UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RAMON CESCONETTO SILVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RAMON CESCONETTO SILVEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RAMON CESCONETTO SILVEIRA ANÁLISE DE MERCADO DO SETOR DE AUTOPEÇAS E DE UMA EMPRESA AUTOMOTIVA DA REGIÃO DE JOINVILLE JOINVILLE - SC 2010

2 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RAMON CESCONETTO SILVEIRA ANÁLISE DE MERCADO DO SETOR DE AUTOPEÇAS E DE UMA EMPRESA AUTOMOTIVA DA REGIÃO DE JOINVILLE Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Dr. Fernando Natal de Pretto JOINVILLE - SC 2010

3 3 RAMON CESCONETTO SILVEIRA ANÁLISE DE MERCADO DO SETOR DE AUTOPEÇAS E DE UMA EMPRESA AUTOMOTIVA DA REGIÃO DE JOINVILLE Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Dr. Fernando Natal de Pretto Membro: Dra. Daniela Becker Membro: Msc. Valdésio Benevenutti Joinville, data (18/11/2010)

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus, que se fez presente neste meu percurso, e por poder contar com o apoio de todas as pessoas especiais em minha vida que estiveram comigo durante toda a caminhada. Agradeço ao meu pai e minha mãe que me apoiaram em todos os momentos durante a realização deste trabalho. Não mediram esforços para que alcançasse os resultados, sempre me apoiando nos momentos mais difíceis. Agradeço também a minha irmã que soube me aconselhar e me incentivar nos meus estudos. Á minha família, que tudo fizeram por mim, pelo exemplo, amizade e carinho, ajudando na formação de meu caráter. A todos os meus amigos conquistados durante este período de universidade, no qual houve muito companheirismo e amizade, me ajudando assim a atingir meus objetivos. Agradeço também a universidade e os professores que contribuíram no meu aprendizado através da troca de experiências e grande comprometimento com o conhecimento, em especial o professor Régis Kovacs Scalice, que me ajudou em muito em projetos na universidade e o professor Fernando Natal de Pretto, que me auxiliou grandemente como orientador para a execução deste trabalho. E por todos que contribuíram de forma direta e indireta na realização deste trabalho que por ventura não foram mencionados nesses singelos agradecimentos.

5 5 RAMON CESCONETTO SILVEIRA ANÁLISE DE MERCADO DO SETOR DE AUTOPEÇAS E DE UMA EMPRESA AUTOMOTIVA DA REGIÃO DE JOINVILLE RESUMO Devido às diversas mudanças provenientes do ambiente externo da organização e o constante aumento da competitividade dos concorrentes, é necessário a busca de informações e o monitoramento do mercado para diminuir os riscos e incertezas das decisões estratégicas. O presente trabalho tem por objetivo realizar um estudo de análise setorial de um segmento de mercado no qual a empresa objeto deste estudo está presente, analisar os concorrentes, identificar a demanda de mercado para alguns produtos e realizar a previsão dos mesmos no período de 2010 a Assim sendo, este trabalho caracteriza-se por abordar, através do método exploratório descritivo, um estudo da ferramenta de análise setorial para o levantamento de informações relevantes do ambiente na qual a organização está inserida, também como o processo de identificação e análise de concorrentes, e o cálculo da demanda dos produtos da empresa em um determinado período. Por fim, utilizou-se o emprego de técnicas estatísticas para estimar a previsão de mercado para o ano presente e mais quatro anos, fundamentando a evolução do crescimento das previsões em fatos e noticias de ações governamentais. Como resultado deste estudo conseguiu-se identificar o porte das empresas do setor, observar a tendência de aumento de sistemistas e a prática da engenharia simultânea, como também a boa participação de mercado da empresa analisada frente a seus concorrentes, as montadoras mais demandantes nos segmentos de atuação e a perspectivas positivas para os próximos anos através do estudo da previsão da demanda de mercado. PALAVRAS-CHAVE: análise setorial, autopeças, concorrentes, demanda de mercado, previsão.

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1- O macroambiente e o setor de negócios da organização...16 Figura 2- Análise APEA: componentes...18 Figura 3- As quatro zonas na matriz SWOT...18 Figura 4- Distribuição regional das empresas de autopeças...31 Figura 5- Origem do capital das empresas de autopeças...31 Figura 6- Importação e exportação por estados...34 Figura 7- Análise de concorrentes por segmento nacional...38 Figura 8- Análise de concorrentes por produto...39 Figura 9- Análise de concorrentes por segmento estadual Figura 10- Previsão da demanda de mercado para caminhões...45 Figura 11- Previsão de demanda para o mercado de ônibus...45 Figura 12- Previsão de demanda de mercado para reboques e semirreboques...46 Figura 13- Previsão de demanda de mercado para tratores e colheitadeiras...47

7 7 LISTA DAS TABELAS Tabela1- Evolução do investimento, produção física, empregados e vendas...32 Tabela 2- Análise de crescimento do setor de autopeças...32 Tabela 3- Análise de crescimento das autopeças da Empresa X...33 Tabela 4- Importação e Exportação Brasileira de Autopeças...33 Tabela 5- Faturamento de mercado e grau de nacionalização...34 Tabela 6- Grau de nacionalização das autopeças da Empresa X...35 Tabela 7- Análise de concorrentes a nível nacional...36 Tabela 8- Análise de concorrentes por produtos...37 Tabela 9- Participação da Empresa X e dos principais concorrentes em quantidade...37 Tabela 10- Localização dos principais concorrentes em números...38 Tabela 11- Análise de concorrentes a nível estadual...40 Tabela 12- Participação da Empresa X em quantidade a nível estadual...40 Tabela 13-Quantidade de Cubos de roda de caminhões...41 Tabela 14- Quantidade total de produtos para caminhões...42 Tabela 15- Quantidade de cubos de roda de ônibus...42 Tabela 16- Quantidade total de produtos para ônibus...42 Tabela 17- Quantidade de cubos de rodas para reboques e semirreboques...43 Tabela 18- Quantidade total de produtos para reboques e semirreboques...43 Tabela 19- Exemplo de compra com benefícios...46 Tabela 20- Investimentos para o setor de construção...46

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS ABIFA Associação Brasileira de Fundição ANFAVEA Agência Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores ANFIR Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários APEA Avaliação da Posição Estratégica e Ação CAGR Compound Annual Growth Rate (Taxa Média Anual Composta de Composta de Crescimento) FAO Food and Agriculture Organization (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) FENABRAVE Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores FGV Fundação Getúlio Vargas FIPE Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IPI Imposto Sobre Produtos Industrializados Ltda Limitada MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior PAC Programa de Aceleração do Crescimento PEST Ambientes Políticos, Econômicos, Sociais e Tecnológicos PIB Produto Interno Bruto PRONAMP Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural S.A Sociedade Anônima Sindipeças Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores SWOT Strenghts, Weaknesses, Opportunities e Threats (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças)

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ANÁLISE SETORIAL ANÁLISE SWOT DEMANDA E PREVISÃO DE MERCADO CONCORRENTES PROCEDIMENTO METODOLÓGICO ANÁLISE DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DA EMPRESA CONSIDERAÇÕES GERAIS HISTÓRICO PERSPECTIVAS DISTRIBUIÇÃO REGIONAL GRAU DE CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA ANÁLISE DE CRESCIMENTO POR AUMENTO DE PRODUTIVIDADE Grau de nacionalização ANÁLISE SWOT DO SETOR ANÁLISE DE CONCORRENTES Análise de concorrentes a nível nacional Análise estatística a nível nacional Análise de concorrentes a nível estadual Análise estatística a nível estadual DEMANDA DE MERCADO PREVISÃO DE DEMANDA DE MERCADO CONSIDERAÇÕES FINAIS...48 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...50 APÊNDICES...54

10 10 1 INTRODUÇÃO A quantidade de mudanças que afetam as empresas está criando cenários altamente competitivos e turbulentos, provocando incertezas e ameaças de sobrevivência para algumas delas. Para se prevenirem dos riscos e buscar novas oportunidades de mercado, as empresas devem desenvolver um completo conhecimento e monitoramento do ambiente externo e do mercado (VARGAS; SOUZA, 2001). Segundo Legrain e Magain (1992), a pesquisa de mercado é um instrumento muito útil para as empresas que enfrentam um universo econômico de grande complexidade. Kotler (2000), afirma que a pesquisa de mercado corresponde à elaboração, coleta, análise de dados e descobertas para um determinado segmento que a organização pretende direcionar seus esforços. As organizações devem ser capazes de responder às demandas presentes e futuras do mercado para estarem à frente dos concorrentes. Para isto é necessário um sistema de informações de mercado para gerar diferencial competitivo (GIACOMELLO, 2009). Churchill e Peter (2005), coloca que para alcançar o marketing voltado para a estratégia de valor é necessário compreender clientes e mercados. Então, é necessário pesquisar os clientes, selecionar os segmentos de atuação para determinar os grupos que serão atendidos, ou seja, o mercado-alvo. Para enfrentar o mercado competitivo é necessário muito planejamento e informações consistentes do setor de atuação. Devido às diversas mudanças no mundo dos negócios referentes à tecnologia e fatores econômicos se faz necessário uma análise detalhada do mercado, seja para abrir um estabelecimento ou lançar um novo produto. No mercado de autopeças este fato não é diferente, onde ocorrem fusões, aquisições, joint ventures e programas de governo e legislações que tanto podem aumentar as vendas destes produtos quanto fazer decair. O setor de autopeças caracteriza-se pela heterogeneidade em termos de produtos, tamanho e origem do capital das empresas. De acordo com os níveis de competitividade internacional, na qual estão inseridas as grandes empresas, existem também as pequenas empresas, normalmente de porte familiar e com baixos investimentos em tecnologia, muitas vezes atuando como subcontratadas das grandes autopeças, ou atuando no mercado de reposição com produtos de menor qualidade e preço (CALANDRO, 1993).

11 11 Para analisar este comportamento de mercado, as pesquisas documentais possuem um papel muito importante, pois permitem estudar as correlações entre uma dada atividade e os indicadores econômicos (LEGRAIN; MAGAIN, 1992). Aaker (2005) afirma que a estratégia de mercado tem potencial para determinar a consideração das escolhas estratégicas, forçar uma visão de longo prazo, tornar visíveis as decisões de alocações de recursos, auxiliar a análise estratégica e a tomada de decisão e ajudar a empresa a lidar com a mudança. O presente trabalho consiste em estudar e levantar dados a respeito do mercado de autopeças no qual está inserida uma empresa automotiva da região de Joinville-SC que será objeto deste trabalho, além de analisar sua participação neste segmento. Devido à alta competitividade do mercado, é necessário a busca constante por inovações e informações referentes ao segmento de atuação para auxiliar na tomada de decisões estratégicas, seja em lançar um novo produto ou abrir um empreendimento. A fim de obter vantagens competitivas algumas empresas realizam análise setorial ou contratam consultorias para realizar estudo de mercado. Apesar de ser um instrumento muito útil para obter informações do setor, ainda é pouco utilizado. Deste modo, o problema deste trabalho consiste em como levantar informações relevantes a respeito do setor de autopeças e estudar o mercado no qual uma empresa automotiva está inserida para auxiliar na tomada de decisões. O objetivo geral do trabalho é realizar estudo e levantamento de dados a respeito do mercado de autopeças e suas potencialidades para uma empresa automotiva da região de Joinville-SC, utilizando a ferramenta de análise setorial. Para esta análise serão apresentados alguns objetivos específicos como apresentada abaixo: Analisar o comportamento do setor; Distribuição regional das empresas; Perspectivas e tendência do segmento; Participação de mercado da empresa e dos demais concorrentes; Identificar e analisar os concorrentes; Analisar a demanda de mercado; Realizar previsão de mercado para os segmentos da organização; Descrever os pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças do setor. Para atuar no mercado é necessário o bom uso das informações sobre o segmento que atua ou pretende atuar, a fim de minimizar riscos e mapear as oportunidades de sucesso, seja

12 12 na abertura ou expansão de um negócio. A análise setorial é uma ferramenta muito importante para este fim, pois através dela permite conhecer o contexto econômico, avaliação da demanda de mercado e tendências que possam impactar no futuro do setor e também da empresa, como também o conhecimento das práticas dos concorrentes. A delimitação do trabalho trata-se da elaboração de uma análise setorial, de nível nacional, do segmento de autopeças para uma empresa automotiva identificando participação de mercado das empresas do setor, perspectivas, análise econômica, concorrentes, demanda de mercado, previsão de mercado e análise de ambiente. Como forma de estruturação, o presente trabalho é composto por cinco capítulos, sendo divididos: introdução, fundamentação teórica, procedimentos metodológicos, apresentação e análise de resultados e considerações finais. A introdução define a idéia inicial do trabalho, sintetizando as causas de estudo, o objetivo e o procedimento utilizado para atingir ao resultado. O segundo capítulo refere-se a abordagens literais de diversos autores sobre o estudo de mercado, a ferramenta de análise setorial e aos demais temas citados neste trabalho. O terceiro capítulo faz alusão aos procedimentos metodológicos utilizados na realização do estudo de mercado. A parte de apresentação e análise de resultados consiste em detalhar a análise setorial através de informações do setor, perspectivas e tendências, participação de mercado, estudo de concorrentes, demanda de mercado, previsão de mercado e ambientes no qual está inserido. O quinto capítulo apresenta as considerações finais descrevendo os pontos relevantes do trabalho.

13 13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A ferramenta de pesquisa de mercado compreende o levantamento de informações referentes sobre uma situação de mercado no qual a organização está inserida, que relaciona estudos sobre a demanda de mercado, a participação neste mercado e análise de concorrentes (KOTLER; ARMSTRONG, 2003). Para obter informações sobre o setor, a análise setorial é muito útil, pois permite o entendimento de fatores econômicos e industriais para auxiliar na realização de previsões e tomada de decisões estratégicas através da identificação dos pontos fortes e fracos da organização, e ameaças e oportunidades provenientes do ambiente externo. Como forma de precaução e a busca por novos mercados, o monitoramento dos desempenhos e práticas de concorrentes e clientes potenciais obrigam a organização a estar constantemente se atualizando com relação a informações de mercado. A inteligência de mercado é um segmento do marketing estratégico responsável por captar as informações disponíveis no mercado e fazer bom uso delas no futuro. O conceito de inteligência de mercado não é apenas conhecer as necessidades e preferências dos clientes, mas também analisar os fatores externos, como regulamentação governamental, tecnologia e se antecipar das necessidades do mercado (DANTAS, 2006). 2.1 ANÁLISE SETORIAL Hooley et al. (2001,p.74), afirma que a análise setorial do ambiente de negócios começa no nível macro, partindo para aspectos de ambientes mais amplos que podem determinar o comportamento das empresas frente aos mercados específicos de atuação. Para determinar tal análise pode-se utilizar o método PEST análise dos ambientes políticos, econômicos, sociais e tecnológicos que a empresa tem ao seu redor. Chiavenato e Sapiro (2004, p.93), referem-se à análise setorial como a maneira de investigar, monitorar e realizar previsões do setor de negócios da organização. O estudo do setor deve ser analisado conforme quatro características que são: A dimensão dos grupos estratégicos para que a empresa direcione seus esforços contra os concorrentes. A análise de diferentes estágios competitivos enquanto o setor evolui ao longo das mudanças. Os graus de turbulências das economias de escala.

14 14 A composição das forças competitivas do setor. Kotler (2000, p.250), afirma que as informações de mercado podem ser coletadas a partir de pessoas que negociam com os concorrentes, observação de fornecedores e informações já publicadas. Outra forma de obter informações do setor é através da internet, pois muitas empresas divulgam informações com o intuito de atrair clientes, parceiros, fornecedores e franqueados, então da mesma maneira que estas informações são úteis para este público, também é de suma importância para os concorrentes projetarem suas ações. Oliveira (2009, p.72), relata que as informações do ambiente empresarial podem ser investigadas de maneira direta ou indireta, por fontes primárias e secundárias. As fontes primárias ocorrem através de pesquisas realizadas pela empresa diretamente no ambiente. Já as fontes secundárias, as informações são adquiridas por agências governamentais, universidades, Bolsa de Valores, sociedades de classe, etc. Kotler e Armstrong (2003, p.96), comentam que normalmente uma pesquisa começa com a coleta de dados secundários, sendo o banco de dados da empresa um bom começo, e em seguida, partindo para a grande variedade de informações disponibilizadas em bibliotecas públicas, empresariais, universitárias e publicações de negócio e governo. Churchill e Peter (2005, p.118), revelam que as informações para a análise setorial referem-se a dados que sejam apresentados de maneira útil para a tomada de decisões, como por exemplo, fatos e estatísticas. Esses dados são utilizados para indicar a presença ou ausência de tendência. Existem várias informações sobre o setor, mas algumas destas que estão disponíveis e são difíceis de ser encontradas, como apresentado abaixo. Existem muitas informações erradas e quantidade insuficiente do tipo certo. Muitas informações estão muito dispersas pela empresa, sendo necessário grande esforço para localizar os fatos mais simples. Algumas informações são suprimidas pelos executivos por razões pessoais. Informações necessárias às vezes chegam tarde demais para serem úteis. É difícil saber da precisão das informações, e também não há ninguém a quem possa recorrer em busca desta confirmação. Conforme Dantas (2006), não basta uma organização possuir um sistema de inteligência de informações competitivas sem que haja compartilhamento das informações por toda a organização. Estas informações devem circular por todas as áreas e departamentos de modo que possa ser utilizada para a geração de valor para o cliente.

15 15 De acordo com material da disciplina de Elaboração de Plano de Negócios (2010), o estudo da análise setorial é muito importante, pois permite conhecimento sobre um setor econômico, orientando os estudos de viabilidade para o estudo de mercado, sendo um ótimo instrumento para análise de mercado e assuntos de economia industrial voltados para o meio ambiente. Para isto alguns fatores são de suma importância para a execução da análise setorial que são: histórico, perspectivas, distribuição regional, evolução da oferta e ação governamental. Histórico: caracteriza a evolução do setor no decorrer dos anos, identificando as causas de crescimento, os principais problemas características relevantes do setor. Perspectivas: identificação subjetiva do setor através de informações e publicações de médio e longo prazo que permitam analisar a potencialidade do setor. Distribuição regional: utiliza como base a análise da demanda para as áreas especificas dentro da região e sua localização. Evolução de oferta: é usada para analisar as causas de evolução do setor levando em consideração indicadores de crescimento e grau de nacionalização. A análise de crescimento pode ser descrita através de indicadores como Produção física/nº de empregados, Produção Física/investimento e Vendas/investimento. Já o grau de nacionalização mede a participação da produção nacional relacionando a produção, importação e exportação, conforme Equação 1. Onde : GN= grau de nacionalização P= produção M= importação X= exportação GN = P (1) P + M X Ação governamental: se processa a partir de planos e mecanismos de apoio ou restrição sobre o setor como por exemplo: apoio financeiro, incentivos fiscais, proteção tarifária, contenção de preços, etc. Basta et al. (2006, p.26), afirma que a inteligência de mercado é um processo analítico que transforma dados em informações e informações em conhecimento para auxiliar nas decisões estratégicas da empresa. Hooley et al. (2001,p.13), relata que a informação é a

16 16 palavra-chave na tomada de decisões, e que estas decisões de mercado devem-se basear em informações consistentes e sólidas para reduzir o nível de incerteza na tomada de decisão. De acordo com Giacomello (2009), a inteligência estratégica de mercado consiste no monitoramento do ambiente com os objetivos da organização, não se tratando apenas do estudo da concorrência e dos clientes, mas também de outros ambientes que interferem no resultado da empresa. Um conceito muito importante para entender o estudo de mercado é a identificação dos grupos estratégicos. Segundo Hooley et al. (2001,p.74), a identificação destes grupos é fundamental para análise setorial, pois como os setores podem sofrer flutuações, os grupos estratégicos, com suas competências distintas, podem desafiar as variações gerais dentro de um setor. Oliveira (2009, p.71), afirma que a análise externa compreende o estudo das relações entre as organizações e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças. Então é necessária a identificação dos fatores do ambiente, para posteriormente, analisar a situação de oportunidades ou ameaças na qual a empresa está inserida. Basta et al. (2006, p.26), relata que todas as organizações são afetadas por fatores externos do mercado, nos quais muitos deles não se têm controle. A análise permite um melhor entendimento das mudanças externas, gerenciamento das estratégias e mudança de comportamento dos gestores na tomada de decisões. Em um mercado em constantes mudanças, é necessário analisar os cenários do macroambiente (seja ele político, econômico, social, tecnológico ou demográfico), a fim de servir como fontes para a elaboração da estratégia. A Figura 1 mostra como Chiavenato e Sapiro (2004, p.82) estudam o macroambiente. Figura 1- O macroambiente e o setor de negócios da organização. Fonte: Chiavenato e Sapiro, 2004, p.93.

17 17 O ambiente demográfico compreende o estudo da população humana levando em consideração fatores como: tamanho, distribuição geográfica, taxa de mobilidade da população, taxa de crescimento, taxa de mortalidade e natalidade, estrutura etária e nível de escolaridade (CHIAVENATO; SAPIRO, 2004, p.86) O mesmo autor comenta que para o estudo econômico as tendências destas variáveis afetam a demanda e a oferta de produtos e serviços, e para isto, é necessária a análise do nível de emprego, inflação, taxa de juros, inflação e renda da população. Kotler e Armstrong (2003, p.72), relatam que o ambiente econômico consiste em fatores que afetam o poder de compra e o padrão de consumo das pessoas, sendo necessária a compreensão das tendências deste mercado consumidor. Chiavenato e Sapiro (2004, p.89), relatam que o ambiente sociocultural refere-se basicamente às crenças, valores, normas e costumes da população. Estes indicadores sofrem muitas mudanças, então é necessário o acompanhamento constante da organização. O ambiente político e legal refere-se as legislações e as mudanças sobre a reforma previdenciária, tributária e programas de governo para impulsionar a economia do país (CHIAVENATO; SAPIRO, 2004, p.89) Para Chiavenato e Sapiro (2004, p.91), o ambiente tecnológico compreende as análises das tendências do conhecimento do ser humano que podem influenciar nos processos operacionais ou gerenciais. Define como indicadores tecnológicos: passo tecnológico relacionado com um processo de destruição criativa, aplicação em novos campos da ciência a partir de programas de pesquisa e desenvolvimento e identificações dos padrões aceitos em relação aos avanços tecnológicos. Hooley et al. (2001,p.13), demonstra outro modelo de análise ambiental que pode ser descrito pela análise APEA (Avaliação da Posição Estratégica e Ação), conforme Figura 2. Para o estudo de mercado esta abordagem se concentra principalmente no subitem Estabilidade ambiental da parte referente a Dimensões do setor. Esta situação engloba muitas facetas de turbulência ambiental, como: mudanças tecnológicas, taxa de inflação, variação na demanda, etc. Siqueira (2005, p.30), afirma que no mercado de materiais e peças componentes as especificações sofrem poucas variações temporais, ocorrendo pontualidade com relação às quantidades e prazos de entrega. Para este tipo de mercado, normalmente as entregas são estáveis de acordo com os sistemas do cliente otimizando a logística.

18 18 Figura 2- Análise APEA: componentes Fonte: Hooley et al., 2001,p ANÁLISE SWOT De acordo com Chiavenato e Sapiro (2004, p.188), a matriz SWOT (dos termos em inglês strenghts, weaknesses, opportunities e threats) relaciona as oportunidades e ameaças no ambiente externo com as forças e fraquezas do ambiente interno da empresa, sendo uma das ferramentas mais utilizadas na gestão estratégica. A Figura 3 mostra as correlações entre oportunidades e ameaças com pontos fortes e fracos de uma organização. Figura 3- As quatro zonas na matriz SWOT Fonte: Chiavenato e Sapiro, 2004, p.188.

19 19 As quatro etapas destacadas servem como indicadores da organização. O quadrante 1 refere-se ao uso das forças internas para aproveitar as oportunidades externas, ou seja, políticas de ação ofensiva. Já o quadrante 2 revela uma política de ação defensiva utilizando os pontos fortes para enfrentar os ricos ou ameaças do ambiente externo. No quadrante 3 as fraquezas internas podem impedir o aproveitamento das oportunidades externas utilizando uma política de manutenção. E no quadrante 4 aliando os pontos fracos e ameaças da organização, pode indicar uma fase de crise ou declínio, estando em uma área de risco acentuada e tendo a política de saída (CHIAVENATO; SAPIRO, 2004, p.188). Oliveira (2009, p.121), afirma que a matriz SWOT utilizada por Chiavenato e Sapiro pode ser interpretada da seguinte forma: o quadrante 1 refere-se a estratégia de desenvolvimento, o quadrante 2 aborda a manutenção neste mercado, o quadrante 3 utiliza a estratégia de crescimento e o quadrante 4 refere-se sobrevivência neste mercado. De acordo com Kotler (2000, p.98), a análise do ambiente externo compreende a identificação das oportunidades e de ameaças através do monitoramento das forças econômicas, tecnológicas, político-legais e socioculturais e comportamento de clientes, concorrentes, distribuidores e fornecedores. O ambiente interno da organização pode ser avaliado através das forças e fraquezas levando em consideração competências de marketing, financeiras, de fabricação e organizacionais. 2.3 DEMANDA E PREVISÃO DE MERCADO Segundo Churchill e Peter (2005, p.116), a pesquisa de marketing é utilizada para antecipar, descobrir e obter informações sobre desempenho e práticas de clientes atuais e potenciais para atender as suas necessidades. Day (2001, p.87), relata que as organizações orientadas para o mercado estão mais preparadas para prever as reações de seus mercados através do monitoramento ambiental, que fornece maiores condições a organização de antever os fatos e tomar ações de modo a não serem prejudicadas por eventos externos a ela. Lambin apud Dantas (2006), afirmam que a função do marketing estratégico é orientar a empresa para as oportunidades existentes ou criar oportunidades atrativas, para poder analisar um potencial crescimento de mercado. Para Kotler (2005, p.81), o estudo da demanda de mercado ocorre através da análise das inúmeras oportunidades e desejos do consumidor para em seguida estimar o tamanho do

20 20 mercado através de dados e estatísticas. Para realizar este estudo é necessário quantificar o volume total de produtos que seria comprado por um grupo de clientes definido, ou seja, mensurar a sua demanda. O mesmo autor relaciona potencial de mercado como sendo o limite a que se aproxima a demanda de mercado, à medida que os gastos setoriais em marketing chegam perto de se tornar infinitos em um determinado ambiente de marketing. Para Myburgh apud Giacomello (2009), a busca de informações para a análise do mercado tem como objetivo gerenciar, reduzir o risco, evitar sobrecarga de informações e utilizá-las estrategicamente para entender as forças quem influenciam o ambiente da organização e para o desenvolvimento de planos adequados. Kotler (2000, p.72), afirma que para analisar a demanda de mercado de uma organização é necessário primeiro analisar os clientes atuais como forma de obter informações necessárias sobre este segmento para futuramente, com um estudo detalhado, encontrar a melhor estratégia de abordagem. A organização trabalha junto aos possíveis clientes, com o objetivo de identificar quais deles possuem potencial para direcionar seus esforços e determinar quem são os clientes potenciais mais prováveis. Churchill e Peter (2005, p.133), cometam que para transformar os dados coletados em informações, os pesquisadores precisam analisar e interpretar dados. Para isso utilizam análise estatística e interpretação. A análise estatística refere-se quando os dados estiverem sido tabulados, os pesquisadores podem realizar vários tipos de análises estatísticas. Já a interpretação determina o que estes dados significam, para em seguida os pesquisadores avaliarem se os resultados são lógicos e razoáveis. Para atuar de forma significativa no mercado e buscar aumentar a demanda é necessário desenvolver métodos de busca de informações eficazes. Hooley et al. (2001), comenta que a coleta de informações pode ser analisada através de três óticas que são: Dados brutos: provem do ambiente de mercado através de fontes internas ou externas. Técnicas estatísticas: permitem analisar, sintetizar e correlacionar os dados brutos para transformá-los em informação, de modo que vários números possam ser condensados em poucos. Modelos de mercado: é utilizado para prever e analisar as perspectivas e tendências do mercado, como a demanda por exemplo. Para Kotler (2005, p.108), o método de desenvolvimento de mercado para analisar sua potencialidade consiste em identificar todos os compradores potenciais em uma área e uma

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

CLIENTE A Autoescola Paula está localizada na Avenida Paraná, nº 1641, no bairro Bacacheri, que compõe a região do Boa Vista. É um CFC de pequeno porte, que conta com 15 funcionários e 10 veículos. Oferecem

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Análise dos Concorrentes

Análise dos Concorrentes Quando o assunto é monitorar as atividades dos concorrentes no mercado, não há espaço para complacência. ex: Lexmark X Epson (Print Market) 5 forças que determinam a atratividade intrínseca de lucro a

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move.

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move. VALORES Qualificação / Valorização Disponibilização / Visibilidade. Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos Missão As principais forças Visão O sonho que nos move Princípios

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A.

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. PLANO DE NEGÓCIOS Data: Janeiro 2.013 Dr. Marido - Operacional S U M Á R

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A COMUNICAÇÃO B2B NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

SOLUÇÕES PARA A COMUNICAÇÃO B2B NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA SOLUÇÕES PARA A COMUNICAÇÃO B2B NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Automotive Business oferece respostas para estimular a comunicação B2B na indústria automobilística e segmentos relacionados. Os produtos editoriais,

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*)

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Jaime Robredo 1. Introdução A tradução para o português da expressão inglesa process management não permite evidenciar

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais