1. Eletroeletrônica Introdução Fundamentos de Eletricidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Eletroeletrônica. 1.1. Introdução. 1.2. Fundamentos de Eletricidade"

Transcrição

1 1. Eletroeletrônica 1.1. Introdução Os computadores e seus periféricos, bem como todos os equipamentos de informática, são aparelhos eletrônicos. Podemos dizer, mais precisamente, que os computadores são aparelhos eletrônicos digitais. Vamos então, neste momento, entender alguns conceitos de eletroeletrônica, que nos serão muito importantes para o entendimento da arquitetura e dos componentes de um computador Fundamentos de Eletricidade Devemos lembrar que os fenômenos elétricos estão sempre ligados à movimentação de elétrons entre os átomos de um material. Os átomos, normalmente, são eletricamente neutros, ou seja, têm o mesmo número de partículas negativas (elétrons) e positivas (prótons). Porém, os elétrons ficam na parte mais externa do átomo, e podem saltar de um átomo para outro. Quando um átomo ganha ou perde elétrons, ele adquire carga positiva (quando perde elétrons) ou carga negativa (quando ganha elétrons). Elétrons Núcleo Prótons Figura 1. Átomo Analisando então o estado dos átomos que formam um corpo, podemos dizer que o corpo está eletricamente neutro, ou carregado negativamente, ou carregado positivamente. A intensidade com que um corpo está carregado é chamada de potencial elétrico do corpo. Quando temos uma diferença de potencial elétrico entre dois pontos, existe uma tendência natural de os elétrons moverem-se do ponto de potencial negativo (que tem mais elétrons) para o ponto de potencial positivo (que tem menos elétrons), até que os dois pontos fiquem com o mesmo potencial. Assim, quanto maior a diferença de potencial entre dois pontos, maior será a tendência dos elétrons movimentarem-se de um para o outro, buscando o equilíbrio. A diferença de potencial entre dois corpos é chamada de tensão elétrica. Porém, para os elétrons movimentarem-se entre os pontos, é preciso haver um caminho que os interligue. E esse caminho deve ser constituído de um material que permita a circulação dos elétrons. 1

2 Ou seja, o material entre esses pontos deve permitir a circulação de elétrons. Quanto maior a dificuldade enfrentada pelos elétrons para fluírem por um material, maior é a resistência elétrica do material. Podemos definir então materiais isolantes e condutores de eletricidade, ou seja, materiais que facilitam ou não facilitam o fluxo de elétrons. Materiais Isolantes: (resistência alta) Materiais Condutores: (resistência baixa) - Não facilitam o fluxo de elétrons. - Exemplos: plástico, madeira, vidro, papel, ar. - Facilitam o fluxo de elétrons. - Exemplos: cobre, ferro, prata, ouro. Existindo tensão elétrica entre dois pontos, e um caminho de baixa resistência unindo-os, haverá um fluxo de elétrons. A esse fluxo de elétrons dá-se o nome de corrente elétrica. Vimos, então, que os fenômenos elétricos podem ser descritos através de três grandezas fundamentais, que estão intimamente relacionadas. São elas: Tensão: é a medida da força que impulsiona os elétrons para que eles se movimentem. A tensão entre dois pontos é a diferença de potencial elétrico entre eles (ddp), que fará com que haja o fluxo dos elétrons (corrente). O símbolo da grandeza Tensão Elétrica é a letra U. A unidade de medida da tensão é o Volt [V]. Resistência: é a medida de quanto um material resiste ao fluxo de elétrons. Sendo assim, podemos dizer que: materiais condutores têm resistência baixa e materiais isolantes têm resistência alta. O símbolo da grandeza Resistência Elétrica é a letra R. A unidade de medida da resistência é o Ohm [ ]. Corrente: é a medida da intensidade do fluxo de elétrons. Podemos imaginar que a corrente elétrica é proporcional à quantidade de elétrons que passam por um determinado ponto, num determinado intervalo de tempo. O símbolo da grandeza Corrente Elétrica é a letra I. A unidade de medida da corrente é o Ampère [A]. Potência: é a medida de energia utilizada. Pode ser expressa de duas maneiras: como potência dissipada, ou como energia consumida. A potência dissipada refere-se à potência que determinado circuito elétrico irá dissipar, de acordo com o valor de corrente, tensão e resistência elétrica. Seu símbolo é P e a unidade de medida é o Watt [W]. A energia consumida leva em consideração a potência dissipada no decorrer do tempo. É geralmente medida em KWh (lê-se KiloWatts por Hora, que significa milhares de watts dissipados por hora). A relação entre todas essas grandezas pode ser dada pelas seguintes fórmulas, de acordo com as leis de Ohm: U = R x I P = U x I E = P x t Onde: U = tensão elétrica, em volts. R = resistência elétrica, em ohms. I = corrente elétrica, em ampère. P = potência dissipada, em watts. E = energia consumida, em J (joule) ou KWh. t = variação de tempo, em hora (ou segundos). 2

3 1.3. Circuitos Elétricos Os circuitos elétricos e eletrônicos são compostos por uma série de componentes que, graças à circulação de corrente através deles, podem ter diversos comportamentos, exercendo diversas funções. Um circuito elétrico, por definição, sempre terá três componentes básicos: Gerador (ou fonte) de Tensão: é o dispositivo que fornece a tensão que fará com que haja circulação de corrente. Ele sempre tem dois pólos (positivo e negativo). A tensão produzida por um gerador é a ddp entre seus pólos. Ele trabalha convertendo outras formas de energia em energia elétrica (ddp). Exemplos: pilhas e baterias (energia química); usinas hidrelétricas e alternador do carro (energia mecânica); fotocélulas de calculadora à luz solar (energia luminosa). Conexões: é o caminho que deve haver para que os elétrons saiam de um pólo do gerador de tensão, fluam pelos componentes do circuito e cheguem ao outro pólo. Deve ser um material de resistência muito baixa (o caminho ideal deveria ter resistência nula, mas isto é praticamente impossível). Exemplos: cabos das linhas de alta tensão; cabo de força de um microcomputador; trilhas de cobre em uma placa de circuito impresso. Carga: é o componente ou conjunto de componentes que, quando alimentados por uma corrente elétrica, exercerão alguma função predeterminada. Exemplos: lâmpada; motor; alto-falante; U + - I R Figura 2. Circuito Elétrico 3

4 1.4. Eletricidade Estática Eletricidade estática é o acúmulo de cargas positivas ou negativas em um corpo, sem que haja um caminho por onde possam fluir elétrons para outros pontos. Diz-se que este corpo fica eletrizado já que não há circulação de corrente elétrica. Esse fenômeno pode ser produzido de três maneiras: Indução: quando um corpo já eletrizado ou carregado de eletricidade estática é colocado próximo de outro, ainda eletricamente neutro. Dependendo da carga acumulada no primeiro objeto e da distância entre eles, o segundo objeto adquire cargas elétricas; Contato: quando um corpo carregado de eletricidade estática é colocado em contato com outro, ainda descarregado. Cria-se um caminho para troca de cargas entre eles e, se a carga acumulada no primeiro objeto for suficientemente grande, ambos os objetos terminam por ficar carregados; Atrito: semelhante à eletrização por contato, mas provoca um efeito muito mais intenso, pois os dois corpos (o eletrizado e o não eletrizado) são colocados em contato e movimentados. Por isso, o corpo eletrizado passa suas cargas para o não eletrizado em quantidades e velocidades muito maiores do que nos métodos anteriores. Quando temos entre dois corpos, eletricamente carregados, uma ddp muito alta, os elétrons podem vencer a resistência do ar, saltando de um ponto ao outro. Nesse tipo de circuito, a diferença de potencial eletrostático entre dois pontos faz o papel de gerador, e o ar faz o papel de caminho e/ou carga. Isso é chamado de descarga eletrostática (ESD). Um bom exemplo de descarga eletrostática é um relâmpago. Numa tempestade, as nuvens ficam muito carregadas e o solo tem potencial nulo. Quando a diferença de potencial entre uma nuvem e solo atinge um determinado patamar, ocorre uma descarga eletrostática, ou seja, os elétrons fluem através do ar, neutralizando a ddp que existia. Outro tipo de descarga, de dimensões muito menores, é a que pode ocorrer quando uma pessoa está carregada e toca um objeto metálico. Uma pessoa pode ficar carregada devido ao atrito com certos materiais como carpete e roupas de lã. Esse fenômeno ocorre mais ainda em ambientes de ar muito seco. Apesar de inofensivas para as pessoas, essas descargas podem facilmente danificar equipamentos eletrônicos. Portanto, devemos ter o cuidado de sempre evitar tocar as partes metálicas das placas de circuito impresso. Uma medida muito importante é descarregarmos a eletricidade estática acumulada, antes de manusear equipamentos. Podemos fazer isso tocando uma peça metálica grande, como uma janela, grade ou ainda o gabinete metálico do computador, que tenha potencial nulo. Podemos ainda, utilizar uma pulseira antiestática. Essa pulseira possui um fio que deve ser ligado a um fio terra, eliminando assim qualquer carga elétrica do corpo Corrente Alternada x Corrente Contínua Os geradores de tensão dividem-se em dois grandes tipos: corrente contínua (CC), como as pilhas, por exemplo, e corrente alternada (CA), que é o caso de todos os geradores mecânicos. De acordo com o gerador utilizado, podemos ter um circuito CC ou CA. A diferença entre eles é que num circuito CC, a corrente flui sempre no mesmo sentido, havendo de forma bem definida um pólo positivo e um pólo negativo. Num circuito AC, o sentido da corrente alterna-se periodicamente, não havendo polaridade definida. Conforme a periodicidade das variações de polaridade, teremos uma freqüência maior ou menor. A corrente alternada fornecida pelas companhias distribuidoras de energia elétrica tem uma forma de onda senoidal. 4

5 I I t t Corrente Contínua Corrente Alternada Figura 3. Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA) Freqüência é uma grandeza que só faz sentido em circuitos CA. Quanto maior a freqüência, mais curto são os ciclos ou períodos formados de um semiciclo positivo e um semiciclo negativo. A freqüência é medida em Hertz [Hz] o que indica a quantidade de ciclos por segundo. Um equipamento elétrico alimentado por pilhas ou bateria é um equipamento CC. Porém, a energia fornecida pelas empresas distribuidoras é CA, portanto, os equipamentos que ligamos à tomada, podem ser de dois tipos: ou eles são CA, e usam diretamente a energia recebida (como liquidificadores, condicionadores de ar, etc.) ou eles são CC e precisam de um conversor AC/DC (TVs e computadores, por exemplo). Os microcomputadores são equipamentos CC, portanto, eles precisam de um conversor. É comum chamarmos de fonte o conversor CA/CC dos micros. Como veremos mais adiante, as fontes dos microcomputadores, normalmente convertem tensões de 110V a 220V CA em tensões de 5V e 12V CC Problemas de Alimentação CA Como vimos, a energia que recebemos das empresas distribuidoras no Brasil é CA, e tem tensão de 110V (127V em instalações trifásicas mais comuns em indústrias) ou 220V numa freqüência de 60 Hz (60 ciclos por segundo). Para alimentar os microcomputadores, e equipamentos de informática em geral, são necessárias fontes, que além de diminuírem o nível da tensão, são conversores CA/CC. Porém, podem ocorrer diversos problemas na rede de energia, que podem danificar as fontes e os próprios equipamentos de informática ou impedir seu correto funcionamento. São eles: Falta de energia: a falta de força ainda é comum hoje em dia, mas sua ocorrência é cada vez menor. Acontece devido a problemas graves nas redes de distribuição. Quando acaba a força repentinamente, podemos perder dados. Em empresas informatizadas, a falta de energia pode causar prejuízos inestimáveis. Queda momentânea: devido a problemas na rede de distribuição, podem ocorrer pequenas quedas de energia, que duram menos que um ciclo. Apesar de quase imperceptíveis para as pessoas, podem causar graves problemas em HDs, podendo haver perda de dados de arquivos. Subtenção: são quedas no nível de tensão da rede com duração superior a um ciclo. Algumas vezes a duração é tão longa que se torna perceptível para um observador humano (luzes que enfraquecem, ruído diferente num motor, etc.). A subtensão, muitas vezes, ocorre pelo mau dimensionamento da fiação elétrica interna. Pode causar perda de dados na memória e distorções no monitor. 5

6 Picos de Tensão: os picos de tensão são causados pela queda de raios nas proximidades das linhas de transmissão ou pela ativação de certos aparelhos de grande potência localizados em indústrias próximas. Um pico de tensão pode atingir mais de 1000 Volts, queimando fontes, placas, HDs, e tudo mais que estiver conectado eletricamente. Sobretensão: a sobretensão, que ocorre por problemas da empresa distribuidora, é um aumento nos níveis da tensão na rede elétrica com duração superior a um ciclo. Muito perigosa, quase sempre provoca queima de equipamentos. Se muito longa, pode ser notada no aumento de luminosidade de lâmpadas. Ruídos e Oscilações: são variações na forma da onda fornecida. Acontecem devido à presença de certos dispositivos como motores, lâmpadas fluorescentes e aparelhos de ar-condicionado que, ao serem ligados, causam interferências na rede de alimentação. Causam oscilações nas telas de monitores, e podem fazer o computador 'se perder' e travar. Para proteger os equipamentos desses problemas, utilizamos alguns dispositivos de proteção. São eles: Filtro de Linha: é o dispositivo mais barato e mais comum. Eficiente no caso de picos de tensão, quedas momentâneas e ruídos. Porém, a proteção obtida com um filtro de linha, não é muito melhor do que a garantida pela própria fonte dos microcomputadores atuais. Estabilizador: é também muito comum, e tem um custo um pouco maior que o filtro de linha. Um bom estabilizador pode evitar muitos aborrecimentos com problemas de energia. Ele tem um circuito que compensa variações de energia da rede, fornecendo uma saída estável mesmo na ocorrência de quedas momentâneas, picos de tensão, sobre e subtensão e ruídos. Os bons estabilizadores, já têm internamente todos os componentes de um filtro de linha. Figura 4. Filtro de Linha Figura 5. Estabilizador No-breaks: são equipamentos mais caros, mas só eles é que resolvem o problema da queda de força além dos já solucionados pelo uso de estabilizadores. Utilizam baterias que fornecem energia quando a rede externa falha, e recarregam-se quando a rede externa está operando. Devemos lembrar que as baterias só trabalham com tensão CC. Portanto, é necessário um conversor CA/CC (circuito retificador) para carregar as baterias, e um conversor CC/CA (circuito inversor) para utilizar a energia das baterias a fim de alimentar equipamentos. Todo no-break tem um circuito estabilizador na saída, dispensando o uso de outros dispositivos. Os no-breaks dividem-se em dois tipos: No-break off-line: é o tipo mais comum de no-break. Ele tem um circuito chaveador com sensor que detecta a falta de energia na rede, e aciona as baterias. Assim, as baterias só serão utilizadas quando for realmente necessário. 6

7 Rede Externa Circuito de Chaveamento Retificador Inversor Alimentação dos Equipamentos Baterias Figura 6. Diagrama de um no-break off-line. No-break on-line: é o dispositivo de proteção mais caro e o mais eficiente. A rede externa fica ligada às baterias, e as baterias alimentam os equipamentos internos o tempo todo. Com esse tipo de no-break, o tipo de energia CA fornecido é muito bom, pois depende exclusivamente do circuito inversor do no-break. Rede Externa Retificador Bateria Inversor Alimentação dos Equipamentos Figura 7. Diagrama de um no-break on-line Multímetro O multímetro é um aparelho que executa medições de diversas grandezas elétricas. Ele incorpora em si três medidores e, através de uma chave seletora, podemos escolher como o multímetro vai trabalhar. Assim o multímetro pode ser: voltímetro: instrumento utilizado para medir tensão elétrica (CC e CA); amperímetro: instrumento utilizado para medir corrente elétrica (CC e CA); ohmímetro: instrumento utilizado para medir resistência elétrica. 7

8 Figura 8. Multímetro Para medir tensão elétrica devemos colocar o multímetro para trabalhar como um voltímetro. Devemos ajustar a escala do multímetro de acordo com o valor de tensão que se deseja medir. Para isso, utilizamos a chave seletora. Quando vamos medir a tensão elétrica de um componente, na verdade, estamos medindo a diferença de potencial que existe entre os seus terminais. Portanto, para medir a tensão elétrica (ou diferença de potencial) de um determinado componente, devemos colocar cada ponta em um dos seus terminais. Por medida de segurança, devemos selecionar sempre a escala mais alta e ir diminuindo a escala, através da chave seletora, até que um valor de tensão seja facilmente lido v R A V Figura 9. Medição de Tensão Para medir corrente elétrica devemos colocar o multímetro para trabalhar como um amperímetro. Devemos ajustar a escala do multímetro de acordo com o valor de corrente que se deseja medir. Imagine um higrômetro - aparelho com que se mede a quantidade de água consumida nas residências. Para medir o consumo de água, toda a água da residência deve passar pelo higrômetro. Se houver uma tubulação por onde a água possa passar sem passar pelo higrômetro, a leitura do consumo de água não estará correta. 8

9 Quando utilizamos um amperímetro, fazemos a mesma coisa. Ou seja, fazemos a corrente elétrica passar pelo amperímetro. Para medir a corrente elétrica de um componente devemos desconectar um dos seus terminais e utilizar o amperímetro para fazer essa ligação. Por medida de segurança, também aqui devemos selecionar sempre a escala mais alta e ir diminuindo a escala, através da chave seletora, até que um valor de corrente elétrica seja facilmente lido A A R V Figura 10. Medição de Corrente Para medir a resistência de um componente devemos ajustar o multímetro para medir resistência (ohmímetro - ). Para medir a resistência de um componente, ele não deve estar ligado em nenhum circuito, porque os outros componentes do circuito irão alterar o valor da medição. Portanto, o componente deve ser retirado do circuito para fazer a medição da sua resistência. A 0.8 R V Figura 11. Medição de Resistência 1.8. Aterramento O que é o Aterramento? Quando pensamos em aterramento, logo pensamos na palavra terra e é exatamente esta idéia. O fio terra de segurança (como também é chamado) visa a proteger os usuários de equipamentos eletroeletrônicos contra descargas e choques elétricos, que em muitos casos pode ser fatal. A idéia da terra vem de que o aterramento é criado enterrando-se uma haste metálica (de cobre) no solo, para que a corrente elétrica seja desviada, não causando riscos aos usuários. Essa corrente é desviada para a terra (e não para o corpo humano), pois a terra tem uma massa muito 9

10 maior. Com uma massa maior, a quantidade de cargas que a Terra possui é muito menor, tendo assim a "preferência" dos elétrons (cargas) para que tenhamos um equilíbrio de cargas entre os dois corpos (Terra e homem). É interessante que todas as tomadas elétricas tenham o seu fio terra, mas isso nem sempre acontece. Nestes casos o aparelho elétrico deve prever uma entrada para esse terra de segurança normalmente colocada no chassi do equipamento. Caso a tomada seja preparada com o fio terra (tomada de 3 pinos) não é necessária a utilização desse aterramento externo. Em informática, todos as tomadas em que os PCs são ligados tem 3 pinos onde 1 deles é o terra. Veja figura abaixo. Conexão de fio negativo ou neutro Conexão de fio positivo N T F Conexão de fio terra de segurança Figura 12. Tomada de três pinos A função do Aterramento Como dito anteriormente, a principal função do fio terra é evitar danos aos usuários de equipamentos elétricos. Ele faz isso fornecendo um caminho de baixa resistência para os elétrons fluírem. Como os elétrons sempre seguirão o caminho "mais fácil" (baixa resistência) eles preferem seguir pelo terra ao invés de pelo corpo humano, evitando assim riscos aos usuários. Parece algo simples se olharmos superficialmente, como num exemplo de nossas casas. Mas à medida que o local cresce, como em um prédio ou indústria, o problema de um bom aterramento também cresce. Para isso existem diversas normas que determinam e regulamentam como deve ser feito o aterramento em cada tipo de instalação, especificando até o comprimento e espessura do fio. Algumas normas são: ANSI/TIA/EIA 607, NBR 5410, NBR 5419, entre outras. Resistência do Terra A resistência do Terra mede a capacidade que o terra tem de conduzir elétrons, ou seja, a "facilidade" do caminho para que os elétrons fluam para a terra. Quanto menor for essa resistência, melhor é o ponto de terra, e mais rápida será a ação dos elementos de proteção como disjuntores, fusíveis, etc. Embora muitos fornecedores exijam 1 ohm como valor máximo de resistência de terra, este não é um valor padronizado na norma NBR 5410, enquanto a norma americana (TIA/EIA 607) exige um máximo de 25 ohms. Além disto, o aterramento também serve para a proteção contra descargas atmosféricas (NBR 5419) e é recomendado pela norma um terra de no máximo 10 ohms. Normalmente este é o valor seguido em todas as instalações. 10

11 Exercícios Responda de acordo com o texto: 01. Defina e diferencie materiais isolantes e condutores, dando exemplos. 02. Considere o circuito: 6V + 15 Figura 13. a. Qual a corrente que está circulando? b. Se o valor da tensão fosse dobrado e o valor da resistência fosse reduzido a um terço, qual passaria ser o valor da corrente? c. Considerando a resistência de 15W, que valor de tensão faria com que a corrente fosse de 3A? 03. O que é eletricidade estática? Como ela surge? 04. Que cuidados devemos tomar para evitar as descargas eletrostáticas, ao manusear dispositivos eletrônicos? Por quê? 05. Diferencie circuitos CC e CA. 06. Quais os tipos de problemas de alimentação CA? Descreva cada um deles. 07. Descreva os principais equipamentos de proteção CA, associando-os aos problemas que cada um poderia evitar. 08. Explique, utilizando desenhos se achar conveniente, o procedimento para usarmos um multímetro, em medições de: Resistência; Tensão CC; Tensão CA; Corrente CC; Corrente CA. 11

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua Circuitos de Corrente Contínua Conceitos básicos de eletricidade Fundamentos de Eletrostática Potencial, Diferença de Potencial, Corrente Tipos de Materiais Circuito Elétrico Resistores 1 Circuitos de

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Equipamentos de Segurança. Colégio "Serrano Guardia" Módulo I Informática Básica William Andrey de Godoy

Equipamentos de Segurança. Colégio Serrano Guardia Módulo I Informática Básica William Andrey de Godoy Equipamentos de Segurança 1 Colégio "Serrano Guardia" Módulo I Informática Básica Equipamentos de Segurança O objetivo destes equipamentos é manter e até prolongar a vida útil do micro, evitando que distúrbios

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009

Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 Lista de Exercícios de Física II Lei de Ohm - circuitos Prof: Tadeu Turma: 3 Ano do Ensino Médio Data: 16/07/2009 1ª Questão) Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências são R 1 e R 2, com

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Tensão elétrica 6 Eletrização de um corpo 6 Eletrização por atrito 8 Atração e repulsão entre cargas elétricas 9 Potencial elétrico 10 Relação entre desequilíbrio e potencial elétrico

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 01)A força elétrica que provoca o movimento de cargas em um condutor é: A ( ) A condutância B ( ) A temperatura C ( ) O campo elétrico D ( ) A tensão elétrica

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Aula 04 Eletricidade estática, gabinetes e fontes. Professores: Rafael Antônio Marques Gomes Isabel Medeiros Eletricidade estática: A eletricidade estática é o fenômeno

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA.

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA. 1 INTRODUÇÃO O aterramento elétrico, com certeza, é um assunto que gera um número enorme de dúvidas quanto às normas e procedimentos no que se refere ao ambiente elétrico industrial. Muitas vezes, o desconhecimento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 05 Infraestrutura

Leia mais

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar.

O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. 1 O paradigma de que se mexer no computador ele pode quebrar. Tópicos: 2 Números Binários Unidades de Medida de Informação Arquitetura Básica Hardware Software Periféricos de Entrada Periféricos de saída

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA.

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA. CATÁLAGO TÉCNICO MODELO TRIFÁSICO MODELO BIFÁSICO FILTRO REDU-LUZ O que é SISTEMA REDU-LUZ Trata-se de filtro de linha capacitivo, montado em caixa ABS, encapsulado em resina inífoga (não propagadora de

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Utilizando uma Fonte de Computador Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Capacitor. Utilidade do Capacitor

Capacitor. Utilidade do Capacitor Capacitor Componentes que, embora não conduzam corrente elétrica entre seus terminais, são capazes de armazenar certa corrente, que será "descarregada", assim que não houver resistência entre seus terminais.

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique.

Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. Nomes: Augusto, Gabriel Vaz e Monique. O filtro de linha é um elemento de proteção para equipamentos eletrônicos. Ele atenua as impurezas da rede elétrica que causam interferências eletromagnéticas (EMI)

Leia mais

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem sempre temos proteção suficiente. O Brasil é o país com

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m 1 Corrente Elétrica Como visto no modulo anterior, os materiais condutores, devido as suas características físicas, formam elétrons livres quando de suas ligações atômicas. Contudo essas partículas que

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 1 O ÁTOMO... 3 2 CORRENTE ELÉTRICA... 3 3 CIRCUITOS ELÉTRICOS...

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES.. Prof. Francisco Tesifom Munhoz 1 O ÁTOMO... 3 2 CORRENTE ELÉTRICA... 3 3 CIRCUITOS ELÉTRICOS... FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2006 Índice 1 O ÁTOMO... 3 2 CORRENTE ELÉTRICA... 3 2.1 A VELOCIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA... 4 2.2 PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS... 4 2.2.1 CONDUTORES... 4 2.2.2 ISOLANTES...

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância CAPACIDADE ELÉTRICA Como vimos, a energia elétrica pode ser armazenada e isso se faz através do armazenamento de cargas elétricas. Essas cargas podem ser armazenadas em objetos condutores. A capacidade

Leia mais

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já vimos que a energia elétrica que utilizamos pode estar contaminada

Leia mais

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda?

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda? Exercícios: 1. Sobre:Ondas Responda: a. O que é a Natureza de Ondas? b. O que origina as Ondas Mecânicas? c. As Ondas Mecânicas se propagam no vácuo? Explique a sua resposta. d. Quais são os elementos

Leia mais

Multímetro, um grande amigo do operador de som

Multímetro, um grande amigo do operador de som Multímetro, um grande amigo do operador de som Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro O multímetro, ou multitester, é um equipamento utilizado para medições de componentes elétricos, mas muitos dos seus

Leia mais

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro Geração: equipe técnica Metalfrio. Revisão: Alexandre Mendes, Fernando Madalena, Gustavo Brotones e Rafael Atílio. http://treinamento.metalfrio.com.br treinamento@metalfrio.com.br

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Lição 6. Instrução Programada

Lição 6. Instrução Programada Lição 6 Na lição anterior, estudamos os geradores e vimos que a produção de energia elétrica, não poderia ser feita simplesmente a partir do nada. A produção de energia elétrica, só era possível, quando

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Professor João HardWare. professorjoao@terra.com.br

Professor João HardWare. professorjoao@terra.com.br Professor João HardWare professorjoao@terra.com.br 1 Eletricidade É o fenômeno físico associado a cargas elétricas estáticas ou em movimento. 2 Eletricidade Dinâmica Estática 3 Eletricidade Dinâmica CORRENTE

Leia mais

Eletricidade básica CORRENTE ELÉTRICA

Eletricidade básica CORRENTE ELÉTRICA Eletricidade básica CORRENTE ELÉTRICA Unidade de medida da corrente elétrica AMPÈRE (A). Múltiplos e submúltiplos Para valores elevados, utilizamos os múltiplos e para valores muito baixos, os submúltiplos.

Leia mais

9 Eletrônica: circuitos especiais

9 Eletrônica: circuitos especiais U UL L Eletrônica: circuitos especiais Um problema Um dos problemas com que se defrontava a eletrônica consistia no fato de que as válvulas, então empregadas nos sistemas, além de serem muito grandes,

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 No tempo das cavernas o que mais impressionava o homem na natureza era o Raio, que nada mais é do que uma descarga da eletricidade contida nas

Leia mais

5 Montagem Circuítos

5 Montagem Circuítos Montagem 5 Circuítos Ambiente de trabalho: Para trabalhar com montagem eletrônica e reparação de equipamentos o técnico precisa de algumas ferramentas, são elas: 1 - Ferro de solda: O ferro de solda consiste

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

Lista 2 - FCC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA

Lista 2 - FCC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA UNIESIDADE DO ESTADO DE SANTA CATAINA CENTO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Lista - FCC 1. Um eletrômetro é um instrumento usado para medir carga estática: uma carga desconhecida é colocada

Leia mais

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como:

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Resumo - Alternador O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Não ligar a bateria com polaridade invertida; Não ligar o alternador sem carga ou retirar a carga com alternador

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Física Experimental II. Instrumentos de Medida

Física Experimental II. Instrumentos de Medida Física Experimental II Instrumentos de Medida Conceitos Básicos I 1. Corrente Elétrica: chamamos de corrente elétrica qualquer movimento de cargas de um ponto a outro. Quando o movimento de cargas se dá

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Circuitos Capacitivos

Circuitos Capacitivos CEFET BA Vitória da Conquista Análise de Circuitos Circuitos Capacitivos Prof. Alexandre Magnus Conceito Um capacitor é um dispositivo elétrico formado por 2 placas condutoras de metal separadas por um

Leia mais

FAÇA VOCÊ MESMO O ATERRAMENTO DO SEU COMPUTADOR

FAÇA VOCÊ MESMO O ATERRAMENTO DO SEU COMPUTADOR FAÇA VOCÊ MESMO O ATERRAMENTO DO SEU COMPUTADOR Por Ivan Max Freire de Lacerda ivanmaxlacerda@gmail.com A instalação elétrica voltada para alimentar um computador, requer alguns cuidados especiais. Primeiramente,

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos

Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos A U A UL LA Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos dizer que a história do banho interrompido serviu para melhorar a ligação entre o pai e o filho. Ernesto, percebendo que aquele

Leia mais

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.)

(www.inpe.br/webelat/homepage/menu/el.atm/perguntas.e.respostas.php. Acesso em: 30.10.2012.) 1. (G1 - ifsp 2013) Raios são descargas elétricas de grande intensidade que conectam as nuvens de tempestade na atmosfera e o solo. A intensidade típica de um raio é de 30 mil amperes, cerca de mil vezes

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Parte I Resistores e Associação de Resistores 1. (Ufmg 2012) Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: c) 8. d) 12. e) 15. 4. (Ufu 2011)

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais