BLOQUEIO JUDICIAL ONLINE (BACEN-JUD) E O DIREITO AO SIGILO BANCÁRIO E AO PROCESSO DE EXECUÇÃO MENOS GRAVOSO AO DEVEDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BLOQUEIO JUDICIAL ONLINE (BACEN-JUD) E O DIREITO AO SIGILO BANCÁRIO E AO PROCESSO DE EXECUÇÃO MENOS GRAVOSO AO DEVEDOR"

Transcrição

1 BLOQUEIO JUDICIAL ONLINE (BACEN-JUD) E O DIREITO AO SIGILO BANCÁRIO E AO PROCESSO DE EXECUÇÃO MENOS GRAVOSO AO DEVEDOR Cássio Meneghetti Barcellos Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pós-graduando em Processo Civil pela Academia Brasileira de Direito Processual Civil Advogado. RESUMO O presente artigo propõe a análise de uma ferramenta utilizada amplamente nos últimos tempos na fase do processo de execução, consistente na ordem de bloqueio bancário de numerário, para a satisfação do crédito do exequente, frente ao devedor, de maneira rápida e eficiente, porém diversas vezes prejudicial, autoritária e desnecessária. É certo que o princípio da economicidade, ou menor gravosidade, não pode superar o princípio maior da utilidade da execução para o credor, propiciando que se realize por meios ultrapassados e ineficientes a solução do crédito exequendo. Em contrapartida, considerando a possibilidade legal de que a execução deva se dar da forma menos gravosa ao devedor, verifica-se, muitas vezes, um exagero na utilização desse utilitário processual. Ademais, atualmente há uma elevada e exacerbada preocupação com a celeridade do processo civil, que deve tramitar no menor tempo possível nos cartórios e gabinetes forenses, principalmente quando se encontram na fase dos atos executórios, circunstância que, muitas vezes, leva os operadores do direito a realizarem atos em desacordo com os preceitos

2 legais e, em muitas oportunidades, de verdadeiros abusos em nome de uma maior e mais rápida presteza jurisdicional. Procura-se, então, demonstrar que é necessário se criar uma nova mentalidade processualista para poder melhorar a forma de se buscar a efetividade do próprio direito material, sem que para isso seja necessário se lançar mão de medidas danosas aos envolvidos na relação jurídica e, até mesmo, para terceiros estranhos à lide. Neste aspecto, este artigo aborda o que é o sistema Bacen-Jud; a legalidade da utilização da chamada penhora online; a ordem legal de penhora; os recorrentes abusos cometidos pela utilização deste meio de satisfação do crédito exequendo; e, por fim, identificar se a utilização da constrição online de valores caracteriza quebra do sigilo bancário do executado, ou se, efetivamente, fere o princípio processual da menor gravosidade ao devedor no processo de execução. A pesquisa revela que grande parte da doutrina preserva uma postura tradicional e neutra em relação ao tema. Palavras-Chave: Processo Civil; Execução; Penhora On-Line; Bloqueio; Bacen-Jud; Constrição Judicial; Crédito; Exequente; Executado. INTRODUÇÃO Considerando a possibilidade de o credor indicar bens a serem penhorados e a ordem preferencial de bens para penhora, a determinação judicial de penhora (bloqueio) online de contas bancárias do executado não retira o seu direito a que a execução se dê da forma menos gravosa, contendo, ainda, implicitamente, uma ordem de quebra do sigilo bancário? Esta indagação é o que o presente artigo pretende elucidar ao longo de sua exposição.

3 Conforme o art. 652, 2º, do CPC, o credor poderá, na inicial da execução, indicar bens para penhora. Já o art. 655 do CPC, arrola a ordem preferencial dos bens a serem penhorados, sendo o primeiro dinheiro, em espécie ou em depósito ou aplicação em instituição financeira. Por sua vez, dispõe o art. 655-A, caput, do CPC: Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exequente, requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário, preferencialmente por meio eletrônico, informações sobre a existência de ativos em nome do executado, podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade, até o valor indicado na execução. Por fim, o art. 620 do CPC assegura que, quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor. Este aparente conflito, consistente na faculdade do credor requerer ao juiz a denominada penhora online, ou seja, mediante ordem eletrônica ao Banco Central (Bacen-Jud) para investigação das contas bancárias do devedor a fim de tornar indisponível numerário, e do direito do devedor a ser executado de maneira menos gravosa, parece ser contornável com a tentativa, primeira, de esgotamento da execução por outros meios, como se demonstrará. Assim, tratando-se de execução definitiva (a provisória não justificaria a medida extrema), a oportunidade dada ao credor para indicação de bens à penhora seria, num primeiro momento, para outros bens passíveis de satisfação do seu crédito diverso da pecúnia, e, na ausência, concessão de idêntica possibilidade ao devedor. Na falta de bens passíveis de constrição judicial, aí sim estaria autorizada a utilização da penhora online, a qual se consideraria como última medida.

4 Este raciocínio inicial e superficial parece solucionar o problema. Com efeito, pensamento contrário tornaria morta a letra da lei, que garante ao devedor uma execução não gravosa. De fato, solução simplista ao credor seria requerer a penhora online, de imediato, até por ser a primeira opção do art. 655 do CPC. A compatibilidade das regras se dá a partir da existência ou não de meios para o credor promover a execução. Assim, a penhora online só se justificaria após o esgotamento de outros meios de execução, como última forma para assegurar a satisfação da dívida executada, circunstância que retiraria qualquer discussão acerca da gravosidade da execução /06: Dispõe o art. 655-A do CPC, incluído pela Lei nº Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exequente, requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário, preferencialmente por meio eletrônico, informações sobre a existência de ativos em nome do executado, podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade, até o valor indicado na execução. Parágrafo 1 o. As informações limitar-se-ão à existência ou não de depósito ou aplicação até o valor indicado na execução. Além do mais, o juiz, ao determinar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, via Banco Central, está, também, implicitamente, quebrando o sigilo bancário do devedor, com intuito de aferir da existência de numerário suficiente para satisfação do credor. Tanto é que uma vez existentes valores disponíveis, total ou parcialmente, podem determinar a sua indisponibilidade, para garantir a execução, sem sequer verificar se este numerário é passível de bloqueio ou não, já que, muitas vezes, proveniente de uma das hipóteses do art. 649 do CPC, o qual enumera os bens absolutamente impenhoráveis.

5 Dessa sorte, uma melhor e mais ampla análise deve ser realizada acerca do tema jacente, em função da crescente utilização da penhora online como via única de solução de diversos processos em tramitação nas diversas varas cíveis nacionais. 1. O QUE É O SISTEMA BACEN-JUD O sistema Bacen-Jud, utilizado para a denominada penhora online, consiste em sistema informático desenvolvido pelo Banco Central do Brasil que permite aos juízes, de todas as esferas, solicitar informações sobre movimentação financeira dos clientes das instituições financeiras e determinar o bloqueio de contas-correntes ou qualquer conta de investimento. O sistema está disponível a todos os ramos do Poder Judiciário mediante convênio 1 assinado entre o Banco Central e os tribunais superiores, ao qual aderiram os tribunais regionais e estaduais. O sistema Bacen-Jud 2 elimina a necessidade de o Juiz enviar documentos, como ofícios e requisições, na forma de papel para o Banco Central, toda vez que resolve quebrar sigilo bancário ou ordenar bloqueio de contas-correntes de devedores em processo de execução. As requisições, assim, são feitas por intermédio de site próprio na internet, mediante acesso do Juiz por meio de senha previamente fornecida. Em local 1 Brasil. Bacen Jud. Disponível em Acesso em 16/mar/ FEBRABAN Federação Brasileira de Bancos. Disponível em %20bacenjud.pdf. Acesso em 16/mar/2011. Recomenda-se o acesso ao site da Federação Brasileira de Bancos, FEBRABAN, onde se encontra o manual completo de como funciona o sistema Bacen-Jud e todas as suas funcionalidades:

6 próprio do site, o Juiz solicitante preenche uma minuta de documento eletrônico, em que coloca informações que identificam o devedor e o valor a ser bloqueado, sendo que, em ato contínuo, a requisição eletrônica é enviada diretamente para os bancos, que cumprem a ordem e retornam informações ao Juiz requerente. A realização de ordens de bloqueio pela via do sistema Bacen-Jud elimina o uso de papel e do correio tradicional, gerando economia de tempo e racionalização dos serviços de comunicação entre o Judiciário e as entidades integrantes do Sistema Financeiro Nacional, e confere mais eficácia às ordens judiciais de bloqueio de contas bancárias, na medida em que fica mais difícil de o devedor prever quando se dará a constrição do numerário. Anteriormente, pelo sistema de envio das requisições via correio, a ordem circulava por várias repartições, desde a saída do cartório, passando por departamentos do Banco Central, até a chegada nas mãos do gerente da agência bancária, o que possibilitava ao executado tomar ciência da diligência com tempo hábil a providenciar a retirada do dinheiro existente em depósito nas instituições financeiras. O atual sistema eletrônico de cumprimento de ordens judiciais dificulta essa ação preventiva do devedor, porque sequer o gerente do banco toma conhecimento de que a conta será bloqueada. A versão atual do Bacen-Jud permite aos magistrados emitir ordens judiciais de bloqueio, desbloqueio, solicitar informações bancárias, saldos, extratos e endereços de pessoas físicas e jurídicas clientes do Sistema Financeiro Nacional de forma instantânea. 3 3 Brasil. Banco Central do Brasil. Disponível em Acesso em 16/mar/2011.

7 Como exposto, apesar de todas as peculiaridades da penhora online, o sistema Bacen-Jud não cria novo tipo de constrição judicial, mas apenas oferece um novo meio para realizá-la, de forma mais eficaz. Assim, oportuno mencionar o saudoso jurista Barbosa Moreira, que ensina que penhora é (...) o ato pelo qual se apreendem bens para empregá-los, de maneira direta ou indireta, na satisfação do crédito exequendo A ORDEM LEGAL DE PENHORA Embora a relação legal de bens que podem ser indicados à penhora (art. 655 do CPC) não tenha um caráter absoluto e o juiz possa, observando as circunstâncias de um caso concreto, decidir pela constrição de outro bem, ele deve ser bastante restritivo, quando assim necessitar agir. A opção por outro bem que não o dinheiro, para garantir a execução, implica em assumir uma série de dificuldades práticas que terminam inelutavelmente por levar o processo a não atingir o seu fim (de satisfação do direito de crédito do credor). Todos os outros bens elencados no art. 655 têm uma maior ou menor dificuldade de conversão para dinheiro, mas quase sempre essa conversão implica em um procedimento longo e penoso (avaliação, publicação de editais, praça ou leilão), com o surgimento de inúmeros 4 José Carlos Barbosa Moreira. O novo processo civil brasileiro. 1998, p. 225.

8 incidentes processuais nesse caminho, tornando, na prática, o processo de execução um rito tão lento quanto o próprio processo de conhecimento. A existência da ferramenta online do Bacen-Jud, portanto, agiliza a própria presteza jurisdicional, tendo em vista que torna mais fácil o bloqueio de contas e depósitos bancários. O que preocupa é que os juizes estão inclinados a cada vez mais rejeitar a opção por outro bem garantidor da execução, quando o devedor dispõe de dinheiro depositado em instituição bancária. O que está acontecendo como rotina é que os juízes estão primeiro investigando se o executado possui dinheiro depositado em conta bancária para, em caso negativo, promover a penhora sobre outro bem indicado previamente ou não pelo executado. Em uma análise lógica, trata-se, tão somente, de aplicar a regra contida no art. 656, inciso I, do CPC, que prevê a ineficácia da nomeação à penhora que não obedeça à ordem legal. Ou seja, na existência de dinheiro em nome do executado, a penhora, obrigatoriamente, deve recair sobre o montante. Possuindo o devedor dinheiro em conta bancária, a sua não colocação à disposição do credor, para fins de penhora, implica em tornar ineficaz qualquer outra nomeação, por não seguir a ordem legal do art. 655 do CPC, que estabelece o dinheiro como primeiro bem para satisfação do direito de crédito. Com efeito, o referido dispositivo cria uma incumbência legal a cargo do devedor, de observar a ordem legal de preferência pelo dinheiro (inc. I), salvo quando não dispõe desse tipo de bem. Possuindo o devedor mais de uma espécie de bens, dentre estes dinheiro em conta-corrente ou conta-investimento, deve o juiz, o máximo que possível, atender a gradação do art. 655 do CPC, isto é,

9 determinar que a constrição recaia sobre dinheiro, preferencialmente utilizandose do sistema Bacen-Jud, dada a agilidade e praticidade que esse sistema oferece para o bloqueio de valores depositados em instituições financeiras. No entanto, deve ser observado que a relação prevista no art. 655 do CPC tem caráter relativo, tornando o raciocínio acima mencionado frágil. O devedor, ao indicar outros bens passíveis de penhora, alegando que eventual constrição online de valores depositados em seu nome tornaria a execução gravosa para ele, deveria ter seu pleito atendido, até porque o objetivo primordial da penhora é o de reservar bens para garantir a satisfação da dívida, não importando que tipo de bem seja penhorado. O que se analisa neste tópico é que soaria como um contrassenso deixar de garantir a execução com quantias em dinheiro, pois, sendo o executado possuidor de mais de uma espécie de bens passíveis de penhora, dinheiro e outros bens, por que não se preferir o próprio dinheiro? Respondendo a questão, pode se dizer que ocorre muitas vezes diversas situações excepcionais que podem justificar a decisão do juiz de optar por outro bem que não o dinheiro, quando este integra o conjunto de bens do patrimônio do devedor. Assim, como única justificativa, a gradação estabelecida para a efetivação da penhora (art. 656, inciso I, do CPC) não pode ser fundamento da utilização primeira da ferramenta de bloqueio online (Bacen- Jud), pois tal relação tem caráter relativo, podendo ser alterada por força das circunstâncias e tendo em vista as peculiaridades de cada caso concreto, evitando uma execução gravosa em face do devedor. Por certo que o bloqueio de dinheiro existente em conta bancária em nome do devedor é o primeiro bem na ordem dos bens

10 penhoráveis e é o que conspira em favor dos objetivos precípuos da execução por quantia certa contra devedor solvente. Assim, levando em conta a relação de bens passíveis de penhora, deve haver, em primeiro lugar, a tentativa pela penhora online via Bacen-Jud de dinheiro, pois é o melhor meio existente de se alcançar o resultado pretendido com o processo de execução. 3. A LEGALIDADE NA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN-JUD A chamada penhora online, como antes explicado, nada mais é do que a utilização de um sistema informático que permite efetuar a penhora em dinheiro de forma eletrônica, mediante envio das ordens judiciais aos bancos pela internet. O bloqueio de valores disponíveis em contas bancárias do devedor sempre teve amparo nas normas processuais vigentes, tanto que sempre foi realizado, embora pelo método tradicional envolvesse expedientes de pouca praticidade, consistentes na expedição de ofícios na forma impressa em papel ao Banco Central do Brasil, seguindo-se a diligência de constrição por intermédio de oficial de justiça junto à instituição bancária local. Nos tempos modernos o juiz, por conta do convênio mencionado entre o Poder Judiciário e o Banco Central, tem a faculdade de utilizar recursos informáticos para dinamizar o procedimento de constrição de contas bancárias. O que se discute, então, não é propriamente a legalidade na utilização da ferramenta Bacen-Jud, e sim o fato de que a execução, tal qual está disciplinada no Código de Processo Civil, induz a que a penhora deva recair sobre dinheiro, com precedência a qualquer outro bem de propriedade do devedor, o que torna a execução gravosa ao executado, bem assim como

11 fere o direito ao sigilo bancário. É notório e indiscutível que o dinheiro tem preferência sobre todos os outros bens na ordem de nomeação à penhora (art. 655, inciso I, CPC). No entanto, essa ordem legal de preferência não é absoluta, ou seja, não tem de ser obedecida à risca, sob pena de se tornar a execução por demais prejudicial ao devedor. Com efeito, muitas vezes a penhora de dinheiro depositado em conta-corrente do devedor, ainda mais quando realizada pela ferramenta online, contraria o princípio da menor gravosidade previsto no art. 620 do CPC. Isto porque a utilização do Bacen-Jud possibilita um bloqueio indiscriminado e amplo de contas bancárias, acarretando, em diversas oportunidades, ônus excessivo ao devedor, que pode ter diversas contascorrentes bloqueadas e o valor ultrapassar o total da dívida. Além do mais, o bloqueio eletrônico de contas-correntes pode alcançar investimentos e depósitos destinados a pagamentos de obrigações do devedor ou, até mesmo, sobre verbas de natureza impenhorável, como aquelas de natureza alimentar ou que representem exclusivamente ganhos salariais. Tais argumentos, entretanto, não seriam suficientes para afastar a utilização do Bacen-Jud, uma vez que se deve ter em vista que o princípio da "menor onerosidade ou gravosidade" não se sobreporia a outros princípios que também informam o processo de execução, especificamente aquele inserido no art. 612 do Código de Processo Civil, que consagra o princípio da maior utilidade da execução para o credor e impede que seja realizada por meios ineficientes à solução do crédito exequendo.

12 É preciso, portanto, existir uma compatibilização entre esses princípios, devendo o juiz, em cada caso concreto, averiguar a possibilidade de se utilizar a ferramenta Bacen-Jud. Independentemente de que a penhora de valores depositados em conta bancária, sobretudo na sua modalidade eletrônica, represente uma economia para o próprio devedor, que não tem que arcar com custos com registro da penhora, publicação de editais, honorários de avaliador e leiloeiro e outras despesas que sempre arca ao final do procedimento de praça ou leilão para conversão de outros bens em dinheiro, não justifica a utilização primeira desta ferramenta. Por outro lado, os defensores do bloqueio online alegam que problemas como penhora de valores a maior, bem como penhora de numerário considerado impenhorável, não são suficientes para impedir o uso da ferramenta Bacen-Jud, isso baseado no fato de que o juiz tem a possibilidade de determinar o desbloqueio (total ou parcial) de contas, quando a constrição se revela excessiva ou recaia sobre valores que possuam natureza de impenhorabilidade. Oportuno registrar, também, que o magistrado pode sempre avaliar a necessidade de eventual desbloqueio, se verificar a existência de alguma das situações que contrariam dispositivos legais (constrição de salários, proventos de aposentadoria, pensões e outras verbas de caráter alimentar) ou que demonstrem que a penhora deva ser feita de uma maneira menos excessiva ou gravosa. Ocorre que, por diversas vezes, depois de realizada a constrição de valores de forma indevida, a liberação se torna complicada, pois o devedor passa a uma situação desfavorável, tendo que fundamentar e

13 comprovar seu pedido de liberação dos bloqueios, o que torna, incontestavelmente, a execução gravosa para ele. Ademais, todo esse procedimento de desbloqueio será acompanhado de uma exigência do devedor de outras garantias, antes da liberação do numerário constrito. Nessa situação, de o devedor já se encontrar com recursos de suas contas bancárias retidos indevidamente e com a necessidade de oferecer outros bens para o desbloqueio dos valores, ele se tornou compelido pelo próprio ato de constrição, resultando excessivamente onerosa a execução. De fato, o sistema Bacen-Jud possibilita que o desbloqueio seja realizado num prazo máximo de 48 horas, mas isto não evita os transtornos que o devedor sofrerá em caso de penhora ilegal. O outro argumento de que qualquer penhora realizada sobre qualquer outro bem também pode se mostrar excessiva não é plausível. Claro que mesmo um bem imóvel ou veículo encontrado para penhora pode ultrapassar o valor da dívida executada. No caso de dinheiro, porém, o problema é a utilização desse bem, que é líquido e de uso imediato. Um imóvel penhorado, um veículo ou qualquer outro bem móvel existente não retira a possibilidade de uso deste bem, pelo menos não em um primeiro momento, muito menos pega o devedor de surpresa, como ocorre na penhora online, que, na maioria das vezes, o devedor só fica sabendo ao tentar utilizar os serviços bancários. O doutrinador THEODORO JÚNIOR é cauteloso ao abordar o tema, pois a sistemática da lei contém alguns defeitos que tornam a ferramenta em questão muitas vezes perigosa e prejudicial: Penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira

14 A reforma da Lei n /2006 consagra, no Código, a denominada penhora online, por meio da qual o juiz da execução obtém, por via eletrônica, o bloqueio junto ao Banco Central, de depósitos bancários ou de aplicações financeiras mantidas pelo executado. De início, não se pode realizar a penhora sem antes conhecer o juízo a existência do numerário. Daí a necessidade de requisitar informações à autoridade supervisora do sistema bancário sobre os ativos existentes em nome do executado. Na requisição será informado o montante necessário para cobrir a quantia exeqüenda (débito atualizado no momento da propositura da execução, mais estimativa para honorários, custas e acessórios eventuais) (CPC, art. 659). Não há necessidade da previsão de juros e atualização monetária, porque a partir da penhora esses encargos são obrigatórios e automáticos nos depósitos judiciais. No ato de requisitar a informação sobre a disponibilidade de saldo a penhorar, o juiz já requisitará a indisponibilidade do montante que, em seguida, será objeto da penhora. O banco Central efetuará o bloqueio e comunicará ao juiz requisitante o valor indisponibilizado, especificando o banco onde o numerário ficou constrito. Eventualmente, o valor poderá ser menor do que o requisitado, se o saldo localizado não chegar ao quantum da execução. Em hipótese alguma, porém, se admitirá bloqueio indiscriminado de contas e de valores superiores ao informado na requisição. Embora o dispositivo legal afirme que o juiz poderá indisponibilizar o saldo bancário a ser penhorado, o correto é que sempre isso se dê. Sem o bloqueio prévio, não se terá segurança para realizar a penhora depois da informação do Banco Central. Para que a constrição seja eficaz é indispensável, portanto, o imediato bloqueio da quantia necessária. De posse da informação sobre o bloqueio, o escrivão providenciará a lavratura do termo de penhora, procedendo-se, na forma do art. 652, 1. Se o devedor tiver procurador nos autos, a intimação será realizada em sua pessoa. Caso contrário, será feita pessoalmente ao executado (art.652, 4 ).

15 A fluência do prazo para embargar a execução não depende da formalização da penhora nem da intimação do devedor (ou seu advogado). É que, na nova sistemática da execução por quantia certa, o prazo para embargar fluirá a partir da citação, independentemente da existência ou não de penhora (arts. 736 e 738). Impenhorabilidade do saldo bancário Se o saldo bancário for alimentado por vencimentos, salários, pensões, honorários e demais verbas alimentares arroladas no art. 649, IV, sua impenhorabilidade prevalecerá, não podendo o bloqueio subsistir, conforme ressalva o 2 do art. 655-A. Caberá ao executado, para se beneficiar da impenhorabilidade, o ônus da comprovação da origem alimentar do saldo. Na maioria das vezes, isto será facilmente apurável por meio de extrato da conta. Se os depósitos não estiverem claramente vinculados a fontes pagadoras, terá o executado de usar outros meios de prova para identificar a origem alimentar do saldo bancário. Os embargos à execução servem de remédio processual para a desconstituição da penhora indevida (art. 745, II). Em se tratando, porém, de necessidade urgente de natureza alimentar, não é de descartar a possibilidade de antecipação de tutela, diante de prova inequívoca da origem do saldo bancário, que o torne impenhorável. 5 O jurista BUENO trata, igualmente, o assunto com reserva, uma vez que o Código de Processo Civil inovou com uma ferramenta que auxilia sobremaneira o credor, mas que fere, sem dúvida alguma, o art. 620 do CPC. O art. 655-A passa a regular o que a prática do foro acabou por chamar de penhora on line. Substancialmente, a chamada penhora on line nada mais é do que a possibilidade de o magistrado, devidamente cadastrado perante o Banco Central do Brasil - e é este o objetivo dos convênios firmados entre Humberto Theodoro Júnior. A Reforma da Execução do Título Extrajudicial. 2007, p.

16 o Banco Central e diversos Tribunais Brasileiros - ter acesso a informações que, por serem sigilosas, não seriam de seu conhecimento senão expressamente autorizadas. Tais informações dizem respeito à identificação de dinheiro, ou, mais amplamente, depósitos ou aplicações em instituições financeiras (art. 655, I), o que viabilizará a penhora de tais ativos, inclusive para os fins do inciso VII do art. 655, é dizer, a penhora de percentual do faturamento de empresa devedora. Tal penhora vem expressamente admitida pelo dispositivo em análise, na sua parte final, quando há referência a possibilidade de ser determinada a indisponibilidade dos ativos encontrados até o valor indicado na execução. O caput do art.655-a refere-se a juiz. A penhora on line deve ser entendida, por isso mesmo, como ato seu, indelegável a quaisquer outros serventuários da Justiça. Outra crítica bastante comum com relação à penhora on line diz respeito ao tempo de eventual desbloqueio de ativos, quando, por qualquer razão, a iniciativa mostra-se errada ou, quando menos, superior ao valor devido. A crítica é não só compreensível mas corretíssima. Uma maior agilidade para o desbloqueio de valores por qualquer razão tornados indisponíveis de forma equivocada não é, por si só, razão para duvidar dos benefícios que este ato judicial, mormente quando praticado por meios eletrônicos, tem aptidão para trazer para uma mais efetiva execução. A regra do 1º do art. 655-A parece ser sensível a uma das críticas que os (ab)usos e costumes da chamada penhora on line despertaram em todos aqueles que militam no foro. As informações de ativos do executado devem se limitar ao valor indicado na execução e é este valor que deve limitar também a determinação judicial de sua indisponibilidade. A não-observância dos limites da execução que balizam, em última análise, a prestação da tutela executiva, sob pena de ela ser ilegítima, deve levar à responsabilização daqueles que lhe deram causa. Isto contudo, não pode ser utilizado como bandeira contra o uso deste importante mecanismo de localização do patrimônio do executado e de sua necessária sujeição aos atos executivos. De acordo com o 2 do art. 655-A, compete ao executado comprovar que as quantias depositadas em conta corrente referem-se à hipótese do inciso IV do

17 caput do art. 649 desta Lei ou que estão revestidas de outra forma de impenhorabilidade. O inciso IV do art. 649 trata da impenhorabilidade dos valores recebidos pelo executado que, em última análise, são destinados a sua própria subsistência e à sua família (v. n. 4.3, supra). A regra é clara: é ônus do executado o de alegar e demonstrar que os valores descobertos pelo juiz por força do uso do expediente que lhe autoriza o caput do art. 655-A tem aquele destino. 6 A jurisprudência dos tribunais brasileiros se firmou em torno da interpretação de que a penhora pode recair em dinheiro depositado em conta-corrente ou depósito existente em instituições bancárias, sem que isso seja considerado quebra de sigilo bancário ou execução gravosa ao devedor. Acórdãos reiterados, 7 inclusive do Superior Tribunal de Justiça, em que os julgadores realizaram interpretação sistemática dos arts. 620 e 655 do Código de Processo Civil confirmam a possibilidade de o ato constritivo incidir sobre dinheiro depositado em conta bancária do executado. Já com relação à possibilidade de quebra do sigilo bancário, convém registrar que o tema ensejou, inclusive, a propositura das Ações Diretas de Inconstitucionalidade n.º 3091 e n.º Atualmente, embora as referidas ações ainda não tenham sido julgadas, as discussões a esse respeito têm sido enfraquecidas. Os defensores do Bacen-Jud alegam que o sistema não quebra o sigilo bancário do devedor, pois a penhora online não informa a 6 Cassio Scarpinella Bueno. A nova Etapa da Reforma do Código de Processo Civil. 2007, p STJ-1ª. Turma, REsp /SP, rel. Min. Luiz Fux, j , DJe e STJ- 2ª. Turma, REsp /PR, rel. Min. Mauro Campbell Marques, j. 09/11/2010, DJe 19/11/2010.

18 movimentação financeira do cliente bancário, mas apenas bloqueia o valor solicitado, referente ao crédito exequendo. É necessário registrar, contudo, que a penhora online é uma das ferramentas disponíveis do sistema Bacen-Jud. Como informado ao longo do texto, o juiz também pode requerer extratos e informações como endereço dos clientes das instituições financeiras, independente de se realizar a penhora. No entanto, é correto afirmar que isto não feriria o sigilo bancário, pois o Poder Judiciário é competente para decretar a quebra do sigilo, estando os juízes autorizados a solicitar informações ao Banco Central que: Sobre esse tema, PAMPLONA FILHO já ensinava em Por força de norma legal, já é permitido aos juízes determinar o bloqueio de ativos financeiros e obter de entidades públicas ou privadas as informações necessárias para a instrução de processos, respeitadas as regras constitucionais e processuais vigentes. 9 MORAES acrescenta que: ( ) os sigilos bancário e fiscal são relativos e apresentam limites, podendo ser devassados pela Justiça Penal e Civil, pelas Comissões Parlamentares de Inquérito e pelo Ministério Público uma vez que a proteção constitucional do sigilo não deve servir para detentores de negócios não transparentes ou de devedores que tiram proveito dele para não honrar seus compromissos (...) 10 8 Lei Complementar n.º 105/2001, art. 1º, 4º [26] e art. 3º caput. Art. 3º - Serão prestadas pelo Banco Central do Brasil, pela Comissão de Valores Mobiliários e pelas instituições financeiras as informações ordenadas pelo Poder Judiciário, preservado o seu caráter sigiloso mediante acesso restrito às partes, que delas não poderão servir-se para fins estranhos à lide. 9 Rodolfo Pamplona Filho. Convênio Bacen/TST: primeiras dúvidas. In: Revista do Curso de Direito das Faculdades Jorge Amado. Salvador: Faculdades Jorge Amado, 2002, v. 2, n. 1, p. 476, jan./dez Disponível em: <http://www.fja.edu.br/publicacoes/p_rd_02.pdf> Acesso em: 16 /mar/ Alexandre de Moraes. Direito constitucional. 2006, p. 62.

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias PENHORA ON LINE Noções Introdutórias Caracterizada como ato específico da ação de execução por quantia certa contra devedor solvente, a penhora nada mais é do que um ato executório, uma vez que produz

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor)

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV. (Requisição de Pequeno Valor) BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A RPV (Requisição de Pequeno Valor) Hugo Soares Porto Fonseca O caput do art. 100 da Constituição Federal 1 determina que os pagamentos de valores devidos pelas Fazendas Federal,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO I PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE MAGISTRADOS FÓRUM BRIC Exchange Program for Judges BRIC Forum Marivaldo Dantas de Araújo Juiz de Direito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ONLINE

CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ONLINE UNICID UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ONLINE EDNEIA FREITAS GOMES Araguari MG 2011

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa e a penhora on line como formas de efetivar a antecipação de soma em dinheiro Luiz Guilherme Marinoni* 1. O uso da multa Como é óbvio, a tutela antecipatória de soma supõe

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2011, do Senador Armando Monteiro, que acrescenta os arts. 15-A, 15-B e 15-C à Lei nº 6.830, de 22 de

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO Registro: 2013.0000227069 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0051818-40.2013.8.26.0000, da Comarca de Barueri, em que é agravante ITAU UNIBANCO S/A, são agravados

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005.

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005. CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- INSTITUCIONAL QUE FAZEM ENTRE SI O BANCO CENTRAL DO BRASIL, O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA E O CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, PARA FINS DE OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN

Leia mais

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO.

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. A inexistência de intimação para o devedor se manifestar em relação à avaliação realizada implica em nulidade do processo. Esse fato macula de nulidade a arrematação

Leia mais

PENHORA ON-LINE Marina Matos Lemos de Souza Lima * Luís Antônio de Aguiar Bittencourt** Resumo: O objetivo deste artigo é analisar o que se convencionou chamar de Penhora On-Line, demonstrando alguns de

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA Paulo Mazzante de Paula Advogado; Especialista em Direito Processual Civil; Mestrando pela Unespar/Fundinop;

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000)

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000) AGRTE AGRDO ADV/PROC ORIGEM RELATOR : UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) : CLEIDE & LIMA LTDA ME : PEDRO MELCHIOR DE MELO BARROS e outros : 28ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ARCOVERDE) : DESEMBARGADOR FEDERAL FERNANDO

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03.

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. Disciplina, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, os procedimentos relativos à

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.187.146 - MT (2010/0053786-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : ELÓI BRUNETTA : EUCLIDES RIBEIRO S JUNIOR E OUTRO(S) : BUNGE ALIMENTOS S/A : FÁBIO SCHNEIDER E OUTRO(S) RELATÓRIO

Leia mais

A CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ON-LINE

A CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ON-LINE 35 A CONSTITUCIONALIDADE DA PENHORA ON-LINE Ricardo Maciel dos Santos* Para agilizar o processo de execução trabalhista, o Tribunal Superior do Trabalho firmou, em março de 2002, um convênio com o Banco

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE

O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE FÁTIMA NANCY ANDRIGHÍ Ministra do Superior Tribunal de Justiça É certo considerar uma ousadia o aluno escrever sobre a matéria em que o seu professor é a estrela

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 202.733 - PR (2012/0144391-7) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO AGRAVADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO BRADESCO S/A : MATILDE DUARTE GONÇALVES DANIEL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

Sistema Bacen-Jud posição do CNJ.

Sistema Bacen-Jud posição do CNJ. Sistema Bacen-Jud posição do CNJ. O texto que segue abaixo não é um artigo com opiniões do autor, mas apenas um breve relatório sobre duas decisões do Conselho Nacional de Justiça em relação ao tema envolvendo

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados

MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados MARCELO ABELHA RODRIGUES 1 Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados Penhora eletrônica de dinheiro no NCPC 1. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Penhora on line em tempo integral. Luciano Barbosa da Silva

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Penhora on line em tempo integral. Luciano Barbosa da Silva Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Penhora on line em tempo integral Luciano Barbosa da Silva Rio de Janeiro 2014 LUCIANO BARBOSA DA SILVA Penhora on line em tempo integral Artigo Científico

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO

CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO CONGRESSO IBDT/AJUFE DE DIREITO TRIBUTÁRIO Execução fiscal, colidências com o CPC e questões relacionadas às garantias. Execução Fiscal: especialidade e subsidiariedade Leonardo Buissa Freitas Execução

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 200 Registro: 2014.0000390320 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2044896-12.2014.8.26.0000, da Comarca de Franca, em que é agravante MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N.º 12/2013 CAOP Cível OBJETO: Cumprimento de Sentença Medidas Cabíveis Para a Localização de Veículos Encontrados por meio do Sistema RENAJUD, e que se encontram na Posse de Terceiros INTERESSADA:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 142 Registro: 2014.0000196662 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2032279-20.2014.8.26.0000, da Comarca de, em que é agravante ENGELUX CONSTRUTORA LTDA.

Leia mais

AÇÃO DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS c/c PRESTAÇAO DE CONTAS

AÇÃO DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS c/c PRESTAÇAO DE CONTAS EXCELENTÍSSIMO SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE FEITOS CÍVEIS GERAIS DA COMARCA DE, ESTADO DE ; FULANO DE TAL, nacionalidade, estado civil, profissão, portador do RG nº 000000000000 SSP/XX e do CPF sob

Leia mais

Pagamentos Antecipados no Parcelamento da Lei n. 11.941/2009

Pagamentos Antecipados no Parcelamento da Lei n. 11.941/2009 Pagamentos Antecipados no Parcelamento da Lei n. 11.941/2009 Fere o princípio da proporcionalidade o pagamento da mesma prestação básica, acrescidas dos encargos leais, de uma modalidade de Parcelamento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão)

RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão) Documentos Necessários RG (Registro Geral) CPF (Cadastro de Pessoa Física) Comprovante de Endereço (Máximo de 90 dias da emissão) TERMOS DE USO DO SITE EM LEILÕES "ON-LINE" E ELETRÔNICO A) O USUÁRIO, que

Leia mais

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP

Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal. Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP Seguro Garantia Judicial em Execução Fiscal: condições e autorização legal Íris Vânia Santos Rosa Mestre e Doutora PUC/SP 1. Como podemos incluir o Seguro Garantia Judicial como válida hipótese de Penhora

Leia mais

A execução pelo modo menos gravoso ao executado. É correto?

A execução pelo modo menos gravoso ao executado. É correto? A execução pelo modo menos gravoso ao executado. É correto? Rosana Boscariol Bataini Polizel 1 RESUMO: A execução pelo modo menos gravoso ao executado deve ser vista com cautela, para que os princípios

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Seção Judiciária do Rio Grande do Norte 6ª Vara PORTARIA Nº POR.0006.000006-0/2014 O Juiz Titular da 6ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio Grande

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1. ÁREA 5 DIREITO PROCESSUAL CIVIL, I, II, III, IV, V e VI DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Sujeitos do processo. Litisconsórcio. Intervenção de terceiros. Petição inicial. Causa de pedir. Pedido. Citação. Atos

Leia mais

Penhora on line. Luiz Guilherme Marinoni. Professor Titular de Direito Processual Civil da UFPR. Advogado em Curitiba em Brasília.

Penhora on line. Luiz Guilherme Marinoni. Professor Titular de Direito Processual Civil da UFPR. Advogado em Curitiba em Brasília. Penhora on line Luiz Guilherme Marinoni Professor Titular de Direito Processual Civil da UFPR. Advogado em Curitiba em Brasília. A penhora de dinheiro é a melhor forma de viabilizar a realização do direito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL 3ª Vara da 5ª Subseção Judiciária Campinas/SP Autos n.º 0014813-89.2004.403.6105 Vistos. Trata-se de Execução Fiscal para cobrança de débito inscrito em dívida ativa referente à IRPJ. Após o oferecimento

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 Regulamenta os critérios para operacionalização do Sistema de Investigações Bancárias Simba no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE E O CORREGEDOR

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte Unidade VIII I. PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO 1. Acepções e espécies a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO PENHORA ON-LINE NA JUSTIÇA DO TRABALHO: CONVÊNIO BACEN-JUD E A JUSTIÇA TRABALHISTA

FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO PENHORA ON-LINE NA JUSTIÇA DO TRABALHO: CONVÊNIO BACEN-JUD E A JUSTIÇA TRABALHISTA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO PENHORA ON-LINE NA JUSTIÇA DO TRABALHO: CONVÊNIO BACEN-JUD E A JUSTIÇA TRABALHISTA Projeto de Pesquisa CARLOS AUGUSTO MARQUES Projeto de pesquisa

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL

Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Anexo I (Art. 1º da Instrução Normativa STJ/GDG n. 8 de 4 de maio de 2015) ROTINAS E PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL Seção I Da Criação, da Captura e da Digitalização de Documentos Art.

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça II Encontro Nacional do PJe (Brasília, 5 de agosto de 2015) O novo CPC: o papel do Conselho Nacional de Justiça nas disposições sobre o processo eletrônico Luciano Athayde

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08 PORTARIA 002/08 Os Doutores GUILHERME PINHO MACHADO, Juiz Federal da Vara Federal Cível da Subseção Judiciária de Canoas, e DANIEL LUERSEN, Juiz Federal Substituto, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti are 4 AGRAVO DE INSTRUMENTO N 2002007767385-9 I 001 - Capital RELATORA : Dr Carlos Martins Beltrão Filho Juiz convocado AGRAVANTE : SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente ADVOGADO :

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1 o O presente regulamento visa a disciplinar a operacionalização e a utilização do sistema BACEN JUD 2.0. Parágrafo único. A utilização do sistema

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro., vem, auxiliado pela Amaerj Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, com fulcro na jurisprudência e legislação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2011.0000248678 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0166066-87.2011.8.26.0000, da Comarca de Franca, em que é agravante CALÇADOS PINGO LTDA MICRO

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br.

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. Apresentação a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. c) nome do trabalho/projeto: Sistema para

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 O Corregedor Nacional de Justiça, Ministro Gilson Dipp, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que durante as inspeções

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira , AG no 001.2003.008756-1/003 sta rwlis Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO No

Leia mais

BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA

BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA BRANDEL, COMTE & LOUVERA CONSULTORIA JURÍDICA Rio de Janeiro, 12 de agosto de 2013. DA CAUTELA NA ADOÇÃO DE MEDIDAS EXPROPRIATÓRIAS NO ÂMBITO DAS EXECUÇÕES FISCAIS *Autor: Augusto Comte Rotineiramente,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento.

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento. A intimação do contribuinte por edital e o protesto da dívida tributária à luz da A constituição da dívida ativa tributária e não tributária do Município pressupõe a inscrição do crédito tributário e não

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000250943 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0080413-48.2010.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada Condições de Venda em Hasta Pública Unificada ORIENTAÇÕES DO PREGÃO JUDICIAL Última atualização em Terça, 26 Agosto 2014 01. Para todas as Varas do Trabalho deste Regional, a Hasta Pública Unificada realizada,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SETOR JURÍDICO DA ASSEMP

REGIMENTO INTERNO DO SETOR JURÍDICO DA ASSEMP REGIMENTO INTERNO DO DA ASSEMP O Setor Jurídico da ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE, doravante denominado Jurídico-ASSEMP, será regido de acordo com este regimento e

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0003477-9/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE PITANGA IMPETRANTE...: JOÃO OLÍVIO BENTO DA SILVA AUTORIDADE COATORA...: JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA COMARCA

Leia mais

Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o

Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o A idoneidade da fiança judicial Ricardo de Oliveira Paes Barreto Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o contraditório. Esse princípio, mais que balizador do direito processual

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais