A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONSUMO VIRTUAL. Guilherme da Costa Claudia Maria Barbosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONSUMO VIRTUAL. Guilherme da Costa Claudia Maria Barbosa"

Transcrição

1 A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONSUMO VIRTUAL Guilherme da Costa Claudia Maria Barbosa RESUMO Este artigo é a primeira análise do projeto Segurança Jurídica nas contratações via internet, financiado pelo CNPq. O projeto busca conectar as áreas das ciências Jurídicas e da Ciência da Computação para auxiliar a superação de obstáculos para o desenvolvimento e democratização do comércio virtual, no cenário brasileiro. Propõe-se a adoção conjunta de protocolos para garantir as transações virtuais, sem que seja necessária a certificação digital, de custo maior. A segurança a baixo custo possibilitará uma maior oferta de produtos por pequenos e médios fornecedores, e a possibilidade de o consumidor realizar as transações virtuais munido apenas de um computador. Já de outro ponto buscaremos analisar o papel do Poder Judiciário nesta realidade virtual e como este pode/poderá atuar para o aumento da confiabilidade e segurança desta forma de comércio. PALAVRAS-CHAVES: SEGURANÇA JÚRIDICA, RELAÇOES DE CONSUMO, INTERNET, PODER JUDICIÁRIO, ACESSO ABSTRACT This article is the first analysis of the project Legal Security in the internet, financed from the CNPq. This project searchs to connect the areas of Law and the Computer Science to assist the overcoming of obstacles to the development and democratization of the virtual commerce, in the Brazilian scene. It is considered the joint adoption of protocols to guarantee the virtual transactions, without it is necessary the digital certification, of bigger cost. The security with low cost will make possible the biggest offers of small producers for e average supplying, and the possibility of the consumer to carry through the virtual transactions armed only of a computer. Already of another point we will search to analyze the paper of the Judiciary Power in this virtual reality and as this can/will be able in such a way to act for the increase of the trustworthiness and security of commerce. KEYWORDS: SECURITY, RELATIONS OF SONSUMPTION, INTERNET, JUDICIARY, ACCESS

2 INTRODUÇÃO A aproximação entre Direito e Tecnologia é crescente e necessária, mas apresenta dificuldades. O Direito vive o dilema de buscar de um lado a segurança, o equilíbrio e a estabilidade, e de outro estar obrigado a incorporar a seu mundo elementos cada vez mais dinâmicos que propiciam um ambiente de instabilidade em princípio hostilizado pelo Direito. As relações entre Direito e Tecnologia têm um duplo aspecto: de um lado o Direito deve normatizar as situações decorrentes do uso de novas tecnologias pela sociedade; de outro lado, deve buscar ele mesmo incorporar essa tecnologia para modernizar-se, de forma a cumprir seu papel social de forma mais eficiente. Uma legislação atual é condição necessária, mas não suficiente, para a eficácia das relações sociais, e nesse sentido o papel do Judiciário é essencial. A necessidade de modernização do Judiciário como condição para a modernização do Estado e, especialmente, para o desenvolvimento econômico dos países menos desenvolvidos, vem sendo apontada enfaticamente desde a década de 90 por inúmeras entidades, entre elas o Banco Mundial, cujo relatório técnico n. 319, de 1995, já informava que a economia de mercado demanda um sistema jurídico eficaz para governos e setor privado, visando solver os conflitos e organizar as relações sociais. Ao passo que os mercados se tornam mais abertos e abrangentes e as transações mais complexas, as instituições jurídicas formais e imparciais são de fundamental importância. Sem estas instituições, o desenvolvimento no setor privado e a modernização do setor público não serão completos [DAKOLIAS, 1996]. A cada dia torna-se mais comum a celebração de negócios jurídicos via Internet 1, entre os quais a aquisição de determinado produto é a atividade mais corriqueira. 2 A diferença básica entre um contrato realizado na Internet e outro 1 Mais de 627 milhões de pessoas - ou cerca de 10% da população mundial - já fizeram compras pela internet, segundo um estudo da ACNielsen. No prazo de um mês antes da pesquisa, 325 milhões de pessoas adquiriram alguma coisa pela web. Na América Latina, 63% das pessoas ouvidas pela pesquisa (que só abordou Brasil, Chile e México) já fizeram compras pela internet, menor índice entre os continentes pesquisados. Na Europa e na América do Norte, 85% da população já utilizou a web para comprar, taxa superior à média mundial, que é de 70%. Para realizar o estudo, a ACNielsen entrevistou mais de 21 mil consumidores de 38 países ( in 4F75C72A0510&ChannelID= , acesso em 07/04/2006). 2 Em recentes pesquisas, perguntados sobre os últimos três itens adquiridos pela internet, 34% dos entrevistados disseram ter comprado livros; 22% vídeos, DVDs ou jogos; 21% reservas de passagens aéreas; 20% roupas acessórios e calçados; 18% música; 17% equipamentos eletrônicos; 16% computadores; 12% ingressos de eventos. Curiosamente, entre os participantes da pesquisa, 6% incluíram

3 ajustado no meio físico é que aquele não é material e sim virtual, eletrônico ou digital. Embora sua popularização seja uma realidade, a sensação de insegurança na contratação virtual ainda é um dos maiores obstáculos dos consumidores digitais, revelado pelo fato de eles normalmente transformarem a vantagem da contratação imaterial pela consubstanciação desta contratação em meio físico, seja pela impressão em papel do contrato, da confirmação do pedido, do pagamento, etc. Seja como for, o fato do cidadão somente sentir-se seguro na contratação via Internet possuindo a prova escrita da transação, frustra, ao menos parcialmente as vantagens tecnológicas da contratação em ambiente virtual. Embora o sistema jurídico brasileiro de proteção do consumidor seja avançado, há pontos que ainda demandam maior definição. Em conformidade com o estabelecido pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), em seu artigo 6º, inciso VIII, não é obrigação legal do consumidor que realiza a aquisição do produto pela Internet manter sob seus cuidados os dados relativos à transação, visto que nestas situações deve ocorrer a inversão do ônus da prova, senão pela verossimilhança das alegações, pela hipossuficiência técnica e tecnológica do adquirente. Sendo assim, a responsabilidade pelo arquivo e manutenção da integridade das informações referentes às transações é de responsabilidade do fornecedor, que deve guardá-la não apenas pelo prazo de reflexão que autoriza o consumidor a desistir do negócio (art. 49 da Lei 8.078/90), ou pelo prazo das garantias legais ou contratuais, mas pelo período no qual poderá surgir algum litígio que tenha por objeto a contratação ou o próprio objeto contratado. A tecnologia existente atualmente permite identificar e armazenar dados dos contratantes, de forma a tornar mais segura a contratação via Internet e garantir o negócio virtual. Nesse contexto, o estabelecimento de protocolos aceitos internacionalmente para os casos de contratação via Internet, pode ser um instrumento eficiente para o incremento da atividade, mas sua efetividade depende da compreensão e aceitação pelo Direito e pelo Poder Judiciário, imprescindíveis para que as transações frutas, verduras e legumes entre os três últimos itens comprados pela internet. No ranking dos 10 primeiros países em compras de livros, o Brasil aparece na oitava posição, com 45% das pessoas tendo adquirido livros nas suas três últimas compras pela internet. O país também está entre os dez com maior percentual de compras de vídeos, jogos e DVDs, ocupando a sexta posição do ranking. Dos brasileiros entrevistados, 28% compraram algum destes itens nas suas três últimas aquisições. No quesito compras de passagens pela web, contudo, o país fica bem abaixo do décimo colocado do ranking, a Finlândia (onde 31% dos entrevistados incluíram passagens áreas entre as últimas três compras eletrônicas). No Brasil, apenas 15% dos ouvidos pela pesquisa citaram este item entre as três últimas aquisições ( in 4F75C72A0510&ChannelID= , acesso em 07/04/2006).

4 via rede mundial de computadores possam ser feitos de forma rápida, segura, eficaz e econômica. O presente estudo desenvolve-se no seio de um projeto que conta com financiamento do CNPq intitulado Segurança Jurídica nas relações via internet, que teve início em 2006 e busca aproximar as ciências jurídicas e a ciência da computação na busca da superação de obstáculos para o desenvolvimento e democratização do comércio virtual no cenário brasileiro. 1.INTERNET E CONSUMO Uma comparação entre a televisão e a internet poderia revelar que o poder desta é muito maior do que daquela, uma vez que enquanto a TV possibilitou uma comunicação de via única, a internet oferece duas vias, permitindo dessa forma a interação e a integração em rede das comunidades que dela participam, com reflexos diretos na redução de custos que acabem por permitir a democratização do consumo e a própria realização da cidadania. Do ponto de vista do cidadão consumidor, a conexão em rede potencialmente lhe dá muito mais informação a respeito dos fornecedores e produtos, qualificando sua busca e opção por serviços melhores e mais eficientes. Para pequenas e médias empresas, a internet tem o condão de posicioná-la no mercado de uma forma muito mais efetiva, já que o uso das novas tecnologias da informação (TI) vem possibilitando a inclusão social sustentada das pequenas e médias empresas, que ao ampliarem sua competitividade, atingem níveis antes só alcançados por grandes corporações, pulverização a atividade comercial e massificando o consumo. Para se ter uma idéia desta crescente realidade, basta citar que as vendas do comércio eletrônico duplicaram nos últimos dois anos no Brasil, tanto nas negociações entre empresas quanto na comercialização direta para o consumidor final, segundo apontou a 8ª Pesquisa Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro, feita pela FGV (Faculdade Getulio Vargas) 3. A 17ª pesquisa anual sobre o mercado de informática no Brasil informou que existem atualmente no país 32 milhões de computadores em uso. 3 Acessado em 02/02/ Método: Para desenvolver o estudo, a equipe da FGV considerou 414 empresas, de vários setores econômicos, ramos de atividades e portes. Entre as entrevistadas, estão companhias nacionais e multinacionais, que operam no mercado brasileiro e atuam em diversos níveis no ambiente digital. Segundo dados da FGV, entre companhias pesquisadas, 40%

5 Com relação ao comércio eletrônico realizado entre usuários finais e empresas; caracterizando assim a relação consumeirista, o índice de negócios ao consumidor, medido em março de 2005, respondia por cerca de 2,9% das vendas diretas no varejo. Atualmente, segundo o estudo divulgado pela FGV, esse mesmo índice está no patamar de 7,45%. Neste âmbito de relações de consumo, o setor industrial tem grande destaque, com 8,46% da participação nesse nicho de mercado. Em seguida, aparecem empresas do setor de serviços (5,12%) e do comércio (4,77%). Essa realidade vem refletindo também no sistema judiciário tanto no que diz respeito à sua própria modernização tecnológica, quanto no sentido de delimitar seu uso nos casos que lhes são submetidos, aliando assim uma interatividade com as demandas econômicas de expansão, de forma a facilitar a sustentabilidade do comércio e democratização do comércio virtual. Também os poderes Executivo e Legislativo vêm interferindo, com a edição de leis que tratam da certificação digital, decreto lei regulador de identidade virtual, além de terem iniciado debates sobre questões controvertidas como a necessidade de sigilo de acessos, a responsabilidade de provedores, etc Protocolo PUCPR/CNPq- Democracia no consumo virtual A idéia central da criação deste protocolo 4, o qual estamos denominando provisoriamente Democracia no consumo virtual é aliar as tecnologias de contratação virtual para que se possa incrementar o comércio de produtos via internet de modo seguro e barato. Para tanto se busca a formatação de um protocolo que indique no mínimo as partes contratantes, objeto do contrato, data e forma da entrega, garantia, local e data de sua realização, dados que serão disponibilizados pelo TCP/IP da máquina e integrados pelo processo de assinatura digital. Tal possibilidade envolve diversos aspectos, tais como pontos de acessos, alfabetização virtual e confiabilidade, porém a maior contribuição dada pela união do Direito com a informática se dá na questão da atuam na área de serviços, 35% na indústria e, por fim, 25% no comércio. Os desenvolvedores da pesquisa não divulgaram os números absolutos do estudo. 4 O conceito de protocolo na informática é muito próximo ao mundo jurídico, pois aquele é a garantia da integridade de atos e possibilidade de leitura através de recursos a ele atribuídos. Exemplo próximo do mesmo é o ato de discar um numero de telefone, onde se tem a certeza que só aquele será o chamado ou mesmo falar no mesmo idioma.

6 confiabilidade, já que a adoção dessa ferramenta tem potencialmente o condão garantir às partes uma maior segurança e facilidade na realização do contrato. A possibilidade de realização do comércio virtual seguro permitirá que se supere alguns dos entraves apontados por pesquisa realizada pela FGV e E-bit apontadas no trabalho, baseados na falta de segurança e no custo do comércio virtual, abrindo caminhos para potencializar a inclusão do consumidor no mercado virtual. Por fim este protocolo tratará de um sistema de conjugação de informações contratuais, dados TCP/ IP (que determinam a localização e integridade das informações) sendo resguardadas todas essas informações através do processo de assinatura eletrônica, cujos dados devem ser depositados no PC do fornecedor, obrigatoriamente, e facultando ao consumidor essa mesma possibilidade A Ferramenta TCP/IP A rede mundial de computadores é um sistema que permite à comunicação e a transferência de arquivos de uma máquina a qualquer outra máquina conectada a rede. Esta comunicação pela internet é feita, basicamente, através de protocolos, que permitem a troca de dados, para que os computadores de uma rede pudessem trocar informações entre si foi necessário que todos utilizassem o mesmo protocolo de comunicação. Neste estão definidas todas as regras necessárias para que o computador de destino compreenda as informações, no formato que foram enviadas pelo computador de origem. Dois computadores com diferentes protocolos instalados não serão capazes de estabelecer uma comunicação e nem serão capazes de trocar informações, o que deverá ocorrer com a adoção do protocolo TCP/IP que representa a integração de dois sitemas: o IP, Internet Protocol e o TCP (transmission control protocol). O IP (Internet Protocol) identifica os computadores na rede, como se fosse um número telefônico. O endereço IP (ou somente IP) é uma seqüência de números composta de 32 bits. Esse valor consiste num conjunto de quatro grupos de 8 bits. O número é um exemplo 5. Os últimos 2 octetos, são usados na identificação de computadores dentro da rede. Já no TCP (Transmission Control Protocol) o funcionamento é baseado em conexões. Assim, para um computador cliente iniciar uma "conversa" com um servidor, acompanhará o caminho da figura abaixo: 5 GASPARINI, Anteu Fabiano Lúcio; BARCELLA, Francisco Eugênio. TCP/IP : solução para conectividade. 2 ed. São Paulo: Érica, 1994.

7 ``Por ser feita em três transmissões, esse processo é conhecimento como three-way handshake (algo como triplo aperto de mãos). Tem este sistema como características principais: manter a informação do IP imutável; verifica se os dados não foram alterados ou corrompidos durante o transporte entre a origem e o destino e recebe os pacotes de dados, verifica se estão OK e, em caso afirmativo, envia uma mensagem para a origem, confirmando cada pacote que foi recebido corretamente``6. O uso dos dois sistemas de modo integrado, como se propõe, aumentará o grau de confiabilidade, segurança, comunicabilidade e integridade das informações de identificação da máquina operadora e das próprias informações enviadas pelas máquinas - sejam pessoais ou bases para a manutenção de um site. Apesar de algumas discussões acerca da possível quebra deste sistema por meios ilícitos, é possível identificar um usuário na rede com quase absoluta certeza, assim como a hospedagem de um site, que também se dá através deste sistema de protocolo A Certificação Digital e a Assinatura Eletrônica Os processos de certificação digital são aqueles que garantem a identificação dos usuários na rede mundial de computadores. Por meio da certificação eletrônica, uma entidade autorizada, chamada de entidade certificadora (em grosso modo igual à figura de um cartório) passa a dar reconhecimento de veracidade a determinado acerto ou 6 GASPARINI, Anteu Fabiano Lúcio; BARCELLA, Francisco Eugênio. TCP/IP : solução para conectividade. 2 ed. São Paulo: Érica, 1994.

8 declaração virtual, podendo também emitir chaves privadas para a assinatura eletrônica, que, como no processo de assinatura convencional, se concede para garantir a autenticidade de uma declaração ou documento, adicionado ao processo uma inovação tecnológica que é o lacre do conteúdo certificado através da chave privada 7. Este termo assinatura eletrônica, porém tem um significado diferente da assinatura convencional na medida de que se refere a qualquer mecanismo, não necessariamente criptográfico 8, para identificar o remetente de uma mensagem eletrônica. Em que para se verificar a autenticidade do documento deve ser usado um procedimento onde a partir da mensagem armazenada, gera-se um resumo 9 devendo este ser comparado com a assinatura digital - para isso, é necessário descriptografar, ou seja, quebrar, a assinatura obtendo a chave privada. Se ele for igual ao código recém gerado, a mensagem está intacta. Não há outro modo no meio digital, em especial na utilização da criptografia, de garantir de modo eficiente e potencialmente barato além de permanente ao documento a integridade das informações. Este mecanismo permite a leitura do documento através de uma chamada chave pública, mas sem a possibilidade de alteração do mesmo. Embora para se ter o acesso à chave privada seja necessária a compra de uma em uma entidade certificadora, com alto custo, sua venda tem se tornado cada vez mais comum, dada a sua imensa necessidade na conclusão de transações mobiliarias e financeiras, alem do uso pelo poder público na área fiscal 10. Enfim, trata-se de uma possibilidade cada vez mais presente na realidade virtual, inclusive progressivamente mais acessível, como as já existentes identidades digitais, entre as mais conhecidas no Brasil as da Certising, entidade certificadora autônoma que já oferece uma identificação digital por R$ 475,00 reais. Embora a certificação digital forneça segurança com respeito ao envio de documentos, ela por si só é incapaz de identificar o local de assinatura do contrato.portanto a integração deste sistema com o já básico sistema de acesso a rede, ou seja o TCP/IP, poderá determinar todos as características que busca dar o protocolo democracia no consumo virtual. Neste caso, não será necessário que o consumidor adquira sua identidade digital, buscando-se utilizar esta tecnologia para que o 7 NETO VOLPI, Ângelo Comércio Eletrônico Curitiba: Juruá, Mecanismos criptográfico são aqueles que se utilizam de códigos exclusivos de compreensão, para que se garanta a leitura do documento criptografado por um meio permitido e a modificação do conteúdo só seja permitido ao detentor da chamada chave privada. 9 Este resumo refere-se a traçar as características e configurações do procedimento de assinatura digital. 10 Revista Exame: E o papel, cadê? n 47 ano:2006 São Paulo: Abril.

9 fornecedor ofereça essa opção em conjunto com o protocolo de seu estabelecimento, em analogia aos cartões de fidelidade ou códigos de cadastro de clientes Comprovante de Compra e Obrigações do Fornecedor O uso conjunto dessas duas tecnologias apresentadas, TCP e IP, pode fornecer um ambiente seguro de comércio, onde as devidas obrigações sejam distribuídas entre o fornecedor e consumidor. Por força de dispositivo constante do artigo Art. 6º, inciso VIII da lei 8078/90 que prevê a inversão do ônus da prova, o fornecedor deverá ser responsável pelo armazenamento de todos os contratos virtuais, pelo prazo legal previsto para que assunto possa ser levado à Justiça. Estes dados conterão todas as informações relevantes da transação efetuada, nos exatos termos em que a mesma efetivou-se, servindo de instrumento comprobatório da transação virtual ocorrida. Diante da certeza de que, se demandado, o fornecedor está obrigado a apresentar o contrato virtual protegido contra possíveis alterações unilaterais ou de terceiros, estarão os consumidores mais seguros, a despeito de terem realizado uma transação virtual e dela não terem qualquer comprovante material. Mesmo assim a ferramenta possibilita ao consumidor o armazenamento de suas informações, A adoção conjunta dos protocolos dará segurança às transações sem que seja necessária a certificação digital, que tem um custo muito elevado para pequenos fornecedores, ampliando as condições de oferta de produtos e possibilitando a concorrência entre pequenos e grandes fornecedores. Para o consumidor o processo também será mais barato porque a transação exigirá apenas que haja um computador disponível. O sistema integrado possibilitará um grau maior de confiabilidade, segurança, comunicabilidade e integridade das informações de identificação da máquina operadora e das próprias informações enviadas pelas máquinas - sejam pessoais ou bases para a manutenção de um site. Apesar de algumas discussões acerca da possível quebra deste sistema, por meios ilícitos, é possível identificar um usuário na rede com quase absoluta certeza, assim como a hospedagem de um site, que também se dá através deste sistema de protocolo. Apesar da segurança que a mesma passa ao sistema de envio de documentos, ela por si só, é incapaz de identificar o local de assinatura. Além de que pelo seu caráter mais formal e não usual, passa a ser ignorado em transações básicas no e-commerce,

10 apesar de seu potencial de unificação como o protocolo TCP/IP para garantir a segurança das transações. Como se viu a ferramenta TCP/IP é fundamental no uso da internet, por estar presente em todos os computadores pertencentes à rede, e de um grau de confiabilidade e veracidade muito mais elevado dos documentos materiais dotados da fé-pública. Além de que menos complexos no seu uso e segurança, tendo em visita a formação de um protocolo garantido com o sistema de assinatura digital. Por estas razões vê-se total adequabilidade do protocolo TCP/IP, integrado com dados assegurados por meio de uma assinatura digital, como meio de prova judicial para os conflitos da rede mundial de computadores, pois possui os dois elementos teóricos para tanto: dar os elementos de convicção acerca da existência dos fatos e garantia da veracidade 11. A esses fatores, soma-se ainda a abertura cognitiva dada pelo Art. 332 do Código de Processo Civil, onde se admite todo o meio probatório e os sucessivos acolhimentos dos meios eletrônicos de prova previsão especifica na MP /2001 e no projeto de lei 4906/2001- pelo próprio Estado. Além de que tal instrumento habilitaria o consumidor utilizar, se fosse necessário o rito do procedimento monitório. Embora esta ferramenta possa ser um instrumento mais eficaz e hábil para a comprovação da negociação via internet, é necessário observar que qualquer meio de prova poderia ser utilizado por parte do consumidor para comprovar a transação. 1.5.Segurança Jurídica e Confiabilidade Dentro dessa construção, de um ambiente de consumo virtual sustentável e seguro, é importante também observar o preponderante papel do Direito e do Poder Judiciário na consecução de instrumentos hábeis de determinação de condutas de forma a favorecer o ambiente virtual, no qual o conceito chave é a confiabilidade, um termo próprio das ciências econômicas que no direito assemelha-se à boa-fé. Apesar de aparentemente se tratar de determinação vaga, e possivelmente imprecisa, está tem conseqüência direta em relação às posturas contratuais e em especial quando levadas ao Sistema Judicial, como a possível anulação, revisão ou aplicação de multa no seu descumprimento. 11 SILVA, Ovídio A. Baptista Curso de Processo Civil v. 1Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor

11 Conforme anteriormente afirmado, a era da Internet possibilitará às nações e as empresas novas oportunidades de mudança e o rompimento de barreiras ao crescimento. Porém caberão estes papeis em especial aos avanços de políticas públicas para o sistema judicial, que com estas poderemos romper o obstáculo da insegurança jurídica e assim aumentar o grau de confiabilidade nas relações virtuais. 2. CONSIDERAÇÕES FINAIS O artigo reflete uma pesquisa ainda em desenvolvimento. Conclusões preliminares permitem considerar que a adoção de protocolos conjuntos têm o condão de possibilitar que as contrações virtuais sejam mais seguras, a um preço mais baixo, o que potencialmente pode auxiliar no aumento do consumo virtual, democratizando-o. Outras pesquisas ainda são necessárias, inclusive para que se possa avaliar em que medida o judiciário e as normas jurídicas podem auxiliar na consolidação desse processo. 3. BIBLIOGRAFIA CAPELETTI, Mauricio: Acesso à Justiça Ed: Fabris 1997 GASPARINI, Anteu Fabiano Lúcio; BARCELLA, Francisco Eugênio. TCP/IP : solução para conectividade. 2 ed. São Paulo: Érica, LIEBMAN, Enrico Tullio Manuale de diritto processuale civile principi pg Ed. Milano: Giuffré, SILVA, Ovídio A. Baptista Curso de Processo Civil v. 1Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor Revista Exame: E o papel, cadê? n 47 ano:2006 São Paulo: Abril. 8ª Pesquisa Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro, feita pela FGV(Faculdade Getulio Vargas) 12.www.ebitempresa.com.br Abril de Acessado em 02/02/ Método: Para desenvolver o estudo, a equipe da FGV considerou 414 empresas, de vários setores econômicos, ramos de atividades e portes. Entre as entrevistadas, estão companhias nacionais e multinacionais, que operam no mercado brasileiro e atuam em diversos níveis no ambiente digital. Segundo dados da FGV, entre companhias pesquisadas, 40% atuam na área de serviços, 35% na indústria e, por fim, 25% no comércio. Os desenvolvedores da pesquisa não divulgaram os números absolutos do estudo.

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

SEGURANÇA JURÍDICA, COMÉRCIO VIRTUAL E CONSUMO

SEGURANÇA JURÍDICA, COMÉRCIO VIRTUAL E CONSUMO SEGURANÇA JURÍDICA, COMÉRCIO VIRTUAL E CONSUMO Claudia Maria Barbosa RESUMO Este artigo é a primeira análise do projeto Segurança Jurídica nas relações via internet, financiado pelo CNPq. O projeto busca

Leia mais

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL Resumo A necessidade de comprovar a autenticidade de documentos e atribuir lhes um valor legal, seja através de uma assinatura de próprio

Leia mais

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu

Desembaraço. Informações da indústria como você nunca viu Desembaraço Informações da indústria como você nunca viu Introdução É uma ferramenta dominada pela geração Y, mas que foi criada pela geração X. Ela aproxima quem está longe e tem distanciado quem está

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Resumos Volume 1, Julho de 2015 Segurança da Informação POPULARIZAÇÃO DA INFORMÁTICA Com a popularização da internet, tecnologias que antes eram restritas a profissionais tornaram-se abertas, democratizando

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br BALBONI, Mariana (coord. executiva). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas 2007. São Paulo: Comitê Gestor

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS. ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS

E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS. ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS E-DOC 2012 CURITIBA DOCUMENTOS DIGITAIS E SEUS ASPECTOS LEGAIS ANGELO VOLPI NETO angelo@volpi.not.br DOCUMENTOS DIGITAIS Qual o seu valor legal? O que fazer para agregar-lhes valor probatório? O que fazer

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 4 do modelo OSI 2 1 Camada 4 do modelo OSI 3 Camada 4 - Transporte O termo "qualidade de serviço" é freqüentemente usado para descrever a finalidade da

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

HTTPS. Lucas Vieira Mathias Hillesheim. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC. 16 de Junho de 2015

HTTPS. Lucas Vieira Mathias Hillesheim. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC. 16 de Junho de 2015 HTTPS Lucas Vieira Mathias Hillesheim Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José 16 de Junho de 2015 Lucas Mathias (IFSC) HTTPS - Segurança na Internet 16 de Junho de 2015 1 / 28 Lucas Mathias

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI 1. O que é o PROJUDI? Novo Guia de uso rápido do PROJUDI O Processo Judicial Digital PROJUDI, também chamado de processo virtual ou de processo eletrônico, pode ser definido como um software que reproduz

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Gestão de Lojas PAF-ECF e TEF

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Comercial. Gestão de Lojas PAF-ECF e TEF Módulo Comercial Gestão de Lojas PAF-ECF e TEF Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Comercial Gestão de Lojas PAF-ECF + TEF. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Estamos muito próximos da próxima revolução tecnológica. O setor de TIC está se expandindo para

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados

Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de Segurança de Dados Atestado de conformidade para questionário de autoavaliação P2PE-HW Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de avaliação Instruções

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

O QUE É O ENDEREÇO IP

O QUE É O ENDEREÇO IP O QUE É O ENDEREÇO IP O uso de computadores em rede, tal como a internet, requer que cada máquina possua um identificador que a diferencie das demais. É necessário que cada computador tenha um endereço,

Leia mais

Oficial de Justiça 2014. Informática Questões AULA 3

Oficial de Justiça 2014. Informática Questões AULA 3 Oficial de Justiça 2014 Informática Questões AULA 3 - Conceitos básicos de Certificação Digital - Sistema Operacional: Microsoft Windows 7 Professional (32 e 64-bits) operações com arquivos; configurações;

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007 TIC Empresas DESTAQUES Os computadores estão presentes em 95% das empresas, sendo que a informatização aumenta de acordo com o porte. Entre as que utilizam computadores, o acesso à Internet é quase integral:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível Crise? Como sua empresa lida com os desafios? Essa é a questão que está no ar em função das mudanças no cenário econômico mundial. A resposta a essa pergunta pode determinar quais serão as companhias mais

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Transações Monetárias na Internet

Transações Monetárias na Internet Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Transações

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Uma visão dos aspectos regulatórios da Tecnologia da Informação

Uma visão dos aspectos regulatórios da Tecnologia da Informação Uma visão dos aspectos regulatórios da Tecnologia da Informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Manuel Matos

Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Manuel Matos Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico Manuel Matos Camara-e.net Pressupostos Visão A Economia Digital será a base do desenvolvimento sustentável e a principal fonte de geração de riqueza das nações

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem.

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. BOX like a Boss Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. mandic CLOUD SOLUTIONS Mais e mais empresas buscam soluções para dar suporte

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NO E-COMMERCE: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE VAREJO

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NO E-COMMERCE: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE VAREJO IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NO E-COMMERCE: O ESTUDO DE CASO DE UMA EMPRESA DE VAREJO Ariane Crosara Alvarez¹; Daniela Teodora Leite Feliciano²; Kamilla Costa Siqueira³; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva⁴ 1,2,3,4

Leia mais

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos. 1 INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA Alexandre Kaspary 1 Alexandre Ramos 2 Leo Andre Blatt 3 William Rohr 4 Fábio Matias Kerber 5 Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA A, órgão do MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, neste ato representada pelos Procuradores da República integrantes do Grupo de Trabalho de Comunicação Social da PFDC,

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática Apresentação O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas, diante dos avanços tecnológicos e das vantagens do processo eletrônico, resolveu implantar em todas

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales Firewall Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales O que é Firewall? Firewall pode ser definido como uma barreira de proteção, que controla o tráfego de dados entre seu computador e a Internet (ou entre a

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Atestado de conformidade para Avaliações in loco Prestadores de serviços Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD ESTUDO DO PERFIL DE ESTUDANTES EM ADMINISTRAÇÃO E SUA FAMILIARIDADE COM O E-COMMERCE. Osmar Meira de Souza Junior José Mauro de Sousa Balbino Rafaela Módolo de Pinho 1" ESTUDODOPERFILDEESTUDANTESEMADMINISTRAÇÃOESUAFAMILIARIDADECOMO

Leia mais

VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS

VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS RESUMO Aline Cardoso Sanches O comércio eletrônico, utilizando-se dos recursos da informática e das telecomunicações, tem proliferado em escala mundial, aproveitando-se

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS 2014 Aluizio Barbosa l Direito - UFRJ l MBA Direito de Empresas PUC-RJ l Especialização em Desenvolvimento Gerencial IBMEC-RJ l Sócio do escritório Pellon &

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

Tabela de Preços MARKETING B2B

Tabela de Preços MARKETING B2B 1. SOLUÇÔES DE DADOS E ACESSO A INTERNET... 2 1.1. TC IP ECONÔMICO SAT... 2 1.2. TC VPN CONNECT... 4 1.3. TC DATA... 4 1.4. TC PAC... 6 1.5. TC PAC DEDICADO... 7 1.6. TC FRAME WAY... 12 1/15 1. SOLUÇÔES

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade

Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade Setor de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Questionário de auto-avaliação A e Atestado de conformidade Todas as outras funções dos dados do titular do cartão terceirizadas Sem armazenamento

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais