Como se sabe, "crédito" provém do latim "creditum", que significa "confiança", "que se pode crer", "confiável".

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como se sabe, "crédito" provém do latim "creditum", que significa "confiança", "que se pode crer", "confiável"."

Transcrição

1

2 Considerações Gerais sobre os Títulos de Créditos à Luz do Novo Código Civil: O art LIVIA ROSSI Pós Graduada da Faculdade de Direito da USP Advogada em São Paulo Sumário: 1. Introdução: relevância dos títulos de crédito na economia moderna. 2. Objetivos do legislador ao regular os títulos de crédito no novo Código Civil. 3. A utilidade e necessidade da criação de uma teoria geral dos títulos de crédito. 4. Considerações gerais sobre os títulos de crédito atípicos, à luz do novo Código Civil Requisitos mínimos e principais características dos títulos de crédito atípicos Espécies de títulos de crédito atípicos Aspectos processuais dos títulos de crédito atípicos. 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO: RELEVÂNCIA DOS TÍTULOS DE CRÉDITO NA ECONOMIA MODERNA Como se sabe, "crédito" provém do latim "creditum", que significa "confiança", "que se pode crer", "confiável". Nas palavras de Paulo Armínio Tavares Buechele, o crédito importa um ato de fé, de confiança do credor. Quem aceita, em troca de sua mercadoria ou de seu dinheiro, a promessa de pagamento futuro, confia no devedor. 1 A economia moderna é creditória, creditícia ou "funcionalmente creditante", ou seja, essencialmente baseada no crédito. O homem não se satisfaz em apenas colher os frutos que a natureza espontaneamente põe à sua disposição; esse deseja ter cada vez mais, empregando meios tendentes a forçar a natureza a aumentar seus frutos; ele quer transformar esses mesmos produtos em bens a fim de satisfazer melhor as necessidades humanas, isto é, ele intenciona produzir riquezas. Para todas essas realizações, impõe-se a necessidade de crédito. 2 Os títulos de crédito, a seu turno, constituem a exteriorização dessa necessidade humana, uma vez que instrumentalizam, com certeza e segurança jurídica, esse ato de fé/confiança depositada pelo credor no devedor, possibilitando a mobilização da riqueza, o fomento das atividades econômicas, com a superação das dificuldades impostas pelo espaço e tempo. Dessa forma, o título de crédito é certamente um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento da economia das nações e, por conseguinte, de suas organizações empresariais. Constitui mérito de Tullio Ascarelli a astuta percepção a respeito da relevância dos títulos de crédito para o desenvolvimento da economia moderna, ao discorrer que: "se nos perguntassem qual a 1 Os títulos de crédito no projeto de Código Civil brasileiro, Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, ano XXIX, n 78, p Ascarelli, Tullio. Teoria Geral dos Títulos de Crédito, Trad. Nicolau Nazo. São Paulo: Saraiva, 1943, p

3 TÍTULOS DE CRÉDITO contribuição do Direito Comercial na formação da economia moderna, outra não poderíamos talvez apontar que mais tipicamente tenha influído nessa economia do que o instituto dos títulos de crédito. A economia moderna seria incompreensível sem a densa rede de títulos de crédito; às invenções teriam faltado meios jurídicos para a sua adequada realização social; as relações comerciais tomariam necessariamente outro aspecto. Graças aos títulos de crédito pôde o mundo moderno mobilizar as próprias riquezas; graças a ele o direito consegue vencer tempo e espaço, transportando, com a maior facilidade, representados nesses títulos, bens distantes e materializando, no presente, as possíveis riquezas futuras. 3 A ampla utilização dos títulos de crédito na economia, tanto nas relações empresariais quanto nas privadas, se deve ao fato de que ele oferece segurança e certeza jurídica através do acolhimento de formalidades dotadas de valor absoluto, e através da separação das obrigações cambiais, presentes no documento, daquelas a ele estranhas. Assim, o presente estudo tem por objetivo traçar algumas considerações sobre as mudanças trazidas pelo novo diploma legal no tocante aos títulos de crédito, e os impactos que tais alterações podem acarretar na vida social e econômica. Não se pretende exaurir todas as vicissitudes que derivam do tema e assim não poderia ser. O que se busca é apenas retratar os principais elementos que compõem a questão, levantando alguns problemas que apenas serão solucionados com o labor da doutrina e com a consolidação das orientações jurisprudenciais. Dessa forma, este estudo é iniciado com a discussão a respeito da utilidade e necessidade de uma teoria geral dos títulos de crédito, como premissa fundamental para aquilatar o conteúdo da explanação. Prossegue-se com a exposição sobre o objetivo do novo Código em regular os títulos de crédito atípicos, explanando a opinião de eminentes estudiosos da matéria, tais como, Mauro Rodrigues Penteado, Rubens Requião, Fábio Konder Comparato e Mauro Brandão Lopes. Por fim, finaliza-se o trabalho discorrendo sobre os requisitos mínimos dos títulos de crédito atípicos, suas espécies e os aspectos processuais relevantes sobre o assunto. Nessa ordem de idéias, visa o estudo debater sobre os principais aspectos da matéria que foram alterados pela nova codificação civil. Uma vez que o trabalho não comportaria uma explanação abrangente de todas as modificações trazidas pelo diploma legal citado, buscou-se focar a atenção em pontos considerados elementares. Com isso, como dito, não se objetiva esgotar o estudo do tema ou monopolizar a verdade, mas apenas contribuir na demonstração dos aspectos fundamentais inerentes aos títulos de crédito. 2. OBJETIVOS DO LEGISLADOR AO REGULAR OS TÍTULOS DE CRÉDITO NO NOVO CÓDIGO CIVIL A promulgação do novo Código Civil/2002 causou grande alvoroço no mundo jurídico, especialmente entre os estudiosos e operadores do Direito Comercial. Isto porque a idéia de unificação dos Direitos Comercial e Civil causou arrepios à parcela dos doutrinadores e juristas especializados na matéria. 3 Op. cit., p. 3.

4 LIVIA ROSSI Criticou-se dizendo que a pretendida unificação teria sido um grande erro, sendo que, em verdade, não teria havido absorção alguma, nem didática, nem científica, do Direito Comercial pelo Direito Civil, uma vez que aquele ramo continuaria com seus princípios diferentes desse. Voraz crítico dessa unificação foi o Professor mineiro Wille Duarte Costa, ao comentar que: "a pretendida unificação foi um grande engano, (...). Em verdade, não houve absorção alguma do Direito Comercial pelo Direito Civil, como achavam. Não houve unificação didática e nem científica. O Direito Comercial continua com seus princípios, diferentes do Direito Civil. (...). É claro que algumas normas do Direito Comercial estão no Código Civil aprovado, como poderiam estar, também, as normas relativas ao Direito Penal, ao Direito Administrativo, ao Direito Processual e a qualquer outro ramo. Nesse caso, poderíamos dizer que o Direito Civil absorveria o Direito Penal, ou o Administrativo, ou o Processual?" 4 Rubens Requião, por sua vez, também se pronunciou a respeito do assunto perante a Comissão Especial da Câmara dos Deputados, encarregada de dar parecer ao Projeto de Lei n. 634/75, que instituía o novo Código Civil, ao desabafar que: "antes, porém, de examinarmos especificamente os dispositivos do projeto que consideramos passíveis de crítica e de aperfeiçoamento, pretendemos dar nossa posição doutrinária relativamente a um problema fundamental. Referimo-nos ao critério que prevaleceu, de unificação de Códigos, fazendo-se com que o Código Civil absorva e regule, também toda a matéria comercial. (...) Muita matéria privatista, com efeito, escapa de seu plano. Consiste a unificação, isto sim, na simples justaposição formal da matéria comercial, regulada num mesmo diploma. Constitui, repetimos, simples e inexpressiva unificação formal. Isso, na verdade, nada diz de científico e de lógico, pois, na verdade, como se disse em 'Exposições de Motivos' preliminar, o Direito Comercial, como disciplina autônoma, não desaparecerá com a codificação, pois nela apenas se integra formalmente. 5 Quanto aos títulos de crédito, que são o real objeto do presente estudo, grande temor houve entre os comercialistas a respeito das possíveis alterações que seriam implantadas pelo novo ordenamento jurídico. Temia-se que o legislador pudesse modificar substancialmente institutos que já estavam bem regulados, e que cumpriam a função a que se destinavam. No entanto, tal temor não se justificava, sendo que grande parte da doutrina tranqüilizou-se ao constatar que o novo Código, hoje aprovado e em vigor, no seu artigo 887, traz, apesar de não fie1 6, a famosa definição de títulos de crédito, construída por Cesare Vivante, qual seja, a de que o "título de crédito é o documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido". Referida definição é ainda completada com a determinação de que o título de crédito "somente produz efeito quando preencha os requisitos da lei. Crítica se fez sobre a inclusão de conceitos doutrinários na lei. Segundo Wille Duarte Costa, o legislador teria errado quando definiu título de crédito no rastro de Vivante. E continua: sabemos que tais conceitos não devem estar na lei, a não ser por absoluta necessidade, o que não é o caso, pois, modificados, a lei fica dando um tratamento errado ao que pode evoluir. 7 4 Títulos de crédito e o novo Código Civil. Revista da Faculdade de Direito Milton Campos, Belo Horizonte, ano 2001, vol. 8, p Projeto de Código Civil. Apreciação crítica sobre a Parte Geral e o Livro I (Das obrigações). Revista dos Tribunais, Revista dos Tribunais: São Paulo, ano 64, n. 477, jul. 1975, p Doutrinadores, tais como, Newton de Lucca e Paulo Armínio Tavares Buechele, já se pronunciaram a respeito da deturpação do conceito de Vivante. Segundo eles, alguns juristas modificaram, com o apoio de Savigny, a definição de título de crédito de Vivante, quando afirmam que este é um documento que "contém" um direito literal e autônomo, ao invés de simplesmente "mencioná-lo". 7 Op. cit., p. 114.

5 TÍTULOS DE CRÉDITO Discordando dessa posição, Mauro Rodrigues Penteado 8 assim se manifestou, em artigo publicado pela Revista de Direito Mercantil: afirma-se, ademais, que o dispositivo é tautológico, porque contém definição de título de crédito, noção inexistente fora da ciência do direito, pois constitui tradução doutrinária simplificada da regulamentação normativa extravagante, que tem por objeto fatispecies determinadas, às quais não se aplicariam as disposições gerais do Projeto. A crítica procederia se esse complexo de normas especiais não padecesse, entre nós, das deficiências acima apontadas, e se o Projeto não visasse permitir a criação de títulos de crédito atípicos, incluindo ao só uma definição normativa, de cunho operacional (art. 889), mas também, e congruentemente, a explicitação tipológica dos requisitos mínimos que determinado documento deve preencher para ser reputado como tal (art. 891). Apesar de interessante, não cabe, no âmbito do presente trabalho, levar adiante tal debate, tendo em vista que outros tantos, igualmente importantes, surgirão no seu decorrer. Com efeito, de essencial importância é a discussão sobre a interpretação do artigo 903 do novo Código Civil, no tocante à aplicação desse diploma legal aos títulos de crédito previstos em legislação especial. Referido dispositivo assim dispõe: "Salvo disposição diversa em lei especial, regem-se os títulos de crédito pelo disposto neste Código." Ao nosso ver, as disposições previstas no Título VIII do novo Código Civil, a respeito de títulos de crédito, têm simultaneamente duas funções, a primeira, de regular os títulos atípicos e, a segunda, de criar uma teoria geral dos títulos de crédito, que regulará, subsidiariamente, na ausência de disposição específica na lei especial, os títulos de crédito típicos. Nesse sentido já se pronunciou Mauro Rodrigues Penteado, ao sustentar que: "é certo que o Projeto não se aplicará, em princípio, aos títulos de crédito já devido e completamente tratados em leis especiais (notadamente às letras de câmbio, notas promissórias e cheque), não apenas em razão da vinvulação do país a tratados internacionais, mas porque suas disposições gerais não coincidem exatamente... com os lineamentos básicos desses títulos-paradigma. 9 Continua o citado autor, ao discorrer sobre a construção de uma teoria geral dos títulos de crédito: "ter-se-á, assim, um conjunto homogêneo de preceitos gerais, comuns aos títulos de crédito em espécie, conferindo organicidade ao sistema, ao qual irão necessariamente se integrar os documentos que vierem a ser legislativamente reconhecidos como tal, pautados por suas regras gerais, que a eles se aplicarão, no que não forem diversamente disciplinados (art. 905 do Projeto)." 10 Por sua vez, Newton de Lucca, em sua obra recém publicada "Comentários ao novo Código Civil - Dos atos unilaterais. Dos Títulos de Crédito", manifestou, inicialmente, entendimento contrário ao afirmar que: "a inovação poderá revelar-se absolutamente inócua, se se levar em consideração que o capítulo do Projeto relativo aos títulos de crédito, consoante repetidos pronunciamentos de seu autor nessa parte, o ilustre e saudoso Professor Mauro Brandão Lopes, apenas destinou-se à possibilidade de criação dos chamados títulos atípicos não podendo suas disposições, em conseqüência, ser aplicadas aos títulos de crédito típicos, tais como duplicatas, notas promissórias, cheques e letras de câmbio Título de crédito no projeto de Código Civil. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. São Paulo : Revista dos Tribunais, ano XIV, n. 100, p Op. cit., p Op. cit., p Comentários do novo Código Civil - Dos atos unilaterais - Dos títulos de crédito, p. 137.

6 LIVIA ROSSI No decorrer de sua obra supra citada, Professor Newton de Lucca, expectador dos calorosos debates travados entre os célebres Mauro Brandão Lopes 12 e Antônio Mercado Jr., conclui que: assim, parece não haver mais dúvida quanto ao exato sentido e correto alcance desse art. 903, a partir das inestimáveis contribuições de Mercado Jr. e Mauro Brandão Lopes: sempre que a lei especial for omissa - e não houver contradição com os seus princípios - poderão ser aplicadas as normas constantes do Título VIII, conforme a dicção do artigo em tela. 13 Desse modo, diante dos entendimentos anteriormente esposados, pode-se concluir que a disciplina geral prevista no novo Código Civil não se aplica aos títulos de crédito típicos, tendo em vista que as respectivas leis de regência de tais títulos são anteriores a ele e, portanto, referida teoria geral não revoga as remissões feitas pelas leis especiais que a precederam. Todavia, respeitadas as remissões feitas pelas respectivas leis de regência aos títulos de crédito típicos, se essa lei especial contiver lacunas ou omissões a serem supridas, compartilha-se do entendimento de que a teoria geral poderá ser utilizada como fonte supletiva, desde que a norma que se pretende aplicar não conflite com o espírito e a lógica do título de crédito, tal como foi delineado pela norma que o criou. Resumindo: praticamente nada foi alterado com relação aos títulos de créditos típicos, ou seja, aqueles regulados em leis especiais, tais como, letras de câmbio, notas promissórias, cheques, duplicatas, títulos rurais e outros, a não ser, por exemplo, a possibilidade de serem criados títulos através de meios eletrônicos ( 3 do art. 889 do NCC), tendo em vista que tal dispositivo não conflita com as normas de regência dos títulos de crédito típicos. Seguindo adiante, ninguém melhor do que o Professor Mauro Brandão Lopes para explicar, resumidamente, quais foram os objetivos do legislador ao tratar no novo Código Civil a respeito dos títulos de crédito: "tem assim a aludida regulamentação dois objetivos básicos: de um lado, estabelecer os requisitos mínimos para título de crédito, ressalvadas as disposições em leis especiais; de outro lado, permitir a criação de títulos atípicos ou inominados. Neste último objetivo está o principal valor do Anteprojeto; regulando ele títulos atípicos, terão estes que se amoldar aos novos requisitos. Os títulos atípicos, que estão indubitavelmente surgindo, encontrarão assim o seu apoio e o seu corretivo no Título VII - apoio porque terão maior força jurídica do que os créditos de direito não-cambiário, embora menor força do que os títulos regulados em leis especiais como a letra de câmbio e a nota promissória; corretivo, porque se evitarão títulos sem requisitos mínimos de segurança, os quais ficarão desautorizados pelo Código Civil. 14 Assim, os próximos tópicos desse estudo servirão para discutir as duas intenções manifestadas pelo legislador, quais sejam: (1 ) fixar os requisitos mínimos dos títulos de crédito, criando, assim, uma teoria geral, que será aplicada, aos títulos típicos, na falta de disposição legal específica; e (2 ) permitir a criação de títulos de crédito atípicos ou inominados, com menos vantagens em relação aos títulos de crédito típicos, reconhecidos em leis especiais, visando, dessa forma, desembaraçar a atuação e a criatividade do meio empresarial. 12 Durante o ciclo de conferências sobre o projeto de Código Civil, ministradas na Associação dos Advogados de São Paulo, in Revista do Advogado n. 20, março/86, o Professor Mauro Brandão Lopes assim esclareceu sobre a sua participação na redação do Título VIII do Projeto de Código Civil: "Consistiu - a convite do professor Miguel Reale, que foi o Supervisor Geral do Projeto - no preparo do texto original, na iniciativa de alguns pontos básicos da revisão de 1973, e no preparo de justificativas de rejeição de emendas propostas na Câmara." 13 Op. cit., p Observações sobre o Livro I, Título VIII ("Dos Títulos de Crédito"). Anteprojeto de Código Civil. 2. Ed. Revisada. Brasília: Ministério da Justiça, 1973, p

7 TÍTULOS DE CRÉDITO 3. DIFICULDADE E UTILIDADE DE CRIAÇÃO DE UMA TEORIA GERAL SOBRE TÍTULOS DE CRÉDITO Discute a doutrina sobre possibilidade de criação de uma doutrina unitária a respeito dos títulos de crédito. Pretende-se, ainda, saber da utilidade da inserção de uma teoria geral dos títulos de crédito no sistema legislativo pátrio, seguindo-se os exemplos do Código Federal Suíço das Obrigações, o Código Civil italiano de 1942, a Lei Geral de Títulos e Operações de Crédito do México de 1932 e, agora, o novo Código Civil brasileiro, no tocante à solução dos problemas surgidos nessa matéria. Segundo Paulo Armínio Tavares Buechele 15, "a teoria geral dos títulos de crédito representa uma totalidade que está em permanente transformação, não apenas pela variação no número de elementos que a compõem (número variável de títulos de crédito), como pela modificação dos próprios elementos específicos, sujeitos às mais variadas influências do comércio nacional e internacional." Prossegue o citado autor: "à Vivante, segundo Ascarelli, cabe principalmente o mérito de haver tentado construir uma teoria unitária do título de crédito, fixando os caracteres comuns dos títulos ao portador, à ordem e nominativos. Entretanto, não foram poucos os tratadistas que revelaram seu receio de que era extremamente difícil - senão impossível - a construção de um sistema sólido, capaz de generalizar princípios comuns às diferentes espécies de títulos existentes. 16 Grandes críticos da oportunidade e utilidade de uma disciplina geral dos títulos de crédito em texto de lei são: Francesco Messineo e Tullio Ascarelli, ao comentarem sobre os dispositivos contidos no art e seguintes do Código Civil italiano. Segundo Messineo, a disciplina geral dos títulos de crédito tem sido ferozmente contestada em razão da falta de congruência entre os princípios nela consagrados e os existentes para os títulos emitidos em série ou em massa; da exagerada relevância atribuída aos chamados títulos de pagamento (títulos abstratos) em prejuízo dos títulos causais; da escassez de normas verdadeiramente gerais e a reduzida margem de aplicação das disposições do Código; da confusão que gera quando correlacionada com as particularidades dos títulos de crédito regidos por lei especial; e finalmente em razão da grande dificuldade do intérprete, fundado somente na teoria geral, de classificar como de crédito, títulos inominados ou atípicos. 17 Para Ascarelli, quando o legislador transporta para as Disposições Gerais o conceito de título de crédito formulado por Vivante, duas hipóteses podem ocorrer. Na primeira delas, ele estaria repetindo, sob designação genérica, as normas especiais de cada um dos títulos de crédito particularmente considerados. Na segunda, o legislador estaria permitindo a livre criação dos chamados títulos atípicos. Continua o ilustre mestre a sustentar que pareceria razoável supor-se que a primeira hipótese seria totalmente inócua, pois a simples repetição de normas gerais, por si só, não passaria de mero deleite didático. Já a segunda hipótese, poderia merecer, à primeira vista, acolhida. No entanto, segundo Ascarelli, a interpretação de que essa disciplina geral destina-se à livre possibilidade de criação de títulos atípicos levar-nos-ia a um "círculo vicioso". 15 Op. cit., p Op. cit., p Manuale di Diritto Civile e Commerciale, Milão: Giuffrè, v. 1972, p. 246.

8 LIVIA ROSSI Conforme afirma Ascarelli, estaríamos regulando um conceito que, na verdade, não existe e que não tem a menor utilidade, pois os títulos de crédito sempre correspondem a uma fattispecie determinada, às quais não se aplicam aquelas disposições gerais. Segundo o mestre, para cogitar-se da aplicação dessas disposições gerais seria necessário, preliminarmente, identificar-se a fattispecie dos títulos de crédito. Se essa disciplina normativa, no entanto, destina-se aos títulos inominados ou atípicos, não há fattispecie possível à qual poder-se-ia aplicar tais disposições gerais. Defendendo a utilidade da criação dessa disciplina geral dos títulos de créditos, temos Antônio Mercado Júnior 18, ao sustentar que: "em sentido contrário, poder-se-ia argumentar com os inconvenientes práticos que decorrem da falta em nosso direito, quanto aos títulos nominativos e os à ordem, de uma disciplina geral, como a existente sobre os ao portador. Essa falta faz com que a lei, ao prever a criação de um novo título, deva regulá-lo pormenorizadamente, mesmo quanto à circulação, se nominativo; e, se à ordem, determine sua sujeição às disposições da Lei Cambial, no que couber, com isso criando uma fonte de dúvidas para o intérprete. O saudoso e ilustre Professor Mauro Brandão Lopes 19 era também outro ferrenho defensor da regulamentação de uma disciplina geral dos títulos de crédito, já tendo se pronunciado sobre o assunto quando ministrou palestra junto à Associação dos Advogados de São Paulo: de qualquer modo, as leis especiais, quando regem determinada matéria, excluem a regulamentação geral, e, de outro lado, a regulamentação geral só se aplica na ausência de lei especial. O que tudo leva à conclusão de que a disciplina geral é uma disciplina que se dirige aos títulos atípicos. (...) Onde não existe uma disciplina geral, um dos títulos é tomado como paradigma. Entre nós, este título paradigma é a letra de câmbio, ou melhor, as duas cambiais: letra de câmbio e nota promissória. E, portanto, a Lei Uniforme de Genebra hoje nos serve como lei paradigma: toda vez que se precisa fazer uma remissão, nós fazemos remissão à Lei Uniforme. E essa remissão é feita com grande dificuldade por brasileiros, como tentarei agora demonstrar. Hoje no Brasil, quando se cria um título novo, recorre-se à Lei Uniforme de Genebra, como remissão. Isto é, remete-se, para determinados institutos, à Lei Uniforme de Genebra. É normal essa remissão, mas sempre imperfeita a sua aplicação. E vou dar exemplos. A Lei de Mercado de Capitais, o seu artigo 5º, parágrafo 5º, criou o título chamado conhecimento de depósito bancário, o CDB. Na disciplina do CDB, este parágrafo 5º diz o seguinte: 'Aplicam-se ao conhecimento de depósito bancário as disposições legais relativas à nota promissória.' Claro. O CDB tem um emitente. Não é um saque contra outrem, é uma promessa de pagamento. Mas, se vamos aplicar ao CDB as normas relativas à nota promissória, temos dificuldades insuperáveis. Pergunto: aplicam-se ao CDB as regras sobre pluralidade de exemplares, que estão na Lei Uniforme de Genebra no artigo 64? Isto é pode-se criar CDB com vários exemplares? A acreditar na remissão feita pela Lei nº 4.728, poder-se-ia fazê-lo, porque aplicam-se ao CDB, no que couber - eu não vejo por que não haveria de caber -, disposições legais relativas à nota promissória. Aplica-se ao CDB a possibilidade, que está na Lei de Genebra, de endosso sem regresso, isto é o endossamento, ao fazer o endosso, exime-se da responsabilidade e pagamento? Ou seja, contra ele teria o portador, eventualmente, direito de regresso? Aplica-se isso ao CDB? A acreditar na remissão, claramente se aplica." Conclui o notável mestre que: "temos então de tal maneira defeituosa nossa regulamentação, que não tenho dúvida de que é necessária uma lei básica, uma disciplina genérica, que sirva de suporte a 18 Observações sobre o anteprojeto de Código Civil, quanto à matéria "Dos títulos de crédito", constante da parte especial, Livro I, Título VIII. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro. São Paulo : Revista dos Tribunais, ano XII, n. 9, p Títulos de crédito atípicos. Ciclo de Conferências sobre o projeto de Código Civil - segunda parte. Revista do Advogado, n. 20. São Paulo: Associação dos advogados de São Paulo, março/198620, p. 25. Revista do Advogado n. 20, p. 24.

9 TÍTULOS DE CRÉDITO todas as remissões de títulos novos. Isto é, os títulos novos devem ser criados com apoio numa regulamentação que só pode ser uma disciplina geral, porque uma disciplina mínima." 20 Não obstante as razões expostas por Messineo e Ascarelli, filia-se à posição defendida por Mauro Brandão Lopes, no sentido de que a disciplina geral dos títulos de crédito é útil à medida que dará as diretrizes para a criação de títulos novos, satisfazendo assim uma aspiração dos empresários, bem como facilitará a vida do legislador dando suporte à remissão dos títulos típicos, nas matérias em que está ausente disposição específica na legislação. 4. CONSIDERAÇÕES SOBRE OS TÍTULOS DE CRÉDITO ATÍPICOS, À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL Quanto à liberdade de criação de títulos de crédito atípicos, pode-se afirmar, desde logo, que esta não só é concebível como, em verdade, é princípio acolhido por diversos ordenamentos, tanto de família romano-germânica como da common law. O que prevalece, de fato, é uma ampla tendência à negação do numerus clausus; quer no direito francês, onde vigora o conceito de effet de commerce, quer no inglês, e sobretudo no italiano, o acolhimento de novos tipos de documentos criados pela praxe comercial é uma possibilidade comum. O direito italiano destaca-se pelo implícito reconhecimento que se deu ali à liberdade de criação de títulos de crédito atípicos. Com efeito, o art do Código Civil de 1942, sob a rubrica "limitação da liberdade de emissão", dispõe que "os títulos de crédito que contêm obrigação de pagar uma soma de dinheiro não podem ser emitidos ao portador, senão nos casos estabelecidos em lei". Assim, admitiu-se, em linha de princípio, tal liberdade de criação de títulos de crédito atípicos, porém foi posta uma limitação, relativamente àqueles que têm por objeto uma soma de dinheiro; com o que se evitou o perigo de que tais títulos pudessem usurpar a função do papel moeda, cuja emissão não pode ser deixada ao arbítrio dos indivíduos. Como já adiantado, o segundo e maior objetivo do legislador brasileiro, ao tratar dos títulos de crédito no novo Código Civil, é a de possibilitar a criação dos chamados títulos de crédito atípicos, ou seja, aqueles que não estão previamente definidos e disciplinados pela própria lei, sendo que, no entendimento de seu redator Mauro Brandão Lopes, aí estaria o principal valor do Projeto. Prossegue Mauro Brandão Lopes 21, ao dissertar sobre o tratamento dispensado pelo Código Civil aos títulos de crédito: "assim, a disciplina geral, que está no Projeto, viria de encontro ao desejo daqueles que acham que mesmo na ausência de disciplina legislativa deve ser possível a criação de títulos de crédito, que neste caso seriam atípicos, porque não seriam nem letras de câmbio, nem promissórias, nem quaisquer outros títulos regulados. O fato é que no Brasil, como foi na Itália, os títulos não regulados, títulos que não têm sanção legislativa, não têm reconhecimento dos tribunais. E ao meu ver, isto fecha a questão: no Brasil, sem legislação específica, não é lícita a criação de títulos de crédito; o documento que se cria, mesmo com a denominação de título de crédito, não será título de crédito, isto é, não terá as características que veremos daqui a pouco." O novo Código, assim, pretendeu instituir uma categoria intermediária de documentação de direitos creditícios, a meio caminho entre os chamados "créditos de direito não-cambiário" - oriundos de negócios jurídicos celebrados por instrumento particular ou público - e os títulos de crédito típicos. 20 Op. cit., p Op. cit., p

10 LIVIA ROSSI Por esse motivo, o tratamento da matéria vem em Título distinto daquele consagrado às declarações unilaterais de vontade, uma vez que os títulos atípicos ou inominados, embora contenham declarações cartulares unilaterais, não se incluem entre os negócios jurídicos relativos a direitos nãocambiários. 22 Segundo Mauro Rodrigues Penteado 23, a opção do legislador ao criar os títulos atípicos ou inominados está baseada nos seguintes preceitos: a) permitir a criação de documentos necessários ao exercício do direito literal e autônomo neles contidos, sem as formalidades previstas para a validade dos atos jurídicos (arts. 104 e 221 do NCC) e que estejam aptos a agregar uma garantia de terceiros, de modo mais ágil e simplificado do que a fiança, porque consubstanciada em simples oposição da assinatura do garante; b) sem ficarem adstritos ao regime igualmente solene e dificultoso da cessão civil de créditos, permitir que esses documentos possam incorporar direitos suscetíveis de transferência por termo, tradição ou endosso, privilegiando, assim, a tendência atual e irreversível, verificada, sobretudo, no campo empresarial, de tornar mais célere e fácil a assunção e a circulação de direitos e obrigações. O que não se pode esquecer é que os títulos inominados ou atípicos não são documentos com vocação de serem produzidos em massa, consistindo, antes, em categoria documental intermediária apta a atender demandas negociais tópicas. Se determinado título atípico criado pela praxe empresarial vier a apresentar interesse significativo, sua utilização mais intensiva por certo se traduzirá em regulamentação própria, através de lei especial, como se deduz pela própria história do direito cartular. Acrescente-se que, esse emprego limitado dos títulos atípicos não apresenta nenhum risco para o mercado de capitais ou para o público em geral, visto que sua colocação e circulação, nele, é vedada pela Lei 6.385/ No mesmo sentido, já se pronunciou Antônio Mercado Júnior 25 : "há que se considerar o risco que a possibilidade de criação, indiscriminada, de novos títulos de crédito, poderia constituir para o público em geral. Esse risco, entretanto, talvez decorre, apenas, de situação transitória, que poderíamos designar, amplamente, como ' conjuntura atual do mercado creditício'. Se assim for, cumpre atender que as regras do Código Civil devem ser de caráter permanente, destinando-se a longa duração e, não, ditadas para resolver situações de momento, por isso mesmo mutáveis em tempo relativamente breve. Isso levaria a concluir pela manutenção, no anteprojeto, do princípio da liberdade de emissão de títulos atípicos ou inominados, ficando à legislação extravagante coibir possíveis abusos." 4.1. Requisitos mínimos e principais características dos títulos de crédito atípicos O "caput" do artigo 889 do novo Código Civil prevê que os títulos de crédito devem conter os seguintes requisitos mínimos: 22 Cf. Mauro Rodrigues Penteado. Op. cit., p Op. cit., p Cf. Mauro Rodrigues Penteado. Ob. cit., p Op. cit., p.117.

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n.

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural Gustavo Ribeiro Rocha A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. 8.929/94, é um documento emitido pelo produtor rural ou por

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Rodrigo Almeida Magalhães Mestre e Doutor em Direito 1- Introdução Baseado no conceito de Cesare Vivante 1, o Código Civil de 2002, em seu art. 887, preceitua o título de crédito,

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO CONCEITO Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br MSN: armindocastro1@hotmail.com Homepage: www.armindo.com.br Cel: 8405-7311 A nota promissória é promessa de pagamento, isto é, compromisso

Leia mais

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei.

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 27 DIREITO CAMBIÁRIO Títulos de Crédito São documentos representativos de obrigações pecuniárias, deve ser escrito, assinado

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO 1 AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO Atualmente, existem cerca de 40 títulos de crédito em circulação no país. Os mais conhecidos são a nota promissória, cheque e duplicata. NOTA PROMISSÓRIA

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR... XV NOTA EXPLICATIVA... XVII CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. A regulamentação dos títulos de crédito pelo Código Civil e por leis especiais 2. Aplicação

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

CHEQUE CARACTERÍSTICA

CHEQUE CARACTERÍSTICA CHEQUE LEI 7357/1985 CONCEITO: Cheque é uma ordem de pagamento à vista, sacada contra um banco e com base em suficiente provisão de fundos depositados pelo sacador em mãos do sacado ou decorrente de contrato

Leia mais

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13

Sumário. xiii. Olho_Willy_Titulos de Creditos.pmd 13 Sumário INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO: SUA HISTÓRIA... 1 1. Origem remota... 3 2. Letra de câmbio na antiguidade... 4 3. Origem lógica... 6 4. Período italiano instrumento de troca... 9 5. Período francês

Leia mais

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : NOTA PROMISSÓRIA Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO - IX. 1. Do crédito:

TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO - IX. 1. Do crédito: TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO - IX 1. Do crédito: - O crédito como um fenômeno econômico importa um ato de confiança do credor ao devedor. O crédito de um é o débito de outro. A venda a prazo e o

Leia mais

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO

AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO AULA 6 23/03/11 A LETRA DE CÂMBIO 1 O CONCEITO A letra de câmbio é uma ordem de pagamento, à vista ou a prazo, emitida pelo sacador contra o sacado, devendo este último efetuar o pagamento ao beneficiário

Leia mais

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito:

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial 1. Títulos de Crédito: Critérios de Classificação: Estrutura: - sacador = dá a ordem, emite o título; - sacado = destinatário

Leia mais

Cheque Aulas 22 a 24

Cheque Aulas 22 a 24 Cheque Aulas 22 a 24 1. NORMATIZAÇÃO: Lei 7.357/85 que absorveu as regras contidas na Lei Uniforme sobre Cheques. Resoluções do Banco Central do Brasil, tomadas por deliberação do Conselho Monetário Nacional,

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO O direito cambiário é o que tem por objeto o estudo dos títulos de crédito. Estes títulos são documentos representativos da obrigação de pagar uma determinada quantia em dinheiro,

Leia mais

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA 1 INTRODUÇÃO No estudo da matéria títulos de crédito, torna-se imprescindível a análise daqueles elementos que, não obstante não fazerem parte da essência

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Empresarial - Títulos de crédito em espécie e falência / aula 07 Professor: Wagner Moreira. Conteúdo: Ações Cambiais / Monitoria / Cédulas e Notas de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 24 09/10/2015 Títulos de Crédito Teoria Geral. ***Necessidade de Circular Riquezas de forma rápida e

Leia mais

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera.

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera. 1 Títulos de Crédito em face da Revolução Eletrônica Karine Paola Vasconcelos Costa,aluna do curso de Direito-manhã, 5º período,do Centro Universitário Newton Paiva. Diante a banalização da ciência da

Leia mais

(Artigo publicado no Jornal da Associação Nacional dos Procuradores da República nº 25, de Julho de 2004

(Artigo publicado no Jornal da Associação Nacional dos Procuradores da República nº 25, de Julho de 2004 Parece. Mas não é! Um princípio de Direito Comercial Marcelo Moscogliato (Artigo publicado no Jornal da Associação Nacional dos Procuradores da República nº 25, de Julho de 2004 www.anpr.org.br) Escrevo

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Uso do Cheque na Compra e Venda Gilmar Roberto Duarte Ferreira* Introdução Pretende-se, nestas parcas linhas, abordar eventual prática abusiva, consoante desrespeito à norma instituída,

Leia mais

Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S

Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S Índice Introdução..3 O que é um banco e a importância da actividade bancária no desenvolvimento de outras actividades. 4 Operações de credito 5 Tipos de contas

Leia mais

NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES. Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS

NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES. Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS NOTAS SOBRE OS EMPRÉSTIMOS POR DEBÊNTURES OSCAR FONTES TORRES Oficial do Registro de Imóveis da 8.ª Circunscrição da Capital I - LEIS REGULADORAS Os empréstimos por meio de obrigações ao portador, chamadas

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

Contratos em língua estrangeira

Contratos em língua estrangeira BuscaLegis.ccj.ufsc.br Contratos em língua estrangeira Marcelo Camargo de Brito advogado em São Paulo (SP), atuante nas áreas cível e empresarial, pós-graduando em Direito Tributário pela UNAMA/LFG/IOB/UVB

Leia mais

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Antônio Carlos Cintra do Amaral Indaga-me a Consulente se pode estabelecer, em contrato de empreitada para execução de obras e serviços em

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.731, DE 2009 Altera as Leis n.ºs 8.218, de 29 de agosto de 1991, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, para permitir a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento Tanto o exportador como o importador devem evitar os riscos de natureza comercial a que estão sujeitas as transacções internacionais. Ao

Leia mais

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil 1 O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS (material preparado para reunião do Comitê Societário do CESA julho 2011) Autor: Renato Berger LIVRO I DA EMPRESA TÍTULO I

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF Solução de Consulta Interna nº: 7 SRRF03/Disit Data: 06 de outubro de 2011

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único)

SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL. Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) Carga Horária Período Semestre (único) SUGESTÃO PARA O DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE ENSINO DE DIREITO COMERCIAL Da especificação dos temas do programa proposto para o Semestre (único) A dicotomia do Direito

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Decreto n.º 43454 de 30 de Dezembro de 1960 1. O artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 42 900, de 5 de Abril de 1960, previu nova modalidade de renda vitalícia

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

www.opiceblum.com.br

www.opiceblum.com.br www.opiceblum.com.br Aspectos legais da eliminação de papel: ambiente assistencial e administrativo Caio César Carvalho Lima caio@opiceblum.com.br Caio César Carvalho Lima Advogado Associado do Opice Blum,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre. CH total: 72h

DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre. CH total: 72h DISCIPLINA: Direito Empresarial SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR131 1. EMENTA: Histórico. Conceito. Características. Empresário: qualidade, prerrogativas

Leia mais

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO

CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D. 40 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 PERÍODO: 7º NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) Estabelece procedimentos para a remessa, temporária ou definitiva, de amostra de componente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

PARECER SUCINTO SOBRE OBRIGATORIADADE DA APRENDIZAGEM. NÚMERO DE QUOTISTAS INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 429 DA CLT.

PARECER SUCINTO SOBRE OBRIGATORIADADE DA APRENDIZAGEM. NÚMERO DE QUOTISTAS INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 429 DA CLT. PARECER SUCINTO SOBRE OBRIGATORIADADE DA APRENDIZAGEM. NÚMERO DE QUOTISTAS INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 429 DA CLT. Em primeiro lugar convém remeter à regra básica, da CLT, relativamente ao tema da aprendizagem.

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.173 - MT (2010/0215316-5) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : SIRIANNI E SIRIANNI LTDA ADVOGADO : MARCELO MARTINS DE OLIVEIRA RECORRIDO : ELÉTRICA SERPAL

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Programa de Pós-Graduação em Direito Processual Civil Tema: TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS 1 I - CONCEITO a) Espécie de procedimento (de conhecimento) Processo de Conhecimento Procedimento Comum

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos

1. Formalidade versus informalidade e a perspectiva dos Direitos Humanos 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-38 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Títulos

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 01/2007/SAD/EG, DE 14 DE MARÇO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 01/2007/SAD/EG, DE 14 DE MARÇO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 01/2007/SAD/EG, DE 14 DE MARÇO DE 2007 Disciplina critérios de apresentação de certificados, diplomas e demais documentos comprobatórios de formação educacional, para fins

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL

PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Ordem dos Advogados do Brasil IV EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO EMPRESARIAL PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 5.678, DE 2013. Acrescenta parágrafo ao art. 477 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow Swiss High Security Identity Solutions Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow SWISSCAM (Comitê Jurídico) 8 de maio de 2009 Fatores de segurança jurídica Condicionantes legislativas,

Leia mais

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA

AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA AULA 5 SOCIEDADE LIMITADA Introdução A sociedade decorre de um contrato entre pessoas que contribuem com bens e serviços para o exercício de determinada atividade visando a partilha de resultados. A Sociedade

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais