NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08"

Transcrição

1 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/02 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL (EIA) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS 4. FLUXOGRAMA DA TRAMITAÇÃO 5. ANEXO 1 / 16

2 1. Apresentação A presente Norma de Procedimentos tem por objectivo fundamental sistematizar e divulgar a tramitação dos processos de apreciação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA) nos casos em que a CCDRC é a Autoridade de AIA (autoridade competente para a avaliação do impacte ambiental), conforme está estabelecido no Artigo 7º, n.º1, alínea b, do Decreto-Lei 69/2000, de 3 de Maio, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 197/2005, de 8 de Novembro de (projectos constantes do Anexo II do referido Decreto-Lei). Esta Norma, além de contemplar as orientações definidas na legislação, introduz diversos procedimentos que visam dar a conhecer e tornar mais objectivo todo o processo de acompanhamento e apreciação dos EIA por parte da CCDRC e dos vários intervenientes e interlocutores exteriores à CCDRC. Nesta Norma sistematizam-se sob a forma escrita e de fluxograma as etapas, os passos, os conteúdos e os responsáveis da tramitação do EIA, devendo ser aplicada de forma sistemática a todos os EIA que venham a ser apresentados à CCDRC. 2. Legislação de Enquadramento A presente Norma de Procedimentos é enquadrada pelos seguintes diplomas legais: Decreto-Lei n.º 69/2000, de 3 de Maio, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 197/2005, de 8 de Novembro () Declaração de Rectificação n.º 2/2006, de 6 de Janeiro Portaria n.º 1102/2007, de 7 de Setembro Portaria n.º 330/2001, de 2 de Abril Decreto-Lei n.º 442/91, de 15 de Novembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 6/96, de 31 de Janeiro (Código do Procedimento Administrativo - CPA). 1 O DL n.º 69/2000, na redacção dada pelo DL n.º 197/ adiante designado por - estabelece o Regime Jurídico da Avaliação de Impacte Ambiental dos projectos públicos e privados susceptíveis de produzirem efeitos significativos no ambiente. 2 / 16

3 3. Tramitação dos Processos Na sistematização que se apresenta seguidamente, consideraram-se as principais etapas e passos da tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA), nos casos em que a CCDRC é a Autoridade de AIA. A numeração adoptada referencia cada etapa e passo ao fluxograma que se apresenta no ponto 4 desta Norma. ENQUADRAMENTO LEGAL TRAMITAÇÃO DO PROCESSO 1. Entenda-se CCDRC enquanto Autoridade de AIA (, art. 7º n.º 1.b). 2. Os prazos legais abaixo indicados, suspendem-se aos sábados, domingos e dias de feriado nacional (, art.43º). 1. Apresentação e envio do EIA 1.1. O Proponente elabora e envia o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) à Entidade Licenciadora. 1. O EIA deve respeitar na sua estrutura e conteúdo, com as necessárias adaptações a cada caso concreto, as normas técnicas constantes no Anexo II da Portaria n.º 330/2001 e demais documentação relevante, conforme previsto no artigo 12º do. Portaria n.º 330/ O EIA é apresentado em suporte de papel e, sempre que possível, em suporte informático selado e nas condições definidas na Portaria n.º 330/ O EIA deve ser acompanhado de uma Nota de Envio (Modelo disponível em dirigida à CCDRC cujo modelo indicativo consta da Parte 2 do Anexo VI da referida Portaria, sendo enviado em (Portaria n.º 330/2001.2º): - 8 Exemplares, no caso de projectos constantes no Anexo II do Exemplares, no caso de constar no Anexo I do A Entidade Licenciadora (EL) envia o EIA à CCDRC (, art. 13º.1). 1. Documentos que acompanham o EIA (Portaria 320/2001, idem): - Nota de Envio endereçada à CCDRC; - 1 Exemplar do Projecto (estudo prévio, anteprojecto ou projecto de execução); - Demais documentação relevante para a Avaliação de Impacte Ambiental (AIA). A EL retém 1 exemplar do EIA. 2. No caso de projectos sujeitos a licenciamento industrial e de 3 / 16

4 estabelecimentos de comércio ou conjuntos comerciais sujeitos a autorização de instalação ou de modificação, a EL envia o EIA e demais documentação no prazo de 3 dias úteis após receber o EIA (, art. 13º.2). Portaria n.º 330/ A CCDRC verifica se o processo se encontra instruído com os elementos necessários (Nota de envio, um exemplar do projecto e demais documentação). 1. Se o processo não estiver instruído com todos os elementos necessários, a CCDR solicita os elementos em falta à EL com conhecimento ao Proponente. 2. Se o processo se encontra devidamente instruído, segue para o passo Cálculo e Pagamento da Taxa (50%) 2.1. A CCDRC calcula a Taxa a aplicar, emite Guia de Pagamento e remete ao Requerente (Portaria n.º 1102/2007, 1º a 5º). Nota: A taxa a aplicar nesta fase do procedimento de AIA é de 50% do valor total, sendo o restante cobrado após a notificação da conformidade do EIA ver passo 4.13 (Portaria n.º 1102/2007, 5º). Portaria n.º 1102/ O Proponente efectua o pagamento da Taxa e envia o comprovativo à CCDRC. 1. O pagamento é efectuado por Multibanco, ou na Caixa geral de Depósitos ou, ainda, na Divisão de Gestão Financeira e Património da CCDRC (Tesouraria) no prazo de 15 dias após a notificação para pagamento, pela CCDRC (Portaria n.º 1102/2007, 5º). 2. A falta de pagamento das taxas no prazo determinado, determina a extinção do procedimento de AIA (Portaria n.º 1102/2007, 6º), devendo a CCDRC notificar deste facto o Proponente e a EL. 3. Nomeação da Comissão de Avaliação (CA) (Com o apoio do Regulamento das Comissões de Avaliação, de acordo com o despacho de S. Ex.ª. o Secretário de Estado do Ambiente, de ) 3.1. A CCDRC nomeia a Comissão de Avaliação do EIA (, art. 7º.2 d). Nota: A composição e competências da CA estão determinadas no artigo 7º do e no Regulamento das Comissões de Avaliação A CCDRC solicita, às Entidades que devem compor a CA, a nomeação dos seus representantes (, art. 9º.3) e remete o EIA para apreciação técnica (, art. 13º.3). 4 / 16

5 3.3. As Entidades nomeiam os representantes. 1. A nomeação dos representantes das Entidades deve ser feita no prazo de 5 dias contados da data do pedido de nomeação, sob pena de estes não serem considerados na composição da Comissão (, art. 9º.3). 2. A CCDRC nomeia dois ou mais representantes, um dos quais é o Presidente da CA e outro responsável pela consulta pública (, art. 9º.1). 3. O ministro responsável pela área do ambiente pode, por proposta fundamentada da CCDRC, determinar que a presidência da CA seja assegurada por uma personalidade de reconhecido mérito na área do projecto a avaliar (, art.9º.4). 4. Verificação de conformidade (30 dias) 4.1. A CA verifica a conformidade do EIA com o disposto no artigo 12º do. Nota: Prazo para verificação da conformidade: 30 dias após receber o EIA na CCDRC O EIA pode estar, ou não, conforme com o disposto no artigo 12º do DL n.º69/2000 (, art. 13º.4). Portaria n.º 1102/ Se o EIA não contém os elementos necessários à sua avaliação, a CA solicita ao Proponente, por uma única vez, os aditamentos, informações complementares ou a reformulação do resumo não técnico, necessários para a apreciação técnica do EIA (, art. 13º.5) fixando um prazo para a resposta. 1. O Proponente pode, também, tomar a iniciativa de apresentar os referidos elementos complementares (, art. 13º.5). 2. O prazo de 30 dias para pronunciamento da CA sobre a conformidade do EIA é suspenso durante o período determinado para a resposta do Proponente A CA informa a EL da suspensão do prazo para pronunciamento sobre a conformidade do EIA (, art. 13º.5) A EL toma conhecimento da suspensão (, art. 13º.5) O Proponente envia à CA os elementos solicitados, no prazo estabelecido. Nota: O Procedimento de AIA termina se o Proponente não envia os elementos solicitados e no prazo estabelecido (, art. 13º.5). 5 / 16

6 4.7. A CA analisa a conformidade do EIA, verificando se mantém os elementos em falta Se o EIA não dá resposta aos elementos solicitados, a CA propõe a emissão da Declaração de Desconformidade. Nota: De acordo com o estabelecido no art.100º do CPA, a CCDR notifica o Proponente para se pronunciar, dando conhecimento da notificação à EL O Proponente e a EL tomam conhecimento A CCDR encerra o procedimento de AIA e comunica o encerramento ao Proponente, com conhecimento à EL Se o EIA está conforme, a CA promove a emissão da Declaração de Conformidade (, art.13º.9) A CCDRC remete ao Proponente a Declaração de Conformidade com conhecimento à EL. Portaria n.º 1102/ A CCDRC emite a Guia de Pagamento da Taxa (taxa relativa à 2ª prestação - Portaria n.º 1102/2007, 5º). Nota: Os valores e regras para o pagamento da taxa nesta fase do procedimento são os descritos nas Notas aos passos 2.1 e O Proponente remete à CCDRC o comprovativo do pagamento da Taxa A CA envia o EIA, para Parecer, às entidades públicas com competências para a apreciação do Projecto (, art.9º n.º 5.c). Nota: As Entidades são o IGESPAR, o ICNB, a DGEG, a AFN, entre outras As Entidades consultadas analisam o EIA e emitem os seus Pareceres. O Procedimento segue para o passo 6.1. Nota: Os pareceres das Entidades são emitidos no prazo de 40 dias, podendo não ser considerados se emitidos fora desse prazo (, art. 13º.10). 5. Participação pública (50 a 60 dias) Portaria n.º 330/ A CCDRC solicita ao Proponente exemplares adicionais do EIA para envio, entre outras, às Câmaras Municipais da área abrangida pelo Projecto (Portaria n.º 330/2001, 2º.4) O Proponente envia os exemplares solicitados. Nota: Prazo para o envio: 5 dias após a solicitação (Portaria n.º 330/2001, 2º.4). 6 / 16

7 5.3. A CCDRC envia exemplares do EIA às entidades referidas As entidades analisam o EIA para eventual apresentação de opiniões favoráveis ou desfavoráveis A CCDRC publicita o EIA através de anúncio e fixa o período de consulta pública (, art. 14º n.º1). 1. A publicitação é feita no prazo de 15 dias contados da emissão da Declaração de Conformidade (, art. 14º n.º1). Portaria n.º 330/ O período de consulta pública é de 20 a 30 dias (, art. 14º.2 b). 3. Audiências Públicas: compete à CCDRC decidir se a Consulta Pública deve incluir a realização de audiências públicas ou outra forma adequada de auscultação do público interessado (, art. 14º.4). Os Procedimentos de Audiência pública são determinados pelo artigo 15º do A CCDRC responde, por escrito, aos pedidos escritos de esclarecimento que lhe sejam dirigidos. (, art. 14º.6) A CCDRC envia ao Presidente da CA o Relatório de Consulta Pública que contém, entre outros, a síntese das opiniões predominantes expressas e respectiva representatividade (, art. 14º.5). Nota: O Relatório deve ser enviado no prazo de 15 dias após a conclusão da consulta pública. 6. Avaliação do EIA e Parecer Final da CA (25 dias) 6.1. A CA, em face dos pareceres técnicos recebidos, da apreciação técnica do EIA, do Relatório de Consulta Pública, entre outros, elabora e remete à CCDRC o Parecer Final do Procedimento de AIA (, art. 16º.1). Nota: Prazo para o envio do Parecer final: 25 dias, a contar da recepção do Relatório de Consulta Publica (, art. 16º.1). 7. Declaração de Impacte Ambiental (DIA) 7.1. A CCDRC elabora a Proposta de Declaração de Impacte Ambiental (DIA) que remete ao ministro responsável pela área do Ambiente (, art. 16º.2). Nota: A Proposta de DIA é enviada no decurso do prazo previsto no passo O Secretário de Estado do Ambiente, por delegação do Ministro responsável pela área do Ambiente, profere a DIA 7 / 16

8 (, art. 18º, n.º 1). Nota: Prazo para o procedimento: 15 dias, contados a partir da data da recepção da Proposta de DIA da CCDRC (, art. 18º, n.º 1) A Secretaria de Estado do Ambiente notifica de imediato e em simultâneo a EL, a CCDRC e o Proponente (, art. 18º.2) A EL e o Proponente tomam conhecimento da DIA A EL e o Proponente devem ser notificados no prazo de 120 dias, contados a partir da data de recepção do EIA (, art.19º.1). Nota: Sempre que o EIA se refere a um estabelecimento industrial estruturante para a economia nacional ou a um estabelecimento a instalar em zona de localização empresarial ( ) o prazo referido pode ser reduzido até 80 dias. Em ambos os casos, a redução de prazo carece de autorização dos ministros da economia e do ambiente (, art. 19º.3 e.4) Se a EL e o Proponente não foram notificados no prazo, a DIA é considerada favorável (, art. 19º.1). O procedimento segue para o passo Se foram notificados no prazo, a DIA pode ser favorável, favorável condicionada ou desfavorável (, art. 17º.1) Se a DIA é desfavorável, termina o Procedimento de AIA Se a DIA é favorável, o Proponente requer, junto da EL o licenciamento da Obra A CCDRC envia a DIA à CA e às entidades que participaram na AIA A CA e as Entidades tomam conhecimento da DIA. 8. Divulgação 8.1. A CCDRC divulga a DIA no prazo de 20 dias após a sua emissão (, art. 23º a 26º). 1. A divulgação é feita no prazo de 20 dias contados a partir da data de emissão da DIA (, art. 25º) através de anúncio publicado em jornal nacional/regional, afixado nas Câmaras Municipais abrangidas pelo Projecto e, quando possível, na Internet (, art.26º) 2. A DIA encontra-se disponível para consulta (, art. 22º n.º.1, art. 26º n.º3): - Nas Divisões Sub-Regionais da CCDRC (DSR) da área de 8 / 16

9 localização do Projecto; - Na APA; - Nas Câmaras Municipais da área de localização do Projecto. Licenciamento 1. O Licenciamento de Projectos sujeitos a AIA só pode ser praticado após a notificação da respectiva DIA ou após o decurso do prazo necessária para o deferimento tácito (, art. 20º). Avaliação 2. Os prazos estabelecidos para o licenciamento ficam suspensos até à data em que ocorra a notificação da EL ou o deferimento tácito (, art. 18º.3). Nota: Após a emissão da DIA favorável ou condicionalmente favorável, compete à CCDRC, na qualidade de Autoridade de AIA, dirigir e orientar a pós-avaliação do projecto (, art. 27º). Ver Normas AM/03 RECAPE e AM/04 Relatório de Monitorização. 9 / 16

10 4. Fluxograma da Tramitação 10 / 16

11 11 / 16

12 12 / 16

13 13 / 16

14 14 / 16

15 5. Anexo Modelo de Declaração de Envio do EIA à Autoridade de AIA (ver página seguinte) 15 / 16

16 Modelo de Declaração de Envio de Estudos de Impacte Ambiental à Autoridade de AIA Nome ou denominação: Identificação do Proponente Sede ou Domicílio N.º Fiscal: Nome: Contactos do Proponente para efeitos de procedimento de AIA Endereço para correspondência: Código Postal: Endereço Electrónico: Telefone: Fax: - Designação (a) Localização (b) Valor do Investimento (c) Dados do Projecto DL 69/2000, de 3 de Maio, alterado pelo DL 197/2005, de 8 de Novembro: Sujeição ao Procedimento de AIA (d) Anexo, Alínea, n.º Caso Geral Área Sensível: Publicação em Diário da República Despacho Conjunto: Ministros Ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional Autoridade de AIA Agência Portuguesa do Ambiente Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de 10 8 Sim Não Número de Exemplares do EIA (e) Informação Confidencial (f) (a) (b) (c) (d) (e) (f) A designação do projecto deve ser auto-explicativa da natureza do mesmo. Indicar qual (quais) o(s) concelho(s) e freguesia(s) abrangido(s). Ao abrigo da Portaria 1102/2007, de 7 de Setembro. No caso de o projecto estar abrangido por mais do que uma alínea dos Anexos I e II do DL 69/2000, de 3 de Maio, alterado pelo DL 197/2005, de 8 de Novembro, indicar quais. A entidade licenciadora ou competente pela autorização do projecto retém um exemplar. Em sobrescrito fechado.

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 AM/05 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DE INCIDÊNCIAS AMBIENTAIS DE FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS (FER) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO

Leia mais

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA)

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 04 / AM Tramitação dos processos de Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) (Procedimento de AIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS NORMA DE PROCEDIMENTOS Janeiro de 2005 EIA 1C / AM Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA)

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 361/XI

PROJECTO DE LEI Nº 361/XI PROJECTO DE LEI Nº 361/XI ALTERA O REGIME JURÍDICO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL ESTABELECIDO PELO DECRETO-LEI Nº 69/2000, DE 3 DE MAIO, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 74/2001,

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Legislação de enquadramento A tramitação dos procedimentos exigíveis nos processos de elaboração e revisão de planos

Leia mais

A DIA e o RECAPE Júlio de Jesus, eng.º amb.

A DIA e o RECAPE Júlio de Jesus, eng.º amb. A DIA e o RECAPE Júlio de Jesus, eng.º amb. Enquadramento no regime da AIA A DIA - Declaração de Impacte Ambiental contexto legal estrutura da DIA principais problemas O RECAPE - Relatório de Conformidade

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 6328-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 211 31 de outubro de 2013 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 151-B/2013 de 31 de outubro O Decreto-Lei

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS).

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA CONTROLADAS POR MEIOS MECÂNICOS (PARCÓMETROS). Legislação habilitante - Considerando o artigo 64, nº 1, al u) da Lei 169/99, de

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA)

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA) 5 de novembro de 2013 Novo Regime Ambiental (RJAIA) Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt Foi publicado o Decreto-Lei n.º 151-B/2013, de 31 de outubro, que estabelece o novo Regime Ambiental (RJAIA) aplicável

Leia mais

Avaliação Ambiental de Planos e Programas

Avaliação Ambiental de Planos e Programas NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 10 / AM Tramitação dos processos de Avaliação Ambiental de Planos e Programas 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

Requisitos técnicos e número de exemplares de documentos a apresentar em suporte digital Avaliação de Impacte Ambiental

Requisitos técnicos e número de exemplares de documentos a apresentar em suporte digital Avaliação de Impacte Ambiental Requisitos técnicos e número de exemplares de documentos a apresentar em suporte digital Avaliação de Impacte Ambiental março de 2015 Título: Requisitos técnicos e número de exemplares de documentos a

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

A Lei n.º 13/99, de 22 de Março, aprovou o regime jurídico do recenseamento eleitoral 24.

A Lei n.º 13/99, de 22 de Março, aprovou o regime jurídico do recenseamento eleitoral 24. 4. RECENSEAMENTO ELEITORAL A Lei n.º 13/99, de 22 de Março, aprovou o regime jurídico do recenseamento eleitoral 24. É um processo oficioso, obrigatório, permanente e único para todas as eleições por sufrágio

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO

FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO O cadastro comercial

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Aprovado pelo Conselho Geral em 29/06/09 Nos termos do despacho n.º 13531/2009 (2.ª Série), publicado na II Série do Diário da República n.º 111,

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO PROGRAMA DE PROCEDIMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO 1.1. Concurso público para atribuição de quatro licenças para o exercício da atividade de transporte de aluguer em veículos automóveis ligeiros

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 EJR 06 / AL Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 01 / AL 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA PREÂMBULO As instalações da Junta de Freguesia têm como fim a satisfação das necessidades da Autarquia e das suas populações. As salas não ocupadas permanentemente pelos Serviços da Junta, destinam-se

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Lei n.º 12/2004. DR 76 SÉRIE I-A de 2004-03-30 Assembleia da República Estabelece o regime de autorização a que estão sujeitas a instalação e a modificação de estabelecimentos de comércio a retalho e de

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 3065. Artigo 38. o

Diário da República, 1. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 3065. Artigo 38. o Diário da República, 1. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 3065 Artigo 38. o Norma revogatória São revogados: a) O Decreto-Lei n. o 109/91, de 15 de Março, alterado pelo Decreto-Lei n. o 282/93, de 17 de

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

Comércio & Serviços. guia prático

Comércio & Serviços. guia prático Comércio & Serviços guia prático este guia Apresenta os licenciamentos e alvarás necessários ao evento de vida TER UM NEGÓCIO, cuja actividade específica é a área de Comércio e Serviços, que diz respeito

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 163 24 de Agosto de 2007 5659 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 40/2007 de 24 de Agosto Aprova um regime especial de constituição imediata de associações e actualiza o

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 6º. Localização de Serviços - Locação financeira e aluguer de longa duração - Meios de transporte. Processo: nº 1156, despacho do SDG dos Impostos, substituto

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal 21 de novembro de 2014 REGULAMENTO DO PROJETO MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE (Deliberação da CMA de 29.10.2014) (Deliberação da AMA de 13.11.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CÂMARA

Leia mais

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL 02 PREFÁCIO PREFÁCIO A AEP - Associação Empresarial de Portugal, como entidade representativa do tecido empresarial nacional e atenta ao imperativo da competitividade

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 332/X REVISÃO DO REGULAMENTO DAS CONTRASTARIAS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROJECTO DE LEI N.º 332/X REVISÃO DO REGULAMENTO DAS CONTRASTARIAS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS PROJECTO DE LEI N.º 332/X REVISÃO DO REGULAMENTO DAS CONTRASTARIAS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A presente iniciativa legislativa tem na sua génese as transformações profundas que sofreu o mercado português de

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

1. Condições de inscrição

1. Condições de inscrição Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Regulamento das provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas Nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 4º do Estatuto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA REAL

MUNICÍPIO DE VILA REAL MUNICÍPIO DE VILA REAL PROJETO DE ALTERAÇÕES REGULAMENTARES DIVERSAS PREÂMBULO Com a publicação Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril, que simplifica o regime de exercício de diversas atividades económicas

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

Residenciais, nos casos em que a sua realização implique o alojamento; Não Residenciais, nos restantes casos.

Residenciais, nos casos em que a sua realização implique o alojamento; Não Residenciais, nos restantes casos. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55203 EXPLORAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES Nota Justificativa A aposta do Município de Guimarães nas novas tecnologias de informação, tem sido uma

Leia mais

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015,

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS. Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos

INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS. Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos Data: 16-02-2012 Versão: 1 Direcção-Geral do Ensino Superior Av. Duque d Ávila, 137 1069-016 Lisboa Tel.

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 1772 Diário da República, 1.ª série N.º 101 25 de Maio de 2010 Norma transitória As comissões de serviço em curso mantêm -se, nos seus precisos termos, até ao final do respectivo prazo. Norma revogatória

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa

PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa A Lei nº 169/2012, de 1 de agosto, que entrou em vigor no dia 31 de março de 2013, criou o Sistema da Indústria Responsável

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto

Definição do conceito fiscal de prédio devoluto Definição do conceito fiscal de prédio devoluto A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais