Panorama das negociações comerciais internacionais no período

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama das negociações comerciais internacionais no período 1994-2002"

Transcrição

1 Panorama das negociações comerciais internacionais no período Daniela Cristina Dias Teixeira Especialista em ComércioExterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO O trabalho realizado procurou analisar quais as discussões e negociações comerciais internacionais que fizeram parte da agenda do governo de Fernando Henrique Cardoso ( ), a exceção das negociações ALCA, OMC e União Européia que se esgotam em literatura atualmente. Através do detalhamento dos Acordos Comerciais firmados naquele Governo, de forma simples e clara, poderemos usar o trabalho realizado como forma de conscientização da importância de se fazer um acompanhamento analítico e criterioso das ações do governo para a promoção do comércio, não somente através do desenvolvimento de ações de investimento, redução tributária ou estruturação de agências governamentais. Palavras-chave: Acordos comerciais. Negociações internacionais. Mercosul. 1 INTRODUÇÃO Não comumente vemos bibliografia acerca das recentes negociações comerciais internacionais arroladas pelo Mercosul e tão pouco pelo Brasil. As ações com vistas ao mercado internacional do Governo de Fernando Henrique Cardoso no período de 1994 a 2002, não foram ainda analisadas com uma profundidade voltada exclusivamente para o tema Negociações Comerciais Internacionais, fato este que contribui para o desinteresse e desinformação dos setores produtivos e acadêmicos, não desenvolvendo 23

2 uma análise mais ampla e crítica da importância estratégica e dos impactos positivos e negativos que as Negociações Comerciais Internacionais vêm adquirindo ao longo das últimas duas décadas. As Negociações Internacionais Comerciais estabelecidas pelo Brasil durante aquele governo, foram descritas e analisadas, como forma de salientar a importância do estudo e da constatação destes mecanismos de promoção de comércio, redução de tributos e de amadurecimento da política externa brasileira que, conjuntamente às ações já descritas, formaram e contribuíram para a inserção brasileira na rota de negociações e discussões comerciais mais importantes. Considera-se, portanto, que a relevância do trabalho realizado reside na exploração não somente dos efeitos das políticas macroeconômicas mencionadas no início desta introdução e sim na importância das Negociações Comerciais Internacionais e a caracterização dos diversos acordos comerciais entre o Brasil e os países da América Latina e África do Sul, firmados durante o período, bem como o seu escopo e abrangência, seu histórico e, principalmente, os benefícios que estes instrumentos trouxeram para a indústria nacional de bens e serviços e para o país de um modo geral. O objetivo da pesquisa é o de conhecer quais as discussões e negociações comerciais internacionais fizeram parte da agenda do governo no período analisado, a exceção das negociações ALCA, OMC e União Européia que se esgotam em literatura atualmente. Através do detalhamento dos Acordos Comerciais firmados neste Governo, de forma simples e clara, poderemos usar o trabalho realizado como forma de conscientização da importância de se fazer um acompanhamento analítico e criterioso das ações do governo para a promoção do comércio, não somente através do desenvolvimento de ações de investimento, redução tributária ou estruturação de agências governamentais. 2 PANORAMA DAS NEGOCIAÇÕES GOVERNO FHC ( ) A década de 90 foi marcada por grandes e importantes avanços na diplomacia brasileira, principalmente em relação à intensificação das aproximações com os países da América Latina, culminando na assinatura do Tratado de Assunção e do Protocolo de Ouro Preto, como instrumentos que deram a base jurídica ao MERCOSUL, em 1991 e 1994 respectivamente. Observamos, entretanto, um movimento diplomático em direção a novos mercados e, concomitante a estes esforços, às negociações finais da Rodada Uruguai e criação da OMC, sinalizando uma nova era nas relações internacionais e diplomacia brasileira. As Negociações Internacionais Comerciais levadas a cabo durante os dois mandatos do Governo FHC ( ), juntamente ao desenvolvimento de mecanismos de promoção de comércio, redução de tributos e de amadurecimento da política externa brasileira formaram e contribuíram para a inserção brasileira na rota de negociações e discussões comerciais mais importantes. No governo atual, verificamos 24

3 que o trabalho antes realizado não foi perdido e sim, pelo contrário, complementado e dinamizado. Algumas das medidas para o desenvolvimento do comércio exterior brasileiro somente foram possíveis diante de um quadro macroeconômico favorável de estabilidade econômica, inflação reduzida a um dígito e abertura gradual da economia, para os investimentos externos e para o comércio. Podemos, contudo, verificar os dois alicerces da nova política comercial brasileira que possibilitaram dar o start para o processo: o primeiro alicerce calcou-se na abertura comercial, ou seja, na abertura do mercado interno às importações. A abertura às importações foi o mecanismo encontrado para a manutenção dos preços (e queda) dos preços internos, bem como para propiciar o aumento da concorrência. Tais medidas foram acompanhadas por alterações nas tarifas de importação do período analisado ( ), onde se verifica, uma redução significativa na média tributada destas alíquotas passando de 16,5% (1993) para 11,8% (2002) segundo fonte do MDIC/SECEX. Esta redução da média tarifária teve implicação direta na competitividade e na produtividade das empresas brasileiras, passando a estarem mais atentas aos padrões e qualidade dos produtos importados concorrentes e complementares. A abertura propiciou, também, a entrada do capital externo na forma de investimentos diretos, principalmente sob a égide do processo de privatização de empresas importantes na infra-estrutura da economia brasileira, como as áreas de telecomunicações, energia, instituições financeiras, entre outras. A entrada de mais de US$ 100 bilhões no período, nos mostra o volume expressivo de investimentos externos diretos (IED) no Brasil, deixando-nos na segunda posição, entre os países em desenvolvimento, no destino de IED, estando somente atrás da China. O segundo alicerce que contribuiu para solidificar a inserção do Brasil na economia e comércio mundial, foi a ênfase dada às exportações como forma de reduzir o déficit em conta corrente, o Risco Brasil e a taxa de juros. Outro ponto importante da pauta do Governo FHC foi o estímulo à internacionalização de empresas brasileiras. Esta prática contribui significativamente para o aumento das exportações, da qualidade do produto exportado e da receita por ele gerado. Ressalta-se que para a inserção internacional, os produtos e serviços brasileiros precisam adquirir um maior valor agregado e este também foi um fator considerado entre as ações para o desenvolvimento do comércio exterior brasileiro no período estudado. Tais medidas são exemplos do comprometimento do Governo em relação ao comércio internacional, encarando-o de forma profissional, afastando os amadorismos e contribuindo para que o país possa desenvolver novos laços comerciais e diplomáticos com nações que venham a colaborar para o incremento de nossas exportações e que nos acompanhe nas negociações multilaterais de comércio. Nessa linha, o Brasil teve como herança deixada ao corrente governo, uma série de negociações bilaterais que exemplificam a corrida pela conquista de novos mercados e espaços no cenário internacional, entre as principais com a África do Sul, China e México. 25

4 Estas negociações bilaterais visam, em sua grande parte, a outorga de vantagens ao acesso a mercados através de reduções de tarifas de importação somente entre os países que farão parte do futuro acordo de livre comércio ou de preferências tarifárias. A aplicação prática desta constatação conclui que [...] a proliferação de acordos comerciais regionais e bilaterais no mundo tem impacto negativo sobre as exportações dos países que deles não fazem parte. A participação do Brasil nessas negociações é importante para assegurar que os exportadores brasileiros enfrentem nos mercados consumidores condições de acesso semelhantes àquelas concedidas aos seus concorrentes [...] (RIOS, 2003). É neste sentido que o governo brasileiro vem agindo nesta última década, com o objetivo de não ficar de fora da aproximação externa e perder a capacidade competitiva em meio aos benefícios outorgados entre os países membros de uma área de livre comércio ou união aduaneira. A negociação bilateral com o maior número de países estratégicos para a diplomacia brasileira, corrobora o acima exposto, ou seja, negociações com Peru, México, Chile, Bolívia, Venezuela, África do Sul, Índia, entre outros, implicam na criação de um ambiente favorável ao intercâmbio comercial privilegiado entre países e acabam por dinamizar este comércio. A política de boa vizinhança, somada à prospecção de mercados antes não vistos como potenciais, deram ao Brasil a expressão necessária para a dinamização de sua política externa que possibilitasse a sua inserção no contexto das relações comerciais internacionais. Percebeu-se que aquele era o momento certo para a participação do país nas crescentes discussões bilaterais e regionais sobre o aumento de acesso a mercados, que começavam a surgir paralelamente às negociações multilaterais de comércio. As negociações bilaterais, em sua maioria mais dinâmicas nas discussões e entendimentos e com número reduzido de participantes, por sua vez, firmaram-se como instrumentos desta aproximação com os países membros ou não da ALADI, e como alternativa às lentas negociações regionais e multilaterais para o livre comércio de bens e serviços. Em sua grande parte, visam o incremento recíproco do comércio entre os futuros países partícipes, principalmente através das vantagens tarifárias que se apresentam em relação aos terceiros países. Muitas vezes, essas negociações inicialmente caracterizam-se muito mais pelo aspecto diplomático e político do que comercial, ou seja, as implicações no aumento dos volumes de importação e exportação podem não estar entre as prioridades iniciais de uma negociação bilateral. Concomitantemente o Brasil enfrenta neste momento um processo lento de discussões e negociações dentro dos acordos regionais e multilaterais dos quais é parte signatária: ALCA E OMC. O primeiro, desde o início apresenta já a dificuldade por se tratar de um acordo de livre comércio entre 34 países, dos quais apenas quatro (EUA, Canadá, México e Brasil) apresentam economia interna e relacionamento comercial externo realmente expressivos e que já apresentam incongruências e interesses díspares que dificultam o andamento de discussões, principalmente, de acesso a mercados. Os entraves comerciais norte-americanos e a política protecionista a setores importantes para o comércio exterior brasileiro que estão sendo mantidos, quando 26

5 observamos as já propostas apresentadas, servem como balizadores do que se pode esperar da negociação dos outros temas que compõem a mesa negociadora da ALCA. Frente a esta situação, os negociadores brasileiros perceberam que as discussões com os EUA devem ser mantidas dentro ou fora da ALCA, pois o preço a ser pago internamente pela opção de não negociarmos com este país e pelos desvios de comércio e investimentos gerados poderá ser bastante elevado. Para tanto, é preciso que novas alternativas concomitantes às discussões da ALCA sejam avaliadas, momento este em que os acordos bilaterais tomam forma e ganham expressão. O segundo, as negociações multilaterais no âmbito da OMC, seguramente não trará resultados significantes em termos de liberalização comercial de bens agrícolas e não agrícolas e tão pouco das normas reguladoras deste comércio, em sua última reunião de 2003 pela Rodada de Doha, mais conhecida como a Rodada do Desenvolvimento. O trade-off entre bens agrícolas e não agrícolas acabou por limitar o processo negociador de barganhas nesta Rodada, fazendo com que não houvesse nem ganhadores nem perdedores, já que foi mantido o status quo para as grandes potências de um lado e, do outro lado, o bloco dos países em desenvolvimento e agrícolas somaram 21 mercados que se posicionaram contra a hegemonia bipartite EUA-UE no contexto multilateral do comércio. Países como Chile, México e EUA já adotaram os acordos bilaterais como forma de aquecerem seus mercados enquanto a ALCA não se torna uma realidade. Acordos bilaterais com a União Européia e países asiáticos têm sido os mais recorrentes entre os países latino-americanos, incluindo-se o Brasil. 3 ANÁLISES COMPARATIVAS O Brasil já conta com mais de seis acordos bilaterais assinados, sendo os mais importantes na América Latina firmados com o México, Chile, Bolívia e Comunidade Andina e os demais firmados com a União Européia, África do Sul e Índia. Esta variedade de mercados demonstra a habilidade dos diplomatas e negociadores brasileiros em articular alternativas às negociações multilaterais e regionais que podem ainda levar algum tempo para terem sua vigência oficializada. As negociações oficiais com a Comunidade Andina datam de abril de 1998, quando da assinatura do Acordo-Quadro para a criação de uma zona de livre comércio entre o MERCOSUL e a Comunidade Andina. Entretanto, a partir de 1999, foram assinados acordos bilaterais que aqueceram as negociações entre os dois blocos, mas que resultaram em acordos bilaterais distintos entre os países-membros que tenderiam à convergência até findo o prazo de 31 de dezembro de 2003, quando seriam encapsulados pelo acordo de livre-comércio entre os blocos. O Brasil assinou o seu acordo bilateral em agosto de 1999 (Acordo de Alcance Parcial de Complementação Econômica n o 39, firmado entre Brasil e Comunidade Andina). 27

6 Segundo percepções de mercado, as negociações com a Comunidade Andina deverão sofrer o impacto das discussões a respeito da ALCA, o que acabaria retardando o efetivo início de negociações de métodos e modalidades até o final de 2003, prazo este já estabelecido no Acordo Quadro de 2002, mas não incorporado por boa parte dos países contratantes. No estudo das relações bilaterais com o Chile, devemos antes atentar para a eficiente máquina diplomática que esse país possui. O Chile possui um PIB de aproximadamente US$ 65 bilhões (2002), valor esse considerado ínfimo perto dos mais de US$ 450 bilhões do Brasil (2002), entretanto isso não reflete a eficiente dinâmica adotada pelo governo chileno de negociações comerciais em várias frentes (Estados Unidos, Canadá, União Européia, Coréia do Sul, entre outros) e uma considerável abertura à entrada de produtos e serviços estrangeiros. As negociações comerciais bilaterais com o Chile deram-se a partir da conformação do Mercosul, já que antes deste não houve avanços comerciais na aproximação entre Brasil e Chile. O acordo celebrado em 1996 entre Mercosul e Chile previa o estabelecimento de uma área de livre comércio no prazo de 10 anos.desde então não existem outros mecanismos que possibilitem um maior comprometimento em termos de relacionamento comercial, econômico ou político entre os dois países, o que configura um contexto de certa incerteza frente às negociações da ALCA. Mesmo sendo considerado como membro associado ao Mercosul, o Chile não refuta a idéia de não consolidar a parceria com o Brasil no âmbito da OMC e ALCA. Atualmente configuram entre os principais produtos brasileiros exportados para o Chile os automóveis de passeio, utilitários e caminhões; telefones celulares; farináceos e outros condimentos alimentares e os papéis e equipamentos gráficos para impressão. As importações brasileiras de produtos chilenos são caracterizadas por partes e peças para automóveis e aeronaves; minérios e minerais; pescados e frutas e outros produtos relacionados à alimentação. Como podemos observar, a pauta comercial é bastante diversificada, porém não contempla produtos de alto valor agregado produzidos no Brasil. É necessária a análise da possibilidade de o mercado consumidor chileno estar sendo suprido por produtos de outros países e não pelo Brasil, oportunidade esta para aprofundarmos as relações entre os países. As relações comerciais com o México, por sua vez, somente foram avaliadas como significativas para o Brasil, no momento da assinatura do Acordo de Livre Comércio entre o governo mexicano, canadense e norte-americano, no que conhecemos como NAFTA. Paralelamente a esse processo, consolidava-se o Mercosul com uma proposta ambiciosa de integração e cooperação na América do Sul. É nesse contexto que o Governo FHC e o atual procuraram inúmeras vezes recuperar as discussões em torno de um aprofundamento no intercâmbio comercial entre Brasil e México. Era preciso afastar a hipótese de uma invasão norte-americana no mercado mexicano que tivesse um impacto expressivo para as exportações brasileiras 28

7 ao país. Desde então, o governo FHC promoveu uma série de discussões para que se chegasse a um índice comum entre os países e estes pudessem estabelecer uma agenda negociadora abrangente e definitiva. Atualmente temos três frentes de comércio com o México baseadas em compromissos assinados no âmbito da ALADI em forma de acordos: Brasil x México (ACE 53), Mercosul x México (ACE 55 setor automotivo) e Mercosul x México (ACE 54 acordo de livre comércio). Sendo que apenas os dois primeiros estão em funcionamento. Dando continuidade ao processo de priorização das relações políticas e diplomáticas com a América do Sul, o governo Lula procurou enfatizar a importância do investimento em infra-estrutura do país amigo, o Equador, como forma de dinamizar a economia interna equatoriana, um exemplo disso é o estudo por parte do BNDES de uma forma de financiar as reformas referentes ao tratamento de água e canais de irrigação equatorianos.o equilíbrio na balança comercial dos dois países de forma a propiciar a atração de bens e serviços originários do Equador também é uma medida apontada pelo atual governo como forma de alavancar o desenvolvimento sócioeconômico equatoriano. Como principal produto equatoriano exportado para o Brasil, temos uma variedade de gêneros alimentícios e artigos para limpeza e higiene pessoal. Em contrapartida o Brasil exporta para o Equador veículos, fibras sintéticas, minérios, tratores, estruturas de tubulações, máquinas e ferramentas. No âmbito das relações comerciais, o atual governo retomou as discussões acerca do restabelecimento do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos, como mecanismo de liquidação das operações comerciais. Ainda neste tema, o Brasil procura o apoio equatoriano nas negociações para a reforma do Conselho de Segurança da ONU, bem como nas negociações multilaterais na OMC, ALCA e no avanço das discussões para o desenvolvimento de uma área de livre comércio entre Mercosul e Comunidade Andina. Na área de integração física já estão avançadas as discussões para a execução de projetos ao longo do Eixo Multimodal do Amazonas para o desenvolvimento e integração dos transportes fluvial e terrestre, que permitirão acelerar a integração das regiões amazônica e andina e viabilizar uma futura ligação do Oceano Pacífico ao Atlântico. Diante da perspectiva de criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) o governo brasileiro quer intensificar os esforços de integração econômica e comercial com a América do Sul. Um dos primeiros passos é assinatura de um acordo de livre comércio (ALC) entre o Mercosul e o Peru, visando configurar as bases de um Acordo de Livre Comércio no formato e com a finalidade de que o acordo tenha um efeito demonstrativo e que abra caminho para acerto semelhante com os outros integrantes da Comunidade Andina (CAN) - Equador, Colômbia e Venezuela (a Bolívia também faz parte, mas já tem acordo, em separado, com o Mercosul). Buscou-se solucionar questões sanitárias e fitossanitárias que barram exportações peruanas ao Brasil. Há interesse na criação de joint-ventures entre 29

8 empresas dos dois países nas áreas florestal, de pesca e agroindústria, e em setores como calçados e móveis, com foco também em terceiros mercados. Outra possibilidade é parceria na produção de etanol, no Norte do Peru, para exportação. O acordo com o Peru vem sendo discutido desde o final do ano passado, quando o Mercosul e a CAN assinaram um acordo-quadro (ACE 56) que prevê a conclusão das negociações em torno de uma área de Livre Comércio até o fim de A idéia era firmar um acordo que pudesse abranger 85% do comércio Mercosul/ Peru com prazo de desgravação de dez anos e prazos mais dilatados para os bens considerados sensíveis. Assinado em 26 de agosto de 2003 o acordo com o Peru ainda aguarda publicação no Diário Oficial da União para que os procedimentos de internalização no âmbito jurídico interno sejam encerrados (situação em dezembro de 2003). Por outro lado, as relações bilaterais entre Brasil e Venezuela são fortemente identificadas pela relação comercial entre os Estados do Norte e Nordeste brasileiro com o país. Ressaltamos que assim como o Mercosul foi um projeto importante para o desenvolvimento das relações comerciais entre os Estados do Sul do Brasil, os países membros da Comunidade Andina exercem grande impacto nas atividades produtivas do Norte e Nordeste. A economia venezuelana vem sofrendo com o agravamento da crise econômica interna em seu período mais grave e nesse contexto as relações comerciais com o Brasil ficaram extremamente abaladas e a adoção do controle cambial estabelecido pelo governo venezuelano para conter a fuga de capitais e uma desvalorização maior da moeda, contribuíram para a queda das exportações brasileiras ao país.entretanto, o governo atual continua incentivando os investimentos na área agroindustrial e de infra-estrutura na Venezuela. No atual governo, assinou-se o decreto do projeto Brasil-Venezuela, que será coordenado pelo Ministério das Relações Exteriores, visando o incremento das relações entre os dois países nas áreas da administração pública e no setor privado, empreendendo atividades como visitas de autoridades, projetos de interesse mútuo e programas de cooperação bilateral. Reafirmou-se também a disposição de avançar no processo de negociação para uma zona de livre comércio entre a comunidade andina e o Mercosul, Venezuela e Mercosul, além de incentivar a utilização do Convênio de Créditos Recíprocos (CCR) para a liquidação das operações de comércio bilaterais em os dois países. Estas medidas visam reforçar as ações para a integração intra-regional como forma de envidar esforços na conquista de novos parceiros que suportem o Brasil nas negociações regionais e multilaterais nas quais está inserido. No caso das relações bilaterais com a Venezuela, o governo FHC ratificou o acordo com a Comunidade Andina que, atualmente, é o único instrumento de benefícios tarifários entre os dois países, firmado em Entre os principais produtos que figuram na pauta de exportações venezuelanas para o Brasil, temos os materiais originários do refino de petróleo, pescados, minérios, 30

9 entre outros. As importações venezuelanas originárias do Brasil caracterizam-se por partes e peças e veículos de passeio e transporte de pessoas e cargas, tratores, chapas e outros artefatos de alumínio e equipamentos de radiodifusão. Em junho de 2003, após a reunião de Cúpula do G8 (grupo das sete nações mais industrializadas do mundo e a Rússia), os representantes do atual governo iniciaram efetivamente as articulações em direção a uma aproximação com os países em desenvolvimento que possuem características econômicas, sociais e políticas semelhantes às brasileiras. À época, os entendimentos resultaram na assinatura de acordos com Índia e África do Sul, além da organização do G-3, que mais tarde cogitou-se chegar ao G-5, agregando-se China e Rússia ao grupo. Caracterizando grupo conhecido como países-baleia. Nesse sentido, o Mercosul e a África do Sul estudam desde 2000, o estabelecimento de um acordo de preferências tarifárias. O comércio entre o Brasil, particularmente, e a África do Sul caracteriza-se pelas exportações brasileiras de produtos agroindustriais, alimentos, máquinas e equipamentos, bens de consumo em geral, entre outros e pela importação da África do Sul de produtos como os mais diversos minérios e carvão. No ano de 2002 houve um significativo incremento nas exportações brasileiras para o país, em conseqüência do amadurecimento das relações comerciais e de confiança entre os exportadores brasileiros e importadores sul-africanos. A África do Sul, como responsável por quase metade da produção industrial do continente, é parte da União Aduaneira da África do Sul (SACU - Southern African Customs Union, em inglês) com Botswana, Lesoto, Namíbia e Suazilândia, que data de 1970 e está processo de reformulação. Neste ínterim, o Mercosul aguarda a oportunidade para o desenvolvimento de negociações entre os dois blocos, já que segundo análises a África do Sul é um dos maiores fornecedores de máquinas e equipamentos, metais, produtos químicos, veículos, equipamentos de transportes e produtos alimentícios para os países do sul da África. Paralelamente, discute-se ainda, desde finais de 2002, o fechamento de um acordo do setor automotivo que, como já visto em outras negociações, apresenta uma oportunidade de liderar e acelerar as discussões dos outros setores, caracterizando uma negociação final de maior amplitude. Em continuidade ao processo de aproximação com países emergentes, o Brasil iniciou em 2003 uma série de encontros e reuniões com representantes do governo indiano, tanto no Brasil quanto no exterior. Em abril de 2003, em Assunção, os diplomatas da Índia e do Mercosul reuniram-se para a primeira rodada de negociações do que se pretende construir para a criação de uma zona de livre comércio entre o país e o bloco. Esta agenda propiciou a união de esforços para a assinatura do Acordo- Quadro entre Mercosul e Índia em junho de O acordo seria, inicialmente, um entendimento em que os países reduziriam suas tarifas para incrementar o comércio. Em um segundo momento, o Mercosul e a Índia lançariam uma nova fase das negociações para concluir um tratado de livre comércio, que somente seria concluído em médio prazo. 31

10 O objetivo, além de aproximar o país e o bloco, é aumentar as exportações principalmente de produtos manufaturados do Brasil. O País acredita que poderia se beneficiar de um crescimento nas vendas para a Índia de aviões, automóveis, tecnologia de álcool, bens de capital e aço, assim como, frango e soja, entre outras matériasprimas. Em contrapartida, o governo indiano deve tentar incrementar suas exportações de remédios genéricos, além de conseguir facilidades para investir no setor farmacêutico brasileiro. Outro objetivo da Índia é intensificar os contatos entre suas empresas de software e as do Brasil, já que os indianos exportam para todo o mundo mais de US$ 9 bilhões em softwares, quinze vezes a mais do que as exportações brasileiras. Um pouco mais dispares, as relações bilaterais entre o Brasil e a Rússia datam desde a antiga União Soviética (URSS), principalmente desde os anos oitenta, onde o montante substantivo do comércio entre as partes era realizado através do countertrade com as trocas comerciais realizadas à base da troca de mercadoria por mercadoria. Desde então, o comércio com a Rússia não transpõe às limitações do fluxo de, principalmente, produtos primários e matérias-primas, como a carne, o café, o açúcar, os adubos e os fertilizantes. Temas como investimentos, serviços e outras formas de comércio ainda não foram motivos de uma aproximação mais profunda. A exportação de produtos primários sofreu, no comércio bilateral com a Rússia, grandes percalços até manter-se nos altos níveis e com um saldo superavitário em As exportações brasileiras em 2000 sofreram uma queda significativa, chegando a ficarem deficitárias na balança em quase US$150 milhões. Isto devido a uma política russa de proteção ao mercado produtor local que reduziu as quotas aos produtos brasileiros, elevando os impostos de importação e tarifas extra-cotas e ainda desqualificando-os dos benefícios do Sistema Geral de Preferências SGP. Mesmo assim, em 2001 os produtores brasileiros conseguiram superar estas barreiras e atingir o mercado russo, sendo que 90% de toda a pauta brasileira de exportações, em 2001, ao país foram de produtos primários. A China, sendo o segundo maior importador do Brasil, é identificado como um expressivo mercado consumidor e potencial para o incremento das exportações brasileiras. Observa-se, com relevância, a entrada da China para quadro de membros da Organização Mundial do Comércio OMC, em 2001, o que estimulou e encorajou o setor produtivo brasileiro a aumentar o comércio com o país. No entanto, alguns esforços foram iniciados no governo Fernando Henrique Cardoso de modo a estreitar as relações e aproximação entre os dois países. Como exemplo, a Feira Brasil-China ocorrida em Xangai em abril de À época o Brasil tentou estabelecer contatos com os setores automotivo e alcooleiro com vistas a estabelecer um acordo de livre comércio, bem como apresentou um memorando para cooperação tecnológica nestes setores. Atualmente podemos citar como os principais produtos exportados para a China o café solúvel, suco de laranja, couro e calçados, soja em grão, minério e laminados de ferro e aço, partes e peças para tratores, CKDs (completely knocked down) e aeronaves. 32

11 Há, também, um forte potencial nas exportações de serviços, principalmente os referentes ao sistema e softwares bancários brasileiros, como também tecnologia do setor de telecomunicações. Acredita-se que com a presença comercial no país tanto volume quanto diversidade de produtos poderiam ser incrementados, porém a legislação chinesa ainda não oferece abertura para que isso ocorra. Por enquanto, somente na forma de joint ventures as empresas brasileiras estão conseguindo entrar no mercado chinês e aumentar a fatia de mercado para os produtos brasileiros. Todos estes fatores de aprimoramento da inteligência comercial brasileira, somados à dinâmica da economia chinesa, que vem crescendo a taxas superiores a 8% a.a., a entrada efetiva do país na OMC e, principalmente, sendo o país que mais atrai os investidores e capital externo, vislumbram um cenário favorável ao aumento do intercâmbio comercial entre Brasil e China de forma mais sustentável. Com isso, o cenário das correntes investidas européias e norte-americanas na conquista de uma maior fatia do mercado chinês, seja através de investimentos diretos seja por tratados de cooperação, terão que enfrentar mais um ator: Brasil. 4 NOTAS TÉCNICAS DOS ACORDOS BILATERAIS FIRMADOS PELO BRASIL O Brasil, como país membro da Associação Latino-Americana de Integração, atende às regras e procedimentos estabelecidos no marco normativo e constitutivo da ALADI conhecido como Tratado de Montevidéu de 1980 (TM 80). É através desta base normativa que estão regidos os diversos acordos firmados no âmbito da ALADI. Estes acordos, porém, possuem diferenças significativas e peculiaridades distintas em relação ao objetivo, escopo e área de abrangência. A caracterização correta de cada acordo permite uma melhor compreensão de sua estrutura negociadora, bem como o objetivo a ser seguido pelos países signatários. Observa-se, porém, que a utilização mais comumente conhecida destes instrumentos dá-se no âmbito dos Acordos de Alcance Parcial que dentre as principais modalidades amparadas estão os Acordos de Complementação Econômica. Estes acordos visam, entre outros objetivos, promover o máximo aproveitamento dos fatores de produção, estimular a complementação econômica, garantir condições eqüitativas de concorrência, facilitar a penetração dos produtos no mercado internacional e impulsionar o desenvolvimento equilibrado e harmônico dos países-membros. São basicamente acordos para o estabelecimento de margens de preferências tarifárias fixas que serviriam como primeiro passo para a criação de zonas de livre comércio entre os países da região, como forma de esquemas de integração sub-regionais. É possível, contudo, a realização de acordos não preferenciais, ou seja, que não possuam matéria específica e diferente da outorga de preferências tarifárias Em alguns casos, como nos acordos de promoção do comércio e alguns dos assinados ao amparo do Artigo 14 do Tratado de Montevidéu; os países-membros realizaram ações 33

12 de cooperação visando criar condições favoráveis para o intercâmbio de bens e de serviços, tais como o transporte e o turismo, a proteção do meio ambiente, a otimização do uso da infra-estrutura física viária, a superação de barreiras técnicas ao comércio, etc. Ainda com base do disposto no Tratado de Montevidéu 1980, em seu Artigo 25, os países-membros podem assinar acordos com países não membros e áreas de integração econômica da América Latina, dentro das modalidades indicadas. De um total de 38 acordos assinados nesta modalidade (AAP 25TM), permanecem atualmente em vigor apenas 19, devido a três circunstâncias: ter vencido o prazo acordado por seus signatários, ter sido substituído pelos novos acordos de complementação econômica assinados com países-membros da ALADI e, finalmente, pela entrada em vigor dos Tratados de Livre Comércio assinados que deixaram sem efeito tais Acordos. O desenvolvimento de novos instrumentos negociadores brasileiros tem permitido o aprimoramento das relações bilaterais nacionais na forma de novos acordos comerciais que fogem da temática Aladiana conhecida há muito pelo Brasil. A forma, mesmo que aparentemente diferente ainda apresenta os resquícios da tradição de uma negociação caracterizada por medidas de acesso a mercados, através de reduções progressivas e gradativas dos impostos de importação entre os signatários, chamadas margens de preferências fixas. Temas como serviços, propriedade intelectual, solução de controvérsias, entre outros tantos discutidos no âmbito multilateral, não são ainda muito utilizados como instrumentos de aprofundamento de objeto e escopo destes acordos, muito embora sejam discriminados como parte integrante de alguns deles. À exceção temos as negociações da Área de Livre Comércio das Américas e Acordo de Livre Comércio com União Européia, onde os negociadores norteamericanos e europeus foram solícitos nas questões das normas e disciplinas ainda em desuso nas negociações comerciais bilaterais brasileiras. As negociações bilaterais realizadas com base nos acordos já firmados com a África do Sul e Índia foram, e continuam sendo, pautadas na troca recíproca de preferências tarifárias fixas ou no desenvolvimento de um cronograma, ainda a definir, de desgravações progressivas do Imposto de Importação. A intenção de ambas as negociações é a formação, em longo prazo, de uma área de livre comércio, que consiste na eliminação de todas as barreiras tarifárias e não-tarifárias que incidem sobre o comércio dos países do grupo, respeitadas as regras de origem que definirão se um produto é ou não originário dos países signatários. É importante o exercício de identificação e análise da tipologia de cada acordo firmado e em negociação pelo Brasil, na medida em que estes representam os instrumentos nacionais da prática de política externa comercial e definirão os resultados que obteremos a curto, médio e longo prazo. A importante atenção aos prazos definidos para a vigência de cada acordo e o cronograma de redução das alíquotas do imposto de importação, permite uma ação estratégica do setor industrial que o prepare a enfrentar as conseqüências de uma Área de Livre Comércio, de forma mais pró-ativa e menos resistente ao desenvolvimento de novos negócios e mercados. 34

13 Com a redução dos impostos de importação motivada pela celebração dos acordos bilaterais negociados pelo Brasil, a expectativa é que os mercados não se diferenciem mais pela questão das alíquotas tributadas e sim pelos outros tipos de condicionantes internos, de cada país signatário, que não estarão mais ligados às tarifas como, por exemplo, as barreiras não-tarifárias, as regras de origem não-preferenciais, medidas compensatórias, antidumping etc. Uma melhor conscientização em relação aos temas reguladores do comércio, que serão fundamentais para o exercício legítimo das atividades industriais e comerciais no contexto internacional, contribuirá para o estabelecimento de uma agenda positiva entre empresários e representantes do governo, de modo que o Governo possa melhor orientar e capacitar estes empresários para as discussões que estarão por vir. 5 CONCLUSÃO A política externa brasileira há muito não observava um processo de aproximações tão diversificadas como as que presenciamos na última década. Acreditamos no amadurecimento de nossos negociadores e corpo diplomático que observaram com sabedoria que o Brasil é um global player e não deve adotar somente uma postura reativa ao contexto e às condições impostas pelos países mais desenvolvidos. As políticas de promoção comercial iniciadas no governo anterior que tiveram apoio e continuidade do governo Lula contribuíram significativamente para o avanço dos produtos brasileiros a outros mercados. Além disso, as aproximações diplomáticas têm reforçado a imagem do país como não apenas um produtor agrícola e sim como uma potência industrial que poderá vir a crescer ainda mais se conseguirmos concluir uma reforma política interna que contribua para o crescimento e desenvolvimento do nosso parque industrial e para a geração de empregos. O enfrentamento de um cenário multilateral de negociações acirradas e, por muitas vezes, infrutíferas é parte do desenvolvimento de nossos instrumentos de negociação e aproximação a mercados não-tradicionais. A multilateralidade permitiu, também, ao Brasil identificar novos parceiros comerciais e políticos que darão um ânimo maior nas discussões de comércio nos grandes fóruns: OMC, ALCA e União Européia. Vale ressaltar que ainda temos muito que avançar em termos de formação de um quadro de profissionais especializados no estudo de políticas e mercados externos, bem como de negociadores que possam defender com categoria os interesses nacionais. Entretanto já demos os primeiros passos em direção ao reconhecimento internacional de nosso potencial, haja vista os entraves colocados nas negociações ALCA e OMC. Em outra perspectiva, a do setor industrial, as negociações comerciais apresentadas neste trabalho não trouxeram um ganho econômico expressivo em suas atividades exportadoras. Muitas vezes classificados pela indústria como acordos 35

14 políticos e diplomáticos, os acordos comerciais internacionais firmados com África do Sul, países da Comunidade Andina e em vias de negociação com China e outros paísesbaleia não trouxeram o ganho econômico esperado e propagado pelos negociadores brasileiros. Muitos dos esforços empresariais e das associações de classe em subsidiar o governo brasileiro, no período FHC, de informação e posicionamento setorial nos acordos supracitados foram suprimidos pela vontade política de se negociar aqueles acordos, ou seja, o resultado comercial deixou (e ainda deixa) a desejar e iniciou-se um movimento setorial de discussão em relação da real importância de se assinar tais acordos. O que pode ser visto é que mesmo sem a obtenção de ganhos econômicos e produtivos na assinatura e vigência de certos acordos, o custo da não-participação no jogo internacional de alianças estratégicas será infinitamente superior ao possível distanciamento em relação àqueles mercados sem potencial real de ampliação do fluxo comercial com o Brasil. Panorama of the international commercial negotiations in the period ABSTRACT The research was developed in order to create subsidies to analyze and follow more carefully the international discussion related to commercial issues by businessmen and national academics. That would be the only way to stress the importance of strategic and theoretical studies that International Trade Agreements deserve. Based on the detailed observation of the Trade Agreements established by Fernando Henrique Cardoso s Government ( ), we can, clearly, use the research in reference to call attention to the importance of an analytical and thoughtful study of the government actions to the trade promotion, not only through the development of actions of investment, tax reduction or structuralism of governmental activities. Keywords: Trade agreements. International agreements. Mercosur. REFERÊNCIAS 36 ALMEIDA, Paulo Roberto; BARBOSA, Rubens Antônio. O Brasil e os Estados Unidos num mundo em mutação: relações políticas, econômicas e diplomáticas nos contextos regional e internacional. Edição provisória. Washington, D.C.: Embaixada do Brasil, 2003.

15 BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Oito anos do real: os avanços do comércio exterior: desenvolvimento e comércio exterior: programas e ações. Brasília, DF, CÂMARA Brasil-China de Desenvolvimento Econômico. Parceria Brasil-China, São Paulo, ano 1, n. 2, p. 7-10, set./out CASELLA, Paulo Borba (Coord.). Mercosul: integração regional e globalização. 1. ed. Rio de Janeiro: Renovar, CONFEDERAÇÃO Nacional da Indústria. Comércio Exterior em Perspectiva, Brasília, DF, ano 12, n. 5, p. 1-4, fev Indústria Brasileira, Brasília, DF, ano 3, n. 31, p. 12, set FOREIGN AFFAIRS. New York: Council on Foreign Relations, v. 83, no. 1, p , Jan./Feb JANK, Marcos Sawaya. O contexto do Mercosul: harmonização de políticas e competitividade. Rio de Janeiro: IPEA, LOHBAUER, Christian et al. Manual de negociações internacionais. São Paulo: Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo / Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior, Gerência de Relações Internacionais e Comércio Exterior, MOTTA, João Ricardo Santos Torres da. Avanços e retrocessos do Brasil no Governo FHC: estudo. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Disponível em: <www.camara.gov.br/internet/diretoria/conleg/estudos/ pdf>. Acesso em: 25 fev RIOS, Sandra Polónia. O papel das negociações comerciais na agenda econômica do futuro Governo. Revista Brasileira de Comércio Exterior, [S.l.], Disponível em: <http://www.funcex.com.br/bases/ninter.pdf>. Acesso em: 25 fev

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado.

O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado. O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado. João Augusto Baptista Neto* Analista de Comércio Exterior Secretaria Executiva da CAMEX 1. Brasil, os demais BRICS e o setor privado brasileiro Muito

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Samuel Pinheiro Guimarães postado em: 26/04/2014 Integração regional e acordos de livre comércio 1. A conveniência da participação

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

MATERIAL ATUALIZADO EM ABRIL DE 2012

MATERIAL ATUALIZADO EM ABRIL DE 2012 1 MATERIAL ATUALIZADO EM ABRIL DE 2012 4. Processo de integração econômica. Estágios de integração econômica. Formação de blocos econômicos. União Européia. Integração econômica nas Américas: ALALC, ALADI,

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS

ACORDOS INTERNACIONAIS Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 53 ACORDOS INTERNACIONAIS ONU SDN (Sociedade ou Liga das Nações) Foi criada com a intenção de manter a paz. No seu período de atividade, contudo,

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Status PNE. Exportação. Julho 2015/2014-22,0% +3,2% Importação

Status PNE. Exportação. Julho 2015/2014-22,0% +3,2% Importação CONTEXTO Status PNE - De acordo com dados oficiais divulgados no começo do mês, a queda no preço de importantes produtos da pauta exportadora brasileira afeta, de maneira significativa, o saldo da balança

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 Recomendações da Terceira Reunião de Cúpula do IBAS para questões empresariais, apresentadas aos

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

AVII 8º ANO Globalização Qual é a mais próxima da realidade? Como será o futuro? Escola do futuro de 1910 Cidade-prédio de 1895 A era das redes aumentou ou diminuiu o tamanho do mundo?

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

XLVIII Cúpula de Chefes de Estado do MERCOSUL e Estados Associados 17 de Julho de 2015

XLVIII Cúpula de Chefes de Estado do MERCOSUL e Estados Associados 17 de Julho de 2015 XLVIII Cúpula de Chefes de Estado do MERCOSUL e Estados Associados 17 de Julho de 2015 1 INTRODUÇÃO A 48ª Cúpula de Chefes de Estado do MERCOSUL e Estados Associados será realizada em Brasília, no dia

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5R. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5R. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-489 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Comércio Exterior Estreita os Laços entre China e América Latina

Comércio Exterior Estreita os Laços entre China e América Latina Comércio Exterior Estreita os Laços entre China e América Latina Interesses econômicos mútuos fizeram com que o relacionamento comercial entre a China e os países da América Latina florescesse nos últimos

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015

INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015 INFORMATIVO DO DEREX JANEIRO DE 2015 SUMÁRIO Sumário CONHEÇA O DEREX 1 PLEITOS DA INDÚSTRIA 1 Acompanhamento legislativo de matérias da indústria...1 Propostas para alavancar as exportações...1 ANÁLISE

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Diretoria de Planejamento

Diretoria de Planejamento Diretoria de Planejamento Superintendência de Planejamento Nota Técnica 01/2003 - Janeiro de 2003 ALCA ou NAFTA? Ameaças e Oportunidades Celso A. M. Pudwell 1 1. Introdução: Blocos Regionais A Área de

Leia mais

DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais

DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais 1. Onde estamos? 2. De onde viemos? 3. Para onde vamos? 1. Quadro Atual Mundo: 1.

Leia mais

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos;

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos; TRATADO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO COMUM ENTRE A REPUBLICA ARGENTINA, A REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPUBLICA DO PARAGUAI E A REPUBLICA ORIENTAL DO URUGUAI (ASSUNÇÃO, 26/03/1991) A República

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos Prof. Claudimar Fontinele O mundo sofreu importantes transformações durante o século XX. O pós-segunda Guerra foi

Leia mais

América Latina. Diferentes oportunidades

América Latina. Diferentes oportunidades América Latina Diferentes oportunidades Casa da América Latina Missão: estreitar relações culturais, cientificas e económicas entre AL e Portugal e vice-versa. Fundada em 1998, como uma divisão da Câmara

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

INTERESSES DA INDÚSTRIA NA AMÉRICA DO SUL COMÉRCIO

INTERESSES DA INDÚSTRIA NA AMÉRICA DO SUL COMÉRCIO INTERESSES DA INDÚSTRIA NA AMÉRICA DO SUL COMÉRCIO Brasília 2015 INTERESSES DA INDÚSTRIA NA AMÉRICA DO SUL Comércio CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC Nota Técnica 1. Introdução O comércio internacional de bens usados tem sido, em muitos países, objeto de um tratamento diferenciado em comparação com

Leia mais

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira Edição 1 - Outubro de 2015 ESPECIAL A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira A conclusão das negociações da Parceria Transpacífico (TPP), anunciada formalmente na segunda-feira,

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

A Política de Desenvolvimento Industrial. O Que É e o Que Representa Para o Brasil

A Política de Desenvolvimento Industrial. O Que É e o Que Representa Para o Brasil A Política de Desenvolvimento Industrial O Que É e o Que Representa Para o Brasil Abril 2002 Sumário Resumo...2 1) O Que É Política Industrial na Atualidade?...8 2) Políticas Horizontais e Setoriais...10

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, São Paulo 25 de outubro de 2010 O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Dr. Ivan Ramalho, Secretário-Executivo Ministério

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Comércio exterior e política comercial da Venezuela Versão Preliminar Lia Valls Pereira * Introdução A partir de meados da década de 80, inicia-se uma mudança na orientação das políticas

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil

ABINEE TEC 2005. Normalização e Avaliação da Conformidade. A Normalização nas Américas. Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil Normalização e Avaliação da Conformidade A Normalização nas Américas Eugenio De Simone Diretor de Normalização da ABNT, Brasil O QUE É A ABNT? FUNDADA EM 1940 ENTIDADE PRIVADA, SEM FINS LUCRATIVOS, DE

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

INTEGRAÇÃO EXTERNA DA INDÚSTRIA

INTEGRAÇÃO EXTERNA DA INDÚSTRIA PROPOSTAS DE INTEGRAÇÃO EXTERNA DA INDÚSTRIA - 2014 1 Sumário - Propostas de Integração Externa da Indústria Introdução O Brasil precisa integrar-se efetivamente às cadeias de valor globais, sem renunciar

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

A AGENDA CHINA NO CONTEXTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

A AGENDA CHINA NO CONTEXTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO A AGENDA CHINA NO CONTEXTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO O lançamento da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP), e os motivos que orientaram a criação da Agenda China refletem uma atitude

Leia mais