AS COMPETÊNCIAS ESPERADAS DO PROFISSIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR PELAS EMPRESAS NA REGIÃO DE TATUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS COMPETÊNCIAS ESPERADAS DO PROFISSIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR PELAS EMPRESAS NA REGIÃO DE TATUÍ"

Transcrição

1 AS COMPETÊNCIAS ESPERADAS DO PROFISSIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR PELAS EMPRESAS NA REGIÃO DE TATUÍ ANA CARLA DE RAMOS 1, GIOVANA DE SOUSA DOMIGUES 2, MÁRCIO LUIZ MARIETTO 3 ¹ Aluna de Graduação do curso de Tecnologia em Gestão Empresarial. FATEC-Tatuí SP 2 Aluna de Graduação do curso de Tecnologia em Gestão Empresarial. FATEC-Tatuí SP 3. Docente e orientador de TCC no curso de Tecnologia Empresarial/COMEX na FATEC-TATUÍ; Doutorando em Administração de Empresas na Universidade Positivo; Membro do Academy of Management e do European Group of Organizational Studies. RESUMO Percebendo-se o constante aumento no fluxo de operações no Comércio Internacional constata-se a necessidade de se debater sobre as Competências dos profissionais que lidam com estas operações tidas como de alta complexidade. Neste sentido este trabalho discute, por meio de uma pesquisa qualitativa entrevistando-se profissionais da área e coordenadores de cursos acadêmicos de Comercio Exterior, a percepção das Competências dos Profissionais de Comércio Exterior na região de Tatuí. PALAVRAS-CHAVE: comércio exterior. competências individuais. profissional de comércio exterior. 1. INTRODUÇÃO Em épocas pré-históricas, as trocas ocorriam entre habitantes da mesma tribo. Com o progresso do relacionamento humano, o campo de ação das trocas ampliou-se, sucessivamente, para as cidades, nações e, finalmente, para o mundo (MAIA, 2008). Com a evolução do ser humano e seus aparatos tecnológicos, o Comércio Exterior tornou-se importante para os países envolvidos, seja pela necessidade de troca de produtos, devido à escassez ou à sobra desses, conforme afirma Keedi (2010): Se um país tem falta desses recursos não terá como suprir suas necessidades por si próprias, em especial, se é um país altamente industrializado e que necessita de produtos primários para a produção da sua indústria e seu desenvolvimento. Como se vê tanto a abundância quanto a sua falta são motivos para a realização do comércio exterior (KEEDI, 2010, p.18). Assim, a partir dos anos 70 o volume de transações comerciais entre os países cresceu exponencialmente, devido à maior abertura dos mercados, à criação de blocos econômicos e à queda das tarifas propiciando o aumento do comércio internacional. Oriundo a isto, Werneck (2007, p.22) distingue as três formas de comércio que são: a) Comércio Nacional - é o conjunto das atividades de compra e venda de mercadorias e prestação de serviços onde o vendedor e comprador estão situados no mesmo país; b) Comércio Internacional - é o conjunto das atividades de compra e venda de mercadorias e prestação de serviços entre as nações, isto é, em que vendedor e comprador estão situados em países distintos; e c) Comércio Exterior - é o conjunto das atividades de compra e venda de mercadorias e prestação de serviços entre um país e as demais nações.

2 Nesta direção, a área de Comércio Exterior ou Comércio Internacional é o ambiente onde se situa o profissional de Comércio Exterior sendo fundamental observar as competências atribuídas a estes profissionais. Para Parry (1996), em geral, as organizações dispendem bastante tempo na condução de estudos para identificar os clusters de conhecimentos, habilidade e atitudes necessários para desempenhar as várias funções laborais. As competências que são detectadas nestes estudos tornam-se a base de decisões para as contratações, treinamento, promoções e outros assuntos relacionados aos recursos humanos das organizações. Devido à importância destas decisões deve-se estar seguro que essas competências são válidas e úteis e que, de fato, descrevem as características principais que devemos observar para se desenvolver em um candidato para o cargo em questão. Um estudo mal conduzido poderá produzir uma lista de competências irrelevantes, que por sua vez irá gerar decisões incorretas dentro das politicas de RH organizacionais. É nesta linha de raciocínio que se percebe a importância do profissional de Comércio Exterior independente de sua localização geográfica. Destarte, atualmente com mais de 107 mil habitantes (IBGE, 2010), a cidade de Tatuí, nos últimos anos, teve um significativo aumento nas atividades de comércio exterior. Desde a sua fundação, a história nos mostra que, apesar de ser uma cidade voltada para agricultura, alguns pioneiros como, por exemplo, Manoel Guedes, já ousavam participar do Comércio Internacional. No ramo da indústria cerâmica, após a 1ª Guerra Mundial no ano de 1920 exportava seus tijolos para a Inglaterra, onde ainda hoje podemos encontrá-los em antigos prédios ingleses. A Região de Tatuí é constituída por 16 municípios com potencial importador/exportador, sendo 9 com perfil importador e 7 com perfil exportador. Em 2009, a Balança Comercial da cidade de Tatuí teve um volume de movimentações nas importações e exportações no total de cerca de U$ FOB 194 milhões. Suas principais empresas exportam: tripas de bovinos, tripas de suínos, tecidos de algodão e fusíveis; nas importações predominam: fornos industriais, trigo, outras máquinas, farinha de trigo e outros aparelhos de circuitos elétricos. Desta forma, considerando-se o contexto complexo ao qual este profissional está inserido, bem como a relevância da região de Tatuí no Comércio Exterior, este trabalho tem como objetivo demonstrar, por meio de entrevistas qualitativas individuais a profissionais ligados ao Comércio Exterior em algumas empresas da região e, também, dando-se voz aos coordenadores de faculdades com cursos de formação, em nível de graduação em Comércio Exterior na região, a percepção destes para: Quais são as competências básicas que um profissional de Comércio Exterior deve ostentar para desenvolver suas atividades nesta função na região de Tatuí? 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Comércio Exterior Brasileiro Desde os anos 70 o Comércio Internacional já figurava com força entre os países desenvolvidos, mas o Comércio Exterior brasileiro só passou a ter destaque a partir dos anos 90, quando houve a abertura dos mercados, a diminuição do protecionismo e a queda da inflação, conforme Bassi (2000): Vários países, entre eles o Brasil e nossos vizinhos sul-americanos em geral, demoraram a se integrar no comércio internacional em plena ebulição, devido a políticas protecionistas que visavam a estimular a industrialização. Para as empresas latino-americanas, especialmente as brasileiras, a hora da verdade chegou no início da década de 90, com a abertura de seus mercados e, pouco depois, com as políticas de estabilização econômica praticadas pela maioria dos governos da região, reduzindo drasticamente as taxas de inflação (BASSI, 2000, p. 31). Lanzana et alli (2006) constataram que na primeira metade dos anos 1990, advogava-se que a abertura comercial externa era opção atraente para elevar a competitividade internacional dos produtos brasileiros, trazendo maior disciplina aos preços com benefícios ao mercado interno. E ainda, conforme o mesmo autor, em 2003 apenas 3% de 7 milhões de empresas, participaram da atividade

3 exportadora, sendo que no mesmo ano 800 empresas eram responsáveis por 83% da receita de exportação e cerca de metade eram do ramo de commodities. No entanto, no final dos anos 90, a participação das pequenas e médias empresas aumenta no comércio exterior, sobretudo nas exportações conforme Lanzana et alli (2006) observam: O número de pequenas e médias empresas brasileiras exportadoras cresceu 35% no período de 1995 a 2001 (...). A questão da promoção das exportações vem sendo, portanto, tratada com certa seletividade entre mecanismos dedicados à grande, pequena e média empresa. Para as primeiras, os incentivos resumem-se às questões financeiras (...). Para as pequenas e médias empresas, os avanços dos órgãos informativos de comércio exterior, bem como a simplificação das operações iniciadas na primeira metade dos anos 1990, procuram caracterizar as exportações como uma quase extensão das vendas no mercado doméstico (LANZANA et alli, 2006, p ). Desse modo, o Comércio Exterior Brasileiro, desde a abertura dos mercados passou a figurar com grande importância no cenário internacional. 2.2 Competências Organizacionais e Individuais Fischer et alli (2010, p.33) explica que o conceito de competência foi proposto de forma estruturada pela primeira vez em 1973, por David McClelland (1973) visando a abordagem mais efetiva que os testes de inteligência para a seleção de pessoas, ampliando o conceito para sustentar os processos de avaliação nas organizações. Na mesma linha de pesquisa, constata-se para alguns autores, na maioria norte-americanos, cujos trabalhos foram desenvolvidos nos anos 70,80 e 90 que: Competência é o conjunto de qualificações (underlyingcharacteristics) que permite à pessoa uma performance superior em um trabalho ou situação. As competências podem ser previstas e estruturadas de modo a se estabelecer um conjunto ideal de qualificações para que a pessoa desenvolva uma performance superior em seu trabalho, ou seja, um cluster de conhecimentos, skills e atitudes relacionadas que afetam a maior parte de um job, que possa ser medido contra parâmetros bem aceitos, e que pode ser melhorada através de treinamento e desenvolvimento (FISCHER et alli, 2010, p.34). Parry (1996), também elucida que nem todos os estudos sobre competência são criados de maneira igual. Alguns estudos concentram-se em um trabalho específico de descrição funcional, como um caixa de banco ou farmacêutico, enquanto outros tentam identificar as principais competências necessárias em um trabalho dentro de uma categoria ampla como um treinador, gerente ou vendedor, ou seja, uma descrição funcional-estrutural. O quanto específicas ou genéricas devem ser definições de competências? A resposta depende de como as competências serão utilizadas e a finalidades do estudo. Outra diferença importante nos estudos competência é se uma "competência" é vista como um input ou output do comportamento humano. No Reino Unido, por exemplo, as competências são vistas como outputs: Os colaboradores mostram suas competências na medida em que seu trabalho atende ou excede os padrões de trabalho prescritos, logo nos Estados Unidos, as competências são vistas, principalmente, como insumos constituídos por conjuntos de conhecimentos, atitudes e habilidades que afetam a capacidade de um indivíduo para executar seu trabalho (PARRY, 1996). A partir deste ponto, somente com a intenção de localizar o leitor ao contexto teórico de Competências Organizacionais, Maciel e Camargo (2007) explicam que o construto Competência Organizacional tem sido definido como capacidade de coordenação de um conjunto de recursos, atividades e habilidades organizacionais. Ainda sobre as competências da organização, Marietto et alli (no prelo) explicam que no conceito de aprendizado estratégico está a noção de Competências Essenciais. Prahalad e Hamel (1990) defendem que organizações bem sucedidas sustentam seu desempenho numa coordenação valiosa de recursos especiais, obtendo vantagens competitivas. Denominam estes recursos cuidadosamente articulados de Competências Essenciais. Explicam que as Competências Essenciais relacionam-se a: O aprendizado coletivo na organização, especialmente no que diz respeito a como coordenar as diversas habilidades de produção e integrar as múltiplas correntes da tecnologia (...). A Competência Essencial é comunicação, envolvimento e um profundo comprometimento em trabalhar além das fronteiras organizacionais. Envolve muitas pessoas e de todas as funções (PRAHALAD e HAMEL, 1990, p.58-59).

4 Os autores, ainda, explicam que três testes podem ser feitos para identificar as Competências Essenciais de uma empresa: 1) Uma Competência Essencial oferece acesso potencial a uma ampla variedade de mercados; 2) Uma Competência deve contribuir de maneira significativa para os benefícios percebidos pelo cliente no produto final; e 3) Uma competência deve ser difícil de ser imitada pelos concorrentes. Por outro lado, Ruas (2003) introduz que em primeiro lugar, a pesquisa empírica confirma a grande disseminação da noção de competência, especialmente no que se refere à dimensão individual. Em uma de suas observações nos faz perceber que o termo competência está ligado diretamente à gestão de pessoas dentro do ambiente empresarial constatando as dificuldades de estudálas de forma isolada, pois a confusão entre as diferentes instâncias prejudica a clareza do uso da noção de competências na prática. Ele cita como exemplo desta confusão, a definição de competências requeridas ou competências efetivas, Capacidade de inovar e criar ou Capacidade de lidar com situações complexas, aliados aos recursos de conhecimento Conhecimento do Mercado e Conhecer a política da organização e mais os atributos como Saber ouvir ou Comprometido. Sarsur (2007) traz à tona os pensamentos da escola francesa que diferem a qualificação da competência e nos mostra que esta não está limitada somente à formação acadêmica inicial do indivíduo. Segundo a teoria, as duas noções não devem estar em lados opostos, mas é importante que estejam na mesma direção, para que a competência permita o aprimoramento da noção de qualificação. Nesta direção, ressalta-se que é difícil caracterizar na prática o que é competência, gerando certa confusão entre essa noção e os conceitos de desempenho, resultados, atribuições, responsabilidade, etc. Entre essas dificuldades de aplicação da noção, observa-se, também, que grande parte das atribuições de competências são apresentadas numa perspectiva ideal, excessivamente abrangente e praticamente inatingível por um indivíduo (RUAS, 2003). Conforme Fleury e Fleury (2001), competência não se limita ao estoque de conhecimentos teóricos e empíricos do individuo, nem se encontra encapsulada na tarefa. E ainda, segundo os autores, competência é a inteligência prática de situações, que se apoia nos conhecimentos adquiridos e os transforma com tanto mais força quanto maior for a complexidade das situações. Na abordagem de Fleury e Fleury (2001), a competência pode ser definida como sendo um saber agir responsável e reconhecido, que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que agreguem valor econômico à organização e social ao individuo. Observam também que a competência é o cruzamento de três fatores: o indivíduo (pessoa), sua formação educacional e sua experiência como profissional e presume-se que a competência individual depende do contexto e da rede de conhecimento ao qual o indivíduo está inserido, sendo esta última de grande importância para que a comunicação favoreça a competência (Fleury e Fleury, 2001). Segundo Ruas, Antonello e Boff (2005, p.18), capacidade é tudo o que se desenvolve e explora sob a forma de potencial e que é mobilizado numa ação a qual associamos à noção de competência, ou seja, não se trata de considerar as pessoas competentes, mas sim suas ações. As capacidades são, em geral, compostas por conhecimentos, habilidades e atitudes. Além das capacidades algumas ações vão requerer outros recursos do tipo instrumentos, sistemas ou equipamentos. Não há dúvida de que a concepção de competência individual é a mais heterogênea. Para esta pesquisa utilizaremos o conceito de Competência Individual de Fleury e Fleury (2001) alinhado ao conceito de Capacidade de Ruas, Antonello e Boff (2005), ou seja, a competência está ligada ao que o indivíduo aprende ao decorrer de sua vida em certas situações ou mesmo ao estoque de conhecimentos práticos e específicos, além de vincular-se em pautar suas ações com responsabilidade, somando, assim, a capacidade de desenvolver seus conhecimentos, habilidades e atitudes utilizando-se dos instrumentos disponíveis para o desenvolvimento de suas tarefas e ações laborais imersos em uma eficiência e eficácia longitudinal. 2.3 Competências do Profissional de Comércio Exterior O Profissional de Comércio Exterior é o indivíduo que atua diretamente nas relações de

5 Comércio Internacional, bem como na análise das situações e novas tendências de mercado, como para o planejamento do comércio de produtos e serviços com outros países. A título de exemplo, em uma operação de comércio exterior, ou seja, num processo de transferência de mercadorias entre o importador e exportador, podemos considerar quatro aspectos importantes: o negocial, o logístico, o cambial e o fiscal (WERNECK, 2007, p.25). Assim, percebe-se que o profissional envolvido terá contato direto ou indireto com as questões que tratam das transações comerciais, a logística, as operações de câmbio, legislação, entre outras, e percebe-se aqui a necessidade de se debater sobre as competências do mesmo em relação as suas atividades diárias e laborais no desenvolvimento destas tarefas. Neste contexto, a globalização é um fato determinante na carreira deste profissional, pois é um dos fatores determinantes no rumo das negociações internacionais. Na opinião de Echeveste et alli (1999), a competência do Profissional de Comércio Exterior pode ser entendida como um processo social econômico de caráter transnacional e requer uma nova postura do perfil dos executivos a fim de manter vantagens competitivas exigidas pelas mudanças em um cenário dinâmico de constantes transformações. O mercado internacional segue em uma corrida pela procura daquilo que o consumidor global exige e quer adquirir, portanto de acordo com Mainardes, Deschamps e Lima (2007), o Profissional de Comércio Exterior deve buscar cada vez desenvolver suas qualificações, eficiência, profissionalismo e criatividade para sobreviver dentro de um quadro de relações internacionais onde se deve evitar erros. Por meio de procedimentos técnicos e baseados em legislação específica, o Profissional de Comércio Exterior faz a importante ponte entre importador e exportador, agindo como negociador, tratando das questões financeiras, cambiais e processos logísticos. Neste sentido, Mainardes, Deschamps e Lima (2007) falam da importância da boa formação dos egressos dos cursos de comércio exterior e de como deverão estar aptos a lidar com a diversidade de culturas, de regimes jurídicos, institucionais e políticos, de estruturas econômicas, de experiências históricas, sobretudo pela variedade de linguagens que o profissional irá encontrar no diálogo que lhes é imposto pelas negociações internacionais. Em seu estudo, Mainardes, Deschamps e Lima (2007) ainda observam que o novo cenário econômico demanda por profissionais que tenham uma visão mais ampla e generalista, tendo conhecimento não só do universo teórico que a formação lhe confere, mas a prática que é própria deste ambiente de negócios. Ressalta também que há uma necessidade cada vez maior de profissionais que tenham raciocínio lógico, criatividade, flexibilidade, adaptabilidade, senso crítico, visão global e estratégica, além da capacidade de selecionar e processar um grande número de informações, ligadas aos mais inesperados e variados segmentos de mercado, áreas de conhecimento e contextos culturais. Na mesma linha de pensamento, Ataíde (1997) fala da necessidade de aprimoramento contínuo dos conhecimentos individuais, sejam quais forem as funções exercidas, pois o mercado exige profissionais qualificados e de bom relacionamento, sendo que somente os mais bem preparados e que sabem transformar dados e informações em conhecimentos e com formação ética terão condições de enfrentar os desafios e ameaças e aproveitar as oportunidades em beneficio da sociedade global. Para tanto é imprescindível que esse profissional seja atualizado tanto nas questões de mercado interno, quanto nos acontecimentos globais, sejam de caráter econômico, político e cultural, lembrando que cada acontecimento pode refletir diretamente na comercialização de produtos e serviços entre os países, demandando tomadas de decisões imediatas. Isto, além dos requisitos já citados, exige do Profissional de Comércio Exterior e de outras áreas, o saber lidar com seus sentimentos e emoções para lidar com os assuntos pertinentes à sua área de atuação. Foi assim que Ludovico (2010) observando a questão do ponto de vista científico dedicou um capítulo de seu livro Logística Internacional Um enfoque em Comércio Exterior, somente para expor suas pesquisas com relação às aptidões do profissional da área do campo de logística ligado ao comércio exterior. Tendo visão pelo ponto de vista da neurolinguística, o autor chegou à seguinte observação: A razão, dizem os cientistas, tem a ver como a maneira pela qual as emoções e os sentimentos são processados no cérebro. [...] Tornar a razão mais rica por meio deste processo só é possível àqueles que conseguem fazer com que suas emoções trabalhem intencionalmente para si, o que requer o reconhecimento e a valorização dos sentimentos, mediante a prática de técnicas e o aproveitamento de aptidões que compõem essa visão, tais como controle de impulsos, abandono de sentimentos negativos, adequação da autoestima,

6 tolerância às justificações, interpretação dos canais não verbais de comunicação e sintonia no relacionamento interpessoal (LUDOVICO, 2010, p.355). Algo ainda totalmente imprescindível para o profissional de comércio exterior é o domínio de uma segunda língua, tornando a fluência no inglês, requisito cada vez mais básico para quem quer atuar nesta área. Desta forma, Peres Antônio (2005), afirma que: O mundo, hoje, tem um mercado moderno e globalizado, ficando praticamente tudo em inglês, que é, sem dúvida, uma língua universal. Para quem acha que a língua inglesa é um mero detalhe para o Comércio Exterior, basta passar os olhos em algumas documentações e logo irá se deparar com vários termos nesta língua. International Trade, Bill of Lading, Foreign Exchange, Packing List, Port, Commercial Invoice, entre muitos outros, são termos usados diariamente nesta área. (PEREZ ANTÔNIO, 2005) O conceito balizador deste estudo fundamenta-se em Mainardes, Deschamps e Lima (2007) alinhado a Ataíde (1997) e complementando Peres Antônio (2005), sendo que o Profissional de Comércio Exterior é aquele que tem visão global e estratégica, aliados à capacidade de criatividade, flexibilidade, sendo este capaz de aplicar os seus conhecimentos nos mais diversos segmentos de mercado e contextos culturais, com ética e determinação para enfrentar os diversos desafios impostos pelo mercado, além de raciocínio lógico, adaptabilidade, senso crítico, seleção e processamento de um grande número de informações, e o domínio da língua estrangeira. 3. ESTRATÉGIA DE PESQUISA Marietto (2011) ressalta a importância da Pesquisa Qualitativa para o desenvolvimento analítico dos fenômenos observados, ou seja, percebe-se que os estudos Quantitativos, em geral, apenas tocam a realidade de maneira superficial promovendo uma generalização estatística localizada e restrita (explicam: O quê? No sentido de quais elementos compõem este fenômeno/objeto; e o Como? No sentido de como as variáveis destes elementos se relacionam). Enquanto que os estudos Qualitativos tendem a se aprofundarem analiticamente no fenômeno/objeto promovendo, assim, uma generalização profunda de explicação contextual a aquele fenômeno/objeto de estudo (além de explicarem O Quê e Como? Explicam também: o Porquê estes elementos se relacionam; além de Quando? Onde? Por Quem?). Neste sentido, optou-se por uma Estratégia de Pesquisa de Entrevista Qualitativa onde nos dizeres de Bauer e Gaskell (2000, p.65): A compreensão dos mundos da vida dos entrevistados e de grupos sociais especificados é a condição sine qua non da entrevista qualitativa. Tal compreensão poderá contribuir para um numero diferentes empenhos na pesquisa. Poderá ser um fim em si mesmo o fornecimento de uma descrição detalhada de um meio social específico; pode também ser empregada como base para construir um referencial para as pesquisas futuras e fornecer dados para testar expectativas e hipóteses desenvolvidas fora de uma perspectiva teórica especifica. 3.1 Método Utilizou-se o método de Entrevista Individual Aberta, baseado nos pressupostos de Bauer e Gaskell (2000), onde os pesquisadores não orientaram a investigação a partir de um conjunto de perguntas pré-determinadas como em um levantamento ou questionário, ainda que o conteúdo das perguntas abertas tenha sido estruturado pelo referencial teórico desenvolvido acima. A ideia não foi a de realizar perguntas esperando-se que os entrevistados proporcionassem suas ideias em categorias de respostas previamente especificadas, contudo ostentou-se a intenção de que o entrevistado fosse convidado a falar longamente com suas próprias palavras e com tempo para reflexão esperando-se, desta forma, obter esclarecimentos e acréscimos em pontos importantes com sondagens apropriadas e questionamentos específicos (BAUER E GASKELL, 2000, p.73).

7 3.2 Procedimentos de Coleta de Dados Em um primeiro momento realizou-se uma pesquisa no site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior junto ao Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Comércio Exterior DEPLA, para verificar quais empresas da região de Tatuí possuíam atividade de importação ou exportação e, consequentemente, a necessidade do Profissional de Comércio Exterior em seu quadro de funcionários, além de um levantamento junto as Universidades da Região que possuem cursos de formação em Comércio Exterior em nível de graduação. A seguir contataram-se os profissionais, professores e coordenadores que atuam nas mesmas sendo entrevistados, ao todo, dez profissionais entre 03 de março e 15 de abril de 2011: a) Quatro supervisores de importação/exportação atuando no ramo de metalúrgica, alimentos e vidros; b) Três analistas de importação/exportação no ramo de materiais sintéticos, artefatos de plástico e máquinas operatrizes; e c) Dois coordenadores e uma professora em cursos de graduação em Comércio Exterior. As perguntas foram diretamente aplicadas aos entrevistados dentro do ambiente de seu trabalho, deixando-os livres para expressarem suas ideias e contarem suas experiências profissionais com relação ao Comércio Exterior. Os depoimentos foram gravados para que não se perdesse nenhum dado ou detalhe em sua interpretação e, assim, proporcionou-se uma análise dos dados criteriosa e rigorosa aos depoimentos. 4. ANÁLISE DOS DADOS As respostas obtidas foram sintetizadas, devido à restrição de espaço, em um quadro autoexplicativo Quadro 1- de modo que sobressaíssem os pontos mais importantes resultando no que a pesquisa visava coletar em direção aos pressupostos conceituais elencados no referencial teórico acima. O quadro mostra a relação das respostas dos profissionais entrevistados com a base teórica que se pode ressaltar sobre o profissional de Comércio Exterior. A categorização foi realizada levando-se em conta os pontos elencados pelos entrevistados convergentes aos conceitos de referência utilizados neste trabalho devendo-se perceber que, para se manter o rigor analítico e contextual das entrevistas, transcreveram-se as palavras exatas proferidas pelos entrevistados. Destarte, eventuais erros de semântica ou concordância não caracterizam desleixo ou falta de revisão dos autores, mas o objetivo maior de ser fiel e rigoroso aos dados apresentados e analisados proferidos pelos entrevistados.

8 Quadro 1 Competências esperadas do Profissional de Comércio Exterior na Região de Tatuí Respostas Teoria Fleury e Fleury (2001) e Ruas, Antonello e Boff (2005). Ataíde (1997); Peres Antônio (2005) e Mainardes, Deschamps e Lima (2007) SUPERVISORES DE COMEX ANALISTAS DE COMEX PROFISSIONAL ACADÊMICO Deve dominar assuntos relativos ao mercado comercial; Habilidades para resolver, solucionar problemas; Atitude. Jogo de cintura; Pessoa rápida (processos são rápidos); Pessoa ágil; Pessoa de fácil assimilação; Deve ser antenado em tudo que acontece no mundo; Domínio em negociações. Ter uma habilidade geral; Pós-graduação; Domínio dos processos; Conhecer o funcionamento dos órgãos públicos, Disponibilidade para viajar. Principal é dedicação, 1º tem que ser uma pessoa comprometida com bastante foco nos problemas. A pessoa tem que ser comunicativa dinâmica; Pró ativa; Ter espírito de equipe e ser bem flexível e ser comunicativa. Tem que ser multidisciplinar, entender do que está fazendo e ter equipe para te dar apoio; Discernimento para tomada de decisão; Não pode ser uma pessoa acomodada, Não ser acomodado, habilidade. Desenvolveremse para negociações. Alto grau de competitividade; Pró-atividade; Conhecimento técnico e adaptação para exigências. Competências gerais de um gestor, iniciativa, trabalhar em equipe, saber planejar, aprender sempre, relacionamento interpessoal, ética. Preparo técnico; Conhecer a Legislação Aduaneira; Língua estrangeira (pelo menos duas línguas); Experiência na área também é interessante. Formação em Comex; Conhecer órgãos públicos; Institutos; Língua estrangeira (inglês principalmente); Conhecer o ramo; Saber o negócio que pretende atuar; Experiência profissional. Preenchimento rápido dos documentos; Saber o funcionamento de todo processos. Comex mais amplo do que se parece; O profissional precisa saber da legislação, saber de logística, área financeira, contratos, fechamento de câmbio, negociação. Dominando uma língua estrangeira sim, continuidade nos estudos e curso de especialização. Ter no mínimo inglês, interessante também o espanhol, para ter uma melhor comunicação. 2º tem que ter conhecimento no processo e conhecidos para fornecer ajuda e contatos, tem que ser uma pessoa polivalente, saber de NCM, saber de desembaraço aduaneiro. Essencial conhecimento em informática, línguas, conhecimento em logística, ter conhecimento sobre os países que estão atuando. Não tem receita de bolo, estudar muito, não ter medo de meter a cara, ter conhecidos para lhe ajudar, não ter medo de pressão, equipe empenhada, inglês é imprescindível. Sempre se atualizar; leis e regras de beneficio e acompanhar o mercado; Vai estar diretamente ligado ao tamanho da empresa e segmento; Pode trabalhar em bancos, comercial exportadora, própria empresa exportadora, seguradora uma série de funções; Conhecer todos os processos; Conhecer toda documentação da área em que está inserido. Estudar, estudar, estudar; Nunca desanimar; Idioma inglês no mínimo (principal exigência, mandarim seria muito bom); Ser intraempreendedor; Procurar se interar além de suas funções; Controlar o processo do início ao fim agrega muito valor. Conhecimento das documentações e legislação; Fluência em língua estrangeira; Gerenciar operações, transações cambiais, despacho, legislação aduaneira, exportação, importação, contratos, logística internacional, define planos de ação, executar operações legais e tributárias.

9 5. CONCLUSÃO Por meio da análise dos dados, demonstrada no Quadro 1, pode-se inferir que os pressupostos teóricos sobre Competência Individual listados por Fleury e Fleury (2001); e Ruas, Antonello e Boff (2005); e Competência do Profissional de Comércio Exterior listados em Ataíde (1997); Peres Antônio (2005) e Mainardes, Deschamps e Lima (2007);são convergentes aos elementos listados pelos entrevistados nas empresas e faculdades de Tatuí e Região. Percebeu-se que as respostas tendem a ser bem parecidas nas três classes entrevistadas. Supondo-se que estes profissionais conhecem o mercado e suas necessidades quanto a um profissional enfatizaram as Competências do Profissional de Comércio Exterior como: o profissional tem que ter preparo técnico, conhecer a legislação aduaneira, conhecer os processos de importação e exportação, conhecer os órgãos públicos, toda documentação necessária para o processo, contratos, despachos, câmbio, negociações, área financeira, logística e ter fluência em pelo menos uma língua estrangeira, entre outras. Observou-se, que em algumas respostas, encontrou-se o termo estudar, que pode significar que o profissional deve possuir a competência adicional de permanecer em constante atualização buscando opções e melhorias para a manutenção de suas competências na área de Comércio Exterior. Citaram-se, também, competências que podem não ser somente de um Profissional de Comércio Exterior, mas de qualquer como: ser uma pessoa ágil, multidisciplinar, polivalente, próativo, competitivo, flexível, intra-empreendedor, comunicativo, atualizado, ético, entre outras, inferindo-se, também, o direcionamento aos pressupostos elencados por Parry (1996), além de evidenciar o caráter funcionalista-estrutural dos resultados encontrados. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ATAÍDE, M. E. M. O lado perverso da globalização na sociedade da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.26, n.3, BASSI, E. Empresas locais e globalização: guia de oportunidades estratégicas para o dirigente nacional. São Paulo: Cultura, BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, CARBONE, P. P.; BRANDÃO, H. P.; LEITE, J. B. D.; VILHENA, R. M. P. Gestão por competências e gestão do conhecimento. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, ECHEVESTE, S.; VIEIRA, B.; VIANA, D.; TREZ, G.; PANOSSO, C. Perfil do executivo no mercado globalizado. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.3, n.2, FISCHER, A.; DUTRA, J. S.; NAKATA, L. E.; RUAS, R. Absorção do conceito de Competência em gestão de pessoas: A percepção dos profissionais e as orientações adotadas pelas empresas. In: DUTRA, J. S.; FLEURY, M. T. L.; RUAS, R. (Org) Competências, conceitos, métodos e experiências. São Paulo: Atlas, FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.5, IBGE Sinopse do senso demográfico Disponível em: <www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow>. Acesso em: 10 abr

10 KEEDI, S. ABC do Comércio Exterior Abrindo as primeiras páginas. São Paulo: Aduaneiras, LANZANA, A. E. T.; VASCONCELLOS, M. A. S.; LIMA, M.; SILBER, S. D. Gestão de Negócios Internacionais. São Paulo, Saraiva, LUDOVICO, N. Logística Internacional Um enfoque em Comércio Exterior. São Paulo: Saraiva, MACIEL, C. O.; CAMARGO, C. Competências funcionais e desempenho organizacional: a importância da gestão dos recursos humanos no varejo. In: Anais do XXXI EnANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD, MAIA, J. M. Economia internacional e comércio exterior. São Paulo: Atlas, MAINARDES, E. W.; DESCHAMPS, M.; OLIVEIRA, E. L. A condição do profissional de comércio exterior frente aos desafios da internacionalização. Revista Administração FEAD, v.5, MARIETTO, M. L. Strategy as practice in the structurationist perspective: What it is and why it is? Toward an ontology of practice of strategy in organizations. In: Annals of 27 th EGOS Colloquium. Sweden: Gothenburg, MARIETTO, M. L.; MEIRELES, M.; FERNANDES, B. H. R.; SANCHES, C.; PAIXÃO, M. R. Estratégia, competências e aprendizagem: o caso de um supermercado na cidade de Sorocaba. REGEUSP - Revista de Gestão da USP, (No prelo). PARRY, S. B. The quest for competencies. Training, v.33, n. 7, p.48-54, jul ANTONIO, F. P. A importância do inglês no comércio exterior. Revista Eletrônica de Administração, n.8, HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. The core competence of the corporation. Harvard business review, v. 68, n. 3, p , RUAS, R.; ANTONELLO C. S.; BOFF, L. H. Os novos horizontes da gestão: Aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Artmed, RUAS, R. Gestão por Competências: Uma contribuição à perspectiva estratégica da gestão de pessoas. In: Anais do Congresso Internacional Gestão de RH, EA/UFRGS. Grenoble, França SARSUR, A. M. Gestão por Competências: A percepção de ganho social do trabalhador. Tese (Doutorado em Administração), FEA/USP, São Paulo, WERNECK, P. Comércio Exterior & Despacho Aduaneiro. 4.ed. Curitiba: Juruá, 2007.

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Programas

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Aula 2: Seleção Por Competências. Professora Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 2: Seleção Por Competências Professora Sonia Regina Campos Seleção por Competências Seleção por Competências A Gestão de Pessoas passou por uma alteração de paradigmas.

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Palavras chave: Estratégias; Gestão por Competências; Práticas.

Palavras chave: Estratégias; Gestão por Competências; Práticas. Posicionamento Estratégico: Práticas Inovadoras em Gestão de Pessoas por Competências. Paulo Lot Jr. (PUC Campinas e USF- Universidade São Francisco) contato@paulolot.com.br Resumo A gestão de pessoas

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Executiva Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Administração Duração: 4 anos Carga Horária Total: 3.040 horas/aula Este

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS DIPLOMA CONFERIDO:

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 003.15

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 003.15 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 003.15 O Centro Internacional de Energias Renováveis Biogás - CIBiogás-ER, torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo no 003.15 sob contratação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

MBA Gestão de Negócios FIA-ROTARY Turmas Março 2016

MBA Gestão de Negócios FIA-ROTARY Turmas Março 2016 A Fundação de Rotarianos de São Caetano do Sul - ROTARY Colégio Eduardo Gomes objetivando o desenvolvimento profissional de seus associados e seus familiares estabeleceu parceria educacional com a Fundação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

EDITAL 01/2015 ABEMEL

EDITAL 01/2015 ABEMEL EDITAL 01/2015 ABEMEL O Presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (ABEMEL), no uso de suas atribuições legais, com base na legislação vigente e no termo do Convênio firmado com a Agência

Leia mais

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Executiva Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Administração Duração: 4 anos Carga Horária Total: 3.040 horas/aula Este

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 1-CEPE/UNICENTRO, DE 27 DE JANEIRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Negócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO.

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO EXTENSÃO E. E. INDIA VANUÍRE Código: 9136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS PERFIL DO PROFISSIONAL ARQUIVISTA PARA ATUAR COM A GESTÃO DOCUMENTAL EM AMBIENTES EMPRESARIAIS CARDOSO, Débora Regina 1 debora.cardoso@click21.com.br VALENTIM, Marta Lígia Pomim 2 valentim@marilia.unesp.br

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais