A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PARA OS EMPREENDEDORES POR NECESSIDADE DO EMPREENDER-JP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PARA OS EMPREENDEDORES POR NECESSIDADE DO EMPREENDER-JP"

Transcrição

1 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FERNANDA DE KÁSSIA SILVA ARAÚJO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PARA OS EMPREENDEDORES POR NECESSIDADE DO EMPREENDER-JP João Pessoa- PB 2008

2 2 FERNANDA DE KÁSSIA SILVA ARAÚJO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PARA OS EMPREENDEDORES POR NECESSIDADE DO EMPREENDER - JP Monografia apresentada ao Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ, como Requisito parcial para abtenção do título de Bacharel em Administração Orientadora: Profa. Anilza de Fátima Medeiros Leite João Pessoa- PB 2008

3 3 A663i ARAÚJO, Fernanda de Kássia Silva. A importância das ferramentas administrativas para os empreendedores por necessidade do EMPREENDER - JP / Fernanda de Kássia Silva Araújo. João Pessoa, p. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Centro Universitário de João Pessoa/UNIPÊ. 1 Empreendedorismo Empreendedorismo por necessidade Ferramentas administrativas Monografia. I Título CDU: 658

4 4 FERNANDA DE KÁSSIA SILVA ARAÚJO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PARA OS EMPREENDEDORES POR NECESSIDADE DO EMPREENDER-JP Monografia apresentada ao Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Adminitração Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Professora Anilza de Fátima Medeiros Leite Orientadora - UNIPÊ Professora Ms Ilka Maria Soares Campos Examinadora - UNIPÊ Professor Reginaldo Cipriano Examinador - UNIPÊ

5 5 A Deus por todo diserdimento e sabedoria dado ao longo do curso e a toda minha família em especial a minha avó Luzia Leonilza e aos meus pais Verônica e Fernando que me apoiaram para a realização de meu sonho Dedico

6 6 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por ter me dado forças para persistir nessa caminhada e sabedoria para seguir o caminho certo, para realização do meu sonho. A todos os meus familiares, em especial a minha avó Luzia Leonilza que acreditou no meu potencial e me deu oportunidade para realização dessa conquista. Aos meus pais Verônica e Fernando por toda dedicação, esforço, amor, compreensão e incentivo que eles tiveram comigo durante o curso, fazendo muitas vezes sacrificios em prol da minha realização profissional. Ao meu irmão Neto, por todo apoio que ele me deu para elaboração da monogafia. Ao meu namorado Fábio por todo amor, carinho, incentico e paciência que me foram dados ao longo da construção desse trabalho. A todos os meus amigos da turma, em especial Alayde e Laísy, que me deram amor e carinho e me acompanharam em todos os momentos de estudos, desafios e dificuldades durante todo o curso. As minhas amigas extra universidade Joyce, Fabiane, Micarla e Rayla que sempre estiveram torcendo por mim, dando-me apoio e carinho, e entenderam as minhas ausências durante a elaboração da monografia. A minha orientadora Anilza de Fátima, pelas sábias palavras de orientação e por todo incentivo, apoio e compreesão durante a construção deste trabalho. A todos os professores, em especial a professora Nilza, por todo o carinho, atenção e compreensão durante a construção da monografia e a professora Ilka Maria, por todo incentivo e oportunidade que me foi depositado ao longo do curso. Ao UNIPÊ e todos os funcionários em especial a Roseane, Joséli e Ricardo Castro, que me ajudaram em todos os momentos na elaboração da monografia..

7 7 Determinação coragem e autoconfiança são fatores decisivos para o sucesso. Se estamos possuídos por uma inabalável determinação conseguiremos superá-los. Independentemente das circunstâncias, devemos ser sempre humildes, recatados e despidos de orgulho. Dalai Lama

8 8 ARAÚJO, Fernanda de Kássia Silva. A Importância das Ferramentas Administrativas para os Empreendedores por Necessidade do Empreender - JP f. Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ. Monografia ( Graduação em Administração) RESUMO O empreendedorismo é um tema bastante discutido atualmente, está diretamente ligado a toda ação realizada em prol de construir, modificar ou inovar algum produto, serviço ou ação. Existem dois tipos de motivação no empreendedorismo, a motivação por oportunidade e a motivação por necessidade. O empreendedorismo movido por necessidade é geralmente ocasionado, quando o empreendedor não tem nehuma forma de geração de renda. O microcrédito, por ser um empréstimo de valor muito baixo oferecidos a pequenos empreendedores, é um dos maiores financiadores do empreendedorismo por necessidade. Desta forma, as ferramentas administrativas servem como apoio gerencial e diário para sobrevivência das empresas. Esta pesquisa teve como objetivo analisar a importância das ferramentas administrativas para os empreendedores por necessidade do Empreender-JP. Optou-se por uma pesquisa exploratória e bibliográfica, com obordagem qualitativa e quantitativa. Foram escolhidos para aplicação dos questionários, os empreendedores que foram beneficiados com o empréstimo do Empreender-JP, do mês de janeiro à agosto de 2008 do Bairrro da Torre na cidade de João Pessoa. Neste universo foram aplicados 27 questionários como instrumento de coleta de dados da pesquisa. Os principais resultados mostram que os proponentes beneficiados com o empréstimo do programa Empreender-JP apesar de terem sido capacitados pelo programa, poucos utilizam as ferramentas administrativas, porém, consideram de suma importância para um bom gerenciamento das empresas. Os empreendedores pesquisados possuem um nitido perfil do empreendedorismo por necessidade. A referida pequisa ratificou de fato sua hipótese, demostrando, que as ferramentas administrativas quando aplicadas de forma adequada, são muito importantes para sobrevivência das empresas. Palavras-Chave: Empreendedorismo. Empreendedorismo por Necessidade. Ferramentas Adminitrativas

9 9 ARAÚJO, Fernanda de Kássia Silva. The Importance of the Administrative Tools for the Entrepreneurs from necessity of the Empreender-JP. 2008, 66 f. Monograph (Graduation in Administration) Center Academical of João Pessoa - UNIPÊ. ABSTRACT The undertaking is a theme quite discussed now that it is directly linked the all action accomplished on behalf of building, to modify or to innovate some product, service or action. Two motivation types exist in the undertaking, the motivation for opportunity and the from necessity. The undertaking moved from necessity, it is usually caused, when the entrepreneur doesn't have any form of generation of income. The microcredit, for being a loan of very low value offered to small enterprising, it is one of the largest backers of the undertaking from necessity. This way, the administrative tools serve as support daily manage for survival of the companies. This research had as objective analyzes the importance of the administrative tools for the entrepreneurs from necessity of the Empreender-JP. She opted for a research exploratory and bibliographical, with qualitative and quantitative approach. They were chosen for application of the questionnaires, the entrepreneurs that were beneficiaries with the loan of the Empreender-JP, of the month of January to August of 2008 of neighborhood of the Tower in the city of João Pessoa. In this universe they were applied 27 questionnaires as main instrument of collection of data of the research. The main results show that the proposers beneficiaries with the loan of the program Empreender-JP in spite of they have been qualified by the program, little they use the administrative tools, however, they consider of addition importance for the a good administration of the companies. The researched entrepreneurs possess a clear profile of the undertaking from necessity. Referred her research ratified this hypothesis in fact, demonstrating, that the appropriate, healthy tools administrative when applied in way very important for survival of the companies. keyword: Undertaking, Undertaking from necessity, Administrative Tools

10 10 LISTA DE SIGLAS GEM: Global Entrpreneurship Monitor SEBRAE: Serviço Brasileiro de Apoio ás Micro Empresas SOFTEX: Sociedade Brasileira para Exportação de Sotware TEA: Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial PME: Pequenas e Médias empresas LISTA DE QUADROS Quadro 1: Características dos empreendedores de sucesso 16

11 11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Evolução das proporções de Empreendedores por Motivação- Brasil 2001 a Gráfico 2: Estimativa do empreendedorimos 21 Gráfico 3: Estimativa de empreendedorismo feminino por necessidade 22 Gráfico 4: Investimento por gênero 41 Gráfico 5: Atuação no mercado 42 Gráfico 6: Motivação empreendedora dos proponentes 43 Gráfico 7: Utilização das ferramentas administrativas 44 Gráfico 8: Classificação das ferramentas 44 Gráfico 9: Percentual dos proponentes que realizam planejamento 45 Gráfico 10: Planejamento realizado 46 Gráfico 11: Representação do micocrédito 47 Gráfico 12: Perfil empreendedor 48 Gráfico 13: Análise de decisões 49 Gráfico 14: Análise de investimento em novos produtos 50 Gráfico 15: Análise utilizada 51 LISTA DE TABELAS Figura 1: Empreendedores iniciais por motivação segundo composição do negócio na renda Brasil Figura 2: Painel de evolução dos empreendedores iniciais (TEA) entre 2001 e 2007 por grupo de países 24 Figura 3: Evolução da taxa de empreendedores iniciais (TEA) brasileira em comparação com a média dos países participantes do GEM de maio de 2001 a

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 11 2 EMPREENDEDORISMO ORIGEM E EVOLUÇÃO EMPREENDEDORISMO E EMPREENDEDOR CARTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR EMPREENDEDORISMO POR NECESSIDADE EMPREENDEDORISMO NO BRASIL EMPREENDEDORISMO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL 24 3 MICROCRÉDITO HISTÓRICO SURGIMENTO DO GRAMMEN BANK CONCEITOS E TIPOS DE MICROCRÉDITO 27 4 FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS PLANO DE NEGÓCIO (PN) MARKETING VENDAS QUALIDADE FINANCEIRA 34 5 EMPREENDER - JP 36 6 METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA PROBLEMATIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos UNIVERSO E AMOSTRA INSTRUMENTO E TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS 40 7.DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS PERCEPÇÃO QUANTO A GÊNERO E ÁREA COMERCIAL QUE ATUAM Gênero Área de atuação EMPREENDEDORISMO QUANTO À MOTIVAÇÃO FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS Utilização das ferramentas Classificação da utilização das ferramentas administrativas PLANEJAMENTO Quantidade de empreendedores que realizaram planejamento antes de investir Tipo de planejamento realizado REPRESENTAÇÃO DO EMPRÉSTIMO DO PROGRAMA EMPREENDER - JP PARA OS EMPREENDEDORES 47

13 CARACTERÍSTICAS DO PERFIL EMPREENDEDOR DOS PROPONENTES ANÁLISE DE TOMADA DE DECISÕES DA EMPRESA ANALISE DE MERCADO ANTES DE INVESTIR EM NOVOS PRODUTOS Quantidade de empreendedores que analisam antes de realizarem novos investimentos Tipo de análise de mercado antes de investir em novos produtos CONSIDERAÇÕES FINAIS 52 REFERÊNCIAS 53 APÊNDICE 56 ANEXO 59

14 11 1 INTRODUÇÃO O Empreender - JP trata-se de um programa de microcrédito que tem o objetivo de conceder empréstimos para micros e pequenas empresas do município de João Pessoa, sendo estas, a maioria constituída por um grupo que empreendem por necessidade. O empreendedorismo por necessidade é um tipo de motivação que leva o homem a empreender muitas vezes por não ter nenhuma forma de geração de renda. Desta forma, os empreendedores por necessidade tendem a fazer investimentos em determinadas atividades comerciais sem nenhum planejamento visando apenas algum retorno financeiro. Microcrédito é um empréstimo de valor muito baixo oferecido a desempregados, pequenos empresários e outras pessoas que vivem na pobreza e cuja condição impede o acesso a bancos e aos meios tradicionais de financiamento, por não possuírem bens que possam oferecer em garantia e/ou histórico de créditos. Freqüentemente o microcrédito liberta pessoas de baixa renda das garras dos agiotas. A utilização das ferramentas adminitrativas são muito importante para o processo de planejamento e até mesmo de sobrevivência das organizações. Pode-se destacar como ferramentas adminitrativas: vendas, marketing, finanças, qualidade, plano de negócio, dentre várias outras existentes no campo administrativo para gerenciamento de uma empresa. Considera-se o tema bastante atual, pois, o empreendedorismo cada vez mais é fator determinante na sociedade, passando a cada dia por um longo processo de evolução e aumentando cada vez mais a contrapartida dada á sociedade. Evidencia-se ainda a realidade do processo empreendedor no Brasil e como os empreendedores são fatores de grande influência na economia. Este estudo justifica-se pela relevância de se abordar a realidade do empreendedorismo por necessidade dentro do Empreender - JP no município de João Pessoa. Este trabalho é de suma importância para a vida acadêmica, pois, mostra em sua pesquisa a realidade econômica do mercado para aqueles que empreenderem por necessidade, realidade esta, que livros muitas vezes não conseguem traduzir, nem tão pouco aos alunos conseguem diagnosticar dentro de sala de aula. Ele contribui para a sociedade no sentido de orientar os empreendedores por necessidade para importância de um planejamento e utilização das ferramentas administrativas nos trabalhos diários para sobrevivência das empresas

15 12 Para melhor entendimento e compreensão, o primeiro capítulo trata do processo de origem do empreendedorismo, evolução, conceitos, caracteristicas, o empreendedorismo por necessidade, a importância do empreendedorismo e o empreendedorismo no Brasil. No segundo capítulo a pesquisa abordou o microcrédito esclarecendo brevemente pontos como: microcrédito no Brasil, Hstorico do Microcrédito, Surgimento do Grammen Bank, Objetivos do Grameen Bank, Conceito do Microcredito e os principais Tipos de Microcredito A pesquisa abordou no terceiro capítulo as ferramentas administrativas dando destaque a ferramentas de vendas, qualidade, marketing, financeira e plano de negócios, pois, são as ferramentas apresentadas para os proponentes do programa Empreender-JP na etapa de capacitação. Os resultados da pesquisa demonstram que o empreendedores beneficiados com o empréstimo do Empreender-JP acham as ferramentas administrativas muito importantes para a sobrevivência das empresas, porém, fazem pouco uso das mesmas, mostrando assim, o perfil dos empreendedores por necessidade.

16 13 2 EMPREENDEDORISMO Este topico irá abordar todo o processo de origem do empreendedorismo, evolução, conceitos, caracteristicas, o empreendedorismo por necessidade, a importância do empreendedorismo e o empreendedorismo no Brasil. 2.1 ORIGEM E EVOLUÇÃO O termo empreendedorismo é derivado da palavra entrepreneurship, e é utilizado em estudos relativos ao empreendedor, como seu perfil, sua origem e seu campo de atuação. Segundo Dolabela (1999, p. 43), Empreendedorismo é um neologismo derivado da livre tradução da palavra entrepreneurship e utilizado para desiganar os estudos relativos ao empreendedor, seu perfil, suas origens, seu sistema de atividades, seu universo de atução. A palavra empreendedorismo deriva da palavra entrepreneur, que significa numa tradução livre, o que se mete no meio( Neto 2004, apud RONSTAND, 1984). Foi utilizado pelo economista Joseph Schumpter em 1950, como sendo uma pessoa com capacidade e criatividade de fazer sucesso com inovações. Dolabela (1999, p. 47), define a palavra como sendo originado do francês, entrepreneur, que era usada no século XII, para designar aquele que incentivava brigas, no final do século XXIII, passou a designar que criava e conduzia projetos e empreendimentos. O empreendedorismo passa por duas correntes : a econômica, na qual os pioneiros economistas associam o empreendedor a inovação e a comportamentalista que enfatiza aspectos relacionados às atitudes como criatividade e a intuição (NETO 2004, apud RONSTAND, 1984). Na Idade Média, o empreedendedor era aquele que gerenciava grandes projetos de produção e recursos oriundos dos governos do país. No século XVII ocorram os primeiros indicios de relação entre assumir riscos e empreendedorismo, pois o empreendedor estabelecia contatos com o governo, no qual tinham que fornecer produtos ou serviço ao Estado, para obter lucros ou prejuizos ( NETO 2004, apud RONSTAND, 1984). No século XIII, o empreendedor e o capitalista foram então diferenciados, provavelmente devido a revolução industrial, que teve início na Inglaterra e trouxe o termo

17 14 undertaker, que mais tarde foi substituido por capitalista e hoje em dia por empreendedor. Segundo Dolabela (1999), o século XVII define empreendedorismo, como termo que se referia as pessoas que compravam matérias-primas, e as vendiam a terceiros depois de processá-los, identificando uma oportunidade de negócio e assumindo riscos No século XIX e XX ocorreu uma grande confusão em que os empreendedores foram frequentemente confundidos com adminstradores, como aqueles que controlam as ações desenvolvidas na organização, dirigem, planejam, paga empregados, organizam a empresa, meramente de um ponto de vista econômico, mas sempre a serviço do capitalista. Isso ocorreu pelo simples explicação pois todo empreendedor é um bom administrador, porém, em suas caracteristicas eles sempre tem algo mais, pois, possui atitudes e caracteristicas singulares que o administrador não possui. Para Dornelas (2001) pode-se atribuir a Marco Polo o primeiro exemplo de empreendedorismo, por tentar estabelecer uma rota comercial para o Oriente. Como empreendedor Marco Polo assinou um contrato com um comerciante bem sucedido (capitalista), para vender as mercadorias deste. O capitalista era alguém que assumia riscos de forma passiva enquanto que o aventureiro empreendedor corria todos os riscos fisicos e emocionais, assumindo, portanto, riscos de forma ativa 2.2 EMPREENDEDORISMO E EMPREENDEDOR O empreendedorismo está ligado a toda ação realizada em prol de construrir, modificar ou inovar algum produto, serviço ou ação.empreendedorismo é qualquer tentativa de um novo negócio o novo empreendimento, como, por exemplo, uma atividade autônoma, uma nova empresa, ou expansão de um empreendimento existente, por individuo, gurpo de individuo ou por empresas ja estabelecida( gembrasil.org.br). O empreendedorismo trata de sete diferentes tipos de criação, não excludentes entre si: criação de riqueza, criação de empresas, criação de inovação, criação de mudança, criação de empregos, criação de valor e criação de crescimento. Isto esta interligado ao conceito que liga o empreendedorismo diretamente a inovação, estando assim, sempre presente na visão. Porém, é importante salientar também, que o empreendedorismo não esta só ligado a inovação, pois muitos casos de sucessos acontece com empreendimentos que não são inovantes e nem por isso deixam de ser atos de empreendedorismo( MORRIS 1998).

18 15 O empreendedor é uma pessoa que inicia e/ou opera um negócio para realizar uma idéia ou projeto pessoal assumindo riscos e responsabilidades, inovando continuamente.ele é capaz de criar novos negócios ou inovar dentro de negócios já existentes. Eles muitas vezes são considerados heróis populares no mundo dos negócios, pois proporcionam à população novos empregos, introduzem inovação e incentivam o crescimento econômico. São pessoas de diversas áreas da sociedade, com idades divergentes, que assumem riscos inerentes numa economia em mudança, transformação e crescimento Para Dornelas (2001, p. 30), o empreendedor é um administrador com diferenças consideraveis em relação aos gerentes ou executivos de organizações tradicionais, pois os empreemdedores são mais visionarios que os gerentes. Segundo Joseph Schumpeter (1949), o empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos produtos e serviços, pela criação de novas formas de organização ou pela exploração de novos recursos e materiais. O empreendedor de sucesso possui características extras, além dos atributos do administrador, e alguns atributos pessoais que, somados a características sociológicas e ambientais, permitem o nascimento de uma nova empresa. De uma idéia, surge uma inovação, e desta, uma empresa (DORNELAS 2001). 2.3 CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR Irão ser abordado as caracteristicas segundo os principais autores conteporâneos, que se sobrepõem, e que nos leva para conclusões da importância dessas caracteristicas para indentificação dos não empreendedores. As caracteristicas dos empreendedores estão diretamente ligadas ao seu perfil, a sua forma de planejamento e seu comprometimento com a organização. Dornelas (2001, p.31-33) ressalta algumas carateríticas e explicações dos empreendedores a seguir:

19 16 Características dos empreendedores de sucesso São visionários Sabem tomar decisões São indivíduos que fazem a diferença Sabem explorar ao Maximo as oportunidades São determinados e dinâmicos Eles têm a visão de como será o futuro para seu negócio e sua vida e o mais importante: eles têm habilidade de implementar seus sonhos Eles não se sentem inseguros, sabem tomar decisões corretas na hora certa, principalmente nos momentos de adversidade, sendo isso um fator chave para o seu sucesso Os empreendedores transformam algo de difícil definição, uma idéia abstrata, em algo concreto, que funciona, transformando o que é possível em realidade Para os visionários, as boas idéias são geradas daquilo que todos conseguem ver, mas não identificaram algo pratico para transformá-las em oportunidade, por meio de dados e informação Eles implementam suas ações com total comprometimento. Atropelam as adversidades, ultrapassando os obstáculos, com vontade ímpar de "fazer acontecer".mantêm-se sempre dinâmicos e cultivam um certo inconformismo diante da rotina. São otimistas e apaixonados pelo que fazem São independentes e constroem o próprio destino Ficam ricos Eles adoram o trabalho que realizam.o otimismo faz com que sempre enxerguem o sucesso, em vez de imaginar o fracasso. Eles querem estar à frente das mudanças a ser donos do próprio destino. Ficar ricos não é o principal objetivo dos empreendedores. Eles acreditam que o dinheiro é conseqüência do sucesso dos negócios. São líderes e formadores de equipes Os empreendedores têm um senso de liderança incomum. E são respeitados e adorados por seus funcionários, pois sabem valorizá-los, estimulá-los e recompensálos, formando um time. São bem relacionados (networking) Os empreendedores sabem construir uma rede de contatos que auxiliam no ambiente externo da empresa, junto a clientes, fornecedores e entidades de classe. São organizados Os empreendedores sabem obter e alocar os recursos materiais, humanos, tecnológico e financeiro, de forma racional, procurando o melhor desempenho para o negócio. Possuem conhecimento São sedentos pelo saber a aprendem continuamente, pois sabem que quanto maior o domínio sobre um ramo de negocio, maior é sua chance de êxito. Criam valor para a sociedade Quadro 1 : Características dos empreendedores de sucesso Fonte: Dornelas, 2001, p Os empreendedores utilizam seu capital intelectual para criar valor para a sociedade, com a geração de empregos, dinamizando a economia e inovando, sempre usando sua criatividade em busca de soluções para melhorar a vida das pessoas. Vários autores relatam caracteriticas diversas de empreendedorismo, dentre eles podese destacar de acordo com PNUD (1993), que ressalta algumas como caraterísticas de suma importância para o perfil de um empreendedor vejamos: Busca de oportunidade e iniciativa: Faz as coisas antes de solicitado, ou antes, de forçado pelas cirscurnstâncias; age para expandir o negócio a novas áreas, produtos ou serviços; aproveita oportunidades fora do comum para começar um negócio, obter financiamentos, equipamentos, terrenos local de trabalho ou assistência; faz algo sem ter sido obrigado ou sem ter sido solicitado;

20 17 Persistência: Age diante de um obstáculo significativo; age repetidamente ou muda de estratégia a fim de enfrentar um desafio ou superar um obstáculo; assume responsabilidade pessoal pelo desempenho necessário ao atingimento de metas e objetivos; supera o seu próprio limite e vai até o final, mudando de estratégia de acordo com as circunstâncias; Disposição para correr riscos: Avalia alternativas e calcula riscos deliberadamente; age para reduzir os riscos e controlar os resultados; coloca-se em situações que implicam desafios ou riscos; pondera uma circusntância frente as suas consequências e pensa sobre que atitude tomar; Exigência de qualidade e eficiência: Encontra maneiras melhores, mais rápidas e ou mais baratas de fazer as coisas; age de maneira a fazer coisas que satisfazem ou excedem padrões de excelência; desenvolve ou utiliza procedimentos para assegurar que o trabalho seja terminado a tempo ou que o trabalho atenda a padrões de exelência; faz as coisas com carinho, superando padrões estabelecidos; Comprometimento: Faz sacrificios pessoal ou despende um esforço extraordinário para completar uma tarefa; colabora com os empregados ou se coloca no lugar deles, se necessario, para terminar um trabalho; esmera-se em manter os clientes satisfeitos e coloca em primeiro lugar a boa vontade em longo prazo, acima do lucro em curto prazo; faz as coisas sempre além do seu padrão normal de comprtamento para cunprir o esperado; Busca de informação: Dedica-se pessoalmente a obeter informações de clientes, fornecedores e concorrentes; investiga pessoalmente como fabricar um produto ou fornecer um serviço; consulta especialistas para obter assessoria técnica ou comercial; busca informações pessoalmente ( utilizando qualquer meio que possa ajudá-lo como telefone, pessoas, etc) para adquirir ou confirmar dados acerca de algo, com determinado objetivo; Estabeleciemento de metas: Estabelece metas e objetivos que são desafiantes e que têm significado pessoal; define metas de longo prazo, claras e especificas; estabelece objetivos de curto prazo, mensuráveis; Planejamento e monitoramento sistemático: Planeja dividindo tarefas de grande porte em sub-tarefas com prazos definidos; constantemente revisa seus planos, levando em conta os resultados obtidos e as mudanças circunstânciais; mantém registros financeiros e utiliza-os para tomar decisões; organiza-se previamente para realizar algum propósito; Contatos: Utiliza estratégias deliberadas para influênciar ou pesuadir os outros; utiliza pessoas-chaves como agentes para atingir seus proprios objetivos; age para desenvolver e manter relações comerciais; estabelece e utiliza estratégias de convencimento para determinado fim, recorrendo às pessoas certas para isso; e

21 18 Independência e autoconfiança: busca autonomia em relação a normas e controles de outros; matém seu ponto de vista, mesmo diante de oposição ou de resultados inicialmente desanimadores; expressa confiança na sua própria capacidade de completar uma tarefa difícil ou de enfrentar um desafio; tem ponto de vista próprios e mantém a confiança na capacidade de enfrentar desafios. De acordo com Dolabela (1999, p. 71 e 72), é possível serem destacados diversos pontos que dizem respeito a caracteríticas de um empreendedor. Dentre as quais: Tem um modelo, uma pessoa que o influência; Tem iniciativa, autonomia, autoconfiança, otismismo, necessidade de realização; Trabalha sozinho. O processo visionario é individual; Tem perseverença e tenacidade para vencer obstáculos; Considera o fracasso um resultado como outro qualquer, pois aprende com os próprios erros; É capaz de se dedicar intensamente ao trabalho e concentra esforços para alcançar resultados; Sabe fixar metas e alcançá-las, luta contra padrões impostos, diferencia-se; Tem a capacidade de descobrir nichos; Tem forte intuição; como no esporte o que importa não é o que se sabe, mas o que se faz; Tem sempre alto comprometimento, crê no que faz; Cria situações para obter feedback sobre seu comportamento e sabe utilizar tais informações para seu aprimoramento; Sabe buscar, utilizar e controlar recursos; É um sonhador realista: é racional, mas usa também a parte direta do cérebro; Cria um sistema próprio de relações com empregados; É orientado para resultados, para o futuro, para o longo prazo; Aceita o dinheiro como uma das medidas de seu desempenho; Tece redes de relações; Conhece muito bem o ramo em que atua; Cultiva a imaginação e aprende a definir visões; Traduz seus pensamentos em ações;

22 19 Define o que aprende( a partir do não definido) para realizar suas visões. É pró-ativo, define o que quer e onde quer chegar, depois busca o conhecimento que lhe permitira atingir o objetivo; Cria um método próprio de aprendizagem; Tem alto grau de internalidade, Assume riscos moderados; gosta de risco, mas faz tudo para minimizá-los. Tem alta tolerância à ambigüidade e à incerteza; e Mantém um alto nìvel de consciência do ambiente em que vive, usando-a para dectetar oportunidades de negócios. 2.4 EMPREENDEDORISMO POR NECESSIDADE Pode-se destacar dois tipos de motivação que levam os empreendedores a empreenderem: a motivação por oportunidade e a motivação por necessidade. O empreendedorismo por necessidade é motivado pela falta de alternativa satisfatória de trabalho e renda. Isto significa que grande parte do empreendedorismo desenvolvido no Brasil resulta de uma questão de sobrevivência, uma vez que não há trabalho para todos e há necessidade de geração de renda. Essencialmente, o empreendedorismo movido por oportunidade sinaliza que o ambiente econômico está favorável. Motivado por oportunidade é aquele que a persegue com o intuito de obter independência ou aumento de renda pessoal. Após o choque abrupto em 2001 sobre economia mundial, inclusive a brasileira, cresceu acentuadamente a atividade empreendedora por necessidade em proporção à atividade empreendedora total. A partir dessa ruptura, as oportunidades de negócio se restabeleceram paulatinamente no Brasil. A quebra se mostra pela queda da atividade empreendedora por oportunidade de 59,97% em 2001 para 42,75% em A partir de 2003, a atividade retoma o crescimento ano a ano, até atingir em 2007 o valor de 56,84% da população total empreendedora no Brasil (GEM 2007). Como mostra a figura a seguir:

23 20 Gráfico 1: Evolução das Proporções de Empreendedores por Motivação Brasil 2001 a 2007 Fonte: Pesquisa GEM 2007 Outra face é a formação de um exército de trabalhadores em busca de alternativas precárias de trabalho tanto nas condições de autônomos sem registro como de assalariados informais. Esse tipo de empreendedorismo é movido pela necessidade, ou seja, esses trabalhadores excluídos do mercado formal buscam alternativas de geração de renda não por vocação ou por serem empreendedores do tipo schumpeteriano, mas porque buscam saídas para as adversidades da pobreza e da exclusão (GEM 2007). Os empreendedores informais são proprietários de microempresas e/ou dedicam-se a atividades de prestação de serviços que atendem a pessoas físicas, como, vendedores ambulantes, motoboys, trabalhadores da construção civil, cabeleireiros, manicuras, donas de casa que buscam complementar a renda familiar com habilidades domésticas etc. De acordo com informações contidas no Relatório do Banco Mundial (2007), as características mais intimamente relacionadas a esse tipo de empreendedor são de proprietários de microempresas com menos de dez empregados, nível de escolaridade abaixo do nível médio, que se vinculam às atividades de construção civil, agricultura, comércio varejista e transporte Os jovens nessa categoria são predominantemente trabalhadores informais, e os trabalhadores mais experientes são em grande parte autônomos e mulheres casadas com filhos.

24 21 TABELA 1 EMPREENDEDORES INICIAIS POR MOTIVAÇÃO SEGUNDO COMPOSIÇÃO DO NEGÓCIO NA RENDA - BRASIL Fonte: Pesquisa GEM 2007 Dos 7,5 milhões de brasileiros que empreendem 41,6% não o fazem voluntariamente, mas por necessidade. Mesmo considerando-se a função social que esse contingente exercem, o fato de contarmos com um esforço produtivo tão elevado entre os indivíduos que se aventuram pela via da sobrevivência pode ser uma das causas do baixo crescimento qualitativo de nossa economia, na qual não acontecem as transformações no sentido schumpeteriano, da inovação e da ruptura com o existente ( GEM 2007). 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Necessidade Voluntariamente Gráfico 2: Estimativa de empreendedorismo Fonte: Elaboração própria As mulheres têm uma participação significativa quando falamos em empreendedorismo por necessidade no Brasil. Elas representam 49% do total de pessoas que abrem uma empresa porque não têm outra fonte de renda. A participação das mulheres é maior quando o empreendedorismo é motivado por necessidade, porque nos países de baixa renda as mulheres precisam desenvolver alguma atividade para complementar os ganhos

25 22 familiares. Isto esta diretamente ligado pois a carência de vagas no mercado formal de trabalho esta cada vez maior ( GEM 2007). No ranking feminino de empreendedoras, o Brasil aparece na sexta colocação, atrás de Portugal (49%), Peru (48,2%), Estados Unidos (47,4%), África do Sul (47,2%) e Equador (45,1%). Vejamos: 50% 49% 48% 47% 46% 45% 44% 43% 42% Portugal Peru Estados Unidos África do Sul Equador Brasil Gráfico 3: Estimativa de empreendedorismo feminino por necessidade Fonte: Elaboração própria O empreendedorismo por necessidade aumentou de 43% do total de novos negócios abertos no país em 2003 para 46% em 'É uma situação comum nos países de baixa renda, como os da América Latina, afirma Marcos Muller Schlemm, diretor-geral do GEM no Brasil. É preciso reduzir o empreendedorismo por necessidade e fortalecer as condições para que empresas iniciantes possam se desenvolver, por meio de programas específicos ou de leis que facilitem a vida dos pequenos negócios. 2.5 EMPREENDEDORISMO NO BRASIL De acordo com Dornelas (2001, p25) o movimento do empreendedorismo no Brasil começou a tomar forma na década de 1990, quando entidades como Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e Softex (Sociedade Brasileira para Exportação de Software) foram criadas.

26 23 O Sebrae é um dos órgãos mais conhecidos do pequeno empresário brasileiro, que busca junto a essa entidade todo suporte de que precisa para iniciar sua empresa, bem como consultorias para resolver pequenos problemas pontuais de seu negócio. O histórico da entidade Softex pode ser confundido com o histórico do empreendedorismo no Brasil na década de A entidade foi criada com o intuito de levar as empresas de software do país ao mercado externo, por meio de varias ações que proporcionavam ao empresário de informática a capacitação em gestão e tecnologia. Foi com os programas criados no âmbito da Softex em todo país, junto a incubadoras de empresas e a universidades/cursos de ciências da computação/informatica, que o tema empreendedorismo começou a despertar na sociedade brasileira. Até então, palavras como plano de negócios ( business plan) eram praticamente desconhecida e até ridicularizadas pelos pequenso empresários ( DORNELAS 2001). No relatório executivo da Golbal Entrepreneurship Monitor, o Brasil aparece como o país que possui a melhor relação entre o número de habitantes adultos que começam um novo negócio e total dessa população: 01 em cada 08 adultos. Isso mostra que, apesar de ocorrer de forma não tão organizada como em países mais desenvolvidos, o empreendedorismo no Brasil exerce papel fundamental na economia, merecendo o tema estudos parofundados e valorização da economia para com os pequenos empreendedores nascentes. O Brasil apresentou uma TEA de 12,72 no momento da pesquisa, ou seja, em cada 100 pessoas, cerca de 13 (treze) desenvolviam alguma atividade empreendedora. Essa taxa é representativa quando comparada com outros países que desempenham importante papel no cenário mundial (GEM 2007, P. 25).

27 24 TABELA 2 PAINEL DE EVOLUÇÃO DOS EMPREENDEDORES INICIAIS (TEA) ENTRE 2001 E 2007 POR GRUPO DE PAÍSES Fonte: Pesquisa GEM 2007 O Brasil esta caindo no ranking internacional do empreendedorismo. A dificuldade em encontrar trabalho é a motivação de 55,4% dos empreendedores, o que dá no Brasil a maior taxa de atividade por necessidade ( 7,5%) os 37 países pesquisados. TABELA 3 EVOLUÇÃO DA TAXA DE EMPREENDEDORES INICIAIS (TEA) BRASILEIRA EM COMPARAÇÃO COM A MÉDIA DOS PAÍSES PARTICIPANTES DO GEM DE 2001 A 2007 Fonte: Pesquisa GEM EMPREENDEDORISMO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL Existe grande relação entre o empreendedorismo e o desenvolvimento local pois, a partir dos anos de 1980 quando houve o endividamento crescente do governo, o aumento da concorrência e a utilização intensiva de tecnologia que levou as grandes empresas cada vez produzirem mais com menos empregados; as únicas criadoras de empregos passaram a ser as PME, pequenas e médias empresas que não mais se restringiram ao mercado local ou regional, mas começaram a concorrer no mercado internacional ( DOLABELA 1999).

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. O Processo de Empreender O Processo de Empreender Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro Engenheiro de Automação Mestrado em Gestão Estratégica Qual a função do Professor? Qual a função do Aluno? Construir num cartaz as conclusões

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio EMPREENDEDORISMO Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio RESUMO: O trabalho visa abordar o que vem a ser empreendedorismo e iconoclastas, bem

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza EMPREENDEDORISMO Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza ORGANIZAÇÃO CONCEITO: A sociedade humana é feita de organizações que fornecem os meios para o atendimento de necessidades

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir,

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, EMPREENDEDORISMO WESCLEY RANGEL ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, caracterizar e por meio de citações

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 Introdução ao Empreendedorismo. Cursos de Computação

Empreendedorismo. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 Introdução ao Empreendedorismo. Cursos de Computação Cursos de Computação Empreendedorismo Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 01 Introdução ao Empreendedorismo Referência: Slides do professor Jose Sergio Resende Casagrande A chave do Desenvolvimento Humano

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo A Administração da revolução O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi

Leia mais

Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO

Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO NOME: CÓDIGO: Disciplina: Empreendedorismo Módulo: 8º semestre Docente Lúcia Silva Data de Postagem: 09/04/2012 Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO POLO: - Objetivo desta atividade:

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS

planodenegocioapostilaempreendedorismo_exerc.doc Empreendedorismo EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS EXERCÍCIO DE NIVELAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Qual o conceito de empreendedor?...empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele está sempre buscando novas idéias e criando

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

Microcrédito Damos Rumo à Vida

Microcrédito Damos Rumo à Vida Microcrédito Damos Rumo à Vida 1 Microcrédito no Millennium bcp O Microempreendedor e o seu perfil Empreendedorismo Dar Rumo à Vida Resultados Conclusões 2 Microcrédito no Millennium bcp Responsabilidade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região CRB 7ª PLENÁRIA Programação 18:00 às 19:30 Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo CRB 7ª 19:30 às 20:30 Palestra Empreendedorismo e Intraempreendedorismo

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO!

UMA PARCERIA DE SUCESSO! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Parceria Santa Dorotéia e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO! 1 SUMÁRIO 1. Resultados Conquistados... 3 2. Resultados 2013... 4 3. Resultados Pesquisas...

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora O Mundo mudou. E o que eu tenho a ver com isso? Como as organizações desenvolvem-se nesse ambiente? A capacidade de mudança de uma organização é um dos fatores

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 2 : G E S T Ã O D E P E S S O A S E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S Consultora

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 05 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Visão, Valores, Políticas,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com Empreendedorismo Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il.

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. EMPREENDEDORISMO Moreira, Alessandro Messias. M835e Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Jardim Fim de Semana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Jardim Fim de Semana Bruna de Carvalho Raggi Terra Carolina Ramos Troeira Fabio Jose Cação Kono Gustavo Perticarati Ruiz Polido

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais