Geoprocessamento nas pesquisas de marketing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geoprocessamento nas pesquisas de marketing"

Transcrição

1 5º Congresso Brasileiro de Pesquisa - ABEP Qual é a contribuição da pesquisa na geração de métricas de eficácia para os investimentos de marketing? Geoprocessamento nas pesquisas de marketing São Paulo, Janeiro de 2012.

2 AUTORES Constantin Coucolis Junior IBOPE Inteligência, Analista Pleno do departamento de Geonegócios Graduado em Publicidade pelo Mackenzie e Educação Continuada em Modelos Estatísticos pela FGV. Desde 2006 na área de pesquisa, atende redes varejistas em projetos de potencial de expansão de mercado. Fabio Caldas IBOPE Inteligência, Analista Pleno do departamento de Geonegócios Graduado em Propaganda de Marketing pela ESPM e mestre em comunicação política pela UMESP. Desde 2009 atua na área de pesquisa de potencial de mercado para novos shopping centers. Juliana Piai IBOPE Inteligência, Analista Pleno do departamento de Geonegócios Atua na área há 6 anos. Graduada em Relações Públicas (Metodista). Cursando pós-graduação em Marketing (Mackenzie). Co-autora do projeto vencedor do Congresso Nacional de Comunicação de Viviane Alves IBOPE Inteligência, Analista Júnior do departamento de Geonegócios Graduada em Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas pela UMESP. Desde 2010 trabalha com o atendimento e planejamento de pesquisas relacionadas ao mercado imobiliário.

3 Introdução O dia a dia do mercado de shopping center vem mostrando que a busca por informações do consumidor típico é cada dia mais importante. Não basta apenas conhecer o seu perfil, se os frequentadores do shopping são em sua maioria homens ou mulheres e qual e sua idade. Estas informações são apenas base das análises feitas pelos profissionais de marketing envolvidos no processo. Atualmente, com o desenvolvimento das ferramentas de geoprocessamento, novas possibilidades surgiram, permitindo ao mercado a criação de métricas mais específicas para a avaliação da qualidade do investimento em ações promocionais, de comunicação ou até de relacionamento com o cliente. Este trabalho não tem por objetivo esgotar as possibilidades de métricas que podem ser desenvolvidas pelo geoprocessamento. Com a profissionalização da atividade de marketing no setor de shopping center e a cobrança cada vez maior de investidores por dados confiáveis a respeito de como seu dinheiro vem sendo aplicado, a criatividade dos profissionais permite que o cruzamento de dados com informações do setor financeiro e marketing, por exemplo, para gerar importantes informações. Apresentaremos aqui três das principais métricas utilizadas pelo mercado de shopping centers, seus usos e como sua análise pode orientar a qualificação dos investimentos em ações de marketing. O tema deste projeto é, portanto, discutir o papel do geoprocessamento no desenvolvimento de métricas que são utilizadas no planejamento de marketing das empresas de shopping center. O caráter inovador deste tipo de pesquisa reside na possibilidade de utilizar seus resultados para acompanhar periodicamente o desempenho da empresa em áreas geográficas específicas, permitindo o planejamento de ações mercadológicas direcionadas para regiões ou bairros nos quais a empresa queira ampliar sua penetração e participação de mercado, por exemplo. O objetivo geral é mostrar de que modo a análise combinada entre os estudos convencionais de perfil de clientes e o geoprocessamento pode resultar no desenvolvimento de métricas inovadoras para o planejamento estratégico de empresas de shopping centers de forma útil e válida. Para a realização deste trabalho foram feitas entrevistas com profissionais que atuam no mercado de shopping center e análise bibliográfica, assim como a consolidação das informações de pesquisas que são aplicadas diariamente para diferentes clientes. Mais do que um estudo bibliográfico este trabalho busca apresentar as novas possibilidades que o geomarketing permite para as operações de shopping center. Dados específicos sobre os projetos executados e declarações dos entrevistados não são apresentados para preservar a confidencialidade e a relação comercial entre o mercado e o IBOPE.

4 O mercado de shopping center O fortalecimento da economia nacional vem abrindo as portas do mercado de shopping para um novo público. O investidor, nacional e internacional, observando este movimento viu na alocação de seu capital no mercado brasileiro uma boa oportunidade para conseguir o retorno que em outros países não vem obtendo. A economia mundial passa por problemas desde 2008 e as perspectivas de volta de crescimento econômico nos Estados Unidos e no bloco europeu são de longo prazo. Em paralelo a isso, o Brasil vem passando pelas turbulências econômicas sem grandes impactos, mantendo o crescimento e as possibilidades de retorno em níveis relativamente elevados. O cenário econômico vem tornando o mercado de shopping center muito líquido. Se por um lado o investidor aposta no Brasil, por outro lado, este novo integrante da economia cobra dos operadores de shopping center, além do retorno financeiro, informações sobre a qualidade do uso do dinheiro. Fazer marketing não é mais apenas o dinheiro gasto com promoções ou com a decoração do empreendimento nas épocas festivas, mas sim um trabalho contínuo de construção de marca e melhoria na relação com o cliente final. Segundo o IBOPE Inteligência, só no ano de foram inaugurados 17 novos empreendimentos no país, o que representa um incremento total de 395 mil metros quadrados de área bruta locável. A previsão para 2011 era de que 38 novos empreendimentos iniciassem suas operações, totalizando 96 novos shoppings até o ano de Este crescimento acelerado faz com que a área de abrangência região geográfica na qual o empreendimento é capaz de atrair clientes e converter o fluxo em vendas seja cada vez mais disputada, existindo em alguns casos dois shoppings divididos apenas por uma rua, como ocorre na cidade de São Paulo com o Market Place e o Shopping Morumbi. A concentração do mercado fica evidente quando observa-se que apenas 2,6% dos municípios brasileiros tem um shopping (sendo que este estudo considera como shopping center o empreendimento com no mínimo 4 mil metros quadrados de área bruta locável). Como o público disputado é exatamente o mesmo, as empresas precisam tomar decisões: como se diferenciar? Como fidelizar o cliente? Como aumentar sua frequência de visitas? Onde buscar novo público? É aí que entra o marketing, suas estratégias e métricas para acompanhamento dos investimentos. 1.1 O papel do Marketing em Shopping Center A criação de estratégias eficazes para fidelizar e atrair consumidores neste cenário tão acirrado não tem sido uma tarefa fácil para as áreas de marketing 1 Os dados do mercado de shopping center foram retirados do boletim Geonotícias Shopping Centers informativo setorial de shopping centers, nº 1 de maio de 2011.

5 das empresas em geral, e especificamente no varejo. Segundo Parente, este público se torna cada vez mais exigente ao longo dos anos, gosta de exclusividade e demonstra, cada vez mais, menor fidelidade em relação às marcas e produtos: Os consumidores buscam cada vez mais alternativas de compra que lhes proporcionem conveniência e experiências prazerosas, demonstram menor fidelidade para marcas e produtos, procuram maximizar a relação benefício/custo em suas decisões de compra e valorizam as soluções personalizadas. (Varejo no Brasil Gestão e Estratégia do Juracy Parente) E qual seria então o verdadeiro papel dos profissionais de marketing neste cenário? Mais do que realizar promoções, sorteios, eventos ou celebrar datas importantes para o varejo, a área de marketing nos shopping centers deve estar preparada para ir além das expectativas do consumidor, fazendo com que o shopping seja para este público um lugar interessante para estar, passear, visitar e, principalmente, para fazer compras durante o ano inteiro. Atender e até superar as expectativas dos consumidores é um prérequisito essencial de sucesso para qualquer empresa que enfrente uma forte concorrência, como ocorre no varejo. O maior desperdício que existe no varejo é o desperdício das oportunidades e das vendas perdidas, provocadas por algum tipo de insatisfação dos clientes para com o varejista. (Varejo no Brasil Gestão e Estratégia do Juracy Parente) Eventualmente, ações pontuais podem atrair o consumidor e gerar uma receita considerável para o shopping durante um curto período de tempo. Porém, manter-se neste mercado exige dos planejadores de marketing conhecer muito bem os consumidores e o mercado onde estão inseridos. É preciso conhecer os problemas, identificar as causas e analisar as consequências de cada um destes. Num passado não muito distante, os profissionais de marketing conseguiam analisar as informações e identificar seus problemas e oportunidades por meio de investigações informais, seja por levantamentos realizados pela própria área, pela contratação de pesquisas pontuais ou pelo conjunto de informações que conseguiam obter com os próprios lojistas. Porém, apesar de a análise de informações próprias ainda ser importante e rica na elaboração do plano de marketing, se faz insuficiente na construção de planos mercadológicos eficazes. Para acompanhar este mercado, os profissionais de marketing necessitam de investigações contínuas e buscam para isso métodos mais sofisticados e inovadores, não somente para a coleta

6 de informações, mas especialmente para a transformação deste conjunto de informações em inteligência O uso das pesquisas como métricas de avaliação das ações de marketing em Shopping Center Entender o ambiente competitivo, seus concorrentes e, principalmente, as necessidades e expectativas de seus consumidores devem ser os pilares básicos para qualquer planejador de marketing. Os meios utilizados para busca destas informações são variados e em diversas situações a pesquisa pode ser um complemento importante na construção de um planejamento estratégico adequado. Os objetivos da pesquisa dependem do momento em que o shopping se encontra. Porém, o mais importante, é fazer com que este levantamento de informações cubra todas as possibilidades de análise possíveis e traga aos planejadores, informações relevantes e que lhes serão úteis na construção do plano anual de marketing, por exemplo. Muitas vezes os profissionais buscam respostas em temas que a pesquisa não conseguirá ajuda-los e é dever do pesquisador alertá-los sobre isso. Segundo a publicação Shopping Center Marketing, da ICSC, a pesquisa poderá ajudar um shopping que tenha poucos competidores, por exemplo, a analisar os consumidores para determinar como será possível maximizar regiões geográficas e segmentos demográficos adicionais. Ou um shopping que tenha, recentemente, passado por uma expansão ou mudança de posicionamento poderá utilizar uma pesquisa como ferramenta de análise de resultado destas mudanças, podendo assim comparar os dados com levantamentos que foram feitos anteriormente. (GENTLEMAN, 2009) A pesquisa também poderá trazer à área de marketing informações estratégicas sobre o perfil de seus clientes e não clientes e ajudá-la a identificar falhas de penetração de mercado ou a expandir ações que têm trazido resultados positivos ao empreendimento e que, podem, não ter sido aproveitadas adequadamente. Os objetivos de pesquisa podem ser inúmeros, mas devem ser claros e diretos, caso contrário, forma-se um amontoado de informações que vão para o fundo de uma gaveta qualquer. O desafio é descobrir como se desvincular de ações ultrapassadas e buscar métodos mais eficazes para compor este sistema de informação de marketing. Como fazer com que a pesquisa seja utilizada de forma mais sistemática e contínua e que traga informações estratégicas para a elaboração de ações mais eficazes e focadas no perfil do público de interesse do shopping e na distribuição geográfica de seus clientes.

7 1.3 Geoprocessamento nas pesquisas de marketing para shopping centers O geoprocessamento pode ser definido como a coleta e tratamento de dados relacionados à terra, como recursos naturais, flora, fauna, e neste caso específico: localização geográfica. Coletar e sistematizar estes dados são tarefas que necessitam de tecnologia e conhecimento adequados. O geoprocessamento busca nada mais que representar graficamente os dados coletados e cruzá-los com informações demográficas, naturais, e até comportamentais. As ferramentas disponíveis atualmente permitem realizar análises complexas integrando diversas fontes de informações e dados. Este conjunto de ferramentas é chamado SIG (sistemas de informação geográfica). Diante das informações, do cenário atual e de como a pesquisa pode auxiliar estes profissionais, apresentamos três métricas que podem ser elaboradas combinando técnicas de pesquisa AdHoc, dados secundários e geoprocessamento. Origem dos clientes Conhecer a origem dos frequentadores do shopping indica aos profissionais de marketing a exata capacidade de atração que o empreendimento tem. Entretanto, apenas observar um mapa de origem não é informação suficiente para boas conclusões. Os profissionais de marketing podem, em parceria com o pesquisador, determinar critérios para a análise dos dados, como por exemplo, selecionar um raio ao redor do empreendimento e observar a quantidade de consumidores que frequentam o shopping, quanto cada um gasta, qual seu poder de compra e classificar em dois grupos: os que estão próximos ao ponto e aqueles que por algum motivo específico se deslocaram de áreas mais distantes, observando por fim as diferenças. Cada shopping pode e deve avaliar qual o melhor critério para desenho das áreas de captação. Outra possibilidade é delimitar as áreas de acordo com o tempo médio de deslocamento do cliente, seja por veículo ou transporte público. Independente do critério adotado, ele deve ser mantido por pelo menos cinco anos para que as análises tenham coerência e histórico com bases válidas. Com o passar dos anos, a comparação dos dados torna-se mais rica e detalhada. É possível saber se houve aumento ou diminuição do percentual de clientes que tem origem em determinada área, observar mudanças no mercado e orientar a tomada de decisão para novas ações de marketing. As alterações na área de abrangência não necessariamente estão relacionadas às ações do próprio shopping. Novas características de acesso uma nova estação de metrô é construída, um semáforo é instalado, dificultando a chegada ao empreendimento ou a inauguração de um concorrente pode fazer com que a área de abrangência sofra alterações significativas. Cabe ao

8 departamento de marketing conhecer estas mudanças e avaliar como suas ações estão contribuindo ou não para a melhoria na captação de clientes. O cruzamento de dados de origem e destino dos clientes após a visita ao empreendimento possibilita ao shopping o desenvolvimento de outra métrica: o índice de destinação efetiva. Este dado aponta a quantidade de clientes que saíram de suas casas com o objetivo único de ir ao shopping e depois de fazer suas compras tinham também a intenção de voltar para o local de origem. Ou seja, este é o consumidor que o empreendimento conseguiu colocar em movimento de forma efetiva. O shopping teve por alguma razão atratividade suficiente para tirá-lo da inércia, e também possibilitou ao cliente resolver todas as suas necessidades ligadas a consumo, pois o mesmo retornaria para casa sem precisar procurar outro local para resolver qualquer outra necessidade. O acompanhamento do índice de destinação efetiva é importante para verificar de certa forma a atratividade do shopping. Sua evolução positiva indica que o empreendimento conta com um composto de lojas, serviços e lazer seja em variedade ou em qualidade das operações que consegue atender bem ao cliente. Por outro lado, a queda do índice pode indicar que o consumidor deixou de ver o shopping como o seu principal local de compras ou entretenimento. Cabe à pesquisa o levantamento de informações para responder à próxima pergunta: qual o motivo deste movimento? Obviamente o índice de destinação efetiva não é uma explicação em si só. Um shopping localizado próximo a uma área com predominância de escritórios, tende a ter uma destinação baixa, uma vez que as pessoas estão na região a trabalho e vão ao shopping por conveniência. A análise das características da região deve ser cruzada com a destinação efetiva para que uma conclusão correta seja tirada. Assim, conhecer a origem e destino do cliente após a visita ao shopping são importantes métricas para indicar a atratividade do empreendimento e sua força de captação de clientes, inclusive por zonas geográficas de captação. O acompanhamento constante desses dados aponta como o mercado está reagindo às mudanças no cenário competitivo e às ações que o próprio shopping faz. Esta métrica indica ao shopping a melhor divisão geográfica da verba de comunicação e a avaliação de sua eficácia, permitindo assim a correção de possíveis erros e um melhor planejamento dos futuros investimentos. Participação de mercado A segunda avaliação que a associação da pesquisa de marketing e ferramentas de geoprocessamento permite realizar é a análise da participação de mercado do shopping. Para este tipo de análise é necessário antes de mais nada, conhecer a área de abrangência do empreendimento e dados secundários que apontam o

9 volume de dinheiro que potencialmente pode ser gasto nas compras de produtos que são comercializados em shopping centers, chamada demanda de mercado. O levantamento da demanda de mercado é feito pelo cruzamento de diferentes pesquisas produzidas pelo IBGE, como o Censo Demográfico e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF). Porém, esta informação é irrelevante se não cruzada com os dados de origem dos clientes. Este volume de dinheiro é naturalmente dividido entre o varejo de rua, o shopping e os concorrentes da área de abrangência. A principal métrica envolvida na avaliação da captação da demanda é a participação de mercado do shopping, ou seja, qual a fatia do bolo pertence ao shopping em estudo. Mais uma vez o acompanhamento ano a ano é necessário para que uma análise correta seja feita. Observar apenas dados de vendas eleva o risco de uma análise equivocada. Seu crescimento pode apontar para uma aparente melhora do desempenho, porém uma observação criteriosa do mercado em que o shopping está inserido permite que seja avaliado o quanto este crescimento é real. Aumentar as vendas em um mercado que tem crescimento percentual da demanda maior, significa queda na participação de mercado. Ou seja, se o mercado cresce mais do que o shopping, algum concorrente (que pode ser até mesmo o varejo de rua) está conseguindo captar este novo dinheiro, aumentando assim sua força. Esta análise pode ser feita tanto para a venda total do shopping, como para os diferentes grupos de produtos oferecidos ao cliente e indica ao shopping qual o real desempenho das lojas, por exemplo, roupas femininas, calçados, brinquedos e assim por diante. Muitos questionamentos passam a ser feitos: as lojas destes grupos vêm conseguindo acompanhar o crescimento do mercado? A quantidade de lojas que oferecem ao consumidor este tipo de produto é suficiente? A qualidade das lojas está alinhada ao perfil de público que o shopping atinge? Respondidas estas perguntas, o shopping pode tomar decisões como, por exemplo, a mudança de perfil de lojas, ampliação da oferta de determinados grupos ou a diminuição de outros. É possível, portanto identificar grupos de produtos que tem desempenho abaixo ou acima da média do shopping e que necessitam de avaliações específicas. Fica claro assim que o cruzamento de dados gera novas métricas, levando assim a uma melhor análise do desempenho do shopping. Até agora citamos duas principais métricas origem e participação de mercado e pode-se observar que o cruzamento destas informações leva o shopping à qualificação da tomada de decisões. Porém, conhecer a origem do cliente e saber o quanto do dinheiro que circula pela área de abrangência do shopping são informações que podem ser melhor aproveitadas quando o empreendimento conhece um pouco mais das características de consumo dos seus freqüentadores. Isto leva à terceira métrica tratada neste estudo.

10 Locais de compra Como o shopping pode avaliar a qualidade de seu mix de lojas? Uma das formas eficazes e que aqui é apresentada é a observação dos principais locais de compra dos clientes, ou seja, onde o cliente, efetivamente, gasta seu dinheiro, com quais marcas e em quais lojas. O consumidor tem diferentes hábitos para os diferentes grupos de produtos. É capaz de se movimentar mais para comprar um eletrodoméstico, uma vez que esta é uma compra comparada e não frequente. O consumidor tende a dedicar mais tempo e energia buscando o produto mais próximo ao que deseja, com as melhores condições de preço, condições de pagamento, prazo de entrega. Costuma ser uma compra planejada e por isso o consumidor percorrerá diversas lojas para encontrar o que deseja. Entretanto, quando compra produtos mais simples, como um medicamento, buscará a conveniência. Os medicamentos vendidos nas diferentes farmácias tendem a ser os mesmo e na maioria dos casos, o consumidor não está disposto a percorrer diversos pontos de venda para encontrar o melhor preço. É sabido que alguns grupos de produtos e em casos específicos lojas são de fato âncoras e atraem o cliente. Entretanto estas âncoras costumam estar instaladas em todos os shoppings. Assim, a atração está mais relacionada ao composto varejista como um todo do que a lojas específicas. Para que estejam adequados às necessidades de seus clientes, os shopping centers devem ser um agrupamento planejado de varejistas desenvolvido, possuído e administrado como uma unidade (Kotler e Armstrong, 1999, p. 301). Porém, é justamente na organização do composto que alguns empreendimentos erram, perdendo assim capacidade de atração do público. A partir do momento que o shopping sabe o local de preferência de compra do seu cliente pode tomar as decisões corretas, que pode até mesmo ser deixar de trabalhar com algum grupo de produto. A análise do comportamento do consumidor pode indicar problemas no empreendimento como lojas inadequadas ao perfil do público, ambiente pouco atraente ou até mesmo pouca oferta de determinado grupo de produtos grave problema para os itens que necessitam de comparação no processo de decisão de compra, como eletroeletrônicos. A métrica aqui proposta busca resolver esta questão: indicar ao shopping as preferências de compras do consumidor, não apenas perguntando sobre seu desejo, ou tentando descobrir comportamentos futuros, mas sim colocando seu hábito em questão, entendendo assim suas preferências e desejos, ajustando a oferta do shopping ao perfil do cliente.

11 Conclusão Apresentamos neste trabalho algumas das principais métricas geradas pelo geoprocessamento comumente utilizadas pelo mercado de shopping center para a avaliação do investimento em marketing. Em um mercado cada vez mais competitivo, onde encontramos casos de concorrentes literalmente vizinhos de porta, a utilização do geoprocessamento torna-se cada vez mais importante e frequente. Diferente do que era praticado no mercado antigamente, a era do geoprocessamento vem corroborar a importância da utilização de métricas de avaliação mais direcionadas ao público do shopping. Por meio destas métricas é possível criar um planejamento estratégico mais adequado e que possibilita aos administradores uma visão holística do ambiente onde o shopping está inserido. Os investimentos de marketing tornam-se mais qualificados, as ações de acompanhamento se tornam mais contínuas e os resultados, consequentemente, se tornam mais positivos ao longo do ano. O cruzamento de dados levantados junto aos consumidores de shopping e geoprocessamento permite ao shopping buscar estratégias de diferenciação, escolher as melhores opções de composto de produtos, ações promocionais e formas mais próximas de relacionamento com o consumidor. A criação de métricas diferentes das apresentadas neste estudo é uma real possibilidade, sendo função do pesquisador colaborar com o cliente no seu desenvolvimento. A pesquisa de mercado deve ser uma ferramenta para auxiliar o cliente a encontrar o melhor caminho para o seu negócio. Isto vem sendo aplicado no mercado de shopping centers e a evolução tecnológica e de conhecimento dos conceitos de geoprocessamento contribuem, dia a dia, para o crescimento do setor.

12 Referências Bibliográficas BERNARDINO, Eliane De Castro; PACANOWSKI, Mauro; KHOURY, Nicolau Elias.; REIS, Ulysses Alves Dos. Marketing de varejo. 4. ED. São Paulo: FGV, p. CASAS, Alexandre Luzzi Las. Marketing de varejo. 4. ed. São Paulo: Atlas, p. GENTLEMAN, Karen. Shopping center - marketing. Tradução de ABRASCE. São Paulo: International Council of Shopping Centers, p. KOTLER, Philip. Administração de marketing: Análise / Planejamento / Implementação e Controle. 2. ed. São Paulo: Atlas, p. PACÍFICO, Wagner. Informações mapeadas para estudo de mercado. Conhecimento prático geografia. São Paulo, ano 2011, n. 35, PARENTE, Juracy. Varejo no brasil. 1. ed. São Paulo: Atlas, p.

Geonotícias SHOPPING CENTERS SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados inéditos PÁG.

Geonotícias SHOPPING CENTERS SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados inéditos PÁG. Geonotícias SHOPPING CENTERS INFORMATIVO SETORIAL DE SHOPPING CENTERS Produzido pela área de Geonegócios SUPERMERCADO: ÂNCORA OU COMPLEMENTO? PÁG. 4 VISÃO SETORIAL FLUXO CONSUMIDOR Shoppings invadem mercados

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Geonotícias O PERFIL DO CLIENTE DE SHOPPING ESTÁ MUDANDO? SHOPPING CENTERS. IMOBILIÁRIO Reiventando o Shopping TENDÊNCIA EDITORIAL PÁG. 04 PÁG.

Geonotícias O PERFIL DO CLIENTE DE SHOPPING ESTÁ MUDANDO? SHOPPING CENTERS. IMOBILIÁRIO Reiventando o Shopping TENDÊNCIA EDITORIAL PÁG. 04 PÁG. Geonotícias INFORMATIVO SETORIAL DE SHOPPING CENTERS Produzido pela área de Geonegócios SHOPPING CENTERS O PERFIL DO CLIENTE DE SHOPPING ESTÁ MUDANDO? EDITORIAL TENDÊNCIA IMOBILIÁRIO Reiventando o Shopping

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço para lucrar com eles

Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço para lucrar com eles Página 1 de 5 INVESTIDORES Nº EDIÇÃO: 815 Investimentos 24.MAI.13-21:00 Vamos ao shopping? Crescimento dos centros de compras atrai investidores de ações e de fundos imobiliários. Ainda há muito espaço

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Varejo Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios reais, a partir de agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

O que fazemos? OnMaps A primeira plataforma web de geomarketing do país.

O que fazemos? OnMaps A primeira plataforma web de geomarketing do país. Quem é a Geofusion Atuando há mais de 15 anos a Geofusion é a maior empresa de geomarketing do país, oferecendo soluções inovadoras na área de inteligência de mercado com foco geográfico. Geomarketing

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

Redução do Encalhe de Jornais Impressos. Como transformar informação em resultado

Redução do Encalhe de Jornais Impressos. Como transformar informação em resultado Redução do Encalhe de Jornais Impressos Como transformar informação em resultado Redução do Encalhe de Jornais Impressos COMO TRANSFORMAR INFORMAÇÃO EM RESULTADO RESUMO EXECUTIVO O encalhe de exemplares

Leia mais

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011

CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS PAIS DO ANO DE 2011 GOIÂNIA 2011 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados da pesquisa social aplicada,

Leia mais

DIA DOS PAIS 2015 SERÁ DE COMPRAS À VISTA E PRESENTES COM VALOR MÉDIO DE R$ 100

DIA DOS PAIS 2015 SERÁ DE COMPRAS À VISTA E PRESENTES COM VALOR MÉDIO DE R$ 100 VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 24.07.15 EDITORIA: ECONOMIA VEÍCULO: BLOG COMUNICAR DATA: 22.07.15 EDITORIA: ECONOMIA DIA DOS PAIS 2015 SERÁ DE COMPRAS À VISTA E PRESENTES COM VALOR MÉDIO DE R$ 100 22

Leia mais

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil

A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil A maior pesquisa sobre consumo de calçados femininos já realizada no Brasil Categoria: Consumo - Moda Segmento: Sapatos femininos Mercado: Brasil Edição 02 www.azimute720.com.br 2011 Quem Somos Uma agência

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO RESULTADOS DO PROJETO PILOTO 1. INTRODUÇÃO O projeto piloto organizado pelo Centro de Pesquisas Rachid Mohamd Chibib sob a direção do Prof. Msc. Wagner Cardozo teve por objetivo analisar a composição de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG 20/09/2013 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2013 CONVÊNIO UCDB-ACICG Professores

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

O Geomarketing na fronteira da inteligência de negócios: fundamentos e tendências

O Geomarketing na fronteira da inteligência de negócios: fundamentos e tendências O Geomarketing na fronteira da inteligência de negócios: fundamentos e tendências Agenda O passado e presente As forças de transformação Dentro para Fora (internas) Fora para Dentro (externas) Cenários

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015.

Abril - 2015. Divulgado em 14 de maio de 2015. Abril - 2015 Divulgado em 14 de maio de 2015. VAREJO AMPLIADO CRESCE 1,1% EM ABRIL, APONTA ICVA Indicador considera a receita de vendas deflacionada pelo IPCA em comparação com abril de 2014; no índice

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DEZEMBRO/2010 PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE MANAUS, ANO 2010 - N 12 MANAUS AM 67,2% dos consumidores

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POPULAÇÃO... 3 4 COLETA DE DADOS... 3 5 RESULTADOS... 4 Ilustração 1 -

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Relatório Gerencial HG Brasil Shopping FII 1 Trimestre de 2007. 1. Palavra da Administradora. Prezado Investidor,

Relatório Gerencial HG Brasil Shopping FII 1 Trimestre de 2007. 1. Palavra da Administradora. Prezado Investidor, Relatório Gerencial 1 Trimestre de 2007 1. Palavra da Administradora Prezado Investidor, Este é o primeiro de uma série de relatórios gerenciais trimestrais destinados aos cotistas do HG Brasil Shopping,

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS.

UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS. UM NOVO CONCEITO. UMA NOVA ARQUITETURA. UM NOVO DESIGN. UM NOVO ESPAÇO. BEM-VINDO AO NOVO... SHOPPING VALINHOS. Imagem meramente ilustrativa, sujeito a alterações. NOVA GALERIA DE ACESSO - primeiro piso

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0

Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 Em plena expansão no País, a indústria de Shopping Centers do Brasil fechou o ano de 2012 com um faturamento de R$ 119,5 bilhões, antes os R$ 108,0 bilhões de 2011, um aumento de 10,6% no período, segundo

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

5.500 postos de serviço

5.500 postos de serviço 5.500 postos de serviço Em 2009, a Ipiranga manteve sua trajetória de expansão acelerada da escala, com a aquisição das operações da rede de distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil e investimentos

Leia mais

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising Projeto Setorial de Exportação ABF Associação Brasileira de Franchising Abril / 2013 INTRODUÇAO A ABF A Associação Brasileira de Franchising é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 1987. Hoje a ABF

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil

Panorama da Avaliação. de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Panorama da Avaliação de Projetos Sociais de ONGs no Brasil Realização Parceria Iniciativa Este documento foi elaborado para as organizações que colaboraram com a pesquisa realizada pelo Instituto Fonte,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Pesquisa de. Dia dos Namorados

Pesquisa de. Dia dos Namorados ASSESSORIA ECONÔMICA Pesquisa de Dia dos Namorados 2013 Pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisa - IFEP Relatório elaborado pela Assessoria Econômica Fecomércio-RS PESQUISA DIA DOS NAMORADOS

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 EMPREENDIMENTOS DE USO MISTO Profa.Dra.Eliane Monetti Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Empreendimentos de uso misto

Leia mais

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio.

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio. F R A N Q U I A Benefícios do Modelo Uma das marcas mais fortes e reconhecidas do país. A marca faz parte de um conglomerado que se consolida como um dos maiores do país (Alpargatas - Grupo Camargo Corrêa).

Leia mais

Trade Marketing Estratégico ou Tático. Tania Zahar Miné

Trade Marketing Estratégico ou Tático. Tania Zahar Miné Trade Marketing Estratégico ou Tático Tania Zahar Miné Agenda Mercado - Farmácias Trade Marketing Consumidor e shopper Desafios e oportunidades Farma Mercado Farmácias Números do setor Canal em crescimento

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 guilherme@2dayconsultoria.com patricia@2dayconsultoria.com www.2dayconsultoria.com A p r e s e n t a ç ã

Leia mais