COOPERCAM: Ferramenta para a comercialização de produtos da reforma agrária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERCAM: Ferramenta para a comercialização de produtos da reforma agrária"

Transcrição

1 COOPERCAM: Ferramenta para a comercialização de produtos da reforma agrária Elisângela Bellandi Loss¹ Keitilanger Grisa Hahn¹ Marcelo Roger Meneghatti¹ Michelle De Medeiros Carvalho 1 Allan Denizzard Limeira Coutinho 2 Wilson João Zonin 3 ¹ Mestrando(as) em Desenvolvimento Rural Sustentável UNIOESTE. 2 Engenheiro Agrônomo Fundação Terra. 3 Professor Adjunto do Programa Pós Graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável - UNIOESTE. Resumo: O presente artigo relata um estudo realizado no Assentamento Antônio Companheiro Tavares, localizado em São Miguel do Iguaçu, com 80 famílias. O processo de organização, formação com foco na produção, e comercialização dos produtos, culminou na constituição de uma cooperativa de Assentados da Reforma Agrária, denominada COPERCAM (Cooperativa de Industrialização e Comercialização Camponesa), criada em 2009, a partir da integração entre as associações dos assentamentos da região Oeste-PR, a ACAPA (Associação de Cooperação Agrícola e Prestação de Serviços em Defesa da Agroecologia) em Diamante do Oeste, ACASI (Associação de Cooperação Agrícola Santa Izabel) em Ramilândia, ACARP Oeste (Associação de Cooperação Agrícola dos Assentamentos da Reforma Agrária do Oeste do Paraná) em Cascavel, e pelo ITEPA (Instituto Técnico de Educação e Pesquisa da Reforma Agrária) em São Miguel do Iguaçu. O objeto desta pesquisa foi de compreender o contexto, potencialidades e limitações desta experiência bem sucedida de Reforma Agraria. A metodologia utilizada compreendeu uma visita ao assentamento, entrevista com informantes-chave, no contexto de um estudo de caso, aplicando através da técnica de análise SWOT. Evidenciou-se que a principal potencialidade do

2 assentamento é a produção leiteira, com uma média de 15 mil litros ao dia, destaca-se também que a oportunidade do mercado institucional (PAA Programa de Aquisição de Alimento, e PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar), proporcionou melhoria de renda e inclusão das famílias no mercado. Porém o estudo mostrou que fazse necessário atuar na mudança da matriz tecnológica e adequação dos produtos para atender esse mercado. Também existem inúmeros desafios, como a estruturação da logística, legislação sanitária, tributária e fiscal que incide sobre os produtos. Mas os avanços com a organização através de cooperativa permitiu o acesso ao mercado, principalmente, institucional, tornando-se uma ferramenta essencial para a viabilização das propriedades que possibilita o aumento da renda e qualidade de vida às famílias, mostrando-se um caminho promissor na busca do desenvolvimento sustentável. Formatado: Português (Brasil) Palavras chaves: Cooperativismo, Políticas Públicas, PNAE e PAA. 1. INTRODUÇÃO No decorrer dos anos, historicamente, o Brasil passa por modificações em seu contexto, por interferências politicas, econômicas e dos movimentos sociais, que requer a estruturação e construção de novas políticas e estratégias de trabalho. Os movimentos sociais exercem papel fundamental, seja na pressão feita ao Estado, ou nas proposições de mudanças. Pode-se citar o Movimento Sem Terra MST, que desde o final da década de 70, luta pela reforma agrária do País, a história do movimento, tem origem nos fatores de desigualdade na distribuição territorial do país, de onde surge também a ideia de grandes latifúndios que muito ao contrário do que se prevê, nem sempre são sinônimos de grandes e sustentáveis produções as quais sustentam a população de maneira justa. Neste histórico de luta, em 2002, surge é formadoconquistou-se o Assentamento Antônio Companheiro Tavares, localizado em São Miguel do Iguaçu, com 80 famílias, que somadas as demais assentadas na região Oeste do Paraná, iniciam a constituição de um Instituto Técnico de Educação e Pesquisa da Reforma Agrária (ITEPA), como ferramenta na área educacional dos jovens, com capacitação aos assentados da Reforma Agrária como uma nova possibilidade de atividades produtivas nas áreas de assentamentos rurais, e com a promoção de diversas áreas, como por exemplo, a agroecologia, visando o desenvolvimento e permanência destas famílias nas áreas

3 rurais. Isso somente é possível através de organização e politicas estruturantes, como de crédito, formação e capacitação e acesso ao mercado (PDA, 2005). Este artigo tem como objeto compreender o contexto, potencialidades e limitações da experiência do Assentamento Antônio Companheiro Tavares, localizado em São Miguel do Iguaçu, com 80 famílias e o processo de organização, formação com foco na produção, e comercialização dos produtos, que culminou na constituição de uma cooperativa de Assentados da Reforma Agrária, denominada COPERCAM (Cooperativa de Industrialização e Comercialização Camponesa). 2. MODELO ORGANIZACIONAL E POLÍTICO As cooperativas facilitam o acesso às políticas públicas, incentivam o processo de organização social e econômica nos diferentes níveis. Segundo Banco Mundial, (BÚRIGO, 1999), seria difícil encontrar um sistema mais eficaz do que o cooperativismo para encorajar e estimular a participação ativa das populações e a realização de um programa de desenvolvimento rural. E quando organizadas em rede do cooperativismo propõe a construção das grandes diretrizes norteadoras com a ativa participação de associados, dirigentes, colaboradores e entidades parceiras. As decisões e ações são de forma descentralizadas, o que oferece abertura para adaptação às especificidades locais, como definido por Rech (2009), o cooperativismo é uma das formas mais apropriadas de organização das pessoas (ação coletiva) para vencer um objetivo comum, resultantes de suas próprias necessidades na busca de solucionar ou aliviar o peso dos problemas que o grupo enfrenta. O cooperativismo segundo Álvares (2007), é uma ferramenta para promover uma nação mais desenvolvida e socialmente mais justa, com uma melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), devido que no cooperativismo o capital humano é mais importante do que o capital financeiro, assim quando uma cooperativa cresce seus ganhos são compartilhados, compatibilizando o crescimento da economia com a distribuição de renda. Um dos princípios do cooperativismo está na educação, que é um processo social imprescindível na vida das pessoas e a cooperação, como um processo social, produz educação, desta forma a, a organização cooperativa, além de outras finalidades

4 como a econômica, tem um lugar social para a educação cooperativa, a qual se encontra baseada nos valores fundamentais do cooperativismo (BASSO, 2010). Na construção desta forma organizativa diferente, como o cooperativismo, nasce o debate por políticas públicas que atendam as demandas desta nossa forma de organização, visando a viabilização das atividades produtivas, através do acesso ao crédito, ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) e comercialização. As políticas públicas, voltadas para a agricultura familiar, no Brasil, iniciaram debates em meados da década de 90, através da implantação do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), que trouxe modificações e a constituição da rede de políticas para a agricultura, incorporando atores que até então estavam excluídos aos acontecimentos que modelavam as políticas para o setor (MDA, 2011). E a partir de 2000, intensificou-se a construção de políticas de comercialização da produção, acesso a mercados e garantia de preços como as grandes bandeiras de lutas movimentos de agricultores familiares. Esta mudança de rumo no enfoque das políticas públicas para o rural,iniciou-se com as ações de intervenção na estrutura fundiária e reassentamento de agricultores, passando pela extensão dos direitos previdenciários (aposentadorias rurais) e chegando à agricultura familiar, através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar em 1996, e de vários outros programas e ações, muitos deles conexos ao Pronaf (MULLER, 2007). Mesmo a agricultura familiar sendo um segmento majoritário e que carrega uma grande heterogeneidade, a conquista deste espaço e das políticas públicas para a agricultura, bem como o seu próprio conceito, somente ocorreu e foi definido pela Lei Nº /2006, a qual estabeleceu e regulamentou a profissão de Agricultor Familiar (MDA, 2011). Essa a luta por políticas públicas diferenciadas foi contínua, neste contexto debateu-se sobre assessoria técnica e principalmente, acesso a mercados. Quanto a politicas públicas para acesso a mercado, a primeira política lançada pelo governo, o PAA, que foi instituído pela Lei , de 2 de julho de 2003 (BRASIL, 2003), como uma ação estruturante do Programa Fome Zero. Teve como principal objetivo garantir a comercialização dos produtos da agricultura familiar, através do estabelecimento de preços mínimos a serem praticados com a garantia de compra, ao mesmo tempo em que articulou esta produção com os mercados institucionais e/ou para formação de estoques, atendendo aos princípios da segurança alimentar.

5 Este Programa atua na comercialização dos produtos da agricultura familiar ao viabilizar canais de escoamento da produção e assegurar preços justos para os produtos, questões estratégicas, de conectar a demanda por alimentos criada ou estimulada pelos programas públicos o chamado mercado institucional de alimentos. É operado pela CONAB, onde através de projetos de venda, adquire os alimentos de agricultores familiares para formação de estoques estratégicos e atendimento a pessoas e populações em situação de insegurança alimentar (CONAB, 2012). Avaliações sobre este Programa indicam sua contribuição sobre a alteração da matriz produtiva (diversificação, produção ecológica etc.) e de consumo (mudança dos hábitos alimentares), valorização dos produtos dos territórios, recuperação dos preços regionais e garantia de renda, construção de novos canais locais de comercialização, atendimento de populações urbanas e rurais; formação de estoques estratégicos; melhoria da qualidade dos produtos; fortalecimento do associativismo e cooperativismo; e fortalecimento das organizações sociais. Existem algumas limitações que afetam sua operacionalização, como: dificuldades na organização e planejamento da produção agrícola, falta de assistência técnica, obstáculos no acesso à DAP (Declaração de Aptidão do PRONAF), atraso na liberação dos recursos e problemas de logística (transporte e armazenamento dos alimentos). Porém o PAA é uma forma de inclusão dos agricultores familiares no mercado e faz-se necessário que estes não se tornem dependentes deste mercado institucional como a única opção de comercialização de seus produtos (CONAB, 2012), ainda mais que esse é um programa e não uma política pública regulamentada por lei. Com esta justificativa de consolidar politicas públicas de comercialização, em 2009, os movimentos sociais pressionaram o governo a institucionalizar o PNAE como política pública, publicando da Lei nº /2009. Este avanço possibilitou um amplo diálogo com os setores da educação de forma a conectar estes dois importantes atores da política nacional (agricultura e educação). O PNAE existe a mais de cinquenta anos no Brasil, e foi sendo reformulado e atualizado ao longo destes anos. Pois as compras de produtos alimentares eram feitas através de licitações com as grandes empresas, que muitas vezes não eram do local. Com a publicação da Lei em 2009, esta realidade começou a ser transformada (FNDE, 2011). Esta lei determina, em seu artigo 14, a utilização de, no mínimo, 30% dos recursos repassados pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) para alimentação escolar, a compra de produtos da agricultura familiar e do

6 empreendedor familiar rural ou de suas organizações, priorizando os assentamentos de reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas. A aquisição de gêneros alimentícios deve ser local, e quando isso não for possível, a demanda deve ser complementada com a produção familiar da região, território rural, estado e país, nesta ordem de prioridade (FNDE, 2011). Porém, para promover essa conexão entre a agricultura familiar e a alimentação escolar, é preciso observar os princípios e as diretrizes estabelecidos pelo PNAE: (i) alimentação saudável e adequada; (ii) respeito à cultura, às tradições e aos hábitos alimentares saudáveis; (iii) controle social; (iv) segurança alimentar e nutricional; (v) desenvolvimento sustentável, que significa adquirir gêneros alimentícios diversificados, produzidos localmente (MDA, 2011). Do ponto de vista da produção da agricultura familiar, essa conexão ajuda a, (i) garantir acesso á venda no mercado institucional, viabilizando o inicio de processos de aprendizagem de relacionar-se com o mercado (desenvolvimento de marcas, noções de qualidade, frequência, e outras); (ii) na garantia da segurança alimentar com produção regional, fortalecendo a diversificação produtiva; (iii) na geração de renda e agregação de valor, fortalecendo as economias municipais; (iv) na sustentabilidade do modelo de desenvolvimento com fortalecimento do associativismo e cooperativismo (MDA, 2011). O PNAE veio em complementaridade ao programa do PAA, pois aqueles grupos que já comercializam para o PAA até o limite de R$ 5.500,00 (acesso invididual) e R$ 6.500,00 (se acessado através de cooperativas), poderão fornecer também para o PNAE, com o limite de R$20.000,00 por família/ano (FNDE, 2012). Com a aplicabilidade da lei, os municípios procurarão comprar os produtos dos agricultores familiares, fazendo com que o recurso permaneça dinamizando a economia local, e ofertando produtos que pertençam ao hábito alimentar local (FNDE, 2012). Grande desafio está na organização dos agricultores e de suas entidades representantes para avançar no processo de acesso as políticas públicas, além dos entraves existentes para a consolidação destas ações. A inclusão dos agricultores faz parte do processo de construção de uma sociedade mais digna e justa para todos. Contudo, assim como no PAA, são enormes os desafios operacionais do PNAE (falta de conhecimento do programa e do mercado, carência de estruturas e logística, falta de integração com outras políticas públicas etc.). Além disso, é preciso fortalecer as organizações dos agricultores e o controle social de ambos os Programas, impedindo

7 que sejam apropriados por práticas clientelistas das instituições locais ou reproduzam velhos mecanismos de comercialização. O orçamento total do FNDE em 2012 foi de quase R$ 3,5 bilhões por ano. A fatia de 30% que deve ser direcionada para a agricultura familiar pode chegar, portanto, a R$ 1 bilhão. Sendo uma grande oportunidade de mercado para a agricultura familiar (FNDE, 2012). 3. METODOLOGIA A COOPERCAM, sediada no município de São Miguel do Iguaçu na Região Oeste do Estado do Paraná, foi escolhido como objeto de estudo por refletir a realidade de inúmeros agricultores familiares rurais, com dificuldades que retratam uma grande maioria de pequenas propriedades e suas dificuldades em cultivos, produção e comercialização dos produtos, os quais dão origem às fontes de renda e sustento das famílias inseridas neste meio. Para garantir a idoneidade das informações e a sua clareza, foi aplicado junto aos membros desta entidade um questionário aberto, de forma oral, ou seja, uma entrevista pré-definida e semi-estruturada, dando ênfase a uma análise qualitativa, adaptadas às circunstâncias da aplicação. Tais métodos foram gravados e filmados para garantir a clareza e a verdade das informações (TRIVIÑOS,1987, p. 146). Foram entrevistadas diretamente duas pessoas, as quais são responsáveis técnicos pelo instituto e conhecedores da situação em que o mesmo se encontra e das rotinas e tarefas executadas pela COOPERCAM. Em um segundo momento, utilizou-se de pesquisa bibliográfica com o intuito de uma maior compreensão e explanação conceitual do objeto de pesquisa e do tema em questão, nela se procurou facilitar o conhecimento das causas que levam a existência primeira do objeto de estudo e fatores que devem gerar uma análise, utilizando a técnica da analise de SWOT. A análise SWOT é uma técnica que sintetiza os principais fatores internos e externos das organizações empresariais e sua capacidade de influenciar uma tendência de buscar maior impacto no desenvolvimento da estratégia (JOHNSON et. al, 2007). O objetivo desta ferramenta é identificar o grau em que as forças e fraquezas atuais são relevantes para, e capazes de lidar com as ameaças ou capitalizar as oportunidades no ambiente empresarial (JOHNSON et al, 2007).

8 4. O ASSENTAMENTO ANTÔNIO TAVARES Durante a década de 1980, a então Fazenda Mitakoré, sob a propriedade do político paranaense José Eduardo de Andrade Vieira - mais conhecido como Zé Eduardo (PTB) - ganhou diversos prêmios internacionais de produção de grãos. A Mitakoré se destacava por ser uma fazenda modelo na produção de soja, aveia e girassol. Foi considerada, nos padrões da Revolução Verde, de alto padrão tecnológico, com uso intensivo de fertilizantes químicos, agrotóxicos, sementes híbridas e outras (SOUZA, 2010). Devido ao grande número de dívidas contraídas pelo político londrinense, a Fazenda Mitakoré foi expropriada, na década de 1990, pelo Banco Bamerindus entidade bancária a qual Zé Eduardo tinha hipotecado a propriedade; esse banco, porém, veio a ser posteriormente liquidado pelo Banco Central, como parte de uma dívida que havia contraído com os cofres da União (PDA, 2005). Especulava-se na época que a área da Fazenda Mitakoré seria leiloada ou direcionada pela União para outras atividades, seja para fins de pesquisa ou exploração agrícola convencional. Foi nessa conjuntura, em 1997, que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) da região viu na área a possibilidade de implementar mais um assentamento de Reforma Agrária, quando um grupo de aproximadamente 380 famílias ocuparam à Fazenda Mitakoré, buscando dar uma função social a ela, que até aquele momento não era cumprida. Em 2000, as famílias acampadas ocuparam a totalidade da área, que incluiu a sede da fazenda. Somente após cinco anos de resistência a área foi destinada à Reforma Agrária, no dia 17 de outubro de 2002, passando então a receber o nome de Projeto de Assentamento Antônio Companheiro Tavares (SOUZA, 2010). Por esse histórico, o assentamento possui características distintas dos demais, principalmente por sua localização privilegiada, próximo a grandes centros populacionais, facilidade de acesso ao transporte da produção o que potencializa a comercialização regionalmente. Também possui relevo plano e solos férteis com predominância de Latossolo Vermelho Distroférrico classificado pela EMBRAPA. Com área total do Assentamento é de 1.098,91 hectares, com 80 famílias assentadas, sendo que cada uma possui em média 10 hectares (PDA, 2005).

9 Com a nova possibilidade de desenvolver atividades produtivas na área, surge a necessidade de promover ações educativas e capacitação para assentados e acampados da Reforma Agrária e a seus filhos, constituiu-se em 2000, o Instituto Técnico de Educação e Pesquisa da Reforma Agrária (ITEPA), promovendo capacitações em diversas áreas do conhecimento técnico, científico e humano, tais como a promoção e desenvolvimento da Agroecologia, por meio da condução de pesquisas e estudos que contribuiram para o desenvolvimento das famílias, e a criação de iniciativas de agroindustrialização para geração de agregação de valor e maior viabilidade econômica das famílias assentadas da Reforma Agrária. Para cumprir esses objetivos, foi destinada ao ITEPA uma área de 162 hectares, localizado na área da antiga fazenda e atualmente pertencente ao Assentamento Antônio Tavares. O ITEPA mantém em sua estrutura a Escola José Gomes da Silva, responsável pela realização de dois cursos técnicos integrados, sendo um deles o Curso Técnico em Agroecologia, voltado à área de Saúde Comunitária, que já formou inúmeros educandos/as. Ambos os cursos foram realizados em parceria com a ETUFPR (Escola Técnica da Universidade Federal do Paraná), através da pedagogia da alternância, sendo divididos em tempo escola e tempo comunidade (SOUZA, 2010). Este período de capacitação e pesquisa refletiu de forma positiva e decisiva nas atividades produtivas adotadas pelas famílias assentadas, que buscam na agroecologia práticas mais sustentáveis, e como a especialização na bovinocultura leiteira, atividade que predomina entre as famílias, atingindo a produção de litros de leite/dia, sendo coletado por caminhão próprio da associação, que comercializa volume maior junto as empresas, agregando maior valor ao produto, atualmente com preço médio de R$ 0,80/litro. O grande desafio está no desenvolvimento de projetos de leite orgânico, que já possui 6 famílias em fase de certificação pela Rede Ecovida de Agroecologia. Com o aumento da produção, ações na área de comercialização e agroindustrialização estão sendo fomentadas, não somente na cadeia leiteira, mais na diversificação da produção. Como a intensificação da fruticultura e em panifícios, buscando agregação de valor e oportunidade de comercialização junto ao mercado institucional (PAA e PNAE). Porém faz-se necessário, além da luta política, ou seja, bandeira de luta, a legalização da comercialização, com a constituição de uma cooperativa, como ferramenta de desenvolvimento para os assentamentos. 5. A COOPERCAM

10 Das relações políticas fortes e atuantes do movimento, surge a cooperativa, que nada mais é o resultado de uma organização e uma ferramenta para acesso a comercialização. Tendo como principal objetivo organizar a produção para a comercialização. Frente a esse desafio, em 2009 é fundada a COOPERCAM, que surge da organização associativa entre a Associação de Cooperativas Agrícola e Prestação de Serviços em Defesa da Agroecologia ACAPA e o Instituto Técnico de Educação e Pesquisa de Reforma Agrária ITEPA. Entretanto, essa cooperativa, possui abrangência regional, e cooperados de diversos assentamentos da região. Atualmente possui 401 associados, dos quais 360 assentados e 41 agricultores familiares que comercializam junto ao mercado institucional. Destes, 350 famílias comercializam através do PAA e as demais no PNAE. Mais tem um enorme potencial de ampliação do quadro social, como expresso na tabela 1, devido a articulação que realiza e o número de assentamentos na Região Oeste do Paraná. Tabela 1. Relação de municípios, assentamentos e números de famílias assentadas na Região Oeste do Paraná. Fonte: COOPERCAM, Em 2013, com projetos já aprovados a cooperativa irá comercializar R$ 3 milhões através do PAA, e mais de R$ 570 mil no PNAE estadual, além da perspectiva de acessar a novas modalidades como a compra institucional, venda a presídios, universidades, hospitais, restaurantes populares. A cooperativa tem diversificado a produção, comercializando, principalmente o leite, frutas, carne, verduras, soja. Buscando melhoria na produção, preocupando-se com

11 a produção de alimentos limpos e a sustentabilidade das famílias. As famílias estão organizadas em grupos produtivos, que possui um coordenador, que tem a função de participar em conjunto com o setor produtivo da cooperativa na definição do planejamento de plantio e culturas. Através de parcerias, a cooperativa busca atender as demandas do seu quadro social, como o apoio da ITAIPU Binacional para assessoria técnica, através de convênio com o CAPA Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor. Também possui dentre seus cooperados, técnicos que desenvolvem atividades de organização social e produtiva. Parceria na produção de sementes, com o IAPAR Instituto Agronômico do Paraná, o que permite o resgate de materiais crioulos, melhorando esse material para atender as reais necessidades dos assentados e contrapondo ao modelo de produção convencional, principalmente transgênico. Outra parceria importante, esta na área da educação, através do Programa de Apoio à Formação Superior em Licenciatura em Educação do Campo (Procampo), com a UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná, com o objetivo de formar educadores para a docência nos anos finais do ensino fundamental e ensino médio nas escolas rurais. Devido à aptidão das famílias no desenvolvimento da atividade leiteira, a comercialização do leite in natura é explorada por atravessadores ou indústrias de grande porte que remuneram as famílias com baixos preços. Também a comercialização de produtos coloniais, como o queijo, é feita de forma ilegal e clandestina, pela dificuldade das famílias em atender as exigências da legislação sanitária vigente e que inviabiliza pequenos empreendimentos familiares. A alternativa encontrada foi através das parcerias e projetos, que está em fase de implantação, uma agroindústria de láticos, que processará inicialmente litro/dia. Também em fase de conclusão da obra, uma agroindústria de massas que atenderá as exigências sanitárias e viabilizará a comercialização junto aos programas governamentais. Isso gerará maior independência das famílias, agregará valor ao produto, consequentemente maior renda para os assentados, ainda mais com a proposta da transição agroecológica que possui acréscimo de 30% no valor final do produto, no mercado institucional, devido esse diferencial. Com a análise SWOT, se identificou pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças presentes no ambiente de estudo. Essa leitura prévia do seu ambiente interno e externo permitirá aos associados/produtores desenvolver ações para explorar

12 oportunidades ou minimizar os riscos das ameaças a que estão sujeitos as suas atividades produtivas. Com intuito de concluir esse diagnóstico, na seqüência é apresentada a análise da Cooperativa em estudo. Quadro 2. Resultados da análise SWOT, e sistematização da matriz FOFA. Ambiente interno Pontos Fortes Maior agregação de valor aos produtos, aumento da renda; Alta disposição das participantes do grupo para trabalhar; Busca constante pela melhoria da qualidade Pontos Fracos Profissionalização da gestão da cooperativa, como ações na área da logística, produção e também política; Instalações obsoletas; Problemas operacionais internos, profissionais capacitados; Recursos Humanos: A equipe de Deficiência e inexistência de trabalho empenhada, focada na missão e valores da Cooperativa. estruturas de agroindustrialização; Matriz tecnológica não sustentável; Gerencia experiente Baixa escala produtiva; Localização: É o ponto onde as terras Baixa inovação de produtos são muito boas e férteis. diferenciados; Diversificação do mercado; Deficiência e inexistência de Surgimento de novos canais estruturas para logística; distribuição. Ambiente externo Oportunidades Ameaças Promover o desenvolvimento da Variação de preços agricultura familiar. Confiança com relação à produção e Mudança da matriz tecnológica, comercialização principalmente da produção de leite; Atrasos na tecnologia e pesquisa; Legalização e adequação dos produtos Produtos/logo patenteados; às exigências sanitárias e ambientais, Rede de distribuição limitada; para acessar o mercado, principalmente, Legislação sanitária, tributária e mercado institucional; fiscal; Novos modelos organizacionais: Ser Abertura do mercado institucional um empreendimento auto-gestionário para grandes cooperativas. inserido no contexto da Economia. Propaganda: Maior divulgação de seus produtos. (rádio e TV). Visitas de intercâmbio Mudança de hábitos do consumidor. Expansão do mercado. Fonte: pesquisa de campo, Pode-se analisar que são inúmeros os entraves para as famílias e a cooperativa para consolidarem-se no mercado, até no institucional, que é específico para a agricultura familiar. Porém, através do processo de organização coletiva que esses

13 desafios serão superados e contornados, oportunizando assim o acesso ao mercado de forma profissional e principalmente garantindo a renda e melhor qualidade de vida às famílias assentadas. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A organização através do MST Movimento Sem Terra possui articulação política forte e influente, não somente no debate da questão agrária, mais atua na reforma agrária integrando através da luta por políticas públicas para o meio rural e agricultura familiar camponesa; A mudança da matriz produtiva tecnológica é um desafio para atender as demandas de mercado e de ideias defendidas pelo movimento; As políticas públicas representam a inclusão de inúmeras famílias assentadas no mercado, com perspectivas de ampliar e acesso ao mercado privado; A organização através de cooperativa permitiu o acesso ao mercado, principalmente, institucional. O que a torna uma ferramenta essencial para a viabilização das propriedades que possibilita o aumento da renda e qualidade de vida as famílias, em busca do desenvolvimento sustentável. Referências Bibliográficas ÀLVERES, P. Cooperativismo: A força da união. In: Revista brasileira de administração. Brasília, ano XVII, n 60, pp. 14 a 20, set./ out. de BASSO, D. Política de formação do quadro social das cooperativas da agricultura familiar e economia solidária: os agentes de desenvolvimento. Relatório do Convênio Cáritas Brasileira e Ministério do Desenvolvimento Agrário nº /2007. Cáritas - Brasília, BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação- FNDE. Caderno de Legislação, PNAE 2011 Disponível em: SC 2011.pdf. Acesso em: 04 mai

14 BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE. Caderno de Legislação, PNAE Disponível em: SC 2012.pdf. Acesso em: 08 ago BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Legislação da Alimentação Escolar. MDA, Disponível em: Acesso em 06 out BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Quem somos: perguntas Disponível em: Acesso em: 15 marc BURIGO, Fábio Luiz. Cooperativa de crédito rural: Agente de desenvolvimento local ou banco comercial de pequeno porte? Dissertação apresentada ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Catarina. Curso de Pós-Graduação em Agro ecossistemas. Florianópolis CONAB, COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. PAA Evolução das operações. In: Agricultura e Abastecimento Alimentar: políticas públicas e mercado agrícola. Brasília: 548p.: il. Conab, Formatado: Inglês (EUA) JOHNSON, G.; SCHOLES, K.; WHITTINGTON, R. Explorando a Estratégia Corporativa. 7 ed. Porto Alegre: Bookman, MÜLLER, A. L. A construção das políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: o caso do Programa de Aquisição de Alimentos / Ana Luiza Müller. Porto Alegre, f.: il. PDA. Plano de Desenvolvimento dos Assentamentos. P.A. Antonio Tavares RECH, Daniel. Os Desafios atuais para a construção de um novo modelo desenvolvimento. Brasília, p.02, outubro 2009.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL Aumento da produção para segurança alimentar e ampliação de canais de comercialização Programa de Aquisição de

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

Compra Institucional SESAN/MDS

Compra Institucional SESAN/MDS PAA Compra Institucional SESAN/MDS Apoio à agricultura familiar: produção Garantia Safra Assistência técnica (ATER/ATES) PRONAF Seguro Agrícola PGPAF PGPM 1ª e 2ª Água Melhoria da renda dos agricultores

Leia mais

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Projeto Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Nutritivo para alimentação escolar Nutrição como Sustento e Sustentabilidade Nutrimento

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar A IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA - DIAGNÓSTICO Prevalência de situação de segurança alimentar em domicílios particulares, por situação do domicílio

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária

Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária Congresso Estadual da Agropecuária Umuarama-PR, 27 de agosto de 2015 Contexto Geral Retomada em 2003, por parte do Governo

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade.

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são a totalidade de ações, metas e planos que os governos

Leia mais

PAA 5 ANOS: BALANÇO E PERSPECTIVAS

PAA 5 ANOS: BALANÇO E PERSPECTIVAS PAA 5 ANOS: BALANÇO E PERSPECTIVAS Documento Síntese do Seminário PAA 5 Anos: Balanço e Perspectivas, realizado em Brasília, no período 16 a 18 de junho de 2008 Os (as) participantes do II Seminário do

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos PAA

Programa de Aquisição de Alimentos PAA Programa de Aquisição de Alimentos PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O PAA, instituído pela Lei federal 10.696 em 2003, consiste na compra de alimentos da agricultura familiar com dispensa de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital PROEX/UNILA nº 15/2014, 1º de setembro de 2014 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Federal

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social Missão: Contribuir para a melhoria da educação por meio de ações educativas de alimentação e nutrição

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE PROGRAMA NACIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE A compra de gêneros alimentícios da agricultura familiar para a alimentação escolar é uma conquista dos agricultores

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR FNDE MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Atendimento universal Território de 8,5 milhões de km2 27 estados 5.569 municípios 170.000 escolas 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com Segurança Alimentar e Agricultura Familiar: Análise do Programa da Gestão Integrada da Alimentação Escolar no Município de Goiânia-Go a Partir da Lei 11947/2009 Natalia Ferreira BARBOSA 1 Prof.º Dr. Luiz

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Atualizações com base na Lei 11.947/2009 Alaíde Oliveira do Nascimento Coordenadora de fomento ao Controle Social

Leia mais

Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA

Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA !"" Maria Luiza da Silva/FNDE e Ana Muller/MDA ESTRATÉGIA FOME ZERO Políticas Públicas 1) Estruturais: Geração de emprego e renda; Promoção da agricultura familiar; Intensificação da Reforma Agrária; Qualidade

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar e camponesa

A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar e camponesa Seminário Agrícola Internacional Bruxelas, 4 e 5 de maio de 2009 Bélgica A experiência do Brasil na promoção do direito humano à alimentação adequada a partir do fortalecimento da agricultura familiar

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega.

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. Novakoski, Rodrigo 1 ; Silva, Aline Pereira 2 ; Schreiner,

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS!

DOCUMENTO FINAL. Propostas da juventude do RS! DOCUMENTO FINAL Propostas da juventude do RS! Com a finalidade de fortalecer a organização e mobilização da juventude rural no Rio Grande do Sul diante dos desafios e das perspectivas da questão da sucessão

Leia mais

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Gestão Equipamentos de SAN Acesso a água Apoio a Agricultura Familiar Inclusão Produtiva Jainei Cardoso Coordenação Rede de San e Cidadania Conselheira CONSEA-BA

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Federal da Integração

Leia mais

Políticas Públicas do MAPA para o

Políticas Públicas do MAPA para o Engenheiro Agrônomo ERIKSON CHANDOHA Diretor do Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura Pecuária

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Inclusão Produ-va Rural

Inclusão Produ-va Rural Inclusão Produ-va Rural Plano Brasil Sem Miséria A miséria tem caras e necessidades diferentes conforme a região. A realidade no campo é uma, na cidade é outra bem diferente. Por isso, o Brasil Sem Miséria

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013

Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1. Relatório Florianópolis, Dezembro de 2013 Levantamento das Cooperativas da Agricultura Familiar na mesorregião Sul Catarinense 1 Janice Maria Waintuch Reiter Marcia Mondardo Luiz Carlos Mior Dilvan Luiz Ferrari Tabajara Marcondes Luís Augusto

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas

PESQUISA AGROPECUÁRIA. Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas PESQUISA AGROPECUÁRIA Gian Terres Jessica Freitas Luana de Lemos Sandra Vargas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foi

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada I Seminário Estadual da Rede-SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Eixo 3 - Abordagem territorial como estratégia de desenvolvimento rural e promoção da qualidade de vida

Eixo 3 - Abordagem territorial como estratégia de desenvolvimento rural e promoção da qualidade de vida Eixo 1: Desenvolvimento Socioeconomico e Ambiental do Brasil Rural e Fortalecimento da Agricultura Familiar e Agroecologia Eixo 2:Reforma Agrária e Democratização do Acesso e Terra e aos Recursos Naturais

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES

QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES QUADRO SÍNTESE PROPOSIÇÕES, EXEMPLOS e DIFICULDADES QUESTÃO PROPOSIÇÕES EXEMPLOS DIFICULDADES 1 Quais são as possíveis estratégias pedagógicas que podem proporcionar uma formação emancipatória? Apontar

Leia mais