A COMPETITIVIDADE DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMPETITIVIDADE DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO"

Transcrição

1 1 A COMPETITIVIDADE DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO Manoel Xavier Pedrosa Filho 1 CPF: Endereço: Rua José Brás Moscow 3034/301 Candeias, Jaboatão dos Guararapes-PE CEP: Luis Andrea Favero 2 CPF: Endereço: Rua do Futuro 1385/302, Recife-PE CEP: Número do grupo de pesquisa sugerido: 3 - Comércio Internacional. Forma de apresentação: Apresentação com presidente da sessão e sem a presença de debatedor Obs: Trabalho baseado em dissertação de mestrado em andamento. 1 Mestrando em Administração e Desenvolvimento Rural, Curso de Pós-Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural PADR-UFRPE. Professor Substituto do curso de graduação em Engenharia Agronômica UFRPE. 2 Doutor em Economia Rural. Professor dos cursos de graduação em Economia Rural e de Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural PADR-UFRPE. Sócio da SOBER.

2 2 A COMPETITIVIDADE DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO RESUMO O presente trabalho tem por objetivo enumerar os diferentes fatores que determinam a competitividade das exportações de flores tropicais no estado de Pernambuco. O setor de flores tropicais vem ganhando importância a cada dia dentro do cenário socioeconômico do estado, tendo em vista vários aspectos positivos apresentados pelo setor como as divisas geradas pelas exportações e também o papel da floricultura tropical como alternativa econômica, sobretudo na zona da mata pernambucana. O estudo de cadeia produtiva foi o método de análise escolhido para a execução deste trabalho. No que se refere à obtenção de informações utilizou-se consulta a documentos e base de dados, literatura especializada, internet, visitas de campo, como também informações de agentes-chave, pesquisadores, produtores e consultores envolvidos no processo de produção, pós-colheita e exportação de flores tropicais no estado de Pernambuco. O mercado mundial de flores vem apresentando crescimento anual de 10% desde a década de 90. Acompanhando esta tendência, Pernambuco é hoje o maior produtor nacional de flores tropicais, possuindo uma área cultivada de aproximadamente 115 ha, onde são produzidas 25 mil hastes semanais. No entanto, diversos gargalos têm dificultado ou, em alguns casos, inviabilizado as exportações Pernambucanas de flores tropicais para os diversos mercados internacionais, impedindo assim que os produtores possam se inserir de maneira competitiva nestes mercados. O setor exportador de flores tropicais de Pernambuco possui diversas características que se constituem em fatores de competitividade para o setor. A ausência de algumas ações, seja a nível governamental seja a nível produtivo, tem impossibilitado uma maior exploração dos potenciais elementos de competitividade existentes na cadeia produtiva principalmente no que se refere ao mercado externo. PALAVRAS-CHAVE: Flores tropicais, Exportação, Competitividade. 1 - INTRODUÇÃO 1.1 PANORAMA DO MERCADO MUNDIAL DE FLORES O mercado mundial de flores vem apresentando crescimento anual de 10% desde a década de 90. Calcula-se que atualmente a área destinada ao cultivo de flores em todo o mundo seja de hectares, movimentando cerca de 49 bilhões de dólares, desde a fase de produção até a entrega final (SEBRAE, 2002). De 2002 para cá, o Brasil obteve 90,8% de aumento no valor da dúzia das flores frescas que exporta. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, o preço médio passou de US$ 0,65 para US$ 1,24 a dúzia. Aposta em produtos nos quais o país é mais competitivo, maior variedade e abertura de novos mercados explicam esse ganho para o mercado. De acordo com o Ibraflor (Instituto

3 3 Brasileiro de Floricultura), gérberas, crisântemos para corte, lisianthus, antúrios e orquídeas são as flores frescas mais exportadas pelo país hoje. São Paulo é o líder em vendas externas de flores frescas, concentrando 76 % da receita e 68% da quantidade exportada pelo Brasil em 2004 (Quadro 1). Quadro 1 - Exportações de flores frescas em Valores em US$ FOB e quantidade em dúzia. US$ FOB % Quantidade % (dúzia) Brasil São Paulo Fonte: ALICEWEB Ainda com relação ao estado de São Paulo, é fundamental ressaltar a importância do Veiling Holambra que hoje constitui-se o principal centro de comercialização de flores e plantas ornamentais do Brasil, sendo também um importante centro consolidador de remessas de flores para exportação. Este centro é responsável por cerca de 40% do mercado nacional de flores e plantas ornamentais. O Veiling Holambra concentra a produção de cerca 279 empresas fornecedoras da macro região de Holambra e outras regiões produtoras do país, inclusive da Região Nordeste. Com a evolução da qualidade dos produtos que já conquistaram o mercado nacional de flores e plantas ornamentais e com a estabilidade econômica e cambial do país, o Veiling também está conquistando seu espaço no competitivo mercado externo. Apesar de atuar com exportações de flores há apenas alguns anos, hoje já existe um fluxo constante de produtos durante todo o ano para vários países, como os Estados Unidos, Holanda, Portugal, Canadá, Inglaterra, Uruguai, Emirados Árabes Unidos e Argentina. As flores brasileiras têm sido bem recebidas no exterior devido à sua qualidade, aos preços competitivos e aos serviços financeiros, administrativos e logísticos oferecidos pelo Veiling Holambra. As principais variedades exportadas são lírio, rosa, gérbera, lisianthus, antúrio, tropicais, cartamus, girassol, folhagens, orquídea, solidago, celosia e buquês, entre outras, totalizando 30 produtos (www.veiling.com.br). Neste contexto, o setor de floricultura no Brasil vem se expandindo e se destacando como uma nova alternativa de geração de emprego e renda no agronegócio nacional. O Brasil por possuir características como,clima e solo apropriados à produção de flores temperadas e tropicais, vem aumentando sua área cultivada estimada, atualmente, em hectares e movimentando em torno de 2 bilhões de dólares. Destaca-se que das 200 espécies de flores mais cultivadas no Brasil, cerca de 166 são consideradas tropicais (JUNIOR, 2003). As flores tradicionais, de clima temperado, sempre foram às espécies que se colocaram no mercado. Em tempos mais recentes, descobriu-se que as flores tropicais, além de apresentarem uma beleza e profusão de cores bem especiais, somavam outras vantagens como a menor perecibilidade e resistência no transporte a maiores distâncias. O produto tem uma destinação bem específica: a ornamentação, que vai desde eventos festivos, datas comemorativas (Tabela 1) até cerimônias fúnebres. Com a expansão do turismo e a realização de eventos de toda sorte, a ornamentação de ambientes com flores naturais tem tido uma demanda crescente.

4 4 Tabela 1 - Principais comemorações mundiais de importância para o comércio de flores. Comemoração País Data Dia do trabalho Estados Unidos Setembro, 06 Ano novo Judeu Estados Unidos Setembro, 11 Semana da flor Estados Unidos Setembro, 19 a 25 Sweestest Day Estados Unidos Outubro, 16 Dia de ação de graças Estados Unidos Novembro, 25 Hanukkah Estados Unidos Dezembro, 04 Dia de Natal Estados Unidos Dezembro, 25 Dia de San Patrício Estados Unidos Março, 17 Primeiro dia da Páscoa Estados Unidos Abril, 20 Judeu Dia da Páscoa Estados Unidos Abril, 23 Dia da memória Estados Unidos Maio, 29 Dia de ação de graças Canadá Outubro, 11 Ohigan (inicio do outono) Japão Setembro, 23 Dia do Professor Rússia Outubro, 03 Dia de todos os Santos Espanha, França, Itália Novembro, 01 Dia da Memória França, Itália, Holanda Novembro, 02 Ano Novo Japão, Rússia Janeiro, 01 Dia de San Valentin Estados Unidos, e Países Europeus Fevereiro, 14 Dia internacional da mulher Vários países Março, 08 Ohigan (inicio da primavera) Japão Março, 18 a 24 Dia das Mães Inglaterra Abril, 02 Dia das Mães Espanha, Luxemburgo Maio, 07 Dia das Mães Japão, China, Alemanha, Itália, Maio, 14 Holanda, Estados Unidos Dia das Mães França Maio, 28 Dia do trabalho Alemanha, França, Espanha Maio, 14 Dia da Vitória Rússia, França Maio, 09 Último dia de aula Rússia Maio, 25 Festa dos Colégios Rússia Junho, 23 Shinbon (Festa dos Mortos) Japão Junho, 13 a 16 Dia da Independência França Julho, 14 Kyubon (Festa dos Mortos) Japão Agosto, 13 a 16 Fonte: Adaptado de LAMAS (2002). 2 REFERENCIAL TEÓRICO ESTUDO DE CADEIAS PRODUTIVAS E COMPETITIVIDADE A complexidade gerada pela globalização dos mercados e a importância de se observar os diversos elos de uma cadeia de valor, justifica o emprego de métodos de análise sistêmicos que abranjam, de maneira integrada, todos os atores e elos da cadeia produtiva.

5 5 Já em 1957 John Davis e Ray Goldberg, enunciaram o conceito de agribusiness como sendo a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, processamento e distribuição dos produtos agrícolas e itens produzidos a partir deles. Segundo esses autores, a agricultura já não poderia ser abordada de maneira indissociada dos outros agentes responsáveis por todas as atividades que garantiriam a produção, transformação, distribuição e consumo de alimentos. Passou-se a considerar as atividades agrícolas como fazendo parte de uma extensa rede de agentes econômicos que iam desde a produção de insumos, transformação industrial até armazenagem e distribuição de produtos agrícolas e derivados (BATALHA, 1997). A análise de Filières ou análise de cadeias de produção possui diversas definições, e entre elas vale destacar a de Morvan, que procurando sintetizar e sistematizar estas idéias, enumerou três séries de elementos que estariam implicitamente ligados a uma visão em termos de cadeia de produção: 1 - A cadeia de produção é uma sucessão de operações de transformação dissociáveis, capazes de ser separadas e ligadas entre si por um encadeamento técnico; 2 - A cadeia de produção é também um conjunto de relações comerciais e financeiras que estabelecem, entre todos os estados de transformação, um fluxo de troca, situado de montante a jusante, entre fornecedores e clientes; 3 - A cadeia de produção é um conjunto de ações econômicas que presidem a valoração dos meios de produção e asseguram a articulação das operações (BATALHA, 1997). Ainda segundo Batalha, os três macrossegmentos que, de jusante a montante, podem constituir uma cadeia produtiva são a comercialização, a industrialização e a produção de matérias-primas. Dentro deste contexto, a análise de cadeias de produção mostra-se uma importante ferramenta metodológica para o estudo da competitividade dos agentes produtivos. Do ponto de vista das teorias de concorrência, a competitividade pode ser definida como a capacidade sustentável de sobreviver e, de preferência, crescer nos mercados correntes ou em novos mercados. Decorre desta definição que a competitividade é uma medida de desempenho das firmas individuais, o qual, no entanto, depende de relações sistêmicas, já que as estratégias empresariais podem ser obstadas por gargalos de coordenação vertical ou de logística (ZYLBERSZTAJN, 2001). Michael Porter (1989) identificou como um dos elementos-chave das vantagens competitivas a presença de fornecedores e distribuidores internacionalmente competitivos, explicitando as relações verticais de dependência que são subliminares ao desempenho positivo das firmas. As estratégias e a competitividade dependem, em primeiro lugar, do ambiente institucional. Aí estão os sistemas legais de solução de disputas, as políticas macroeconômicas (principalmente a monetária, a fiscal e a cambial), as política tarifaria e comercial, e as políticas setoriais adotadas pelo governo, assim como por governos de outros Países (parceiros comerciais e concorrentes). Nesse sentido, destacam-se a crescente importância das barreiras não-tarifárias e dos controles fitossanitárias, os instrumentos de retaliação comercial e, em um contexto mais amplo, a formação de blocos econômicos e a atuação das empresas transnacionais. Os

6 6 ambientes organizacional (organizações que dão apoio aos negócios privados) e tecnológico completam as variáveis determinantes da competitividade individual e sistêmica (ZYLBERSZTAJN, 2001). 3 METODOLOGIA A caracterização e análise dos elementos que compõe a cadeia exportadora de flores tropicais do estado de Pernambuco, e de seu ambiente geral, supõe a existência de um variado conjunto de fatores que afetam, de maneira positiva ou negativa, o desempenho competitivo do setor. Assim, buscou-se, no presente trabalho, identificar esses elementos à luz do referencial teórico-conceitual que baseia o presente estudo, de maneira a obter uma visão ampla da competitividade do setor em questão. No que se refere à obtenção de informações foram utilizados os seguintes procedimentos: Consulta a documentos, base de dados, literatura especializada, Internet e participação em eventos relacionados ao tema; Visitas de campo, contato com produtores e exportadores Contatos com agentes-chave: pesquisadores, técnicos e consultores envolvidos no processo de produção e exportação de flores tropicais. 4 - AS EXPORTAÇÕES DE FLORES TROPICAIS NO BRASIL A participação brasileira no mercado mundial de flores ainda é bastante discreta. Segundo dados da secretaria de comércio exterior, esta participação é de apenas 0,2%. Apesar disso, o momento é bastante oportuno para mudanças, pois existem três elementos que representam grandes chances para o crescimento das exportações das flores brasileiras. São eles: a expansão do plantio de flores para a Região Nordeste, a desvalorização cambial e o incentivo do governo através do projeto Florabrasilis. A produção nacional de flores tropicais é quase na sua totalidade, absorvida pelo mercado interno, o mesmo não ocorrendo em outros países como Costa Rica e Equador onde a produção é voltada para exportação. A exportação de flores tropicais para os mercados europeu e norte-americano gera oportunidades de negócios ainda pouco exploradas (LAMAS, 2002). Enquanto no mercado interno as flores tropicais ainda são pouco valorizadas, no exterior, ocorre o contrário. Dependendo da flor, o preço de R$ 1,50 por unidade para o atacado no mercado local pode alcançar o valor de US$ 10, o equivalente a R$ 36,00 no exterior. (ICEPA, 2004). No entanto, atualmente o Brasil vêm iniciando a exportação de volumes representativos de flores tropicais para diferentes mercados, sendo tal fenômeno verificado em vários estados do nordeste, sobretudo em Pernambuco e Alagoas, onde vários fatores, entre eles a crescente saturação do mercado interno e a possibilidade de melhores ganhos no mercado externo tem levado a criação de associações, cooperativas e grupos com o objetivo principal de exportar seus produtos. Porém, verifica-se a presença de gargalos que vêm não só prejudicando a competitividade dos exportadores de flores tropicais, como também dificultando a entrada de novos produtores na atividade exportadora.

7 7 Neste contexto, este artigo busca avaliar o nível de competitividade da cadeia de flores tropicais, e conseqüentemente apontar os principais gargalos e vantagens competitivas que influem no desempenho das exportações. 4.1 AS EXPORTAÇÕES DE FLORES TROPICAIS EM PERNAMBUCO Atualmente Pernambuco é o maior produtor nacional de flores tropicais e o sexto de flores temperadas do país, reúne cerca de 197 produtores que se articulam em diversas associações, gerando em média, 800 empregos diretos num setor que, nos seus primeiros passos, já movimenta R$ 36 milhões por ano ( SEBRAE, 2002). O estado possui uma área cultivada de flores tropicais de aproximadamente 115 ha, onde são produzidas 25 mil hastes semanais, sendo 5 mil consumidas em Pernambuco. Cerca de 90% das flores tropicais produzidas no estado abasteça o mercado nacional e o restante destina-se aos compradores internacionais, principalmente para o mercado europeu com destaque para Portugal, Inglaterra e Holanda (ANDRADE, 2003). Na área total são cultivadas com cerca de 50 variedades de flores tropicais entre Heliconias, Alpinias, Bastão do imperador, Zingiber, Tapeinóchilos, Antúrios, Orquídeas, etc. e também folhagens tropicais como palmeiras, dracenas, filodendros, papiros, entre outras (AKI, 2002). Se por um lado existe uma grande produção que vem crescendo anualmente já causando inclusive certa saturação no mercado interno, por outro há um amplo mercado externo que oferece amplas oportunidades,em particular para as chamadas flores exóticas, representado principalmente pelos países Europeus. O consumo médio per capita de flores no Brasil é de US$ 7, enquanto na Alemanha chega a US$ 200. (ICEPA, 2004). No entanto, diversos gargalos têm dificultado ou, em alguns casos, inviabilizado as exportações Pernambucanas de flores tropicais para os diversos mercados internacionais, impedindo assim que os produtores possam ingressar de maneira competitiva nestes mercados. É importante ressaltar que os dados referentes às exportações totais de flores frescas do estado de Pernambuco se referem exclusivamente as flores tropicais, haja vista que toda a produção de flores temperadas do estado é vendida no mercado interno. Entre os anos de 2002 e 2004 as exportações pernambucanas de flores tropicais cresceram 450 e 2027% em valor US$ FOB e quantidade (dúzia) respectivamente (Quadro 2). Quadro 2 - Exportações Pernambucanas de flores tropicais em 2002, 2003 e Valores em US$ FOB e quantidade em dúzia. US$ FOB Quantidade (dúzia) Fonte: ALICEWEB

8 8 A Europa é o principal destino dessas exportações representando 99,98 % da receita total exportada em A Itália foi o maior importador de flores tropicais pernambucanas, absorvendo 69,72% da receita das exportações de 2004, seguido de Portugal e Reino Unido (Quadro 3). O Estados Unidos é um mercado ainda pouco explorado pelos exportadores pernambucanos tendo participado com apenas 0,25% da receita das exportações em Este fato aponta para o grande potencial de mercado para as flores tropicais de Pernambuco que ainda está por ser explorado, tendo em vista que os Estados Unidos constituem-se um grande importador e consumidor de flores e plantas ornamentais. Quadro 3 - Exportações Pernambucanas de flores tropicais por país de destino em Valores em US$ FOB. US$ FOB % Itália ,72 Portugal ,09 Reino Unido ,01 Alemanha ,05 França 545 0,83 Estados 164 0,25 Unidos Paises Baixos 12 0,02 TOTAL Fonte: ALICEWEB No entanto, apesar do crescimento no volume exportado, Pernambuco apresenta um volume pouco expressivo diante das exportações brasileiras. Em 2004 o estado representou apenas 1,33 e 0,21% do total de flores frescas exportado pelo Brasil em receita e quantidade respectivamente (Quadro 4). Quadro 4 - Exportações de flores frescas em Valores em US$ FOB e quantidade em dúzia. US$ FOB % Quantidade % (dúzia) Brasil Pernambuco , ,21 Fonte: ALICEWEB 5 CARACTERIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO 5.1 -ÂMBITO GOVERNAMENTAL: No âmbito governamental diversas ações têm sido executadas no sentido de dar mais competitividade ao setor no que se refere às exportações.

9 9 Neste contexto merecem destaque as ações desenvolvidas pelo SEBRAE, como a realização de feiras e eventos, o diagnostico da floricultura em Pernambuco, viabilização da ida de produtores em missões e feiras internacionais. O APEX (Agência de Promoção das exportações do Brasil) e o IBRAFLOR (Instituto Brasileiro de Floricultura) também têm exercido um trabalho junto ao setor de flores tropicais do estado de Pernambuco através do programa Florabrasilis, onde as atividades abordam as fases de definição do plano estratégico para exportação, levantamento e manutenção da base de dados, suporte promocional e mercadológico, promoção e marketing. No que diz respeito a ações por parte do governo estadual nota-se uma insatisfação por parte dos produtores que, segundo JUNIOR (2003), alegam que há uma ausência por parte do governo do estado no que se refere a ações para alavancar o setor. Tal fato é evidenciado quando se observa outros estados como por exemplo o Ceará e Alagoas, onde uma maior intervenção por parte do estado na cadeia produtiva de flores tropicais propiciou um significativo avanço, e hoje esses estados já são grandes exportadores de flores tropicais. É importante ressaltar ainda os papeis da Universidade Federal Rural de Pernambuco e da Delegacia Federal do Ministério da Agricultura, que junto ao setor, tem dado apoio nas áreas de pesquisa e produção de flores tropicais no estado de Pernambuco LOGÍSTICA: Na cadeia de flores tropicais, é impossível pensar em estoques, pois se trata de um produto extremamente frágil e de vida pós-colheita muito curta. Devido a alta perecibilidade das flores, é necessário utilizar o modal aéreo para o transporte do produto para os países importadores tendo em vista a maior rapidez deste sistema de transporte quando comparado com o transporte marítimo. Em Pernambuco as exportações tem sido efetuadas principalmente através do Aeroporto Internacional dos Guararapes em Recife. Tal aeroporto apesar de não possuir estrutura de refrigeração para as flores, apresenta como vantagem o fato de estar localizado próximo às áreas de produção e facilidade de acesso aos principais mercados importadores, principalmente a Europa, estando a aproximadamente 7:30 h de vôo dos principais aeroportos de entrada da Europa, e possuindo uma alta freqüência semanal de vôos para este continente. Neste contexto a localização geográfica de Pernambuco e o grande número de vôos comerciais vindos da Europa para o estado, são fatores fundamentais para a consolidação da vantagem competitiva da estrutura aeroportuária Pernambucana. Porém, em alguns casos os fluxos são truncados, dificultando a logística; muitas flores saem do estado, vão para São Paulo e, depois, seguem o destino para os EUA e Europa. A inabilidade, por vezes, de quem manuseia o produto, deprecia-o, causando a insatisfação do consumidor final. O presidente da Florexport (Associação dos exportadores de flores de Petrolina), Armando Malul, afirma que as exportações de flores produzidas em Petrolina serão facilitadas pelo know-how logístico desenvolvido nas operações de envio de uvas e mangas para a Europa e poderão ter como ponto de partida os aeroportos do Recife, Salvador e Fortaleza. Também encontra-se em estudos a possibilidade de formação de um pool de exportação com os produtores de flores temperadas de Holambra, em São Paulo, o que pode abrir novos horizontes para a produção de flores tropicais no semi-árido.

10 10 (CAVALCANTI,2004). Tabela 2 - Principais características da logística de exportação de flores de corte. (SÁ, 2002). Papel da consolidadora de cargas: Importante elo de ligação entre as exportadoras e as companhias aéreas. Transporte: Importância das condições e procedimentos de transporte para manutenção da qualidade das flores. Pagamento do frete: Estabelecido através de acordos entre as exportadoras e seus clientes. Seguro da carga: Divergências entre os diversos atores da cadeia na responsabilidade sobre a carga. Tecnologia de informação: Baixo índice de utilização de ferramentas de tecnologia da informação. Levando-se em consideração o fato de que a maior parte da área de produção de flores tropicais do estado está concentrada na zona da mata e região metropolitana do Recife, verifica-se um aspecto positivo que é a proximidade dessas áreas com o aeroporto Internacional do Recife/Guararapes, o que proporciona um baixo custo e um menor tempo de transporte rodoviário até o referido aeroporto ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES: Segundo JUNIOR (2003), atualmente o estado de Pernambuco possui cinco associações e uma cooperativa de produtores de flores tropicais, sendo elas: o AFLORA Associação dos produtores de flores e folhagens tropicais do Alecrim. o AMA Associação dos produtores de flores e plantas tropicais da mata atlântica de Pernambuco. o CABO FLORA Associação dos produtores de flores e plantas tropicais do Cabo de Santo Agostinho. o FLOREXPORT Associação dos exportadores de flores de Petrolina. o RECIFLORA Associação dos produtores de flores tropicais de Pernambuco. o FLORESPE Cooperativa dos produtores de flores e plantas tropicais de Pernambuco. Vale ressaltar ainda a criação, por parte da então secretaria de agricultura do estado de Pernambuco, no ano de 1998 do Comitê Pernambucano de Floricultura e Plantas Ornamentais, reunindo importantes agentes da cadeia produtiva da floricultura no estado, visando otimizar o setor. Em seguida, a federação da agricultura do estado de Pernambuco (FAEPE) ao identificar a potencialidade de crescimento do setor e a sua importância econômica e social instituiu a Comissão Pernambucana de Floricultura que congrega, apenas, produtores de flores tropicais e temperadas. (JUNIOR, 2003).

11 ALGUNS ITENS DOS CUSTOS DE EXPORTAÇÃO: A determinação do preço de exportação das flores é influenciada por duas forças que atuam em direções opostas. Por um lado, o custo de produção e a meta de lucro máximo tendem a elevar o preço; por outro, as pressões competitivas no mercado internacional induzem à redução no preço. Além dos custos de produção (Ver tabela 7) outros itens compõe os custos de exportação de flores tropicais, sendo os principais: o Despachante; o Taxas de armazenamento; o Taxa de emissão de certificado fitossanitário; o Custos administrativos (ligações telefônicas internacionais, pessoal, etc.); o Transporte rodoviário até o aeroporto o Transporte aéreo (incluindo seguro) o Comissão de agente no exterior, etc. É importante ressaltar a relevância do custo de transporte aéreo dentro da composição final do preço de exportação das flores tropicais produzidas no estado, tendo em vista o alto custo do modal aéreo em comparação com o marítimo. No caso de flores o frete aéreo chega a representar até 50% do custo de exportação. Outro ponto importante diz respeito ao custo de produção das flores tropicais, que no caso de Pernambuco apresenta-se como um elemento favorável a competitividade do setor, tendo em vista vários fatores como: condições favoráveis de clima e solo, boa disponibilidade de mão-de-obra, custo da terra relativamente baixo, entre outros aspectos que contribuem na formação de um menor custo de produção se comparado com outras regiões do Brasil e do mundo. Tabela 3 - Custos anuais de produção de 1 hectare de flores tropicais após o 4º ano de produção (ano de estabilização da produção) ESPECIFICAÇÃO R$ % FIXAS , Colheita e transporte interno 5.257,00 25,62 Pós-colheita 4.207,00 20,50 Pró-labore 3.600,00 17,54 Tratos culturais 3.150,00 15,35 Manutenção de veiculo 1.200,00 5,85 Diversas 977,20 4,76 Telefone 960,00 4,58 Contador 600,00 2,92 Energia elétrica 360,00 1,75 Tratos fitossanitários 210,00 1,02 VARIAVEIS , Material de embalagem 9.382,00 81,64 Insumos 2.110,00 18,36 TOTAL ,70 - Fonte: Adaptado de LAMAS (2002). Obs: Produtividade estimada de hastes/hectare/ano

12 PRINCIPAIS FLORES EXPORTADAS: Dentre as principais espécies de flores tropicais exportadas pelos produtores Pernambucanos pode-se destacar: o Helicônias - Pequenas, Médias, Grandes, e Pendentes; o Gingers Alpinias, Bastões do Imperador, e Zingiber; o Costus Tapeinóchilos, Costus speciosus, French Kiss, e Barbatus; o Outros Talos de Costus stenophillus, Talos de Bambu Roxo, Talos de Tapeinochilos, Ananás, Urucum, Solanum mamosum, Gogoia, Antúrios, Musa Coccínea, e Musa Ornata. Além das flores, também merecem destaque os diversos tipos de folhagens exportados. 5.6 PRINCIPAIS MUNICÍPIOS PRODUTORES EM PERNAMBUCO: Tabela 4 Principais municípios Pernambucanos produtores de flores tropicais. MUNICIPIOS MESOREGIÃO Água preta Zona-da-mata Barra de Guabiraba Zona-da-mata Camaragibe Região Metropolitana do Recife Gravatá Agreste Igarassu Região Metropolitana do Recife Jaboatão dos Guararapes Região Metropolitana do Recife Moreno Região Metropolitana do Recife Paudalho Zona-da-mata Paulista Região Metropolitana do Recife Petrolina Sertão do São Francisco Primavera Zona-da-mata Ribeirão Zona-da-mata Fonte: SEBRAE, Tendo iniciado sua exploração na região metropolitana do Recife, e posteriormente ter se expandido para a zona da mata do estado, onde hoje se concentra grande parte da produção de Pernambuco, os plantios de flores tropicais começam a crescer na região do vale do são Francisco. Tradicionalmente voltado à produção de frutas, o Vale do São Francisco se rende ao potencial econômico da floricultura tropical e já articula as primeiras exportações para a Europa. Através do aproveitamento do sistema logístico aplicado à fruticultura, os produtores de flores de Petrolina, a 774 quilômetros do Recife, pretendem manter remessas aéreas regulares para a Europa. As expectativas são de que, a princípio, sejam exportadas semanalmente cerca de 2 mil hastes no valor aproximado de R$ 140 mil por remessa exportada. (CAVALCANTI, 2004).

13 PERFIL DOS PRODUTORES PERNAMBUCANOS DE FLORES TROPICAIS: Tabela 5 - FORMAÇÃO ESCOLAR: FORMAÇÃO ESCOLAR (%) Freqüentaram o 2º grau 28,00 Possuem nível superior 72,00 Total 100,00 Fonte: SEBRAE, Tabela 6 - PRINCIPAL OCUPAÇÃO DOS PRODUTORES: OCUPAÇÃO ATUAL (%) Produtor de flores e folhagens 68,00 Empresários 20,00 Aposentados 20,00 Profissionais liberais 16,00 Funcionários públicos ou privados 12,00 Outros 4,00 Fonte: SEBRAE, * Admitiu-se mais de uma resposta. Tabela 7 - RENDIMENTO COM A FLORICULTURA: RENDIMENTO POR PRODUTOR (%) Até R$ 1.000,00 52,00 De R$ 1.000,00 a R$ 4.000,00 28,00 De R$ 4.000,00 a R$ 8.000,00 12,00 De R$ 8.000,00 a R$ ,00 4,00 Acima de R$ ,00 4,00 Total 100,00 Fonte: SEBRAE, 2002 Tabela 8 - USO DE MÃO-DE-OBRA FAMILIAR USO DE MÃO-DE-OBRA FAMILIAR (%) Sim 92,00 Não 8,00 Total 100,00 Fonte: SEBRAE, 2002 Tabela 9 - USO DE CONSULTOR TÉCNICO USO DE CONSULTOR TÉCNICO (%) Sim 48,00 Não 52,00 Total 100,00 Fonte: SEBRAE, 2002 O perfil dos produtores pernambucanos de flores tropicais aponta para fatores que proporcionam grande diferencial ao setor em detrimento a outros ramos do agronegócio do estado.

14 14 Uma das principais aspectos positivos é a qualificação dos empreendedores desse negócio, pois como se vê acima, 28% completaram o 2º Grau e 78% têm formação superior completa. Ademais, predominam, entre eles, profissionais das áreas de ciências agrárias ou em gestão propriamente, através dos que detêm graduação em Administração de Empresas. Outro aspecto relevante é o uso de consultoria técnica, que no setor chega a estar presente em quase metade dos produtores. 5.8 MECANISMOS DE EXPORTAÇÃO UTILIZADOS Os produtores pernambucanos de flores tropicais têm se válido de diversas estratégias para viabilizar a colocação das flores produzidas no mercado externo. Os agrofloricultores pernambucanos de flores tropicais caracterizam-se por possuir pequenas áreas de cultivo, resultando em produções que não suficientes para garantir o atendimento do mercado externo de maneira individual, seja pelo baixo volume seja pela impossibilidade de manter um fornecimento regular de flores para estes mercados. Sendo assim, tem se buscado realizar as exportações através de ações conjuntas entre diversos produtores, a fim de se viabilizar volume e regularidade para as exportações. Neste contexto os produtores estão optando realizar suas exportações através de: consórcios de exportação, cooperativas, associações e parcerias (a fim consolidar cargas em outros estados com produtos afins). Dentro deste contexto, merece destaque o crescimento das exportações pernambucanas de flores tropicais através dos consórcios de exportação. Nesta modalidade de exportação cada empresa mantém sua individualidade no mercado interno e todas reúnem esforços de produção e comercialização para o mercado externo (ou, inclusive, somente para alguns mercados) (BRASIL, 2003). Atualmente, os consórcios de exportação de flores tropicais em Pernambuco tem operado de maneira informal, consistindo basicamente em um pequeno grupo de produtores (em média de 4 a 5), que se aglutinam para consolidar cargas, dividir os custos de exportação, e conseqüentemente ratear proporcionalmente o resultado das vendas. No entanto, vale ressaltar que alguns produtores vem investindo, por meio de consultorias especializadas, no aprimoramento e capacitação gerencial dos referidos consórcios. Verifica-se também a existência de algumas empresas de exportação que consolidam suas cargas junto a diversos produtores. Nessa modalidade o produtor em geral obtém um menor preço nas flores, mas por outro lado se livra do risco de inadimplência e das demais dificuldades do processo de exportação. No que diz respeito ao uso de tecnologia de informação verifica-se que tal tecnologia, ainda não vem sendo utilizada pelos exportadores, sobretudo na comercialização, onde a maioria dos negócios são realizados via telefone, fax ou , não utilizando, portanto, sistemas mais sofisticados como softwares ou um sistema de informação gerencial sobre as exportações.

15 15 6 ASPECTOS LIMITANTES DA COMPETITIVIDADE DA CADEIA EXPORTADORA DE FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO Apesar de Pernambuco possuir inúmeras características que fazem do estado o maior produtor de flores tropicais do País, observa-se também diversos gargalos que comprometem a competitividade das exportações de flores tropicais junto aos demais concorrentes internacionais. Dentre os fatores que têm prejudicado um aumento na competitividade das exportações de flores tropicais produzidas em Pernambuco, alguns merecem destaque: Fatores internos da cadeia: o Falta de escala de produção para atender a demanda do mercado externo o Falhas na organização dos produtores e exportadores o Problemas na padronização das flores o Informalidade presente entre grande parte das empresas produtoras de flores Fatores externos da cadeia: o Altos custos de exportação o Pouca pesquisa e informação sobre a cadeia de flores tropicais o Falta de informações de mercado / Risco de inadimplência devido a falta de referências comerciais dos importadores Assim, tais fatores, isolados ou de forma conjunta, tem dificultado o posicionamento de Pernambuco como grande exportador de flores tropicais, e com isto impossibilitando que o estado se insira de maneira competitiva no concorrido e exigente mercado internacional. 7 CONCLUSÕES A análise dos dados leva a crer que o setor exportador de flores tropicais de Pernambuco possui diversas características como estrutura aeroportuária, pools de exportação, grande número de produtores, tradição no cultivo, posição geográfica favorável, nível de escolaridade dos produtores, entre outros, que se constituem em fatores de competitividade ao setor. Porém, diversos problemas têm impossibilitado uma maior exploração dos fatores positivos existentes na cadeia, limitando a sua competitividade. Neste contexto, o presente trabalho constitui um estudo ainda aberto onde as conclusões aqui apresentadas não representam uma visão definitiva.assim, buscando aprimorar a atuação dos atores que participam da cadeia exportadora de flores tropicais de Pernambuco, serão indicadas algumas ações, que podem otimizar os fatores de competitividade do setor: o Uniformização do padrão da qualidade das flores; o Maior participação do governo do estado nas ações de exportação; o Organização de um sistema de informação de mercado e de capacitação gerencial tendo, como suporte, base de dados sobre a cadeia exportadora, para viabilizar tomadas de decisão mais rápidas e conseqüentes; o Estimulo e aperfeiçoamento das ações de aglutinação dos pequenos e médios exportadores em Pools a fim de proporcionar ganhos de escala minimizando custos de transporte e viabilizando a regularidade nas exportações.

16 16 o Estabelecimento de um processo de comunicação, junto aos mercados importadores, após a chegada dos produtos a fim de se certificar da chegada dos mesmos e da finalização do processo comercial, logístico e administrativo. O aprimoramento da cultura associativa e a implantação de um amplo e consistente programa de pesquisas também são aspectos que merecem destaque a fim de se elevar a competitividade do setor, e conseqüentemente colocar Pernambuco numa posição de destaque entre os maiores estados exportadores de flores do País. Por outro lado, verifica-se atualmente a execução de ações importantes, seja a nível governamental seja ao nível dos produtores e suas organizações, no sentido de eliminar os diversos gargalos e também aproximar os produtores do mercado externo. É importante ressaltar que a competitividade neste setor está necessariamente ligada a uma eficiente e sinérgica organização de todos os elementos da cadeia, pois do contrário corre-se o risco de comprometer o sucesso de todo o processo de exportação devido a um ou outro elemento isolado. Portanto, fica evidente o fato de que o setor possui diversos elementos que juntos conferem um bom nível de competitividade as exportações de flores tropicais, porém, no entanto, é necessária a implementação de diversas ações a fim de se potencializar ao máximo tais fatores competitivos. Resumidamente, espera-se com este trabalho contribuir para estabelecer uma visão global da competitividade do agronegócio de flores tropicais do estado de Pernambuco e oferecer outras linhas de pesquisa sobre o tema, tendo em vista a complexidade do mesmo. 8 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, I. SEBRAE e FAEPE divulgam flores pernambucanas. Jornal do comercio. Recife, 12 Out Caderno economia, p. 9. AKI, A. (org.). Bússola da comercialização para produtores de ornamentais. São Paulo: Heliza editora, ALICEWEB. Disponível em <http:// aliceweb.mdic.gov.br>. Acesso em: 21 março BATALHA, Mário O. (org.) Gestão agroindustrial. 2 ed. São Paulo: Atlas, BRASIL, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Treinamento em Comércio Exterior. SENAI-DF: Brasília, CAVALCANTI, R. São Francisco vai exportar flores. Diário de Pernambuco. Recife, 22 ago., Caderno Economia, p. 7. CASTRO, Carlos Eduardo F. Helicônia para exportação: aspectos técnicos da produção. MAARA SDR FRUPEX (publicações técnicas).

17 17 ICEPA. Cooperativa supera falta de escala no embarque de flores. Disponível em: <http:// Acesso em: 17 ago Flores tropicais brasileiras conquistam mercado português. Disponível em: <http:// Acesso em: 17 ago INFORMATIVO SECEX. Panorama setorial: flores e plantas ornamentais. Brasília: Secretaria de comércio exterior Secex Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio exterior, ano V, n. 31, mar JUNIOR, Reginaldo J. C.; FILHO, Waldeck L. Produção de flores tropicais em Pernambuco: uma nova alternativa de diversificação após a crise da agroindústria canavieira. Recife:2003. LAMAS, Alonso M. Floricultura Tropical: técnicas de cultivo. Recife: SEBRAE/PE, PORTER, Michael E. Vantagem Competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, Estratégia Competitiva. 16 ed. Rio de Janeiro: Campus, RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, SÁ, C.D.; Logística e Transporte Aéreo na Cadeia de Flores de Corte: Um Estudo de Caso Holandês. São Paulo: Universidade de São Paulo / Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, SAITO, T. Logística de Flores. Trabalho apresentado no Florinvest SEBRAE-PE. Floricultura em Pernambuco. Recife, (Série Agronegócio).. Projeto Setorial Integrado de Promoção das Exportações de Flores e Folhagens de Corte de Pernambuco PSI. Recife, VEILING HOLAMBRA. Disponível em <http:// aliceweb.mdic.gov.br>. Acesso em: 22 março ZYLBERSZTAJN, D. NEVES, M. F. Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares. São Paulo: Pioneira / Pensa - USP, 2001.

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

CANAIS DE EXPORTAÇÃO PARA AS FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO:ANÁLISE DA INSERÇÃO NO MERCADO EUROPEU MANOEL XAVIER PEDROSA FILHO; LUIS ANDREA FAVERO;

CANAIS DE EXPORTAÇÃO PARA AS FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO:ANÁLISE DA INSERÇÃO NO MERCADO EUROPEU MANOEL XAVIER PEDROSA FILHO; LUIS ANDREA FAVERO; CANAIS DE EXPORTAÇÃO PARA AS FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO:ANÁLISE DA INSERÇÃO NO MERCADO EUROPEU MANOEL XAVIER PEDROSA FILHO; LUIS ANDREA FAVERO; UFRPE RECIFE - PE - BRASIL manoelpedrosa@yahoo.com.br

Leia mais

Comunicação. As flores da Bahia

Comunicação. As flores da Bahia As flores da Bahia Andréa Mendes Sampaio Scherer* O mercado de flores O mercado de flores movimenta hoje algo em torno de US$ 64 bilhões por ano. Dois terços dele pertencem à Holanda. Apesar de crescente,

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA 1º semestre de 2010 Antonio Hélio Junqueira Engenheiro agrônomo, MSc. em Comunicação e Práticas de Consumo (ESPM), pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

FLRORICULTURA EM PERNAMBUCO: PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO PARA 2020 AMANDA AIRES VIEIRA; GUSTAVO RAMOS SAMPAIO; YONY DE SÁ BARRETO SAMPAIO; UFPE

FLRORICULTURA EM PERNAMBUCO: PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO PARA 2020 AMANDA AIRES VIEIRA; GUSTAVO RAMOS SAMPAIO; YONY DE SÁ BARRETO SAMPAIO; UFPE 1 FLRORICULTURA EM PERNAMBUCO: PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO PARA 2020 AMANDA AIRES VIEIRA; GUSTAVO RAMOS SAMPAIO; YONY DE SÁ BARRETO SAMPAIO; UFPE RECIFE - PE - BRASIL gsamp@hotmail.com APRESENTAÇÃO SEM

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil maio/junho, 2011 VENDAS DE FLORES NOS DIAS DAS MÃES E DOS NAMORADOS DE 2011: ECONOMIA AQUECIDA

Leia mais

FLORES TROPICAIS: encarando as barreiras internacionais

FLORES TROPICAIS: encarando as barreiras internacionais FLORES TROPICAIS: encarando as barreiras internacionais Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Prof.º Mestre Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail: ppetrusca@oi.com.br

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O VALENTINE S DAY 2015 Hórtica Consultoria Neste sábado do Carnaval de 2015, 14 de fevereiro, comemora-se em boa parte do mundo especialmente nos Estados Unidos da

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Janeiro de 2014 2013: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

HORTICULTURA: FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA. Parte da horticultura que estuda. o cultivo de flores e de plantas ornamentais

HORTICULTURA: FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA. Parte da horticultura que estuda. o cultivo de flores e de plantas ornamentais FLORICULTURA FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA HORTICULTURA: Parte da horticultura que estuda o cultivo de flores e de plantas ornamentais CARACTERIZA-SE: POR SER ATIVIDADE AGRÍCOLA DE EXPLORAÇÃO

Leia mais

A FLORICULTURA NO DISTRITO FEDERAL

A FLORICULTURA NO DISTRITO FEDERAL A FLORICULTURA NO DISTRITO FEDERAL CLEISON MEDAS DUVAL Eng. Agrônomo M.Sc. Fitopatologia Maio/2011 Distrito Federal e RIDE Área DF : 5.801Km² Área RIDE: 50.056Km² Área total: 55.857Km² População DF : ~

Leia mais

II ENCONTRO DE ESTUDOS DA CADEIA PRODUTIVA DA FLORICULTURA TROPICAL DO PIAUÍ II CARTA FLORICULTURA TROPICAL

II ENCONTRO DE ESTUDOS DA CADEIA PRODUTIVA DA FLORICULTURA TROPICAL DO PIAUÍ II CARTA FLORICULTURA TROPICAL 1 APRESENTAÇÃO Após alguns anos atuando no segmento da Floricultura no Estado do Piauí, instituições públicas, privadas e produtores(as) do setor já têm o que comemorar. Em 2008, foram feitos e apresentados

Leia mais

Cenário atual da Pesquisa Nacional de Flores e Plantas Ornamentais, Estruturação da Rede de PD&I

Cenário atual da Pesquisa Nacional de Flores e Plantas Ornamentais, Estruturação da Rede de PD&I Cenário atual da Pesquisa Nacional de Flores e Plantas Ornamentais, Estruturação da Rede de PD&I CARLOS EDUARDO FERREIRA DE CASTRO ASSISTENTE TÉCNICO DE DIREÇÃO CCASTRO@IAC.SP.GOV.BR 13/05/2015 Instituto

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 Antonio Hélio Junqueira 1 Marcia da Silva Peetz 2 As exportações brasileiras de flores e plantas ornamentais

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 580 5.3 EXPORTAÇÃO: ESTRUTURA E DESEMPENHO RECENTE José Antônio Nicolau * As vendas no mercado externo são um tradicional indicador de competitividade de empresas e setores produtivos. Ainda que seja resultado

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DAS MÃES DE 2015

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DAS MÃES DE 2015 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DAS MÃES DE 2015 SINDIFLORES Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo Hórtica Consultoria- Inteligência de Mercado

Leia mais

Visão Estratégica de Longo Prazo.

Visão Estratégica de Longo Prazo. Visão Estratégica de Longo Prazo. João Pessoa PB. Outubro de 2013 O MERCADO COMUM DO NORDESTE Adm. José Queiroz de Oliveira ESPECIALISTA PREVÊ SECAS MAIS INTENSAS E LONGAS NO NORDESTE. SE O HOMEM NORDESTINO

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL

ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL ASPECTOS GERAIS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA E PROPRIEDADE RURAL Tendências do mundo atual. A) Globalização - Processo de transição, mudanças profundas, novas identidades culturais, novas formas de organização

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Danusa de Paula Sousa Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 936 619 161-49 R. Barão de Piracicamirim, 512. B. Vila Independência

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

PRODUÇÃO BRASILEIRA DE FLORES (SEGUNDO IBRAFLOR)

PRODUÇÃO BRASILEIRA DE FLORES (SEGUNDO IBRAFLOR) PRODUÇÃO BRASILEIRA DE FLORES (SEGUNDO IBRAFLOR) 1. JUSTIFICATIVA Inicialmente concentrada no Estado de São Paulo, a produção brasileira de flores e plantas ornamentais tem se expandido para todo o país,

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MISSÃO... 3 2. VISÃO... 3 3. PRINCÍPIOS... 3 4. CENÁRIOS... 3 4.1. ARUJÁ... 3 5. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO... 5 6. ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS... 6 6.1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS... 6 6.2 ESTRATÉGIAS

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de definir políticas de desenvolvimento integrado para o setor sisaleiro, nos âmbitos estaduais, nacional e internacional, e consolidar a posição brasileira para a 32 a Reunião

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Junho de 2011 2011 (janeiro a maio): BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

Custos como determinante para a competitividade do setor avícola: um estudo no município de São Bento do Una-PE.

Custos como determinante para a competitividade do setor avícola: um estudo no município de São Bento do Una-PE. 16 Custos como determinante para a competitividade do setor avícola: um estudo no município de São Bento do Una-PE. Reginaldo José Carlini Junior Mestre em Administração e Desenvolvimento Rural PADR -

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS

PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS PERSPECTIVAS DA FRUTICULTURA BRASILEIRA EXPORTADORA FRENTE AOS NOVOS INVESTIMENTOS RESUMO Aline Vitti Renata Elise Gaiotto Sebastiani Cinthia Antoniali Vicentini Margarete Boteon Este trabalho buscou avaliar

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 FRUTICULTURA Elaboração: Eng. Agr. Paulo Fernando de Souza

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DE FINADOS 2015

PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DE FINADOS 2015 PERSPECTIVAS DE VENDAS DE FLORES PARA O DIA DE FINADOS 2015 SINDIFLORES Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo Hórtica Consultoria Inteligência de Mercado

Leia mais

Arranjo Produtivo Local de Flores e Plantas Ornamentais de Brasília. Engº Agrônomo Cleison Mêdas Duval

Arranjo Produtivo Local de Flores e Plantas Ornamentais de Brasília. Engº Agrônomo Cleison Mêdas Duval Arranjo Produtivo Local de Flores e Plantas Ornamentais de Brasília Engº Agrônomo Cleison Mêdas Duval HISTÓRICO 2001 Criada a Central Flores no Sindicato Rural do DF 2002 Inaugurado a sede da Central Flores

Leia mais

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2. PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.130 Premoldado 396 420 480 590 730 782 928 1.120 Acartonado**

Leia mais

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL.

LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. LARANJA FAZ BEM PARA VOCÊ, PARA QUEM PRODUZ E PARA O BRASIL. Três em cada cinco copos de suco de laranja bebidos no mundo são produzidos no Brasil. Nos países com inverno rigoroso, os consumidores não

Leia mais

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais