ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini*"

Transcrição

1 ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini* Resumo A pesquisa tem como objetivo responder as seguintes questões principais: como ocorre a elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola por ciclos de formação e como são selecionados os conceitos a serem trabalhados com os adolescentes pelo grupo de professores. A perspectiva teórico-histórica-cultural baseada nos autores Vygotsky e Lúria defende que a aprendizagem ocorre primeiro nas práticas sociais para uma posterior internalização dos conhecimentos. Estes autores argumentam que é longo o processo de desenvolvimento conceitual e é apenas na adolescência que é possível pensar por meio de conceitos, isto é, realizando os processos de análise e de generalização que lhe são próprios. O trabalho analisa como os conceitos são selecionados pelos professores da escola a partir de investigação na comunidade sobre as visões de mundo dos moradores e alunos. O conceito selecionado nesse processo foi o de produção capitalista. O desenvolvimento da rede de conceitos que emergiram a partir do conceito de produção capitalista foram analisados em dois momentos: no primeiro, por meio das interlocuções entre colegas mediada pela pesquisadora-professora e, no segundo, por meio dos registros individuais de cada aluno sobre suas hipóteses a respeito do problema levantado pela professora, qual seja, as causas das desigualdades sociais no Brasil. A análise busca evidenciar em que medida são usados os conceitos escolares entrelaçados com os conceitos cotidianos. Palavras-chave: ciclos de formação, conceitos, investigação na comunidade e produção capitalista. ABSTRACT This research has the purpose of answering the following key questions: how teenagers develop concepts as regards History in a school using the educational cycles system, and how the concepts to be worked on with the teenagers are chosen by the teachers. The theoretical, historical and cultural perspective based on authors Vygotsky and Luria advocates that learning first takes place in social practices for a subsequent internalization of knowledge. These authors argue that the process of concept formation is long, and only in adolescence it s possible to think by means of concepts, that is, operating the processes of analysis and generalization that are peculiar to these.

2 1 This paper analyzes how concepts are chosen by the teachers based on an investigation into the community about its inhabitants and students views. The development of the set of concepts that arose from the capitalist production concept was analyzed in two steps: firstly, by means of interlocutions between classmates mediated by the teacher-researcher; secondly, by means of individual records from each student approaching their assumptions about the problem raised by the teacher, namely, the causes of social inequality in Brazil. The analysis attempts at elucidating to what extent scientific concepts are used in close association with ordinary concepts. Key-words: educational cycles, concepts, investigation into the community and capitalist production. * Esse artigo é uma síntese de alguns capítulos da dissertação de mestrado Elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola organizada por ciclos de formação defendida no Departamento de Educação da PUC-RS, em 2003, sob a orientação da Professora Doutora Délcia Enricone. INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa o desenvolvimento conceitual do adolescente, na disciplina de história, em uma escola municipal de Porto Alegre organizada por ciclos de formação. A perspectiva teórica abordada é a histórico cultural tendo como marco de referência os trabalhos de Vygotsky e Lúria. Com relação à disciplina de história, as bases teóricas são os trabalhos dos historiadores marxistas Thompson, Emília Viotti da Costa, entre outros, e algumas influências de autores da escola dos Annales, Lê Goff e Braudel. As Escolas Municipais de Porto Alegre estão estruturadas por Ciclos de Formação. São três ciclos e cada ciclo compreende três anos de acordo com a faixa etária. No primeiro Ciclo as crianças têm de 6 a 8 anos; no segundo Ciclo, de 9 a 11 anos e no terceiro, de 12 a 14 anos. Teoricamente não há reprovação.

3 2 A escola pesquisada organiza o currículo por meio de pesquisa realizada no local em que está inserida a escola e com os próprios alunos no cotidiano escolar. Esse processo chama-se de Complexo Temático. 1. Construção do Complexo Temático O primeiro passo é a realização da pesquisa na comunidade. Os professores elaboraram questões utilizadas como pistas para a entrevista com os moradores, diferente de um questionário, com perguntas e respostas. Do ponto de vista metodológico, pode-se classificar como uma entrevista semi-estruturada, cuja preocupação é deixar o entrevistado a vontade para que possa falar sobre sua história, seus desejos, seus problemas em nível pessoal e coletivo. Das entrevistas foram selecionadas as falas consideradas mais significativas. Por falas significativas entendem-se aquelas que poderiam suscitar reflexões mais aprofundadas a fim de problematizá-las apresentando outras possibilidades, outras maneiras de percepção e compreensão da realidade via conhecimento escolar. Essas falas sintetizam várias outras, e considerou-se importante registrá-las nessa pesquisa para a compreensão dos conceitos e da primeira fala escolhida pelos professores, como orientadora do trabalho pedagógico. Crenças: Se a mãe não vai para rezar, o casal se separa e os filhos começam a roubar, se drogar e fazer coisas ruins. ; Eu era católica, meu filho parou de estudar a Bíblia com as testemunhas de Jeová porque o mundo ia acabar. Não precisa mais nada se for honesto. Trabalho: Se as pessoas querem trabalhar, tem o que fazer ; Eu não tenho estudo e hoje preciso de estudo para conseguir emprego ; Agora a senhora me pegou professora. Não sei nada que possa ajudar essa comunidade a trabalhar.

4 3 Meio Ambiente: Aqui o pessoal não é unido para fazer uma cooperativa; cada um quer fazer por si, o resto que se dane ; Se tu tem, tem; se não tem, se vira ; A gente que é pobre tem que ser unido, se não nunca vai ser nada Alguns moradores percebem a importância da união para a gente que é pobre, outros observam que há muito individualismo, se tu tem, tem; se não tem se vira, e alguns dão importância para a religião como forma de ajuda na solução de seus problemas. 2. A elaboração do conceito de produção capitalista 2.1. A elaboração conceitual na interlocução: a atividade intermental Foi trabalhado com o conceito de produção capitalista escolhido a partir da fala de um dos moradores: Se tu tem, tem. Se não se vira e dos princípios Ser e Ter discutidos entre os professores. Ampliar o leque de explicações dos alunos a respeito das desigualdades sociais. Possibilitar a reflexão para além da questão individual de falta de vontade, capacidade ou sorte, e poder perceber o sistema e suas implicações na vida dos familiares. O conceito de sistema capitalista não foi trabalhado só a partir de definições diretas, mas a partir de problematizações e enunciações de situações práticas do cotidiano. Assim, levou-se em conta a história do aluno e suas produções de sentidos. Esse conceito coordenou uma rede de outros conceitos que foram desenvolvidos por meio das atividades propostas. Retomaram-se as explicações dadas pelos alunos sobre as causas dos problemas sociais a partir das músicas trazidas por eles. A discussão partiu das seguintes frases dos alunos: (a) Os patrões substituem pessoas por máquinas ; (b) tinha que ter mais emprego, mas os

5 4 patrões não querem dar serviço ; (c) não tem 1 0 grau completo ; (d) nos políticos corruptos e pessoas sem vontade de trabalhar. A elaboração conceitual será analisada na dinâmica das interlocuções, na aceitação ou na rejeição das vozes que se fazem presentes, no confronto ou no aprofundamento das afirmações feitas e nas condições de consolidação dessas vozes. Parte dessa discussão é transcrita abaixo para posterior análise, sendo enumeradas as falas para identificá-las na interpretação: (1) Professora.: Os patrões substituem pessoas por máquinas. Por que? (2) Rafael: Eles não pagam o salário. (3) Professora: O custo da produção é menor, gasta menos com o trabalhador. (4) Núbia: Quer gastar menos e ele quer ter mais lucro. (5) Rafael: Ele quer pagar menos e produzir mais. (6) Professora: Além de ter um lucro maior, pagar menos para o trabalhador; o que acontece com os concorrentes dele se ele colocar máquinas no lugar das pessoas? (7) Cristian: Vão embora. (8) Professora.: Como assim, vão embora? (9) Cristian: São despedidos. (10) Professora.: O que é concorrente dele? Vamos pegar o exemplo da fábrica de salgadinhos Elma Chips. Quem é um concorrente da Elma Chips, por exemplo? (11) Núbia: Coca-Cola (12) Professora.: coca-cola é refrigerante, Elma Chips é salgadinho. (13) Núbia: Tá mais, é um concorrente. Fandangos (14) Professora.: Fandangos podiam ser, mas é da mesma marca Elma Chips. Vocês trouxeram outras marcas de salgadinho. (15) Edson: Então mostra, mas é de baixa qualidade. (16) Cristian: tem salgadinhos que é só R$ 0,50, o salgadão. (17) Professora.: Por que tem salgadinho que o preço é menor? (18) Cristian: porque não tem marca. (19) Núbia: porque são fabricados aqui no Brasil.

6 5 (20) Professora: o que tem marca tem que mandar royalts, dinheiro para onde? (21) Aluno: para os Estados Unidos. (22) Professora: Então porque ele é mais caro, será que é porque tem mais qualidade do que o daqui? (23) Diana: porque ele foi produzido nos Estados Unidos, tudo que é produzido lá tem mais qualidade. (24) Núbia: Eu prefiro pagar R$ 1,20 e comer o salgadinho Elma Chips, do que pagar R$ 0,50 e comer qualquer salgadinho. (25) Cristian: duvido, poderia comer bem mais. (26) Edson: sobra mais dinheiro, demora mais para comer porque tem mais. (27) Professora: isso que a Diana falou, a fabrica está no Brasil, mas a origem da indústria é de lá, precisa mandar dinheiro para lá. (28) Núbia: e a qualidade vem de lá. (29) Professora: eles têm uma orientação de como produzir. (30) Professora.: se for um salgadinho nacional tem uma qualidade inferior do que se a fábrica originou-se nos Estados Unidos? É uma questão de qualidade, sentem no gosto ou é numa questão de propaganda? (31) Cristian: o salgadão de R$ 0,50 parece um isopor, nem tem gosto. (32) Edson: o de R$ 0,50 tem um gosto de ranço. (33) Professora: concordam com a Diana e o Edson, tem qualidade inferior porque é nacional? (34) Núbia: não porque é nacional, mas porque não são bem produzidos... tem um que parece só misturado com farinha. (35) Professora: voltando a questão dos concorrentes. Como exemplo a Elma Chips, ela é uma das maiores indústrias de salgadinho do mundo. Como ela veio a conseguir isto? (36) Edson: o salgadinho era muito bom e vendeu muito. (37) Núbia: engolindo as outras empresas. (38) Professora: pra ela ser muito boa, tem que desenvolver o que? (39) Edson: ter qualidade. (40) Núbia: engolindo as outras empresas.

7 6 (41) Professora: como engolir as outras empresas? (42) Cristian: produzindo mais e com mais qualidade. (43) Professora. Como produzir mais? (44) Edson, Cristian, Núbia: com mais trabalhador, usando máquinas. (45) Professora: o que acontece para ela engolir as outras, como fica o preço do salgadinho? (46) Núbia: ela deixa o preço mais baixo, quando começa a dar ibope ela vai aumentando o preço. (47) Cristian: começa a sair mais, começa a aumentar o preço. (48) Professora: quando o preço está mais baixo, onde as pessoas vão comprar? (49) Núbia: as pessoas vão comprar onde o preço está mais baixo. (50) Professora: O que acontece com as outras empresas? (51) Diana: vão caindo. Para responder a primeira pergunta, Núbia (4) referiu-se ao conceito genérico de lucro. A palavra desempenhou a função de generalização quando articulou os elementos ditos (2,3) em um conceito. A professora referiu-se ao conceito de concorrente (6) que mediou parte da discussão. Cristian (7,9) não entendeu que se tratava da concorrência entre os capitalistas e respondeu que seriam despedidos pensando nos trabalhadores. A primeira resposta dada com relação ao preço menor de alguns salgadinhos foi de Cristian (18). Percebe-se que usa sua experiência cotidiana para afirmar que são os produtos que não tem marca. Os produtos com marcas famosas são caros, considerados de melhor qualidade e dão mais status, sendo consumidos principalmente pelos adolescentes. As marcas passam despercebidas quando não são famosas. Em aula passada, leu-se um texto do livro didático sobre concorrência capitalista e capitalismo monopolista, discutindo-se as dúvidas. Mas, como diz Vygotsky, é preciso vários encontros com a palavra para que seu significado seja elaborado. Como é mais difícil definir o conceito, porque é necessário fazer a

8 7 abstração e a generalização, a professora fez o questionamento a partir de um exemplo prático, lembrando de um dos rótulos de embalagens que os alunos trouxeram (10). Núbia (11) respondeu que um concorrente da Elma Chips é a Coca-Cola. A professora (12) interviu, dizendo que Coca-cola não é salgadinho, é refrigerante. No entanto, em outra aula foi informado que Elma Chips faz parte de um grupo de cinco empresas multinacionais, incluindo a Pepsi-Cola. Portanto, se a aluna lembrou dessa informação está correto afirmar que a Coca-cola é um concorrente forte desse grupo. Diana (23) ainda não tinha incorporado a informação de que a origem do capital é estrangeira, mas a fábrica está no Brasil, no caso do exemplo citado acima e das outras empresas multinacionais. Não levou em conta, na interlocução, o fato de as multinacionais enviarem royalties para o estrangeiro (20). A professora tentou vincular o preço maior do produto de marca estrangeira em relação ao nacional devido ao envio de royalties, mas os alunos não responderam a essa hipótese. As conclusões dos alunos são que a qualidade dos salgadinhos produzidos pela empresa com origem do capital no exterior é melhor do que a nacional (15, 23, 28). Seus argumentos são convincentes, no caso do exemplo citado da Elma Chips, embora a professora tentasse questioná-los (22,30,33). Talvez pudesse ser explorado o fato de que, na competição, essa empresa conseguiu crescer investindo em tecnologia e marketing, em aumento de produção e distribuição de seu produto por praticamente todos os lugares do mundo, desenvolvendo a idéia da Núbia que é melhor porque produz bem (34) e dos outros alunos (42, 47, 49, 51), no mesmo sentido.

9 8 Os alunos mostram um sentimento de inferioridade com a expressão de que tudo que é nacional é inferior ao estrangeiro (19,23). Depois de alguns questionamentos (22,30,33), Núbia (37) reconsiderou sua posição. Núbia respondeu sobre a guerra de preços entre os concorrentes (46, 49) e Cristian repetiu que as empresas começam a aumentar novamente seus preços quando estão vendendo bastante (47). Diana não usou a palavra falência, mas a palavra caindo (51). Faltou retomar a informação de que entre as grandes empresas não ocorrem guerra de preços porque fazem acordos, os cartéis, a fim de não se destruírem. O conceito de concorrência e as informações já introduzidas com os alunos não foram espontaneamente usados nessa discussão. A partir de uma série de perguntas feitas, Núbia (55) explicou que concorrência é quando uma empresa vai engolindo as outras, lembrando-se de um desenho do livro didático onde mostra vários peixes, o maior comendo o menor, sucessivamente, ao tratar sobre essa temática. Essa imagem ficou nas palavras da aluna. 2.2 Buscando pistas da elaboração interna do conceito: a atividade intramental Após ouvirem a fita gravada da discussão realizada sobre suas frases a respeito das causas das desigualdades sociais, os alunos elaboraram individualmente o registro de suas opiniões. Ao propor que os alunos escrevessem um texto sobre as causas das desigualdades sociais, pode-se perceber se o conhecimento escolar está sendo aplicado, se o aluno está conseguindo fazer o movimento descendente de que fala Vygotsky, isto é, utilizar os conceitos escolares para auxiliar na compreensão da realidade, na visão de mundo.

10 9 Assim, direcionou-se o olhar, a observação e a análise para os modos de dizer de cada aluno, buscando perceber como foi sendo elaborado o diálogo com as palavras alheias. Esse foi o critério para o agrupamento dos textos. A análise do material foi revelando três modos de relação com os conceitos e informações estudados: os que não incorporaram em seu texto o conhecimento escolar trabalhado, embora, algumas vezes, os alunos referiram-se aos questionamentos dos colegas (1); os que mostraram a forma como pensam, mas com algumas marcas dos conceitos introduzidos em aula (2) e os que mostraram mais as idéias trabalhadas em aula, não prescindindo de seus traços pessoais (3) Hipóteses a partir dos conceitos cotidianos Núbia escreveu: No Brasil inteiro é que pessoas que têm dinheiro, mais posse, pensam só em si mesmas e não pensam nas outras pessoas. E também quando pensam querem explorar os que não têm estudo porque não querem saber o porque a vida não deu oportunidade de estudo. Tudo isso traz problemas sociais. Fez sua análise a partir da vontade ou não das pessoas, de seus sentimentos, não usando os conceitos trabalhados de concorrência entre as empresas, sistema capitalista, exploração, luta de classes, mais-valia. Nessa frase, pode-se perceber um sentimento paternalista, de que alguém com mais condições, com posses, teria que ajudar os que precisam. Marx e Engels (1998), ao analisarem o socialismo utópico, criticaram sua inoperância porque as transformações dependiam da boa vontade dos indivíduos, sem relação com a análise da sociedade, com os interesses entre as diferentes

11 10 classes sociais e suas lutas políticas. Segundo esses autores, as mudanças não virão de cima para baixo, mas são fortalecendo os movimentos dos oprimidos, seus movimentos políticos que alcançarão mudanças estruturais. Núbia participou ativamente do debate e foi quem mais respondeu aos questionamentos da professora, a fim de orientar para a análise a partir dos conceitos trabalhados. No entanto, não levou em conta esse conhecimento em seu texto. É uma das alunas mais críticas ao fato de a professora não seguir rigidamente o conteúdo do livro de 7ª série e de trabalhar com a história do Timbaúva, loteamento onde moram os alunos. Pode ser o questionamento velado do dizer de quem tem na relação de ensino o papel institucional de ensinar que não condiz com a idéia e experiência que a aluna tem de escola Entrelaçamentos dos conceitos cotidianos com os conceitos sistematizados Neste segundo grupo percebe-se algumas marcas dos conceitos e informações trabalhados em aula, embora a ênfase seja de outras vozes. Gessilaine: Não adianta ter os estudos completos e não conseguir emprego. As faxineiras ganham um salário bom e não precisam ter os estudos completos. Os produtos que não são produzidos no Brasil têm mais qualidade do que os que são produzidos aqui no Brasil. Empresas que vão caindo, são compradas pelas que têm mais lucros, assim eles começam a lucrar de novo. As pessoas têm que estarem conscientes quando votarem para não ficar falando dos políticos que não fazem nada pela gente.os moradores precisam ir sempre às reuniões para mudar um pouco o

12 11 Timbaúva. Tinha que ter calçadas e asfalto em todo o Timbaúva. Gessilaine identifica a dificuldade em conseguir emprego, mesmo tendo estudo. A mobilidade social por meio do estudo é difícil em uma sociedade com grande dependência externa como a nossa. O trabalho intelectual é reservado para parte da classe dominante. São poucas as brechas para quebrar com essa regra. Na disputa pelo emprego, é levado em conta onde estudou, onde mora, o sobrenome, a aparência física, como está vestido. Entre os trabalhos manuais, um setor que ainda tem emprego é o de faxineira e com um salário bom relativamente às outras profissões da maioria dos moradores do Timbaúva. Referiu-se a concorrência no capitalismo, embora não tenha usado diretamente esse conceito, no qual umas empresas compram as outras. Destacou, do debate, a necessidade de participação dos moradores nas reuniões para as mudanças. Há algumas experiências de moradores obtendo conquistas dessa forma. Nessa frase percebe-se a idéia de autonomia, de organização, de força coletiva para a obtenção de conquistas. Quando fala da necessidade do voto consciente, para não ficar falando dos políticos que não fazem nada pela gente, volta a questão do paternalismo. É importante a expressão que usa, a consciência do voto, mas fica subentendida nessa frase que não é obrigação dos políticos criarem mecanismos para melhorar as condições de vida dos moradores Os conceitos sistematizados Esses alunos usaram conceitos e informações trabalhados em diferentes textos e atividades, embora sempre com traços pessoais, permeados de suas experiências, suas vivências. Não participaram verbalmente do debate feito, que

13 12 deu origem à proposta desse texto, mas percebe-se que estavam atentos e elaborando suas idéias internamente: Claudete escreve: Têm pessoas que compram pela marca, não por gostar de comer; têm pessoas que não conseguem emprego pelo baixo grau de escolaridade. Existem empresas que pagam pouco aqui no Brasil para poder ganhar mais no país de origem. As grandes empresas ganham lucros para o seu país de origem. Grandes marcas que têm de beneficiar as pessoas, prejudica a sua saúde, a coca-cola deixa os ossos fracos. Têm marcas bastante conhecidas e outras nem tanto. Então, quando as pessoas não compram tanto como a outra tão conhecida, vão quebrando. Quando vão quebrando têm mais desemprego e com desemprego contribuem para o salário continuar baixo. Se todos nós discutirmos mais sobre o desemprego, nós todos juntos podemos fazer novos empregos com a participação dos moradores. Claudete referiu-se a concorrência entre os capitalistas como uma das causas do desemprego, contribuindo para manter os salários baixos. Destacou a importância da empresa ter uma marca forte para não quebrar e o baixo salário pago pelas multinacionais. Afirmou a importância das discussões sobre a realidade e da participação dos moradores para a obtenção de empregos. Salienta a importância dos debates e da participação. Usou os conceitos trabalhados em aula. Wagner:

14 13 Os problemas sociais são causados graças às empresas internacionais, que quando ganham o lucro mandam a maior parte para o país de origem (em dólar) e o Brasil vai ficando cada vez mais pobre, porque nós dependemos do dólar para ficarmos desenvolvidos e sem exploração de nenhum outro país mais rico. O desemprego também é causado por causa destas empresas, mas quem trabalha numa empresa internacional ganha o salário mais alto, só que não chega a 2% do que eles lucram. Wagner utilizou a palavra internacional para referir-se às multinacionais. Afirmou que essas empresas enviam parte do lucro em dólares para seus países de origem, empobrecendo mais os países pobres que precisam desses dólares. Tem noção de que mesmo sendo o salário do trabalhador de uma multinacional maior do que os demais trabalhadores representam muito pouco em relação ao lucro dessas empresas. 3. CONCLUSÕES O objeto dessa pesquisa foi à análise da atividade de elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola organizada por Ciclos de Formação. O que significa ensinar por meio de conceitos? Vygotsky (1987) afirmou de que quando encontramos uma palavra pela primeira vez seu desenvolvimento mal começou. A elaboração de um conceito ocorre durante toda a vida porque o nível de complexidade e o grau de generalidade se ampliam de acordo com as vivências e os contextos em que se trabalha essa palavra. Nesta perspectiva teórica, não interessa as respostas homogeneizadas dos alunos, respostas usando a memória de curta duração, isto é, repetindo definições decoradas de conceitos que foram ouvidos ou lidos sem conseguir aplicá-los em outros contextos, sem internalizar o conhecimento, sem fazer as relações com os conceitos cotidianos. Vygotsky (1987) questionou essa forma de

15 14 ensinar: Os conceitos não têm história interna. São absorvidos já prontos através de conexões associativas formadas pela memória. (p. 71). O conceito de sistema capitalista coordena uma série de outros que foram sendo estudados. Em que grau os alunos usaram os conceitos estudados em aula? Estavam aplicando o conhecimento e as informações trabalhadas? Caminhavam no sentido de superar a dicotomia entre conhecimento escolar e conhecimento cotidiano, entre escola e vida? Para alguns alunos ainda falaram mais forte outras vozes que não as do conhecimento escolar. Pode-se dizer que é muito forte a ideologia dominante que responsabiliza os indivíduos pelo desemprego ou salário baixo. Outros alunos começam a relacionar os problemas sociais com a forma como está organizada a sociedade ou com o sistema capitalista. No entanto, é um longo processo como diz Vygotsky e é necessário continuar possibilitando encontros com esses conceitos em diferentes contextos para que ampliem as generalizações e internalizem os conhecimentos, alterando a estrutura de pensamento ao perceber os limites e as pressões das estruturas.

16 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da História. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (orgs) Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, BOIS, Guy. Marxismo e História Nova. In: LE GOFF, Jacques (sob a direção). A história nova. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a História. São Paulo: Ed. Perspectiva, BURKE, Peter. Abertura: A nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, 1992 a. BURKE, Peter. A história dos acontecimentos e o Renascimento da Narrativa. In: BURKE, Peter. (Org.).A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, 1992 b. CARRETERO, Mario. Construir e ensinar as ciências sociais e a história.porto Alegre: Artes Médicas, CHARTIER, Roger. A visão do historiador modernista. In: AMADO, Janaína (Org.). Pensar o tempo presente. Rio de Janeiro: FGV, COSTA, Emília Viotti da. Novos públicos, novas políticas, novas histórias: do reducionismo cultural a busca da dialética. Revista Anos 90, Porto Alegre, n. 10, dezembro de 1998.

17 16 CRUIKSHANK, Julie. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral.Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, CRUZ, Marília Beatriz Azevedo. O ensino de História no contexto das transições paradigmáticas da História e da Educação. In: NIKITIUK, Sônia L. (Org.). Repensando o Ensino de História. São Paulo: Cortez, FALCON, Francisco José Calazans. História cultural: uma visão sobre a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro: Campus, FERRO, Marc. A História Vigiada. São Paulo: Martins Fontes, FONTANA, Roseli Ap. Cação. Mediação pedagógica na sala de aula. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, FONTANA, Roseli e CRUZ, Nazaré. Psicologia e trabalho pedagógico. atual, Ed. FRANÇOIS, Etienne. A fecundidade da história oral. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getulio Vargas, FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, GÓES, M.C.R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos CEDES, Campinas, n. 50, 2000.

18 17 GRELE, Ronald J. Pode-se confiar em alguém com mais de 30 anos? Uma crítica construtiva à história oral. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da história Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, JOUTARD, Philippe. História oral: balanço da metodologia e da produção nos últimos 25 anos. In: FERREIRA, M. de M. e AMADOS, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, LE GOFF, Jacques. A história nova. In: LE GOFF, Jacques (sob a direção). A história nova.3. ed. São Paulo: Martins Fontes, LEITE, Miriam Moreira. Retratos de Família: Leitura da fotografia Histórica. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, LEONTIEV, Aléxis. O Desenvolvimento do Psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte LDA., LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, LOZANO, Jorge Eduardo Aceves. Prática e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, LÚRIA, Alexandr Romanovich. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein e Mário Corso. Porto Alegre: Artes Médicas, MARX, K e ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

19 18 MENDONÇA, Nadir Domingues. O uso dos conceitos (uma tentativa de interdisciplinaridade). Bagé: FAT/FUnBa, NEVES, Maria Aparecida Mamede. Ensinando e aprendendo história. São Paulo: EPU, ROCHA, Ubiratan. Reconstruindo a História a partir do imaginário do aluno. In: NIKITIUK, Sônia L. (Org.). Repensando o Ensino de História. São Paulo: Cortez, SALGADO, Sebastião. A narrativa do olhar. Fotografias de Sebastião Salgado; textos de Tereza Aline Pereira de Queiroz. São Paulo: BEI COMUNICAÇÃO, (Coleção Êxodos: programa educacional). SILVA, Marcos A. da. História: o prazer em ensino e pesquisa. São Paulo: Brasiliense, SILVA, Tomás Tadeu da (Org.); HALL, Stuart e WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. Cortez Editora, THOMPSON, E.P. A Miséria da Teoria ou um planetário de erros- uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio: Zahar Editores S.A., TOURTIER-BONAZZI, Chantal de. Arquivos: propostas metodológicas. In: FERREIRA, M.de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996.

20 19 VYGOTSKY, Lev. Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, ed.; VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999 (b) VOLDMAN, Danièle. Definições e usos. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996 a. VOLDMAN, Danièle. A invenção do depoimento oral. In: FERREIRA M.de M. e AMADO, J. (Orgs) Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996 b.

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Leite, O Meu Melhor Amigo. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Leite, O Meu Melhor Amigo é um episódio da

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Como desenvolver projetos

Como desenvolver projetos 1 Coletânea de Projetos Educação de Jovens e Adultos Como desenvolver projetos No 1º semestre de 2007, os calendários da Educação de Jovens e Adultos - Ensino Fundamental e Ensino Médio passaram a contemplar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

LER O DESENHO E OUTRAS REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: A PALAVRA DO TRABALHADOR

LER O DESENHO E OUTRAS REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: A PALAVRA DO TRABALHADOR LER O DESENHO E OUTRAS REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: A PALAVRA DO TRABALHADOR Denise Maria Cordeiro Terra (UERJ) O estudo se propõe a registrar um trabalho de pré-doutoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

O USO DAS NTICs NA FORMAÇÃO ACADÊMICO PROFISSIONAL DOCENTE

O USO DAS NTICs NA FORMAÇÃO ACADÊMICO PROFISSIONAL DOCENTE O USO DAS NTICs NA FORMAÇÃO ACADÊMICO PROFISSIONAL DOCENTE Fernando Cardoso Ferreira Acadêmico do Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza - Campus Uruguaiana Orientadora: Diana Paula Salomão de Freitas

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Isaias Holowate (isaiasholowate@gmail.com) Silvana Maura Batista de Carvalho. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais