HEDGING NA EXPORTAÇÃO: instrumentos de proteção cambial de empresas exportadoras brasileiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEDGING NA EXPORTAÇÃO: instrumentos de proteção cambial de empresas exportadoras brasileiras"

Transcrição

1 FACULDADE NOVOS HORIZONTES Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado HEDGING NA EXPORTAÇÃO: instrumentos de proteção cambial de empresas exportadoras brasileiras Marcílio de Azevedo Torrent Belo Horizonte 2012

2 2 Marcílio de Azevedo Torrent HEDGING NA EXPORTAÇÃO: instrumentos de proteção cambial de empresas exportadoras brasileiras Dissertação apresentada ao curso de Mestrado Acadêmico em Administração da Faculdade Novos Horizontes, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Wendel Alex Castro Silva Área de Concentração: Organização e Estratégia Linha de Pesquisa: Tecnologias de Gestão e Competitividade Belo Horizonte 2012

3 3 Torrent, Marcílio de Azevedo Hedging na exportação: instrumentos de proteção cambial de empresas exportadoras brasileiras / Marcílio de Azevedo Torrent Belo Horizonte: FNH, f. Orientador: Prof. Dr. Wendel Alex Castro Silva Dissertação (mestrado) Faculdade Novos Horizontes, Programa de Pós-graduação em Administração 1. Proteção cambial. 2. Comércio exterior. 3. Hedge (Finanças). I. Silva, Wendel Alex Castro. II. Faculdade Novos Horizontes, Programa de Pós-graduação em Administração. III. Título CDD: Ficha elaborada pela Bibliotecária da Faculdade Novos Horizontes

4 4

5 5

6 À minha família, pela paciência, tolerância e carinho nos momentos difíceis e nas adversidades. 6

7 7 AGRADECIMENTO A Deus, que nunca me deixou sozinho nesta caminhada. Aos meus queridos Pais, Therezinha e Max que, mesmo ausentes, me fizeram sentir sua presença o tempo todo. A Elida, minha amada esposa, pelo apoio, compreensão e carinho. Aos filhos que, de perto ou de longe, sempre disseram palavras de incentivo para que eu não abandonasse esta jornada. Ao Prof. Dr. Wendel, por sua orientação e pela atenção especial que me dedicou nesses últimos dois anos de convívio. A todos os professores do Mestrado da Faculdade Novos Horizontes, pelos conhecimentos e entusiasmo acadêmico transmitidos. A toda equipe da secretaria da Faculdade Novos Horizontes, especialmente, a Beatriz e a Wania, que sempre se mostraram pacientes e compreensivas. Aos colegas do mestrado, pela permanente colaboração. A Audrey, pela companhia.

8 8 Um especulador é alguém que corre riscos dos quais ele está ciente e um investidor é alguém que corre riscos dos quais ele não está ciente. John Maynard Keynes

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACC Adiantamento sobre Contratos de Câmbio ACE Adiantamentos sobre Cambiais Entregues BACEN Banco Central do Brasil BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo CDI Certificado de Depósito Interbancário CNPJ Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas DEPLA Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DI Depósito Interbancário MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior NDF Non Deliverable forward PIB Produto Interno Bruto PTAX Taxa de Câmbio Média apurada diariamente pelo Banco Central RE Receitas de Exportação RMCCI Regulamento do Mercado de Câmbio e de Capitais Internacionais ROL Receita Operacional Líquida SECEX Secretaria de Comércio Exterior

10 10 RESUMO Este estudo teve como objetivo principal identificar e avaliar os principais instrumentos de proteção cambial adotados por empresas exportadoras brasileiras. A negociação no mercado externo exige complexa gestão do risco cambial, fenômeno econômico que impacta financeiramente as receitas de exportação, visto que são denominadas em moeda estrangeira. A volatilidade das taxas de câmbio, observada no mercado nacional e internacional, é fator determinante para a adoção de instrumentos de proteção cambial, buscando-se conservar os valores dos ativos das organizações. Observa-se que muitas empresas brasileiras se inseriram neste mercado há pouco mais de 15 anos, período em que se intensificou o processo de internacionalização das economias. Pode-se presumir que muitas dessas empresas ainda não têm expertise para lidar com instrumentos de hedge. A contratação, gestão e avaliação dos riscos envolvidos nesses instrumentos requer habilidade e detalhado conhecimento do tema por seus executivos. Uma decisão aconselhável seria analisar de que forma empresas mais experientes lidam com a gestão de seu risco cambial, identificando e analisando seus instrumentos de hedge, para uma possível utilização dos mesmos mecanismos. Para esse efeito, o presente trabalho identificou, inclusive com exemplos práticos, os principais instrumentos de hedge utilizados por algumas empresas exportadoras brasileiras. Para essa verificação, foi realizada pesquisa em documentos públicos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC. Foram selecionadas 20 empresas, constituídas sobre a forma de sociedade anônima, com valores de exportação acima de US$100 MM, em 2010, com registros sobre instrumentos de proteção cambial utilizados, os quais foram identificados e analisados, procurando-se oferecer novas possibilidades de negócios a empresas menos experientes. Palavras-chave: Instrumentos; Proteção cambial. Risco Cambial. Volatilidade. Hedge. Expertise.

11 11 ABSTRACT This study aimed to identify and evaluate the main hedging instruments adopted by Brazilian export companies. Trading in foreign markets requires a complex management of currency risk, economic phenomenon which impacts financially on export earnings, as they are entitled in foreign currency. The volatility of exchange rates, observed in national and international market, is a decisive factor for adoption of hedging instruments, in order to keep intact the company s assets. It is a fact that many Brazilian companies get into international market in the last 15 years, during which intensified the process of internationalization of economies, and most of them, this study presumed, have no expertise to deal with hedge instruments. The process of hiring, management and evaluation all risks involved in hedging instruments requires specific skills and deep knowledge to be properly used by the executives of these companies. So, a good decision would be to analyze ways which more experience companies deal with theirs currency risks, identifying and analyzing theirs hedging instruments for a possible future use. For this purpose, this study identified, throughout practical examples, the major hedge instruments most used by Brazilian export companies and to verify their mecanisms, a survey was made from public documents available at Ministry of Development, Industry and Foreign Trade, thru a list of Brazilian export companies in 2010 selected by range incoming. Among them, twenty were selected because they were constituted as a corporations, with a range of export revenue over 100 million dollars, had published their balances sheets in 2010, which demonstrated the used of hedge instruments for management foreign currency risk. Thereafter, the hedging instruments were identified and analyzed seeking to offer new business opportunities to companies less experienced. Key Words: Strategies, Hedging, Currency risk, Volatility, Hedge, Expertise

12 12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES GRÁFICO 1 Relação RE/ROL...83 QUADRO 1 Taxas de Câmbio por Vencimento (1º caso)...44 QUADRO 2 Taxas de Câmbio por Vencimento( 2º caso)...45 QUADRO 3 Exportação/Receita Operacional Líquida...82 QUADRO 4 Instrumentos de Proteção Cambial e Frequência...84 QUADRO 5 Empresas e Instrumentos de Proteção Cambial...85

13 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA REVISÃO DA LITERATURA CÂMBIO E MERCADO DE CÂMBIO TAXA DE CÂMBIO REGIMES DE CÂMBIO FORMAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO RISCO CAMBIAL PROTEÇÃO CAMBIAL (HEDGE CAMBIAL) MERCADO DE DERIVATIVOS AGENTES PARTICIPANTES DO MERCADO DE DERIVATIVOS RISCO CAMBIAL DAS EMPRESAS EXPORTADORAS ESTUDOS ANTERIORES SOBRE PROTEÇÃO CAMBIAL...,,,,,,,,,,,,,,, INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO CAMBIAL(DERIVATIVOS) NDF NON DELIVERABLE FORWARD NDF ASIÁTICO TRAVA CAMBIAL OU CAMBIO TRAVADO ACC E ACE Swap OPÇÕES PRÉ-PAGAMENTO DE EXPORTAÇÃO HEDGE NATURAL...63

14 14 3 METODOLOGIA TIPO E MÉTODO DE PESQUISA UNIVERSO E AMOSTRA PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS PROCEDIMENTOS PARA A ANÁLISE DOS DADOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS POLÍTICAS PARA GESTÃO DO RISCO CAMBIAL INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO CAMBIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

15 15 1 INTRODUÇÃO O fenômeno da globalização das economias tem possibilitado, principalmente nos últimos anos, o incremento das trocas comerciais entre os países. A cada dia, as compras e vendas de bens e serviços entre as nações passam a ser mais comuns, o que se configura na venda e no consumo cada vez maiores de produtos diversificados e com tecnologias mais avançadas, sem se esquecer dos grandes volumes de produtos básicos (commodities) que são negociados no mercado internacional, segmento no qual o Brasil é um dos grandes players. O Mundo vem assistindo, há pouco mais de uma década, um crescimento nunca antes visto no comércio internacional, uma vez que, nesse mesmo período acentuou-se, de forma significativa, os países que abriram suas economias aos produtos estrangeiros, aderindo ao fenômeno da Globalização (CARVALHO; ASSIS; JOAQUIM, 2007, p. 17). Conforme Castro (2003, p. 19), há diversas razões que levam as empresas a exportar, dentre elas, as melhorias financeiras decorrentes da possibilidade da obtenção de financiamentos a juros mais baixos, oferecidos pelo mercado internacional, e a vantagem do recebimento antecipado de suas vendas. Do ponto de vista comercial, afirma Castro (2003, p. 20), a empresa exportadora adquire também marketing e status, em função da concretização de vendas para mercados mais exigentes, atestando que os produtos fabricados são dotados de qualidade e que a empresa pratica preços competitivos. Isso se traduz em referência para os consumidores locais, na medida em que conquistar mercados como os Estados Unidos e a Europa, apenas para citar dois exemplos, é sinal positivo para a imagem da organização, geralmente se traduzindo em elevação de suas vendas no mercado interno. Conforme Castro (2003, p. 20), a redução da instabilidade e a diluição de risco são fatores adicionais que estimulam as empresas a destinarem seus produtos para vários mercados. A exportação para diversos países reduz a concentração das vendas, mitigando o risco da organização, pois se observa, simultaneamente no

16 16 mundo, economias com diferentes níveis de crescimento econômico: algumas com elevação expressiva de seu produto interno bruto - PIB - e outras em recessão, muitas vezes, mergulhadas em sérias crises econômico-financeiras. Enfim, exportar representa uma decisão empresarial que pode ser viável para as organizações. Conforme Minervini (2008), a exportação tem como vantagem a possibilidade do confronto com outras realidades, outros concorrentes, outras exigências, gerando, para a empresa, a busca pela maior competitividade. A atividade de comércio internacional propicia elementos de desenvolvimento empresarial, levando a organização a participar de um processo mais complexo, que certamente lhe trará benefícios sobre diversos aspectos organizacionais. Empresas que exportam crescem mais rápido, tornam-se mais produtivas e possuem funcionários que tendem a ganhar mais (CZINKOTA; RONKAINEN, 2008, p. 258). Apesar de todas as vantagens relacionadas à atividade exportadora, há de se considerar diversos riscos a ela ligados. Conforme Minervini (2008), as empresas que exportam devem considerar que há uma série de riscos a serem analisados quando se vende no mercado internacional. É fundamental ter ao menos uma idéia de quais são os riscos e as possíveis precauções para evitá-los. (MINERVINI, 2008, p. 30). Os riscos da atividade exportação são diferentes dos riscos da atividade do comércio local. As negociações internacionais apresentam elementos que as caracterizam e as distinguem de uma negociação interna. (COSTA, 2006, p. 10). Conforme Costa (2006, p. 7) as partes envolvidas numa negociação internacional devem tomar numerosas precauções ao decidir realizar transações no mercado internacional. O primeiro risco que se apresenta para as empresas exportadoras é o risco comercial, que significa a possibilidade de inadimplência do importador. Para tal, é preciso fazer uma detalhada análise cadastral do potencial comprador. Conforme Minervini (2008, p. 192), a organização deve analisar as referências daqueles parceiros que considera mais confiáveis. A ausência de pagamento das vendas externas por parte de importadores pode trazer transtornos mais relevantes para as organizações do que enfrentam em relação à inadimplência de compradores no mercado interno. A ação de cobrança no exterior é mais complexa do que a verificada em seu mercado local. O importador está em outro ambiente econômico,

17 17 jurídico e social. Está geograficamente distante do exportador. Conforme Czinkota e Rokainen (2008, p. 144), as empresas que operam no mercado internacional são afetadas pelo ambiente legal internacional, visto que não existe um código de direito único um código de direito internacional ficando os negócios dessas organizações sujeitas às leis de outros países. Um outro risco relevante para as empresas exportadoras é o Risco-País, decorrente da possibilidade de problemas políticos, econômicos e sociais dos países compradores. Numa moratória cambial, por exemplo, determinado país pode vedar a transferência de divisas, trazendo perdas para os exportadores. Conforme Minervini (2008) o Risco País está associado a eventos inesperados, de ordem econômica, social e política, que podem surgir no país do importador, sem qualquer ingerência de sua parte, impossibilitando a realização de pagamentos. Para reduzir esse risco é preciso que as organizações realizem seleção do mercado e monitoramento constante de sua situação. (MINERVINI, 2008, p. 30) O Risco Legal também é fator de preocupação para as organizações que vendem no mercado internacional. Está associado às diferenças legais presentes nos instrumentos jurídicos de diversos países. Para Minervini (2008) existe a possibilidade de ocorrer conflitos judiciários por questões de diferenças nas legislações de outras nações no que tange a contratos ou a leis de defesa do consumidor. Conforme Costa (2006), nos últimos anos, a evolução das transações econômicas internacionais gerou grandes mudanças no cenário do comércio global. Do ponto de vista jurídico, as empresas precisam estar cada vez mais atentas à complexidade das diversas leis e regulamentos que disciplinam as transações entre os países. Os contratos internacionais de compra e venda apresentam vários fatores que devem ser analisados. Segundo Costa (2006, p. 196): Os contratos internacionais são fruto de uma multiplicidade de fatores, envolvendo métodos e sistemas interdisciplinares, inspirados na economia, na política, no comércio exterior, nas ciências sociais e com muitos frutos colhidos nas relações internacionais (STRENGER, 2003, p. 43).

18 18 Para redução desse risco é importante que as organizações analisem detidamente os instrumentos jurídicos utilizados nas operações internacionais e estudem a legislação dos países de destino de suas vendas. Segundo Minervini (2008) é preciso que as empresas realizem exame minucioso da legislação local (país de destino). Ainda, segundo o autor, é fundamental contar com o apoio de profissionais que detenham conhecimento especializado na legislação do país comprador. 1.1 PROBLEMA DE PESQUISA O risco cambial associado às receitas de exportação se configura num dos mais relevantes entraves a esse negócio internacional, se não for bem administrado pelas organizações. O interesse do pesquisador por esse tema surgiu na observação que fez durante 16 anos de atuação na Área de Câmbio e de Comércio Exterior do Banco do Brasil, em que percebia dificuldades das empresas em lidar com o risco cambial em suas operações internacionais. Conforme Madura (2008, p. 316), as exportações são passíveis de redução de seus valores em função de seu registro em moeda estrangeira. Tal fenômeno se concretiza diante da possibilidade de valorização da moeda do exportador, frente à divisa utilizada na venda externa. Ainda de acordo com Madura (2008), a apreciação da moeda local da empresa irá gerar uma redução no valor de suas receitas de exportação. No caso das empresas exportadoras brasileiras, é necessária uma gestão rigorosa de seu caixa em moeda estrangeira, para preservação dos valores de suas vendas ao mercado externo, tendo em vista que o Brasil convive, desde 1999, com o Regime de Câmbio Flutuante Sujo ou Flexível. Nesse regime cambial a determinação da taxa de câmbio se dá pelo resultado das forças de compra e venda do mercado, influenciado por fatores políticos e econômicos, nacionais e internacionais e pelas intervenções do BACEN. Trata-se, portanto, de um mercado com preços de moedas estrangeiras muito voláteis. Por essa razão o risco cambial

19 19 passou a ser uma questão importante para a gestão financeira das empresas (ARAÚJO, 2005, p. 5). O risco cambial impacta efetivamente as operações de exportação. Conforme Vasconcelos (2006), o comércio realizado entre diferentes nações é feito em diferentes moedas, havendo necessidade de conversões baseadas numa taxa de câmbio, que é o preço de uma moeda em relação à outra. A oscilação dessa taxa pode trazer prejuízos às empresas exportadoras, em função da valorização de sua moeda frente a outras divisas internacionais. Como estabelece a Legislação Cambial Brasileira, consubstanciada por meio do Regulamento do Mercado de Câmbio e de Capitais Internacionais RMCCI, de responsabilidade do BACEN, as vendas externas brasileiras externas devem ser cursadas em moeda estrangeira conversível ou em Reais, neste caso, dependendo de acordo operacional entre o Brasil e o outro país, o que acontece em pouquíssimos casos (Argentina). Diante desse fato, o exportador, em algum momento, deverá trocar vender sua moeda no mercado, ao preço do dia. O preço dessa moeda (taxa de câmbio) apresenta significativo grau de variabilidade, podendo transformar um bom negócio num desastre comercial e financeiro. Em função da valorização cambial verificada no Brasil nos últimos anos, notadamente entre 2002 e 2011, empresas exportadoras tiveram que adotar, e ainda adotam, instrumentos de hedge ou outros mecanismos defensivos para proteger suas receitas de exportação, ou seja, mantém uma permanente preocupação com sua gestão de riscos. A gestão dos riscos de uma organização determina conhecer a que tipo de riscos ela está sujeita e seus respectivos valores envolvidos, para definição de procedimentos para mitigação adequada desses eventos. Nesse contexto, observa-se que a gestão do risco cambial das receitas de exportação das grandes empresas exportadoras brasileiras é de fundamental importância para a sua sobrevivência. A variação da taxa de câmbio, evento que pode afetar negativamente as receitas de exportação das empresas, como explicitado anteriormente, requer detalhado estudo de mercado para instrumentalizar os executivos financeiros das organizações de

20 20 meios para buscar a preservação do valor de seus ativos em moeda estrangeira, decorrente de suas vendas externas. Nesse cenário, define-se como problema de pesquisa: Como as empresas exportadoras brasileiras têm usado os instrumentos de gestão do risco cambial? 1.2 OBJETIVO GERAL O objetivo geral deste estudo consiste em identificar quais são os instrumentos de proteção cambial que têm sido adotados por grandes empresas exportadoras brasileiras, constituídas sob a forma de sociedade anônima. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Especificamente, pretende-se: Explicitar o funcionamento do Mercado de Câmbio Brasileiro, identificando os fatores que contribuem para a formação da taxa de câmbio; Descrever o risco cambial associado às operações de exportação; Identificar e analisar os principais instrumentos de proteção cambial que vem sendo adotados por grandes empresas exportadoras brasileiras, constituídas sob a forma de sociedade anônima. 1.4 JUSTIFICATIVA A partir de 1973, o mundo passa a vivenciar um novo cenário econômico: o de taxas de câmbio flutuantes, em substituição ao regime de câmbio fixo até então vigente, que era baseado em valores fixos das diversas moedas em relação ao ouro (Padrão-Ouro, abandonado pelos Estados Unidos em 1971). A partir de 1973, o

21 21 sistema financeiro internacional convive com taxas de câmbio flutuantes determinadas pelo mercado e sujeitas a intervenções dos bancos centrais e a acordos multilaterais (ROBERTS, 2000, p. 20). Conforme Roberts (2000), a desvalorização da moeda americana nos anos 70 trouxe perdas aos detentores de dólares (exportadores) e aos produtores de commodities, passando, então, esses agentes de mercado, a conviver mais intensamente com o risco cambial. No caso do Brasil, após várias alternâncias na forma de controle de câmbio desde aquela época, é a partir de 1999, que se adota de maneira mais definitiva o Regime de Câmbio Flutuante Sujo ou Flexível (regime de câmbio flutuante que prevê intervenções pontuais do BACEN no mercado, comprando ou vendendo moeda estrangeira, para ajustar a taxa de câmbio aos interesses econômicos do País). A partir de então, mais efetivamente, a interferência governamental na taxa de câmbio se reduz, já que as intervenções passam a ser esporádicas. No regime cambial adotado antes de 1999 (câmbio fixo), essa intervenção era permanente. Agora, no novo regime adotado, essa variável macroeconômica taxa de câmbio passa a oscilar em função das forças de oferta e demanda por moeda estrangeira presentes no mercado, mais intervenções do BACEN, trazendo uma preocupação maior com a proteção cambial por parte das empresas. Desde que o governo brasileiro implementou o regime de câmbio flutuante sujo ou flexível, no início de 1999, o risco cambial passou a ser uma questão importante para a gestão financeira das empresas (ARAÚJO, 2005, p. 5). Relevante, então, se torna a proposta desta pesquisa, pois tem o objetivo de identificar os principais instrumentos de proteção cambial adotados pelas grandes empresas exportadoras brasileiras. A identificação e análise de instrumentos de proteção cambial adotados no mercado brasileiro poderão ser úteis para que outras organizações, que já atuam ou que venham a atuar no comércio internacional, delas se utilizem para reduzir o risco cambial de suas receitas de exportação.

22 22 2 REVISÃO DA LITERATURA Na revisão da literatura, fundamenta-se a estrutura e o funcionamento do Mercado de Câmbio Brasileiro, por meio da abordagem de temas correlatos, com ênfase no risco cambial a que estão sujeitas as organizações (empresas exportadoras) detentoras de ativos em moeda estrangeira, bem como são identificados e analisados os principais instrumentos para proteção cambial que vem sendo utilizados no mercado financeiro. O capítulo foi desenvolvido com base em obras e artigos de estudiosos da área, procurando-se oferecer o melhor entendimento do tema proposto e a edificação de uma metodologia adequada. 2.1 CÂMBIO E MERCADO DE CÂMBIO Câmbio é toda operação em que há troca (compra ou venda) da moeda de um país pela moeda de outro país. Nas operações de câmbio realizadas no Brasil, ocorre a troca da moeda nacional (Reais) por moeda estrangeira (Dólar dos Estados Unidos, Euro, Franco Suíço, Libra Esterlina, Iene, etc.) ou vice-versa (CARVALHO; ASSIS; JOAQUIM, 2007, p. 25). Tal fato ocorre devido à inconversibilidade ou inaceitabilidade de nossa moeda no mercado internacional, pois o Real não é uma moeda conversível. O Real tem curso forçado, ou seja, sua aceitabilidade é obrigatória em todas as transações realizadas dentro do País. Curso forçado de uma moeda é a obrigatoriedade de sua exclusiva utilização e aceitação em determinado território, normalmente, sendo estabelecido pela ordem jurídica interna de cada País (CARVALHO; ASSIS; JOAQUIM, 2007, p. 23). Trata-se, portanto, de uma questão de soberania. Conforme esses autores, não se pode recusar a utilização de Reais para pagamentos e recebimentos de transações internas, entre os residentes e domiciliados no País. Não se pode utilizar outra moeda como reserva de valor, que não seja o Real. (CARVALHO; ASSIS; JOAQUIM, 2007, p. 23).

23 23 O fato de não se aceitar moedas estrangeiras em pagamentos das exportações, nem a moeda nacional em pagamentos das importações, constitui a base de um mercado onde são compradas e vendidas as moedas dos diversos países, mercado este denominado mercado cambial (RATTI, 2005, p. 115). Esse mercado é composto por um conjunto de agentes que compram e vendem moedas estrangeiras durante o horário de mercado bancário brasileiro, aí considerado um intervalo, nos dias úteis, entre 9 e 16 horas. O Mercado de Câmbio Brasileiro é regulamentado pelo BACEN, com base na legislação cambial em vigor no País, atuando como fiscalizador e agente, podendo comprar e vender moedas estrangeiras, com o objetivo de controlar o volume de divisas (reservas internacionais) e controlar a taxa de câmbio. Outros integrantes desse mercado são os bancos comerciais, bancos de investimento, sociedades de crédito, caixas econômicas, corretores de câmbio, agências de viagem, hotéis, exportadores, importadores, investidores, tomadores de empréstimos no mercado internacional, pessoas físicas (pequenos exportadores e pequenos importadores e turistas), etc. 2.2 TAXA DE CÂMBIO Taxa de Câmbio é o preço de uma moeda estrangeira medido em unidades ou frações (centavos) da moeda nacional (Reais). (CARVALHO; JOAQUIM; ASSIS, 2007, p.27) Conforme Carvalho, Assis e Joaquim (2007), a taxa de câmbio reflete, assim, o custo de uma moeda em relação à outra. Garófalo (2005) afirma que taxa de câmbio é o valor pelo qual uma moeda é cotada, ou, em jargão mais moderno, é precificada em relação à outra. Portanto, pode-se dizer que é o preço de uma moeda medido em outra moeda (GARÓFALO, 2005, p. 139). As taxas cambiais são agrupadas em tabelas de cotações, as quais são afixadas nos bancos para conhecimento do público, tabelas essas que contêm dois valores para a moeda estrangeira: um de compra (bid rate) e outro de venda (offer rate). (RATTI, 2001, P. 122). Portanto, há taxa de câmbio de COMPRA e taxa de câmbio de VENDA. A definição se dará sob a ótica da instituição financeira que está

24 24 operando no mercado: quando compra a moeda (de um exportador, por exemplo) usa-se a taxa de câmbio de COMPRA. Quando a instituição financeira está vendendo (a um importador, por exemplo) a taxa de câmbio que se utiliza é a de VENDA. Conforme Ratti (2001) a diferença entre esses dois valores (spread) representa o ganho do banco. 2.3 REGIMES DE CÂMBIO Regime de câmbio é a forma de controle que as autoridades governamentais adotam para regulamentar e controlar o funcionamento de seus respectivos mercados de câmbio. Oliveira e Pacheco (2005) ressaltam que os países, em geral, adotam um dos três tipos mais comuns de regimes de câmbio: câmbio fixo, câmbio flutuante sujo² ou flexível, ou câmbio flutuante. O regime de câmbio fixo é aquele em que a autoridade monetária determina uma taxa de câmbio de interesse da economia e intervém no mercado de câmbio comprando ou vendendo moedas estrangeiras para que essa taxa seja mantida dentro do patamar estabelecido (exemplo, China). Conforme Oliveira e Pacheco (2005) é um regime de câmbio no qual o BACEN intervém constantemente para manter a taxa de câmbio no patamar fixado, requerendo grande quantidade de reservas. O regime de câmbio flutuante sujo ou flexível é aquele no qual a determinação da taxa de câmbio se dá pelo resultado das forças de mercado oferta e demanda intervindo o governo, por meio de seu banco central, no momento em que considerar essa taxa indesejável para os interesses do país, daí o nome de flutuação suja (exemplo, Brasil). Conforme Oliveira e Pacheco (2005) nesse regime o BACEN estabelece uma faixa dentro da qual a taxa de câmbio poderá flutuar. ² Regime de Câmbio Flutuante Sujo ou Flexível se caracteriza pela formação das taxas de câmbio como resultado das forças de oferta e demanda de moeda estrangeira no mercado cambial, porém com interferências da autoridade monetária BACEN comprando ou vendendo moedas estrangeiras para ajustar a taxa de câmbio às necessidades da economia de um país. O termo flutuação suja se dá aos países que deixam a taxa de câmbio flutuar livremente, entretanto, realizando algumas intervenções pontuais no mercado de câmbio, com o objetivo de evitar uma queda ou subida brusca na taxa de câmbio, por meio, respectivamente, de leilões de compra ou de venda de moeda estrangeira. (CARVALHO; ASSIS; MUNIZ, 2007, p. 40).

25 25 O Regime de Câmbio Flutuante, de pouca utilização, é aquele que permite a determinação da taxa de câmbio, sem intervenções governamentais, baseada apenas no resultado das forças de mercado oferta e demanda e é pouco utilizado no mundo. Nesse regime o câmbio é volátil, o que prejudica o planejamento dos agentes, especialmente os que operam com comércio exterior. (OLIVEIRA; PACHECO, 2005, p. 65). Desde 1999, o Brasil adota o regime de câmbio flutuante sujo ou flexível, portanto, com frequentes intervenções do BACEN, que compra e vende moeda estrangeira no mercado para evitar distorções na taxa de câmbio e que poderiam prejudicar as atividades econômicas do país. Conforme Garófalo (2004), na segunda semana de janeiro de 1999, o Governo Brasileiro decidiu alterar sua a política cambial, passando a adotar o Regime de Câmbio Flutuante sujo ou flexível. 2.4 FORMAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO No mercado de câmbio, a moeda estrangeira é uma mercadoria e, como tal, está sujeita às leis de oferta e procura (CARVALHO; ASSIS; JOAQUIM, 2007, p. 31). Quando há muita procura por moeda, ocorre uma pressão sobre o preço, causando elevação da taxa de câmbio. Ao contrário, quando há muita oferta, o preço cai, levando a taxa de câmbio para baixo. A taxa de câmbio de mercado, no regime de câmbio flutuante puro, é sempre resultado das forças de oferta e demanda. Porém, sabemos que no Brasil essa relação pode ser alterada em função de intervenções pontuais da autoridade monetária (BACEN), que entra no mercado comprando ou vendendo divisas, em função de ajustes necessários na taxa de câmbio (regime de câmbio flutuante sujo ou flexível). Fatores econômicos e políticos também podem alterar essa relação. Uma iminente crise cambial de algum país ao redor do mundo ou uma possível renúncia de um importante chefe de estado pode elevar o risco econômico e político globais e fazer com que, por exemplo, a procura por moeda estrangeira em determinado país possa aumentar, desvalorizando a taxa de câmbio local.

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Moedas Estrangeiras

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Livro:Comércio Internacional e Câmbio Autor: Bruno Ratti Apresentação elaborada por: Alexandre F. Almeida

Livro:Comércio Internacional e Câmbio Autor: Bruno Ratti Apresentação elaborada por: Alexandre F. Almeida Livro:Comércio Internacional e Câmbio Autor: Bruno Ratti Apresentação elaborada por: Alexandre F. Almeida A) transações entre bancos e clientes dentro do país; B) transações entre bancos no mesmo país;

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à Importação São Paulo 2012 Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas DERIVATIVOS DE Balcão Termo de Moedas Termo de Moedas Registro de negociação de taxas de câmbio ou de paridade futura O produto O Contrato a Termo de Moedas possibilita a negociação de taxa de câmbio ou

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Administração Financeira Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Taxa de Câmbio - Conceito É o preço de uma unidade de moeda estrangeira denominado em moeda nacional Exemplos: A) Para comprar

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO Jonas Bordim 1 Luiz Antônio Gazola 2 Wagner Augusto Rodrigues 3 Marcos Rogério Rodrigues 4 RESUMO No mercado cambial brasileiro, as empresas que nele participam devem conhecer

Leia mais

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda OPERAÇÕES DE CÂMBIO CÂMBIO Câmbio é toda compra, venda ou troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou papéis que o representem ou vice-versa. No Brasil em decorrência da atual legislação, sempre uma

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Adriana Maria Gödel Stuber e Walter Douglas Stuber Adriana Maria Gödel Stuber é Sócia de Stuber Advogados Associados. Mestra em Direito das Relações Sociais

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA Ainda que o consumo de Soja continue crescendo com força, puxado principalmente pela China, as produções dos EUA e também do Brasil nos últimos dois anos

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de Fundos de Investimento Fundos de Investimento

Banco do Brasil - Cartilha de Fundos de Investimento Fundos de Investimento Fundos de Investimento O que é?...2 Tipos de Fundos...2 Fundos de curto prazo...2 Fundos renda fixa...2 Fundos referenciados DI...2 Fundos multimercado...3 Fundos de ações...3 Fundos da dívida externa...3

Leia mais