CONECTADA A VOCÊ. Construir e fortalecer relações também é nosso negócio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONECTADA A VOCÊ. Construir e fortalecer relações também é nosso negócio"

Transcrição

1 CONECTADA A VOCÊ Construir e fortalecer relações também é nosso negócio

2 ANÚNCIO DUPLO Outra metade do que está no miolo da revista. Cheguei ao ao Rio em De De Maceió para cá, cá, foram cinco dias de de navio. Para uma criança de de doze anos, uma eternidade. Não esqueço do do medo que senti ao ao ver ver as as montanhas pela primeira vez. Para quem só só enxergava plano, pareciam monstros. Do Do norte, trouxe minha mãe. Lá Lá perdi meu pai pai e e deixei meus irmãos. Aqui, não tive filhos. Mas encontrei uma família que me me acolheu para toda a a vida: a a Família Light. ANÚNCIO DUPLO Outra metade do que está na segunda de capa. Um casamento que já já dura anos. Com ela, aprendi que o o lado humano deve vir vir sempre à à frente da da tecnologia. Ao Ao lado dela, vi vi o o Rio crescer e e se se mostrar para o o mundo. Graças a a ela, montei sozinho minha primeira TV. Só Só para ver ver o o homem pisar na na Lua. Com os os excursionistas da da Light, escalei o o Pão de de Açúcar. E E eu eu que morria de de medo dele Como me me sinto depois de de tantos anos? Cheio de de energia para viver os os próximos capítulos desta história. Sr. Sr. João Alves da da Costa Empregado desde Cliente desde Light: 110 anos iluminando histórias. #Light110Anos Mais histórias em: facebook.com/conexaolight

3 4 53 CARTA AO LEITOR 2 carta ao leitor 4 Modelo de Negócios da Light 6 Principais indicadores SUMÁRIO 8 planeta light É com satisfação que apresentamos a quarta edição da Conexão Light, versão em revista do Relatório Anual de Sustentabilidade do Grupo Light. Como no ano anterior, seguimos as novas diretrizes G4 da Global Reporting Initiative (GRI), mas também privilegiamos o relato integrado como forma de garantir às partes interessadas o acesso, a fidedignidade e a clareza das informações referentes à companhia. Optamos por um texto claro e direto, apresentando os principais resultados do ano. Com um visual atraente, a proposta da revista é despertar o interesse do leitor e fazê-lo procurar por mais informações no relatório completo, disponível no site da Light. Nesta edição, priorizamos os temas que são materiais para a companhia: regulação e políticas públicas; novos modelos de negócios; oferta de energia; relacionamento com o cliente e a sociedade; solidez financeira e mercado de capitais; perdas e inadimplência. Além de atender aos critérios da GRI e à priorização estabelecida pela nossa Matriz de Materialidade, utilizada desde 2009 e revista em 2014, nosso relato segue a Estrutura Internacional para Relato Integrado, detalhando o modelo de negócios, segmentando os assuntos por capitais manufaturado, natural, humano, intelectual, social e de relacionamento e financeiro e demonstrando como ocorre a geração de valor para a companhia e seus stakeholders. Nos próximos cinco anos, continuaremos comprometidos com o combate às perdas e à inadimplência, o aumento da eficiência operacional, os projetos estratégicos, a adequação do programa de investimentos e a redução do patamar de endividamento da companhia. Por fim, reafirmamos o nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável, com os nossos clientes e com o Rio de Janeiro. A Light, ao definir seu direcionamento estratégico, se preocupa em equilibrar as dimensões econômica, ambiental e social, tendo como requisitos fundamentais a ética, a transparência, a comunicação efetiva com os públicos de interesse, as boas práticas de governança corporativa e a prestação de contas. Boa leitura, Paulo Roberto Pinto Diretor Presidente Capital Social e de Relacionamento Combates às perdas comerciais 34 Marcando presença nas comunidades 36 CANAIS DE CONTATO Para atendimento de emergência e solicitações comerciais Conexão Light é uma versão em revista do Relatório de Sustentabilidade Todos os seus direitos autorais pertencem à companhia. capital manufaturado 12 Por um consumo consciente 43 Nas redes sociais twitter.com/lightclientes facebook.com/lightclientes Na internet COORDENAÇÃO Gerência de Comunicação Gerência de Estratégia e Sustentabilidade Gerência de Relações com Investidores REPORTAGENS Massi Comunicação: Viviane Massi REVISÃO Agnes Rissardo Energia garantida aos grandes eventos 16 Pluralidade de serviços e eficiência operacional 45 O renascimento da antiga usina 20 Histórias de uma geração 48 Capital financeiro DEC e FEC melhoram em 2014 capital natural 21 capital humano Impactos da geração térmica 51 Resultados 54 compromissos Escassez de chuva, esforço conjunto 23 No seu celular Faltou luz? Light Já! Envie do celular apenas o Código da Instalação para o nº A vida em primeiro lugar 26 Ética revisitada capital intelectual 28 De qualquer telefone: Disque-Light Emergência: Disque-Light Comercial: FOTOGRAFIA Equipe AG365: Alex Sant anna, Anna Fischer, Beto @gadnet PROJETO DE COMUNICAÇÃO Ana Laet Comunicação DIREÇÃO DE ARTE Ana Laet DESIGN Flavia Falcão Impresso na Gráfica Stamppa Light S.A Avenida Marechal Floriano 168, Centro Rio de Janeiro Light avança em direção à rede inteligente 30 Educação e desenvolvimento Relações com investidores ri.light.com.br Tel.: Fique por dentro de tudo o que a Light faz através dos canais Conexão Light Blog conexaolight.com.br facebook.com/conexaolight twitter.com/conexaolight youtube.com/conexaolight LinkedIn grupo Conexão Light Geração Light Site geracaolight.com.br facebook.com/geracaolight

4 4 5 MODELO DE NEGÓCIOS DA LIGHT os capitais

5 6 7 principais indicadores de sustentabilidade 1 DEVIDO À FALTA DE CHUVAS NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL, A LIGHT FOI OBRIGADA A REDUZIR A VAZÃO TRANSPOSTA PARA A BACIA DO RIO GUANDU, O QUE AFETOU DE FORMA SIGNIFICATIVA SUA GERAÇÃO. 2 O AUMENTO DAS EMISSÕES DE ESCOPO 1 ESTÁ RELACIONADO AO INÍCIO DA OPERAÇÃO DA PLANTA DE COGERAÇÃO GERENCIADA PELA LIGHT ESCO, QUE SE DÁ POR QUEIMA DE GÁS NATURAL. 3 NO ESCOPO 2, O AUMENTO DAS EMISSÕES ESTÁ RELACIONADO AO MAIOR ACIONAMENTO DE TERMELÉTRICAS. 4 JÁ NO PLANO DO ESCOPO 3, OS RESÍDUOS ORGÂNICOS EM ATERROS SANITÁRIOS FORAM OS QUE GERARAM AS EMISSÕES MAIS IMPACTANTES. ISSO SE DEVE, PRINCIPALMENTE, AOS RESÍDUOS ORIUNDOS DAS ATIVIDADES DE PODA E DA VEGETAÇÃO QUE É RETIRADA DAS ADUTORAS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS. 5 A MAIORIA DAS AÇÕES DA ACADEMIA LIGHT É VOLTADA PARA A PROMOÇÃO DO ALINHAMENTO DA CULTURA ORGANIZACIONAL E NEM SEMPRE EXIGE CAPACITAÇÃO FORMAL, NÃO SENDO, PORTANTO, CONTABILIZADAS NAS HORAS DE TREINAMENTO. ALÉM DISSO, O INDICADOR INCLUI SOMENTE OS EMPREGADOS PRÓPRIOS. 6 OS INVESTIMENTOS EM P&D SÃO PLANEJADOS E REALIZADOS EM FUNÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO SETOR, VARIANDO DE ACORDO COM O SALDO DISPONÍVEL NA CONTA DE P&D. 7 OS VALORES DA DÍVIDA LÍQUIDA INCLUEM A DÍVIDA COM O FUNDO DE Foto Lucas Landau

6 8 9 LANETA ight capital manufaturado Eficiência operacional Em 2014, a Light avançou na redução dos gastos operacionais, atuando em duas frentes: melhoria dos processos e otimização de despesas administrativas. Para isso, foram mapeados oito processos críticos relacionados à cobrança, corte e religação, manutenção e atendimento a novos clientes. Na frente de redução de despesas administrativas, as oportunidades de economia contemplam gastos com consultorias, comunicação, custas judiciais, serviços de táxi, passagem aérea, impressão, telecomunicação e redução de consumo e desperdício na área de patrimônio. No total, a companhia apurou e priorizou quase 300 iniciativas. Além disso, 40 líderes passaram por um treinamento sobre gestão para resultados. A meta é que sejam economizados mais de R$ 40 milhões até o fim de capital natural Licenciamento para obras Após a descentralização do licenciamento ambiental que ocorreu em 2007, as prefeituras receberam prerrogativa para licenciar empreendimentos de baixo e médio impacto, categoria em que se enquadra a maioria das obras da Light. No entanto, devido à falta de corpo técnico habilitado nesses municípios para executar o trabalho, a companhia firmou parceria técnica com a Prefeitura do Rio, resultando na elaboração da Resolução SMAC 478/2010 e simplificando os seus processos de licenciamento. As obras olímpicas estão sendo um grande desafio devido à urgência, ao grande número de projetos e à complexidade das estruturas. Em um total de 13 empreendimentos de alta tensão, 12 já foram licenciados e um se encontra em processo de obtenção de licença. A Subestação Olímpica e as linhas que a abastecerão estão entre os licenciamentos obtidos. capital humano PREMIAÇÕES EM 2014 Conheça alguns prêmios importantes concedidos à atuação da Light em 2014: Prêmio Ser Humano Oswaldo Checchia: Programa Vida!, na categoria Gestão de Pessoas/Organização; Prêmio de Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro: Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos; Prêmio da Associação Brasileira de Marketing Contemporâneo (ABMN): Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos,na categoria Responsabilidade Social e Sustentabilidade; Prêmio Aberje Regional : Programa Light Legal, na categoria Comunicação e Relacionamento com o Consumidor; Prêmio Socioambiental Firjan: Projeto Light Recicla, na categoria Relação com o Público de Interesse; Prêmio ABT (Associação Brasileira de Telesserviços): projetos Aplicativo da Light para Facebook: os clientes curtem essa ideia e compartilham nosso conteúdo; e Monitoria e Treinamento Light: garantindo os pilares da qualidade nos canais de relacionamento, nas categorias Mídias Sociais e Internet e Gestão de Qualidade; 16º Prêmio abrasca de relatório anual: 2º lugar no ranking nacional e menção honrosa no quesito Aspectos Socioambientais; Prêmio As Melhores Companhias para os seus Acionistas 2014, da revista Capital Aberto: 1º lugar na categoria Empresas com Valor de Mercado entre R$ 2 bilhões e R$ 5 bilhões; Guia Exame de Sustentabilidade 2014: classificada como uma das 61 empresas mais sustentáveis do Brasil. Confira os outros reconhecimentos da Light no ano em

7 10 11 LANETA ight capital financeiro Bandeiras tarifárias capital social e de relacionamento PEE realizou primeira Chamada Pública capital intelectual Primeira patente internacional da Light em P&D Obtida em 2014 e concedida em reconhecimento a um projeto de P&D, a patente internacional é pioneira e inédita para a companhia. O produto, a manta polimérica, é um revestimento desenvolvido para proteção de postes de madeira contra a ação de cupins e fogo, agressores que causam danos à estrutura dos postes, gerando interrupções no fornecimento de energia elétrica e riscos de acidentes. A manta polimérica, que é atóxica e não agride o meio ambiente, prolonga a vida útil dos postes de madeira de 15 para 25 anos, aproximadamente, representando uma redução de 40% na demanda de manutenção e substituição. A obtenção de uma patente internacional sinaliza o quanto o projeto foi inovador e original. Desenvolvimento de sucessores Com o objetivo de valorizar e desenvolver profissionais identificados como potenciais sucessores, para que possam assumir atividades de maior responsabilidade e complexidade dentro da empresa, em 2014, a Academia Light também elaborou o Programa de Desenvolvimento de Sucessores. Ele tem como insumo as avaliações dos comitês de carreira da companhia e conta com ações de desenvolvimento específicas para cada estágio de carreira, considerando as diferentes habilidades exigidas para cada nível de liderança. Dessa forma, a empresa contribui para que a transição de gerações seja feita de forma estruturada e responsável, minimizando o risco de perda do capital intelectual e cooperando para a perenidade da organização. Normas e procedimentos assegurados O estabelecimento de padrões de trabalho é uma segunda forma de se armazenar e disseminar as informações dentro da companhia. Os processos e práticas da Light são descritos em normas e procedimentos internos, fundamentados, por sua vez, no setor de atuação da organização; nas LIGHT SEMPRE COM VOCÊ! AGÊNCIA VIRTUAL Chat: de 2ª a 6ª, das 8h às 20h. DISQUE LIGHT VOCÊ SABIA? A Aneel define mensalmente, na última semana, o tipo de Bandeira que entrará em vigor no mês seguinte. Você deve ficar atento à divulgação das Bandeiras na sua conta: ela sinalizará o tipo vigente. É uma oportunidade para controlar o seu consumo e evitar surpresas. A Bandeira Tarifária não é mais um custo incluído e sim uma nova forma de apresentar um gasto que hoje já está na sua conta de luz, mas que passa despercebido pela maioria dos clientes. É um mecanismo regulatório que desloca no tempo o momento do recolhimento do custo pelo acionamento das usinas térmicas. Os recursos recebidos pelas distribuidoras com a aplicação das Bandeiras Tarifárias serão utilizados integralmente para pagar os custos de energia gerada. orientações estratégicas; nos valores e princípios organizacionais; e no atendimento aos requisitos legais e regulamentares exigidos no contrato de concessão e nas regulamentações relacionadas às suas principais atividades. Existem três níveis de padrão: estratégico, tático e operacional. A minuta do documento normativo é submetida à validação dos órgãos operacionais e funcionais envolvidos em sua implantação. Depois de aprovada, ela é publicada no Portal Intranet e amplamente divulgada. A companhia também possui um Banco de Documentos Técnicos onde estão armazenados as normas e os procedimentos, os catálogos, as instruções para operação de equipamentos, os documentos referentes à Segurança e Medicina Ocupacional e ao Sistema de Gestão Ambiental, entre outros. REDES SOCIAIS facebook.com/lightclientes twitter.com/lightclientes Emergência Comercial Com objetivo de sinalizar aos consumidores os custos de geração de energia elétrica, o sistema de Bandeiras Tarifárias passou a vigorar em 2015, tendo 2013 e 2014 como anos testes. O funcionamento é simples: as cores das Bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. A Bandeira Tarifária não é mais um custo e sim uma nova forma de apresentar um gasto que hoje já está na conta de luz, mas que passa despercebido pela maioria dos clientes. É um mecanismo regulatório que BANDEIRA TARIFÁRIA. MAIS TRANSPARÊNCIA NA SUA CONTA DE LUZ. adianta, mês a mês, o recolhimento do custo pelo acionamento das usinas térmicas. Os recursos recebidos pelas distribuidoras com a aplicação das Bandeiras serão utilizados integralmente para pagar os gastos da energia, que Entenda as Bandeiras Tarifárias e tenha uma nova relação com sua conta de luz. já foi gerada. Quer saber mais? Acesse bandeirastarifarias Em 2014, o Programa de Eficiência Energética (PEE) da Light realizou sua primeira Chamada Pública de Projetos (CPP), instituída pela Resolução ANEEL nº 556/2013. Os seis projetos aprovados totalizam, aproximadamente, R$ 4,8 milhões em investimentos, sendo R$ 300 mil por meio de contrapartida dos próprios clientes selecionados. Para esclarecer dúvidas, a companhia promoveu dois workshops voltados para clientes, Circuito Cidade Inteligente A Light concluiu, em 2014, as obras do Centro de Demonstração em Eficiência Energética e Smart Grid, mais conhecido como Circuito Cidade Inteligente. O espaço é integrado ao Museu Cidade Light da Energia, Inteligente já em funcionamento desde O objetivo central A Light concluiu, em 2014, as obras do Centro de do Circuito é ajudar o consumidor a entender Demonstração em Eficiência Energética e Smart Grid, o novo conceito de redes inteligentes (smart mais conhecido como Circuito Cidade Inteligente. O grid). Os visitantes terão a oportunidade de espaço é integrado ao Museu Light da Energia, já em interagir com recursos sonoros e visuais que funcionamento desde O objetivo central do Circuito é ajudar o consumidor a entender o novo conceito vão simular situações do cotidiano na rede elétrica, como desligamento, furto de energia, sobrecarga e restabelecimento da rede. de redes inteligentes (smart grid). Os visitantes terão a oportunidade de interagir com recursos sonoros e visuais que vão simular situações do cotidiano na rede elé- No Circuito, será possível também conhecer um modelo de casa eficiente, com tomadas trica, como desligamento, furto de energia, sobrecarga inteligentes, controlador digital de ar-condicionado, recuperador de calor para chuvei- e restabelecimento da rede. No Circuito, será possível também conhecer um modelo de casa eficiente, com ros, sistema de iluminação natural, carro elétrico e painel fotovoltaico. O Circuito Cidade tomadas inteligentes, controlador digital de ar-condicionado, recuperador de calor para chuveiros, sistema de Inteligente é o primeiro do gênero na América Latina e contou com um investimento de iluminação natural, carro elétrico e painel fotovoltaico. O Circuito Cidade Inteligente é o primeiro do gênero R$ 4,3 milhões por meio de recursos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL. na América Latina e contou com um investimento de R$ 4,3 milhões por meio de recursos do Programa de Eficiência Energética. ESCOs, consultores, fabricantes e associações de classes; e publicou um folder e um conjunto de perguntas e respostas para esclarecer as dúvidas mais frequentes em sua página na internet, dando total transparência ao processo. Durante a CPP, a Light contou também com o apoio da GIZ (Empresa do Governo Alemão de Cooperação Internacional) na elaboração do workshop, do edital e demais documentos técnicos de apoio. I./2015

8 12 13 CAPITAL MANUFATURADO Energia garantida aos grandes eventos Investimento em infraestrutura e subestação exclusiva para as Olimpíadas Copa do Mundo no Brasil, e no Rio de Janeiro. Um evento que mobilizou muita gente comprometida em fazer com que tudo transcorresse conforme o idealizado. A atuação da Light no fornecimento de energia merece destaque, pois todas as obras e ações planejadas foram concluídas dentro do prazo estabelecido. O plano de operação e manutenção foi realizado com sucesso, sem interrupções de energia elétrica durante todo o evento, lembra Márcio Pereira Ridolfi, Superintendente Técnico de Alta Tensão. A estrutura criada pela Light envolveu, aproximadamente, 1,6 mil profissionais. A companhia criou a Sala da Copa e instituiu reuniões diárias, além de conferências antes e depois dos jogos do Brasil e das partidas no Maracanã. Com planejamento e esquema tático, as equipes de campo cuidaram das inspeções e manutenções preventivas em posições estratégicas. O Centro de Operação da Distribuição monitorou todos os circuitos que atenderam às principais instalações do evento. Meses antes dos jogos, realizamos uma manutenção preventiva em todos os circuitos elétricos relacionados ao evento, por exemplo, rede hoteleira e aeroportos, bem como planejamos estrategicamente o posicionamento das equipes de emergência: tudo isso amparado por um plano de contingência amplamente divulgado dentro e fora da Light, detalha Marco Antônio de Araújo, Gerente de Planejamento da Expansão de Alta Tensão. Internamente, a Light mobilizou sua força de trabalho para garantir que tudo corresse bem durante o evento. Além de mensagens, sorteios e ações para engajamento de todos por meio do movimento #BrilhaBrasil e do projeto Orgulho de Ser Light, foram implantadas algumas iniciativas específicas para os profissionais que atuaram nesse período. Totalmente concluída em maio de 2014, a usina fotovoltaica do Maracanã gera, aproximadamente, 500 MWh de energia por ano, diminuindo as emissões de cerca de 300 toneladas de gás carbônico na atmosfera. A usina contribuiu para demonstrar, durante a Copa do Mundo, que o Brasil busca um perfil de produção de energia muito mais sustentável. Esse projeto se destaca na promoção da geração distribuída para diversificar a matriz energética brasileira, por meio de uma fonte energética inesgotável: o sol, acrescenta Marco Antônio Donatelli, presidente da Light Esco. Para organizar o trabalho, a Light criou o GT Light-Olimpíadas, que vai acompanhar planos de obra, manutenção e operação. Marco Antônio de Araújo Gerente de Planejamento da Expansão de Alta Tensão Foto Tiago de Paula Carvalho

9 14 15 Energia exclusiva para o Parque Olímpico Além de todo esse conjunto de obras, Light e Furnas criaram, em janeiro de 2014, a SPE Olímpica, empresa responsável pela construção da Subestação Olímpica, que será dedicada, exclusivamente, ao forneci- INFRAESTRUTURA DA CIDADE Light tem participação ativa no conjunto de obras do governo do Rio mento de energia elétrica ao Parque Olímpico, já em construção na Barra da Tijuca. Caberá à Light a responsabilidade pela operação dessa subestação. A subestação, concebida sob o viés sustentável, com transformadores utilizando óleo vegetal em vez de óleo naftênico, é compacta e está sendo construída em SUBESTAÇÃO OLÍMPICA Com capacidade de 120 MVA, o empreendimento poderia suprir a demanda de energia de uma bairro como Ipanema um terreno de 3 mil m 2. As obras estão em ritmo acelerado e em fase final de monta- Olimpíadas na Cidade Maravilhosa Muito do que foi feito para a Copa do Mundo será aproveitado para os Jogos Olímpicos que acontecem no Rio de Janeiro em agosto de Toda a cidade é um canteiro de obras, e a Light já arregaçou as mangas faz tempo. São diversos projetos que vão desde a construção de novas subestações até a instalação de novas linhas de transmissão em 138 kv e de distribuição em 13,8 kv, abrangidos pelo repasse de recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). O fato de as competições serem concentradas no Rio está exigindo um esforço maior das equipes. Para organizar o trabalho, a companhia criou o GT Light- -Olimpíadas, que vai acompanhar planos de obra, manutenção e operação, destaca Araújo. Em 2014, a companhia estabeleceu um conjunto de obras prioritárias no sistema de alta tensão subestações e linhas de transmissão para reforçar o suprimento de energia das instalações olímpicas, de acordo com os planos estratégicos definidos pela Autoridade Pública Olímpica, pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) e pelo Ministério de Minas e Energia (MME). Três dessas obras foram concluídas ainda em 2014: construção de ramais subterrâneos para a nova Subestação Gardênia e reconstrução de circuitos em Cascadura e Cordovil, restando 12 projetos a serem finalizados. Na rede de média tensão, estão em andamento obras que vão garantir o suprimento de energia elétrica dos locais onde ocorrerão algumas competições, como a Arena de Vôlei de Praia em Copacabana, o Estádio da Lagoa, a Marina da Glória, o Parque do Flamengo, o Maracanã e o Engenhão, entre outros. E também dos locais de apoio ao evento, com destaque para a Vila dos Atletas, complexo na Barra da Tijuca. Há ainda a participação ativa da Light no conjunto de obras do governo do Rio de Janeiro para melhorar a infraestrutura da cidade, como o Passeio Olímpico, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o Metrô e as vias expressas. A Light presta contas, regularmente, do andamento dessas obras ao Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico. Dos R$ 548,9 milhões investidos, em 2014, no desenvolvimento de redes de distribuição e expansão, R$ 71,9 milhões foram destinados a investimentos específicos para a Copa do Mundo e as Olimpíadas. A nossa responsabilidade é enorme, porque, além de construir a Subestação Olímpica, vamos operá-la. Wilson Cleber de Oliveira Diretor Presidente e Financeiro da SPE Olímpica e Assessor Geral do Projeto Olimpíada gem dos equipamentos e instalação dos ramais subterrâneos em 138 kv. Para se ter uma ideia de sua dimensão, a Subestação Olímpica, cuja capacidade é de 120 MVA, poderia suprir a demanda de energia de todo o bairro de Ipanema, na Zona Sul do Rio, onde a Light possui, aproximadamente, 120 mil clientes. Os desafios de uma obra desse porte são muito grandes, a começar pelo prazo de apenas 16 meses que estamos tendo para executar o projeto, muito provavelmente inédito pelas dimensões e características da subestação. E a nossa responsabilidade é enorme, porque, além de construir, vamos operá-la, garantindo o fornecimento permanente de energia ao Parque Olímpico enquanto os olhos do mundo se voltam para o Rio de Janeiro, ressalta Wilson Cleber de Oliveira, Diretor Presidente e Financeiro da SPE Olímpica e Assessor Geral do Projeto Olimpíada. Os investimentos previstos na Subestação Olímpica somam mais de R$ 150 milhões. Conforme compromisso firmado pelo governo brasileiro junto ao Comitê Olímpico Internacional (COI), o prazo para entrega da obra é no fim de maio de 2015.

10 17 CAPITAL MANUFATURADO O renascimento da antiga usina Nova unidade geradora em prédio centenário A antiga Usina Fontes Velha, primeira do Complexo de Ribeirão das Lajes e desativada em 1989, vai dar lugar a um novo empreendimento da Light Energia: a PCH Lajes, uma pequena central hidrelétrica que acrescentará 17 MW à capacidade instalada da Light Energia, prevista para iniciar suas operações em Adaptar um prédio com mais de cem anos de construção tem sido um grande desafio para a companhia, tendo em vista a idade do projeto original. O detalhamento dos desenhos existentes necessita que, de forma complementar, sejam executadas diversas prospecções locais nas estruturas, além de toda uma preocupação com a preservação das características arquitetônicas do prédio, avalia Felipe Pinheiro da Cruz, Gerente de Futuros Empreendimentos. Em 2014, o projeto avançou com a criação da empresa Lajes Energia S.A., que será responsável por construir, operar e fazer a manutenção da nova usina, e com a assinatura do contrato referente à construção e gerenciamento do empreendimento, formalizado em agosto do ano passado. Para a concepção da usina, a companhia tem adquirido os mais modernos equipamentos, fabricados com tecnologia de ponta, garantindo confiabilidade compatível com a importância do empreendimento. A equipe dedicada ao projeto convive diariamente com o desafio de conduzir a obra dentro de um complexo que permanece em funcionamento. O Complexo de Lajes, localizado no município de Piraí, Rio de Janeiro, possui mais três usinas hidrelétricas: Fontes Nova, Nilo Peçanha e Pereira Passos, além das usinas elevatórias de Santa Cecília e Vigário, que permitem a transposição das águas do Rio Paraíba do Sul. A PCH Lajes irá compor esse conjunto de obras de engenharia tão importante para o Rio, já que, pelas turbinas do complexo passam 96% das águas de abastecimento público da cidade do Rio e sua Região Metropolitana. Elaboramos um plano de trabalho capaz de integrar tanto os envolvidos na construção da PCH Lajes como aqueles ligados à operação e à manutenção do complexo. Também mantemos rotineiramente uma intensa comunicação entre supervisores da obra e do complexo, principalmente no que diz respeito às mudanças operacionais que afetam as atividades, acrescenta Felipe Cruz. Prevista para entrar em operação em 2016, a PCH Lajes vai acrescentar 17 MW à capacidade da Light Energia Além de aumentar a capacidade de geração de energia, a nova usina trará outros benefícios, entre eles, o aumento da flexibilidade operacional, o controle de cheias no Rio Piraí, a melhoria da qualidade da água do Reservatório de Lajes e a modernização do suprimento da adutora da Cedae. Soma-se a esses benefícios o fato de que a instalação da usina tem interferido positivamente na oferta de empregos locais e no crescimento da arrecadação municipal. A obra encontra-se em fase de adequação do projeto executivo às estruturas existentes, compatibilizando as dimensões dos equipamentos aos espaços definidos para implantação da PCH Lajes. Também já foram retirados todos os equipamentos das unidades 7 e 8 da antiga Usina Fontes Velha, onde será implantada a unidade geradora, e iniciadas as demolições para adequação da casa de força ao projeto da PCH. Em 2015, está prevista a montagem do conduto forçado, de aproximadamente 700 metros de extensão, para transportar as águas provenientes do Reservatório de Lajes à nova PCH. Além disso, serão executadas obras civis para adequar a casa de força aos equipamentos da nova unidade geradora de energia, entre outra ações. Sentimos um orgulho muito grande em executar um projeto desse porte, pois, além de ser extremamente desafiador, a Light é responsável tanto pela obra quanto pela gestão do projeto em si, declara Felipe Cruz. A área de Engenharia não está sozinha na construção da PCH. A Lajes Energia tem uma comissão que acompanha o projeto, compos- "Adaptar um prédio com mais de cem anos de construção tem sido um grande desafio para a companhia". Felipe Pinheiro da Cruz Gerente de Futuros Empreendimentos

11 18 19 ta por representantes de diversas as demandas de energia elétrica da dêmico e uma nova referência áreas da empresa. Nossos princi- área de concessão da Light. para a região do Vale do Paraíba. pais parceiros são a Superintendên- Tamanha importância motivou a As áreas de visitação vão in- cia de Desenvolvimento de Negócios, a equipe de comercialização de energia, as áreas tributária, regulatória, jurídica, financeira, RH, TI, companhia a investir na criação de um museu no local, aproveitando parte do espaço e os equipamentos remanescentes. Ele será instalado cluir um setor dedicado à história da usina, desde as primeiras prospecções e estudos para a viabilidade da construção de um complexo "É um tipo de projeto que acaba envolvendo praticamente toda a companhia. suprimentos, segurança do trabalho e meio ambiente, entre outras. É um tipo de projeto que acaba envol- no mesmo prédio que abriga a futura PCH Lajes e a Usina Fontes Nova, em operação atualmente. De cunho hidrelétrico até a desativação dos geradores que faziam parte de Fontes Velha. Previsto para inaugurar João Vieira de Araújo Superintendente de Gestão e Engenharia da Geração vendo praticamente toda a compa- institucional e científico, o museu vai em 2016, o museu colocará todo um nhia, pontua João Vieira de Araújo, mostrar aos visitantes a parte histó- acervo cultural e técnico à disposi- Superintendente de Gestão e Enge- rica dos fatos e como funcionavam ção de estudantes de engenharia, nharia da Geração. Ele cita também os equipamentos daquela época. técnicos, profissionais e até mes- a parceria com a Superintendência A ideia do museu sobre a pri- mo público leigo, interessados nas de Usinas e Engenharia da Gera- meira usina de grande porte do histórias de progresso em Ribeirão ção. Ela está ao nosso lado para Brasil é uma convergência de mo- das Lajes a partir dos empreendi- mitigar os impactos das obras nas tivações. Ela foi concebida pelo mentos da Light. rotinas operacionais e, no futuro, se Presidente da Light, Paulo Roberto ocupará da manutenção da PCH, acrescenta o Superintendente. Preservação histórica A construção da Usina Fontes Velha iniciou-se em 1905, aproveitando os recursos hídricos disponíveis em Ribeirão das Lajes para gerar energia elétrica e atender ao Rio de Janeiro, na época Distrito Federal. No início do século XX, a Usina Fontes Velha garantiu sozinha Pinto, que vislumbrou sua dupla função: valorizar a memória sobre a ação da empresa na região e no Brasil e abrir um novo ponto de interesse na cidade de Piraí, lembra o Gerente do Instituto Light e Centro Cultural, Paulo Bicalho. De acordo com ele, o museu representa a valorização da história da Light e de sua contribuição para o progresso do Rio de Janeiro e do Brasil. Constitui-se também em um novo vetor de atração de turistas do meio aca- Capacidade Instalada da Light Energia (MW) Ilha dos Pombos (Rio Paraíba do Sul) Fontes Nova (Complexo de Lajes) Nilo Peçanha (Complexo Lajes) Pereira Passos (Complexo de Lajes) Santa Branca (Rio Paraíba do Sul)

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

Definição de Educação Ambiental*:

Definição de Educação Ambiental*: Programa de Educação Ambiental PEA Sabesp Planejamento e Gestão da Educação Ambiental na Sabesp Superintendência de Gestão Ambiental TA Programa de Educação Ambiental PEA Sabesp Definição de Educação Ambiental*:

Leia mais

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Grupo aumentou quadro de colaboradores próprios em 29%. Juntas, AES Eletropaulo e AES Sul distribuíram energia para mais

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição

Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição Regulamento do Prêmio Petrobras SMES - IV Edição A atitude sustentável faz a diferença! 1. Apresentação Ser sustentável é agir a favor da vida, da dignidade humana, da sobrevivência de todos os seres vivos,

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 Agenda Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos no Governo de MG 1. Introdução 2. Diagnóstico 3. Desenvolvimento/implantação

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas

- Projeto & Concepção - Solicitação de Acesso - Venda de Equipamentos - Instalação - Conexão com Distribuidora. Campinas A Blue Sol Energia Solar visa disseminar a tecnologia fotovoltaica e o conhecimento sobre os temas no Brasil promovendo, portanto, uma fonte limpa, renovável e inesgotável de energia, alinhada com a crescente

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 O que a Light pretende

Leia mais

Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição

Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição Perguntas e Respostas Prêmio Petrobras SMES IV Edição 1. Qual o objetivo do Prêmio Petrobras SMES IV Edição? O Prêmio Petrobras SMES IV Edição tem por objetivo estimular a força de trabalho da Companhia

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias:

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias: REGULAMENTO 1. O PRÊMIO O PRÊMIO SMART, regido por este regulamento, tem como objetivo distinguir e reconhecer as melhores práticas de relacionamento com o cliente em Utilities e Telecom: Energia Elétrica,

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil São Paulo, 27 de Novembro de 2013 Agenda Grupo EDP Apresentação do projeto Status de

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2014

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2014 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2014 Sumário Mensagem da Administração... 2 Perfil e Modelo de Negócio... 5 Perfil... 5 Nosso Modelo de Negócios... 7 Principais Indicadores de Sustentabilidade... 10 Modelo

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

AKRO DTVM S.A. ( AKRO )

AKRO DTVM S.A. ( AKRO ) AKRO DTVM S.A. ( AKRO ) POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL (Política e procedimentos relacionados ao gerenciamento de risco operacional nos termos da Resolução BCB nº 3.380, de 29 de junho

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução - Comentários Informações baseadas em abril de 2010. Furnas Centrais Elétricas S. A. - Empresa de geração e transmissão,

Leia mais

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar

Energias Alternativas e as atividades do Ideal. Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Energias Alternativas e as atividades do Ideal Mauro Passos Sustentabilidade Palmas Solar Contexto Internacional Crescimento de investimento em renovável no mundo (Frankfurt School- UNEP Centre/BNEF) 17%

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Light: uma Empresa Diversa

Light: uma Empresa Diversa Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Um negócio sustentável é aquele capaz de reunir todas as áreas, produtos, serviços e demais públicos estratégicos de uma empresa de maneira

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais