O USO DA TI COMO FERRAMENTA PARA COLETA DE DADOS: UM ESTUDO SOBRE A COLETA DE DADOS DA FIPE PARA FORMULAÇÃO DO ÍNDICE IPC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DA TI COMO FERRAMENTA PARA COLETA DE DADOS: UM ESTUDO SOBRE A COLETA DE DADOS DA FIPE PARA FORMULAÇÃO DO ÍNDICE IPC"

Transcrição

1 O USO DA TI COMO FERRAMENTA PARA COLETA DE DADOS: UM ESTUDO SOBRE A COLETA DE DADOS DA FIPE PARA FORMULAÇÃO DO ÍNDICE IPC Resumo Renato de Moraes Fukuyama (FACEQ) * Teodoro Malta Campos (UNINOVE) ** Este artigo tem a finalidade de estudar como a FIPE - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas de São Paulo - faz a coleta de dados para formulação do Índice IPC-FIPE, bem como a utilização de ferramentas de Tecnologia da Informação para obter dados mais consistentes e rápidos para divulgação, além de estabelecer um pequeno comparativo entre décadas passadas quando não havia tecnologias de automação de alguns processos utilizados, e assim comparar o desempenho desses períodos. Na metodologia, foi adotada a pesquisa exploratória, em que se utilizou questionário e cruzamento de dados provenientes do site da FIPE. Os dados obtidos indicam que a equiparação de tecnologias recentes proporciona um melhor desempenho em toda estrutura que vai desde a coleta dos dados até o fornecimento deles para a Fundação. Palavras-chave: Coleta de Dados. FIPE. IPC-FIPE. Tecnologia da Informação. Abstract This work aims to study how the FIPE - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas de São Paulo collected data in order to formulate the index IPC-FIPE. It is also aiming to demonstrate the use of Information Technology tools for data consistency and rapid analysis and to establish a direct comparison between previous decades when few automation technology processes were used, and thus compare the performance between these periods. The methodology that was adopted included exploratory research which used both questionnaires and comparison data from the FIPE site. The data indicates that the use of * Formado em Informática, especialista em Tecnologia educacional pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, MBA em Estratégia Empresarial pela Universidade Nove de Julho, professor da Faculdade Eça de Queirós e Faculdade Sudoeste Paulistano. ** É doutorando em administração no PPGA da Uninove. Tem mestrado em administração obtido no PPGA da Uninove. É professor de cursos de tecnologia voltada para gestão, administração e MBA na Uninove. 1

2 recent technologies provides better performance across different structures, in both the supply and the collection of new data. Keywords: Data Collection. FIPE. IPC-FIPE. Information Technology. 1 Introdução Atualmente existem diversas maneiras de se executar uma coleta de dados, com várias metodologias disponíveis, em todas elas há a necessidade de se fazer o seu devido armazenamento, podendo ser da maneira tradicional, o papel, em que temos uma série de desvantagens como deterioração de material, grande volume físico, dificuldade de se manipular os dados, por exemplo, e os meios digitais, através do uso de ferramentas de Tecnologia da Informação (TI). Observa-se que o uso de certas tecnologias, como os sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) proporcionam um aumento na velocidade de execução de tarefas rotineiras, além de se evitar desperdícios e principalmente minimizar erros operacionais (SACOLL et al., 2002). McGee e Prusak (1994) afirmam que o uso da TI não deve ser enxergado como um solucionador de todos os problemas, mas sim uma ferramenta que está disponível para melhor conduzir a resolução deles. Diante dessa afirmação, podemos enxergar o uso da TI como uma ferramenta que pode aperfeiçoar alguns processos na condução de uma pesquisa de campo, a fim de reduzir o tempo gasto do registro à análise dos dados coletados. Pesquisas de campo para captação de dados de preços no mercado de varejo são amplamente utilizadas por diversos setores de pesquisas para obtenção de variações de mercado. A maioria dessas pesquisas implicava em deslocamento de uma região para outra, transporte de pessoal e equipamentos para a coleta de dados, em seguida havia a necessidade de concentrar todos esses dados em um único lugar, digitalizá-lo e em seguida fazer a tabulação e consequente análise. Atualmente existem diversas tecnologias disponíveis capazes de executar essas tarefas. O mercado de tecnologia da informação em hardware, com o passar dos anos, vem se convergindo principalmente em dispositivos móveis (mobile). Podemos observar a evolução desses dispositivos no que se refere à computação, cronologicamente como: PDA's, Smartphones, e mais recentemente Tablets (em que se agregam diversos recursos computacionais e de telefonia). Essa característica de mobilidade é de grande valia quando 2

3 falamos de pesquisa de campo, em que o deslocamento geográfico é constante e a utilização do recurso de telecomunicação, como redes 3G, é de suma importância para atualização de dados de forma online e principalmente para consistência de dados. Nesse contexto surge o interesse por esse estudo, a utilização da Tecnologia da Informação como ferramenta de coleta de dados, de forma que os principais problemas a serem abordados são: Como a FIPE articula a coleta de dados para análise com uso de ferramentas computacionais? E Como a consistência desses dados influencia na geração do índice IPC-FIPE? O presente artigo é dividido em: Referencial Teórico em que são apresentados os temas Tecnologia da Informação, dispositivos móveis, arquitetura cliente/servidor, um breve histórico sobre a FIPE e como é formulado o índice IPC-FIPE; Método de Pesquisa; Dados; Comparações de Desempenho nos anos 90 e atual; e seguidas das considerações finais. 2 Referencial Teórico 2.1 A Tecnologia da Informação A Tecnologia da Informação, aqui identificada pela sigla TI, tem desempenhado uma tarefa crucial para o alcance dos objetivos das instituições (ALAVI & JOACHIMSTHALER, 1992; BERGERON, BATEU & RAYMOND, 1991). O crescente desenvolvimento tecnológico tem tido um enorme impacto nos diversos setores da economia. Dessa maneira há uma crescente necessidade de se buscar alternativas tecnológicas mais adequadas às diversas rotinas (automatização de processos) a fim de alcançar um melhor desempenho. Para entendermos melhor como funcionam os mecanismos da TI, temos que observar que ela é composta por uma série de itens como pessoas, hardware, software, dados e telecomunicações. Para Rezende (2008), a TI não pode ser entendida como uma parte isolada, alheia às empresas, ela deve envolver sempre todo o negócio e fazer parte dele, e não ser simplesmente computadores ou softwares, embora existam empresas que usam um determinado tipo de tecnologia como motor para os seus negócios como é o caso da telecomunicação, mais especificamente em dispositivos móveis, que será tratado logo a seguir. 3

4 2.2 Dispositivos Móveis Dispositivos Móveis são aparelhos versáteis, que atualmente possuem capacidade de comunicação sem fio, seu processamento e armazenamentos são menores se comparados a computadores desktops, por exemplo. Nessa categoria encontramos netbooks, smartphones, tablets e os já obsoletos PDA s(personal digital assistants), mostrados da Figura 1. Antigamente (início dos anos 2000), os dispositivos móveis mais comuns para coleta de dados eram os PDA s (Personal digital assistants). Com o processo natural de evolução tecnológica, esse tipo de aparelho se tornou obsoleto, tendo como principal substituto os smartphones e tablets, que são dispositivos que integram o serviço de telefonia celular, internet e computação móvel, há de se notar também a presença de GPS, câmera digital, sensores de movimento, bússola, entre outros. Esses dispositivos são utilizados, além de computador móvel pessoal, como coletores de dados, pois sua facilidade de conexão com a internet permite que sejam utilizados servidores remotos para sincronização de dados, para posterior análise, sendo um sistema que reduz o risco de perda de dados por roubo do dispositivo ou mesmo mau funcionamento. Em síntese, podemos afirmar que esses dispositivos vêm ocupando um grande espaço tanto no que se refere a uso profissional quanto doméstico, seus sistemas operacionais na grande maioria são Android, sistemas de código aberto ou ios de propriedade da gigante de tecnologia Apple. FIGURA1 Tipos de dispositivos móveis Fonte: Elaborado pelo autor 4

5 2.3 Arquitetura cliente servidor A maioria das aplicações existentes na internet utiliza a arquitetura cliente-servidor, essa arquitetura funciona baseada na idéia de que na rede mundial de computadores existem dois tipos de equipamentos: aquele que fornece o serviço (servidor) e aquele que faz as solicitações desse serviço (cliente), como mostrado na FIGURA 2. Nesse caso o cliente é qualquer software que faz a conexão com um serviço pela internet, como exemplos temos os browsers Internet Explorer ou Google Chrome do outro lado, temos o serviço propriamente dito, como os servidores de , servidores de armazenamento de dados, etc. As principais vantagens nesse tipo de arquitetura de funcionamento (SALEMI, 1993) podemos observar a seguir: - Maior nível de confiabilidade: se um dos dispositivos da rede apresentar algum problema, parte do sistema continuará em funcionamento; - Capacidade de processamento: este tipo de arquitetura provê meios para que as tarefas sejam feitas sem a monopolização dos recursos; - Usuários finais podem trabalhar localmente; - O sistema cresce facilmente: na maioria dos casos é possível realizar atualizações no próprio servidor, com isso é mais fácil fazer um upgrade remoto; - O Cliente e o Servidor possuem ambientes operacionais, com isso, uma mesma rede de computadores (o que acontece com a internet) pode se misturar com várias plataformas para atender às necessidades individuais de diversos usuários. FIGURA 2 Arquitetura Cliente/Servidor Fonte: Elaborado pelo autor 5

6 2.4 Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) A FIPE foi fundada em 1973 inicialmente para assessorar o Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP). Suas atribuições sempre foram ligadas ao ensino e atividades acadêmicas como pesquisa. Atualmente a FIPE tem como objetivo estudar a sociedade brasileira no que se refere a fenômenos econômicos, e a partir disso, propor soluções econômicas e sociais sustentáveis, além de avaliar a importância de políticas públicas econômicas para o fortalecimento do sistema produtivo, o aumento da competitividade do país, a melhor distribuição da renda e a eliminação da pobreza (FIPE, 2013a). Dentre as atividades da FIPE, destacam-se a formulação de tabelas de preços de automóveis, TABELA FIPE, os índices de preços de imóveis anunciados, ÍNDICE FIPEZAP, o indicador da evolução do custo unitário de prestação de serviços de asseio e conservação no Estado de São Paulo, IPCA, o indicador da evolução do custo dos serviços prestados pelas empresas de segurança privada no Estado de São Paulo, IPSEG, o Indicador de Liquidação Antecipada que é calculado com base no histórico de liquidações antecipadas de contratos de financiamento de veículos dos bancos Bradesco, Itaú, Santander e Votorantim, ILA, e o índice de Preços ao Consumidor do Município de São Paulo, IPC, no qual este estudo está pautado. 2.5 O índice IPC-FIPE É um índice calculado desde 1939 na cidade de São Paulo, e tem como objetivo formular um indicador da evolução do custo de vida das famílias na cidade de São Paulo. De 1968 a 1973 a coleta de dados para formulação desse índice esteve a cargo do IPE Instituto de Pesquisas da USP, em 1973 ficando a cargo da FIPE. A metodologia para o cálculo do IPC-FIPE é basicamente a mesma desde os anos 70. A coleta é realizada diariamente é feito um comparativo das variações dos preços médios das últimas quatro semanas. Assim, são apresentadas prévias, chamadas de variações quadrissemanais. Semanalmente é divulgado para a imprensa o resultado do índice de variação do custo de vida das famílias de São Paulo, sendo compreendidas nessa variação as pessoas que possuem renda de 1 até 20 salários mínimos. (FIPE, 2013b). 6

7 O índice IPC-FIPE é apresentado em forma de percentual, em muitas ocasiões é divulgado para imprensa um comparativo de anos anteriores como mostrado na FIGURA 3. FIGURA 3 Índice percentual FIPE 3 Métodos de Pesquisa Azevedo (1999) mostra que o tema de um trabalho deve ter relevância social e científica, o qual está ao alcance do pesquisador e com áreas novas a explorar. A presente pesquisa tem o objetivo de identificar como a FIPE faz coletas e análises de dados para formulação do índice IPC, tendo em vista que o assunto tem um impacto social direto, pois estamos tratando de uma coleta que resultará em um índice de inflação na cidade de São Paulo, porém nesse estudo nota-se um foco maior nas ferramentas tecnológicas utilizadas para essa coleta. A pesquisa desenvolvida é a exploratória, este tipo de pesquisa envolve: (a) levantamento bibliográfico; (b) entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o tema pesquisado; e (c) análise de exemplos que estimulem a compreensão (GIL, 2007). As entrevistas foram efetuadas com profissionais das áreas Financeira e de Tecnologia da Informação, tendo em vista que ambos mantém parceria com a FEA - Faculdade de Economia Administração e contabilidade da Universidade de São Paulo (USP) - e que trabalham em projetos ligados ao IPC-FIPE. 7

8 A fim de obter informações consistentes de como funciona todo o processo de coleta e análise, foram elaboradas questões para que se entendesse o contexto e a evolução da coleta com o passar dos anos, observando o desenvolvimento tecnológico e a situação econômica do país. As perguntas foram divididas em 2 blocos, Tecnologia e Economia, como mostrado na TABELA 1. A primeira envolve aspectos que estão ligados diretamente com a Tecnologia da Informação, mais precisamente as ferramentas envolvidas no processo de coleta, e o segundo item nas áreas do setor de economia que lidam diretamente com os dados obtidos para a análise, onde segundo Bardin (1977, p. 42), a análise de conteúdo compreende: [...] um conjunto de técnicas de análise das comunicações, visando obter, por procedimentos, sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores (quantitativos ou não) que permitem a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) dessas mensagens. TABELA 1 - Entrevista Tecnologia - Como foi a evolução da informatização (s software) da coleta de dados? - Como e quando foram implantados os dispositivos móveis na coleta de dados? - Houve modificações da metodologia aplicada na coleta e análise de dados nos últimos anos? Quais foram as mais significativas? - Nos últimos anos houve aumento ou diminuição considerável no número de pessoas envolvidas em campo? Economia - - Como era feita a coleta e análise de dados no início dos anos 90 (na época da alta inflação)? -- - Como é feita a análise dos dados atualmente? - Existe um ponto da análise onde ela é efetuada de forma automática? Fonte: Elaborado pelo autor 8

9 As informações obtidas através dos questionários citados foram complementadas com informações apresentadas em mídias impressas e virtuais, assim como o homepage da própria FIPE. 4 Dados 4.1 Dados da Metodologia de coleta de dados Existem basicamente dois grandes grupos de pesquisa, as pesquisas do tipo qualitativo e as pesquisas do tipo quantitativo (MALHOTRA, 2001). A FIPE utiliza o tipo de pesquisa de característica quantitativa, que é uma pesquisa estruturada, com uma amostragem de grande abrangência e considerada conclusiva. Os dados são levantados em diferentes estabelecimentos, como supermercados de vários portes e feiras, por exemplo, nesse sentido é utilizado o método de observação, que segundo Malhotra (2001) e Aaker et al. (2001), registra sistemicamente os padrões de objetos e eventos para obter informações sobre o fenômeno de interesse, que no caso são os preços de determinadas mercadorias. Os dados são coletados semanalmente na seguinte sequência: o entrevistador X tem o estabelecimento A e B na semana 1, C e D na semana 2, E e F na semana 3, G e H na semana 4 e assim sucessivamente. Os produtos a serem pesquisados são os mais variados e são confrontados com preços de várias regiões da cidade de São Paulo. A FIPE utiliza em média 8 pesquisadores de campo, distribuídos geograficamente como mostrados da FIGURA 4. FIGURA 4 Distribuição geográfica dos pesquisadores 9

10 Fonte: elaborado pelo autor 4.2 A TI no auxílio da Coleta e Análise de dados No início dos anos 90, o Brasil estava passando por um momento turbulento no que se refere as taxas inflacionárias, e a cidade de São Paulo acompanhava esse mesmo problema. A FIPE tinha a preocupação de fazer a coleta correta para analisar esse índice, porém havia alguns entraves, como a limitação tecnológica inerente a época, que resultava em uma falta de precisão dos dados, deficiência fundamentalmente ocasionada pelo fato dos registros serem efetuados em papel, que além do problema físico (deteriorar-se, perder-se) era recorrente a falha operacional, pois o pesquisador poderia errar no registro. Foi observado que os problemas maiores eram ocasionados devido ao tempo gasto para a pesquisa, pois a FIPE contava com processos e procedimentos manuais, demandando 10

11 muito tempo para a análise. Destacaram-se uma série de itens que favoreciam esse problema, tais como: - Distribuição das áreas por entrevistadores realizadas manualmente; - Supervisores das áreas imprimiam os materiais de coleta para os pesquisadores; - Cerca de páginas eram gastas por semana; - Entrevistadores coletavam os preços no papel e entregavam o material preenchido para seus supervisores; - Supervisores entregavam os materiais para os digitadores que incluíam os preços, possibilitando erros de digitação e escrita; - Supervisores realizavam uma crítica dos preços inseridos, comparando a média geométrica dos preços do mês anterior com o mês atual, emparelhados por estabelecimento, onde os maiores relativos eram analisados para serem excluídos se fosse detectado erro de digitação. Conforme Gonçalves (2000, p.7) processo é qualquer atividade ou conjunto de atividades que toma um input, adiciona valor a ele e fornece um output a um cliente específico. Davenport (1994, p.7) afirma que um processo é uma ordenação específica das atividades de um trabalho no tempo e no espaço, com um começo, um fim, e inputs e outputs claramente identificados: uma estrutura para a ação, esses processos foram revistos e mapeados, para que o sistema tivesse não só mais consistência como também uma velocidade de coleta e análise compatíveis com a evolução econômica. Nesse sentido houve a necessidade latente de se desenvolver processos, utilizando de forma eficaz a TI, além disso, a grande inovação que aconteceu baseada em TI foi com a introdução da Internet. De Sordi (2008, p.97) afirma que: [...] a padronização de interfaces homem-máquina no ambiente Internet facilitou a coleta e a entrega de informação em qualquer localidade, atendendo públicos abrangentes de usuários, independentemente de restrições de plataformas tecnológicas. Este cenário estava propício para introduzir dispositivos móveis em substituição aos processos manuais (papéis). Neste período, que compreende os anos 2000, a FIPE introduziu a utilização de PDA's para coleta, porém ainda não havia a integração necessária com a internet, pois esses dispositivos não contavam com redes de conexão wi-fi e tão pouco com as tecnologias de internet que temos hoje como o 3G ou 4G. Com a evolução tecnológica natural o projeto mais recente utiliza tablet s, que são equipamentos mais eficientes para coleta, pois dispõe de um display maior do que os antigos 11

12 PDA's, que segundo Friedman (1997) a implementação de tecnologias modernas não devem ter apenas foco em funcionamento da máquina em si, mas principalmente como ela interage com seu utilizador, e nesse sentido o display maior embora possa ser apenas um detalhe estético é fundamental para a interação com o pesquisador, que terá maior facilidade em incluir os dados, como mostrado na FIGURA 5. Além disso, esses dispositivos possuem tecnologia de redes wi-fi e sistema 3G, que permite conexão com redes sem fio. Outro item importante que se nota nesses dispositivos é que ele utiliza o sistema operacional Android 2.2, a opção por esse tipo de equipamento se deve principalmente à sua popularização, o que facilita a manutenção e desenvolvimento de sistemas futuros. FIGURA 5 Comparativo de displays Fonte: Elaborado pelo autor Na prática o pesquisador faz toda a coleta de forma offline, ao inserir os preços nos dispositivos é realizado uma pré-crítica dos valores comparando com a média geométrica do mês anterior, evitando erros de digitação, se o preço estiver muito fora da normalidade o pesquisador insere uma observação de PM para promoção ou PC para preço correto. Após a coleta ser efetuada ele deve conectar a uma rede wi-fi para conectar-se a internet, na própria interface do sistema, que é um sistema baseado na arquitetura Cliente/Servidor. Ele clica em sincronizar, direcionando os dados por webservice até a base de dados, como mostrado na FIGURA 6 e ao receber o material o sistema realiza uma validação e faz uma checagem se todos os dados realmente foram enviados, ao finalizar a checagem o sistema deleta do tablet os dados enviados. Outra checagem verifica se todos os produtos foram coletados, se sim, o pesquisador recebe a próxima semana e deleta a antiga. 12

13 FIGURA 6 Arquitetura cliente/servidor, sistema webservice Fonte: Elaborado pelo autor 5 Comparações de Desempenho anos 90 e atual Tendo em vista as ferramentas de TI implementada ao longo dos anos, podemos estabelecer uma comparação de como era feita a pesquisa nos anos 90 e início dos anos 2000 com os tempos atuais, no que se refere a pessoal envolvido e tempo demorado para coleta, como mostrado na TABELA 2. TABELA 2: Comparativo Pessoal envolvido Numero de etapas até análise dos dados. Erros comuns Anos 90 - início dos anos Atualmente Mais de 16 pesquisadores de 8 pesquisadores e 2 supervisores campo, 6 digitadores e 5 supervisores Falha no registro no papel; - Falha na conversão de medidas, Kg para gramas por exemplo; - Falha na digitação; - Demora na divulgação para imprensa. Não observado. 13

14 6 Considerações Finais Com esse estudo foi possível observar o quanto a FIPE se preocupa com a melhoria contínua em seus processos, e que entende que esses processos são muito mais consistentes e confiáveis quando implementadas ferramentas de TI atuais, além de acompanhar tendências para continuar mantendo todo o sistema funcionando e facilitar a implementação de novos sistemas. A comparação de como eram feitas as pesquisas nos anos 90 e anos 2000, mostra que sempre houve a preocupação em alinhar a pesquisa com ferramentas computacionais, desde a implementação dos PDA S, até os recentes Tablet s equipados com sistema operacional Android conectados a uma rede sem fio para sincronizar os dados com um servidor remoto. A consistência dos dados é fundamental para manter informações precisas e principalmente rápidas em sua divulgação, falhas humanas sempre dificultam o trabalho de qualquer coleta e a ideia é automatizar o máximo possível os processos, para que a análise dos dados seja mais rápida e com menor índice de erro, no que tange valores econômicos. Em trabalhos futuros pode-se investigar se a instituição de pesquisa utiliza, ou tem a intenção de fazer uso de ferramentas de inteligência corporativa para ajudar na consistência dos resultados obtidos. Vale ressaltar que o presente trabalho tinha a intenção de analisar apenas como a FIPE faz suas pesquisas e como utiliza a TI para obter melhores resultados, e como os mesmos auxiliam na consistência dos dados obtidos, por isso fez-se necessário estabelecer um comparativo com décadas passadas. Referências bibliográficas AAKER, D. A; KUMAR, V. et al. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, AZEVEDO, Israel Belo de. O prazer da produção científica. 7. ed. Piracicaba: UNIMEP, BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Edições 70, CAMPBELL, B. J. Understanding information system: foundations of control. Massachusetts: Wintrop Publishes,

15 DAVENPORT, Thomas H. Reengenharia de processos. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Campus, DE SORDI, José Osvaldo. Gestão por Processos: uma abordagem da moderna administração. 2ª. Ed. São Paulo: Saraiva, FIPE 2013a. Disponível em: < > Acesso em: 09/03/2013. FIPE 2013b. Disponível em: < r> Acesso em: 09/03/2013. FREITAS, H.M.; BECKER, J. L.; KLADIS, C. Informação para a decisão. Porto Alegre: Ortiz, FRIEDMAN, B. Human values and the design of computer technology. Cambridge: Cambridge University Press, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, GONÇALVEZ, José Ernesto Lima. As empresas são grandes coleções de processos. In: REA Revista de Administração de Empresa. São Paulo: vol. 40, N.1, p. 6-19, Janeiro-Março LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, MCGEE, J. V.; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro: Campus, O`BRIEN, J. A. Sistema de informação e as decisões gerenciais na era da internet. São Paulo. Tradução da 9a ed. São Paulo: Editora Saraiva, REZENDE, D. Tecnologia da informação aplicada a sistemas de informação empresariais: o papel estratégico da informação e dos sistemas de informação nas empresas. 5 ed. São Paulo: Atlas, SACCOL. A.; MACADAR, M. A.; LIBERALI, G.; PEDRON, C.; CAZELLA, S. O. Algum tempo depois... como grandes empresas brasileiras avaliam o Impacto dos sistemas ERP sobre suas Variáveis Estratégicas. Anais do 26º Encontro da ANPAD. Salvador (BA), Set/2002. SALEMI, Joe. Banco de Dados Cliente/Servidor. IBPI Press,

16 STAIR, Ralph M. Princípios de sistemas de informação uma abordagem gerencial. LTC Editora. Rio de Janeiro, TAPSCOTT, D. Economia digital: promessa e perigo na era da inteligência em rede. São Paulo: Makron Books

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO INTERNACIONAL ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Carga horária semanal Etapa 4 5 OBJETIVO Realizar escolhas sobre a adoção de tecnologias e sistema

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Dimensões: 145 x 77 x 10 mm

Dimensões: 145 x 77 x 10 mm S Dimensões: 145 x 77 x 10 mm Desenvolvido para o uso empresarial o Tablet M5S é a evolução do Tablet M5. Novo processador Dual Core e nova bateria de longa duração, tela IPS de última geração. Robusto,

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Prof. Rossini Monteiro

Prof. Rossini Monteiro LISTA DE EXERCÍCIOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-ENAD - Revisão Prof. Rossini Monteiro 1ª. O desempenho organizacional da empresa Persinex Ltda. Depende cada vez mais de um Sistema de Informações

Leia mais

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

LSoft SGC Gestão Empresarial

LSoft SGC Gestão Empresarial LSoft SGC Gestão Empresarial O LSoft SGC é um sistema de gestão dinâmico, eficiente e flexível idealizado para atender diversos segmentos de indústrias, comércios e serviços. O objetivo principal é tornar

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso

A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso A Melhoria de Desempenho de Processos em uma Instituição Bancária Brasileira: Um Estudo de Caso Fernando Cesar Camilo Centro Universitário de Araraquara- UNIARA SP Brasil fc_camilo@yahoo.com.br Prof. Dr.

Leia mais

!!! Avaliação da Experiência de Uso Mobile. CEF, BB, Itaú e Bradesco

!!! Avaliação da Experiência de Uso Mobile. CEF, BB, Itaú e Bradesco Avaliação da Experiência de Uso Mobile CEF, BB, Itaú e Bradesco 1. Sumário Executivo 2. Resultados 3. Metodologia 4. Reações aos testes 1. Sumário Executivo No Brasil, há uma grande oportunidade para melhorar

Leia mais

A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC

A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC A Avaliação do Uso da Tecnologia da Informação na Administração da Produção de uma Distribuidora de Produtos de Blumenau/SC PERES, Diego de Assis. diegoeletrotecnico@hotmail.com Uniasselvi-Fadesc CRUZ,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE White Paper NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE A cada dia, o mundo da mobilidade se torna mais crítico e complexo. Por esta natureza, usuários de mobilidade necessitam cada vez mais de agilidade

Leia mais

Mobilize sua força de vendas

Mobilize sua força de vendas Mobilize sua força de vendas Uma análise sobre as vantagens e os benefícios de ferramentas de automação de vendas com base em mobilidade Benefícios mais que comprovados Desenvolver e implementar melhorias

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO

O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Revista de Ciências Gerenciais Vol. XII, Nº. 14, Ano 2008 O PROCESSO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNI- CAÇÃO Rodrigo Rodrigues Faculdade Anhanguera de

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

gessind GESTÃO INTEGRADA DE SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E FEDERAÇÕES

gessind GESTÃO INTEGRADA DE SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E FEDERAÇÕES gessind GESTÃO INTEGRADA DE SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E FEDERAÇÕES Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR Uiliam Nelson Lendzion Tomaz Alves 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: O grande número de

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Neury Boaretto (CEFET-PR) neury@pb.cefetpr.br João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06 Prof. Amadeu Campos FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DA INFORMATIZAÇÃO EMPRESARIAL Competências a serem trabalhadas

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SFAFast. Sales Force Automation

SFAFast. Sales Force Automation + SFAFast + Sales Force Automation Multiplique a produtividade de sua força de vendas. O SFAFast é um ferramenta de coleta e distribuição de informações que contribui para uma gestão mais eficiente da

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais