UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA"

Transcrição

1 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino Superior, federais e estaduais, da região Sudeste do Brasil, que oferecem licenciatura em Matemática. A pesquisa mostrou uma predominância de disciplinas da área de Informática e Computação em detrimento de disciplinas da área de Informática Educativa. Este resultado levou à proposta de cinco temáticas a serem trabalhadas nas licenciaturas em Matemática, visando proporcionar aos licenciandos o desenvolvimento de competências e habilidades quanto ao uso pedagógico das Tecnologias de Informação e Comunicação. Essas temáticas são desmembradas em tópicos e diversos deles já foram vivenciados em duas experiências pedagógicas, mostrando assim, a aplicabilidade do que está sendo proposto. Palavras-chave: Tecnologias de Informação e Comunicação, Formação de Professores, Matemática 1. Introdução Na educação escolar, a complexidade da era atual requer do professor uma nova postura. É necessário que este encontre caminhos, coerentes com a realidade atual, que conduzam a uma educação que incentive a autonomia, a criatividade, a solidariedade, a iniciativa, a cooperação e o respeito à liberdade (MORAES, 1998). As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), segundo Ponte, Oliveira e Varandas (2003), podem colaborar com o professor na criação de situações de aprendizagem estimulantes, favorecendo, também, a diversificação das possibilidades de aprendizagem. No entanto, é preciso uma formação adequada para que o professor possa utilizar criticamente as TIC como recurso pedagógico, o que deve começar já nas licenciaturas. Segundo Sette, Aguiar e Sette (1999), o desafio que se impõe a estas é que sejam capazes de formar profissionais que não só possuam um certo domínio das TIC, mas também tenham condições de incorporá-las ao processo de ensino e aprendizagem. Nesse contexto propomos cinco temáticas a serem trabalhadas nas licenciaturas em Matemática, visando proporcionar aos licenciandos o desenvolvimento de competências e habilidades, enquanto futuros professores, quanto ao uso pedagógico das TIC no processo de ensino e aprendizagem. A opção pelas Licenciaturas em Matemática foi devido à formação e experiência profissional das autoras deste artigo. A proposta dessas temáticas decorre da análise de grades curriculares e ementas de disciplinas, levantadas através de uma pesquisa feita nas Instituições de Ensino Superior (IES), federais e estaduais, da região Sudeste do Brasil que oferecem licenciatura em Matemática. Essa análise mostrou a predominância de disciplinas direcionadas a conhecimentos específicos de Informática e Computação em detrimento de disciplinas da área de Informática Educativa.

2 2 Este artigo está estruturado em 4 seções, além dessa introdução. Na seção 2, apresentamos a análise dos resultados da pesquisa nas licenciaturas em Matemática, sendo, para tanto, proposta uma classificação das disciplinas que contemplam o uso das TIC, em duas categorias. Na seção 3, apresentamos as cinco temáticas, listamos tópicos pertencentes a cada uma delas e relacionamos as mesmas com as duas categorias propostas na seção 2. Na seção 4, identificamos diversos tópicos das referidas temáticas em duas experiências pedagógicas realizadas, visando mostrar a aplicabilidade do que está sendo proposto. Finalizando, a seção 5 apresenta algumas considerações finais sobre o tema. 2. Análise dos resultados da Pesquisa nas Licenciaturas em Matemática na Região Sudeste do Brasil Na região Sudeste do Brasil, 29 IES federais e estaduais oferecem licenciatura em Matemática. No entanto, no âmbito da pesquisa realizada não foram obtidas as grades curriculares e ementas das 2 IES do estado do Espírito Santo, de 1 do Rio de Janeiro e de 1 de Minas Gerais. Portanto, o escopo da pesquisa ficou reduzido a 25 IES. A grade curricular e as ementas não demonstram toda a realidade dos cursos, mas são instrumentos do planejamento que possibilitam, pelo menos, uma visão macro do que é planejado e pretendido pelos mesmos. Analisando-as foi possível perceber que as disciplinas que contemplavam o uso das TIC poderiam ser agrupadas em duas categorias: disciplinas da área de Informática e Computação e disciplinas da área de Informática na Educação (BARCELOS, 2004). Categoria 1: Disciplinas da área de Informática e Computação Nesta categoria enquadram-se disciplinas que tenham algum(ns) do(s) objetivo(s) apresentados no Quadro 1. Quadro 1: Objetivos das Disciplinas da Categoria 1 Objetivos Usar computadores de forma competente, para produzir coisas simples como pôsteres, faixas, cartazes, convites, calendários e desenhos. Utilizar processadores de texto, editores de texto matemáticos, bem como criar e usar um banco de dados ou uma planilha eletrônica. Usar serviços oferecidos pelas redes de computadores e produzir páginas a serem disponibilizadas na Internet. Projetar, programar e avaliar algoritmos simples para problemas orientados a tarefas elementares. Transformar seus algoritmos em programas de computador. Exemplos de algumas disciplinas desta categoria encontradas nas grades curriculares das licenciaturas do escopo da pesquisa: Computação I, Programação de Computador, Introdução a Ciências da Computação, Informática Básica, Introdução a Programação I.

3 3 Categoria 2 : Disciplinas da área de Informática na Educação Nesta categoria enquadram-se disciplinas que tenham algum(ns) do(s) objetivo(s) apresentados no Quadro 2. Quadro 2: Objetivos das Disciplinas da Categoria 2 Objetivos Investigar Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas à Educação Matemática, identificando suas vantagens e desvantagens de acordo com o contexto. Provocar mudança de postura didática do professor face às ferramentas tecnológicas de apoio. Avaliar e utilizar softwares educacionais de Matemática voltados para o Ensino Fundamental e Médio. Criar projetos que utilizem Tecnologias de Informação e Comunicação na construção de conhecimentos matemáticos. Exemplos de algumas disciplinas dessa categoria encontradas nas grades curriculares das licenciaturas do escopo desta pesquisa: Informática na Educação, Informática e Novas Tecnologias Aplicadas ao Ensino de Matemática, Informática Aplicada à Matemática. A importância da presença de disciplinas das categorias 1 e 2 nas licenciaturas em Matemática se justifica, entre outros fatores, pelo fato de que, no Brasil, as Diretrizes Curriculares para Formação de Professores da Educação Básica em nível superior - curso de licenciatura de graduação plena (CNE/CP-1, 2002) destacam a necessidade do preparo para o uso de Tecnologias da Informação e da Comunicação e de metodologias, estratégias e materiais de apoio inovadores. A Figura 1 mostra a existência de disciplinas das categorias citadas, nas IES do escopo da pesquisa. Figura 1: Presença de disciplinas das categorias 1 e 2 Em cada uma das 25 licenciaturas em Matemática foi verificada apenas a existência, ou não, de disciplinas de cada categoria (não contabilizamos, portanto, a quantidade de disciplina de cada categoria). Disciplinas optativas/eletivas não foram consideradas nesse

4 4 levantamento, por não haver garantias de que as mesmas serão cursadas pelos licenciandos. Observa-se pela Figura 1, que o estado do Rio de Janeiro é o mais heterogêneo dentre os estados considerados. Este apresenta IES que não possuem disciplinas das duas categorias em estudo, o que consideramos estar fora do contexto atual. Além disso, possui uma IES que só apresenta disciplina da categoria 2, o que também não consideramos ideal, pois possuir noções de Informática e Computação, permite, entre outras coisas, que o professor realize determinadas tarefas sozinho e com mais segurança. De modo geral, nos estados do escopo da pesquisa, constatamos que a categoria 1 é a mais privilegiada, o que retrata uma preocupação com conhecimentos específicos de Informática e Computação, considerando a presença de disciplinas dessa categoria isoladamente ou junto com as disciplinas da categoria Temáticas para Integração das TIC nas Licenciaturas em Matemática Do ponto de vista pedagógico, consideramos mais pertinente enfatizar a categoria 2. Nesse sentido, propomos cinco temáticas para serem trabalhadas na formação inicial dos professores de Matemática, de forma a prepará-los para o uso pedagógico das TIC em suas práticas docentes. Cada uma dessas temáticas é desmembrada em tópicos a serem abordados, durante a licenciatura, em disciplinas que possam ser enquadradas principalmente na categoria 2. Quadro 3: Temáticas para Integração das TIC nas Licenciaturas em Matemática Temáticas 3.1 Conhecimentos básicos em Informática 3.2 Tecnologias de Informação e Comunicação - Educação - Sociedade 3.3 Utilização e avaliação de softwares educacionais voltados para o ensino e aprendizagem de Matemática 3.4 Internet e seus recursos 3.5 Matemática e TIC aplicadas ao Ensino Fundamental e Médio Cada uma dessas temáticas requer competências e habilidades que devem ser estabelecidas levando em consideração o contexto no qual cada licenciatura está inserida. O objetivo do que está sendo proposto é preparar o licenciando com conhecimentos sobre as TIC de forma a ir muito além do simples manuseio das mesmas. 3.1 Conhecimentos Básicos em Informática Os alunos que ingressam nas licenciaturas em Matemática não apresentam o mesmo domínio de conhecimentos quanto as TIC, em particular conhecimentos de Informática e

5 5 seus recursos. É importante, então, possibilitar conhecimentos mínimos que permitam a utilização dessas tecnologias. No Quadro 4 são apresentados tópicos dessa temática. Estes podem ser desenvolvidos nas disciplinas da categoria 1, porém, devem ser explorados não apenas como habilidades básicas descontextualizadas, mas buscando a interdisciplinaridade com as demais disciplinas do curso. Aproveitando as diferenças individuais dos alunos quanto a esses conhecimentos, atividades em grupos podem ser exploradas de forma a compartilhar saberes. Quadro 4: Tópicos de Conhecimentos Básicos em Informática Conhecimentos Básicos em Informática conhecimentos mínimos do funcionamento do computador (ligar e desligar o equipamento, manusear o mouse, conhecer as funções do teclado, salvar arquivos, entre outros); instalação de softwares; utilização de editores de texto (incluindo editores matemáticos), planilhas eletrônicas e softwares de apresentação, entre outros; uso básico da Internet; noções de programação. 3.2 Tecnologias de Informação e Comunicação Educação Sociedade Conhecimentos sobre as implicações das TIC na educação e na sociedade devem também ser trabalhados na licenciatura. Essa temática inclui os itens listados no Quadro 5. Quadro 5: Tópicos de Tecnologias de Informação e Comunicação Educação Sociedade Tecnologias de Informação e Comunicação Educação Sociedade ética (direitos autorais, censura, privacidade, monopólio, publicidade, entre outros assuntos); mudanças ocorridas na sociedade associadas às TIC; resumo da história da informática educativa no Brasil; políticas públicas de informática educativa no Brasil nos níveis federal, estadual e municipal; implicações das TIC na educação brasileira; o papel das TIC na aprendizagem Matemática. Esses tópicos devem levar à análise, por parte dos licenciandos, de como as TIC podem contribuir para melhoria ou não da aprendizagem, quando usadas como recursos pedagógicos. Esses tópicos enquadram-se nas disciplinas da categoria Utilização e Avaliação de Softwares Educacionais voltados para Ensino e Aprendizagem de Matemática Um software educacional, como qualquer outro recurso didático, pode apresentar problemas que afetem sua qualidade e, conseqüentemente, a qualidade do trabalho desenvolvido a partir dele. Isto implica a necessidade do professor ser crítico e consciente ao selecioná-lo como uma ferramenta pedagógica. Avaliar a qualidade de softwares educacionais requer atenção não só a critérios

6 6 técnicos, mas também, a critérios pedagógicos. Isso, por sua vez, exige uma metodologia adequada, que leve em consideração o setor de aplicação do software avaliado e requer, ainda, o envolvimento de potenciais usuários na avaliação. Sugerimos a metodologia SoftMat (BATISTA, 2004), para avaliação de softwares voltados para Matemática do Ensino Médio. Para os softwares de Matemática destinados ao Ensino Fundamental, sugerimos a metodologia de Gladcheff (2001). Analisando diferentes maneiras de utilizar softwares educacionais e avaliando alguns destes, os licenciandos poderão investigar suas potencialidades para posterior uso crítico com seus alunos. Os itens apresentados no Quadro 6 podem ser trabalhados nessa temática. Quadro 6: Tópicos de Utilização e Avaliação de Softwares Educacionais Utilização e Avaliação de Softwares Educacionais diferentes abordagens do uso dos softwares educacionais no processo de ensino e aprendizagem; diferentes tipos de softwares educacionais no processo de ensino e aprendizagem de Matemática no âmbito das diferentes abordagens existentes; utilização crítica de softwares educacionais voltados para aprendizagem Matemática; avaliação crítica de diferentes softwares educacionais para o processo de ensino e aprendizagem de Matemática, de acordo com as diferentes abordagens existentes, utilizando uma metodologia apropriada. Esses tópicos podem contribuir para fundamentar escolhas futuras de softwares que melhor se adaptem aos objetivos pretendidos. Consideramos que essa temática pode ser trabalhada em disciplinas da categoria Internet e seus Recursos A Internet é uma importante ferramenta para o trabalho colaborativo, permitindo que as pessoas partilhem recursos e os transformem em conjunto, mesmo distantes umas das outras (PONTE e OLIVEIRA, 2000). Na Internet há diversos tipos de aplicações educacionais: divulgação, pesquisa e comunicação (MORAN, 1997). A divulgação pode ser das IES (ou escolas) ou de professores e alunos quando criam home-pages com seus trabalhos mais significativos. A pesquisa pode ser individual ou em grupo, durante a aula ou fora, para desenvolver atividade obrigatória ou livre. A comunicação ocorre entre todos os envolvidos no processo de aprendizagem. Nessa temática ressaltamos o uso da Internet, não exclusivo para pesquisa e, sim, em todas as possibilidades que oferece. Para tanto, destacamos os itens listados no Quadro 7. Com a utilização dos recursos da Internet não obtemos apenas vantagens; logo, ao discutirmos os temas citados no referido quadro, estamos preparando os licenciandos para

7 7 discernir o uso adequado. Esses itens podem ser trabalhados em praticamente todas as disciplinas da licenciatura, de forma interdisciplinar. Quadro 7: Tópicos de Internet e seus Recursos Internet e seus Recursos participação crítica em fórum, lista de discussão e chat; utilização crítica de sites; avaliação de sites através de metodologias apropriadas; utilização de correio eletrônico; confecção de sites voltados para Matemática visando disponibilizar, entre outros trabalhos, os projetos desenvolvidos; análise do ensino a distância: sua fundamentação teórica, seu alcance, suas implicações e os resultados já diagnosticados; utilização de ambientes de aprendizagem de Matemática. 3.5 Matemática e Tecnologias de Informação e Comunicação Aplicadas ao Ensino Fundamental e Ensino Médio Na formação inicial do professor de Matemática é fundamental que os licenciandos adquiram competências e habilidades que direcionem efetivamente sua prática, ou seja, durante o curso sejam vivenciadas atividades práticas que simulem atuações futuras. Nessa temática não listamos tópicos a serem abordados, mas situações que contemplem a mesma, conforme mostrado no Quadro 8. Quadro 8: Situações contemplando o Uso Pedagógico das TIC Matemática e TIC Aplicadas ao Ensino Fundamental e Ensino Médio desenvolvimento de projetos utilizando TIC, a serem aplicados na comunidade; trabalho com conteúdos matemáticos de Ensino Fundamental (2º segmento) e Médio, nas disciplinas de prática de ensino, despertando, para cada um deles, a possibilidade do uso pedagógico das TIC; apresentação de seminário, em grupos ou individual, relatando experiências positivas e/ou negativas do uso das TIC no processo de ensino e aprendizagem de Matemática; participação dos professores e alunos em congressos, simpósios, workshop e outros eventos técnico-científicos de informática educativa, apresentando trabalhos ou não. Muitas outras atividades podem ser incluídas nessa temática. Cabe a todos os envolvidos nas licenciaturas em Matemática ousarem em iniciativas novas e criativas. Para introduzir as TIC na formação inicial dos professores de Matemática é preciso muito mais do que os recursos tecnológicos propriamente ditos. É preciso uma reflexão do que estas permitem ao processo de ensino e aprendizagem, bem como vontade de todos os atores do sistema de ensino em pesquisar e atualizar-se constantemente. Na próxima seção identificamos algumas das temáticas propostas em duas experiências em que as TIC estão presentes, uma integrada ao currículo, outra como atividade de extensão. Objetivamos mostrar que as temáticas descritas são viáveis na

8 8 prática. Provavelmente, em muitas outras salas de aula experiências semelhantes já ocorrem, o que reforça ainda mais o que estamos propondo. 4. Aplicação das Temáticas Na impossibilidade de analisar experiências envolvendo todas as temáticas propostas, priorizamos a vivência de algumas que são mencionadas nas próximas subseções. 4.1 Experiência Integrada ao Currículo A experiência integrada ao currículo ocorreu na licenciatura em Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica de Campos (CEFET-Campos,RJ/Brasil), na disciplina Laboratório de Ensino. Nessa disciplina, as TIC aparecem como recursos enriquecedores para prática, tanto na apresentação de trabalhos como na elaboração de projetos a serem desenvolvidos com alunos do Ensino Fundamental ou Médio. Vários tópicos, no âmbito das temáticas apresentadas, foram trabalhados. Da temática Conhecimentos básicos em Informática foram contemplados os itens: utilização de editores de texto e softwares de apresentação (na preparação da parte escrita do projeto e em seminários) e uso básico da Internet. Quanto à temática TIC Educação Sociedade, o tópico ética foi muito discutido durante as aulas. Na elaboração dos projetos foi exigido que fontes bibliográficas estivessem explícitas e devidamente referenciadas. Ainda nessa temática, foram estudados textos que permitiram discussões do papel das TIC na aprendizagem Matemática. Na temática Internet e seus recursos os tópicos utilizados foram a pesquisa em sites (busca de referencial teórico) e a utilização de correio eletrônico (envio de trabalhos). A validação das atividades desenvolvidas nessa disciplina foi diagnosticada na apresentação de projetos e em relatórios, através dos quais foi avaliado o desenvolvimento da disciplina ao longo do período. Nos relatórios constam depoimentos como: utilizando recursos tecnológicos podemos tornar as aulas mais dinâmicas e interessantes o uso do computador foi fundamental, visto que eu estou iniciando meu aprendizado em informática (um pouco tarde, é verdade!), para facilitar tanto o ensino como o aprendizado, utilizando esta ferramenta Todos os depoimentos retrataram a importância atribuída às atividades desenvolvidas. Iniciativas como essas representam estratégias de ação possíveis de serem realizadas nas licenciaturas em Matemática, como forma de contribuir na formação adequada do uso das TIC como recurso pedagógico.

9 9 4.2 Experiência em Atividade de Extensão Nessa experiência, o público alvo já possuía algumas habilidades com as TIC. O foco foi o uso crítico de softwares na construção de conhecimentos matemáticos, destacando a necessidade de avaliação dos mesmos. Essa atividade ocorreu no curso de extensão Avaliação de Softwares Educacionais: Desenvolvendo uma Postura Consciente, que teve carga horária de 60 horas. O curso foi desenvolvido em duas etapas: uma teórica e outra prática. Na teórica ocorreram palestras, discussão de textos e análise de critérios e metodologias de avaliação de softwares. Na etapa prática foram avaliados softwares educacionais para Matemática do Ensino Médio O trabalho realizado nesse curso contemplou as seguintes temáticas: i) conhecimentos básicos em informática: pois, um dos softwares utilizados foi uma planilha eletrônica; além disso, foi realizado, também, uso básico da Internet para avaliação da documentação de alguns dos softwares; ii) TIC - Educação Sociedade: quando na parte teórica do curso foram apresentadas as políticas públicas de Informática Educativa no âmbito federal, estadual e municipal, além de ética, discutindo direitos autorais ao definir softwares proprietários: iii) utilização e avaliação de softwares educacionais voltados para o ensino e aprendizagem de Matemática: todos os tópicos sugeridos nessa temática foram abordados; iv) Matemática e TIC aplicadas ao Ensino Fundamental e Médio: todas as atividades desenvolvidas com os softwares são aplicáveis ao Ensino Médio e parte do Ensino Fundamental. As atividades foram avaliadas pelos participantes do curso através de um questionário. Destacamos os seguintes resultados: i) 95% dos participantes consideraram possível aplicar parte do curso em suas práticas docentes; ii) 76% afirmaram que o uso dos softwares contribui para construção de conhecimentos e os demais consideraram que depende do enfoque; iii) 95% gostariam de aprender mais sobre as TIC; iv) 95% consideraram que as TIC ajudam a encontrar mais e melhores informações. Esses resultados evidenciam a importância de iniciativas como a do referido curso, para a formação profissional de professores e licenciandos, com relação ao uso pedagógico das TIC e, conseqüentemente, evidenciam a necessidade de que as licenciaturas contribuam para essa formação. 5. Considerações Finais Nossa proposta de incorporação das TIC nas disciplinas das licenciaturas envolve conferir aos futuros professores o domínio das ferramentas, favorecer o conhecimento dos

10 10 diferentes modos de usar essas ferramentas para a construção de conhecimento e despertar nos licenciandos uma visão crítica da utilização das TIC, em vez de contribuir para que assumam uma postura de aceitação passiva ou de negação por desconhecimento. Além disso, defendemos que a formação de professores não deve ser voltada apenas para a sociedade atual ou mesmo para um específico contexto ou cultura. Qualquer profissional, atualmente, deve ser preparado para mudanças. A análise das duas experiências vivenciadas mostrou a aplicabilidade das temáticas propostas, mas essa aplicabilidade requer profissionais dispostos a pesquisar, inovar e convictos da importância da educação escolar para a inclusão digital e social. Referências Bibliográficas Batista, S. C. F. (2004). SoftMat: Um Instrumento em Prol de Posturas mais Conscientes na Seleção de Softwares para Matemática do Ensino Médio. Dissertação (Mestrado em Ciências de Engenharia). Campos dos Goytacazes, RJ, Universidade Estadual do Norte Fluminense UENF. Barcelos, G. T. (2004) Um Estudo do Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial dos Professores de Matemática Região Sudeste. Dissertação (Mestrado em Ciências de Engenharia). Campos dos Goytacazes, RJ, Universidade Estadual do Norte Fluminense UENF. CNE/CP-1 Conselho Nacional de Educação - Conselho Pleno - (2002) Resolução CNE/CP 1. Brasília: Diário Oficial da União, 9 de abril de Seção 1, p.31. Disponível em: < Última consulta em: 15/03/04. Gladcheff, A. P. (2001). Um Instrumento de Avaliação da Qualidade para Software Educacional de Matemática. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação). São Paulo, SP, Universidade de São Paulo USP, 212p. Moraes, M. C. (1998). Novas Tendências para o Uso das Tecnologias da Informação na Educação. Edutecnet: Textos. Disponível em: < Última consulta em: 22/12/03. Moran, J. M. (1997). Como utilizar a Internet na educação. Revista Ciência da Informação v.26, 2: Disponível em: < Última consulta em: 09/04/04. Ponte, J. P., & Oliveira, H. (2000). A Internet como recurso para o ensino de Matemática. Disponível em: < pt.htm>. Última consulta em: 15/03/04. Ponte, J. P., & Oliveira, H., & Varandas, J. M. (2003). O Contributo das Tecnologias de Informação e Comunicação para o Desenvolvimento do Conhecimento e da Identidade Profissional. J. P. da Ponte: Artigos e Trabalhos em Português. Disponível em: < Última consulta em: 15/03/04. Sette, S. S., & Aguiar, M. A., & Sette, J. S. A. (1999). Formação de Professores em Informática na Educação - Um Caminho para Mudanças. 1 ed. Coleção Informática para a Mudança na Educação. MEC/SED/PROINFO, 48p. Disponível em: < Última consulta em: 01/04/04.

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Silvia Cristina Freitas Batista - Centro Federal de Educação Tecnológica de Campos (CEFET- Campos) - silviac@cefetcampos.br

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOUZA, Jediane Teixeira de SEE-SP jediane.teixeira@terra.com.br MANRIQUE, Ana Lúcia PUC/SP manrique@pucsp.br Área

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: RECURSOS PARA APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: RECURSOS PARA APRENDIZAGEM MATEMÁTICA USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: RECURSOS PARA APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Silvia Cristina Freitas Batista Centro Federal de Educação Tecnológica de Campos (CEFET Campos) 1 RESUMO

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental.

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Guilherme José Vicente Ferbek gui.ferbek10@gmail.com IFES - Alegre Paulicia Sabatini Vila p.sabatini12@gmail.com IFES - Alegre Resumo:O presente

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Orientação Educacional e Práticas

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Wagner Luis Cabral Martins Palavras-chave: Estatística descritiva. Software Calc. Recursos pedagógicos. As Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS GUARULHOS PROJETO ACESSIBILIDADE TIC: ACESSIBILIDADE AO CURRÍCULO POR MEIO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Projeto aprovado

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN EDITAL N 001/2015 - PROEN, de 19 de Janeiro de 2015. A Pró-Reitora de Ensino

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA.

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Caroline Kavan Bueno (PIBIC/FA), Ronaldo Schiaber, João Coelho Neto (Orientador), e-mail: carolinekavan@hotmail.com.

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp.

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: A UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS EDUCACIONAS ADAPTATIVAS E A PRÁTICA DOCENTE. Débora

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

PLANO DE CURSO Curso: Unidade Temática: Carga Horária: Período: professoras: EMENTA OBJETIVOS

PLANO DE CURSO Curso: Unidade Temática: Carga Horária: Período: professoras: EMENTA OBJETIVOS PLANO DE CURSO Curso: Pós-Graduação Lato Sensu Docência No Século XXI Unidade Temática: Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação Carga Horária: 32 horas- Campus Campo Centro Período: 16/03/2012

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino

Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino Este documento tem como objetivo orientar os docentes da UFCSPA na elaboração do Plano de Ensino de disciplinas no formato adequado ao Sistema de Registro

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (937Q) ENGENHARIA CIVIL GOIÂNIA/GO 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares são componentes curriculares enriquecedores e complementadores do

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais