CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E PROJETOS ESPECIAIS FUNDAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RIOS E LAGOAS - SERLA CONVÊNIO SERLA - COPPE/UFRJ FINANCIAMENTO CEF/BIRD 2975-BR PROJETO PNUD BRA/93/022 PLANO DIRETOR DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO IGUAÇU ÊNFASE: CONTROLE DE INUNDAÇÕES CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICA DA BACIA DO RIO IGUAÇU/SARAPUÍ IG-RE-012-R0 Março de 1995

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA BACIA DO IGUAÇU E BOTAS BACIA DO SARAPUÍ BIBLIOGRAFIA BACIA DOS RIOS IGUAÇU E BOTAS ESTUDOS GEOLÓGICOS-GEOTÉCNICOS EXECUTADOS DESCRIÇÃO DA FISIOGRAFIA E DOS ASPECTOS GEOLÓGICOS MAPEAMENTO GEOTÉCNICO DEFINIÇÃO PRELIMINAR DOS TALUDES BACIA DO RIO SARAPUÍ ESTUDOS GEOLÓGICOS-GEOTÉCNICOS EXECUTADOS ASPECTOS GEOLÓGICOS-GEOTÉCNICOS DEFINIÇÃO PRELIMINAR DOS TALUDES...17

3 1. INTRODUÇÃO Neste relatório apresenta-se a caracterização geológico-geotécnica da bacia do rio Iguaçu/ Sarapuí. Esta caracterização tem como base mapeamentos de campo e investigações geotécnicas realizadas. Como o objetivo principal do trabalho é subsidiar a elaboração dos anteprojetos de obras de macro e mesodrenagem, o relatório contém também indicações dos taludes de dragagem recomendados para os cursos d água. Nos itens 3.4 e 4.3 são apresentados quadros resumos das características geotécnicas/morfológicas e os taludes considerados como admissíveis para projetos de dragagem nas margens dos cursos d água que compõem as Bacias dos Rios Iguaçu, Botas e Sarapuí. Os taludes assinalados com asterísco nos quadros apresentados neste capítulo foram objeto de estudos de estabilidade elaborados com base em sondagens, ensaios de campo e laboratório (ver documentos de referência). Para os demais, foram propostas inclinações de taludes com base nos mapeamentos geológicos-geotécnicos ao longo dos cursos d água e/ou mapeamento geotécnico das Bacias. Não se dispõe, no momento, de parâmetros geotécnicos e nem das condições geométricas precisas destes cursos d água (tais como sobrecarga, alturas de talude, aterros existentes, etc), portanto, deve-se promover aferição dos taludes através de modelos geotécnicos com parâmetros adequados a cada trecho, caso seja prevista execução de dragagem. Nos anexos apresentam-se as plantas com as locações das investigações geotécnicas e os perfís esquemáticos de subsolo. 1

4 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Relacionam-se a seguir os documentos que foram consultados no Arquivo Técnico da SERLA. 2.1 Bacia do Iguaçu e Botas TECNOSOLO S.A., Abril/93 - Rio Iguaçu - Projeto Executivo - FI-2I-RE-GE TECNOSOLO S.A., Abril/92 - Relatório Complementar do Mapeamento Geológico- Geotécnico - Bacia Iguaçu/Botas - FI-20-RL-GT TECNOSOLO S.A., Maio/93 - Rio Botas Jusante - Projeto Executivo - FI-2B-RE- GE TECNOSOLO S.A., Julho/93 - Rio Botas Montante - Projeto Executivo - FI-2B-RE- GE TECNOSOLO S.A., Dezembro/90 - Estudo de Estabilidade dos Taludes - Rio Botastrecho Foz-Ponte de Xerém - FI-2B-RE-GT TECNOSOLO S.A. - Estudo Geotécnico Complementar de Taludes - Projeto Executivo - Rio Botas Jusante - no trecho compreendido entre as estacas 229 e FI-2B-RE-GE TECNOSOLO S.A.- Investigações Geotécnicas - Boletins de Sondagens a Percussão, extração de amostra tipo Shelby e ensaios - FI-20-IV-GT TECNOSOLO S.A. - Considerações sobre os Estudos de Estabilidade de Taludes na Bacia do Rio Iguaçu. FI-2I-ET-GE TECNOSOLO S.A - Relatório de Sondagens, Rio Botas - Montante, Canal Machambomba, Canal do Outeiro e Calombé - FI-20-RE-GE TECNOSOLO S.A., Agosto/90 - Relatório de Consolidação de Critérios e Programações Complementares-Bacia dos Rios Iguaçu e Botas - FI-20-RC-GE TECNOSOLO S.A., Setembro/90 - Relatório de Adequação dos Projetos Existentes - FI-20-RB-GE IESA, Agosto/89 - Inventário e Consolidação das Informações Disponíveis Visando ao Apoio do Detalhamento dos Projetos das Obras de Meso e Macrodrenagem - Bacia dos Rios Iguaçu e Botas - IE-20-RT-GE Vol I. 2.2 Bacia do Sarapuí IESA - Março/90- Inventário e Consolidação das Informações Disponíveis Visando ao Apoio do Detalhamento dos Projetos das Obras Civis de Meso e Macrodrenagem - Volumes I e II. - IE-10-RC-GE e IE-10-RC-GE (*). HIDROCONSULT - Projeto de Macro e Mesodrenagem das Bacias dos Rio Sarapuí e Pavuna/Meriti. Consolidação de Critérios e Programações Complementares - Lote 03- Rio Pavuna/Meriti - CA-13-RC-GE (*) HIDROCONSULT - Projeto Executivo - Rio Sarapuí - Afluentes - Lote 01 - Valão Agostinho Porto, Rua Délio Guaraná, Rua da Matriz, Rua Rio D ouro - Ponte RFFSA - CA-10-DS-GE HIDROCONSULT - Relatório de Estudos Geológicos-Geotécnicos para Projeto das Obras de Canalização do rio Sarapuí - CA-10-ET-GT (*). 2

5 HIDROCONSULT - Investigações Geotécnicas Complementares nas margens dos afluentes do Rio Sarapuí - CA-10-IV-GT (*). HIDROCONSULT - Dezembro/91- Projeto de Macro e Mesodrenagem dos rios Sarapuí e Pavuna-Meriti - Serviços Complementares do Levantamento Topográfico e Investigações Geológicas-Geotécnicas - CA-10-LV-GE (*). HIDROCONSULT - Projeto de Macro e Mesodrenagem dos rios Sarapuí e Pavuna- Meriti - Canalização Rio Pavuna-Meriti - Relatório de Consolidação dos Resultados dos Ensaios Geotécnicos de Campo e Laboratório - CA-10-RC-GT (*). HIDROCONSULT - Projeto de Macro e Mesodrenagem das Bacias dos rios Sarapuí e Pavuna Meriti - Relatório de Estudos Geológicos-Geotécnicos para Projeto de Obras de Canalização dos rios Pavuna-Meriti - CA-13-ET-GT HIDROCONSULT - Relatório de Consolidação de Critérios e Programações Complementares CA-13-RC-GE HIDROCONSULT - Resultados dos Ensaios Geotécnicos de Campo e Laboratório - Projeto de Macro e Mesodrenagem das Bacias dos rios Sarapuí e Pavuna-Meriti - Canalização do rio Pavuna-Meriti - CA-13-RC-GT Bibliografia L.M Costa Filho, M.L.G. Werneck e H.B.Collet - Pesquisa sobre Mecânica dos Solos - Aterros sobre Solos Compressíveis - A resistência não-drenada de uma argila muito mole, MT-DNER

6 3. BACIA DOS RIOS IGUAÇU E BOTAS 3.1 Estudos Geológicos-Geotécnicos Executados A geologia da região foi mapeada pelo DRM, 1981, dentro do Projeto-Carta Geológica do Estado do Rio de Janeiro. As folhas Petrópolis e Itaboraí (DRM 1979 e 1981) apresentam dados sobre a Geologia das unidades sedimentares recentes que dominam a área e apresentam características semelhantes entre si. A IESA, em 1989, realizou um Mapeamento Geológico na Bacia dos rios Iguaçu e Botas. Em 1990 a Tecnosolo elaborou um Mapa Geológico-Geotécnico e executou Investigações Geotécnicas de Campo (Sondagens à Percussão e Vane Tests) e Laboratório (Ensaios Triaxiais). Em 1992 a Tecnosolo elaborou em Mapeamento Geológico-Geotécnico complementar nas Bacias do rio Iguaçu/Botas, para ampliar o conhecimento geológico-geotécnico da área dos vales do Machambomba, Outeiro, Calombé e Pilar. Em 1995 a SERLA elaborou uma nova consolidação dos dados de investigações existentes que está apresentado no Anexo Descrição da Fisiografia e dos Aspectos Geológicos A Bacia dos rios Iguaçu e Botas está situada em região que apresenta duas feições morfológicas distintas: a Serra do Mar e a Baixada Fluminense. A Serra do Mar é formada por rochas gnáissico migmáticas, com relevo predominantemente escarpado assimétrico, sendo o principal divisor de águas da região, com os seus topos alinhados grosseiramente na direção NE. A Baixada Fluminense tem relevo plano, baixo, coberta por sedimentos inconsolidados recentes, donde se destacam morrotes e serrotes com alturas inferiores a 150m, que são representantes do embasamento cristalino. O clima da área é classificado, segundo os parâmetros de Köppen, como AW, isto é, quente e úmido, com estação chuvosa no verão, temperatura média anual de 22º e precipitação média anual de 1700 mm. A área sofreu intenso desmatamento, com trechos da Baixada totalmente urbanizados e outros com atividades agropecuárias. Observou-se a ocorrência de solos hidromórficos nas porções de relevo plano e solo do tipo Latossolo Vermelho e Amarelo nos morrotes. A área apresenta sedimentos quaternários, cobrindo as rochas do embasamento précambriano, compostos de sedimentos aluvionares, flúvio-marinhos e pela formação Macacu. Os sedimentos aluvionares são formados por areias finas, estratificadas com intercalações de lentes irregulares de argilas, podendo ocorrer, também, camadas pouco espessas de argilas siltosas ou siltes argilosos com matérias orgânicas, que são muito semelhantes aos sedimentos flúvio-marinhos e de difícil distinção no campo. Os sedimentos flúvio-marinhos constituem uma interdigitação de depósitos fluviais e marinhos regressivos, litologicamente representados por siltes argilosos e argila-siltosas, orgânicos. Geneticamente, corresponde a um ambiente de planície de maré em regime estuarino. Esta unidade engloba também os depósitos de mangue, nas áreas sob influência das marés, que apresentam uma vegetação típica adaptada às condições locais de salinidade e ph. São constituídos por argilas de cor negra, de consistência por vezes coloidal, 4

7 bioturbadas, com alto percentual de matéria orgânica. Essas argilas foram transportadas por sistemas fluviais que depositaram as frações grosseiras nos meandros anteriores, atingindo as águas salgadas e conseqüentemente floculando-se e depositando-se lentamente na planície de maré. Os trabalhos elaborados pelo IPR (DNER) na Bacia do Sarapuí descrevem a ocorrência de argila ressecada no topo da seção estratigráfica dos sedimentos flúvio-marinhos, com espessura de até 2,0m, com propriedades geotécnicas melhores que as camadas subjacentes. A formação Macacu ocorre na porção Norte do Vale do Rio Calombé e constitui-se numa sucessão de camadas ou lentes pouco expessas de argilas e arenito arcoseano por vezes conglomerático. O embasamento pré-cambriano, representado pelo Batólito Serra dos Órgãos é constituído por um Hornblenda Gnaisse-Granítico com foliação gnáissica, sem cunho penetrativo. A unidade Rio Negro compõe-se principalmente por Migmatitos estromáticos com Leucossomas Graníticos e Melanossomas constituídos por um Hornblenda-Biotitaplagioclásio-gnaisse. São observadas ocorrências de solos residuais destas unidades, uma vez que o relevo local apresenta-se arrasado. 3.3 Mapeamento Geotécnico. Foi observada, basicamente, a ocorrência de duas unidades de mapeamento distintas: os sedimentos flúvio-marinhos (esses englobam os sedimentos paludais de mangue) e os sedimentos de origem aluvionar. Para fins de mapeamento foram classificados como sedimentos flúvio-marinhos as argilas siltosas e siltes argilosos com teores consideráveis de matéria orgânica, muito moles e moles, de cores escuras (cinza, preto e marrom), com elevada umidade natural e que estão situados na área de influência da maré. No topo dos perfis há a presença de camada de solo ressecado. Esses sedimentos apresentam também um mosqueado de cor alaranjada, que é resultado da constante flutuação do nível d água deixando o solo sob condições de encharcamento quase permanente. Os taludes naturais têm alta declividade e altura inferior a 1,5m. Esses solos ocorrem nos rios Iguaçu, Botas, Pilar, Calombé e Velhas e no Canal do Outeiro, na sua foz. Os sedimentos paludais de mangue têm cor marrom ou preta, alto teor de matéria orgânica (às vezes em visível decomposição) e consistência coloidal a muito mole. Ocorrem no rio Iguaçu a partir da Rodovia Washington Luiz, aproximadamente, estendendo-se até a sua foz. Os taludes naturais verificados são, em sua maioria abatidos, de pequena altura. Os sedimentos aluvionares são observados nos rios Iguaçu, Botas, Velhas, Água Preta e Capivari e no Canal Machambomba, sendo de constituição predominantemente arenosa com argila e silte, micácea, podendo ocorrer também solos hidromórficos associados. A granulometria da fração areia é principalmente fina e média, devido ao intenso retrabalhamento que sofreram os grãos desde a sua origem. Os solos hidromórficos citados são formados por argila com silte, micácea, de cores cinzentas com mosqueado alaranjado, plásticos, médios, sujos e moles. São observados em vários locais, ocupando todo o perfil ou cobertos por uma camada de sedimentos arenosos. Os taludes naturais observados nesta unidade são bastante variáveis quanto à sua inclinação. 5

8 3.4 Definição Preliminar dos Taludes A seguir são apresentados os quadros (3.4.1 a 3.4.9) com os pré-dimensionamentos dos taludes dos corpos d água que compõem a Bacia Iguaçu-Botas e de seus afluentes, respectivamente. Os taludes assinalados com asterísco, foram objeto de análise de estabilidade, com base em sondagens e em ensaios de campo e laboratório (ver referência na coluna de observações). 6

9 CURSO D ÁGUA Rio Iguaçu TRECHO Da foz (na Baía de Guanabara até 9120 m a montante). De 9120m até 12580m. De 12580m até 18100m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com cotas baixas e pequenas declividades, sujeitos à inundações De 18100m até 23100m. Terrenos com cotas baixas e sujeitos à inundações. De 23100m até 30400m. Terrenos com cotas baixas e sujeitos à inundações. De 30400m até 35500m. QUADRO DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio das argilas moles Estratigrafia Ref: FI-2B-RE-GE (*) típica. Ocorrência de sedimentos paludais 1 V:8H Camada superficial de lodo de mangue, da foz até as proximidades (submerso) e argila ressecada (com da Rodovia Washington espessura variável de 1,0 a 2,0 m). Luiz. 1V:6H (*) Camada de argila orgânica mole (com A montante da Rod Washington espessura variável de 3 a 9 m). Luiz até a foz do Botas, ocorrência (*) de sedimentos flúvio-marinhos. 1V:4H Botas, ocorrência de sedimentos flúvio-marinhos. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares (quaternários). Domínio dos sedimentos recentes aluvionares. Domínio dos sedimentos recentes e coluvionares. Possibilidade de ocorrência de lentes de argila orgânica. Presença de morrotes intemperizados próximos às margens. Presença de morrotes intemperizados próximos às margens. 1V:3H 1V:2H 1V:1,5H

10 QUADRO CURSO D ÁGUA Rio Botas TRECHO Da foz (MD do rio Iguaçu) até 3280m a montante. De 3280m até 7510m. De 7510m à 11000m. De 11000m à 14040m. De 14040m à 16350m. De 16350m até 22000m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com baixa declividade, sujeitos à inundações. Terrenos com declividade média, sujeitos à inundações. Terrenos com declividade média, sujeitos à inundações. DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos recentes (*) aluvionares. Ocorrência de aluviões arenosos, quartzo-feldspático, granulometria média a grossa. Ocorrência de solos moles subjacentes aos aluviões. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares e coluvionares. Os aluviões apresentam-se caracterizados pela ocorrência superficial de solo arenoso quartzofeldspático de granulometria média a grossa. Domínio dos sedimentos recentes coluvionares. Ocorrência superficial de solo argilo-arenoso - amareloavermelhado. Em determinados locais ocorrência de residuais de granito/gnaisses e material aluvionar. Ref: FI-2B-RE-GE Ocorrência de sedimentos flúviomarinhos, siltes argilosos ou argilas siltosas muito moles a moles de espessura variável de 3 à 5 m. Ref: FI-2B-RE-GE (*) Ocorrência de lentes pouco expressivas de siltes argilosos com matéria orgânica. 1 V:4H (*) 1V:3H 1V:2H (*) Ref: FI-2B-RE-GE (*). (*) 1V:2H V:2H (*) (*) 1V:1,5H

11 CURSO D ÁGUA TRECHO Da foz (ME do rio Botas) até 1000m De 1000m até 3000m. Rio das Velhas De 3000m a 7000m De 7000m a 10000m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos planos com baixa declividade, sujeito a inundações. Terrenos com declividade média, ondulados, com ocorrência de vales encaixados entre residuais de granito / gnaisse, sujeitos a inundações. QUADRO DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos recentes Taludes existentes íngremes de 1 V:4H aluvionares. pequena altura (até 0,5m). Ocorrência superficial de solo Sedimentos aluvionares compostos arenoso quartzoso, granulometria de solos hidromórficos argilosos 1V:3H fina a média, com possível moles e solos arenosos, com ocorrência de argilas orgânicas granulometria de fina a grossa, com moles. presença de argila. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares e coluvionares. Ocorrência de superfície de solo areno-argiloso, amarelado. Ocorrência do domínio das rochas ígneas/metamórficas, decorrentes da proximidade de elevações de residuais nas margens. Elevações residuais de granito/ gnaisses poderão ser utilizadas como empréstimo de material. 1V:2,5H V:2H

12 QUADRO CURSO D ÁGUA Canal Babi e Afluentes da Estrada Babi Canal Estrela Branca Canal Caramuru e São Bernardo Valão Santa Amélia Canal Caramuru e São Bernardo Valão Sta Amélia e afluentes da Rua Maceió Canal Machambomba. TRECHO Desde a foz (ME do rio Botas) extensão total de 3000m. Desde a foz (MD do rio Botas) até 1000m a mont. Desde a foz (MD do rio Botas) até 800m a mont. Desde a foz (MD do rio Botas) até 1300m a mont. De 800m até 1500m. De 1300m até 1900m. Desde a foz (MD do rio Botas) até 460m. De 460m até 2340m. De 1810m até 5180m. De 5180m em diante CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos baixa com declividade. Terrenos com declividade média. Terrenos com declividade média a baixa. DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos recentes Ocorrência de sedimentos flúviomarinhos, 1V:3H aluvionares. siltes argilosos ou argilas Ocorrência de aluviões com siltosas muito moles a moles características arenosas, quartzofeldspático, (espessuras de até 4,0m) com granulometria fina Canalização a média. em Concreto Ocorrência de solos moles subjacentes aos aluviões. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares e coluvionares. Os aluviões apresentam-se caracterizados pela ocorrência superficial de solo arenoso quartzo-feldspático de granulometria média a grossa. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares entre o rio Botas até a RFFSA. A montante da RFFSA predominam os sedimentos coluvionares. Aluviões com características arenosas quartzo-feldspático, com granulometria fina e média. Colúvios apresentam-se argiloarenosos (fino e médio) coloração amarelo-avermelhado. Ocorrência de lentes pouco expressivas de siltes argilosos com matéria orgânica. No trecho de 1810 a 5180m (a partir da foz) está prevista a execução de canal em concreto com base variando de 3,50m até 5,30m (Projeto Executivo de Canalização do Canal Machambomba) 1V:3H Canalização em Concreto V:2,5H 1V:2,5H V:1,7H Canalização em Concreto V:1H

13 QUADRO CURSO D ÁGUA Valão da Rua Maranhão Valão da Viga Valão Moquetá Valão Metropolitano Valão Contenda Valão da Fábrica Ebony Valão Maracanã Valão Vargem Alegre Valão Mirim Valão Nova Era Valão Cacuia Valões AFRB-1 e AFRB-2 TRECHO Da foz (MD do rio Botas) até 1800m. Da foz (ME do valão R. Maranhão) até 1700m. Da foz (MD do rio Botas) até 1800m). Da foz (ME do rio Botas) até 1500m. De 1500m até 3000m. Da foz (MD do rio Botas) até 1300m. Da foz (MD do rio Botas) até 2000m. Da foz (MD do rio Botas) até 1000m. Da foz (MD do rio Botas) até 1500m. Da foz (ME do rio Botas) até 1800m. Da foz (MD do rio Botas) até 2500m. Da foz (ME do rio Botas) até 3500m. Da foz (MD do rio Botas) até 2000m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com baixa declividade, sujeitos à inundação Terrenos com baixa declividade, sujeitos à inundação. DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos recentes aluvionares Domínio dos sedimentos recentes aluvionares. Possibilidade de ocorrência de sedimentos coluvionares nas margens dos afluentes do Botas que estão mais a montante. Possibilidade de ocorrência de sedimentos coluvionares nas margens dos afluentes do Botas. 1V:2H a 1V:1,5H V:1,5H a 1V:1,0H 1V:1,5H

14 QUADRO CURSO D ÁGUA Canal do Pilar TRECHO Da foz (ME do rio Iguaçu) até 6500 m. De 6500m até 9800m. De 9800m até 12500m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com cotas baixas, baixa declividade sob influência da maré. Terrenos com cotas baixas, sob influência da maré. DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio das argilas moles / orgânicas. Sedimentos de origem flúviomarinha. Ocorrência superficial de camadas de Predominam argilas argila orgânica / mole, com fragmentos siltosas e siltes argilosos, ricos em de valvas de moluscos. matéria orgânica, micáceos, muito moles cor cinza escuro e marrom, com mosqueado alaranjado. 1V:4H Taludes naturais suaves e de pequena altura. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares. Ocorrência superficial de solo arenoso quartzoso, de granulometria fina, podendo ocorrer camadas de pouca espessura de argila orgânica. Solos aluvionares de textura areno - argiloso a argilo-arenosa, com ocorrência de solos hidromórficos, argilosos, médios a rijos. 1V:3H V:1,5H

15 CURSO D ÁGUA Rio Calombé TRECHO Da foz (ME do Canal do Pilar) até 3750m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com cotas baixas, com declividade suave, sob influência da maré. De 3750m até 7650m. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. QUADRO DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio das argilas moles orgânicas. Sedimentos de origem flúviomarinha. Ocorrência superficial de camadas de Predominam argilas 1 V:6H argila orgânica mole, com fragmentos siltosas e siltes argilosos, ricos em de valvas e moluscos. matéria orgânica, micáceos, muito moles, cor cinza escuro e marrom, com mosqueado alaranjado. Taludes naturais suaves e de pequena altura. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares. Solos aluvionares, de textura areno argiloso a argilo-arenosa com ocorrência de solos hidromórficos argilosos, médios a rijos. Porções siltosas a silto-argilosas localizadas. 1V:4H Canal do Outeiro Da foz (MD do rio Iguaçu) até 4200m. Terrenos com cotas baixas, com declividade suave sob influência da maré. De 4200m até 6025m. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. Domínio das argilas moles orgânicas. Sedimentos flúvio-marinhos - solos argilo-siltosos a silto-argilosos com matéria orgânica, muito moles a moles cor cinza escuro e preta. Domínio dos sedimentos recentes aluvionares. Possibilidade de ocorrência de lentes de matéria orgânica. 1V:4H 1V:3H a 1V:2H

16 CURSO D ÁGUA Rio Capivari TRECHO Da foz (ME do Rio Iguaçu) até 8000m. De 8000m até 14800m. De 14800m até 16700m Rio Água Preta Da foz (MD do rio Capivari) até 4500m. Canal Capivari Da foz MD do rio Capivari até 3300m. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com cotas baixas, sob influência da maré Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. QUADRO DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos flúviomarinhos. 1 V:4H Argilas siltosas de cor cinza e amarronzada, muito moles a moles. Domínio dos sedimentos aluvionares. Os sedimentos flúvios restringemse às proximidades do encontro com o Rio Iguaçu. Taludes naturais verticais com cerca de 1,0m de altura. Os sedimentos aluvionares constituem-se em areias médias e finas micáceas de cor bege, que podem ocorrer em camadas alternadas com solos hidromórficos de textura argilosa e argilo-siltosa médios a moles. Taludes naturais íngremes com alturas de até 3,0m V:3H V:2H Domínio dos sedimentos aluvionares. Semelhantes aos do rio Capivari 1V:4H a 1V:3H Domínio dos sedimentos aluvionares. Semelhantes aos do rio Capivari 1V:4H a 1V:3H

17 QUADRO CURSO D ÁGUA Canal Parada Canal Lamarão Canal Parada Rio Ramos Canal Bandeira TRECHO Da foz (MD do rio Capivari) até 1800m. Da foz (MD do rio Capivari) até 2500m. Da a foz (MD do rio Capivari) até 2100m. Da foz (ME do rio Capivari) até 3700m. Da foz (ME do rio Iguaçu) até 6100m CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Terrenos com cotas baixas, sujeitos a inundação. DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio dos sedimentos aluvionares. Semelhantes aos do rio Capivari. 1V:2H

18 4. BACIA DO RIO SARAPUÍ 4.1 Estudos Geológicos-Geotécnicos Executados Em 1989 foi elaborado pela IESA Relatório de Consolidação das Informações Disponíveis da área em estudo, abrangendo também a área do rio Pavuna-Meriti. Em 1995 foi elaborado pela SERLA uma nova consolidação das informações geotécnicas, acrescentando aos mapas existentes as investigações realizadas durante a execução das obras do Recosntrução-Rio na bacia. Foram também traçados os perfis esquemáticos do subsolo ao longo do rio Sarapuí, do Canal Auxiliar da Margem Direita e do Valão Jacatirão. Os novos desenhos encontram-se no Anexo Aspectos Geológicos-Geotécnicos Ao longo dos rios Sarapuí e Pavuna/Meriti foram identificados 3 domínios geológicos distintos, descritos a seguir Domínio Geológico das Rochas Granito-Gnáissicas Este domínio corresponde às elevações ilhadas na massa sedimentar quaternária e às áreas topograficamente mais elevadas, com morfologia característica (em geral em forma de meia laranja), ocorrendo de forma aleatória ao longo e, por vezes, adjacente às calhas fluviais, diminuindo sensivelmente sua ocorrência nas proximidades da orla marítima. Na realidade o que se observa é a ocorrência de solos residuais correspondentes ao intemperismo e decomposição dos granitos/gnaisses. O solo residual maduro apresenta em geral característica argilo-arenosa-siltosa, com coloração amarelo-avermelhada, podendo atingir espessura da ordem de 3 a 4 metros. O solo residual jovem, em geral, apresenta caraterística areno-silto-argilosa, bastante micáceo, por vezes com ocorrência de pedregulhos e fragmentos de rocha, com coloração vermelho-arroxeada. Sua espessura varia em função da elevação topográfica do embasamento cristalino e do contacto solo-rocha. Em geral apresenta índice de resistência à penetração médio a alto, estando o impenetrável condicionado à zona de alteração de rocha, de aspecto cascalhoso, caolínico (saibro) Domínio Geológico dos Sedimentos Recentes Este domínio ocorre desde o campo de Gericinó até as proximidades da Av. São Paulo (área da Praça da Bandeira), com predominância de sedimentos argilo-arenosos e arenoargilosos de coloração cinza-amarelada, decorrente de processo de sedimentação continental e da deposição de materiais correspondentes à planície de inundação do rio Sarapuí. Superficialmente predominam os sedimentos argilo-arenosos, com espessura média de três metros. Subjacentemente, em geral, ocorre camada de areia argilosa e/ou bolsões de areia com granulometria fina e média, de coloração acinzentada. Posicionado diretamente abaixo deste último horizonte principal, ocorre o solo residual com característica silto-arenosa, micáceo, por vezes com pedregulhos cinza. Estes solos apresentam em geral altos índices de resistência à penetração. 16

19 4.2.3 Domínio Geológico das Argilas Moles Este domínio geológico tem seu início nas proximidades da área do Valão dos Teles, estendendo-se até à foz do rio Sarapuí, próximo à baía de Guanabara. É caracterizado pela ocorrência de argilas moles e orgânicas continentais e marinhas, de coloração cinza-escura, em camadas ou bolsões, às vezes pouco arenosas. Nessa fase não foi possível a individualização precisa desses tipos de argila através da delimitação de contoenos ao longo da área de inundação, devido à insuficiência de dados dos perfís geológicogeotécnicos obtidos das sondagens à percussão executadas. O que se observa é uma provável área limítrofe ao longo do rio Sarapuí em função da influência da maré, favorecendo a deposição de argilas orgânicas com característica marinha. Mais para dentro do continente estas camadas ocorrem com espessura da ordem de três metros, havendo um incremento desta espessura à medida em que se aproxima a baía de Guanabara, podendo chegar a valores da ordem de 16 metros. Neste domínio, como comportamento geral, os índices de resistência à penetração apresentam valores baixos, variando de muito mole a mole Transição entre Domínios Geológicos Entre o domínio geológico dos sedimentos e o domínio geológico predominante das argilas moles ocorre a zona de transição, com presença em superfície de camadas e bolsões de argilas moles e orgânicas, bem como de solos sedimentares argilo-arenosos. Esta área pode ser considerada de transição entre os sedimentos (mais a montante, com maiores índices de resistência) e as argilas moles e orgânicas (mais a jusante, com baixos índices de resistência à penetração). Em alguns pontos pode-se notar a intercalação das estratificações, podendo as argilas moles ocorrerem subjacentes ao solo argilo-arenoso de maior resistência. 4.3 Definição Preliminar dos Taludes Nos sub-itens e 4.3.2, são apresentados os quadros resumo com os prédimensionamentos dos taludes do curso principal e de seus afluentes, respectivamente. Os taludes assinalados com asterísco foram objeto de análise de estabilidade, com base em sondagens e em ensaios de campo e laboratório (ver referências na coluna de observações) Rio Sarapuí - Curso Principal O quadro caracteriza os sub-trechos considerados e os correspondentes taludes admissíveis Rio Sarapuí - Afluentes O quadro apresenta os principais afluentes considerados e os respectivos taludes admissíveis. 17

20 CURSO D ÁGUA Rio Sarapuí TRECHO CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS Da foz na Baía de Terrenos com cotas Guanabara até 9820m. baixas, sujeitos à inundação. De 9820m até 13970m. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. De 13970m até 16520m -- De até 21710m. Terrenos com cotas baixas, sujeitos à inundação. QUADRO DOMÍNIO GEOLÓGICO OBSERVAÇÕES TALUDES ADMISSÍVEIS Domínio geológico das argilas moles. Perto da foz do rio, argila com (*) coluna espessa de até 10,0m - Ref: CA-10-ET-GT (*) 1V:6H Transição entre o domínio geológico Faixa de solos sedimentares, (*) das argilas moles e o domínio argilo-arenosos, apresentando por geológico dos sedimentos recentes. vezes, em superfície, pequenos bolsões de argila orgânica, mole. Domínio geológico dos sedimentos recentes. Depósitos quaternários recentes, predominantemente por solos areno argilosos de coloração cinzaamarelada, decorrentes do processo de sedimentação continental e da deposição de materiais de inundação do rio. Variável entre 1V:3H e 1V:2H 1V:1.5H V:1H

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO RIO

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

3 Área de estudo e amostragem

3 Área de estudo e amostragem 3 Área de estudo e amostragem 3.1. Meio Físico Os aspectos discutidos no Capítulo 2 tornam clara a importância de um estudo experimental de um perfil de solo residual observando a evolução das diversas

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica)

b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica) b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica) Quando o solo, produto do processo de decomposição das rochas permanece no próprio local em que se deu o fenômeno, ele se chama

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Características Geotécnicas de uma Escavação em Região de Falha Geológica.

Características Geotécnicas de uma Escavação em Região de Falha Geológica. Características Geotécnicas de uma Escavação em Região de Falha Geológica. Robson Palhas Saramago Universidade Federal Fluminense/Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, robson@terrae.com.br Mauricio

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

1 a Parte Embasamento Técnico Aspectos Geotécnicos

1 a Parte Embasamento Técnico Aspectos Geotécnicos 1 a Parte Embasamento Técnico Aspectos Geotécnicos Introdução: O desenvolvimento de um bom projeto de fundação está muito mais dependente do domínio e vivência que tenha o projetista na área de solos do

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS Ciência: Geologia Estrutural Objetivo: determinar a distribuição das massas rochosas e das feições que as secionam Deformação de uma estrutura rochosa Mudança

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO 1. Introdução O presente estudo refere-se a uma faixa de terreno com forma aproximadamente rectangular com cerca de 170m de comprimento e 20m de largura, correspondente à área

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA Geestrada, Lda Via Oriental do concelho de Cascais Troço RECONHECIMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO R.P0.0.0 VOC Troço ÍNDICE pág. I INTRODUÇÃO II TRABALHOS REALIZADOS.. III ENQUADRAMENTO

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho

Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho Caracterização Geotécnica do Solo de Fundação da Obra de Prolongamento das Pistas do Aeroporto Internacional Salgado Filho Marcelo Augusto de Mello Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil,

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT RODOVIA : BR-304/CE TRECHO : ENTR. BR-116 (BOQUEIRÃO DO CESÁRIO) DIVISA CE/RN SUBTRECHO

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA José Maria de Camargo Barros IPT 2 Sumário Argilas cinza-esverdeadas de São Paulo x Formação Guabirotuba Solos residuais de São Paulo x Solos residuais de Curitiba

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS

RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS SUMÁRIO 1.0 - ASPECTOS GEOMORFOLÓGICOS, GEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS LOCAL... 1 1.2 SONDAGENS A PERCUSSÃO...

Leia mais

Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE

Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE Juliana Albuquerque Biano de Lemos Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, juliana_biano@petrobras.com.br

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES AULA 1 1. INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO

RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO CLIENTE: BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL OBRA: LOCAL: IMPLANTAÇÃO DE EDIFÍCIO COMERCIAL RIO DE JANEIRO - RJ NOVEMBRO/2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ELEMENTOS

Leia mais

RELATÓRIO DE SERVIÇOS DE CAMPO RSC-SE01

RELATÓRIO DE SERVIÇOS DE CAMPO RSC-SE01 REV. DATA MODIFICAÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO 0 05/10/2012 Emissão Inicial Elaboração de Estudos para Concepção de um Sistema de Previsão de Eventos Críticos na Bacia do Rio Paraíba do Sul e de um Sistema

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

2. Região da Grande Dourados FIGURA 12. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul Grande Dourados

2. Região da Grande Dourados FIGURA 12. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul Grande Dourados 2. Região da Grande Dourados FIGURA 12. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul Grande Dourados E stá localizada no centro-sul de Mato Grosso do Sul. É uma região que passou por um rápido

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES. Solução ou Problema?

UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES. Solução ou Problema? UTILIZAÇÃO DE POLDER PARA CONTROLE DE ENCHENTES Solução ou Problema? Matheus Martins de Sousa 1 ; Osvaldo Moura Rezende 2 ; Marcelo Gomes Miguez 3 & Paulo Canedo de Magalhães 4 RESUMO --- A utilização

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA DO SUBSOLO DO CLUSTER NAVAL DO PORTO DE SUAPE/PE

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA DO SUBSOLO DO CLUSTER NAVAL DO PORTO DE SUAPE/PE 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA DO SUBSOLO DO CLUSTER NAVAL DO PORTO DE SUAPE/PE Débora Feijó Victor 1 ; Filipe Carnib Freire 2 ; Ana Nery Cadete

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Área Conceição da Barra

Área Conceição da Barra Área Conceição da Barra Aviso importante A utilização desses dados e informações é de responsabilidade exclusiva de cada usuário, não podendo ser imputada à Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE

UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE Rev. IG. São Paulo, Volume Especial 1995 UNIDADES GEOTÉCNICAS DE SOLOS DE PORTO ALEGRE Cezar Augusto Burkert BASTOS Regina Davison DIAS RESUMO O artigo trata da caracterização dos solos do município de

Leia mais

11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos

11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos 217 11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos 218 11.1 Critérios Adotados para o Projeto do Canteiro de Obras e do Acampamento

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos ANEXOS Revisão do PDM de Vagos ANEXO I CARACTERIZAÇÃO LITOLÓGICA, GEOTÉCNICA E PEDOLÓGICA (Plano Director Municipal de Vagos..., Gabinete de Apoio Técnico de Aveiro) Revisão do PDM de Vagos CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA)

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) Silvio Eduardo Matos Martins 1 ; Iran C. Staliviere Corrêa 2 ; Amilcar Carvalho Mendes 3 eduardomm@ufpa.br 1 Universidade

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO AGMA JULHO 2008 FRC-RS-GEO-CON-0807-0B CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Execução: Consiliu Meio Ambiente

Leia mais

OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARTE A OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CAPÍTULO 1 Características Ambientais CAPÍTULO 2 Padrão Urbanístico de Ocupação dos Morros 3 BACIA do RIO BEBERIBE ocupação recente vista aérea A ocupação

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira Universidade Católica de Pernambuco e Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, jtrdo@uol.com.br

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO 1 III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO Maria Odete Holanda Mariano (1) Engenheira

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ.

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Aline Nogueira Costa e Helena Polivanov Departamento de Geologia de Engenharia e Ambiental, Universidade

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE ESTUDOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICO COMPLEMENTARES UHE FOZ DO RIO CLARO AGMA JULHO 2008 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Execução: Consiliu Meio Ambiente & Projetos CREA PR

Leia mais

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento Sigla SP1 Data de início 21/12/2009 Data de término 21/12/2009 UTM - N (m) 7.382.650 Diâmetro da perfuração 4 UTM - E (m) 327.753 Diâmetro da Instalação - Altitude do terreno (m) Prof. total do poço (m)

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases:

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases: ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes dos Estudos Geotécnicos nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES DOS ESTUDOS Os Estudos Geotécnicos

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico

Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico Caracterização Geotécnica da Colina do Castelo Abordagem preliminar para a estimativa do Risco Sísmico I. Moitinho de Almeida 1, I. F. Lopes 2, F. Almeida 3 e P. Teves Costa 4 SUMÁRIO A estrutura geológica

Leia mais

Geotecnia nos Campos Gerais: um caso de obra de saneamento no arenito

Geotecnia nos Campos Gerais: um caso de obra de saneamento no arenito Geotecnia nos Campos Gerais: um caso de obra de saneamento no arenito Ney Augusto Nascimento, Ph.D., PPGCC-UFPR email: neyan@ufpr.br Resumo: O caso de uma obra de tratamento de resíduos industriais de

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

7. Região Leste FIGURA 22. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Leste

7. Região Leste FIGURA 22. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Leste 7. Região Leste FIGURA 22. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Leste T odos os municípios desta região possuem em comum o fato de estarem inseridos na Região Hidrográfica do Paraná,

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO SEÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Rua Deodoro da Fonseca, 7 Centro Natal/RN CEP:.0-00. Fone: () - Fax: () -1 TOMADA DE PREÇOS Nº 01/ ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO Tomada de Preços nº 01/ PRRN RELATÓRIO

Leia mais

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS TYPICAL PROFILES OF THE SUBSOIL IN THE LOWLAND OF RECIFE - BRAZIL: CASES HISTORY Oliveira, Joaquim Teodoro Romão de, Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com. MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. 2 ³ Universidade Federal de Santa Maria / lesro@hanoi.base.ufsm.br

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais