NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 01. Aula 01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 01. Aula 01"

Transcrição

1 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 01 Aula 01

2 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 01 Aula Introdução 02. O Desenho Técnico 03. As Normas Técnicas 04. Os Materiais de Desenho Técnico 05. Técnicas de Desenho Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou parcial, apresentação ou qualquer forma de comercialização de seu conteúdo. São respeitados os Direitos Autorais de toda a bibliografia consultada, com a respectiva indicação dos créditos. EAD Ensino à Distância amcursosonline.com.br

3 Prezado Aluno, Seja bem vindo ao material de ensino AM Cursos Online! A partir de agora iniciam seus estudos de um tema que, com toda certeza, agregará muito valor a sua vida profissional. Poderá observar que nossa preocupação foi apresentar os conteúdos de maneira fácil e acessível, para que você tenha uma perfeita compreensão de todos os passos necessários para o entendimento e leitura de um projeto arquitetônico. Seguindo este princípio, o curso será apresentado com diversas metodologias e didáticas para tornar-se ainda mais atrativo ao aprendizado. Para memorizar melhor o conteúdo, as apostila foram escritas em formato de manual, com vocabulário simples e que vai direto ao tema, além de ilustrações e imagens exemplificando toda a matéria ministrada. Estude este material em conjunto com os vídeos e aplicações de exercícios assim, poderá concluí-lo com a melhor eficiência possível. Bons estudos! Prof. Arq Amanda Marques 01. INTRODUÇÃO Desde o principio de suas origens, o homem comunica-se através de grafismos e desenhos. As primeiras representações que conhecemos são as pinturas rupestres, na qual o homem primitivo retratava não apenas o mundo que o cercava, mas também as sensações, como alegrias e medos, e seus costumes, com imagens que retratavam crenças ou danças, por exemplo. Ao longo da história, a comunicação através do desenho foi evoluindo, dando origem a duas técnicas de desenho: o artístico (que expressa ideias e sensações, estimulando a imaginação do espectador) e o técnico (que tem por finalidade a representação fiel dos objetos, isto é, o mais próximo da realidade, em formas e dimensões).

4 Desenho Artístico Fonte: Data: 21/07/14 14:40 Desenho técnico Em arquitetura, o desenho é a principal forma de expressão. É através dele que o arquiteto exterioriza as suas criações e soluções, representando o seu projeto, seja ele de um móvel, um espaço, uma casa ou uma cidade.

5 Desenho Artístico: Croqui Fonte: Data: 21/07/ :49 Desenho técnico: Portas 02. O DESENHO TÉCNICO O desenho começou a ser usado como referencia de representação do projeto arquitetônico a partir do Renascimento, quando as representações técnicas foram apresentadas nos trabalhos de Brunelleschi e Leonardo Da Vinci. Apesar disso, ainda não existia conhecimentos sistematizados na área, o que tornava o desenho mais livre e sem nenhuma normatização. Um dos grandes avanços em desenho técnico ocorreu com a geometria descritiva de Gaspard Monge ( ), que apresentou um método de representação das superfícies tridimensionais dos objetos sobre a superfície bidimensional do papel. A geometria mongeana

6 embasa a técnica do desenho até hoje. Com a Revolução Industrial, os projetos das máquinas tiveram que ser mais padronizados e com maior rigor na execução e os diversos projetistas necessitaram de um meio comum para que houvesse uma boa comunicação. Desta maneira, foram instituídas a partir do século XIX as primeiras normas técnicas de representação gráfica de projetos. O Desenho Arquitetônico é uma especialização do desenho técnico normatizado com foco para a execução e representação gráfica de projetos de arquitetura. Portanto, o desenho técnico arquitetônico manifesta-se como um código, uma linguagem, estabelecida entre o desenhista e o leitor do projeto. Com isso, seu entendimento por completo se faz necessário antes de estudar qualquer assunto referente às áreas de arquitetura, design de interiores e engenharia civil. Você pode desenvolver habilidade em desenho técnico arquitetônico a mão, porém este não é o foco deste curso que tem por finalidade, lhe ensinar a ler e interpretar Desenho Técnico Arquitetônicos. Para desenvolver habilidade no desenho técnico a mão sugerimos que busque uma escola de curso

7 presencial, pois envolve um certo nível de treinamento. Esse tipo de desenho costuma ser uma disciplina base de suma importante já nos primeiros períodos das faculdades e cursos técnicos nas áreas de arquitetura, design de interiores, engenharia e segurança do trabalho. Após este curso você também poderá realizar um curso para desenhar tecnicamente os projetos em ferramentas específicas para tal, como o AutoCAD ou outro programa destinado para desenvolver os desenhos técnicos. Quando se faz a elaboração do projeto, cria-se um documento que contém, na linguagem de desenho, informações técnicas relativas a uma obra arquitetônica é a maneira com que o arquiteto se comunica tanto com o cliente como com as pessoas que farão a obra. Esse desenho segue normas de linguagem que definem a representatividade das retas, curvas, círculos e retângulos, assim como outros elementos que nele aparecem. Dessa forma, poderão ser perfeitamente lidos e interpretados pelos demais profissionais envolvidos na execução. No modo convencional, a mão, os desenhos são executados sobre pranchetas, com uso de réguas, esquadros, lapiseiras, escalas, compassos, canetas de nanquim, etc. Esses desenhos são desenvolvidos sobre uma superfície de papel, as quais chamaram de prancha. Na maioria das vezes, quando desenvolvemos o desenho com grafite ou lapiseira utilizamos o papel sulfurizê ou o vegetal para desenhos a tinta como o nanquim. Desenho técnico à mão Fonte: Data: 21/07/ :33 Já com os projetos digitalizados através da computação gráfica, em programas de computador específicos, como o Auto CAD ou outros, ocorre à impressão do desenho o qual chamamos de plotagens. Quando

8 reproduzidos no computador devem ter as mesmas informações contidas nos convencionais. Ou seja, os traços e demais elementos apresentados deverão transmitir todas as informações necessárias, para a construção do objeto. Desenho técnico digitalizado Fonte: Data: 21/07/ : AS NORMAS TÉCNICAS Como foi citado, o desenho é a principal forma de comunicação e transmissão das ideias do arquiteto, e é fundamental que os demais profissionais envolvidos possam compreender perfeitamente o que está representado em seus projetos. Da mesma maneira, se faz necessário que o arquiteto consiga ler e interpretar qualquer outro projeto que seja complementar ao arquitetônico, sendo ele um projeto de qualquer teor, mobiliário, paginações de gesso, piso, revestimento, elétrica, luminotécnico, decoração, paisagismo entre outros, possibilitando a compatibilização entre estes. A normatização para os desenhos de arquitetônicos tem como principal função, estabelecer regras e conceitos únicos de representação gráfica, assim como uma simbologia específica e pré-determinada, fazendo com que o desenho técnico atinja o objetivo de representar o que se quer tornar real. A representação gráfica do desenho corresponde a uma norma internacional (supervisionada pela ISO International Organization for

9 Standardization). Porém, geralmente, cada país costuma ter suas próprias normas, adaptadas a suas necessidades, estabelecidas por diversos motivos. No Brasil, as normas são definidas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Para desenho técnico arquitetônico, a principal norma é a NBR 6492 Representação de Projetos de Arquitetura. As recomendações dessa apostila são baseadas nesta norma. Porém temos outras normas que serão citadas ao longo deste material. 04. OS MATERIAIS DE DESENHO TÉCNICO LÁPIS OU LAPISEIRAS Lapiseira Mecânica: Utiliza uma mina de grafite, que não precisa ser apontada. Ela é utilizada para o traçado de linhas nítidas e finas se posicionada em 90º sob o papel e girar durante o traçado. Para linhas relativamente espessas e fortes, deve ser utilizado diversas vezes o traçado, isto é, uma série de linhas uma sobre a outra, ou uma lapiseira com minas de grafite mais espessas. Utilizamos as lapiseiras com minas de grafites 0,3 mm, 0,5mm, 0,7mm e 0,9mm principalmente.

10 O ideal são as lapiseiras que tenham um pontalete de aço, com a função de proteger o grafite da quebra quando pressionado ao esquadro no momento da graficação Lápis: O lápis comum de madeira e grafite também pode ser usado para desenho. Uma dica é apontar o lápis e depois afiá-lo com uma lixa pequena e limpá-lo com algodão, pena ou papel. Costuma se classificar o lápis através de letras ou números, de acordo com o grau de dureza do grafite. A dureza de um grafite para desenho depende dos seguintes fatores: O grau do grafite, que varia de 9H (extremamente duro) a 6B (extremamente macio), ou Nº 1 (macio) a Nº 3 (duro); Tipo e acabamento do papel (grau de aspereza): quanto mais áspero um papel, mais duro deve ser o grafite; A superfície de desenho: quanto mais dura a superfície, mais macio parece o grafite;

11 do grafite. Umidade: condições de alta umidade tendem a aumentar a dureza aparente CLASSIFICAÇÃO N o. 1 N o. 2 N o. 3 HB 4H 2H FH USO Por ser um lápis com grafite macio, é geralmente utilizado para esboçar e destacar traços que devem sobressair. Este lápis possui um grafite médio, e é utilizado para qualquer traçado e escrita em geral. O grafite deste lápis é mais duro, sendo usado em desenho geométrico e técnico. É um grafite mais macio e pode ser utilizado para traçados de linhas densas, fortes e de letras. Requer controle para um traçado de linhas finas; é facilmente a pagável, copia bem, mas tende a borrar com muito manuseio. Possui um grafite mais duro e denso, por isso é indicado para layouts precisos. Evite utilizá-lo para realizar desenhos finais e também procure não usar com a mão pesada, já que ele produz sulcos no papel de desenho e fica difícil de apagar. Esse tipo de lápis também não faz boas cópias. Este tipo de lápis possui um grau de dureza mais alto e é utilizado para desenhos finais. Ele não apaga facilmente quando usado com muita pressão. Possui um grafite médio e é excelente para o uso geral, assim como para fazer layouts, artes finais e escrita. OBSERVAÇÃO: atualmente é mais prático o uso de lapiseira para alguns trabalhos. Recomenda-se lapiseiras 0,5mm, 0,7mm ou 0,9mm, com grafite HB BORRACHA: Procure sempre utilizar uma borracha macia e compatível com o trabalho para evitar danificar a superfície do desenho. Evite o uso de borrachas para tinta, que geralmente são mais abrasivas para a superfície de desenho.

12 ESQUADROS: É o conjunto de duas peças de formato triangularretangular; uma possui ângulo de 45º e a outra os ângulos de 30º e 60º (obviamente, além do outro ângulo reto 90º). O esquadro é utilizado para o traçado de linhas verticais, horizontais e inclinadas. Esquadro de 45 o e esquadro de 30/60 o Com a combinação dos esquadros, torna-se possível traçar linhas com outros ângulos conhecidos, como se vê na figura abaixo: Os esquadros devem ser de acrílico, espessos, rígidos e, preferencialmente, não possuir marcação de sua gradação. DICAS: Não use o esquadro como guia para corte;

13 Também não os utilize com marcadores coloridos; Mantenha os esquadros limpos com uma solução diluída de sabão neutro e água. Não utilize álcool na limpeza:isso pode deixar o esquadro esbranquiçado COMPASSO: Serve para traçar circunferências de qualquer raio ou arcos de circunferência. Deve oferecer um ajuste perfeito, não permitindo folgas A melhor maneira para utilizar um compasso é da seguinte forma: aberto com o raio desejado, fixa-se a ponta seca no centro da circunferência a traçar e, segurando o compasso pela parte superior com os dedos indicador e polegar, imprime-se um movimento de rotação até completar a circunferência GABARITOS: São chapas em plástico ou acrílico que possuem elementos diversos vazados e que possibilitam a reprodução destes nos desenhos. O gabarito de círculos é útil para o traçado de pequenos círculos. Existe ainda outros gabaritos úteis que trazem formas de equipamentos sanitários ou hidráulicos, formas geométricas e mobiliário.

14 ESCALÍMETRO: É o instrumento destinado à marcação de medidas na escala do desenho. Pode ser encontrado com duas gradações de escalas, mas a mais utilizada e recomendável em arquitetura é o que marca as escalas de 1:20 a 1:125. Atenção: o escalímetro não deve ser utilizado para o traçado de linhas. Escala triangular: 1:20, 1:25, 1:50, 1:75, 1:100 e 1:125 Escala de bolso DICAS: O escalímetro utilizado para desenho arquitetônico é o do tipo 1; Você encontrará diversas nomes para este instrumento, como: Régua graduada, escalímetro ou escala TRANSFERIDOR: É uma régua especial que serve para medir os ângulos ao longo de uma circunferência.

15 PRANCHETA: Geralmente de madeira e em formato retangular, é onde se fixam os papéis para os desenhos. É importante que a prancheta, bem como o banco, possibilite uma postura correta ao se sentar. Uma iluminação adequada também é importante para um bom trabalho. Para cobrir as pranchetas, pode-se usar: 1. Coberturas de vinil, que fornecem uma superfície de desenho suave e uniforme. Furos de alinhamento e cortes ficam naturalmente encobertos. 2. Revestimento em fórmica ou material resistente similar, sem imperfeições de superfície RÉGUA PARALELA: é destinada ao traçado de linhas horizontais no sentido do comprimento da prancheta, além de servir de base para o apoio dos esquadros para traçar linhas verticais ou com determinadas inclinações. O comprimento da régua paralela deve ser um pouco menor do que o da prancheta.

16 Régua paralela Prancheta com a régua paralela fixada A régua paralela substituiu a régua T, que era utilizada com a mesma função. Régua T Prancheta com a régua T fixada Diferenças entre as réguas

17 amcursosonline.com.br facebook.com/amcursosonline

PARTE I INTRODUÇÃO E NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO

PARTE I INTRODUÇÃO E NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO PARTE I INTRODUÇÃO E NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO Adaptado da Apostila de Desenho Técnico da Profa. Denise Schuler, FAG ÐFundaç o Assis Gurgacz, Cascavel-PR 1 O DESENHO COMO FORMA DE EXPRESSÃO Desde

Leia mais

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade Nossas Aulas Ementa 1ª Parte: - Introdução ao Desenho Técnico; - Padronização do Desenho ; - Normas ABNT; - Instrumentos de Desenho e sua utilização;

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

Capa Figuramundo. Desenho Técnico. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 166p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Capa Figuramundo. Desenho Técnico. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 166p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Eleudo Esteves de Araujo Silva Junior Nascido em 14 de abril de 1973 em Brasília, Distrito Federal. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (1996), especialização

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Objetivo da unidade Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Objetivo da unidade Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico de Refrigeração e Climatização Objetivo da unidade Técnico/a de Refrigeração e Climatização Utilizar normalização em desenho Desenhar com rigor construções geométricas básicas Ajustar com precisão

Leia mais

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+ EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO: Engenharia Mecânica PROFESSOR: José Ricardo Flores Faria Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: Desenho resultante da projeção do objeto, sob um ou mais

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01 Prof. Esp. Arq. José Maria Norma: Trata-se de um princípio, previamente acordado, que deve ser tomado

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma.

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Desenho Técnico Desenho Técnico e CAD Prof. Luiz Antonio do Nascimento Desenho 2/29 Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Pode ser: Desenho Artístico

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma.

Desenho Técnico. Desenho. Desenho Artístico. Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Desenho Técnico Desenho Técnico e CAD Prof. Luiz Antonio do Nascimento Desenho 2/29 Representação de coisas, seres, e objetos através de linhas e pontos. Expressão gráfica da forma. Pode ser: Desenho Artístico

Leia mais

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Cursos: Agronomiae Eng. Florestal1 o Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Programa 1 - Materiais e instrumentos de desenho, convenções e normalização

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 1 Fevereiro de 2008 1 BREVE HISTÓRICO DO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Milton 2014 DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica

Leia mais

PARTE 1 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO

PARTE 1 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO A-1 PARTE 1 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO 1 O DESENHO COMO FORMA DE EXPRESSÃO Desde suas origens o homem comunica-se através de grafismos e desenhos. As primeiras representações que conhecemos são as

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Relação de materiais. Relação de materiais. Instrumentos. Jogo de esquadros 45º e 30º/60º, sem graduação. Papel formato A4 margeado

Relação de materiais. Relação de materiais. Instrumentos. Jogo de esquadros 45º e 30º/60º, sem graduação. Papel formato A4 margeado Instrumentos Janine Gomes da Silva, Arq. M.Sc Engenharia Civil Relação de materiais Jogo de esquadros 45º e 30º/60º, sem graduação Papel formato A4 margeado Lapiseira 0.7 HB; lapiseiras 0.5 grafite 2B

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Prof. VÍCTOR O. GAMARRA ROSADO Março de 2005 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO ARQUITETÔNICO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORES: ADRIANA DINIZ BALDISSERA, ALEX BEDIN, FABIANO CZARNOBAY Chapecó, 2015. Elaboração: ADRIANA DINIZ BALDISSERA, ALEX BEDIN, FABIANO CZARNOBAY Propriedade da Faculdade Empresarial

Leia mais

A perspectiva é um tipo especial de projeção, na qual são possíveis de se medir três eixos dimensionais em um espaço bi-dimensional.

A perspectiva é um tipo especial de projeção, na qual são possíveis de se medir três eixos dimensionais em um espaço bi-dimensional. Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Não-Projetivo: gráficos e diagramas fluogramas organogramas Desenho Projetivo: perspectivas vistas ortográficas plantas-baiase cortes 1 Projeções A perspectiva

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO

AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO AA3 PRODUÇÃO DE DESENHO GEOMÉTRICO Vamos agora colocar em prática o nosso conhecimento sobre desenho geométrico, desenvolver a habilidade de fazer traçados e de pensar espacialmente. O objetivo deste exercício

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

ENG 05230 TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÕES INSDUSTRIAIS

ENG 05230 TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÕES INSDUSTRIAIS Universidade Federal de Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Alto Universitário, s/nº - Cx Postal 16, Guararema - 29500-000 Alegre-ES ENG 05230 TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÕES

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

TÉCNICO EDIFICAÇÕES. Disciplina: DESENHO ARQUITETÔNICO. Professor (a): MARCILENE R.S. IERVOLINO. Nome do aluno (a): WWW.CETES.COM.BR.

TÉCNICO EDIFICAÇÕES. Disciplina: DESENHO ARQUITETÔNICO. Professor (a): MARCILENE R.S. IERVOLINO. Nome do aluno (a): WWW.CETES.COM.BR. WWW.CETES.COM.BR TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES 1º Módulo 1º Semestre de 2013 Disciplina: DESENHO ARQUITETÔNICO Professor (a): MARCILENE R.S. IERVOLINO Nome do aluno (a): CENTRO EDUCACIONAL TÉCNICO SUZANENSE Telefone:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 1

DESENHO TÉCNICO. Aula 1 DESENHO TÉCNICO Aula 1 DESENHO Representação gráfica bidimensional da realidade, de uma idéia, pensamento ou emoção. Descreva este objeto: Cubo (Dado) Caneca Funil Tambor DESENHO A linguagem verbal não

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 2/5: 6. Figuras geométricas 7. Sólidos geométricos Prof.

Leia mais

ENE 131 - Expressão Gráfica para Engenharia Elétrica

ENE 131 - Expressão Gráfica para Engenharia Elétrica - Expressão Gráfica para Engenharia Elétrica (Desenho Auxiliado por Computador)(Computer Aided Design)(CAD) Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado nos Materiais do Rodolfo Lacerda

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01

DESENHO BÁSICO AULA 01 DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução à Unidade Curricular Introdução ao Desenho Técnico 31/07/2008 Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Não-Projetivo: gráficos e diagramas fluxogramas organogramas

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA:

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: Para fazer o alojamento da Máquina da Fechadura em uma porta, é necessário deixar 1,10m do centro do furo quadrado da maçaneta

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

PARTE 1 DESENHO TÉCNICO

PARTE 1 DESENHO TÉCNICO PARTE 1 DESENHO TÉCNICO 1. NOÇÕES GERAIS: 1.1 HISTÓRIA O desenho começou a ser usado como meio preferencial de representação do projeto arquitetônico a partir do Renascimento. Apesar disso, ainda não havia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pós-Graduação Lato Sensu em Plantas Ornamentais e Paisagismo DESENHO TÉCNICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pós-Graduação Lato Sensu em Plantas Ornamentais e Paisagismo DESENHO TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pós-Graduação Lato Sensu em Plantas Ornamentais e Paisagismo DESENHO TÉCNICO Tadayuki Yanagi Junior 1 José Francisco Rodarte 2 Leandro Ferreira

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO ARQUITETÔNICO DESENHO ARQUITETÔNICO Revisão 01 1 Desenho Arquitetônico Índice Temas Pagina 1 Introdução 3 2 Desenho Técnico 3 3 Instrumentos de Desenho Técnico 5 4 Representação do Desenho 11 5 Técnicas de Desenho:

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO Página 1/38 Professor: Fabiano de Pádua Data: 10/2/2010 Aluno(a): Turma: Página 2/38 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. CONCEITOS BÁSICOS... 4 2.1- Histórico... 4 2.2- Desenho Técnico... 4 2.3- Normas e Padrões...

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 06 - LOCAÇÃO DE OBRAS Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

O retrato através da História da Arte

O retrato através da História da Arte ós na ala de Aula - Arte 6º ao 9º ano - unidade 5 Inicie sua aula observando retratos conhecidos da História da Arte e, em seguida, converse com os alunos sobre os retratos na História. Pergunte a eles

Leia mais

Introdução. Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal.

Introdução. Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal. Introdução Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal. Através de símbolos, convenções e normas disseminados e adotados em todo mundo torna um desenho técnico, feito dentro das regras, de fácil

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 O objetivo desta primeira aula é passar a você iniciante alguns esclarecimentos sobre a arte de desenhar, prepará-lo para iniciar nas próximas aulas e mostrar uma parte das muitas dicas que virão. (Mateus

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais

Manual de uso de regletes:

Manual de uso de regletes: Manual de uso de regletes: 1- Características das regletes (definição e descrição dos modelos) 2- Como usar os modelos de regletes (Reglete Negativa e Reglete Positiva) Qualquer dúvida ou sugestão para

Leia mais

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik APRESENTAÇÃO Os elementos táteis Mozaik foram projetados para a sinalização tátil de pisos executados em praticamente quaisquer tipos de materiais de revestimento,

Leia mais

O que é desenho técnico

O que é desenho técnico A U L A O que é desenho técnico Introdução Quando alguém quer transmitir um recado, pode utilizar a fala ou passar seus pensamentos para o papel na forma de palavras escritas. Quem lê a mensagem fica conhecendo

Leia mais

Desenho Técnico. Adriano Pinto Gomes. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CampusOuro Preto

Desenho Técnico. Adriano Pinto Gomes. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CampusOuro Preto Desenho Técnico Adriano Pinto Gomes INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CampusOuro Preto Ouro Preto - MG 2012 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Escola Portuguesa de Luanda Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16

Escola Portuguesa de Luanda Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16 Lista de material básico para EV (5.º e 6.ºAnos) 2015/16 - Capa preta A3, com lombada de 3cm e com elásticos; - Régua de 30 cm transparente; - Esquadro de 45º de 30cm; - Transferidor semi-circular; - Lápis

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

1. o Vestibular 2002 PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ARQUITETURA E URBANISMO. Programa de Avaliação Seriada Subprograma 1999 3.

1. o Vestibular 2002 PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS ARQUITETURA E URBANISMO. Programa de Avaliação Seriada Subprograma 1999 3. PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS 1. o Vestibular 2002 ARQUITETURA E URBANISMO Programa de Avaliação Seriada Subprograma 1999 3. a Etapa SALA N. o DE CONTROLE RESULTADO FINAL NOME INSCRIÇÃO Assinatura:

Leia mais

Escola Princípius da Vida Júnior Ensino Fundamental.

Escola Princípius da Vida Júnior Ensino Fundamental. 1 ano. 02 caixas de massa de modelar (macia). 02 cadernos de linguagem 96 folhas (capa capa 02 cadernos de linguagem 48 folhas (capa 01 régua de madeira. 02 cadernos de linguagem 96 folhas (capa 2 ano.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Caderno de exercício. Desenho 1

Caderno de exercício. Desenho 1 Caderno de exercício Desenho 1 Prof: Viviane Dorneles SENAI Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 1 1.1 Criando um desenho técnico O desenho é uma forma de linguagem usada pelos artistas. Desenho técnico

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Gravação com laser da Trotec

Gravação com laser da Trotec Manual para Gravação com laser da Trotec www.troteclaser.com Dicas e truques para gravação a laser Índice 3 Introdução 3 Quais as aplicações da máquina a laser? 4 Fontes de laser e suas opções 4 Lasers

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: ILUSTRAR E DECORAR A CAPA INDIVIDUAL DO ESTUDANTE Objetivo Geral: desenhar o teu nome, seguindo as regras do desenho das letras e recorrendo

Leia mais

Manual de Instruções e Termo de Garantia

Manual de Instruções e Termo de Garantia Manual de Instruções e Termo de Garantia 1.Identificação dos itens. 2.Marque na porta a altura do centro da maçaneta (sugestão: 1,10m em relação ao piso). 4.Com auxílio de ferramentas (formão, furadeira,

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

Como pintar azulejos e revestimentos cerâmicos para renovar sua cozinha ou banheiro

Como pintar azulejos e revestimentos cerâmicos para renovar sua cozinha ou banheiro Dar fim às estampas antigas, disfarçar manchas do tempo ou até eliminar a aparência da cerâmica. Tudo isso é viável, desde que se use a tinta certa Há duas técnicas para que o jeitão antigo do seu azulejo

Leia mais

Bem-vindo ao fabuloso Mundo Scriva!

Bem-vindo ao fabuloso Mundo Scriva! Bem-vindo ao fabuloso Mundo Scriva! Índice Pág. Agrafadores 03 Alicates Agrafadores 04 Agrafes 08 Extratores de Agrafes 08 Perfuradores 09 Almofadas para carimbo 11 Tinta para carimbo 11 Esferográficas

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1 PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009 PROFESSORA: Bianca de Souza OBJETIVOS 1 Os objetivos para o terceiro trimestre com a turma N3-8 é o estudo e a construção de uma maquete da escola. Uma sequência

Leia mais

Habilidades Específicas - Arquitetura

Habilidades Específicas - Arquitetura Habilidades Específicas - Arquitetura 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da Unicamp prepara o profissional arquiteto para compreender e projetar soluções viáveis e criativas para as necessidades

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Desenho Técnico. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 DEFINIÇÃO VISÃO ESPACIAL HISTÓRIA - O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de objetos

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina

Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO INTRODUÇÃO O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas OUT 2000 NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO

MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO MANUAL DE USO, CONSERVAÇÃO E GARANTIA DO PRODUTO GARANTIA QUALIDADE No Manual de Uso, Conservação e Garantia do Produto você vai encontrar dicas e informações importantes para conservação dos produtos

Leia mais

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula.

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula. Polias e correias I A UU L AL A O número de rotações por minuto (rpm) executado por uma furadeira de coluna não estava compatível com a necessidade exigida pelo trabalho. O número de rotações desenvolvido

Leia mais

ENTO DO US LATE as chapas acrílicas permitem a criação de

ENTO DO US LATE as chapas acrílicas permitem a criação de As chapas acrílicas permitem a criação de coberturas que mais parecem obras de arte entre as suas qualidades, destacam-se: Transparência, resistência contra raios ultravioletas, leveza, ampla variedade

Leia mais