PRÁTICA E FERRAMENTAS DE ENGENHARIA UTILIZADAS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICA E FERRAMENTAS DE ENGENHARIA UTILIZADAS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA"

Transcrição

1 PRÁTICA E FERRAMENTAS DE ENGENHARIA UTILIZADAS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Juliana Soares Curce (UEM ) Amanda Lais Tanji Umemoto (UEM ) Edwin Cardoza (UEM ) Gislaine Camila Lapasini Leal (UEM ) Pedro Fernandes de Oliveira Gomes (CNPq/Sebrae ) O presente artigo apresenta uma Revisão Sistemática sobre práticas e ferramentas de engenharia que são comumente utilizadas durante o Processo de Desenvolvimento de Produto (PDP). As práticas abordadas são: QFD, DFX, FMEA, CAD/CAE/CAM, e Prrototipagem Rápida. Durante a pesquisa, identificou-se modelos de PDP que apliquem tais ferramentas, em quais etapas são utilizadas e quais são os benefícios. Os resultados obtidos na Revisão Sistemática apontam que o QFD e DFX são as práticas mais encontradas na literatura, e que o assunto como um todo é difundido no meio acadêmico. Com relação as práticas e ferramentas de engenharia, não foram encontrados artigos que apresentassem modelos de PDP com o uso do CAD/CAE/CAM e Prototipagem Rápida, porém todas auxiliam na diminuição do lead time e custos de produção, além de agregar qualidade e eficiência aos produtos. Palavras-chaves: Práticas e Ferramentas de Engenharia, Processo de Deenvolvimento de Produtos, Revisão Sistemática

2 1. Introdução O atual cenário presenciado pelas organizações é a globalização da economia e dos mercados. Para que uma empresa consiga driblar a concorrência e conquistar a preferência do consumidor, é necessário preocupar-se com os requisitos dos clientes, aspectos de design, custos, eficiência e tempo de desenvolvimento de produtos. O Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP) é uma sistemática utilizada pelas organizações como estratégia competitiva que engloba desde a ideia e geração de um conceito de produto, até o final do seu ciclo de vida, transformando oportunidades e possibilidades em especificações de projeto de design e manufatura. Além disso, pode ser entendido como um esforço criativo e colaborativo das indústrias que requer o comprometimento de todos os níveis da organização, clientes, parceiros e fornecedores (KAMINSKI; OLIVEIRA; LOPES, 2005, LOWELL, 2008). Segundo Chordà, Gunasekaran, Aramburo (2002), para que o PDP seja eficaz a alta gerência deve apoiar, através de direção clara e realista, investindo em recursos financeiros e humanos, uma equipe multifuncional deve construir um planejamento de desenvolvimento de produtos, e a deve-se estar atento às exigências do mercado. Lowell (2008) destaca outros atribuídos essenciais para o PDP, como foco no potencial a longo prazo, ouvir os stakeholders do desenvolvimento de produtos, a gerência e departamentos técnicos devem despender parte de seus tempos nesse processo, encorajando e ouvindo críticas, comunicação correta entre a equipe de projeto, conhecer e utilizar todos os recursos da empresa. O objetivo desse trabalho é entender qual a importância do PDP dentro das organizações, e principalmente destacar quais as principais práticas e ferramentas de engenharia que podem auxiliar as pequenas e médias empresas (PMEs) nesse processo, visto que seus recursos e infraestrutura são escassos, e sua vantagem competitiva deve ser explorada. A seguir é destacada a metodologia de pesquisa utilizada. Em seguida, o próximo item demonstra os dados obtidos na Revisão Sistemática com suas inferências estatísticas, assim como, os resultados da pesquisa. O último item traz as considerações finais e perspectivas para pesquisas futuras. 2

3 2. Metodologia de pesquisa: Revisão Sistemática Sampaio e Mancini (2007) relatam em seus estudos sobre Revisão Sistemática que esse método científico requer questões de pesquisas claras e concisas, estratégias de busca adequadas, estabelecimento de critérios de inclusão e exclusão de artigos e análise criteriosa da qualidade da literatura obtida. Durante a leitura dos artigos selecionados devem-se identificar conceitos importantes, fazer análises estatísticas e apontar questões e problemas que necessitam de novos estudos. A síntese da Revisão Sistemática proposta por eles pode ser identificada na Figura 1. Figura 1- Síntese do modelo de Revisão Sistemática Fonte: Adaptado de SAMPAIO E MANCINI (2007) A Revisão Sistemática é uma metodologia científica que sintetiza os estudos que contém os objetivos da pesquisa, materiais e métodos expostos de maneira clara e que pode ser reproduzida (BIOLCHINI et al., 2005). Ela pode ser subdividida em três momentos: Planejamento; Execução; Análise dos Resultados. 3

4 Figura 2- Síntese do modelo de Revisão Sistemática Fonte: BIOLCHINI et al., 2005 O Protocolo é um documento que está inserido na fase de Planejamento da Revisão Sistemática. Neste documento são definidos os objetivos da pesquisa e a forma como a revisão é conduzida, incluindo a formulação de questões, seleção e planejamento das fontes de pesquisa. A fase de execução inicia com o teste do protocolo nas máquinas de buscas indicadas. Durante o teste são verificadas a validade das strings, a qualidade e quantidade de artigos retornados, e se necessário são feitos ajustes para que as questões de pesquisa sejam respondidas, quando há evidências que o protocolo é o adequado, inicia-se a pesquisa definitiva por artigos nas máquinas de buscas. Ainda durante essa fase, os artigos são documentados, passam por seleções até que sejam identificados quais deles podem contribuir para pesquisa levantando-se os dados relevantes. Durante a fase de execução dessa pesquisa as strings e as limitações da pesquisa foram inseridas nas máquinas de buscas para verificação, porém a quantidade de artigos retornados não obteve altos níveis de satisfação, pois era extremamente alta e impossibilitava qualquer tipo de análise. Esse fato deve ser interpretado de duas maneiras, ou o tema da pesquisa, assim como suas questões e objetivos são amplamente estudados por outros pesquisadores, ou as definições do protocolo não foram precisas o suficiente. Foram feitos, então, ajustes no protocolo para que ele se tornasse adequado. Na fase de Análise dos Resultados são realizadas as inferências estatísticas, considerações finais e conclusões sobre a Revisão Sistemática que devem ser apresentadas em um Relatório de Revisão Sistemática. Nesta pesquisa, o processo de Análise de Resultados teve início com a catalogação dos artigos retornados, e leitura de títulos e resumos e então foram selecionados aqueles que esboçassem respostas às questões de pesquisa. O próximo passo consistiu na leitura da introdução e 4

5 conclusão dos artigos que passaram pela seleção anterior, e caracterização segundo os critérios de inclusão e exclusão que se enquadrassem. Para leitura completa e utilização nas análises da Revisão Sistemática, os artigos oriundos da fase anterior foram separados segundo a quantidade de critérios de inclusão que se encaixavam. Aqueles que atendiam a maioria dos critérios foram selecionados. Assim como, os artigos que atendiam parcialmente os critérios, mas que sanassem possíveis dúvidas, também foram analisados. 3. Resultados e Discussões 3.1. Resultados da Revisão Sistemática A Figura 3 destaca a quantidade de artigos selecionados por máquina de busca. O período considerado é de janeiro de 2008 a novembro de Pode-se observar que a maior quantidade de artigos retornados na primeira fase está relacionada com a máquina de busca Engineering Village, porém deste conjunto apenas 5,77% foram selecionados para o processo final. O SIMPEP foi o evento que apresentou o maior aproveitamento de artigos, 10,26% de seus artigos retornados foram selecionados para o processo de leitura. A UNICAMP obteve o menor aproveitamento, pois suas teses e dissertações não correspondiam aos critérios. Figura 3- Quantidade de artigos selecionados por máquina de busca, em cada etapa Fonte: Própria O número de publicações utilizadas para análise da Revisão Sistemática é aproximadamente 5

6 constante por ano, conforme pode ser observado na Figura 4, demonstrando que o assunto é bem difundido no meio acadêmico. A média de artigos por ano é de 7,6 unidades. Figura 4- Porcentagem de artigos por ano Fonte: Própria As principais práticas do PDP destacadas na literatura estão listadas na Figura 5. No total de 38 artigos selecionados, apenas 3 apresentam o uso de práticas de forma integrada, como por exemplo, PDP+QFD+FMEA; PDP+QFD; CAD+CAM. Figura 5- Publicações por temas Fonte: Própria O número de publicações sobre Processo de Desenvolvimento de Produto (PDP) em relação aos outros temas foi extremamente maior, mostrando a relevância e importância dessa prática dentro das indústrias, e alto número de pesquisadores nessa área do conhecimento Práticas e Ferramentas de Engenharia Em uma pesquisa realizada por Toledo et al. (2008), com 23 empresas do setor metal mecânico, mais especificamente no setor de autopeças, nos estados de São Paulo, Minas 6

7 Gerais, Santa Catarina e Paraná, foram identificados que três quartos das empresas que utilizam ferramentas no PDP possuem ciclos de inovação mais curtos; 70% das empresas aumentaram o número de lançamentos após a adoção das práticas e revelaram a capacidade de oferecer maior variedade de novos produtos aos clientes em comparação com a concorrência.os próprios autores concluíram que empresas que não buscam desenvolver ferramentas de apoio ao PDP encontram dificuldade em incorporar novos conhecimentos, são limitadas na cultura organizacional, infra-estrutura e finanças. Azevedo e Politano (2009) afirmaram que as necessidades de aplicação de ferramentas no PDP são dadas pela dificuldade de integração e gerenciamento das fases dentro do próprio processo, ou com os outros processos da empresa, dificuldade do fluxo ordenado de informações e pela vantagem competitiva que agregam ao produto. A utilização integrada de práticas e ferramentas durante o PDP, em que as saídas de uma ferramenta ou prática são as informações de entrada de outra, objetiva incluir eficiência e diminuir o número de retrabalhos. A definição de quais ferramentas e práticas deve ser utilizada está relacionada com a cultura da empresa e o nível de conhecimento do time de projeto (RODRIGUES; PAULA; ECHEVESTE, 2008) QFD- Quality Function Deployment O Desdobramento da Função Qualidade (QFD) é uma ferramenta de engenharia que auxilia o time de designers a tomar decisões, a projetar em um nível adequado de despesas, a melhorar a comunicação entre a equipe envolvida e reduzir as mudanças nos projetos. Através dela, é possível estabelecer uma relação entre as necessidades do consumidor (identificadas através de pesquisa de mercado) em requisitos de projeto (IRANMANESH; THOMSON, 2008 e MURAD, 2011). Em uma pesquisa realizada por Setti et al. (2008), em uma empresa de fundição, identificouse quais eram os problemas prioritários do PDP: atrasos na entrega das amostras iniciais ao cliente, alto número de retrabalhos, tempo longo para ajustar amostras iniciais reprovadas e custos de desenvolvimento acima do planejado. Diante disso e com base nos princípios do QFD, ele estruturou um modelo adaptado àquele que a empresa já praticava, melhorando-o. 7

8 Figura 6- Modelo adaptado utilizando QFD Fonte: Setti et al. (2008) As melhores fases para a incorporação do QFD são as fases iniciais no PDP, pois há o levantamento dos requisitos dos clientes que são transformados em especificações de produto. Nestas fases o QFD gera alternativas, conceitos e croquis dos produtos, priorizando as partes a serem desenvolvidas. Além disso, nas fases iniciais há especificações para manufatura, estabelecendo os sistemas e componentes de fabricação (IRANMANESH; THOMSON, 2008, CAUCHICK MIGUEL, 2009, RODRIGUES; DE PAULA; ECHEVESTE, 2008, ROZENFELD, 2006) DFX- Design for X O Design for X (Design para X) é uma ferramenta de engenharia que visa atender as necessidades e tendências do mercado. Ela é utilizada na criação do conceito do produto, 8

9 construção e melhoria contínua, redução do custo final, do tempo desmontagem, dos erros, aceleração do ciclo de desenvolvimento, aumento da confiabilidade. O processo de DFX tem início com o desenvolvimento da lista de necessidades do consumidor, tradução dessas necessidades em conceitos de design industrial, modelagem em softwares de desenho, e o resultado é o detalhamento do conceito do produto (MURAD, 2011, MARION, 2008). O DFX surgiu da necessidade das organizações em integrar processos, como o de montagem, planejar as fases iniciais do PDP, e satisfazer as exigências funcionais em conjunto com a viabilidade de produção dos produtos. Além disso, reconheceu-se que as decisões tomadas no projeto afeta diferentes fases do ciclo de vida do produto, e que quanto mais cedo às decisões de design forem tomadas menores são os custos totais e melhor a aceitação no mercado. As técnicas que podem ser utilizadas no DFX são de diversas formas e orientações, e cada uma aborda aspectos diferentes do desempenho do produto, oferecendo orientações e métricas ao time de desenvolvimento (DEMOLY et al., 2011, HOLT e BARNES, 2009, REITMEIER E PAETZOLD, 2012). Quadro 1- Diferentes abordagens do DFX Abordagem/Técnica do DFX Propósitos Manufatura e Montagem Ambiente Fim de vida Desmontagem Reciclagem Qualidade Manutenção Confiança Custo Afeto Cadeia de Suprimento Redução de custos de produção Redução de impactos ambientais Redução de impactos ambientais Redução do custo e tempo de desmontagem Maior número de peças recicladas Satisfação do cliente Redução de custos de manutenção Diminuição de taxa de reprovação Redução de custos Maior satisfação emocional Redução de custos na cadeia de suprimentos 9

10 Inclusivo Diminuição de exclusão de projetos Fonte: Adaptado de HOLT e BARNES (2009) O DFA é o projeto/design orientado a montagem, é uma abordagem que se preocupa com a geometria do produto e visa melhorá-lo através de remodelação. Esse aspecto do DFX considera as exigências e restrições técnicas na montagem diminuindo o lead time de design e engenharia, o número de peças a serem montadas e melhorando a eficiência do produto durante seu ciclo de vida (DEMOLY et al., 2011). O DFM é o design orientado à manufatura, e considera a minimização do número de peças, da variação de ferramentas de corte, de tolerâncias no projeto do produto e na incompatibilidade de montagem. Sua principal função é relacionar os objetivos dos desenhos técnicos e restrições de fabricação simultaneamente, solucionando os problemas durante a concepção, diminuindo o tempo total de projeto e aumento na confiabilidade do produto (SELVARAJ, RADHAKRISHNAN e ADITHAN, 2008). Ao adotar separadamente técnicas de DFX, a empresa pode gerar discordâncias no projeto. Por exemplo, ao considerar aspectos de montagem isoladamente, atitudes são tomadas pelas projetistas para diminuir o número de peças e simplificar ao máximo o produto, porém essa abordagem pode criar uma dificuldade na manufatura dos produtos e desconsiderar restrições técnicas na linha de produção. Por outro lado, ao considerar apenas aspectos de manufatura, pode-se criar produtos com número de partes a mais que a real necessidade, aumentando os custos. O DFMA (Design para Manufatura e Montagem) estabelece as necessidades simultaneamente da montagem, manufatura, qualidade e ciclo de vida durante o PDP, guiando engenheiros e projetistas às melhores opções de projeto. É um método de análise e melhoria de novos projetos e soluções que deve ser utilizado nas fases preliminares do PDP na identificação de requisitos, definição de projeto e planejamento (MURAD, 2011, GIUDICE; BALISTERI; RISITANO, 2009). 10

11 Figura 7- Modelo para aplicação do DFMA Fonte: BOOTHROYD (1994) apud MURAD, Assim, as empresas devem explorar essas ferramentas a fim de cooperar com o PDP, encurtando o ciclo de desenvolvimento e introdução de novos produtos no mercado, sem desconsiderar as atividades de planejamento (SILLER et al., 2008) FMEA- Failure Mode and Effects Analysis A Análise dos Modos e Efeitos das Falhas (FMEA) é uma ferramenta sistêmica utilizada prever falhas potenciais nos sistemas produtivos ou em produtos, suas causas, garantir que os problemas tenham sido resolvidos, formalizar e documentar disciplinas que os engenheiros devem seguir ao projetar (RODRIGUES, DE PAULA; ECHEVESTE, 2008, MALUF FILHO, 2008). Durante o PDP o FMEA é comumente usado durante a fase de Projeto Detalhado, identificando fontes de desperdícios e erros, tornando claro os pontos de melhoria e medidas corretivas. Se não forem identificadas, essas falhas serão transmitidas aos consumidores, os custos com garantia sobem substancialmente, há desperdício de tempo e material (MURAD, 2011 e ROSSI et al, 2011). Segismundo e Cauchick Miguel (2008) propuseram a utilização do FMEA em uma empresa do setor automotivo que já possuia o PDP em suas instalações. Os principais resultados foram: otimização do projeto e testes em 15% e decréscimo de 35% na necessidade de construção de protótipos de carros. 11

12 O FMEA é uma ferramenta fundamental no PDP ao analisar detalhadamente e individualmente cada possível modo de falha; compreender a relevância de cada falha; identificar riscos na fases iniciais do projeto; assegurar a qualidade do produto; diminuir custos com garantia CAD/CAE/CAM As ferramentas de desenho e especificações CAD, CAE e CAM funcionam como avaliadores do desenvolvimento de produtos, à medida que definem as entradas, desenhos, dados, especificações de material e engenharia aos processos e asseguram que as tolerâncias das peças sejam compatíveis com as normas e disponibilidades de fabricação. Através deles é possível identificar as dimensões que afetam suas funções, durabilidade, qualidade e satisfação do cliente (MALUF FILHO, 2008). A ferramenta CAD (Computer Aided Design) é um mecanismo básico para concepção de produtos e especificações mais sofisticados, permitindo às empresas desenvolverem produtos utilizando menos recursos e em um menor tempo (MARION, 2008). A ferramenta CAE (Computer Aided Engineering) auxilia na melhoria da qualidade do produto final e reduz o tempo total ao utilizar protótipos. A simulação no software CAE identifica componentes que tenham grande impacto no desenvolvimento do produto (MALUF FILHO, 2008). A ferramenta CAM (Computer Aided Manufacturing) é utilizada para conhecer efetivamente os custos de produção e quais ferramentas e máquinas são necessárias para construção do produto. Através de simulações, esse software colabora na identificação de falhas durante o processo de fabricação (INGOLE et al., 2009). Assim, as empresas devem explorar essas ferramentas a fim de cooperar com o PDP, encurtando o ciclo de desenvolvimento e introdução de novos produtos no mercado, sem desconsiderar as atividades de planejamento (SILLER et al., 2008) Prototipagem Rápida A utilização da Prototipagem Rápida (Rapid Prototyping- PR) para conceber todos os produtos desenvolvidos por uma empresa é aparentemente inviável, devido ao tempo demandado para sua utilização, máquinas, mão de obra e materiais. Porém envolver essa 12

13 ferramenta de engenharia no PDP diminui os tempos padrões de desenvolvimento, moldes e protótipos substancialmente (INGOLE et al., 2009). Os mesmos autores salientam que a necessidade de transferência de tecnologia para a implantação dessa ferramenta nas indústrias é devido ao processo de fabricação automatizado, redução do tempo de preparação da produção, eliminação do uso de outras ferramentas, possibilidade de produção de produtos personalizados, redução dos prazos de entrega e não produção de resíduos. A PR deve ser uma atividade integrante do PDP, testando e diminuindo a probabilidade de erros de projeto. Durante a fase de construção de um protótipo empresa, clientes, fornecedores, projetistas se interagem para decidir as melhores opções para o produto. 4. Considerações Finais A inovação tem aumentado o nível de competição entre as empresas e consequentemente a pressão para desenvolvimento de novos produtos, esses aspectos resultam em uma melhor performance do PDP. O PDP é uma sistemática essencial para empresas que querem lançar no mercado produtos que atendam ou determinem as necessidades e requisitos dos consumidores, alcançando vantagem competitiva frente à concorrência. Pequenas e Médias Empresas (PMEs) não possuem seus processos documentados e estruturados, assim o desenvolvimento de seus produtos é conduzido de maneira desordenada. Por isso, criar um modelo de PDP interessa especialmente as PMEs, pois quanto mais eficientes forem, maiores serão as chances de sobreviverem à competição do mercado. Para isso é preciso considerar o nível de inovação de seus produtos, os objetivos do processo; conhecer as entradas, saídas e fluxos de informações e produção; utilizar ferramentas que capturem as principais funções do PDP (RODRIGUES, DE PAULA e ECHEVESTE, 2008). A Revisão Sistemática mostrou-se eficaz na identificação das práticas de engenharia mais comuns no PDP, como o QFD, FMEA, PR, CAD/CAE/CAM, DFX. Porém a literatura foi escassa na demonstração de como as ferramentas foram implantadas, e em modelos de PDP de empresas que utilizem tais práticas. Os desafios impostos sobre esta pesquisa se traduziram na dificuldade em analisar o grande número de artigos retornados pelas máquinas de busca e decidir quais deles deveriam ser utilizados. 13

14 As práticas e ferramentas (QFD, FMEA, DFX, CAD/CAE/CAM, PR) mostraram-se fundamentais durante o PDP, ao melhorarem a eficiência de produtos e processos, diminuírem o número de retrabalhos, o tempo de desenvolvimento e custos. Uma das oportunidades da pesquisa é entender quais são os requisitos para que uma empresa implante práticas e ferramentas de engenharia em seus processos, como deve ser conduzido esse processo, e desenvolver modelos de PDP que utilizem as ferramentas CAD/CAE/CAM e PR, já que são ferramentas fundamentais para o PDP e não foram encontrados estudos similares a estes na literatura. As atividades futuras dessa pesquisa estão relacionadas com ao desenvolvimento de um questionário para pequenas e médias empresas do setor metal- mecânico da cidade de Maringá/PR, para caracterização do setor. Empresas filiadas ao Sindicado das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal), vinculado ao sistema FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), somam um total de 1177, distribuídas em 55 municípios. Essas empresas desenvolvem atividades como: tornearia, serralheria, metalurgia, fundição, corte e dobra de chapas metálicas, fabricação de molas, fabricação de implementos agrícolas, entre outras. Agradecimento Ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pela bolsa de iniciação científica concedida. 5. Referências AZEVEDO, D. A. G. DE; POLITANO P. R. Modelagem do Processo de Cotação para Desenvolvimento de Novos Produtos em uma Indústria Eletroeletrônica. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 24., 2009, Salvador. Anais Salvador: Disponível em: <www.abepro.org.br/publicacoes>. Acesso em: 16/12/2012. BIOLCHINI, J. et al. Systematic Review in Software Engineering (Relatório de pesquisa). CAUCHICK MIGUEL, P.A. QFD no desenvolvimento de novos produtos: um estudo sobre a sua introdução em uma empresa adotando a pesquisa-ação como abordagem metodológica. Produção, v.19, n.1, Disponível em: <www.scielo.org>. Acesso em 14/12/2012. CHORDÀ, I. M.; GUNASEKARAN, A.; ARAMBURO, B. L. Product Development process in Spanish SMEs: na empirical research. Technovation, v.22, p ,

15 DEMOLY, F. et al. Pro Active Assembly Oriented Design Approach based on the Deployment of Function Requirements. Journal of Computing and Information Science in Engineering, v.11, março de Disponível em: <www.engineeringvillage.com>. Acesso em: 12/12/2012. GIUDICE, f.; BALLISTERI, F.; RISITANO, G. A concurrent design method based on DFMA-FEA integrated approach. Concurrente Engineering, v.17, Disponível em: <www.scirus.com>. Acesso em: 12/12/12. HOLT, R.; BARNES, C. Towards an integrated approach to Design For X : an agenda for decision-base DFX research. Research Engineering Design, v. 21, Disponível em :< Acesso em: 12/12/12. INGOLE, D. S. et al. Rapid Prototyping- a Technology Transfer Approach For Development Of A Rapid Tooling. Rapid Prototyping Journal, v.15, n.4, Disponível em: <www.engineeringvillage.com>. Acesso em: 12/12/2012. IRANMANESH, H.; THOMSON, V. Competitive Advantage by Adjusting Design Characteristics to Satisfy Cost Targets. International Journal Production Economics, v.64, n.71, Disponível em: <www.engineeringvillage.com>. Acesso em: 12/12/2012. KAMINSKI, P. C.; OLIVEIRA, A. C. de; LOPES, T. M. Evaluation of the real use of formal methodologies in the product development process in brazilian SMEs. Product: Management & Development, v.3, n.2, LOWELL, W. E. New Product Development: A Step-by-Step Approach to Developing Your Next New Product or Service MALUF FILHO, W. M. Modelo Para Gestão de Desenvolvimento e Produção de Pneus Fornecidos para Indústria Automobilística f. Tese (Doutorado em Engenharia) Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, MARION, T.J. On The Use Of Global Cost Modeling Early in New product Development Disponível em: <www.engineeringvillage.com>. Acesso em: 12/12/2012. MURAD, C. A. Desenvolvimento de novos produtos considerando aspectos de confiabilidades, risco e ferramentas de qualidade f. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, REITMEIER, J.; PAETZOLD, K. Consideration of market-oriented business strategies within the knowledge system of Design for X (DFX). In: International Conference on Engineering, Technology and Innovation,18., 2012, Munich. Anais Munich: Disponível em: <www.engineeringvillage.com>>. Acesso em : 12/12/12. RODRIGUES, L. S.; PAULA, I. C. de; ECHEVESTE, M. A. S. Modelo teórico de integração de ferramentas de projeto no Processo de Desenvolvimento de Produto. In: Simpósio de Engenharia de Produção, 15., 2008, Bauru. Anais... Bauru: Disponível em: <www.simpep.feb.unesp.br/anais.php>. Acesso em: 19/11/

16 ROSSI, M. et al. Proposal of a method to systematically identify wastes in New Product Development Process. In: International Conference on Concurrent Enterprising, 17., 2011, Aachen. Anais Aachen: Institute For Industrial Management, Disponível em: <www.ieeexplore.ieee.org> Acesso em: 15/12/2012. ROZENFELD, H. et al. Gestão de Desenvolvimento de Produtos: uma referência para melhoria dos processos. São Paulo: Saraiva SAMPAIO, R. F., MANCINI, M. C. Estudos da Revisão Sistemática: Um guia para a síntese. Criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira De Fisioterapia, v. 11, n.1, São Carlos, SEGISMUNDO A.; CAUCHICK MIGUEL, P.A. Key Success Factors on New Product Development: A Preliminary Investigation on the Cooperation Model at an Automotive Company. In: International Conference on Industrial Engineer and Operation Management: The Integration of Productive Chain with an Approach to Sustainable Manufacturing, 14., 2008, Rio de Janeiro. Anais Rio de Janeiro: Disponível em: <www.abepro.org.br/publicacoes>. Acesso em: 16/12/2012. SELVARAJ, P.; RATHAKRISMAN, P.; Adithan, M. An integrated approach to design for manufacturing and assembly based on reduction of product development time and cost. International Journal Advantage Manufacturing Technology, v.42, 2008.Disponível em: <www.engineeringvillage.com>.acesso em: 12/12/12. SETTI, D. Análise do Processo de Desenvolvimento de Produto de uma empresa de fundição de pequeno porte: uma comparação entre modelos referenciais teóricos e a prática. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais Disponível em: <www.abepro.org.br/publicacoes>. Acesso em: 16/12/12. SILLER, H. R. et al. Modelling Workflow Activities for Colaborative Process Planning With Product Lifecycle Management Tools. Journal Intell Manufacturing, v.19, Disponível em: <www.scirus.com>. Acesso em: 12/12/2012. TOLEDO, J. C. de et al. Práticas de Gestão no Desenvolvimento de Produtos em Empresas de Autopeças. Produção, v. 18, n.2, Disponível em: <www.scielo.org>. Acesso em: 14/12/12. 16

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Maria Clara da Costa Teixeira (EESC USP) mclara@sc.usp.br Álvaro Costa Neto (EESC USP) costa@sc.usp.br Resumo Diante das

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

SIC 2011. Reprojeto do Equipamento Caçamba Meia-Cana, Modelo 10x4, a Partir de Uma Decisão Estratégica. Edillon Pinheiro Silva

SIC 2011. Reprojeto do Equipamento Caçamba Meia-Cana, Modelo 10x4, a Partir de Uma Decisão Estratégica. Edillon Pinheiro Silva SIC 2011 Reprojeto do Equipamento Caçamba Meia-Cana, Modelo 10x4, a Partir de Uma Decisão Estratégica Edillon Pinheiro Silva Rossetti Equipamentos Rodoviários Ltda. Apresentação Rossetti Equipamentos Rodoviários

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS Flávio Zorzan (FAHOR) fz000872@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO (PDP) NA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO (PDP) NA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO (PDP) NA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS Heloisa Sousa Ribeiro Ferreira José Carlos de Toledo Universidade Federal de São

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Pedro de Oliveira Conceição Junior Prof. Dani Marcelo Nonato Marques Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade de Tecnologia

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP

IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP IDENTIFICAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE UM SISTEMA ERP Henrique Rozenfeld Eduardo de Senzi Zancul Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos Núcleo de Manufatura

Leia mais

O Desenvolvimento de Novos Produtos Importância, abordagens e metodologias. Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI

O Desenvolvimento de Novos Produtos Importância, abordagens e metodologias. Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. INOVAÇÃO DE PRODUTO 2. RISCOS NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS 3. DETERMINANTES DE SUCESSO DE DNP 4. O CICLO DE DNP 2 01. INOVAÇÃO DE PRODUTO 3 01.

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gestão Gestão de Qualidade

Gestão Gestão de Qualidade Gestão Gestão de Qualidade Qualidade fator bastante objectivo difere de pessoa para pessoa e difere no tempo Consumidor grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido Produtores

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Inscrições PLM-SUMMIT 2013. PLM e Manufatura Digital para a Cadeia Automotiva. www.plm-summit.com

Inscrições PLM-SUMMIT 2013. PLM e Manufatura Digital para a Cadeia Automotiva. www.plm-summit.com PLM-SUMMIT 2013 PLM e Manufatura Digital para a Cadeia Automotiva 12-13 março - 8h30 às 17h00 Auditório ABINEE Av Paulista, 1439-6º Andar São Paulo SP Brasil Inscrições www.plm-summit.com Mudanças no Mundo

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

FUNDAMENTOS E ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO PLM DE IMPLANTAÇÃO PLM

FUNDAMENTOS E ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO PLM DE IMPLANTAÇÃO PLM Seminário Internacional PRODUCT LIFECYCLE MANAGEMENT FUNDAMENTOS E ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO PLM Darli Rodrigues Vieira Seminário Internacional PRODUCT LIFECYCLE MANAGEMENT FUNDAMENTOS E ESTRATÉGIA DE

Leia mais