REPARO DAS ENGRENAGENS REDUTORAS E ELEVADORAS DO SISTEMA DE PROPULSÃO DA FRAGATA CONSTITUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPARO DAS ENGRENAGENS REDUTORAS E ELEVADORAS DO SISTEMA DE PROPULSÃO DA FRAGATA CONSTITUIÇÃO"

Transcrição

1 REPARO DAS ENGRENAGENS REDUTORAS E ELEVADORAS DO SISTEMA DE PROPULSÃO DA FRAGATA CONSTITUIÇÃO CT(EN) Otavio H. Paiva. M. Fontes, MSc Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro CMG(EN) Ivan Taveira Martins, MSc Escola de Guerra Naval CC(EN) Victor Eduardo Deiana Antunes Diretoria de Engenharia Naval CC(EN) Rogério Corrêa Borges, MSc Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro RESUMO Este artigo tem como objetivo descrever de forma clara e sucinta o reparo realizado nas engrenagens das caixas redutoras e elevadoras do sistema de propulsão da Fragata Constituição (Frigate MK10). O problema foi detectado em novembro do ano de 2004, a partir da constatação de uma contaminação por água salgada. Além disso, todos os componentes do sistema de lubrificação, ou seja, bombas de óleo, válvulas, caixas de engrenagem, redes e outros acessórios, também foram seriamente contaminados. O caráter inovador e empreendedor deste reparo residiram principalmente no fato de esta ter sido a primeira vez na Marinha do Brasil que se realizou um serviço desta magnitude. ABSTRACT This article has the objective of describing the repair, in a concise way, accomplished in the reduction and elevating gears of the propulsion system of Frigate Constituição (MK10). The problem was detected in November 2004, starting with the verification of a contamination by seawater. Besides, all the components of the lubrication system (oil bombs, valves, gearboxes, pipes and accessories) were also contaminated seriously. The innovative character of this repair stands mainly in the fact that it was the first time, in the Brazilian Navy, that such a service, with that great magnitude, was carried out. 1. INTRODUÇÃO Após ter sido detectada contaminação por água salgada das engrenagens redutoras e elevadoras do sistema de propulsão da Fragata Constituição e de todos os seus acessórios pertinentes ao sistema de propulsão, definiu-se pela desmontagem e retirada de todas as engrenagens das caixas redutoras e elevadoras, pois estas deveriam ter seus dentes retificados nas instalações da emprersa RENK ZANINI. O reparo realizado teve como objetivo restabelecer a qualidade do dentado, de acordo com a norma DIN 3962 (Norma DIN 3962), considerando ainda que a Fragata possui um perfil de emprego anti-submarino,

2 devendo portanto ser um navio silencioso. O fator preponderante para a escolha dessa linha de ação, residiu no fato de se tratar uma solução definitiva, com grande possibilidade de sucesso e do ponto de vista da confiabilidade futura ser a mais favorável, por não impor limitação operacional aos equipamentos além de certamente reduzir a assinatura acústica, o que de fato ocorreu. 2. DESCRIÇÃO DA AVARIA Após inspeção inicial foi constatado pelos técnicos do AMRJ uma grave contaminação por água salgada das engrenagens redutoras e elevadoras do sistema de propulsão da Fragata Constituição. Todas as engrenagens, mancais de sustentação e escora, embreagens síncronas SSS Clutch, auxiliares das caixas (catracas, bombas, etc.), redes de óleo lubrificantes e seus acessórios e as auxiliares associadas as turbinas a gás foram contaminados. As figuras 1 e 4 mostram de forma geral o estado dos dentados: Figura 1 Engrenagem redutora de bombordo. Figura 2 Engrenagem redutora de boreste.

3 Figura 3 Engrenagem elevadora de boreste. Figura 4 Engrenagem elevadora de bombordo. Em função da gravidade do problema observado, decidiu-se pela remoção de todas as vinte e quatro engrenagens de bordo para retífica de seus dentes a fim de remover completamente os pitting de corrosão observados, além do reparo de todos os demais componentes do sistema. 3. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE PROPULSÃO DE UMA FRAGATA CLASSE NITERÓI O sistema de propulsão das Fragatas Classe Niterói é dotado de duas linhas de eixo propulsores (Vosper Thornicroft, 1971), com dois mancais de sustentação externos e dois internos para cada linha de eixo. Cada linha de eixo pode ser acionada, alternativamente, por uma turbina a gás Rolls Royce Olympus ou por dois motores diesel MTU 16V956. Este tipo de propulsão é chamado CODOG (Combined Diesel or Gas). A potência dos acionadores, quer oriunda da turbina a gás, quer oriunda dos motores diesel, sofre uma alteração da velocidade para que se possa acionar a linha de eixo, de tal sorte que: a redução de velocidade da turbina a gás é efetuada em uma caixa de engrenagens redutoras como pode ser visto nas figura 1 e 2; e a multiplicação de velocidade dos motores é efetuada em uma segunda caixa de engrenagens (caixa elevadora) como pode ser visto nas figura 3 e 4.

4 4. DESMONTAGEM E RETIRADA DE BORDO DAS ENGRENAGENS Todo o dimensionamento da estrutura interna ao navio para manobra de peso de retirada da roda principal da engrenagem redutora (aproximadamente 4500 kg e 2100 mm de diâmetro). As 24 (vinte e quatro) engrenagens foram retiradas para reparo, sendo seis para cada redutora e seis para cada elevadora. 5. REPARO DAS ENGRENAGENS E ACESSÓRIOS As engrenagens foram entregues a empresa RENK ZANINI com o propósito de retificar os flancos dos dentes. Em média foram retirados aproximadamente 0,3 mm nos flancos eliminado assim os pitting de corrosão. Esta espessura média de material retirada aumentaria a folga entre os flancos dos dentes, mas não viria a comprometer o desempenho das caixas redutoras e elevadoras, uma vez que estas não operam nos dois sentidos (nos dois flancos dos dentes). Além disso, a retifica dos dentes garantiu uma maior qualidade do dentado (grau 3 e 4 - Norma DIN 3962). Durante o reparo das engrenagens, parâmetros como acabamento superficial dos flancos dos dentes das engrenagens, hélice, envolvente e passo foram determinados, de acordo com a referência (RENK ZANINI, 2006). Além de sofrerem retífica do dentado, as engrenagens também foram balanceadas dinamicamente. Obviamente, além do reparo das engrenagens ocorreu em paralelo o reparo de todos os componentes do sistema. Um ponto extremamente importante foi a limpeza da caixa da redutora como pode ser visto na figura 5: 6. INSTALAÇÃO A BORDO Figura 5 Caixa da redutora. A fase de instalação a bordo foi a mais crítica e meticulosa, devido aos diversos cuidados que deveriam ser observados, tais como: manobras de peso com as engrenagens, montagem e ajustagem das engrenagens, montagem e ajustagem dos mancais de sustentação e escora, flushing do sistema de óleo lubrificante, alinhamento redutoralinha de eixo.

5 As figuras 6 a 9 mostram a seqüência de embarque da roda principal pela cesariana aberta no costado do navio, e a figura 10 o embarque da carcaça da caixa redutora: Figura 6 Embarque da roda principal de bombordo. Figura 7 Embarque da roda principal de bombordo. Figura 8 Embarque da roda principal de bombordo.

6 Figura 9 Posicionamento da roda principal em seu jazente. Figura 10 Embarque da caixa da redutora de bombordo. A montagem das engrenagens das caixas redutoras e elevadoras e a ajustagem dos mancais foram realizadas em conjunto pelos técnicos do AMRJ e da RENK ZANINI. Contato entre dentes, folgas de ajustagem entre os dentes, ajustagem dos mancais de sustentação além de distribuição axial das folgas dos mancais de escora foram alguns dos parâmetros considerados nesta fase do reparo. O flushing do sistema de óleo lubrificante dividiu-se em três etapas: na primeira apenas as redes de óleo lubrificante e acessórios; na segunda o óleo foi comunicado para as caixas redutoras e elevadoras, porém todos os mancais foram isolados; e por último o óleo foi comunicado também para todos os mancais. Foram gastos aproximadamente 25 (vinte e cinco dias) para o flushing de cada bordo. Em relação ao alinhamento da redutora com as linhas de eixo, cabe lembrar que além das engrenagens das redutoras foram retiradas de bordo para tratamento e limpeza as carcaças das caixas redutoras. Não hove qualquer alteração do jazente das caixas redutoras, o que implica dizer que não houve alteração no alinhamento do conjunto. O único cuidado tomado durante o reparo das engrenagens diz respeito a retífica dos colos dos mancais. Como retirou-se na média 0,5 mm no diâmetro dos colos, esta medida foi compensada na altura do metal patente dos mancais.

7 7. PROVAS DE CAIS E MAR Durante as provas de cais e mar os principais parâmetros observados foram as temperaturas dos mancais de sustentação das redutoras e elevadoras e o nível de ruído e vibração. Iso10816 Em média, as temperaturas dos mancais tanto das elevadora quanto das redutoras não passaram de 55º C. Apenas os mancais dos pinhões primários apresentaram temperaturas próximas a 60ºC. De acordo com a norma ISO 10816, os níveis de ruído e vibração ficaram num patamar baixo. Quando esses resultados foram comparados com outros navios da classse, a Fragata Contituição possui as redutoras mais silenciosas. 8. CONCLUSÕES O objetivo aqui proposto foi o de apresentar de forma qualitativa os resultados obtidos no reparo das engrenagens redutoras e elevadoras da Fragata Constituição. O caráter empreendedor do reparo refere-se a dois pontos: pela primeira vez executou-se um serviço dessa natureza em uma redutora do tipo CODOG, capaz de transmitir até BHP; e, todo o reparo foi executado por uma empresa nacional, a RENK ZANINI, com mão-deobra própria e em conjunto com os engenheiros, técnicos e operários da Marinha do Brasil. 9. REFERÊNCIAS Vosper Thornicroft (1971) Mk10 Frigates Machinery specification for Anti- Submarine and General Purpose Frigates, Reino Unido. RENK ZANINI (2006) DATA-BOOK Engrenagens Redutoras e Elevadoras da Fragata Constituição, Brasil. Norma DIN 3962 (2000) Toleranzen für Stirnradverzahnungen, Alemanha. David Brown Gear Industries Limited (1971) Main Gearing Handbook for MK 10 Frigate, Reino Unido. Norma ISO (1998) Mechanical vibration - Evaluation of machine vibration by measurements on non-rotating parts, Genebra, Suíça.

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso

Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso Instituto de Pesquisas da Marinha Sistema de Controle e Monitoração para a Corveta Barroso João Luís Marins XX Copinaval 26 de outubro de 2007 Objetivo Apresentar a arquitetura do Sistema de Controle e

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Introdução à Lubrificação Industrial

Introdução à Lubrificação Industrial Introdução à Lubrificação Industrial Prof. Matheus Fontanelle Pereira Curso Técnico em Eletromecânica Departamento de Processos Industriais Campus Lages Objetivos da Unidade Curricular Conhecer os 5 Ws

Leia mais

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos

Manutenção e reparos. Manutenção no local Reparos, revisões e atualizações Caixas de transmissão de substituição direta Gerenciamento de recursos Gama de produtos Manutenção e reparos Os engenheiros de manutenção da Radicon estão preparados às 24 horas do dia, 365 dias por ano, para fornecer os seguintes serviços em qualquer momento e em qualquer

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

GUIA DE VISTORIAS PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS

GUIA DE VISTORIAS PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS GUIA DE VISTORIAS PARA CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2010 NAVEGAÇÃO EM MAR ABERTO E INTERIOR RBNA - Registro Brasileiro de Navios e Aeronaves Matriz: Av. Rio Branco, n 0 124-17 0 andar - Centro - Rio de Janeiro.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO PREFÁCIO O motor elétrico! WEG INDUSTRIAS S.A. - MÁQUINAS ---- IMPORTANTE ---- LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Corte Circular de Tecido 950C

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina de Corte Circular de Tecido 950C Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina de Corte Circular de Tecido 950C 104A 104B Singer é uma marca registrada da The Singer Company Limited ou suas afiliadas. 2009 Copyright The Singer Company

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Autor: Leopoldo Jorge de Souza, MSEE, Capitão de Mar e Guerra

Leia mais

PORTFOLIO DE PRODUTOS

PORTFOLIO DE PRODUTOS PORTFOLIO DE PRODUTOS QUEM SOMOS A Power Transmission Industries do Brasil (PTI), é a empresa líder no mercado brasileiro de acionamentos mecânicos que representa as marcas PTI, WDS, Transmotécnica e PTI

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA.

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Dimensionamento de Turbocompressores. DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Meu VCD já vinha apresentando o problema de fumacear na partida há algum tempo (o problema

Leia mais

Instruções de Instalação

Instruções de Instalação Instruções de Instalação Série ST ST/QBM, ST/MRA, ST Experience In Motion 1 Verificação do Equipamento 1.1 Seguir as normas de segurança da planta antes da desmontagem do equipamento: Consulte a Ficha

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 105 Referências Bibliográficas 1 Brasil, Haroldo Vinagre, Máquinas de Levantamento. Ed. Guanabara Dois, 1998. 230p. 2 Rudenko, N., Máquinas de Elevação e Transporte. Livros Técnicos e Científicos Editora

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Lubrificação Industrial & Atualização Linha Óleo de Motor. Apresentação SIMEPETRO São Paulo, Brasil 28 de agosto de 2009

Lubrificação Industrial & Atualização Linha Óleo de Motor. Apresentação SIMEPETRO São Paulo, Brasil 28 de agosto de 2009 Lubrificação Industrial & Atualização Linha Óleo de Motor Apresentação SIMEPETRO São Paulo, Brasil 28 de agosto de 2009 Agenda As tendencias dos lubrificantes industrias Óleos hidraulicos Óleos para engranagems

Leia mais

O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA)

O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA) O QUADRO TÉCNICO DE PRAÇAS DA ARMADA (QTPA) 1 - O CORPO DE PRAÇAS DA ARMADA Os militares da Marinha do Brasil (MB) estão organizados em graus hierárquicos de Oficiais e de Praças. As Praças são ordenadas,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAÇÃO PARA A CORVETA BARROSO

SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAÇÃO PARA A CORVETA BARROSO SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAÇÃO PARA A CORVETA BARROSO Capitão-de-Fragata (EN) João Luís Marins Instituto de Pesquisas da Marinha E-mail: marins@ipqm.mar.mil.br RESUMO Este trabalho apresenta o Sistema

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Débora Ariana Correa da Silva Érika Barbosa dos Santos Prof. Dr. Ulysses de Barros Fernandes Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade

Leia mais

MAN PrimeServ a service brand of MAN Diesel & Turbo. Treinamentos MAN PrimeServ Academy Rio

MAN PrimeServ a service brand of MAN Diesel & Turbo. Treinamentos MAN PrimeServ Academy Rio MAN PrimeServ a service brand of MAN Diesel & Turbo Treinamentos MAN PrimeServ Academy Rio Bem-vindo em casa MAN PrimeServ Brasil Conteúdo seja bem-vindo Tubomáquinas Básico de Turbina a Vapor 06 Outras

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

FS TR-Line. Sumário. Vantagens e Características Opcionais... 3. Diretrizes para Determinação do Tamanho e Série... 3

FS TR-Line. Sumário. Vantagens e Características Opcionais... 3. Diretrizes para Determinação do Tamanho e Série... 3 Sumário Vantagens e Características Opcionais... 3 Diretrizes para Determinação do Tamanho e Série... 3 Cálculo de Seleção do Redutor pelo Torque de Saída... 4 Determinação do Tamanho do Redutor... 5 Formação

Leia mais

DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES

DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES DEFEITOS EM BOMBAS CENTRIFUGA E SOLUÇÕES simples multiestágio BOMBEAMENTO INSUFICIENTE E NULO VAZÃO OU PRESSÃO NULAS OU INSUFICIENTE VÁLVULA PRESA OU ENTUPIDA ROTOR FURADO, ENTUPIDO OU COM DESGASTE EXECESSIVO

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

Geradores Trifásicos Para PCH s

Geradores Trifásicos Para PCH s Geradores Trifásicos Para PCH s Geradores Trifásicos para PCH s - 2-1. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Carcaça de aço laminado e soldada eletricamente. As suas dimensões são determinadas com o propósito de

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Sistemas de Controle de Máquinas Fonte de Energia para a Propulsão Vapor Diesel / Gás Mecânica Elétrica Diesel - Elétrica

Leia mais

Empresas de Armazenagem e Baldeação:

Empresas de Armazenagem e Baldeação: Perfil da empresa A é uma empresa especializada em reparos com uma vasta especialização em caixas de engrenagem e tecnologia de engrenagem. A está totalmente equipada para fabricar, consertar e modificar

Leia mais

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Símbolo Gerais Os radiadores de ar da série AC-LN 8-14 podem ser aplicados em todas as áreas nas quais é preciso resfriar óleo ou mistura de água-glicol

Leia mais

Transmissões de Potência

Transmissões de Potência Transmissões de Potência PMR 2201 Transmissões O emprego de transmissões torna-se necessário para compatibilizar a velocidade angular ou conjugado da máquina motriz com a necessidade da máquina acionada,

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital

REDUTORES L I L O C A T Á L O G. Tecnologia e eficiência em Redutores de Velocidade. A primeira a comercializar pelo comercio digital www.redutoreslilo.com REDUTORES L I L O C A T Á L O G Tecnologia e eficiência em es de Velocidade O A primeira a comercializar pelo comercio digital Catálogo de produtos es Lilo es de Coroa e Rosca Sem

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Assistência Técnica WEG-CESTARI. Índice SERVICE WEG-CESTARI MANUAL DE INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E GARANTIA HELIMAX

Assistência Técnica WEG-CESTARI. Índice SERVICE WEG-CESTARI MANUAL DE INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E GARANTIA HELIMAX de terceiros contratados pelo mesmo. Vazamento de óleo causado pelo respiro obstruído. Contaminação do óleo por agentes externos (pó, água, etc.), quando o redutor não tiver sido solicitado com filtro

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS

EQUIPAMENTOS ROTATIVOS 1 INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS ROTATIVOS O objetivo da presente apostila é prestar informações mínimas, a nível técnico, sobre os principais equipamentos rotativos utilizados na indústria de petróleo e petroquímica.

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL - Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de acordo com normas

Leia mais

Embalagem Breve histórico: Nytron é uma empresa líder no mercado de reposição de polias e tensionadores; Produzindo 306 itens para reposição; Abastece todo mercado nacional,através dos mais importantes

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão

Transformando energia em soluções. Motores de. Alta Tensão Transformando energia em soluções Motores de Alta Tensão Motores de alta tensão A WEG desenvolveu em conjunto com consultoria internacional especializada uma linha de motores de carcaça de ferro fundido

Leia mais

Monitoramento de Escavadeiras. Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição

Monitoramento de Escavadeiras. Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição Monitoramento de Escavadeiras Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição Uma parada não programada pode ser cara e perigosa A mina é um ambiente potencialmente perigoso.

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

4 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes

4 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes 3 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes Este capítulo apresenta os resultados gerais obtidos para duas pontes rolantes de áreas distintas da empresa, a ponte rolante 6 e a 2 (risco

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

Segunda vida. Primeira escolha. Novas

Segunda vida. Primeira escolha. Novas Novas Segunda vida. Primeira escolha. Recondicionamento de turbos Uma virada rumo a um negócio sustentável Através do aumento de qualidade e lucratividade na remanufatura de turbos RT 1061-1 br Remanufatura

Leia mais

FIXAÇÃO EIXO-EIXO ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS PMR 2201 1. FUNÇÕES:

FIXAÇÃO EIXO-EIXO ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS PMR 2201 1. FUNÇÕES: PMR 2201 FIXAÇÃO EIXO-EIXO 1. FUNÇÕES: Permitir a montagem, desmontagem e/ou manutenção de equipamentos Compensar e/ou absorver desalinhamentos entre eixos Absorver ou isolar vibrações e choques Permitir

Leia mais

MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2012. Desenho ilustrativo WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR. 50,00 mm.

MANUAL AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES AUTOMATIZADORES V - 2012. Desenho ilustrativo WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR. 50,00 mm. V - 2012 ME G A A G E AUTOMATIZADORES MANUAL WWW.NEWAUTOMATIZADORES.COM.BR AUTOMATIZADORES LINHA AC CERTIFICAÇÕES 50,00 mm 22,50 mm Management System CNAS C117-Q AUTOMATIZADORES LINHA AC COMPONENTES: 1

Leia mais

Manutenção preditiva

Manutenção preditiva A UU L AL A Manutenção preditiva Uma empresa vinha desenvolvendo de modo satisfatório um programa de manutenção, porém, o relatório final de produção indicava a possibilidade de aperfeiçoamentos no processo.

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva:

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva: Manutenção Preventiva e Corretiva de Rosqueadeiras Manual de Manutenção: Preventivo / Corretivo Preventivo: Toda máquina exige cuidados e manutenção preventiva. Sugerimos aos nossos clientes que treinem

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Introdução Funções do sistema de transmissão de potência: Transmitir potência do motor para as rodas motrizes e para a TDP (tomada de potência) Possibilitar o engate

Leia mais

Automation Engineering and Technical Support

Automation Engineering and Technical Support Automation Engineering and Technical Support SKM é uma empresa de engenharia, fabricação e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços para a Marinha

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

GARRAFAS HIDRÁULICAS

GARRAFAS HIDRÁULICAS GARRAFAS HIDRÁULICAS Garrafas hidráulicas 1 - OBJETIVO Este manual visa desmistificar e esclarecer dúvidas em relação aos acumuladores de bexiga, também denominados garrafas hidráulicas, facilitando o

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip

Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Acoplamentos de conexão HyCon, HyLoc e HyGrip Voith Turbo Safeset Somos experts em limitação de torque e acoplamentos de conexão na Voith Turbo. A Voith Turbo, especialista em sistemas de transmissão hidrodinâmica,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas?

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Reduza custos: Para garantir a durabilidade dos equipamentos, ações de manutenção preditiva e preventiva se

Leia mais

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento?

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Análise de Vibração + Análise de Óleo O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Programas atuais de monitoramento da gestão das condições de ativos que desejam avançar rumo a uma verdadeira "Manutenção

Leia mais

LIVRO DE REGISTRO DE SERVIÇO

LIVRO DE REGISTRO DE SERVIÇO LIVRO DE REGISTRO DE SERVIÇO Número da Chave Passo da Hélice Número de Série do Motor Registro de serviço do cliente Todo o serviço deve ser completado por um revendedor autorizado pelo Distribuidor ou

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

Assistência Técnica WEG-CESTARI SERVICE WEG-CESTARI. Índice. MANUAL DE INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E GARANTIA MAGMA Série K

Assistência Técnica WEG-CESTARI SERVICE WEG-CESTARI. Índice. MANUAL DE INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E GARANTIA MAGMA Série K Assistência Técnica WEG-CESTARI Em caso de defeito ou qualquer outro problema com nossos produtos, deverá ser comunicado imediatamente ao Departamento de Assistência Técnica da WEG-CESTARI. SERVICE WEG-CESTARI

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP Nº 02/2008 1 DO OBJETO Visa à contratação de empresa especializada nos serviços de fornecimento, entrega e instalação

Leia mais

TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES

TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES DO MOTOR NÚMERO DE SÉRIE TIPO DE COMBUSTÍVEL POTÊNCIA DE PROJETO (Kw) DIÂMETRO E PASSO DO HÉLICE

Leia mais

Sistemas de rodas Demag. Unidades inovadoras, de produção seriada, para equipamentos de translação com cargas de até 60 t por roda

Sistemas de rodas Demag. Unidades inovadoras, de produção seriada, para equipamentos de translação com cargas de até 60 t por roda Sistemas de rodas Demag Unidades inovadoras, de produção seriada, para equipamentos de translação com cargas de até 60 t por roda Sistemas de rodas Demag a solução confiável para todas as aplicações 37377-12

Leia mais

Correias, Polias e Transmissões. O que são?

Correias, Polias e Transmissões. O que são? Correias, Polias e Transmissões. O que são? Obs.: Fotos são meramente ilustrativas (sem escala). Página 1 TRANSMISSÕES COM CORREIAS O QUE É UMA CORREIA? Elemento de maquina que, sendo movimentado por uma

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

MANUAL de Instruções. Carreta Agrícola Trans Pipa e Tanque p/ Caminhões

MANUAL de Instruções. Carreta Agrícola Trans Pipa e Tanque p/ Caminhões MANUAL de Instruções Carreta Agrícola Trans Pipa e Tanque p/ Caminhões CONHEÇA O NOSSO PRODUTO PARA TRANSPORTAR LÍQUIDOS ASSUNTOS A SEREM ESCLARECIDOS: 1) DADOS TÉCNICOS 2) MANUTENÇÃO e PRECAUÇÕES 4) CERTIFICADO

Leia mais

FALCON: Smart Portable Solution. A manutenção condicional nunca foi tão fácil. Brand of ACOEM

FALCON: Smart Portable Solution. A manutenção condicional nunca foi tão fácil. Brand of ACOEM FALCON: Smart Portable Solution A manutenção condicional nunca foi tão fácil Brand of ACOEM Com o FALCON, a ONEPROD propõe uma ferramenta de coleta, análise e balanceamento de desempenho excepcional e

Leia mais

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão 2 Índice 2 - Antes de efetuar a inspeção ou substituição de uma polia: 3 -Segurança 4 - Superfícies e medidas dos canais 5 - Relação Canal

Leia mais

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos

Esferas de 4 pontos de contato. Combinados. Regular Bom Bom Bom precário Regular Bom Muito bom. Dois sentidos. Dois sentidos Seleção do tipo de rolamento Para escolher o tipo de rolamento mais apropriado a uma determinada aplicação é preciso observar suas características próprias, mas, na maioria dos casos, são tantos os fatores

Leia mais