Companhia Participação da Hydro Atividade. Cia. de Alumina do Pará - CAP Alumina do Norte do Pará S.A - Alunorte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia Participação da Hydro Atividade. Cia. de Alumina do Pará - CAP Alumina do Norte do Pará S.A - Alunorte"

Transcrição

1

2

3 Introdução Norsk Hydro ASA A Norsk Hydro ASA, com sede em Oslo, na Noruega, é uma empresa de atuação global, especializada na produção, transformação e reciclagem de alumínio. A empresa detém significativas reservas de bauxita,minério do qual se extrai o alumínio, localizado na região norte do Brasil, no Estado do Pará. Fundada em dezembro de 1905, há mais de cem anos portanto, a Hydro é hoje a quinta maior produtora de alumínio do mundo. Suas operações industriais e comerciais se estendem por aproximadamente 40 países e empregam mais de 23 mil profissionais. Os clientes da Hydro em todo o mundo estão nas indústrias automotiva, de equipamento para transporte, arquitetura e construção civil, energia solar, embalagens, litografia, bens de consumo, aplicações elétricas, máquinas e equipamentos. No Brasil, a Hydro matém importantes investimentos em praticamente toda a cadeia produtiva do alumínio. Em 2010, com a incorporação dos negócios relacionados com alumínio da VALE, a empresa fortaleceu sua posição no mercado mundial, garantindo suprimento de matéria prima por várias décadas e se tornando uma companhia totalmente integrada. Companhia Participação da Hydro Atividade Mineração Rio do Norte 5% Mineração de Bauxita Mina de Paragomina 60% Mineração de Bauxita Cia. de Alumina do Pará - CAP Alumina do Norte do Pará S.A - Alunorte Alumina do Alumínio Brasileiro S.A. - ALBRAS 81% Refinaria de Alumina 91% Refinaria de Alumina 51% Hydro Alumínio Acro S.A. 100% Produção de Alumínio Primário Extrusão de Alumínio 3

4 Linha Elegance Gradis e Guarda-Corpos Sofisticação, conforto e segurança A Linha Elegance para gradis e guarda corpos inclui possibilidades construtivas que permitem a execução de projetos dos mais variados níveis de complexidade, incluindo montagens retas, poligonais, contínuas ou segmentadas. As diversas soluções atendem plenamenta aos requisitos das normas ABNT correspondentes, proporcionando segurança e conforto por anos a fio. Principais características Soluções com barrotes ou vidros laminados; Fixações sobre a laje, na frente da laje ou sobre mureta; Canoplas e tampas para as extremidades de todos os corrimãos e travessas disponíveis no mercado; Fixação discreta do corrimão e das travessas; Montantes para situações com ângulos e linhas retas; Várias possibilidades para os corrimãos e travessas, incluindo detalhes ornamentais. Áreas de aplicação Varandas de apartamentos, residências, hotéis, hospitais, edifícios comerciais e de serviços; Proteção perimetral de decks e mirantes; Proteção de áreas de piscinas em clubes e condomínios; Demarcação de perímetros de propriedades públicas e privadas; Divisões de ambientes em shopping centers, lojas, clubes, resorts, parques, áreas públicas e privadas. 4

5 5

6

7 Perfis 13 Acessórios 20 Fabricação 25 Aplicação 33 7

8

9 Normas e Ensaios ABNT NBR 14718:2008 Termos e definições Áreas de Uso Privativo: Varandas, mezaninos e escadas de unidades de edificações residenciais ou comerciais. Áreas de Uso Coletivo: Áreas comuns de edificações residenciais ou comerciais. Guarda-Corpos: Elemento destinado a proteger as pessoas que permaneçam ou circulem na sua proximidade contra o risco de queda fortuita sem, no entanto, impedir sua passagem forçada ou voluntária. Mureta: Elemento totalmente fechado sob o gradil. Zona de Recepção (ZR): Toda região próxima ao guarda-corpos onde poderão estar as pessoas. É limitada pelo plano do guarda-corpos e nela estão contidas a zona de estacionamento precário (ZEP) e a zona de estacionamento normal (ZEN). Nela estão as pessoas as quais os guarda-corpos devem dar proteção. Nível de Circulação (NC): Piso, na zona de recepção (ZR) onde circulam as pessoas. Altura de Proteção (H): Altura da parte superior do corrimão até o ponto mais alto da Zona de Estacionamento Normal (ZEN). Deve ser maior ou igual a 1,0 m, conforme Figura 1a. Zona de Estacionamento Normal (ZEN): Superfície acessível horizontal e adjacente aos guarda- -corpos, atendendo às seguintes condições: ser situada a até 0,45 m acima do nível de circulação; ter dimensões iguais ou superiores a (0,30 x 0,30) m, conforme Figura 1b. Também serão consideradas ZEN as superfícies iguais ou superiores a (0,30 x 0,30) m, que possibilitam colocar o pé sob o elemento de fechamento em vão com altura maior do que 0,03 m e cuja medida entre a face interna do corrimão e a face interna da mureta seja maior ou igual a 0,13 m, conforme Figura 2. Zona de Estacionamento Precário (ZEP): Superfícies adjacentes aos guarda-corpos, acessíveis, mas com dimensões que apenas possibilitam a permanência momentânea de pessoas em condições de equilíbrio. Para ser considerada zona de estacionamento 0,13 precário (ZEP), a dimensão de apoio deve atender às seguintes condições: ser situada a até 0,45 m acima do nível de circulação (NC); ter dimensão menor que 0,30 m e maior que 0,13 m, medida no sentido transversal ao plano do guarda-corpos. Altura de Proteção Reduzida (APR) Altura da parte superior do corrimão ate o ponto mais alto da zona de estacionamento precário (ZEP). A APR deve ser no mínimo de 0,90 m. No caso de guarda-corpos tipo gradil, a altura de proteção reduzida (APR) deve ser considerada acima da travessa inferior. No caso de o desnível ser maior que 0,45 m, não existirá a ZEP nem a APR, sendo que a altura mínima exigida será igual a H> 1,00m. H 1,00 Figura 1a - Área do piso ZEN = NC 0,30 Figura 1b - Altura da Zona de Estacionamento Normal (ZEN) Figura 1 - Zona de Estacionamento Normal (ZEN) (dimensões em metros) >0,03 H 1,00 H 1,00 0,10 0,45 ZR 0,30 ZEN 0,10 0,45 0,30 0,30 Figura 2 - Condições específicas de uma ZEN (dimensões em metros) >0,03 NC 0,13 H 1,00 0,10 0,45 0,30 0,10 0,45 9

10 Projeto: Condições Gerais: 1 A Altura mínima de guarda-corpos em que a zona de recepção (ZR) tenha somente zona de estacionamento normal (ZEN) deve ser conforme Figura 6. 2 A altura mínima de guarda-corpos em que a zona de recepção (ZR) tenha zona de estacionamento precário (ZEP) deve ser conforme a Figura 7. 3 A altura mínima de guarda-corpos em que a zona de recepção (ZRO tenha desnível 1,0 m para cima, com ZEP ou ZEN com largura máxima de 1,00 m, deve ser conforme a Figura 7. Neste caso a ZEP ou ZEN tem no máximo 1,00 m. Nos casos onde a ZEP ou ZEN for maior do que 1,00 m, a altura deve ser considerada como nos itens citados anteriormente. Figura 6 Altura em que a zona de recepção (ZR) tenha somente zona de estacionamento normal (ZEN) (dimensões em metros). Figura 9. Figura 7 Altura em que a zona de recepção (ZR) tenha zona de estacionamento precário (ZEP). Figura 8 Altura em que a zona de recepção (ZR) tenha desnível para cima, com largura máxima de 1,00 m (dimensões em metros). pos Figura 9 Desenhos de situações específicas da ZEN e ZEP em relação ao posicionamento e às características dos guarda-corpos (dimensões em metros). 10

11 Figura 9 Desenhos de situações específicas da ZEN e ZEP em relação ao posicionamento e às características dos guarda-corpos (dimensões em metros). 5 Acima da medida vertical de 0,45 m, para a mureta, a altura mínima do guarda-corpos deve ser de 1,00 m em relação ao nível de circulação (NC), não sendo consideradas as superfícies ZEP ou ZEN, conforme Figura Em situações em que a zona de recepção (ZR) tenha desníveis maiores do que 0,10 m, deve existir um prolongamento do guarda-corpos de no mínimo 0,30 m após o termino do nível superior, conforme Figura 11. Esta regra não se aplica a escadas ou rampas. Figura 10 Altura mínima do guarda-corpos acima da medida vertical de 0,45 m para a mureta (dimensões em metros). Figura 11 Situação em que a zona de recepção (ZR) tenha desníveis maiores do que 0,10 m (dimensões em metros). 11

12 Guarda-corpos de vidro: 1 No caso de guarda-corpos de vidro, somente podem ser utilizados vidros em conformidade com a ABNT NBR Os vidros empregados devem atender às Normas Brasileiras pertinentes como, por exemplo, o vidro laminado deve atender à ABNT NBR A instalação deve estar de acordo com a ABNT NBR É vedada a utilização de massas à base de gesso e óleo (massa de vidraceiro). Vãos abertos nos guarda-corpos, espaçamentos mínimos: 1 No caso de guarda-corpos (do tipo gradil), o espaçamento entre perfis verticais (vão-luz) não deve ser superior a 0,11 m, conforme Figura 1. 2 A configuração do guarda-corpos deve prever componente de fechamento posicionado no lado interno, na medida em que houver apoios que permitam a escalada até a altura de 0,45 m. O espaçamento entre perfis horizontais acima desta cota não deve exceder 0,11 m, conforme Figura 2. 3 No caso de guarda-corpos com desenhos ornamentais, as folgas entre perfis não devem permitir a passagem de um gabarito prismático de (0,25 x 0,11 x 0,11) m, conforme Figura 3. 4 Nas situações em que o guarda-corpos seja instalado num plano avançado em relação ao limite exterior do pavimento, a folga medida na horizontal em relação ao limite exterior não deve exceder 0,05 m e o espaçamento entre o elemento horizontal inferior do guarda-corpos e a borda exterior do pavimento não vê exceder 0,11 m, conforme Figura 4. 5 Para impedir a queda acidental de objetos soltos no piso de uma área protegida por um guarda-corpos, deve existir uma barreira que impeça a passagem livre de uma esfera de diâmetro 0,05 m rolando pelo piso, em toda a extensão do guarda-corpos. Para isso, caso a edificação não contemple uma mureta ou rodapé, o guarda-corpos deve ter um elemento que evite a passagem dessa esfera. Figura 1 Distância entre perfis verticais (dimensões em metros) Figura 2 Espaçamento entre perfis horizontais (dimensões em metros) Figura 4 Situações em que o guarda-corpos seja instalado num plano avançado em relação ao limite exterior do pavimento (dimensões em metros). 12 Figura 3 Passagem do gabarito prismático de (25 x 11 x 11) cm em folgas entre perfis (dimensões em metros).

13 Normas e Ensaios Relatórios de Ensaio para a linha Gradil 13

14

15

16

17 17

18 18

19 19

20 20

21

22

23 23

24 24

25 25

26

27

28

29 29

30 30

31 31

32

33

34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 Fábrica da Hydro Alumínio Acro S.A. em Itu, Estado de São Paulo IMPORTANTE: Devido as atualizações na linha, várias usinagens não estão contempladas no estampo original. Reservados todos os direitos. É proibida a duplicação ou reprodução deste volume no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação, fotocópia,distribuição na web ou outros), sem permissão expressa da Hydro Alumínio Acro S.A., conforme Lei nº 9610 de 19/02/1998. CAPA: Foto 1 - Obra Edifício: Walk Construtora : Tecnisa Foto 2 - Obra: Vila Nova Reserved Construtora: Tecnisa Arquiteta: Patricia Anastassiadis Foto 3 - Obra Residência Fabricante de Esquadrias: Projesul Vidro e Alumínios

42 a 1 Edição - Outubro de Tiragem: 500 exemplares As informações constantes desta publicação podem ser alteradas sem prévio aviso. Impactoitu.com.br GRADIL VENDAS ITU/SP - SEDE E FÁBRICA Tel.: (11) Fax: (11) RIO DE JANEIRO Tel: (21) Fax: (21)

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13 APRESENTAÇÃO ÍNDICE GERAL 1 TIPOLOGIAS PÁG. TI-01 a TI-03 2 NORMAS PÁG. NR-01 a NR-08 3 ENSAIOS PÁG. EN-01 a EN-03 4 PERFIS PÁG. PE-01 a PE-15 5 COMPONENTES PÁG. CO-01 a CO-23 6 DETALHES CONSTRUTIVOS PÁG.

Leia mais

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13. Belmetal SP - GDP

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13. Belmetal SP - GDP APRESENTAÇÃO ÍNDICE GERAL 1 TIPOLOGIAS PÁG. TI-01 a TI-03 2 NORMAS PÁG. NR-01 a NR-08 3 ENSAIOS PÁG. EN-01 a EN-03 4 PERFIS PÁG. PE-01 a PE-15 5 COMPONENTES PÁG. CO-01 a CO-23 6 DETALHES CONSTRUTIVOS PÁG.

Leia mais

Guarda-corpo. São aplicados em locais de uso privativo e coletivo, em edificações

Guarda-corpo. São aplicados em locais de uso privativo e coletivo, em edificações MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de caixilhos GUARDA-CORPO JANELAS PADRONIZADAS FACADAS-CORTINA FACADAS COM PLACAS DE ROCA FACADAS COM PLACAS CERÂMICAS FIXADAS COM INSERTES METÁLICOS CECKLIST Itens

Leia mais

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Centro Universitário UNICAPITAL e Faculdades Integradas Paulista FIP Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Calcular Escadas Prof a Suely Midori Aoki Estag. Eriki Masahiko

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00

INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 INSTRUÇÃO NORMATIVA SESMT N.º 001/00 Página 1 de 6 em 11 de outubro de 2001 Estabelece orientações e procedimentos na instalação de Corrimãos e Guarda-Corpos Em Vigor a Partir de 15 DE JUNHO DE 2000 Primeira

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho NOÇÕES DE ESTRUTURAS ESCADAS E RAMPAS Definição de Escada Série de degraus para subiredescer Dicionário Aurélio Construção formada por uma série de degraus, destinadas a ligar locais com diferenças de

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES.

UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES. Catálogo Técnico UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES. O peitoril suporta altas cargas de esforço de acordo com a nova NBR 14718:2008. O perfil do parapeito tem forma arredondada para evitar apoio

Leia mais

Shaping a lighter future GRADIL

Shaping a lighter future GRADIL Shaping a lighter future GRADIL Introdução SAPA no Mundo Fundada em 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividades a partir do zero e se transformou, em cinquenta anos, na líder mundial no mercado de

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

CIRCULAÇÕES VERTICAIS

CIRCULAÇÕES VERTICAIS CIRCULAÇÕES VERTICAIS CEG219 Desenho arquitetônico II Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG219 DESENHO ARQUITETÔNICO II - Prof. Márcio Carboni 1 CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista

Faculdade Pitágoras. Escadas. Disciplina: ARQUITETURA. Profº.: Fernando Batista Faculdade Pitágoras Disciplina: ARQUITETURA Escadas Profº.: Fernando Batista ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico JUL/2011 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por botão de pressionamento constante ou joystick

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS

DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS DESENHO DE ARQUITETURA ESCADAS A circulação vertical tem função de vencer os desníveis em geral e/ou entre pavimentos consecutivos, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. A circulação

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200

LINHA Bt200. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt200 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2400mm., Largura: 600/700/800mm., Profundidade: 600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 2,65mm. (12MSG),

Leia mais

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP.

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. Fl.: 1/7 RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS Interessado: MORLAN S/A. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. (38.187) 1. MATERIAL ENSAIADO: Tela de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS

DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: C AT Á L O G O TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS GRUPO REY DO VIDRO O GRUPO O Grupo Rey do Vidro nasceu em 2007 com a criação da Espaço Inteligente que por sua vez nasceu da necessidade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

Dados Cadastrais. Razão Social: Kw Glass vidros Ltda Me CNPJ: 11.404.874/0001-20. Inscrição Estadual: 148.928.705.113

Dados Cadastrais. Razão Social: Kw Glass vidros Ltda Me CNPJ: 11.404.874/0001-20. Inscrição Estadual: 148.928.705.113 A Empresa A KW Glass Vidro e Alumínio é uma empresa baseada na experiência de gerações, que há mais de 10 anos, tem por objetivo oferecer serviços de qualidade e preço competitivo. Prezamos sempre, pelo

Leia mais

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores?

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Nós movimentamos 1 bilhão de pessoas a cada dia... Grupo Schindler Grupo Schindler - Fundado por Robert Schindler, em 1874, na Suíça

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

Vantagens. - A grande variedade de medidas, tipos de pisos, sistemas construtivos, etc. - M o n t a g e m r á p i d a, s i m p l e s

Vantagens. - A grande variedade de medidas, tipos de pisos, sistemas construtivos, etc. - M o n t a g e m r á p i d a, s i m p l e s Mezaninos Os mezaninos permitem aproveitar ao máximo a altura útil de um local, duplicando ou triplicando sua superfície e acondicionando-a como área de armazenagem, vestuário, escritórios, etc. A instalação

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00

MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00 MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00 FECHAMENTO VARANDAS FECHAMENTO VARANDAS 1- MODELO DEFINIDO COMO SUGESTÃO PARA FECHAMENTO COM VIDRO PARA

Leia mais

C A T Á L O G O Fachada

C A T Á L O G O Fachada C A T Á L O G O Introdução Norsk Hydro ASA A Norsk Hydro ASA, com sede em Oslo, na Noruega, é uma empresa de atuação global especializada na produção, transformação e reciclagem de alumínio. Fundada em

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO Elisa Furian elisafurian@outlook.com ESCALA É a relação existente entre as dimensões de um desenho e as dimensões reais

Leia mais

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS

GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS 1960 01 GALERIA METRÓPOLE E CENTRO METROPOLITANO DE COMPRAS HISTÓRIA 02 O edifício Metrópole e Centro Metropolitano de Compras, projetado pelos arquitetos Salvador Candia e Gian Carlo Gasperini, é um importante

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

qualidade é o nosso perfil

qualidade é o nosso perfil Alumínio qualidade é o nosso perfil Fachada Unitizada - Thera Corporate / São Paulo Extrusão Jateamento Para atender a demanda do segmento da construção civil e da indústria, a Olga Color possui equipamentos

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA -

MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA - MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA - Porto Alegre 12 de agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 2. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 3. INSTALAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA REABILITAÇÃO/AMPLIAÇÃO DAS ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO E PRÉ-ESCOLAR DE PORTO DE MÓS PARA CENTRO ESCOLAR PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA Projeto de Instalações

Leia mais

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS Grupo Universitário - IPEP São Paulo - SP Rua Maria Paula, 35-1º andar Bela Vista Fone: (11) 3293-3558 Rua Pirapitingui, 186-1º andar Liberdade Fone: (11) 3385-7400 Campinas - SP Rua José de Alencar, 470

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas.

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e 2. Documentos de Referência

Leia mais

Qualidade que faz a diferença.

Qualidade que faz a diferença. GO O L Á CAT Qualidade que faz a diferença. A Belgo Bekaert Arames, uma parceria entre a ArcelorMittal e a N. V. Bekaert, é uma das maiores fabricantes de arames do mundo. E, para conhecer a sua qualidade,

Leia mais

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250 Apresentação 1 A Plataforma Elevac traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes ou temporárias de locomoção. Ideal para clínicas, escolas, hospitais, hotéis e quaisquer

Leia mais

*01 0*+.34 5 0*26$.7

*01 0*+.34 5 0*26$.7 !"#$%&'$&()$ *+,+ %-./ *, *01 *2%... 0*+.34 5 0*. 0*0. 0*26$.7 2*+ 8$9: *, 1. Prédios rústicos; 2. Prédios urbanos; 3. Prédios Mistos. *, Prédios urbanos (continuação) (a) Habitacionais; (b) Comerciais,

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Perfeitos. Esquadros. Seja para a casa ou escritório, edifícios residenciais ou corporativos, nas

Perfeitos. Esquadros. Seja para a casa ou escritório, edifícios residenciais ou corporativos, nas 72 ARQUITETURA & DECORAÇÃO ALUMI CONSER PROJETO ALUMI CONSER FOTOS LILIANE SILVA Esquadros Perfeitos ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO E SOLUÇÕES EM VIDRO MARCAM O TRABALHO DA ALUMI CONSER, EMPRESA DE GRANDE ATUAÇÃO

Leia mais

PL6 FOI SUBSTITUÍDA PELA PL7 PARA QUE CONTINUE ATENDENDO ÀS NOVAS NORMAS

PL6 FOI SUBSTITUÍDA PELA PL7 PARA QUE CONTINUE ATENDENDO ÀS NOVAS NORMAS APRESENTAÇÃO DE NOSSAS PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS A DWA apresenta uma solução econômica para quem tem duplex, desníveis acentuados, acessos para pessoas que necessitam de auxílio na locomoção e outras soluções

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

LANÇAMENTO. ualitysol O R T A S E J A N E L A S D E A Ç O

LANÇAMENTO. ualitysol O R T A S E J A N E L A S D E A Ç O LANÇAMENTO RÊMIOS Os prêmios recebidos confirmam o reconhecimento e a preferência dos construtores, lojistas e consumidores pelos produtos Ramassol. Entre as premiações recebidas estão: TO of MIND, Ranking

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA PLANTA DE EMERGÊNCIA ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE CONFECÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA QUAIS EDIFICAÇÕES OU ÁREAS DE RISCO DEVERÃO APRESENTAR AS PLANTAS DE SEGURANÇA? RESOLUÇÃO Nº 097, DE 04 DE

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA

PORTA PIACENZA MANUAL DA CONSTRUTORA MANUAL DA CONSTRUTORA PIACENZA REV.1 e-mail: detectamax@detectamax.com.br Aviso As informações contidas neste manual estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. Todos os cuidados foram tomados

Leia mais

BRISA20 C a t á l o g o Té c n i c o 2 Conceito: Linha BRISA 20 BRISA20 As esquadrias de Alumínio são muito mais do que apenas uma designação genérica para portas e janelas, são verdadeiras molduras por

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

A EVOLUÇÃO D A S ESQUADRIAS

A EVOLUÇÃO D A S ESQUADRIAS A EVOLUÇÃO D A S ESQUADRIAS Imagine um sistema de esquadrias completo, com três versões distintas para as principais tipologias, que podem ser fabricadas com os mesmos perfis, em um mesmo estampo, com

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s ESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Plataforma Elevac 250 traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes

Leia mais

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin Dutos de Piso... 27 Modelos... 27 Caixas de passagem... 31 Caixas de tomada... 35 Derivações... 39 Tomadas de piso - Latão/Cromado/Nylon... 42 Espelho para pisos... 43 Caixa de alumínio... 44 Distribuição

Leia mais

Catálogo Geral de Produtos 2012 2013

Catálogo Geral de Produtos 2012 2013 Catálogo Geral de Produtos 2012 2013 01 C 100 M 00 Y 100 K 00 C 100 M 60 Y 00 K 00 Em atividade desde 2004, a Prima Ferragens, empresa especializada na fabricação de peças especiais e vedações acústicas

Leia mais

BELEZA, INOVAÇÃO E PRATICIDADE SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA LINHA EXTREMA

BELEZA, INOVAÇÃO E PRATICIDADE SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA LINHA EXTREMA Catálogo Técnico BELEZA, INOVAÇÃO E PRATICIDADE SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA LINHA EXTREMA Design único com maior área envidraçada na parte externa da esquadria; A fixação do vidro é feita com

Leia mais

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo

C. Manual Técnico. Projeto de Arquitetura VI. Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Projeto de Arquitetura VI 1 º Semestre 2006 Matutino / Vespertino - Estrutura do texto e seleção das imagens Arq. Augusto França Arq. Cristine Gallinaro

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

elevador access acionamento hidráulico

elevador access acionamento hidráulico elevador access acionamento hidráulico SET/2013 elevador access Indicado para permitir acesso a desníveis de até 7m Acesso a pavimentos (entre andares) em edificações residenciais e comerciais como bancos,

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL ESCADAS E MARQUISES

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL ESCADAS E MARQUISES PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL ESCADAS E MARQUISES Disciplina: Estruturas de Concreto Armado II Professora: Cecília de Castro Bolina 1 DEFINIÇÃO ESCADA Arquit. Elemento

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Estantes para Picking com passarelas

Estantes para Picking com passarelas Estantes para Picking com passarelas PICKING COM PASSARELAS A importância que tem o máximo aproveitamento do espaço dos armazéns requer soluções que permitam aceder aos níveis mais altos. Uma destas soluções

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais