PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos"

Transcrição

1 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Descrição sobre a Empresa e seus Responsáveis Técnicos Descrição atualizada em junho/

2 PIRACICABA ENGENHARIA SUCROALCOOLEIRA LTDA. Responsáveis Técnicos: Eng o Manoel Lázaro de Almeida CREA-SP /D Engº João Carlos Ducatti CREA-SP 5463/60 Obs.: Descrição mais completa destes profissionais vide no final deste. Apresentação da Empresa A Piracicaba Engenharia Sucroalcooleira atua desenvolvendo projetos e consultoria técnica no setor de processamento de cana-de-açúcar para produção de açúcar, etanol de cana, etanol de milho e energia elétrica. Fundada no início de 1990 pelo Engº Manoel Lázaro de Almeida, depois de 17 anos na M. Dedini S/A Metalúrgica, no setor de Engenharia de Açúcar e Álcool, com a razão social de Ética Engenharia e Tecnologia, em 2006 passa a chamar-se Piracicaba Engenharia Sucroalcooleira Ltda. com a vinda do Engº João Carlos Ducatti, também de larga experiência no setor sucroalcooleiro. Inicia suas atividades atendendo ao próprio Grupo DEDINI com a execução de projetos completos para ampliação da Fábrica de Açúcar Cristal da Usina São Luiz Pirassununga SP, ampliação da Fábrica de Açúcar Líquido (Gludex) da Usina São Luiz S/A e implantação da Fábrica de Açúcar Cristal na então Destilaria de Álcool São João em São João da Boa Vista SP, pertencentes, na época, ao Grupo DEDINI. Com a experiência adquirida, amplia rapidamente as atividades da Empresa, executando projetos para otimização e melhorias em plantas existentes, fabricação de novos equipamentos e projetos completos para implantação de novas unidades produtoras de açúcar, etanol de cana, etanol de milho e cogeração de energia elétrica. 2

3 Capacitação Técnica da Empresa A Empresa atua na área industrial de processamento da cana-de-açúcar - produção de açúcar, etanol de cana, etanol de milho e energia elétrica. Executa desde os estudos básicos e os projetos detalhados, incluindo detalhamento de estruturas metálicas e interligações, acompanhamento da montagem no campo e posta em marcha, até que os objetivos propostos sejam plenamente atingidos. Possui tecnologia inovadora para produção de energia elétrica, com o uso de palha de cana-de-açúcar e bagaço, que permite geração de altas quantidades de energia elétrica para comercialização (cogeração). Sentido o potencial do milho para a produção de etanol no Brasil, desenvolveu em 2011/2012, em parceria com a USIMAT em Mato Grosso, a primeira planta de Etanol de Milho da América do Sul, inicialmente esmagando 300 t/dia de milho e previsão para a safra 2014/2015 de esmagar t/dia. Descrição das Atividades: Projetos para implantação de novas Fábricas de Açúcar e Destilarias de Etanol de Cana e Cereais (milho e sorgo); Estudos de viabilidade técnica. Elaboração do Projeto Básico e do Plano Diretor, Balanços de Massa, Energia e Hídrico; Projetos de Cogeração: Análise e Planejamento Estratégico do Uso de Energia Térmica e Combustível - Estudos básicos e projetos detalhados para a implantação de termelétricas utilizando como combustível a palha e o bagaço da cana; Projeto completo de separação da palha da cana picada na USINA, para queima nas caldeiras visando sobra de bagaço e/ou cogeração; Avaliação Técnica de Equipamentos e Plantas Industriais. Estudos e projetos para otimização e modernização do processo industrial de Usinas de Açúcar e Destilarias de Etanol, visando racionalizar as operações, redução de custos e aumento da eficiência industrial; Sistemas completos de concentração da vinhaça; 3

4 Estudos e projetos para a implantação do sistema de cozimento em duas ou três massas. Projetos e acompanhamento de campo desde os estudos básicos até a posta em marcha; Melhorias e otimização do balanço térmico de Usinas de Açúcar e Destilarias de Etanol visando diminuição do consumo de vapor, maior sobra de bagaço ou implantação da cogeração; Estudos e projetos para implantação de Refinarias de Açúcar (amorfo e/ou granulado) e Fábricas de Açúcar Líquido; Consultoria, estudos/projetos detalhados para produção de açúcar cristal de alta qualidade (cor 100 UI); Projetos para implantação de sistemas integrados de tratamento e recuperação de águas de gases de caldeiras e lavagem da cana; Projetos completos para fabricação de equipamentos na Usina ou em Empresas de Caldeiraria: Evaporadores tipo convencional e reboiler s; Cozedores a vácuo; Aquecedores de caldo; Peneiras Rotativas de Caldo Misto, Caldo Clarificado e Separação de terra da palha de cana; Clarificadores de caldo; Decantadores de água de lavagem dos gases de chaminé de caldeiras; Condensadores barométricos ou multi jatos; Secadores de Açúcar tipo Horizontal Rotativo; Cristalizadores; Dornas de fermentação e colunas recuperadoras de álcool; Tanques de armazenamento em geral; Transportadores de cana, bagaço, mesas alimentadoras; Condutores de açúcar, silos, moegas, sistemas completos de armazenamento e manuseio de açúcar (granel, ensaque e/ou empacotamento). 4

5 Atividades mais recentes: 1. Unidades completas executadas: Usina Santa Terezinha - Unidade Umuarama PR Implantação de nova Fábrica de Açúcar para sacas/dia Usina Santa Terezinha - Unidade Rondon PR Implantação de nova Fábrica de Açúcar para sacas/dia Usina Santa Terezinha - Unidade Goioerê PR Implantação de nova Fábrica de Açúcar para sacas/dia USIMAT Campos de Júlio - MT Destilaria de Álcool de Cana para m³/ safra. Implantação da Planta FLEX álcool de cana x álcool de milho Usina Furlan Unidade Avaré SP Implantação de nova Fábrica de Açúcar para sacas/dia 2. Projetos mais recentes já realizados ou em realização: Usina Santa Lúcia Araras SP Projeto de ampliação da Evaporação e Fábrica de Açúcar de para sacas/d. Usina São José da Estiva Novo Horizonte SP Projeto de ampliação da Evaporação e Fábrica de Açúcar de para sacas/d. Instalação de Evaporadores, Cozedores e outros. Usina Furlan Unidade Santa Bárbara D Oeste SP Projeto de fabricação de um clarificador de caldo de 600 m³ e de instalação de filtro 13 x 32. Usina Santa Terezinha Unidade São Tomé PR Projeto de fabricação e instalação de um clarificador de caldo de 650 m³. 5

6 Usina de Açúcar Coprodia Campo Novo de Parecis MT Projeto de fabricação e instalação de dois clarificadores de caldo 600 m³ processo açúcar e 750 m³ processo álcool. Destilaria Londra Itaí SP Projeto para otimização do processo industrial instalação de trocadores de calor, desaerador, aquecedores de caldo e outros. Laguna Açúcar e Álcool S/A Nova Andradina MS Estudos e projetos para ampliação do Parque Industrial de para TCS. Usina Bandeirantes Bandeirante PR Projeto para otimização do sistema térmico-energético da planta instalação de aquecedores de caldo, novo pré-evaporador, centrífuga de açúcar e outros. INPASA Nueva Esperanza Paraguay Projeto para otimização da planta e melhorias do processo para fabricação de açúcar branco de alta qualidade. DASA Destilaria Americana S/A Nova América da Colina PR Projeto para otimização do sistema térmico da planta. Usina Bela Vista Pontal SP Projeto para otimização no sistema de águas industriais da planta instalação de torres de água, bombas, tubulações e outros. Projeto de implantação de uma nova Central Elétrica Instalação de um Turbo Gerador de 25 MW. Usina Bazan Pontal SP Projeto para otimização no sistema de águas industriais da planta instalação de torres de água, bombas, tubulações e outros. 6

7 Uma breve descrição sobre a vida profissional dos responsáveis pela Empresa: Manoel Lázaro de Almeida: Em meados de 1974, ainda estudante, como estagiário do Grupo DEDINI, inicia suas atividades na Usina São Luiz S/A Pirassununga SP, que na época passava por um amplo processo de ampliação e modernização. Graduando-se pela ESALQ-USP no final de 1974, em Janeiro de 1975 é contratado em definitivo pelo Grupo DEDINI, mantendo inicialmente suas atividades na Usina São Luiz - Pirassununga SP (safra 75/76). Com o início do Proálcool em 1975, a DEDINI inicia um amplo processo de crescimento, e no final de 1975 é transferido à M. Dedini S/A Metalúrgica em Piracicaba SP, para desenvolver o novo Departamento de Engenharia de Processos e Instalações de Destilarias de Álcool e Fábricas de Açúcar. O Departamento então criado passa a ser responsável por toda a engenharia processual desenvolvida, elaboração das plantas de instalações, interligações, absorção de novas tecnologias e coordenação da posta em marcha dos projetos executados e implantados pela DEDINI no Brasil e no exterior. No Departamento de Engenharia do Grupo DEDINI, desenvolve suas atividades até o final de No início de 1990, inicia com a nova Empresa Ética Engenharia e Tecnologia em Açúcar e Álcool S/C Ltda, atendendo inicialmente a Metalúrgica DEDINI, e empresas coligadas, desenvolvendo os projetos de ampliação da Usina São Luiz S/A e implantação da Fábrica de Açúcar na Destilaria São João em São João da Boa Vista SP. Em 2006, com a vinda do Eng o João Carlos Ducatti, a razão social é modificada para Piracicaba Engenharia Sucroalcooleira Ltda. João Carlos Ducatti: Logo após graduar-se pela Faculdade de Engenharia Mecânica pela UNESP de Bauru em 1976, inicia suas atividades profissionais na então Metalúrgica Santin S/A, localizada em Piracicaba SP, tradicional Empresa fabricante de equipamentos para a indústria sucroalcooleira, petroquímica, petrolífera e alimentícia. 7

8 Com o Proálcool começando a dar seus primeiros passos, a Santin S/A cria o seu Departamento de Engenharia de Projetos e Desenvolvimento. João Ducatti é promovido a Gerente Geral da nova engenharia então criada, responsável pelo desenvolvimento dos equipamentos, processos e instalações das Destilarias de Álcool e Fábricas de Açúcar e produtos diversos para outros mercados. Desenvolve suas atividades nesta Empresa na função de Gerente do Departamento de Engenharia até 2003 quando a Santin S/A. passa a ser administrada pelos funcionários com nova denominação social Cooperativa São José CSJ. Atua como consultor da CSJ até final Em 2006 passa a fazer parte do corpo técnico da atual Empresa. Piracicaba, junho

A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA

A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA A MELHORIA CONTÍNUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA Compromisso da Diretoria A GTECC tem como foco atender às expectativas do cliente de forma planejada, oferecendo soluções de Engenharia, Construção

Leia mais

PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS:

PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS: PRINCIPAIS TRABALHOS REALIZADOS: Ano 2014 Cliente: Usina São João Araras (SP) Serviços: Montagem completa de uma caldeira APU-67-6GI-PSE x 200tvh. Cliente: DVPA Paracatu (MG) Serviços: Montagem completa

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A.

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A. Palestra UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03 TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚA ÇÚCAR Sulfitação ou

Leia mais

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE.

NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. BEM-VINDOS! NOSSA META É O CLIENTE. NOSSA FILOSOFIA É A QUALIDADE. Empresa fundada em no ano de 1987, a PROMAC iniciou suas atividades no ramo de equipamentos de movimentação de carga, atuando nas mais

Leia mais

Dimensionamento dos Transformadores

Dimensionamento dos Transformadores BEV.LAS.00..0 Data execução.0.0 Revisão 00 Dimensionamento dos Transformadores Localização: Geral Cliente: Aliança Engenheiros Associados S/S Ltda Projetista: CEA Av. de Maio,, andar, salas 0/0 Eng. Resp.:

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

Soluções em Equipamentos Industriais

Soluções em Equipamentos Industriais Soluções em Equipamentos Industriais QUEM SOMOS Com atuação a nível nacional e internacional, a Jemp Equipamentos é a maior empresa brasileira na área de equipamentos industriais, acumulando uma experiência

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto Conger S.A. Equipamentos e Processos Departamento de Engenharia do Produto A Empresa 1962 2012 = 50 Anos Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Química/Petroquímica/Papel

Leia mais

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais A área de Utilidades Industriais Otimizações / REVAMP OU RETROFIT Reformas / Adaptações Peças de Reposição

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

www.sanardi.com.br sanardi@sanardi.com.br Av.: Das Siriemas, 156 Pq. dos Pássaros São José do Rio Preto - SP CEP 15093-639 Tel/Fax.

www.sanardi.com.br sanardi@sanardi.com.br Av.: Das Siriemas, 156 Pq. dos Pássaros São José do Rio Preto - SP CEP 15093-639 Tel/Fax. 01 A Empresa A SANARDI é uma empresa especializada na integração de sistemas de energia. Comprometida com a excelência, adota modernos conceitos de engenharia multidisciplinar, oferecendo soluções completas

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

FORNECIMENTOS engenharia

FORNECIMENTOS engenharia AÇUCAR E ÁLCOOL Cabrera Central Energética Açúcar e Álcool Projeto de instalação elétrica Implantação da nova Usina Distribuição de potência em MT (13,8kV e 6,6kV) Distribuição de potência em BT (690V

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial.

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. A trabalha dentro de normas. Como: NBR, ASME, DIN, API e etc. Nosso galpão industrial comporta

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO

15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO 15º SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL TEMA GERAÇÃO DE PRIMEIRO MUNDO Jose Willams da Silva Luz Gerente Corporativo Industrial Deltasucroenergia Willams.luz@deltasucroenergia.com.br Fone: 034.3319.6463

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

PROJETO APOIO AOS DIÁLOGOS SETORIAIS UNIÃO EUROPEIA - BRASIL RELATÓRIO BIOCOMBUSTÍVEIS DE SEGUNDA GERAÇÃO PRODUTO 2

PROJETO APOIO AOS DIÁLOGOS SETORIAIS UNIÃO EUROPEIA - BRASIL RELATÓRIO BIOCOMBUSTÍVEIS DE SEGUNDA GERAÇÃO PRODUTO 2 RELATÓRIO BIOCOMBUSTÍVEIS DE SEGUNDA GERAÇÃO PRODUTO 2 2 CONTATOS Direção Nacional do Projeto + 55 61 2020.4906/4928/5082/4134 contato@dialogossetoriais.org www.dialogossetoriais.org 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

VALIDADE ATÉ : 24/11/2016 COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03

VALIDADE ATÉ : 24/11/2016 COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03 Processo 59/159/14 IDENTIFICAÇÃO DA Nome CNPJ COCAL COMERCIAO INDUSTRIA CANNÃ AÇUCAR E ALCOOL LTDA 44.373.108/0001-03 Logradouro Cadastro na CETESB PARQUE PARQUE IND. DR. CAMILO CALAZAN 503-11-9 Número

Leia mais

AFRANIO TAVARES DA SILVA

AFRANIO TAVARES DA SILVA AFRANIO TAVARES DA SILVA Rua Manuel de Carvalho, 262 / apto. 902 Aflitos Recife - Pernambuco CEP 52050-370 Telefone: 81.3242-0216 / Celular: 81.9606-6624 E-mail: afranio.tavares@jac3.com.br EXECUTIVO/CONSULTOR

Leia mais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 04, de

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Assessoria, Consultoria, Projetos, Integração e Desenvolvimento de. Sistemas de Automação Industrial PORTFÓLIO

Assessoria, Consultoria, Projetos, Integração e Desenvolvimento de. Sistemas de Automação Industrial PORTFÓLIO Assessoria, Consultoria, Projetos, Integração e Desenvolvimento de Sistemas de PORTFÓLIO Nº da Página I. Apresentação da Empresa 3 II. Dados Cadastrais 4 III. Serviço de Atendimento ao Cliente 5 IV. Relação

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR.

GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. GESTÃO DE RESÍDUOS EM UMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: O REAPROVEITAMENTO DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR. Roberta Daniela da Silva Santos Universidade Federal do Vale do São Francisco,

Leia mais

Caderno de plantas didáticas

Caderno de plantas didáticas Caderno de plantas didáticas PLANTAS DIDÁTICAS Projetos e estudos realizados por instituições que necessitam de qualidade e precisão a baixo custo, tornam-se mais viáveis e precisos com a utilização das

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

SANARDI Integração de Sistemas de Energia SANARDI

SANARDI Integração de Sistemas de Energia SANARDI A SANARDI é uma empresa especializada na Integração de Sistemas de Energia com foco em geração e cogeração de energia, é responsável pelo planejamento, projeto, gerenciamento e execução da montagem completa

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

MAPEAMENTO DOS RISCOS PRESENTES EM UMA INDÚSTRIA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL

MAPEAMENTO DOS RISCOS PRESENTES EM UMA INDÚSTRIA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL MAPEAMENTO DOS RISCOS PRESENTES EM UMA INDÚSTRIA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL Jilvan Ribeiro da Silva, Claudinei de Lima, Laurimar de Freitas, Marlise Schoenhals, Franciele A. C. Follador, francaovilla@yahoo.com.

Leia mais

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço

Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Novas Técnicas de Aproveitamento da Energia do Bagaço + Palhiço Case Seresta Autor: Écliton Ramos 02 Fonte: ONS Evolução da capacidade instalada (por fonte de geração MW) Plano Decenal de Expansão de Energia

Leia mais

Existem inúmeros benefícios quando você escolhe smar

Existem inúmeros benefícios quando você escolhe smar Soluções smar Acesso Remoto a Outras Usinas Estação de Engenharia Supervisão, Controle e Comunicação Existem inúmeros benefícios quando você escolhe smar Maior e único fabricante de equipamentos de Automação

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Portfólio. www.vortice.com.br

Portfólio. www.vortice.com.br Portfólio 2012 www.vortice.com.br A EMPRESA Fundada em 1996, a VÓRTICE Engenharia de Projetos SS Ltda. tem como objetivo elaborar projetos de engenharia no segmento industrial. A VÓRTICE busca constantemente

Leia mais

Divisão de Montagens

Divisão de Montagens Só um tradicional fornecedor é capaz de oferecer: Projeto Fabricação Montagem & Supervisão Elétrica & Automação Retrofit & Repotenciamento Assistência Técnica Comissionamento & Posta em Marcha Treinamento

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

WORKSHOP SIAMIG / COGEN

WORKSHOP SIAMIG / COGEN WORKSHOP SIAMIG / COGEN PARCERIAS & INVESTIMENTOS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AGOSTO 2009 1 A sua solução em Sistemas de Energias. 2 2 Integrar, Construir, Não é fabricar Para construir um prédio chamamos

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho

USINA DE RESULTADOS. Redução do consumo de vapor x Cogeração. Saúde, segurança e meio ambiente na indústria. Reginaldo Carvalho USINA DE RESULTADOS Redução do consumo de vapor x Cogeração Aproveitamento da água Saúde, segurança e meio ambiente na indústria Reginaldo Carvalho A LDCSEV - Números 2 A LDCSEV - Unidades 3 A LDCSEV -

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

BAZICO TECNOLOGIA Soluções Inteligentes para um Mundo Sustentável. Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s

BAZICO TECNOLOGIA Soluções Inteligentes para um Mundo Sustentável. Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s Business A to Z S m a r t S o l u t i o n s SOLUÇÃO COMPLETA EPC USINAS ECOLOGICAMENTE CORRETAS CONCEITO EFLUENTE ZERO QUEM SOMOS NÓS? Um grupo de empresas Brasileiras e Indianas com a finalidade de colocar

Leia mais

Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos e Novas Tecnologias

Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos e Novas Tecnologias FERMENTAÇÃO COM ALTO TEOR ALCOÓLICO, BIODIGESTÃO E CONCENTRAÇÃO DE VINHAÇA: SOLUÇÃO INTEGRADA PARA A USINA SUSTENTÁVEL E GERAÇÃO DE ENERGIA Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 13. (ENEM 2014) O principal processo industrial utilizado na produção de fenol é a oxidação do cumeno (isopropilbenzeno). A equação mostra que esse processo envolve a formação do hidroperóxido de cumila,

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012 José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia Cuiabá Maio de 2012 Missão: Promover e fomentar a Política Energética, com apoio institucional às ações que visem o desenvolvimento tecnológico, social,

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 282 ARTIGOS COMPLETOS... 283 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Usinas Batatais e Lins

Usinas Batatais e Lins Usinas Batatais e Lins Lins Batatais Moagem: 3.787.000tcs; Moagem máxima:19.245tcd Moagem média: 18.500tcd Dias de Safra: 283 Açúcar: 5.476.000scs Álcool: 140.780m³ Energia: (Não Coogera); Colaboradores:

Leia mais

PORTFÓLIO. Os principais serviços oferecidos são:

PORTFÓLIO. Os principais serviços oferecidos são: PORTFÓLIO A JCT Manutenção é uma empresa voltada à execução de serviços em áreas de utilidades em empresas industriais e comerciais. A gama de serviços abrange desde o projeto de instalações até a manutenção

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

geração elétrica a partir do bagaço e palha em usina de açúcar e álcool MAXIMIZAÇÃO ENERGIA TRANSPORTE ENGENHARIA ENGENHARIA

geração elétrica a partir do bagaço e palha em usina de açúcar e álcool MAXIMIZAÇÃO ENERGIA TRANSPORTE ENGENHARIA ENGENHARIA MAXIMIZAÇÃO /2007 DA TRANSPORTE geração elétrica a partir do bagaço e palha em usina de FOTO: divulgação/case O Brasil coloca-se, junto com os Estados Unidos, como um dos maiores produtores mundiais de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL SUCROENERGÉTICA MTA i REDUÇÃO E REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE ETANOL:

Leia mais

Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO)

Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO) Dados do Projeto Título do Projeto: Departamento Regional do Ceará CFP Waldyr Diogo de Siqueira Fortaleza/ CEARÁ Resumo do Projeto Implementação do Centro de Treinamento Eólico (CTEO) Descrição (Resumo

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

Desde 1997. MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda

Desde 1997. MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda Desde 1997 MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda UM POUCO DA HISTÓRIA MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Londrina Paraná Fundada pelo Engenheiro Civil MARCELO LUIZ GALDINO,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos RECUPERAÇÃO DE CALOR em processos industriais Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos A RECUPERAÇÃO DO CALOR ECONOMIZA ENERGIA PRIMÁRIA Em várias

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção: uma visão da aplicação prática em uma Usina do Setor Sucroenergético. Eng. Marcos André Gonçalves Oliveira

Planejamento e Controle da Produção: uma visão da aplicação prática em uma Usina do Setor Sucroenergético. Eng. Marcos André Gonçalves Oliveira Planejamento e Controle da Produção: uma visão da aplicação prática em uma Usina do Setor Sucroenergético Eng. Marcos André Gonçalves Oliveira 1 Currículo Marcos André Gonçalves Oliveira Engenheiro de

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

METÁLICA ENGENHARIA APLICADA NA OBRA ESTRUTURAS METÁLICAS E EQUIPAMENTOS

METÁLICA ENGENHARIA APLICADA NA OBRA ESTRUTURAS METÁLICAS E EQUIPAMENTOS ENGENHARIA APLICADA NA OBRA ESTRUTURAS METÁLICAS E EQUIPAMENTOS III edição/2013 APRESENTAÇÃO A Multiplo Metálica Ltda. é uma empresa atuante desde 2004, focada em vendas, gestão de obras e na prestação

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra

Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Usina Guariroba Capacidade de processamento: 2 milhões de toneladas cana/safra Plantas completas Modernas e eficientes Quando o assunto é fornecimento de plantas completas para o processamento da cana-de-açúcar,

Leia mais

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015

TERMELÉTRICA. Eficiência Energética 11/2015 TERMELÉTRICA Eficiência Energética 11/2015 O que é uma Termelétrica? É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada por qualquer produto que

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

CONSÓRCIO ETDI RNEST

CONSÓRCIO ETDI RNEST CONSÓRCIO ETDI RNEST O CONSÓRCIO ETDI - RNEST O Consórcio é formado por duas empresas: EGESA Engenharia: Com forte atuação no mercado de construção civil pesada, com obras nos mais diversos estados brasileiros,

Leia mais

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 As fontes de Energia para GD Gerando energia elétrica com biomassa da cana: início de um ciclo virtuoso Isaias C. Macedo NIPE - UNICAMP Produção

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13

NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 NR 13 NORMA REGULAMENTADORA 13 CUSTOS VISÍVEIS MÃO DE OBRA MATERIAIS SERVIÇOS DE TERCEIROS C U S T O S I N V I S I V E I S CUSTO DE MANUTENÇÃO / CUSTOS TOTAIS CUSTO DE MANUTENÇÃO / FATURAMENTO CUSTOS

Leia mais