- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05"

Transcrição

1 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 China pode vetar reforma do Conselho de Segurança O governo brasileiro não considerou um problema diplomático a ameaça chinesa de vetar uma eventual reforma no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que inclua o Japão como membro permanente. Segundo o Palácio do Planalto, a oposição da China à ampliação do Conselho deve-se aos problemas históricos e estratégicos desta com seu vizinho e não a uma recusa à pretensão brasileira. O Brasil, em conjunto com Alemanha, Índia e Japão que formam o G4, apresentou um projeto de reforma que os tornariam membros permanentes. Contudo, apesar do apoio público das autoridades chinesas a candidatura brasileira, um eventual veto chinês inviabilizaria conseqüentemente a candidatura brasileira. Outro país que também não concordou com a proposta do G4 foi a Rússia, que acredita que o CS deve privilegiar um modelo compacto para agregar eficiência. O grupo dos 4, posteriormente, na tentativa de diminuir as resistências à reforma, apresentou uma nova proposta de mudanças na instituição, que adia pelos próximos 15 anos a discussão sobre o direito de veto dos possíveis novos membros permanentes. (Folha de S. Paulo Mundo 03/06/05; Folha de S. Paulo Brasil 09/06/05; O Estado de S. Paulo Nacional 03/06/05; O Estado de S. Paulo Nacional 04/06/05; O Globo O Mundo 03/06/05; O Globo O Mundo 09/06/05). Brasil notifica a OMC seus subsídios à agricultura O Brasil apresentou a Organização Mundial do Comércio (OMC) os dados referentes aos subsídios pagos à agricultura do país. O montante, apesar de se elevar a US$7,28 bilhões, não se caracterizou como irregular. De acordo com as regras da Organização, os agricultores brasileiros poderiam receber até 10% do produto nacional em ajuda financeira, o que não se verificou em nenhum dos produtos analisados. Contudo, o atraso com que o Brasil fez esta notificação foi alvo de protestos. O governo, aliado ao G-20 (grupo de países em desenvolvimento), apresentou ainda uma proposta para garantir que recursos usados para programas de agricultura familiar ou reforma agrária não sejam considerados como subsídios ilegais. (O Estado de S. Paulo Economia 03/06/05).

2 China é contra a prorrogação da Missão de Estabilização no Haiti A China se opôs a prorrogação da permanência da Missão de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU), comandada pelo Brasil no Haiti. O delegado chinês, no Conselho de Segurança, defendeu a posição de seu país alegando que a maioria das missões da ONU opera com prazos fixos de seis meses e com o Haiti não deveria ser diferente. Contudo, o real motivo por trás deste incidente seria a disputa entre Taiwan e China para exercer influência sobre os países do Caribe. Diplomatas brasileiros afirmam que a intenção chinesa, nesta questão, não é enfraquecer a missão de paz, mas diminuir as relações do país caribenho com Taiwan. A China adotou uma postura mais intransigente depois que o presidente haitiano, Boniface Alexandre, anunciou uma visita a Taiwan em julho. (O Estado de S. Paulo Nacional 03/06/05). Missão da ONU no Haiti pode fracassar O general brasileiro Augusto Heleno Ribeiro Pereira, comandante da Força Militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), em entrevista, declarou que a missão fracassará caso não sejam tomadas medidas concretas para combater o caos social e econômico que se instaurou no país. "Se os atores envolvidos no Haiti não se convencerem de que o problema não é só militar, mas também de infra-estrutura, nossa missão vai fracassar, assim como fracassaram seis missões anteriores", ressaltou Heleno. O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, contudo, elogiou a atuação das tropas no Haiti, alegando que a dificuldade do trabalho está na situação econômica e social do país. O chanceler desmentiu ainda boatos de que tropas estadunidenses não seriam bem-vindas na operação. (Folha de S. Paulo Brasil 06/06/05; O Estado de S. Paulo Nacional 03/06/05; O Estado de S. Paulo Internacional 06/06/05). Celso Amorim antecipou retorno ao Brasil devido à crise boliviana O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Celso Amorim, antecipou seu retorno da República Dominicana ao Brasil para acompanhar a crise política na Bolívia. Amorim, que se encontrou com o presidente dominicano, Leonel Fernández Reyna, sinalizou às forças políticas bolivianas que o Brasil espera que seja encontrada uma solução "pacífica, democrática e constitucional" à crise e afirmou que estará disponível para atuar como mediador, se La Paz pedir. (O Estado de S. Paulo Internacional 08/06/05).

3 Brasil enviou observadores à Bolívia Após uma nota do Ministério das Relações Exteriores do Brasil oferecendo ajuda à Bolívia na resolução da crise enfrentada pelo país, o presidente boliviano, Carlos Mesa, solicitou o envio de observadores. Na nota, o Itamaraty destacou a preocupação do governo brasileiro em relação à crise, e declarou acreditar que as forças políticas bolivianas saberão encontrar soluções próprias para os difíceis problemas do momento atual. Uma missão de observadores do Brasil, da Argentina e da Organização das Nações Unidas (ONU) foi enviada para acompanhar a sessão do Congresso que analisará a renúncia apresentada pelo presidente do país sul-americano. A equipe constituiu-se pelo assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, pelo ex-vice-chanceler argentino Raúl Alconada Sempé e pelo exdiretor da Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Larina e o Caribe (Cepal) José Ocampo. (Folha de S. Paulo Brasil 09/06/05; Folha de S. Paulo Mundo 09/06/05; O Estado de S. Paulo Internacional 09/06/05; O Globo Mundo 04/06/05). Panamá é convidado a participar do Mercosul A presidência do Mercosul apresentou dia 05 de junho, durante encontro da Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), na Flórida, um convite oficial para que o Panamá faça parte do bloco de integração regional. O presidente panamenho, Martín Torrijos, foi convidado a acompanhar a Cúpula de Assunção que ocorrerá entre 17 e 20 de junho. O próximo passo para a integração será a assinatura de um acordo de complementação econômica e livre comércio. (Folha de S. Paulo Mundo 05/06/05). Brasil rejeitou intervenção pela democracia entre membros da OEA Contrária à proposta estadunidense de criação de um mecanismo de monitoramento das democracias americanas, a Associação Latino-Americana de Integração (Aladi) composta por Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Cuba, Chile, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela propôs um plano de ação hemisférico para assegurar o fortalecimento da eficácia e da aplicação da Carta Democrática Interamericana na defesa e promoção da democracia. Como resultado da 35 a Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), a Declaração da Flórida, assinada no dia 07 de junho nos Estados Unidos, acatou a proposta da Associação. Desse modo, estabeleceu-se que o secretáriogeral da OEA, José Miguel Insulza, visitará os países onde a democracia estiver sob ameaça e descreverá o caso ao Conselho Permanente da entidade. Os membros então discutirão a cooperação, respeitando a soberania daquele país e o conceito de autodeterminação dos povos. Frente à posição norte-americana, o chanceler brasileiro, Celso Amorim, defendeu que a democracia não pode ser

4 imposta e que tal mecanismo infere no princípio de não-intervenção da organização, além de destacar que a cooperação e o diálogo não podem ser usados como mecanismos intervencionistas. Amorim afirmou que as maiores dificuldades da região estão nas áreas econômica (como o comércio desigual entre países ricos e pobres) e social, questões que deveriam ser mais bem focados na instituição. Frente à crítica da secretária de Estado norte-americana, Condoleeza Rice, à ditadura cubana, Amorim disse que a cooperação construtiva entre os países é o melhor caminho, mesmo quando há diferenças de percepções. Para ele, ainda, a ausência de Cuba na organização é uma anomalia a ser superada através do diálogo. (Folha de S. Paulo Mundo 05/06/05; Folha de S. Paulo Brasil 06/06/05; Folha de S. Paulo Mundo 07/06/05; Folha de S. Paulo Mundo 08/06/05; Folha de S. Paulo Mundo 09/06/05; O Estado de S. Paulo Internacional 06/06/05; O Globo País 06/06/05; O Globo O Mundo 07/06/05). Amorim pediu ajuda ao Haiti durante Assembléia da OEA A presença das forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti foi pauta de discussão da 35 a Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), ocorrida nos Estados Unidos. O chanceler brasileiro, Celso Amorim, cobrou as promessas de ajuda financeira feita pelos países desenvolvidos ao Haiti, argumentando que, sem esta, a própria missão brasileira no país ficaria comprometida e que o uso da força militar não é suficiente para que haja uma reconciliação nacional no país, destacando a importância da realização de uma eleição da qual participassem todas as correntes políticas. (Folha de S. Paulo Mundo 07/06/05; O Globo O Mundo 07/06/05). Brasil busca apoio ao uso de software livre Durante a Conferência Regional Ministerial da América Latina e Caribe sobre Sociedade da Informação, o governo brasileiro buscou apoio dos demais países da região para a adoção do software livre como modelo a ser adotado para promover a inclusão digital, bem como para a defesa pela democratização da gestão da internet. A busca da posição conjunta visa a fortalecer a posição brasileira na conferência mundial sobre o tema, que acontecerá em novembro, na Tunísia. (Folha de S. Paulo Brasil 06/06/05; Folha de S. Paulo Dinheiro 09/06/05). Brasil defendeu proposta conjunta de liberalização com Argentina e Índia Diante da proposta dos Estados Unidos de que a diferenciação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), concedida a países emergentes, fosse revista, o Brasil, a Argentina e a Índia reagiram apresentando uma proposta conjunta de

5 liberalização, defendendo que os países em desenvolvimento mantenham taxas de importação para produtos industriais como forma de reduzir os riscos causados por choques externos. O Brasil deixou claro, ainda, que só concordará com algum tipo de redução tarifária para produtos manufaturados quando perceber ganhos reais em agricultura. As discussões, ocorridas no dia 06 de junho, fazem parte das negociações para um acordo de liberalização do setor manufatureiro na Organização Mundial do Comércio (OMC), que deve ser concluído até dezembro. (O Estado de S. Paulo Economia 07/06/05; O Estado de S. Paulo Internacional 08/06/05). Dirceu foi à Espanha tratar de investimentos O ministro da Casa Civil, José Dirceu, viajou à Madri, na Espanha, para participar da Confederação Espanhola de Organizações Empresariais, durante a qual tratou de investimentos em infra-estrutura, além de ter encontrado-se com empresários, intelectuais, políticos e artistas espanhóis. (Folha de S. Paulo Brasil 07/06/05). Lula e primeiro-ministro de Belize reuniram-se em fórum contra a corrupção Durante o 4 o Fórum Global de Combate à Corrupção, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou-se com o primeiro-ministro de Belize, Said Musa. Na pauta de discussão estavam negociações comerciais, a reforma da Organização das Nações Unidas (ONU) e a cooperação internacional no combate à pobreza. O Fórum, que ocorre de dois em dois anos em diferentes países com o intuito de discutir experiências e cooperação internacional na prevenção e combate à corrupção, realizou-se em Brasília, de 06 a 10 de junho, e reuniu representantes de mais de 100 países, de organizações não-governamentais e de universidades. (Folha de S. Paulo Brasil 07/06/05; O Estado de S. Paulo Nacional 07/06/05). Brasil e Argentina teriam acordado em barrar importações chinesas Segundo o diário argentino Clarín, o Ministério da Economia da Argentina estaria analisando a aplicação de medidas que regulem a entrada de calçados chineses em seu mercado. A decisão teria sido tomada juntamente com o Brasil, reservando assim o mercado para os comerciantes argentinos e brasileiros, manobra que faria com que o impasse do setor calçadista entre os dois países fosse finalmente resolvido. A Argentina exige que as exportações brasileiras não ultrapassem 12 milhões de pares anuais. Em relação ao comércio de veículos, o governo argentino pretende prorrogar para 2008 a abertura de mercado entre ambos, prevista para O Brasil é o destino principal dos automóveis provenientes da Argentina. Entretanto, no passado, esta detinha cerca de 14,5%

6 do mercado brasileiro e hoje detém apenas 3%. (O Estado de S. Paulo Economia 07/06/05).

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 70 23/09/05 a 29/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 70 23/09/05 a 29/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 70 23/09/05 a 29/09/05 Brasil poderá retaliar comercialmente os Estados Unidos O Brasil solicitará à Organização Mundial do Comércio (OMC) o direito de

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO Viagens do Secretário-Geral Reunião de Ministros da Justiça ou de Ministros ou Procuradores-gerais das Américas Port-of-Spain, Trinidad e

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO - 1 - Viagens do Secretário-Geral Caracas, Venezuela, 2 a 23 de janeiro de 2003 Caracas, Venezuela, 28 de janeiro a 6 de fevereiro de 2003

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO 140 Viagens do Secretário-Geral Conferência sobre o Sistema Interamericano São Domingos, República Dominicana, 2 e 3 de junho de 2005 Trigésimo

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013 BRIEF INSTITUCIONAL 2013 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 100 09/06/06 a 15/06/06

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 100 09/06/06 a 15/06/06 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 100 09/06/06 a 15/06/06 Apresentação: O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Reunião Plenária Final da

Reunião Plenária Final da Reunião Plenária Final da Conferência Regional das Américas sobre Avanços e Desafios no Plano de Ação contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e as Intolerância Correlatas Resumo da Presidenta

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

#InternacionalizaBH. Fotos: Belotour

#InternacionalizaBH. Fotos: Belotour #InternacionalizaBH Fotos: Belotour Programação 9 de Dezembro 10 de Dezembro 11 de Dezembro 12 de Dezembro 13 de Dezembro Manhã Tarde Noite ABERTURA CONJUNTA JANTAR COQUETEL Fórum Nacional de Secretários

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

Declaração de Cusco sobre a Comunidade Sul-Americana de Nações

Declaração de Cusco sobre a Comunidade Sul-Americana de Nações Declaração de Cusco sobre a Comunidade Sul-Americana de Nações 1 Declaração de Cusco sobre a Comunidade Sul-Americana de Nações Textos aprovados por ocasião da III Cúpula de Presidentes da América do Sul

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE

VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE Colônia, Uruguai 5 e 6 de outubro de 2006 DECLARAÇÃO DE COLÔNIA DE SACRAMENTO 1 As Ministras e Ministros de Saúde de Ibero-américa ou

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 50 06/05/05 a 12/05/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 50 06/05/05 a 12/05/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 50 06/05/05 a 12/05/05 Presidentes reuniram-se para resolver tensões entre Argentina e Brasil Frente às recentes tensões entre Brasil e Argentina, o presidente

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Chegada dos participantes 20h00 Reunião do Comitê Executivo do Conselho Americano de Esporte (CADE)

Chegada dos participantes 20h00 Reunião do Comitê Executivo do Conselho Americano de Esporte (CADE) Programação XVII Conselho Iberoamericano de Esporte (CID) XI Assembléia do Conselho Americano de Esporte (CADE) IX Assembléia Ordinária do Conselho Sul-americano de Esporte (CONSUD) Assembléia do Conselho

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

Brasil e o contexto sul-americano

Brasil e o contexto sul-americano Brasil e o contexto sul-americano Análise Integração Regional Ana Flávia Lima Teles e Sílvia Helena Guilherme Canêdo 01 de junho de 2006 Brasil e o contexto sul-americano Análise Integração Regional Ana

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS Esta série apresenta encontros, conferências e reuniões entre países da América Hispânica. Atualmente compõe-se de três dossiês: Cumbre de los Pueblos de

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG.

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Competências da Divisão: Tratamento político dos temas educacionais nos fóruns multilaterais

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul Luiz Antônio Gusmão, pesquisador IPC/MD IX Curso de Extensão sobre Defesa Nacional

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASAMBLEA PARLAMENTARIA EURO-LATINOAMERICANA EURO-LATIN AMERICAN PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO-LATINO-AMERICANA ASSEMBLÉE PARLEMENTAIRE EURO-LATINO- AMÉRICAINE PARLAMENTARISCHE VERSAMMLUNG

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2010

RELATÓRIO Nº, DE 2010 RELATÓRIO Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 64, de 2010 (Mensagem 69, de 25/2/2010, na origem), do Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de política internacional, intercâmbio internacional de experiências em políticas de desenvolvimento rural e atividades de cooperação

Leia mais

Programa de Parceira Brasil-OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT

Programa de Parceira Brasil-OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT Brasília, 16 de maio de 2012 Março/2009: definição do marco jurídico e institucional do Programa de Parceria: Ajuste Complementar assinado pelo

Leia mais

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 - Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 Apresentação: O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

No caso do Chile, a Aliança do Pacífico não altera significativamente suas relações entrevista com Tullo Vigevani

No caso do Chile, a Aliança do Pacífico não altera significativamente suas relações entrevista com Tullo Vigevani No caso do Chile, a Aliança do Pacífico não altera significativamente suas relações entrevista com Tullo Vigevani Por Lys Ribeiro No primeiro pleito presidencial com voto facultativo e duas candidatas

Leia mais

A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária

A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária A Participação do CAP na Gestão Portuária Brasília, 25 de Janeiro de 2007 A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária Julián Palácio Coordenador para América Latina Fundada em 1912, nos

Leia mais

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Implantação do Programa Visa Waiver 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Chegadas internacionais Brasil XAmérica Latina Turistas internacionais (milhões)

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF INSTITUCIONAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Brasil, 28 e 29 de agosto de 2006 MERCOSUL / SGT Nº 6 / ATA N. 2/06 IV REUNIÃO ORDINÁRIA DO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul

O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul Ana Claudia Jaquetto Pereira UNESP/Franca Orientador: Héctor Luis Saint-Pierre As mudanças arquitetadas no sistema internacional após

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais