UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL - PEI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL - PEI"

Transcrição

1 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL - PEI DOUTORADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PROCESSOS E PRODUTOS MARCELO GERALDO TEIXEIRA O MÉTODO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA APLICADO À ARTICULAÇÃO ENTRE O ARTESANATO TRADICIONAL E O MERCADO URBANO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESIGN PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SALVADOR 2012

2 2

3 3 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL DOUTORADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PROCESSOS E PRODUTOS MARCELO GERALDO TEIXEIRA O MÉTODO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA APLICADO À ARTICULAÇÃO ENTRE O ARTESANATO TRADICIONAL E O MERCADO URBANO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESIGN DEZEMBRO DE 2012

4 4

5 5 MARCELO GERALDO TEIXEIRA O MÉTODO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA APLICADO À ARTICULAÇÃO ENTRE O ARTESANATO TRADICIONAL E O MERCADO URBANO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESIGN Tese apresentada ao Programa de Pósgraduação em Engenharia Industrial (PEI) da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor. Orientadores: Prof. Dr. Asher Kiperstok Prof. Dr. Sandro Fábio César DEZEMBRO DE 2012

6 6 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. CONTATO COM O AUTOR Esta tese foi formatada para a impressão frente e verso ECONOMIZE PAPEL T266m Teixeira, Marcelo Geraldo. O método da pesquisa - Ação adaptada aplicada à articulação entre o artesanato tradicional e o mercado urbano: uma contribuição para o design./marcelo Geraldo Teixeira. - Salvador, f.; il. color. ; 30 cm. Orientadores: Prof. Dr. Asher Kiperstok, Prof. Dr. Sandro Fábio César Tese (Doutorado em Engenharia Industrial)) - Universidade Federal da Bahia. Escola Politécnica, Pesquisa-ação. 2. Artesanato tradicional. 3. Design. I. Kiperstok, Asher. César, Sandro Fábio. II. Título. Ficha catalográfica elaborada por: Helena Maria Souza dos Santos CRB/ CDU: 745

7 7 O MÉTODO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA APLICADO À ARTICULAÇÃO ENTRE O ARTESANATO TRADICIONAL E O MERCADO URBANO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESIGN Marcelo Geraldo Teixeira Tese submetida ao corpo docente do programa de pós-graduação em Engenharia Industrial da Universidade Federal da Bahia como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de doutor em Engenharia Industrial. Examinada por: Prof. Asher Kiperstok, D.Sc. Doutorado em Engenharia Química pela Manchester Institute of Science and Technology (1996) Universidade Federal da Bahia Prof. Sandro Fábio César, D.Sc. Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) Universidade Federal da Bahia Profa. Lia Krucken Pereira, D.Sc. Pós-Doutorado em Desenho Industrial pela Politecnico Di Milano (2011) Universidade do Estado de Minas Gerais Prof. Eugenio Andrés Díaz Merino, D.Sc. Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000) Universidade Federal de Santa Catarina Prof. Aguinaldo dos Santos, D.Sc. Pós-Doutorado em Design Sustentável pelo Politecnico Di Milano (2009) Universidade Federal do Paraná Prof. Ordep José Trindade Serra, D.Sc. Doutorado em Ciência Social pela Universidade de São Paulo (1997) Universidade Federal da Bahia Salvador, BA BRASIL Dezembro/2012

