UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DOUGLAS BEVILACQUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DOUGLAS BEVILACQUA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DOUGLAS BEVILACQUA PARÂMETROS FÍSICOS, QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS DE OVOS DE CASCA MARROM COMERCIALIZADOS NO OESTE CATARINENSE NO INVERNO E VERÃO CHAPECÓ/SC 2013

2 DOUGLAS BEVILACQUA PARÂMETROS FÍSICOS, QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS DE OVOS DE CASCA MARROM COMERCIALIZADOS NO OESTE CATARINENSE NO INVERNO E VERÃO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Zootecnia como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Zootecnia. Orientador: Prof. Dr. Marcel Manente Boiago CHAPECÓ/SC 2013

3 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho de conclusão de curso do curso de Zootecnia, apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Zootecnia. Profª. Drª Denise Nunes Araujo Aprovado em: 19/11/2013 CHAPECÓ, 2013

4 À minha família e amigos.

5 AGRADECIMENTOS À Deus, em primeiro lugar, pois sem ele, nada disso seria possível. Ao Professor Doutor Marcel Manente Boiago, pela orientação nas pesquisas e também pela amizade ao longo de todos esses anos. Aos meus colegas que ajudaram na realização das pesquisas para desenvolvimento deste trabalho. À Professora Doutora Lenita Moura Stefani pela co-orientação e auxílio nas análises microbiológicas.

6 SUMÁRIO Resumo... 8 Abstract... 9 Introdução... 9 Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusão Referências Tabela 1. Valores médios obtidos para gravidade específica (GE), unidade Haugh (UH), índice gema (IG), Cor da Gema, ph da gema, ph do albúmen e atividade de água (Aw) da gema e do albúmen dos diferentes tratamentos Tabela 2. Desdobramento da interação entre período x marca para unidade Haug (UH), ph da gema (phg), ph do albúmen (pha), atividade de água da gema (Awg) e atividade de água do albúmen (Awa) Tabela 3. Análises do PCA (UFC/ml) da casca e do conteúdo de 24 e 72 horas nos períodos de inverno e verão das marcas A,B e C Tabela 4. Contagem média das análises do Sabouraund (UFC/1mL) da casca de 3 e 7 dias nos períodos de inverno e verão das marcas A,B e C Tabela 5. Número de placas de não apresentaram contagem ou número incontável na casca e conteúdo para PCA em 24 e 72 horas Sabouraund em 3 e 7 dias

7 MANUSCRITO Os resultados do Trabalho de Conclusão de Curso apresentados na forma de manuscrito, que encontra-se formatado conforme as normas da Revista Brasileira de Ciência Avícola. PARÂMETROS FÍSICOS, QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS DE OVOS DE CASCA MARROM COMERCIALIZADOS NO OESTE CATARINENSE NO INVERNO E VERÃO Douglas Bevilacqua

8 Parâmetros físicos, químicos e microbiológicos de ovos de casca marrom comercializados no oeste catarinense no inverno e verão*. Douglas Bevilacqua¹, Anaiara Langaro², Mauricio Barreta², Helen Krystine da Silva², Paulo Henrique Pelissari², Elison Luciano Salles², Lenita Moura Stefani³, Marcel Manente Boiago 4**. ¹ Graduando do Curso de Zootecnia CEO/UDESC *Parte do trabalho de conclusão de curso. ² Acadêmico (a) do Curso de Zootecnia CEO/UDESC ³ Professor (a) do Departamento de Zootecnia CEO/UDESC 4 Professor do Departamento de Zootecnia CEO/UDESC **Orientador Resumo Avaliou-se a qualidade interna e parâmetros microbiológicos de ovos marrons comercializados na cidade de Chapecó nos períodos de inverno e verão, com nove dias de armazenamento em temperatura ambiente. Para as análises físico-químicas foram utilizados 288 ovos distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 3x2 (três marcas e duas épocas do ano) com 4 repetições (cartelas com 12 ovos). Foram analisados os parâmetros gravidade específica, unidade Haugh, índice gema, coloração da gema, ph da gema e do albúmen, atividade de água da gema e do albúmen e presença de fungos e bolores, além de bactérias na casca e conteúdo dos ovos. Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5%). Quando armazenados em temperatura ambiente, ovos comercializados no inverno apresentaram melhor manutenção da qualidade interna. Ovos comercializados no verão e no inverno apresentaram maiores contaminações bacterianas e fúngicas, respectivamente. Foram encontradas diferenças entre as marcas analisadas, provavelmente pela logística adotada pelas diferentes empresas deste o momento da alocação dos ovos nas embalagens até o momento da estocagem e venda nos supermercados. Palavras-chave: Atividade de água, inverno, microbiologia, unidade Haugh, verão. 8 Endereço para correspondência: Rua Beloni Trombeta Zanin 680E - Bairro Santo Antônio - Chapecó SC CEP: para correspondência:

9 Abstract The internal quality and microbiological parameters of brown eggs sold in Chapecó city - SC, Brazil were evaluted during winter and summer, with nine days of storage at room temperature. For physical-chemical analyzes we used 288 eggs distributed in a completely randomized 3x2 factorial design (three brands and two seasons) with 4 replications (12 cards with eggs) each. Samples were analyzed for specific gravity, Haugh unit, yolk index, yolk color, ph of yolk and albumen, water activity of yolk and albumen and the presence of fungi, molds and bacteria on the shell and contents of the eggs. The results were submitted to analysis of variance and means were compared by Tukey's test (5 %). When stored at room temperature, the eggs offered in the winter had better maintenance of internal quality. Eggs sold in summer and in winter had higher bacterial and fungal contamination, respectively. Differences were found among the brands tested, probably due to logistics used by different companies. Key-words: Haugh unit, microbiology, summer, water activity, winter Introdução A produção de ovos no Brasil tem crescido anualmente, mesmo com o consumo per capita do brasileiro tendo uma pequena queda de 2011 para 2012 de 0,64%, mas com um aumento de 61,2% no volume de exportação do produto, que mesmo assim ainda alcança apenas 1% de toda a produção. Aproximadamente 5,53% dos ovos produzidos no Brasil são industrializados e o restante comercializado in natura, o que resulta em maiores gastos com transporte, por tratar-se de um produto muito frágil e que exige temperaturas amenas para manutenção da qualidade. São Paulo obteve em 2012 a maior produção por estado, contabilizando 36,59% da produção nacional, em segundo lugar Minas Gerais com 11,73% e em terceiro Espírito Santo com 7,69%. Santa Catarina aparece em 10º lugar, com apenas 2,31% da produção nacional, totalizando 2,64 bilhões de dúzias de ovos em 2012 (Ubabef, 2013). 9

10 Dentre os alimentos que o ser humano possui acesso facilitado, o ovo é um dos mais completos e com o uso mais variado, podendo ser usado desde a fabricação de massas e pães, até o processamento para produção do ovo em pó ou líquido pasteurizados. É composto por aproximadamente 10% de casca, 58% de albúmen e 32% de gema, tendo em média 6,3 gramas de proteína, 0,6 gramas de carboidratos e 5,0 gramas de gordura, sendo destes, apenas 0,21gramas de colesterol (Coutts et al, 2007). A qualidade interna dos ovos sofre grande influência da temperatura de armazenamento, sendo que quando armazenado sob refrigeração (4ºC) a perda de qualidade é significativamente menor (Coutts et al, 2007). Logo após a postura do ovo, começam a ocorrer mudanças devido à trocas gasosas entre ovo e ambiente via poros da casca, fenômeno este, que reduz sua qualidade interna, causando sua deterioração. Quando armazenado sob refrigeração a vida útil do ovo pode chegar a 60 dias, entretanto, quando submetido a condições de temperatura ambiente, vinte dias são suficientes para comprometer a qualidade dos mesmos (Souza et al., 1997). Nas condições brasileiras, 92% dos ovos comercializados "in natura" não são refrigerados, sofrendo portanto rápida perda de qualidade, sendo essa mais expressiva em regiões quentes. A região sul do Brasil apresenta inverno característico. Segundo Alleoni & Antunes (2001) com temperaturas médias consideravelmente menores que nas demais regiões e umidade mais elevada, fatores que podem minimizar a perda de qualidade desse produto de origem animal, aumentando assim sua vida de prateleira, que no Brasil não deve ultrapassar 30 dias (Mapa, 1990). Problemas de má formação da casca também comprometem a qualidade interna e externa dos ovos. Com o envelhecimento da ave, a tendência é de que ocorra diminuição da espessura da casca do ovo, variação essa que pode ser minimizada com o fornecimento correto de cálcio e vitamina D 3, que contribui para a absorção e posterior deposição desse mineral nos ossos e na casca do ovo. Moura et al (2008), em experimento realizado com ovos de codorna Japonesa (Coturnix japônica), verificou uma manutenção da qualidade dos ovos por mais tempo quando refrigerados, mantendo em melhores níveis os índices de unidade Haugh, altura do albúmen e peso do ovo. 10

11 Logo após a postura, espera-se que o ovo tenha o mínimo possível de contato com agentes etiológicos prejudiciais à manutenção de sua qualidade, sobretudo no seu interior, já que possui além da casca, diversos outros mecanismos de proteção, como a cutícula da casca, que serve como contra a entrada de microrganismos, funcionando como barreira física. Além disso, a própria albumina, proteína mais abundante no ovo, funciona como protetor químico por ter um alto ph (em torno de 7,2 à 9,5) e a baixa disponibilidade de compostos nitrogenados. Apesar de toda a dificuldade encontrada para desenvolverem-se no albúmen, encontram na gema condições ideais com nutrientes e ph, completando o processo de deterioração (Franco & Landgraf, 2004). A entrada de agentes patógenos no interior dos ovos se dá sobretudo pela casca, seja pelos poros existentes, ou mesmo por pequenas fissuras, que aliados à condições com temperatura ideal, umidade e tempo para desenvolvimento, formam o ambiente perfeito para o seu desenvolvimento (Silva Junior, 2010). Deste modo, o ambiente do galpão, a carga bacteriana da casca, que varia de acordo com o sistema de produção, tempo até a coleta e higiene da coleta, limpeza e higiene de equipamentos e embalagens podem contribuir muito para a manutenção ou não da qualidade do produto (Silva et al, 2000). A lavagem dos ovos acarreta na retirada da cutícula protetora da casca do ovo, o que facilita a entrada de microrganismos e a decomposição interna no produto (Stringhini et al, 2009). Fajardo et al. (1995) relatam que ovos sem cutícula apresentaram uma contaminação posterior às três primeiras horas após a postura superior aos que a possuíam a cutícula. Dessa forma, indica-se não realizar a lavagem dos ovos após a coleta na granja e antes do consumo. Após a industrialização do produto, que habitualmente utiliza apenas o conteúdo dos ovos, um destino alternativo para a casca seria o encaminhamento à escolas e comunidades carentes, pois é uma ótima fonte de cálcio, como realizado no trabalho de Naves et al (2007), que testaram a fabricação de pó de casca de ovo, através da trituração das mesmas, após a higienização do funcionário, lavagem em água corrente, imersão em solução com hipoclorito de sódio (10 ml), 11

12 secagem, verificaram que ausência de Salmonella sp, Staphylococcus aureus e Bacillus cereus, possibilitando então, o consumo sem risco de contaminação. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa, 1990), o ovo integral líquido deve apresentar contagem padrão máxima de 5 x 10 4 UFC/g, ausência de coliformes fecais e Staphylococcus aureus em 1g de ovo e ausência de Salmonella spp em 25g de ovo. Figueiredo (2008) em experimento realizado com 120 amostras de ovos de poedeiras novas e velhas, armazenados em temperatura ambientes e sob refrigeração entre 1 e 28 dias de estocagem, encontrou maior presença de bolores no conteúdo dos ovos das matrizes velhas. Isto explica-se provavelmente pela piora na deposição de cálcio na casca conforme a matriz vai ficando mais velha, de modo à haverem mais microfissuras. Andrade et al, (2004) em estudo realizado na cidade de Goiânia GO, mostrou que a quantidade de microrganismos encontrados em ovos de supermercados é igual a existente em amostras coletadas nas próprias granjas (35,38%) porém, bem inferior aos números de feiras livres (58,18%) e de postos de vendas (60%). Segundo o autor, essa pequena influência pode ser explicada pelo pequeno manuseio que esses produtos sofreram, aliados a cuidados com a higiene, seguindo uma ordem adequada de coleta juntamente com um bom manejo de coleta. De acordo com Moats et al, (1980) em estudo que comparava ovos lavados e não lavados de diferentes plantas de industrialização, encontrou a presença dos seguintes microrganismos nas respectivas quantidades: Staphylococcus sp 41%, Micrococcus sp 15%, Coli-aerogenes sp 10%, Aerococcus sp 8%, Streptococcus sp 8%, Coryneform sp 15%, Lactobacillus sp 1%, Flavobacterium sp 1%, outros aeróbios gram-negativo1%, leveduras e mofos 1%. A contagem de microrganismos da casca dos ovos foi bem variável, apresentando uma menor contagem nos ovos lavados. Diante do exposto, os objetivos do presente estudo foram avaliar a manutenção de características físicas, químicas e microbiológicas de três marcas de ovos marrons comercializados na Cidade de Chapecó, nos períodos de verão e inverno. Materiais e Métodos 12

13 O experimento foi conduzido nos Laboratórios de Nutrição Animal (LANA) e de Microbiologia e Imunologia (LABMIN) do Departamento de Zootecnia do Centro de Educação Superior do Oeste CEO, da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, durante os meses de Março e Julho de Foram adquiridos 576 ovos marrons tipo grande em dois períodos distintos, verão e inverno, sendo 288 para cada época. Cento e quarenta e quatro ovos foram destinados para as análises físico-químicas e 144 ovos para as análises microbiológicas. Os ovos encontravam-se acondicionados em bandejas de celulose com capacidade para doze ovos cada, sendo esses quebrados aos nove dias de armazenamento, contados a partir da data da classificação no entreposto, descrita na embalagem do produto. Para as análises físico-químicas foi utilizado um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 3x2 (3 marcas e 2 períodos) com 4 repetições (bandejas) cada. Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5%). Foram realizadas as seguintes análises físico-químicas: Gravidade específica: Utilizou-se a metodologia descrita por Freitas et al, (2004), que baseia-se no princípio de Arquimedes. A fórmula de cálculo utilizada foi GE = PA/PAG x Fc, onde PA é peso no ar (fora d água), PAG é peso na água e Fc é o fator de correção que varia de acordo com a temperatura do ambiente no momento da pesagem, foi de 24 C, com uma amplitude que variou entre -3ºC durante a noite no inverno até 37ºC durante o dia no verão. Unidade Haugh: os ovos foram quebrados em uma plataforma de vidro e em seguida feita a medição da altura do albúmen denso em três pontos, com o auxílio do Egg Quality Micrometer. Posteriormente os valores foram inseridos na equação: UH = 100. log (H + 7,57 1,7. W 0,37 ), onde H representa a altura do W o peso do ovo. em gramas. Índice gema: foi calculado através da fórmula IG = AG/LG, onde AG e LG são altura e largura da gema, respecitvamente, ambos em milímetros. A altura e a largura da gema foram mensuradas com o Egg Quality Micrometer paquímetro manual. 13

14 Cor da gema: foi aferida com auxílio do leque colorimétrico DSM, com escala que varia de 1 até 15. ph da gema e do albúmen: foi realizada em triplicata, em béqueres de 100 mililitros, utilizando um peagâmetro portátil calibrado antes das análises. Atividade de água da gema e albúmen (Aw): foi realizada em triplicata com auxílio do equipamento Aqualab Lite. Análises Microbiológicas: foram realizadas análises de quantificação de bactérias e fungos na casca e no conteúdo dos ovos. Para as análises de bactérias, foi utilizado o PCA (Plate Count Agar), nas diluições de 10-2 e 10-3 para casca e 10-1 e 10-2 para o conteúdo. A técnica de análise utilizada foi semelhante à usada por Lacerda (2011), utilizando em pool de 6 ovos (duas amostras por bandejas) com 50 ml de água peptonada esterilizada, lavando o ovos por 10 vezes, com 10 ml da solução, retirando 1 ml e homogeneizando no PCA, levado até a estufa bacteriológica à 36 C, sendo realizadas contagens com 24 e 72 horas. Os resultados foram expressos em UFC/ml (Unidades Formadora de Colônias por ml de solução). Para verificação de fungos e bolores utilizou-se o Sabouraund nas diluições de 10-1 e 10-2 e 10-3 e 10-4, para casca e conteúdo, respectivamente. Foram realizados pools de 6 ovos (duas amostras por bandejas) com 50 ml de água peptonada esterelizada, lavando o ovos por 10 vezes, com 10 ml da solução, retirando 0,5 ml e homogeinizando do Agar Sabouraund. Foram realizadas 96 amostras de análises, levadas à estufa bateriológica a 36 C, realizadas as contagens em 3 e 7 dias para verificar o crescimento dos fungos e bolores. Os resultados foram expressos em UFC/0,5ml (Unidades Formadora de Colônias por 0,5ml de solução). Resultados e Discussão Os resultados obtidos para as análises físico-químicas se encontram na Tabela 1. Houve interação entre os fatores período do ano e marca para os parâmetros unidade Haugh, ph da gema, ph do albúmen e atividade de água da gema e do albúmen (Tabela 2). 14

15 Não existiu efeito dos fatores período do ano e marca sobre o parâmetro gravidade específica, que avalia indiretamente a qualidade da casca dos ovos. Tal resultado mostra que as três marcas apresentaram boa qualidade de casca, geralmente melhor em aves jovens. Quanto ao período do ano, interpreta-se como resultado normal, pois a temperatura não interfere na qualidade da casca após a postura. A qualidade da gema (Tabela 1) dos ovos analisados foi superior no inverno, sendo tal resultado ilustrado pelo maior valor de índice gema dessas amostras, corroborando com Moura et al. (2008), em experimento com acondicionamento de ovos de codornas japonesas (Coturnix japonica). A perda da qualidade da gema é maior em condições inadequadas de armazenamento, onde grande quantidade de água oriunda do albúmen tem acesso à gema, aumentando a pressão da membrana vitelina e ocasionando sua expansão (Coutts et al, 2007). Quanto às diferentes marcas, notou-se que a B apresentou qualidade da gema inferior às demais, que não diferiram entre si. Esse resultado pode ser consequência de uma deficiente logística de entrega do produto, a exemplo de transporte por períodos longos em caminhões sem refrigeração. Percebeu-se efeito significativo do fator período do ano sobre o parâmetro cor da gema (Tabela 1), que foi maior nos ovos comercializados no verão. A provável explicação para tal ocorrido é a de que no verão o uso de milho como ingrediente energético nas rações para poedeiras é maior, sendo esse cereal rico em agentes pigmentantes da gema (carotenóides) (Silva, et al. 2000). Já no inverno é mais comum o uso do sorgo, que é pobre em carotenóides. Houve também efeito da marca sobre a cor da gema, onde os ovos da marca B apresentaram gemas mais amareladas que os das marcas A e C. Esse ocorrido pode ser explicado por uma provável diferença de constituintes da ração de cada granja, que pode alterar a quantidade de carotenóides disponíveis. Quando se desdobrou a interação entre os fatores período do ano e marca para a variável unidade Haugh (Tabela 2) percebeu-se diferença entre as marcas somente no período do verão, onde os ovos da marca C apresentaram qualidade de albúmen (unidade Haugh) melhor que às demais, que não diferiram entre si. Os ovos das marcas A e B apresentaram maiores valores de 15

16 unidade Haugh no inverno, demostrando efeito de temperaturas inferiores na manutenção da qualidade. Entretanto, nas amostras da marca C esse resultado não ocorreu, sendo as médias no verão similares às do inverno. O desdobramento entre os fatores período do ano e marca para o parâmetro ph da gema (Tabela 2) mostrou que no verão não houve diferença significativa entre as marcas. Já no inverno, os ovos da marca C apresentaram ph da gema menores que os da marca B. O ph da gema dos ovos da marca A foi próximo das demais marcas. Houve efeito significativo do período do ano sobre o ph da gema dos ovos da marca C, que foi menor no inverno, resultado desejável, pois mostra menor perda de CO 2 para o ambiente, gás que contribui para o correto funcionamento do sistema tamponante do ovo. O ph da gema dos ovos das marcas A e B não sofreram influência significativa do período do ano. O ph da gema, que em ovos de postura recente é de aproximadamente 6,0 e após alguns dias de exposição pode atingir até 6,9 (Coutts, 2007). Após desdobramento da interação entre período do ano e marca para ph do albúmen (Tabela 2), notou-se que apenas no inverno as diferenças entre as marcas foram significativas, sendo maiores os valores das marcas B, A e C, respectivamente (P<0,01). Houve efeito do período do ano sobre o ph do albúmen das marcas B e C, sendo menores no inverno para a marca C e no verão para a marca B. O ph do albúmen, em ovos de postura recente é de aproximadamente 7,6 e 8,5, podendo chegar até a 9,4 após alguns dias de armazenamento em temperaturas elevadas (Coutts, 2007). Em condições normais o ovo possui atividade de água (Aw) de 0,97, escala que varia de 0 a 1,0, onde quanto maior for esse coeficiente, maior será a chance de ocorrer alta proliferação bacteriana (Franco & Landgraf, 2008). Quando se realizou o desdobramento da interação entre os fatores para o parâmetro de atividade de água da gema (Tabela 2), percebeu-se que no inverno, os ovos da marca C obtivendo resultado superior apresentaram diferença significativa para os das marcas A e B, que não diferiram entre si. Já no verão não houve diferença entre as marcas (P>0,05). Quando se analisou o fator marca dentro de cada período, notou-se que apenas a marca B 16

17 apresentou diferença significativa, tendo resultado pior no verão, pois o aumento da temperatura favorece a absorção de água do albúmen pela gema. O desdobramento entre os fatores marca e período para atividade de água do albúmen (Tabela 2). Percebeu-se que no inverno a marca C diferiu significativamente das marcas A e B, apresentando Aw superior às demais. Provavelmente os ovos das marcas A e B foram acondicionados sobre condições inadequadas de temperatura e umidade, gerando altas perdas de CO 2 e H 2, que leva à formação de H 2 O no interior dos ovos, por ação da enzima anidrase carbônica, que de acordo com Berg et al, (2004) tem função de hidratação do dióxido de carbono (CO 2 ) no tecido uterino que é transformado em ácido carbônico. No verão não houve diferença significativa entre as marcas. Quando se analisou o efeito do fator período do ano, notou-se que os ovos das marcas A e B tiveram maiores valores de Aw no verão, novamente indicando queda de qualidade interna devido a temperaturas elevadas. Os ovos da marca C não apresentaram diferença significativa nos diferentes períodos. As análises de PCA da casca (Tabela 3) mostraram que os ovos da marca B apresentaram maiores valores de contaminação no inverno nas duas contagens (24 e 72 horas), o que indica que os ovos possam ter passado por um ambiente mais contaminado durante o processo de classificação, transporte e armazenagem, ou mesmo que os ovos continham traços de sujidades, como fezes, por exemplo. No verão, o resultado se repetiu, onde a marca B também apresentou maiores valores de contaminação. Comparando inverno e verão, notou-se resultados superiores no segundo período, provavelmente pelo fato de que maiores temperaturas favorecem o desenvolvimento de bactérias. Para o PCA do conteúdo (Tabela 4) foram encontrados números de UFC/mL baixos, quando comparados com os valores da casca, independente de marca ou período do ano, pois a casca funciona como barreira física e química de proteção, já que possui uma camada de mucina, proteína que tem ação bactericida. Para o Sabouraund da casca (Tabela 5) notou-se que os ovos da marca A apresentaram maior contaminação no inverno aos 3 e 7 dias. Para as demais marcas foi verificada maior 17

18 contaminação também no inverno, entretanto somente aos três dias, pois com sete dias de incubação os resultados foram similares no inverno e no verão. O inverno no oeste catarinense é muito chuvoso, o que pode explicar a maior contagem nesse período devido à aceleração da proliferação dos fungos, como explicado por Lazzari (1993), que diz a alta umidade aliada à outros fatores como temperatura, tempo de armazenamento favorecem seu desenvolvimento. A análise do Sabouraund do conteúdo (Tabela 6) mostrou pouca variação na contagem de UFC/mL, sendo que apenas os ovos da marca A apresentaram contagem superior (3º dia de incubação) no inverno. Esses resultados provavelmente estão relacionados com a proteção gerada pela estrutura física e química da casca, conforme discutido anteriormente. Algumas placas não apresentaram contaminação nas contagens ou então, estavam demasiadamente contaminadas, de modo que não foi possível realizar a contagem das colônias, essas placas estão discriminadas na Tabela 5. Conclusão Pode-se concluir que quando armazenados em temperatura ambiente, ovos comercializados no inverno apresentaram melhor manutenção da qualidade interna. Ovos comercializados no verão e no inverno apresentaram maiores contaminações bacterianas e fúngicas, respectivamente. Referências Alleoni ACC, Antunes AJ. Unidade Haugh como medida da qualidade de ovos de galinha armazenados sob refrigeração. Scientia Agricola 2001, 58 (4) : Andrade MA, Café MA, Jayme VA, Rocha PT, Leandro NSM, Stringhini JH, Avaliação da qualidade bacteriológica de ovos de galinha comercializados em Goiânia, Goiás, Brasil. Ciência Animal Brasileira, 2004, 5 (4) : Berg C, Blomqvist A, Holm L, Brunstro m and Y Ridderstrale B. Embryonic exposure to oestrogen causes eggshell thinning and altered shell gland carbonic anhydrase expression in the domestic hen. Reproducion Research, 2004, Coutts JA, Wilson GC, Ovos de Ótima Qualidade Uma Abordagem Prática. 1.ed. Rio de Janeiro: 5M Publishing, Fajardo TA, Anantheswaran RC, Puri VM, Knabel SJ. Penetração de Salmonella enteritidis em ovos Submetidos a um arrefecimento rápido. Journal of Food Protection, 1995, 58 (5) :

19 Figueiredo, TC. Características físico-química e microbiológica e aminas bioativas em ovos de consumo. [Dissertation]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; Franco BDGM, Landgraf M. Microbiologia dos Alimentos. 1º ed. São Paulo / Atheneu Freitas ER, Sakomura NK, Gonzáles MM, Barbosa NAA. Notas Científicas - Comparação de métodos de determinação da gravidade específica de ovos de poedeiras comerciais. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 2004, 39 (5) : Lazzari, FA, Umidade, fungos e micotoxinas na qualidade de sementes, grãos e rações. 1 ed. São Paulo / Editora do Autor Mapa, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Normas Gerais de Inspeção de Ovos e Derivados. Portaria nº 1, 21 de Fevereiro de Moura AMA, Oliveira NTE, Thiebaut JTL, Melo TV. Efeito da temperatura de estocagem e do tipo de embalagem sobre a qualidade interna de ovos de codornas japonesas (coturnix japonica). Ciência Agrotécnica. 2008, 32 (2) : Moutts WA. Classification of Bactéria from Commercial Egg Washers and Washed and Unwashed Eggs. Apllied and Environmental Microbiology, 1980, 40 (4) : Naves MMV, Prado CMM, Fernandes DC, Serafini AB. Avaliação microbiológica do pó da casca de ovo otimização da técnica de elaboração do produto. Pesquisa Agropecuária Tropical, 2007, 37 (2) : UBABEF, União Brasileira de Avicultura. Relatório Anual. São Paulo: Editora UBABEF, 2013, Silva JHV, Albino LFT, Godói MJS. Efeito do Extrato de Urucum na Pigmentação da Gema dos Ovos. Revista Brasileira de Zootecnia. 2000, 29 (5). Silva Junior EA, Manual de Controle Higiênico Sanitário em Serviços de Alimentação. 6 ed. São Paulo / Varela Editora & Livraria Ltda Souza P, Souza HBA, JC Barbosa, Gardini CHC, Neves MD. Efeito das galinhas poedeiras, a idade da qualidade do ovo mantida à temperatura ambiente. Ciência e Tecnologia de Alimentos 1997; 17 (1) : Stringhini MLF, Andrade MAA, Mesquita AJ, Rocha TM, Rezende PM, Leandro NSM, Características bacteriológicas de ovos lavados e não lavados de granjas de produção comercial. Ciência Animal Brasileira 2009, 10 (4) :

20 Tabela 1. Valores médios obtidos para gravidade específica (GE), unidade Haugh (UH), índice gema (IG), Cor da Gema, ph da gema, ph do albúmen e atividade de água (Aw) da gema e do albúmen dos diferentes tratamentos. GE UH IG Cor leque ph Gema ph Alb Aw gema Período do Ano (PA) Verão 1,076a 55,62 0,39b 5,63ª 6,39 9,16 0,983 0,982 Inverno 1,060b 64,91 0,43a 5,21b 6,25 9,26 0,976 0,969 Valor P 0,1409 <0,001 <0,001 0,0352 <0,001 <0,001 0,033 <0,001 Marca (M) A 1,079 a 57,82 0,41 a 5,12 b 6,32 9,27 0,979 0,969 B 1,068 a 57,56 0,40 b 5,73 a 6,36 9,33 0,969 0,966 C 1,058 b 65,42 0,42 a 5,40 b 6,28 9,05 0,990 0,991 Valor P 0,3152 0,003 <0,001 0,0472 0,22 <0,001 <0,001 <0,001 P p/ PA x M 0,5652 0,005 0,22 0,1511 0,0168 <0,001 <0,001 <0,001 CV (%) 4,95 17,18 5,57 17,76 3,00 1,37 0,980 0,998 a,b na mesma coluna seguido de letras minúsculas representam diferença significativa pelo teste de Tukey (5%). CV = coeficiente de variação. Aw Alb 20

21 Tabela 2. Desdobramento da interação entre período x marca para unidade Haug (UH), ph da gema (phg), ph do albúmen (pha), atividade de água da gema (Awg) e atividade de água do albúmen (Awa) Período Período Marca (M) Unidade Haugh (UH) A B C P Inverno 66,03 a 63,49 a 65,23 0,9821 Verão 49,61 Bb 51,63 Bb 65,61 A 0,005 P 0,003 0,020 1,000 ph da Gema (phg) A B C P Inverno 9,34 AB 9,48 A 8,98 Bb 0,0180 Verão 9,21 9,13 9,11 a 1,000 P 0,1140 1,000 0,0016 ph do Albúmen (pha) A B C P Inverno 9,34 B 9,48 Aa 8,98 Cb <0,01 Verão 9,21 9,18 b 9,12 a 0,3207 P 0,0565 <0,001 0,0438 Atividade de Água da Gema (Awg) A B C P Inverno 0,979 B 0,955 Bb 0,995 A <0,0001 Verão 0,979 0,983 a 0,985 0,847 P 1,000 <0,001 0,3157 Atividade de Água do Albúmen (Awa) A B C P Inverno 0,959 Bb 0,952 Bb 0,995 A <0,001 Verão 0,980 a 0,979 a 0,987 0,57 P <0,001 <0,001 0,58 Letras minúsculas representam diferença significativa nas colunas e letras maiúsculas nas linhas. 21

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DE OVOS COMERCIAIS

INFLUÊNCIA DO TEMPO E DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DE OVOS COMERCIAIS INFLUÊNCIA DO TEMPO E DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DE OVOS COMERCIAIS Leo Leon Rodrigo ARAUJO LOPES 1, Yolanda LOPES DA SILVA 2, Ricardo VIANNA NUNES 3, Sabrina Endo TAKAHASHI 4, Cleusa

Leia mais

EMBALAGEM A VÁCUO COMO ALTERNATIVA PARA MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS COMERCIALIZADOS NA AMAZÔNIA OCIDENTAL, ACRE, BRASIL

EMBALAGEM A VÁCUO COMO ALTERNATIVA PARA MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS COMERCIALIZADOS NA AMAZÔNIA OCIDENTAL, ACRE, BRASIL EMBALAGEM A VÁCUO COMO ALTERNATIVA PARA MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE OVOS DE GALINHAS POEDEIRAS COMERCIALIZADOS NA AMAZÔNIA OCIDENTAL, ACRE, BRASIL Fábio Augusto Gomes 1, Esraelda Amaral de Araújo 2, Romeu

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Taciana de Souza Jucá¹, Fábio Augusto Gomes², Lidianne Assis Silva³, Romeu Paulo Martins Silva 4, Marcus Augusto Damasceno do Vale 5

Taciana de Souza Jucá¹, Fábio Augusto Gomes², Lidianne Assis Silva³, Romeu Paulo Martins Silva 4, Marcus Augusto Damasceno do Vale 5 EFEITO DO TEMPO E CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE INTERNA DE OVOS DE POEDEIRAS ISA BROWN PRODUZIDOS EM DIFERENTES SISTEMAS DE CRIAÇÃO E AMBIÊNCIA Taciana de Souza Jucá¹, Fábio Augusto Gomes²,

Leia mais

Avaliação da Idade da Poedeira, da Temperatura de Armazenamento e do Tipo Embalagem sobre a Qualidade de Ovos Comerciais

Avaliação da Idade da Poedeira, da Temperatura de Armazenamento e do Tipo Embalagem sobre a Qualidade de Ovos Comerciais Avaliação da Idade da Poedeira, da Temperatura de Armazenamento e do Tipo Embalagem sobre a Qualidade de Ovos Comerciais KELY CRISTINA BASTOS TEIXEIRA RAMOS 1, ANDRÉ MANTEGAZZA CAMARGO 1, ÉRIKA CRISTINA

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009.

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Avaliação de alterações na coloração e qualidade da gema de ovos em função do tempo e forma de

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. N.O.C. Teixeira 1, E.A.S. Rissato 2 1-Instituto Federal do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia,

Leia mais

Características e informação nutricional do ovo

Características e informação nutricional do ovo Características e informação nutricional do ovo Há muito tempo foi confirmada a eficácia e grande importância do ovo na alimentação das pessoas. De fácil preparação e digestão não foi difícil incorporar

Leia mais

ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS?

ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS? 21 CDD: 576 ÁGUA: TRANSPORTE PASSIVO DE MICROORGANISMOS? WATER: A PASSIVE TRANSPORTER OF MICROORGANISMS? VANESSA DE FÁTIMA JERBA 1 MARCOS PILEGGI 2 1 Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas da UEPG 2

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA EM CAIXAS DE OVOS

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA EM CAIXAS DE OVOS ISSN 1984-9354 ATIVIDADE ANTIMICROBIANA EM CAIXAS DE OVOS Livia Keiko Nagao de Medeiros (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) Josiane Kordiak (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) Denise

Leia mais

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS

TA 421 - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS TA - CARACTERÍSTICAS E PRÉ-PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS. o SEMESTRE 0 Profa. Mirna L. Gigante 5ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DE OVOS PED C: Débora Parra Baptista Apoio: Elisabete Dias INTRODUÇÃO:

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS OBTIDOS EM DOIS SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE GALINHAS POEDEIRAS

QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS OBTIDOS EM DOIS SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE GALINHAS POEDEIRAS QUALIDADE EXTERNA E INTERNA DE OVOS OBTIDOS EM DOIS SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE GALINHAS POEDEIRAS Luiz Antonio Tizo¹, Evandro José Rigo², Cláudio Henrique Gonçalves Barbosa³ 1. Zootecnista - FAZU - Faculdades

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Influência do período de armazenamento na qualidade do ovo integral pasteurizado refrigerado

Influência do período de armazenamento na qualidade do ovo integral pasteurizado refrigerado Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.64, n.3, p.735-742, 2012 Influência do período de armazenamento na qualidade do ovo integral pasteurizado refrigerado [Influence of storage period on refrigerated pasteurized

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

MARCOS DE BARROS VALADÃO

MARCOS DE BARROS VALADÃO Ministério da Abastecimento Data de atualização: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LABORATÓRIO ALAC Nome Empresarial: LABORATÓRIO ALAC LTDA. CNPJ: 94.088.952/0001-52 Endereço: Rua David Sartori, nº

Leia mais

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Qualidade do milho para utilização na alimentação animal Luiz Carlos MACHADO 1, Daviane Martinele

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA Gilsimeire Rodrigues MORAIS* 1 ; Maria Raquel Hidalgo CAMPOS** 2 ; Thaísa Anders Carvalho SOUZA* 3 ; Tiago DIAS** 4 ; Luciana de Oliveira

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Qualidade e composição nutricional de ovos convencionais e caipiras comercializados em Rio Verde, Goiás Fabiana Ramos dos Santos 1 *, Lívia da Cunha

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

INSPEÇÃO DE OVOS. Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti

INSPEÇÃO DE OVOS. Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti INSPEÇÃO DE OVOS Edson Antonio Rios Orientadora: Prof. Dra. Vanerli Beloti Produção Mundial de Ovos 23 5,3 3,2 1,9 Índia Empraba,2011 Consumo Mundial O Brasil ocupa 21 com um consumo de 148,8 U/a Enquanto

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS V.B. Viera 1, N. Piovesan 1, K.I.B. Moro 1, A.S. Rodrigues 1, G. Scapin 1, E. H. Kubota 1 1 Departamento de Pós-Graduação

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABOR TRÊS Nome Empresarial: LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. CNPJ: 02.021.076/0001-29 Endereço: Av. Damasceno Vieira, 542 Bairro: Vila Mascote CEP: 04363-040 Cidade: São Paulo-SP Fone:

Leia mais

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e indicadores de higiene Deteriorantes e Indicadores na Indústria de Cereais Eduardo Amaral de Toledo Supervisor da Qualidade SL Alimentos e Cereais Ltda Mauá

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS FERMENTADAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE DOURADOS-MS

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS FERMENTADAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE DOURADOS-MS 44 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS FERMENTADAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE DOURADOS-MS MICROBIOLOGICAL QUALITY OF FERMENTED DAIRY BEVERAGES MARKETED IN THE CITY OF DOURADOS-MS BARROS, Aline

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Edar Ferrari Filho 2, Luidi Eric Guimarães Antunes 2, Roberto Gotardi 2, Rafael Gomes Dionello 3, Paulo Andre Rocha Petry

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS DE OVOS ARMAZENADOS EM DIFERENTES EMBALAGENS SOB TEMPERATURA AMBIENTE

CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS DE OVOS ARMAZENADOS EM DIFERENTES EMBALAGENS SOB TEMPERATURA AMBIENTE CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS DE OVOS ARMAZENADOS EM DIFERENTES EMBALAGENS SOB TEMPERATURA AMBIENTE SENSORIAL CHARACTERISTICS OF EGGS STORED AT ROOM TEMPERATURE UNDER DIFFERENT PACKING CONDITIONS Scatolini-Silva,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA LUCIANO GOMES DE LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA LUCIANO GOMES DE LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA LUCIANO GOMES DE LIMA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA, PERÍODO DE ARMAZENAMENTO E DA COR DA CASCA NA QUALIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Roberto FARIA ; Sérgio Tadeu SIBOV ; Diego José CALDAS 2 ; Victor Fernando Rodrigues da SILVA 2 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

Análise de microorganismos no leite tipo C

Análise de microorganismos no leite tipo C 11 Análise de microorganismos no leite tipo C Daniela Guerra Lund 1 ; Luma Linhares Paniz 2 ; Karoline de Vargas Alves 3 ; Beatris Sonntag Kuchenbecker 4 1 Departamento de Biologia, CNEC/Osório; 2 Acadêmica

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Efeito da temperatura e estocagem em ovos

Efeito da temperatura e estocagem em ovos Ciência e Tecnologia de Alimentos IN 0101-2061 Efeito da temperatura e estocagem em ovos Effect of temperature and storage of eggs Maria do ocorro Vieira dos ANTO 1 *, Gastão Barreto EPÍNDOLA 2, Raimundo

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE 1 IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE JOSÉ AUGUSTO HORST A produção de leite no Brasil vem crescendo a cada ano, tendo dobrado sua produção nos últimos 20 anos, com uma produção anual

Leia mais

CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA

CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA CONTAMINAÇÃO FECAL DE HORTALIÇAS PROCESSADAS MINIMAMAMENTE CONSUMIDAS NA REGIÃO DE CAMPINAS SP: II PRODUTOS DE ORIGEM ORGÂNICA Laura Medure Queiroga 1a, Neliane Ferraz de Arruda Silveira 1b, Margarete

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA

PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA PESQUISA DE MERCADO COM CONSUMIDORES DE OVO DE CODORNA MARALI VILELA DIAS 1, MATHEUS GARCIA FERREIRA 2, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 3, LUISA PEREIRA FIGUEIREDO 4. RESUMO Os ovos constituem-se em um alimento

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS

ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS 1. INTRODUÇÃO A aplicação de procedimentos de controle durante o processo analítico visa à garantia da confiabilidade do resultado final, assegurando a

Leia mais

ARTIGO 257 QUALIDADE DE OVOS COMERCIAIS. Commercial egg quality

ARTIGO 257 QUALIDADE DE OVOS COMERCIAIS. Commercial egg quality ARTIGO 257 Commercial egg quality Fabrízia Melo de Medeiros 1, Marcio Gleice Mateus Alves 1 RESUMO: Nos últimos anos, o Brasil tem ocupado uma posição de destaque na escala produtiva de ovos comerciais,

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA

PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA 35 PESQUISA DE MICRORGANISMOS ADERIDOS NAS SUPERFÍCIES DE TECLADOS DE MICRO-COMPUTADORES DE LANHOUSES NO MUNICÍPIO DE TEIXEIRA DE FREITAS-BA RESEARCH OF MICROORGANISMS ADHERED IN THE KEYBOARDS SURFACES

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso

Leia mais

ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1

ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1 ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1 Gabriela Ottoni Zimmermann 2 ; Rafael Carlos Eloy Dias 3 INTRODUÇÃO A produção brasileira de

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Folha: 1 de 12 Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento ALIMENTOS LÁCTEOS ENSAIO QUÍMICO Determinação de Ceftiofur e seus metabólitos expressos como Desfuroilceftiofur

Leia mais

Introdução a avicultura

Introdução a avicultura Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Introdução a avicultura Profª. Valdirene Zabot AVICULTURA NO BRASIL E NO MUNDO Introdução Início do

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO

PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO Yolanda A. Silva BESERRA 1 Rebeca Alves de BARROS 1 Isanna Menezes FLORÊNCIO 1,Eliane Rolim FLORENTINO 1,Francisco Danilo Morais da SILVA 1 1 Departamento

Leia mais

FATORES INTRÍNSECOS E EXTRÍNSECOS

FATORES INTRÍNSECOS E EXTRÍNSECOS FATORES INTRÍNSECOS E EXTRÍNSECOS Fatores que Afetam o Desenvolvimento Microbiano em Alimentos ALIMENTO Substrato para os microrganismos Deterioração do alimento Infecção ou intoxicação alimentar Formas

Leia mais

INTRODUÇÃO. NUTRIR GERAIS Revista Digital de Nutrição, Ipatinga, v. 3, n. 5, p. 489-504, ago./dez. 2009.

INTRODUÇÃO. NUTRIR GERAIS Revista Digital de Nutrição, Ipatinga, v. 3, n. 5, p. 489-504, ago./dez. 2009. QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE COCO (Cocus nucifera) COMERCIALIZADA POR AMBULANTES NA CIDADE DE IPATINGA, MINAS GERAIS MICROBIOLOGICAL QUALITY OF THE COCONUT WATER (Cocus nucifera) COMMERCIALIZED

Leia mais

AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA

AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA AVALIAÇAO DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DO AÇAI (Euterpe olerace, Mart.) COMERCIALIZADO NAS FEIRAS e SUPERMERCADO DA CIDADE DE BELÉM-PA Maria do Socorro Souza RIBEIRO 1, Ananda Leão de Carvalho LEHALLE 1,

Leia mais

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal

Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Ação dos Raios UV em bactérias contaminantes do Queijo Minas Frescal Polyanne Alencar de Paula 1,6 ; Sarah Borges Feitosa 2,6 ; Maurício Pereira Borges 3,6 ; Evellyn Cardoso Mendes Costa 4,6 ; Lilian Carla

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO Tânia Brugnerotto 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Raquel Pileti 3 Palavras-chave: sensorial, formulação, uva. INTRODUÇÃO A uva é uma das frutas mais consumidas no mundo,

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS

USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS USO DE DEJETOS DE OVINOS PARA GERAÇÃO DE BIOGÁS O. KONRAD ¹*, C. E. CASARIL ², T. COSTA ², N. A. D. VIEIRA ², M. LUMI ², C. HASAN ² e J.F. TONETTO ¹, ¹ UNIVATES, Curso de Engenharia Ambiental e Programa

Leia mais

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS EVALUATE THE HYGIENIC-SANITARY CURD CHEESE SOLD IN STREET FAIR IN THE CITY OF VIÇOSA-ALAGOAS

Leia mais

Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar

Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar Narcísio Cabral de Araújo 1, Thiago Costa Ferreira 2, Suenildo Jósemo Costa Oliveira 2, Abílio José Procópio Queiroz 1, Vera Lúcia Antunes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais