12 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: TNOLOGI INFORMÇÃO QUSTÃO 1 Nas últimas décadas sugiram diversos frameworks de governança de tecnologia da informação (TI) que comportam as melhores práticas da área. QUSTÃO 3 figura a seguir ilustra parte do modelo do processo de construção de software chamado Rational Unified Process (RUP). FRNNS, breu Vladimir Ferraz de; RGON, gnaldo. Implantando a Governança de TI da stratégia a Gestão de Processos e Serviços. 3. ed. rasport, p entre os diversos frameworks de TI, um dos mais abrangentes, aplicável para auditoria e controle de processos, é o modelo ITIL. OIT. MPS.br. PRIN2. ISO QUSTÃO 2 SOMMRVILL, Ian. ngenharia de Software. 9. ed. São Paulo: Pearson ducation, Imagem disponível em: <http://www.wthreex.com/rup/v711_sp_ptbr/index.htm>. cesso em: s faixas 1, 2, 1, 2, N, T1 e T2, mostradas na imagem, representam onsidere o trecho de algoritmo descrito a seguir, apresentado em pseudocódigo, que implementa a função calcula. fases. iterações. workflows. atividades. disciplinas. QUSTÃO 4 Obs: O operador div retorna o quociente inteiro da divisão dos dois operandos (1º: dividendo / 2º: divisor), ex: 5 div 2 = 2. SOMMRVILL, Ian. ngenharia de Software. 9.ª ed. ditora: Pearson ducation. m função da variável n, passada como parâmetro da função calcula, o grau, ou a ordem, de complexidade do algoritmo é expressa por O(1). O(n). O(n 2 ). O(log 2 n). O(n log 2 n). empresa de João deseja utilizar as melhores práticas de ITIL em seu ambiente corporativo. Para isso, uma das ações foi demandar a criação de uma central de serviços. diretoria solicitou que a central de serviços disponha de pessoas, recursos de hardware, software e aporte financeiro para permitir o atendimento telefônico de um grande número de chamadas, no mais curto tempo possível. Também solicitou que nenhuma chamada seja ignorada ou perdida, e ainda que os atendentes tenham condições técnicas para suportar a operação, tanto em primeiro quanto em segundo nível. Por fim, solicitou que a central ofereça serviços de forma centralizada e virtual, e que as ordens de serviço possam abordar tanto o negócio da empresa, como também o gerenciamento de serviços de TI. FRNNS,.. RU, V. F. Implementando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro, rasport, o perceber que não seria possível atender com qualidade todos os requisitos, e em observância ao que preconizam as melhores práticas previstas no estágio de operação de serviços do ITIL, João deve sugerir que a diretoria relaxe o atendimento centralizado pois cada unidade deve ter sua equipe de atendimento local. o tempo de atendimento telefônico, pois não influenciará a qualidade do serviço prestado. a perda de chamadas, pois verifica-se que muitas vezes os pedidos ocorrem em duplicidade. o atendimento a outros setores da empresa, pois a prioridade de atendimento deveria ser somente à TI. o atendimento telefônico de segundo nível, para que a equipe técnica trabalhe sem intervenção do usuário. 1

2 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 5 o ser convocado para gerenciar um novo projeto em determinada organização, um gerente de projetos decidiu adotar o guia PMOK (Um guia de onhecimentos em Gerenciamento de Projetos). Seguindo as boas práticas de gerenciamento de projetos, o gerente decidiu implementar os processos a seguir, que têm por objetivos: I) desenvolver um documento que autoriza, formalmente, o projeto e documenta os requisitos iniciais que satisfazem as necessidades dos clientes e as expectativas das partes interessadas; II) determinar todas as partes ou organizações impactadas pelo projeto e documentar as informações relevantes relacionadas aos seus interesses, seu envolvimento e o impacto sobre o sucesso do projeto. FRNNS, guinaldo ragon; RU, Vladimir Ferraz. Implantando a governança de TI da estratégia a gestão de processos e serviços. 3. ed. rasport, Nesse contexto, os processos I e II acima descritos são adequados, respectivamente, para definir o e scopo e gerenciar a equipe do projeto. coletar os requisitos e identificar as partes interessadas. desenvolver o termo de abertura do projeto e identificar as partes interessadas. gerenciar as expectativas das partes interessadas e gerenciar a equipe do projeto. desenvolver o termo de abertura do projeto e planejar o gerenciamento de riscos. QUSTÃO 7 Suponha que uma empresa utiliza tecnologia thernet 100ase-TX ou 1000ase-T para implementar redes locais em que se possa conectar cerca de 1000 equipamentos. KUROS, James. F.; Ross, Keith. W. Redes de omputadores e a Internet. 5ª edição. ditora: Pearson ducation do rasil LT. Nesse caso, a topologia física mais adequada é aquela em forma de anel, em que cada equipamento de usuário é conectado diretamente ao próximo. barramento, em que com cada equipamento de usuário é conectado ao próximo e um terminador em cada um dos equipamentos de usuário localizados na extremidade de tal barramento. estrela, em que cada comutador (switch) de borda é conectado diretamente a um dos equipamentos de usuário, e cada um destes é conectado diretamente ao próximo, formando o core, ou núcleo da rede. árvore, em que cada equipamento de usuário é conectado diretamente a um dos comutadores (switches) de acesso, e cada um destes é conectado diretamente ao comutador (switch) chamado de core, ou núcleo da rede. barramento, em que cada equipamento de usuário é conectado diretamente a um dos comutadores (switches) de borda, e cada comutador de borda é conectado diretamente ao barramento do comutador (switch) chamado de core, ou núcleo da rede. QUSTÃO 8 s figuras a seguir mostram, parte de dois algoritmos distintos, elaborados em pseudocódigo, chamados, respectivamente, de LG1 e LG2. Sabe-se, ainda, que ambos os algoritmos foram escritos corretamente. QUSTÃO 6 João está incumbido de configurar o ambiente de desenvolvimento do sistema SISOP. O sistema utilizará um banco de dados moderno, o NUVM, que trabalha com SQL em modo cliente-servidor tradicional. ontudo, uma empresa foi contratada para desenvolver módulos para o SISOP e realizará as operações de seu local de trabalho, interligando-se à empresa de João pela Internet. Para permitir o trabalho conjunto, será necessário permitir o acesso ao banco de dados NUVM pela empresa subcontratada. KUROS, J. F. ROSS, K. W. Redes de omputadores e a Internet: uma abordagem top-down. ddison-wesley, a ed. Para garantir a segurança das operações da empresa onde trabalha, João deve providenciar um canal criptografado para o SISOP pela Internet. canal criptografado para o acesso ao NUVM pela Internet. servidor dedicado para o SISOP com endereço IP válido na Internet. servidor dedicado para o NUVM com endereço IP válido na Internet. servidor dedicado para o ambiente de desenvolvimento dos módulos do SISOP na Internet. isponível em: <http://www.di.ufpb.br/lucidio/complexest.htm>. omparando os algoritmos LG1 e LG2, observa-se que ambos, ao final de suas execuções, terão o mesmo conteúdo para as variáveis P e X, que será um número situado dentro da faixa de valores maior que 01 (um) e menor que 05 (cinco). ambos, ao final de suas execuções, terão o mesmo conteúdo para as variáveis P e X, que será um número situado dentro da faixa de valores maior que 06 (seis) e menor que 10 (dez). o algoritmo LG1 é mais eficiente que o algoritmo LG2, levando-se em conta apenas o número de operações necessárias que cada algoritmo realizará até concluir a sua execução. o algoritmo LG1 exibirá a letra o dobro de vezes que o algoritmo LG2 exibirá a letra. o algoritmo LG2 exibirá a letra o triplo de vezes que o algoritmo LG1 exibirá a letra. 2

3 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 9 figura a seguir é um diagrama de estados, ilustrando os três estados,, e, de um processo cujos estados possíveis são: em execução, pronto e bloqueado. TNNUM,. S. Sistemas Operacionais Modernos. 3. ed. São Paulo: Pearson do rasil: 2010 (com adaptações). cerca das transições 1, 2, 3 e 4, identifica-se corretamente que as transições 1 e 4 são causadas pelo escalonador de processos. a transição 3 ocorre quando acontece um evento externo pelo qual um processo estava aguardando. a transição 4 ocorre quando todos os outros processos já compartilharam a PU, e é hora de obter novamente a PU. a transição 2 ocorre quando o escalonador decide que o processo em execução já teve tempo suficiente de PU e aloca a PU para outro processo. as transições 2 e 3 são geradas quando o processo é bloqueado por estar aguardando uma entrada (2) e, em seguida, a entrada torna-se disponível (3). QUSTÃO 10 Suponha que Henrique lidera uma equipe de desenvolvimento de um software que se encontra em seus primeiros estágios, uma fase de estudo do contexto e das necessidades de interações do sistema. O software precisa atender duas necessidades: I) modelar a sequência de interações de objetos; II) mapear a mudança de estado de um objeto ou de um subsistema em resposta aos eventos. Para atender às necessidades apontadas, sob a ótica do modelo UML (2.0), quais diagramas Henrique e sua equipe devem utilizar? iagrama de Objetos para atender I e iagrama de Sequência para atender II. iagrama de Sequência para atender I e iagrama de Objetos para atender II. iagrama de Objetos para atender I e iagrama de omunicação para atender II. iagrama de tividade para atender I e iagrama de Interação Geral para atender II. iagrama de Sequência para atender I e iagrama de Máquina de stados para atender II. QUSTÃO 11 adoção das práticas da ITIL pretende levar uma organização a um grau de maturidade e qualidade que permita o uso eficaz e eficiente dos seus ativos estratégicos de TI, incluindo sistemas de informação e infraestrutura de TI, sempre com o foco no alinhamento e na integração com as necessidades dos clientes e usuários. ssim, considere que, durante o processo de implantação e disponibilização de um novo serviço X, que utiliza uma infraestrutura compartilhada com outro serviço Y, ocorreu uma indisponibilidade deste serviço Y pelo período de 6 horas consecutivas, não atingindo o nível de qualidade requerido para o serviço Y, que consta do acordo de nível de serviço (SL) com indisponibilidade máxima de 5 horas durante o mês. FRNNS, guinaldo ragon; RU, Vladimir Ferraz. Implantando a governança de TI: da estratégia a gestão de processos e serviços. 3. ed. rasport, p.258. e acordo com a situação descrita, conclui-se que o acordo com os fornecedores deve ser revisado para adequar o SL. a capacidade da infraestrutura disponível não foi avaliada corretamente. a contingência para o serviço Y deve ser providenciada em um novo ambiente, pois utiliza infraestrutura compartilhada com outros serviços. a arquitetura do novo serviço não foi desenhada e definida de forma adequada, pois não deveria compartilhar a mesma infraestrutura de outro serviço já existente. o problema nos processos de mudança e liberação ocorreu devido a uma falha na avaliação do impacto do novo serviço, considerando os outros serviços existentes e que compartilham a mesma infraestrutura. QUSTÃO 12 O processo controlar a qualidade faz parte do grupo de processo de monitoramento e controle e é responsável por realizar o monitoramento e registro dos resultados da execução das atividades de qualidade para avaliar o desempenho e recomendar as mudanças necessárias. Um Guia do onhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia Pmbok). 5. ed. ditora Saraiva, Um dos benefícios do processo de controlar a qualidade no contexto de gerenciamento de projetos é permitir que as partes interessadas entendam a situação atual do projeto, os passos tomados e as previsões do orçamento, cronograma e escopo. garantir que o desempenho tanto do fornecedor quanto do comprador cumprem os requisitos de aquisição, de acordo com os termos do acordo legal. validar a conformidade das entregas e do trabalho do projeto com os requisitos necessários à aceitação final especificados pelas principais partes interessadas. proporcionar o aumento da eficiência e eficácia das atividades de engajamento das partes interessadas à medida que o projeto se desenvolve e o seu ambiente muda. conferir objetividade ao processo de aceitação e aumentar a probabilidade da aceitação final do produto, serviço ou resultado, através da validação de cada entrega realizada. 3

4 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 13 uas agências bancárias próximas precisam estabelecer comunicação entre suas estações de trabalho, ativos de rede e servidores. Seguindo a política de infraestrutura e segurança, as redes estão configuradas com as características mostradas na tabela a seguir. QUSTÃO 15 Observe as figuras 1 e 2, a seguir. onsiderando que as equipes de infraestrutura das duas agências precisam coordenar as atividades de integração, o que deve ser providenciado para permitir a interoperabilidade entre todos os computadores das duas agências? Substituir os gateways de saída das redes por repetidores. Reconfigurar todos os ativos de pelo menos uma das agências. Ligar as duas redes por meio de roteadores e configurar rotas de entrada e saída. lterar o gateway de saída da rede para um IP válido, permitindo a comunicação. Ligar as duas redes por meio de um switch e as rotas serão automaticamente configuradas. figura 1 mostra um algoritmo, em pseudocódigo, QUSTÃO 14 O OIT 5, modelo de objetivos de controle para TI, possui cinco princípios, entre os quais obrir a empresa de ponta a ponta. enquanto a figura 2 exibe uma tela, na qual se visualiza a execução do algoritmo da figura 1. sse algoritmo pode ser submetido a casos de teste para cobrir todas as possibilidades de caminhos ou declarações. FRNNS RU. Implantando a Governança de TI da stratégia a Gestão de Processos e Serviços. 3. ed. rasport. SOMMRVILL, Ian. ngenharia de Software. 9. ed. ditora: Pearson ducation, O princípio citado é corretamente interpretado como quantidade de casos de testes necessários para cobrir todas as a necessidade de aplicar um framework integrado único. o foco na TI para alcançar a governança na organização. a definição de estruturas organizacionais que realizem a governança de TI. a execução de toda a lista de processos que devem ser implantados para se obter a governança de TI. a presença obrigatória da governança e do gerenciamento de informação e de tecnologia em todas as áreas da empresa. possibilidades de caminhos ou declarações desse algoritmo é

5 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 16 figura a seguir mostra, esquematicamente, um framework ou metodologia ágil denominada Scrum, utilizada para a gestão, planejamento e desenvolvimento de projetos. Nessa figura, inseriu-se, em alguns locais, um retângulo, de modo a ocultar inscrições existentes nesses locais. QUSTÃO 17 O S (alanced Scorecard) é uma ferramenta de planejamento estratégico na qual a entidade define claramente as suas metas e estratégias, visando medir o desempenho empresarial através de indicadores quantificáveis e verificáveis. sse método consiste em determinar de modo balanceado as relações de causa/efeito entre as perspectivas de avaliação Financeira; de liente; de Processos Internos; e de prendizado e rescimento. FRNNS,. ; RU, V. F. Implementando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: rasport, Os objetivos estratégicos associados à perspectiva de aprendizado e crescimento são No framework representado na figura, SOMMRVILL, Ian. ngenharia de Software. 9. ed. ditora: Pearson ducation, isponível em: <http://www.desenvolvimentoagil.com.br/scrum/>. a seta n.º 2 aponta para uma atividade chamada de aily Scrum, que consiste em reuniões diárias envolvendo, simultaneamente, toda a equipe de projeto para avaliar o andamento do projeto, assim como na identificação e resolução imediata dos problemas, de modo que eles não evoluam e comprometam o andamento dos trabalhos. o Sprint Planning Meeting, apontado pela seta n.º 3 é uma reunião realizada no período de duas a quatro semanas, da qual participam o Scrum Master, o Scrum Team e o cliente. ssa reunião destina-se a apresentação do andamento do projeto e a realização de ajustes no seu andamento, levando-se em consideração as opiniões dos participantes. a Sprint acklog, apontada pela seta n.º 4, compreende a lista de funcionalidades, da Product Owner (seta n.º 1), a ser implementada pela equipe de desenvolvimento, chamado Scrum Team, durante todo o projeto. a seta n.º 1 aponta para a Product Owner, que é uma lista contendo todas as funcionalidades desejadas para um produto. No Scrum, essa lista é mantida e gerenciada pelo Scrum Master. a equipe monitora seu progresso em relação a um plano estabelecido, por meio da atualização de um Release urndown hart. satisfação dos empregados e retenção de talentos. retorno de investimentos e produtividade do desenvolvimento. qualidade das aplicações e produtividade do desenvolvimento. disponibilidade da infraestrutura e disponibilidade das aplicações. retenção de talentos e satisfação de usuários dos serviços prestados. QUSTÃO 18 O NS, protocolo utilizado para resoluções de nomes na internet, utiliza vários tipos de registros. Na definição de zonas dos NS, temos vários registros como os campos Nome, Valor, Tipo e TTL, sendo cada um deles vital para o funcionamento adequado do NS. KUROS, James. F.; ROSS, Keith. W. Redes de omputadores e a Internet. 5. ed. Para incluir um registro de um servidor de nomes, deve-se utilizar a entrada, registro que representa um aliás para outro nome, usado para mapear um nome de domínio para outro nome. NS, registro de nome de servidor que mapeia servidores capazes de resolver determinados domínios. NR, representa um registro de nome que contém um IP e um nome de domínio. NM, registro de nome canônico para pesquisa reversa., contém um registro de endereço IPV6. 5

6 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 19 m um computador com o sistema operacional Windows 8.1 Pro foi instalado um banco de dados relacional, no qual foram criadas e preenchidas diversas tabelas, utilizando-se comandos e declarações da linguagem SQL padrão. o executar determinada declaração sobre esse banco de dados, um usuário obteve todo o conteúdo da tabela relacional MPRGO, conforme mostra a figura a seguir. QUSTÃO 21 Observe a seguir, parte do código fonte de um programa, em que se observam estruturas de repetição. ULIU, lan. prendendo SQL. São Paulo: Novatec, Sabendo-se que o código fonte está escrito corretamente, ao final da sua execução, o valor da variável x será igual a 2. n será igual a 2. n será igual a 0. soma será igual a um número maior que 10 e menor que 13. soma será igual a um número maior que 13 e menor ou igual a 15. QUSTÃO 22 sse usuário também executou, utilizando a linguagem SQL padrão, neste mesmo banco de dados, a seguinte consulta. SLT PTNO, NOM, OUNT(*) FROM MPRGO WHR NOM LIK '%U%' GROUP Y PTNO, NOM HVING PTNO > 2 pós essa execução, como resultado da consulta SQL haverá retorno de um registro. dois registros. três registros. uma mensagem informando que ocorreu erro de sintaxe na consulta. uma mensagem informando a impossibilidade de recuperar qualquer registro da tabela MPRGO. QUSTÃO 20 Quando usados em conjunto, o OIT (versão 4.1) e o ITIL (versão 3) proveem uma abordagem top-down de governança de TI e gerenciamento de serviços. Suponha que uma empresa registrou um número elevado de chamadas de seus clientes por indisponibilidades e outras ocorrências intermitentes, decide qualificar melhor tais registros na entral de Serviços. No contexto acima, em qual publicação do ITIL a empresa deveria se apoiar? Marco Túlio recebeu a leitura do indicador de desempenho sobre a disponibilidade do sistema SISOP e o valor foi de 87% do tempo nos últimos 12 meses. Isto significa que em 13% do tempo registrado pelo indicador, o sistema estava fora do ar. Sob a regência do processo de gerenciamento de disponibilidade, o patamar desejado para o mesmo período era de 95%. FRNNS,. ; RU, V. F. Implementando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: rasport, e acordo com o enunciado acima, a ação mais adequada é aumentar a capacidade de rede. iniciar um processo de melhoria. substituir a equipe de desenvolvimento. iniciar um projeto de nova infraestrutura elétrica. indicar a substituição da infraestrutura lógica do datacenter. QUSTÃO 23 O principal objetivo das práticas do modelo é contribuir para o sucesso da entrega de produtos e serviços de TI, a partir da perspectiva das necessidades do negócio, com foco mais acentuado no controle do que na execução. estrutura foi idealizada de forma a atender às necessidades de controle da organização relacionadas à Governança de TI, tendo como principais características o foco nos requisitos de negócio, a orientação para uma abordagem de processos, a utilização extensiva de mecanismos de controle e o direcionamento para a análise das medições e indicadores de desempenho obtidos ao longo do tempo. FRNNS,. ; RU, V. F. Implementando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: rasport, O modelo de governança de TI que apresenta as características descritas é o Melhoria contínua do serviço. stratégia de serviço. Transição do serviço. Operação do serviço. esenho de serviço. OIT. ITIL. PMOK. S. MMI. 6

7 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 24 seguir é mostrada uma especificação de caso de uso obtida a partir do RUP, que foi adaptada. SOMMRVILL, Ian. ngenharia de Software. 9ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, especificação de caso de uso descrita é adequadamente representada pelo diagrama 7

8 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 25 m um escritório de projetos, alguns gerentes não estão familiarizados com as práticas de gerenciamento de riscos e têm cometido erros na priorização dos riscos dos projetos gerenciados pela empresa. Um dos erros mais comuns é o gasto desproporcional de recursos, fazendo com que os riscos que merecem mais atenção acabem recebendo menos investimento. Um Guia do onhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia Pmbok). 5. ed. ditora Saraiva, Segundo as boas práticas do PMOK, uma ferramenta que pode ser utilizada para auxiliar os gerentes de projetos na priorização dos riscos é utilizar uma tabela de referência. a técnica de Monte arlo. um diagrama de Ishikawa. a estimativa de três pontos. os diagramas de influência. QUSTÃO 26 QUSTÃO 27 figura apresenta uma topologia de uma rede LN que é composta por n sub-redes. O sistema operacional é um programa ou um conjunto de programas cuja função é gerenciar os recursos do sistema, fornecendo uma interface entre o computador e o usuário. ntre os sistemas operacionais existentes, pode-se citar: Solaris; OS/360; OS/390; Symbian OS; Windows Vista, entre outros. TNNUM, ndrew. S. Sistemas Operacionais Modernos. 3. ed. ditora: Prentice Hall R.] KUROS, James. F.; Ross, Keith. W. Redes de omputadores e a Internet. 5ª edição. ditora: Pearson ducation do rasil LT. s plataformas mainframe e os servidores de baixa plataforma devem ser associados, respectivamente, aos sistemas operacionais topologia das sub-redes X, Y, W e Z é, respectivamente, Symbian OS e Windows Vista. anel, barramento, estrela e híbrida. OS/390 e Windows Vista. anel, ponto-a-ponto, estrela e híbrida. ponto-a-ponto, barramento, anel e híbrida. Solaris e Symbian OS. híbrida, barramento, estrela e ponto-a-ponto. OS/390 e Solaris. ponto-a-ponto, barramento, estrela e barramento. Solaris e OS/360. 8

9 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 28 onsidere as figuras 1, 2 e 3, onde se destacam os seguintes aspectos: (1) a figura 1 mostra um iagrama ntidade Relacionamento (R), a partir do qual se pretende criar os objetos correspondentes, em um banco de dados relacional, em um esquema chamado ""; (2) todos os atributos de ambas as entidades, são "não nulos", com exceção, daqueles referentes à integridade referencial, se for o caso; e (3) as figuras 2 e 3 exibem, respectivamente, detalhes sobre as tabela "PRTMNTO" e "FUNIONRIO", criadas no banco de dados relacional. s tabelas "PRTMNTO" e "FUNIONÁRIO", apesar de terem sido criadas no banco de dados relacional, não estão exatamente de acordo com o R mostrado na figura 1. ULIU, lan. prendendo SQL. São Paulo: Novatec ditora, Para alterar a tabela "PRTMNTO" ou "FUNIONÁRIO", de modo a ajustar uma ou mais características dessas tabelas, para que correspondam com o modelado no R, deve ser utilizada, em SQL padrão, a declaração LTR TL.PRTMNTO add column departamento_codigo_pk primary key (codigo); LTR TL.PRTMNTO add constraint primary key (codigo), add constraint nome not null, add constraint cidade not null, add constraint bairro not null; LTR TL.FUNIONRIO add (salario decimal(7,2) not null); LTR TL.FUNIONRIO RNM TO.MPRGO; LTR TL.FUNIONRIO add constraint foreign key (PRTMNTO_codigo) references bb.departamento (codigo) not null; LTR TL.FUNIONRIO add foreign key (PRTMNTO_codigo) references departamento (codigo) null; 9

10 SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 QUSTÃO 29 João precisa executar uma pesquisa em um servidor Linux. Para isso iniciou o processo find na estrutura de diretórios desejada, sabendo que será demorado. Para tentar acelerar a pesquisa, João decide alterar a prioridade de seu processo usando o comando renice. Para atingir o objetivo desejado, João deve diminuir o valor de nice dos outros processos em execução. diminuir o valor de nice de seu processo em um terminal local. executar a pesquisa por um console em rede com o maior valor de nice. executar o comando find em modo background e aumentar o valor de nice de seu processo. desligar processos que identifique como maiores consumidores de mais PU, como mysqld e getty. QUSTÃO 30 x por y. onsidere o trecho do pseudoalgoritmo apresentado a seguir, em que a operação x mod y retorna o valor do resto da divisão de Se as instruções deste pseudoalgoritmo são executadas para valores de n iguais a 9 e 6, então os valores de p calculados em cada caso serão, respectivamente, 2 e 3. 2 e 2. 2 e 1. 3 e 3. 3 e 2. 10

12 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

12 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 12 TNOLOGI INFORMÇÃO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios Sandra Sergi Santos, PMP Governança de TI Vamos começar este artigo analisando Governança de TI. A Governança de TI é a área mais crítica de uma governança

Leia mais

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich

Redes de Computadores e suas classificações. Maurício Severich Redes de Computadores e suas classificações Maurício Severich Sumário O computador pessoal e a demanda Redes e suas classificações Conectividade Cliente/Servidor Topologia Distância O computador pessoal

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 3 ESPECIALIDADE: ANALISTA DE SISTEMAS/ÁREA III (SUPORTE TÉCNICO) PROVA: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Guia de Utilização Mantis Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado Por 02/09/2008

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Teoria x Prática Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI Apresentação A tradução dos conceitos de governança e gestão de

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Design de Software e Projeto Arquitetural de Software Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Agenda 1. Contexto da Arquitetura e Projeto de Software 2. Definição de Arquitetura

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico Campus Engenheiro Paulo de Frontin Direção de

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS EDILBERTO SILVA 1, AQUILA ISRAEL (1316079) 2, CYNTHIA FERREIRA (1316079) 2, MARKO DE CASTRO (1316119) 2, RAFAELA ALMEIDA (1316189)

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE?

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE? É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE Doubleday K. Francotti v 1.0 Onde foi parar os requisitos? Trabalhando 30h por dia! Manda quem pode... Caminho das pedras Hum... Acho que deu certo... Onde foi parar

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

2.1. Nível A (Desempenho Verificado)

2.1. Nível A (Desempenho Verificado) Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Avaliação de Padrões de Segurança de Computadores

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Uma abordagem com base na ITIL Inclui ISO/IEC 20.000 e IT Flex Ivan Luizio Magalhães Walfrido Brito Pinheiro Novatec Sumário Agradecimentos... 19 Sobre os autores...

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Preparado por Erik de Oliveira Souza Diretor Presidente Versão: 1.0 Aprovado por João Victor Alves Barbosa Diretor Financeiro Data: 06-Nov-12 Douglas

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais 2 Jogos Educacionais Jogos estão presentes como uma prática habitual, eles tem sido concebidos como uma atividade lúdica que é bastante motivadora no processo de ensinoaprendizado. É assim que jogos educacionais

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2011 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Banco de Dados I Estudo dos aspectos de modelagem

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas neste documento,

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais