veja a diferença que isso faz no seu dia-a-dia. guia_pf.indd 1 3/24/09 10:53:08 AM Índice Introdução...02 Relacionamento com o Banco do Brasil...03 Conta

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

Jornal da Globo destaca as Cooperativas financeiras como alternativa para fugir dos juros altos

Jornal da Globo destaca as Cooperativas financeiras como alternativa para fugir dos juros altos cogem news Desde 1974, estimulando a poupança e ajudando a realizar sonhos! Junho de 2015 Jornal da Globo destaca as Cooperativas financeiras como alternativa para fugir dos juros altos Veja o que fazer

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO CA N o 220 DE 9 DE JUNHO DE 2014. Aprova a assinatura do Convênio a ser celebrado entre a Universidade Estadual de Ponta Grossa e a Barigui S/A- Crédito, Financiamento e Investimentos. O CONSELHO

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS Prezados Senhores, Ref. VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS A Associação Comercial de Ilhabela está disponibilizando para as empresas da cidade, que fornecem para seus funcionários cestas básicas (ou vale-alimentação),

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

Cartão Consignado. Aposentados e Pensionistas do INSS

Cartão Consignado. Aposentados e Pensionistas do INSS Cartão Consignado Aposentados e Pensionistas do INSS Cartão Consignado INSS Regras Vigentes INSS Regras Vigentes Cartão exclusivo para compras (o saque é proibido). Temos que aguardar a manifestação do

Leia mais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Cadastros Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Cadastro de Grupos de Usuário... 3 Cadastro de Usuários... 4 Cadastro de Clientes... 7 Cadastro de Empresas...

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL São Paulo, 16 de dezembro de 2010. A Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG BR At.: Sr. Rogério Portugal Bacellar Prezado Senhor,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!!

O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!! O CONDOMÍNIO JÁ ANALISOU O PREÇO, NÃO ESQUEÇA DA QUALIDADE!!! Como em qualquer segmento, quando fazemos uma licitação muitas vezes nos deparamos com propostas que aparentemente oferecem os mesmos serviços,

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass.

Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. Regulamento do Plano de Vantagens Itaú Uniclass Mais benefícios para quem mantém relacionamento com o Itaú Uniclass. O Plano de Vantagens Itaú Uniclass oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento

Leia mais

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA

ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA ALTERAÇÃO NAS NORMAS DE EMPRÉSTIMOS AVALISTAS E SEGURO PRESTAMISTA Segundo deliberação da Diretoria Executiva do Sicoob Cecremef, a partir de 03/12/2012, passam a complementar as Normas para concessão

Leia mais

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon

Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/Senacon Fundo 157 Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Secretaria Nacional do Consumidor Ministério da Justiça Apresentação Com frequência são

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais