Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP)."

Transcrição

1 Unidade I: Cálculo da idade gestacional (IG) e da data provável do parto (DPP). Parte I: Primeiramente abordaremos o cálculo da idade gestacional (IG), que tem o objetivo de estimar o tempo da gravidez ou a idade da gestação. Qual é a definição da idade da gestação? A idade da gestação é o tempo transcorrido entre o primeiro dia de sangramento do último período menstrual (DUM) até a data atual, o que corresponde ao dia em que está realizando o cálculo. Como obter a DUM? A DUM, principal informação a qual se baseia para o cálculo da IG, é um dado obtido durante a anamnese, onde ocorre o levantamento de informações sobre a gestante por meio de uma entrevista orientada. Além disso, é importante que você indague sobre a duração habitual dos ciclos menstruais da mulher, pois para a utilização correta da DUM para o cálculo da IG, é necessário que sejam regulares. Também é importante que ela demonstre certeza ao referir a data, porém isso ocorre em apenas 18% das gestantes. Você deve considerar alguns pontos para que a DUM seja valorizada: 1. Investigar cuidadosamente a informação referida pela gestante relacionada ao 1º dia do último período menstrual: Coincidiu com a data provável para sua ocorrência? A menstruação apresentou as mesmas características das menstruações habituais, especialmente quanto ao volume e duração? 2. Indagar sobre anticoncepção hormonal; pois as menstruações precedidas de anticoncepção hormonal freqüentemente não obedecem ao ritmo intermenstrual normal. A DUM tem pouca confiabilidade nas mulheres que engravidaram utilizando anticoncepção hormonal.

2 3. Excluir a hemorragia de nidação (perda hemorrágica discreta e de pequena duração, que ocorre cerca de 21 dias após o início da última menstruação normal). Essa perda ao ser confundida com menstruação pode levar a erros quanto à IG. Caso você interprete que o sangramento ocorrido na data referida corresponda à hemorragia de nidação, deverá descartar essa data e considerar a anterior. Como calcular a Idade Gestacional (IG), utilizando-se o parâmetro DUM? Simularemos algumas situações... Situação nº 1 - A gestante refere ciclos menstruais regulares, nega uso de anticoncepção hormonal e conhece a DUM: Utilizando o calendário... Você deve somar os dias entre o primeiro dia da última menstruação e o dia atual e dividir o resultado por sete. O resultado corresponde ao número de semanas e o resto ao número de dias além da referida semana. Acompanhe o exemplo: A gestante refere ciclos menstruais regulares, nega uso de anticoncepção hormonal e DUM em 20/09/2008. A data da consulta é 15/04/2009. Qual é a IG nessa data? A partir de 20/09/2008 você deve somar os dias que se passaram até o dia 15/04/2009.

3 Setembro 10 (dias que faltam para terminar o mês) Outubro 31 Novembro 30 Dezembro 31 Janeiro 31 Fevereiro 28 Março 31 Abril 15 (data da consulta) Você obtém o total de 207 que dividido por sete (para expressar a IG em semanas) resulta em 29, restando 4. Sendo assim, a IG no dia da consulta é de 29 semanas e 4 dias ou 29 semanas e 4/7 (quatro dias de uma semana), ou seja, faltam 3 dias para completar 30 semanas de gestação. Utilizando o disco gestacional ou gestograma... Fonte: Você deve colocar a seta sobre o dia e o mês correspondente à DUM e observar o número de semanas indicado no dia e mês da consulta atual. Situação nº 2 A gestante não sabe referir a DUM, porém conhece o período do mês em que ela ocorreu.

4 Nesse caso, você deve considerar as seguintes datas: Dia 05 (período mencionado foi no início do mês); Dia 15 (período mencionado foi no meio do mês); Dia 25 (período mencionado foi no final do mês). Com a definição da DUM, você deve realizar o cálculo da IG, de acordo com o método escolhido. Situação nº 3 A gestante não sabe referir a data e o período da última menstruação. O que fazer nessa situação? Inicialmente, a IG será determinada por aproximação e você pode utilizar os seguintes parâmetros: Utilizando parâmetros clínicos... Medida da altura do fundo uterino: De acordo com a localização do fundo uterino existe uma determinação da IG aproximada. Exemplificando: Quando o útero alcança a altura da cicatriz umbilical corresponde aproximadamente à metade da gravidez (20 semanas de amenorréia) Toque vaginal: Até a sexta semana de gestação, não ocorre alteração do tamanho uterino. Na oitava semana, o útero corresponde ao dobro do tamanho normal e na décima semana, o tamanho do útero é três vezes maior do que o habitual. Fonte:www.gineco.com.br/toque.htm

5 Movimentação fetal: Você deve perguntar quando a gestante começou a perceber a movimentação fetal. Nas multíparas (mulheres que tiveram vários partos) ocorre entre a 16ª e a 20ª semanas de gestação e, nas primigestas (mulheres que engravidam pela primeira vez), por volta da 20ª semana. No entanto, essa informação tem valor relativo, pois depende da percepção da gestante. Batimentos cardíacos: A audibilidade dos batimentos cardíacos fetais (bcf) inicia-se a partir da 10ª semana de gestação com a utilização do sonar-doppler e a partir da 16ª semana, quando se emprega o estetoscópio de Pinard. Como calcular a Idade Gestacional (IG), utilizando-se o parâmetro: exame de ultra-som? Primeiramente, é importante salientarmos que, o coeficiente de acerto para datar a gestação, depende do período gestacional em que é realizada. De uma maneira geral ocorre o seguinte: Trimestre gestacional Coeficiente de acerto 1º de ± uma semana 2º de ± duas semanas 3º de ± três semanas É importante que você memorize que quanto mais precocemente for realizada a USG, menor a margem de erro para estimar a IG.

6 Acompanhe o exemplo: Em 20 de outubro de 2009, a gestante M.I.,comparece à unidade de saúde para consulta pré-natal, trazendo consigo o laudo do exame de ultra-som, realizado em 11 de agosto de 2009: Gestação de 12 semanas. Qual é a IG no dia da consulta, utilizando o parâmetro ultra-som? Uma das formas de calcular a IG, utilizando o parâmetro ultra-som é a seguinte: A partir de 11/08/2009, você deve somar os dias que se passaram até o dia 20/10/2009. Agosto 20 (dias que faltam para terminar o mês) Setembro 30 Outubro 20 (data da consulta) Você obtém o total de 70 que dividido por sete (para expressar a IG em semanas) resulta em 10. O próximo passo é acrescentar 12 semanas (laudo do exame) às 10 semanas obtidas. Dessa forma, a IG pelo ultra-som em 20/10/2009 é: 22 semanas.

7 Parte II - Dando continuidade, abordaremos o cálculo da data provável do parto (DPP), que tem o objetivo de estimar a data provável do nascimento. Qual é a duração da gestação? Tendo por base a DUM, a duração da gestação, em média, é de 280 dias, 40 semanas ou 10 meses lunares. É importante que você relembre as seguintes definições Gestação de termo: compreendida entre 37 semanas completas e 42 semanas incompletas. Gestação pré-termo: aquela com duração inferior a 37 semanas completas. Gestação pós-termo: aquela com duração igual ou superior a 42 semanas completas. Como calcular a data provável do parto (DPP)? Utilizando o calendário... Considerando a duração média da gestação normal (280 dias ou 40 semanas) você deve a partir da DUM, contar 280 dias ou as semanas até completar 40 semanas, estabelecendo dessa forma, a DPP (parâmetro DUM). Você pode também calcular a DPP, utilizando o parâmetro ultra-som. Verifique a data em que o exame foi realizado e as semanas de gestação que constam

8 no laudo. A partir destes dados, você deve contar as semanas até completar 40 semanas, estabelecendo dessa forma, a DPP pelo ultra-som. Utilizando o disco gestacional ou gestograma... Fonte: Você deve colocar a seta sobre o dia e o mês correspondente à DUM e observar a seta na data (dia e mês) indicada como DPP. Utilizando a Regra de Naegele... Como fazer? Você deve acrescentar sete dias, ao primeiro dia da última menstruação e adicionar nove meses, ao mês em que ocorreu a última menstruação (caso corresponda aos meses de janeiro a março) ou subtrair três meses (caso corresponda aos meses de abril a dezembro). Obs: Alguns recomendam, em vez de 7, acrescentar dez dias, caso a gestante seja primigesta, uma vez que o início do trabalho de parto, nesse caso, é mais prolongado, porém consideraremos 7. Veja alguns exemplos. Acompanhe passo a passo Situação nº 1 - A gestante refere DUM em 19/02/2009.

9 Ao primeiro dia da última menstruação (dia 19) soma-se 7 e ao mês (fevereiro que corresponde ao mês 2), adiciona-se 9. Dessa forma, temos: DUM: 19/02/2009 DPP: 26/11/2009 (permaneceu o mesmo ano) Situação nº 2 - A gestante refere DUM em 23/04/2009. Ao primeiro dia da última menstruação (dia 23) soma-se 7 e ao mês (abril que corresponde ao mês 4), subtraem-se 3. Dessa forma, temos: DUM: 23/04/2009 DPP: 30/01/2010 (passou para 2010) Situação nº 3 - A gestante refere DUM em 25/05/2009. Ao primeiro dia da última menstruação (dia 25) soma-se 7. Porém nesse caso, ao somar 7, ultrapassou o mês. Então, você deve considerar em vez de maio, o mês de junho (que corresponde ao mês 6) e dar continuidade ao cálculo da DPP. Dessa forma, temos: DUM: 25/05/2009 DPP: 01/03/2010 (passou para 2010) Memorize a seguinte observação Se na soma dos sete dias o resultado ultrapassar o mês, considerar o mês seguinte para adicionar nove ou subtrair três, dependendo do mês referido pela gestante.

10 Finalizando o conteúdo desta unidade, para o cálculo da IG e da DPP, é importante que você obtenha os dados corretamente, saiba interpretá-los, tenha atenção e pratique.

11 Fontes consultadas: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Prénatal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada Brasília: Ministério da Saúde, 2005, 158p. (Normas e Manuais Técnicos) NEME, B. Obstetricia Básica. 3ed. São Paulo:Sarvier, 2005,1406p. REZENDE, J. Obstetricia. 10ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2005, 1588p.

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação;

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação; Assistência Pré-Natal OBJETIVO DO PRÉ-NATAL Garantir o bom andamento das gestações de baixo risco e também o de identificar adequada e precocemente quais as pacientes com mais chance de apresentar uma

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de administração da medicação Misoprostol via vaginal. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

Comparação de Medidas de Idade Gestacional

Comparação de Medidas de Idade Gestacional Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Comparação de Medidas de Idade Gestacional Marcia Furquim de Almeida FSP-USP Ana Maria Rigo Silva CCS-UEL Gizelton Pereira Alencar FSP-USP Tiemi Matsuo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde da Mulher Carga Horária: Teórica: 75h Pratica: 60 h Total: 135 h Semestre: 2013.1 Professor:

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO

PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO Situação no Brasil Redução na mortalidade materna desde 1990. Neste ano, a razão de mortalidade materna (RMM) corrigida era de 140 óbitos por 100 mil nascidos vivos (NV), enquanto

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL MINISTÉRIO DA SAÚDE ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Normas e Manuais Técnicos 2000 Ministério da Saúde Tiragem: 50 exemplares MINISTRO DA SAÚDE José Serra SECRETÁRIO DE POLÍTICAS DE SAÚDE João Yunes DEPARTAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. PRÉ-REQUISITOS: Técnica Operatória (CIR 032), Semiologia II (CME 037) e Patologia Geral (PAT 020)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. PRÉ-REQUISITOS: Técnica Operatória (CIR 032), Semiologia II (CME 037) e Patologia Geral (PAT 020) FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Av. Eugênio do Nascimento s/nº Bairro: Dom Bosco Juiz de Fora - CEP: 36038-330 TEL (32) 2102-3841 FAX (32)2102-3840 e-mail: secretaria.medicina@ufjf.edu.br

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

MATERNO INFANTIL Da D yse s Am A a m rilio Enfª Obs O t bs etra SE S S S 201 1 201

MATERNO INFANTIL Da D yse s Am A a m rilio Enfª Obs O t bs etra SE S S S 201 1 201 MATERNO INFANTIL Dayse Amarilio Enfª Obstetra SES 2011 ANATOMIA E FISIOLOGIA A regulação Hipotálamo hormonal é Hipófise (anteriorcontrolada por FSH, LH e três estruturas prolactina/posterior ocitocina)

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 3884/2013 ASSUNTO: VITALIDADE EMBRIONÁRIA À ULTRASSONOGRAFIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO HELVÉCIO NEVES FEITOSA. EMENTA: Em embriões

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7% PROTOCOLO - OBS - 016 DATA: 23/11/2004 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITO É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Manual Técnico

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Manual Técnico ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Manual Técnico MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA 2000 MINISTRO DA SAÚDE José Serra SECRETÁRIO DE POLÍTICAS DE SAÚDE João Yunes DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS Ana Figueiredo

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde da Mulher Ano letivo 2011 Série 3º Carga Horária Total 144 h/a T 90 h/a P 54 h/a Professora: Catarina

Leia mais

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007)

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Leusink GL, Oltheten JMT, Brugemann LEM, Belgraver A, Geertman JMA, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ

VIGILÂNCIA NA GRAVIDEZ Em função da idade gestacional Obedece ao esquema proposto pelo SNS Valoriza os elementos a colher em função da idade gestacional Tempo de Gestação 1º Trimestre (1ª-13ªS) ACTIVIDADES (Elementos a recolher

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017.

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017. CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017 Agendamento Data Hora Nome do profissional Sala CARTA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins ABORTAMENTO Profª Drª Marília da Glória Martins Definições É a interrupção espontânea ou provocada de concepto pesando menos de 500 g [500 g equivalem, aproximadamente, 20-22 sem. completas (140-154 dias)

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 018 / 2011 Assunto: Massagem uterina para auxílio da involução uterina. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de massagem uterina para auxílio da involução uterina por

Leia mais

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014)

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Meijer LJ, Bruinsma ACA, Pameijer AS, Hehenkamp WJK, Janssen CAH, Burgers JS, Opstelten W, De Vries CJH traduzido do original

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS XXIII JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA V CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS Prof. Dr. José Maria

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professores: Aires Roberta Brandalise e Wanderléia Tragancin Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

Raniê Ralph GO. É importante uma anamnese bem feita para saber qual o motivo da prática da anticoncepção.

Raniê Ralph GO. É importante uma anamnese bem feita para saber qual o motivo da prática da anticoncepção. 24 de Setembro de 2008. Professora Helane. Anticoncepção não hormonal 1) Métodos naturais Aqueles que podem ser utilizados sem nenhuma técnica natural. Todo médico deve conhecer. Comportamentais Calendário

Leia mais

INTERNATO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Programa de Atividades Terceiro Trimestre 2012

INTERNATO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Programa de Atividades Terceiro Trimestre 2012 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INTERNATO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

Leia mais

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU)

DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) DISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU) É muito eficaz, reversível e de longa duração A eficácia e eventuais complicações dependem, em grande parte, da competência do técnico Alguns dispositivos podem permanecer

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

GESTANTE C A R TÃ O D A. Nome: Endereço: Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO

GESTANTE C A R TÃ O D A. Nome: Endereço: Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO C A R TÃ O D A GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Município: U.F. Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO DATA Ambulatório Médico do Santa Casa Saúde Av.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF - 209 Pré-requisito:

Leia mais

Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério

Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério 2ª Edição SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 2006 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador Aécio Neves da Cunha SECRETARIA DE ESTADO

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Figura 1: US endovaginal mostrando região anexial uterina à direita Figura 2: US endovaginal mostrando útero e fundo de saco, em corte longitudinal Enunciado

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA:

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA: UNIDADE - 02 CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA: MÓDULO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Reitor Natalino Salgado Filho Vice-Reitor Antonio José Silva Oliveira Pró-Reitoria de Pesquisa

Leia mais

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti Gestação Detectando o Risco Dra Ivete Teixeira Canti Pré-Natal: Objetivos Melhorar os resultados perinatais, reduzindo a morbi- mortalidade materna e perinatal Preservar a saúde física e mental da gestante

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

Parte 1 Pré-Natal O cuidado á gestante

Parte 1 Pré-Natal O cuidado á gestante Parto-Normal Parte 1 Pré-Natal O cuidado á gestante 15 ENFERMAGEM OBSTÉTRICA 16 Parto-Normal O processo de gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais que cada mulher vivencia de forma distinta.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular III Serviços Hospitalares JULIANA CORREIA DE HOLANDA CAVALCANTI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

Leia mais

Assistência Pré-natal ORIENTAÇÕES GERAIS E QUEIXAS COMUNS

Assistência Pré-natal ORIENTAÇÕES GERAIS E QUEIXAS COMUNS Assistência Pré-natal ORIENTAÇÕES GERAIS E QUEIXAS COMUNS Organização da Assistência Pré-Natal Pré-natal de Baixo Risco Unidades Básicas de Saúde Pré-natal de Alto Risco Centro de Especialidades Médicas

Leia mais

Realizar atividades educativas de prevenção ao câncer uterino e mamário.

Realizar atividades educativas de prevenção ao câncer uterino e mamário. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 60h Créditos:

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno Teste Pré-Natal Não Invasivo em Sangue Materno Teste para a Detecção das Síndromes de Down, Edwards, Patau e Turner (e outras alterações cromossómicas do feto) Sem riscos para a mãe ou para o feto Panorama

Leia mais

Aborto. Douglas Blanco

Aborto. Douglas Blanco Aborto Douglas Blanco Gravidez Indesejada Hoje em dia o principal motivo do aborto é a gravidez indesejada. A gravidez em adolescente pode ser considerado um exemplo, pois o mundo dos adolescentes se resumi

Leia mais

CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA

CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA 1) Na assistência a epsiotomia mediana: I Apresenta maior risco de lesão de estruturas vizinhas II Menos dor e melhor cicatrização III Reparo mais fácil (Epsiorrafia) Qual

Leia mais

CRINONE progesterona Merck S/A Gel vaginal 8 %

CRINONE progesterona Merck S/A Gel vaginal 8 % CRINONE progesterona Merck S/A Gel vaginal 8 % Apresentação Gel vaginal a 8%. Caixa com 7 ou 15 aplicadores preenchidos descartáveis de uso único. Cada aplicador libera 1,125 g de gel, equivalente a 90

Leia mais

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA Às gestantes do Ipojuca O Programa Mãe Coruja é uma grande conquista das mulheres de Pernambuco. E no Ipojuca, um avanço da administração municipal em busca de melhor assistir,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002 1 CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DAS PARTEIRAS/ICM COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA O EXERCÍCIO BÁSICO DA OBSTETRÍCIA/2002 INTRODUÇÃO A Confederação Internacional das Parteiras (ICM) é uma federação de associações

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

O que é a sexualidade?

O que é a sexualidade? O que é a sexualidade? Desde cedo, tendo em conta as características do nosso corpo, é-nos atribuído um sexo: Possuem um pénis. Masculino Feminino Possuem uma vagina. Caracteres sexuais primários Apresentam

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL DE ANTICONCEPÇÃO.

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL DE ANTICONCEPÇÃO. Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ MÉDICO; 01 CÓPIA P/ PACIENTE. -VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO CONCORDANDO COM A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVO INTRA-UTERINO COMO MÉTODO REVERSÍVEL

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Sem Certificação Técnica Módulo: 01

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Sem Certificação Técnica Módulo: 01 Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho de Jales Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Saúde,

Leia mais

Saúde da Mulher. Kellisantos.edu@gmail.com. Kelli Santos

Saúde da Mulher. Kellisantos.edu@gmail.com. Kelli Santos Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kellisantos.edu@gmail.com Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: RELATOR: Fertilização in vitro Gestação de substituição Cons. José Hiran da Silva Gallo EMENTA: A doação temporária do

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

NORMALIDADE E MULHERES QUE PRECISAM DE :

NORMALIDADE E MULHERES QUE PRECISAM DE : GRAVIDEZ PARTO E PUERPÉRIO NORMALIDADE E MULHERES QUE PRECISAM DE : ATENÇÃO ESPECIAL 1º trimestre Percepção sobre a gravidez Pode ocorrer bem antes: exame clínico menstruação Percepção sobre a gravidez

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência.

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. A Rede Cegonha instituída em junho de 2011 consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE: um elo fundamental. PREGNANT CARD: a fundamental elo

CARTÃO DA GESTANTE: um elo fundamental. PREGNANT CARD: a fundamental elo CARTÃO DA GESTANTE: um elo fundamental PREGNANT CARD: a fundamental elo Kívia Costa SALES 1 ; Priscilla Alekianne Soares do Nascimento SEMENTE 2, Eliana Regina Lima FERNANDES 3. 1-Especialização em Auditoria

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Évelyn Traina O abortamento é definido como a interrupção da gravidez antes de atingida a viabilidade fetal. A Organização Mundial da Saúde estabelece como limite para

Leia mais

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

Introdução. Enfermagem Obstétrica Diretrizes Assistenciais

Introdução. Enfermagem Obstétrica Diretrizes Assistenciais Introdução 1 ENFERMAGEM OBSTÉTRICA 2 Introdução Enfermagem Obstétrica Diretrizes Assistenciais 1 ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito Eduardo Paes Secretaria Municipal

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

Artigo. Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino. Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO

Artigo. Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino. Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO Artigo Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO O estudo teve como objetivo geral compreender a percepção

Leia mais

Guia do Professor Atividade - Regulação neuro-endócrina do ciclo menstrual

Guia do Professor Atividade - Regulação neuro-endócrina do ciclo menstrual Guia do Professor Atividade - Regulação neuro-endócrina do ciclo menstrual Caro Professor, O principal objetivo do projeto RIVED é oferecer aos professores do Ensino Médio novos recursos didáticos, em

Leia mais

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTAMENTO INCOMPLETO Montenegro, Rezende Filho, 2013.

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar.

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto?

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO Nº 16, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2004. Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Obstetrícia e Ginecologia.

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA. Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges

SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA. Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges SUMÁRIO - TEXTOS OBSTETRÍCIA Módulo 1 - A Tecnologia da Ultra-sonografa 9 PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRA-SOM 10 Walter Pereira Borges Módulo 2 - Ultra-sonografa da Gestação Inicial 23 USG NA GRAVIDEZ INCIPIENTE

Leia mais

Importância das Intervenções de Enfermagem no Período Pré-Natal

Importância das Intervenções de Enfermagem no Período Pré-Natal ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM Discente: Maria dos Santos Lopes Nascimento Importância das Intervenções de Enfermagem no Período Pré-Natal Mindelo, Dezembro 2014 Memoria Monográfica apresentada

Leia mais

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom!

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom! 12 e 13 semanas Dia de ultrassom é sempre bom! Agora com 12 semanas de gestação faremos um exame de ultrassonografia. Ver o bebê na barriga através da imagem me dá uma sensação de proximidade com ele.

Leia mais