ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini*"

Transcrição

1 ELABORAÇÃO CONCEITUAL DO ADOLESCENTE NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA EM UMA ESCOLA ORGANIZADA POR CICLOS DE FORMAÇÃO Inês Maria Vicentini* Resumo A pesquisa tem como objetivo responder as seguintes questões principais: como ocorre a elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola por ciclos de formação e como são selecionados os conceitos a serem trabalhados com os adolescentes pelo grupo de professores. A perspectiva teórico-histórica-cultural baseada nos autores Vygotsky e Lúria defende que a aprendizagem ocorre primeiro nas práticas sociais para uma posterior internalização dos conhecimentos. Estes autores argumentam que é longo o processo de desenvolvimento conceitual e é apenas na adolescência que é possível pensar por meio de conceitos, isto é, realizando os processos de análise e de generalização que lhe são próprios. O trabalho analisa como os conceitos são selecionados pelos professores da escola a partir de investigação na comunidade sobre as visões de mundo dos moradores e alunos. O conceito selecionado nesse processo foi o de produção capitalista. O desenvolvimento da rede de conceitos que emergiram a partir do conceito de produção capitalista foram analisados em dois momentos: no primeiro, por meio das interlocuções entre colegas mediada pela pesquisadora-professora e, no segundo, por meio dos registros individuais de cada aluno sobre suas hipóteses a respeito do problema levantado pela professora, qual seja, as causas das desigualdades sociais no Brasil. A análise busca evidenciar em que medida são usados os conceitos escolares entrelaçados com os conceitos cotidianos. Palavras-chave: ciclos de formação, conceitos, investigação na comunidade e produção capitalista. ABSTRACT This research has the purpose of answering the following key questions: how teenagers develop concepts as regards History in a school using the educational cycles system, and how the concepts to be worked on with the teenagers are chosen by the teachers. The theoretical, historical and cultural perspective based on authors Vygotsky and Luria advocates that learning first takes place in social practices for a subsequent internalization of knowledge. These authors argue that the process of concept formation is long, and only in adolescence it s possible to think by means of concepts, that is, operating the processes of analysis and generalization that are peculiar to these.

2 1 This paper analyzes how concepts are chosen by the teachers based on an investigation into the community about its inhabitants and students views. The development of the set of concepts that arose from the capitalist production concept was analyzed in two steps: firstly, by means of interlocutions between classmates mediated by the teacher-researcher; secondly, by means of individual records from each student approaching their assumptions about the problem raised by the teacher, namely, the causes of social inequality in Brazil. The analysis attempts at elucidating to what extent scientific concepts are used in close association with ordinary concepts. Key-words: educational cycles, concepts, investigation into the community and capitalist production. * Esse artigo é uma síntese de alguns capítulos da dissertação de mestrado Elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola organizada por ciclos de formação defendida no Departamento de Educação da PUC-RS, em 2003, sob a orientação da Professora Doutora Délcia Enricone. INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa o desenvolvimento conceitual do adolescente, na disciplina de história, em uma escola municipal de Porto Alegre organizada por ciclos de formação. A perspectiva teórica abordada é a histórico cultural tendo como marco de referência os trabalhos de Vygotsky e Lúria. Com relação à disciplina de história, as bases teóricas são os trabalhos dos historiadores marxistas Thompson, Emília Viotti da Costa, entre outros, e algumas influências de autores da escola dos Annales, Lê Goff e Braudel. As Escolas Municipais de Porto Alegre estão estruturadas por Ciclos de Formação. São três ciclos e cada ciclo compreende três anos de acordo com a faixa etária. No primeiro Ciclo as crianças têm de 6 a 8 anos; no segundo Ciclo, de 9 a 11 anos e no terceiro, de 12 a 14 anos. Teoricamente não há reprovação.

3 2 A escola pesquisada organiza o currículo por meio de pesquisa realizada no local em que está inserida a escola e com os próprios alunos no cotidiano escolar. Esse processo chama-se de Complexo Temático. 1. Construção do Complexo Temático O primeiro passo é a realização da pesquisa na comunidade. Os professores elaboraram questões utilizadas como pistas para a entrevista com os moradores, diferente de um questionário, com perguntas e respostas. Do ponto de vista metodológico, pode-se classificar como uma entrevista semi-estruturada, cuja preocupação é deixar o entrevistado a vontade para que possa falar sobre sua história, seus desejos, seus problemas em nível pessoal e coletivo. Das entrevistas foram selecionadas as falas consideradas mais significativas. Por falas significativas entendem-se aquelas que poderiam suscitar reflexões mais aprofundadas a fim de problematizá-las apresentando outras possibilidades, outras maneiras de percepção e compreensão da realidade via conhecimento escolar. Essas falas sintetizam várias outras, e considerou-se importante registrá-las nessa pesquisa para a compreensão dos conceitos e da primeira fala escolhida pelos professores, como orientadora do trabalho pedagógico. Crenças: Se a mãe não vai para rezar, o casal se separa e os filhos começam a roubar, se drogar e fazer coisas ruins. ; Eu era católica, meu filho parou de estudar a Bíblia com as testemunhas de Jeová porque o mundo ia acabar. Não precisa mais nada se for honesto. Trabalho: Se as pessoas querem trabalhar, tem o que fazer ; Eu não tenho estudo e hoje preciso de estudo para conseguir emprego ; Agora a senhora me pegou professora. Não sei nada que possa ajudar essa comunidade a trabalhar.

4 3 Meio Ambiente: Aqui o pessoal não é unido para fazer uma cooperativa; cada um quer fazer por si, o resto que se dane ; Se tu tem, tem; se não tem, se vira ; A gente que é pobre tem que ser unido, se não nunca vai ser nada Alguns moradores percebem a importância da união para a gente que é pobre, outros observam que há muito individualismo, se tu tem, tem; se não tem se vira, e alguns dão importância para a religião como forma de ajuda na solução de seus problemas. 2. A elaboração do conceito de produção capitalista 2.1. A elaboração conceitual na interlocução: a atividade intermental Foi trabalhado com o conceito de produção capitalista escolhido a partir da fala de um dos moradores: Se tu tem, tem. Se não se vira e dos princípios Ser e Ter discutidos entre os professores. Ampliar o leque de explicações dos alunos a respeito das desigualdades sociais. Possibilitar a reflexão para além da questão individual de falta de vontade, capacidade ou sorte, e poder perceber o sistema e suas implicações na vida dos familiares. O conceito de sistema capitalista não foi trabalhado só a partir de definições diretas, mas a partir de problematizações e enunciações de situações práticas do cotidiano. Assim, levou-se em conta a história do aluno e suas produções de sentidos. Esse conceito coordenou uma rede de outros conceitos que foram desenvolvidos por meio das atividades propostas. Retomaram-se as explicações dadas pelos alunos sobre as causas dos problemas sociais a partir das músicas trazidas por eles. A discussão partiu das seguintes frases dos alunos: (a) Os patrões substituem pessoas por máquinas ; (b) tinha que ter mais emprego, mas os

5 4 patrões não querem dar serviço ; (c) não tem 1 0 grau completo ; (d) nos políticos corruptos e pessoas sem vontade de trabalhar. A elaboração conceitual será analisada na dinâmica das interlocuções, na aceitação ou na rejeição das vozes que se fazem presentes, no confronto ou no aprofundamento das afirmações feitas e nas condições de consolidação dessas vozes. Parte dessa discussão é transcrita abaixo para posterior análise, sendo enumeradas as falas para identificá-las na interpretação: (1) Professora.: Os patrões substituem pessoas por máquinas. Por que? (2) Rafael: Eles não pagam o salário. (3) Professora: O custo da produção é menor, gasta menos com o trabalhador. (4) Núbia: Quer gastar menos e ele quer ter mais lucro. (5) Rafael: Ele quer pagar menos e produzir mais. (6) Professora: Além de ter um lucro maior, pagar menos para o trabalhador; o que acontece com os concorrentes dele se ele colocar máquinas no lugar das pessoas? (7) Cristian: Vão embora. (8) Professora.: Como assim, vão embora? (9) Cristian: São despedidos. (10) Professora.: O que é concorrente dele? Vamos pegar o exemplo da fábrica de salgadinhos Elma Chips. Quem é um concorrente da Elma Chips, por exemplo? (11) Núbia: Coca-Cola (12) Professora.: coca-cola é refrigerante, Elma Chips é salgadinho. (13) Núbia: Tá mais, é um concorrente. Fandangos (14) Professora.: Fandangos podiam ser, mas é da mesma marca Elma Chips. Vocês trouxeram outras marcas de salgadinho. (15) Edson: Então mostra, mas é de baixa qualidade. (16) Cristian: tem salgadinhos que é só R$ 0,50, o salgadão. (17) Professora.: Por que tem salgadinho que o preço é menor? (18) Cristian: porque não tem marca. (19) Núbia: porque são fabricados aqui no Brasil.

6 5 (20) Professora: o que tem marca tem que mandar royalts, dinheiro para onde? (21) Aluno: para os Estados Unidos. (22) Professora: Então porque ele é mais caro, será que é porque tem mais qualidade do que o daqui? (23) Diana: porque ele foi produzido nos Estados Unidos, tudo que é produzido lá tem mais qualidade. (24) Núbia: Eu prefiro pagar R$ 1,20 e comer o salgadinho Elma Chips, do que pagar R$ 0,50 e comer qualquer salgadinho. (25) Cristian: duvido, poderia comer bem mais. (26) Edson: sobra mais dinheiro, demora mais para comer porque tem mais. (27) Professora: isso que a Diana falou, a fabrica está no Brasil, mas a origem da indústria é de lá, precisa mandar dinheiro para lá. (28) Núbia: e a qualidade vem de lá. (29) Professora: eles têm uma orientação de como produzir. (30) Professora.: se for um salgadinho nacional tem uma qualidade inferior do que se a fábrica originou-se nos Estados Unidos? É uma questão de qualidade, sentem no gosto ou é numa questão de propaganda? (31) Cristian: o salgadão de R$ 0,50 parece um isopor, nem tem gosto. (32) Edson: o de R$ 0,50 tem um gosto de ranço. (33) Professora: concordam com a Diana e o Edson, tem qualidade inferior porque é nacional? (34) Núbia: não porque é nacional, mas porque não são bem produzidos... tem um que parece só misturado com farinha. (35) Professora: voltando a questão dos concorrentes. Como exemplo a Elma Chips, ela é uma das maiores indústrias de salgadinho do mundo. Como ela veio a conseguir isto? (36) Edson: o salgadinho era muito bom e vendeu muito. (37) Núbia: engolindo as outras empresas. (38) Professora: pra ela ser muito boa, tem que desenvolver o que? (39) Edson: ter qualidade. (40) Núbia: engolindo as outras empresas.

7 6 (41) Professora: como engolir as outras empresas? (42) Cristian: produzindo mais e com mais qualidade. (43) Professora. Como produzir mais? (44) Edson, Cristian, Núbia: com mais trabalhador, usando máquinas. (45) Professora: o que acontece para ela engolir as outras, como fica o preço do salgadinho? (46) Núbia: ela deixa o preço mais baixo, quando começa a dar ibope ela vai aumentando o preço. (47) Cristian: começa a sair mais, começa a aumentar o preço. (48) Professora: quando o preço está mais baixo, onde as pessoas vão comprar? (49) Núbia: as pessoas vão comprar onde o preço está mais baixo. (50) Professora: O que acontece com as outras empresas? (51) Diana: vão caindo. Para responder a primeira pergunta, Núbia (4) referiu-se ao conceito genérico de lucro. A palavra desempenhou a função de generalização quando articulou os elementos ditos (2,3) em um conceito. A professora referiu-se ao conceito de concorrente (6) que mediou parte da discussão. Cristian (7,9) não entendeu que se tratava da concorrência entre os capitalistas e respondeu que seriam despedidos pensando nos trabalhadores. A primeira resposta dada com relação ao preço menor de alguns salgadinhos foi de Cristian (18). Percebe-se que usa sua experiência cotidiana para afirmar que são os produtos que não tem marca. Os produtos com marcas famosas são caros, considerados de melhor qualidade e dão mais status, sendo consumidos principalmente pelos adolescentes. As marcas passam despercebidas quando não são famosas. Em aula passada, leu-se um texto do livro didático sobre concorrência capitalista e capitalismo monopolista, discutindo-se as dúvidas. Mas, como diz Vygotsky, é preciso vários encontros com a palavra para que seu significado seja elaborado. Como é mais difícil definir o conceito, porque é necessário fazer a

8 7 abstração e a generalização, a professora fez o questionamento a partir de um exemplo prático, lembrando de um dos rótulos de embalagens que os alunos trouxeram (10). Núbia (11) respondeu que um concorrente da Elma Chips é a Coca-Cola. A professora (12) interviu, dizendo que Coca-cola não é salgadinho, é refrigerante. No entanto, em outra aula foi informado que Elma Chips faz parte de um grupo de cinco empresas multinacionais, incluindo a Pepsi-Cola. Portanto, se a aluna lembrou dessa informação está correto afirmar que a Coca-cola é um concorrente forte desse grupo. Diana (23) ainda não tinha incorporado a informação de que a origem do capital é estrangeira, mas a fábrica está no Brasil, no caso do exemplo citado acima e das outras empresas multinacionais. Não levou em conta, na interlocução, o fato de as multinacionais enviarem royalties para o estrangeiro (20). A professora tentou vincular o preço maior do produto de marca estrangeira em relação ao nacional devido ao envio de royalties, mas os alunos não responderam a essa hipótese. As conclusões dos alunos são que a qualidade dos salgadinhos produzidos pela empresa com origem do capital no exterior é melhor do que a nacional (15, 23, 28). Seus argumentos são convincentes, no caso do exemplo citado da Elma Chips, embora a professora tentasse questioná-los (22,30,33). Talvez pudesse ser explorado o fato de que, na competição, essa empresa conseguiu crescer investindo em tecnologia e marketing, em aumento de produção e distribuição de seu produto por praticamente todos os lugares do mundo, desenvolvendo a idéia da Núbia que é melhor porque produz bem (34) e dos outros alunos (42, 47, 49, 51), no mesmo sentido.

9 8 Os alunos mostram um sentimento de inferioridade com a expressão de que tudo que é nacional é inferior ao estrangeiro (19,23). Depois de alguns questionamentos (22,30,33), Núbia (37) reconsiderou sua posição. Núbia respondeu sobre a guerra de preços entre os concorrentes (46, 49) e Cristian repetiu que as empresas começam a aumentar novamente seus preços quando estão vendendo bastante (47). Diana não usou a palavra falência, mas a palavra caindo (51). Faltou retomar a informação de que entre as grandes empresas não ocorrem guerra de preços porque fazem acordos, os cartéis, a fim de não se destruírem. O conceito de concorrência e as informações já introduzidas com os alunos não foram espontaneamente usados nessa discussão. A partir de uma série de perguntas feitas, Núbia (55) explicou que concorrência é quando uma empresa vai engolindo as outras, lembrando-se de um desenho do livro didático onde mostra vários peixes, o maior comendo o menor, sucessivamente, ao tratar sobre essa temática. Essa imagem ficou nas palavras da aluna. 2.2 Buscando pistas da elaboração interna do conceito: a atividade intramental Após ouvirem a fita gravada da discussão realizada sobre suas frases a respeito das causas das desigualdades sociais, os alunos elaboraram individualmente o registro de suas opiniões. Ao propor que os alunos escrevessem um texto sobre as causas das desigualdades sociais, pode-se perceber se o conhecimento escolar está sendo aplicado, se o aluno está conseguindo fazer o movimento descendente de que fala Vygotsky, isto é, utilizar os conceitos escolares para auxiliar na compreensão da realidade, na visão de mundo.

10 9 Assim, direcionou-se o olhar, a observação e a análise para os modos de dizer de cada aluno, buscando perceber como foi sendo elaborado o diálogo com as palavras alheias. Esse foi o critério para o agrupamento dos textos. A análise do material foi revelando três modos de relação com os conceitos e informações estudados: os que não incorporaram em seu texto o conhecimento escolar trabalhado, embora, algumas vezes, os alunos referiram-se aos questionamentos dos colegas (1); os que mostraram a forma como pensam, mas com algumas marcas dos conceitos introduzidos em aula (2) e os que mostraram mais as idéias trabalhadas em aula, não prescindindo de seus traços pessoais (3) Hipóteses a partir dos conceitos cotidianos Núbia escreveu: No Brasil inteiro é que pessoas que têm dinheiro, mais posse, pensam só em si mesmas e não pensam nas outras pessoas. E também quando pensam querem explorar os que não têm estudo porque não querem saber o porque a vida não deu oportunidade de estudo. Tudo isso traz problemas sociais. Fez sua análise a partir da vontade ou não das pessoas, de seus sentimentos, não usando os conceitos trabalhados de concorrência entre as empresas, sistema capitalista, exploração, luta de classes, mais-valia. Nessa frase, pode-se perceber um sentimento paternalista, de que alguém com mais condições, com posses, teria que ajudar os que precisam. Marx e Engels (1998), ao analisarem o socialismo utópico, criticaram sua inoperância porque as transformações dependiam da boa vontade dos indivíduos, sem relação com a análise da sociedade, com os interesses entre as diferentes

11 10 classes sociais e suas lutas políticas. Segundo esses autores, as mudanças não virão de cima para baixo, mas são fortalecendo os movimentos dos oprimidos, seus movimentos políticos que alcançarão mudanças estruturais. Núbia participou ativamente do debate e foi quem mais respondeu aos questionamentos da professora, a fim de orientar para a análise a partir dos conceitos trabalhados. No entanto, não levou em conta esse conhecimento em seu texto. É uma das alunas mais críticas ao fato de a professora não seguir rigidamente o conteúdo do livro de 7ª série e de trabalhar com a história do Timbaúva, loteamento onde moram os alunos. Pode ser o questionamento velado do dizer de quem tem na relação de ensino o papel institucional de ensinar que não condiz com a idéia e experiência que a aluna tem de escola Entrelaçamentos dos conceitos cotidianos com os conceitos sistematizados Neste segundo grupo percebe-se algumas marcas dos conceitos e informações trabalhados em aula, embora a ênfase seja de outras vozes. Gessilaine: Não adianta ter os estudos completos e não conseguir emprego. As faxineiras ganham um salário bom e não precisam ter os estudos completos. Os produtos que não são produzidos no Brasil têm mais qualidade do que os que são produzidos aqui no Brasil. Empresas que vão caindo, são compradas pelas que têm mais lucros, assim eles começam a lucrar de novo. As pessoas têm que estarem conscientes quando votarem para não ficar falando dos políticos que não fazem nada pela gente.os moradores precisam ir sempre às reuniões para mudar um pouco o

12 11 Timbaúva. Tinha que ter calçadas e asfalto em todo o Timbaúva. Gessilaine identifica a dificuldade em conseguir emprego, mesmo tendo estudo. A mobilidade social por meio do estudo é difícil em uma sociedade com grande dependência externa como a nossa. O trabalho intelectual é reservado para parte da classe dominante. São poucas as brechas para quebrar com essa regra. Na disputa pelo emprego, é levado em conta onde estudou, onde mora, o sobrenome, a aparência física, como está vestido. Entre os trabalhos manuais, um setor que ainda tem emprego é o de faxineira e com um salário bom relativamente às outras profissões da maioria dos moradores do Timbaúva. Referiu-se a concorrência no capitalismo, embora não tenha usado diretamente esse conceito, no qual umas empresas compram as outras. Destacou, do debate, a necessidade de participação dos moradores nas reuniões para as mudanças. Há algumas experiências de moradores obtendo conquistas dessa forma. Nessa frase percebe-se a idéia de autonomia, de organização, de força coletiva para a obtenção de conquistas. Quando fala da necessidade do voto consciente, para não ficar falando dos políticos que não fazem nada pela gente, volta a questão do paternalismo. É importante a expressão que usa, a consciência do voto, mas fica subentendida nessa frase que não é obrigação dos políticos criarem mecanismos para melhorar as condições de vida dos moradores Os conceitos sistematizados Esses alunos usaram conceitos e informações trabalhados em diferentes textos e atividades, embora sempre com traços pessoais, permeados de suas experiências, suas vivências. Não participaram verbalmente do debate feito, que

13 12 deu origem à proposta desse texto, mas percebe-se que estavam atentos e elaborando suas idéias internamente: Claudete escreve: Têm pessoas que compram pela marca, não por gostar de comer; têm pessoas que não conseguem emprego pelo baixo grau de escolaridade. Existem empresas que pagam pouco aqui no Brasil para poder ganhar mais no país de origem. As grandes empresas ganham lucros para o seu país de origem. Grandes marcas que têm de beneficiar as pessoas, prejudica a sua saúde, a coca-cola deixa os ossos fracos. Têm marcas bastante conhecidas e outras nem tanto. Então, quando as pessoas não compram tanto como a outra tão conhecida, vão quebrando. Quando vão quebrando têm mais desemprego e com desemprego contribuem para o salário continuar baixo. Se todos nós discutirmos mais sobre o desemprego, nós todos juntos podemos fazer novos empregos com a participação dos moradores. Claudete referiu-se a concorrência entre os capitalistas como uma das causas do desemprego, contribuindo para manter os salários baixos. Destacou a importância da empresa ter uma marca forte para não quebrar e o baixo salário pago pelas multinacionais. Afirmou a importância das discussões sobre a realidade e da participação dos moradores para a obtenção de empregos. Salienta a importância dos debates e da participação. Usou os conceitos trabalhados em aula. Wagner:

14 13 Os problemas sociais são causados graças às empresas internacionais, que quando ganham o lucro mandam a maior parte para o país de origem (em dólar) e o Brasil vai ficando cada vez mais pobre, porque nós dependemos do dólar para ficarmos desenvolvidos e sem exploração de nenhum outro país mais rico. O desemprego também é causado por causa destas empresas, mas quem trabalha numa empresa internacional ganha o salário mais alto, só que não chega a 2% do que eles lucram. Wagner utilizou a palavra internacional para referir-se às multinacionais. Afirmou que essas empresas enviam parte do lucro em dólares para seus países de origem, empobrecendo mais os países pobres que precisam desses dólares. Tem noção de que mesmo sendo o salário do trabalhador de uma multinacional maior do que os demais trabalhadores representam muito pouco em relação ao lucro dessas empresas. 3. CONCLUSÕES O objeto dessa pesquisa foi à análise da atividade de elaboração conceitual do adolescente na disciplina de história em uma escola organizada por Ciclos de Formação. O que significa ensinar por meio de conceitos? Vygotsky (1987) afirmou de que quando encontramos uma palavra pela primeira vez seu desenvolvimento mal começou. A elaboração de um conceito ocorre durante toda a vida porque o nível de complexidade e o grau de generalidade se ampliam de acordo com as vivências e os contextos em que se trabalha essa palavra. Nesta perspectiva teórica, não interessa as respostas homogeneizadas dos alunos, respostas usando a memória de curta duração, isto é, repetindo definições decoradas de conceitos que foram ouvidos ou lidos sem conseguir aplicá-los em outros contextos, sem internalizar o conhecimento, sem fazer as relações com os conceitos cotidianos. Vygotsky (1987) questionou essa forma de

15 14 ensinar: Os conceitos não têm história interna. São absorvidos já prontos através de conexões associativas formadas pela memória. (p. 71). O conceito de sistema capitalista coordena uma série de outros que foram sendo estudados. Em que grau os alunos usaram os conceitos estudados em aula? Estavam aplicando o conhecimento e as informações trabalhadas? Caminhavam no sentido de superar a dicotomia entre conhecimento escolar e conhecimento cotidiano, entre escola e vida? Para alguns alunos ainda falaram mais forte outras vozes que não as do conhecimento escolar. Pode-se dizer que é muito forte a ideologia dominante que responsabiliza os indivíduos pelo desemprego ou salário baixo. Outros alunos começam a relacionar os problemas sociais com a forma como está organizada a sociedade ou com o sistema capitalista. No entanto, é um longo processo como diz Vygotsky e é necessário continuar possibilitando encontros com esses conceitos em diferentes contextos para que ampliem as generalizações e internalizem os conhecimentos, alterando a estrutura de pensamento ao perceber os limites e as pressões das estruturas.

16 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da História. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (orgs) Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, BOIS, Guy. Marxismo e História Nova. In: LE GOFF, Jacques (sob a direção). A história nova. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a História. São Paulo: Ed. Perspectiva, BURKE, Peter. Abertura: A nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, 1992 a. BURKE, Peter. A história dos acontecimentos e o Renascimento da Narrativa. In: BURKE, Peter. (Org.).A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, 1992 b. CARRETERO, Mario. Construir e ensinar as ciências sociais e a história.porto Alegre: Artes Médicas, CHARTIER, Roger. A visão do historiador modernista. In: AMADO, Janaína (Org.). Pensar o tempo presente. Rio de Janeiro: FGV, COSTA, Emília Viotti da. Novos públicos, novas políticas, novas histórias: do reducionismo cultural a busca da dialética. Revista Anos 90, Porto Alegre, n. 10, dezembro de 1998.

17 16 CRUIKSHANK, Julie. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral.Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, CRUZ, Marília Beatriz Azevedo. O ensino de História no contexto das transições paradigmáticas da História e da Educação. In: NIKITIUK, Sônia L. (Org.). Repensando o Ensino de História. São Paulo: Cortez, FALCON, Francisco José Calazans. História cultural: uma visão sobre a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro: Campus, FERRO, Marc. A História Vigiada. São Paulo: Martins Fontes, FONTANA, Roseli Ap. Cação. Mediação pedagógica na sala de aula. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, FONTANA, Roseli e CRUZ, Nazaré. Psicologia e trabalho pedagógico. atual, Ed. FRANÇOIS, Etienne. A fecundidade da história oral. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getulio Vargas, FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, GÓES, M.C.R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos CEDES, Campinas, n. 50, 2000.

18 17 GRELE, Ronald J. Pode-se confiar em alguém com mais de 30 anos? Uma crítica construtiva à história oral. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da história Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, JOUTARD, Philippe. História oral: balanço da metodologia e da produção nos últimos 25 anos. In: FERREIRA, M. de M. e AMADOS, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, LE GOFF, Jacques. A história nova. In: LE GOFF, Jacques (sob a direção). A história nova.3. ed. São Paulo: Martins Fontes, LEITE, Miriam Moreira. Retratos de Família: Leitura da fotografia Histórica. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, LEONTIEV, Aléxis. O Desenvolvimento do Psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte LDA., LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, Peter. (Org.). A escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. da Universidade Estadual Paulista, LOZANO, Jorge Eduardo Aceves. Prática e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, LÚRIA, Alexandr Romanovich. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein e Mário Corso. Porto Alegre: Artes Médicas, MARX, K e ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

19 18 MENDONÇA, Nadir Domingues. O uso dos conceitos (uma tentativa de interdisciplinaridade). Bagé: FAT/FUnBa, NEVES, Maria Aparecida Mamede. Ensinando e aprendendo história. São Paulo: EPU, ROCHA, Ubiratan. Reconstruindo a História a partir do imaginário do aluno. In: NIKITIUK, Sônia L. (Org.). Repensando o Ensino de História. São Paulo: Cortez, SALGADO, Sebastião. A narrativa do olhar. Fotografias de Sebastião Salgado; textos de Tereza Aline Pereira de Queiroz. São Paulo: BEI COMUNICAÇÃO, (Coleção Êxodos: programa educacional). SILVA, Marcos A. da. História: o prazer em ensino e pesquisa. São Paulo: Brasiliense, SILVA, Tomás Tadeu da (Org.); HALL, Stuart e WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. Cortez Editora, THOMPSON, E.P. A Miséria da Teoria ou um planetário de erros- uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio: Zahar Editores S.A., TOURTIER-BONAZZI, Chantal de. Arquivos: propostas metodológicas. In: FERREIRA, M.de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996.

20 19 VYGOTSKY, Lev. Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, ed.; VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999 (b) VOLDMAN, Danièle. Definições e usos. In: FERREIRA, M. de M. e AMADO, J. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996 a. VOLDMAN, Danièle. A invenção do depoimento oral. In: FERREIRA M.de M. e AMADO, J. (Orgs) Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1996 b.

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores.

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores. AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY DANDO ÊNFASE AOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS SUPERIORES NO ASPECTO EDUCACIONAL DE CRIANÇAS DE CINCO E SEIS ANOS: UMA EXPERIÊNCIA NA COMUNIDADE DA VILA PRINCESA Cilene

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções.

As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento. PALAVRAS-CHAVE: Letramento. Alfabetização. Professoras. Concepções. As concepções de professoras alfabetizadoras acerca do conceito de letramento RESUMO A recente incorporação do termo letramento no campo da educação brasileira associada com a ampliação do Ensino Fundamental

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA Tamara Biasi Donadel 1 Eduarda Virginia Burckardt 2 Resumo: O ato de brincar está presente na história da humanidade, ficando exposto as modificações ocorridas

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO A RESILIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR E O PAPEL DO PROFESSOR ZÍPORA RAQUEL DE PAULA Resende RJ 2014.1

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx?

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx? UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PLANO DE ENSINO DE TEORIAS DA HISTÓRIA II CURSO/SEMESTRE LICENCIATUTA EM HISTÓRIA 3º SEMESTRE DISCIPLINA TEORIAS DA HISTÓRIA II CARÁTER DA

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU348 DISCIPLINA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE HISTÓRIA CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Docência

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola.

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola. A CRIANÇA EM IDADE PRÉ-ESCOLAR E AS FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES: FOCANDO A ATIVIDADE LUDO- PEDAGÓGICA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO Janaína Pereira Duarte Bezerra Irineu A. Tuim

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA

A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA A TRAJETÓRIA HISTÓRICO-CULTURAL E A FORMAÇÃO DO LEITOR: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL INFANTIL RETRATADA EM HISTÓRIAS DE VIDA Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros Programa de Pós-graduação

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL

DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL 1 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL Dayanne Dailla da Silva Cajueiro (Universidade Federal do Pará- UFPA-PIBID)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. CURITIBA 2005 FERNANDO WOLFF MENDONÇA A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08

PLANO DE ENSINO. Mês/ Unidade s. Conteúdos T/P 1 08 PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: Teorias Educacionais e Curriculares CÓDIGO: NPED 03 FASE DO CURSO: 2ª SEMESTRE LETIVO: 2º 2013 CARGA HORARIA SEMESTRAL/

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Leite, O Meu Melhor Amigo. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Leite, O Meu Melhor Amigo é um episódio da

Leia mais

Água e Óleo: Modelagem e Etnomatemática?

Água e Óleo: Modelagem e Etnomatemática? Água e Óleo: Modelagem e Etnomatemática? Pedro Paulo Scandiuzzi 1 RESUMO Este artigo tem a pretensão de olhar os dois caminhos pedagógicos: o da modelagem matemática e o da etnomatemática, utilizados na

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE.

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 808 EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Samira Ribeiro da Rocha, José Milton

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA 55 Edvaldo José de Oliveira Júnior, Rita de Cássia Cornetti Oliveira, José Ricardo Silva Faculdade de Presidente

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL

AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL AS TIC NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA PESSOAL João da Silveira Guimarães; Ingrid Dittrich Wiggers; Julia Luetz Universidade de Brasília - UnB joaoedf.guimaraes@gmail.com;

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

POSSÍVEIS RELAÇÕES ENTRE TEMPO, ESPAÇO E PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA DE JORNADA AMPLIADA

POSSÍVEIS RELAÇÕES ENTRE TEMPO, ESPAÇO E PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA DE JORNADA AMPLIADA POSSÍVEIS RELAÇÕES ENTRE TEMPO, ESPAÇO E PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA DE JORNADA AMPLIADA Thais Tolentino Santos SOUZA Valdeniza Maria Lopes da BARRA Palavras chave: tempo, espaço, ensino.

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

1. Planejamento da Aula 1 Data 11/04 Primeiro encontro

1. Planejamento da Aula 1 Data 11/04 Primeiro encontro 1. Planejamento da Aula 1 Data 11/04 Primeiro encontro 1) Objetivo: Iniciar a relação mais próxima da professora estagiária com a turma e propiciar momento de integração e reconhecimento entre os alunos

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA.

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. Ana Paula Carvalho Nogueira Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. anacarvalhonogueira@gmail.com

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 Apresentação e Objetivos Caro(a) aluno(a),

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais