III DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO"

Transcrição

1 III DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO 1. Introdução Para a realização desta fase da pesquisa, constatamos a importância do estudo bibliográfico e das demais possibilidades de recolha de dados a respeito do tema. A recolha dos elementos para o desenvolvimento da parte experimental não se limitaram apenas aos livros, outros meios foram utilizados, abrindo outras possibilidades de recolha de informações. Ao longo da pesquisa foram feitas viagens de estudos, visitas a feiras têxteis e a museus, assim, como a frequência em curso de especialização na área têxtil. No mês de Outubro de 2003, foi feita uma viagem de estudo a Paris e Lyon, em França, a fim de conhecer e visitar museus e locais importantes da história e da actualidade sobre o tema deste trabalho, além de aquisição de material bibliográfico. Também ocorreram visitas aos museus portugueses, e vistas virtuais através da Internet a importantes museus europeus. O curso frequentado foi de Especialização em Técnico Comercial Têxtil, realizado pelo CITEVE, em Vila Nova de Famalicão. Teve a duração de 440 horas, com estágio curricular de 360 horas numa empresa têxtil. Este curso permitiu o contacto com diversas empresas têxteis e entidades do sector, a participação em eventos da área, além de permitir a utilização da biblioteca da entidade realizadora do curso. No desenvolvimento do trabalho prático propriamente dito, foram utilizados os recursos tecnológicos disponíveis no Departamento de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho. No Laboratório de Informática e Desenho Têxtil, foram utilizados principalmente os programas específicos para tecelagem Jacquard, e ainda, outros programas disponíveis para obtenção dos desenhos do projecto. No Laboratório de Processos Têxteis foi utilizada a máquina Jacquard no desenvolvimento das amostras dos tecidos e do produto. No Laboratório de Física Têxtil e Investigação foi utilizado o dinamómetro nos testes de resistência. No Laboratório de Tecnologia de Confecção foi utilizada a máquina de costura de recobrimento. Não se pode deixar de salientar aqui a importância da Internet e dos programas de design gráfico utilizados na realização desta fase da pesquisa. Através destas ferramentas, obteve-se informações e assim, a concepção do produto pretendido, da colecção e do catálogo apresentados. Esta Colecção de Acessórios de Moda chama-se Identidade Brasil, e faz referências a aspectos culturais do país. Para a concepção desta colecção foi realizado ainda, um estudo de cores e formas, baseado em tendências, através de informações obtidas em agências de estilos, cadernos de tendências, revistas especializadas e desfiles de moda. 86

2 A realização de toda esta pesquisa seguiu uma metodologia, assunto que trataremos no próximo capítulo. 2. Procedimentos Metodológicos Quando falamos em metodologia, queremos referir-nos a um conjunto de caminhos e procedimentos a percorrer e utilizar, no sentido de fundamentar e sistematizar o processo de investigação e a elaboração de um trabalho de pesquisa. Além de sistematizar todo o trabalho de investigação, os procedimentos metodológicos também tem a intenção de racionalizar, que ajuda não só a economizar recursos e tempo, mas também a fornecer uma coerência própria ao estudo, uma consistência científica, conferindolhe, por isso, uma estrutura mais racional e de maior rigor Metodologia utilizada no plano da pesquisa da dissertação De entre todos os procedimentos realizados ao longo desta pesquisa, salienta-se desde logo a planificação, que já foi referida na primeira parte no nosso estudo. Inicialmente enquadramos o estudo no âmbito geral da problemática em que se insere, especificando posteriormente a sua propriedade através da delimitação do problema. Depois, definimos os objectivos a que nos propúnhamos, enunciando as hipóteses reais da investigação formulada de maneira enunciativa. Isso implica, não só a existência de relações entre as duas ou mais variáveis mensuráveis, como também o tipo de relação que pressupomos existir. Estruturada e planificada, passamos à segunda parte do nosso estudo, que consistiu na fundamentação teórica, que foi baseada nos conhecimentos dos tópicos em estudo. Feita a pesquisa teórica, passamos para a terceira parte, que consiste na pesquisa empírica. Esta parte da pesquisa, permitiu-nos consolidar os tópicos já fundamentados teoricamente e que procuram deixar visíveis as possíveis soluções para o problema levantado na planificação. Passamos assim, a desenvolver a pesquisa para a concepção das amostras do produto idealizado, através dos instrumentos e tecnologias disponíveis. Com todos os procedimentos e recolha de dados finalizados, culminamos na análise dos resultados. Finalizamos com as conclusões, que procuram evidenciar possíveis relações entre as variáveis, permitindo-nos verificar se efectivamente respondemos ao problema e atingimos os objectivos propostos inicialmente. Estes foram os passos para a obtenção desta dissertação de mestrado. 87

3 2.2. Metodologia Projectual em Design 3D Concepção de Novos Produtos em Tecelagem Jacquard Trataremos aqui da metodologia utilizada para a obtenção de novos produtos em Tecelagem Jacquard através de ligamentos duplos, aplicados em Acessórios de Moda, que tem como principal objectivo a redução de custos no processo de fabrico. Esta metodologia projectual consiste numa série de operações necessárias, dispostas numa ordem lógica, que consideramos de grande importância para o desenvolvimento e lançamento com sucesso de um produto no mercado. Baseado no conhecimento que design é um elemento fundamental para incorporar valor e conceber identidades visuais ao produto, passamos a desenvolver a Colecção de Acessórios de Moda que ilustra o estudo pretendido. Foi escolhida uma das peças desta colecção para ser desenvolvido como amostra e resultados desta pesquisa. Após o estudo teórico sobre design, podemos dizer que o desenvolvimento de um projecto tem dois extremos, o problema e a solução. Assim, pesquisados os autores ARAÚJO, LINDON, GOMES E MUNARI, sobre metodologias projectuais verificou-se uma gama muito variada de técnicas, e assim, optou-se pela proposta de MUNARI, levando em conta as propostas de ARAUJO E LINDON. Sobre a proposta de ARAÚJO, coloca-se aqui a importância do pensamento que antecede a produção de desenhos e designs. Assim, considerou-se a estratégica de Análise de Valor, que tem como objectivo aumentar a velocidade com que a indústria reduza os custos de um produto. Segundo ARAÚJO (1995, p.79), este método desenvolve-se da seguinte forma: 1.Contratar um consultor (ou grupo) para ensinar análise de valor a equipas interdepartamentais e para avaliar o seu progresso; 2. Estabelecer normas para o desempenho do produto e para a qualidade; 3. Registar pormenorizadamente o custo de todas as operações de fabricação e compras; 4. Solicitar, a cada grupo interdepartamental, para executar as quatro fases da análise de valor para cada componente físico de um produto. Estas fases são: a) Identificação dos elementos, funções, custos e valores; b) Procura de alternativas a custos mais baixos; c) Selecção de elementos de custo inferior, funcionalidade aceitáveis; d) Apresentação do redesign seleccionado; 5. Submeter os resultados da análise de valor a: a) Consultores de análise de valor; b) Grupo de engenharia do design; c) Administração; para obter aprovação antes da produção do design mais barato. 88

4 Consideramos de elevada importância esta proposta de ARAÚJO, porém inviável ao estudo que se pretende, pois, não buscamos analisar os reais valores do processo, buscamos sim, fazer amostras e testes para garantir ao produto um bom design e qualidade quanto à resistência no produto idealizado. A análise de custos e valores poderão ser estudados numa próxima pesquisa. Estudos estes que serão de grande importância, já que de uma forma intuitiva revelamos uma diminuição nos custos e processos. Porém, seria mais confiável esta constatação através um estudo de análise de valor real. Sobre a proposta de LINDON, levou-se em conta a obtenção de ideias inovadoras através do Critério de Rentabilidade, que tem em conta o preço previsível, os custos, os riscos de imitação, verificação se o produto será rentável. Como na proposta de ARAÚJO, consideramos esta proposta importante, porém como uma fase seguinte ao trabalho de pesquisa pretendido. Assim, a proposta de LINDON, também poderá ser estudada numa próxima investigação, relacionada as possíveis e reais rentabilidades deste processo. Devemos saber que no processo design existe uma relação muito estreita entre a concepção, o planeamento e o fabrico, sendo necessárias muitas vezes uma série de actividades especializadas interligadas e que envolvem diferentes indivíduos, como designers, pesquisadores de mercado, gestores de finanças, especialistas de materiais, engenheiros e técnicos. Por isso, não estudamos nesta pesquisa os reais aspectos de valores e rentabilidades. MUNARI estabelece, como já vimos no Estado da Arte desta pesquisa, a partir de um problema, uma série de fases que levarão o designer ao encontro da solução desejada. Por considerarmos esta proposta como a mais adequada para um processo de design escolhemos esta metodologia para a realização deste trabalho. As etapas que se seguiu para a obtenção do produto desejado segundo MUNARI: Problema Definição do Problema Componentes do Problema Recolha de dados Análise dos dados Criatividade 89

5 Materiais/tecnologia Experimentação Modelo Verificação Desenho construtivo Solução Concepção do produto pretendido segundo MUNARI Trataremos aqui de todos os passos para a obtenção de Acessórios de Moda em Tecidos Jacquard através ligamentos duplos, em especial bolsas e cintos. Trata-se de uma inovação em design têxtil que foi pensada e concebida com o objectivo de redução de custos e tempos no processo de fabrico através da utilização de recursos e tecnologias já existentes. Neste momento não trataremos da concepção da Colecção Identidade Brasil, que será exposta no próximo capítulo (2.3) do desenvolvimento do trabalho prático e que foi desenvolvida como apoio na aplicação desta inovação. A seguir, apresentam-se os passos para a obtenção de Acessórios de Moda através de inovação de processos em Tecidos Jacquard, segundo a Metodologia Projectual de MUNARI Problema Redução de custos e tempos no processo de fabrico de Acessórios de Moda Bolsas e Cintos, mantendo a qualidade e o bom design no produto e utilizando recursos e tecnologias já existentes Delimitação do Problema Acessórios de Moda, em especial neste caso, bolsas e cintos, são lançados num mercado promissor e competitivo devido à grande importância que estes produtos têm no mundo da moda. A moda, ao contrário do traje típico ou do simples vestuário, significa uma constante mudança, possibilitando ao utilizador ser único e inconfundível, e simultaneamente demonstrar a pertença a um grupo. A existência da moda e suas evoluções podem de certa maneira serem explicadas pelos factores sociais, políticos e económicos. Podemos dizer, 90

6 então, que a moda pode ser diferenciadora ou socializadora, e que pretende transformar a vontade das pessoas num produto. A escolha de acessórios de moda para aplicação desta inovação tecnológica prende-se com o facto da bolsa, apesar das evoluções constantes da moda ao longo dos séculos, ser um item que conseguiu manter sua primazia, independente de estilos, evoluções sociais e, mesmo, diferenças culturais. Encontram-se poucas inovações tecnológicas no que diz respeito ao processo de fabrico neste segmento da indústria, existindo somente preocupação na variação das formas, padrões e cores, apresentadas a cada nova colecção. Considerando que design é um elemento fundamental para agregar valor e criar identidades visuais aos produtos, pretendemos desenvolver um produto capaz de atender às necessidades dos consumidores, levando em conta o design da peça enquanto estética através de pesquisas de moda, de manter ou melhorar a qualidade destes produtos em relação aos produtos semelhantes existentes no mercado, e ainda, obter um produto com menor custo de fabrico através de instrumentos e processos já existentes. Dentre os aspectos incorporados pelo design, nesta pesquisa podemos englobar inovação, qualidade, durabilidade, evolução tecnológica, padrão estético, rápida percepção e uso do produto Componentes do Problema Considerando que o design têxtil projecta nos objectos aspectos estéticos, relacionados com a funcionalidade, com a estrutura e com o conforto, tendo fortes incidências psicológicas, trataremos a seguir de componentes importantes neste processo: Características funcionais: A bolsa é usadas para guardar objectos pessoais, e o cinto é usado para prender, segurar a peça de roupa ao corpo. Características de materiais: O tipo de material utilizado para Acessórios de Moda bolsas e cintos, em Tecidos Jacquard pode ser de fibras têxteis naturais e fibras têxteis não naturais (artificiais e sintéticas), em fios simples ou fantasia, dependendo do efeito pretendido. É preciso definir que material vai ser utilizado. Nesta pesquisa, optou-se pelo algodão, por ser o material disponível na Universidade do Minho. O título dos fios de algodão da teia é 31,2 tex e o título dos fios de algodão da trama 24 tex. Ainda sobre materiais, é preciso definir se o acessório vai conter aviamentos, tais como fechos ou botões, e ainda, definir os acabamentos na superfície do produto, como por exemplo, contas, canutilhos, bordados, aplicações, etc. Sabe-se que, em geral, esses acabamentos na superfície dos acessórios encarecem o produto, porém, poderão acrescentar valor final a este produto. Neste caso, não foi aplicado nenhum 91

7 tipo de tratamento superficial aos acessórios em especial, já que são feitos em Tecidos Jacquard, que por si só já possuem características específicas que embelezam a peça. Porém foi definido no desenvolvimento da colecção os tipos de aviamentos utilizados no acabamento das peças, como por exemplo, para segurar a bolsa, argolas em plástico ou metal ou tiras em couro, e ainda, fecho ou botão para fechar a bolsa. E nos cintos, fivelas de metal, ou plástico, ou acabamentos em tecido. Características psicológicas: Qual o objectivo das pessoas que compram acessórios de moda? O que esperam do produto? Quais os seus valores? Os potenciais consumidores da Colecção de Acessórios de Moda Identidade Brasil, devem ser ousados e estarem sempre a buscar a inovação e modelos de acordo com as tendências de moda. Dão excessivo valor ao aspecto estético do design e sentem-se mais valorizados no grupo quando utilizam produtos inovadores. A moda pode possibilitar ao utilizador ser único e inconfundível, e conjuntamente demonstrar a pertença a um grupo. Estes são aspectos contrários aos encontrados no traje típico ou do simples vestuário. Porém, a inovação aqui proposta talvez não seja visível ao consumidor enquanto processo de fabrico; isso pode não interessar o consumidor, mas sim o fabricante. O que pretendemos é obter um produto com características estéticas que agradem o consumidor, possua qualidade e durabilidade, e principalmente reduza os custos da produção. Isto fará com que o produto se torne mais barato e assim, mais competitivo. Características ergonómicas: A mobilidade como se transporta a bolsa é factor a ser observado ao desenvolvermos este produto. Porém, a ergonomia não é um factor relevante em acessórios de moda, pois, as formas e modelagens variam muito, e o consumidor preocupa-se mais com a estética, funcionalidade e utilização da peça. Características estruturais: Qual é o formato e modelo ideal de acessórios de moda? Qual a preferência do consumidor? Os acessórios de moda podem adquirir vários formatos e tamanhos. Estes formatos e tamanhos variam de acordo com as tendências de moda e utilização do consumidor. Neste caso, foram estudadas as tendências em bolsas e cintos para o verão 2005, com temas relacionados com aspectos culturais do Brasil, que serão apresentadas no próximo capítulo. A preferência do consumidor varia também de acordo com os gostos pessoais e a utilização do acessório. Por exemplo, uma bolsa utilizada durante o dia pode possuir características e utilizações completamente diferentes das bolsas utilizadas em eventos e festas nocturnos. Os aspectos culturais e sócio económicos de uma comunidade também 92

8 podem influenciar as formas e tamanhos dos acessórios, assim como a sua utilização. Como exemplo disto, podemos citar as bolsas e sacos de materiais rústicos utilizadas nas compras em mercados e feiras em muitas aldeias, sem fins estéticos, mas apenas funcionais. Como exemplo em cintos, podemos citar o Obi, que é uma faixa larga de origem japonesa, fazendo parte da indumentária típica e cultural do Japão, e que na década de 80 foi adaptada à moda pelos estilistas japoneses que trabalhavam em Paris. Porém, neste estudo de formas e estruturas em acessórios de moda é importante salientar que para a utilização da inovação tecnológica pretendida, as formas e tamanhos dos produtos devem ser adaptados às medidas do tear Jacquard, para que possa haver aproveitamento de todo o processo. Colocamos já aqui que, no caso mais específico da amostra projectada para a realização desta pesquisa, utilizaremos as medidas do tear Jacquard da Universidade do Minho para fazer esta adaptação. É de relevada importância tratarmos aqui das estruturas (debuxos) utilizados para a realização desta ideia. Utilizaremos debuxos tafetá, sarja e cetim em tecidos duplos e simples. Todo este processo será explicado detalhadamente nos capítulos que tratarão da parte experimental propriamente dita. Características económicas: Observar o preço dos concorrentes e perceber qual o montante que as pessoas estão dispostas a pagar por um acréscimo de valor dado pela inovação, é um dado importante. Porém, o que visamos com esta pesquisa é justamente a redução de custos no processo de fabrico. Se esta redução de custos será passada ao consumidor, varia de acordo com as estratégias de preços de cada empresa ou marca. Este processo de redução de custos poderá ser aproveitado unicamente pela indústria, não sendo nem percebida pelo consumidor. Por exemplo, uma marca já conceituada no mercado poderá utilizar esta inovação, criando acessórios que se adaptem ao processo, sem alterar o valor do seu produto, trazendo assim, ainda mais lucros a esta empresa, ou ainda, uma marca que se queira lançar no mercado com acessórios de moda baseado em tendências que agradem o seu consumidor e que possua preços acessíveis, poderá adaptar esta inovação aos seus produtos com sucesso. Tudo irá depender do que pretende a empresa em relação ao seu plano de marketing. A moda exerce força na imposição de altos preços quando os produtos estão vinculados a uma marca de status, salientando a forte influência do conforto psicológico no componente preço. Neste processo é importante termos conhecimentos de mercado, marketing e custos de fabricação, para sabermos se é viável ser comercializado. Assim, levamos em conta que para o desenvolvimento deste produto serão utilizados recursos e tecnologias já existentes, não havendo custos com novas tecnologias. 93

9 Recolha de Dados Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. Para o desenvolvimento desta pesquisa, a recolha de dados referentes aos temas design, moda e tecidos (em especial tecelagem Jacquard) tornou-se imprescindível. Pela importância da obtenção de dados através da pesquisa teórica, que foi realizada e apresentada no Estado da Arte desta pesquisa. Com a recolha destes dados, foi possível pensar mais objectivamente no tema desta dissertação, no desenvolvimento da colecção tendo sempre em mente os aspectos referentes à inovação em acessórios de moda no que diz respeito a redução de custos no processo de fabrico. E, consequentemente desenvolver as amostras e os testes nos ligamentos duplos e nas costuras convencionais Análise dos Dados Os dados obtidos revelam, em primeira instância, um mercado com grande potencial. Constatou-se a importância actual do design na indústria têxtil e da moda grande potencial económico. Historicamente constatou-se que o consumidor aceita com facilidades as mudanças nos acessórios de moda e que os considera importantes na composição do visual. Por isso, considera-se este estudo de inovação tecnológica como uma saída para as reduções de custos e tempos nos processos de fabrico, tornando assim os produtos mais competitivos no mercado. Devemos considerar a importância do profissional designer têxtil para o desenvolvimento de novos produtos, aliando o carácter artístico e estético ao funcional e tecnológico, a fim de desenvolver um produto com qualidade, preço acessível e que vai ao encontro das necessidades do consumidor. Assim, a proposta de desenvolver acessórios de moda através de ligamentos duplos em tecelagem Jacquard, acredita-se ser uma boa solução para o problema de redução de custos e tempos no processo de fabrico num mercado cada vez mais competitivo Criatividade A criatividade consiste na melhor maneira de agrupar os dados colectados em busca da melhor solução. Levando em conta a compreensão de GOMES, já citada no Estado da Arte (p.27) desta pesquisa, que entende criatividade como sendo um conjunto de factores e processos, atitudes e comportamentos que devem estar presentes em todo o processo criativo. Assim, ainda podemos dizer que a criatividade pode apresentar-se através da ilusão, da invenção e da inovação. Em muitos, casos a criatividade deverá ultrapassar as limitações próprias de cada método, normalmente provenientes dos aspectos mecânicos de produção, alargando assim as possibilidades reais da própria produção e indo ao encontro das novas necessidades do 94

10 mercado em que actua. Consideramos importante entender os artigos têxteis como objectos, passando pelas suas múltiplas funções, e ainda, pelo estudo dos métodos de fabrico ao nível industrial. No que diz respeito a esta pesquisa de inovação, a solução que apresentamos é a utilização do potencial dos ligamentos duplos em tecidos Jacquard para o desenvolvimento de acessórios de moda, em especial bolsas e cintos, de modo a reduzir custos e tempos no processo de fabrico destes produtos, trazendo mais produtividade e lucros para a indústria, utilizando-se máquinas de Tecelagem Jacquard electrónicas convencionais. Sabendo da abertura e aceitação desta indústria em relação aos novos processos e tecnologias, acreditamos nesta proposta de inovação Materiais/Tecnologias Entende-se que deve haver o domínio das tecnologias utilizadas no processo de fabrico, em todos os aspectos, antes da preocupação com as características formais e de estética. Em design têxtil, muitas vezes serão as tecnologias que irão determinar a capacidade criativa através de aspectos específicos. É de total importância, além do domínio das tecnologias, o conhecimento das matérias-primas e suas características para a concepção deste produto. Para a obtenção do produto pretendido foram utilizados os seguintes materiais e tecnologias: Material dos Fios: material 100% algodão, o título dos fios de algodão da teia possui a medida de 31,2 tex e o título dos fios de algodão da trama 24 tex., disponível no Laboratório de Processos Têxteis da Universidade do Minho; Tecnologias para o desenvolvimento do desenho e do modelo do produto: Desenvolvimento do design de superfície e do modelo do produto nos programas gráficos Corel Draw e Photoshop. Realização do projecto obedecendo às medidas da máquina Jacquard onde será realizada a amostra. Fig Desenho trabalhado no Programa Photoshop Fig Desenho trabalhado no Programa Corel Draw 95

11 Fig Desenho trabalhado no Programa Corel Draw Fig Desenho trabalhado no Programa Photoshop Fig Desenho trabalhado no Programa Photoshop Fig Desenho trabalhado no Programa Photoshop Tecnologias para o desenvolvimento do debuxo do tecido Jacquard: Como já sabemos debuxo engloba a noção de design de tecidos, sendo apenas uma parte do design têxtil, referindo-se ao desenho da estrutura do tecido. Nesta etapa, com o desenho do modelo e o design de superfície prontos, ocorre o desenvolvimento do debuxo do tecido do produto, neste caso uma bolsa, onde serão realizados os testes de resistência dos ligamentos e das costuras. Para este processo fez-se da utilização do programa Vision Texcelle Ned Graphics para adaptação e redução de cores em tecelagem Jacquard. 96

12 Fig Programa Vision Texcelle Desenvolvimento dos debuxos em papel quadriculado e posteriormente o transporte destes debuxos para o programa Weaver NT Product Creator Ned Graphics. Este programa possibilita o encaixe das estruturas de cada cor directamente no desenho. Fig.3.8. Programa Weaver NT Product Creator 97

13 Fig.3.9. Weaver NT Product Creator Finalização do processo digital do debuxo com a gravação da disquete no programa gerenciador de cartões Fabric Editor Ned Graphics para posterior utilização e fabrico do tecido no tear Jacquard Bonas. Este programa possibilita a visualização e simulação do desenho com seus debuxos. Abaixo o desenho encontra-se ampliado na tela do computador. Fig Programa gerenciador de cartões Fabric Editor 98

14 Tecnologias para o desenvolvimento do produto: Como já sabemos, o produto a ser desenvolvido é uma bolsa, que servirá como acessório de moda. Neste processo, será desenvolvido o produto em tecelagem Jacquard, através de tecidos duplo, no tear Jacquard, disponível no Laboratório de Processos Têxteis do Departamento de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho. O mesmo tear será usado na produção de tecidos que serão ligados e acabados através de costura convencional. Neste processo utilizou-se a máquina de recobrimento disponível no Laboratório de Tecnologias de Confecção da mesma universidade. Fig Tear Jacquard Bonas electrónico Universidade do Minho Fig Máquina de costuras de recobrimento Universidade do Minho 99

15 Tecnologias para os testes de resistência nos ligamentos e costuras convencionais: Utilização do dinamómetro Hounsfield H 100 KS, disponível no Laboratório de Física Têxtil e Investigação do Departamento de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho. Fig Dinamómetro Hounsfield H 100 KS Universidade do Minho Tecnologia para a confecção e acabamentos: Na finalização e acabamento do produto utilização do processo de confecção através de máquinas de costuras convencionais, linhas e agulhas específicas Experimentação A fase de experimentação é muito importante num trabalho científico, e também, no processo de desenvolvimento de novos produtos. Esta etapa será colocada mais especificamente no capítulo 2.4 do Trabalho Pratico. Por este motivo, não entraremos em detalhes neste espaço Modelo Os resultados do processo de criatividade, oriunda da análise dos dados colectados, fizeram surgir esboços de modelos que se foram aperfeiçoando para compor a Colecção Identidade Brasil, exposta no próximo capítulo 2.3 desta pesquisa. Foi escolhido um dos modelos para 100

16 ser desenvolvido como protótipo e utilizado na realização da amostra e ensaios, que acompanha este trabalho. Fig Modelo escolhido para realização da pesquisa Verificação Esta etapa constitui na verificação da ideia pretendida através de protótipos e possíveis falhas no processo. Etapa que ainda será melhor relatada ao longo desta pesquisa Desenho Construtivo Esta etapa constitui na elaboração do protótipo final, o projecto representado graficamente na sua totalidade, com todas as suas características. Não se pode pensar em design sem a realização de um desenho técnico que especifique as características do produto e suas dimensões; este desenho representará graficamente a ideia. Apresenta-se o desenho técnico da bolsa que servirá como modelo para a experimentação e também os desenhos técnicos de cintos, que não serão testados, apenas servirão como ilustração. Porém, acredita-se ser possível sua obtenção pelo mesmo processo utilizado nas bolsas. O desenho técnico do produto é acompanhado por um descritivo do projecto com dados específicos e detalhados para uma maior compreensão do fabricante ou do espectador. Desenho Técnico Bolsa 1 frente A: 101

17 Tafetá - duplo 1 Tafetá A Fre nte Cetim - duplo 1,5 28 cm X 1,5 38 cm 8 cm 2 Y Sarja - duplo X = largura= 31cm y = altura =48cm Fig Desenho Técnico Bolsa 1 frente A A 38 cm 8 cm Y Fre nte 0,5 2 1,5 1,5 1,5 0,5 1,5 1,5 28 cm 28 cm 28 cm 0,5 1,5 0,5 X = total largura= 95cm y = total altura = 48cm 95 c m X Fig Modelo Desenho Técnico Bolsa 1 frente A Nos projectos anteriores, que se refere ao mesmo produto, podemos visualizar a bolsa na parte da frente. Este desenho foi numerado como nº 1, e se tratando da referência frente como A. Num primeiro momento, como podemos observar na fig foi projectado de acordo com as dimensões do tear utilizado e já mencionado anteriormente. O tear Jacquard possui na sua totalidade cerca de 95 cm, a partir daí idealizou-se o modelo que pode ser observado na fig As cores definem as estruturas (debuxos) utilizadas na construção do tecido e dos ligamentos duplos. Nos projectos que seguem na próxima página, podemos visualizar o verso do objecto e seu modelo, com as mesmas dimensões, porém, sem o desenho (flor) que ornamenta a bolsa. O verso do objecto foi referido como B. 102

18 Desenho Técnico Bolsa 1 verso B: Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. B 8 c m Tafetá - duplo Tafetá Ve rso 2 38 cm Y X =largura=31cm y = altura =48cm 1,5 28 cm X 1,5 Fig Desenho Técnico Bolsa 1 verso B B 38 cm 8 cm Y Ve rso 0,5 1,5 1,5 1,5 0,5 X 1,5 1,5 28 c m 28 c m 28 c m 95 cm 0,5 1,5 0,5 2 X = total largura= 95cm y = total altura = 48cm Fig Modelo Desenho Técnico Bolsa 1 verso B Os próximos projectos referem-se aos desenhos técnicos dos cintos. Estes desenhos seguem as mesmas orientações, medidas e características da bolsa, porém, foram realizados 3 propostas de diferentes desenhos. Ao observarmos o desenho nº 1 (fig. 3.19), verificamos que possui aberturas para a possível introdução de algum material (plástico, cartão) para dar mais formato ao objecto, abertura esta que não encontramos no desenho nº 2 (fig. 3.20), que tem como proposta o fechamento total do objecto, sem nenhuma abertura. No desenho nº 3 (fig. 3.21), temos a possibilidade de variar o lado do uso do objecto, podendo-se fazer 2 desenhos 103

19 diferentes, um de cada lado. Estas propostas foram idealizadas obedecendo à largura do tear Jacquard utilizado e utilizando-se do mesmo processo da bolsa, através de tecidos duplos. Desenho Técnico Cinto 1 frente A e verso B: 1 A Frente B X = 95 cm Ve rso cm 12 cm Y Y Tafetá - duplo Tafetá Cetim - duplo Sarja - duplo Tafetá - duplo Tafetá X = 95 cm X = largura= 95cm y = altura = 12cm Fig Desenho Técnico Cinto 1 frente A e verso B Desenho Técnico Cinto 2 frente A e verso B: 2 2 A B Fre nte X = 91c m 2 95 cm Ve rso c m 12 cm Y Y Tafetá - duplo Tafetá Cetim - duplo Sarja - duplo Tafetá - duplo Tafetá X = 95 cm Fig Desenho Técnico Cinto 2 frente A e verso B X =largura=95cm y = altura = 12c m Desenho Técnico Cinto 3 frente A e verso B: 104

20 3 2 2 A B Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. Fre nte X = 95 c m Ve rso X = 91c m 91c m 95 c m cm 12 cm Y Y Fig Desenho Técnico Cinto 3 frente A e verso B Tafetá - duplo Tafetá Cetim - duplo Sarja - duplo Tafetá - duplo Cetim - duplo Tafetá X = largura= 95cm y = altura = 12c m Nos projectos que seguem, utilizou-se o mesmo processo dos anteriores, porém, fez-se o objecto tendo em conta a largura do tear e tornando a altura como a medida do comprimento do objecto, assim poderemos determinar a extensão do objecto conforme desejamos. Desenho Técnico Cinto 1 frente A modelo: 1 A Frente Tafetá Cetim - duplo Sa rja - d up lo 120 cm Y ,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 95 cm X X = total largura = 95cm y = total altura = 120cm Fig Modelo Desenho Técnico Cinto 1 frente A 105

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING 1. Gestão do design e a estratégia de marketing A gestão do design tem a função de controlar a criação e desenvolvimento do produto, estando sempre atento e observando as necessidades do mercado e a promoção

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Anexo I. Apresentamos em anexo I os estudos desenvolvidos para o layout da aplicação web, bem como o desenvolvimento gráfico propriamente dito.

Anexo I. Apresentamos em anexo I os estudos desenvolvidos para o layout da aplicação web, bem como o desenvolvimento gráfico propriamente dito. Anexo I Apresentamos em anexo I os estudos desenvolvidos para o layout da aplicação web, bem como o desenvolvimento gráfico propriamente dito. 1 Desenvolvimento da aplicação web em Macromedia Dreamweaver

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

one year DESIGN DE MODA

one year DESIGN DE MODA one year DESIGN DE MODA Coordenação Luiz Wachelke Início 05/10/2015 Término 10/2016 Carga horária 360 horas Idioma Português (summer opcional em Barcelona) Aulas Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 e

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO. 4. Aspectos Mercadológicos. 4.1 Pesquisa de Mercado. 4.1.1 Indicadores econômicos

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO. 4. Aspectos Mercadológicos. 4.1 Pesquisa de Mercado. 4.1.1 Indicadores econômicos 124 III. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO 4. Aspectos Mercadológicos 4.1 Pesquisa de Mercado 4.1.1 Indicadores econômicos Através de um breve estudo sobre os indicadores econômicos referentes ao mercado

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Moda (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/0/011 1:0 s por Curso Estilismo Industrial 1 ART.0111.00.00-1 ART.0.01.001-9 1 EQU.011.00.001-0

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Dielmar Uma empresa de sucesso... 1º Trabalho prático Grupo 3 Bruno Almeida bmcalmeyda@gmail.com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO Erodíades Daboit Possamai¹ Resumo: Este trabalho visa mostrar as tecnologias na indústria do vestuário e a função dos profissionais responsáveis

Leia mais

O COMPUTADOR APLICADO NO MUNDO DA MODA.

O COMPUTADOR APLICADO NO MUNDO DA MODA. O COMPUTADOR APLICADO NO MUNDO DA MODA. Na atualidade não basta ter talento e saber transmiti-lo as nossas criações. Também é preciso conhecer as ferramentas digitais ao nosso alcance, os programas de

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional.

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. DOM COLLETTO: A certeza de um conceito A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. O sistema de franchising permite

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design)

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR DESIGN DE MODA (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Case Study. Realizado por: Guilherme Ramalho

Case Study. Realizado por: Guilherme Ramalho Case Study Realizado por: Guilherme Ramalho Breve História da Barbie Barbie foi criada por Ruth Handler e o seu marido Eliot em 1936 Nome é uma abreviatura de Bárbara Filha Ideia surgiu da mãe Ruth ao

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. ARAÚJO, Mário. Engenharia e Design do Produto. Lisboa: Universidade Aberta, 1995.

BIBLIOGRAFIA. ARAÚJO, Mário. Engenharia e Design do Produto. Lisboa: Universidade Aberta, 1995. BIBLIOGRAFIA Livros: ABREU, Maria A. Coelho. O Comportamento das Estruturas em Tecidos Jacquard. Dissertação de Mestrado, Departamento de Engenharia Têxtil, Universidade do Minho, 2002. AGIS, Daniel; GOUVEIA,

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo Titulo Pesquisa e Criação em Moda Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo A moda é um setor de mercado complexo, de vasta abrangência de atividades e significados. O atual profissional de moda deve

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário

Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário Aluno de graduação de Design de Moda e Tecnologia Carlos Augusto Reinke 1 carlosar@feevale.br Resumo: Todo desenvolvimento de projeto possui uma metodologia,

Leia mais

Lic. em Arqueologia (2 o ano)

Lic. em Arqueologia (2 o ano) Introdução à Informática Lic. em Arqueologia (2 o ano) Trabalho Prático Outubro de 2004 2 a fase: 11 de Dezembro de 2004 Este trabalho único deve ser realizado, em grupo, ao longo das 4 últimas semanas

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

Qualidade na Confecção dos Uniformes Andréia Garcia MISSÃO Criar moda para o mercado corporativo através de uniformes adequados e modernos para identificar, padronizar e promover a marca da empresa cliente.

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1 1 1 CRIATIVIDADE Fase: 1ª Carga Horária: 60h Créditos: 04 Conceitos de criatividade. Criação e moda. Linguagem, identidade e estilo. Processo criativo. Desenvolvimento da capacidade da análise e percepção

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING

SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING A Salvador & Filhos é uma empresa especialista em bordados. O nosso mercado vai para além das fronteiras portuguesas. Efectuamos os seguintes tipos de serviços

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. Aplicação em Acessórios de Moda

Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. Aplicação em Acessórios de Moda UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Têxtil Mestrado em Design e Marketing TESE DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

MODELAGEM APLICADA À INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO: ESTUDO PRÁTICO NA CIDADE DE CIANORTE PR

MODELAGEM APLICADA À INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO: ESTUDO PRÁTICO NA CIDADE DE CIANORTE PR MODELAGEM APLICADA À INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO: ESTUDO PRÁTICO NA CIDADE DE CIANORTE PR Marlina Salvador Radi 1 Carla Hidalgo Capelassi 2 Joyce Pavão do Prado 3 RESUMO Devido à importância do setor de no

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

França, o centro da moda... 4

França, o centro da moda... 4 Parte I Os Fundamentos da Moda 1 A Evolução da Moda......................... 3 França, o centro da moda............................ 4 A moda ditada pela realeza..................................... 4 A

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST DESIGN DE MODA MÓDULO I INTRODUÇÃO AO DESIGN EMENTA: Conceituação e dimensionamento do design, aspectos éticos, legais e postura profissional do designer. História do

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Didática Para o ensino do Sistema Braille, de português e de cálculos em braille para videntes e deficientes visuais.

Didática Para o ensino do Sistema Braille, de português e de cálculos em braille para videntes e deficientes visuais. Catálogo de produtos Orçamentos e pedidos pelo e-mail: vendas@tece.com.br Ou pelo telefone: (19) 3524-8347 Produtos: Communicare: Comunicação em latim diz-se Communicare, que significa pôr em comum, conviver.

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Dicas para seu Cartão de Visita

Dicas para seu Cartão de Visita O Cartão de Visita O cartão de visita é um pequeno cartão contendo os dados de contato de uma pessoa ou corporação. Para muitos, ele é a primeira ferramenta de marketing. Após um contato profissional,

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009 Como fazer um trabalho Etapas na elaboração de um trabalho 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Decor Store Interiores Loja de Decorações de Interiores Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Quem somos A Decor Store Interiores é uma loja que agrega em um único espaço vários itens relacionados a

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais