Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.standardbank.co.ao"

Transcrição

1

2 Standard Bank Angola Relatório Anual 2013

3

4 Índice O Banco Os nossos valores 02 Como criamos valor 04 Estrutura de Negócios, Produtos e Serviços 05 Uma estratégia sustentável 06 Angola - Um país de oportunidades 08 Introdução Mensagem do Presidente da Comissão Executiva (CEO) 10 Principais Indicadores da Actividade 11 Estrutura Accionista e Órgãos Sociais 13 Governo da Sociedade 15 Enquadramento Macroeconómico Conjuntura Macroeconómica Global 21 Conjuntura Macroeconómica em Angola 25 Síntese da Actividade Marcos históricos do Banco 33 Marketing e Comunicação 35 Principais Segmentos de Negócio 39 Rede de Distribuição 41 Qualidade de Atendimento ao Cliente 43 Capital Humano 45 Gestão de Riscos 49 Compliance 55 Análise Financeira Análise de Balanço 61 Análise de Resultados 63 Fundos Próprios 65 Proposta de Aplicação de Resultados 67 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras e Notas 70 Relatório de Auditoria 110 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 113

5 2 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão O Banco Os nossos valores Os nossos valores são a base do nosso crescimento de longo prazo e o que determina o nosso sucesso. 1 Servir os nossos clientes 2 Desenvolver os nossos colaboradores 3 Criar valor para os nossos accionistas 4 Ser proactivo 5 Trabalhar em equipa 6 Lutar contra a arrogância 7 Respeitarmo-nos mutuamente 8 Defender os mais altos níveis de integridade

6 3 SBA Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras >AOA 148 mil milhões Total de Activos Prémios 2012: >AOA 61 mil milhões 498 Revista Global Banking & Finance Review Banco mais inovador em Angola 2013 Empregados 2012: % EMEA Finance Africa Awards 2013 Melhor Banco de Investimento em Angola Rácio cost-to-income 2012: 140% > Clientes Global Finance Melhor Banco de Investimento em Angola : > >AOA 134 mil milhões Depósitos de clientes 2012: >AOA 52 mil milhões 26 Internacional Finance Magazine Banco mais inovador em Angola 2013 Agências 2012: 15

7 4 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão O Banco Como criamos valor Inputs Áreas de negócio Impacto nas demonstrações financeiras Riscos inerentes à actividade O Banco cria valor através de várias áreas de negócio que dispõem dos capitais investidos pelos accionistas. Capital financeiro Capital humano Activos Resultado de Intermediação financeira Emprestamos dinheiro aos nossos clientes dentro dos limites dos capitais disponíveis e de acordo com o apetite do Banco pelo risco e com o ambiente regulamentar em que operamos. Isto cria activos para o Banco os quais geram juros e rendimentos similares ao longo do tempo. Captamos recursos de cliente sob a forma de depósitos para aplicar em crédito a clientes. Isto cria passivos que dão origem e geram juros e encargos similares ao longo do tempo. Prestamos serviços e produtos de banca transaccional e assessoria em banca de investimento aos nossos clientes, com base na experiencia e conhecimento de mercado. Oferecemos o acesso ao mercado cambial e a produtos de cobertura de risco para apoiar os nossos clientes na gestão dos riscos inerentes às suas actividades, nomeadamente risco cambial e risco taxa de juro. Juros e Rendimentos similares e Imparidades de Crédito Juros e encargos similares Resultados de prestação de serviços financeiros Resultados de negociação Risco de Crédito Risco de Crédito Risco Taxa de juro Risco de Mercado Risco de Liquidez Risco operacional Risco de negócio e reputacional Capital social e relacionamento Investimos em desenvolver e manter as nossas pessoas, de forma a executar a nossa estratégia e acrescentar valor aos nossos clientes. Custos com pessoal Envolvente Custos Investimos nos nossos sistemas e processos, no sentido de aumentar o nível de eficiência e a oferta de produtos e serviços de excelência para os nossos clientes. Gastos gerais Resultado líquido Dividendos Resultados transitados que serão reinvestidos para manter e crescer a actividade

8 5 SBA Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Estrutura de Negócios, Produtos e Serviços Crédito hipotecário Crédito à habitação direccionado para os clientes particulares Outros empréstimos Outros empréstimos direccionados quer para clientes particulares quer para empresas Leasing financeiro Leasing financeiro para financiar a aquisição de viaturas por clientes particulares Leasing financeiro para financiar a aquisição de viaturas e equipamentos por empresas Cartões Cartões de crédito para particulares e empresas Produtos transaccionais Serviços e produtos transaccionais, poupanças e produtos de investimento, nomeadamente banca electrónica, cartões de débito, depósitos a prazo Bancassurance Mediação de seguros para diversas coberturas Personal & Business Banking (PBB) Presta serviços bancários e outros serviços financeiros a clientes particulares e a pequenas e médias empresas. Mercado de Capitais Operações cambiais Investimentos financeiros Produtos de gestão de risco Produtos e serviços transaccionais Banca transaccional Cartas de crédito, Remessas documentárias, Créditos documentários, Garantias Bancárias Banca de Investimento Assessoria financeira Produtos de dívida de médio e longo prazo Montagem e estruturação de operações de financiamento Financiamentos em modalidades de Project Finance, para aquisição de empresas, e estruturas híbridas à medida das necessidades dos clientes Empréstimos sindicados Corporate & Investment Banking (CIB) Presta serviços bancários transaccionais, assessoria financeira e soluções cambiais e de gestão de risco ao Estado, grandes empresas e instituições financeiras.

9 6 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão O Banco

10 7 SBA Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Uma estratégia sustentável A nossa estratégia é criar um Banco líder em Angola fazendo uso de todas as nossas vantagens competitivas. Focados na criação sustentada de valor para os accionistas oferecendo aos nossos clientes uma gama alargada de produtos e serviços de excelência direccionados às suas necessidades. Procurando desta forma, ser reconhecidos pela nossa experiência e inovação. Dependemos das nossas pessoas que acreditam e estão empenhadas na aplicação da nossa estratégia. A experiência de fazer parte do maior Grupo financeiro Africano permite-nos um posicionamento privilegiado para capitalizar todo o conhecimento adquirido nas oportunidades de negócio disponíveis em Angola. Procuramos compreender as necessidades dos nossos clientes e adequar a nossa estratégia à estratégia de crescimento dos nossos clientes. Como Banco Angolano temos experiência e equipas dedicadas aos sectores estratégicos do país. Queremos ser reconhecidos pela nossa Excelência de Serviço e a Inovação. O SBA tem feito um investimento significativo em capital humano, criando equipas equilibradas, compostas por jovens profissionais Angolanos. O SBA tem feito e continuará a focar-se num investimento significativo em formação e desenvolvimento do capital humano. Desenvolver os nossos colaboradores Criar valor para os nossos accionistas Servir os nossos clientes Defender os mais altos níveis de Integridade Valores subjacentes à nossa estratégia Ser proactivo Trabalhar em equipa Respeitarmo-nos mutuamente Lutar contra a arrogância

11 8 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão O Banco Angola - um país de oportunidades O SBA está comprometido em prestar um serviço de excelência aos seus clientes em Angola, com o objectivo de demonstrar um crescimento de longo prazo, sustentável, que nos permita ser reconhecidos como uma referência no mercado financeiro Angolano. As oportunidades em Angola são enormes, tendo em conta o potencial de crescimento do país. A posição competitiva única do SBA permite-nos apoiar e contribuir para esta tendência de crescimento económico e social, através da criação de emprego, formação e desenvolvimento de talentos angolanos. Queremos oferecer um conjunto de soluções inovadoras e eficazes para os nossos clientes, que irá suportar o nosso crescimento, solidez e sustentabilidade, como instituição financeira angolana. As principais oportunidades futuras para investidores Sector petrolífero Sem prejuízo dos esforços recentes das autoridades no sentido de diversificar a economia, o sector petrolífero ainda corresponde a quase metade da produção interna. O sector petrolífero é responsável por mais de 90% das receitas de exportação e 80% das receitas do governo. Este sector abrange um elevado número de empresas desde operadoras a prestadores de serviços, com necessidades muito específicas em termos de investimento, financiamento, serviços financeiros e serviços bancários de excelência. O SBA posiciona-se no mercado como o parceiro privilegiado do sector petrolífero dada a dimensão, risco de crédito e reputação internacional do grupo financeiro em que está inserido. Recursos naturais Angola é um país rico em recursos naturais, tem petróleo, diamantes, ferro, fosfatos, cobre, ouro, urânio, potencial hidroeléctrico e terrenos agrícolas variados. O Executivo tem efectuado um esforço relevante no sentido de conhecer, mapear e estruturar os restantes sectores de recursos naturais, com o natural propósito de extrair valor para o país da riqueza potencial de que dispõe, reduzindo simultaneamente a dependência do petróleo. Infra-estruturas Assiste-se a um forte investimento no sector da energia e infra-estruturas. As autoridades continuam a mostrar-se empenhadas em aumentar o investimento público de forma a melhorar as infra-estruturas, cujo desenvolvimento parece estar a acelerar, contribuindo para colocar Angola como um destino cada vez mais atraente para investidores estrangeiros. O investimento em infra-estruturas de transporte é crítico para desbloquear limitações ao crescimento económico e à criação de emprego.

12 9 SBA Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Crescimento económico estimado de ,6% 2012: 5,2% Estabilização da inflação e do mercado cambial Com um crescimento económico superior a 5% ao ano, Angola retomou o caminho de crescimento económico sólido, com inflação a um dígito, uma forte posição em termos de reservas internacionais e uma taxa de câmbio estável. De acordo com o FMI, o sector não-petrolífero continua a apresentar um forte crescimento, com investimentos em infraestruturas rodoviárias a impulsionar o crescimento na construção civil e indústria. Angola deve aproveitar a tendência dos preços do petróleo em alta para continuar a implementar as reformas necessárias que permitam um maior crescimento e desenvolvimento económico futuro. De acordo com o FMI, são visíveis os progressos no fortalecimento de algumas áreas, nomeadamente ao nível das políticas fiscal e monetária. Energia O sector energético tem crescido a um ritmo robusto (mais de 20% ao ano), tendo sido feitos investimentos significativos para construir e reabilitar infra-estruturas de energia (para produção e distribuição). Este é um dos sectores não petrolíferos com mais potencial de crescimento em Angola, tendo em conta os fortes investimentos públicos destinados à criação de oportunidades, nomeadamente no sector da energia eléctrica. Sector dos serviços O sector dos serviços representa já mais de 30% do Valor Acrescentado Bruto de Angola e o sector financeiro deverá ser um vector-chave para o contínuo crescimento deste sector. Este é um dos sectores com mais peso na distribuição do crédito concedido pelas instituições financeiras à economia Angolana. Com a crescente diversificação da economia nacional e o aumento da produção em Angola, é expectável que o sector dos serviços venha a ter um peso ainda maior. Serviços financeiros Tem-se observado um crescimento contínuo do sector financeiro Angolano, em resposta ao investimento realizado pelos agentes do sector nos últimos anos. A actividade bancária tem vindo a expandir-se com a abertura de agências e dependências a nível nacional revelando uma melhoria nos níveis de bancarização e financiamento à economia. Angola já é hoje um dos mercados com o maior sector bancário na África subsahariana e as perspectivas são muito positivas de um continuado crescimento nos próximos anos, tendo em conta o nível de bancarização da população.

13

14 Introdução Mensagem do Presidente da Comissão Executiva (CEO) Principais Indicadores da Actividade Estrutura Accionista e Órgãos Sociais Governo da Sociedade

15 12 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão Introdução Presidente da Comissão Executiva O SBA também é visto já como uma referência em termos da oferta de soluções de gestão de risco, em especial a exposições de câmbios. Pedro Pinto Coelho Mensagem do Presidente da Comissão Executiva O exercício de 2013 foi um ano de consolidação, e tendo este sido apenas o terceiro ano completo de actividade do Standard Bank de Angola, S.A. ( SBA ou Banco ), o Banco é já uma referência no Sistema Financeiro Angolano. Em 2013, o balanço do Banco apresenta um total de AOA milhões de activos líquidos, evidenciando um crescimento de 140% face ao ano anterior. Este crescimento foi sustentado pelo crescimento dos depósitos de clientes que atingiram os AOA milhões (crescimento de 159%), demonstrando a confiança dos clientes no SBA. O crescimento dos depósitos verificou-se sobretudo em moeda nacional, em consequência das alterações legislativas verificadas no mercado cambial Angolano, mas os depósitos de moeda estrangeira também evidenciaram um aumento significativo, pelo facto do Standard Bank de Angola ser visto como o Banco preferencial para muitas das empresas multinacionais do sector do petróleo e do gás natural. Focado na estratégia de apoiar a economia Angolana, o SBA tem assinado diversos protocolos institucionais, com o objectivo de apoiar o Governo Angolano na estruturação de operações de grande dimensão ou na concessão de crédito ao Estado, a pequenas, médias e grandes empresas Angolanas ou multinacionais com actividade económica local. O resultado desta estratégia aparece reflectido no crescimento na carteira de crédito concedido, que atingiu em 2013 os AOA milhões (um crescimento superior a 250%), e nos resultados de prestações de serviços financeiros com um aumento de 67% face ao ano anterior. O SBA também é visto já como uma referência em termos da oferta de soluções de gestão de risco, em especial a exposições de câmbios. Durante o ano de 2013, a Direcção de Mercado de Capitais do Standard Bank de Angola movimentou mais de USD 2,2 mil milhões em transacções no mercado cambial, tendo participado activamente na dinamização do mercado monetário interbancário e nos leilões de títulos tanto do Banco Nacional de Angola como do Ministério das Finanças. Os resultados em operações cambiais evidenciam um crescimento de 110% face a O SBA tem vindo a desenvolver um significativo programa de expansão de modo a aumentar a sua presença no mercado Angolano. Com o objectivo de oferecer um crescente acesso aos serviços bancários, o programa de alargamento da sua rede comercial em Angola resultou na abertura de 11 novas agências em 2013 e o objectivo é terminar 2014 com um total de 30 agências distribuídas por todo o país. O Banco mantém em curso um programa de crescimento acelerado, sustentado por políticas de gestão de risco rigorosas e eficazes que permitirá ao Banco ambicionar estar entre os 7 maiores bancos em total de activos em 2014, sendo ao mesmo tempo um Banco reconhecidamente estável, sólido, que garante os depósitos dos clientes. O Banco pretende manter indicadores de solidez fortes, tendo para isso previsto para 2014 um novo aumento do seu Capital Social no montante de USD 100 milhões. Este aumento de capital permitirá também elevar o limite regulamentar do Banco possibilitando continuar a apoiar a economia Angolana através da concessão de crédito. O SBA encara o capital humano com um dos principais factores críticos de sucesso do negócio. A qualidade do serviço ao cliente resulta de um investimento significativo em capital humano Angolano, onde mais de 65% dos colaboradores concluiu ou se encontra a frequentar o ensino universitário. Através de um processo de selecção rigoroso e uma forte aposta na formação interna e externa dos seus colaboradores, o Banco tem dotado a sua rede comercial e os seus serviços centrais com jovens profissionais Angolanos com qualificações adequadas às exigências dos seus clientes: em final de 2013, o SBA contava já com 498 colaboradores, o que representa um crescimento de 41% face ao ano anterior. O crescimento do SBA no mercado Angolano não teria sido possível sem o esforço e dedicação dos nossos colaboradores bem como o apoio dos nossos clientes, instituições do Governo da República de Angola e do Banco Nacional de Angola, aos quais endereço o nosso agradecimento. Pedro Pinto Coelho (Presidente da Comissão Executiva)

16 13 O Banco Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Principais Indicadores da Actividade do Standard Bank de Angola (Valores expressos em milhares, excepto informação estatística) AOA USD (Valores não auditados) Variação Variação Margem Financeira % % Resultados de operações cambiais % % Resultados de prestação de serviços financeiros % % Produto Bancário % % Resultado Líquido ( ) ( ) 6% (10.770) (10.300) 5% Total do Activo líquido % % Aplicações de Liquidez % % Títulos e Valores Mobiliários % % Crédito Bruto % % Crédito Líquido % % Depósitos % % Total do Passivo % % Fundos Próprios % % Rácio de Solvabilidade Regulamentar 14,89% 21,01% -29% Rácio de conversão 25,31% 18,31% 38% Nº de Balcões % Nº de ATMs % Nº de POS % Nº de Cartões de Débito % Nº de Cartões de Crédito % Nº de Clientes % Nº de Funcionários %

17 14 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão Introdução

18 15 O Banco Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Estrutura Accionista e Órgãos Sociais Estrutura Accionista Accionistas % Capital Standard Bank Group Limited 51% AAA Activos, Lda. 49% Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Tiago Ferraz Contente Vice-presidente Natacha Sofia da Silva Barradas Secretário Randina Wezatusissi de Oliveira Rangel Conselho Fiscal Presidente Octávio Manuel de Castro Castelo Paulo Vogais Alberto Manuel Freitas da Silva Miguel da Silva Alves Conselho de Administração Comité de Auditoria Presidente Dominic Bruynseels Vogais Pedro Nuno Munhão Pinto Coelho António Caroto Coutinho Ivo Emanuel Neto de São Vicente Carlos Manuel de São Vicente Auditores Externos PricewaterhouseCoopers Comissão Executiva Presidente Pedro Nuno Munhão Pinto Coelho Vogais António Caroto Coutinho Ivo Emanuel Neto de São Vicente

19 16 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão Introdução

20 17 O Banco Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Governo da Sociedade O Standard Bank de Angola concentrou-se em definir um modelo de governo societário com uma estrutura e princípios bem definidos, de modo a reflectir o compromisso claro com a regulamentação Angolana, as melhores práticas internacionais e as linhas orientadoras do Grupo. Objectivo Estabelecer uma linha clara de distribuição de responsabilidades no interior da hierarquia e na existência de processos de monitorização, fiscalização e de compliance, tanto interna como externa, que contribuam para o enriquecimento da transparência da sua gestão, aumentando, assim, o seu valor como Instituição Financeira. Em 2013, o Banco Nacional de Angola (BNA) publicou o Aviso nº 1/2013 de 19 de Abril, que regula a obrigação das Instituições Financeiras no âmbito da governação corporativa no que se refere à estrutura de capital, estratégia, modelo de organização societária, transparência das estruturas orgânicas e de capital, políticas e processos de gestão de risco, política de remuneração e conflito de interesses. Esta alteração regulamentar teve como principal propósito estimular e induzir as Instituições Financeiras Angolanas na adopção das boas práticas de Governação. A publicação desta legislação despoletou um processo interno de actualização do modelo de governo societário do SBA, com impacto na gestão a partir de 2014, garantindo a manutenção das melhores práticas que asseguram o equilíbrio de direitos entre accionistas, prestação de contas, ética e a sustentabilidade do negócio. As principais actividades desenvolvidas durante o ano de 2013 no âmbito deste novo normativo foram as seguintes: Implementação da Política de Identificação e Gestão de Conflito de Interesses; Definição de uma Política de Transacções com Entidades Relacionadas, como parte integrante de uma política de transparência e divulgação de informação; Definição da Política de Remuneração e Benefícios; Actualização do Código de Ética. Desafios Os principais desafios que se colocam em 2014 para implementação efectiva do Aviso nº 1/2013 são os que se seguem: Nomear um Administrador Independente; Elaborar a Política de Transparência e Divulgação de Informação e a Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos Sociais; Criar um Comité de Remuneração; Divulgar no site institucional do Banco a seguinte informação mínima/obrigatória: (i) Estrutura de capital da instituição com identificação dos detentores de participações qualificadas; (ii) Actos societários respeitantes a alterações relevantes nos objectivos globais estratégicos e nas estruturas orgânicas e funcionais; (iii) Informação Financeira do Banco; (iv) Informação sobre os membros dos órgãos sociais: (i) Política de remuneração; (ii) qualificações e experiência profissional; (iii) categorização dos membros do órgão de administração em executivo e não executivo (independentes ou não independentes); (v) Política de Governação Corporativa; (vi) Política de formação. Principais políticas e processos no âmbito da governação corporativa Conflito de interesses O SBA implementou uma Política de Identificação e Gestão de Conflito de Interesses, que tem por objectivo evitar conflitos de interesses de cada colaborador, intermediário ou prestador de serviços ( Pessoas Afectadas ) do Banco de forma a não se colocarem a si próprias em posição onde os seus interesses pessoais entrem em conflito com os interesses do Banco ou do cliente.

21 18 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão Introdução A referida política existe para (i) determinar o enquadramento dentro do qual são identificados e geridos os conflitos de interesses; (ii) assegurar que a legislação, normas e regulamentos relacionados com conflito de interesses são observados; (iii) proteger o Banco e os seus colaboradores de dano reputacional, multas que possam vir a ser impostas pelos diversos reguladores em resultado de não ter sido identificado e devidamente gerido o conflito de interesses. Transacções com partes relacionadas A presente política tem por objectivo estabelecer e definir o enquadramento de governação, gestão de risco e comunicação de transacções e empréstimos com partes associadas e relacionadas. Política de Remuneração e Benefícios A Política de Remuneração e Benefícios foi criada para assegurar o crescimento sustentável do Banco, bem como para oferecer boas oportunidades de remuneração e benefícios aos seus colaboradores. O seu papel no SBA é importante na contratação e retenção de quadros com grande capacidade de desempenho, visando, desta forma, garantir a motivação dos seus colaboradores. Código de Ética O SBA está empenhado em marcar, verdadeiramente, a diferença no mercado Angolano. Este compromisso implica um crescimento sem percalços e uma melhoria contínua do negócio no país. De forma a poder conduzir a sua actividade de forma coerente, foram identificados um determinado número de directrizes comuns, tais como a visão de valores e a identidade da marca Standard Bank, que implica um quadro comum de tomada de decisões. Este quadro está definido com maior clareza no Código de Ética, que foi concebido para facilitar (i) uma maior descentralização e (ii) a tomada de decisões mais rápida e eficiente em todos os níveis do Banco. Estrutura do Governo Societário Assembleia Geral Membros da Mesa A Mesa da Assembleia Geral é constituída por um Presidente, um Vice-presidente e um Secretário. Os membros da Mesa que podem ser accionistas ou não são eleitos por períodos de quatro anos, sendo permitida a sua reeleição. Conselho de Administração O Conselho de Administração, composto por cinco administradores nomeados em Assembleia Geral por quatro anos, é o órgão decisório máximo do Banco e pertencem-lhe as responsabilidades últimas em matéria de governação. Os administradores têm acesso irrestrito à equipa de gestão e às informações sobre o Banco, bem como aos recursos necessários para desempenharem as suas responsabilidades. Comissão Executiva O Conselho de Administração delega a gestão corrente do Banco numa Comissão Executiva, composta por três membros eleitos por mandatos de quatro anos, com possibilidade de reeleição. A Comissão Executiva compreende todos os poderes de gestão necessários ou convenientes para o exercício da actividade bancária nos termos e com a extensão com que a mesma é configurada no regimento deste órgão e na lei. Comité de Auditoria A função primária deste Comité é supervisionar a actividade da Comissão Executiva e consequentemente da gestão do Banco assegurando a salvaguarda dos activos do Banco, a avaliação da eficácia do sistema de controlo interno do Banco, o cumprimento da legislação a que o Banco está sujeito, bem como de todo o normativo dos órgãos de supervisão. O Comité de Auditoria é composto por três membros não administradores sendo ainda convidados permanentes as áreas de Auditoria Interna, Risco, Compliance, Jurídico, Finance, os Auditores Externos e o Presidente da Comissão Executiva do Banco. Comité de Gestão de Risco de Crédito O Comité Gestão de Risco de Crédito corresponde à função de tomada de decisão ao nível de gestão de Risco de Crédito, com delegação de poderes bem definida, conforme determinado pelo Conselho de Administração. O objectivo deste Comité é estabelecer e definir os princípios para a aceitação de Risco de Crédito e ao quadro geral para a gestão consistente e uniformizada de identificação, avaliação, gestão e comunicação de Risco de Crédito. Comité de Activos e Passivos O objectivo deste Comité é a análise à evolução do balanço do Banco, quer em termos de saldos de crédito e recursos de clientes, quer de margens, facultando à Comissão Executiva os elementos necessários para a definição de objectivos estratégicos em matéria de crescimento da actividade creditícia e de captação de recursos de Clientes, estratégia de financiamento (gestão do mismatch do balanço) e de preços/margens. Comité de Gestão de Risco Operacional e Compliance Este Comité assegura a monitorização do Risco Operacional do Banco, em conformidade com a política de gestão de risco definida pelo Grupo, incluindo o risco da informação e continuidade de negócio. Deve garantir a definição da estratégia, modelos operacionais e planos, bem como estruturas de gestão, padrões e políticas, para garantir uma abordagem coerente para a identificação, avaliação, monitorização e comunicação de Risco Operacional. Fiscalização Para além da supervisão exercida pelo Comité de Auditoria, a função de fiscalização interna do SBA está a cargo do Conselho Fiscal, composto por 3 membros nomeados para um mandato de 4 anos. A fiscalização externa do Banco é exercida pela empresa de Auditoria PricewaterhouseCoopers, bem como pelas autoridades de supervisão a que está sujeito no exercício da sua actividade em Angola.

22 19 O Banco Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras

23

24 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Conjuntura Macroeconómica Global Conjuntura Macroeconómica em Angola

25 22 Standard Bank de Angola, S.A. Relatório de Gestão Enquadramento Macroeconómico

26 23 O Banco Introdução Enquadramento macroeconónico Síntese de actividade Análise Financeira Demonstrações Financeiras Conjuntura Macroeconómica Global Crescimento global O ano de 2013 foi de recessão na Zona Euro e de abrandamento económico na generalidade das principais economias. A economia mundial terá crescido 2,9%, segundo os dados preliminares do FMI, um valor mais baixo que o ano 2012 e substancialmente menor que a média de 3,8% da década de Apesar de se ter registado uma recuperação a nível mundial na segunda metade do ano, os riscos para o crescimento futuro ainda são significativos. Na Zona Euro, os riscos advêm em particular das restrições ao crédito em alguns países, da deficiente transmissão da política monetária ao resto da economia, da continuada contenção orçamental e das dificuldades de implementação de algumas reformas estruturais. Nos Estados Unidos da América (EUA), existem riscos relacionados com a política orçamental e o tecto de dívida para os quais ainda não se vislumbra uma solução bipartidária de longo prazo. No resto do mundo, os países emergentes já estão a sofrer com a redução do estímulo monetário por parte da Reserva Federal. No entanto, nos próximos meses, deverá notar-se uma maior diferenciação entre os países com políticas económicas que promovem um crescimento mais sustentado e os restantes países. Crescimento Mundial do PIB: Mundo Estados Unidos Ásia Economias Avanç. Zona Euro Angola Fonte: FMI, Eurostat, Bureau of Econ. Analysis Depois de um crescimento do PIB mais moderado em 2012 e 2013, comparativamente à década anterior em quase todas as regiões do mundo, o produto deverá crescer mais em 2014, ainda que de um modo geral se mantenha abaixo do crescimento potencial. De acordo com as estimativas, o PIB mundial deverá crescer 3,7%, 0,7 pontos percentuais acima de Em Angola, depois de um crescimento do PIB em 2012 de 5,2%, o FMI estima que 2013 tenha fechado com um crescimento de 5,6%, valor ligeiramente superior à taxa de 5,1% estimada pelo Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. Para 2014, apesar das projecções mais optimistas do Banco Mundial e da OCDE, com taxas de crescimento na ordem dos 8,0% e 8,2%, respectivamente, o FMI prevê um crescimento mais modesto de 6,3%. Instabilidade na Zona Euro A Zona Euro voltou a ter um decréscimo do PIB no ano 2013 de 0,4% após uma queda de 0,6% em Ainda assim, a recuperação parece estar em curso. Em particular, destacam-se os dados do último trimestre de 2013 que já evidenciam algum crescimento, tendo a Zona Euro registado uma variação positiva do PIB de 0,3% em cadeia (0,5% de variação homóloga), embora as previsões antecipem uma retoma lenta e frágil. A contracção da procura interna, sobretudo no primeiro semestre, atingiu também a inflação, que caiu de 2,2% em Dezembro de 2012 para 0,8% em Dezembro de 2013, bem abaixo da meta do Banco Central Europeu (BCE) de 2%. Isso ajudou o BCE a justificar a flexibilização da política monetária durante todo o ano de 2013.

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Índice Introdução O Standard Bank Enquadramento Económico Síntese da Actividade Garantir a Sustentabilidade Análise Financeira

Índice Introdução O Standard Bank Enquadramento Económico Síntese da Actividade Garantir a Sustentabilidade Análise Financeira Introdução Índice Introdução Mensagem da Comissão Executiva 3 Principais indicadores da actividade 6 Expectativas para 2015 8 O Standard Bank Os nossos valores 11 Como criamos valor 13 A nossa estrutura

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Evolução da Economia Internacional

Evolução da Economia Internacional 1 Evolução da Economia Internacional Este capitulo descreve sumariamente a evolução dos principais blocos económicos mundiais em 2014, assim como das economias dos parceiros económicos mais importantes

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 3º Trimestre de 2015 1. Processo de ajustamento macroeconómico: uma evolução aparentemente paradoxal O ajustamento do nível de actividade económica em Angola tornou-se inevitável

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing 1 Enquadramento e Experiência Internacional Leasing Leasing como factor de Crescimento Económico Importância Leasing no Mundo Factores de sucesso Vantagens utilização Sector Público 2 O Mercado Leasing

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2014 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal

ARC atribui Rating BBB- a Portugal ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal EMITENTE DATA DOS RATINGS República Portuguesa 1 de Maio de 2015 RATINGS DE EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB- (BBB-,, Estável) RATINGS DE EMITENTE

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Neste trimestre obtém 17,94 milhões, cerca de 25% superior ao segundo trimestre deste ano Só o Ebitda de 2007, o melhor ano desde que a companhia é cotada em Bolsa,

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais