INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: UM PROCESSO INTERATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: UM PROCESSO INTERATIVO"

Transcrição

1 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: UM PROCESSO INTERATIVO Lia Krucken, M.Sc. 1 Fernanda Debiasi, M.Sc. 1 Aline França de Abreu, PhD 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Programa de Pós Graduação em Eng. de Produção Campus Universitário Trindade, CP 467, CEP Florianópolis/SC - Brasil tel Resumo: A Inteligência Competitiva tende a assumir um papel cada vez mais destacado no mercado atual, caracterizado por fatores como alta competitividade, clientes e consumidores cada vez mais exigentes, redução da vida útil de produtos e serviços e alta velocidade de desenvolvimento de tecnologias. Para as organizações, a Inteligência Competitiva surge como uma forma de disponibilização de informações que possam ser utilizadas como apoio para o processo de tomada de decisão e revertidas em vantagens competitivas. Neste contexto, a Inteligência Competitiva assume papel relevante para os processos e estratégias de Inovação Tecnológica. O principal objetivo deste trabalho é discutir a inter-relação entre a Inteligência Competitiva e a Inovação Tecnológica. Desta forma, duas abordagens são apresentadas: a Inteligência Competitiva como geradora de Inovação Tecnológica e esta, por sua vez, como ferramenta para o processo de Inteligência Competitiva. Palavras-chave: inteligência competitiva, inovação tecnológica, conhecimento, estratégias tecnológicas, organização

2 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: UM PROCESSO INTERATIVO 1 Introdução O fator chave para o sucesso de uma organização é entregar a seus consumidores produtos ou serviços com maior valor agregado possível (performance / preço), atendendo suas necessidades, em menor tempo e melhor que a concorrência. A concorrência é um fator crítico para o sucesso ou fracasso das organizações, determinando como as atividades de uma organização devem ser conduzidas para garantir o sucesso em longo prazo da mesma. Muitas das grandes empresas vêm desenvolvendo ou aprimorando seus processos de inteligência, pois cada vez mais se acredita que informações relevantes e rápidas são fundamentais para a tomada de decisões estratégicas. Dentre os diversos tipos de inteligência da organização citados na literatura, a Inteligência Competitiva está voltada para uma questão chave: informação externa e estratégias de inteligência possibilitando inovação (MENSCH apud POZZEBON e FREITAS, 1998). Segundo Tyson (1998) a Inteligência Competitiva tem evoluído para um processo híbrido de Planejamento Estratégico e atividades de pesquisa de mercado, estruturando processos de coleta e análise de informações de forma sistemática e rotineira. Assim, o presente artigo aborda a relação interativa entre a Inteligência Competitiva e a Inovação Tecnológica: a necessidade de se utilizar inovações tecnológicas para acelerar o processo de Inteligência Competitiva com o objetivo de coletar, analisar e distribuir informações relevantes para a organização o mais rápido possível. Por outro lado, aborda a Inteligência Competitiva como ferramenta de análise da indústria trazendo informações como tendências tecnológicas e participando das decisões de estratégias tecnológicas da organização em questão. 2 O Processo de Inovação Tecnológica Diversas definições para processo de Inovação Tecnológica podem ser encontradas na literatura, apresentadas por Valeriano (1985); Sheth e Ram (1987); Tornatzky e Fleischer (1990) e Markides (1997), dentre outros. Apesar dos diferentes focos de abordagem, os diversos autores

3 salientam que esse processo envolve mudanças que sempre trazem incertezas, dificuldades e riscos, apesar de serem vitais para a sobrevivência das organizações. Tornatsky e Fleischer (1990) consideram que o processo de Inovação Tecnológica envolve o desenvolvimento e a introdução de ferramentas derivadas do conhecimento através das quais as pessoas interagem com seu ambiente. Valeriano (1985) define Inovação Tecnológica sob um ponto de vista fundamentalmente econômico: a Inovação Tecnológica é o processo pelo qual uma idéia ou invenção é transposta para a economia", ou seja, ela percorre o trajeto que vai desde esta idéia, fazendo uso de tecnologias existentes ou buscadas para tanto, até criar o novo produto ou serviço e colocá-lo em disponibilidade para o consumo ou uso. Uma Inovação Tecnológica pode ser incremental ou radical. A Inovação Tecnológica Incremental se adequa geralmente ao contexto da organização que está adotando-a, bem como a seus valores e crenças, necessitando de poucas adaptações nos processos já existentes na organização para sua implementação. Já a Inovação Tecnológica Radical introduz conceitos completamente novos para a organização, necessitando da criação de processos completamente novos, muitas vezes a extinção de processos existentes, além de envolver, algumas vezes, a mudança de valores da organização. Logicamente, a Inovação Tecnológica Radical envolve muito mais incertezas, resistências e, consequentemente, riscos. 3 A Inovação Tecnológica como um Processo de Geração e Utilização de Conhecimento A Inovação Tecnológica pode ser analisada como um processo constituído por diversas fases, desde a pesquisa para desenvolvimento da tecnologia até a utilização da inovação pelo usuário de forma rotineira. De forma genérica, durante a fase de desenvolvimento, o processo de Inovação Tecnológica passa pela pesquisa, desenvolvimento, avaliação, manufatura e disseminação (TORNATSKY E FLEISCHER, 1990). Já a fase de utilização pode segue as etapas: conhecimento da inovação, persuasão, decisão, implementação e confirmação (ROGERS, 1995). A Figura 1 sintetiza o Processo de Inovação Tecnológica definindo quem executa cada fase. Focalizando a geração de conhecimento, Guimarães (1998) define o processo de inovação como uma síntese de conhecimentos diversos, integrados à base privada de conhecimento de uma

4 empresa através de um processo de aprendizagem. Este processo demanda duas condições básicas: a oportunidade tecnológica e a apropriação de benefícios gerados pelas atividades inovativas, atuando simultaneamente. A autora salienta a importância do contexto social, de como uma interação social pode gerar conhecimento e como o curso do desenvolvimento tecnológico é moldado por estas interações. Drucker (1998) considera que a inovação deve ser uma prática sistemática e apresenta como fontes de inovação: pesquisa e desenvolvimento, ocorrências inesperadas, necessidades do processo, incongruências, mudanças no mercado ou indústria, mudanças demográficas, mudanças na percepção e novos conhecimentos. Em todas as fontes de inovação citadas, a informação tem papel relevante, tanto na sua forma tácita como explícita, endógena ou exógena à organização. Tal observação implica que quanto maior o aproveitamento das informações que chegam na organização e quanto mais sistematizada sua busca e disseminação, maior a probabilidade de se aproveitar as oportunidades de inovação. Dependendo do contexto, essas fontes podem assumir diferentes níveis de importância com o tempo. As três últimas fontes de inovação citadas por Drucker representam oportunidades existentes no ambiente externo da empresa. Mudanças demográficas representam oportunidades de inovação devido a mudanças no número de pessoas - sua distribuição etária, educação, ocupações, localização geográfica e, portanto, requerem informações de fundo social, econômico e demográfico. São consideradas como um investimento de baixo risco e de grande retorno. Mudanças na percepção podem constituir grandes oportunidades de inovação. Uma mudança de percepção não altera os fatos, mas sim seu significado, rapidamente. As conseqüências dessa mudança de visão são concretas, podem ser definidas e exploradas. Informações sobre tendências de mercado e mudanças nos hábitos dos consumidores são de extrema importância. Inovações baseadas em novos conhecimentos diferem dos outros tipos de inovação devido ao tempo que tomam, suas taxas de ocorrência e aplicabilidade, bem como mudanças que provocam na organização. O processo baseia-se na identificação do novo conhecimento emergente e na sua transformação em tecnologia utilizável. O tempo que leva para uma inovação deste tipo chegar ao mercado é longo - algo como 50 anos - e envolve vários tipos de conhecimento.

5 Constatado que uma inovação é tanto conceitual como perceptiva, a Inteligência Competitiva pode ser vista como uma ferramenta para o processo de inovação, pois possibilita observar o mercado, analisar as estratégias de seus competidores e suas repercussões, o comportamento e as tendências dos consumidores, seus valores, expectativas e necessidades. A capacidade de uma organização em inovar está relacionada à incorporação de conhecimento em seus processos e produtos e as vantagens econômicas advindas do controle deste conhecimento. Assim, conhecimento é a chave para a inovação, seja ela tecnológica ou não. Figura 1. Processo de Inovação Tecnológica. Fonte: Adaptado de Rogers (1995); Tornatsky e Fleischer (1990). 4 Conceito de Inteligência Competitiva O conceito de Inteligência Competitiva é antigo e vem sendo praticado inconscientemente por muitas organizações. Nota-se a existência de certa imprecisão, pois muitas expressões são

6 empregadas como sinônimos de Inteligência Competitiva : Business Intelligence, Intelligence Économique, Competitor Intelligence, etc. Segundo Jacquet (1999), os resultados de uma pesquisa feita na França pela agência Pouey mostrou que 69% das 250 pequenas e médias empresas francesas questionadas praticam inteligência econômica sem saber, utilizando termos como: "informação estratégica", "vigília estratégica, técnico-econômica ou da concorrência", "informação de negócios". Para as organizações, a Inteligência Competitiva é colocar à disposição informações úteis de origem econômica, financeira, comercial, jurídica e legislativa, científica e técnica. É a sensibilização da organização para a utilização da informação, que se reverte em vantagem competitiva (COMITÉ POUR LA COMPETITIVITÉ ET LA SECURITÉ ÉCONOMIQUE, 1995). Uma visão mais abrangente do conceito de Inteligência Competitiva é dada por Rothschild (apud Richard Combs Associates, 1999) que a define como uma maneira de pensar. Gilod et. al (1999) conceitua Inteligência Competitiva como a atividade de monitoramento do ambiente externo da empresa para a coleta de informações que sejam relevantes para o processo de tomada de decisão da organização (apud RICHARD COMBS ASSOCIATES, 1999). Jakobiak (1998) apresenta a Inteligência Competitiva como o conjunto de ações coordenadas que envolvem pesquisa, tratamento e distribuição de informações úteis aos atores econômicos, visando sua exploração. Observa-se que diversos autores salientam a diferença entre a prática da Inteligência Competitiva e da espionagem. A Inteligência Competitiva utiliza apenas informações públicas, que podem ser legalmente e eticamente identificadas e acessadas (MALHOTRA, 1996). Assim, a informação que sempre foi considerada como subproduto das atividades empresariais torna-se a base da organização. Segundo Bogliolo (1998), a informação é a única fonte de valor de uma organização. Para uma efetiva compreensão e interpretação da informação, possibilitando que a mesma resulte em tomadas de decisão, são necessários tanto o conhecimento tácito como o explícito (SKYRME, 1998). Além disso, reconhecer uma informação valiosa no mercado ou transformar dados em informações, relacionando-as a um conhecimento prévio, é um processo complexo, que envolve constante aprendizagem. Portanto, é importante ressaltar o papel do capital humano da organização, ou seja, das capacidades de seus indivíduos, salientado por diversos autores

7 através de conceitos que envolvem, entre outros fatores, a inteligência humana: Absorptive Capacity 1 (COHEN, 1990), Learning Organizations 2 (SKYRME, 1998; BOGLIOLO, 1998), "Knowledge Management 3 " (THIL, 1998). Os motivos para a crescente e acelerada difusão da Inteligência Competitiva provêm da situação econômica e política atuais. Sob este aspecto, citam-se as políticas de exportação/importação, que conduziram muitas organizações a uma situação de guerra, ou seja, a um mercado altamente competitivo, ao invés da antiga estabilidade de mercado proporcionada pelas barreiras legislativas e alfandegárias vigentes anteriormente. Pode-se representar graficamente a Inteligência Competitiva como a Figura 2. Figura 2. Representação do Processo de Inteligência Competitiva. O processo de Inteligência Competitiva permite à organização identificar ameaças competitivas, eliminar ou reduzir surpresas, reduzir o tempo de reação, identificar oportunidades latentes, gerenciar clientes, antecipar necessidades e desejos dos consumidores, monitorar as estratégias dos concorrentes, difundir as informações na organização, preservar a vantagem competitiva, monitorar as tecnologias em desenvolvimento, dentre outras ações. Entre as empresas mais respeitadas pelos seus trabalhos com Inteligência Competitiva pode-se citar: Motorola e General Eletric; Microsoft; Hewlett-Packard; IBM e AT&T; Intel; 3M; Xerox; Merck; Coca-Cola e Chrysler (HEALTH, 1996).

8 5 Elementos da Inteligência Competitiva As principais etapas da Inteligência Competitiva definidas por Jakobiak (1998) são apresentadas na Figura 3. Figura 3. Principais atividades da Inteligência Competitiva. Fonte: Adaptado de Jakobiak (1998). A estrutura do sistema é constituída por três famílias ou redes de atores intervenientes: os observadores (REDE 1), os especialistas (REDE 2) e os decisores (REDE 3). Os papéis desenvolvidos pelos profissionais de cada uma das três redes são fundamentais. Através da Figura 4, pode-se visualizar como esses papéis interagem entre si. Observadores ou gatekeepers são indivíduos que têm como força monitorar o ambiente e traduzir a informação técnica em uma informação compreensível para o grupo de pesquisa (COHEN, 1990). Os especialistas em tecnologia da informação são responsáveis pelo tratamento dos dados coletados de forma a difundir seletivamente as informações, ao invés de simplesmente transferilas aos diversos setores da organização. Seu papel é de suma importância.

9 Figura 4. Configuração das redes de profissionais envolvidos no processo de Inteligência Competitiva. Fonte: Adaptação de Jakobiak (1998). As atividades desenvolvidas em cada etapa do processo de Inteligência Competitiva são apontadas por diversos autores e apresentadas no quadro sinóptico a seguir, elaborado com base em Jakobiak (1998); Bruno (1999); Davis (1997) e Grenetier (1998). ETAPA PESQUISA COLETA ATIVIDADES Busca em fontes de informação 1. Gerais: periódicos, enciclopédias, teses, patentes, bases de dados e internet. 2. Específica: informações públicas mas pouco difundidas, informações informais e informações internas Definem-se três categorias de coleta: 1. Coleta consecutiva a uma pesquisa em base de dados (procura por referência, documentos originais) 2. Coleta periódica de certos dados (relatórios anuais da organização, catálogos de fornecedores de equipamentos para novas tecnologias, matéria-prima, novos produtos etc). 3. Coleta como um processo contínuo (agentes que trazem informações para a organização devido a sua força social): técnicos, clientes, engenheiros de projetos, concorrentes, pesquisadores, comerciantes, responsáveis de marketing, participantes de feira, exposições, eventos da área, agentes da rede de venda etc. São os chamados outros observadores na Figura 4, que desempenham um papel vital. Quadro 1. Atividades desenvolvidas em cada etapa da Inteligência Competitiva.

10 DIFUSÃO Existem duas formas de difusão: 1. Difusão de informações brutas secundárias (referência) ou primárias (documentos completos); 2. Difusão de informações estruturadas (relatórios, comunicações, programas, jornais internos, boletins); A difusão se dá em diferentes níveis, conforme o papel hierárquico dos indivíduos e a confidencialidade da informação. EXPLORAÇÃO Tratamento É a operação que transforma dados em informações, ou seja, agrega valor a dados dispersos. Existem três tipos de tratamento a serem considerados: Tratamento específico, conforme os critérios do destinatário (usuário final); Tratamento de análise estratégica; UTILIZAÇÃO Análise / Validação Tratamento de informática. Análise é o estudo aprofundado da documentação para recuperar as informações essenciais que possam auxiliar a tomada de decisão ou ações estratégicas; Validação é a verificação das fontes e credibilidade dos dados. É a tomada de decisões de importância estratégica para a organização, como por exemplo: Novos projetos de pesquisa; Novos programas de desenvolvimento; Acordos de cooperação; Transferência de tecnologia, venda ou compra de licença; Compra / venda / arrendamento de unidades de produção; Atividades de benchmarking; Uso ofensivo da informação; Reação às intenções / ações da concorrência. Quadro 1. (cont.) Atividades desenvolvidas em cada etapa da Inteligência Competitiva. 6 A Inteligência Competitiva como ferramenta de auxílio na definição das estratégias tecnológicas de uma organização No cenário atual, devido à concorrência cada vez mais globalizada e as constantes mudanças, tanto internas à organização quanto externas a ela, é imprescindível que informações vitais para os processos de tomada de decisão sejam disponibilizadas no tempo ideal para os responsáveis por estes processos. Dentre as diversas decisões a serem tomadas por uma organização encontram-se decisões relacionadas a estratégias tecnológicas, definindo, por exemplo, como, quando e se uma inovação tecnológica deve ser adotada ou desenvolvida. Neste contexto, a Inteligência Competitiva torna-se um processo fundamental, possibilitando a identificação de oportunidades de inovações, novas tendências tecnológicas, estratégias dos competidores, clientes e fornecedores, antecipação de necessidades etc. Dentre as ferramentas e técnicas usadas na Inteligência Competitiva podem ser citadas: "benchmarking competitivo 4 ", "inteligência defensiva 5 ", engenharia reversa 6, observações inloco (MALHOLTRA, 1996).

11 Um exemplo que mostra claramente a aplicação da Inteligência Competitiva é o caso dos fabricantes de computadores, ramo no qual a engenharia reversa nos produtos concorrentes é uma prática comum. Através da desmontagem e observação das estruturas de produtos comercializados, pode-se implementar inovações em produtos - como a utilização de componentes plásticos em substituição aos tradicionais, confeccionados em metal. Através da ánalise e do melhoramento das estratégias utilizadas em produtos concorrentes pode-se reduzir custos (em relação à produção, aos materiais utilizados, aos investimentos em pesquisa e desenvolvimento), melhorar características funcionais dos produtos (peso, desempenho, tempo útil etc). Novamente observa-se a importância de respeitar a fatores éticos e a propriedade industrial, normalmente estabelecida através de patentes. 7 A Inovação Tecnológica como ferramenta para a Inteligência Competitiva Como visto anteriormente, o processo de Inteligência Competitiva busca coletar, analisar e distribuir informações relevantes sobre indústria, clientes, competidores, tendências etc, no menor tempo possível. A velocidade com que os outputs da Inteligência Competitiva vêm sendo requisitados também é dinâmica, aumentando a cada dia. Para que o processo de Inteligência Competitiva possa responder às necessidades na velocidade desejada, ferramentas tecnológicas apropriadas se fazem necessárias. Uma grande dificuldade inerente a esse processo é a sistematização dos diferentes tipos de dados e informações de forma a disponibilizá-los, avaliar seu valor, pertinência e nível de interdependência, contextualizando-os às transformações sociais e econômicas do mercado. Bruno (1999) classifica os diferentes tipos de informação em científicas, técnicas, tecnológicas, econômicas, ambientais, de segurança, regulamentares, jurídicas e comerciais. Como pode-se prever, a estrutura dessas informações não são padronizadas e necessitam de diferentes suportes (papel, bases de dados, internet, comunicação oral etc.) Pozzebon e Freitas (1998) ressaltam a necessidade de se desenvolver "um ambiente que forneça informações internas, informações externas, informações sobre as percepções dos clientes e consumidores, e que permita análises e simulações, enfim, um ambiente integrador das informações disponíveis para o sucesso da organização e que crie condições para usuários próativos". Segundo o autor, tais ambientes vêm sendo gradativamente implementados nas

12 organizações com base em métodos voltados para a identificação de dados estratégicos e aspectos críticos dos negócios. Concluindo, a Inteligência Competitiva vem provocando inovações na área de tecnologia da informação, pois os sistemas de informações tradicionais não possibilitam lidar com dados informais, contextos, ambigüidades, significados, formatos heterogêneos. Além disso, o processo de Inteligência Competitiva é global e sistemático, não possui linearidade e pode mudar de orientação ou objetivo em função de conhecimentos adquiridos durante sua evolução. Desta forma, cria-se uma interação entre a Inovação Tecnológica e a Inteligência Competitiva, uma precisando da outra para sua sobrevivência. Focalizando-se estritamente o caso da tecnologia da informação como suporte para a Inteligência Competitiva e esta, por sua vez, como ferramenta para a busca de Inovações Tecnológicas para a tecnologia da informação, pode-se observar como ocorre esta interação na Figura 5. Figura 5. Processo interativo entre a Inteligência Competitiva e o processo de Inovação Tecnológica na tecnologia da informação. Pode-se citar como exemplo de ferramenta tecnológica para a Inteligência Competitiva o caso do software PUZZLE, apresentado por Lesca et al. (1996). Basicamente, as vantagens de se utilizar esse software residem na sua capacidade de armazenamento, permitindo composições e validações das informações armazenadas ou elaboradas; no seu formato, o qual aceita todo formato de informação - texto, imagem, voz; na possibilidade de realizar múltiplos arranjos de

13 informações através de diversos vínculos de causalidade, analógicos, de contigüidade etc; na possibilidade de verificar a coerência das informações agrupadas e na possibilidade de acessar de forma rápida e fácil as informações derivadas. Segundo o autor, este software atende três necessidades práticas: fornecer representações significativas, dinâmicas, referentes ao ambiente da empresa sem conceitos pré-definidos; orientar a escuta do ambiente da empresa, ou seja, tornar mais seletiva e objetiva a escuta do ambiente e, por conseqüência, permitir aumentar a eficácia e a dinâmica da Inteligência Competitiva e deduzir informações inacessíveis de forma direta. O conceito de puzzle, que deu nome ao software citado acima, é juntar as peças em desordem de um quebra-cabeças, montando representações significativas para o usuário final - o responsável pela tomada de decisão. No contexto utilizado por Lesca et al. (1996), puzzle se refere a "uma metodologia de tratamento de sinais fracos e um sistema aplicativo (software) que sustenta esta metodologia". 8 Considerações finais A Inteligência Competitiva tende a assumir um papel cada vez mais destacado no mercado atual, caracterizado por fatores como alta competitividade, clientes e consumidores cada vez mais exigentes, redução da vida útil de produtos e serviços e alta velocidade de desenvolvimento de novas tecnologias. Teoricamente todas as organizações têm acesso às mesmas informações, que atualmente estão disponibilizadas em grande volume, o que pode ser utilizado como vantagem competitiva por algumas organizações e funcionar como barreira para outras. As organizações estão plenas de informações, mas têm muito pouca inteligência. Segundo Lesca et al. (1996) dados e informações não se qualificam como inteligência até que eles tenham sido processados por uma mente humana que sabe quais questões precisam ser respondidas. É neste cenário que um programa de Inteligência Competitiva bem estruturado tem papel fundamental para sustentar a vantagem competitiva de uma organização, possibilitando otimizar o uso das informações. Por exemplo: o direcionamento de ações estratégicas maximizando a segurança de sucesso, a criação de uma postura pró-ativa ao invés de reativa da organização em relação ao mercado.

14 Portanto, é crucial que uma organização disponibilize recursos para investimentos em tecnologia da informação como suporte e investimentos no capital humano da organização de forma a desenvolver as capacidades e habilidades dos indivíduos para colaborar e possibilitar a manutenção de um sistema de Inteligência Competitiva. Notas 1 Absorptive Capacity: habilidade de explorar (avaliar e utilizar) conhecimentos externos com base em conhecimentos prévios. (COHEN, 1990) 2 Learning Organizations: organização em constante processo de aprendizado, com objetivo de aumentar sua flexibilidade e adaptação a mudanças, buscando garantir sua sobrevivência em um mercado altamente imprevisível e mutável. (BOGLIOLO, 1998) 3 Knowledge Management: um dos conceitos citados é o esforço de buscar, manter, filtrar e disseminar o conhecimento dentro de uma organização. (THIL, 1998) 4 benchmarking competitivo: é usado para comparar as operações de uma organização às de seus concorrentes. 5 inteligência defensiva: envolve o monitoramento e análise das atividades da própria organização e como seus concorrentes e indivíduos as vêem. 6 engenharia reversa: adquirir informações sobre um produto (ou serviço) - como é produzido, custo e qualidade, partindo do produto acabado. Referências Bogliolo, D. KM, Knowledge Management - 1/3. Itália, Texto disponível na Internet: Documentation /km1.html [04 fev. 1999]. Bogliolo, D. KM, Knowledge Management - 2/3. Itália, Texto disponível na Internet: Documentation/km2.html [04 fev. 1999]. Bruno, M. La Veille Technologique. Automated Research Systems. Texto disponível na Internet: html [04 jan. 1999]. Comité pour la Competitivité et la Securité Économique (CCSE). L'Intelligence Économique. França, Texto disponível na Internet: pole_ecofin/intelligence/intelligence_economique.htm [04 jan. 1999]. Davis, M. Applying Technology to Competitive Intelligence. New Information Paradigms, Texto disponível na Internet: [04 fev. 1999]. Drucker, P.F. The Discipline of Innovation, Harvard Business Review, nov-dec Grenetier, I. Business Intelligence: pour décider efficacement. Valoris Amplitude, nº 13, hiver 1998.

15 Guimarães, M.C.S. Tecnologia como Conhecimento: o Público e o Privado; o Social e o Econômico. Doutorado em Ciência da Informação, Convênio CNPq/IBICT - UFRJ/ECO, Rio de Janeiro, Health, Rebecca P. The Competitive Edge. September, Texto disponível na Internet: publications/mt/96_mt/9609_mt/9609mf02.htm [18 mai. 1999]. Jacquet, L. Information Stratégique: des PME-PMI Averties. Le Moci Moniteur du Commerce International, nº1359, du 15 au 21 ocotbre Jakobiak, F. L'Intelligence Économique en Pratique. Paris: Éditions d'organisation, Lesca, H.; Freitas, H.M.R.; Cunha Jr., M.V.M. Instrumentalizando a Decisão Gerencial. Decidr, ano, nº25, Malhotra, Y. Competitive Intelligence Programs: An Overview. Brint Institute, Texto disponível na Internet: /papers/ciover.htm [04 mar. 1999]. Porter, M.E. Vantagem Competitiva: Criando e Sustentando um Desempenho Superior. Rio de Janeiro: Campus, Pozzebon, M.; Freitas, H. Características Desejáveis de um EIS - Enterprise Information System - Rumo à Proatividade. Read, nº5, v3, n1. UFRGS, Porto Alegre, Richard Combs Associates. An Overview of Competitive Intelligence. Chicago, Texto disponível na Internet: [04 abr. 1999] Rogers, E.M. Diffusion of Innovation. New York: Free Press, Skyrme, D.J. Developing a Knowledge Strategy. Inglaterra, Texto disponível na Internet: knwstrat.htm [03 mar. 1999]. Skyrme, D.J. From Information to Knowledge Management: Are You Prepared? Inglaterra, Texto disponível na Internet: [03 mar. 1999]. Thil, J. Knowledge Management: du Bom Usage de la Gestion des Connaissances. Tech. Internationales, nº46 juillet-août, Tornatsky, L.G.; Fleischer, M. The Process of Technological Innovation. Massachusest: Lexingthon Books,1990. Tyson, K. M. The Complete Guide to Competitive Intelligence: gathering, analysing, and using competitive intelligence. Chicago: Kirk Tyson International Ltd., 1998.

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 2 Encontrando o que você precisa, usando o que você conhece A inteligência competitiva gerenciando o conhecimento estratégico

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Inteligência Competitiva II

Inteligência Competitiva II Inteligência Competitiva II P R O F A L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Contexto de Surgimento Tomada de

Leia mais

Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica Jornada de Prospectiva e Gestão de Conhecimento Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Dezembro 2002

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Inteligência Estratégica

Inteligência Estratégica Inteligência Estratégica Henrique Freitas & Raquel Janissek-Muniz PPGA/EA/UFRGS SPHINX Brasil E-mail: inteligencia@sphinxbrasil.com Pesquisa: http://gianti.ea.ufrgs.br Soluções: http://www.sphinxbrasil.com/inteligencia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

"CRM para Inteligência de Mercado

CRM para Inteligência de Mercado "CRM para Inteligência de Mercado Patricia Rozenbojm patricia@consumer-voice.com.br CONSUMER Agenda A Empresa Conceitos CRM como ferramenta para Inteligência de Mercado Benefícios Melhores Práticas A Empresa

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH e-rh / Recursos Humanos Virtual Novas Tendências Como já foi visto com o advento da globalização e do crescimento da tecnologia e a difusão da Internet,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial. Aula 6. Contextualização. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Prof. Me.

Sistemas de Informação Gerencial. Aula 6. Contextualização. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Prof. Me. Sistemas de Informação Gerencial Aula 6 Contextualização Prof. Me. Claudio Nogas Organização da Disciplina Buscaremos por meio da apresentação de conceitos e exemplos gerar conhecimentos sobre Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional *Daniela Ramos Teixeira A aplicabilidade da Inteligência não deve se limitar a grandes organizações. É essencial

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais