O MARKETING COMO FERRAMENTA PARA FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MARKETING COMO FERRAMENTA PARA FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES"

Transcrição

1 O MARKETING COMO FERRAMENTA PARA FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES Karen Estefan Dutra* Luciana Bellini Rangel** RESUMO Um novo conceito já está sendo abordado quando o assunto é cliente. As organizações já se dão conta de que ele é quem dita as regras do jogo. Por essa razão, percebe-se que são os clientes leais e não os clientes meramente satisfeitos que sustentam a liderança de uma empresa no mercado. Para obter essa lealdade as mesmas devem desenvolver algumas ferramentas de marketing e contar com uma equipe de profissionais qualificados. O artigo aborda que a fidelização do cliente está ligada à percepção do mesmo em relação às suas expectativas. Em um mercado competitivo, como o atual, é preciso ir além do imaginado, aprender com as observações e saber reagir às atitudes dos clientes. Palavras-Chave: marketing; cliente; relacionamento; fidelização. ABSTRACT A new concept is already being approached when the subject is customer. Companies noticed that is the customer who commands the actions. For that reason, it is noticed that are the loyal customers and no the customers merely satisfied that sustain the leadership of a company in the market. To obtain that loyalty, the companies should develop some marketing tools and to count with a team of qualified professionals. This article approaches that the customer's fidelity is linked to its perception in relation to its expectations. In a competitive market, as the current, is necessary to go beyond the imagined, to learn with the observations and to know how to react to the attitudes of the customers Key-words: marketing; customer; relationship; fidelity. * Professora do Curso de Administração Granbery, mestre em Engenharia da Produção, pela Universidade Federal de Santa Catarina. ** Professora do Curso de Administração Granbery, mestre em Engenharia da Produção, pela Universidade Federal de Santa Catarina.

2 Introdução O ponto de partida para qualquer segmento de marketing é o chamado marketing de massa. Locke (1996) e Kotler (2000), fazendo uma analogia, dizem que a produção em série tem por objetivo alcançar o maior mercado ao menor custo possível. Este conceito é definido como sendo o marketing de massa: a empresa dedica-se à produção, distribuição e promoção em massa de um produto para todos os mercados. Entretanto, com o passar do tempo, surgiram novos pontos; entre eles, o marketing de serviço. Considera-se marketing de serviço a modalidade de marketing diretamente ligada ao intangível, preocupando-se diretamente com as relações comerciais que focam a percepção do comprador em relação ao objeto de compra. Dessa forma, devido à evolução do senso crítico do mercado e dos consumidores e também devido aos poderes a eles conferidos pela legislação, as organizações conscientizaram-se de que a qualidade do bem e do serviço é requisito mínimo de competição. Percebe-se também que a qualidade do relacionamento é condição distintiva e medida mais apropriada do sucesso de uma organização (Peppers; Rogers, 1997). O relacionamento com o cliente está diretamente ligado ao serviço adicional prestado por qualquer empresa a qualquer cliente em qualquer ato de compra ou venda de bens. Cobra (2001) define todas as relações como serviços prestados. Dessa forma, conclui-se que, em alguns momentos, o marketing de serviço está intimamente ligado ao marketing de relacionamento. O marketing de serviço tornou-se uma ferramenta eficaz e base competitiva para diferenciação nas indústrias, evoluindo, assim, para o marketing de relacionamento. A urgência das organizações em aproximar-se dos clientes faz com que ocorra o aparecimento de novos produtos, mais adequados aos gostos e necessidades dos consumidores. Segundo Mckenna (1991), o marketing de relacionamento é essencial ao desenvolvimento da liderança no mercado, à rápida aceitação de novos bens e serviços e à

3 consecução da fidelidade do consumidor. A criação sólida e duradoura é tarefa árdua, de difícil manutenção. Para Gordon (1998), o marketing de relacionamento é o processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes individuais e o compartilhamento de seus benefícios durante uma vida toda de parceria. Na visão de Locke (1996), a atuação individualizada em mercados específicos, passou a ser prioritária, em vez da economia de escala. O foco deixou de ser fabricar um produto para um mercado demasiadamente grande. As empresas se viram obrigadas a desenvolver produtos diferenciados para mercados específicos. Levitt (1988) define o marketing de relacionamento comparando-o com o casamento do cliente com a organização. As partes possuem expectativas distintas e necessidades específicas. O autor defende ainda que o sucesso desta abordagem de marketing, assim como no casamento, dependerá de um relacionamento inevitável de interdependência. Outros conceitos a respeito de marketing de serviços foram desenvolvidos por Grönroos (1993); que afirma que uma de suas características principais cedeu lugar a noções de marketing de relacionamento: não havendo freqüentemente, no marketing de serviços, distinção entre produção, entrega e consumo, a interação vendedor-comprador deve ser considerada como parte da tarefa de marketing que será cumprida somente com um relacionamento com o cliente. Assim, percebe-se claramente que o marketing de serviços não se trata de uma ramificação independente do restante das atividades exercidas por uma empresa prestadora de serviços. É, na verdade, uma parte altamente importante do todo, tem uma característica de solidariedade, ou seja, não é responsável apenas por uma parte das atividades da empresa, e, sim, juntamente com as demais, responsável por todos os segmentos da empresa. Caso haja falhas nas atividades de marketing, elas se irradiarão por toda a empresa. Uma das principais razões pela qual utiliza-se o marketing é a intenção de por meio dele responder às expectativas dos clientes. Sendo assim, o marketing de relacionamento, assim como o marketing de serviço, atuam no sentido de conquistar, e, também, de manter clientes já existentes.

4 Atualmente, saber o que os diversos clientes necessitam envolve muito mais do que simplesmente computar o que eles compraram, pois diferentes clientes compram o mesmo produto por razões muito diferentes. Por essa razão, ter um bom relacionamento com o cliente supera a mais cara pesquisa de mercado, pois são os mesmos que lhe darão subsídios para o trabalho (GOHDZIMER; BECKMANN, 1991). 1 Fidelização de Clientes Para atender clientes, atualmente, é preciso desenvolver produtos e serviços de qualidade e segurança, fornecer instruções de uso e informar sobre seus riscos potenciais, visto que uma empresa produz cultura e influencia o comportamento de todos. Para ele é preciso também transformar essas informações em especificação do serviço e investir em equipamentos, pessoas, instalações, enfim, nos recursos para atender as necessidades e expectativas de todas as pessoas. Para atender as suas expectativas é bom prestar mais atenção e se armar de estratégias para não afugentá-los, e, sim, continuar encantando-o, antes que o seu concorrente o faça, utilizando as armas que sua empresa subestima. É necessário fazer com que os clientes tornem-se fiéis, fazendo com que repitam suas compras com regularidade. Afinal, o cliente fiel não cede às pressões dos concorrentes, recomenda os produtos há outros e tolera eventuais falhas no atendimento. Parece até utópico acreditar que isto realmente possa acontecer. Mas não, a fidelidade hoje em dia está sendo perseguida por inúmeras empresas. No mundo dos descartáveis, onde os produtos e até as pessoas são facilmente substituídos, surge a necessidade à retomada dos valores básicos e essenciais ao ser humano. Conforme afirmação de Kotler (2000), na década de 80, a satisfação dos clientes era palavra de ordem para as empresas. Hoje, sabe-se que a satisfação por si só não é um fator que irá determinar a repetição da compra. A Fidelidade certamente não é algo que se conquista da noite para o dia. A fidelidade é construída por meio de cada experiência que uma pessoa vive em sua interação com a empresa. Assim, vale a pena recordar que os consumidores passam por várias etapas em seu caminho rumo à fidelidade (GRIFFIN, 1998): cliente presumido, cliente potencial qualificado, cliente que concretiza a primeira compra, cliente habitual e cliente pregador.

5 Uma das ferramentas promocionais mais poderosas e eficazes é a publicidade boca a boca. Os clientes indicados por outros exigem menos esforços de vendas e tendem a ser mais fiéis. Sabe-se que no ciclo do serviço há os momentos da verdade, os quais definirão parte da relação comercial entre fornecedores e clientes. Não há uma segunda chance para se causar uma boa primeira impressão. Considerando o ciclo do serviço como uma cadeia contínua na qual o cliente passa a medida que experimenta o serviço prestado. O ciclo de serviço seria o mapa de todos os momentos da verdade, conforme vivenciados pelo cliente, em sua seqüência habitual (GIANESI; CORRÊA, 1996 p.87). Cobra (2001) define que toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para produzir, comercializar, entregar e sustentar o seu serviço. A partir dessa análise, busca-se outros conceitos para melhor definir como uma empresa pode criar diferencial competitivo dentro da cadeia de valor. Para serviços utiliza-se a expressão momentos da verdade para representar o momento de contato entre o fornecedor do serviço e o cliente. Albrecht; Zemke (1998) definem este instante como sendo um episódio, ou seja, um evento especifico no tempo, no qual o cliente entra em contato com algum aspecto da organização e adquire uma impressão de seu serviço. Já Carlzon (1994), denomina os momentos da verdade como sendo cruciais, comuns a quaisquer encontros de serviços, em que são estabelecidas relações diretas entre servidores e consumidores. Essas situações determinam a percepção dos consumidores acerca do diferencial oferecido pela empresa. Grönroos (1993) enfatiza que a comunicação interativa em serviços comporta não apenas o servidor, o consumidor e o processo de operacionalização do serviço, como também o ambiente físico, os equipamentos utilizados, a tecnologia envolvida e a adequação desses elementos às necessidades dos clientes. Os encontros de serviço são momentos culminantes e decisivos das atividades de comunicação da empresa. Situações cruciais em que uma palavra ou um gesto pode determinar a diferença entre o sucesso e o fracasso no mercado. Situações tão importantes para as organizações que devem merecer atenção especial por parte dos gerentes, especialmente no que tange ao treinamento e ao desenvolvimento do pessoal de atendimento.

6 Conforme Albrecht; Zemke (1998), os momentos da verdade ocorrem com uma tipologia extremamente variada e em uma freqüência altamente intensa. Além disso, esses momentos possuem importâncias variadas para cliente e fornecedor. Assim, o fornecedor do serviço deve identificar este momento e priorizar seus esforços, buscando criar uma percepção favorável por parte do cliente. O somatório de todos os momentos da verdade experimentados pelo cliente, por intermédio do contato humano ou não, forma a imagem que eles terão do serviço prestado pela organização. Dessa forma, a percepção é construída pelo somatório de cada momento, ou seja, em cada contato estabelecido. Durante a prestação de serviço, o cliente vivencia uma série de momentos da verdade que ocorrem em uma seqüência específica. E a essa seqüência de momentos denomina-se ciclo do serviço, que varia de acordo com a natureza do serviço prestado. Albrecht; Zemke (1998) afirmam que, a cada ciclo, o cliente compara a percepção do serviço prestado com suas expectativas iniciais. Gianesi, Corrêa (1996) sustentam ainda que a dificuldade em gerenciar o ciclo de serviço reside no fato de que tradicionalmente os prestadores de serviço não conseguem visualizar o processo como um fluxo contínuo e único de experiências interligadas, sendo encarado meramente como cumprimento de tarefas e responsabilidades individuais. O conjunto dos momentos da verdade forma o ciclo do serviço. A expressão momentos da verdade foi criada por Normann (1993) para simbolizar o momento de contato entre o cliente e o fornecedor do serviço. O cliente vivencia uma série de momentos da verdade, durante a prestação de serviço. O conjunto desses momentos forma o ciclo do serviço. Gianesi, Corrêa (1996) afirmam que existem diferentes momentos da verdade com diferentes importâncias e há os chamados momentos críticos ou fundamentais para a percepção do cliente a respeito do serviço prestado. Portanto, o fornecedor do serviço deve identificar esses momentos, com o intuito de priorizar seus esforços, visando uma percepção favorável de seus serviços para o cliente. Em geral, a prestação do serviço é a principal responsável pela percepção do cliente em relação ao serviço. Para os autores, os chamados momentos críticos são os primeiros e os últimos momentos da verdade. A primeira e a última impressão são as que ficam, podendo estas influenciar na decisão do cliente de repetir a compra.

7 Entretanto, não são apenas os primeiros e os últimos momentos da verdade que podem ser os críticos. Devido a isso é preciso determinar quais seriam esses momentos críticos, além dos momentos iniciais e finais. Visualizando a seguir, entende-se melhor o que seria o ciclo de serviço. Fonte: Gianesi; Corrêa (1996). Gianesi, Corrêa (1996) enfatizam que todo cliente tem uma expectativa inicial em relação ao serviço a ser prestado, e em cada momento da verdade ele compara a percepção do serviço e a respectiva expectativa. Os critérios usados pelo cliente na avaliação de alguns momentos da verdade podem ter pesos diferentes, o que faz com que determinados momentos tornem-se críticos, uma vez que afetarão em maior grau a percepção do cliente. Conclui-se, portanto, que é de fundamental importância conhecer os critérios segundo os quais o cliente avalia o serviço. A partir dessa avaliação o fornecedor do serviço pode priorizar seus esforços no sentido de gerar uma percepção favorável para o cliente ao longo de toda a cadeia de valor. Segundo Griffin (1998), a fidelidade é o resultado da atenção dada àquilo que é necessário para manter um cliente, seguida pela execução constante desse requisito. O

8 aumento da fidelidade dos clientes leva à maior lucratividade, maior manutenção dos clientes e uma base financeira mais estável. 2 Níveis de Fidelidade Os índices de fidelidade são definidos pelo nível de vínculo do cliente, combinados com o nível de compras regulares. A fidelidade pode ser medida em quatro níveis: nenhuma fidelidade, fidelidade circunstancial, fidelidade indolente e fidelidade especial. O objetivo é elevar até a fidelidade especial o maior número possível de clientes. Uma abordagem mais ativa em relação à administração da fidelidade é começar a partir dos primeiros estágios de conquista do cliente e imaginar formas de cultivar e aumentar a fidelidade ao longo do relacionamento entre a empresa e o cliente. Por essa razão, alguns pontos podem ser abordados:» Estágios de Fidelidade A fidelidade do cliente decorre de sete estágios: suspeito, prospect desqualificado, comprador, cliente eventual, cliente regular e defensor. A atitude e o acompanhamento desse estágio é essencial para o desenvolvimento de clientes fiéis. Os clientes precisam ser encarados como indivíduos e tratados como tal.» Pesquisa e a segmentação do mercado A pesquisa e a segmentação do mercado são instrumentos vitais para que se possa focalizar o mercado adequadamente. O atendimento inicia-se pela visão que a empresa possui em relação ao cliente. A empresa inteligente escolhe seus clientes e depois aprende com eles. Faça com que os clientes saibam quem você é, e o que você quer. Isso permitirá que o cliente identifique-se com a empresa.» Posicionamento da Empresa

9 Existem dois instrumentos básicos de posicionamento da empresa: a imagem e a personalidade; portanto é vital escolher o veículo que melhor apoiará seu posicionamento no mercado. A empresa deverá ser fiel àquilo que comunica. É necessário tempo e paciência para desenvolver a confiança de um cliente. Planejar a segunda ligação ou visita antes de realizar a primeira pode ser uma estratégia fundamental. Assim, é preciso desenvolver uma gama de razões para contatar novamente seus clientes em potencial.» Relacionamento com os clientes É fundamental que se alimente o relacionamento com os usuários dos seus serviços, bem como com quem toma as decisões de compra para ajudar a manter a fidelidade das contas. Nunca se deve considerar a fidelidade dos clientes como certa. A fidelidade precisa ser percebida e reconhecida para ser duradoura. O estágio do cliente fiel é o mais importante para os lucros em potencial. Os clientes possuem informações valiosas e estão dispostos a compartilhá-las se a empresa empenhar-se, financeira e corporativamente, na obtenção do feedback. Antes de ter clientes fiéis, precisa-se de funcionários fiéis. Como foi abordado, a publicidade boca a boca é a mais poderosa que a empresa pode conseguir. Os clientes indicados exigem menor esforço de venda e são mais fiéis do que os outros, pois já compraram seu produto.» Reclamações dos clientes Ouvir as reclamações dos clientes é sempre melhor do que não ouvir nada. Você sempre poderá resolver uma reclamação, mas é praticamente impossível solucionar um problema que você nem se dá conta que existe. Os funcionários da linha de frente são a chave para o desenvolvimento da fidelidade. O desempenho desses funcionários determina e dá forma às opiniões dos clientes sobre a nossa empresa. A mensuração e o acompanhamento são fundamentais para todos os programas de fidelidade bem-sucedidos. A estratégia bem-sucedida no desenvolvimento da fidelidade não é estática, devendo, ao contrário, ser constantemente atualizada, aperfeiçoada e corrigida à medida que as condições e as pessoas se modificam.

10 Sendo assim, empresas inteligentes, atualmente, não se vêem como vendedoras de produtos ou serviços, mas como criadoras de clientes lucrativos. Não querem apenas gerar uma carteira de clientes, mas serem donas desses clientes para sempre. Tornar um cliente mais forte e fiel requer levá-lo através de vários estágios de desenvolvimento de sua fidelidade. A melhor propaganda é um cliente satisfeito. Conclusão As empresas vivenciam um momento de ruptura do previsível e do pensamento linear, e passam a se estabelecer em um ambiente complexo e turbulento. A pretensão da organização é de estar cada dia um passo a frente, para alcançar, com isso, objetivos mais intensos e desafiadores. Entretanto, para que todo seu potencial possa ser vislumbrado, a mesma deve ter um conhecimento significativo do mercado, mais precisamente de seus clientes atuais e potenciais. Para isso muitas se utilizam da fidelização para garantir um futuro promissor. Mas, será tão simples assim tornar um cliente fiel? Certamente não. Clientes só serão fiéis se as empresas souberem: - medir e acompanhar a fidelidade utilizando variáveis pré-estabelecidas para que possam ser mensurados os gastos dos clientes por meio da aquisição dos serviços e produtos ofertados; - informar o significado e a importância da fidelidade dos clientes a todos os funcionários da empresa; - recompensar os índices de fidelidade excelentes de seus clientes; - envolver seus funcionários no desenvolvimento e na manutenção de seus programas de fidelidade; - reunir uma variedade de recursos de marketing, vendas e atendimento destinados a cultivar a fidelidade em cada estágio do cliente; - modificar, sintonizar e corrigir o sistema de fidelidade durante todo o processo, adequando produtos específicos às necessidades individuais de seus consumidores. Por essa razão, a fidelização não é um processo simplório e finito, mas, sim, uma busca constante pela excelência no relacionamento.

11 Referências Bibliográficas ALBRECHT, Karl, ZEMKE, Ron. Service America: doing business in the new economy. Homewood, I11.: Dom Jones-Irwin, CARLZON, Jan. A hora da verdade. Rio de Janeiro: COP, COBRA, Marcos. Estratégias de marketing de serviço. São Paulo: Cobra, GIANESI, Irineu G. N.; CORRÊA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços: operações para a satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, GORDON, Ian. Marketing de relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias para conquistar clientes e mantê-los para sempre. São Paulo: Futura, GOLDZIMER, Lenda Silverman; BECKMANN, Gregory H.. Primeiro Eu. São Paulo: Editora Atlas, GRIFFIN, Jill. Como conquistar e manter o cliente fiel: transforme seus clientes em verdadeiros parceiros. São Paulo: Futura, GRÖNROOS, Cristian. Marketing: gerenciamento e serviço. 12.ed. São Paulo: Campus, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall, LEVITT, Theodore. A Imaginação de marketing. São Paulo : Atlas, LOCKE, Karen. A funny thing happened! The management of costumer emotions in service encounters. Organization Science, v. 7, Jan/Fev McKENNA, Regis. Marketing de relacionamento: estratégias bem-sucedidas para a era do cliente. Rio de Janeiro : Campus, NORMANN, R. Administração de serviços: estratégia e liderança na empresa de serviços. São Paulo: Atlas,1993. PEPPERS, Don; ROGERS, Martha. Enterprise one to one: tools for competing in the interactive age. NY : Currency/Duobleday, 1997.

12 Rua Antônio Altaf, no. 150 apto. 202 Cascatinha Juiz de Fora MG Cep:

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A relevância do marketing de relacionamento como diferencial estratégico. Célia Dugaich. marketing de relacionamento

A relevância do marketing de relacionamento como diferencial estratégico. Célia Dugaich. marketing de relacionamento A relevância do como diferencial estratégico Célia Dugaich Definição "Marketing de Relacionamento é o processo contínuo de identificação e criação de novos valores com clientes e o compartilhamento de

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 MARKETING DE RELACIONAMENTO Rodinei Vargas De Araújo RESUMO: Este trabalho apresenta os elementos que constituem um Artigo Cientifico sobre o tema principal que é o Marketing de Relacionamento para empresa

Leia mais

Item 2- Marketing. Atendimento

Item 2- Marketing. Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Item 2- Marketing Atendimento Processo usado para determinar quais produtos ou serviços poderão interessar aos consumidores e qual a melhor estratégia a ser utilizada nas

Leia mais

Programa de comunicação com o. público interno - endomarketing

Programa de comunicação com o. público interno - endomarketing Programa de comunicação com o público interno - endomarketing Prof. Edmundo W. Lobassi Primeiramente. precisamos definir nosso público interno. Se vocês pensaram somente nos funcionários, sinto informarlhes,

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS RESUMO

O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS RESUMO O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS CHEHADE, Michelle Bellintani Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: michellebc@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

MARKETING. CAMINHO PARA A SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE

MARKETING. CAMINHO PARA A SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE MARKETING. CAMINHO PARA A SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE Felipe Alessandro Dória felipealessandro10@yahoo.com.br Rua Agostinho Andery, 293 Arvore Grande Pouso Alegre MG CEP: 37.550-000 Everson Danilo

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA Márcia Esperidião 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Patrícia Pâmela Martins 3. RESUMO Este artigo tem como finalidade,

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem Carlos de Andrade Giancarlo Moser Professor de Metodologia da Pesquisa Curso de Pós-Graduação em

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

Programas de Suporte a Força de Vendas

Programas de Suporte a Força de Vendas Prof. Edmundo W. Lobassi Hoje, abordaremos o tema Programas de suporte à força de vendas. Na aula passada, vimos os programas de incentivo como forma de aumentar a venda qualitativa (mix de produtos) e

Leia mais

CRM = filosofia? Edição 41. 2 Análise sectorial da "churn". Um estudo realizado no Reino Unido. Artigo disponível em. www.daemonquest.com.

CRM = filosofia? Edição 41. 2 Análise sectorial da churn. Um estudo realizado no Reino Unido. Artigo disponível em. www.daemonquest.com. CRM = filosofia? CRM. Sigla muito utilizada atualmente, principalmente em grandes corporações que têm intimidade com a sopa de letrinhas que são as siglas relacionadas a soluções tecnológicas. CRM vem

Leia mais

Programas de incentivo

Programas de incentivo Prof. Edmundo W. Lobassi Hoje, vamos abordar o tema Programas de Incentivo. Muitos profissionais de marketing acreditam que os programas de incentivo estejam sempre vinculados aos esforços de vendas, como

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros!

Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros! Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros! Palestra - 2009 Prof.: Rodrigo Maia Rodrigo Maia Publicitário, pós graduado em gestão e recursos humanos. Dez anos de experiência no mercado de

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Planejamento e Implementação de Ações de Marketing

Planejamento e Implementação de Ações de Marketing Planejamento e Implementação de Ações de Marketing Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS ADEMIR HENRIQUE Discente do Curso de Administração das

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

MARKETING DE PERMISSÃO

MARKETING DE PERMISSÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento MARKETING DE PERMISSÃO Transformando desconhecidos em amigos e amigos em clientes Seth Godin Disciplina: Sociedade da Informação Alunos:

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES

UM ESTUDO SOBRE A FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES UM ESTUDO SOBRE A FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES Adriane da Silva Jilian Cristina Voss RESUMO: Hoje, as instabilidades do mercado provocadas pelas mudanças econômicas e políticas em conjunto com a veloz evolução

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Relacionamento com o Cliente

Relacionamento com o Cliente Unidade de Projetos Grupo Temático de Termo de Referência para ações de Relacionamento com o Agosto de 2009 Elaborado em: 27/7/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 9 EQUIPE DO GRUPO TEMÁTICO

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ELERNI MARIA SAROTE O MARKETING DE RELACIONAMENTO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ELERNI MARIA SAROTE O MARKETING DE RELACIONAMENTO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ ELERNI MARIA SAROTE O MARKETING DE RELACIONAMENTO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado de Marketing e Logística da Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Fabiana

Leia mais

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

A SIMBIOSE ENTRE COLABORADORES E CLIENTES: UM NOVO MODELO DE GESTÃO EM EMPRESAS TURÍSTICAS

A SIMBIOSE ENTRE COLABORADORES E CLIENTES: UM NOVO MODELO DE GESTÃO EM EMPRESAS TURÍSTICAS A SIMBIOSE ENTRE COLABORADORES E CLIENTES: UM NOVO MODELO DE GESTÃO EM EMPRESAS TURÍSTICAS Ms. Edna Leite Dias RESUMO: A proposta aqui exposta tem como temática central mostrar a importância que deve ser

Leia mais