8 8

9 9 AGRADECIMENTOS Agradeço à minha família, nesta época com dois filhos pequeninos, Juliana, com nove anos e Luciano com cinco, que suportaram a minha ausência durante essa fase tão exaustiva da minha vida. Cada minuto longe deles foi como uma eternidade. Agradeço em especial à minha compreensiva esposa, Idalícia, que me suportou, principalmente nos momentos de mau humor. Minha eterna orientadora, minha mãe e doutora em História, Marli, que dispenso elogios pela sua competência e que sobra em amor; Ao meu pai Itaraci. Meu verdadeiro amigo, que sentiria orgulho se estivesse no nosso mundo. Mas de onde estiver, sei que está me apoiando; Aos professores orientadores: Prof. Dr. Asher Kiperstok e Prof. Dr. Sandro Fábio César, pela oportunidade do doutoramento; Ao grande amigo e meu eterno professor Jaime Sodré, sempre presente e determinante; Aos professores doutores: Julio Braga, Cláudio Pereira, Alda Muniz Pepe e Biagio Avena, que acreditaram no meu esforço, me orientaram e ajudaram a enfrentar muitos obstáculos deste doutorado; À Profa Ms. Patricia Navarro que me ajudou na discussão e na bibliografia da pesquisa etnográfica; À Laura Catarina, pela imensa ajuda com os contatos em Giral Grande e com as conversas muitíssimo esclarecedoras; A minha aluna de Design de Moda, Gleice Quele, que me ajudou na análise dos enxovais durante as visitas no hotel. Aos Gerentes do Hotel Villa Bahia, Bruno e Lílian, que me receberam de maneira muito gentil. Ao Sr. Billy Arquimimo, coordenador do Departamento de Turismo Étnico Afro, da Bahiatursa, que me ajudou nos contatos com os hotéis. Os amigos Domingos Oliveira, Caroline Barreto, José ZW Wilker e Laís Santana, Suzana Luci, Jean Claude, Ana Paula Cordeiro e em especial a Eudaldo Filho, o parceiro de muitas piadas, risadas e discussões em design; À Dona Maruzinha, da Comunidade de Diogo, que sempre me recebeu com sorriso e sabedoria. E, lógico, minha sogra, Dona Dulce

10 10

11 11 Dedico à: Minha mãe Marli Meu pai Itaraci (in memorian) Minha esposa Idalícia Minha filha Juliana Meu filho Luciano Minha irmã Isa Minha família Meu tesouro

12 12

13 13 Todas as grandes coisas são simples. E muitas podem ser expressas numa só palavra: liberdade; justiça; honra; dever; piedade; esperança. Winston Churchill

14 14

15 15 Dedico atenção especial e agradeço à família Calheiros, que constitui a Comunidade Quilombola de Giral Grande, principalmente às irmãs que tanto me ajudaram: Tânia e Mara MUITO OBRIGADO

16 16

17 17 TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. O método da Pesquisa-ação Adaptada aplicado à articulação entre o artesanato tradicional e o mercado urbano: Uma contribuição para o design. Tese (Doutorado em Engenharia Industrial). Escola Politécnica. Universidade Federal da Bahia. Salvador. RESUMO Este trabalho tem como tema a relação entre Design e artesanato desenvolvida através de aplicação e teste de um método de pesquisa aqui denominado de Pesquisa-ação Adaptada, que promoveu a aproximação entre o artesanato produzido por uma comunidade tradicional rural, a Comunidade Quilombola de Giral Grande, e o mercado urbano, representado pelo Hotel Villa Bahia, na cidade de Salvador. O problema que orientou a pesquisa procurou investigar as ações mais adequadas para promover o acesso de produtos artesanais ao mercado urbano preservando as características identitárias da comunidade produtora. A hipótese testada sugeriu que o referido acesso dependeria da aplicação de um método específico de pesquisa capaz de promover a intermediação entre os dois universos e a adequação dos produtos artesanais gerados pela comunidade às exigências do mercado urbano, sem prejuízo de suas características identitárias. A tese defendida foi a de que a aplicação de um método de pesquisa e intervenção em uma comunidade tradicional rural permitiria a organização de formas de acesso de componentes do seu repertório cultural ao mercado urbano, preservando as características identitárias de origem. Seu objetivo geral propôs a aplicação de um método de pesquisa e intervenção capaz de promover o acesso de produtos artesanais oriundos dessas comunidades ao mercado urbano, mediante a intermediação entre esses dois universos e a adequação dos referidos produtos aos requisitos estabelecidos por aquele mercado, preservando as características identitárias do produto da comunidade de origem. O método proposto foi denominado de Pesquisa-ação Adaptada que, tomando como base o método de pesquisa-ação proposto por Thiollent, inseriu e adaptou neste método, de forma interdisciplinar, ferramentas dos métodos da pesquisa etnográfica, da observação participante, do estudo de caso e de metodologias em design. A Pesquisa-ação Adaptada, aplicada na comunidade Quilombola de Giral Grande, permitiu sua intermediação com o mercado urbano e a adequação de um produto do seu artesanato aos requisitos estabelecidos pelo referido estabelecimento hoteleiro. A aplicação do método proposto alcançou como resultados a geração de uma identidade visual aplicada nos produtos artesanais elaborados pela comunidade e a produção de protótipos de peças artesanais requeridas pelo estabelecimento hoteleiro. Estas peças expressaram a preservação da identidade cultural da comunidade de origem resultando na sua aceitação tanto na própria comunidade quanto no mercado urbano. Palavras Chave: Pesquisa-ação, artesanato tradicional, design.

18 18

19 19 TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. The method of Adapted Action-research applied to the relationship between traditional hadicrafts and the urban market: A contribution to the design. Thesis (Ph.D. in Industrial Engineering). Polytechnic School. Federal University of Bahia. Salvador. ABSCTRACT This work has as its theme the relation between design and craftworks developed through application and testing of a research method called here Adapted Action- Research, which promoted the approach between the craftworks produced by a traditional rural community, the Quilombola Community of Giral Grande and the urban market, represented by the Hotel Villa Bahia, in Salvador. The problem that guided the research sought to investigate the most appropriate actions to promote the access of handmade products to the urban market while preserving the identitary characteristics of the producing community. The tested hypothesis suggested that such access would depend on the application of a specific method of research capable of promoting the intermediation between the two universes and the adjustment of handmade products generated by the community to the demands of the urban market, without prejudice to their original identitary characteristics. The argument held was that the application of a research method and the intervention in a traditional rural community would allow the organization of forms of components access of their cultural repertoire to the urban market, preserving the original identitary characteristics. Its general goal has proposed the application of a method of research and intervention capable of promoting the access of handicraft products arising from these communities to the urban market, by the intermediation between these two universes and the adjustment of such products to the requirements set by that market, preserving the identitary characteristics of the product of the original community. The proposed method was called Adapted Action-Research that, based on the method of action-research proposed by Thiollent, inserted and adapted in this method, in an interdisciplinary way, tools ethnographic research methods, of the participant observation, of the case study and of design methodologies. The Adapted Action-Research applied in the Quilombola Community of Giral Grande allowed its intermediation with the urban market and the adjustment of a product of its craftworks to the requirements set by the referred hotel establishment. The application of the proposed method achieved as results the generation of a visual identity applied in handicraft products produced by the community and in the production of prototype of handicrafts pieces required by the hotelier. These pieces expressed the preservation of the cultural identity of the community of origin resulting in its acceptance both in the community and in the urban market. Keywords: Action research, traditional crafts, design.

20 20

21 21 LISTA DE PUBLICAÇÕES EM PERIÓDICOS INDEXADOS TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. CÉSAR, Sandro Fábio. BRAGA, Julio Santana. KIPERSTOK, Asher. O papel do artesanato de retalhos como atividade de subsistência e como afirmação da identidade da comunidade quilombola de Giral Grande. Revista Afro-Ásia. CEAO. Salvador Nº 44, p. 219 a 246. TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. BRAGA, Julio Santana. CÉSAR, Sandro Fábio. KIPERSTOK, Asher. Artesanato e desenvolvimento local: o caso da comunidade quilombola de Giral Grande - Bahia. Revista Interações (Campo Grande). Campo Grande, v. 12 n. 2 p jul./dez TEIXEIRA, Marcelo Geraldo. CÉSAR, Sandro Fábio, KIPERSTOK, Asher. Desenvolvimento de marca de identidade visual para uma comunidade quilombola: o caso de Giral Grande. Revista Educação Gráfica. UNESP. Bauru. V.15 Número 02. p

22 22

23 23 LISTA DE FIGURAS 01 Territórios de Identidade da Bahia Artesanato Tradicional de Maragogipinho Cerâmica no distrito de Coqueiros Exemplos de artesanato de retalhos Mapa do Recôncavo da Bahia Distribuição quantitativa das Comunidades Quilombolas nas regiões do Brasil Distribuição geográfica das Comunidades Quilombolas na Bahia O entrudo no Rio de Janeiro, Artesanato em fibra e palha de bananeira, produzido por Comunidades 47 Quilombolas do município de El Dourado (SP) 10 Artesanato produzido por Comunidades Quilombolas do Rio Grande do Sul Artesanato em fibra e palha de bananeira produzido pelas Comunidades 49 Quilombolas do Vale do Ribeira (SP) 12 Artesanato de cerâmica produzido pela Comunidade Quilombola de Muquém Artesanato em casca de castanha-do-pará, produzido pelas Comunidades 50 Quilombolas de Oriximiná (PA) 14 A relação entre as dimensões do desenvolvimento sustentável Proposta de metodologia de Design de Morris (2010) Proposta de metodologia de Design de Ambrose e Harris (2011) Proposta de metodologia de Rozenfeld et al (2006) Representação gráfica da síntese metodológica do Design Proposta de Thiollent de metodologia de Pesquisa-ação Trabalho de artesã do Projeto KRE KYGFY Cesta produzida no Projeto KRE KYGFY Fases do planejamento da pesquisa-ação adaptada Mapa da localização do município de Maragojipe Paisagens das cercanias de Giral Grande com destaque do Rio Paraguaçu Estrada de terra que dá acesso à comunidade Casa Principal de Giral Grande, considerada como sede da comunidade Demais casas localizadas na frente da comunidade Parte das etapas de fabricação de blocos de adobe Casas de adobe da comunidade Atividades econômicas de subsistência e comercial da comunidade Peças do artesanato de retalhos Localização do Hotel Villa Bahia Os dois prédios do Hotel Villa Bahia no Terreiro de Jesus, Centro Histórico Cabeceira de cama de casal feita a partir de porta de igreja descartada Mesa para lavatório feita a partir de bancada de marcenaria descartada Pia / lavatório duplo, feito a partir de coxo de madeira para alimentação de 124 porcos. 37 Um dos modelos de colchas brancas usadas nas unidades habitacionais Exemplos do enxoval anterior, com estampas coloridas A artesã Tânia Calheiros Algumas peças do artesanato com retalhos Exemplos de pelego feitos no local Venda de retalhos nas feiras livres do município de Maragojipe Seleção de matéria prima nas feiras livres de Maragojipe Cadernos de desenho com os esboços da artesã Detalhes de algumas colchas de pelego Seqüência do processo de criação e produção de um edredom a partir da 139 união de formas geométricas retangulares ou triangulares 47 Partes de edredons finalizados O sistema produtivo do artesanato de retalho Colcha mostrada à gerencia do hotel como exemplo do Artesanato de 146 Retalhos de Giral Grande 50 Edredom feito por comunidade tradicional rural do estado de Minas Gerais 146

24 24 51 Colcha de cama feita em algodão cru e bordados, feito por uma comunidade 147 tradicional rural do estado de Minas Gerais 52 Momentos da visita da artesã ao estabelecimento hoteleiro Alguns dos painéis de exemplos de identidade visual apresentados aos 160 habitantes de Giral Grande 54 Tipos de letra apresentados à comunidade Pranchas com alguns dos esboços feitos à mão livre Etapas de construção da identidade visual Alternativas apresentadas à comunidade Alternativa final escolhida pela comunidade Aplicação de cores na identidade visual Imagens digitalizadas das etiquetas para o artesanato de retalhos Desenhos das alternativas, realizados pela artesã Partes da etapa produtiva Partes da etapa produtiva: trabalho manual Partes da etapa produtiva: aplicação das etiquetas Apresentação do protótipo Azul Apresentação do protótipo Quadrados Brancos O protótipo 1, batizado pela artesã como Quadrados Brancos O protótipo 2, batizado como Caminhos Brancos O protótipo 3, batizado como Azul Momento da entrega dos protótipos no hotel 183 LISTA DE QUADROS 01 Características de uma cultura tradicional Tipos de artesanato em municípios do Recôncavo Comunidades certificadas na Bahia entre 2004 à Características do artesanato produzido pelas Comunidades Quilombolas 52 exemplificadas 05 Componentes culturais preservados pelas Comunidades Quilombolas que as 53 caracterizam como comunidades de cultura tradicional 06 Evolução do conceito de Design Sustentável e alguns conceitos correlatos Produtos de design inspirados em produtos tradicionais Proposta de adaptação da pesquisa-ação de Thiollent Componentes da pesquisa-ação adaptada Roteiro de entrevistas semi-estruturadas a ser aplicado na FASE I Roteiro de entrevistas semi-estruturadas a ser aplicado na FASE II Plano de ação Roteiro de entrevistas semi-estruturadas a ser aplicado na FASE IV Características da Cultura Tradicional Quilombola identificadas no 145 artesanato de retalhos de Giral Grande 15 Requisitos técnicos para a produção dos protótipos Etapas metodológicas do desenvolvimento da identidade visual Roteiro da entrevista semi-estruturada Confrontamento das sugestões conceituais com os requisitos técnicos e 163 funcionais 19 Seqüência das ações durante o processo criativo e produtivo dos protótipos 170

25 25 ABREVIAÇÕES INCRA UH CAPA ONG ISA ARQMO PET LBA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Unidade Habitacional Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor Organização Não Governamental Instituto Socioambiental Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná Politereftalato de Etileno Legião Brasileira de Assistência

26 26

27 27 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE PUBLICAÇÕES LISTA DE FIGURAS LISTA DE QUADROS ABREVIAÇÕES 1 INTRODUÇÃO O TEMA PROBLEMÁTICA E TESE OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos UNIVERSO E NATUREZA DA PESQUISA Universo da pesquisa Natureza da pesquisa DELIMITAÇÃO DA PESQUISA JUSTIFICATIVA INEDITISMO, ORIGINALIDADE E ADERÊNCIA AO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO LINHA DE TEMPO DA PESQUISA 10 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS ABORDAGENS SOBRE CULTURA E ARTESANATO A cultura: um processo dinâmico Manifestações da cultura Tradição e cultura tradicional Território de Identidade Artesanato e seu significado cultural Produção artesanal e mercado O artesanato de retalhos de tecidos ABORDAGENS SOBRE O RECÔNCAVO DA BAHIA E SUA PRODUÇÃO ARTESANAL Caracterização geográfica Contexto sócio-econômico Artesanato e política cultural no Recôncavo atual ABORDAGENS SOBRE COMUNIDADES QUILOMBOLAS Distribuição das comunidades quilombolas no Brasil e na Bahia Caracterização da Cultura Quilombola Exemplos de artesanato produzido por Comunidades Quilombolas contemporâneas Elementos comuns identificados no artesanato produzido pelas Comunidades Quilombolas exemplificadas ABORDAGENS SOBRE DESENVOLVIMENTO LOCAL Desenvolvimento Sustentável e Desenvolvimento Local Relações com a cultura 55

28 ABORDAGENS SOBRE DESIGN Design, sustentabilidade e cultura Relações interdisciplinares entre Design e Antropologia Cultural 69 3 FUNDAMENTOS METODOLOGICOS METODOLOGIAS DE DESIGN PESQUISA-AÇÃO PESQUISA ETNOGRÁFICA Pesquisa etnográfica e design O Informante Chave na Pesquisa Etnográfica Seleção de ferramentas da pesquisa etnográfica OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE ESTUDO DE CASO PESQUISA DOCUMENTAL 92 4 MÉTODO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA ADAPTAÇÕES NO MODELO DE PESQUISA-AÇÃO FERRAMENTAS METODOLÓGICAS USADAS NA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA PLANEJAMENTO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA DETALHAMENTO DAS AÇÕES NAS FASES DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA APLICAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO ADAPTADA FASE I - EXPLORATÓRIA Contextualização e características da cultura da Comunidade Quilombola de Giral Grande Contextualização e características do estabelecimento hoteleiro FASE II ESTUDO DE CASO A artesã como indivíduo representativo e estudo de caso Características e identidade do artesanato de retalhos O processo criativo da artesã O processo produtivo da artesã FASE III PLANO DE AÇÃO Necessidades e requisitos estabelecidos pelo Hotel Intermediação: Visita da artesã ao hotel Requisitos do hotel para o desenvolvimento da adequação Adequação de produtos do artesanato de retalhos Desenvolvimento da identidade visual para Giral Grande Fundamentação teórica Desenvolvimento da identidade visual Aplicação da identidade visual em etiquetas Finalização da etapa de desenvolvimento da identidade visual Desenvolvimento dos protótipos FASE IV - RESULTADOS Apresentação e resultados dos protótipos na comunidade Apresentação e resultados dos protótipos no hotel Avaliação geral dos resultados alcançados Feedback Resultados Esperados Possíveis efeitos colaterais 189

29 29 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICA 193 REFERÊNCIAS 195 APÊNDICES 215

30 1 1 INTRODUÇÃO 1.1. O TEMA Esta tese tem como tema a relação entre design e artesanato na perspectiva de uma proposta metodológica que possibilite o acesso da produção artesanal de comunidades rurais ao mercado urbano, contribuindo para a organização do processo de aproximação desses dois universos e as adequações que se fizerem necessárias. A referência teórica mais abrangente que fundamenta a pesquisa relaciona-se com a cultura, como o universo geral dentro do qual se inscrevem as diferentes expressões de linguagem, artes, literatura, crenças, festas e técnicas de produção, dentre outras. Nesse contexto cultural ocorre a relação do design com o artesanato, focalizada neste trabalho. Ambos representam expressões da cultura. O design pode ser entendido como uma atividade interdisciplinar que envolve processos criativos, conhecimentos técnicos, contextos culturais e fatores humanos dentre outros, voltados para a satisfação de necessidades e desejos individuais e coletivos. Morris (2009, p. 6) entende que para alguns o Design tem a ver com criatividade e criação. Para outros, é uma habilidade ou uma arte. E ainda há quem afirme que o processo é tudo. Seu caráter interdisciplinar e flexível constitui-se em um dos instrumentos para a criação, renovação, inovação e agregação de valor a produtos novos ou já existentes, a exemplo de produtos artesanais. O artesanato, por sua vez, pode ser entendido como uma atividade que engloba múltiplos aspectos, quais sejam: expressão de identidade, fonte de trabalho e renda, atividade lúdica e zelo pela manutenção de uma tradição. Sua prática está diretamente associada ao contexto cultural onde acontece e, portanto, podem ser encontradas diferentes formas de produção, técnicas de execução, materiais utilizados, significados atribuídos, formas de participação comunitária e distribuição dos benefícios dele decorrentes.

31 2 A atividade artesanal expressa componentes tanto da cultura material quanto da imaterial da comunidade que a pratica. O artesanato, como parte ativa e criadora de cultura material, é movido pela arte do saber e do fazer, influenciado pelo ambiente, pela cultura e pelas tradições locais (POUSADA, 2005, p. 39). Representa, também, elementos da cultura imaterial ao reunir tradições, significados e saberes preservados. A manutenção e a preservação dos saberes tradicionais significam, por conseguinte, um dos principais fatores para o reconhecimento da identidade cultural de uma comunidade e também como uma oportunidade para o aumento de sua renda. Para Alcalde, Le Bourlegat e Castilho (2007), a atividade artesanal está ligada aos recursos naturais, ao estilo de vida e à prática do comércio com as comunidades vizinhas, nas quais a aprendizagem é adquirida pela vivência e imitação da prática e do manejo de materiais e ferramentas (ALCALDE, LE BOURLEGAT e CASTILHO, 2007). Ricci e Sant Ana (2009, p. 95) e Santos et al (2010, p. 1-2) explicam que o artesanato pode ser considerado como um elemento impulsionador de desenvolvimento local, incentivando o trabalho comunitário e promovendo projetos que possibilitam o escoamento de grande parte da produção do artesanato e, principalmente, valorização do território e da cultura tradicional, contribuindo, assim, para fortalecer a consciência de identidade cultural local. Castilho, Arenhardt e Le Bourlegat (2009, p.161.) consideram o desenvolvimento local como um processo de transformação, envolvendo o ser humano como o principal beneficiário de mudança, numa perspectiva de melhoria da qualidade de uma comunidade. Portanto, o contexto cultural de comunidades rurais composto por saberes, práticas, tradições, relações sociais e formas de produzir contém elementos que dão sustentação à busca por soluções para as necessidades e desejos de seus membros. Nesta tese, a articulação entre design e artesanato está estudada em dois universos. O primeiro referente a uma comunidade tradicional rural, a Comunidade Quilombola de Giral Grande, localizada no município de Maragojipe, no Recôncavo da Bahia. Trata-se de uma comunidade que luta com dificuldades para a solução de problemas estruturais e cotidianos, tais como habitação, saneamento e saúde. Ali se encontra a produção de artesanato com aproveitamento de retalhos de tecidos que, ao lado de outras práticas artesanais e outras atividades de subsistência, contribui para a pequena renda responsável pela sobrevivência dos seus membros.

32 3 O segundo, relativo a um Hotel situado no Centro Histórico de Salvador, foi escolhido na pesquisa por promover uma política interna que põe em relevância valores de culturas tradicionais contidos em produtos artesanais. Essa política de valorização de artesanato com função decorativa oportunizou a aceitação da produção artesanal da comunidade de Giral Grande, trazendo perspectiva de trabalho e renda para seus membros PROBLEMÁTICA E TESE A possibilidade de acesso de produtos artesanais de comunidades rurais ao mercado urbano constitui-se numa perspectiva de ampliação das oportunidades de trabalho e renda para os seus produtores. Considera-se que o contexto cultural responsável por expressões tais como o artesanato contém elementos capazes de oferecer soluções para problemas e necessidades que ocorrem. Todavia, nem sempre os produtos apresentados atendem ao exigido pelo mercado urbano, considerando-se aí questões de plástica, acabamento, materiais utilizados, durabilidade, dimensões entre outros fatores. Por outro lado, o atendimento às necessidades do mercado urbano não deve anular a necessidade de que a identidade cultural dos produtores seja preservada, visto que a preservação das características está na base da possibilidade de identificação do artesanato como expressão de uma cultura e, por isso mesmo, como um valor agregado à produção. Diante destas questões, levanta-se o seguinte problema: Problema: que ações devem ser propostas para promover o acesso de produtos artesanais de comunidades tradicionais rurais ao mercado urbano, considerando-se os requisitos desse mercado e a necessidade de se preservarem as características identitárias dos seus produtores? Hipótese: o acesso de produtos artesanais de comunidades tradicionais rurais ao mercado urbano depende da aplicação de um método de pesquisa que permita a intermediação entre os dois universos e a adequação daqueles produtos às exigências do mercado, preservando-se as características identitárias da cultura da comunidade produtora. Tese: A tese defendida neste trabalho é a de que a aplicação de um método de pesquisa e intervenção em uma comunidade tradicional rural permite a organização de formas de acesso de componentes do seu repertório cultural ao mercado urbano, preservando-se as características identitárias de origem.

33 OBJETIVOS Objetivo Geral Propor um método de pesquisa e intervenção capaz de promover o acesso de produtos artesanais oriundos de comunidades tradicionais rurais ao mercado urbano mediante a intermediação entre os dois universos e a adequação dos referidos produtos aos requisitos estabelecidos por aquele mercado, preservando-se as características identitárias do produto da comunidade de origem Objetivos Específicos Desenvolver um método de pesquisa que articule dados qualitativos e procedimentos de design voltados para o desenvolvimento de ações de caráter comunitário e mercadológico; Aplicar o método desenvolvido aos dois universos selecionados articulando-os em torno de uma produção artesanal; Apresentar produtos artesanais que respondam a requisitos estabelecidos pelo mercado urbano sem prejuízo das características identitárias da comunidade produtora; Validar os produtos gerados junto à comunidade produtora e ao mercado urbano, de modo a verificar sua coerência com as características e requisitos existentes nos universos estudados UNIVERSO E NATUREZA DA PESQUISA Universo da pesquisa O universo da pesquisa abrange dois espaços: O primeiro é o de uma comunidade tradicional rural, aqui representada pela Comunidade Quilombola de Giral Grande, localizada na área rural do município de Maragojipe, no Recôncavo Baiano. O segundo é um estabelecimento do mercado urbano, aqui representado pelo Hotel Villa Bahia, situado no Centro Histórico de Salvador.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS

O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS O GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARTÍSTICO-CULTURAIS Helio Ricardo Sauthier 74 Ms. Maria Cristina Queiroz Maia 75 Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes - GIPA/FAP Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Sheila Maria Doula Ana Louise de Carvalho Fiuza Wander Torres Costa Alexandra Santos Programa de Pós-graduação e Extensão Rural UFV/Brasil

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Claire Cerdan CIRAD-UFSC Introdução Ilustrar o uso do patrimônio cultural como elemento

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais