68 QUESTÕES QUE TODO EMPRESÁRIO PRECISA SABER: Manual do Cliente Gruber Contabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "68 QUESTÕES QUE TODO EMPRESÁRIO PRECISA SABER: Manual do Cliente Gruber Contabilidade"

Transcrição

1 68 QUESTÕES QUE TODO EMPRESÁRIO PRECISA SABER: Manual do Cliente Gruber Contabilidade

2 Apresentação Estimado cliente. É com grata satisfação que lhe apresentamos o presente Manual, que lhe será extremamente útil na gestão de seus negócios, e certamente lhe ajudará trilhar pelos caminhos mais seguros. Sabemos que seu dia-a-dia é composto por inúmeras atividades administrativas, técnicas e comerciais. Por isso concentramos apenas informações que consideramos de alta importância para sua empresa, mas que muitas vezes são desconhecidas, e o tempo escasso lhe impede a busca. O presente Manual é apresentado em forma de perguntas e respostas, e procura apresentar as informações de maneira simples e resumida. Cada pergunta é resultado de nossa experiência nos últimos anos, e, pretendemos que ao saber destas perguntas e respostas, você possa evitar transtornos que frequentemente causam prejuízos a inúmeras empresas em fiscalizações, ações trabalhistas, ou mesmo em gastos evitáveis ou desnecessários. Recomendamos fortemente a leitura completa e atenta do presente manual por todos os diretores, sócios e gerentes de sua empresa. Esperamos que com informações simples sua empresa afaste riscos e possa prosperar continuamente. Ficamos também à disposição para maiores esclarecimentos. Sucesso! Um abraço. Ferdinand Gruber Fernando Gruber Rafael Ricardo Gruber

3 S U M Á R I O 01) Quais documentos preciso enviar ao escritório? Quando? ) Existe algum documento que deva ser enviado ao escritório antes do envio do malote? ) O que o escritório faz com os documentos enviados por mim? ) O que poderá acontecer caso eu não mande os documentos ao escritório na data correta ou envie fora do prazo? ) Posso emitir notas fiscais de saída apenas no final do mês? ) A nota fiscal de saída deve ser emitida apenas na venda/prestação de serviço ou existem outros casos em que a emissão é obrigatória? ) O que é CFOP? ) Antes de emitir nota fiscal de prestação de serviços, preciso tomar algum cuidado em relação às informações que devo inserir na nota? ) O que é ECF - emissor de cupom fiscal? ) Sou obrigado a ter ECF - emissor de cupom fiscal? ) O que é arquivo magnético? ) Quais arquivos magnéticos devem ser gerados por mim (não pelo escritório)? Existe alguma punição caso não sejam gerados? ) O que devo fazer se meu fornecedor de sistema de cupom fiscal informar que o sistema não consegue 09 gerar o arquivo tipo 60?... 14) Sou obrigado a emitir nota fiscal eletrônica ou posso utilizar nota fiscal em blocos? ) Para que serve os arquivos XML de notas eletrônicas que meus fornecedores me enviam? Sou obrigado a arquivar? Como? E se o fornecedor não me enviar o arquivo? ) Há algum caso em que a empresa deve pagar impostos sobre notas fiscais de compra? ) Em relação a contas bancárias da empresa, quais os cuidados que devo ter? ) Quando eu realizar alterações na empresa, tais como mudança de endereço, atividade, alteração no quadro societário, abrir um depósito ou filial, dentre outros, preciso comunicar o escritório? Quais os cuidados que devo ter em relação a isso?... 19) Caso eu seja sócio em mais de uma empresa, devo tomar algum cuidado? ) Quais são os impostos e encargos que a empresa deve pagar usualmente? Quando vence? Quais os valores?

4 21) Que cuidados devo tomar para poder participar de licitações públicas? ) Há boletos que recebo de contribuições que não devo pagar? Como saber e como cuidar para não cair em golpes ou equívocos?... 23) Caso minha empresa seja optante pelo SIMPLES, existe alguma diferenciação nas alíquotas de tributos a serem pagos? É sempre mais barato ou o Simples pode sair mais caro?... 24) O que pode acontecer caso eu não pague os tributos em dia?... 25) Existem outros motivos que possam levar a empresa a ser exclusa do SIMPLES? Quais cuidados tomar?... 26) Caso minha empresa tenha algum espaço físico fora da sede da empresa, destinado a armazenamento e depósito de mercadorias, como devo proceder?... 27) Caso eu precise devolver alguma mercadoria que comprei, seja porque estava com defeito ou por qualquer outro motivo, como devo proceder?... 28) O que é controle de caixa?... 29) Para distribuição de lucro, existe alguma regra que deva ser observada?... 30) O que são bens do Ativo Imobilizado? Caso eu venda algum bem do Ativo Imobilizado, devo tomar algum cuidado? Há impostos sobre esta venda?... 31) O que é Pró-Labore?... 32) Quais os benefícios que o Pró-Labore proporciona para aquele que o recebe?... 33) Posso alterar o valor do meu Pró-Labore?... 34) Incide algum tributo sobre o Pró-Labore?... 35) Sou obrigado a retirar Pró-Labore?... 36) O sócio que não receba Pró-Labore é segurado do INSS, podendo receber, por exemplo auxílio doença, salário maternidade ou aposentadoria? ) Quais são os documentos que devo enviar ao escritório para registro de algum empregado?... 38) Além de documentos, quais informações são necessárias para o registro do empregado?... 39) No momento do registro do empregado, posso estabelecer qualquer salário, ou existe algum salário mínimo que deva ser respeitado?... 40) Posso contratar pessoas com menos de 18 anos? Qual a idade mínima?... 41) Quais as restrições e regras para funcionários com menos de 18 anos? ) O que é estágio? Eu sou obrigado a contratar? Como funciona?... 44) Sou obrigado a contratar funcionário com deficiência física?... 45) O que é considerado trabalho noturno? Existe alguma diferença de remuneração para empregados que trabalhem nessa condição?... 46) O que é adicional de insalubridade? Como saber se meus empregados têm direito a essa verba?... 47) O que é adicional de periculosidade? Como saber se meus empregados têm direito a essa verba?... 48) O que é PPRA e PCMSO? Sou obrigado a ter estes programas?... 49) O que é CIPA?... 50) O que é Equipamento de Proteção Individual - EPI?... 51) Sou obrigado a fornecer EPI? Quais as consequências do correto fornecimento ou da falta de fornecimento? E se o empregado não quiser usar?... 52) Qual o horário de trabalho normal estabelecido por lei? Existem intervalos mínimos e máximos para descanso?... 53) Há um limite de jornada diária de trabalho?... 54) Como são pagas as horas extras?... 55) Sou obrigado a ter sistema de controle de horas por cartão ponto?... 56) O empregado pode assinar o cartão ponto todos os dias exatamente com o mesmo horário de entrada e saída?... 57) Há alguma alteração na jornada de trabalho enquanto o empregado está em aviso prévio?... 58) Caso eu tenha empregados, existe alguma data limite para pagamento do salário?... 59) Além do salário, o que mais deve constar na folha de pagamento do empregado? Posso pagar comissões e horas extras por fora?... 60) O que é contrato de experiência? Como devo proceder em relação a este tipo de contrato para que não venha a ter problemas futuros?... 61) Se alguém presta serviços na minha empresa, por exemplo, 2 horas por semana, só aos sábados, ele é empregado? Deve ser assinada a Carteira de Trabalho? Há alguma particularidade no contrato por tempo parcial?... 62) Quais são os encargos incidentes sobre a folha de pagamento? Quais as alíquotas? ) Caso eu tenha algum empregado que passe mais de um dia fora da empresa, de forma que eu não tenha condições de controlar seu horário, como devo proceder? Há algum contrato de trabalho diferenciado nestes casos?... 42) O que é aprendiz? Eu sou obrigado a contratar? ) Será que estou obrigado a realizar declaração de Imposto de Renda Pessoa Física?...

5 65) Qual é o prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física? Há algum benefício para quem entrega no início do prazo e não deixe para os últimos dias?... 66) Caso eu resolva vender algum bem particular, quais cuidados devo tomar antes de realizar a transação?... 67) Além do escritório contábil, quais outros tipos de serviços técnicos eu devo consultar para desenvolver minhas atividades?... 68) Quando eu tiver alguma dúvida, a quem devo recorrer? Existem telefones diretos para que possa entrar em contato com tais setores? ) Quais documentos preciso enviar ao escritório? Quando? Os principais documentos a serem enviados mensalmente ao escritório são os abaixo relacionados. Eles devem ser armazenados no malote e enviados ao escritório até no máximo dia 02 do mês seguinte. São eles: 21 a. Notas Fiscais de Entrada (compras); b. Notas Fiscais de Receita (vendas e serviços); 21 c. Duplicatas Pagas; 22 d. Guias dos Impostos e Contribuições pagas no mês; 22 e. Faturas de Água, Luz e Telefone (da sede da empresa); 22 f. Recibos de Receita; 23 g. Notas Fiscais de Despesas que estejam em nome da empresa; h. Recibo de Pagamento de Aluguel (referente imóvel sede da 23 empresa); i. Recibos de Pagamentos dos Salários dos empregados e do Pró- 24 Labore (1ª via); 24 j. Extrato Mensal da Conta Corrente (em nome da empresa); k. Recibos de Pagamento de Férias e Rescisões; 25 l. 25 Contratos de Financiamentos e Empréstimos em nome da empresa; 25 m. Notas Fiscais / Recibos de compra ou venda de imobilizado (veículos, máquinas e equipamentos, móveis e utensílios, etc.); 25 n. Se possui ECF emitir arquivo tipo 60; 26 2) Existe algum documento que deva ser enviado ao escritório antes 26 do envio do malote? 26 Caso o cliente tenha empregados, deverá enviar até o último dia do mês o cartão ponto, onde estão anotadas todas as horas trabalhadas pelo colaborador para o cálculo de horas extras ou falta. Além disso, documentos para registro de empregados devem ser enviados durante o mês, obrigatoriamente antes do início do 26 trabalho pelo empregado. Por esta razão, não é correta a utilização do malote mensal para envio de documentos como Carteira de Trabalho, documentos para contratação 27 e rescisão, documentos de sócios para alteração de contrato, documentos para licitação. O envio deste tipo de documento precisa acontecer de forma separada e, 27 preferencialmente, que seja encaminhado diretamente para setor responsável no escritório. (Para saber o ramal telefônico de cada setor, basta consultar a pergunta deste manual). 05

6 3) O que o escritório faz com os documentos enviados por mim? O envio ou entrega dos documentos ao escritório são imprescindíveis, pois somente assim o escritório conseguirá realizar em tempo hábil: - Classificação e organização dos documentos; - Identificação de vendas com substituição tributária, isenção, tributadas e demais situações tributárias; - Lançamentos de notas fiscais de entrada e de saída; - Cálculos e emissão dos tributos sobre vendas e serviço: Cofins, Pis, IRPJ, CSLL, ICMS ou Simples; - Contabilização das vendas, das compras, dos pagamentos de fornecedores, pagamento de despesas, recebimento de duplicatas; - Lançamento e conciliação das operações bancárias no Livro Diário e Razão, conforme extrato de todas as contas correntes da empresa; - Provisionamento dos tributos e da folha de pagamento na contabilidade; - Geração e transmissão dos Arquivos Magnéticos tipo 50 e 54 para Receita Estadual; - Transmissão dos Arquivo Magnético tipo 60 para a Receita Estadual, quando o sistema do cliente não fizer a transmissão direta; - GIA/ICMS; - DACON (Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais); - DCTF (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais); - Cálculo de horas extras e falta de empregados; - Folhas de pagamento; - Geração do FGTS e tributos sobre folha de pagamento (GPS); - GFIP; - Emissão de balancetes mensais para conferência e para bancos; - Atualização de cadastros em banco e fornecedores (sob solicitação); - Informações ao IBGE, conforme exigências; - Impressão de livros fiscais e contábeis; - Dentre outras atividades obrigatórias ao fisco ou por necessidade e solicitação do cliente. Muitas destas atividades têm prazo limite fixado em lei, razão pela qual é imprescindível que os documentos venham ao escritório sempre nas datas solicitadas pela equipe responsável, a fim de ser possível cumprir todas as exigências com perfeição, evitando problemas e multas pelo fisco. 4) O que poderá acontecer caso eu não mande os documentos ao escritório na data correta ou envie fora do prazo? Havendo atraso do envio dos documentos já listados ou estando incompletos, não tendo o escritório tempo hábil para execução dos serviços, o fisco poderá cobrar multas pesadíssimas, o que poderá ocasionar danos irreparáveis à empresa. Além disso, se os documentos chegarem atrasados o escritório fará o possível para evitar multas, mas não se responsabiliza pela impossibilidade decorrente de falta de tempo hábil decorrente de desorganização de cronograma de serviços quando o cliente deixar de enviar nos prazos programados. 5) Posso emitir notas fiscais de saída apenas no final do mês? Não. A legislação obriga que as notas fiscais de saída (venda ou serviço) devem ser emitidas ao final de cada operação, ou seja, a cada venda ou serviço prestado. 6) A nota fiscal de saída deve ser emitida apenas na venda/prestação de serviço ou existem outros casos em que a emissão é obrigatória? A nota fiscal de saída deve ser emitida não apenas nos casos de venda ou prestação de serviços. Ela é obrigatória também em todos os casos em que a mercadoria deixe o estabelecimento por qualquer motivo. Isso quer dizer que toda vez que a mercadoria sair para conserto, demonstração em feiras, venda ambulante, remessa para filiais, etc., a nota de saída deverá ser emitida. Contudo, você deve observar que para cada tipo de saída, existe um CFOP diferente. 7) O que é CFOP? O termo CFOP significa Códigos Fiscais de Operação e Prestações. São códigos que devem ser inseridos nas notas fiscais de saída para identificar qual a natureza da operação (venda de mercadoria tributada, remessa para conserto, venda ambulante, etc.). Ressalta-se, portanto, que toda vez que alguma mercadoria deixar o estabelecimento, seja por qualquer motivo, deverá haver emissão de nota fiscal de saída

7 8) Antes de emitir nota fiscal de prestação de serviços, preciso tomar algum cuidado em relação às informações que devo inserir na nota? Caso a empresa seja optante pelo SIMPLES NACIONAL, deverá estar atenta à alíquota de ISSQN a ser informada na nota fiscal. Essa alíquota poderá variar mensalmente, motivo pelo qual se recomenda que o cliente ligue todo dia 01 de cada mês ao setor contábil, para que possa ser informado sobre eventuais alterações desta alíquota. Caso a empresa não seja optante pelo Simples Nacional é importante observar se há retenções obrigatórias, como Imposto de Renda retido, INSS, Cofins, etc. Ligue para o escritório se estiver em dúvida sobre algum procedimento. 9) O que é ECF - emissor de cupom fiscal? O ECF emissor de cupom fiscal é um equipamento que, autorizado pela Receita Estadual, realiza a emissão de documento fiscal de venda de produtos ao consumidor final. Ele registra todas as vendas de forma que as informações ali contidas sejam posteriormente repassadas detalhadamente para a fiscalização. 10) Sou obrigado a ter ECF - emissor de cupom fiscal? O uso de ECF emissor de cupom fiscal é obrigatório para as empresas que tenham faturamento bruto anual superior a R$ ,00 (trezentos e sessenta mil reais), embora o fisco não tenha sido rigoroso com este limite nos últimos anos. Contudo, sempre se recomenda seguir as normas de obrigatoriedade, pois é sempre possível que o fisco exija o que já é previsto em lei. Ainda, esse valor de teto poderá ser alterado a qualquer momento pela legislação e por isso recomenda-se que o escritório seja consultado no caso de dúvida quanto à necessidade ou não de aquisição de ECF. 11) O que é arquivo magnético? Arquivo magnético é um instrumento da fiscalização que por meio digital tem acesso e cruzamento de informações fiscais da sua empresa com os dados de seus fornecedores e clientes, produtos vendidos, quantidades vendidas, preços praticados, alíquotas dos tributos, etc. A maior parte dos arquivos obrigatórios, como o 50, 54, 74, são em regra gerados e transmitidos pelo escritório, conforme documentos do cliente. 12) Quais arquivos magnéticos devem ser gerados por mim (não pelo escritório)? Existe alguma punição caso não sejam gerados? O arquivo tipo 60 (A,M,R) se referem a movimentações de vendas pelos equipamentos ECF (Emissor de cupom Fiscal). Estes arquivos devem ser obrigatoriamente gerados pelo sistema que comanda suas máquinas de emissão de cupom fiscal ECF. Este arquivo em meio digital deve ser gerado na empresa no último dia útil de cada mês (após redução Z do último dia do mês). Ressalta-se que este arquivo não pode ser gerado no escritório e que sua ausência pelo sistema do cliente causa pesadas multas pela Fazenda Pública Estadual. 13) O que devo fazer se meu fornecedor de sistema de cupom fiscal informar que o sistema não consegue gerar o arquivo tipo 60? Caso seu fornecedor de sistema emissor de cupom fiscal disser que seu sistema não é capaz de gerar o arquivo tipo 60, a empresa deverá trocar o mais rápido possível de sistema, pois estará correndo sérios riscos de sofrer multas e fiscalizações por parte do fisco. 14) Sou obrigado a emitir nota fiscal eletrônica ou posso utilizar nota fiscal em blocos? Há três tipos de notas: notas de serviço, notas de venda ao consumidor, nota fiscal M-1. As notas fiscais de serviço são reguladas por leis municipais. Em Toledo e em outros diversos municípios não existem mais notas fiscais de serviço em bloco, e utiliza-se somente a nota fiscal eletrônica de serviços. Em Cascavel a nota fiscal eletrônica de serviços também é obrigatória, exceto para poucas atividades com faturamento anual de até R$ ,00. As notas de venda ao consumidor não são substituídas por nota eletrônica, e continuam sendo admitidas, salvo quando a empresa estiver obrigada a utilizar Equipamento Emissor de Cupom Fiscal (pergunta 10). A Nota Fiscal Eletrônica, que dá origem a uma DANFE substitui a nota fiscal Modelo-1. A adoção da nota fiscal eletrônica pode decorrer da atividade da empresa ou do tipo de operação. Consulte o escritório, ou acesse o Protocolo ICMS 42/2009 na internet para visualizar as atividades obrigadas. 15) Para que serve os arquivos XML de notas eletrônicas que meus fornecedores me enviam? Sou obrigado a arquivar? Como? E se o fornecedor não me enviar o arquivo? É obrigatório que os arquivos XML enviados por seus fornecedores sejam arquivados eletronicamente. É obrigação de seu fornecedor enviar este arquivo por . Exija tais arquivos, organize em pastas eletrônicas em seu computador e mantenha backups de segurança. Arquive também os XML de suas notas de saída, e envie a seus clientes e ao transportador contratado os arquivos XML para que eles também possam arquivá-las

8 16) Há algum caso em que a empresa deve pagar impostos sobre notas fiscais de compra? Embora em regra só se pague tributos na venda, há casos em que a empresa se torna devedora de tributo devido à compra de produtos. Um caso que exige atenção redobrada é a compra de bens do ativo permanente ou de materiais de uso e consumo feita em outro estado (outra unidade da federação), conforme art. 2º, VI, do Regulamento de ICMS. Assim, quando for adquirir tais bens em outra unidade da federação, fique atento para a incidência do tributo, e consulte o escritório para cálculo. Algumas vezes, o tributo incidente em aquisições de outros estados torna a compra no Paraná mais atrativa. 17) Em relação a contas bancárias da empresa, quais os cuidados que devo ter? A conta bancária em nome da pessoa jurídica deverá ser utilizada única e exclusivamente para operações/transações financeiras bancárias da mesma, sendo vedado o uso da conta pessoa jurídica para movimentações financeiras particulares da pessoa física. Nas operações/transações bancárias, todo depósito, crédito, saque ou débito na conta deverá ser anexado o documento comprobatório que deu origem a referida operação. Quanto à emissão de cheques, deverá ser emitida a cópia do mesmo e anexar documento da origem. 18) Quando eu realizar alterações na empresa, tais como mudança de endereço, atividade, alteração no quadro societário, abrir um depósito ou filial, dentre outros, preciso comunicar o escritório? Quais os cuidados que devo ter em relação a isso? Havendo qualquer alteração em relação à atividade da empresa, tais como mudança de endereço, de atividade, alteração no quadro societário, dentre outros, o cliente deverá comunicar o escritório para as devidas atualizações. Quando se tratar de alteração na atividade, o cliente deverá primeiramente consultar o escritório para assim receber as devidas orientações em relação à incidência tributária na nova atividade. Lembramos também que em caso de alteração de atividade e de endereço, o cliente deverá realizar consulta prévia junto aos órgãos competentes para saber se não há nenhum impedimento legal. 19) Caso eu seja sócio em mais de uma empresa, devo tomar algum cuidado? Caso o cliente seja sócio ou tenha participação em mais de uma empresa, o mesmo deverá informar o Escritório para analisarmos somatória dos faturamentos e as devidas implicações no Simples Nacional conforme determina a Lei 123/2006. Caso a soma do faturamento das empresas em que o mesmo sócio participe ultrapasse o limite do Simples Nacional, TODAS serão excluídas do Simples. Mais detalhes sobre as regras e exceções devem ser consultados no escritório. 20) Quais são o impostos e encargos que a empresa deve pagar usualmente? Quando vence? Qual o valor? Para empresas do Lucro Real ou Presumido O que? Base de cálculo Alíquota Vencimento COFINS Faturamento bruto 3% se presumido; conta gráfica se real Dia 25, mensal PIS Faturamento bruto 0,65% se presumido; conta gráfica se real Dia 25, mensal IRPJ Sobre o lucro (real, apurado contabilmente, ou presumido, arbitrado sobre o faturamento) CSLL Sobre o lucro (real, apurado contabilmente, ou presumido, arbitrado sobre o faturamento) ISSQN Valor dos serviços prestados, exceto transporte intermunicipal e comunicação ICMS Venda de mercadorias ou prestação de serviços de comunicação ou de transporte intermunicipal IPI INSS SAT 3 os : Salário Educação, Incra, Senai, Sesi, Senac, Sesc, Sebrae, FGTS Valor dos salários e verbas salariais 8%, depositado em conta vinculada de cada empregado Dia 7, mensal O valor do capital social da Alíquota de 0,80% a 0,02%, em tabela calculadas sobre faixas empresa do capital. Contr. Sindical Patronal Alvarás Valor de venda dos produtos industrializados, por indústria ou estabelecimento equiparado Valor dos salários e verbas de natureza salarial, incluindo autônomos Valor dos salários e verbas de natureza salarial, incluindo autônomos Valor dos salários e verbas de natureza salarial 15% do lucro (real ou presumido), com adicional de 10% sobre o lucro que exceder R$ ,00 no trimestre. Um percentual direito de 1,2% sobre o faturamento pode ser utilizado como atalho para mera estimativa em diversas atividades de revenda, e de 2,4% ou 4,8% direto sobre o faturamento em diversas atividades de serviços. Mas tais valores exigem cálculo especializado no escritório. 9% do lucro (real ou presumido). Um percentual direito de 1,08% sobre o faturamento pode ser utilizado como atalho para mera estimativa em diversas atividades de revenda, e de 2,88% em diversas atividades de serviços. Mas tais valores exigem cálculo especializado no escritório. Último dia do mês ou trimestre subsequente a apuração. Se for trimestral vence em abril, julho, outubro e janeiro. Último dia do mês ou trimestre subsequente a apuração. Se for trimestral vence em abril, julho, outubro e janeiro. De 2% a 5%, conforme a atividade e conforme a lei municipal. Mensal. O dia do vencimento varia em cada município. Cada produto tem sua alíquota própria. No Paraná a alíquota mais freqüente é 18%. Mas o tributo é pago em conta gráfica, creditando tributo nas compras, debitando nas vendas e pagando o líquido. Há produtos também que são isentos, ou que já tiveram tributo recolhido na fonte, não incidindo. Consulte no escritório alíquotas e casos particulares. Alíquotas variáveis conforme cada produto. Consulte o escritório para verificar conforme classificação do produto sua alíquota. Há também produtos em que se paga IPI a cada unidade vendida, desprezando-se o valor como base de cálculo. 20% é a parte da empresa. Além da parte da empresa, é recolhido na mesma GPS o valor do INSS descontado dos empregados e autônomos, em alíquotas que variam de 8% a 11%. SAT é o Seguro Acidente de Trabalho, e seu percentual normal varia de 1% a 3% conforme risco da empresa. Este valor pode ser reduzido ou aumentado conforme o Fator Acidentário de Prevenção. A alíquota mais comum é 5,8%, mas pode variar entre 2,5% até 7,7% conforme atividade da empresa. Mensal. No Paraná entre os dias 11 e 15 do mês subsequente, conforme final da inscrição estadual. Dia 25, mensal, exceto cigarros que vencem dia 10 Dia 20 do mês subsequente Dia 20 do mês subsequente recolhe na GPS junto com o INSS Dia 20 do mês subsequente recolhe na GPS junto com o INSS Recolhida anualmente até o dia 31 de janeiro São taxas cobradas pelo Poder Público em decorrência de serviços públicos prestados. Usualmente vencem uma vez por ano. Os mais comuns são: da Prefeitura, sobre taxa de localização e vistoria ou vigilância sanitária, do Estado pelo serviço dos bombeiros em vistoria e prevenção de incêndios. Outras taxas e licenças podem ser exigidas conforme atividade da empresa

9 Se a empresa for optante pelo Simples, ela recolherá em uma única guia chamada DAS Documento de Arrecadação do Simples, que vence mensalmente no dia 20 os seguintes tributos: Cofins, Pis, IPRJ, CSLL, ISSQN, ICMS e IPI. Mas nem sempre todos os tributos incidem, e no escritório é feito a separação das receitas e dos valores de venda com substituição para corretamente apurar o valor devido para cada um destes tributos e calcular corretamente a guia. As alíquotas totais de tributos no DAS variam de 2,75% até 22,90%, e incidem sobre o faturamento bruto da empresa. Quando for optante pelo Simples nos Anexos I, II, III e V, a empresa não paga em GPS o valor de INSS sobre a folha de pagamentos, e efetua apenas o repasse do valor de INSS descontado dos empregados. No Anexo IV do Simples a empresa paga normalmente o INSS patronal e o SAT. As empresas do Simples não pagam os terceiros (Salário Educação, Incra, Senai, Sesi, Senac, Sesc, Sebrae, etc.) incidente sobre a folha de pagamento, e também estão dispensadas do recolhimento da Contribuição Sindical Patronal. O FGTS é pago normalmente pelas empresas optantes pelo Simples. ADVERTÊNCIA: Esta tabela e exposição desta questão significam apenas um breve resumo dos tributos, alíquotas, base de cálculos e vencimentos para que o empresário possa ter uma visão geral. Adverte-se que não é objetivo desta tabela exaurir o assunto, sendo que há outros diversos tributos que por razões de síntese não foram abordados, bem como há alíquotas e base de cálculo diversos em alguns casos. A presente tabela não deve ser usada como referência para planejamento tributário, uma vez que é somente um resumo sem total abrangência e sem menção a diversas exceções. Dentre outras questões não abordadas estão substituições tributárias, tributos na importação e exportação, incidências sobre autônomos e produtores rurais, créditos presumidos e sobre ativo permanente, etc. Procure o escritório para maiores esclarecimentos ou para planejamento tributário no caso concreto. 21) Que cuidados devo tomar para poder participar de licitações públicas? Para participar de licitações, é necessário que a empresa esteja com todos os tributos pagos em dia. Além disso, deverá entrar em contato com o escritório com pelo menos 10 dias de antecedência, tendo em vista que a maior parte das negativas somente são liberadas pelos entes fiscais neste prazo. 22) Há boletos que recebo de contribuições que não devo pagar? Como saber e como cuidar para não cair em golpes ou equívocos? Sim. Há inúmeros boletos ou guias que são remetidos para sua empresa diretamente por empresas ou entidades cobrando valores muitas vezes indevidos. Exemplos típicos que já foram indagados diversas vezes por clientes é boleto que consta como cedente Associação Comercial do Brasil, em valor usual de R$ 278,50. Este boleto vem sem nenhuma solicitação, e não é obrigatório. Só quem quiser se associar a tal associação precisaria pagar tal boleto. Mas cuidado, pois esta associação não se faz presente em nosso dia-a-dia. Pretendendo se associar, vemos nas associações comerciais de cada município, como a ACIT, ACIC, entre outras, entidades mais representativas, e que oferecem reais benefícios aos associados. Outras guias para se cuidar são guias de contribuição sindical que a empresa recebe diretamente de sindicatos. Deve-se tomar cuidado pois muitas vezes sindicatos que não são representativos da categoria da empresa equivocadamente enviam guias. Neste caso o ideal é sempre consultar o escritório para se certificar se está correta a guia, ou ainda, pedir a guia diretamente no escritório. Sempre que estiver em dúvida sobre a procedência de algum boleto ou guia, entre em contato com o escritório. 23) Caso minha empresa seja optante pelo SIMPLES, existe alguma diferenciação nas alíquotas de tributos a serem pagos? É sempre mais barato ou o Simples pode sair mais caro? As empresas optantes pelo SIMPLES na maior parte das vezes têm carga tributária menor do que as empresas optantes pelo lucro real ou presumido. Contudo, o cliente deverá observar que quanto maior for seu faturamento acumulado nos últimos 12 meses, maior será sua alíquota para cálculo dos tributos. O escritório realiza anualmente a análise do planejamento tributário para verificar se o Simples continua sendo a melhor opção. Contudo, caso você preveja mudanças significativas no faturamento da empresa em algum período futuro, contate o escritório para que seja realizada análise e planejamento tributário com base nas projeções de faturamento e custos da empresa. 24) O que pode acontecer caso eu não pague os tributos em dia? Há incidência de multas e juros, a empresa não obterá certidão negativa impedindo vendas a órgãos públicos e empréstimos em banco. Além dessas e outras, se a empresa for optante pelo Simples poderá ser excluída do regime por inadimplência. A Fazenda Pública podem também ingressar em juízo com execução fiscal, onerando a empresa em custas processuais, e podendo levar bens da empresa a leilão ou hasta pública

10 25) Existem outros motivos que possam levar a empresa a ser exclusa do SIMPLES? Quais cuidados tomar? A lei que trata do SIMPLES NACIONAL, dentre outras causas previstas na Lei, também estabelece como possível motivo de exclusão do Simples: a) A existência de débito da empresa com o INSS, União, Estado ou Município, cuja exigibilidade não esteja suspensa; b) Deixar de emitir nota fiscal, reiteradamente; c) Contratar funcionário sem registro em CTPS, ou deixar de incluir prestador de serviço, mesmo autônomo nas informações para a previdência social, reiteradamente. d) Oferecer embaraço à fiscalização, caracterizado pela negativa não justificada de exibição de livros e documentos a que estiverem obrigadas, bem como pelo não fornecimento de informações sobre bens, movimentação financeira, negócio ou atividade que estiverem intimadas a apresentar, e nas demais hipóteses que autorizam a requisição de auxílio da força pública; e) For oferecida resistência à fiscalização, caracterizada pela negativa de acesso ao estabelecimento, ao domicílio fiscal ou a qualquer outro local onde desenvolvam suas atividades ou se encontrem bens de sua propriedade; f) A sua constituição ocorrer por interpostas pessoas; g) Comercializar mercadorias objeto de contrabando ou descaminho; h) Houver falta de escrituração do livro-caixa ou não permitir a identificação da movimentação financeira, inclusive bancária; i) A empresa, ou conjunto de empresas que tenham sócios em comum, ultrapassar o limite de faturamento previsto na lei, que foi ampliado para R$ ,00 por ano em j) for constatado que durante o ano-calendário o valor das despesas pagas supera em 20% (vinte por cento) o valor de ingressos de recursos no mesmo período, excluído o ano de início de atividade; j) Dentre outras previstas na lei complementar 123/2006. Para evitar a exclusão do Simples e muitas vezes aumentos relevantes nos tributos, deve-se tomar os seguintes cuidados: a) Pagar os tributos em dia; b) Sempre emitir nota fiscal de venda ou de prestação de serviços; c) Jamais contratar funcionário sem registro. É obrigatório o registro mesmo no prazo de experiência. Quando contratar autônomos para prestar serviços como por exemplo eletricista, jardineiro, encanador, ou outro, pedir ao escritório para fazer o recibo por RPA, fazendo a retenção do tributo do prestador e informando o serviço ao INSS; d) Sempre que receber um fiscal em sua empresa, certifique-se de que a pessoa de fato é fiscal, atenda-lhe com cortesia e comunique imediatamente o escritório para lhe assistir na exibição de documentos ao fisco; e) Não comercialize e nem exponha à venda produtos estrangeiros que não tenham sido legal e comprovadamente nacionalizados; f) Remeta ao escritório extratos de todas as contas correntes da empresa para a devida conciliação e formalização das movimentações na escrituração contábil; g) Consultar o escritório antes caso algum sócio da empresa for adquirir participação ou for ser administrador em outra empresa. 26) Caso minha empresa tenha algum espaço físico fora da sede da empresa, destinado a armazenamento e depósito de mercadorias, como devo proceder? Caso a empresa tenha algum espaço físico fora da sede da empresa, destinado a armazenamento/depósito de mercadorias, faz-se necessário documentar a situação através de uma Inscrição Estadual depósito fechado. E mais: todas as vezes em que houver trânsito de mercadorias entre a sede da empresa e depósito, deverá ser emitida nota fiscal de remessa de mercadorias. Recomenda-se que antes de realizar esta operação, o escritório seja consultado, para assim poder prestar maiores esclarecimentos sobre o correto preenchimento das notas fiscais. 27) Caso eu precise devolver alguma mercadoria que comprei, seja porque estava com defeito ou por qualquer outro motivo, como devo proceder? Caso haja necessidade de devolução de mercadorias, seja por qualquer motivo, é necessária a emissão de Nota Fiscal de Devolução de Mercadorias. Deve-se neste caso utilizar o CFOP de devolução para não gerar débitos de tributos para a empresa e permitir crédito para o fornecedor. Nesta nota deverá constar os produtos em valores idênticos aos comprados, com o destaque dos impostos exatamente no mesmo valor, e o número e data da nota fiscal de compra a que se refere a devolução. Se sua empresa é optante pelo Simples Nacional não deve destacar os tributos, mas deve fazer anotação no campo informações complementares mencionando a base de cálculo, a alíquota e o valor dos tributos que o fornecedor destacou em sua nota fiscal, mencionando sempre o número e data da nota fiscal do fornecedor. Mas se sua empresa não for inscrita no CAD/ICMS, que é o caso das empresas que só prestam serviços, por exemplo, a devolução se fará por declaração da empresa, que deverá acompanhar a mercadoria. Neste caso, o fornecedor emitirá uma nota fiscal de 14 15

11 entrada para se apropriar novamente dos créditos sobre o bem/mercadoria devolvido. 28) O que é controle de caixa? Controle de caixa é um controle que o empresário deve fazer em seu próprio estabelecimento, onde deverá somar diariamente todas as receitas obtidas e todas as despesas pagas, para saber como está seu fluxo financeiro. Este controle não é obrigatório na empresa, pois o fisco pode se basear no Livro Diário escriturado no escritório em caso de fiscalização. Contudo, é extremamente recomendável para que o cliente possa ter maior controle sobre suas contas, e para saber se as operações de vendas e de serviços estão sendo capazes de cobrir as compras e despesas da empresa no dia-a-dia. 29) Para distribuição de lucro, existe alguma regra que deva ser observada? A distribuição de lucros é, em regra, definida por ajuste entre os sócios no contrato social. Contudo, a lei proíbe distribuição de lucros para empresas que tenham débitos tributários. Caso os sócios queiram distribuir lucros, deverão certificar-se de que todos os tributos estejam devidamente quitados. A multa prevista para quem descumprir esta obrigação é de 50% para a empresa e de 50% para a pessoa que recebeu a distribuição indevida e tem como base o valor do lucro distribuído. 30) O que são bens do Ativo Imobilizado? Caso eu venda algum bem do Ativo Imobilizado, devo tomar algum cuidado? Há impostos sobre esta venda? Bens do Ativo Imobilizado são aqueles bens que uma empresa adquire de forma permanente, sem intenção de revenda. Podemos citar como exemplos mais comuns de Ativo Imobilizado, veículos para uso em trabalho, máquinas e equipamentos para produção de mercadorias, móveis, dentre outros. Antes de vender algum bem do ativo imobilizado da empresa, é importante que o cliente entre em contato com o escritório para verificar se haverá ou não ganho de capital. Isso quer dizer que se o cliente obtiver ganho na venda de algum destes bens, provavelmente terá que pagar o imposto sobre ganho de capital. 31) O que é Pró-Labore? O pró-labore é a retirada que os sócios administradores ou titulares da empresa realizam mensalmente, como forma de remuneração. É equivalente ao salário para administradores da empresa. 32) Quais os benefícios que o Pró-Labore proporciona para aquele que o recebe? O valor de retirada do pró-labore é usado pelo INSS como base de cálculo de contribuição para todos os efeitos legais, tais como aposentadoria, auxílio doença, etc. A título de exemplificação, caso o sócio contribua com apenas um salário mínimo a título de pró-labore, irá se aposentar com um salário mínimo caso estas sejam suas únicas contribuições. 33) Posso alterar o valor do meu Pró-Labore? Cabe aos sócios da empresa deliberarem sobre o valor que cada administrador retirará a título de pró-labore. Uma vez decidido, basta comunicar o escritório para que os recibos e informações à Previdência sejam gerados. Os valores podem livremente variar para mais ou para menos. O valor mínimo a ser recolhido é sobre um salário mínimo nacional. 34) Incide algum tributo sobre o Pró-Labore? Para as empresas optantes pelo Simples Nacional, a contribuição com o INSS será de 11% sobre os valores do pró-labore, cujo devedor é o próprio sócio que aufere o rendimento. Já para as empresas enquadradas nos demais regimes, além da contribuição do próprio sócio (11%) é devido mais 20%, totalizando 31%. Tanto a contribuição do sócio como a parte da empresa (quando não for optante pelo Simples) são recolhidos juntamente com a guia de GPS mensal da empresa, obrigatoriamente. 35) Sou obrigado a retirar Pró-Labore? A obrigatoriedade do recolhimento do pró-labore é do(s) sócio(s) administrador(es) ou titular, sendo facultativo o recolhimento para os demais sócios. 36) O sócio que não receba Pró-Labore é segurado do INSS, podendo receber, por exemplo auxílio doença, salário maternidade ou aposentadoria? Somente quem estiver contribuindo para a previdência social será segurado pelo INSS, passando a ter direito de receber benefícios como aposentadoria, salário maternidade, auxílio doença e demais benefícios. Sendo assim, caso o sócio não receba Pró-Labore, deverá contribuir de outra forma para ter direito aos benefícios previdenciários

12 37) Quais são os documentos que devo enviar ao escritório para registro de algum empregado? Para documentar o registro de empregados é necessário o preenchimento de uma ficha com os dados do empregado e dados do contrato de trabalho. Os documentos necessários são: empregado não estará sujeito a controle de jornada (ver pergunta 63); 4. Se contrato é com experiência; 5. Salário/remuneração; 6. Se o empregado exercerá atividades com insalubridade ou periculosidade (ver perguntas 46 e 47). 1. Carteira de trabalho; 2. Foto 3x4; 3. Certidão de Nascimento/Casamento; 4. Cópia da carteira de identidade; 5. Cópia do CPF; 6. Cópia do comprovante de residência; 7. Cópia do Título de eleitor; 8. Exame médico admissional, atestado por um médico do trabalho. Caso o empregado tenha filhos ou dependentes menores, para cadastramento e recebimento do benefício de auxílio família e abatimento da base de Imposto de Renda retido do empregado são necessários ainda: 1. Cópia da certidão de nascimento dos filhos menores de 14 anos de idade; 2. Comprovante de vacinação dos filhos menores de 7 anos de idade; 3. Comprovante de matrícula escolar dos filhos entre 7 e 14 anos de idade. 38) Além de documentos, quais informações são necessárias para o registro do empregado? A empresa deverá fornecer ao escritório no momento da contratação de seus empregados as seguintes informações: 1. Data de admissão; 2. Função; 3. Horário de trabalho do empregado e intervalo ou declaração de que o 39) No momento do registro do empregado, posso estabelecer qualquer salário, ou existe algum salário mínimo que deva ser respeitado? A lei estabelece salário mínimo. Além disso, por meio de Convenções Coletivas de Trabalho os sindicatos (patronal e dos empregados) estabelecem os pisos salariais a serem seguidos pelas empresas no momento da contratação de empregados. Tais valores devem ser respeitados, sob pena de imposição de penalidades pelo Ministério do Trabalho ou futuramente serem motivos de ações judiciais após o desligamento do empregado. 40) Posso contratar pessoas com menos de 18 anos? Qual a idade mínima? A legislação trabalhista permite a contratação de pessoas com 16 anos completos, ou mais. Mas menores de 18 anos não podem exercer atividades insalubres ou perigosas, nem podem ter trabalho noturno (urbano entre as 22:00 às 05:00), dentre outras restrições expostas na questão a seguir. Menores de 16 anos poderão ser contratados excepcionalmente na condição de aprendiz, aplicando-se as regras próprias conforme exposto na pergunta 42 deste manual. 41) Quais as restrições e regras para funcionários com menos de 18 anos? Quando a empresa contratar funcionário menor de 18 anos, deve observar as seguintes regras: a. Proibido o trabalho no período noturno (ver pergunta 45); b. Proibido o trabalho considerado perigoso ou insalubre; c. Proibido o trabalho em ambiente prejudicial à moral e à saúde (casa de espetáculos, cinemas, boates, etc.); d. Proibido a prorrogação de horas sem a participação do sindicato; e. Proibido o trabalho em ruas, praças, logradouros, entre outros, sem autorização do Juiz da Infância e da Juventude; f. Proibido o trabalho que demande força muscular superior a 20 quilos, se contínuo, ou 25 quilos, se ocasional; 18 19

13 h. Deve o empregador facilitar a mudança de função, quando esta for prejudicial ao seu desenvolvimento; i. O empregador deverá proporcionar tempo necessário para o menor frequentar as aulas; j. O gozo das férias deverá coincidir com as férias escolares e sempre de 30 (trinta) dias, não podendo parcelar. 42) O que é aprendiz? Eu sou obrigado a contratar? Aprendiz é o jovem que firma com a empresa um contrato de aprendizagem. Contrato de aprendizagem é o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar formação técnicoprofissional ao maior de 14 (quatorze) e menor de 24 (vinte e quatro) anos inscrito em programa de aprendizagem formação técnico-profissional metódica, em especial dos Serviços Nacionais de Aprendizagem. Todas as empresas são obrigadas a contratar aprendizes, em número não inferior a 5% e nem superior a 15% do total de empregados em funções que exijam formação técnica. A Lei Complementar 123 dispensa as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte de empregar e matricular seus aprendizes em cursos. O contrato de aprendizagem é feito por prazo máximo de 2 anos, com a devida anotação na Carteira de Trabalho. A carga horária máxima é em regra de 6 horas diárias, e a alíquota do FGTS é reduzida para 2%. 43) O que é estágio? Eu sou obrigado a contratar? Como funciona? Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos. O contrato de estágio é regido pela Lei /2008, e é celebrado entre a empresa, o estudante e sua universidade ou colégio. Nenhuma empresa é obrigada a contratar estagiários. O contrato de estágio pressupõe que a empresa tenha um ambiente propício para que o estudante possa desenvolver na prática atividades profissionais, integrando as atividades teóricas acadêmicas com o ambiente prático na empresa, sob supervisão de um profissional na empresa, e de outro no ambiente acadêmico. A carga horária do estágio é limitada a 6 horas por dia e 30 horas por semana. Realizado com observância dos requisitos legais, o estágio não gera vínculo de emprego, não havendo anotação em Carteira de Trabalho. 44) Sou obrigado a contratar funcionário com deficiência física? A lei obriga empresas com 100 funcionários ou mais a contratar pessoas portadoras de necessidades especiais. A quantidade é progressiva conforme o número de funcionários da empresa: de 100 a 200 funcionários - 2% de 201 a 500 funcionários - 3% de 501 a funcionários - 4% acima de funcionários - 5% 45) O que é considerado trabalho noturno? Existe alguma diferença de remuneração para empregados que trabalhem nessa condição? A Constituição Federal, no seu artigo 7º, inciso IX, estabelece que são direitos dos trabalhadores, além de outros, remuneração do trabalho noturno superior à do diurno. Considera-se noturno, nas atividades urbanas, o trabalho realizado entre as 22:00 horas de um dia às 5:00 horas do dia seguinte. Nas atividades rurais, é considerado noturno o trabalho executado na lavoura entre 21:00 horas de um dia às 5:00 horas do dia seguinte, e na pecuária, entre 20:00 horas às 4:00 horas do dia seguinte. Comunique o escritório caso algum funcionário tenha trabalho noturno para que o cálculo salarial seja feito corretamente. 46) O que é adicional de insalubridade? Como saber se meus empregados têm direito a essa verba? Segundo a CLT, é considerada atividade insalubre aquela em que o trabalhador é exposto a agentes nocivos à saúde acima dos limites tolerados pelo Ministério do Trabalho e Emprego. O adicional de insalubridade é um direito concedido a trabalhadores que são expostos a agentes nocivos a saúde. Há três graus: mínimo, que dá adicional de 10%, médio (20%) e máximo (40%) sobre o salário mínimo ou piso de categoria, caso o empregado receba o piso. Para saber se seu empregado tem direito a este adicional e em que percentual, é necessário que seja consultada empresa especializada em Assessoria de Segurança e Medicina do Trabalho. O ideal é sempre que a empresa tome todas as medidas para evitar que o empregado se exponha a agentes nocivos, utilizando-se de Equipamentos de Proteção e de produtos que permitam o trabalho sem exposição. Contudo, quando não for possível a eliminação total do contato com agentes nocivos, deve ser pago ao empregado o adicional de insalubridade, na forma medida pelos profissionais de Saúde e Segurança do Trabalho

14 47) O que é adicional de periculosidade? Como saber se meus empregados têm direito a essa verba? O adicional de periculosidade é um valor devido ao empregado exposto a atividades perigosas, conforme algumas condições preestabelecidas pelo Ministério do Trabalho. São perigosas as atividades ou operações, onde a natureza ou os seus métodos de trabalhos configurem um contato com substâncias inflamáveis ou explosivos, substâncias radioativas, ou radiação ionizante, ou energia elétrica, em condição de risco acentuado. O valor do adicional de periculosidade é equivalente a 30% do salário do empregado, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa. 48) O que é PPRA e PCMSO? Sou obrigado a ter estes programas? Todas as empresas, indiferente da atividade ou quantidade de empregados, estão obrigadas a manter um programa de saúde ocupacional da empresa, entre estes podemos destacar o PPRA (Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais) e PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). Tais programas visam proteger e preservar a saúde do trabalhador. A elaboração desses programas é feito por meio de empresas especializadas. A não elaboração de tais programas sujeitará a empresa a possíveis penalidades, inclusive quando da fiscalização pelo Ministério do Trabalho. 49) O que é CIPA? A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é uma comissão constituída por representantes indicados pelo empregador e membros eleitos pelos trabalhadores, que tem a finalidade de prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador. As obrigações da empresa quanto a esta função são previstas na Norma Regulamentadora 5 do Ministério do Trabalho. Em atividades industriais usualmente é obrigatório constituir a CIPA empresas com 20 ou mais empregados. Em estabelecimento de serviços usualmente só é obrigatório para aqueles que tiverem 300 ou mais empregados. Consulte seu técnico de segurança do trabalho para saber se sua empresa está obrigada ou não. A NR-5, contudo, estabelece que mesmo empresas que não sejam obrigadas a constituir CIPA devem indicar uma pessoa que ficará encarregada de implementar e divulgar as medidas preventivas previstas na empresa. 50) O que é Equipamento de Proteção Individual - EPI? A empresa deve sempre por meio das medidas do PPRA e da CIPA buscar eliminar todos os riscos à segurança e à saúde dos trabalhadores no ambiente de trabalho, com equipamentos de proteção coletiva. Contudo, quando não for possível eliminar totalmente os riscos, é obrigatório que a empresa forneça a seus empregados Equipamento de Proteção Individual - EPI. EPI é todo e qualquer dispositivo ou produto, de uso individual destinado a proteção do empregado contra riscos no ambiente de trabalho que possam ameaçar sua segurança ou saúde, como exemplo: Ÿ Proteção auditiva: abafadores de ruídos ou protetores auriculares; Ÿ Proteção respiratória: máscaras e filtro; Ÿ Proteção visual e facial: óculos e viseiras; Ÿ Proteção da cabeça: capacetes; Ÿ Proteção de mãos e braços: luvas e mangotes; Ÿ Proteção de pernas e pés: sapatos, botas e botinas; Ÿ Proteção contra quedas: cintos de segurança e cinturões. 51) Sou obrigado a fornecer EPI? Quais as consequências do correto fornecimento ou da falta de fornecimento? E se o empregado não quiser usar? A empresa é obrigada a fornecer gratuitamente a seus empregados tais equipamentos quando haja riscos ou agentes nocivos no ambiente de trabalho. Os equipamentos devem estar em perfeito funcionamento, e a empresa deve orientar o empregado de como utilizá-lo. A entrega do EPI, como é um fato jurídico com muita relevância, deve ser documentada pela empresa, que deve exigir que o empregado assine declaração no momento do recebimento de recebimento dos equipamentos. Nesta declaração deve constar a lista dos equipamentos recebidos. A ausência do correto fornecimento e prova da entrega dos EPI ao empregado, além de aumentar o risco indesejável de acidentes de trabalho, podem causar multas pelo Ministério do Trabalho, indenizações trabalhistas de valores elevados, além da possibilidade de responsabilização da empresa em ressarcir o INSS sobre pensões e benefícios concedidos devido à culpa da empresa ao não cuidar corretamente da segurança do ambiente de trabalho. Por outro lado, o correto fornecimento do EPI e demais cuidados com a segurança do ambiente de trabalho, além de melhorar as condições de trabalho e produtividade na empresa, podem reduzir os custos da empresa ao desobrigar-se do pagamento do adicional de insalubridade, conforme constatação pelo profissional de saúde do trabalho

15 Se algum empregado não quiser utilizar, ou utilizar de maneira incorreta, a lei prevê o ato como falta do empregado, podendo inclusive levar a sua demissão por justa causa. É dever do empregador exigir o correto uso dos EPI por todos os empregados expostos a riscos. Advirta o empregado, e converse com o escritório ou com seu advogado sobre os procedimentos adequados. 52) Qual o horário de trabalho normal estabelecido por lei? Existem intervalos mínimos e máximos para descanso? O horário de trabalho máximo estabelecido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), em regra, estipula uma carga horária mensal de 220:00 horas, sendo distribuídas em 8:00 horas diárias e 44:00 horas semanais. O intervalo para o descanso e refeições deve ser de no mínimo 1:00 hora e de no máximo 2:00 horas diárias. O intervalo mínimo entre uma jornada e outra (de um dia para o outro) é de 11 (onze) horas. Pode, entretanto, ser feito contrato de trabalho em tempo parcial, com jornadas menores que as 44:00 semanais, admitindo-se o pagamento de salários proporcionais. Poderá, no entanto, haver algumas flexibilidades no horário de trabalho, como por exemplo compensação de horas, desde que tudo esteja formalmente documentado junto ao sindicato da categoria e previsto na Convenção Coletiva de trabalho. Há, porém, algumas exceções a esta carga horária, como na contratação de radialistas (5 horas diárias), jornalistas (25 horas semanais), médicos (20 horas semanais), fisioterapeutas (30 horas semanais), dentre outras profissões. Verifique com o escritório ou com seu advogado sobre eventuais dúvidas. Quando o domingo for dia normal da jornada, deve-se observar a Convenção Coletiva de Trabalho e demais normas, e sendo possível, deve haver outro dia da semana como folga, e a cada intervalo máximo de 3 semanas um domingo deve ser de descanso, em sistema de rodízio. 53) Há um limite de jornada diária de trabalho? A jornada de trabalho normal é a pactuada no contrato de trabalho, observados os limites na questão anterior. Contudo, sendo necessário, em geral, é possível que os empregados façam horas extras, mas a jornada diária total (horas normais mais extras) não deve extrapolar a 10 (dez) horas por dia. Só se admite extrapolar 10 horas diárias em caso de necessidade imperiosa para fazer face a motivo de força maior ou para atender à realização ou conclusão de serviços inadiáveis ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo manifesto. Neste caso é necessário comunicar o Ministério do Trabalho em até 10 (dez) dias após o ocorrido, explicando os motivos urgentes. Neste caso, comunique o escritório imediatamente para lhe auxiliar na comunicação ao Ministério do Trabalho, caso necessário, pois a comunicação não pode esperar o fechamento de mês. 54) Como são pagas as horas extras? As horas extras são calculadas em cartão ponto, observando-se a jornada diária que extrapolou a jornada contratual. As horas extras são pagas com no mínimo 50% de acréscimo em relação a hora normal, sendo o adicional mínimo de 100% se as horas extras forem prestadas em domingos ou feriados. As Convenções Coletivas de Trabalho podem pactuar adicionais maiores, que deverão ser observados. Ainda, sobre o valor da Hora Extra deve ser pago o Descanso Semanal Remunerado, que reflete a remuneração das horas extras nos domingos e feriados do mês. As horas extras também geram reflexos no 13º e férias do empregado. 55) Sou obrigado a ter sistema de controle de horas por cartão ponto? De acordo com a legislação, as empresas que possuem acima de 10 empregados estão obrigadas a trabalhar com cartão ponto. Contudo, é recomendável que todas as empresas que se utilizem de sistema de cartão ponto, independente do número de empregados. Isso facilita o controle, e permite prova em eventuais processos judiciais. 56) O empregado pode assinar o cartão ponto todos os dias exatamente com o mesmo horário de entrada e saída? O cartão ponto dito britânico, que é aquele em que o empregado marca todos os dias exatamente a mesma hora e minuto em todas as entradas e saídas usualmente é tido por inválido para prova em processo judicial. Isso se deve ao fato de que os juízes normalmente entendem que é humanamente impossível que uma pessoa chegue e saia todos os dias exatamente no mesmo horário. Sendo assim, caso o empregado chegue às 7:59h, deve anotar este horário no cartão e não 08:00, como forma de arredondamento. 57) Há alguma alteração na jornada de trabalho enquanto o empregado está em aviso prévio? Se o empregado está cumprindo aviso prévio para rescisão de contrato de trabalho por iniciativa da empresa, o empregado poderá escolher por reduzir sua jornada de trabalho em 2 horas por dia, ou ainda, por faltar por 7 (sete) dias durante o aviso prévio, sem desconto de tais faltas. Contudo, caso o empregado esteja cumprindo aviso para rescisão a pedido do empregado não há redução da jornada

16 58) Caso eu tenha empregados, existe alguma data limite para pagamento do salário? A legislação trabalhista prevê que o empregado deverá receber seu salário até no máximo no 5º dia útil de cada mês. Desta forma, caso o empregado trabalhe no sábado, este dia será contado como dia útil. 59) Além do salário, o que mais deve constar na folha de pagamento do empregado? Posso pagar comissões e horas extras por fora? Todas as verbas salariais pagas ao empregado, tais como horas extras, comissões, etc, devem ser incluídas na folha de pagamento e informadas para a Previdência Social. O pagamento de verbas salariais por fora, além de ocasionar problemas trabalhistas, podem gerar problemas na esfera penal, tendo em vista que a conduta é tipificada como crime. Portanto, informe mensalmente o escritório se há alguma verba além do salário para ser incluída na folha de pagamento. 60) O que é contrato de experiência? Como devo proceder em relação a este tipo de contrato para que não venha a ter problemas futuros? No início da contratação, as empresas poderão firmar um contrato de experiência com seus empregados por um prazo máximo de 90 dias, como forma de testar o empregado naquela função. Este contrato poderá ser prorrogado uma única vez. A dispensa do empregado durante o contrato de experiência acarretará, a quem der causa, uma multa de 50% dos dias que faltam para o término do contrato. Importante mencionar que não existe contrato de experiência sem registro em Carteira. O trabalho de empregados sem registro poderá acarretar sérios problemas ao empregador, tais como ações trabalhistas e multas do Ministério do Trabalho, além do que pode ficar caracterizado crime. 61) Se alguém presta serviços na minha empresa, por exemplo, 2 horas por semana, só aos sábados, ele é empregado? Deve ser assinada a Carteira de Trabalho? Há alguma particularidade no contrato por tempo parcial? Sim. Se o empregado presta serviços com habitualidade para a empresa, por menor que seja a carga horária, ele é empregado, e deve ser procedida a anotação na Carteira de Trabalho e recolhimento dos encargos. Naturalmente, o valor da remuneração poderá ser proporcional ao tempo trabalhado, sendo que assim os encargos serão menores. Contudo, sempre que uma pessoa, mediante remuneração, prestar pessoalmente, com habitualidade e com subordinação (ou dependência) do empregador, ele é empregado. Esta regra não se aplica para empregados domésticos, em que a lei exige continuidade, e não habitualidade. Assim, empregados domésticos que trabalhem em uma residência, por exemplo, 2 vezes por semana são tidos, em regra, como autônomos, e não como empregados. Nos contratos por tempo parcial, os empregados não podem prestar horas extras, e estes não tem direito a 30 dias de férias por ano, mas férias menores, conforme tabela a seguir: I - dezoito dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte e duas horas, até vinte e cinco horas; II - dezesseis dias, para a duração do trabalho semanal superior a vinte horas, até vinte e duas horas; III - quatorze dias, para a duração do trabalho semanal superior a quinze horas, até vinte horas; IV - doze dias, para a duração do trabalho semanal superior a dez horas, até quinze horas; V - dez dias, para a duração do trabalho semanal superior a cinco horas, até dez horas; VI - oito dias, para a duração do trabalho semanal igual ou inferior a cinco horas. 62) Quais são os encargos incidentes sobre a folha de pagamento? Quais as alíquotas? As empresas Optantes pelo Simples Nacional, enquadradas no anexo I, II, III e V não pagam INSS sobre a folha de pagamento. A guia de INSS paga pelas empresas optante pelo Simples em tais anexos é apenas o repasse do desconto do INSS dos empregados. Se a empresa estiver no anexo IV deverá pagar INSS na alíquota de 20% sobre o valor da folha de pagamento. Para empresas que não optam pelo Simples, além dos 20% de alíquota de INSS, a empresa deve pagar também terceiros (Sesc, Senai, Sesi, Salário Educação, Sebrae, etc.) e seguro acidente de trabalho, que usualmente fica entre 6,8% e 8,8%. O FGTS é direito de todos os empregados, independentemente do regime tributário da empresa, no valor de 8% sobre a remuneração, e deve ser depositado mensalmente em conta vinculada do FGTS. Na rescisão sem justa causa por iniciativa da empresa deve ser pago também a multa rescisória do FGTS, de 40% sobre o saldo da conta vinculada, mais 10% a título de contribuição social para a União. 63) Caso eu tenha algum empregado que passe mais de um dia fora da empresa, de forma que eu não tenha condições de controlar seu horário, como devo proceder? Há algum contrato de trabalho diferenciado nestes casos? Alguns empregados que trabalham em funções externas, tais como vendedores, motoristas, etc., e que fiquem durante dias fora da empresa, podem ser enquadrados como empregados não submetidos a controle de horário, na forma do artigo 62 da CLT, desde que não seja possível o controle de seus horários. Neste caso, a empresa fica isenta do pagamento de eventuais horas extras. Sugere-se que o empresário consulte seu advogado para ter certeza de que ele pode ser enquadrado no regime 26 27

17 do artigo 62 da CLT. Este fato deve ser informado ao escritório no momento do registro para que tal fato seja anotado no contrato e na Carteira de Trabalho do empregado. 64) Será que estou obrigado a realizar declaração de Imposto de Renda Pessoa Física? Tendo em vista que a gama de pessoas obrigadas a declarar imposto de renda é muito grande, e que a Receita Federal altera os critérios de obrigatoriedade com razoável frequência, recomenda-se que no mês de março de cada ano o cliente entre em contato com o escritório para saber se está obrigado ou não a declarar. Há incidência de multa para a pessoa que estiver obrigada a declarar e não o fizer, ou fizer em atraso. 65) Qual é o prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física? Há algum benefício para quem entregue no início do prazo e não deixe para os últimos dias? A declaração de imposto de renda de pessoa física usualmente deve ser entregue até o último dia útil do mês de abril de cada ano. Contudo, quem se adiantar e entregar a declaração no início de março, receberá sua restituição, caso o tenha, nos primeiros lotes. engenheiro. Se a empresa tiver riscos ambientais ou atividade potencialmente poluidora, é necessário profissional de engenharia ambiental para o devido licenciamento ambiental junto ao IAP ou outros órgãos ambientais. Se a empresa tiver empregados, é necessária a contratação de médico do trabalho e técnico de segurança do trabalho para os programas de saúde na empresa. Observe a legislação pertinente à sua atividade específica, e se for o caso consulte o escritório ou seu advogado para total formalização de sua atividade. Cadastros junto ao DER, EMBRATUR, ANTT, ANVISA, INMETRO, ANP dentre outros órgãos ou agências reguladoras podem ser obrigatórios dependendo de sua atividade, e é conveniente que você esteja assistido por profissional especializado Caso eu precise paralisar as atividades de minha empresa, seja de forma temporária ou definitiva, como devo proceder? Ocorrendo alguma destas situações, é necessário que o sócio administrador entre em contato com o escritório imediatamente para que seja encaminhado contrato de baixa ou manutenção. 66) Caso eu resolva vender algum bem particular, quais cuidados devo tomar antes de realizar a transação? Antes de vender algum bem é importante que o cliente entre em contato com o escritório para verificar se haverá ou não ganho de capital. Isso quer dizer que se o cliente obtiver ganho na venda de algum bem, provavelmente terá que pagar o imposto sobre ganho de capital. Importante observar que o imposto sobre ganho de capital é devido no mês seguinte ao da venda do bem e não no ano seguinte, no momento do fechamento da declaração. Caso o cliente venda um bem ao longo do ano e somente deixe para apurar o ganho de capital no momento do fechamento da declaração no ano seguinte, terá que pagar o imposto acrescido de juros e multas. 67) Além do escritório contábil, quais outros tipos de serviços técnicos eu devo consultar para desenvolver minhas atividades? O Gruber é um escritório grande, e que oferece suporte amplo nas áreas fiscais, contábil e de departamento pessoal. Mas ainda assim há diversas questões legais da empresa que não são de competência do profissional de contabilidade, razão pela qual alertamos para, quando for o caso, contratar o profissional competente. Dependendo da atividade da empresa, pode ser obrigatório que você contrate outros profissionais. Por exemplo: se desenvolver atividades de obras, é obrigatório ter 28 29

18 Prezado cliente, quando você tiver alguma dúvida pode recorrer aos setores abaixo relacionados pelos telefones indicados. CONTÁBIL E FISCAL Setor responsável pela parte de lançamento de notas fiscais de entrada, saída, lançamentos contábeis e emite as guias de DAS, PIS, COFINS, IRPJ, CONTRIBUIÇÃO SOCIAL. DEPARTAMENTO PESSOAL Setor responsável pelo registro de empregados, emissão de folhas de pagamento, alteração de salários, anotações na CTPS, emissão de férias, etc. É o setor que emite as guias de FGTS, INSS, CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. LICITAÇÕES E CONTRATOS I Setor responsável pela elaboração de contratos, auxílio em licitações, etc. CADASTROS Local em que se realizam cadastros para órgãos em geral. IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA Setor que auxilia na Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física. ABERTURA DE EMPRESAS E ALTERAÇÕES CONTRATUAIS Setor que realiza a abertura de empresas e alterações de contrato social. FINANCEIRO Setor onde se verificam os pagamentos dos serviços do escritório. GERAL Caso não se saiba qual ramal ligar, o cliente poderá ligar para este número, no qual atenderá a telefonista, pessoa que poderá auxiliar no encaminhamento do atendimento telefônico. SETOR DE QUALIDADE Serviço de melhorias e controle de qualidade, onde se podem fazer reclamações, sugestões ou elogios referentes ao trabalho desempenhado pelo escritório. Conteúdo atualizado até 31/12/2011

19 TOLEDO (45) Rua Santos Dumont, Centro CASCAVEL (45) Rua Recife, Centro GRÁFICA IMAGEM

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa.

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa. Manual do Cliente Manual do cliente Prezado cliente, Para que sua empresa esteja sempre regular perante todas as esferas de fiscalização existentes, é necessário que mensalmente um conjunto de informações

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL RAJA LTDA. I - INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo orientar ao cliente quanto aos procedimentos realizados por nossa empresa, para que todos tenham

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE Elaborado por: KLUKE SERV. CONT. E ECON. LTDA. Em: Janeiro de 2008 Atualizado em: Novembro de 2008 REGISTRO

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO Seguem abaixo, orientações sobre o arquivo de documentos em vossa empresa, para sua segurança e para melhor controle administrativo, facilitando assim qualquer

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail:

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail: ACESSUS Contabilidade Ltda. CRC RS 3.677 Rua Theodomiro Porto da Fonseca, 210 sala 02 Bairro Centro Estância Velha RS (Próximo à Prefeitura Municipal) Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Como é calculado o salário do aprendiz?

Como é calculado o salário do aprendiz? Como é calculado o salário do aprendiz? 1º PASSO - Cálculo da hora nua: Hora nua = salário mínimo / 150 horas (n. de horas/mês) * 150 = 30 horas semanais x 5 semanas Ex.: 424,00 / 150 = 2,826 Salário base

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012 CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO Próxima turma com inicio em Março de 2012 Conteúdo Programático: Abertura e Encerramento de Empresas: Decisão quanto a forma jurídica; Empresa Individual; Sociedade Empresária

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL TREINAMENTO Visão Estar posicionada entre as maiores e melhores provedoras de solução de gestão empresarial do Brasil Missão Desenvolvimento e fornecimento de soluções e serviços através de softwares para

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS. Clientes ContMais

GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS. Clientes ContMais GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS Clientes ContMais G U I A R Á P I D O D E P R O C E D I M E N T O S ContMais Assessoria Contábil ContMais Assessoria Contábil Rua Antonio José da Silva Martelinho nº 192 Parque

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014 Neste bip Como converter o arquivo CAGED para acerto... 1 Novo modo de alterar senha de operador... 2 Novo recurso no lançamento [+ planilha]... 2 13 parcela final e SEFIP... 3 Como converter o arquivo

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Neste bip. Arquivos XML. Você Sabia? edição 36 Agosto de 2013

Neste bip. Arquivos XML. Você Sabia? edição 36 Agosto de 2013 Neste bip Arquivos XML... 1 Quais Demonstrações Contábeis devo apresentar? 2 Contabilização da folha... 3 Atenção ao salário família... 4 Conferência das compensações de INSS... 4 Workshop online... 5

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

Contribuição Sindical dos empregados. Neste bip. Você sabia? edição 19 Março de 2012

Contribuição Sindical dos empregados. Neste bip. Você sabia? edição 19 Março de 2012 Neste bip Contribuição Sindical dos empregados... 1 Alterações no Aviso Prévio conforme Circular MTE 10/2011... 2 Formas de contabilização da Escrita Fiscal... 3 Importação de Notas Fiscais de Serviço...

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Manual da Aprendizagem

Manual da Aprendizagem Manual da Aprendizagem Preparado pelo Centro Social Betesda (CSB) INTRODUÇÃO Aprendizagem é uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei 10.097, que regulariza o trabalho de adolescentes

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL

DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL O responsável legal pelo educando deverá apresentar os documentos abaixo relacionados; de todo os membros do grupo familiar onde o aluno esta inserido,

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO APRENDIZ E ESTAGIÁRIO Aprendiz é aquele que mediante contrato de aprendizagem ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 e menor de 24 anos,

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Cartilha do Estagiário das FaFEM

Cartilha do Estagiário das FaFEM Cartilha do Estagiário das FaFEM Apresentação Dúvidas Freqüentes Resumo dos principais pontos da lei 11.788 Legislação reguladora dos estágios: Lei Federal 11.788 de 25/09/2008 Apresentação As FaFEM, no

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.0 21/10/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 11, 13, 22, 29, 30, 33, 34, 40, 45, 47 e 50 Incluído: itens 12, 14, 15,

Leia mais

www.informacontabil.com.br

www.informacontabil.com.br MANUAL PRÁTICO E OBJETIVO DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE INFORMA CONTABIL 2ª edição Fone: (31) 3332-0544 www.informacontabil.com.br Apresentação A Informa Contábil, está implantando um sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços

Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços Manual de Relacionamento com Fornecedores de Materiais e Serviços 2 1. Introdução Para que possamos crescer e nos desenvolver de forma sustentável garantindo a melhoria contínua nos processos, acreditamos

Leia mais

Neste bip. Importação de dados Fiscais para o Rumo. Você Sabia? edição 28 Dezembro de 2012

Neste bip. Importação de dados Fiscais para o Rumo. Você Sabia? edição 28 Dezembro de 2012 Neste bip Importação de dados Fiscais para o Rumo... 1 Controle de contas a pagar e a receber... 2 Quando calcular o 13 salário complementar?... 2 Férias Coletivas... 3 MEI - Afastamento por licença maternidade...

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais