VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade"

Transcrição

1 Página 242 VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade A Conferência das Partes, Reconhecendo que a biodiversidade e seus recursos e funções fornecem serviços ambientais importantes para a humanidade que precisam ser adequadamente reconhecidos e levados em consideração nos processos decisórios privados e públicos, Reconhecendo também que as decisões públicas e privadas podem ser melhoradas se forem informadas sobre o valor econômico desses serviços ambientais no âmbito das opções de manejo alternativo e envolverem mecanismos deliberativos que também tenham em conta considerações não econômicas, Relembrando que o programa de trabalho sobre medidas de incentivo adotado pela decisão VI/15, prevê como um de seus resultados esperados a avaliação, conforme apropriada e aplicável às circunstâncias das Partes, dos valores da biodiversidade para internalizar melhor esses valores nas iniciativas de políticas públicas e decisões do setor privado, Enfatizando que o desenvolvimento e a aplicação de métodos práticos para avaliar as mudanças do valor dos recursos e funções da biodiversidade e serviços ambientais associados que resultam dos processos decisórios públicos e privados podem contribuir para o alcance da meta de 2010, Relembrando que a Conferência das Partes, na decisão VI/15, reconheceu que a internalização completa freqüentemente não é possível devido às limitações dos métodos de valoração, mas que a identificação e avaliação do valor da biodiversidade e dos serviços ambientais que ela fornece pode ser um incentivo por si só e pode apoiar o desenvolvimento de outras medidas de incentivo, Relembrando também que as recomendações para cooperação adicional endossadas pela decisão VI/15 lançam um apelo para, entre outros, mais trabalhos cooperativos sobre metodologias e ferramentas de valoração, incluindo sua exploração contínua, assim como o desenvolvimento e refinamento de métodos e ferramentas de valoração que não sejam de mercado, e para o estabelecimento ou fortalecimento de sistemas de informação, inclusive sobre metodologias de valoração, Consciente de que uma aplicação cuidadosa das metodologias de valoração é razoavelmente exigente em termos de capacidade e tempo e que as principais dificuldades são provavelmente o custo de implementação, o entendimento sobre como as abordagens se complementam, e a falta de especialistas treinados, especialmente para os países em desenvolvimento, particularmente para os menos desenvolvidos e pequenos Estados insulares em desenvolvimento entre eles, e países com economias em transição, Reconhecendo que a transferência de benefícios foi motivo de controvérsias consideráveis na literatura sobre economia, Reconhecendo também que desafios teóricos e metodológicos permanecem, particularmente com relação à incorporação adequada dos valores da biodiversidade em indicadores macro-econômicos de crescimento convencionais, e que pesquisas adicionais direcionadas ao desenvolvimento de um ajuste da contabilidade nacional para incluir a biodiversidade parecem ser um meio importante para refletir melhor as perdas de biodiversidade do discurso macro-econômico,

2 Página 243 Registrando com reconhecimento o trabalho das organizações e iniciativas internacionais que desenvolveram protocolos e diretrizes sobre a valoração de recursos e funções da biodiversidade e serviços ambientais associados, 1. Fica informada sobre as opções para a aplicação das ferramentas para a valoração da biodiversidade e dos recursos e funções da biodiversidade anexadas à presente decisão; 2. Convida as Partes e outros Governos a levar em consideração suas capacidades e essas opções, de acordo com suas políticas e legislações nacionais e tendo em mente outros instrumentos internacionais, como possíveis contribuições para conduzir análises quando considerarem, de forma voluntária, a aplicação de métodos para avaliar as mudanças do valor dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, que resultam de seus processos decisórios, inclusive através de projetos piloto; 3. Encoraja as organizações e iniciativas nacionais, regionais e internacionais relevantes a ampliar a capacitação e os treinamentos sobre a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e serviços ambientais associados, de acordo com os processos de desenvolvimento humano dos países e as necessidades e prioridades nacionais; 4. Convida as organizações e iniciativas nacionais, regionais e internacionais a promover análises sistemáticas e a troca de informações com o propósito de promover o entendimento comum das técnicas de valoração e qualificações de gerenciamento entre os funcionários técnicos dos Governos e lideranças para facilitar a ampliação da capacitação e treinamento referidos no parágrafo 3 acima; 5. Convida as instituições que apóiam sistemas virtuais de informações e bases de dados sobre valoração a, de acordo com seus mandatos, incluir casos completos sobre a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados em suas bases de dados, especialmente as instituições de países em desenvolvimento, em particular dos menos desenvolvidos e pequenos Estados insulares em desenvolvimento entre eles, e países com economias em transição, e a facilitar o acesso às bases de dados, particularmente para os especialistas e profissionais dos países referidos acima; 6. Convida as instituições nacionais, regionais e internacionais de financiamento a identificar lacunas e necessidades para apoiar a capacitação ou o aprimoramento da capacidade nacional, assim como a pesquisa e o treinamento, inclusive através de projetos piloto, de acordo com as necessidades e prioridades identificadas pelas Partes, para valorar os recursos e as funções da biodiversidade e os serviços ambientais associados; a apoiar o desenvolvimento adicional da capacidade regional e internacional, tais como sistemas de informação e bases de dados regionais e internacionais sobre valoração, e a explorar opções para mecanismos interconectados de financiamento com o propósito de apoiar o planejamento e uso harmonizados das ferramentas de valoração entre diferentes acordos ambientais multilaterais; 7. Encoraja as instituições nacionais, regionais e internacionais relevantes de pesquisa a fortalecer as atividades de pesquisa, incluindo a cooperação e intercâmbio de pesquisa nos níveis nacional, regional e internacional, inclusive através da cooperação sul-sul e/ou do estabelecimento de consórcios de pesquisa conforme apropriado, para promover um entendimento comum das técnicas de valoração entre governos e lideranças sobre, entre outros: (a) Integração do valor dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados na contabilidade nacional e nos processos decisórios, levando em consideração a estrutura conceitual da Avaliação Ecossistêmica do Milênio;

3 Página 244 (b) Realização de um número limitado de estudos-piloto de valoração nos países em desenvolvimento, em particular nos menos desenvolvidos e pequenos Estados insulares em desenvolvimento entre eles, em países com economias em transição e em países que são centros de origem de biodiversidade, com o propósito de habilitar as Partes a desenvolver, com base nessas experiências, ferramentas apropriadas de valoração; (c) Retenção dos valores calculados através da análise e planejamento cuidadoso dos mercados para serviços ambientais onde apropriado, levando em consideração os três objetivos da Convenção; 8. Na realização dos trabalhos indicados nos parágrafos 6 e 7 acima, encoraja as instituições relevantes a apoiar a participação das comunidades indígenas e locais, para facilitar a inclusão de valores culturais no trabalho de valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, com o propósito de criar mecanismos de valoração que sejam adequados para as comunidades indígenas e locais; 9. Convida as instituições nacionais, regionais e internacionais de financiamento a apoiar as atividades de pesquisa identificadas no parágrafo 7 acima; 10. Solicita ao Secretário Executivo que: (a) Continue, em colaboração com as Partes, Governos e organizações internacionais relevantes e com as contribuições deles, a compilação de informações sobre métodos para a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos benefícios ambientais associados, e a disseminar essas informações através do mecanismo de intermediação de informações da Convenção e outros meios, inclusive através da Série Técnica da CDB, para promover um entendimento comum sobre as técnicas de valoração entre os Governos e as lideranças; (b) Explore, juntamente com organizações relevantes, opções para atividades cooperativas que fortaleçam sistemas existentes de informações sobre metodologias de valoração e casos existentes para os propósitos da Convenção, de acordo com o anexo II da decisão VI/15, para promover um entendimento comum sobre as técnicas de valoração entre Governos e lideranças; (c) Explore opções para o planejamento e aplicação de ferramentas inovadoras flexíveis e confiáveis para a avaliação e valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados; (d) Prepare, em cooperação com organizações e iniciativas relevantes, termos de referência para um estudo sobre como o monitoramento pode apoiar a implementação das ferramentas de valoração e medidas positivas de incentivo. O estudo deve propor uma estrutura que capture a relação entre o monitoramento e a valoração dos recursos e funções da biodiversidade, e deve ser direcionado a fornecer às Partes uma ferramenta prática para facilitar seus estudos nacionais. Anexo OPÇÕES PARA A APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA A VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E DOS RECURSOS E FUNÇÕES DA BIODIVERSIDADE A biodiversidade e seus recursos e funções geram serviços ambientais substanciais, muitos dos quais não são comercializados nos mercados e cujos valores não são, portanto, refletidos nos preços de mercado. Conseqüentemente, os processos decisórios públicos e privados e a alocação de recursos financeiros serão distorcidos se a repercussão das atividades relacionadas aos recursos e funções da biodiversidade e aos

4 Página 245 serviços ambientais associados não for adequadamente levada em consideração. Essa distorção é uma importante causa subjacente do declínio da biodiversidade. A valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados não comercializados tem o potencial de melhorar os processos decisórios públicos e privados, contribuindo dessa forma para a meta da Convenção de reduzir significativamente, até 2010, a taxa atual de perda de biodiversidade. Valor Econômico Total (TEV, na sigla em inglês). A maior parte das decisões públicas e privadas de gerenciamento e investimento de recursos é fortemente influenciada por considerações sobre os custos e benefícios monetários de escolhas políticas alternativas. A valoração deve buscar abordar os componentes relevantes do Valor Econômico Total dos serviços ambientais não comercializados, mantendo em mente que o conceito de Valor Econômico Total inclui tanto o valor do uso direto como do uso indireto, assim como o valor do não-uso dos serviços ambientais e, portanto, vai além dos benefícios imediatos das explorações comerciais de recursos da biodiversidade. As decisões podem ser melhoradas se forem informadas sobre o valor econômico de opções alternativas de gerenciamento e se envolverem mecanismos que incluam também considerações não-econômicas. As opções de ferramentas de valoração fornecidas no apêndice abaixo não devem ser tratadas como um conjunto fechado de ferramentas, considerando o caráter evolutivo desse campo. A. Ferramentas de valoração Várias ferramentas de valoração estão disponíveis e, quando usadas cuidadosamente e de acordo com as melhores práticas, podem fornecer informações úteis e confiáveis sobre as mudanças no valor dos serviços ambientais não comercializados que resultam (ou resultariam) de decisões de gerenciamento ou de outras atividades humanas (veja o apêndice abaixo). A necessidade de dados pode ser bastante exigente para uma série de ferramentas, assim como os pré-requisitos em termos de especialidade técnica. Além disso, a realização de estudos preliminares de valoração é tipicamente demorada e cara. Portanto, outras abordagens, incluindo mecanismos deliberativos que incluem considerações não-econômicas, serão freqüentemente necessárias para apoiar os processos decisórios finais. Eficiência. Um critério de custo/benefício deve ser aplicado, conforme apropriado, ao próprio estudo de valoração. Em princípio, técnicas ou ferramentas de valoração devem ser usadas quando as melhoras incrementais (inclusive de longo prazo) previstas na decisão forem proporcionais ao custo de realizar a valoração. Escolha das ferramentas de valoração. A escolha da ferramenta ou das ferramentas de valoração em uma dada instância será baseada nas características do caso, incluindo a escala do problema e os tipos de valor considerados mais relevantes, e a disponibilidade de dados. Várias técnicas foram desenvolvidas especificamente para atender às características de problemas específicos, enquanto outras são amplamente aplicáveis, mas podem ter outras limitações que devem ser plenamente consideradas quando da escolha da ferramenta ou conjunto de ferramentas apropriado. Diferentes abordagens podem ser utilizadas de forma complementar. Em geral, ferramentas baseadas no comportamento observado (conhecidas como técnicas da preferência revelada) são preferidas a ferramentas baseadas no comportamento hipotético (chamadas técnicas da preferência declarada). Técnicas da preferência declarada. As técnicas da preferência declarada são, entretanto, as únicas técnicas capazes de incluir valores correspondentes ao não-uso (ou uso passivo), os quais tendem a ser importantes em certos contextos de biodiversidade, e podem fornecer informações úteis e confiáveis quando usados cuidadosamente e de acordo com a melhor prática oficial. As limitações das técnicas da preferência declarada incluem: (i) o nível de detalhe das informações necessárias fornecidas pelos respondentes para valorar processos complexos ou espécies e funções ecossistêmicas pouco conhecidas; (ii) a difícil validação externa dos resultados; e (iii) a necessidade de extensos testes prévios e trabalho de

5 Página 246 levantamento, significando que essa técnica pode ser cara e demorada. Sua aplicação pode ser considerada, portanto, se todas as seguintes condições forem atendidas: (i) espera-se que os valores do não-uso sejam um componente importante do valor do serviço ecossistêmico em questão; (ii) pode-se assegurar que o grupo amostral de respondentes é representativo e tem um entendimento adequado da questão em pauta; e (iii) os requerimentos de capacitação para uma aplicação de acordo com a melhor prática, inclusive qualificações adequadas para planejar levantamentos, foram cumpridos. Abordagens baseadas no custo. As abordagens baseadas no custo podem fornecer orientações úteis, se a natureza e extensão do dano esperado forem previsíveis e se o custo de substituir ou restaurar os bens danificados e os serviços ambientais resultantes possa ser estimado com um grau razoável de precisão, e não exceda o valor dos serviços ambientais em primeiro lugar. Essas abordagens podem ser particularmente usadas quando o problema decisório específico precisar de uma comparação dos custos resultantes de diferentes opções de substituição ou restauração para alcançar um objetivo específico, e exista uma visão geral de que os benefícios associados com o alcance do objetivo superam os custos. Transferência de benefícios. A transferência de benefícios pode fornecer estimativas válidas e confiáveis sob certas condições, incluindo: (i) que o produto ou serviço sendo valorado seja muito similar no local onde as estimativas foram feitas e no local onde está sendo usado; (ii) que as populações afetadas tenham características similares; e (iii) que as estimativas originais sendo transferidas sejam confiáveis. Quando usada cuidadosamente, ela tem o potencial de aliviar os problemas relacionados a conjuntos deficientes de dados primários e recursos financeiros limitados, freqüentemente encontrados na valoração. Entretanto, a transferência de benefícios ainda está em desenvolvimento. Mais trabalhos precisam ser realizados para avaliar sua validade em estudos onde foi utilizada para valorar a biodiversidade. A aplicação cautelosa e o desenvolvimento adicional desse método precisam ser realizados. B. Considerações institucionais Desenvolvimento ou aprimoramento das instituições. Arranjos institucionais adequados podem geralmente ser identificados como uma pré-condição importante para a promoção adicional da valoração como uma ferramenta no gerenciamento da biodiversidade e na geração de estudos confiáveis sobre a valoração. Esses arranjos devem fornecer, entre outros, uma clara designação de responsabilidades para a realização de processos de avaliação e auditoria para controle de qualidade. Valor da biodiversidade e cálculo da receita nacional. Durante as últimas duas décadas foram feitas várias tentativas, tanto no nível nacional quanto internacional, de incluir as externalidades ambientais no cálculo da receita nacional, inclusive através de dados de satélite, e para aplicar medidas de depreciação ambiental para refletir as perdas ambientais que ocorrem como resultado de atividades econômicas. Tais medidas podem servir de base para priorizar as políticas ambientais nacionais e dar um foco à mitigação ou reversão de atividades danosas ao meio ambiente. O desenvolvimento de um ajuste de biodiversidade para a contabilidade nacional pode ser útil para refletir as perdas de biodiversidade de maneira mais adequada. Desenvolvimento de diretrizes nacionais. Diretrizes e protocolos nacionais de valoração podem ser meios úteis para assegurar que o valor da biodiversidade seja considerado adequadamente e/ou integrado nos processos domésticos de avaliação e cálculos de receitas. Eles podem também assegurar que as ferramentas de valoração sejam aplicadas de acordo com as condições domésticas e possam, assim, contribuir para aumentar a credibilidade e aceitabilidade dos processos de avaliação, e da aplicação de métodos de valoração inclusive. Envolvimento de lideranças, assim como das comunidades indígenas e locais. O envolvimento completo de todas as lideranças relevantes, assim como das comunidades indígenas e locais, é outro meio importante de aumentar a credibilidade e aceitabilidade dos processos decisórios, e da aplicação dos

6 Página 247 métodos de valoração inclusive. Assegurando que os grupos amostrais sejam representativos, seu envolvimento pleno e efetivo também pode contribuir para a qualidade da aplicação de certas ferramentas de valoração. As instituições devem, portanto, ter mecanismos instalados que assegurem o envolvimento pleno e efetivo das lideranças relevantes, assim como das comunidades indígenas e locais, nos processos de avaliação, inclusive na aplicação das ferramentas de valoração. Conscientização e medidas de incentivo. A identificação e a avaliação do valor dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados podem criar uma conscientização, criando assim incentivos para a conservação e uso sustentável da biodiversidade, e podem também apoiar o planejamento e calibração adequados de outras medidas de incentivo para a conservação e uso sustentável da biodiversidade, 36/ tendo em mente que as medidas de incentivo não devem afetar negativamente a biodiversidade nem os modos de vida de comunidades em outros países. Adicionalmente, a conscientização de todas as lideranças sobre o valor da biodiversidade melhora as chances de sucesso de outras medidas de incentivo. Conscientização e projetos piloto. A realização de estudos de valoração como projetos piloto sobre ecossistemas domésticos chave pode ser outro meio efetivo de conscientizar sobre o valor dos recursos e funções da biodiversidade e serviços ambientais associados, e para avançar a aplicação da valoração da biodiversidade nos procedimentos decisórios domésticos. C. Capacitação e treinamento Capacitação. A aplicação efetiva de ferramentas para a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados requer capacidade considerável e especialização técnica. Em muitos países, a capacidade precisa ser melhorada para estabelecer instituições adequadas, para realizar processos efetivos de avaliação incluindo a valoração da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, para uma melhor supervisão e auditoria para controle de qualidade, assim como para colocar os resultados da valoração em bom uso nos processos decisórios governamentais através de um acompanhamento efetivo e confiável. Capacidades também seriam necessárias para, conforme apropriado: melhorar as informações biofísicas para apoiar a valoração da biodiversidade; abordar preocupações éticas sobre a valoração dos impactos ambientais em termos monetários; e abordar preocupações técnicas em torno do uso das ferramentas de valoração para a biodiversidade. Oficinas regionais de trabalho. As oficinas regionais de trabalho sobre a valoração dos ecossistemas são meios importantes para trocar experiências nacionais sobre as melhores práticas na valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, e no desenvolvimento de diretrizes e protocolos nacionais, e para ampliar o treinamento. Cooperação e treinamento regional e internacional. O treinamento é um componente importante das atividades para desenvolver ou aprimorar as capacidades domésticas. Existem vários mecanismos que abrangem treinamento sobre a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, e que poderiam ser mais fortalecidos. Eles incluem: (a) Centros regionais de especialistas que oferecem atividades de treinamento; (b) Programas acadêmicos de intercâmbio de longo prazo e de curto prazo; (c) Cursos de curto prazo oferecidos por organizações internacionais; 36/ Ver decisões IV/10 A e VI/15, anexo I, parágrafo 22.

7 Página 248 (d) Arranjos bilaterais entre agências para substituição temporária; (e) Recursos e manuais de treinamento baseados na internet. Bases de dados internacionais para a transferência de benefícios. Existem bases de dados baseadas na internet que reúnem dados sobre valoração para uso na transferência de benefícios. Como o uso desse conceito parece ser uma forma cada vez mais atraente de avançar no uso das informações sobre valoração, particularmente face às exigências de tempo e recursos para realizar extensas pesquisas básicas, a promoção do seu desenvolvimento adicional e a sua aplicação mais ampla devem ser consideradas. Isso poderia também incluir uma maior cooperação entre as iniciativas existentes com o propósito de assegurar, de acordo com seus respectivos mandatos, uma ampla cobertura dos casos de valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados, especialmente em países em desenvolvimento, em particular nos menos desenvolvidos e pequenos Estados insulares em desenvolvimento entre eles, e países com economias em transição. D. Pesquisas adicionais Cooperação internacional em pesquisa. Houve um progresso considerável nas últimas duas décadas no desenvolvimento de ferramentas confiáveis e de protocolos para sua aplicação, para a valoração dos recursos e funções da biodiversidade e dos serviços ambientais associados. Entretanto, ainda existem oportunidades importantes para novas pesquisas e desenvolvimento adicional. As iniciativas de pesquisa que contemplam essas oportunidades e buscam estabelecer cooperações regionais ou internacionais devem ser apoiadas. Valoração da biodiversidade e contabilidade nacional. Pesquisas adicionais direcionadas ao desenvolvimento de um ajuste de biodiversidade para a contabilidade nacional parecem ser um meio importante para refletir melhor as perdas de biodiversidade na elaboração de políticas macro-econômicas. Ferramentas de valoração. Pesquisas adicionais sobre as condições para a validade e robustez das técnicas de valoração, em particular das técnicas da preferência declarada, podem contribuir para melhorar a confiabilidade das informações de valoração dos serviços ambientais não comercializados, particularmente com relação ao valor do não-uso. Transferência de benefícios. Pesquisas adicionais sobre as condições para a validade e robustez da transferência de benefícios podem avançar ainda mais o uso das informações sobre valoração num cenário de restrições de tempo e recursos, que impede a realização de amplas pesquisas básicas. Elos entre a biodiversidade, funções da biodiversidade, e serviços ambientais associados. Apesar do recente progresso obtido no entendimento dos elos entre a diversidade biológica, as funções da biodiversidade e os serviços ambientais associados, muitas perguntas permanecem sem resposta. Pesquisas adicionais que abordem essas perguntas importantes são portanto justificadas e podem também levar ao desenvolvimento de ferramentas e metodologias inovadoras para a valoração da biodiversidade e dos recursos e funções da biodiversidade.

8 Página 249 Apêndice PRINCIPAIS TÉCNICAS DE VALORAÇÃO (FONTE: ADAPTADO DA AVALIAÇÃO ECOSSISTÊMICA DO MILÊNIO) Método Descrição Aplicações Dados necessários Desafios/limitações potenciais Métodos da preferência revelada Mudança na produtividade Monitora o impacto das mudanças nos serviços ambientais sobre os bens produzidos Qualquer impacto que afeta os bens produzidos Mudança no serviço; impacto sobre a produção; valor líquido dos bens produzidos Falta de dados sobre mudanças nos serviços e conseqüente impacto sobre a produção Custo de doenças, capital humano Abordagens baseadas no custo (ex.: custos da substituição, custos de restauração) Monitora o impacto da mudança nos serviços ambientais sobre a morbidez e mortalidade Usa o custo de substituir ou restaurar o serviço Custo de viagem (TCM) Deriva a curva de demanda dos dados sobre os custos reais de viagem Preços hedônicos Efeito da extração do serviço ambiental sobre o preço de bens que incluem aqueles fatores Métodos da preferência declarada Valoração contingente (CV) Pergunta diretamente aos respondentes sua disposição de pagar por um serviço específico Modelagem baseada na escolha Outros métodos Transferência de benefícios Pede que os respondentes escolham sua opção preferida de um grupo de alternativas com atributos específicos Usa os resultados obtidos em um caso para outro caso diferente, porém que seja bastante similar Qualquer impacto que afeta a saúde (ex.: poluição do ar ou da água) Qualquer perda de bens ou serviços; Identificação da opção de menor custo para alcançar um dado objetivo Recreação específica de um local; visita turística (ex.: áreas protegidas) Qualidade do ar, beleza cênica, benefícios culturais Particularmente nos casos onde os valores do não-uso são considerados importantes Particularmente nos casos onde os valores do não-uso são considerados importantes Qualquer caso para o qual estudos de comparação adequados e de boa qualidade estejam disponíveis; usado em casos onde a economia de tempo e custo supera alguma perda de precisão (ex.: avaliações rápidas) Mudança no serviço; impacto sobre a saúde (funções de resposta-dose); custo da doença ou valor da vida Extensão da perda de bens ou serviços, custo da sua substituição ou restauração Levantamento dos custos monetários e de tempo até o destino, distância viajada Preços e características dos bens Levantamento que apresenta o cenário e desperta a disposição de pagar por um serviço específico Pesquisa de opinião Dados de valoração de alta qualidade, de outros locais similares Falta de funções de resposta-dose ligando as condições ambientais à saúde; o valor da vida não pode ser estimado Risco de superestimar o valor real se os benefícios desconhecidos forem maiores que os custos identificados Limitado a aplicações descritas; difícil de usar quando as viagens são para vários destinos Requer mercados transparentes e com bom funcionamento, e vastas quantidades de dados; muito sensível à especificação É importante assegurar a representatividade da amostra, mas um grande levantamento é demorado e caro; o conhecimento dos respondentes pode ser insuficiente; fontes potenciais de parcialidade nas respostas; existem diretrizes para o uso confiável Similar à Valoração Contingente, mas minimiza algumas parcialidades; a análise dos dados gerados é complexa Pode ser descontroladamente impreciso quando não for usado de maneira cuidadosa, uma vez que muitos fatores podem variar, mesmo quando os casos parecem similares

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho

Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho Página 201 VIII/19. Diversidade biológica de florestas: implementação do programa de trabalho A. Consideração das matérias surgidas da implementação do parágrafo 19 da decisão VI/22 A Conferência das Partes,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

A Mensuração dos Ativos Ambientais

A Mensuração dos Ativos Ambientais A Mensuração dos Ativos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br I CONGRESSO INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO MF,MPO,FGV, ISI e ESAF Brasília, 31 de agosto

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF O único tema da pauta da CONABIO desde 2003 que não foi concluído

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Seminário Internacional sobre Reservas da Biosfera, Serviços Ambientais e Indicadores

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta seroadamotta.ronaldo@gmail.com Curso de Aperfeiçoamento: Elaboração de diretrizes para atuação do Ministério Público na

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL, COOPERAÇÃO E FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL INTRODUÇÃO 34.1. As tecnologias

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

GUIA PARA A COOPERAÇÃO SUL-SUL E TRIANGULAR E O TRABALHO DECENTE

GUIA PARA A COOPERAÇÃO SUL-SUL E TRIANGULAR E O TRABALHO DECENTE GUIA PARA A COOPERAÇÃO SUL-SUL E TRIANGULAR E O TRABALHO DECENTE Conteúdo Introdução Definição de Cooperação Sul-Sul e Cooperação triangular Cooperação Sul-Sul e triangular Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais