INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO COMERCIO EXTERIOR E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO COMERCIO EXTERIOR E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS"

Transcrição

1 INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO COMERCIO EXTERIOR E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS A Influência de Componentes Importados no Prazo de Entrega de Produtos Acabados Wanderliza Dutra Deusdedith CAMPINAS

2 INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO COMERCIO EXTERIOR E NEGÓCIOS INTERNACIONAIS A Influência de Componentes Importados no Prazo de Entrega de Produtos Acabados Wanderliza Dutra Deusdedith CAMPINAS

3 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer a empresa Rockwell Automation do Brasil, pela oportunidade de realizar o presente estudo, objeto deste relatório.gostaria de agradecer ao Sr. Devair Previdelli Gerente de Vendas da Filial Campinas, Sr. Mauro Murcia Gerente da Área de Produção, e ao Sr. Alfredo Naso Engenheiro de Vendas, Marcelo Ankier Logística de Planejamento, Srta Helena Camelo Planejamento e Controle da Produção, Ariovaldo Barros Fontes Engenharia, pelo apoio e pela oportunidade de estar conhecendo melhor as atividades da Produção de Módulos, assim como são realizados as atividades, normas e procedimentos. 3

4 A minha família Terezinha minha querida mãe e Andréia minha querida irmã. Pelo exemplo e pelo apoio que me deram ao longo da vida, para que eu pudesse ser bem sucedida em minha formação profissional. 4

5 A INFLUÊNCIA DE COMPONENTES IMPORTADOS NO PRAZO DE ENTREGA DE PRODUTOS ACABADOS WANDERLIZA DUTRA DEUSDEDITH Resumo Um dos maiores problemas dentro das organizações é a utilização de componente ou produtos importados na linha produtiva.na Rockwell Automation do Brasil, foi realizado exatamente esta avaliação, de como os componentes importados influenciam no prazo de entrega de produtos acabados, na área de Produção de Módulos (PMO). Para isso, utilizamos ferramentas como PCP (Planejamento e Controle da Produção) Diagrama de Causa e efeito. Onde podemos ver claramente onde estão concentradas as causas e que por muitas vezes fogem ao controle da empresa, ficando assim na dependência de terceiros, despachantes aduaneiros, transporte de movimentação e até dos agentes de fiscalização. A busca de uma melhor maneira de planejar a compra a produção e trabalhar melhor dentro do ciclo produtivo, sem afetar a produtividade, os custos, a qualidade e performance dos produtos que serão utilizados nos projetos de automação e pelos clientes. Visando dentro da estratégia minimizar as possibilidades de falhas. A capacidade de mudar, e rápido é considerado sem dúvida, uma vantagem competitiva (Richard Love, Hewlett-Packard) Palavras-Chave PCP- Planejamento e Controle de Produção, PMO- Produção de Módulos, Qualidade dos Produtos 5

6 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 8 2. RADIOGRAFIA DA EMPRESA DADOS GERAIS SOBRE A EMPRESA IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE MANUFATURA, OPERAÇÕES EM SERVIÇOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ANALISE DA AREA ESPECIFICA DA PESQUISA DADOS GERAIS SOBRE A AREA DE PRODUÇÃO DE MÓDULOS 16 Planejamento da Produção 19 Administração de Preços 22 Administração de Preços 23 Seleção e Administração de Canais e da Distribuição 23 5 Proposta de Melhoria DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 25 Procedimento de Fabricação 27 Importação 30 Preparação da carga a ser transportada Embalagem 31 Preparação da carga a ser transportada Embalagem 31 Pagamento do Transporte 32 Conhecimento de embarque marítimo 33 Situações Contratuais 34 Tipos de navios 34 Composição do Frete Marítimo 35 SUGESTÃO DE MELHORIA 36 Processo de Importação 36 Centro de Distribuição 37 Centro de Distribuição Columbia S/A 38 O que é Entrepostamento Aduaneiro? 39 Custo X Beneficio 40 6

7 Custo X Beneficio 41 Cronograma de Implementação 47 Atualmente dois funcionários trabalham efetivamente no monitoramento, faturamento e distribuição dos produtos, em parceria com o Columbia.Resultados Obtidos 47 Resultados Obtidos 48 Bibliografia Geral 49 Referência Bibliográfica Complementar 50 GLOSSÁRIO 51 Documentos Referência 53 7

8 1. APRESENTAÇÃO Este relatório apresenta os resultados da pesquisa feita em Administração de Produção, Mercado Internacional e Distribuição. O objetivo geral da pesquisa foi a análise dos conceitos e técnicas estudados durante o curso Comercio Exterior e Negócios Internacionais, e a sua comparação com as práticas da empresa. Com o objetivo de oferecer uma oportunidade para desenvolver experiências práticas no Campo da Administração para complementar a formação para o exercício profissional. Incluem-se neste relatório as informações de âmbito geral que acerca a empresa onde a pesquisa foi realizada, sobre a área especifica além de dados sobre a estrutura básica de um projeto de melhoria onde são analisados os dados referentes a um problema detectado durante a pesquisa. 8

9 2. RADIOGRAFIA DA EMPRESA 2.1 DADOS GERAIS SOBRE A EMPRESA A Rockwell Automation do Brasil, com sua sede à Rua Comendador Souza, 194 São Paulo - SP, é uma empresa do setor de automação industrial, e esta presente em todo o território brasileiro através de suas filiais de vendas, apoiada em uma estrutura de canais, composta por uma rede de distribuição, Solution Providers e Integradores de Sistemas System Integrators IDENTIFICAÇÃO A Rockwell Automation, sucessora da Metal Leve Controles Eletrônicos Ltda., empresa fabricante de Controladores Lógicos Programáveis (CLP s), vem atuando desde 1979, no segmento de automação industrial, mais especificamente no mercado de Controladores Lógicos Programáveis, onde detêm a posição de líder de mercado. A empresa desde sua origem vem atuando na área de Automação Industrial, oferecendo em todo o Brasil Soluções Integradas e Especificas para cada aplicação, traves da adequada configuração de seus itens de catalogo. Toda aplicação de automação é composta, partindo-se do numero de pontos da instalação a serem controlados / monitorados, do nível de complexidade das 9

10 instruções a serem executadas e do tempo de resposta mínimo previsto no processo ou manufatura a controlar. Além disto, para o uso adequado dos produtos ofertados, é necessário o desenvolvimento do programa de aplicação, e eventuais serviços associados, como start-up, reparo, treinamento e consultorias. A partir de 2002, por decisão estratégica comercial e pela crescente demanda mercadológica, a Rockwell Automation do Brasil Ltda teve a sua subdivisão para a Rockwell Comércio e Serviços de Automação Ltda, situado em Alphaville, com estoque terceirizado em Campinas, responsável pelo fornecimento de produtos seriados. Marcas Associadas A Allen-Bradley é líder mundial em controladores lógicos programáveis, componente lógico de controle, software de automação industrial e dispositivos de interface de operação. A Allen- Bradley também fornece acionadores de CA e CC, protetores inteligentes de motor, contadores, interruptores, chaves, acionadores, bornes, controladores inteligentes de motor, dispositivos de qualidade de potência e supervisão de alimentação e sensores de presença. Reliance Eletric A Reliance Electric é líder mundial em motores industriais e de engenharia, motores síncronos e geradores, acionamentos padrão CA e CC e serviços de reparo por equipamentos eletrônicos e máquinas rotativas. 10

11 Dodge A Dodge é o fornecedor número um na América do Norte de produtos de transmissão de potência mecânica, incluindo redutores de engrenagem, drives de velocidade ajustáveis mecanicamente, redutores montados sobre eixo, montadores de mancais, condutores de polia, acoplamentos de eixo, pedais e freios. Rockwell Software Fundada em 1994, a Rockwell Software já é a líder mundial no desenvolvimento e suporte de software de automação, fornecendo software de supervisão e controle de processo; pacotes de sistemas para Windows TM para registros históricos e análises de tendências em tempo real, aquisição de dados e controle de receita; Microsoft, pacotes de software para sistemas de tecnologia ActiveX; pacotes de programação CLP (PLC) para ambientes Windows e DOS e pacotes de comunicação ÁREA DE MANUFATURA, OPERAÇÕES EM SERVIÇOS. A Rockwell Automation identifica e planeja os processos de producao, instalação, entrega e serviço de pós-venda, que influem diretamente na qualidade e assegura que estes processos são executados sob condições controladas, como: Metodologias definidas de produção; Uso de equipamentos adequados de produção, instalação, liberação e um ambiente adequado de trabalho; Disponibilidade e uso de dispositivos para monitoramento e medição; 11

12 Conformidade com norma, códigos de referencia, planos da qualidade, procedimentos documentados; Aprovação de processos e equipamento como apropriado; Critérios de execução que são estipulados da maneira prática mais clara; Manutenção adequada de equipamentos par assegurar a continuidade da capabilidade do processo; A organização valida os processos, onde a saída resultante pode ser um produto, serviço ou uma solução integrada de automação. Para esses casos a verificação é realizada mediante testes elétricos e funcionais, seja este um produto eletrônico ou um painel elétrico. Auditorias de produto e de processo são realizadas periodicamente a fim de revalidar os processos existentes, demonstrando sua capacidade em atender os requisitos planejados. 12

13 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O principal ponto convergente abordado dentre as obras utilizadas para realizar esta pesquisa é o Planejamento e Controle da Produção (PCP) Podemos afirmar que o Planejamento e Controle da Produção são compostos da seguinte forma: Minimizar os atrasos e não atendimento de ordens de produção; Minimizar os estoques Minimizar a ociosidade dos recursos produtivos; Alocação eficiente do trabalho; Reduzir prazos Distribuir o trabalho de forma equilibrada. E visa ainda ser consistente e perceptível, onde buscara eficiência e qualidade em todas as situações citadas. Estas ações que se voltam para a eficiência e eficácia da produtividade tem como meta a plenitude da satisfação dos seus clientes. Seguindo padrões préestabelecidos, regidos pelas normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), ISSO e CE (Comunidade Européia). Manter a fidelidade com os regulamentos é fornecer benefícios no gerenciamento. O planejamento por si só, dentro da cadeia produtiva é bastante complexo e envolve muitas habilidades; comerciais, gerenciais, de logística e operacional. Pois, tudo envolve o tempo de operação da planta e como otimizar a Produção. A Rockwell Automation para manter-se líder no mercado de automação industrial, tem como principal estratégia à utilização de normas técnicas e padrões para realização das atividades de produção, que são todas documentadas e acatadas. 13

14 Notoriamente nas bibliografias utilizadas, há um enfoque muito grande na previsão da demanda. Avaliando a demanda é possível preparar a linha produtiva para operar sem riscos de sobrecarga. A Rockwell se enquadra perfeitamente no sistema de demanda dependente, que é entendido por relativamente previsível devido a sua dependência em alguns fatores conhecidos... O Planejamento e Controle da demanda dependente concentra-se nas conseqüências da demanda dentro da operação (SLACK, Nigel, Administração da Produção, editora Atlas 1999 pagina 235.) A MRP trabalha com uma lógica de gestão da demanda, que engloba vários processos, ligado principalmente com o tema deste projeto (a influencia do tempo), e por haver uma forte influencia externa que direciona o andamento da cadeia produtiva, como por exemplo, a previsão de vendas, a carteira de pedidos, ordens de compra, ordens de trabalho e o estoque. São determinantes na decisão de produzir. Os itens que ganham o maior destaque dentro da Rockwell na área de Produção de Módulos, que é o objeto de estudo, que pode ser contemplado melhor no esquema abaixo: Carteira de Pedidos Programa Mestre de Produção Previsão de Vendas Lista de Materiais Planejamento das necessidades de materiais Registro de Estoque Ordens de Compra Planos de Materiais Ordens de Trabalho 14

15 Como podemos constatar, todas fases estão interligadas entre si, se houver falhas ou algum tipo de negligencia, isso poderá culminar em perdas para a empresa. Para analisar e compor o Planejamento de Demanda é usado o método de series estatísticas temporais, da qual é possível analisar a sazonalidade, a tendência e a variação existente nos períodos. Denominamos Série Estatística toda tabela que apresenta a distribuição de um conjunto de dados estatísticos em função da época, do local ou da espécie. (CRESPO, Antonio Arnot Estatística Fácil pagina 26) Com todo o processo de avaliação e planejamento concluído podemos, determinar o quanto se deve produzir, e quanto tempo se levará para produzi-las (módulos eletrônicos). Entendemos que há uma semelhança entre as obras de Daniel Moreira Administração da Produção e Operações, e Nigel Slack Administração da Produção, ambos abordam a importância da demanda dentro do ciclo produtivo de uma organização, e como a estatística pode se tornar uma ferramenta imprescindível para visualizar esta demanda e como ela se compõe e desenvolve ao longo do período. Demanda esta que é acompanhada dentro da Rockwell Automation através de relatórios que o Sistema de Gestão é capaz de nos fornecer com todos os detalhes. Além da demanda é possível acompanhar com o Sistema de Gestão como a empresa esta se comportando em relação a produção de módulos, se esta atendendo a demanda, o números de falhas, paradas, reparos e retrabalho. 15

16 4. ANALISE DA AREA ESPECIFICA DA PESQUISA 4.1. DADOS GERAIS SOBRE A AREA DE PRODUÇÃO DE MÓDULOS A área de produção de módulos colabora atualmente com cinqüenta produtos para as unidades de negócios, como: componentes eletrônicos, controladores lógicos programáveis. DIRETORIA GERAL Mike Johnson Diretor Geral GER. DE PROJETOS/ICG GER. UNIDADE NEGÓCIOS/MCC GER.PROD. E ENGENHARIA Claudio Baldoni Jr Ger.Projetos ICG Herberto Bergmann Ger.Geral BU MCC Mauro Murcia Ger.Prod.e Enga. CONTRATOS MCC Ma. Cristina Zecchin Coord. Contratos GER.PRODUÇÃO DE PAINÉIS Elói F. Svicero Ger.Prod.Painéis ÁREA DA QUALIDADE Elcio Pereira Engenheiro Sr. PRODUÇÃO DE PAINEIS Jurandi Rocha Supervisor Produção ALMOXARIFADO Luiz F. Gomes Enc. Almoxarifado 16

17 O Sr. Mauro Murcia é o responsável pelo gerenciamento da área de Produção de Módulos (PMO). 1 Produtos estes que podem ser exportados para a matriz localizada nos Estados Unidos da América, que se encarrega de distribuir para as demais fábricas, e filiais em todo o mundo. Obedecendo aos padrões e normas de segurança e qualidade, proporcionando aos clientes produtos através de um conjunto de procedimentos, cultura, trabalho em equipe, responsabilidade e comunicação aberta voltados à Qualidade e ao valor agregado. Política da Qualidade: Satisfazer nossos clientes com atendimento diferenciado, crescendo lucrativamente e sendo uma referencia no fornecimento de soluções e serviços. Política esta que atua seriamente nesta área de produtos seriados, obedecendo às normas da ISO 9001:2000, que abrange os diversos processos da empresa. A Administração de Produção é responsável por executar toda a inspeção e os ensaios finais dentro da metodologia adotada para manter a evidencia da conformidade do produto acabado com os requisitos especificados. (após a montagem dos componentes nas placas dão-se inícios aos testes e a cada aprovação ou não recebe um selo de identificação e ao final recebe a etiqueta de que foi aprovado conforme as normas nele apresentadas). Nenhum produto é liberado até que todas as atividades especificadas tenham sido satisfatoriamente completadas e os dados e documentações estejam disponíveis e autorizados. No caso de produto não conforme é analisado criticamente, de acordo com o procedimento documentado, podendo ser: 1 Gerencia de Produção e Engenharia (em cinza no organograma) Área foco da Pesquisa 17

18 Retrabalhado para atender aos requisitos especificados; Reclassificado para aplicações alternativas; Rejeitado ou sucateado. A organização estabelece e mantêm procedimentos documentados para implementação de ações corretivas e ações preventivas. Quaisquer ações corretivas ou preventivas, tomadas para eliminar as causas de não conformidades reais ou potenciais, são de grau apropriado à magnitude dos problemas e proporcional aos riscos encontrados. Toda e qualquer alteração nos procedimentos resultantes de ações corretivas, são devidamente registradas. As ações corretivas são provenientes de vários fatores como, por exemplo: Efetivo tratamento e investigação das reclamações de clientes; Investigação da não conformidade relacionada ao produto, processo, Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente e registro dos resultados da investigação; Determinação da ação corretiva necessária para eliminar a causa da não conformidade; Aplicação de controles para assegurar a eficácia da ação corretiva. Para as ações preventivas podemos destacar: Uso de fontes apropriadas de informação como: processos e operações de trabalho que afetam a qualidade do produto, registro da qualidade, reclamações de cliente, que ajudam a analisar e eliminar problemas; Determinação de métodos de prevenção; Aplicação e controle das ações para assegurar sua eficácia; 18

19 Planejamento da Produção O Planejamento da Produção consiste em avaliar as vendas já planejadas para os períodos futuros e que possam ocorrer durante o período. Para a partir daí abrir as ordens de trabalho para atender as necessidades. Que se iniciam em identificar as necessidades de componentes das ordens, analisar e identificar as faltas e emitir pedidos de compras para a matriz. Processo onde se faz necessário uma série de burocracias que são os documentos de importação. A partir deste ponto o trabalho depende dos contatos realizados junto a fornecedores no embarque consolidado dos materiais, e com os despachantes alfandegários no recebimento. Para receber o material é necessário fazer uma inspeção, para garantir que os componentes tenham um bom desempenho, em seguida ele é estocado. Estando disponível em estoque, os componentes já estão aptos a serem retirados para atender as ordens de trabalho, isto é montar o produto. A aquisição de componentes para a fabricação de sistemas se é feita através das seguintes ações: Itens tipo A: considerados como itens de consumo, são comprados com base em sistema Kan Ban, com controle visual e serão custeados (baixados) em sua totalidade para o custo da fábrica no mesmo mês em que chegam fisicamente à mesma. Itens tipo B: considerados como componentes de uso comum, estes componentes são comprados a partir de um estoque de segurança parametrizado como tal no MFGPRO. Este estoque de segurança é calculado com base no consumo efetivo do componente ou insumo e no prazo de entrega do mesmo a partir da requisição de compra até a entrega efetiva. A revisão deste cálculo é feita regularmente não menos que uma vez a cada 3 meses. 19

20 Itens tipo C: Considerados como componentes padronizados e fabricados sob encomenda por fornecedor local ou adquiridos da BU da matriz, estes componentes são comprados com base em estoque de segurança no MFGPRO. A passagem destes componentes para a produção em andamento se dá por transferência manual, a qual pode ser feita parcial ou total, quando da chegada do material na fábrica. No caso de transferência parcial, é estabelecido um controle visual entre o material disponível na produção e a parcela mantida no estoque. A baixa deste material em termos de custo para as ordens de trabalho, se dá automaticamente no encerramento de cada ordem de trabalho. O cálculo do estoque de segurança é feito com base no consumo histórico, levandose em conta não só a quantidade, mas também a freqüência da utilização dos itens, combinados com o prazo de entrega dos mesmos. Este cálculo é revisto regularmente não menos que uma vez a cada 4 meses e a quantidade a ser comprada a cada aquisição também considera o tamanho de lote econômico, bem como as ordens de venda que estejam na iminência de serem registradas e que tenham o seu registro assegurado por vendas, dependendo apenas de burocracias por parte dos clientes para a emissão da referida ordem.itens tipo D: caracterizamse como sendo maioria dos componentes, os componentes específicos para o projeto em questão (não comuns aos demais) e principalmente os componentes elétricos destes. São adquiridos a partir da necessidade gerada pelo projeto específico, na quantidade específica. Estes componentes serão passados para a produção em andamento, assim que cheguem à fábrica através das ordens de trabalho específicas aos projetos nos quais serão utilizados. Caso ocorram alterações no projeto específico, que impliquem em sobra de componentes, esta sobra é analisada pelo responsável pelo referido projeto, sendo possíveis as seguintes disposições: Utilizar o componente em outro projeto que já esteja sendo executado. Custear o componente no projeto original e guardá-lo por um período de até quatro meses para que seja aproveitado em outro projeto. 20

21 Custear o componente no projeto original e enviá-lo ao cliente como peça sobressalente. Devolver o componente à BU da matriz, dentro do programa de devoluções autorizadas, sendo os custos decorrentes deste processo apontados como provisão no projeto original. Custear o componente no projeto original e sucateá-lo. Vender o referido componente imediatamente após a constatação de que o mesmo não seja utilizado. 21

22 Conforme Fluxograma abaixo: Fluxograma: Planejamento de Produção inicio Avaliar vendas firmes ou planejadas para períodos futuros (Vendas/Logistica) 1 Abrir ordem de trabalho Explodir necessidade de componentes Não Material inspecionado esta ok Identificar faltas e colocar pedido de compras Emitir documentos para importação sim Necessida de de compra não Estocar o material sim Verificar com fornecedor, data embarque Verificar junto com despachante, data recebimento Receber e inspecionar material Sacar o material para executar a ordem de trabalho Executar a ordem de trabalho (montar o produto final) Fim 1 22

23 Administração de Preços A Política de Preços da empresa é definida pela matriz situada nos Estados Unidos da América, contemplado de negociações globalizadas, onde as mesmas são confeccionadas e distribuídas para cada país onde a empresa opera. Seleção e Administração de Canais e da Distribuição A organização procura dentro do cenário macro atender efetivamente as necessidades de seus clientes, sejam eles existentes ou futuros. Para isso adota um modelo de distribuição não saturada, ou seja um único distribuidor para cada região geográfica abrangida pela organização. Tal modelo de distribuição resulta em um significativo fator de diferenciação com os concorrentes, pois traz uma grande vantagem para o cliente por permitir ao mesmo saber sempre a quem cabe o suporte de pré e pós-venda indispensáveis à utilização de produtos de alta tecnologia. Para ser um distribuidor autorizado que realmente atenda as necessidades e expectativas dos clientes, é necessário ter o conhecimento em Automação Industrial e investir basicamente em quatro áreas: 1. Estoque; 2. Tecnologia da Informação; 3. Recursos Humanos pessoal qualificado; 4. Treinamentos Permanentes no Brasil e no Exterior. Os investimentos acima proporcionam ao distribuidor um conhecimento mais amplo e atualizado dos produtos e serviços da Rockwell Automation, podendo assim agregar valor para o cliente. 23

24 5 Proposta de Melhoria Através da pesquisa realizada nas instalações da Rockwell Automation, tivemos a oportunidade de acompanhar algumas reuniões e conversar individualmente com várias pessoas responsáveis diretamente (planejador de métodos / montador/ comprador e indiretamente vendedor, engenharia) que estão envolvidas na produção e identificarmos quais são os principais pontos problemáticos na produção de módulos. O que concluímos e estaremos apresentando, é uma proposta de melhoria que foi baseado em uma realidade efetiva do dia a dia da Rockwell Automation. Relatamos no item seguinte uma estratégia em função dos comentários dos profissionais que apresentaram os pontos problemáticos que influenciam na produção de módulos seriados, e estes pontos detalhados em nosso projeto de melhoria para recomendarmos uma melhoria. Como esclarecimento inicial, o objetivo do estudo que apresentaremos será o de reduzir o prazo de entrega dentro do ciclo produtivo. Conforme apresentado anteriormente, o processo de planejamento de produção inicia-se obviamente com a necessidade do cliente em adquirir os produtos e na ferramenta logística provisional de vendas. Como comentário básico do planejamento, poderíamos ter como lema: manter o produto em estoque no menor rotatividade, prazo possível, ter alta Com esta premissa identificamos as principais dificuldades iniciais para o planejamento de produção dos módulos, que citamos: Prazo de importação dos componentes da matriz; O desembaraço aduaneiro; 24

25 O desembaraço fiscal; A inspeção do material na alfândega; Variação dos impostos federais O período de armazenamento dos componentes; A partir de então com os itens acima resolvidos temos efetivamente o início da montagem dos módulos, que no caso da Rockwell Automation são montados por modernas máquinas em SMT Tecnologia de Montagem em Superfície (Surface Mount Technology) e depois de montados são realizados testes nestes módulos em equipamentos de última geração, para disponibiliza - los para o cliente conforme certificação ISO 9001 : DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Considerando-se a explanação acima retratamos o seguinte diagnóstico básico: Neste trabalho de diagnóstico básico constatamos e destacamos uma curiosidade no ciclo de produção que são os fatos que os planejamentos sofrem de uma forte influência extra - empresa, são forças operacionais que interferem conforme justificamos a seguir. As realidades econômicas do mercado industrial nos dias atuais recomendaram que a Rockwell Automation realize uma avaliação e nova reestruturação com diminuição de seus custos operacionais, todas as unidades de negócios, denominadas como BU Business Unit, (que são: ACIG, CPAG e GMS ), foram obrigadas a diminuir suas operações de planejamento a longo prazo, focar a efetiva necessidade do mercado de automação industrial e trabalharem alinhadas com o menor custo possível sem perder o cliente atendendo plenamente as suas necessidades, pois havia o risco da concorrência tomar o cliente. Destaca-se, porém, um fato a ser considerado como primordial, a produção de módulos seriados possui como característica de construção com aproximadamente 1200 (mil e duzentos) componentes eletrônicos, (Vide Exemplo De Desenho Da 25

26 Placa Abaixo), estes componentes para a Rockwell Automation garantir a alta qualidade do produto e o procedimento de certificação ISO 9001 (vide anexos), por orientação da Matriz da Rockwell Automation, que fica em Milwaukee Wisconsin, são importados, esta relação de CUSTO x NECESSIDADE é mais um desafio a ser superado pelo planejamento, pois é claro que custo de importar com as nossa moeda REAL ( R$ ) desvalorizada em relação o DÓLAR ( US$ ) interfere no custo final. As definições dos componentes a serem importados são avaliadas pelo planejamento de produção através de históricos das curvas de avaliação A, B e C. Definido os componentes, temos a próxima etapa que dentro ainda de nossa realidade brasileira é infelizmente mais fator de dificuldades pela suas características específicas, é a etapa do Desembaraço Aduaneiro. Dentre destas características o Desembaraço Aduaneiro é lento e problemático, que após a fiscalização dos órgãos Federais (Receita Federal), passa pela fiscalização de desembaraço dos documentos fiscais, sem contar quando não estão em greve, refletindo diretamente e comprometendo o andamento da produção, tema de nosso projeto. O histórico interno da Rockwell Automation deste tramite todo em condições normais de trabalho, leva-se 15 dias aproximadamente até que o material esteja disponível no estoque para consumo produtivo. 26

27 Procedimento de Fabricação Primeiramente o analista de logística planeja e programa a produção com base nas informações sobre nível de estoque e necessidades de produto, faz a abertura das ordens de trabalho e emite a lista de separação para os produtos desejados, conforme é avaliado no Planejamento de Produção. A lista é enviada ao Almoxarifado de Componentes, que separa e identifica os componentes da ordem de trabalho. Estas ordens têm seus componentes requisitados e separados do estoque usando a Lista de Separação ou Requisição de Materiais, com algumas exceções que são os componentes SMT, em carretel caixas de embalagens ou rótulos em branco. Se houver alguma falta, o almoxarife informa o programador de materiais. Nesse meio tempo as operações da ordem de trabalho podem ou não prosseguir, dependendo de qual componente esta faltando e em que operação ele é utilizado. Essa decisão é tomada pelo gerente de produção e/ou seu pessoal de apoio à produção. Se não for possível prosseguir, o montador aguarda o componente antes de continuar as operações da ordem de trabalho. Ao montador, montador revisor ou auxiliar de montagem cabe realizar: a coleta de componentes da ordem de trabalho e montar. Em seguida o montador monta as partes plásticas e metálicas, tais como cobertura, chassis e tampas, mais os rótulos de identificação e demais acessórios. Por uma etiqueta colada às placas de circuito impresso, contendo o número da ordem de trabalho e o nome do produto. Durante a fabricação, por uma etiqueta afixada ao lote, contendo o número da ordem de trabalho e o nome do produto / código da placa, colado ao produto contendo o nome do produto e um número de série único. 27

28 O montador testa os produtos, para garantir a conformidade com padrões especificados. Havendo defeitos (não-conformidades), os produtos afetados são diagnosticados, consertados e finalmente re-montados e re-testados. As nãoconformidades são registradas, bem como sua causa e disposição. Os produtos aprovados são registrados. Para testar as placas ou produtos da ordem de trabalho, eles devem estar identificados com uma etiqueta EM TESTE. Pega-se então os componentes a serem montados nessas placas, referenciando o desenho de montagem. Eles devem estar identificados com uma etiqueta EM MONTAGEM com o mesmo número de ordem de trabalho, Usando o Desenho de Fechamento como referência, é verificada visualmente a presença das seguintes não conformidades dos produtos: Cobertura arranhada troque-as. Desalinhamento de etiquetas alinhe-as ou troque-as. Baixa qualidade de impressão de etiquetas troque-as. Etiqueta impressas erradas troque-as. Desalinhamento de LED alinhe-o, Baixa qualidade do silk-screen das coberturas troque-as. Peça faltante reponha-as. Portanto, o nosso propósito é exatamente tratar do tempo gasto com as atividades citadas, temos certeza que apresentando um projeto de melhoria em todo este processo poderemos ter um grande ganho de tempo e financeiro na Rockwell Automation. 28

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação,

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, Comex Exportação A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, facilita a impressão dos principais documentos da exportação como fatura comercial, packing list,

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP Pág. 1 / 6 1 Objetivos do Programa Neste manual, estão descritos os procedimentos, a política e os pré-requisitos que regem o Programa para Assistência Técnica Autorizada Perto, singularmente denominada

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável.

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Bem-vindo à DHL EXPRESS Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Conheça as diversas vantagens de enviar com a DHL Express. Confira agora mesmo

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Programas de Manutenção Scania.

Programas de Manutenção Scania. . Melhor performance, maior economia. SCAN1112_0857_Folheto_210x297mm.indd 1 A alta produtividade que somente um Scania pode apresentar é potencializada com os Programas de Manutenção Scania. Para oferecer

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Cap. 9 Avaliando o desempenho. André Jun Nishizawa

Cap. 9 Avaliando o desempenho. André Jun Nishizawa Cap. 9 Avaliando o desempenho O que avaliar? Tempo; Custo; Eficiência; Eficácia. Medindo o tempo Medindo o tempo É a medida mais simples; Ora: trata-se da subtração de duas leituras 18h - 16h = 2h Mas

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA POR QUE ESCOLHER O DHL OCEAN DIRECT (FCL) EXPERIÊNCIA EM LOGÍSTICA PARA NEGÓCIOS DE TODOS OS TAMANHOS Nossa experiência

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais.

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Quem Somos A MDS soluções é uma prestadora de serviços que procura apoiar

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais