PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:"

Transcrição

1 PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho CREA 5907-D/PB

2 I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO a) PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO: Tem o objetivo de estabelecer metodologia pratica e eficaz e definir responsabilidades através de colaboradores treinados capazes de mitigar situações de emergência em sua origem. ABRANGÊNCIAS: 1. Acidentes de Trabalho 2. Contaminação do Meio Ambiente 3. Acidentes com Máquinas e Equipamentos 4. Desabamentos Obs: Se necessário acionar o SAMU 192 / Corpo de Bombeiro Acidentes de Trabalho Responsável CIPA Procedimentos atendimento imediato ao acidentado, aplicação de primeiros socorros, encaminhamento ao 28 de Agosto, João Lúcio ou outro hospital conveniado, registro de ocorrência policial, emissão de CAT, analise da ocorrência, emissão de relatório (organograma em anexo).. ORGANOGRAMA DE ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO VITIMA FATAL NÃO SIM SEM AFASTAMENTO COM AFASTAMENTO REGISTRO POLICIAL ATENDIMENTO MÉDICO ENCAMINHAMENTO AO 28 DE AGOSTO IML CAT CAT DRT ANÁLISE ANÁLISE CAT 2

3 2. Contaminação do Meio Ambiente Responsável Brigadistas Procedimentos Isolamento da área, avaliação da dimensão, se necessário chamar Defesa Civil Bombeiros 193. ORGANOGRAMA DE CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE 3

4 II SITUAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL a) Cenário de Emergência Ambiental: Ocidental Comércio de Frios Ltda Derramamento de óleo Vazamento de tinta COMO AGIR EM UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA COMO QUEM REGISTRO Isolar a área Técnicos (CIPA / Brigada) Registro fotográfico Analisar o dimensionamento do vazamento CIPA / Brigada Registro fotográfico e relatório Retirada do material contaminado Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório Armazenamento do material contaminado em local Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório apropriado Liberação da área CIPA / Brigada / Gerencia Registro fotográfico e relatório Emissão de relatório CIPA / Brigada / Gerencia Relatório Observação: Dependo da dimensão do vazamento, a gerencia poderá acionar órgãos externos como: Defesa Civil, Corpo de Bombeiro e Órgãos Ambientais. III TREINAMENTO: A empresa deve dispor de equipe devidamente treinada para agir imediatamente em caso de emergência ambiental de acordo com este procedimento. IV SIMULADO: Periodicamente deve haver simulação de emergência com a equipe treinada PERIODICIDADE DE MEDIÇÕES TIPO DE MEDIÇÃO Ruído do Perímetro (ambiental) Emissão de fumaça por veículos movidos a óleo diesel PERÍODO Anual Anual 4

5 CRONOGRAMA DE MONITOIRAMENTO DE MEDIÇÕES Avaliação 2015 Nov Dez Jan Fev Mar Abr MaI Jun Jul Ago Set Out Nov 2016 Resultados obtidos do laudo do ruído do Perímetro (ambiental) V SITUAÇÃO DE SEGURANÇA a) Acidente do Trabalho: É o que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária. b) O que fazer em caso de acidente: Ocorrido o acidente, a vítima deve comparecer imediatamente ao posto médico por seu próprio meio ou acompanhado, para atendimento especializado; É obrigatório a emissão de CAT para qualquer tipo de acidente do trabalho, com ou sem afastamento, para pessoal e subcontratados, conforme orientação da portaria MPAS nº 5.817/99; O preenchimento da Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT, Será conforme Ordem de Serviço INSS Nº. 621, de 05 de maio de 1999, Manual de Orientação para o preenchimento da CAT; Membros da CIPA, Supervisão e a gerencia deverão se reunir fazer o registro da ocorrência e a investigação do acidente; VI INCIDENTE A ocorrência de um incidente deve ser investigada de imediato antes que ocorram mudanças envolvendo as circunstâncias do fato, tais como alterações ambientais, operacionais e/ou pessoais. a) Registros: Os Acidentes com afastamento, Sem Afastamento, Incidentes e Comunicação de Acidente CAT serão registrados nos documentos DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE, REGISTROS DE INCIDENTES E CAT. b) Treinamento: Deverá ser realizado treinamentos periódicos para os funcionários, como uma ferramenta importante para implantar uma cultura prevencionista de Segurança e Saúde Ocupacional. Os treinamentos são: Treinamento Admissional, Treinamento Operacional; Treinamentos de Reciclagem; Treinamento para o manuseio de substâncias químicas. 5

6 c) Registros dos Treinamentos: Todos os treinamentos citados serão registrados no documento PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTO em anexo. VII SIMULADO: A equipe de brigadista deverá periodicamente fazer simulação com todos os funcionários para testar o comportamento dos funcionários em caso de emergência. a) Registro do simulado: O simulado será registrado no documento SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA em anexo. CRONOGRAMA DE SIMULADO DE EMERGÊNCIA Dez 2015 Nov. Dez Jan Fev Març Abr Mai Jun Jul Agos Set Dez Acidentes Com Máquinas E Equipamentos Responsável CIPA / Supervisão Procedimentos Paralisar a atividade, avaliação da dimensão, se necessário acionar Corpo de Bombeiros Consertar ou substituir máquina ou equipamento analise da ocorrência, emissão de relatório.. 6

7 ORGANOGRAMA DE ACIDENTE COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NECESSIDADE DE AUXILIAR EXTERNO NÃO SIM RETIRADA OU CONSERTO DE MÁQUINA ACIONAR OFIC. ESPECIALIZADA LIBERAÇÃO DA MÁQUINA RETIRADA DA MÁQUINA REINICIO DE ATIVIDADE REINICIO DE ATIVIDADE 7

8 4. Desabamentos Responsável Gerencia / Brigada / CIPA Procedimentos Paralisar todas as atividades, isolar a área, se necessário acionar a Defesa Civil Bombeiros, avaliação da dimensão, elaboração de plano de ação para medidas a serem adotadas, para reparação, demolição, retirada de entulhos e continuidade das atividades. ORGANOGRAMA EM CASO DE DESABAMENTO NECESSIDADE DE AUXILIO EXTERNO NÃO SIM ISOLAMENTO DA ÁREA ACIONAR 193 OU 192 EVACUAÇÃO ISOLAR ÁREA E EVACUAR O LOCAL AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA NÃO SIM RE LATÓRIO REINÍCIO DAS ATIVIDADES NOVA AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA REINÍCIO DAS ATIVIDADES REINÍCIO DAS ATIVIDADES 8

9 5. ALARME de EMERGÊNCIA: 1. Para a situação de emergência na Ocidental Comércio de Frios Ltda é usado o alarme Geral onde uma sirene soará. 2. A ocorrência poderá ser: a) Um acidentado individual, necessitando de cuidados médicos; b) Um acidentado necessitando de outros tipos de atenção médica (ex: mau súbito, etc.); Nota: Caso tenha mais de uma vítima, o coordenador do serviço medica deverá convocar ajuda externa da Ocidental Comércio de Frios Ltda, através da supervisão / gerencia / Cipa. c) Um incêndio de proporções localizadas, e que dê para combater nos primeiros momentos. Nota: Se o incêndio fugir de controle, necessário convocar ajuda do Corpo de bombeiro, através da Portaria. 3. Alarme geral será ativado pôr um dos Líderes ou Vice-líderes das Brigadas. A ocorrência poderá ser: a) Incêndio ou explosão, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; b) Vazamento de gás, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; 4. Significado dos códigos do Alarme geral: a) Um sinal longo - indica que todos os funcionários deverão parar de trabalhar, desligar todos os equipamentos, e se deslocarem para o ponto de encontro interno externo á Ocidental Comércio de Frios Ltda; Nota: os Líderes da cada Brigada Local deverão fazer a orientação de seus grupos em cada ponto de encontro. b) Dois sinais curtos - indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o ponto de encontro externo, orientados pêlos Líderes das Brigadas Locais; c) Três sinais curtos - indicam que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao local do trabalho. 5 BRIGADA de EMERGÊNCIA: (Este plano diretriz tem como base a norma brasileira NBR-14276). 1. Cada Brigada de Emergência deve consistir de X membros treinados. 2. Para cada Brigada de Emergência, um dos X membros deverá ser designado para ser o Líder, e um outro membro deverá ser o sub líder. Este último assumirá a função de Líder, em caso de ausência do mesmo. 3. Cada Brigada de Emergência deverá definir uma lista de nomes e telefones da Ocidental Comércio de Frios Ltda, para contatos em caso de emergência. 4. Um uniforme diferenciado deverá identificar cada membro das Brigadas de Emergências. 9

10 5. O Líder e o Vice-líder deverão ser também visualmente identificáveis através do logotipo de respectiva Empresa. 6. Mudanças nos membros de brigada, devem ser evitados. 7. O Líder ou o Vice Líder deverá assegurar presença de X membros treinados na Brigada, em tempo integral, no seu respectivo turno. 8. Todos os membros de Brigada de Emergência deverão receber treinamento mínimo, conforme abaixo relacionado: a) Controle e combate à incêndios; b) Emergência com produtos químicos e vazamentos industriais; c) Proteção Respiratória e mascaras autônomas; d) Primeiros socorros e resgates; 9 Os brigadistas devem ter, Kit de equipamentos para a Brigada de Emergência: a) cópia do plano detalhado de emergência; b) extintores de incêndio (CO2, Pó químico e Água); c) kits de primeiros socorros; d) roupa de combate à incêndios (capacete, máscara facial, roupa e bota); e) proteção respiratória; f) máscara autônoma; g) corda de resgate; h) fita para isolamento; i) layout da Ocidental Comércio de Frios Ltda. Nota: Este kit deverá permanecer guardado em local apropriado, bem acessível e com identificação visíveis. 10 PROCEDIMENTO de EVASÃO: 1. O Alarme geral é coordenado pelo Líder da Brigada através dos membros da CIPA ou Portaria. 2. Se uma situação desenvolve-se dentro ou fora da Ocidental Comércio de Frios Ltda, que coloque em risco, os funcionários que trabalham nesta empresa, o Alarme geral de Evasão será acionado: Evasão para Ponto de Encontro Interno: Um sinal longo da sirene indica que todos os funcionários devem parar de trabalhar, se o caso desligar todos os equipamentos, e se locomoverem para o Ponto de Encontro Interno conforme a rota de fuga. Neste local (ponto de encontro interno), os funcionários aguardarão instruções adicionais e/ou alarmes adicionais, através de seus Líderes de Brigada. Evasão para Pontos de Encontros Externos: Se a situação de emergência exige evasão para um ponto mais distante, será acionado o outro alarme conforme a seguir: Dois sinais curtos da sirene indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o Ponto de Encontro Externo. 10

11 Sinal de retorno: Três sinais curtos da sirene indicarão que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao trabalho. Dependendo da situação, sinal de retorno poderá ser soado quando os funcionários estiverem no Ponto de Encontro Interno ou externo. Nota: Em caso de defeito da sirene ou do sistema de alarme, o alarme alternativo deverá ser via megafone. É necessário que a empresa tenha pessoas treinadas e capacitadas para atuar com eficiencia e rapidez em casos de emergencias que pode ser, princípios de incendio, primeiros socorros, derramamento e contenção de substâncias químicas,na proteção de máquinas, equipamentos e das instalácões prediais. Bibliografia: Normas regulamentadoras NRs do MET da Portaria de 08 de junho de 1978; Instrução Técnica IT n 17 do corpo de bombeiro de São Paulo; Leis ambientais. Reginaldo B. Alves Eng. Segurança no Trabalho CREA: D/PB 11

12 I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO a) PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO: Tem o objetivo de estabelecer metodologia pratica e eficaz e definir responsabilidades através de colaboradores treinados capazes de mitigar situações de emergência em sua origem. ABRANGÊNCIAS: 1. Acidentes de Trabalho 2. Contaminação do Meio Ambiente 3. Acidentes com Máquinas e Equipamentos 4. Desabamentos Obs: Se necessário acionar o SAMU 192 / Corpo de Bombeiro Acidentes de Trabalho Responsável CIPA Procedimentos atendimento imediato ao acidentado, aplicação de primeiros socorros, encaminhamento ao 28 de Agosto, João Lúcio ou outro hospital conveniado, registro de ocorrência policial, emissão de CAT, analise da ocorrência, emissão de relatório (organograma em anexo).. ORGANOGRAMA DE ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO VITIMA FATAL NÃO SIM SEM AFASTAMENTO COM AFASTAMENTO REGISTRO POLICIAL ATENDIMENTO MÉDICO ENCAMINHAMENTO AO 28 DE AGOSTO IML CAT CAT DRT ANÁLISE ANÁLISE CAT 2

13 2. Contaminação do Meio Ambiente Responsável Brigadistas Procedimentos Isolamento da área, avaliação da dimensão, se necessário chamar Defesa Civil Bombeiros 193. ORGANOGRAMA DE CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE 3

14 II SITUAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL a) Cenário de Emergência Ambiental: Ocidental Comércio de Frios Ltda Derramamento de óleo Vazamento de tinta COMO AGIR EM UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA COMO QUEM REGISTRO Isolar a área Técnicos (CIPA / Brigada) Registro fotográfico Analisar o dimensionamento do vazamento CIPA / Brigada Registro fotográfico e relatório Retirada do material contaminado Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório Armazenamento do material contaminado em local Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório apropriado Liberação da área CIPA / Brigada / Gerencia Registro fotográfico e relatório Emissão de relatório CIPA / Brigada / Gerencia Relatório Observação: Dependo da dimensão do vazamento, a gerencia poderá acionar órgãos externos como: Defesa Civil, Corpo de Bombeiro e Órgãos Ambientais. III TREINAMENTO: A empresa deve dispor de equipe devidamente treinada para agir imediatamente em caso de emergência ambiental de acordo com este procedimento. IV SIMULADO: Periodicamente deve haver simulação de emergência com a equipe treinada PERIODICIDADE DE MEDIÇÕES TIPO DE MEDIÇÃO Ruído do Perímetro (ambiental) Emissão de fumaça por veículos movidos a óleo diesel PERÍODO Anual Anual 4

15 CRONOGRAMA DE MONITOIRAMENTO DE MEDIÇÕES Avaliação 2015 Nov Dez Jan Fev Mar Abr MaI Jun Jul Ago Set Out Nov 2016 Resultados obtidos do laudo do ruído do Perímetro (ambiental) V SITUAÇÃO DE SEGURANÇA a) Acidente do Trabalho: É o que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária. b) O que fazer em caso de acidente: Ocorrido o acidente, a vítima deve comparecer imediatamente ao posto médico por seu próprio meio ou acompanhado, para atendimento especializado; É obrigatório a emissão de CAT para qualquer tipo de acidente do trabalho, com ou sem afastamento, para pessoal e subcontratados, conforme orientação da portaria MPAS nº 5.817/99; O preenchimento da Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT, Será conforme Ordem de Serviço INSS Nº. 621, de 05 de maio de 1999, Manual de Orientação para o preenchimento da CAT; Membros da CIPA, Supervisão e a gerencia deverão se reunir fazer o registro da ocorrência e a investigação do acidente; VI INCIDENTE A ocorrência de um incidente deve ser investigada de imediato antes que ocorram mudanças envolvendo as circunstâncias do fato, tais como alterações ambientais, operacionais e/ou pessoais. a) Registros: Os Acidentes com afastamento, Sem Afastamento, Incidentes e Comunicação de Acidente CAT serão registrados nos documentos DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE, REGISTROS DE INCIDENTES E CAT. b) Treinamento: Deverá ser realizado treinamentos periódicos para os funcionários, como uma ferramenta importante para implantar uma cultura prevencionista de Segurança e Saúde Ocupacional. Os treinamentos são: Treinamento Admissional, Treinamento Operacional; Treinamentos de Reciclagem; Treinamento para o manuseio de substâncias químicas. 5

16 c) Registros dos Treinamentos: Todos os treinamentos citados serão registrados no documento PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTO em anexo. VII SIMULADO: A equipe de brigadista deverá periodicamente fazer simulação com todos os funcionários para testar o comportamento dos funcionários em caso de emergência. a) Registro do simulado: O simulado será registrado no documento SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA em anexo. CRONOGRAMA DE SIMULADO DE EMERGÊNCIA Dez 2015 Nov. Dez Jan Fev Març Abr Mai Jun Jul Agos Set Dez Acidentes Com Máquinas E Equipamentos Responsável CIPA / Supervisão Procedimentos Paralisar a atividade, avaliação da dimensão, se necessário acionar Corpo de Bombeiros Consertar ou substituir máquina ou equipamento analise da ocorrência, emissão de relatório.. 6

17 ORGANOGRAMA DE ACIDENTE COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NECESSIDADE DE AUXILIAR EXTERNO NÃO SIM RETIRADA OU CONSERTO DE MÁQUINA ACIONAR OFIC. ESPECIALIZADA LIBERAÇÃO DA MÁQUINA RETIRADA DA MÁQUINA REINICIO DE ATIVIDADE REINICIO DE ATIVIDADE 7

18 4. Desabamentos Responsável Gerencia / Brigada / CIPA Procedimentos Paralisar todas as atividades, isolar a área, se necessário acionar a Defesa Civil Bombeiros, avaliação da dimensão, elaboração de plano de ação para medidas a serem adotadas, para reparação, demolição, retirada de entulhos e continuidade das atividades. ORGANOGRAMA EM CASO DE DESABAMENTO NECESSIDADE DE AUXILIO EXTERNO NÃO SIM ISOLAMENTO DA ÁREA ACIONAR 193 OU 192 EVACUAÇÃO ISOLAR ÁREA E EVACUAR O LOCAL AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA NÃO SIM RE LATÓRIO REINÍCIO DAS ATIVIDADES NOVA AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA REINÍCIO DAS ATIVIDADES REINÍCIO DAS ATIVIDADES 8

19 5. ALARME de EMERGÊNCIA: 1. Para a situação de emergência na Ocidental Comércio de Frios Ltda é usado o alarme Geral onde uma sirene soará. 2. A ocorrência poderá ser: a) Um acidentado individual, necessitando de cuidados médicos; b) Um acidentado necessitando de outros tipos de atenção médica (ex: mau súbito, etc.); Nota: Caso tenha mais de uma vítima, o coordenador do serviço medica deverá convocar ajuda externa da Ocidental Comércio de Frios Ltda, através da supervisão / gerencia / Cipa. c) Um incêndio de proporções localizadas, e que dê para combater nos primeiros momentos. Nota: Se o incêndio fugir de controle, necessário convocar ajuda do Corpo de bombeiro, através da Portaria. 3. Alarme geral será ativado pôr um dos Líderes ou Vice-líderes das Brigadas. A ocorrência poderá ser: a) Incêndio ou explosão, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; b) Vazamento de gás, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; 4. Significado dos códigos do Alarme geral: a) Um sinal longo - indica que todos os funcionários deverão parar de trabalhar, desligar todos os equipamentos, e se deslocarem para o ponto de encontro interno externo á Ocidental Comércio de Frios Ltda; Nota: os Líderes da cada Brigada Local deverão fazer a orientação de seus grupos em cada ponto de encontro. b) Dois sinais curtos - indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o ponto de encontro externo, orientados pêlos Líderes das Brigadas Locais; c) Três sinais curtos - indicam que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao local do trabalho. 5 BRIGADA de EMERGÊNCIA: (Este plano diretriz tem como base a norma brasileira NBR-14276). 1. Cada Brigada de Emergência deve consistir de X membros treinados. 2. Para cada Brigada de Emergência, um dos X membros deverá ser designado para ser o Líder, e um outro membro deverá ser o sub líder. Este último assumirá a função de Líder, em caso de ausência do mesmo. 3. Cada Brigada de Emergência deverá definir uma lista de nomes e telefones da Ocidental Comércio de Frios Ltda, para contatos em caso de emergência. 4. Um uniforme diferenciado deverá identificar cada membro das Brigadas de Emergências. 9

20 5. O Líder e o Vice-líder deverão ser também visualmente identificáveis através do logotipo de respectiva Empresa. 6. Mudanças nos membros de brigada, devem ser evitados. 7. O Líder ou o Vice Líder deverá assegurar presença de X membros treinados na Brigada, em tempo integral, no seu respectivo turno. 8. Todos os membros de Brigada de Emergência deverão receber treinamento mínimo, conforme abaixo relacionado: a) Controle e combate à incêndios; b) Emergência com produtos químicos e vazamentos industriais; c) Proteção Respiratória e mascaras autônomas; d) Primeiros socorros e resgates; 9 Os brigadistas devem ter, Kit de equipamentos para a Brigada de Emergência: a) cópia do plano detalhado de emergência; b) extintores de incêndio (CO2, Pó químico e Água); c) kits de primeiros socorros; d) roupa de combate à incêndios (capacete, máscara facial, roupa e bota); e) proteção respiratória; f) máscara autônoma; g) corda de resgate; h) fita para isolamento; i) layout da Ocidental Comércio de Frios Ltda. Nota: Este kit deverá permanecer guardado em local apropriado, bem acessível e com identificação visíveis. 10 PROCEDIMENTO de EVASÃO: 1. O Alarme geral é coordenado pelo Líder da Brigada através dos membros da CIPA ou Portaria. 2. Se uma situação desenvolve-se dentro ou fora da Ocidental Comércio de Frios Ltda, que coloque em risco, os funcionários que trabalham nesta empresa, o Alarme geral de Evasão será acionado: Evasão para Ponto de Encontro Interno: Um sinal longo da sirene indica que todos os funcionários devem parar de trabalhar, se o caso desligar todos os equipamentos, e se locomoverem para o Ponto de Encontro Interno conforme a rota de fuga. Neste local (ponto de encontro interno), os funcionários aguardarão instruções adicionais e/ou alarmes adicionais, através de seus Líderes de Brigada. Evasão para Pontos de Encontros Externos: Se a situação de emergência exige evasão para um ponto mais distante, será acionado o outro alarme conforme a seguir: Dois sinais curtos da sirene indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o Ponto de Encontro Externo. 10

21 Sinal de retorno: Três sinais curtos da sirene indicarão que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao trabalho. Dependendo da situação, sinal de retorno poderá ser soado quando os funcionários estiverem no Ponto de Encontro Interno ou externo. Nota: Em caso de defeito da sirene ou do sistema de alarme, o alarme alternativo deverá ser via megafone. É necessário que a empresa tenha pessoas treinadas e capacitadas para atuar com eficiencia e rapidez em casos de emergencias que pode ser, princípios de incendio, primeiros socorros, derramamento e contenção de substâncias químicas,na proteção de máquinas, equipamentos e das instalácões prediais. Bibliografia: Normas regulamentadoras NRs do MET da Portaria de 08 de junho de 1978; Instrução Técnica IT n 17 do corpo de bombeiro de São Paulo; Leis ambientais. Reginaldo B. Alves Eng. Segurança no Trabalho CREA: D/PB 11

22 PLANO DE EMERGÊNCIA OCIDENTAL COMÉRCIO DE FRIOS LTDA Elaborado por: Reginaldo B. Alves Eng. Seg. do Trabalho

23 I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO a) PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO: Tem o objetivo de estabelecer metodologia pratica e eficaz e definir responsabilidades através de colaboradores treinados capazes de mitigar situações de emergência em sua origem. ABRANGÊNCIAS: 1. Acidentes de Trabalho 2. Contaminação do Meio Ambiente 3. Acidentes com Máquinas e Equipamentos 4. Desabamentos Obs: Se necessário acionar o SAMU 192 / Corpo de Bombeiro Acidentes de Trabalho Responsável CIPA Procedimentos atendimento imediato ao acidentado, aplicação de primeiros socorros, encaminhamento ao 28 de Agosto, João Lúcio ou outro hospital conveniado, registro de ocorrência policial, emissão de CAT, analise da ocorrência, emissão de relatório (organograma em anexo).. ORGANOGRAMA DE ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO VITIMA FATAL NÃO SIM SEM AFASTAMENTO COM AFASTAMENTO REGISTRO POLICIAL ATENDIMENTO MÉDICO ENCAMINHAMENTO AO 28 DE AGOSTO IML CAT CAT DRT ANÁLISE ANÁLISE CAT 2

24 2. Contaminação do Meio Ambiente Responsável Brigadistas Procedimentos Isolamento da área, avaliação da dimensão, se necessário chamar Defesa Civil Bombeiros 193. ORGANOGRAMA DE CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE 3

25 II SITUAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL a) Cenário de Emergência Ambiental: Ocidental Comércio de Frios Ltda Derramamento de óleo Vazamento de tinta COMO AGIR EM UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA COMO QUEM REGISTRO Isolar a área Técnicos (CIPA / Brigada) Registro fotográfico Analisar o dimensionamento do vazamento CIPA / Brigada Registro fotográfico e relatório Retirada do material contaminado Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório Armazenamento do material contaminado em local Equipe de limpeza treinada Registro fotográfico e relatório apropriado Liberação da área CIPA / Brigada / Gerencia Registro fotográfico e relatório Emissão de relatório CIPA / Brigada / Gerencia Relatório Observação: Dependo da dimensão do vazamento, a gerencia poderá acionar órgãos externos como: Defesa Civil, Corpo de Bombeiro e Órgãos Ambientais. III TREINAMENTO: A empresa deve dispor de equipe devidamente treinada para agir imediatamente em caso de emergência ambiental de acordo com este procedimento. IV SIMULADO: Periodicamente deve haver simulação de emergência com a equipe treinada PERIODICIDADE DE MEDIÇÕES TIPO DE MEDIÇÃO Ruído do Perímetro (ambiental) Emissão de fumaça por veículos movidos a óleo diesel PERÍODO Anual Anual 4

26 CRONOGRAMA DE MONITOIRAMENTO DE MEDIÇÕES Avaliação 2015 Nov Dez Jan Fev Mar Abr MaI Jun Jul Ago Set Out Nov 2016 Resultados obtidos do laudo do ruído do Perímetro (ambiental) V SITUAÇÃO DE SEGURANÇA a) Acidente do Trabalho: É o que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária. b) O que fazer em caso de acidente: Ocorrido o acidente, a vítima deve comparecer imediatamente ao posto médico por seu próprio meio ou acompanhado, para atendimento especializado; É obrigatório a emissão de CAT para qualquer tipo de acidente do trabalho, com ou sem afastamento, para pessoal e subcontratados, conforme orientação da portaria MPAS nº 5.817/99; O preenchimento da Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT, Será conforme Ordem de Serviço INSS Nº. 621, de 05 de maio de 1999, Manual de Orientação para o preenchimento da CAT; Membros da CIPA, Supervisão e a gerencia deverão se reunir fazer o registro da ocorrência e a investigação do acidente; VI INCIDENTE A ocorrência de um incidente deve ser investigada de imediato antes que ocorram mudanças envolvendo as circunstâncias do fato, tais como alterações ambientais, operacionais e/ou pessoais. a) Registros: Os Acidentes com afastamento, Sem Afastamento, Incidentes e Comunicação de Acidente CAT serão registrados nos documentos DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTE, REGISTROS DE INCIDENTES E CAT. b) Treinamento: Deverá ser realizado treinamentos periódicos para os funcionários, como uma ferramenta importante para implantar uma cultura prevencionista de Segurança e Saúde Ocupacional. Os treinamentos são: Treinamento Admissional, Treinamento Operacional; Treinamentos de Reciclagem; Treinamento para o manuseio de substâncias químicas. 5

27 c) Registros dos Treinamentos: Todos os treinamentos citados serão registrados no documento PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTO em anexo. VII SIMULADO: A equipe de brigadista deverá periodicamente fazer simulação com todos os funcionários para testar o comportamento dos funcionários em caso de emergência. a) Registro do simulado: O simulado será registrado no documento SIMULAÇÃO DE EMERGÊNCIA em anexo. CRONOGRAMA DE SIMULADO DE EMERGÊNCIA Dez 2015 Nov. Dez Jan Fev Març Abr Mai Jun Jul Agos Set Dez Acidentes Com Máquinas E Equipamentos Responsável CIPA / Supervisão Procedimentos Paralisar a atividade, avaliação da dimensão, se necessário acionar Corpo de Bombeiros Consertar ou substituir máquina ou equipamento analise da ocorrência, emissão de relatório.. 6

28 ORGANOGRAMA DE ACIDENTE COM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NECESSIDADE DE AUXILIAR EXTERNO NÃO SIM RETIRADA OU CONSERTO DE MÁQUINA ACIONAR OFIC. ESPECIALIZADA LIBERAÇÃO DA MÁQUINA RETIRADA DA MÁQUINA REINICIO DE ATIVIDADE REINICIO DE ATIVIDADE 7

29 4. Desabamentos Responsável Gerencia / Brigada / CIPA Procedimentos Paralisar todas as atividades, isolar a área, se necessário acionar a Defesa Civil Bombeiros, avaliação da dimensão, elaboração de plano de ação para medidas a serem adotadas, para reparação, demolição, retirada de entulhos e continuidade das atividades. ORGANOGRAMA EM CASO DE DESABAMENTO NECESSIDADE DE AUXILIO EXTERNO NÃO SIM ISOLAMENTO DA ÁREA ACIONAR 193 OU 192 EVACUAÇÃO ISOLAR ÁREA E EVACUAR O LOCAL AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA NÃO SIM RE LATÓRIO REINÍCIO DAS ATIVIDADES NOVA AVALIAÇÃO E LIBERAÇÃO DA ÁREA REINÍCIO DAS ATIVIDADES REINÍCIO DAS ATIVIDADES 8

30 5. ALARME de EMERGÊNCIA: 1. Para a situação de emergência na Ocidental Comércio de Frios Ltda é usado o alarme Geral onde uma sirene soará. 2. A ocorrência poderá ser: a) Um acidentado individual, necessitando de cuidados médicos; b) Um acidentado necessitando de outros tipos de atenção médica (ex: mau súbito, etc.); Nota: Caso tenha mais de uma vítima, o coordenador do serviço medica deverá convocar ajuda externa da Ocidental Comércio de Frios Ltda, através da supervisão / gerencia / Cipa. c) Um incêndio de proporções localizadas, e que dê para combater nos primeiros momentos. Nota: Se o incêndio fugir de controle, necessário convocar ajuda do Corpo de bombeiro, através da Portaria. 3. Alarme geral será ativado pôr um dos Líderes ou Vice-líderes das Brigadas. A ocorrência poderá ser: a) Incêndio ou explosão, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; b) Vazamento de gás, dentro da Ocidental Comércio de Frios Ltda, com risco de afetar mais de uma Área interna; 4. Significado dos códigos do Alarme geral: a) Um sinal longo - indica que todos os funcionários deverão parar de trabalhar, desligar todos os equipamentos, e se deslocarem para o ponto de encontro interno externo á Ocidental Comércio de Frios Ltda; Nota: os Líderes da cada Brigada Local deverão fazer a orientação de seus grupos em cada ponto de encontro. b) Dois sinais curtos - indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o ponto de encontro externo, orientados pêlos Líderes das Brigadas Locais; c) Três sinais curtos - indicam que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao local do trabalho. 5 BRIGADA de EMERGÊNCIA: (Este plano diretriz tem como base a norma brasileira NBR-14276). 1. Cada Brigada de Emergência deve consistir de X membros treinados. 2. Para cada Brigada de Emergência, um dos X membros deverá ser designado para ser o Líder, e um outro membro deverá ser o sub líder. Este último assumirá a função de Líder, em caso de ausência do mesmo. 3. Cada Brigada de Emergência deverá definir uma lista de nomes e telefones da Ocidental Comércio de Frios Ltda, para contatos em caso de emergência. 4. Um uniforme diferenciado deverá identificar cada membro das Brigadas de Emergências. 9

31 5. O Líder e o Vice-líder deverão ser também visualmente identificáveis através do logotipo de respectiva Empresa. 6. Mudanças nos membros de brigada, devem ser evitados. 7. O Líder ou o Vice Líder deverá assegurar presença de X membros treinados na Brigada, em tempo integral, no seu respectivo turno. 8. Todos os membros de Brigada de Emergência deverão receber treinamento mínimo, conforme abaixo relacionado: a) Controle e combate à incêndios; b) Emergência com produtos químicos e vazamentos industriais; c) Proteção Respiratória e mascaras autônomas; d) Primeiros socorros e resgates; 9 Os brigadistas devem ter, Kit de equipamentos para a Brigada de Emergência: a) cópia do plano detalhado de emergência; b) extintores de incêndio (CO2, Pó químico e Água); c) kits de primeiros socorros; d) roupa de combate à incêndios (capacete, máscara facial, roupa e bota); e) proteção respiratória; f) máscara autônoma; g) corda de resgate; h) fita para isolamento; i) layout da Ocidental Comércio de Frios Ltda. Nota: Este kit deverá permanecer guardado em local apropriado, bem acessível e com identificação visíveis. 10 PROCEDIMENTO de EVASÃO: 1. O Alarme geral é coordenado pelo Líder da Brigada através dos membros da CIPA ou Portaria. 2. Se uma situação desenvolve-se dentro ou fora da Ocidental Comércio de Frios Ltda, que coloque em risco, os funcionários que trabalham nesta empresa, o Alarme geral de Evasão será acionado: Evasão para Ponto de Encontro Interno: Um sinal longo da sirene indica que todos os funcionários devem parar de trabalhar, se o caso desligar todos os equipamentos, e se locomoverem para o Ponto de Encontro Interno conforme a rota de fuga. Neste local (ponto de encontro interno), os funcionários aguardarão instruções adicionais e/ou alarmes adicionais, através de seus Líderes de Brigada. Evasão para Pontos de Encontros Externos: Se a situação de emergência exige evasão para um ponto mais distante, será acionado o outro alarme conforme a seguir: Dois sinais curtos da sirene indicam que todos os funcionários deverão se locomover para o Ponto de Encontro Externo. 10

32 Sinal de retorno: Três sinais curtos da sirene indicarão que a situação está sob controle, e todos os funcionários deverão retornar ao trabalho. Dependendo da situação, sinal de retorno poderá ser soado quando os funcionários estiverem no Ponto de Encontro Interno ou externo. Nota: Em caso de defeito da sirene ou do sistema de alarme, o alarme alternativo deverá ser via megafone. É necessário que a empresa tenha pessoas treinadas e capacitadas para atuar com eficiencia e rapidez em casos de emergencias que pode ser, princípios de incendio, primeiros socorros, derramamento e contenção de substâncias químicas,na proteção de máquinas, equipamentos e das instalácões prediais. Bibliografia: Normas regulamentadoras NRs do MET da Portaria de 08 de junho de 1978; Instrução Técnica IT n 17 do corpo de bombeiro de São Paulo; Leis ambientais. Reginaldo B. Alves Eng. Segurança no Trabalho CREA: D/PB 11

CM DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS LTDA

CM DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS LTDA PLANO DE EMERGÊNCIA CM DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS LTDA Edição: 25/10/11 Elaborado: Reginaldo B. Alves Rev.:10/12 / / Visto: I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA PANIFICADORA CONDE. Elaborado: Reginaldo B. Alves. / / Visto:

PLANO DE EMERGÊNCIA PANIFICADORA CONDE. Elaborado: Reginaldo B. Alves. / / Visto: PLANO DE EMERGÊNCIA PANIFICADORA CONDE Edição: Abril / 2013 Rev.: Abril2014 Elaborado: Reginaldo B. Alves / / Visto: I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO a) PLANO

Leia mais

FABOR COMPONENTES DA AMAZÔNIA LTDA

FABOR COMPONENTES DA AMAZÔNIA LTDA PLANO DE EMERGÊNCIA FABOR COMPONENTES DA AMAZÔNIA LTDA Edição: 26/10/11 Elaborado: Reginaldo B. Alves Rev.:10/12 / / Visto: I PROGRAMAS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO E PLANOS APLICÁVEIS AO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS

TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS 1/17 TERMINAL MULTIMODAL DE RONDONÓPOLIS Figura 1: vista do local onde o Terminal será instalado. PLANO DE ATENDIMENTO À EMERGÊNCIAS - PAE Novembro de 2011 2/17 ÍNDICE 1. FINALIDADE:... 3/17 2. CAMPO DE

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE N.º: PRO-0001-DG BR- GSA Página 1 de 5 Responsabilidade Técnica: Josildo L. Portela - Gerência Socioambiental Necessidade de Treinamento: Sim Público-alvo: Responsáveis por veículos a Diesel, Gestores

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Glossário de Termos Mais Usados

Glossário de Termos Mais Usados Anexo 11 Glossário de Termos Mais Usados Tabela 10: Glossário de Termos Termos Abrigo no próprio local Acampamento Alcance do Controle Área de preparação Ativo Centro de Comando da EMT Centro de Informações

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Inundação Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 003 Inundação

Inundação Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 003 Inundação PGI 003 Inundação Inundação Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 003 Inundação As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo e restrito da Secretaria de Fazenda

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Não acesso ao ambiente Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) Plano de Teste e Validação Tipo de Teste: Mesa

Não acesso ao ambiente Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) Plano de Teste e Validação Tipo de Teste: Mesa Não acesso ao ambiente Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) Plano de Teste e Validação Tipo de Teste: Mesa As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo e restrito

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL MINÉRIO DE FERRO BRASIL SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL Da prevenção à resposta às emergências e outros eventos críticos Mineração e pessoas que fazem a diferença. 1 Gerenciamento de risco Anglo American

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 31.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê de Análise de Risco a acréscimo do hiperlink

Leia mais

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11

Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ DE CURITIBA FARESC Plano de Contingência das FARESC GESTÃO CIPA 2010/11 Responsáveis pela elaboração: Daiane Lorente Palmas Douglas Simão de Moraes Nilton Vieira Pedro

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios:

O plano citado foi estruturado em ações que obtiveram os resultados positivos, a partir dos seguintes critérios: 2.6.17 - O Plano de Ação de Emergência PAE, também denominado Plano de Emergência Local PEL, está sendo realizado seguindo os preceitos do Projeto Básico Ambiental - PBA e as diretrizes contratuais. Este

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO GERENCIA EXECUTIVA DE AUDITORIA

CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO GERENCIA EXECUTIVA DE AUDITORIA PLANO DE AÇÃO A1 A2 A3 Celebrar instrumento de compromisso detalhando os deveres e obrigações das partes envolvidas no TAC (Governo do Estado, Suplan, Secretaria de Segurança, Policia Civil, Acadepol,

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO

REGULAMENTO DA CENTRAL ANALÍTICA MULTIUSUÁRIO CAPITULO I DA FINALIDADE E DA APLICAÇÃO Art. 1º A Central Analítica Multiusuária (CAM/PEQ-UNIOESTE) é um conjunto de laboratórios que contam com equipamentos modernos, em sua maioria de última geração,

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Acidentes : Conhecer para não repetir. Soterramento por Grãos

Acidentes : Conhecer para não repetir. Soterramento por Grãos Soterramento por Grãos 1 Ao tomar conhecimento da notícia sobre a morte do trabalhador que foi soterrado em silo de grãos no porto graneleiro da capital, Porto Velho, o Ministério Público do Trabalho (MPT),

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/5 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira

SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13. MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira MANUAL Plano de emergência AREAS DE APLICAÇÃO Expodireto Cotrijal Feira SEG. E MEDICINA DO TRABALHO MAN03 SMT Rev00 01/03/13 Objetivo: Fornecer um conjunto de diretrizes e informações visando a adoção

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013.

Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013. Numero do Documento: 1360347 RESOLUÇÃO Nº. 170, de 16 de MAIO de 2013. Dispõe sobre procedimentos para comunicação de incidentes na prestação dos serviços públicos de distribuição de gás canalizado no

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA FILIAL DUQUE DE CAXIAS ANO BASE 2009 1. INTRODUÇÃO Todas as instalações que operem com derivados de petróleo devem possuir um PLANO DE EMERGÊNCIA para controle

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO FISPQ - 061 ACABAMENTO EPOXI - Parte B 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Fabricante: Aderência Pisos e Revestimentos Ltda. Endereço: Rua Dr. Sebastião Carlos Arantes, 35 São Paulo SP CEP 04624-130 Telefone:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ INDÚSTRIA QUIMICA LTDA FISPQ nº: LH 003 Página 1 de 7 Data da última revisão:9/12/2010 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: OIRAD ph 200 - Código interno

Leia mais

Proteção contra Incêndio

Proteção contra Incêndio CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Proteção contra Incêndio Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX

PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX PABE PLANO DE ACIONAMENTO E ATUAÇÃO DA BRIGADA DE Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 30.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê 04.12.2007 de Análise de Risco.

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais