Adolescentes e. Participação. Política

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adolescentes e. Participação. Política"

Transcrição

1 Adolescentes e Participação Política

2 RG Redação Maria Adrião Realização UNICEF Anna Penido, Silvio Kaloustian, Ana Maria Silva, Denise Bueno Revista Viração Paulo Lima, Vivian Ragazzi, Camila Caringe Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto Ana Teresa de Castro Bonilha, Sandra R. Francisco, Ana Maria Peres Silva Jovens CEDOC Ademir Franco Paré Junior Camila dos Santos Frigatto Camila Regina dos Santos Eliene Santana Correia Felipe Fortunato Rodrigues da Silva Helber Pereira dos Santos Juliana Camila Santos Celestino Karina Ferreira da Cruz Micaela Carolina Cyrino Natiele Souza Santos Rafael Neves Biazão Renata Marley Silva Neri Rodrigo Gomes Soares Revisão Técnica Mônica Santana Cipó Comunicação Interativa Maria Virgínia de Freitas (Magi) Ação Educativa Colaboração Thiago Victor Grupo Vhiver Revisão de Texto Andréa Vidal Diagramação Vitor Massao Flávio Yamamoto William Haruo Fotos Arquivo Revista Viração e ONG Bom Parto Ilustrações Marcio Baraldi, Natália Forcat e Lentini Apresentação A política, para mim, é uma aliança entre a população e os representantes políticos que elegemos. Ela é importante para a organização do Estado e o convívio social. No passado, os jovens já gritaram, reivindicaram e lutaram por um espaço na política. Hoje, o que temos de fazer é aprender a unir forças, qualquer que seja a etnia ou classe social. E nos manifestar em debates, grêmios estudantis e fóruns. Tatiane Vasconcellos, 18 anos Samambaia (DF), estudante da Escola Técnica de Brasília Você deve estar se perguntando o que significa, afinal de contas, o termo participação política e o que ele tem a ver com a sua vida e com o seu papel como agente de promoção dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos. Pois bem. Ao longo deste fascículo, tentaremos responder isso da forma mais simples possível. Adiantamos, porém, que esse tema é muito importante para todos nós e que política não é coisa somente de engravatados, nem sinônimo de corrupção. Na primeira parte do fascículo explicaremos a você o que é essa tal política e qual a sua relação com a participação. Em seguida, diremos o que os adolescentes e jovens têm a ver com esses assuntos e quais os espaços de participação existentes, além de darmos dicas de como você pode multiplicar essas informações com seus pares e dicas da postura que um jovem protagonista deve ter! Mas você não acha que tiramos todos esses assuntos que estão aqui da cartola ou somente da nossa cabeça, não é? Na verdade, este fascículo foi produzido com base na experiência acumulada por organizações não-governamentais que trabalham com adolescentes e jovens, em pesquisas na internet, em livros, guias e cartilhas produzidas. Sem contar a troca de ideias com jovens que fazem política na sua comunidade e na sua vida. A proposta é que você se aproprie das referências sobre política e participação juvenil contidas neste fascículo, mas que também possa criar outras, levando em consideração as características da sua comunidade e o seu objetivo com este trabalho! Então, mãos à obra!

3 Essa tal política 1 Antes de mais nada, é importante esclarecermos o que entendemos por política, por que a maioria das pessoas ainda a considera como algo chato e muito distante de sua realidade e pensa que fazer política é papel exclusivo dos políticos. Não é bem assim, não. Tem gente que pensa que política é papo careta, diz respeito apenas ao governo, aos políticos profissionais (deputados, vereadores, prefeitos...). Outros acham que tem a ver com discursos, eleições, partidos ou é coisa de especialista. Na verdade, a política não está fora de nós, não é algo apenas dos políticos. Ela interessa a todos nós, faz parte do nosso dia a dia. Há mais de 2 mil anos, o filósofo grego Aristóteles já dizia: Toda pessoa é um animal político. E ele não estava brincando. Era papo sério e vale até hoje. Política é toda atividade que as pessoas praticam com o objetivo de influenciar os acontecimentos, o pensamento e, sobretudo, as decisões da sociedade em que vivem. Ela envolve uma tomada de decisão com o objetivo de atender a determinados interesses. Portanto, duas palavras são a chave para compreender política: decisão e interesses. Quando você decide participar de um movimento com o objetivo de modificar o comportamento dos moradores de seu bairro em relação à limpeza e ao lixo acumulado nas ruas, por exemplo, está fazendo política. Isso porque suas ações irão colaborar para resolver problemas da comunidade, como diminuir os focos de dengue, a ocorrência de enchentes etc. contribuindo para formar a chamada opinião pública. Mesmo que ações como essas sejam pequenas, o fato é que, ao praticá-las, estamos fazendo política. Já deu pra perceber que cidadania e participação têm tudo a ver com política? A origem da palavra cidadania vem do latim civitas, que quer dizer cidade. Ela foi usada na Roma antiga para indicar a situação política de uma pessoa e os direitos que essa pessoa tinha ou podia exercer. Cidadania é um conjunto de direitos e deveres que dá à pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de sua gente. E participar é um dos principais instrumentos na formação de uma atitude democrática. Quem participa ativamente da vida de uma comunidade, de uma cidade, Estado ou país, torna-se sujeito de suas ações, é capaz de fazer críticas, de escolher, de defender seus direitos e também de cumprir melhor os seus deveres. Muitos jovens fazem isso. Talvez você já esteja fazendo também. Quando muitas pessoas fazem política juntas, fora dos partidos e dos governos, mas com organização e objetivos comuns, chamamos isso de movimento social. Existem jovens em diversos movimentos sociais, alguns criados por eles mesmos, como, por exemplo, o Movimento Passe Livre, que defende um direito garantido na Constituição: o de ir e vir. Essa galera mostra como é possível pensar num jeito diferente de se organizar, de participar politicamente e lutar pela cidadania. Além disso, todo mundo tem um forte papel político, às vezes até sem perceber. Na lanchonete ou dentro do ônibus, quando falamos mal ou bem do governo ou de um partido, estamos tentando, digamos, fazer a cabeça dos outros, que, por sua vez, tentarão fazer a de outros. Trocando em miúdos: com isso, estamos 1. Texto extraído e adaptado da cartilha sobre política elaborada pela Revista Viração na ocasião da I Conferência Nacional de Juventude, realizada em Brasília, em abril de 2008.

4 Isto é fazer política: Quando você conversa com seus pais para poder ir àquela festa tão esperada e chegar mais tarde em casa; Quando você negocia com seu amigo o programa de televisão a que assistirão no domingo; Quando você junta a galera da comunidade num mutirão para lavar o muro da escola. Por que essas são formas de fazer política? Porque nesses casos há duas ou mais partes envolvidas, cada qual com uma vontade, argumentando e negociando entre si para chegar a uma decisão final que seja boa para todos ou pelo menos diminua o conflito; Porque você está participando da tomada de decisões na sua própria casa e fora dela; Porque você está interferindo na sua realidade e na dos outros. Podemos concluir, então, que a política não está ligada somente aos partidos e aos políticos, mas também, entre outras coisas, à forma como nos relacionamos em sociedade. Isso envolve diálogo, escolhas, negociação, defesa de pontos de vista, luta por direitos, cumprimento dos deveres e interferência na realidade. Se liga Os políticos que conhecemos e nos quais votamos, como os vereadores, prefeitos, deputados estaduais, senadores, deputados federais e o presidente da República, fazem a política da forma mais conhecida, porque são representantes escolhidos pelo povo através do voto. Vereadores, deputados estaduais, deputados federais e senadores formam o Poder Legislativo e têm o papel de: 1. Fazer novas leis e mudar as antigas; 2. Decidir quanto dinheiro dos nossos impostos será gasto em cada área (Saúde, Transporte, Educação etc.), aprovando o orçamento público; 3. Fiscalizar os outros políticos, por exemplo, por meio das CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito), que vivem aparecendo na televisão. Secretários, prefeitos, governadores, ministros e o presidente da República têm um papel um pouco diferente. Eles são responsáveis pela administração e formam o Poder Executivo. Eles devem: 1. Elaborar políticas públicas, programas e serviços públicos; 2. Decidir onde e como gastar o dinheiro de cada área (Cultura, Meio Ambiente, Assistência Social etc.); 3. Representar nossas cidades, estados e países em negociações dentro e fora do Brasil. Não se esqueça de que o Poder Executivo, como o próprio nome já diz, executa a política pública com base no que o Poder Legislativo indica.

5 Política e participação: uma dupla dinâmica Você já pensou nas muitas coisas de que participa no seu dia a dia? Da aula de matemática, das brincadeiras de rua, do seu time da escola, do almoço de família no domingo, da escolha da roupa que veste etc. Tudo isso é participação mesmo, mas existe outro tipo de participação que vamos destacar aqui: a participação política. Participar da política é, como vimos, muito mais do que ser um político tradicional. De acordo com o Guia de Atitude, produzido pela galera da Rede Sou de Atitude da Bahia, Participar politicamente é o poder que o cidadão possui para interferir e contribuir direta ou indiretamente nas decisões políticas que serão tomadas por nossos governantes. É o poder de pressionar os responsáveis para tomar as decisões, de modo que elas possam beneficiar a todos, ou pelo menos a maioria das pessoas da sociedade. Nesse sentido, é importante se envolver na construção, no monitoramento, na avaliação e na manutenção ou transformação das políticas públicas, que, muitas vezes, são decididas pelos governantes sem a interferência da população. Políticas públicas é um conjunto de ações que tem como objetivo atender as necessidades da população, tais como saúde, educação, segurança e tudo aquilo que está ligado ao bem-estar dessa população. A política pública é formulada pelo governo com a participação do cidadão. Um passo importante na construção de políticas públicas que atendam as suas necessidades é votar em candidatos que defendam as causas de seu interesse. Afinal, ele representará você e outros milhares de pessoas que desejam a mesma coisa que você. Por isso é tão importante conhecer melhor o histórico do candidato quais os seus ideais e bandeiras, se já esteve envolvido em algum caso de corrupção, qual o seu passado político etc. para saber se ele lutará e defenderá as questões que você considera importante. Por exemplo, como podemos votar em um candidato que é contra a união civil entre homossexuais, se acreditamos na igualdade de direitos entre todos, independentemente da orientação sexual? O voto é um exemplo que ilustra claramente como a participação política é importante. Mas fique esperto, porque o voto é somente uma das formas de participação. Na página 19 falaremos mais sobre isso. Pra entender melhor Aí vai um exemplo de política pública construída a partir da mobilização da sociedade: no Brasil, a distribuição gratuita de métodos contraceptivos (camisinha, pílula etc.) pelos serviços de saúde e a disponibilização de informações sobre como e quando usá-los faz parte da política do planejamento familiar. Essa política pública nasceu de uma necessidade da população feminina e da participação de pessoas, principalmente mulheres militantes do Movimento Feminista, que se organizaram, elaboraram propostas e reivindicaram esses direitos. Sem as propostas e a pressão que essas pessoas fizeram, ou seja, sem a participação política, talvez não tivéssemos essa política em nosso país hoje. A participação política envolve a organização de pessoas que lutam em prol de uma causa que já é direito delas mas não é respeitada, ou de uma causa que desejam transformar em direito. Um exemplo prático da conquista de direitos foi a luta do Movimento Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) em prol do acesso universal aos medicamentos (antirretrovirais) que tratam a doença. Graças a uma lei sancionada em 1996, todas as pessoas podem ter acesso gratuito a esses medicamentos nos serviços de saúde de todo o país.

6 Fala, galera! Se liga Criada a partir da pressão popular, a Lei no 9.313/96 Lei Sarney Art. 1 o garante acesso universal aos medicamentos contra aids. Essa lei possibilitou a portadores do HIV (Vírus da imunodeficiência Humana) e doentes de aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) receber gratuitamente do Sistema Único de Saúde (SUS) toda a medicação necessária ao seu tratamento. Uma coisa importante a saber é que uma política pública pode deixar de existir ou então não ser implementada como deveria. Por isso, temos de verificar se as ações estão acontecendo ou não. Esse monitoramento é muito importante, pois garante a continuidade e a qualidade da política. Vimos, por exemplo, que o acesso aos medicamentos contra aids é um direito de todos e que devem ser distribuídos gratuitamente pelo SUS. Mas será que eles estão chegando aos serviços de saúde? As pessoas que vivem com o HIV têm facilidade para obtê-los? O Movimento Aids está sempre atento a essas questões, ou seja, está monitorando, acompanhando a execução da política. Caso falte remédio para o tratamento da aids, os movimentos pressionam o governo para que a política seja cumprida e fique cada vez melhor! Conversamos com o jovem Thiago Victor, de 21 anos, militante do Movimento Aids de Belo Horizonte, para saber sua opinião sobre participação política e como ele participa: O negócio é o seguinte: primeiro participar não tem que ser visto como uma obrigação, mas ser visto como uma forma de protesto, de mudança, de indignação, de ATITUDE! Bem, eu particularmente vou dar aqui um exemplo meu de como participo, beleza? Seguinte, eu tenho HIV há mais ou menos seis anos. De uns três anos pra cá, eu comecei a querer mudar a situação em que eu vivo, sabe como é que é... Eu percebia que a Saúde não tava nem aí pra quem tinha HIV. O pessoal achou que, depois que inventaram o remédio e começaram a distribuir de graça, eles tinham terminado o serviço... Mas não é bem assim não. O remédio salvou e salva ainda nossas vidas, graças a Deus, mas vejam só por exemplo, quem aí nunca fez uma piadinha sobre aidético na escola com aquele amiguinho lá sempre mais zoado? Mesmo que não tenham feito, já ouviram? E aí, acharam legal? Pois é, quem é soropositivo, que vive com o vírus HIV e deve ter ouvido essa piadinha, no mínimo ficou muito mal e triste. Não precisam ficar assustados não, pois passam por isso também os homossexuais, quando as pessoas viram e falam: ô veadinho! Acham que é uma brincadeira linda, superengraçada, mas na real isso ofende e muito quem é e não é nada daquilo que a piada diz... Enfim, o que isto tem a ver? Tem a ver que isto estimula e gera o preconceito... Então, percebemos que os remédios eram só a pontinha do iceberg, porque o que mais prejudica mesmo é a doença social do HIV/aids. O preconceito, a discriminação, entre outras coisinhas mais. Depois que eu comecei a perceber isto daí, quis mudar essas coisas. Isso foi só a porta da tragédia, porque depois eu vi que a Saúde não nos atende integralmente. Além disso, ainda não reconhecem os direitos humanos dos soropositivos, que envolvem o acesso a trabalho, a tratamento e muito mais. Aí eu comecei a me tornar o que chamam de ativista. Mas o que eu comecei a fazer mesmo foi denunciar as infrações que o serviço público faz e fazia, foi denunciar que o acesso ao tratamento da lipodistrofia é precário, pois tem gente que não pode pagar um ônibus pra ir à academia e por isso não 10 11

7 faz ginástica, que é fundamental contra a doença. Foi dizer ao governo que os jovens que vivem com HIV sofrem preconceito à beça na escola e por causa disso muitos deixam de estudar e outros acabam se matando. Foi dizer também que os remédios pro HIV, que foram feitos pra adultos, não servem muito para as crianças, entre outras coisas... Mas não parou por aí não. Fui tentando também levar esses assuntos para dentro de programas governamentais, como o Programa Saúde e Prevenção nas Escolas, que aborda a prevenção das DST/HIV/aids. Depois fui participando de eventos e levando a pauta de como é viver com HIV/aids na juventude, as consequências, do que precisamos, o que conquistamos etc. Essa é a importância do lance, é concretizar as nossas reivindicações, tornar melhor a vida do povo e a nossa também, tornar melhores algumas coisas por aí afora. Pra entender melhor Lipodistrofia é o nome dado às mudanças na forma do corpo que acontecem em algumas pessoas em tratamento com coquetel anti- HIV. Quando a pessoa desenvolve lipodistrofia, a gordura não se distribui normalmente pelo corpo. Aumenta a quantidade de gordura no tórax, na barriga e na parte de cima das costas (chamada giba) e diminui a quantidade de gordura no resto do corpo, principalmente no rosto, nas pernas e nos braços. Pra ouvir Mandamos uma música que tem tudo a ver com o tema da participação. Vai ficar pacato vendo o tempo passar pela janela ou partir para a luta e fazer alguma coisa? Pacato cidadão (Samuel Rosa/Chico Amaral) Pacato cidadão, te chamei a atenção Não foi à toa, não C est fini la utopia, mas a guerra todo dia Dia a dia não Tracei a vida inteira planos tão incríveis Tramo à luz do sol Apoiado em poesia e em tecnologia Agora à luz do sol Pra que tanta tevê, tanto tempo pra perder Qualquer coisa que se queira saber querer Tudo bem, dissipação de vez em quando é bão Misturar o brasileiro com o alemão Pra que tanta sujeira nas ruas e nos rios Qualquer coisa que se suje tem que limpar Se você gosta dele, diga logo a verdade Sem perder a cabeça, sem perder a amizade Consertar o rádio e o casamento Corre a felicidade no asfalto cinzento Abolir a escravidão do caboclo brasileiro Numa mão educação, na outra dinheiro Pacato cidadão Ô pacato da civilização 12 13

8 E os jovens, nisso tudo? A participação dos jovens esteve presente em momentos históricos muito importantes para o nosso país, como a briga para o Brasil se tornar uma República, a resistência à ditadura através do movimento estudantil, a luta pelas Diretas Já, quando reconquistamos o direito ao voto etc. No entanto, os adultos ainda têm grande dificuldade de ver o jovem como um sujeito que tem muito com o que contribuir. Na época da ditadura militar ( ), o governo tentava, a todo custo, fazer a sociedade pensar que os jovens eram bagunceiros, sonhadores e que suas propostas eram um perigo para todos. Essa ideia está na cabeça de muita gente até hoje, e não só por causa do Regime Militar no Brasil, mas de tantos questionamentos e lutas que os jovens já fizeram no mundo todo. Lutas que deixaram muita gente poderosa com medo do que a juventude pode propor. Não levar o jovem a sério é uma forma de tentar desmotivá-lo e evitar as mudanças. Mesmo assim, os jovens estão se organizando cada vez mais: engajando-se no movimento estudantil (UNE União Nacional dos Estudantes, UMES União Municipal dos Estudantes Secundaristas, grêmios etc.); participando de grupos que atuam em espaços de cultura e lazer (grafiteiros, teatro e dança de diferentes estilos, skatistas, bandas musicais); mobilizando-se em torno de uma causa ou campanha (grupos ecológicos, acampamentos internacionais da juventude, campanhas via Internet); atuando em espaços públicos sob a forma de grupos religiosos, como as pastorais; atuando na forma de redes, movimentos e grupos que se organizam na luta pelos direitos das mulheres, dos homossexuais, dos negros etc. Participação Juvenil e a bandeira dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos Por Rafael Neves Biazão, Projeto Tecer o Futuro, São Paulo/SP A participação juvenil envolve, antes de mais nada, assumir a postura de transformar a realidade a sua volta, provocar mudanças. Muitos jovens têm sonhos e desejos, mas não conseguem achar o melhor caminho para alcançar seus objetivos. Muitas questões que aparecem na vida do jovem estão relacionadas à fase que ele está vivendo, e várias questões não são faladas abertamente na família, na escola ou mesmo na sociedade mais ampla. O jovem que defende a bandeira dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos tem a função de fazer com que esse jovem entenda o que ele está passando, compartilhe seus conhecimentos e lute por uma sociedade melhor. Jovens atuantes em prol dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos devem esclarecer as dúvidas em relação à sexualidade e, se não souberem fazer isso, indicar quem possa fazê-lo. Se não souberem indicar ninguém, devem correr atrás das respostas. Adolescentes e jovens têm direito a ter atendimento sem discriminação de qualquer tipo, com garantia de privacidade. Os problemas reais da sociedade estão aí para as pessoas verem. O jovem participativo não tem simplesmente de passar informações sobre esses problemas, e também não está ali para bancar o professor e ensinar ninguém. O importante é colocar os assuntos referentes aos direitos sexuais e aos direitos reprodutivos na roda e fazer com que as pessoas conversem e reflitam sobre seus direitos e os das outras. Ele também tem de tentar envolver outras pessoas, buscando aliar-se a elas para ter mais força para lutar contra os problemas da sociedade, até porque para o jovem é muita responsabilidade dar conta do recado sozinho. Por isso, tem muita gente que precisa ser convocado para essa luta, como o governo, os educadores, os familiares, os legisladores. O jovem é fundamental, mas não tem de estar sozinho em ações como essa. É mais rico e eficaz cada um fazer a sua parte e todo mundo atuar junto. É importante também que as pessoas que o vejam atuar tenham respeito pelo seu trabalho. E isso deve ser conquistado a partir de uma atuação responsável e democrática. Isso permitirá, entre outras coisas, que a sociedade comece a lhe dar ouvidos. Lembrando,que ele não deve ter a postura do Eu sou o sabe-tudo. Deve estar aberto, pois sempre tem algo a aprender

9 Fala, galera! Também conversamos com Thiago Victor sobre participação, sobre o que ele acha da participação juvenil. Confira: Rapaziada, ser jovem neste Brasil e neste mundo de hoje é pedreira! Mas como que seria, então, nossa forma de participar? Começaríamos muito bem por aqui ó, fazendo com que esse povo nos levasse mais a sério! Parece brincadeira, mas não é não. Numa mesa-redonda estão discutindo lá alguns adultos (10 ou 20) e alguns jovens (1 ou 2) sobre determinado tema, até que o debatedor pergunta: Então, jovem, o que tem a dizer sobre isso?. Uma das primeiras coisas que devem passar na cabeça dos adultos deve ser algo do tipo: O que esse moleque vai dizer agora? O que ele sabe sobre isso? Por acaso ele é formado em alguma coisa?. Enfim, coisas assim. Aí, quando você finalmente abre a boca, dizem: Nossa! Silêncio, o jovem vai falar! Que lindo!. Mas lógico que existem participações legais por aí, onde somos respeitados de fato. Mas o que eu quero mesmo dizer é que nós, jovens, temos de participar em espaços onde nunca imaginamos participar. Sabem por quê? Porque esses lugares são justamente aqueles onde mais precisamos estar, é claro! Nós nunca nos imaginamos participando de nada, porque nos ensinaram que jovem não participa, jovem escuta! Jovem só obedece! Jovem não discute! Que baboseira é essa?!? Quem disse isso?!? Primeiro, se nós não participarmos, se nós não dissermos o que achamos, não dissermos o que queremos, vai continuar a mesma coisa: um adulto de 39 anos representando os jovens em tal lugar, outro adulto de 50 anos dizendo que nós precisamos daquilo e daquilo outro, uma senhora dizendo que isto é melhor pra nós e que isso não é bom pra nós... Ah! O mais importante! Antes que confundam isto tudo com zorra, não significa que qualquer um também, só por ser jovem, já vai se apossando das coisas. Tudo isto requer preparo, seriedade e trabalho, muito trabalho. Enfim, então qual a diferença que faz a participação juvenil? Toda, meus caros. Porque aí mostramos que nós temos o direito à voz, que temos direito a exigir o melhor pra nós, que podemos, sim, palpitar em temas de adultos também, que sabemos o que queremos, o que não queremos, do que a educação precisa, o que nos falta na saúde, o que falta na cidade em termos de cultura e diversão. Caramba, nós podemos! Quais as formas de participação? Toda forma de participar vale a pena, e isso está garantido na lei! A Constituição de 1988 estimula o envolvimento da sociedade civil organizada no debate de soluções para problemas que afetam sua realidade local, municipal, estadual e federal. Se liga A expressão sociedade civil organizada se refere a todos os movimentos e instituições criados pela vontade de um ou mais grupos de pessoas que buscam estruturar a participação dos cidadãos. A gente já falou de algumas formas de participação que acontecem no seu dia a dia, na sua relação com os outros e com o lugar onde você vive. Mas existem outros espaços superimportantes em que você, como jovem, tem direito e dever de participar. Isso sem falar naqueles que você também pode criar

10 a) Participação eleitoral pelo voto b) Espaços de participação política e social na escola Grêmio estudantil Conselho escolar Representante de sala Pra entender melhor Grêmio estudantil é a entidade que representa os alunos dentro da escola. Ela é criada e administrada pelos estudantes, que decidem o que deve ser feito. O Grêmio pode organizar atividades culturais (saraus, shows, peças teatrais), festas, atividades educacionais (feiras de ciências, gincanas de conhecimentos, oficinas), políticas (eleição de representantes de classe, assembleias com os estudantes para pensar nos problemas da escola, reunião com a direção), esportivas (clube do xadrez, campeonato de futebol, Olimpíadas), de comunicação (mural, blog, jornal), além de ações sociais (campanhas de arrecadação de alimentos, atividades em uma ONG, coleta seletiva de lixo) e políticas. c) Espaços de participação política e social na comunidade Grupos religiosos Grupos comunitários (p. ex.: associações de bairro) Organizações não-governamentais Grupos culturais Conselhos de gestão comunitária (como o da Unidade de Saúde) d) Espaços de participação política institucional Partidos políticos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacionais de Políticas Públicas (saúde, educação, assistência social, juventude) Conselho de Direitos da Criança e do Adolescente Conferências municipais, estaduais e nacionais de diversas áreas, como da juventude, da saúde e LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) Se liga Conferência é um encontro no qual se discutem os caminhos das políticas públicas, com a participação do governo e da sociedade civil através de votação. As conferências podem ser municipais, estaduais ou nacionais. Um marco recente para os jovens foi a realização, em abril de 2008, da I Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude. Foi uma grande conversa, com gente de todo o país principalmente jovens que militam nos mais diversos movimentos sociais, sobre os desafios e as soluções necessários para melhorar a vida da juventude brasileira. Foi solicitado ao poder público, pelos próprios jovens, que se crie oportunidades para garantir o que é direito da juventude, como educação e saúde de qualidade, trabalho, moradia, locomoção na cidade, expressão cultural e artística

11 e) Movimentos sociais Movimento Negro Movimento Aids Movimento de Juventude (que existem diversos segmentos) Movimento LGBT Movimento Feminista etc. f) Redes e fóruns Rede Nacional de Jovens Vivendo com HIV MAB (Movimento de Adolescentes Brasileiros) Rede Sou de Atitude Rede de Jovens pelo Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual Rejuma Rede Juventude e Meio Ambiente Fonajune Fórum Nacional de Juventude Negra Se liga Assim como os movimentos sociais, as redes são outra forma de as pessoas se organizarem para lutar por um objetivo comum. A rede é responsável pelo compartilhamento de ideias entre pessoas e/ou grupos que têm interesses, valores e objetivos em comum. Existem várias maneiras de as redes se organizarem e empreenderem suas ações. Em tempos de Internet e tecnologia, as formas de articulação e encontros para discutir os temas são variadas e criativas. Tá na mão Clic louco No site da UNE (www.une.org.br), em UBES on line, você pode baixar gratuitamente arquivos com leis e modelos de documentos para montar seu grêmio, além de encontrar dicas para criar e manter sua entidade

12 O que são os Conselhos de Políticas Públicas? Também conhecidos como Conselhos Gestores, os Conselhos de Políticas Públicas sugiram no início da década de 1990 por pressão dos movimentos sociais (mais uma vez, os movimentos sociais fizeram a diferença!). A mobilização partiu dos envolvidos com a saúde pública e as organizações que lutavam pelos direitos das crianças e adolescentes e pela participação da sociedade civil na gestão das políticas públicas. Eles queriam um espaço onde a sociedade civil e o governo discutissem as políticas públicas conjuntamente: governo + cidadãos organizados. Os Conselhos de Políticas Públicas têm o papel de monitorar as políticas públicas em diversas áreas, como saúde, educação, assistência social etc. Eles existem nos municípios, nos estados e em nível nacional, com o objetivo de saber se as políticas estão acontecendo de fato, se o dinheiro está sendo empregado de forma adequada, se as necessidades da população estão sendo atendidas etc. O que são os Conselhos de Gestão Comunitária? Os Conselhos de Gestão Comunitária tem como um de seus principais objetivos integrar as pessoas da comunidade na decisão e no acompanhamento de ações desenvolvidas por instituições existentes na comunidade. É o caso, por exemplo, do Conselho Escolar, que conta com a participação dos profissionais de Educação, da direção da escola, dos alunos, dos pais ou responsáveis pelos alunos, dos professores e da comunidade local juntos eles elaboram o projeto político-pedagógico (planejamento de ações anual) e acompanham as atividades realizadas na escola. Os Conselhos Escolares também são um espaço fundamental para pautar os Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos. Por isso, é importante que: a escola promova espaços informativos e de debate sobre a saúde sexual e saúde reprodutiva com o envolvimento dos professores, alunos e pais; o debate sobre saúde sexual e saúde reprodutiva faça parte do projeto político-pedagógico, que envolve a participação de toda a comunidade escolar; as atividades educativas realizadas pelas escolas sobre os direitos sexuais e os direitos reprodutivos sejam contínuas, ou seja, que aconteçam ao longo do ano, inclusive por meio de eventos extra sala de aula. Infelizmente, a maioria das pessoas ainda desconhece a existência dos Conselhos de Políticas Públicas, o que enfraquece a participação do povo nesses espaços, que são canais superimportantes de diálogo com o governo. É fundamental que elas percebam que a participação nesses conselhos é um direito, porque é participando dessas instâncias que conseguimos fiscalizar as ações do poder público. Agora que você já sabe do que se trata, divulgue essa informação aos quatro cantos do mundo. Afinal, todos têm o direito de conhecer e participar! 22 23

13 Outro Conselho de Gestão Comunitária é o Conselho de Gestão da Unidade de Saúde, espaço igualmente estratégico para pautar os direitos sexuais e direitos reprodutivos. E como se chega lá? Você pode levantar essa bandeira e discutir pontos como: a importância do atendimento de qualidade aos adolescentes e jovens que vão à unidade; a desburocratização da distribuição dos métodos contraceptivos, em especial do preservativo, para adolescentes e jovens; situações de preconceito e discriminação que possam surgir nas unidades, no atendimento aos adolescentes e jovens, em especial às mães adolescentes, aos que vivem com o vírus HIV e aos homossexuais; a importância de criar espaços específicos para os adolescentes e jovens dentro das unidades de saúde, como grupos educativos que discutam as questões da sexualidade, do corpo, da saúde sexual e reprodutiva; a criação de estratégias de envolvimento dos pais adolescentes no planejamento familiar. Se liga Você sabia que, desde 2003, os Ministérios da Saúde e da Educação, o UNICEF, a UNESCO e o UNFPA firmaram uma parceria para desenvolver nas escolas de todo o país debates sobre sexualidade, prevenção das DST/aids, saúde reprodutiva, relações de gênero, diversidade sexual, entre outros temas? Dessa parceria surgiu o Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), que tem como objetivos: contribuir para a redução da infecção pelo HIV/DST e dos índices de evasão escolar causada pela gravidez na adolescência (ou juvenil) na população de 10 a 24 anos; estimular a participação dos jovens nos espaços de formulação e execução de políticas públicas de prevenção das DST/aids; instituir a cultura de prevenção nas escolas e na comunidade. Além disso, o SPE traz um elemento inovador, que é a disponibilização de preservativos nas escolas, combinada com atividades educativas sobre sexualidade. Ou seja, além de falar e de refletir sobre a prevenção das DST e da aids e temas afins, você também tem o direito, caso queira, de pegar a camisinha na escola! Para maiores informações acesse:

14 Algumas formas de fazer Nesta seção damos duas sugestões de como fazer a diferença na luta pelos direitos sexuais e direitos reprodutivos de adolescentes e jovens. Uma delas é um exemplo prático de como organizar uma ação de advocacy; a outra é sobre como multiplicar os conceitos e ideias trabalhadas ao longo deste fascículo com seus pares através da realização de oficinas. Pra entender melhor Fomos procurar o que é advocacy e encontramos uma definição legal no Guia de Atitude, da Rede Sou de Atitude: o termo vem do inglês, mas tem origem lá no latim, a partir da junção ad + vox. A ideia seria a de dar voz a uma pessoa ou a uma causa. Assim, advocacy consiste no apoio aos direitos de pessoas ou causas, ampliando seu espaço de expressão e trabalhando pela promoção e pela defesa de seus direitos. É também chamada de incidência política. 1. Na prática Entre as questões que vocês irão levantar no grupo, existe uma que é importante para todos nós, agentes de promoção dos direitos sexuais e direitos reprodutivos: o acesso gratuito e universal ao preservativo, sem constrangimentos para os adolescentes e jovens, em quantidade razoável. Então, vamos à prática! Faltou camisinha no serviço de saúde da sua comunidade. O que fazer? Passo 1 Diagnóstico da situação: Antes de qualquer coisa, é bom entender o porquê da falta da camisinha. Converse com o responsável pela Unidade de Saúde para que ele informe por que não há preservativos disponíveis. Pode ser por falta de organização do próprio serviço de saúde, porque a entrega atrasou ou até mesmo porque o governo ainda não enviou as camisinhas. De qualquer forma, a Unidade de Saúde é a responsável legal por essa distribuição. Passo 2 Mobilização: Nesse momento, é possível agir de duas maneiras: Unir-se à Unidade de Saúde lutando junto com ela para garantir os preservativos; ou Mobilizar-se, de preferência junto com outras pessoas e grupos. Um caminho interessante é o de colocar a boca no trombone. Isso mesmo! Mobilize seus colegas e a comunidade sobre o caso. Faça cartazes, manifestações em frente a Unidade de Saúde etc. O importante é não ficar parado. Outra alternativa é buscar outras instâncias responsáveis, no caso a Secretaria de Saúde do seu município. Identifique se nesta secretaria existe Programa Municipal de DST/Aids que coordena a política de DST/Aids do seu município pois é este o órgão principal responsável, dentro da Secretaria de Saúde, pela distribuição das camisinhas para as Unidades Básicas de Saúde

15 Você também pode escrever uma carta para jornais ou revistas de circulação local ou nacional relatando o fato. Não se esqueça de exigir que se tomem providências, caso contrário, corre-se o perigo de isso não dar em nada. Passo 3 Parcerias: Você não está sozinho nessa! Você pode procurar o Fórum ONG/Aids de seu Estado, instância que reúne Organizações Nãogovernamentais (ONGs) que trabalham com as DST/HIV/aids e é responsável, dentre outras coisas, por fazer o monitoramento das políticas públicas em HIV/aids junto ao governo. Esses Fóruns têm um contato muito próximo com as Coordenações Estaduais e Municipais de DST/aids, órgãos das Secretarias de Saúde responsáveis pela política de DST/aids estadual e municipal, respectivamente. 2. Fazendo oficinas Oficina 1 Jovens e participação Objetivos Refletir sobre a relação juventude participação Pontuar os espaços e as formas de participação juvenil Tempo: 1 hora e 30 minutos Material: Papel craft e pincéis atômicos Sugestões para o encaminhamento da oficina: Distribua os participantes em quatro grupos e peça que debatam sobre Participação Juvenil a partir do roteiro. (anexo). Peça que os grupos elejam um coordenador para, posteriormente, apresentar o que foi refletido e discutido; Negocie com o grupo o tempo de duração dessa atividade; Esclareça que a apresentação poderá ser feita na forma de painel, dramatização, música etc. Pontos para a discussão Como o jovem é encarado pela sociedade? Todas as instituições sociais encaram o jovem do mesmo modo? Se há diferenças, quais são elas? Há diferenças na forma como a sociedade percebe o homem jovem e a mulher jovem? Os jovens participam das decisões e ocupam de fato os lugares de poder? Se não, por quê? Os jovens estão preocupados em desenvolver ações de luta sobre os direitos sexuais e os direitos reprodutivos? Jovem é igual em todo lugar ou existem diferenças? Se existem, quais são elas? Como vocês percebem a atuação juvenil nos diferentes espaços, como a sua comunidade, as escolas etc.? 28 29

16 ANEXO Roteiro para debate O que entendemos por participação? Como os jovens participam dos mais diferentes espaços: família, escola, serviço de saúde, instituições religiosas etc.? Como os jovens podem participar politicamente da defesa dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos? Quais são os espaços mais comuns de participação dos jovens? Essa participação pode acontecer de forma mais efetiva? Se sim, como? Existem ações importantes lideradas por jovens? Quais? Entre os movimentos que vocês conhecem, quais são liderados por jovens? Oficina 2 Na luta pelos direitos sexuais e direitos reprodutivos Objetivo Discutir a participação dos adolescentes e jovens na construção de uma sociedade mais justa que respeite os direitos sexuais e os direitos reprodutivos. Tempo: 2 horas Sugestões para o encaminhamento da oficina Esclareça para aos participantes o que são os direitos sexuais e os direitos reprodutivos (ver Fascículo Temático); Divida Distribua os participantes em quatro grupos; Solicite que cada grupo discuta as questões Como eu e a sociedade encaramos os direitos sexuais e os direitos reprodutivos? e Como posso contribuir para que os direitos sexuais e direitos reprodutivos sejam respeitados?, considerando: a) Minha relação comigo mesmo; b) Minha relação com a família; c) Minha relação com a comunidade; d) Minha relação com a sociedade; e) Minha relação com a escola. Quando os grupos tiverem terminado a discussão, peça que apresentem suas conclusões de maneira criativa (por meio de dança, dramatização, música, mímica etc.). Não se esqueça de determinar o tempo de cada apresentação. Após todas as apresentações, inicie o debate, considerando os seguintes pontos: Quais os sentimentos despertados na atividade? Você já tinha parado para pensar sobre os direitos sexuais e os direitos reprodutivos? Como podemos pautar esses direitos no nosso dia a dia? Por que a luta por esses direitos é importante? Por que é importante o envolvimento dos jovens nessa luta? 30 31

17 Postura do jovem participativo É importante que aqueles que desejam ou sentem necessidade de pôr a mão na massa, de ir à luta, de mudar as coisas com firmeza e tornar melhor a própria vida e a dos outros adotem determinada postura. Essa postura exige algumas habilidades, que listamos abaixo. Lógico que você não precisa ter todas essas habilidades, até porque, na prática, a gente descobre e aprende que também é capaz de fazer as coisas do nosso jeito, sem precisar seguir normas estabelecidas. Mas aí vai o recado: 1. Conhecer e revelar a realidade para ter consistência primeiramente você tem de conhecer aquilo que quer mudar e as coisas que se relacionam com isso, revelando a situação ou o problema à sociedade. Precisa saber direitinho com o que e com quem está lidando. Por isso é tão importante conhecer mais e mais sobre a causa pela qual está lutando! Para isso, precisa ler livros e jornais, saber quais são as leis que estão em votação, conhecer os movimentos sociais que estão no mesmo barco, as políticas públicas elaboradas pelo governo e tentar fazer parte de algum conselho. a contribuir para a melhoria da comunidade. Ou seja, pensar em estratégias adequadas ao público é fundamental. 5. Perseverança este é outro item que nunca, nunca pode ser abandonado. Às vezes, as coisas não acontecem como planejado, porque dependemos da ação de outras pessoas e instituições. Mas é preciso manter-se firme e centrado. Por isso, nunca deixe os ideais para trás e busque sempre aqueles que podem fortalecê-lo e dar-lhe novo fôlego. 6. Atitude a atitude é outro ingrediente que não pode faltar. De nada adianta ficar só reclamando e falando dos problemas. Saber o que quer, correr atrás e ser firme nas colocações são atitudes que fazem a mudança. 7. Falar e aprender a ouvir também são fundamentais. Afinal de contas, ouvir o que o outro tem a dizer e argumentar sobre seu ponto de vista é estratégico numa negociação e aspecto importante no fazer político. 2. Ser propositivo ficar somente no discurso e não propor alternativas para o problema apresentado adianta muito pouco. Por isso, levante o maior número de informações e pense em estratégias para solucioná-lo. 3. Capacidade de articulação quanto mais aliados, melhor! Afinal, a união faz a força. Aí entram a articulação política e o estabelecimento de parcerias. A gente tenta por uma porta e não dá, tenta por outra e não dá, vai tentando, tentando, tentando, até que uma hora dá. Temos que ter os pés em todos os lugares, parceiros em todos os cantos. Adultos, outros jovens, o governo, ONGs, a mídia etc. 4. Capacidade de convencimento convencer o outro de certo assunto envolve duas coisas: primeiro, quem é essa pessoa ou público que você quer convencer? Segundo, que discurso você fará? Uma coisa é convencer seu amigo a se envolver nas ações da sua comunidade; outra é convencer um vereador 32 33

18 Se liga Participar da luta por uma causa social envolve duas coisas muito importantes: organização e espírito para trabalhar com pessoas diferentes e em grupo. Afinal, uma andorinha só não faz verão. Veja a seguir algumas dicas básicas de como o seu grupo pode se organizar para lutar por uma causa: Ter claro qual o objetivo do grupo, ou seja, que causa une seus integrantes; Procurar outras pessoas ou grupos que estejam trabalhando com a mesma causa; Definir com o grupo o que pode ser feito para atingir esse objetivo; Organizar as atividades sempre de acordo com os limites de cada integrante; Acompanhar/monitorar as atividades que o grupo realiza; Ocupar os espaços de garantia de direitos, como os Conselhos de Políticas Públicas; Divulgar o trabalho realizado para que outros o conheçam e se unam, fortalecendo ainda mais a causa

19 Tá na Mão Livros imperdíveis Ciência Política Textos Introdutórios, de Áurea Petersen, Eduardo Corsetti, Elizabeth Maria Kieling Pedroso e Maria Alayde Albite Ulrich (Editora Mundo Jovem) O que é política, de Wolfgang Leo Maar (Editora Brasiliense) Diálogo nacional para uma política pública de juventude, do IBASE (acesso no internet no link: Política: quem manda, por que manda, como manda, de João Ubaldo Ribeiro (Editora Nova Fronteira) O Poder Jovem, de Arthur José Poerner (BooLink) Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos (Editora José Olympio) Rumo à estação Finlandia, de Edmund Wilson (Editora Companhia de Bolso) Por quem os sinos dobram, de Ernest Hemingway (Editora Livros do Brasil) Filmes da hora Rádio Favela Direção de Helvécio Ratton, Conta a história de quatro jovens, Jorge, Brau, Roque e Zequiel, que vivem em uma favela em Belo Horizonte e tem um sonho em comum: montar uma rádio. O filme retrata os problemas e as alegrias desses jovens durante o desenvolvimento dessa rádio. Entreatos Direção de João Moreira Salles, O documentário revela os bastidores de um momento histórico de 25 de setembro a 27 de outubro de 2002, a equipe de filmagem acompanhou passo a passo a campanha de Luís Inácio Lula da Silva para a presidência da República através de material exclusivo, como conversas privadas, reuniões estratégicas, telefonemas, traslados, gravações de pronunciamentos e Tá na Mão programas eleitorais. EduKators Direção de Hans Weingartner, Conta a história de um grupo de jovens amigos moradores de Berlim, Alemanha, que se reúnem para invadir as casas de pessoas ricas e deixar mensagens contra o capitalismo. Quase dois irmãos Direção de Lúcia Murat, O filme é baseado na história de duas personagens, Miguel, jovem intelectual de classe média preso político na Ilha Grande e hoje deputado federal, e Jorge, filho de um sambista que, de pequeno assaltante, se transformou num dos líderes do Comando Vermelho. Retrata a história política do Brasil nos últimos 50 anos, contada através da música popular, o ponto de ligação entre essas duas personagens e seus mundos. Em nome do Pai Direção de Jim Sherida, Nesse filme baseado na história real de Gerry Conlon, um pequeno delinquente é confundido com um terrorista do IRA e apontado injustamente como um dos responsáveis por um atentado a bomba. Gerry é forçado a confessar sua participação no crime, e a investigação acaba incriminando também seu pai. Condenado, ele tenta provar sua inocência e limpar o nome do pai, contando com a ajuda de uma empenhada advogada. Olga Direção de Jayme Monjardim, O filme retrata a vida e os ideais da militante comunista Olga Benário Prestes, indo de sua infância burguesa na Alemanha a sua morte numa das câmaras de gás de Hitler. Uma grande história de 36 37

20 amor e intolerância. Guias Guia de Atitude, Rede Sou de Atitude, O material sistematiza as Na web Tá na Mão práticas da Rede Sou de Atitude, que monitora políticas públicas de infância, adolescência e juventude, ao longo de quatro anos. Você pode baixar esse material no site Juventude e Ação Política Grupo Interagir Rede Sou de Atitude Movimento Mundial de Jovens pela Democracia Falando em política Parlamento Latino-americano União Nacional do Estudantes Rede Jovens do Nordeste Dia Global do Voluntariado Jovem Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral Instituto Ágora em Defesa do Eleitor e da Democracia Fórum Social Mundial Fórum Nacional de Juventude Negra Este material foi testado com adolescentes das comunidades de Heliópolis e Cantinho do Céu em São Paulo. Valeu Galera! Heliópolis Rafael Reis de Almeida Daniel Nunes Pereira Rafael Soares de Oliveira Leonardo Belo da Silva Eduardo Portela Brenda Passos Santos Daniel da Silva dos Santos Cantinho do Céu Vanessa Da Conceição Liliane dos Santos Mendes Ellen Cristina Nascimento Nogueira Luciane Morais Francileide Oliveira Jéssica Aparecida Almeida Costa Lucas Gomes Daniella de Sousa Cardoso Andréia Sabino Estevão Henrique Barbosa Jéssica de Sousa Marques Maxwell Rodrigues Mendes Johnny Nogueira de Souza Ana Carolina Rodrigues de Almeida Mayara Cintia L. Vieira Wellington Wesley Luiz Alessandra dos Anjos Fabiola Batista Felipe Tavares Pessoa John Leno da Silva Vieria Andreza dos Santos Silva Kayone Caroline da Silva Bruna Alves Campos Crione de Sousa Ribeiro Fernando Antônio Raiane Myrele C. dos Santos Aleni Rodrigues Débora de S. P. dos Santos Gessiára de Sousa Augusto E. de C. R. da Silva Henrique S. Vitorio 38 39

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL

GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA TEMA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL/INFANTIL Brasília - DF 2013 GUIA DE SUGESTÕES DE ATIVIDADES SEMANA SAÚDE NA

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos!

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos! Para construir um país mais democrático e desenvolvido, precisamos avançar na garantia ao direito à comunicação para todos e todas. O que isso significa? Significa ampliar a liberdade de expressão para

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Para dar ciência à Câmara Federal, solicitando sua transcrição

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Discurso na cerimónia de regulamentação

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Projeto Eleições 2014 e o Exercício da Cidadania

Projeto Eleições 2014 e o Exercício da Cidadania Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro Centro de Ensino Fundamental Polivalente Projeto Eleições 2014

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Voluntariado. Sete dicas para ser um voluntário. Por Redação EcoD

Voluntariado. Sete dicas para ser um voluntário. Por Redação EcoD Voluntariado Sete dicas para ser um voluntário Por Redação EcoD O Dia Internacional dos Voluntários, celebrado no dia 5 de dezembro, pode inspirar muitas pessoas a dedicarem seu tempo e talento em prol

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING BR/2007/PI/H/3 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING Brasília 2007 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING -

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

Projeto Ética, Cidadania e Política

Projeto Ética, Cidadania e Política Projeto Ética, Cidadania e Política Colégio Estadual Joaquim Gomes Crespo São Francisco de Itabapoana Rio de Janeiro Maria Suzana De Stefano Menin Juliana Aparecida Matias Zechi Relatora do projeto: Professora

Leia mais

por Adelita Roseti Frulane

por Adelita Roseti Frulane A Companhia da Imaculada e São Domingos Sávio por Adelita Roseti Frulane Em 28 de dezembro de 1854, em Roma, o Papa Pio IX proclamou o Dogma de Fé da Imaculada Conceição de Maria Santíssima. E em Turim,

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e ,, 2, Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Ideias e ações políticas? Mãos à obra! Você sabe precisar quando a infância termina para dar lugar à adolescência? Mudanças físicas

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA

PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA PROJETO: ELEIÇÕES 2014 E O EXERCÍCIO DA CIDADANIA Meu ideal político é a democracia, para que todo homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado. (Albert Einstein) JUSTIFICATIVA Estaremos vivenciando

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 64 Discurso na solenidade de entrega

Leia mais

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Eleições 2012 As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Dicas práticas para prefeito e vereador Conquiste o diploma mais importante da sua vida Faça do blog Campanhas e Mandatos sua vantagem

Leia mais

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto.

Vem pra urna! Justiça Eleitoral. Cartório Eleitoral - ES. Cartilha educativa da. Justiça Eleitoral. sobreo poder do voto. Vem pra urna! Justiça Eleitoral Cartório Eleitoral - ES www.tre-es.jus.br. #vempraurna Cartilha educativa da Justiça Eleitoral sobreo poder do voto. Material desenvolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br

Na escola. Para saber mais, visite: www.objetivosdomilenio.org.br www.nospodemos.org.br www.educardpaschoal.org.br Na escola "Precisamos, mais do que nunca, do engajamento dos voluntários para que o nosso desejo de um mundo melhor para todos se transforme em realidade. Kofi Annan, Secretário-Geral da ONU Para saber

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

COMPROMISSO COM O FUTURO

COMPROMISSO COM O FUTURO Editora Artecétera apresenta: COMPROMISSO COM O FUTURO Papel Reciclado com a Família Qualidade Família Qualidade em: toda forma de vida no planeta obedece às leis naturais, agindo no meio ambiente e sendo

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

CONSULTA SOBRE A APLICAÇÃO E UTILIZAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA NO BRASIL 2 de fevereiro a 5 de março de 2009

CONSULTA SOBRE A APLICAÇÃO E UTILIZAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA NO BRASIL 2 de fevereiro a 5 de março de 2009 CONSULTA SOBRE A APLICAÇÃO E UTILIZAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA NO BRASIL 2 de fevereiro a 5 de março de 2009 O Observatório de Sexualidade e Política (SPW na sigla em inglês) criou uma pesquisa na

Leia mais

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade.

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Ministério da Educação Início do Conteúdo A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Autor e Co-autor(es) Autor Fátima Rezende Naves Dias UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Leia mais

ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (*) ANGELA GUADAGNIN A sociedade de forma organizada conquistou na constituição que os direitos das crianças e adolescentes fossem um dever a ser implantado e respeitado

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil

CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil Brasília, 22 de agosto de 2013 CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil No dia 9 de agosto, as crianças e adolescentes do Centro Marista Circuito Jovem e Centro Marista Circuito da Criança

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Escola de Tempo Integral Experiências Matemáticas 7º ANO (6ª série) SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Este é um material em construção que contém os capítulos de apoio das atividades

Leia mais

DE JOVEM PARA JOVEM: Discutindo Juventudes, Saúde e Direitos Humanos

DE JOVEM PARA JOVEM: Discutindo Juventudes, Saúde e Direitos Humanos DE JOVEM PARA JOVEM: Discutindo Juventudes, Saúde e Direitos Humanos Carta dos jovens do território do Borel e Formiga aos profissionais de saúde e da rede intersetorial de proteção e de garantia de direitos

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais