ANEXO NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS"

Transcrição

1 ANEXO NR-12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Princípios Grais Esta Norma Rgulamntadora sus anxos dfinm rfrências técnicas, princípios fundamntais mdidas d protção para garantir a saúd a intgridad física dos trabalhadors stablc rquisitos mínimos para a prvnção d acidnts donças do trabalho nas fass d projto d utilização d máquinas quipamntos d todos os tipos, ainda à sua fabricação, importação, comrcialização, xposição cssão a qualqur título, m todas as atividads conômicas, sm prjuízo da obsrvância do disposto nas dmais Normas Rgulamntadoras - NR aprovadas pla Portaria nº d 8 d junho d 1978, nas normas técnicas oficiais, na ausência ou omissão dstas, nas normas intrnacionais aplicávis Entnd-s como fas d utilização a construção, transport, montagm, instalação, ajust, opração, limpza, manutnção, inspção, dsativação dsmont da máquina ou quipamnto As disposiçõs dsta Norma rfrm-s a máquinas quipamntos novos usados, xcto nos itns m qu houvr mnção spcífica quanto à sua aplicabilidad O mprgador dv adotar mdidas d protção para o trabalho m máquinas quipamntos, capazs d garantir a saúd a intgridad física dos trabalhadors, mdidas apropriadas smpr qu houvr pssoas com dficiência nvolvidas dirta ou indirtamnt no trabalho São considradas mdidas d protção, a sr adotadas nssa ordm d prioridad: a) mdidas d protção coltiva; b) mdidas administrativas ou d organização do trabalho; c) mdidas d protção individual A concpção d máquinas dv atndr ao princípio da falha sgura. Arranjo físico instalaçõs Nos locais d instalação d máquinas quipamntos, as áras d circulação dvm sr dvidamnt dmarcadas m conformidad com as normas técnicas oficiais As vias principais d circulação nos locais d trabalho as qu conduzm às saídas dvm tr, no mínimo, 1,20 m (um mtro vint cntímtros) d largura As áras d circulação dvm sr mantidas prmanntmnt dsobstruídas Os matriais m utilização no procsso produtivo dvm sr alocados m áras spcificas d armaznamnto, dvidamnt dmarcadas com faixas na cor indicada plas normas técnicas oficiais ou sinalizadas quando s tratar d áras xtrnas Os spaços ao rdor das máquinas quipamntos dvm sr adquados ao su tipo ao tipo d opração, d forma a prvnir a ocorrência d acidnts donças rlacionados ao trabalho A distância mínima ntr máquinas, m conformidad com suas caractrísticas aplicaçõs, dv garantir a sgurança dos trabalhadors durant sua opração, manutnção, ajust, limpza inspção, prmitir a movimntação dos sgmntos corporais, m fac da naturza da tarfa As áras d circulação armaznamnto d matriais os spaços m torno d máquinas dvm sr projtados, dimnsionados mantidos d forma qu os trabalhadors os transportadors d matriais, mcanizados manuais, movimntm-s com sgurança Os pisos dos locais d trabalho ond s instalam máquinas quipamntos das áras d circulação dvm: a) sr mantidos limpos livrs d objtos, frramntas quaisqur matriais qu ofrçam riscos d acidnts; b) tr caractrísticas d modo a prvnir riscos provnints d graxas, ólos outras substâncias matriais qu os tornm scorrgadios; c) sr nivlados rsistnts às cargas a qu stão sujitos As frramntas utilizadas no procsso produtivo dvm sr organizadas armaznadas ou dispostas m locais spcíficos para ssa finalidad As máquinas stacionárias dvm possuir mdidas prvntivas quanto à sua stabilidad, d modo qu não basculm não s dsloqum intmpstivamnt por vibraçõs, choqus, forças xtrnas prvisívis, forças dinâmicas intrnas ou qualqur outro motivo acidntal A instalação das máquinas stacionárias dv rspitar os rquisitos ncssários forncidos plos fabricants ou, na falta dsss, o projto laborado por profissional lgalmnt habilitado, m spcial quanto à fundação, fixação, amortcimnto, nivlamnto, vntilação, alimntação létrica, pnumática hidráulica, atrramnto sistmas d rfrigração Nas máquinas móvis qu possum rodízios, plo mnos dois dls dvm possuir travas As máquinas, as áras d circulação, os postos d trabalho quaisqur outros locais m qu possa havr trabalhadors dvm ficar posicionados d modo qu não ocorra transport movimntação aéra d matriais sobr os trabalhadors. Instalaçõs dispositivos létricos As instalaçõs létricas das máquinas quipamntos dvm sr projtadas mantidas d modo a prvnir, por mios sguros, os prigos d choqu létrico, incêndio, xplosão outros tipos d acidnts, conform prvisto na NR Dvm sr atrrados, conform as normas técnicas oficiais vignts, as instalaçõs, carcaças, invólucros, blindagns ou parts condutoras das máquinas quipamntos qu não façam part dos circuitos létricos, mas qu possam ficar sob tnsão As instalaçõs létricas das máquinas quipamntos qu stjam ou possam star m contato dirto ou indirto com água ou agnts corrosivos dvm sr projtadas com mios dispositivos qu garantam sua blindagm, stanquidad, isolamnto atrramnto, d modo a prvnir a ocorrência d acidnts Os condutors d alimntação létrica das máquinas quipamntos dvm atndr aos sguints rquisitos mínimos d sgurança: a) ofrcr rsistência mcânica compatívl com a sua utilização; b) possuir protção contra a possibilidad d rompimnto mcânico, d contatos abrasivos d contato com lubrificants, combustívis calor; c) localização d forma qu nnhum sgmnto fiqu m contato com as parts móvis ou cantos vivos; d) facilitar não impdir o trânsito d pssoas matriais ou a opração das máquinas; ) não ofrcr quaisqur outros tipos d riscos na sua localização; f) sr constituídos d matriais qu não propagum o fogo, ou sja, autoxtinguívis, não mitirm substâncias tóxicas m caso d aqucimnto Os quadros d nrgia das máquinas quipamntos dvm atndr aos sguints rquisitos mínimos d sgurança: a) possuir porta d acsso, mantida prmanntmnt fchada; b) possuir sinalização quanto ao prigo d choqu létrico rstrição d acsso por pssoas não autorizadas; c) sr mantidos m bom stado d consrvação, limpos livrs d objtos frramntas; d) possuir protção idntificação dos circuitos. ) atndr ao grau d protção adquado m função do ambint d uso As ligaçõs drivaçõs dos condutors létricos das máquinas quipamntos dvm sr fitas mdiant dispositivos apropriados conform as normas técnicas oficiais vignts, d modo a assgurar rsistência mcânica contato létrico adquado, com caractrísticas quivalnts aos condutors létricos utilizados protção contra riscos As instalaçõs létricas das máquinas quipamntos qu utilizm nrgia létrica forncida por font xtrna dvm possuir dispositivo prottor contra sobrcorrnt, dimnsionado conform a dmanda d consumo do circuito As máquinas quipamntos dvm possuir dispositivo prottor contra sobrtnsão quando a lvação da tnsão pudr ocasionar risco d acidnts Quando a alimntação létrica possibilitar a invrsão d fass d máquina qu possa provocar acidnts d trabalho, dv havr dispositivo monitorado d dtcção d sqüência d fass ou outra mdida d protção d msma ficácia São proibidas nas máquinas quipamntos: a) a utilização d chav gral como dispositivo d partida parada; b) a utilização d chavs tipo faca nos circuitos létricos; c) a xistência d parts nrgizadas xpostas d circuitos qu utilizam nrgia létrica As batrias dvm atndr aos sguints rquisitos mínimos d sgurança: a) localização d modo qu sua manutnção troca possam sr ralizadas facilmnt a partir do solo ou d uma plataforma d apoio; b) constituição fixação d forma a não havr dslocamnto acidntal; c) protção do trminal positivo, a fim d prvnir contato acidntal curto-circuito Os srviços substituiçõs d batrias dvm sr ralizados conform indicação constant do manual d opração. Dispositivos d partida, acionamnto parada Os dispositivos d partida, acionamnto parada das máquinas dvm sr projtados, slcionados instalados d modo qu: a) não s localizm m suas zonas prigosas; b) possam sr acionados ou dsligados m caso d mrgência por outra pssoa qu não sja o oprador; c) impçam acionamnto ou dsligamnto involuntário plo oprador ou por qualqur outra forma acidntal; d) não acarrtm riscos adicionais; ) não possam sr burlados Os comandos d partida ou acionamnto das máquinas dvm possuir dispositivos qu impçam su funcionamnto automático ao srm nrgizadas Quando form utilizados dispositivos d acionamnto do tipo comando bimanual, visando a mantr as mãos do oprador fora da zona d prigo, sss dvm atndr aos sguints rquisitos mínimos do comando: a) possuir atuação síncrona, ou sja, um sinal d saída dv sr grado somnt quando os dois dispositivos d atuação do comando -botõs- form atuados com um rtardo d tmpo mnor ou igual a 0,5 s (cinco sgundos); b) star sob monitoramnto automático por intrfac d sgurança; c) tr rlação ntr os sinais d ntrada saída, d modo qu os sinais d ntrada aplicados a cada um dos dois dispositivos d atuação do comando dvm juntos s iniciar mantr o sinal d saída do dispositivo d comando bimanual somnt durant a aplicação dos dois sinais; d) o sinal d saída dv trminar quando houvr dsacionamnto d qualqur dos dispositivos d atuação d comando;

2 ) possuir dispositivos d comando qu xijam uma atuação intncional a fim d minimizar a probabilidad d comando acidntal; f) possuir distanciamnto barriras ntr os dispositivos d atuação d comando para dificultar a burla do fito d protção do dispositivo d comando bimanual; g) tornar possívl o rinício do sinal d saída somnt após a dsativação dos dois dispositivos d atuação do comando Nas máquinas opradas por dois ou mais dispositivos d comando bimanuais, a atuação síncrona é rqurida somnt para cada um dos dispositivos d comando bimanuais não ntr dispositivos difrnts qu dvm mantr simultanidad ntr si Os dispositivos d comando bimanual dvm sr posicionados a uma distância sgura da zona d prigo, lvando m considração: a) a forma, a disposição o tmpo d rsposta do dispositivo d comando bimanual; b) o tmpo máximo ncssário para a paralisação da máquina ou para a rmoção do prigo, após o término do sinal d saída do dispositivo d comando bimanual; c) a utilização projtada para a máquina Os comandos bimanuais móvis instalados m pdstais dvm: a) mantr-s stávis m sua posição d trabalho; b) possuir altura compatívl com o posto d trabalho para ficar ao alcanc do oprador m sua posição d trabalho Nas máquinas quipamntos cuja opração rquira a participação d mais d uma pssoa, o númro d dispositivos d acionamnto simultânos dv corrspondr ao númro d opradors xpostos aos prigos dcorrnts d su acionamnto, d modo qu o nívl d protção sja o msmo para cada trabalhador Dv havr sltor do númro d dispositivos d acionamnto m utilização, com bloquio qu impça a sua slção por pssoas não autorizadas O circuito d acionamnto dv sr projtado d modo a impdir o funcionamnto dos comandos habilitados plo sltor nquanto os dmais comandos não habilitados não form dsconctados Os dispositivos d acionamnto simultânos, quando utilizados dois ou mais, dvm possuir sinal luminoso qu indiqu su funcionamnto As máquinas ou quipamntos concbidos fabricados para prmitir a utilização d vários modos d comando ou d funcionamnto qu aprsntm nívis d sgurança difrnts, dvm possuir um sltor qu atnda aos sguints rquisitos: a) bloquio m cada posição, impdindo a sua mudança por pssoas não autorizadas; b) corrspondência d cada posição a um único modo d comando ou d funcionamnto; c) modo d comando slcionado com prioridad sobr todos os outros sistmas d comando, com xcção da parada d mrgência; d) a slção dv sr visívl, clara facilmnt idntificávl As máquinas quipamntos, cujo acionamnto por pssoas não autorizadas possam ofrcr risco à saúd ou intgridad física d qualqur pssoa, dvm possuir sistma qu possibilit o bloquio d sus dispositivos d acionamnto O acionamnto o dsligamnto simultâno por um único comando d um conjunto d máquinas quipamntos ou d máquinas quipamntos d grand dimnsão dvm sr prcdidos d sinal sonoro d alarm Dvm sr adotadas, quando ncssárias, mdidas adicionais d alrta, como sinal visual dispositivos d tlcomunicação, considrando as caractrísticas do procsso produtivo dos trabalhadors As máquinas quipamntos comandados por radiofrqüência dvm possuir protção contra intrfrências ltromagnéticas acidntais Os componnts d partida, parada, acionamnto outros controls qu compõm a intrfac d opração das máquinas dvm: a) oprar m xtrabaixa tnsão d até 25V (vint cinco volts) m corrnt altrnada ou d até 60V (sssnta volts) m corrnt contínua; b) possibilitar a instalação funcionamnto do sistma d parada d mrgência, conform itns a sus subitns O circuito létrico do comando da partida parada do motor létrico d máquinas dv possuir, no mínimo, dois contators com contatos positivamnt guiados, ligados m séri, monitorados por intrfac d sgurança ou d acordo com os padrõs stablcidos plas normas técnicas nacionais vignts, na falta dstas, plas normas técnicas intrnacionais, s assim for indicado pla anális d risco, m função da svridad d danos frqüência ou tmpo d xposição ao risco. Sistmas d sgurança As zonas d prigo das máquinas quipamntos dvm possuir sistmas d sgurança, caractrizados por protçõs fixas, protçõs móvis dispositivos d sgurança intrligados, qu garantam protção à saúd à intgridad física dos trabalhadors A adoção d sistmas d sgurança, m spcial nas zonas d opração qu aprsntm prigo, dv considrar as caractrísticas técnicas da máquina do procsso d trabalho as mdidas altrnativas técnicas xistnts, d modo a atingir o nívl ncssário d sgurança prvisto nsta Norma Os sistmas d sgurança dvm sr slcionados instalados d modo a atndr aos sguints rquisitos: a) tr catgoria d sgurança conform prévia anális d riscos prvista nas normas técnicas oficiais vignts; b) star sob a rsponsabilidad técnica d profissional lgalmnt habilitado; c) possuir conformidad técnica com o sistma d comando a qu são intgrados; d) instalação d modo qu não possam sr nutralizados ou burlados; ) mantrm-s sob vigilância automática, ou sja, monitoramnto, d acordo com a catgoria d sgurança rqurida, xcto para dispositivos d sgurança xclusivamnt mcânicos; f) paralisação dos movimntos prigosos dmais riscos quando ocorrrm falhas ou situaçõs anormais d trabalho Os sistmas d sgurança, d acordo com a catgoria d sgurança rqurida, dvm xigir rarm, ou rst manual, após a corrção da falha ou situação anormal d trabalho qu provocou a paralisação da máquina Para fins d aplicação dsta Norma, considra-s protção o lmnto spcificamnt utilizado para provr sgurança por mio d barrira física, podndo sr: a) protção fixa, qu dv sr mantida m sua posição d manira prmannt ou por mio d lmntos d fixação qu só prmitam sua rmoção ou abrtura com o uso d frramntas spcíficas; b) protção móvl, qu pod sr abrta sm o uso d frramntas, gralmnt ligada por lmntos mcânicos à strutura da máquina ou a um lmnto fixo próximo, dv s associar a dispositivos d intrtravamnto Para fins d aplicação dsta Norma, considram-s dispositivos d sgurança os componnts qu, por si só ou intrligados ou associados a protçõs, rduzam os riscos d acidnts d outros agravos à saúd, sndo classificados m: a) comandos létricos ou intrfacs d sgurança: dispositivos rsponsávis por ralizar o monitoramnto, qu vrificam a intrligação, posição funcionamnto d outros dispositivos do sistma impdm a ocorrência d falha qu provoqu a prda da função d sgurança, como rlés d sgurança, controladors configurávis d sgurança controlador lógico programávl - CLP d sgurança; b) dispositivos d intrtravamnto: chavs d sgurança ltromcânicas, com ação ruptura positiva, magnéticas ltrônicas codificadas, optoltrônicas, snsors indutivos d sgurança outros dispositivos d sgurança qu possum a finalidad d impdir o funcionamnto d lmntos da máquina sob condiçõs spcíficas; c) snsors d sgurança: dispositivos dtctors d prsnça mcânicos não mcânicos, qu atuam quando uma pssoa ou part do su corpo adntra a zona d prigo d uma máquina ou quipamnto, nviando um sinal para intrrompr ou impdir o início d funçõs prigosas, como cortinas d luz, dtctors d prsnça optoltrônicos, lasr d múltiplos fixs, barriras óticas, monitors d ára, ou scannrs, batnts, tapts snsors d posição; d) válvulas blocos d sgurança ou sistmas pnumáticos hidráulicos d msma ficácia; ) dispositivos mcânicos, como: dispositivos d rtnção, limitadors, sparadors, mpurradors, inibidors, dfltors rtrátis; f) dispositivos d validação: dispositivos suplmntars d comando oprados manualmnt, qu, quando aplicados d modo prmannt, habilitam o dispositivo d acionamnto, como chavs sltoras bloquávis dispositivos bloquávis Os componnts rlacionados aos sistmas d sgurança comandos d acionamnto parada das máquinas, inclusiv d mrgência, dvm garantir a manutnção do stado sguro da máquina ou quipamnto quando ocorrrm flutuaçõs no nívl d nrgia além dos limits considrados no projto, incluindo o cort rstablcimnto do forncimnto d nrgia A protção dv sr móvl quando o acsso a uma zona d prigo for rqurido uma ou mais vzs por turno d trabalho, obsrvando-s qu: a) a protção dv sr associada a um dispositivo d intrtravamnto quando sua abrtura não possibilitar o acsso à zona d prigo ants da liminação do risco; b) a protção dv sr associada a um dispositivo d intrtravamnto com bloquio quando sua abrtura possibilitar o acsso à zona d prigo ants da liminação do risco As máquinas quipamntos dotados d protçõs móvis associadas a dispositivos d intrtravamnto dvm: a) oprar somnt quando as protçõs stivrm fchadas; b) paralisar suas funçõs prigosas quando as protçõs form abrtas durant a opração; c) garantir qu o fchamnto das protçõs por si só não possa dar inicio às funçõs prigosas Os dispositivos d intrtravamnto com bloquio associados às protçõs móvis das máquinas quipamntos dvm: a) prmitir a opração somnt nquanto a protção stivr fchada bloquada; b) mantr a protção fchada bloquada até qu tnha sido liminado o risco d lsão dvido às funçõs prigosas da máquina ou do quipamnto; c) garantir qu o fchamnto bloquio da protção por si só não possa dar inicio às funçõs prigosas da máquina ou do quipamnto As transmissõs d força os componnts móvis a las intrligados, acssívis ou xpostos, dvm possuir protçõs fixas, ou móvis com dispositivos d intrtravamnto, qu impçam o acsso por todos os lados Quando utilizadas protçõs móvis para o nclausuramnto d transmissõs d força qu possuam inércia, dvm sr utilizados dispositivos d intrtravamnto com bloquio O ixo cardã dv possuir protção adquada, m prfito stado d consrvação m toda a sua xtnsão, fixada na tomada d força da máquina dsd a cruzta até o acoplamnto do implmnto ou quipamnto As máquinas quipamntos qu ofrçam risco d ruptura d suas parts, projção d matriais, partículas ou substâncias, dvm possuir protçõs qu garantam a saúd a sgurança dos trabalhadors As protçõs dvm sr projtadas construídas d modo a atndr aos sguints rquisitos d sgurança: a) cumprir suas funçõs apropriadamnt durant a vida útil da máquina ou possibilitar a rposição d parts dtrioradas ou danificadas; b) sr constituídas d matriais rsistnts adquados à contnção d projção d pças, matriais partículas; c) fixação firm garantia d stabilidad rsistência mcânica compatívis com os sforços rquridos; d) não criar pontos d smagamnto ou agarramnto com parts da máquina ou com outras protçõs; ) não possuir xtrmidads arstas cortants ou outras saliências prigosas; f) rsistir às condiçõs ambintais do local ond stão instaladas; g) impdir qu possam sr burladas; h) proporcionar condiçõs d higin limpza; i) impdir o acsso à zona d prigo; j) tr sus dispositivos d intrtravamnto protgidos adquadamnt contra sujidad, poiras corrosão, s ncssário; k) tr ação positiva, ou sja, atuação d modo positivo; l) não acarrtar riscos adicionais Quando a protção for confccionada com matrial dscontínuo, dvm sr obsrvadas as distâncias d sgurança para impdir o acsso às zonas d prigo, conform prvisto no Anxo I, itm A Durant a utilização d protçõs distants da máquina ou quipamnto com possibilidad d alguma pssoa ficar na zona d prigo, dvm sr adotadas mdidas adicionais d protção coltiva para impdir a partida da máquina nquanto houvr pssoas nssa zona As protçõs também utilizadas como mio d acsso por xigência das caractrísticas da máquina ou do quipamnto dvm atndr aos rquisitos d rsistência sgurança adquados a ambas as finalidads Dv havr protção no fundo dos dgraus da scada, ou sja, nos splhos, smpr qu uma part salint do pé ou da mão possa contatar uma zona prigosa As protçõs, dispositivos sistmas d sgurança dvm intgrar as máquinas quipamntos, não podm sr considrados itns opcionais para qualqur fim Em função do risco, podrá sr xigido projto, diagrama ou rprsntação squmática dos sistmas d sgurança d máquinas, com rspctivas spcificaçõs técnicas m língua portugusa Quando a máquina não possuir a documntação técnica xigida, o su propritário dv constituí-la, sob a rsponsabilidad d profissional lgalmnt habilitado com rspctiva Anotação d Rsponsabilidad Técnica do Conslho Rgional d Engnharia Arquittura - ART/CREA. Dispositivos d parada d mrgência As máquinas dvm sr quipadas com um ou mais dispositivos d parada d mrgência, por mio dos quais possam sr vitadas situaçõs d prigo latnts xistnts Os dispositivos d parada d mrgência não dvm sr utilizados como dispositivos d partida ou d acionamnto Exctuam-s da obrigação do subitm as máquinas manuais, as máquinas autoproplidas aqulas nas quais o dispositivo d parada d mrgência não possibilita a rdução do risco Os dispositivos d parada d mrgência dvm sr posicionados m locais d fácil acsso visualização plos opradors m sus postos d trabalho por outras pssoas, mantidos prmanntmnt dsobstruídos Os dispositivos d parada d mrgência dvm: a) sr slcionados, montados intrconctados d forma a suportar as condiçõs d opração prvistas, bm como as influências do mio; b) sr usados como mdida auxiliar, não podndo sr altrnativa a mdidas adquadas d protção ou a sistmas automáticos d sgurança; c) possuir acionadors projtados para fácil atuação do oprador ou outros qu possam ncssitar da sua utilização; d) prvalcr sobr todos os outros comandos; ) provocar a parada da opração ou procsso prigoso m príodo d tmpo tão rduzido quanto tcnicamnt possívl, sm provocar riscos suplmntars; f) sr mantidos sob monitoramnto por mio d sistmas d sgurança;

3 g) sr mantidos m prfito stado d funcionamnto A função parada d mrgência não dv: a) prjudicar a ficiência d sistmas d sgurança ou dispositivos com funçõs rlacionadas com a sgurança; b) prjudicar qualqur mio projtado para rsgatar pssoas acidntadas; c) grar risco adicional O acionamnto do dispositivo d parada d mrgência dv também rsultar na rtnção do acionador, d tal forma qu quando a ação no acionador for dscontinuada, st s mantnha rtido até qu sja dsacionado O dsacionamnto dv sr possívl apnas como rsultado d uma ação manual intncionada sobr o acionador, por mio d manobra apropriada; Quando usados acionadors do tipo cabo, dv-s: a) utilizar chavs d parada d mrgência qu trabalhm tracionadas, d modo a cssarm automaticamnt as funçõs prigosas da máquina m caso d ruptura ou afrouxamnto dos cabos; b) considrar o dslocamnto a força aplicada nos acionadors, ncssários para a atuação das chavs d parada d mrgência; c) obdcr à distância máxima ntr as chavs d parada d mrgência rcomndada plo fabricant As chavs d parada d mrgência dvm sr localizadas d tal forma qu todo o cabo d acionamnto sja visívl a partir da posição d dsacionamnto da parada d mrgência S não for possívl o cumprimnto da xigência do itm 12.62, dv-s garantir qu, após a atuação ants do dsacionamnto, a máquina ou quipamnto sja inspcionado m toda a xtnsão do cabo A parada d mrgência dv xigir rarm, ou rst manual, a sr ralizado somnt após a corrção do vnto qu motivou o acionamnto da parada d mrgência A localização dos acionadors d rarm dv prmitir uma visualização complta da ára protgida plo cabo. Mios d acsso prmannts As máquinas quipamntos dvm possuir acssos prmanntmnt fixados sguros a todos os sus pontos d opração, abastcimnto, insrção d matérias-primas rtirada d produtos trabalhados, prparação, manutnção intrvnção constant Considram-s mios d acsso lvadors, rampas, passarlas, plataformas ou scadas d dgraus Na impossibilidad técnica d adoção dos mios prvistos no subitm , podrá sr utilizada scada fixa tipo marinhiro Nas máquinas quipamntos, os mios d acsso prmannts dvm sr localizados instalados d modo a prvnir riscos d acidnt facilitar o su acsso utilização plos trabalhadors O mprgo dos mios d acsso dv considrar o ângulo d lanc conform Figura 1 do Anxo III Os locais ou postos d trabalho acima do nívl do solo m qu haja acsso d trabalhadors, para comando ou quaisqur outras intrvnçõs habituais nas máquinas quipamntos, como opração, abastcimnto, manutnção, prparação inspção, dvm possuir plataformas d trabalho stávis sguras Na impossibilidad técnica d aplicação do prvisto no itm 12.66, podrá sr adotado o uso d plataformas móvis ou lvatórias As plataformas móvis dvm sr stávis, d modo a não prmitir sua movimntação ou tombamnto durant a ralização do trabalho As passarlas, plataformas, rampas scadas d dgraus dvm propiciar condiçõs sguras d trabalho, circulação, movimntação manusio d matriais : a) sr dimnsionadas, construídas fixadas d modo sguro rsistnt, d forma a suportar os sforços solicitants movimntação sgura do trabalhador; b) tr pisos dgraus constituídos d matriais ou rvstimntos antidrrapants; c) sr mantidas dsobstruídas; d) sr localizadas instaladas d modo a prvnir riscos d quda, scorrgamnto, tropçamnto dispêndio xcssivo d sforços físicos plos trabalhadors ao utilizá-las As rampas com inclinação ntr 10º (dz) 20º (vint) graus m rlação ao plano horizontal dvm possuir pças transvrsais horizontais fixadas d modo sguro, para impdir scorrgamnto, distanciadas ntr si 0,40 m (quarnta cntímtros) m toda sua xtnsão quando o piso não for antidrrapant É proibida a construção d rampas com inclinação suprior a 20º (vint) graus m rlação ao piso Os mios d acsso, xcto scada fixa do tipo marinhiro lvador, dvm possuir sistma d protção contra qudas com as sguints caractrísticas: a) sr dimnsionados, construídos fixados d modo sguro rsistnt, d forma a suportar os sforços solicitants; b) sr constituídos d matrial rsistnt a intmpéris corrosão; c) possuir travssão suprior d 1,10 m (um mtro dz cntímtros) a 1,20 m (um mtro vint cntímtros) d altura m rlação ao piso ao longo d toda a xtnsão, m ambos os lados; d) o travssão suprior não dv possuir suprfíci plana, a fim d vitar a colocação d objtos; ) possuir rodapé d, no mínimo, 0,20 m (vint cntímtros) d altura travssão intrmdiário a 0,70 m (stnta cntímtros) d altura m rlação ao piso, localizado ntr o rodapé o travssão s u p r i o r Havndo risco d quda d objtos matriais, o vão ntr o rodapé o travssão suprior do guarda corpo dv rcbr protção fixa, intgral rsistnt A protção mncionada no itm pod sr constituída d tla rsistnt, dsd qu sua malha não prmita a passagm d qualqur objto ou matrial qu possa causar lsõs aos trabalhadors Para o sistma d protção contra qudas m plataformas utilizadas m opraçõs d abastcimnto ou qu acumulam sujidads, é prmitida a adoção das dimnsõs da Figura 5 do Anxo III As passarlas, plataformas rampas dvm tr as sguints caractrísticas: a) largura útil mínima d 0,60 m (sssnta cntímtros); b) mios d drnagm, s ncssário; c) não possuir rodapé no vão d acsso As scadas d dgraus sm splho dvm tr: a) largura d 0,60 m (sssnta cntímtros) a 0,80 m (oitnta cntímtros); b) dgraus com profundidad mínima d 0,15 m (quinz cntímtros); c) dgraus lancs uniforms, nivlados sm saliências; d) altura máxima ntr os dgraus d 0,25 m (vint cinco cntímtros); ) plataforma d dscanso com 0,60m (sssnta cntímtros) a 0,80 m (oitnta cntímtros) d largura comprimnto a intrvalos d, no máximo, 3,00 m (três mtros) d altura; f) projção mínima d 0,01 m (dz milímtros) d um dgrau sobr o outro; g) dgraus com profundidad qu atndam à fórmula: 600 g +2h 660 (dimnsõs m milímtros), conform Figura 2 do Anxo III As scadas d dgraus com splho dvm tr: a) largura d 0,60 m (sssnta cntímtros) a 0,80 m (oitnta cntímtros); b) dgraus com profundidad mínima d 0,20 m (vint cntímtros); c) dgraus lancs uniforms, nivlados sm saliências; d) altura ntr os dgraus d 0,20 m (vint cntímtros) a 0,25 m (vint cinco cntímtros); ) plataforma d dscanso d 0,60m (sssnta cntímtros) a 0,80m (oitnta cntímtros) d largura comprimnto a intrvalos d, no máximo, 3,00 m (três mtros) d altura As scadas fixas do tipo marinhiro dvm tr: a) dimnsão, construção fixação sguras rsistnts, d forma a suportar os sforços solicitants; b) constituição d matriais ou rvstimntos rsistnts a intmpéris corrosão, caso stjam xpostas m ambint xtrno ou corrosivo; c) gaiolas d protção, caso possuam altura suprior a 3,50 m (três mtros mio), instaladas a partir d 2,0 m (dois mtros) do piso, ultrapassando a plataforma d dscanso ou o piso suprior m plo mnos d 1,10 m (um mtro dz cntímtros) a 1,20 m (um mtro vint cntímtros); d) corrimão ou continuação dos montants da scada ultrapassando a plataforma d dscanso ou o piso suprior d 1,10 m (um mtro dz cntímtros) a 1,20 m (um mtro vint cntímtros); ) largura d 0,40 m (quarnta cntímtros) a 0,60 m (sssnta cntímtros), conform Figura 3 do Anxo III; f) altura total máxima d 10,00 m (dz mtros), s for d um único lanc; g) altura máxima d 6,00 m (sis mtros) ntr duas plataformas d dscanso, s for d múltiplos lancs, construídas m lancs conscutivos com ixos parallos, distanciados no mínimo m 0,70 m (stnta cntímtros), conform Figura 3 do Anxo III; h) spaçamnto ntr barras d 0,25 m (vint cinco cntímtros) a 0,30 m (trinta cntímtros), conform Figura 3 do Anxo III; i) spaçamnto ntr o piso da máquina ou da dificação a primira barra não suprior a 0,55 m (cinqünta cinco cntímtros), conform Figura 3 do Anxo III; j) distância m rlação à strutura m qu é fixada d, no mínimo, 0,15 m (quinz cntímtros), conform Figura 4 do Anxo III; k) barras d 0,025m (vint cinco milímtros) a 0,038 m (trinta oito milímtros) d diâmtro ou spssura; l) barras com suprfícis, formas ou ranhuras a fim d prvnir dslizamntos As gaiolas d protção dvm possuir: a) diâmtro d 0,65m (sssnta cinco cntímtros) a 0,80 m (oitnta cntímtros), conform Figura 4 do Anxo III; b) vãos ntr grads prottoras d, no máximo, 0,30 m (trinta cntímtros), conform Figura 3 do Anxo III. Componnts prssurizados Dvm sr adotadas mdidas adicionais d protção das manguiras, tubulaçõs dmais componnts prssurizados sujitos a vntuais impactos mcânicos outros agnts agrssivos, quando houvr risco As manguiras, tubulaçõs dmais componnts prssurizados dvm sr localizados ou protgidos d tal forma qu uma situação d ruptura dsts componnts vazamntos d fluidos, não possa ocasionar acidnts d trabalho As manguiras utilizadas nos sistmas prssurizados dvm possuir indicação da prssão máxima d trabalho admissívl spcificada plo fabricant Os sistmas prssurizados das máquinas dvm possuir mios ou dispositivos dstinados a garantir qu: a) a prssão máxima d trabalho admissívl nos circuitos não possa sr xcdida; b) qudas d prssão progrssivas ou bruscas prdas d vácuo não possam grar prigo Quando as fonts d nrgia da máquina form isoladas, a prssão rsidual dos rsrvatórios d dpósitos similars, como os acumuladors hidropnumáticos, não pod grar risco d acidnts Os rcipints contndo gass comprimidos utilizados m máquinas quipamntos dvm prmancr m prfito stado d consrvação funcionamnto sr armaznados m dpósitos bm vntilados, protgidos contra qudas, calor impactos acidntais Nas atividads d montagm dsmontagm d pnumáticos das rodas das máquinas quipamntos não stacionários, qu ofrçam riscos d acidnts, dvm sr obsrvadas as sguints condiçõs: a) os pnumáticos dvm sr compltamnt dsprssurizados, rmovndo o núclo da válvula d calibragm ants da dsmontagm d qualqur intrvnção qu possa acarrtar acidnts; b) o nchimnto d pnumáticos só podrá sr xcutado dntro d dispositivo d clausura ou gaiola adquadamnt dimnsionada, até qu sja alcançada uma prssão suficint para forçar o talão sobr o aro criar uma vdação pnumática Em sistmas pnumáticos hidráulicos qu utilizam dois ou mais stágios com difrnts prssõs como mdida d protção, a força xrcida no prcurso ou circuito d sgurança - aproximação - não pod sr suficint para provocar danos à intgridad física dos trabalhadors Para o atndimnto ao disposto no itm 12.84, a força xrcida no prcurso ou circuito d sgurança dv star limitada a 150 N (cnto cinqunta Nwtons) a prssão d contato limitada a 50 N/cm2 (cinqunta Nwtons por cntímtro quadrado), xcto nos casos m qu haja prvisão d outros valors m normas técnicas oficiais vignts spcificas. Transportadors d matriais Os movimntos prigosos dos transportadors contínuos d matriais dvm sr protgidos, spcialmnt nos pontos d smagamnto, agarramnto aprisionamnto formados plas stiras, corrias, rolts, acoplamntos, frios, roldanas, amostradors, volants, tambors, ngrnagns, crmalhiras, corrnts, guias, alinhadors, rgião do sticamnto contrapso outras parts móvis acssívis durant a opração normal Os transportadors contínuos d corria cuja altura da borda da corria qu transporta a carga stja suprior a 2,70 m (dois mtros stnta cntímtros) do piso stão dispnsados da obsrvância do itm 12.85, dsd qu não haja circulação nm prmanência d pssoas nas zonas d prigo Os transportadors contínuos d corria m qu haja protção fixa distant, associada a protção móvl intrtravada qu rstrinja o acsso a pssoal spcializado para a ralização d inspçõs, manutnçõs outras intrvnçõs ncssárias, stão dispnsados da obsrvância do itm 12.85, dsd qu atndido o disposto no itm Os transportadors contínuos d corria, cuja altura da borda da corria qu transporta a carga stja suprior a 2,70 m (dois mtros stnta cntímtros) do piso, dvm possuir, m toda a sua xtnsão, passarlas m ambos os lados, atndidos os rquisitos do itm Os transportadors cuja corria tnha largura d até 762 mm (stcntos sssnta dois milímtros ou 30 (trinta) polgadas podm possuir passarla m apnas um dos lados, dvndo-s adotar o uso d plataformas móvis ou lvatórias para quaisqur intrvnçõs inspçõs Os transportadors móvis articulados m qu haja possibilidad d ralização d quaisqur intrvnçõs inspçõs a partir do solo ficam dispnsados da xigência do itm Os transportadors d matriais somnt dvm sr utilizados para o tipo capacidad d carga para os quais foram projtados Os cabos d aço, corrnts, slingas, ganchos outros lmntos d suspnsão ou tração suas conxõs dvm sr adquados ao tipo d matrial dimnsionados para suportar os sforços solicitants Nos transportadors contínuos d matriais qu ncssitm d parada durant o procsso é proibida a rvrsão d movimnto para sta finalidad É proibida a prmanência a circulação d pssoas sobr parts m movimnto, ou qu possam ficar m movimnto, dos transportadors d matriais, quando não projtadas para ssas finalidads Nas situaçõs m qu haja inviabilidad técnica do cumprimnto do disposto no itm dvm sr adotadas mdidas qu garantam a paralisação o bloquio dos movimntos d risco, conform o disposto no itm subitm A prmanência a circulação d pssoas sobr os transportadors contínuos dvm sr ralizadas por mio d passarlas com sistma d protção contra qudas, conform itm É prmitida a prmanência a circulação d pssoas sob os transportadors contínuos somnt m locais protgidos qu ofrçam rsistência dimnsõs adquadas contra qudas d matriais.

4 Os transportadors contínuos acssívis aos trabalhadors dvm dispor, ao longo d sua xtnsão, d dispositivos d parada d mrgência, d modo qu possam sr acionados m todas as posiçõs d trabalho Os transportadors contínuos acssívis aos trabalhadors ficam dispnsados do cumprimnto da xigência do itm s a anális d risco assim indicar Os transportadors contínuos d corria dvm possuir dispositivos qu garantam a sgurança m caso d falha durant sua opração normal intrrompam su funcionamnto quando form atingidos os limits d sgurança, conform spcificado m projto, dvm contmplar, no mínimo, as sguints condiçõs: a) dsalinhamnto anormal da corria; b) sobrcarga d matriais Durant o transport d matriais suspnsos dvm sr adotadas mdidas d sgurança visando a garantir qu não haja pssoas sob a carga As mdidas d sgurança prvistas no itm dvm priorizar a xistência d áras xclusivas para a circulação d cargas suspnsas dvidamnt dlimitadas sinalizadas. Aspctos rgonômicos As máquinas quipamntos dvm sr projtados, construídos mantidos com obsrvância aos os sguints aspctos: a) atndimnto da variabilidad das caractrísticas antropométricas dos opradors; b) rspito às xigências posturais, cognitivas, movimntos sforços físicos dmandados plos opradors; c) os componnts como monitors d vído, sinais comandos, dvm possibilitar a intração clara prcisa com o oprador d forma a rduzir possibilidads d rros d intrprtação ou rtorno d informação; d) os comandos indicadors dvm rprsntar, smpr qu possívl, a dirção do movimnto dmais fitos corrspondnts; ) os sistmas intrativos, como ícons, símbolos instruçõs dvm sr cornts m sua aparência função; f) favorcimnto do dsmpnho a confiabilidad das opraçõs, com rdução da probabilidad d falhas na opração; g) rdução da xigência d força, prssão, prnsão, flxão, xtnsão ou torção dos sgmntos corporais; h) a iluminação dv sr adquada ficar disponívl m situaçõs d mrgência, quando xigido o ingrsso m su intrior Os comandos das máquinas quipamntos dvm sr projtados, construídos mantidos com obsrvância aos sguints aspctos: a) localização distância d forma a prmitir manjo fácil sguro; b) instalação dos comandos mais utilizados m posiçõs mais acssívis ao oprador; c) visibilidad, idntificação sinalização qu prmita srm distinguívis ntr si; d) instalação dos lmntos d acionamnto manual ou a pdal d forma a facilitar a xcução da manobra lvando m considração as caractrísticas biomcânicas antropométricas dos opradors; ) garantia d manobras sguras rápidas protção d forma a vitar movimntos involuntários As Máquinas quipamntos dvm sr projtados, construídos oprados lvando m considração a ncssidad d adaptação das condiçõs d trabalho às caractrísticas psicofisiológicas dos trabalhadors à naturza dos trabalhos a xcutar, ofrcndo condiçõs d conforto sgurança no trabalho, obsrvado o disposto na NR Os assntos utilizados na opração d máquinas dvm possuir stofamnto sr ajustávis à naturza do trabalho xcutado, além do prvisto no subitm da NR Os postos d trabalho dvm sr projtados para prmitir a altrnância d postura a movimntação adquada dos sgmntos corporais, garantindo spaço suficint para opração dos controls nl instalados As suprfícis dos postos d trabalho não dvm possuir cantos vivos, suprfícis áspras, cortants quinas m ângulos agudos ou rbarbas nos pontos d contato com sgmntos do corpo do oprador, os lmntos d fixação, como prgos, rbits parafusos, dvm sr mantidos d forma a não acrscntar riscos à opração Os postos d trabalho das máquinas quipamntos dvm prmitir o apoio intgral das plantas dos pés no piso Dv sr forncido apoio para os pés quando os pés do oprador não alcançarm o piso, msmo após a rgulagm do assnto As dimnsõs dos postos d trabalho das máquinas quipamntos dvm: a) atndr às caractrísticas antropométricas biomcânicas do oprador, com rspito aos alcancs dos sgmntos corporais da visão; b) assgurar a postura adquada, d forma a garantir posiçõs confortávis dos sgmntos corporais na posição d trabalho; c) vitar a flxão a torção do tronco d forma a rspitar os ângulos trajtórias naturais dos movimntos corpóros, durant a xcução das tarfas Os locais dstinados ao manusio d matriais m procssos nas máquinas quipamntos dvm tr altura sr posicionados d forma a garantir boas condiçõs d postura, visualização, movimntação opração Os locais d trabalho das máquinas quipamntos dvm possuir sistma d iluminação prmannt qu possibilit boa visibilidad dos dtalhs do trabalho, para vitar zonas d sombra ou d pnumbra fito stroboscópico A iluminação das parts intrnas das máquinas quipamntos qu rquiram opraçõs d ajusts, inspção, manutnção ou outras intrvnçõs priódicas dv sr adquada star disponívl m situaçõs d mrgência, quando for xigido o ingrsso d pssoas, com obsrvância, ainda das xigências spcíficas para áras classificadas O ritmo d trabalho a vlocidad das máquinas quipamntos dvm sr compatívis com a capacidad física dos opradors, d modo a vitar agravos à saúd O bocal d abastcimnto do tanqu d combustívl d outros matriais dv sr localizado, no máximo, a 1,50 m (um mtro cinqunta cntímtros) acima do piso ou d uma plataforma d apoio para xcução da tarfa. Riscos adicionais Para fins d aplicação dsta Norma, dvm sr considrados os sguints riscos adicionais: a) substâncias prigosas quaisqur, sjam agnts biológicos ou agnts químicos m stado sólido, líquido ou gasoso, qu aprsntm riscos à saúd ou intgridad física dos trabalhadors por mio d inalação, ingstão ou contato com a pl, olhos ou mucosas; b) radiaçõs ionizants gradas plas máquinas quipamntos ou provnints d substâncias radiativas por ls utilizadas, procssadas ou produzidas; c) radiaçõs não ionizants com potncial d causar danos à saúd ou intgridad física dos trabalhadors; d) vibraçõs; ) ruído; f) calor; g) combustívis, inflamávis, xplosivos substâncias qu ragm prigosamnt; h) suprfícis aqucidas acssívis qu aprsntm risco d quimaduras causadas plo contato com a pl Dvm sr adotadas mdidas d control dos riscos adicionais provnints da missão ou libração d agnts químicos, físicos biológicos plas máquinas quipamntos, com prioridad à sua liminação, rdução d sua missão ou libração rdução da xposição dos trabalhadors, nssa ordm As máquinas quipamntos qu utilizm, procssm ou produzam combustívis, inflamávis, xplosivos ou substâncias qu ragm prigosamnt dvm ofrcr mdidas d protção contra sua missão, libração, combustão, xplosão ração acidntais, bm como a ocorrência d incêndio Dvm sr adotadas mdidas d protção contra quimaduras causadas plo contato da pl com suprfícis aqucidas d máquinas quipamntos, tais como a rdução da tmpratura suprficial, isolação com matriais apropriados barriras, smpr qu a tmpratura da suprfíci for maior do qu o limiar d quimaduras do matrial do qual é constituída, para um dtrminado príodo d contato Dvm sr laborados aplicados procdimntos d sgurança prmissão d trabalho para garantir a utilização sgura d máquinas quipamntos m trabalhos m spaços confinados. Manutnção, inspção, prparação, ajusts rparos As máquinas quipamntos dvm sr submtidos à manutnção prvntiva corrtiva, na forma priodicidad dtrminada plo fabricant, conform as normas técnicas oficiais nacionais vignts, na falta dstas, as normas técnicas intrnacionais As manutnçõs prvntivas com potncial d causar acidnts do trabalho dvm sr objto d planjamnto grnciamnto ftuado por profissional lgalmnt habilitado As manutnçõs prvntivas corrtivas dvm sr rgistradas m livro próprio, ficha ou sistma informatizado, com os sguints dados: a) cronograma d manutnção; b) intrvnçõs ralizadas; c) data da ralização d cada intrvnção; d) srviço ralizado; ) pças rparadas ou substituídas; f) condiçõs d sgurança do quipamnto; g) indicação conclusiva quanto às condiçõs d sgurança da máquina; h) nom do rsponsávl pla xcução das intrvnçõs O rgistro das manutnçõs dv ficar disponívl aos trabalhadors nvolvidos na opração, manutnção rparos, bm como à Comissão Intrna d Prvnção d Acidnts - CIPA, ao Srviço d Sgurança Mdicina do Trabalho - SESMT à fiscalização do Ministério do Trabalho Emprgo A manutnção, inspção, rparos, limpza, ajust outras intrvnçõs qu s fizrm ncssárias dvm sr xcutadas por profissionais capacitados, qualificados ou lgalmnt habilitados, formalmnt autorizados plo mprgador, com as máquinas quipamntos parados adoção dos sguints procdimntos: a) isolamnto dscarga d todas as fonts d nrgia das máquinas quipamntos, d modo visívl ou facilmnt idntificávl por mio dos dispositivos d comando; b) bloquio mcânico létrico na posição "dsligado" ou "fchado" d todos os dispositivos d cort d fonts d nrgia, a fim d impdir a rnrgização, sinalização com cartão ou tiquta d bloquio contndo o horário a data do bloquio, o motivo da manutnção o nom do rsponsávl; c) mdidas qu garantam qu à jusant dos pontos d cort d nrgia não xista possibilidad d grar risco d acidnts; d) mdidas adicionais d sgurança, quando for ralizada manutnção, inspção rparos d quipamntos ou máquinas sustntados somnt por sistmas hidráulicos pnumáticos; ) sistmas d rtnção com trava mcânica, para vitar o movimnto d rtorno acidntal d parts basculadas ou articuladas abrtas das máquinas quipamntos Para situaçõs spciais d rgulagm, ajust, limpza, psquisa d dfitos inconformidads, m qu não sja possívl o cumprimnto das condiçõs stablcidas no itm , m outras situaçõs qu impliqum a rdução do nívl d sgurança das máquinas quipamntos houvr ncssidad d acsso às zonas d prigo, dv sr possívl slcionar um modo d opração qu: a) torn inoprant o modo d comando automático; b) prmita a ralização dos srviços com o uso d dispositivo d acionamnto d ação continuada associado à rdução da vlocidad, ou dispositivos d comando por movimnto limitado; c) impça a mudança por trabalhadors não autorizados; d) a slção corrsponda a um único modo d comando ou d funcionamnto; ) quando slcionado, tnha prioridad sobr todos os outros sistmas d comando, com xcção da parada d mrgência; f) torn a slção visívl, clara facilmnt idntificávl A manutnção d máquinas quipamntos contmplará, dntr outros itns, a ralização d nsaios não dstrutivos - END, nas struturas componnts submtidos a solicitaçõs d força cuja ruptura ou dsgast possa ocasionar acidnts Os nsaios não dstrutivos - END, quando ralizados, dvm atndr às normas técnicas oficiais nacionais vignts, na falta dstas, normas técnicas intrnacionais Nas manutnçõs das máquinas quipamntos, smpr qu dtctado qualqur dfito m pça ou componnt qu compromta a sgurança, dv sr providnciada sua rparação ou substituição imdiata por outra pça ou componnt original ou quivalnt, d modo a garantir as msmas caractrísticas condiçõs sguras d uso. Sinalização As máquinas quipamntos, bm como as instalaçõs m qu s ncontram, dvm possuir sinalização d sgurança para advrtir os trabalhadors trciros sobr os riscos a qu stão xpostos, as instruçõs d opração manutnção outras informaçõs ncssárias para garantir a intgridad física a saúd dos trabalhadors A sinalização d sgurança comprnd a utilização d cors, símbolos, inscriçõs, sinais luminosos ou sonoros, ntr outras formas d comunicação d msma ficácia A sinalização, inclusiv cors, das máquinas quipamntos utilizadas nos stors alimntício, médico farmacêutico dv rspitar a lgislação sanitária vignt, sm prjuízo da sgurança saúd dos trabalhadors ou trciros A sinalização d sgurança dv sr adotada m todas as fass d utilização vida útil das máquinas quipamntos A sinalização d sgurança dv: a) ficar dstacada na máquina ou quipamnto; b) ficar m localização claramnt visívl; c) sr d fácil comprnsão Os símbolos, inscriçõs sinais luminosos sonoros dvm sguir os padrõs stablcidos plas normas técnicas nacionais vignts, na falta dssas, plas normas técnicas intrnacionais As inscriçõs das máquinas quipamntos dvm: a) sr scritas na língua portugusa - Brasil; b) sr lgívis As inscriçõs dvm indicar claramnt o risco a part da máquina ou quipamnto a qu s rfrm, não dv sr utilizada somnt a inscrição d "prigo" As inscriçõs símbolos dvm sr utilizados nas máquinas quipamntos para indicar as suas spcificaçõs limitaçõs técnicas Dvm sr adotados, smpr qu ncssário, sinais ativos d aviso ou d alrta, tais como sinais luminosos sonoros intrmitnts, qu indiqum a iminência d um acontcimnto prigoso, como a partida ou a vlocidad xcssiva d uma máquina, d modo qu: a) sjam mitidos ants qu ocorra o acontcimnto prigoso; b) não sjam ambíguos; c) sjam claramnt comprndidos distintos d todos os outros sinais utilizados; d) possam sr inquivocamnt rconhcidos plos trabalhadors Excto quando houvr prvisão m outras Normas Rgulamntadoras, dvm sr adotadas as sguints cors para a sinalização d sgurança das máquinas quipamntos:

5 a) amarlo: 1. protçõs fixas móvis - xcto quando os movimntos prigosos stivrm nclausurados na própria carnagm ou strutura da máquina ou quipamnto, ou quando tcnicamnt inviávl; 2. componnts mcânicos d rtnção, dispositivos outras parts dstinadas à sgurança; 3. gaiolas das scadas, corrimãos sistmas d guarda-corpo rodapé. b) azul: comunicação d paralisação bloquio d sgurança para manutnção As máquinas quipamntos fabricados a partir da vigência dsta Norma dvm possuir m local visívl as informaçõs indlévis, contndo no mínimo: a) razão social, CNPJ ndrço do fabricant ou importador; b) informação sobr tipo, modlo capacidad; c) númro d séri ou idntificação, ano d fabricação; d) númro d rgistro do fabricant ou importador no CREA; ) pso da máquina ou quipamnto Para advrtir os trabalhadors sobr os possívis prigos, dvm sr instalados, s ncssários, dispositivos indicadors d litura qualitativa ou quantitativa ou d control d sgurança Os indicadors dvm sr d fácil litura distinguívis uns dos outros. Manuais As máquinas quipamntos dvm possuir manual d instruçõs forncido plo fabricant ou importador, com informaçõs rlativas à sgurança m todas as fass d utilização Quando inxistnt ou xtraviado, o manual d máquinas ou quipamntos qu aprsntm riscos dv sr rconstituído plo mprgador, sob a rsponsabilidad d profissional lgalmnt habilitado Os manuais dvm: a) sr scritos na língua portugusa - Brasil, com caractrs d tipo tamanho qu possibilitm a mlhor lgibilidad possívl, acompanhado das ilustraçõs xplicativas; b) sr objtivos, claros, sm ambiguidads m linguagm d fácil comprnsão; c) tr sinais ou avisos rfrnts à sgurança ralçados; d) prmancr disponívis a todos os usuários nos locais d trabalho Os manuais das máquinas quipamntos fabricados ou importados a partir da vigência dsta Norma dvm contr, no mínimo, as sguints informaçõs: a) razão social, CNPJ ndrço do fabricant ou importador; b) tipo, modlo capacidad; c) númro d séri ou númro d idntificação ano d fabricação; d) normas obsrvadas para o projto construção da máquina ou quipamnto; ) dscrição dtalhada da máquina ou quipamnto sus acssórios; f) diagramas, inclusiv circuitos létricos, m spcial a rprsntação squmática das funçõs d sgurança; g) dfinição da utilização prvista para a máquina ou quipamnto; h) riscos a qu stão xpostos os usuários, com as rspctivas avaliaçõs quantitativas d missõs gradas pla máquina ou quipamnto m sua capacidad máxima d utilização; i) dfinição das mdidas d sgurança xistnts daqulas a srm adotadas plos usuários; j) spcificaçõs limitaçõs técnicas para a sua utilização com sgurança; k) riscos qu podm rsultar d adultração ou suprssão d protçõs dispositivos d sgurança; l) riscos qu podm rsultar d utilizaçõs difrnts daqulas prvistas no projto; m) procdimntos para utilização da máquina ou quipamnto com sgurança; n) procdimntos priodicidad para inspçõs manutnção; o) procdimntos a srm adotados m situaçõs d mrgência; p) indicação da vida útil da máquina ou quipamnto dos componnts rlacionados com a sgurança No caso d máquinas quipamntos fabricados ou importados ants da vigência dsta Norma, os manuais dvm contr, no mínimo, as informaçõs prvistas nas alínas "b", "", "f", "g", "i", "j", "k", "l", "m", "n" "o" do itm Procdimntos d trabalho sgurança Dvm sr laborados procdimntos d trabalho sgurança spcíficos, padronizados, com dscrição dtalhada d cada tarfa, passo a passo, a partir da anális d risco Os procdimntos d trabalho sgurança não podm sr as únicas mdidas d protção adotadas para s prvnir acidnts, sndo considrados complmntos não substitutos das mdidas d protção coltivas ncssárias para a garantia da sgurança saúd dos trabalhadors Ao inicio d cada turno d trabalho ou após nova prparação da máquina ou quipamnto, o oprador dv ftuar inspção rotinira das condiçõs d opracionalidad sgurança, s constatadas anormalidads qu aftm a sgurança, as atividads dvm sr intrrompidas, com a comunicação ao suprior hirárquico Os srviços m máquinas quipamntos qu nvolvam risco d acidnts d trabalho dvm sr planjados ralizados m conformidad com os procdimntos d trabalho sgurança, sob suprvisão anuência xprssa d profissional habilitado ou qualificado, dsd qu autorizados Os srviços m máquinas quipamntos qu nvolvam risco d acidnts d trabalho dvm sr prcdidos d ordns d srviço - OS - spcíficas, contndo, no mínimo: a) a dscrição do srviço; b) a data o local d ralização; c) o nom a função dos trabalhadors; d) os rsponsávis plo srviço pla missão da OS, d acordo com os procdimntos d trabalho sgurança. Projto, fabricação, importação, vnda, locação, lilão, cssão a qualqur título, xposição utilização O projto dv lvar m conta a sgurança intrínsca da máquina ou quipamnto durant as fass d construção, transport, montagm, instalação, ajust, opração, limpza, manutnção, inspção, dsativação, dsmont sucatamnto por mio das rfrências técnicas indicadas nsta Norma, a srm obsrvadas para garantir a saúd a intgridad física dos trabalhadors O projto da máquina ou quipamnto não dv prmitir rros na montagm ou rmontagm d dtrminadas pças ou lmntos qu possam grar riscos durant su funcionamnto, spcialmnt quanto ao sntido d rotação ou dslocamnto O projto das máquinas ou quipamntos fabricados ou importados após a vigência dsta Norma dv prvr mios adquados para o su lvantamnto, carrgamnto, instalação, rmoção transport Dvm sr prvistos mios sguros para as atividads d instalação, rmoção, dsmont ou transport, msmo qu m parts, d máquinas quipamntos fabricados ou importados ants da vigência dsta Norma É proibida a fabricação, importação, comrcialização, lilão, locação, cssão a qualqur título, xposição utilização d máquinas quipamntos qu não atndam ao disposto nsta Norma Capacitação A opração, manutnção, inspção dmais intrvnçõs m máquinas quipamntos dvm sr ralizadas por trabalhadors habilitados, qualificados, capacitados ou autorizados para st fim Os trabalhadors nvolvidos na opração, manutnção, inspção dmais intrvnçõs m máquinas quipamntos dvm rcbr capacitação providnciada plo mprgador compatívl com suas funçõs, qu abord os riscos a qu stão xpostos as mdidas d protção xistnts ncssárias, nos trmos dsta Norma, para a prvnção d acidnts donças Os opradors d máquinas quipamntos dvm sr maiors d dzoito anos, salvo na condição d aprndiz, nos trmos da lgislação vignt A capacitação dv: a) ocorrr ants qu o trabalhador assuma a sua função; b) sr ralizada plo mprgador, sm ônus para o trabalhador; c) tr carga horária mínima qu garanta aos trabalhadors xcutarm suas atividads com sgurança, sndo distribuída m no máximo oito horas diárias ralizada durant o horário normal d trabalho; d) tr contúdo programático conform o stablcido no Anxo II dsta Norma; ) sr ministrada por trabalhadors ou profissionais qualificados para st fim, com suprvisão d profissional lgalmnt habilitado qu s rsponsabilizará pla adquação do contúdo, forma, carga horária, qualificação dos instrutors avaliação dos capacitados O matrial didático scrito ou audiovisual utilizado no trinamnto o forncido aos participants, dvm sr produzidos m linguagm adquada aos trabalhadors, sr mantidos à disposição da fiscalização, assim como a lista d prsnça dos participants ou crtificado, currículo dos ministrants avaliação dos capacitados Considra-s trabalhador ou profissional qualificado aqul qu comprovar conclusão d curso spcífico na ára d atuação, rconhcido plo sistma oficial d nsino, compatívl com o curso a sr ministrado Considra-s profissional lgalmnt habilitado para a suprvisão da capacitação aqul qu comprovar conclusão d curso spcífico na ára d atuação, compatívl com o curso a sr ministrado, com rgistro no comptnt conslho d class A capacitação só trá validad para o mprgador qu a ralizou nas condiçõs stablcidas plo profissional lgalmnt habilitado rsponsávl pla suprvisão da capacitação Fica dispnsada a xigência do itm para os opradors d injtoras com curso d capacitação conform o prvisto no itm sus subitns São considrados autorizados os trabalhadors qualificados, capacitados ou profissionais lgalmnt habilitados, com autorização dada por mio d documnto formal do mprgador Até a data da vigência dsta Norma, srá considrado capacitado o trabalhador qu possuir comprovação por mio d rgistro na Cartira d Trabalho Prvidência Social - CTPS ou rgistro d mprgado d plo mnos dois anos d xpriência na atividad qu rcba rciclagm conform o prvisto no itm dsta Norma Dv sr ralizada capacitação para rciclagm do trabalhador smpr qu ocorrrm modificaçõs significativas nas instalaçõs na opração d máquinas ou troca d métodos, procssos organização do trabalho O contúdo programático da capacitação para rciclagm dv atndr às ncssidads da situação qu a motivou, com carga horária mínima qu garanta aos trabalhadors xcutarm suas atividads com sgurança, sndo distribuída m no máximo oito horas diárias ralizada durant o horário normal d trabalho A função do trabalhador qu opra raliza intrvnçõs m máquinas dv sr anotada no rgistro d mprgado, consignado m livro, ficha ou sistma ltrônico m sua Cartira d Trabalho Prvidência Social - CTPS Os opradors d máquinas autoproplidas dvm portar cartão d idntificação, com nom, função fotografia m local visívl, rnovado com priodicidad máxima d um ano mdiant xam médico, conform disposiçõs constants das NR-7 NR O curso d capacitação para opradors d máquinas injtoras dv possuir carga horária mínima d oito horas por tipo d máquina citada no Anxo IX dsta Norma O curso d capacitação dv sr spcífico para o tipo máquina m qu o oprador irá xrcr suas funçõs atndr ao sguint contúdo programático: a) histórico da rgulamntação d sgurança sobr a máquina spcificada; b) dscrição funcionamnto; c) riscos na opração; d) principais áras d prigo; ) mdidas dispositivos d sgurança para vitar acidnts; f) protçõs - portas, distâncias d sgurança; g) xigências mínimas d sgurança prvistas nsta Norma na NR 10; h) mdidas d sgurança para injtoras létricas hidráulicas d comando manual; i) dmonstração prática dos prigos dispositivos d sgurança O instrutor do curso d capacitação para opradors d injtora dv, no mínimo, possuir: a) formação técnica m nívl médio; b) conhcimnto técnico d máquinas utilizadas na transformação d matrial plástico; c) conhcimnto da normatização técnica d sgurança; d) capacitação spcífica d formação. Outros rquisitos spcíficos d sgurança As frramntas matriais utilizados nas intrvnçõs m máquinas quipamntos dvm sr adquados às opraçõs ralizadas Os acssórios frramntal utilizados plas máquinas quipamntos dvm sr adquados às opraçõs ralizadas É proibido o port d frramntas manuais m bolsos ou locais não apropriados a ssa finalidad As máquinas quipamntos tracionados dvm possuir sistmas d ngat padronizado para rboqu plo sistma d tração, d modo a assgurar o acoplamnto dsacoplamnto fácil sguro, bm como a impdir o dsacoplamnto acidntal durant a utilização A indicação d uso dos sistmas d ngat padronizado mncionados no itm dv ficar m local d fácil visualização afixada m local próximo da conxão Os quipamntos tracionados, caso o pso da barra do rboqu assim o xija, dvm possuir dispositivo d apoio qu possibilit a rdução do sforço a conxão sgura ao sistma d tração A opração d ngat dv sr fita m local apropriado com o quipamnto tracionado imobilizado d forma sgura com calço ou similar Para fins d aplicação dsta Norma os anxos são obrigaçõs complmntars, com disposiçõs spciais ou xcçõs a um tipo spcífico d máquina ou quipamnto, além das já stablcidas nsta Norma, sm prjuízo ao disposto m Norma Rgulamntadora spcífica. Disposiçõs finais O mprgador dv mantr invntário atualizado das máquinas quipamntos com idntificação por tipo, capacidad, sistmas d sgurança localização m planta baixa, laborado por profissional qualificado ou lgalmnt habilitado As informaçõs do invntário dvm subsidiar as açõs d gstão para aplicação dsta Norma Toda a documntação rfrida nsta norma, inclusiv o invntário prvisto no itm , dv ficar disponívl para o SESMT, CIPA ou Comissão Intrna d Prvnção d Acidnts na Minração -CIPAMIN, sindicatos rprsntants da catgoria profissional fiscalização do Ministério do Trabalho Emprgo As máquinas autoproplidas agrícolas, florstais d construção m aplicaçõs agroflorstais rspctivos implmntos dvm atndr ao disposto no Anxo XI dsta Norma As máquinas autoproplidas não contmpladas no itm dvm atndr ao disposto nos itns subitns 12.1, , 12.2, 12.3, 12.4, 12.5, 12.22, 12.23, 12.38, , 12.47, , 12.48, 12.49, 12.52, 12.53, 12.54, 12.64, , 12.66, 12.77, 12.78, 12.94, 12.95, 12.96, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , itns subitns 14, do Anxo XI dsta Norma.

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO)

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO) ABR 98 Tubos d politilno PE abp/e001 Espcificação Origm: ISO 4427/96 abp - associação brasilira d tubos poliolfínicos sistmas CTPE - Comissão Técnica d Politilno abp/e001 - Polythyln (PE) pips - Spcification

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

ISSN 1677-7042 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

ISSN 1677-7042 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Nº 91, sxta-fira, 14 d maio d 2010 1 199 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N o - 183, DE 11 DE MAIO DE 2010 Aprova o Anxo II (Plataformas Instalaçõs

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

SINAMICS/SIMOTICS. SINAMICS V90, SIMOTICS S-1FL6 Instruções de funcionamento compactas. Índice remissivo

SINAMICS/SIMOTICS. SINAMICS V90, SIMOTICS S-1FL6 Instruções de funcionamento compactas. Índice remissivo SINAMICS/SOTICS SINAMICS V9, SOTICS S-FL6 Instruçõs d funcionamnto compactas Índic rmissivo Instruçõs d sgurança... 3. Instruçõs d sgurança grais... 3.2 Instruçõs d sgurança para campos ltromagnéticos

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia d Configuração do Monitoramnto do srvidor Cisco UCS cisco_ucs séri 2.1 Avisos lgais Copyright 2013, CA. Todos os diritos rsrvados. Garantia O matrial contido nst documnto é

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES A GÁS Modelos: 600.200 / 432.200 / 420 TV / 205 CT / 205 ST / 226 TV / 226 CT

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES A GÁS Modelos: 600.200 / 432.200 / 420 TV / 205 CT / 205 ST / 226 TV / 226 CT Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Epositora d crvjas bbidas *

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. AQUECEDOR A GÁS Modelos: Scaldare

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. AQUECEDOR A GÁS Modelos: Scaldare Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE

POLÍTICA DA QUALIDADE TUBOS E CONEXÕES PD N BR 1 5561 POLI ERG POL GP10 0BK PEA IERG D NB PE 1 00 D R 15 PEA 561 D NB R 15 E 45 0 PN GP10 561 0BK GP1 10 Á GUA PE 1 00B 00 D K PE E 45 100 0 PN DE 4 10 E 50 P SGOT O N 10 ÁGU

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

SINAMICS/SIMOTICS. SINAMICS V90, SIMOTICS S-1FL6 Início. Índice remissivo

SINAMICS/SIMOTICS. SINAMICS V90, SIMOTICS S-1FL6 Início. Índice remissivo SINAMICS/SOTICS Início Índic rmissivo 1 Instruçõs d sgurança... 3 1.1 Indicaçõs básicas d sgurança... 3 1.1.1 Indicaçõs grais d sgurança... 3 1.1.2 Indicaçõs d sgurança sobr os campos lctromagnéticos (CEM)...

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0854 PT 01.07.2013 009.001 1 Est documnto constitui um instrumnto d documntação não vincula as instituiçõs B C2 REGULAMENTO (CE) N. o 854/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO d 29 d Abril d 2004

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE VENAX. Eletrodomésticos Ltda VV100 - VV300 - VV550 VENAX EXPOSITORA DE BEBIDAS. Eletrodomésticos Ltda

INSTRUÇÕES MANUAL DE VENAX. Eletrodomésticos Ltda VV100 - VV300 - VV550 VENAX EXPOSITORA DE BEBIDAS. Eletrodomésticos Ltda Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 06 ISSN 677-7042 Nº 22, quarta-fira, 3 d novmbro d 203 PORTARIA Nº 2.72, DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 Rdfin o rgulamnto técnico d procdimntos hmotrápicos. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO O Município d Duartina, Estado d São Paulo, no uso d suas atribuiçõs lgais, torna público o Edital d Prorrogação das Inscriçõs,

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. CONSERVADORA DE QUEIJOS Modelos: CQV100.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. CONSERVADORA DE QUEIJOS Modelos: CQV100. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

Informativo de Cursos 1º semestre de 2013

Informativo de Cursos 1º semestre de 2013 Informativo d s 1º smstr d 2013 Escolas SENAI - - Automação Automobilística Caldiraria Construção Civil Rstauração Dsnho Eltroltrônica Logística Manutnção Mcânica Mtalmcânica Mtalurgia Rfrigração Climatização

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

Manual do Usuário KP1510

Manual do Usuário KP1510 Manual do Usuário KP1510 Kypass Tcnologia Ltda. www.kypass.com.br 2 ÍNDICE 1. Primiros passos... 4 1.1 Considraçõs iniciais... 4 1.2 Espcificaçõs técnicas... 5 1.3 Utilização do snsor biométrico... 6 1.4

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS TÁLOGO TÉNIO E PROUTOS INFRESTRUTUR SNEMENTO ÁGU E ESGOTO TELEFONI GÁS 1 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2 Qum somos 3 Produtos Qualificados

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Protocolo n.º 11/001894

Protocolo n.º 11/001894 O SESI/PR Srviço Social da Indústria, adiant dsignado simplsmnt SESI/PR, com sd na Rua Cândido d Abru, nº. 200, nsta Capital, torna público o prsnt rgulamnto d crdnciamnto para laboração do documnto bas

Leia mais

Informativo de Cursos 2º semestre de 2012 Santos Cubatão Bertioga

Informativo de Cursos 2º semestre de 2012 Santos Cubatão Bertioga Informativo d s 2º smstr d 2012 Automação Automobilística Caldiraria Construção Civil Rstauração Dsnho Eltroltrônica Logística Manutnção Mcânica Mtalmcânica Mtalurgia Rfrigração Climatização Tcnologia

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS IT 002/01 SUMÁRIO 1. Objtivo... 2 2. Abrangência... 2 3. Documntos Complmntars... 2 4. Dfiniçõs/Siglas... 2 5. Dscrição dos Procdimntos... 2 6. Rgistros... 6 7. Histórico d Rvisõs... 7 8. Fluxograma...

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Projeto de Magnéticos

Projeto de Magnéticos rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos rojto d Magnéticos 1. ntrodução s caractrísticas idais d um componnt magnético são: rsistência nula, capacitância parasita nula, dnsidad d campo

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

Quadro 1 - Das Especificações dos Empregos Públicos, Especialidades e Outros Dados: ESCOLARIDADE/ REQUISITOS. - Ensino Fundamental*

Quadro 1 - Das Especificações dos Empregos Públicos, Especialidades e Outros Dados: ESCOLARIDADE/ REQUISITOS. - Ensino Fundamental* PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU 192 - CISTRI MACRORREGIÃO TRIÂNGULO DO NORTE - EDITAL Nº 001, DE 20/11/2015

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Edital n.º 1005

PROCESSO SELETIVO Edital n.º 1005 PROCESSO SELETIVO Edital n.º 1005 A ITAIPU Binacional, no uso d suas atribuiçõs lgais, mdiant as condiçõs stipuladas nst Edital m sus Anxos. Torna Público A abrtura d inscriçõs para a ralização do Procsso

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. EXPOSITORA DE BEBIDAS Modelos: VV100, VVCD100, VVCD200, VV300, VV330, VV550.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. EXPOSITORA DE BEBIDAS Modelos: VV100, VVCD100, VVCD200, VV300, VV330, VV550. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Epositora d crvjas bbidas *

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/

Uso Eficiente da Água no setor doméstico. Aproveitamento de águas pluviais e de águas cinzentas. http://www.all-aqua.pt/ 1/ Uso Eficint da Água no stor doméstico Aprovitamnto d águas pluviais 1/ Aprovitamnto d águas pluviais Águas cinzntas águas rsiduais domésticas não fcais. Ex: águas d banhiras, duchs, lavatórios. 2/ Aprovitamnto

Leia mais