directa: Simulação de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "directa: Simulação de"

Transcrição

1 Deparameno de Engenhara Elecroécnca Comuncação sem fos 007 / 008 Mesrado Inegrado em Engenhara Elecroécnca e Compuadores 4º ano 7º semesre Ssemas de espalhameno especral por sequênca dreca: Smulação de uma comuncação CDMA ambene smuln hp://ele.dee.fc.unl.p aulo Monezuma

2 Índce. Objecvo Inrodução pos de écncas de espalhameno especral Espalhameno especral por sequênca dreca Ssemas DS SS (Drec Sequence Spread Specrum) Códgos N Caracerzação de códgos de espalhameno Sequêncas de Comprmeno Máxmo (m sequences) Sequêncas de Gold e Kasam... Objecvos do rabalho Relaóro Bblografa... 6

3 . OBJECIVO Famlarzação com os ssemas de espalhameno especral por sequênca dreca. Nese conexo são analsados os város elemenos nervenenes no desenho de um ssema de comuncação CDMA (Code Dvson Mulple Access) com quaro ulzadores dsnos, dando-se especal aenção à consrução dos snas e solameno das componenes do snal assocadas a cada um dos ulzadores. É gualmene avalado o mpaco do ruído no desempenho do ssema de recepção em condções de sncronzação perfea quer a nível emporal quer a nível de fase. reende-se gualmene proceder a uma análse dos efeos de uma varação no comprmeno das sequêncas de espalhameno usadas na recepção, nomeadamene no aumeno da nerferênca enre ulzadores e axa de erros de decção assocada a cada um dos ulzadores presenes. ara ese efeo são mplemenados, com recurso ao smuln dversos esquemas de ransmssão e recepção, para análse do mpaco de cada um dos elemenos no desempenho de um ssema de ransmssão consderado.. INRODUÇÃO As écncas de Espalhameno Especral (Spread Specrum) são conhecdas desde os anos 40, onde começaram a ser usadas fundamenalmene para aplcações mlares. No níco dos anos 80, esas écncas foram nroduzdas no ssema GS e na década de 90 como ecnologa de rádo móvel nos Esados Undos com o CDMA ONE. Na Europa, depos da ª geração de rádo móvel, GSM (Global Sysem for Moble Communcaons), as comuncações com base em espalhameno especral ganharam forma comercal com o UMS, como resposa à necessdade de comuncações móves com maor rapdez de ransferênca de dados e no ssema Galleo. O méodo de múlplo acesso é o WCDMA (WdeBand Code Dvson Mulple Access) ulzado não só na Europa como em ouras zonas do mundo, como o Japão. Oura aplcação comercal que em do basane sucesso, e que ambém em como base écncas de espalhameno especral, é o WIFI. 3

4 As écncas de ransmssão ulzando espalhameno especral caracerzam-se fundamenalmene pela ulzação de um códgo pseudo-aleaóro, semelhane a ruído e ndependene da nformação a ransmr, de modo a se proceder ao espalhameno da energa do snal por uma largura de banda muo superor à largura de banda da nformação orgnal. Sendo a largura de banda ulzada na ransmssão desgnada por W, e a axa de ransmssão dos bs de nformação desgnada por R bs/s, a relação enre a largura de banda de ransmssão e a axa dos bs de nformação defne o facor de espalhameno dos bs de nformação na largura de banda de ransmssão dsponível. Esa relação geralmene desgnada por facor de espalhameno (SF) é ambém conhecda por ganho de processameno (G) e defnda por W SF = () R Na fgura, pode-se observar o efeo de espalhameno dos bs de nformação pela Largura de Banda de ransmssão, al como verfcar o sgnfcado do facor de espalhameno (SF). Bs de nformação anes do espalhameno Bs de nformação depos do espalhameno SF Ruído Fgura SD dos snas anes e após o processo de espalhameno A largura de banda de ransmssão é um recurso comum sendo ulzada e parlhada por odos os ulzadores. Cada ulzador usa o canal de comuncação de banda larga ulzando uma espéce de ruído dsrbuído pela gama de frequênca dsponível. Assm, o snal emdo por cada um dos ulzadores conrbu para o ruído de fundo, que afeca odos os ulzadores, na forma de nerferênca. A poênca ulzada por cada fone de ransmssão deverá ser apenas sufcene para assegurar a SNR requerda à QoS preendda. Obvamene, a nerferênca é o prncpal facor lmavo da capacdade de um ssema de espalhameno de especro. 4

5 Consderando o recepor presene na Esação Base, usualmene referda como NodeB no ssema UMS, a nerferênca oal senda ao proceder à recuperação do snal de um dos ulzadores do ssema, pode ser expressa por, I ( NUsers ) = () Na expressão apresenada I, N Users e represenam, respecvamene, a nerferênca oal, o número oal de ulzadores do ssema e a poênca méda usada por cada ulzador. As duas forma mas comuns de ssemas de espalhameno de especro são o méodo de Sequênca Dreca (DS-SS) e Salo Frequênca (FH-SS). Os maores benefcos assocados a esa écnca conssem em: An jammng An nerferênca Baxa probabldade de nersepção Ala resolução no alnhameno emporal (Hgh resoluon rangng) mng exaco Capacdade de communcações mul-user com capacdade de endereçameno As maores quesões relaconadas com o desenho de ssemas de espalhameno especral são: Como medr o desempenho? Quas são as sequêncas de códgo a usar e respecvas propredades? Qual o nível de nerferênca olerável? Qual o desempenho quando város ulzadores parlham a mesma banda? Qual o efeo do espalhameno especral na redução dos efeos da propagação mul-percurso? Como se procede ao sncronsmo (aqusção de códgo) e ese é mando enre recepor e emssor (racng)? Um aspeco fundamenal do espalhameno especral consse no modo como garane proecção conra snas nerferenes de poênca fna. Ao espalhar o snal por uma gama maor de valores de frequênca, obrga que o snal nerferene, de poênca lmada, se espalhe ambem por esa gama de frequêncas, mnmzando a poênca nerference em cada frequênca, ou que ese nerfra somene numa gama lmada da gama de frequêncas do snal, dexando as resanes lvres de qualquer nerferenca. 5

6 .3 IOS DE ÉCNICAS DE ESALHAMENO ESECRAL Enre as écncas mas comuns de espalhameno especral, podem-se desacar : Espalhameno dreco de sequênca ou DSSS (Drec Sequence Spread Specrum) Espalhameno por salo na frequênca ou FH (Frequency Hopng) Na prmera o snal orgnal é espalhado numa banda superor à banda ocupada pelo snal orgnal, por nermédo de uma sequenca d espalhameno com n chps. O rmo resulane do snal espalhado é n vezes superor ao rmo do snal orgnal, sendo a banda gualmene n vezes superor. No segundo caso, o snal é espalhado por n poradoras dsnas, segundo um padrão pré esabelecdo de salo enre as dversas frequêncas. Uma aplcação dreca da prmera écnca é o DS-CDMA, aplcado em ssemas GNSS, como o GS e Galleo, na qual cada em arbuído um códgo de espalhameno dsno e orogonal aos códgos dos ouros saéles. ambém ssemas de comuncação como o CDMA 450 e UMS, aplcam esa écnca, já que a cada ulzador presene na rede é arbuído um códgo de espalhameno orogonal aos resanes códgos. A dferença resde na polca de gesão dos códgos, realzada agora ao nível de cada esação base, na banda ulzada e nas propredades dos códgos usados. No caso do GS e Galleo, os códgos ulzados êm um comprmeno maor que nos ssemas comercas baseados em CDMA, so garane não só uma maor robusez face a jammng, mas ambém uma maor robusez face a enavas de acesso não auorzadas aos snas encrpados..3. Espalhameno especral por sequênca dreca Em ssemas que ulzam o méodo DS-SS, os bs de nformação são espalhados aravés da ulzação de um Códgo com propredades especas. Ese códgo, ao ser conhecdo ano no emssor como no recepor e esando o recepor correcamene sncronzado, orna possível a recuperação do snal orgnal de enre o ruído de fundo. Ese po de acesso múlplo ao meo de comuncação é desgnado por CDMA. O po de acesso múlplo ulzado no UMS, GS é baseado no CDMA, mas com o pormenor de ulzar uma largura de banda de ransmssão maor que um ssema ípco CDMA, desgnando-se porano de WCDMA. Na fgura 4 apresenada abaxo pode-se observar a lusração de um ssema CDMA. 6

7 Densdade de oênca [] Códgo n.. Códgo Códgo [f] Fgura 4 Ilusração da dvsão por códgos ulzada no WCDMA Os códgos ulzados no espalhameno especral, códgos N (seudo Nose), apresenam propredades de Auocorrelação e Correlação Cruzada apropradas para ese efeo. Eses códgos são consuídos por Chps que após a mulplcação com os bs de nformação no ransmssor permem proceder ao espalhameno da nformação. No recepor o processo de recuperação da nformação orgnal é semelhane. Nas Fguras 5 e 6 é exemplfcado o processo de espalhameno, bem como o snal resulane desa operação. Códgo de Espalhameno c c Informação Snal Espalhado b b b3 b.c b.c b.c b.c b3.c b3.c Fgura 5 Ulzação de Códgos de Espalhameno 7

8 Bs de Informação Códgo N Snal Espalhado Fgura 6 rocesso de espalhameno Os códgos seudo Aleaóros êm amanho varável, embora comprmenos maores do códgo garanam maor proecção conra a nerferênca, seja esa aleaóra ou nenconal (Jammng). Uma quesão que assume grande mporânca, nos ssemas baseados em DS-SS, é assegurar a sncronzação enre o ransmssor e o recepor. No ssemas UMS esa quesão é resolvda aravés da ulzação de bs ploo. Na fgura 7 lusra-se resumdamene a esruura de um ssema de Espalhameno Especral. Canal Rádo Bs de Informação Bs de Informação Códgo de Espalhameno Códgo de Espalhameno Fgura 7 Esquema de Acesso DS SS 8

9 .3. Ssemas DS-SS (Drec Sequence-Spread Specrum) al como já fo referdo anerormene, nos ssemas de espalhameno especral, os símbolos de nformação são espalhados aravés da ulzação de uma sequênca de espalhameno amanho L. A sequênca de espalhameno pode ser represenada da segune forma, L = j= 0 ( ) ( () )( r j ) (3) j c ( ) () com onde j represena um elemeno da sequênca de espalhameno, C = é o empo de chp, W represena o ulzador de índce, a sequênca seudo aleaóra e r() um mpulso recangular. Após espalhameno, a sequênca resulane, x ( ) () ( ) ( d ) () ( x ) ( ), pode ser expressa por, = (4) com o símbolo ( ) a represenar o produo de cada elemeno de nformação ( d ) por oda a sequênca pseudo-aleaóra ( ) (). Consderando odas as fones de nformação, a úlma expressão pode ser reescra na forma, x = = 0 ( () x ) () (5) Na recepção, o snal pode ser escro como () x() h() n( ) y = + (6) em que h () represena a resposa mpulsva do canal rádo, ( ) n é o ermo referene ao ruído AWGN (Addve Whe Gaussan Nose) e represena a operação de convolução. Aendendo a que o snal do ulzador é r ( ) () ( x ) () h() = (7) a expressão Error! Reference source no found.) pode ser escra na forma, = = 0 ( () r ) () + n() y (8) 9

10 ara dsngur a nformação de cada fone ransmssora e compensar os efeos do canal rádo, bem como proceder ao desespalhameno do snal recebdo, ulza-se um flro adapado (MF) a cada fone ransmssora. O flro MF não é mas que a sequênca de espalhameno empregue na ransmssão a assocada em sére com um correlador. O snal fnal recuperado de uma dada fone ransmssora assume a forma, z () () ( y MF ) () = (9).4 CÓDIGOS N Nos ssemas baseados em Espalhameno Especral, os códgos seudo aleaóros, ambém conhecdos como códgos N, são ulzados para proceder ao espalhameno dos bs de nformação. As propredades esaíscas dos códgos seudo aleaóros, nomeadamene correlação, auo correlação e correlação cruzada, conssem nos prncpas facores lmavos dese po de sequêncas []. Em ssemas comercas, os códgos de ruído seudo-aleaóros são geralmene ulzados para duas operações dsnas. É normalmene realzado um processo de Espalhameno (spreadng), que perme garanr orogonaldade enre fones ransmssoras da mesma célula. Nesa operação são ulzados os códgos OVSF de Walsh que normalmene se desgnam por Códgos de Canal (Channelzaon Codes). A operação segune é a mulplcação da sequênca resulane da operação aneror por um códgo N longo, específco de cada célula (SC no UMS). Eses códgos desgnam-se normalmene por códgos de Baralhameno (scramblng) e não aleram a largura de banda do snal prevamene espalhado. Sequênca ncal Espalhameno Baralhameno Sequênca ransmda Códgo OVSF Códgo N Fgura 8 Operações de Espalhameno e Baralhameno SC Scramblng Code 0

11 ara lusrar o efeo do espalhameno, pode-se consderar uma ransmssão bnára anpodal de valores ± A, com símbolos de energa E b e duração. Conforme é apresenado na fgura 8, no ransmssor a sequênca bnára de dados é mulplcada por uma sequênca de espalhameno aleaóra [], obendo-se chps/b. A sequênca do snal recebdo é y ( ) b( ) p( ) + j( ) = (0) em que J () represena um snal nerferene no qual é conablzada a conrbução do ruído. ± Sequênca de dados A = ± E b ± A Decsão () () U Inerferênca J() 0 Gerador Aleaóro Fgura 9 Espalhameno especral em banda base O snal aneror é usado num correlador, obendo-se na saída U E b 0 y( ) p( ) d, () onde o ermo negrando pode ser descro na forma y ( ) p( ) b( ) p ( ) + J ( ) p( ) = b( ) + J ( ) p( ) = () A decsão é baseada na saída aneror, adopando-se a regra de decsão dependene da polardade de U. Admndo que o snal nerferene é ruído do po AWGN, de varânca N 0 j, enão J ( ) p( ) e U (), são gualmene varáves Gaussanas. Uma vez que b ) = ± E b (, a méda e varânca de U, são respecvamene E b e E b N 0 j, pelo que a probabldade de erro

12 será descra por Q E N b 0 j []. Da probabldade de erro, consaa-se que, face a ruído AWGN, o espalhameno especral é núl na medda em que o ruído ocupa a oaldade da banda do snal resulane do espalhameno, o que acarrea a nexsênca de ganho de espalhameno. No enano, pode-se admr um snal nerferene de banda lmada com energa J( ) = E, a saída do recepor será descra por j E J. Se U = E b + n E b E j n = X, (3) onde as varáves X são varáves aleaóras ndependenes e equprováves ( ( X + ) = ( X = ) = =. Agora a SNR é descra por E ( U ) E SNR = = n var( U ) E b j (4) De Error! Reference source no found.), consaa-se faclmene que a SNR vem aumenada de um facor gual a n, que concde com o ganho de processameno assocado ao espalhameno. De (4) resula a expressão aproxmada para a probabldade de erro de b Eb = U < 0 Q n E j ( (5) e ) Como sera de anever da expressão (4), a probabldade de erro vem ncremenada em db, quando se recorre a espalhameno, na presença de um snal nerferene de banda log 0 n lmada e menor que a banda ocupada pelo snal espalhado. A ulzação de códgo perme corrgr erros devdo ao jammng de dos bs de um sub conjuno de poradoras ou dos chps da sequênca espalhada em DS. O nerleavng ao alerar a ordem pela qual os bs são envados, orna os erros provocados pelo jammng ncorrelaconados, evando gualmene a exsênca de rajadas de erros, o que ncremena a capacdade correcora

13 dos códgos ulzados. Evenualmene, pode-se recorrer anda a esquemas de codfcação, ulzando mulplos códgos, al como aconece no UMS..4. Caracerzação de códgos de espalhameno Na secção aneror, admu-se uma sequênca puramene aleaóra para realzar o espalhameno especral do snal. Obvamene que, para se realzar o despreadng do snal, é necessáro o conhecmeno prévo da sequênca de espalhameno usada, pelo que se usam na práca sequêncas pseudo-aleaóras ou sequêncas N (seudo Nose) que apresenem, se possível, as segunes propredades: I. Geração fácl. II. Comporameno aleaóro. III. eríodos longos. IV. Serem dfíces de reconsrur a parr de um segmeno da sequênca. As sequêncas geradas, a parr de regsos de deslocameno lneares com feedbac, verfcam as propredades I, II e III, enuncadas acma (caso das sequêncas bnáras de comprmeno máxmo [, 7], nas quas as sequêncas N se nserem). pcamene, o regso de deslocameno usado para geração das sequêncas em a esruura apresenada na fgura 0, em que exsem m elemenos de araso que ransferem o seu coneúdo para o próxmo elemeno da cadea à sua drea a cada mpulso de relógo. C n C n Cn m Cn m a a am mod Fgura 0 - Regso de deslocameno As saídas, de cada um dos regsos, são combnadas lnearmene numa operação de soma em módulo de e poserormene colocadas na enrada do regso de deslocameno. or consegune, a sequênca bnára resulane pode ser descra, numa forma recursva, aravés da relação 3

14 Cn m = acn (mod ) (6) = Obvamene que o número de esados, do regso de deslocameno, depende do esado ncal e dos coefcenes bnáros a. ara efeos de espalhameno são usados cclos de comprmeno máxmo, so é, cclos de período segunes propredades []: L. As sequêncas N resulanes deverão apresenar as. Equlíbro O número de s e 0s que compõe o códgo é o mesmo ou apenas dfere por um (no caso do nº de símbolos ser mpar). Esa propredade é mporane de modo a garanr que a componene DC (Drec Curren) seja a menor possível e garana smera na modulação. N =, => = + (7). Comprmeno das Repeções (Run-Lengh) O comprmeno de uma repeção consse no número de bs bnáros guas segudos numa sequênca N. Assm, o comprmeno das repeções de s e 0s e a sua ocorrênca deverá ser a segune: - ½ das repeções deverão er comprmeno - ¼ das repeções deverá er comprmeno - das repeções deverá er comprmeno E assm por dane, segundo a regra: Nruns b bs = b (8) 3. Auo-Correlação 4

15 Esa propredade perme verfcar o nível de nerferênca enre versões desfasadas do mesmo códgo, assumndo porano parcular mporânca em ambenes mulpercurso. Defnndo C n por meo da ransformação Cn = β, a função de auo correlação n R L C ( + = R C ) L C C será descra por, (, = 0, L,L,... ) =, ml, m = 0,,... L (9) em que L = N. No caso em que o snal de espalhameno p () é uma onda quadrada, equvalene às sequêncas anpodas C, admndo L e defnndo a grandeza n Λ(, < ) = c 0 c (0) é possível colocar a auo-correlação na forma R ( ) Λ( nlc) () n As expressões (0) e () decorrem drecamene do faco das sequêncas N concdrem com um caso parcular das sequêncas de comprmeno máxmo. A ercera propredade enuncada arás, é mporane na medda em que a auocorrelação de p () deermna o especro assocado à sequênca de espalhameno. Uma vez que p () é peródco com período N f c, a auo correlação será gualmene peródca. Aplcando a ransformada de Fourrer à auo correlação, obém-se um especro de lnhas caracerzado por S p ( f ) = L L + + δ ( f ) + snc δ ( f mf 0 ) L m = L () m 0 m 5

16 com 0 = f c m f. Da expressão aneror verfca-se que é convenene aumenar o período, de modo a que o especro dscreo se aproxme de um especro conínuo smlar ao de uma sequênca bnára puramene aleaóra (um especro connuo só se consegue no caso lme em que L ). Convém anda salenar que é mporane ulzar sequêncas em que a auocorrelação R seja elevada se as sequêncas esveram sncronzadas ( = 0) e apresene valor p ( ) baxo em caso conráro ( 0). No exemplo apresenado a segur, pode-se observar o cálculo da auocorrelação para o códgo [ ] N = com uma versão sncronzada e não sncronzada do mesmo. A função de auocorrelação do códgo referdo pode ser observado na fgura. a) Sequêncas Sncronzadas C C n n (0) = + (0) = = R ( = 0) = 7 p b) Sequêncas não Sncronzadas Cn (0) = + C () = + n = R p ( = 0) = 6

17 R c ( ) 7 - -N N 6 Fgura - Função de Auocorrelação 4. Correlação Cruzada Esa propredade perme avalar o nível de nerferênca enre dos códgos dsnos, normalmene assocados a fones ransmssoras dsnas. Assm, a correlação cruzada enre dos códgos C n e C deverá ser 0 para qualquer valor de ( Rc ( ) = 0, ' n modo a que os códgos sejam orogonas. Esa propredade pode exprmr-se na forma, ), de / Rc() = (). (+).d = 0 (3) -/ Esa propredade assume parcular mporânca, em ssemas baseados em CDMA, com a coexsênca de ulzadores na mesma banda. Consequenemene, quando se ulzam sequêncas N, em ssemas de espalhameno especral, é essencal que a correlação parcal e correlação cruzada, apresenem valores baxos. A correlação parcal pode ser defnda, consderando uma janela de dmensão w menor que o período, aravés da relação R arc ( w; j, j+ w ) CnCn+ (4) n= j al que 7

18 max( R ( w; j, )). (5) arc < m Uma vez que as sequêncas são peródcas, é possível defnr duas funções de correlação, dependenes da polardade de uma sequênca relavamene à oura no nsane ncal. Defnndo a correlação cruzada como R L CC' ( ) C C' + (6) L = com max( ' ( )) < R. (7) CC As correlações cruzadas par e ímpar, podem ser obdas a parr de (6), fazendo R FCC' ( ) C C' + (8) L = e podem ser descras por nermédo de R ( p) CC ' ( ) = RFCC' ( ) + RFCC' ( L ) (9) e por R ( ) CC '( ) = RFCC' ( ) RFCC' ( L ) (30) ( ) e deverão por sua vez obedecer às condções mposas max( R CC' ( )) < e max( R ( p) CC '( )) <, decorrenes de (5). A verfcação desas condções, junamene com uma correlação cruzada baxa, garane baxa nerferênca enre ulzadores que parlhem a mesma banda e orna-as adequadas para ssemas de CDM (Code Dvson Mulplexng) baseados em espalhameno especral. As condções mposas à correlação parcal e correlação cruzada, quando verfcadas, garanem níves baxos de auo nerferênca e de nerferênca enre ulzadores dsnos que parlhem em smulâneo a banda. 8

19 Consdera-se agora um ssema DS-CDMA (Drec Spreadspecrum-Code Dvson Mulple Access), no qual, a cada ulzador é arbuído um códgo de espalhameno, aproxmadamene orogonal aos códgos assocados aos ouros ulzadores. ara efeos de exemplo, pode-se admr o ssema apresenado na fgura, no qual se consderam smulâneo. Nesa suação o snal recebdo será da forma N u ulzadores em N u ( ). ( ).cos( ω + θ ) + μ ( ) y( ) = A. b 0 w (3) = RR ransmssor RD Raos Drecos RR Raos Reflecdos RD μ w () y() μ w () y() μ w () y() d 0 cos( d 0 ω0 u() d () ) () cos( 0ω 0) () cos( ω0) N u u() u() Fgura - Ssema DS-CDMA com N u ulzadores Admndo que exse um sncronsmo emporal e de fase perfeo, com o ulzador, o snal na saída do correlador será da forma g( ) = A μ w N u = A. b ( ). ( ). ( ).cos( θ ).cos( θ ) (). ( ).cos( ω )d. o 0 (3). d Fazendo = 0 e θ = 0, é possível colocar a expressão aneror na forma smplfcada 9

20 0 ( ) ( ) ( ) ( ) () () ( )d d b A A g w N o u..cos..cos.... ) ( 0 0 ω μ θ + + = = (33) Da análse, da expressão aneror, verfca-se que o segundo ermo de ) ( g, relavo à nerferênca, consse no somaóro de correlações cruzadas parcas. Logo ) ( g, pode ser colocado na forma ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) d d A A g u N o μ + ± ± + = =.. ) (,(34) com () () ( ) ( )d w..cos. 0 0 ω μ μ =. or consegune, verfca-se que as condções mposas em (5) e (7), são essencas quando se preende mnmzar a nerferênca devdo aos resanes ulzadores. No conexo de um ssema com um únco ulzador, em-se na saída do correlador assocado ao ramo de ordem, ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ) ( cos cos ) ( d b A A g n l l l l o l l l μ θ θ + + = = (35) Admndo mas uma vez 0 = e 0 = θ, êm-se para o ramo ( ) ( ) ( ) = + = n l l l o l l l d b A A g. ) ( (36) ou

21 n l g( ) = A + A. bl ( l ). ( ). ( ') d (37) l= o l com ' = l 0. Dadas as propredades de auocorrelação, relavas às sequêncas N de comprmeno máxmo, o negrando é desprezível face ao prmero ermo A, pelo que se em aproxmadamene A. Esa aproxmação é ano mas válda quano maor for o período das sequêncas ulzadas, já que Rc( ') = m (38) para '. L com L = m e nero..4. Sequêncas de Comprmeno Máxmo (m-sequences) As sequêncas N, mas ulzadas, são as Sequêncas de Comprmeno Máxmo. Esas sequêncas, ambém conhecdas por sequêncas-m (m-sequences), são geradas aravés de regsos deslzanes (shf regser) com m andares ulzando realmenação. O comprmeno n das sequêncas-m é dado por, n = m bs (39) A sequênca é peródca com período n, em que cada período coném bs a e bs a 0. Na fgura 3 pode-se observar uma esruura possível para um regso deslzane com m andares. m m m andares Saída 3.. m- m + Fgura 3 - Esruura genérca de um regso deslzane

22 Relavamene à auocorrelação, as sequêncas-m apresenam um comporameno pracamene ópmo para valores de m elevados, pos os pcos de correlação não nula são quase nexsenes e desprezáves. De faco consderando uma sequênca bpolar { + } de comprmeno n, a auocorrelação deses códgos é dada por, n ( = 0) R ( ) = (40) ( n ) Idealmene, um códgo seudo Aleaóro deve er como auocorrelação n ( = 0) R ( ) = (4) 0 ( n ) A propredade de correlação cruzada assume, gualmene, grande mporânca na maora das aplcações dos códgos N, uma vez que é mporane garanr que os códgos arbuídos aos dversos ulzadores sejam orogonas enre s, ou seja correlação cruzada nula, de modo a maner a nerferênca ão baxa quano possível. Em ermos de correlação cruzada, as sequêncas-m não apresenam o comporameno ópmo ou adequado (não verfcam as condções mposas em (5) e (7). De faco, ao nível da correlação cruzada no mesmo período, os valores de pco são relavamene elevados enre pares de sequêncas-m. endo em cona a nadequação das sequêncas-m aos ssemas comercas (fundamenalmene ssemas assíncronos), surgram em 967 por Gold [3] e em 966 por Kasam [4], novas sequêncas com os nomes dos respecvos auores e que exbam propredades de correlação cruzada convenenes para ssemas comercas..4.3 Sequêncas de Gold e Kasam O prncpal objecvo da codfcação para ssemas comercas, baseados em espalhameno especral, é garanr o maor número possível de ulzadores em smulâneo, manendo a nerferênca múua ão baxa quano possível. ara mnmzar a correlação cruzada, é possível recorrer aos códgos de Gold e Kasam. Ese po de códgos N é gerado aravés de duas sequêncas-m. Consderando duas sequêncas-m a e b como, a = b = [ a a... an ] [ b b... b ] n, (4)

23 a sequênca Gold de amanho n é consruída adconando à sequênca bnára a uma versão da sequênca b deslocada n chps (ou vce-versa). Obêm-se, assm, n novas sequêncas peródcas com período n. Adconando ao unverso das n novas sequêncas, geradas pela operação descra anerormene, as sequêncas ncas a e b, obêm-se n + sequêncas, enão desgnadas por Sequêncas de Gold. = m Esquemacamene eses códgos podem ser gerados a parr de um gerador, cujo dagrama de blocos se enconra represenado na fgura 4, onde pode-se observar a esruura genérca de um gerador de Sequêncas Gold. + 5 h ( p) = p + p + 5 h ( p) = p + p + p + p Sequênca Gold Fgura 4 - Gerador genérco de sequêncas Gold Eses códgos, que possuem propredades de correlação cruzada muo mas convenenes, são especalmene úes pos permem a geração de um número alargado de códgos. A geração de sequêncas de Kasam é ambém realzada recorrendo a duas sequêncas-m. Consderando uma dada sequêncas-m a defnda por, [ a a ] a =... a n (43) m / = m é possível gerar M = novas sequêncas com período n (m é par), aravés dos segunes passos: 3

24 m. Formar uma sequênca b rerando odos os bs / + bs de a (decmação de a ). m Esa nova sequênca é peródca com período /. Rerar n = m / bs das sequêncas a e b, adconando-os (modulo-) com m/+ deslocamenos cíclcos dos bs de b. 3. Inclundo a sequênca-m a ncal no conjuno gerado no passo do processo descro, / obêm-se m sequêncas com comprmeno n = m /. O conjuno desas sequêncas desgna-se por Sequêncas de Kasam. As sequêncas de Kasam, al com as sequêncas de Gold, verfcam as propredades de correlação cruzada e auocorrelação enuncadas arás, o que jusfca a sua adopção em ssemas mululzador baseados em espalhameno especral. 4

25 OBJECIVOS DO RABALHO Os objecvos conssem na mplemenação de um ssema de ransmssão em CDMA no qual coexsem 4 ulzadores com códgos de espalhameno dsnos. Os códgos usados são códgos de gold baseados em polnómos geradores de comprmeno 6 e com os polnómos geradores guas a 4*número de grupo + número do ulzador, que nese caso vara de 0 a 4. Adme-se que exse um sncronsmo perfeo de fase e emporal ao nível da recepção. or consegune há que mplemenar o ssema de ransmssão/recepção em poradora snusodal com uma modulação QSK aendendo a que: O códgo de espalhameno é mplemenado com recurso a um snal polar. A modulação QSK é resulane da soma dos snas devdos a cada um dos ulzadores. ara qualquer um dos snas anerores deve ser smulado um canal sem ruído e um canal com ruído do po AWGN, para SNRs de 0, 0 e 30 db. A esruura de recepção deve garanr o solameno dos snas de cada um dos ulzadores presenes no snal recebdo. O comprmeno da sequênca de espalhameno vara enre 6 e 3.. RELAÓRIO Nesa secção são descros os elemenos que devem consar do relaóro. O relaóro devem consar de cnco pares: Inrodução, Ssema Implemenado, Snas, resulados e conclusões. No rabalho devem ser exemplfcados os dagramas de blocos mplemenados ao nível do smulador. Nos resulados a apresenar devem consar os resulados obdos drecamene do smuln, bem como qualquer resulado complemenar bem como as premssas assumdas para a obenção dos mesmos. As conclusões devem ser comparavas relavamene aos város snas e casos analsados, denfcando as melhores suações e quas as lmações nerenes a cada um dos casos analsados. A dmensão oal do documeno não deve exceder as págnas. 5

26 3 BIBLIOGRAFIA [] - Dlp V. Sarwae e Mchael B. ursley, Crosscorrelaon roperes of seudorandom and relaed Sequences, roc. of IEEE, vol.68, nº 5 Mao de 980. [] - R. rce and. E. Green, "A communcaon echnque for mulpah channels," roc. IRE, vol. 46, pp , 958. [3] - R. Gold, Opmal Bnary Sequences for Spread Specrum Mulplexng, IEEE ransacons on Informaon heory, Vol. I-3, pp. 69-6, 967 [4] -. Kasam, Wegh Dsrbuon Formula for Some Class of Cyclc Codes, Coordnaed Scence Laboraory, Unversy of Illnos, ech Repor No. R-85, 966 6

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos

Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos Caracerzação do ráfego nálse de ssemas de esados nálse de ráfego em ssemas de erda nálse de ráfego em ssemas de araso Bloqueo em ssemas de andares múllos Máro Jorge Leão Inenconalmene em branco Caracerzação

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria CÓNCA PÊNCA Aplcações: CN CC-CC CN CC-CC Crolo de moores de CC-CC Fes de almenação comuadas Carga de baeras ensão cínua de enrada moor de correne cínua crolo e comando baera ede CA ecfcador não crolado

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP OTIMIZAÇÃO DA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY a 5 Novembro de 009 Recfe - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL HIDROTERM

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS

A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS A IMPLANTAÇÃO DO PRINCÍPIO DO DESTINO NA COBRANÇA DO ICMS E SUAS IMPLICAÇÕES DINÂMICAS SOBRE OS ESTADOS Nelson Leão Paes PIMES/UFPE Resumo Nese argo, ulzou-se um modelo de equlíbro geral dnâmco para esmar

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

Agosto / 2014 Versão 2.16

Agosto / 2014 Versão 2.16 Agoso / 4 Versão.6 Todos os dreos reservados. Nenhuma pare dessa obra pode ser reproduzda em qualquer forma ou meo, seja elerônco, mecânco, de foocópa, ec, sem permssão do Safra, deenor do dreo auoral.

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja

Otimização no Planejamento Agregado de Produção em Indústrias de Processamento de Suco Concentrado Congelado de Laranja Omzação no Planeameno Agregado de Produção em Indúsras de Processameno de Suco Concenrado Congelado de Larana José Renao Munhoz Crova Agro Indusral Lda., 15800-970, Caanduva, SP (ose.munhoz@crova.com)

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca Avalação de Méodos de Inerolação do Snal de Varabldade da Freqüênca Cardíaca João Luz Azevedo de Carvalho, Oávo Sérgo de Araúo e Noguera, Adson Ferrera da Rocha, Francsco Asss de Olvera Nascmeno, João

Leia mais

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás

Análise comparativa e teste empírico da validade dos modelos CAPM tradicional e condicional: o caso das ações da Petrobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos capm radconal e condconal: o caso das ações da Perobrás Análse comparava e ese empírco da valdade dos modelos CAPM radconal e condconal: o caso das

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC

NUVENS HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC UVES HP: UMA PROPOSTA SEM MALHA PARA O MEC Adrano Scremn Unversdade Federal do Paraná Deparameno de Engenhara Mecânca Cx. P. 90 853-900 Curba, PR, Brasl Resumo. Duare & Oden (996) desenvolveram recenemene

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]:

da rede são atualizados de acordo com a equação 2 [13]: LS-DRAUGHTS - UM SISTEMA DE ARENDIZAGEM ARA DAMAS COM GERAÇÃO AUTOMÁ- TICA DE CARACTERÍSTICAS HENRIQUE CASTRO NETO, RITA MARIA SILVA JULIA Faculdade de Compuação, Unversdade Federal de Uberlânda Av. João

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share*

A Concorrência entre o Brasil. uma Aplicação do Modelo Constant-Market-Share* A Concorrênca enre o Brasl e a Chna no ercado Sul-afrcano: uma Aplcação do odelo Consan-arke-Share* Arane Danelle Baraúna da Slva Álvaro Barranes Hdalgo 2 RESUO: O fore crescmeno da economa chnesa nos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA LEI KANDIR SOBRE A ARRECADAÇÃO DE ICMS NO ESTADO DO CEARÁ Alejandro Magno Lma Leão Mesre em economa pelo CAEN Audor Fscal da Recea do Esado do Ceará Fabríco Carnero Lnhares Phd

Leia mais

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO

MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO MARKOV SWITCHING CAPM: UMA ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO RETORNO DAS EMPRESAS GAÚCHAS EM RELAÇÃO AO MERCADO EM DIFERENTES AMBIENTES DE RISCO Pedro Tonon Zuanazz 1 Marcos Vnco Wnk Junor 2 Resumo Um dos prncpas

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL

ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR MEIO DOS MODELOS CAPM NÃO-CONDICIONAL E CAPM CONDICIONAL ANÁLISE DO CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO NO BRASIL POR EIO DOS ODELOS CAP NÃO-CONDICIONAL E CAP CONDICIONAL (Cos of equy analyss n Brazl: Non-Condonal CAP and Condonal CAP) Lumla Souza Grol 1 1 Unversdade Federal

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão

Índice de Preços Imobiliários para o Brasil: Estudos para Discussão Mnséro do Planejameno, Orçameno e Gesão Insuo Braslero de Geografa e Esaísca IBGE Dreora de Pesqusas Coordenação de Índces de Preços Ssema Naconal de Índces de Preços ao Consumdor SNIPC Índce de Preços

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Fausno Maos, Paulo Rogéro; Texera da Rocha, José Alan Ações e Fundos de Invesmeno em Ações: Faores de

Leia mais

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE

ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE ANÁLISE CONDICIONADA DA DEMANDA COM CORREÇÃO DE HETEROCEDASTICIDADE Angela Crsna Morera da Slva UFRJ/COPPE - Unversdade Federal do Ro de Janero, Cenro de Tecnologa, Bloco F, sala 114, Cdade Unversára Ro

Leia mais

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS

MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ALEXANDRE DE CÁSSIO RODRIGUES MOMENTO ÓTIMO PARA INVESTIR EM PROJETOS DE MINERAÇÃO: UMA ANÁLISE POR OPÇÕES REAIS E TEORIA DOS JOGOS Belo Horzone MG 202 UNIVERSIDADE

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza Prgramaçã em ASIC para PIC Cmuncaçã Seral Vr Amadeu Suza Inrduçã Nesa quara sére relaand us d mkrasic para prgramar PIC, verems cm realzar a cmuncaçã seral enre PC e mcrcnrladr. A déa será lgar u deslgar

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel

KEE WORDS: Exchange Rates, Parity, Purchasing Power, Gstav Cassel [VIANNA, PEDRO JORGE; PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?]. Recfe. V Enconro de Economsas da Língua Poruguesa, 5-7 de novembro de 2003. TÍTULO: PARIDADE DO PODER DE COPRA: TEORIA OU ETODOLOGIA?

Leia mais

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS*

CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* CRESCIMENTO E DESIGUALDADE: PROSPERIDADE VERSUS ARMADILHAS DA POBREZA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DOS ESTADOS BRASILEIROS* Renaa Couo Morera 1, Marcelo José Braga 2 e Slva Harum Toyoshma 3 Resumo: O problema

Leia mais

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações Inferênca Bayesana Aplcada ao Desenvolvmeno de Modelos Neuras para Traameno de Alarmes em Subesações Vor Huo Ferrera, Julo esar Saccn de Souza e Mlon Brown Do ouo Flo Absrac-- Ts wor nvesaes e applcaon

Leia mais

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear

Análise genética de escores de avaliação visual de bovinos com modelos bayesianos de limiar e linear Análse genéca de escores de avalação vsual 835 Análse genéca de escores de avalação vsual de bovnos com modelos bayesanos de lmar e lnear Carna Ubrajara de Fara (1), Cláudo Ulhôa Magnabosco (2), Lúca Galvão

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DOUTORADO EM ECONOMIA MARCOS ROBERTO GOIS DE OLIVEIRA GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO BASEADO NO VALUE AT RISK ESTÁTICO

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL

CIBRIUS INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL CIBRIUS INSTITUTO CONAB SEGURIDA SOCIAL Plano ConabPrev (COM BASE NA PROPOSTA REGULAMENTO A SER SUBMETIDA A PREVIC Noa Técnca Auaral 060/13 (Refcada) Agoso/2015 1 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 5 2 GLOSSÁRIO...

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

1 { COPPE{EE/UFRJ, Caixa Postal 68504, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, e-mail: vmcosta@embratel.net.br

1 { COPPE{EE/UFRJ, Caixa Postal 68504, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, e-mail: vmcosta@embratel.net.br MODELAGEM DE DISPOSITIOS DE CONTROLE NUMA FORMULAC ~AO AUMENTADA PARA FLUXO DE POT^ENCIA ander Menengoy da Cosa 1; Jose Luz R. Perera Nelson Marns 1 { COPPE{EE/UFRJ, Caxa Posal 6854, Ro de Janero, RJ,

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA

EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA EFEITOS DA MIGRAÇÃO PARA OS NÍVEIS DE GOVERNANÇA DA BOVESPA TRABALHO PREPARADO PARA A BOVESPA Anono Gledson de Carvalho (esa versão: Janero/23) RESUMO Muo em-se ressalado sobre a mporânca de uma boa governança

Leia mais

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012 5 POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 00-0 OPTICAL POLARIMETRY AND MODELING OF POLARS OBSERVED IN OPD/LNA IN THE PERIOD 00-0 Karleyne M. G. Slva Cláuda V. Rodrgues

Leia mais

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico

Convergência e Formação de Clubes no Brasil sob a Hipótese de Heterogeneidade no Desenvolvimento Tecnológico Convergênca e Formação de Clubes no Brasl sob a Hpóese de Heerogenedade no Desenvolvmeno Tecnológco Chrsano Penna Fabríco Lnhares RESUMO: Esse argo examna a exsênca de endêncas de crescmeno comuns e formação

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP

Ricardo Ratner Rochman FGV-EAESP. William Eid Junior FGV-EAESP INSIDERS CONSEGUEM RETORNOS ANORMAIS?: ESTUDOS DE EVENTOS SOBRE AS OPERAÇÕES DE INSIDERS DAS EMPRESAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DIFERENCIADA DA BOVESPA Rcardo Raner Rochman FGV-EAESP Wllam Ed Junor FGV-EAESP

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES?

CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? RESUMO CRESCIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE: O QUE ESTÁ FALTANDO PARA ENTENDER O ELO ENTRE ELES? Fábo Henrque Granja e Barros 1 Bernardo Mueller 2 Jorge Madera Noguera 3 Exse vasa leraura empírca ressalando

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INVESTIMENTOS EM DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SOB INCERTEZA REGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕES REAIS UNIRSIDAD FDRAL D ITAJUBÁ TS D DOUTORADO INSTIMNTOS M DISTRIBUIÇÃO D NRGIA LÉTRICA SOB INCRTZA RGULATÓRIA UTILIZANDO OPÇÕS RAIS JULIA CRISTINA CAMINHA NORONHA Tese apresenada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica

Estratégia Ótima de Oferta de Preços no Mercado de Curto Prazo em Sistemas com Predominância Hidrelétrica Armando Maos de Olvera Esraéga Óma de Ofera de Preços no Mercado de Curo Prazo em Ssemas com Predomnânca Hdrelérca Tese de Douorado Tese apresenada ao Deparameno de Engenara Elérca da Ponfíca Unversdade

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO

ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO ESTUDOS DE EVENTO: TEORIA E OPERACIONALIZAÇÃO TUTORIAL Marcos Anôno de Camargos Admnsrador de Empresas, MBA em Gesão Esraégca (Fnanças), Mesre em Admnsração pelo NUFI/CEPEAD/FACE/UFMG e Professor do Cenro

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000

Nota Técnica sobre a Circular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Noa Técnca sobre a rcular nº 2.972, de 23 de março de 2000 Meodologa ulzada no processo de apuração do valor da volaldade padrão e do mulplcador para o da, dvulgados daramene pelo Banco enral do Brasl.

Leia mais

Ana Cristina Guimarães Carneiro

Ana Cristina Guimarães Carneiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CCSA CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA CME NÍVEL MESTRADO Ana Crsna Gumarães Carnero Avalação das Mudanças Recenes na Marz Energéca

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia.

1- Testes Acelerados. Como nível usual entende-se o nível da variável stress a que o componente ou aparelho será submetido no dia-adia. - Teses Aelerados São de rande mporâna na ndúsra espealmene na ndúsra elero-elerôna em que eses de empos de vda demandam muo empo. (os produos são muo onfáves) Inorporação de uma arável-sress adonada a

Leia mais