ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE IMPOSTOS ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO ACTUALIZADO EM MAIO DE 2007

2 Angola: Síntese do Sistema Tributário Maio de 2007 (Todas as quantias em Kwanzas ) Impostos Natureza dos Impostos Isenções e Deduções Taxas I. Governo Central 1. Imposto sobre renda liquida e lucros 1.1 De pessoas físicas Imposto sobre o Rendimento do Trabalho. Lei n.º 10/99 de 29 de Outubro, Imposto sobre as remunerações do trabalho, contratuais ou não pagáveis em dinheiro ou em espécie, fixas ou variáveis, periódicas ou ocasionais, qualquer que seja a proveniência ou local, a moeda e a forma de cálculo e pagamento. Não constituem matéria colectável: Subsídios de natalidade, falecimento, acidente ou doença de trabalho, desemprego e funeral, pensões por velhice, invalidez e sobrevivência; prémio de aposentação, falhas, subsídios diários, de férias, décimo terceiro mês, subsídio de representação, viagem, deslocações, abono de família, aluguer de moradia, indemnizações por despedimento, contribuições para a previdência social, remunerações aos assalariados eventuais agrícolas e serviçais domésticos. Isenções: funcionários e empregados de missões diplomáticas, desde que haja reciprocidade de tratamento; pessoal a serviço de organismos internacionais, conforme previsto em convénios ratificados pelo órgão público competente, pessoal ao serviço das organizações não governamentais conforme Acordos com anuência prévia do Ministro das a) e b) Rendimento mensal Imposto (em Kz) Até Isento De a % sobre o que exceder De a Parcela fixa % sobre o que exceder De a Parcela fixa % Sobre o que exceder De a Parcela fixa % Sobre o que exceder De a Parcela fixa % Sobre o que exceder De a Parcela fixa % Sobre o que exceder De a Parcela fixa % Sobre o que exceder Mais de Parcela fixa % Sobre o que exceder Actualizada pelo Dec.Exec.nº 62/03 de 7 de Novembro b)-quando auferidos por conta própria Kz... 20% (Alínea b) do nº.3 do Artigo 1º. do Código)

3 Finanças, os deficientes físicos e mutilados de guerra com 50% de invalidez, cidadãos com idade superior a 60 anos e cidadãos a cumprir serviço militar. Remuneração mensal até Kz Trabalhadores por conta de outrem Imposto sobre todas as remunerações percebidas por empregados por conta de ourem, inclusive subsídios e prémios. b. Rendimentos de sócios de sociedades, membros de conselhos de administração ou outros órgão de gestão de sociedades, conselhos fiscais, mesas de assembleias gerais de accionistas e outros órgãos sociais Trabalhadores por conta própria Imposto sobre rendimentos percebidos durante o ano-base do exercício de conta própria de profissão predominantemente cientifica, artística ou técnica, ou da prestação de serviços não tributados por outro imposto

4 1.1.2 Imposto sobre Aplicação de Capitais Diploma Legislativo nº 36/72 de 1 de Maio modificado pela Lei nº 14/92 de 3 de Julho Imposto anual sobre os rendimentos de aplicações financeiras indicadas as secções A e B. Isenções: A Secção A abrange juros de empréstimos, taxas de contratos de crédito e multas e indemnizações por atraso de pagamento. Secção A : - Rendimentos de instituições financeiras e cooperativas, juros sobre vendas a prazo (inclusive juros de mora), juros sobre empréstimos feitos por empresas de Seguro de vida segurado. Taxa normal de 15%. A secção B abrange (à taxa normal) juros pagos por sociedades a seus sócios, indemnizações pagas a sociedade pela suspensão de actividade e outros rendimentos diversos da aplicação de capitais; e (à taxa reduzida) lucros distribuídos por sociedades por quotas ou por acções, rendimentos de capital de cooperativas juros de suprimentos, lucros de sociedades em regime de conta em participação e de acções emitidas com direito de preferência de subscrição; rendimentos de qualquer natureza provenientes da concessão de direitos de propriedade intelectual literária, artística ou científica, incluindo filmes, patentes, equipamentos ou informações obtidas da experiência no sector industrial, comercial ou cientifico; e quaisquer outros rendimentos provenientes do simples investimento de capitais e não incluídos na secção A Secção B: - Lucros distribuídos por sociedades de controle, lucros já tributados em outras empresas onde foram gerados, juros sobre depósitos à vista, juros sobre certas dividas do Estado sobre depósitos a prazo junto ao sistema bancário. Incentivo fiscal:- Isenção, por prazo de 3 a 5 anos, dos lucros atribuídos aos sócios de empresas beneficiárias por igual período da isenção prevista ao Artigo 14º do C.I.I..; Taxa reduzida a 10% para certos rendimentos da Secção B.

5 1.2 De pessoas jurídicas Imposto Industrial Diploma Legislativo nº 35/72 de 29 de Abril. Modificado pela Lei nº 18/92 de 3 de Julho Lei nº.7/96 de 19 de Abril Decreto Executivo nº.84/99 de 11 de Junho Lei nº.5/99 de 6 de Agosto Imposto sobre os lucros, acidentais ou periódicos, imputáveis ao exercício de qualquer actividade de natureza comercial ou industrial não sujeito ao imposto sobre rendimento do trabalho à actividade agrícola, silvicultura e pecuária a mediação ou representação na execução de contratos de qualquer espécie; e aos agentes empreendimentos industriais ou comerciais que exerçam actividades em Angola ou no estrangeiro e tenham domicilio, sede ou poder de gestão efectivo em Angola e estabelecimento estável situado em Angola. Grupo A Lucros apurados em contabilidade regular; empresas estatais; sociedades; sociedades por acções; sociedades comercias com capital superior a 35 UCFs; instituições de crédito instituições de seguros; pessoas singulares ou colectivas com domicilio, sede ou poder de gestão efectivo em Angola, ou no estrangeiro e com estabelecimento estável situado em Angola contribuintes com facturamento médio superior a UCFs no triénio anterior, a contribuintes do grupo B que optarem por inclusão no grupo A Isenções cooperativas de produção operárias; cooperativas de construção, quer realizem tal actividade directamente ou concedam crédito aos seus associados para tal fim; cooperativas de consumo, agrícolas ou pecuárias cujas operações se limitam aos seus associados; associações de instrução, cultura, lazer, educação física ou desporto; sociedades cuja actividade se limita à simples administração de prédios próprios; empresas estrangeiras de transporte marítimo ou aéreo, desde que as sociedades angolanas gozem da reciprocidade de tratamento nos respectivos países; rendimentos de actividade comercial ou industrial sujeita ao regime de tributação especial; Banco Nacional de Angola. Incentivos fiscais: - concedido às novas actividades agrícolas, florestais ou pecuárias por período de até 10 anos, bem como as explorações na agricultura, silvicultura, pecuária ou pescas com facturamento anual inferior a 269 UCFs Também podem concorrer à isenção os rendimentos da instalação de novas indústrias em Angola, assim como os Taxa normal de 35% 20% sobre rendimentos provenientes exclusivamente de actividade agrícola, silvícola ou pecuária O Ministério das Finanças poderá autorizar redução a metade das taxas para empresas que se instalem em regiões economicamente mais desfavorecidas e instalem indústrias de aproveitamento de recursos locais, até 10 anos.

6 Artº 32º - Nova Redacção Lei nº 7/96, de 19/Abril Grupo B Lucros presumidos contribuintes não abrangidos nos grupos A e C e que pratiquem acto isolado de natureza comercial e industrial. Grupo C Lucros em potencial estimados; pessoas naturais contribuintes que preencham simultaneamente as Seguintes condições: a) exerçam de conta própria actividade comercial e industrial incluída na tabela; b) trabalhem a sós ou com ajuda de até 3 pessoas (sejam familiares ou não); C) não disponham de escrita confiável; d) possuam não mais de 2 veículos automóveis; e E) tenham facturamento anual não superior a 269 UCFs. O nº 2 passou a ser: Tratando-se de bens patrimoniais totalmente amortizados no período anterior ao da aplicação do citado decreto, as quotas máximas só serão consideradas se se comprovar que foram observados os procedimentos previstos no nº 2 do Artº 4º conjugados com as disposições previstas na alínea b) do nº 3 do artigo 5º do diploma legal citado rendimentos de actividade comercial exercida em zonas consideradas de interesse ao desenvolvimento económico, por prazo de 3 a 5 anos. Todo ou parte de lucro de actividades exercidas com vista à execução de projectos de assistência ou bem-estar social ou de outro interesse social.

7 Antecipação de pagamento do Imposto Industrial Lei nº.5/99 de 6 de Agosto A liquidação provisória a que se refere o artigo 78º do C.I.I, relativamente aos contribuintes do grupo A e B, passa a fazer-se mensalmente, sobre o montante correspondente a 10% do volume total de vendas, serviços prestados e outros Rendimentos percebidos no mês anterior. 35% Tributação das empreitadas Lei nº 7/97 de 10 de Outubro Na tributação das empreitadas ou sub empreitadas e prestação de serviços, prevê-se um regime excepcional aplicável às pessoas singulares ou colectivas, quer tenham ou não sede, direcção efectiva ou estabelecimento estável no País, que de forma acidental ou permanente exerçam a actividade, desde que não abrangidas pelo Imposto sobre o Rendimento do Trabalho. Constitui matéria colectável: a)tratando-se de construção, beneficiação, reparação ou conservação de bens do activo fixo imobilizado de 10% do valor do contrato, Qualquer que seja a forma que se apresente; b) Nos restantes casos: 15% daquele valor. 35%

8 Reavaliação dos activos Dec. nº 6/96, de 26/Jan Despacho nº.6/99 de 22 de Janeiro, revoga os despachos nº.53/96 de 3 de Junho e nº.1/99, de 8 de Janeiro. Despacho nº.7/99 de 22 de Janeiro Despacho nº.37/00 de 3 de Fevereiro. Despacho nº.38/01, de 9 de Fevereiro. Despacho n.º 127/06, de 24 de Janeiro. Permite a reavaliação dos bens do activo imobilizado corpóreo que estejam e devam permanecer ao serviço devidamente contabilizados nas seguintes contas: edifícios, construções para fins específicos, instalações equipamentos fabril e outros meios de transporte, móveis e utensílios e outros meios fixos. A reavaliação efectuar-se-á pela aplicação de coeficientes de correcção monetária estabelecidos por despacho do Ministro das Finanças. Estão previstos os valores base e máximo, o processo, a reserva, o regime fiscal, a inutilização ou destruição e alienação dos bens e ou mapas das reavaliações e amortizações e inventários. Taxa de Câmbio Ano KZR/USD Índice Coeficiente Taxa de Câmbio Ano KZR/USD Índice Coeficiente ,0000 1,3050 2, ,0000 2,3491 1,0000 Taxa de Câmbio Ano KZ/USD Índice Coeficiente , , , , , ,00000 Taxa de Câmbio Ano KZ/USD Índice Coeficiente , , , , , ,00000 Taxa de Câmbio Ano KZ/USD Índice Coeficiente

9 1.2.2 Regime Fiscal para a Indústria mineira. Lei nº 1/92 de 17 de Janeiro, Decreto Lei nº 4-B/96, de 31 de Maio D.R.Nº 22/96-Suplemento A industria mineira está sujeita a: a)imposto sobre o rendimento b) Imposto sobre o valor dos recursos mineiros Royalties c) Taxas de superfície a) 40% b) Pedras e metais preciosos...5% - Pedras semi-preciosas...4% - Minerais metálicos 3% - Outros recursos minerais...2% c)- 1ºs 2 anos...1 usd/km2 3ºano.....3usd/km2 4º. e 5º. Anos... 4 usd/km2 O imposto de rendimento é o imposto industrial Regime Tributário especial da indústria petrolífera Imposto sobre a produção do petróleo Lei nº 13/04, de 24 de Dezembro Título III, Capítulo I Imposto sobre o rendimento do petróleo Lei nº 13/04, de 24 de Dezembro Título III, Capítulo II Imposto sobre o valor do petróleo, pago pelas empresas petrolíferas que actuam no regime de operação conjunta com a Sonangol. Imposto sobre os lucros das empresas petrolíferas. As empresas enquadradas no regime de contratos de risco (PSA s - Contratos de Partilha de Produção) podem deduzir da base de cálculo, como custo do investimento, até 50% do petróleo produzido. No regime dos contratos de Associação em Participação é também deduzido da base de cálculo o pagamento do imposto de produção ( ) e do imposto de transacções ( ) a. - Associação de Cabinda: 20% b. - Associação FS e FST: 16,67% c. - Em determinadas condições de profundidade de água e zonas terrestres de dificil acesso a taxa pode ser reduzida até 10% Associação em participação: 65,75% PSA s: 50% Incentivos fiscais: são deduzidos da base de cálculo um incentivo à

10 produção (na prática, ajustados aos custos de produção) e um incentivo ao investimento (fracção dos custos de investimento históricos) Imposto de transações sobre o petróleo Lei nº 13/04, de 24 de Dezembro Título III, Capítulo III Imposto sobre o lucro, decorrente da produção na província de Cabinda em regime exploração conjunta com a Sonangol 70% Taxa de superfície Lei 13/04, de 24 de Dezembro Título III, Capítulo IV Taxa que incide sobre a área de concessão ou da área de desenvolvimento caso prevista no contrato. USD 300,00 por Km Regime da Concessionária Nacional Lei 13/04, de 24 de Dezembro Título IV, Capítulo I Receitas provenientes dos recebimentos da Concessionária Nacional, incluindo o bonus e o preço limite contratual. 90% 2. Contribuições à Providência Social Lei nº 18/90 de 27 de Outubro; Decreto nº 27/91 de 5 de Julho Decreto nº.7/99 de 28 de Maio Contribuições à previdência social, destinada a garantir a subsistência física dos cidadãos total ou parcialmente incapacitados para trabalhar, bem como a sua morte, a dos seus familiares sobreviventes. 8% do salário, a cargo do empregador 3% do salário, a cargo do trabalhador

11 3 Imposto sobre bens e serviços 3.1 Imposto de vendas Não há 3.2 Imposto de consumo Decreto nº 41/99, de 10 de Dezembro Decreto nº 29/02, de 21 de Maio Imposto de consumo- Lei 9/99, de 1 de Outubro (alargamento da base tributária tornando o imposto de consumo extensivo aos serviços de telecomunicações, hotelaria e similares, consumo de água e electricidade) Incide sobre: a) A produção e importação de mercadorias, seja qual for a sua origem. b) A arrematação ou venda realizadas pelos serviços aduaneiros ou outros quaisquer serviços públicos; c) A utilização dos bens ou matérias primas fora do processo produtivo e que beneficiaram da desoneração do imposto; d) consumo de água e energia; e) Os Serviços de Telecomunicações; f) Os Serviços de Hotelaria e Outras Actividades a si conexas ou similares. Definição: Para efeito deste imposto, consideram-se bens produzidos no país, os produtos aí produzidos ou manufacturados, aqueles cujo processo de produção teve o seu termo em território nacional Isenções a) os bens exportados, quando a exportação seja feita pelo próprio produtor ou entidade vocacionada para o efeito, reconhecida nos termos previstos na lei; b) Os bens importados pelas representações diplomáticas e consulares, quando haja reciprocidade de tratamento; c) Os bens manufacturados em resultado de actividades desenvolvidas por processos artesanais; d) As matérias primas e os materiais subsidiários incorporados no processo de fabrico, os bens de equipamento e peças sobressalentes, desde que, devidamente certificados pelos Ministérios de Tutela, com declaração de exclusividade. Não sujeição a) Produtos agrícolas e pecuários não transformados b) Produtos primários de silvicultura c) Produtos de pesca não transformados d) Produtos minerais não transformados Variam de 5% a 30% Taxa geral 10% Anexo I Taxas bonificadas 2% Anexo II Taxas agravadas 20% a 30% Anexo III serviços de hotelaria, turismo e similares 10% - Serviços de telecomunicações 5% - Consumo de água 5% - Consumo de energia 5%

12 4. Imposto sobre as transacções internacionais 4.1 Direitos de importação Pauta de importação e exportação aprovada pelo Decreto Lei nº 2/05, de 28 de Fevereiro, Incide sobre: Importação de Mercadorias, ou seja sobre o valor CIF (custo, seguro e frete) O valor aduaneiro das mercadorias importadas é o seu valor transcional Isenções Todos os organismos do aparelho do Estado, Instituições dependentes, Instiutos Públicos ou Privados, Empresas Públicas, Privadas, Mistas ou outras previstas na lei, bem como, as cooperativas, estão abrangidas ao pagamento dos direitos aduaneiros fixados na pauta, salvo disposição legal em contrário (que inclui as isenções previstas em diplomas que estabelecem regimes aduaneiros especiais aplicáveis v.g. ao sector petrolífero, mineiro, investimeno privado e outros). O capítulo 98 da pauta contém o quadro de mercadorias que poderão beneficiar de isenção ou redução de direitos na importação. Taxas Direitos aduaneiros ad valorem. As taxas variam de 2% a 30%, consoante a sua posição e código pautal, correspondente a mercadoria..4.2 Direitos de exportação Decreto Lei nº 2/05, de 28 de Fevereiro, Incide sobre: Exportação de determinadas mercadorias, tais como: produtos de origem animal, v.g. peles com pêlos e suas obras, chifres etc. O valor a ser considerado na exportação de mercadorias, é o valor FOB. As mercadorias ficam isentas do pagamento de direitos, com excepção, as constantes no artigo 34.º do decreto lei n.º 2/05, de 28 de Fevereiro. Isenções: A saída de mercadorias nacionais ou nacionalizadas do território aduaneiro, é isenta de direitos, excepto produtos de origem animal, v.g. peles com pêlos e suas obras, chifres etc. Taxas: A taxa aplicável na exportação de origem animal, varia entre 10% e 20%. O valor sobre o qual se aplica a taxa, no momento em que se torna exigível o direito de exportação, é o valor da compra da mercadoria.

13 5.Outros impostos 5.1 Imposto predial urbano Diploma Legislativo nº 4044 de 13 de Outubro de 1970 Imposto sobre prédios urbanos. A base de cálculo é o locativo, efectivo ou potencial, e o sujeito passivo é a pessoa que tem direito ao aluguer. Isenções: edifícios a) ocupados por contribuinte sujeito ao imposto industrial (V.2.2) e que não paga aluguel não ultrapasse certo limite, c) colocados gratuitamente à disposição dos serviços públicos, instituições de caridade, escolas, museus, etc. d) utilizados exclusivamente como lugar de culto e) pertencentes a embaixada ou consulado, em base de reciprocidade f) pertencentes a organização profissional ou económica sem fins lucrativos. 30% do valor locativo, anual, efectivo ou potencial Artº 17 e 28º Alterados pela Lei nº 6/96, de 19 de Abril Ãrtº 17º 1. Quando um prédio, ou parte dele, for arrendado por quantia inferior à última renda anual convencionada ou do seu valor locativo se não se encontrava anteriormente em regime de arrendamento, Ter-se-á como não arrendado para efeitos da matéria colectável. 2. Se a renda anterior se encontrava desactualizada, a nova renda deve comparar-se com a do prédio, ou parte do prédio dado de contratual, e que melhor sirva de padrão. Artº 28º 3.A renda... nunca poderá ser inferior ao valor estabelecido para os prédios do Estado, constante da legislação em vigor. Incentivo fiscal: os prédios habitacionais novos podem beneficiar de isenção por prazo de 5 à 15 anos em função das prioridades da política habitacional.

14 5.2 Imposto sobre as sucessões e doações Diploma Legislativo nº 230 de 18 de Julho de Lei nº 15/92 de 3 de Julho Imposto progressivo sobre as transmissões a título não oneroso e as sucessões em dinheiro, título do Estado, acções títulos de crédito de sociedades e bancos e qualquer bem móvel ou imóvel bem como de direitos de habitação ou de água direito de servidão perpétua e dispensa unilateral de anuidades. Isenções: Aquisições do Estado, serviços municipais, instituiçõe de caridade, museus, bibliotecas e escolas. Estão também isentas as aquisições de propriedade literária e artística e as pensões, bem como doações de valor inferior a Kzr 20 mil à descendentes, ascendentes ou conjuges. Tabela de taxas (em percentagens) Nas transmissões Até 11 UCFs Acima de 11 UCFs entre cônjuges: ou a favor de descendentes e ascendentes 10% 15% Entre quaisquer Outros 20% 30% Cômputo: As taxas são aplicadas como taxas médias até ao limite do escalão inferior e como taxas marginais ao excedente. 5.3 Sisa sobre a transmissão de imobiliários por título oneroso Diploma Legislativo nº 230 de 18 de Julho de 1931 Lei nº 15/92 de 3 de Julho Imposto sobre a transmissão de propriedades imóveis por venda troca extinção de direito, etc.(as doações estão sujeitas ao imposto sobre as sucessões e doações---5.2), e sobre o património direito de sucessão, arrendamento a longo prazo (20 anos ou mais), direito de água, direito de exploração, ou direito de servidão perpétua. Isenções: aquisição do Estado, serviços municipais e instituições de caridade, certos tipos de transmissão por ordem judicial, expropriação por motivo de utilidade pública moradias vendidas pelo Cofre de Previdência dos Funcionários Públicos. 10% do valor da transmissão 5.4 Imposto do selo D.L.nº 1647/45 de 29 de Maio Decreto nº 7/89 de 15 de Abril Decreto nº 18/92 de 15 de Maio Dec.exec.nº 34/95 de 21 de Julho Dec.exec.nº.85/99 de 11 de Junho Dec.exec.nº.71/04 de 09 de Julho Dec.Exec nº 24/05 de 16 de Fevereiro Imposto sobre os documentos, actos e operações indicados na Tabela geral do Imposto do Selo Isentos: os contratos verbais Exemplo das taxas: Capital social-aumento 0,5% Locação residencial 0,7% do aluguer Locação comercial 0,7% do aluguer Contrato de venda 0,5% Reconheci.de divida 3% 100/pag. Liquidação sociedades 0,5%

15 5.4.1 Artigo 114º - A Da Tabela do imposto do selo Alterado pela Lei nº 4/96, de 12 de Abril Alterado pelo Decreto nº.31/99 de 15 de Outubro Rectificado D.R.nº.49/99 de 3 de Dezembro-Nova Redacção Dec. Exec. Nº 24/05, de 16 de Fevereiro Operações bancárias: I. Saques sobre o estrangeiro, guias ouro emitidas e fundos públicos ou títulos negociáveis vendidos. 1 Notas e moedas estrangeiras, cheques de viagem e cheques em moeda estrangeira passados a favor de pessoas físicas; 2 Juros cobrados por instituições bancárias, designadamente por desconto de letras e por empréstimos por contas de créditos em liquidação e todos juros de mora, prémios e juros de letras tomadas, letras a receber por conta alheia, saques nacionais emitidos ou quaisquer transferências. Isenções: Não são passíveis do selo deste artigo as operações bancárias realizadas entre estabelecimentos bancários, entre estabelecimentos bancários, entre casa de câmbio ou entre estas e os estabelecimentos bancários, mas tratando-se da utilização de cambiais em pagamentos no estrangeiro, só quando eles correspondam exclusivamente às transacções realizadas pela actividade bancária beneficiarão de isenção. Ficam no entanto sujeitos ao selo deste artigo as vendas de notas e moedas estrangeiras realizadas pelos cambistas aos bancos e casas bancárias e bem assim a venda de barras ouro efectuada por intermédio dos mesmos bancos e casas bancárias, por se tratar de operação análoga às Vale bancário 0,5% Doação 0,4% Aval 0,3% Dividendos 1.0% Vale postal - até Kzr 80,00 0,5% - Superior a Kzr 88,00 0,4% As aplicáveis em documentos, actos e operações relacionadas com as Alfandegas (ver artigo 4.º da TGSelo). Na importação de mercadorias, a taxa é de 0,5% sobre cada bilhete de despacho. I.1,5/mil sobre o respectivo valor II.0% sobre o respectivo valor III.1% sobre a respectiva importância

16 indicadas nos nºs I e II Artigo 133º da Tabela Lei nº 4/96, de 12 de Abril Recibos ou quitações 1% Taxa de Circulação D.L.3837, de 30 de Julho de Decreto nº 72/05, de 28 de Setembro Dec. Executivo nº.73/07, de 29 de Junho Incide sobre todos os veículos automóveis que se encontrem ou venham a entrar em circulação no País. Isentos: Os que pertençam a serviços do Estado, corpos administrativos e organismos de coordenação económica. Os que pertençam a fundações e associações de utilidade pública, bem como a outros organismos que em virtude de legislação especial, estejam isentos do pagamento de quaisquer taxas. Os que cancelaram as matrículas. Motociclos: Até 125 c.c.de cilindrada... KZ: 1.140,00 De mais de 125 c.c. de cilindrada KZ: 1.260,00 Automóveis ligeiros: Até c.c.de cilindrada KZ: 2.640,00 De mais de a c.c. de cilindrada KZ: 3.970,.00 De mais de 1800c.c.de cilindrada KZ :5.30,00 Automóveis pesados: Até Kg de tara KZ: 6.600,00 De mais de Kg de tara... KZ: 9.040,00

17 II Governos Provinciais Não há impostos provinciais III Municípios Não há impostos municipais Decreto n.º 6/95, de 7 de Abril Decreto Executivo nº.66/95, de 15 de Dez. Decreto Executivo.nº.8/98 de 6 de Fevereiro DecretoExecutivo.nº.80/99 de 22 de Maio Estabelece os quantitativos e modo de afectação aos orçamentos da Administração local do Estado das receitas provenientes da arrecadação e cobrança de impostos directos e indirectos. Alarga o conjunto de Impostos e taxas que estão afectados aos orçamentos da Administração local do Estado.

ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO

ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE IMPOSTOS ANGOLA SÍNTESE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO ACTUALIZADO EM FEVEREIRO DE 2010 Angola: Síntese do Sistema Tributário Fevereiro de 2010 (Todas

Leia mais

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento:

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento: 2012 Reforma Fiscal Estimado Cliente, O presente documento tem por finalidade dar a conhecer a publicação no Suplemento do Diário da República, I Série Nº 252 de 30 de Dezembro de 2011, onde foram divulgados,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE A tributação nesta Categoria de rendimentos é fundamentalmente baseada na existência de uma remuneração proveniente do trabalho por conta de outrém. A classificação como

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012

REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012 REFORMA FISCAL EM ANGOLA 2012 REFORMA FISCAL EM ANGOLA A reforma fiscal que está em curso assenta em cinco pilares: (i) reforma do sistema tributário, (ii) reforma da administração tributária e da (iii)

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI N.º /03 de de A existência de uma Lei Geral Tributária é hoje corrente em muitos Estados, representando um instrumento de racionalização, de estruturação e de estabilidade dos sistemas tributários.

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 FR/ AV. FERNÃO MAGALHÃES, 988 4350-154 PORTO TEL. 225.898.650 FAX: 225.898.688 E-MAIL: sf3360@dgci.min-financas.pt

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa CADERNO FISCAL Setembro 2015 MOÇAMBIQUE SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS Imposto Base de incidência Taxa IRPS Os residentes sãos tributados relativamente ao seu rendimento

Leia mais

ORÇAMENTO DAS RECEITAS DO ESTADO PARA O ANO ECONÓMICO DE 2002

ORÇAMENTO DAS RECEITAS DO ESTADO PARA O ANO ECONÓMICO DE 2002 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DO ORÇAMENTO ORÇAMENTO DAS RECEITAS DO ESTADO PARA O ANO ECONÓMICO DE 2002 (OBSERVAÇÕES) LISBOA * 2002 1 OBSERVAÇÕES Categoria G - Incrementos patrimoniais; Categoria

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Externo As políticas delineadas no Plano de Desenvolvimento Nacional para o crescimento económico

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães Página 1 de 7 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece

Leia mais

Aspectos fiscais do investimento português em Angola

Aspectos fiscais do investimento português em Angola Tax Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Carvalho Esteves, Partner Revista Angola - Portugal Negócios, Julho e Novembro de 2009 Angola tem sido um dos oásis de muitas das empresas

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas?

QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES. Quem está isento? Que operações estão isentas? QUE OPERAÇÕES PAGAM IMPOSTO DO SELO ISENÇÕES Quem está isento? Que operações estão isentas? QUEM TEM QUE PAGAR O IMPOSTO DO SELO VALOR TRIBUTÁVEL DOS IMÓVEIS QUANDO É DEVIDO O PAGAMENTO? TAXAS Verba da

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Lei n.º 85/98, de 16 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) CAPÍTULO I Princípios fundamentais

Lei n.º 85/98, de 16 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) CAPÍTULO I Princípios fundamentais Lei n.º 85/98, de 16 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente. Guia Fiscal Angola 2015

Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente. Guia Fiscal Angola 2015 Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 6095 de 22 de Janeiro de 2015. Não pode ser vendida separadamente Guia Fiscal Angola 2015 1 2 Informação fiscal Esta publicação não pretende ser

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Cria o programa orçamental designado por Iniciativa para o Investimento e o Emprego e, no seu âmbito, cria o regime fiscal de apoio ao investimento realizado

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Guia Fiscal Angola 2015

Guia Fiscal Angola 2015 Guia Fiscal Angola 2015 Guia Fiscal Angola 2015 Índice 7 10 13 18 23 26 31 33 39 46 49 54 57 58 60 Informação fiscal Princípios gerais tributários Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00

DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA ßÍÍÛÓÞÔÛ ß ÒßÝ ÑÒßÔ ß»³¾» Ò ½ ±². Preço deste número - Kz: 220,00 DIÁRIODAREPÚBLICA ÓRGÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA Preço deste número Kz: 220,00 relativa a anúncio e assinaturas do «Diário da República», deve ser dirigida à Imprensa Nacional E.P., em Luanda, Rua

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

QUADRO N.º 1 Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009

QUADRO N.º 1 Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009 QUADRO Articulados dos Decretos Regulamentar n.º 2/90 e n.º 25/2009 Articulado Artigo 1.º N.º 4 DR2/90 Condições gerais de aceitação das reintegrações e amortizações Podem ser objecto de reintegração e

Leia mais

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L A N G O L A N O

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L A N G O L A N O i U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L A N G O L A N O TAX & BUSINESS A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informação nela contida é

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo nº 75/00 de 10 de Novembro Convindo complementar e actualizar a legislação vigente aplicável ao processo de importação e exportação de mercadorias por forma a adequá

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 75 16 de abril de 2012 1933 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 79/2012 de 16 de abril O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS ANGOLA: QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS Porto, 06 de Março de 2012 ÍNDICE Parte I Parte II FORMAS DE REPRESENTAÇÃO SOCIEDADES SUCURSAIS E ESCRITÓRIOS DE REPRESENTAÇÃO Parte III ASPECTOS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

I - Âmbito de aplicação da Convenção. Artigo 1.º Pessoas visadas

I - Âmbito de aplicação da Convenção. Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 81/2000 Convenção entre a República Portuguesa e o Canadá para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre o Rendimento e

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais