ISABELA TEBALDI POUBEL DO CARMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISABELA TEBALDI POUBEL DO CARMO"

Transcrição

1 FACULDADE DE VETERINÁRIA Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal) ISABELA TEBALDI POUBEL DO CARMO CIRCULAÇÃO DE Ehrlichia canis (DONATIEN e LESTOQUARD, 1935) EM CÃES (Canis familiaris, LINNAEUS, 1758) NO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. NITERÓI 2012

2 1 ISABELA TEBALDI POUBEL DO CARMO CIRCULAÇÃO DE Ehrlichia canis (DONATIEN e LESTOQUARD, 1935) EM CÃES (Canis familiaris, LINNAEUS, 1758) NO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal) da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre. Área de Concentração: Clínica e Reprodução Veterinária Orientadora: Profª Drª NÁDIA REGINA PEREIRA ALMOSNY NITERÓI 2012

3 2 ISABELA TEBALDI POUBEL DO CARMO CIRCULAÇÃO DE Ehrlichia canis (DONATIEN e LESTOQUARD, 1935) EM CÃES (Canis familiaris, LINNAEUS, 1758) NO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária (Clínica e Reprodução Animal) da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre. Área de Concentração: Clínica e Reprodução Veterinária BANCA EXAMINADORA Profª Drª NÁDIA REGINA PEREIRA ALMOSNY - Orientadora Universidade Federal Fluminense Profª Drª ROSANGELA ZACARIAS MACHADO UNESP - Campus Jaboticabal Profª Drª NAMIR SANTOS MOREIRA UNIPLI/Anhanguera Profª Drª ALINE MOREIRA DE SOUZA Universidade Federal Fluminense NITERÓI 2012

4 3 DEDICATÓRIA Ao meu pai, Renato Poubel do Carmo, exemplo de pessoa de caráter e de generosidade, pelos ensinamentos de que a calma e a perseverança são as chaves para a conquista, A minha mãe, Francismeli Bernardes Tebaldi do Carmo, uma guerreira nata, pela sua compreensão e por sempre fazer questão em me orientar e apoiar incondicionalmente nos meus desejos, A minha irmã, Daniela Tebaldi Poubel do Carmo, sempre com palavras certeiras nos meus momentos difíceis, Ao meu namorado, Octávio Augusto Navarro de Araújo Lima, pelo carinho e apoio nas minhas decisões. Aos animais, fundamentais para que a elaboração dessa Dissertação tivesse sentido.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, por me dar forças e me permitir chegar até aqui. A minha família, especialmente meu pai, minha mãe, irmã, madrinha Marilucy, tio Pierre, afilhada Renata, vó Toninha e a querida Miriam. Sempre presentes, benevolentes e compreensivos, mesmo quando da minha ausência em virtude dos estudos. A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, por minha formação acadêmica. A amiga e Professora Doutora Miliane Moreira Soares de Souza, pelo carinho, amizade e por me permitir iniciar a descoberta do mundo da pesquisa científica. A Universidade Federal Fluminense, por possibilitar meu crescimento profissional e incentivar a cada dia meus estudos. A minha amiga e orientadora, Professora Doutora Nádia Regina Pereira Almosny, pelo carinho, apoio e confiança a mim dispensados. Exemplo de pessoa generosa, humilde e justa, sempre disposta a ajudar o próximo e que luta pela Instituição, por melhorias no ensino e renovação da pesquisa científica. Agradeço também pela atenção e disposição em ajudar na pesquisa de hemoparasitos. Ao meu namorado, Octávio, pelo carinho, compreensão e amor a mim dispensados. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por fomentar o Curso de Mestrado em Clínica e Reprodução Animal e tornar economicamente viável a realização deste trabalho. Também agradeço à CAPES pela demanda social, que foi de fundamental importância para a minha dedicação exclusiva ao Curso durante esse período. A Coordenação do Curso de Mestrado em Clínica e Reprodução Animal e a secretaria do Curso, em especial aos funcionários Júlia Gleich, Ana Paula Neves e Sidney Cordeiro, por estarem sempre solícitos e prontos a ajudar. Aos Médicos Veterinários Octávio Araújo Lima, Sabrina Emmerick, Juliane Reis e Professor Doutor Eduardo Viana, pela ajuda com a colheita e processamento das amostras e coloração dos esfregaços. A Bióloga Natália Valença pela ajuda com o processamento das amostras. As Médicas Veterinárias Professora Doutora Márcia Xavier e a Ananda Muller pela ajuda com a coloração dos esfregaços. Ao Médico Doutor Afonso Perez, pela gentileza com a qual tirou minhas dúvidas e por estar sempre disposto a ajudar. A Médica Veterinária Professora Doutora Rosângela Zacarias, pela presteza em

6 5 ajudar com o fornecimento das lâminas de Imunofluorescência Indireta. Ao Professor Doutor Célio Machado e ao Médico Veterinário Flávio Lopes, que gentilmente se organizaram para que as lâminas de Imunofluorescência Indireta pudessem ser trazidas de Jaboticabal para o Rio de Janeiro. A amiga Médica Veterinária Professora Doutora Namir Moreira, pela dedicação e carinho e em me ensinar tudo o que sei sobre Imunofluorescência Indireta e pela orientação e ajuda na realização desse teste. Ao Médico Veterinário Antônio Faber, por me orientar sobre as possibilidades de coletas de sangue no município de Bom Jesus do Itabapoana. Ao Médico Veterinário Gustavo por me fazer saber da possibilidade de presença do hemoparasito pesquisado no município de Bom Jesus do Itabapoana e por ceder o espaço da sua clínica veterinária para a colheita de algumas amostras. A Waldinéia, Vanessa e Cristiano pela ajuda com a colheita das amostras. Ao Médico Veterinário Antônio Faber e ao senhor José Fernando, por conseguirem os mapas do município de Bom Jesus do Itabapoana. Ao amigo Médico Veterinário Professor Doutor Eduardo Viana, pela paciência e dedicação em me ensinar sobre diversos temas em Patologia Clínica, notadamente hematologia e pela orientação e ajuda na pesquisa de hemoparasitos. Ao amigo e Professor Rodolpho Torres pela gentileza em orientar na tabelação e organização dos dados. Ao amigo e Professor Joel Rosa pela paciência e presteza em ajudar na análise dos dados. A amiga Médica Veterinária Vanessa Viscardi, pelo carinho e disposição em ajudar com a formatação da dissertação. A equipe do laboratório de Patologia Clínica do Hospital Universitário da Universidade Federal Fluminense, em especial à amiga e técnica Camila Giesteira, sempre pronta a me ajudar, mesmo que a distância; aos demais plantonistas e amigos Eduardo Viana, Gracy Canto, Renata Guedes, Gabriel Bobany, Sabrina Emmerick, Ananda Muller, Pedro Velho e Lívia Munay, sempre prontos a ajudar; a amiga e residente, Luana Freitas, aos monitores, estagiários e alunos do Curso de Graduação em Medicina Veterinária, onde cada dúvida levantada proporcionou o aprimoramento profissional de todos. Ao grupo de pesquisa da Professora Doutora Nádia Almosny, o grupo Hemoparasitos, pela amizade, apoio e incentivo, que me permitiram ir mais longe.

7 6 As amigas Professora Doutora Márcia Xavier e Sabrina Emmerick e aos amigos Professor Doutor Nayro Alencar e Gabriel Bobany, pela ajuda com a montagem e orientação sobre as aulas por mim ministradas. Ao amigo Professor Doutor Daniel Macieira, pela orientação na condução da análise dos resultados encontrados no presente trabalho. A amiga Professora Doutora Aline Moreira, pela paciência e presteza em ajudar. A equipe de funcionários da Direção da Faculdade de Veterinária - UFF, Fátima de Oliveira, Maria Nepomuceno, Carlos Adolfo Vieira, Paulo Henrique Panema, Paulo Victor de Faria e Claudio Pacheco, sempre gentis, atenciosos e prontos para ajudar em todos os momentos. A equipe de Bibliotecários da Faculdade de Veterinária - UFF, gentis e solícitos sempre. A todos os amigos do Curso de Mestrado e os do Doutorado em Clínica e Reprodução Animal, que para não cometer nenhuma injustiça, prefiro agradecer em grupo, pela consolidação de amizades. A todos os outros amigos, que direta ou indiretamente, colaboraram comigo durante a minha vida acadêmica. A todos, o meu muito obrigada!

8 7 A ciência não é uma ilusão, mas seria uma ilusão acreditar que poderemos encontrar noutro lugar o que ela não nos pode dar. (Sigmund Freud)

9 8 SUMÁRIO Página LISTA DE QUADROS 10 LISTA DE TABELAS 11 LISTA DE FIGURAS 12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 13 RESUMO 14 ABSTRACT INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA TAXONOMIA Ehrlichia canis MORFOLOGIA DE Ehrlichia canis TRANSMISSÃO DE Ehrlichia canis SAZONALIDADE DO VETOR IDADE, SEXO E RAÇA DOS ANIMAIS ACOMETIDOS PATOGENIA E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA 22 EHRLICHIOSE CANINA FASE AGUDA FASE SUBCLÍNICA FASE CRÔNICA TROMBOPOIESE: ALTERAÇÕES QUALITATIVAS E 24 QUANTITATIVAS TROMBOCITOPENIA E EHRLICHIOSE INFECÇÕES ASSOCIADAS A OUTROS HEMOPARASITOS DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO POR Ehrlichia canis CLÍNICO MICROSCOPIA ÓPTICA SOROLOGIA - IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) MATERIAL E MÉTODOS ÁREA DE ESTUDO ANIMAIS COLHEITA DAS AMOSTRAS E GRUPOS DE ESTUDO CONFECÇÃO DE ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS SOROLOGIA IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS E DISCUSSÃO ANÁLISE DOS ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS OUTROS HEMOPARASITOS DIAGNOSTICADOS NOS 44 ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS 4.3. AVALIAÇÃO POR IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) PRESENÇA DE ANIMAIS POSITIVOS NA REGIÃO DE BOM 47 JESUS DO ITABAPOANA PRESENÇA DE ANIMAIS POSITIVOS NA REGIÃO DE BOM JESUS DO ITABAPOANA CONSIDERANDO AS AMOSTRAS OBTIDAS NA PRIMAVERA (GRUPO A) E NO VERÃO (GRUPO B) 49

10 COMPARAÇÃO DAS FAIXAS ETÁRIAS DOS CÃES POSITIVOS EM IFI NO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO 50 ITABAPOANA RJ 4.5. SEXO DOS CÃES AMOSTRADOS RAÇAS DOS CÃES POSITIVOS EM IFI PRESENÇA DE CARRAPATOS EM CÃES DA MESMA 54 RESIDÊNCIA 4.8. ANÁLISE DOS SINAIS CLÍNICOS ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO ESFREGAÇO 58 SANGUÍNEO 5. CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 61 ANEXOS 73

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro Título Página Quadro 1. Nova classificação da ordem Rickettsiales. 18 Quadro 2. Algumas causas infecciosas de trombocitopenia em cães. 24

12 11 LISTA DE TABELAS Tabela Título Página Tabela 1. Tabela 2. Tabela 3. Tabela 4. Tabela 5. Tabela 6. Tabela 7. Tabela 8. Resultado da pesquisa de mórulas da família Anaplasmataceae em esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Resultado da pesquisa de anticorpos da classe IgG para E. canis em IFI de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Resultado da pesquisa de anticorpos da classe IgG para E. canis em IFI, nos grupos A e B, de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Comparação das faixas etárias dos cães positivos em IFI no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Raças dos cães amostrados no município de Bom Jesus do Itabapoana (RJ), com relação a positividade na IFI. Cães com relação ao acesso externo e relação com presença ou ausência de carrapatos no momento da colheita, realizada no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Sinais clínicos sugestivos de ehrlichiose que mais ocorreram nos cães amostrados no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Presença de alterações morfológicas nos esfregaços sanguíneos dos cães dos Grupos A e B do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ

13 12 LISTA DE FIGURAS Figura Título Página Figura 1. Figura 2. Figura 3. Regiões fisiográficas do Estado do Rio de Janeiro. O município de Bom Jesus do Itabapoana, onde foram colhidas amostras, está localizado na região noroeste, marcada com a cor bege (Fonte: Comparação entre positividade para mórulas no Grupo A e Grupo B em cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Presença hemoparasitos em avaliação morfológica de esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Figura 4. Resultado da avaliação morfológica de esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana (RJ) quanto a presença de coinfecção em uma mesma amostra e de amostras positivas. Figura 5. Figura 6. Figura 7. Figura 8. Sexo de todos os cães amostrados no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Resultado da IFI positiva com relação ao sexo dos animais amostrados no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Cães da mesma residência, com relação à presença de ixodídeos no momento da colheita, realizada no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Número de residências onde havia mais de um cão, com relação à positividade na IFI nos cães, no município de Bom Jesus do Itabapoana RJ

14 13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AAE Anorexia, Apatia e/ou Emagrecimento BH Belo Horizonte CAV-1 Adenovirus Tipo 1 CCZ Centro de Controle de Zoonoses EDTA ácido etileno diamino tetracético EMC Ehrlichiose Monocítica Canina GO Goiás IFI Imunofluorescência Indireta IgG Imunoglobulina G IgM Imunoglobulina M MG Minas Gerais MGG May Grunwald e Giemsa MH Mucosas Hipocoradas MT Mato Grosso PCR Reação em Cadeia da Polimerase PE Pernambuco PI Piauí RJ Rio de Janeiro SP São Paulo SO Secreção Ocular, Nasal e/ou Petéquias UFF Universidade Federal Fluminense

15 14 RESUMO Ehrlichia canis é bactéria causadora da doença infecciosa ehrlichiose monocítica canina (EMC) em cães. Ocorre mundialmente, apresentando diversas variações na apresentação clínica e que determina, dentre outros sinais clínicos, imunodepressão, favorecendo a ocorrência de outras moléstias. Tendo em vista a importância desta doença emergente e visando avaliar a sua ocorrência analisou-se, por imunofluorescência indireta, o sangue de 83 cães do município de Bom Jesus de Itabapoana, na região no noroeste do Estado do Rio de Janeiro. Destes, 43 estavam positivos para Ehrlichia canis. Quando avaliou-se separadamente as amostras colhidas na primavera (Grupo A) e no verão (Grupo B) observou-se não ter havido diferenças entre a ocorrência da doença nas duas ocasiões. As raças mais acometidas foram Yorkshire, Poodle e Labrador Retriever, e cães sem raça definida (SRD), mas entre as raças negativas a frequência foi a mesma, mostrando não haver uma preferencia racial. Não houve diferença na idade dos animais acometidos e os sinais mais comuns foram mucosas hipocoradas; anorexia, apatia e/ou emagrecimento; e secreção ocular, nasal e/ou petéquias. Concluiu-se que Ehrlichia canis está presente na região de Bom Jesus do Itabapoana e que novos estudos deverão ser realizados visando conhecer as várias espécies de Anaplasmataceae que acometem os cães da região assim como outros hemoparasitas. Palavras-chave: cães, ehrlichiose, Anaplasmataceae, imunofluorescência.

16 15 ABSTRACT The canine ehrlichiosis is a rickettsial worldwide distribution with many variations in clinical presentation and determines immunosuppression, favoring the occurrence of other diseases. Given the importance of this emerging disease and to evaluate their occurrence was analyzed by indirect immunofluorescence, the blood of 83 dogs in the city of Bom Jesus de Itabapoana in the region in the northwestern State of Rio de Janeiro. Of these, 43 were positive for Ehrlichia canis. When was evaluated separately the samples collected in spring (Group A) and summer (Group B), they showed there were no differences between the occurrence of the disease on two occasions. The most affected breeds were Yorkshire, Poodle, Labrador Retriever and mongrel dogs, but between the negative races the frequency was the same, showing that there is no racial preference. There was no difference in age of affected animals and the most common signs and symptoms were pale mucous membranes; anorexia, apathy and/or weight loss; and ocular discharge, nasal and/or petechiae. There were no changes in haematological values. It was concluded that Ehrlichia canis is present in the region of Bom Jesus do Itabapoana and that new studies should be conducted to explore the many species of Anaplasmataceae that affect dogs of the region as well as other hemoparasites. Keywords: dogs, ehrlichiosis, Anaplasmataceae, immunofluorescence.

17 16 1. INTRODUÇÃO A infecção por Ehrlichia canis é reconhecida como importante doença infecciosa transmitida por artrópodes, potencialmente fatal tanto para cães como para humanos. Ehrlichia canis é o agente etiológico da ehrlichiose monocítica canina (EMC), doença multissistêmica que possui apresentação clínica altamente variável e de difícil diagnóstico diferencial. A bactéria E. canis é transmitida ao cão pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus, considerado principal vetor. A ehrlichiose está amplamente distribuída no Brasil. No Rio de Janeiro, como o hospedeiro invertebrado é perfeitamente adaptado ao clima, toda a área é considerada endêmica. O diagnóstico da infecção causada por E. canis não pode ser baseado somente em sinais clínicos ou resultados sorológicos isolados. Tal diagnóstico pode ser realizado por meio da visualização de mórulas sob microscopia óptica de imersão, pela técnica da reação em cadeia da polimerase (PCR) ou por imunofluorescência indireta (IFI). A técnica de IFI além de constituir em uma ferramenta valiosa para o diagnóstico e triagem de ehrlichioses, é considerada técnica de padrão-ouro sorológico, indicando exposição à Ehrlichia canis. No Estado do Rio de Janeiro há regiões, como o município de Bom Jesus do Itabapoana, que carecem de estudos que caracterizem a presença de Ehrlichia canis em cães, bem como as características clínicas e laboratoriais dos animais acometidos, sendo de extrema importância tal estudo no referido município. Além disso, não há dados na literatura referentes à presença de E. canis em cães do município de Bom Jesus do Itabapoana, tendo em vista que nenhum estudo havia sido realizado no referido município. Desta forma, o presente trabalho teve como objetivos: verificar a ocorrência de infecção por hemoparasitos da família Anaplasmataceae em cães no município

18 17 de Bom Jesus do Itabapoana (RJ), por meio da observação de mórulas em esfregaços de sangue periférico; detectar cães expostos a bactéria E. canis por meio da técnica de IFI, revelando se há circulação deste agente etiológico no município de Bom Jesus do Itabapoana (RJ); correlacionar os cães positivos, tanto para a presença de mórulas de hemoparasitos da família Anaplasmataceae quanto os animais positivos na IFI, com a sazonalidade do achado (primavera e verão); correlacionar os sinais clínicos apresentados pelos animais no momento da colheita e soropositividade no teste de IFI; avaliar ixodidiose em animais com acesso ou não a ambiente externo ao domicilio; avaliar se há predisposição de raças, faixa etária e sexo dos cães amostrados, com soropositividade no teste de IFI; avaliar as possíveis alterações celulares qualitativas (morfológicas) nos esfregaços sanguíneos.

19 18 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. TAXONOMIA Segundo estudos de Dumler e equipe (2001) e em decorrência de análises das sequências genéticas obtidas a partir do GenBank (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?db=nucleotide) uma nova classificação foi proposta, compilada no quadro 1. Quadro 1. Classificação da ordem Rickettsiales. Ordem Família Gênero Ehrlichia Anaplasma Neorickettsia Wolbachia Compilado de DUMLER et al. (2001) Rickettsiales Anaplasmataceae Espécie E. canis E. chaffeensis E. ewingii E. muris E. ruminantium A. platys A. phagocitophila A. centrale A. marginale A. ovis A. bovis N. risticii N. sennetsu N. helminthoeca W. pipientes 2.2. Ehrlichia canis O gênero Ehrlichia compreende parasitos intracitoplasmáticos de leucócitos e plaquetas de várias espécies de mamíferos (HOSKINS, 1991; RIKIHISA, 1991; DAVOUST, 1993).

20 19 As bactérias do gênero infectam essencialmente os animais, existindo espécies que acometem naturalmente canídeos, equídeos, ruminantes e o homem. A infecção em gatos é quase inexistente, e foi demonstrada em raros casos (DAVOUST, 1993). As seguintes espécies do gênero Ehrlichia já foram descritas causando infecções naturais em cães: E. canis, N. risticii, E. ewingii, E. chaffeensis, além de Anaplasma platys e A. phagocytophilum (DUMLER e WALKER, 2001). Ehrlichia canis é o agente etiológico da ehrlichiose monocítica canina (EMC) doença multissistêmica que possui apresentação clínica altamente variável e de difícil diagnóstico diferencial (HARRUS et al., 1997a; KAKOMA et al., 2000; ALMOSNY e MASSARD, 2002). A bactéria é transmitida ao cão pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus, considerado principal vetor. Outros prováveis vetores de E. canis são o carrapato Dermacentor variabilis (JOHNSON et al., 1998), e de acordo com estudos realizados no Brasil, os autores concluíram que carrapatos da espécie Amblyomma cajennense deveriam ser incluídos como um potencial vetor de E. canis em áreas rurais do Brasil, porém ainda permaneceria a ser investigado (COSTA Jr. et al., 2007) MORFOLOGIA DE Ehrlichia canis As inclusões das espécies do gênero Ehrlichia podem ser caracterizadas de três formas: corpúsculos elementares, corpúsculos iniciais e mórulas (McDADE, 1990; ELIAS, 1991; ALMOSNY e MASSARD, 2002; ARRAGA-ALVARADO et al., 2003). As estruturas amorfas (corpúsculos elementares) apresentam-se arredondadas, de vários tamanhos, podendo ser visualizadas em vacúolos no citoplasma de monócitos. A forma granular (corpúsculos iniciais) é composta de múltiplos grânulos. Tanto os corpúsculos iniciais como os corpúsculos elementares precisam ser diferenciados das granulações azurófilas, que podem ocorrer no citoplasma de células sanguíneas mononucleares de cães sadios. Já as mórulas são descritas como sendo colônias arredondadas, com grânulos que se apresentam como corpúsculos elementares corados em azul escuro pelo método de Giemsa

21 20 (ALMOSNY e MASSARD, 2002). As mórulas podem ser observadas a partir do 13 o dias após a inoculação do agente (ALMOSNY, 1998). Diversos autores postularam com relação aos possíveis diâmetros apresentados pelos corpúsculos e mórulas. Os corpúsculos elementares podem medir de 0,2 μm a 1,5 μm. Já os corpúsculos iniciais podem apresentar-se com um mínimo de 0,4 μm de diâmetro até 5 μm, e as mórulas, por sua vez, podem medir de 2,5 μm a 6,0 μm (McDADE, 1990; ELIAS, 1991; ARRAGA-ALVARADO et al., 2003) TRANSMISSÃO DE Ehrlichia canis A transmissão de E. canis para os hospedeiros vertebrados se dá de forma horizontal, através da saliva do artrópode vetor, notadamente R. sanguineus (McDADE, 1990; HARRUS et al., 1997a) principalmente durante as fases de ninfa e adulto (ALMOSNY e MASSARD, 2002). No vetor a transmissão se dá de forma transestadial (NEER, 1998; BREMER et al., 2005; DANTAS-TORRES, 2007) SAZONALIDADE DO VETOR Em países com climas tropical e subtropical, R. sanguineus é encontrado durante o ano todo parasitando cães (HOSKINS, 1991). Este vetor está distribuído de maneira abundante em todas as regiões do Brasil (EVANS et al., 2000). No Brasil, em estudo realizado em Goiânia (Goiás - GO) foi descrito que R. sanguineus realiza uatro era es por ano no município em questão (LOULY, 2007). Em estudo com cães da zona rural de Minas Gerais (MG), a taxa de infestação dos animais foi similar tanto na estação seca (18,85%) quanto na estação chuvosa (18,18%) (COSTA Jr. et al., 2006). Rodrigues et al. (2001) relataram a presença de R. sanguineus em 104 cães de Juiz de Fora (MG), onde o clima é do tipo tropical, em estudo realizado em duas estações: inverno seco (maio a setembro), com temperaturas mais baixas e verão chuvoso (outubro a abril), com temperaturas mais altas. O ixodídeo em questão ocorreu tanto no inverno quanto no verão e não foi observada diferença significativa (p<0,05) para sua prevalência no inverno (60,8%) e no verão (60,3%) em Juiz de Fora. Porém a intensidade média de parasitismo nos cães foi significativamente maior no período de verão (4,80

22 21 parasitos/hospedeiro) comparado ao período de inverno (2,96 parasitos/hospedeiro). Os meses mais quentes foram os que apresentaram maior intensidade média de R. sanguineus e outros ixodídeos, e este aumento da infestação resulta em aumento da infecção por hemoparasitos transmitidos pelos vetores (MURATA et al., 199 ; MUNDIM et al., 1994; MORALES-SOTO e CRU - UE, 199. Em Belo orizonte (B, o inverno é seco e o ver o, c uvoso, e todos os está ios do ciclo ioló ico (larva, nin a e adulto mac o mea e oram encontrados nos c es durante todos os meses do estudo, entretanto, oi constatada varia o si ni icativa (p 0,05 na ta a de in esta o nos c es dentre as esta es do ano, com maior taxa de infestação de R. sanguineus ocorrendo durante a estação seca (outono e inverno). Também foi observada rande capacidade de adapta o de R. sanguineus. O autores ressaltaram neste estudo ue os atores climáticos e ercem acentuada in lu ncia no ciclo ioló ico de R. sanguineus, porém nos resultados encontrados, as varia es climáticas n o oram atores limitantes ao seu desenvolvimento, uando ouve disponi ilidade de alimento e locais propícios ao desenvolvimento das ases de vida livre desse i odídeo (SIL EIRA et al., 200. Uma melhor compreensão da ecologia do carrapato pode fornecer informações úteis sobre a dinâmica de doenças transmitidas por carrapatos (PAROLA et al., 2005; DANTAS-TORRES, 2007) IDADE, SEXO E RAÇA DOS ANIMAIS ACOMETIDOS A idade dos cães acometidos pela ehrlichiose é variável, havendo relato de casos da enfermidade em cães de dois meses até treze anos de idade (WADDLE e LITTMAN, 1987; ELIAS 1991; NEER e HARRUS, 2006; MANOEL, 2010). Em Israel (HARRUS et al., 1997a) não foi observada predisposição da infecção por E. canis com relação a idade. Em trabalho desenvolvido no Brasil, Manoel (2010) observou que cães com faixa etária mais elevada (acima de oito anos, em média) possuíam infecção por E. canis em percentual maior que animais mais jovens. A maioria dos cães em faixa etária mais elevada incluídos no estudo apresentava manifestações clínicas sugestivas da fase crônica. Nyindo et al. (1980) e Harrus et al. (1997a) relataram que Beagles e cães sem

23 22 raça definida seriam mais resistentes à infecção por E. canis. Em 2004, Tilley e Smith relataram maior gravidade da doença crônica em cães das raças Dobermann Pinscher e Pastor Alemão. Neer e Harrus, em estudo em 2006, sugeriram que cães da raça Pastor Alemão pareciam mais suscetíveis à infecção por E. canis, apresentando doença mais severa e de pior prognóstico do que outras raças. Manoel, em 2010, afirmou que não havia aparente predisposição racial em cães infectados pela EMC PATOGENIA E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DA EHRLICHIOSE CANINA A ehrlichiose canina possui um período de incubação que dura de oito a 20 dias (HARRUS et al., 1997a), seguido de três fases: aguda, subclínica e crônica (RIKIHISA, 1991; WOODY e HOSKINS, 1991; RIKIHISA et al., 1992; HARRUS et al., 1997a; NEER, 1998; BREITSCHWERDT, 2000; COHN, 2003). A bactéria replica-se nas células mononucleares circulantes, principalmente no sistema fagocitário mononuclear (COUTO, 1998). As células infectadas são transportadas via corrente sanguínea para outros tecidos do organismo, especialmente pulmões, rins e meninges. Essas células infectadas aderem ao endotélio vascular, induzindo uma vasculite e infecção de tecido subendotelial (BREITSCHWERDT, 2000) FASE AGUDA Ocorre de duas a quatro semanas após período de incubação, podendo apresentar diversos sinais clínicos, como: febre, anorexia, perda de peso, mucosas hipocoradas (MH), vômitos, linfadenopatia, epistaxe, anemia, edema de membros e de saco escrotal, equimoses no abdômen, petéquias em mucosas, melena e hifema, e ainda manifestações do sistema nervoso central, oculares e respiratórias (HARRUS et al., 1998; MARTIN, 1999; WOODY e HOSKINS, 1991; ALMOSNY, 1998; BREISCHWERDT, 2000; CASTRO et al., 2004; NEER e HARRUS, 2006). Quadros agudos mais graves parecem ocorrer em regiões onde a infecção dos animais por E. canis é mais recente (ALMOSNY e MASSARD, 2002) ou quando a doença for causada por algumas cepas de E. canis, ou ainda, em casos de coinfecção por hemoparasitos (UNVER et al., 2009).

24 23 No animal imunocompetente, os sinais clínicos desaparecem sem tratamento e o cão entra na fase subclínica. Os cães que não obtiverem sucesso na eliminação do parasito durante a fase subclínica podem se manter nessa fase por anos ou ingressar na fase crônica da doença (McDADE, 1990; WOODY e HOSKINS, 1991; HARRUS et al., 1997a; BREITSCHWERDT, 2000) FASE SUBCLÍNICA Esta fase pode perdurar por vários anos, não havendo sintomatologia clínica evidente (WOODY e HOSKINS, 1991; DAVOUST, 1993) FASE CRÔNICA Na fase crônica, os sinais clínicos demoram em média de um a quatro meses após a inoculação da bactéria para ocorrerem, e podem variar de ausentes até extremamente graves (COUTO, 1998; NEER, 1998; BREITSCHWERDT, 2000). Para alguns cães, uma forma grave e potencialmente fatal de ehrlichiose crônica pode se desenvolver. Sinais clínicos diversos podem ocorrer como anorexia, febre e perda de peso, acompanhados de mialgia, tendências a sangramento, lesões oculares, debilidade, gastroenterites, artrite, polimiosite, sensibilidade abdominal, alterações neurológicas com sinais consistentes com meningoencefalite, ataxia, insuficiência renal, acentuada nefropatia por perda de proteínas. A estimulação antigênica crônica pode levar a uma glomerulonefrite por acúmulo de imunocomplexos. Várias formas hemorrágicas podem ocorrer, como epistaxe, petéquias, equimose, palidez de mucosas devido à anemia, hifema, hemorragia de retina e/ou uveíte anterior com alterações na retina e hematúria. Devido à imunossupressão presente em animais na fase crônica da ehrlichiose, infecções secundárias podem ser reportadas, como pneumonia (ALMOSNY, 1998; COUTO, 1998; BREITSCHWERDT, 2000; HARRUS e WANNER, 2011).

25 TROMBOPOIESE: ALTERAÇÕES QUALITATIVAS E QUANTITATIVAS As plaquetas circulam no sangue durante 10 a 15 dias na maioria das espécies de mamíferos, sendo removidas da circulação dependendo da idade das mesmas (RUSSEL e GRIDEM, 2000). Quando há uma queda na meia-vida das plaquetas, a medula óssea tenta compensar o problema com uma hiperplasia megacariocítica (JAIN, 1993). A trombocitopenia imunomediada primária - idiopática ou autoimune - é causada por autoanticorpos que geralmente são reativos com autoantígenos em plaquetas. Qualquer trombocitopenia imunomediada associada a uma condição préexistente, como por exemplo, neoplasias, doenças infecciosas, é dita secundária (SCOTT, 2000). A trombocitopenia pode ser causada por doenças infecciosas, como a ehrlichiose canina. Algumas causas infecciosas de trombocitopenia em cães foram sumarizadas no quadro 2. Quadro 2. Algumas causas infecciosas de trombocitopenia em cães. Etiologia da doença Doença Agente causador Viral Hepatite infecciosa canina Adenovirus Tipo 1 (CAV-1) Infecção por herpesvirus canino Herpesvirus Infecção por parvovirus canino Parvovirus Cinomose canina Paramyxovirus Rickettsial Ehrlichiose Ehrlichia canis Febre maculosa das montanhas rochosas Rickettsia rickettsii Trombocitopenia cíclica Anaplasma platys Ehrlichiose granulocítica Ehrlichia equi e Ehrlichia ewingii Hemobartonelose Mycoplasma hameocanis Bacteriana Bacteremia Diversos microrganismos Endotoxemia Endotoxinas Leptospirose Leptospira icterohaemorrhagiae, L. canicola Salmonelose Diversos sorotipos Protozoa Babesiose Babesia canis, B. gibsoni Fúngica Histoplasmose Histoplasma capsulatum Candidíase disseminada Candida albicans, C. parapsilosis (Adaptado de BREITSCHWERDT, 1988)

26 TROMBOCITOPENIA E EHRLICHIOSE A trombocitopenia é uma das características fisiopatogênicas mais comuns na ehrlichiose canina. A queda na contagem de plaquetas começa poucos dias após a infecção por E. canis e pode ser causada por diversos mecanismos. Pode ocorrer devido à hipoplasia de medula óssea e também por sequestro esplênico e/ou hepático, além de aumento de consumo, podendo contribuir para ocorrência de distúrbios hemorrágicos (NEER e HARRUS, 2006; WOODY e HOSKINS, 1991). A patogênese da trombocitopenia causada por agentes infecciosos ainda não está completamente elucidada, entretanto, é relevante saber que doenças causadas por hemoparasitos são causas infecciosas comuns de trombocitopenia em áreas endêmicas (SCOTT, 2000; HARRUS e WANER, 2011). Diversos autores citaram a trombocitopenia como um achado consistente em todas as fases da infecção por E. canis (HOSKINS, 1991; WOODY e HOSKINS, 1991; ALMOSNY, 1998; HARRUS et al., 1997b; NEER, 1998; HARRUS et al., 1999; NEER e HARRUS, 2006; SOUSA et al., 2010; MANOEL, 2010; XAVIER, 2011). Macieira (2003) concluiu que a ehrlichiose deve ser considerada na realização do diagnóstico diferencial das causas de trombocitopenia, entretanto, uma plaquetometria dentro dos valores de referência não exclui a ehrlichiose da lista de prováveis diagnósticos de uma determinada suspeita clínica. Postulou ainda que a contagem de plaquetas não deve ser utilizada de forma isolada como uma ferramenta no diagnóstico presuntivo da ehrlichiose. Desta forma, outras causas, diferentes de ehrlichiose, devem ser pesquisadas para a obtenção de um diagnóstico preciso e etiológico das trombocitopenias INFECÇÕES ASSOCIADAS A OUTROS HEMOPARASITOS Diversos hemoparasitos podem ser encontrados simultaneamente no mesmo hospedeiro. É comum a infecção por Ehrlichia concomitantemente a outros hemoparasitos como Babesia sp., Hepatozoon canis e outras espécies do gênero Ehrlichia (BREITSCHWERDT et al., 1998; SUKASAWAT et al., 2001; SHAW et al., 2001). Um fator determinante para tal é que muitos desses parasitos compartilham o mesmo carrapato vetor (SHAW et al., 2001). Desta forma, cães de locais com alta

27 26 exposição a carrapatos podem estar infectados simultaneamente com diversos patógenos transmitidos pelos vetores (KORDICK et al., 1999). É frequente a coinfecção por E. canis e Babesia canis em cães (TRAPP et al., 2006). E há relatos da possibilidade de infeção associada de E. canis com A. phagocytophilum. Casos de coinfecção com bactérias do gênero Ehrlichia e A. platys têm sido descritos, no entanto, as consequências da coinfecção não estão bem estabelecidas nas espécies, em comparação com a infecção com um único organismo. Kordick et al. (1999) mostraram numerosos exemplos de coinfecções com E. canis, E. chaffeensis e/ou E. ewingii, B. canis, Anaplasma platys além de outros parasitos transmitidos, em um canil infestado de carrapatos. No mesmo trabalho, foi reportado que quase metade dos cães testados apresentaram resultado positivo (PCR) para infecções com quatro ou mais espécies ou gêneros de patógenos, inclusive Bartonella sp. A infecção simultânea com múltiplos agentes pode ser responsável por algumas diferenças observadas entre os casos clínicos, com apresentação de quadros clínicos mais graves. Em estudo de um caso clínico em Israel, o paciente apresentou anorexia, apatia, febre e os achados laboratoriais semelhantes aos da infecção por E. canis como anemia, leucopenia e trombocitopenia. O diagnóstico foi definido através da pesquisa em esfregaço sanguíneo, pois foram encontradas mórulas em plaquetas. O animal apresentava sorologia positiva para A. platys e negativa para E. canis, mas não se descartou completamente a possibilidade de coinfecção (WANER, 1993). Little (2010) em trabalho de revisão, postulou que na infecção por A. platys a trombocitopenia é a alteração mais frequente, no entanto, aumenta e diminui, em um ciclo de 10 a 14 dias, durante a fase aguda da doença, porém, em coinfecção com E. canis, a trombocitopenia pode ser mais severa. No Brasil vários estudos mostram presença de coinfecção entre Ehrlichia sp., Anaplasma sp. e/ou outros hemoparasitos (O DWYER et al., 2001; XAVIER et al., 2002; MOREIRA et al., 2003; ACCETTA, 2008; SANTOS et al., 2009; SOUSA et al., 2009; FREIRE et al., 2009; RAMOS et al. 2009; RAMOS et al., 2010; XAVIER, 2011). Numa população canina de Ribeirão Preto (São Paulo - SP), foi observado que de 107 cães trombocitopênicos, 85 positivos para E. canis (PCR), e destes, 28 (26,1%) estavam coinfectados com A. platys e/ou Babesia spp. Já no grupo de 114

28 27 cães não trombocitopênicos, dos 34 positivos para E. canis (PCR), cinco estavam coinfectados com um ou ambos desses hemoparasitos (SANTOS et al., 2009). Na capital de MG, de 194 cães suspeitos de possuir hemoparasitose, 145 apresentaram-se positivos para algum tipo de parasito, e destes, houve 35,9% (52/194) de positividade para Ehrlichia spp. (E. canis e/ou A. platys) com 10% de coinfecção com Mycoplasma haemocanis e Babesia canis (MOREIRA et al., 2003). O dwyer et al. (2001 relataram coin ec o de E. canis com Hepatozoon canis, em um cão no Estado do Rio de Janeiro (RJ). Xavier et al. (2002) relataram caso onde foram visualizados simultaneamente E. canis e Hepatozoon canis em um mesmo monócito, além da visualização de Babesia sp. na mesma amostra, de um canino procedente de Seropédica (RJ). Santos (2008) estudou uma população canina do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) Paulo Darcoso Filho, no município do RJ, e detectou coinfecção em 36 cães (95%), de 38 animais estudados, sendo 22 animais com presença de coinfecção por E. canis e A. platys. Ainda no Estado do RJ, em estudo com 3019 amostras de sangue encaminhadas a um laboratório particular, houve 1% de coinfecção de Ehrlichia spp. com Babesia spp. (ACCETTA, 2008). Xavier (2011) relatou a presença de coinfecção por diversos hemoparasitos em amostras de Maricá. Foi relatada a presença de um animal positivo para E. canis e A. platys. E outros casos de coinfecções foram encontrados, com o achado de parasitas de diferentes grupos taxonômicos durante a pesquisa microscópica como Babesia sp., Hepatozoon sp. e microfilárias. Em Cuiabá, no Estado do Mato Grosso (MT), houve a descrição de dois casos de coinfecção entre E. canis e A. platys (SOUSA et al., 2009). Em Salvador (BA) foram analisados 472 cães e 32 carrapatos para a presença de três espécies de Ehrlichia e só foi detectada E. canis (SOUSA et al., 2010). Em outro estudo, no mesmo município, mas em microrregiões diferentes, foram analisados 100 cães suspeitos de possuir hemoparasitose e houve 24% de coinfecção de E. canis com A. platys (FREIRE et al., 2009). Em Recife (PE), de 100 cães suspeitos, 32% possuíam coinfecção de E. canis com A. platys (RAMOS et al. 2009). Neste mesmo município, de 205 cães estudados para ocorrência de diversos hemoparasitos, em 23,9% dos animais a coinfecção estava presente (RAMOS et al., 2010).

29 DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO POR Ehrlichia canis Vinasco et al. (2007) relataram que a EMC constitui em doença potencialmente fatal e o diagnóstico não pode ser baseado somente em sinais clínicos ou resultados sorológicos isolados, porém Little (2010) descreveu que o diagnóstico da ehrlichiose canina geralmente começa com a avaliação clínica. O diagnóstico laboratorial da infecção causada por E. canis pode ser suspeitado por meio da visualização de mórulas sob microscopia óptica de imersão e pode ser feito através da amplificação de uma porção do genoma do parasito por meio da PCR, ou indiretamente pela detecção de anticorpos (BREITSCHWERDT, 2000). Entretanto, Harrus e Waner (2011) mostraram que a hematologia, a sorologia, a citologia e o isolamento são ferramentas diagnósticas valiosas, porém afirmaram que técnicas moleculares são necessárias para o diagnóstico definitivo CLÍNICO Por não ser uma patologia de sinais clínicos específicos, podemos suspeitar de ehrlichiose quando os achados na anamnese e no exame físico são apatia, mucosas pálidas, anorexia, febre, hemorragias espontâneas, petéquias, e histórico de infestação por carrapatos (BICHARD e SCHERDING, 2003). Assim sendo, o diagnóstico clínico é difícil de ser feito, pois há muitas outras doenças que apresentam os mesmos sinais e sintomas que podem estar acometendo os cães de forma isolada, ou em conjunto com a infecção por E. canis (coinfecção) (NEITZ e THOMAS, 1938). Portanto, a realização de exames laboratoriais para confirmação da suspeita é essencial (RIKIHISA, 1991; NEER, 1998; ALMOSNY, 1998; UNVER, 2009) MICROSCOPIA ÓPTICA A observação morfológica de hemoparasitos nas formas de mórulas ou de corpúsculos elementares isolados vem sendo usada para diagnosticar hemoparasitoses. Os achados em esfregaço sanguíneo de sangue periférico ou de

30 29 aspirados de tecidos constituem em diagnóstico definitivo para as ehrlichioses. Porém, o achado de mórulas é difícil, e costuma ocorrer somente na fase aguda da infecção. Também requer muito tempo e paciência do profissional que estiver avaliando o esfregaço sanguíneo, e por isso apresenta baixa sensibilidade e frequentes falsos negativos (RIKIHISA, 1991; NEER, 1998). Além disso, poucas células circulantes contêm mórulas, que são achadas em pequeno número (WOODY e HOSKINS, 1991; SUKSAWAT et al., 2000). A observação de corpúsculos iniciais, a realização de esfregaço de concentrado leucocitário e o esfregaço sanguíneo a partir da primeira gota de sangue periférico podem aumentar significativamente a sensibilidade da observação microscópica como forma de diagnóstico de infecção por Ehrlichia sp. (NEITZ e THOMAS, 1938; ELIAS, 1991; ALMOSNY, 1998). Constitui em fator de relevância diagnóstica saber a ocorrência geográfica dessas espécies parasitas e seus vetores, para indicar meios diagnósticos concretos para diferenciá-las (HARRUS e WANER, 2011). No Estado do RJ, na microrregião norte do estado, no município de Campos dos Goytacazes, Almeida et al. (2002) visualizaram esfregaços coletados de cães domiciliados, onde observaram 32,39% de esfregaços sugestivos para Ehrlichia spp. e em outro estudo realizado pelos mesmos autores, também no ano de 2002, amostras de cães apreendidos pelo CCZ do mesmo município, houve a porcentagem de 39,73% de mórulas sugestivas para Ehrlichia spp. Em estudo posterior, com novas amostras, Almeida et al. (2006) encontraram 7,78% de inclusões sugestivas de Ehrlichia spp. em cães domiciliados e em outro estudo, no mesmo ano, visualizaram 9,72% de mórulas em esfregaços sanguíneos de cães de rua. Miranda et al. (2006), coletaram amostras de sangue de cães atendidos em clínicas e hospitais veterinários do município de Campos dos Goytacazes e encontraram 14,82% de positividade para inclusões de Ehrlichia spp. nos esfregaços sanguíneos avaliados. Ainda no município supracitado, Albernaz et al. (2007) detectaram 13,89% de inclusões sugestivas para Ehrlichia spp. em pesquisa de hemoparasitos em sangue de cães naturalmente infectados. Na Região dos Lagos foi observada positividade em 1,8% para Ehrlichia sp. e 1% para A. platys (ACCETTA, 2008). Na região metropolitana do RJ, em estudo com amostras obtidas de cães sem sintomatologia de doença, da área urbana de Niterói, 4,28% apresentaram

31 30 positividade para E. canis (MOREIRA e CASTRO, 2004). Em Maricá, amostras colhidas de cães que compareceram à campanha de vacinação, 23% das amostras foram positivas para E. canis e 2,6% para A. platys (XAVIER, 2011), e houve 1,7% de positividade quanto à presença de inclusões sugestivas de E. canis/ A. platys em sangue de cães atendidos em clínicas particulares nos municípios de Duque de Caxias, Maricá e Cachoeiras de Macacu (FERREIRA, 2012). Na re i o do médio Paraí a, O dwyer et al. (2001 encontraram preval ncia de 4,8% de infecção por E. canis. No Estado do Espírito Santo, Moreira et al. (2004) encontraram 14,89% de positividade de mórulas sugestivas de Ehrlichia spp. em esfregaços de sangue de cães do município de Barra de São Francisco. No Estado de MG, em Juiz de Fora, Soares et al. (2006) pesquisaram mórulas em esfregaços de sangue de cães domiciliados e encontraram 16% de positividade para E. canis. Em estudo em áreas rurais, Rodrigues et al. (2004) encontraram prevalência de 17,82% para E. canis nos esfregaços sanguíneos pesquisados. Rodrigues-Daemon et al. (2006) visualizaram esfregaços sanguíneos de cães suspeitos de possuir ehrlichiose, e encontraram 77,97% das amostras com presença de mórulas de E. canis. Em BH, capital do Estado de MG, Moreira et al. (2003) relatou que de 194 cães suspeitos de possuir hemoparasitose, 145 apresentaram-se positivos para algum tipo de parasito, e destes, houve 35,9% de positividade para Ehrlichia spp. Na área urbana de Uberlândia, localizada no mesmo estado supracitado, Santos et al. (2004) encontraram 14,16% de esfregaços sanguíneos de cães com inclusões sugestivas de Ehrlichia spp. No Estado de SP, na região de São Carlos, foram estudados esfregaços de sangue de cães suspeitos de possuir hemoparasitos, dos quais 29% apresentaram esfregaços sanguíneos com mórulas de E. canis (PEREIRA et al., 2006). No hospital veterinário de Botucatu (SP) foi realizado estudo com 70 cães suspeitos de ehrlichiose canina, e destes, cinco (7,14%) apresentaram inclusões características de Ehrlichia sp. (UENO et al., 2009). Na região nordeste, no município de Recife, Estado de Pernambuco (PE), Lima et al. (2006) detectaram 5,51% de positividade para mórulas de E. canis em cães atendidos no hospital veterinário da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Na Bahia, 7% das amostras colhidas de cães das áreas urbanas de Ilhéus e Itabuna, apresentaram inclusões de E. canis (CARLOS et al., 2006). Na

32 31 capital da Bahia (Salvador) e região metropolitana, foram analisados 75 cães suspeitos de ehrlichiose. Apenas quatro (5,33%) amostras apresentaram mórulas observadas em esfregaços (MENESES et al., 2008). Na região centro-oeste do Brasil, no hospital veterinário da Universidade Federal do Mato Grosso, Sousa et al. (2010) avaliaram 70 amostras de cães suspeitos de ehrlichiose e destas, 12 (17%) apresentaram mórulas sugestivas de Ehrlichia sp. Na região sul, no município de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, Olicheski (2003) coletou sangue de cães com sinais clínicos de doença e observou na pesquisa em lâmina, 18% de cães com mórulas sugestivas de Ehrlichia spp. No Distrito Federal, Paludo et al. (2002) pesquisaram por inclusões sugestivas de Ehrlichia spp. em cães do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Distrito Federal, onde apenas um animal (1,75%) apresentou-se positivo para mórula SOROLOGIA - IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) O teste de IFI pode ser indicado para pesquisa de soroprevalência da ehrlichiose em determinada região de estudo, para a identificação de áreas endêmicas, com o teste realizado em um grande número de cães sadios em uma ampla região geográfica (NEER et al., 2002) e pode ser realizado a partir da análise de uma única amostra de soro, quando o objetivo é apenas avaliar a exposição à bactéria (Rikihisa, 1991). A técnica de IFI além de constituir em ferramenta valiosa para o diagnóstico e triagem de ehrlichioses, é considerada técnica de padrão-ouro sorológico, indicando exposição a E. canis (HARRUS e WANER, 2011). Anticorpos da classe Imunoglobulina M (IgM) não são consideradas indicadoras fidedignas de exposição a E. canis devido a inconsistência do desenvolvimento de anticorpos dessa classe durante o curso da doença. No entanto, títulos de anticorpos da classe Imunoglobulina (IgG) maiores ou iguais a 1:40 são considerados positivos, revelando exposição a E. canis (RISTIC et al., 1972; HARRUS e WANER, 2011).

33 32 Em cães com infecção mais recente, pode não ter havido tempo hábil para soroconversão, portanto, esses animais podem apresentar resultado negativo na IFI (WANER et al., 2001; NEER et al., 2002). Neste caso, o diagnóstico deve ser baseado na associação das alterações hematológicas com os resultados da PCR (WEN et al., 1997). Sendo assim, na infecção aguda, são recomendados dois testes consecutivos de IFI para diagnóstico, e o aumento no título de anticorpos em torno de duas a quatro vezes, indica infecção ativa. Os anticorpos da classe IgG persistem por vários meses a anos após tratamento e eliminação da bactéria (HARRUS e WANER, 2011). Testes sorológicos pareados podem indicar soroconversão dos cães ou ascensão dos títulos (HARRUS et al., 2002; NEER et al., 2002). A soroconversão ou a ascensão dos títulos de anticorpos anti-e. canis é considerada indicativa de infecção presente (PERRILLE e MATUS, 1991), assim como a queda do título de anticorpos em animais tratados é indicativa de eliminação da infecção (PERRILLE e MATUS, 1991; WANER et al., 2001). Sabe-se ainda que o tempo para o declínio dos níveis de anticorpos é diretamente proporcional ao título de anticorpos inicial. O teste padrão-ouro para se determinar a eliminação da infecção por E. canis nos cães ainda não foi estabelecido (NEER et al., 2002), porém a presença de sinais clínicos e alterações hematológicas associados a resultados positivos de IFI constitui no padrão diagnóstico mais fidedigno de E. canis e PCR (WANER et al., 2001; NEER et al., 2002). A persistência de títulos de anticorpos positivos para E. canis pode indicar infecção não debelada, reinfecção, ou mesmo indicar uma infecção passada (WANER et al., 2001). Na fase crônica, terminal da doença, os cães podem apresentar diminuição acentuada no título de anticorpos para E. canis, talvez por causa da resposta imunológica reduzida, aparentemente causada pela pancitopenia típica da fase final da doença (RISTIC et al., 1972). French e Harvey (1983) e Waner et al. (2001) postularam que a IFI é altamente específica, não havendo reação cruzada entre E. canis e A. platys Estudos foram realizados por diversos autores. Neer et al. (2002) postularam que um título menor que 1:80 (< 1:80) deve ser considerado suspeito, e o exame deve ser repetido dentro de duas a três semanas, assim como os exames negativos e cujos sinais e sintomas sejam condizentes com a ehrlichiose, pois o teste

34 33 sorológico pode apresentar títulos muito baixos, ou até mesmo negativos, ou no início da fase aguda da infecção. Bélanger et al. (2002) consideraram positivos animais que possuíam sinais condizentes com ehrlichiose e título de anticorpos contra E. canis maiores ou i uais a 1:40 ( 1:40. Waner et al. (2001 relataram que um título maior ou i ual a 1:64 ( 1:64 deve ser interpretado como suspeita de exposição prévia ao agente etiológico, e que a presença de sinais clínicos sugestivos de ehrlichiose acrescidos de um título situado entre 1:64 e 1:128 indicam uma provável infecção, e que o diagnóstico definitivo de ehrlichiose pode ser realizado através de sinais clínicos e hematológicos que sustentem a suspeita acrescidos de um título de I G maior ou i ual a 1:256 ( 1:256. No norte do Brasil, em Monte Negro, no Estado de Rondônia (na Amazônia Ocidental Brasileira), Aguiar et al. (2007) avaliaram a prevalência de E. canis em 314 cães. Destes, 153 pertenciam à área urbana e 161 à área rural. Das amostras obtidas da área urbana 37,9% (58/153) apresentaram anticorpos anti-e. canis e dos cães coletados na área rural 24,8% (40/161) apresentaram positividade no teste. No nordeste, em estudo realizado em 472 cães da cidade de Salvador (BA) observou-se 168 animais positivos, com uma prevalência de anticorpos anti-e. canis em 35,6% deles (SOUZA et al., 2010). Na Paraíba a soroprevalência encontrada por Azevedo et al. (2011) foi de 72,5%, de 109 amostras testadas para anticorpos anti-e. canis. Na região sudeste, em trabalho desenvolvido por Moreira (2011) na região do médio Paraíba, Estado do RJ, o percentual de cães positivos no teste de IFI para E. canis foi de 23,8% (45/189). Na região centro-oeste do Brasil, no Estado de MT, em Cuiabá foi observada a prevalência de anticorpos anti-e. canis em 42,5% (108/254) dos cães estudados. Os títulos de anticorpos variaram entre 1:40 a 1:2.560 (SILVA et al., 2010). Melo et al. (2011) em estudo no Estado do MT, na região do Pantanal, estudaram 227 cães e verificaram uma soroprevalência de 70,9% de anticorpos anti- Ehrlichia spp. nos animais da região. Os títulos variaram de 40 a em cães residentes na área urbana e de 40 a em cães da área rural. No sul do Brasil, apenas 4,8% (19/389) dos cães testados apesentaram anticorpos anti-e. canis (SAITO et al., 2008). Altos títulos de anticorpos foram relatados por Manoel (2010) em SP. O estudo foi realizado em cães sabidamente infectados por E. canis e a média do título de

35 34 todos os animais infectados foi de O referido autor afirmou que a grande maioria dos cães infectados por E. canis estudados em seu trabalho, apresentavam títulos altos de anticorpos, e sugeriu a possibilidade de inferir que os títulos maiores ou iguais a são altamente sugestivos de infecção atual ou persistente, se o animal não tiver sido previamente tratado.

36 35 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. ÁREA DE ESTUDO O município de Bom Jesus do Itabapoana localiza-se a uma latitude -21º 0 02 e lon itude -41º 40 47, com uma área de apro imadamente 600 km² (APOLO 11). Situado na mesorregião noroeste do Estado do RJ, conforme ilustrado na Figura 1 possui clima tropical com temperatura média de 27,6ºC e está a uma altitude de 88 metros. Em 2010 a população humana foi estimada em habitantes (IBGE) e a população estimada de cães foi de 4.426, no Município estudado. O cálculo da população canina foi realizado com informações da Assessoria de Zoonoses da Secretaria de Estado de Saúde do RJ, baseado em orientações da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde SVS/MS. O município de Bom Jesus do Itabapoana possui seis distritos: 1 o distrito Bom Jesus do Itabapoana sede da cidade, 2 o distrito: Calheiros, 3 o distrito: Rosal, 4 o distrito: Carabuçu, 5 o distrito: Pirapetinga, 6 o distrito: Serrinha (Prefeitura Municipal de Bom Jesus do Itabapoana). Amostras foram colhidas nos distritos de Bom Jesus do Itabapoana, Calheiros e Pirapetinga.

37 36 Figura 1. Regiões fisiográficas do Estado do Rio de Janeiro. O município de Bom Jesus do Itabapoana, onde foram colhidas amostras, está localizado na região noroeste, marcada com a cor bege (Fonte: ptb.org.br) ANIMAIS Foram colhidas amostras de sangue de 84 cães do município de Bom Jesus do Itabapoana, localizado na região noroeste do Estado do RJ. Estes cães foram provenientes de pet shop, clínicas e de residências localizadas no Município acima citado, durante o período de setembro a dezembro de As amostras de sangue foram colhidas em setembro (Grupo A) e em dezembro (Grupo B) sem nenhum tipo de requisito pré-estabelecido, como raça, idade, sexo ou apresentação de sinais clínicos específicos. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética no Uso de Animais, sob o número 62/2011 (anexo 1). Os cães foram incluídos no estudo após assinatura pelos proprietários, do Termo de Consentimento para a colheita de sangue (anexo 2). Cada cão teve preenchida uma ficha clínica, com dados diversos, como: história pregressa, observação da presença ou ausência de ectoparasitas, sinais

38 37 clínicos e outros dados (anexo 3) COLHEITA DAS AMOSTRAS E GRUPOS DE ESTUDO Após a devida contenção do animal, foi realizada a antissepsia do local de colheita de sangue. As colheitas foram provenientes da veia cefálica ou da safena dependendo do tamanho e o temperamento do animal, utilizando-se seringas de 5 ml acopladas a agulhas 25 x 7 mm (BD, São Paulo, Brasil) estéreis. Parte do sangue total foi acondicionada em tubos contendo o anticoagulante ácido etileno diamino tetracético (EDTA) a 10% para a realização do hemograma completo, e parte colocada em tubos sem EDTA para obtenção de soro, para realizar a sorologia. As amostras foram processadas nas dependências do Laboratório de Patologia Clínica Veterinária, da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense (UFF). No momento da colheita eram confeccionados esfregaços de sangue total e de sangue periférico. Até o processamento, as amostras dos tubos com e sem EDTA foram mantidas sob refrigeração (4ºC). As amostras de sangue colhidas foram separadas por grupos de estudo, sendo considerados dois grupos: A e B. As amostras do grupo A foram colhidas na primavera, de c es ue tin am acesso ao pet s op e ou ao Médico eterinário e as do grupo B no verão, de cães que praticamente só compareciam à Clínica Veterinária para vacinação, e ainda havia casos de cães que nunca haviam ido ao Médico Veterinário, somente possuindo a prevenção por vacinação contra raiva, oferecida pela Prefeitura do Município/ Governo Federal CONFECÇÃO DE ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS Foram confeccionados, esfregaços de sangue periférico corados com Panótico Rápido (Laborclin, Pinhais, Brasil), para pesquisa de hemoparasitos e esfregaços de sangue total, corados por métodos de Romanowsky (JAIN, 1993), para contagem diferencial de células.

39 SOROLOGIA IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA (IFI) As amostras de soro dos cães do município de Bom Jesus do Itabapoana foram testadas pelo método de IFI, buscando a presença de anticorpos IgG anti-e. canis pelo kit de E. canis IFA (Imunodot, Jaboticabal, Brasil), usando como controle positivo uma amostra sabidamente positiva e como controle negativo soro da PANBIO universal. O teste de IFI foi realizado em 83 amostras (n=84), pois em um animal a quantidade de soro obtida não foi suficiente para realizar a análise. A detecção de anticorpos da classe IgG anti-e. canis foi realizada pelo teste de IFI a partir da análise de uma única diluição, uma vez que o objetivo do trabalho foi demonstrar a soropositividade dos cães a E. canis. O ponto de corte para considerar a amostra reagente foi de 1:64 (Rikihisa, 1991). A análise sorológica das amostras de soro dos cães foi realizada no Laboratório de Pesquisa Clínica e Molecular Marcílio Dias do Nascimento da Faculdade de Veterinária / UFF, seguindo protocolos previamente estabelecidos e validados. Após diluição de 1:64, foram depositados 10µL em cada poço da lâmina contendo os antígenos. As lâminas foram incubadas por 30 minutos em estufa a 37 C, em câmara úmida. Posteriormente, foram lavadas cinco vezes em PBS diluído (ph 7,4 +- 0,2) e deixadas por cinco minutos imersas na solução (em cuba de vidro). As lâminas foram secas, e em seguida adicionou-se 10 µl de conjugado (anti-igg de gato e anti-igg de cão, marcados pelo isoticianato de fluoresceína) em cada poço das lâminas. As lâminas foram novamente incubadas por 30 minutos em estufa a 37 C, em câmara úmida e lavadas cinco vezes em PBS diluído (ph 7,4 +- 0,2) e deixadas imersas por cinco minutos em cuba de vidro. Foram secas em temperatura ambiente e posteriormente montadas com glicerina tamponada, entre lâmina e lamínula, e lidas em microscópio equipado com luz fluorescente (Olympus BX 60 ) usando objetiva de 40X ANÁLISE ESTATÍSTICA Para a análise estatística foram utilizados métodos descritivos e testes para associação. A associação entre variáveis qualitativas foi realizada através dos testes qui-quadrado e exato de Fisher. A significância da associação entre uma variável

40 39 quantitativa e uma variável qualitativa foi feita pelo teste t de Student (software pacote R; r-project.org).

41 40 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. ANÁLISE DOS ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS Dentre as 84 amostras de sangue de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana, analisadas por microscopia óptica em aumento de 1000 vezes, 29 esfregaços de sangue apresentaram inclusões em plaquetas sugestivas de mórulas da família Anaplasmataceae, conforme demonstrado na tabela 1. Em nenhum dos animais observou-se mórulas em leucócitos. A ausência de inclusões em leucócitos, entretanto, não elimina a hipótese de infecção por E. canis, uma vez que este é um teste pouco sensível (ALMOSNY, 1998), notadamente na fase crônica da ehrlichiose. Tabela 1. Resultado da pesquisa de mórulas da família Anaplasmataceae em esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. Mórulas Número de amostras Percentual Positivo 29 35% Negativo 55 65% Total % A presença de mórulas de E. canis em plaquetas foi sugerida por Almosny (1998), em estudo com infecção experimental. Também por Mylonakis et al. (2003) e Dagnone et al. (2009). No presente estudo, todas as amostras apresentaram inclusões em plaquetas, e não foram observadas inclusões em leucócitos. A análise morfológica, portanto, não é um teste sensível para o diagnóstico de E. canis e animais positivos podem, frequentemente, não apresentar mórulas (ALMOSNY, 1998; BREITSCHWERDT, 2000; ALMOSNY e MASSARD, 2002; FERREIRA et al., 2007).

42 41 A presença de inclusões em plaquetas também pode sugerir infecção por A. platys, nas quais diferentes estádios de desenvolvimento do parasito podem ser observadas, notadamente na fase aguda da infecção (INOKUMA et al., 2002). Há relatos de cães com mórulas em plaquetas que apresentaram-se positivos para A. platys, e negativos para E. canis em sorologia, mas o autor não descartou completamente a possibilidade de infecção conjunta (WANER, 1993). O diagnóstico de A. platys em esfregaço sanguíneo pode ser difícil, pois a parasitemia possui caráter cíclico (INOKUMA et al., 2002) e o diagnóstico definitivo pode ser realizado por meio da PCR, que possui alta sensibilidade e especificidade comparada a pesquisa morfológica intraplaquetária em esfregaço sanguíneo (BREITSCHWERDT, 2000; FERREIRA et al., 2007) ou por meio da IFI, que constitui em método diagnóstico importante, e possui alta especificidade, não havendo reação cruzada entre A. platys e E. canis (FRENCH e HARVEY, 1983; WANER et al., 2001; HARRUS e WANER, 2011). Apesar do achado de mórulas ser difícil e de frequentemente ocorrer somente na fase aguda da infecção, também requer muito tempo e paciência do profissional que estiver avaliando o esfregaço sanguíneo, e por isso apresenta baixa sensibilidade e frequentes falsos negativos (RIKIHISA, 1991; NEER, 1998). Além disso, poucas células circulantes contêm mórulas, que são achadas em pequeno número (WOODY e HOSKINS, 1991; SUKSAWAT et al., 2000). Harrus et al. (1997a), afirmaram que testes de IFI e outros (como PCR, cultivo e Immunoblot) precisam de pelo menos 14 a 21 dias para apresentar-se positivos. Desta forma, o diagnóstico da infecção pela observação de mórulas e corpúsculos iniciais é de grande valia. A observação de mórulas em esfregaços de sangue periférico foi efetuada de acordo com Neitz e Thomas (1938), que indicavam a utilização apenas da primeira gota de sangue para a confecção do esfregaço, pois esta corresponde verdadeiramente ao sangue periférico. As gotas seguintes constituem sangue circulante. Em estudo experimental, Almosny (1998) observou que o número de mórulas foi acentuadamente maior nos esfregaços efetuados com a primeira gota de sangue. Neitz e Thomas (1938), postularam que as mórulas podem ser observadas a partir do 3 ao 10 dias após o início da fase febril. Já Almosny (1998) observou mórulas de E. canis em plaquetas a partir do 12 dia após a inoculação, e em

43 42 mononucleares, a partir do 13 dia. A positividade para inclusões sugestivas de mórulas da família Anaplasmataceae é mostrada na tabela 1 e figura 2. O método de coloração também pode influenciar nos resultados, pois a coloração instantânea, utilizada neste trabalho para corar lâminas com esfregaço de sangue capilar, é de eleição para corar esfregaços sanguíneos de animais suspeitos da infecção por E. canis, segundo Olicheski (2003). Nos esfregaços de sangue total foram empregadas as colorações de Giemsa, de MGG modificada por Rosenfeld (1947) (Merck, Darmstadf, Alemanha) e Panótico Rápido (Laborclin, Pinhais, Brasil), e segundo Olicheski (2003) o uso de duas técnicas de coloração em uma mesma amostra, aumenta a confiabilidade dos resultados. Quando avaliou-se separadamente os resultados das amostras obtidas na primavera (Grupo A) e as colhidas no verão (Grupo B), observou-se que o número de animais positivos foi significativamente maior no verão. O teste qui-quadrado foi utilizado para medir a associação entre o resultado de presença de inclusões sugestivas de mórulas da família Anaplasmataceae nos Grupos A e B. O p-valor obtido foi de 0, , indicando a diferença estatística significativa entre Grupo A e Grupo B no que concerne ao resultado da presença de inclusões sugestivas de mórulas da família Anaplasmataceae nos Grupos testados. Sendo assim, os resultados obtidos na colheita efetuada no verão foram significativamente maiores que os da realizada na primavera, como demonstrado na figura 2. Figura 2. Comparação entre positividade para mórulas no Grupo A e Grupo B em cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ.

44 43 Considerando que a presença de inclusões é uma característica mais frequente da fase aguda, e que esta ocorrência maior foi, primeiramente, relacionada a maior ocorrência de carrapatos vetores nesta fase do ano, no município de Bom Jesus do Itabapoana, o clima é tropical e de acordo com Hoskins (1991), este tipo de clima favorece o parasitismo dos cães durante o ano todo. No Brasil, em estudo realizado em Goiânia (GO) foi descrito ue todos os está ios do ciclo ioló ico do ectoparasito R. sanguineus tiveram ta a de in esta es similares ao lon o de todas as esta es do ano (LOUL, Em c es da zona rural de MG, a taxa de infestação dos animais foi similar tanto na estação seca quanto na estação chuvosa (COSTA Jr. et al., 2006). Tam ém em B, todos os está ios do ciclo ioló ico de carrapato oram encontrados nos c es durante todos os meses do estudo (SILVEIRA et al., 2008). Rodrigues et al. (2001) realizaram um estudo no decorrer de um ano, no qual coletaram amostras de ixodídeos de 104 cães de Juiz de Fora (MG) e relataram que R. sanguineus ocorreu tanto no inverno (60,8%) quanto no verão (60,3%) e não foi observada diferença significativa (p<0,05) para sua prevalência nas duas estações. Porém a intensidade média de parasitismo nos cães foi significativamente maior no período de verão (4,80 parasitos/hospedeiro) comparado ao período de inverno (2,96 parasitos/hospedeiro). Os meses mais quentes foram os que apresentaram maior intensidade média de R. sanguineus e outros ixodídeos, e este aumento da infestação resulta em aumento da infecção por hemoparasitos transmitidos pelos vetores (MURATA et al., 1993; MUNDIM et al., 1994; MORALES-SOTO e CRUZ-VÁZQUEZ, 1998). Tais relatos dão suporte aos resultados encontrados no presente estudo em Bom Jesus do Itabapoana, tendo em vista que na colheita realizada no verão, época com maior infestação de cães por hemoparasitos (informações prestadas pelos Médicos Veterinários da região estudada), foi muito maior a presença de mórulas em esfregaços de ponta de orelha dos cães amostrados. Já Silveira et al. (2008), observaram maior taxa de infestação de R. sanguineus durante a estação seca (outono e inverno). Outros fatores, entretanto, podem ter influenciado nossos resultados, pois a colheita de amostras do Grupo A foi realizada em cães que recebiam um manejo di erenciado, passando por an o e ou tosa em pet s op, com certa re u ncia e gozando de assistência de Médicos Veterinários, os quais orientavam os proprietários. Sendo assim, os animais mantinham-se saudáveis, por um período maior de tempo, e em caso de infecção por Anaplasmataceae, a doença não se

45 44 desenvolvia na sua forma aguda com intensidade / frequência. As amostras dos cães do grupo B foram obtidas em colheitas realizadas nas residências dos proprietários, de cães não vinculados a algum tipo de assistência específica sejam cuidados de pet s op ou de Médicos eterinários e os proprietários eram de poder aquisitivo menor do que os proprietários de cães do grupo A. Os cães do Grupo A também moravam bem próximos ao Centro, ou mesmo no distrito sede (Bom Jesus do Itabapoana) e viviam dentro de casa ou nos quintais das casas e com acesso restrito à rua, dificultando a exposição a ectoparasitos, como carrapatos. Os cães do Grupo B, em sua maioria não residiam tão próximos ao Centro da cidade, como os do Grupo A. Esta observação é concordante com dados de Xavier (2011), o qual relatou que animais domiciliados em zona rural ou perirural são mais frequentemente parasitados por carrapatos OUTROS HEMOPARASITOS DIAGNOSTICADOS NOS ESFREGAÇOS SANGUÍNEOS Durante a avaliação dos esfregaços de sangue circulante e periférico, outros parasitos foram observados além das inclusões sugestivas de mórulas da família Anaplasmataceae (figura 3), em infecções isoladas e em coinfecções (figura 4). Foram observados 35% (29/84) de amostras positivas para inclusões sugestivas de hemoparasitos da família Anaplasmataceae, 13% (11/84) de Babesia sp, 4% (3/84) de Dirofilaria sp. e de Mycoplasma sp. e 2% (2/84) de Hepatozoon sp., num total de 43% (36/84) de amostras positivas para algum tipo de hemoparasito em avaliação morfológica de esfregaços sanguíneos de amostras de sangue colhidas de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ.

46 45 2% 4% 4% 13% 35% Figura 3. Presença hemoparasitos em avaliação morfológica de esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana RJ. 6% 1% 3% 1% 32% Figura 4. Resultado da avaliação morfológica de esfregaços sanguíneos de cães do município de Bom Jesus do Itabapoana (RJ) quanto a presença de coinfecção em uma mesma amostra e de amostras positivas. Legenda: em inclusão lê-se inclusão sugestiva de mórula da família Anaplasmataceae. No presente estudo foi possível observar a presença de mais de um hemoparasito em um mesmo animal, confirmando o descrito na literatura, de que são comuns coinfecções em doenças transmitidas por artrópodes (ACCETTA, 2008; SANTOS, 2008; SANTOS et al., 2009). Nossos resultados também confirmaram os resultados obtidos por Breitschwerdt et al. (1998), Sukasawat et al. (2000), Sukasawat et al. (2001, S aw et al. (2001, O dwyer et al. (2001), Moreira et al.

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 FREQUÊNCIA DE HEMOPARASITOSES EM CÃES NA REGIÃO SUL FLUMINENSE RJ PEDRO HENRIQUE EVANGELISTA GUEDES 1, ANA PAULA MARTINEZ DE ABREU 2, THIAGO LUIZ PEREIRA MARQUES 2, PATRÍCIA DA COSTA 1 1 Alunos de curso

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico

Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico Herika

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015

TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015 TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO

ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO Sérgio Pinter GARCIA FILHO Mestrando do programa de Cirurgia Veterinária, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Estadual Paulista UNESP, Jaboticabal,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRURGICA EM PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA Vinnicyus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL)

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL) PEDRO BITTENCOURT VELHO OCORRÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS Melissa Silva-Santos 1 ; Paulo Tojal Dantas Matos 1 ; Victor Fernando Santana Lima¹; Patrícia Oliveira Meira-Santos²; Leandro Branco Rocha². 1. Estudante de Medicina

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI TÍTULO: PERFIL HEMATOLÓGICO E PARASITOLÓGICO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS COM SUSPEITA DE INFECÇÃO POR PARASITOS ( HEMOPARASITOS E ENDOPARASITOS) COM POTENCIAL ZOONÓTICO ATENDIDOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA FACULDADE

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Souza Mundim, Érika Cristina de; Silva Francisco, Manoel Marcelo da; Souza,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS LEONEL, Rafael Alves Barbosa MATSUNO, Roldy Marcel Jorge SANTOS, Willian dos VERONEZI, Alfredo Henrique Martins COSTA, Diogo Rodrigo de Discentes do Curso de Medicina

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

HEPATOZOONOSE CANINA

HEPATOZOONOSE CANINA HEPATOZOONOSE CANINA Sílvia Letícia Monteiro JUNQUEIRA 1, Tales Dias do PRADO 2, Helton Freires OLIVEIRA³, Thays Nascimento COSTA 4, Luiz Antonio Franco da SILVA 5. 1. Médica Veterinária Residente de Patologia

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Animais recolhidos pelo centro de controle de zoonoses (CCZ): um estudo de casos no município de Mossoró-RN Ana Maria Fernandes de Sousa 1 ; Alexandro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL)

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) RENATA DE SOUZA ROSA LIMA OCORRÊNCIA DE ANTÍGENOS DE Dirofilaria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA Avaliação do sangue total e suas frações no diagnóstico de erliquiose

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais

Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Cinomose Canina e Vacinação: Vantagens do uso das vacinas recombinantes em comparação às convencionais Ronald D. Schultz, MS, PHD, DACVM Embora já esteja comprovada e bem estabelecida a segurança das vacinas

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OCORRÊNCIA DE Ehrlichia canis EM CÃES SINTOMÁTICOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E ANÁLISE DE VARIABILIDADE EM REGIÕES GENÔMICAS DE REPETIÇÃO MARIANA

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA EHRLICHIA SP. E AVALIAÇÃO DO SEU POTENCIAL ZOONÓTICO NO MUNICÍPIO DE SALVADOR, BAHIA. BÁRBARA MARIA PARANÁ DA SILVA SOUZA

EPIDEMIOLOGIA DA EHRLICHIA SP. E AVALIAÇÃO DO SEU POTENCIAL ZOONÓTICO NO MUNICÍPIO DE SALVADOR, BAHIA. BÁRBARA MARIA PARANÁ DA SILVA SOUZA Universidade Federal da Bahia Escola de Medicina Veterinária Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos EPIDEMIOLOGIA DA EHRLICHIA SP. E AVALIAÇÃO DO SEU POTENCIAL ZOONÓTICO NO MUNICÍPIO DE SALVADOR, BAHIA.

Leia mais

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA FREQUÊNCIA DE ARRITMIAS E ANÁLISE DE VARIABILIDADE DE FREQUÊNCIA CARDÍACA EM CÃES COM EHRLIQUIOSE MONOCÍTICA CRÔNICA FREQUENCY

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN:1679-7353 Ano XIII-Número 24 Janeiro de 2015 Periódico Semestral

REVISTA CIENTÍFICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN:1679-7353 Ano XIII-Número 24 Janeiro de 2015 Periódico Semestral ERLIQUIOSE CANINA REVISÃO DE LITERATURA EHRLICHIOSIS CANINE - LITERATURE REVIEW SILVA, I. P. M. Medica Veterinária - Universidade Severino Sombra, Vassouras - RJ RESUMO A Erliquiose é uma das principais

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL

INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL INSTITUTO ADOLFO LUTZ CENTRO DE VIROLOGIA NÚCLEO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO VETORIAL LABORATÓRIO DE RIQUÉTSIAS Fabiana Cristina Pereira dos Santos Pesquisador Científico D) Qual é a previsão para otimizar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE VETERINÁRIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE VETERINÁRIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE VETERINÁRIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DISSERTAÇÃO Ehrlichia canis E Anaplasma platys EM CÃES (Canis familiaris, Linnaeus,

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa brasileira é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE EHRLICHIA Kit para a detecção de anticorpos IgG de Ehrlichia canis N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruction Cat. No: 63CEH511

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA. Renata Guimarães Canello

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA. Renata Guimarães Canello UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA Renata Guimarães Canello São Paulo, Set. 2009. RENATA GUIMARÃES CANELLO Aluna do Curso

Leia mais

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA

ALTERAÇÕES NO HEMOGRAMA DE CÃES CAUSADAS PELA REFRIGERAÇÃO DA AMOSTRA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso Zuliete Aliona Araujo de Souza Fonseca 1 ; Êlika Suzianny Sousa 2 ; Edinaidy Suianny Rocha de Moura

Leia mais

OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ RESUMO ABSTRACT

OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ RESUMO ABSTRACT OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ (Occurrence of canine Ehrlichiosis in Mossoró) Allany Maria Melo de MEDEIROS & Ana Kelen Felipe LIMA 1 * 1 FAVET/Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias/UECE

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA VIGILÂNCIA DE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA VIGILÂNCIA DE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES E ENTOMOLOGIA

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL Belo Jardim 2008 FEBRE DO NILO OCIDENTAL 1. DESCRIÇÃO Infecção viral que pode transcorrer de

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

PREVALÊNCIA DE Ehrlichia canis PELA TÉCNICA DE NESTED- PCR E CORRELAÇÃO COM A PRESENÇA DE MÓRULA E TROMBOCITOPENIA EM CÃES DE ALEGRE-ES

PREVALÊNCIA DE Ehrlichia canis PELA TÉCNICA DE NESTED- PCR E CORRELAÇÃO COM A PRESENÇA DE MÓRULA E TROMBOCITOPENIA EM CÃES DE ALEGRE-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇAO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MARA RÚBIA ROCHA PEREIRA SALES PREVALÊNCIA DE Ehrlichia canis PELA TÉCNICA DE NESTED-

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância da Febre do Chikungunya na Bahia. I. A Febre do Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS O Agente etiológico da Febre Maculosa Brasileira (FMB) é a Rickettsia rickettsii, uma bactéria gram-negativa que pode ser encontradas nas glândulas salivares e ovários dos artrópodes

Leia mais

JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA

JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP 2006 JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA Trabalho de Conclusão de Curso entregue à Banca Examinadora

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial SÍFILIS 1. CONCEITO Doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica 2. AGENTE ETIOLÓGICO espiroqueta Treponema pallidum. 3.

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

Tabela de Exames Veterinários. em Biologia Molecular. Fevereiro - 2016

Tabela de Exames Veterinários. em Biologia Molecular. Fevereiro - 2016 Tabela de Exames Veterinários em Biologia Molecular 2014 2014 Fevereiro - 2016 O laboratório VetDNA oferece diagnósticos para detecção de patógenos em aves, cães, gatos, bovinos, equinos e pequenos ruminantes

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA. Grace Barbosa dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA. Grace Barbosa dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA Grace Barbosa dos Santos DETECÇÃO DE Ehrlichia canis e Anaplasma platys EM CÃES TROMBOCITOPÊNICOS DOMICILIADOS NA CIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL)

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) DANIELA PRADO RODRIGUES OCORRÊNCIA DE HEMOPARASITOS EM FELÍDEOS

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA PALESTRA SOBRE SITUAÇÃO ATUAL DA FEBRE MACULOSA BRASILEIRA NICOLAU MAUÉS SERRA-FREIRE BMV, MSc., PhD., Chefe do Laboratório de Ixodides Diretor do Curso de Medicina Veterinária - Universidade Estácio de

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas Arbovírus: Hospedeiro natural vertebrado arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos Vetor hematófago Hospedeiro vert. Vetor hemat. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO

ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO LATU-SENSU DE CLÍNICA MÉDICA E CIRURGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO Gleizer Lopes de Campos dos Santos

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

Profissional da Saúde

Profissional da Saúde Profissional da Saúde Qual a sua responsabilidade frente a essa prática? Figura 1: abate de ovino na propriedade Se você ficou em dúvida sobre a resposta, então leia as informações a seguir sobre HIDATIDOSE.

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio...

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio... ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Capa/Vida&...2 Foco da maculosa pode ter sido encontrado...2 Localizado foco de maculosa no Rio...2 Correio Braziliense...4 Brasil/SAÚDE...4 Febre maculosa ataca no Rio...4

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SOROPREVALÊNCIA DE Borrelia spp. EM EQUINOS DE USO MILITAR DO MUNICÍPIO DE SÃO BORJA, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEROPREVALENCE OF Borrelia spp. IN HORSES THE MILITARY USE OF SÃO BORJA COUNTY, STATE OF

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES

IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES IMPORTANCE OF EVALUATION HAEMATOLOGICAL AND SEROLOGICAL (ELISA dot-blot) IN THE DIAGNOSIS OF EHRLICHIOSIS

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais