SONHOS SOBRE RODAS A SAGA DOS PIONEIROS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SONHOS SOBRE RODAS A SAGA DOS PIONEIROS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL"

Transcrição

1 SONHOS SOBRE RODAS A SAGA DOS PIONEIROS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL

2

3 Antônio Rúbio de Barros Gômara (in memoriam) Nélio Lima SONHOS SOBRE RODAS A SAGA DOS PIONEIROS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PASSAGEIROS NO BRASIL Edição ABRATI

4 Ficha Catalográfica Copyright 2012 by Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros ABRATI Projeto gráfico e capa Edimilson Alves Pereira Nélio Lima Revisão Cecília Fujita Joíra Coelho Furquim Fotos 1ª capa: Acervo Transporte e Turismo Ltda. TTL 2ª capa: Acervo Reunidas S. A. Transportes Coletivos 3ª capa: Acervo Expresso Princesa dos Campos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) L732 Lima, Nélio Sonhos sobre rodas: a saga dos pioneiros do transporte rodoviário de passageiros no Brasil / Nélio Lima, Antônio Rúbio de Barros Gômara (in memoriam) Brasília: ABRATI, p. ; il. fotos; 16 x 23 cm. 1. Transporte rodoviário coletivo Brasil histórias de empresas de transporte rodoviário de passageiros e de seus fundadores. I. Gômara, Antônio Rúbio de Barros. II. Título CDD 385 Todos os direitos reservados à Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros ABRATI SAUS Quadra 1, Bloco J, Edifício CNT, 8 o andar Fone: (61) Fax: (61) Brasília DF abrati.org.br

5 Sumário Apresentação... 7 Nota explicativa... 9 A representação do setor Introdução Auto Viação Catarinense Ltda Empresa Auto Viação Progresso S. A Empresa Unida Mansur & Filhos Ltda Viação Garcia Ltda Empresa de Ônibus Pássaro Marron Ltda Expresso Princesa dos Campos S. A Viação Araguarina Ltda Viação Ouro e Prata S. A Expresso Brasileiro Viação Ltda Empresa de Transportes Gontijo Ltda Viação Salutaris e Turismo S. A Viação Águia Branca S. A Auto Viação 1001 Ltda Empresa Santo Anjo da Guarda Ltda Planalto Transportes Ltda Expresso de Luxo Silva Dimas José da Silva Empresa de Transportes Andorinha S. A Viação Cometa S. A Companhia São Geraldo de Viação União Transporte Interestadual de Luxo S. A. UTIL Reunidas S. A. Transportes Coletivos Real Alagoas de Viação Ltda

6 Viação Cidade do Aço Ltda Viação Progresso e Turismo S. A Viação Santa Cruz S. A Real Expresso Ltda Empresa Sulamericana de Transportes em Ônibus Viação Itapemirim S. A Grupo Guanabara Jacob Barata Transporte e Turismo Ltda. TTL Viação Minuano Empresa de Ônibus Nossa Senhora da Penha S. A Viação Sampaio Ltda Unesul de Transportes Ltda Pluma Conforto e Turismo Bibliografia/Fontes de consulta Entrevistados Documentação/Fontes pesquisadas

7 Apresentação ENTRE SUAS TANTAS ATRIBUIÇÕES, a ABRATI sempre encarou com muita seriedade a missão de zelar para manter viva a memória dos pioneiros que há 60, 70 ou 80 anos, em meio a dificuldades quase insuperáveis, começaram a erguer o sistema brasileiro de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros. Passo importante no sentido de valorizar os feitos daqueles desbravadores foi dado por nossa Associação em 1999 ao lançar o livro O transporte interestadual e internacional de passageiros: um acrescentamento histórico, de autoria do advogado e especialista em transporte Antônio Rúbio de Barros Gômara. Não menos importante é o lançamento do presente volume, em grande parte baseado nos levantamentos de caráter histórico realizados por Rúbio entre 1992 e Ao morrer, em 2000, ele deixou grande quantidade de entrevistas gravadas, depoimentos escritos, publicações, recortes e fotografias. De posse de material tão rico, a ABRATI recorreu à colaboração do jornalista Nélio Lima para buscar mais informações ou complementações relacionadas à trajetória das empresas e dos empresários pioneiros retratados e encarregar-se da redação final do trabalho. O resultado dessa soma de esforços é apresentado aqui com o propósito de realçar a dimensão histórica e o extraordinário alcance da obra empreendida por aqueles homens incansáveis que, com fé, arrojo e coragem, levaram os serviços de suas jardineiras, sopas e marinetes, como no início os ônibus eram conhecidos, aos mais remotos pontos do País. 7

8 Com este novo trabalho propomo-nos ainda outro objetivo: estimular os empresários e as empresas do setor a dar justa visibilidade aos que, com seus próprios recursos, sem depender de subsídios governamentais ou recursos públicos, levaram a cabo a portentosa tarefa de implantar uma das mais extensas e eficientes redes de transporte rodoviário de passageiros do mundo. Graças àqueles homens e aos seus continuadores, nosso País tem muito do que se orgulhar, pois conta com um sistema de transporte único, de alta qualidade, reconhecido até no exterior haja vista o número de executivos estrangeiros que aqui vêm para conhecer nossas empresas e que se destaca por seu elevado nível de segurança, conforto, sustentabilidade e confiabilidade, além do alto grau de satisfação dos seus usuários, refletido em pesquisas periódicas. Renan Chieppe Presidente da ABRATI 8

9 Nota Explicativa A HISTÓRIA CONTADA POR QUEM A FEZ. Assim Antônio Rúbio de Barros Gômara advogado experiente que, como ele próprio gostava de dizer, por longos anos arrazoou e contra-arrazoou pelo setor definia a segunda parte do extenso trabalho de pesquisa histórica e de tomada de depoimentos de empresários do transporte rodoviário de passageiros, que ele empreendeu em 1992 e estendeu-se até Tendo lançado, em 1999, o primeiro dos dois volumes que projetava escrever com base no material pacientemente coletado, Rúbio não teve tempo para colocar o segundo no papel. Certamente ele o trazia por inteiro na memória, tal o entusiasmo com que costumava se referir ao tema. O senso de organização do pesquisador levou-o a registrar, em 13 de março de 1999, a maneira como desejava conduzir o trabalho: desenvolvendo no primeiro volume a citação comentada de leis e atos oficiais que tiveram influência no surgimento e desenvolvimento do transporte rodoviário nacional o que ele fez no livro O transporte interestadual e internacional de passageiros: um acrescentamento histórico, e apresentando, no segundo, depoimentos de pioneiros e representantes das empresas cuja escolha havia submetido à Rodonal. Rúbio pretendia ainda, com base na sua longa vivência do setor, acrescentar comentários pessoais sobre vários dos fatos narrados. A propósito disso ele esclareceu, em artigo para a edição n o 54 da Revista Rodonal, em dezembro de 1994, que os fatos históricos recompostos eram frutos de rememorações pessoais reavivadas ou reafirmadas pelos depoimentos colhidos. Com toda a certeza, seus comentários enriqueceriam a obra. 9

10 Para escrever este segundo volume, procurei reproduzir e ordenar com a maior fidelidade possível tudo aquilo que os empresários pioneiros disseram a Rúbio Gômara e ficou registrado nas gravações. Obviamente, está prejudicada a intenção que ele próprio declarou ao apresentar o primeiro volume, de inserir, vez em quando, fragmentos autobiográficos decorrentes das situações em que figurou no elenco dos fatos históricos narrados. Rúbio teve ainda o cuidado de não impor a última palavra quando incluiu informações ou afirmações não expressamente avalizadas pelas pessoas entrevistadas. Naquele mesmo artigo para a Revista Rodonal, referindo-se à história do ônibus no Brasil, ressalvou que estaria apresentando alguns aspectos dessa história, mas todos abertos a questionamentos. A ressalva é ainda mais válida para este trabalho, pois, mesmo quando teve de definir qual teria sido a mais antiga empresa de transporte rodoviário do País, Rúbio Gômara fez questão de deixar claro que se tratava da primeira a registrar-se formalmente. Tinha consciência do risco de afirmar qual teria sido a primeira de todas, já que, no Brasil, a partir de certo momento da década de 1920, surgiram inúmeras empresas dedicadas ao transporte urbano de passageiros, sabendo-se que no princípio não havia distinção clara entre operações urbanas e eventuais operações rodoviá rias. Em seu meticuloso esforço de pesquisa, Rúbio Gômara não localizou nenhum documento válido que pudesse comprovar uma anterioridade sobre os registros legais de constituição, em 13 de abril de 1928, da empresa Darius & Hann Ltda., futura Auto Viação Catarinense, na cidade de Blumenau, Santa Catarina. Cabe ainda esclarecer que faltou tempo ao pesquisador para ouvir todos os empresários que pretendia, os quais havia relacionado no plano de trabalho elaborado em conjunto com a Rodonal. Ficou, porém, a certeza de que os que foram entrevistados representam plenamente o conjunto dos homens que construíram, desde o seu nascedouro, o sistema brasileiro de transporte rodoviário de passageiros. Por encargo da ABRATI e com o apoio da família Gômara, coube-me tentar recuperar a maior parte do material deixado, proceder ao levantamento de todas as gravações, aprofundar as pesquisas e, em sintonia com os executivos e a área de Comunicação da entidade, buscar o que ainda faltava de material iconográfico para escrever e editar este volume. 10

11 Ao apresentar cada história, parti do princípio de que Rúbio se propunha registrar precipuamente trajetórias pioneiras. Não por outro motivo, sempre que possível ele ouviu diretamente as fontes primárias, ou seja, os fundadores. Sendo assim, em Sonhos sobre rodas cada história é interrompida no ponto em que o pesquisador encerrou seu trabalho de entrevistas. As poucas informações que acrescentei constituem apenas breves esboços de atualização dos registros referentes às empresas. Falhas, lacunas e eventuais impropriedades, assim como a inevitável diferença de estilo, deverão ser-me atribuídas e por elas antecipadamente peço desculpas. Nélio Lima 11

12

13 A Representação do Setor EM MEADOS DOS ANOS 1970, depois de uma década de expressivo crescimento econômico, inclusive no setor de transportes, o Brasil vivia as dificuldades decorrentes da recessão mundial e do primeiro choque do petróleo. O País dependia fortemente das importações do óleo e nisso consumia quase metade de suas divisas. O setor de transporte de passageiros atravessava um período de desencontros; era desorganizado e pouco unido; por isso mesmo, suas ações desenvolviam-se no plano puramente individual e não havia representantes que pudessem falar em seu nome, muito menos apresentar reivindicações, sugestões e reclamações ao poder concedente. Permaneciam sem encaminhamento adequado problemas como baixas tarifas, transporte ilegal, recomposição da frota e outros que afetavam os interesses do setor. O tamanho do desafio foi percebido pelo empresário Benito Porcaro, diretor da Companhia São Geraldo de Viação, que decidiu buscar a solução. Para tanto, procurou unir os empresários em torno de interesses comuns. Com a colaboração de Oscar Conte, da Pluma Conforto e Turismo, propôs um encontro de empresários interessados em debater essas e outras questões. À reunião, realizada no Hotel Guanabara, no Rio de Janeiro, na noite do dia 20 de janeiro de 1976, compareceram representantes de mais seis empresas: Viação Nacional, Transcolin, Garcia, Andorinha, Real Expresso, Rápido Federal e Única. Ao amanhecer do dia 21, depois de horas de discussão, os participantes haviam desenhado o formato de uma entidade que consideraram a mais adequada para cumprir o papel de representar o setor de transporte rodoviário de passageiros nos escalões do governo e 13

14 nas instâncias legislativa e judiciária. Nasceu assim a Associação Nacional de Intercâmbio das Empresas de Transportes Rodoviários Interestaduais e Internacionais de Passageiros, sob a sigla Rodonal. Os estatutos tinham sido esboçados; o presidente (Oscar Conte, da Pluma) e o vice-presidente (Cláudio Regina, da Única) haviam sido escolhidos por aclamação. Assim como eles, os outros dois diretores, Fernando Campinha Garcia Cid, da Viação Garcia, e José Augusto Pinheiro, da Real Expresso. A sede da nova entidade foi localizada no Rio de Janeiro, onde estava o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem DNER, órgão do poder concedente. Algum tempo depois, a Rodonal passou a denominar-se Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros. Oscar Conte esteve à frente da Associação por quatro anos. Montou sua estrutura inicial e, aos poucos, agregou a ela a maioria das empresas do setor. Quando concluiu o mandato, em 1979, cerca de 85% das empresas estavam associadas à Rodonal, crescentemente reconhecida como qualificada interlocutora perante o governo. Em poucos anos, ela já representava um setor que operava cerca de ônibus, proporcionava mais de empregos diretos e mais de 300 mil indiretos. Suas associadas transportavam pelo menos 90% dos 86 milhões de passageiros que utilizavam o transporte rodoviário interestadual e internacional no Brasil. O percentual de participação do setor continuou aumentando e chegou a 95%, o que lhe deu total representatividade para cumprir o seu papel de encaminhar e discutir as questões de interesse das transportadoras. O segundo presidente, Fernando Campinha Garcia Cid, da Viação Garcia, foi presidente de 1980 a 1983, sendo sucedido por Bernardino Rios Pim, da Viação Itapemirim, que assumiu em 1984 e permaneceu até Em 1988, um grupo de empresários representativos do setor, agrupados na Rodonal, que operavam os segmentos interestadual e intermunicipal, decidiu criar também a Associação Nacional das Empresas Rodoviárias de Transporte Intermunicipal e Interestadual NTR, com sede em Brasília, uma vez que a entidade mater estava mais focada no DNER, no Rio de Janeiro, onde orientava sua atuação na defesa do sistema internacional e interestadual. 14

15 A NTR, liderada por Aylmer Chieppe, da Viação Águia Branca, somando-se à Rodonal, desenvolveu intenso trabalho institucional na capital federal, atravessando períodos turbulentos dos governos Sarney e Itamar Franco e logrando grandes avanços para a classe, entre eles um novo Regulamento do Transporte Rodoviário que mantivesse o equilíbrio do sistema como um todo e, ainda, o equacionamento de graves problemas de defasagem tarifária que assolaram o setor. Na Rodonal, Heloísio Lopes, da Companhia São Geraldo de Viação, assumiu a presidência em 1988 e transferiu a sede da entidade do Rio de Janeiro para Brasília. Em 1991, Heloísio passou o cargo a José Augusto Pinheiro, que seria presidente até Tendo a Rodonal se transferido para Brasília e uma vez resolvidos os problemas que preocupavam o setor, as lideranças empresariais, capitaneadas por Aylmer Chieppe, pela NTR, e por José Augusto Pinheiro, pela Rodonal, entenderam que era chegada a hora de buscar os pontos de convergência entre as duas entidades, eliminar possíveis divergências e partir para uma entidade fortalecida que agrupasse todas as empresas do setor rodoviário de passageiros: intermunicipais, interestaduais e internacionais. Assim, em janeiro de 1995, no decurso de memorável reunião no auditório da CNT, em Brasília, presentes empresários de todo o País, inclusive os pioneiros e expoentes, chegou-se à decisão de extinguir a Rodonal e a NTR, criando-se, sob uma mesma bandeira de ideais, a Associação Brasileira das Empresas de Transporte Rodoviário Intermunicipal, Interestadual e Internacional de Passageiros ABRATI. O empresário Walter Lemes Soares, da Empresa de Transportes Andorinha, foi o primeiro presidente da ABRATI; assumiu em 1995 e permaneceu até Foi substituído nesse ano por Oscar Conte, que já havia sido o primeiro presidente da Rodonal. Mais tarde, a entidade passou a denominar-se Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros, sendo mantida a sigla ABRATI, assim como as finalidades e os objetivos. Em 2002, a presidência da ABRATI passou a ser exercida por Sérgio Augusto de Almeida Braga, da Companhia São Geraldo de Viação, que passou o cargo a Renan Chieppe, da Viação Águia Branca, em setembro de

16 Fotos: Acervos Rodonal e ABRATI Oscar Conte Pluma Fernando Garcia Cid Viação Garcia Bernardino Rios Pim Itapemirim Heloísio Lopes São Geraldo José Augusto Pinheiro Real Expresso Aylmer Chieppe Águia Branca Walter Lemes Soares Andorinha Oscar Conte Pluma Sérgio Almeida Braga São Geraldo Renan Chieppe Viação Águia Branca 2008

17 Introdução NÃO É SIMPLES AVALIAR a extensão da influência e das consequências de um conflito das proporções da Segunda Guerra Mundial sobre o Brasil dos anos 1940 e das décadas seguintes. Embora travado em teatro distante do território brasileiro ainda que ao alcance dos submarinos dos países do Eixo, como ficou dramaticamente demonstrado com o afundamento de 34 navios mercantes de bandeira brasileira pelos nazistas, não há dúvida que foram afetados de maneira profunda os costumes, a economia, a política, a cultura e o conjunto do processo de nosso desenvolvimento. Conquanto não seja objetivo deste livro, isso será naturalmente percebido a partir das diversas narrativas com as quais se busca registrar a trajetória dos pioneiros do transporte rodoviário de passageiros no País. Por exemplo, é curioso que a ascensão de Adolf Hitler ao poder, na Alemanha, ainda no início da década de 1930, anos antes de desencadear- -se a Hecatombe, possa ter despertado, em certo momento, premonitórias críticas e apreensões em um cidadão alemão que escolhera terras brasileiras para viver e trabalhar. Cidadão que, por sinal, fundou a primeira empresa de transporte rodoviário de passageiros registrada no Brasil. Em outro caso, é quase inacreditável que, no fim dos anos 1930, na iminência do início da guerra, outro cidadão alemão, Willy Stobäus, tenha partido com sua família para a Alemanha exatamente para lutar ao lado das forças hitlerianas. Morto em combate, sua família retornou ao Brasil e um de seus filhos criou aqui a primeira empresa brasileira de transporte internacional de passageiros. 17

18 Não menos extraordinária é a história do jovem brasileiro que integrou, como voluntário, o contingente da FEB enviado à Itália, e que, logo ao voltar, fundou o que viria a ser um dos nossos maiores grupos empresariais da área de transporte rodoviário de passageiros. Evidentemente, se às vezes a guerra e suas consequências aparecem relacionadas à história do sistema brasileiro de transporte rodoviário de passageiros, isso se deve ao fato de que a maioria dos empreendimentos surgiu nas décadas de 1930, 1940 e E aqui, cabe destacar que muitas das empresas criadas, então, o foram por iniciativa de imigrantes. Em geral italianos, portugueses, espanhóis, alemães, que exerceram papel fundamental na implantação e no desenvolvimento da atividade. O mais acertado, pois, é dizer que tais empreendimentos teriam surgido naquele momento com ou sem a guerra, pois o Brasil de então carecia desesperadamente de estradas e de interligação das suas várias regiões. Necessidade que as ferrovias e a navegação de cabotagem não conseguiam prover a contento. Dessa forma, não é destituído de fundamento afirmar que cada um dos empreendedores pioneiros do transporte rodoviário de passageiros enfrentou e venceu a sua própria e prolongada guerra: contra as estradas ruins ou inexistentes, contra a carência de equipamento adequado, contra a ausência de regras claras para o exercício da atividade, enfim, contra todas as precariedades próprias de um país que, 60, 70 ou 80 anos atrás, ainda tentava encontrar um modelo de desenvolvimento. São as histórias desses pioneiros, de seus sonhos e de suas guerras particulares que estão sendo contadas a partir da próxima página. 18

19 Auto Viação CATARINENSE Ltda. Theodor Darius 1928 NENHUM DOCUMENTO CONHECIDO ilustra melhor o que foi a criação de uma das principais empresas brasileiras de transporte rodoviário de passageiros a Auto Viação Catarinense do que a carta que em breve se vai transcrever aqui. Trata-se de correspondência que o alemão Theodor Darius, um dos dois fundadores da empresa sendo o outro o húngaro João Hahn, enviou de Blumenau, Santa Catarina, a seus pais na Alemanha, em Tendo chegado ao Brasil no ano de 1924, nos primeiros tempos Theodor pouco escreveu para dar notícias. Em compensação, a carta reproduzida a seguir, em sua íntegra, foi bastante longa e detalhada. Traduzida do alemão para o português pela família do fundador, ela dá uma ideia da enorme tenacidade do homem que decidiu vencer no ramo do transporte de pessoas em um país distante onde até a barreira da língua poderia mostrar-se intransponível. A carta foi escrita em duas etapas: a primeira no dia 24 de agosto de 1933, e a segunda, três dias depois, no dia 27. Com método e zelo, o imigrante historiou seus passos mais importantes no Brasil, desde o desembarque no Rio de Janeiro, nove anos antes. Pouco depois de chegar seguiu para o estado de Santa Catarina, que então, ao lado do Rio Grande do Sul, era o destino preferencial dos cidadãos germânicos que vinham viver e trabalhar no Brasil. Theodor Darius aportara com a disposição de começar vida nova longe de sua pátria. Derrotada na Primeira Guerra Mundial, a Alemanha estava completamente exaurida e submetida a pesadíssimas exigências de reparação de guerra. No ano 19

20 anterior, 1923, havia registrado índices altíssimos de inflação. Milhares de comerciantes, camponeses e pequenos industriais tinham ido à ruína. As condições de sobrevivência dos assalariados haviam sido duramente afetadas. E a emigração, que já era expressiva, aumentara de volume, especialmente na direção de países da América do Sul. Alemães se deslocavam de forma contínua para o Brasil, o Chile, o Uruguai e a Argentina. Muito cedo Theodor Darius percebeu que, também por aqui, iria enfrentar dificuldades. O Brasil, embora se mostrasse terra acolhedora, atravessava prolongado período de turbulência política. No momento de sua chegada, prevalecia o estado de sítio que perdurou nos anos seguintes, como consequência das contínuas agitações nos meios políticos e militares, descontentes com os rumos do governo central. Em 1922, oficiais intermediários do Exército haviam se rebelado no Rio de Janeiro, no episódio conhecido como Os 18 do Forte de Copacabana. Agora mesmo, em 1924, haviam eclodido revoltas em São Paulo, no Rio Grande do Sul, no Amazonas e no Pará. Tropas militares voltariam a se rebelar em 1925, mesmo sob o estado de sítio, em São Paulo e no Rio Grande do Sul, unindo-se para formar a Coluna Prestes, igualmente de inspiração tenentista, que, até 1927, iria se deslocar por milhares de quilômetros Brasil adentro, travando e vencendo combates com forças federais, estaduais e até com jagunços e cangaceiros. Desmobilizou-se depois e se internou na Bolívia. Enquanto isso, o imigrante Theodor Darius atirava-se ao trabalho em Blumenau e tratava de adaptar-se ao país que escolhera. Somente quase uma década depois, em 1933, ele se sentiria em condições de detalhar como haviam transcorrido os seus primeiros tempos de imigrante. A carta dizia: Meus queridos pais, na querida Alemanha. Voltando ontem à noite de viagem, encontrei sua última carta. Como hoje tenho plantão noturno na firma, disponho de tempo para fazer uma retrospectiva da minha permanência aqui no Brasil. Devem estar magoados pela minha demora em escrever-lhes. Creiam, não foi falta de tempo, nem tampouco de reflexão, mas, sim, de certas inibições e dificuldades em 20

21 concentrar-me. Não sei o que Paula já escreveu, mas contarei desde o início. Assim ficarão sabendo de tudo e a mim fará bem recordar, já que o pior passou e estou progredindo. Nove anos se passaram desde a nossa chegada ao Brasil, cheios de planos e fantasias, com programas estabelecidos e espírito empreendedor. Com a realidade aqui encontrada, tudo desvaneceu. Imaginem, eu, comerciante; como poderia negociar se nem ao menos conhecia a língua e a legislação da terra para escrever uma carta comercial? Como iria tratar com um freguês, sem conhecer o câmbio e o idioma? Aspectos que considero muito importantes, pois em qualquer firma saberia muito menos do que o mais simples dos empregados. Se não fosse casado e minha mulher não estivesse esperando o primeiro filho, teria sido fácil conseguir um emprego que me desse casa e comida, e teria tempo para conhecer a realidade da terra e a língua do povo. Mas, diante da situação, tive que procurar um emprego que atendesse às necessidades básicas da família o mais rápido possível. Por esse motivo tantos outros emigrantes fracassaram. Mas deixemos esses assuntos para um dia comentá-los pessoalmente. Devo alegrar-me em dizer-lhes que achei uma solução para essas primeiras dificuldades. Devo isto, primeiramente, à correta educação que recebi de vocês, da escola, nos moldes da disciplina prussiana, mas humana, que vivíamos em casa. Por tudo isso, agradeço-lhes profundamente, pois, devido ao alto grau de escolaridade, consigo conversar em todos os níveis e não tenho quaisquer presunções, adaptando-me em qualquer ambiente. Com esse preparo recebido foi fácil o contato com todas as camadas sociais e consigo comunicar-me com todos. Enfim, ao assunto. No Rio de Janeiro, como vocês devem saber, ficamos somente duas semanas. A vida lá era muito dispendiosa e, assim sendo, viemos a Blumenau. Mas também aqui não foi possível encontrar um ordenado compatível com meu grau de instrução. Deixei, então, cair por terra toda e qualquer vaidade, pensando: Trabalhar não desonra. Comprei um automóvel, aprendi a dirigir e me coloquei ao lado de outros carros de aluguel, esperando por fregueses... Digo-lhes, uma vida realmente amarga não poder aproveitar meus conhecimentos, mas, assim, conseguia tirar o pão de cada dia e o meu capital estava empatado 21

22 de maneira a poder reavê-lo a qualquer hora. Com esse serviço tive a oportunidade de aprender a língua do país, fato que me dava grande vantagem sobre muitos emigrantes que chegaram na mesma época e não tiveram essas facilidades, o que os condenou a serem simples empregados. Outra vantagem foi-me dada pelo automóvel. Com ele podia locomover-me a muitos lugares, conhecendo a terra, seu povo e seus costumes. Durante mais ou menos dois anos, levei esta vida, quando dei o primeiro passo. A um húngaro chamado João Hahn, juntei meu capital com o dele e compramos um ônibus. Com este, iniciamos uma linha regular de viagens à capital do Estado, Florianópolis. A distância percorrida é de 160 quilômetros. Isto foi uma verdadeira revolução no transporte conhecido aqui. O preço de uma passagem de automóvel era duzentos mil-réis e de ônibus cobramos trinta mil-réis. Todos se compadeciam de mim e de nosso pequeno capital. Mas mostramos a eles que uma vontade férrea consegue vencer. Sim, também aqui os amigos me chamam de teimoso. Sem me querer envaidecer, acho que os amigos usam esse apelido como elogio e os inimigos com um certo receio. O povo aqui se admirava de transportarmos pacotes e encomendas sem extraviá-las ou roubá-las. No início fazíamos o trajeto duas vezes por semana, passando logo a seguir para três vezes semanais. O banco daqui nos deu crédito, sem maiores exigências, para comprarmos um segundo ônibus. Logo surgiu a concorrência, provocada pela inveja. Começou então uma luta renhida. Mas como nos mantivemos corretos e pontuais nos nossos compromissos, vencemos após alguns anos. Estendemos nosso trajeto. Passados cinco anos, somos os únicos a percorrer as principais rodovias através de nosso Estado. Trabalhamos com dezessete funcionários, possuímos onze carros que perfazem um capital de mais ou menos duzentos mil marcos. Como aqui ainda não existe concessão para esse tipo de transporte, só a nossa garra, sem trégua, garante o nosso êxito. Isso não é fácil. O nosso horário de serviço: de manhã, às 7 horas, estou na firma, onde fico até às 12 ou 13 horas e muitas vezes até as 14. Faço uma pausa de dez minutos. Entenderam? Dez minutos! Nesse breve intervalo vou de carro até em casa, almoço, beijo mulher e filhos e volto ao escritório. Continuo a trabalhar até as 18 horas. Uma hora de mesa cativa (Stammtisch-Hotel Seifert), onde tomo um chope e em seguida janto em casa. Se tudo der certo, passo meia hora em casa e volto ao serviço até às 22 horas ou mais, dependendo da chegada do último carro. 22

23 AQUI, THEODOR DARIUS INTERROMPEU a escrita, quem sabe devido ao horário avançado. Retomou-a três dias depois, novamente em seu escritório na empresa. Teve o cuidado de datar também a segunda e última parte: Dia 27 de agosto Somente hoje tenho um tempo para prosseguir. É domingo à tarde e Paula fez um lanche em casa (aniversário). Como não sou amigo dessas reuniões, estou aqui no escritório para terminar esta carta. Um domingo por mês, passo a tarde no clube local dos atiradores (Schuetzenverein hoje Tabajara) ou assisto a um jogo de futebol. Mas muitos dos domingos exigem serviços na firma. O que é trabalhar, aprendi aqui no Brasil. O trabalho intenso e responsável que conhecemos na Alemanha ou nos Estados Unidos aqui não existe. É isso que dificulta muito a organização de uma firma. Com pessoal não qualificado é difícil trabalhar. Agora, depois de anos, temos uma equipe razoável, e nessa equipe um funcionário que nos acompanha desde o início. Compromisso com o dever e a responsabilidade é difícil encontrar, o que dificulta a organização das respectivas firmas. Com os elementos que temos agora, é possível pensar em expandir as linhas e ampliar a nossa frota. Desde a fundação da empresa nós, os chefes, não tivemos um dia de férias, pois, com o nosso afastamento, tudo poderia desandar em pouco tempo. Só com uma férrea energia conseguimos que tudo funcionasse satisfatoriamente. Talvez vocês consigam compreender melhor o que quero dizer, informando-lhes a nacionalidade de nossos funcionários: três alemães, seis teuto-brasileiros, um luso-brasileiro, dois italianos, três húngaros e dois afro-brasileiros. Nem todos falam o vernáculo, e outros, nem o alemão. Imaginem como é difícil a comunicação entre eles, e de um sistema patronal entre chefe e empregado, nem se fala. E a nossa vida particular? Bem, levamos uma vida bastante simples. Casa alugada, mobiliário simples, porque o dinheiro que entra é aplicado na firma. Nestes primeiros anos, todo o capital foi absorvido pela empresa. Nós, sócios, temos uma retirada mensal e um extra para tratamento de saúde. Talvez dentro de um ano eu possa comprar um terreno para, futuramente, construir uma casa. 23

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente,

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente, COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES REQUERIMENTO N O, DE 2011 (Do Sr. JÂNIO NATAL) Requer a realização de Audiência Pública para debater questões relativas à aviação civil brasileira. Senhor Presidente, Requeiro,

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são "os Resultados"

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são os Resultados Gonçalo Carvalho Em entrevista exclusiva à Federação Equestre Portuguesa, meses antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Gonçalo Carvalho fala da sua paixão pelo desporto equestre, da trajetória

Leia mais

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 Este pequeno caminhão de ¾ de toneladas foi desenvolvido pela companhia Dodge Brothers Corporation nos Estados Unidos e largamente empregado na

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%.

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%. Q&A de Teleconferência Resultado 3T08 ALL América Latina Logística 13 de novembro de 2008 Na redução de guidance de vocês, essa expressão interessante, um crescimento marginal de yield. Em um crescimento

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

11 dúvidas para adquirir esse livro

11 dúvidas para adquirir esse livro 11 dúvidas para adquirir esse livro Pa gina 1 Corretor de Sementes e Grãos O Livro O autor ISAEL CARLOS MORAIS, nascido na cidade de União da Vitória Estado do Paraná vem de uma família simples e humilde.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Minha lista de sonhos

Minha lista de sonhos Licença No: # 122314/LS Fone: +55-11 5539-4719 E mail: vagner@programavirandoojogo.com.br Web: www.programavirandoojogo.com.br 2015 Minha lista de sonhos Com visão 2025 PREPARADO POR VAGNER MOLINA Rua

Leia mais

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2 Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1 Boa tarde a todos e a todas! Marina Silva 2 Quero dizer que é motivo de muita satisfação participar de eventos como esse porque estamos aqui para

Leia mais

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias

Ima. Sempre. em Frente. Eric Peleias Ima Sempre em Frente Eric Peleias Baseado em uma história real CAPÍTULO 1 LETÔNIA, DÉCADA DE 1940. 8 PODEM PARAR DE CAVAR! QUERO TODOS ENFILEIRADOS! O QUE ESTÃO ESPERANDO? ENFILEIRADOS, ANDEM LOGO! MUITO

Leia mais

Um tango para sobreviver

Um tango para sobreviver Um tango para sobreviver Gina Freund Um tango para sobreviver em depoimento a Valéria Martins 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2013 Edição de texto Noga Sklar Editoração: KBR Capa KBR sobre arquivo Google

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Copyright 2015 por Paulo Gomes Publicado originalmente por TBI All New, São Luís MA, Brasil. Editora responsável: TBI All New Capa: TBIAllNew Todos os direitos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

Onibus. Onibus. Comil Doppio BRT. m a g a z i n e. 02 Fevereiro-Março/ 2013

Onibus. Onibus. Comil Doppio BRT. m a g a z i n e. 02 Fevereiro-Março/ 2013 News Brasil: - Marcio Bruxel/ Emerson Carlos revelam: seria o novo Torino? Frota em Foco: Empresa União Com forte tradição no transporte intermunicipal e interestadual partindo ou chegando no Litoral Sul

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Historia de vida de um empreendedor de sucesso, Antonio Schuh!

Historia de vida de um empreendedor de sucesso, Antonio Schuh! Historia de vida de um empreendedor de sucesso, Antonio Schuh! Os relatos que farão parte das narrativas contidas na historia de vida de Antônio Schuh são de sua esposa Eny Anita Schuh e do filho Reno

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Temos hoje mais de 6.000 clientes agenciados de 18 a 62 anos de idade.

Temos hoje mais de 6.000 clientes agenciados de 18 a 62 anos de idade. A Empresa Criada há 14 anos atrás após eu voltar de Londres onde morei por 2 anos e trabalhei em fazendas, hotéis e navios cruzeiros. Percebi que não tinha no Brasil uma agência de intercâmbios focadas

Leia mais

O que Precisa ser Feito para Garantir que a Sucessão Familiar não Fracasse?

O que Precisa ser Feito para Garantir que a Sucessão Familiar não Fracasse? O que Precisa ser Feito para Garantir que a Sucessão Familiar não Fracasse? Como organizar a sucessão dos funcionários? Esse é outro problema freqüente. Há empresas muito antigas onde o funcionário trabalha

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após visita ao banco de sangue de cordão umbilical e placentário - Rede BrasilCord Fortaleza-CE, 08 de junho de 2010

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar EMPREGADO VERSOS EMPREGADOR Você empregador Cumpra o seu dever Registre o trabalhador E aperreio não vai ter Ele será seu defensor E vai fazer você crescer A carteira eu entrego Pra ter tudo anotado Ninguém

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Cartas enviadas para a ZON

Cartas enviadas para a ZON Cartas enviadas para a ZON 1ª CARTA Bruno Cardoso Pimentel Macedo Praceta da Bela Vista nº8 4720-286 Carrazedo Amares ZON TV Cabo Portugal, S.A. Edifício ZON Rua Ator António Silva, 9 Campo Grande 1600-404

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio alemanha Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

1º Trabalho Listas de Discussão

1º Trabalho Listas de Discussão 1º Trabalho Listas de Discussão Catarina Santos Meios Computacionais no Ensino 05-03-2013 Índice Introdução... 3 Resumo e análise da mensagem da lista Matemática no secundário... 4 Resumo e análise da

Leia mais

Informativo EDIÇÃO 12 ANO IV. Julho/ Agosto/ Setembro 2015. PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS:

Informativo EDIÇÃO 12 ANO IV. Julho/ Agosto/ Setembro 2015. PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS: EDIÇÃO 12 ANO IV (11) 3648-4700 / (21) 3161-8600 www.pacer.com.br Informativo Julho/ Agosto/ Setembro 2015 PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS: 10 ANOS PACER:

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha)

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) 7139 Karlsruhe Tel.: +49 (0)721/ 35480-120, -128 FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) Perguntas gerais Na verdade eu que eu quero é estudar na Alemanha. O

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007 Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração dos condomínios do Programa de Arrendamento Residencial em Santa Cruz Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP)

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Em uma fazenda no interior de São Paulo, 160 km a oeste da capital, um time de

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Eu posso dizer para "NÃO" filho? meu Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais