Utilização de Ferramentas de Inteligência Estratégica Antecipativa, no Acompanhamento do Mercado de Ações: um estudo de caso na Grendene S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de Ferramentas de Inteligência Estratégica Antecipativa, no Acompanhamento do Mercado de Ações: um estudo de caso na Grendene S/A"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DO CONHECIMENTO & INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA Utilização de Ferramentas de Inteligência Estratégica Antecipativa, no Acompanhamento do Mercado de Ações: um estudo de caso na Grendene S/A Fábio Dídimo Becker Caxias do Sul 2007

2 2 Fábio Dídimo Becker Utilização de Ferramentas de Inteligência Estratégica Antecipativa, no Acompanhamento do Mercado de Ações: um estudo de caso na Grendene S/A Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento e Inteligência Estratégica da Universidade de Caxias do Sul, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista. Orientadora: Profª. Drª. Raquel Janissek-Muniz Caxias do Sul 2007

3 3 DEDICATÓRIAS A minha esposa Mirtes, aos meus filhos Calvin e Victoria pela compreensão nos momentos em que não pude estar presente. Aos meus pais, Cláudio e Wanda pela formação do caráter. Ás minhas irmãs, Melizande e Berenice, pelos incentivos que tornam os caminhos mais fáceis. Aos demais familiares e amigos que considero como irmãos, pelo crédito e pela certeza que sempre depositam.

4 4 AGRADECIMENTOS A minha orientadora Profª. Drª. Raquel Janissek-Muniz, pelo apoio e dedicação com que me ajudou a realizar este trabalho, desde a idealização do tema, até a sua conclusão. Aos meus colegas de curso, pela troca de conhecimentos que puderam fundamentar esta idéia. Aos colegas e ex-colegas de trabalho, que muito colaboraram no estudo de caso, fato que tornou possível a realização desta pesquisa. É tão fácil negar no presente, como será afirmar no futuro Wernher von Braun

5 5 RESUMO O mercado de ações atualmente é um negócio que desperta a atenção não mais apenas nas classes sociais mais conhecedoras, como também está aberto aos mais variados tipos de investidores. Grandes somas que movimentam altos valores de aplicações, até as mais pequenas quantias que poderiam parecer insignificantes aos mais experientes no mercado, são responsáveis pelas oscilações na Bolsa de Valores. Sendo assim, a procura pelo melhor investimento ou onde estaria a melhor aplicação do momento, é a resposta que todos os que atualmente estão se familiarizando com o negócio gostariam de ter - antecipadamente -, antes de investir qualquer quantia de valor em determinada empresa ou organização. Da mesma forma, mas do lado oposto, estão os empresários e suas preocupações, que dispõem para venda, o capital das suas organizações em forma de ações. O que seria necessário para desenvolver ou investir para que as ações sejam bem aceitas pelos investidores, e em decorrência, serem bem avaliadas pelo Mercado de Ações, é uma questão que sempre preocupa quem vai apostar neste mercado. A presente monografia apresenta o caso Grendene, avaliando as informações desde quando da entrada no mercado de ações, até os dias atuais, na tentativa de formalizar um conceito útil para justamente entender as questões relativas à oscilação dos valores das ações. Para tanto, utilizamos o método L.E.Scanning desenvolvido por Lesca (2003), para extrair conceitos, baseados nos sinais fracos que possam estar contidos nas informações coletadas durante o período estabelecido no contexto. Este método está fundamentado nos conceitos de Inteligência Estratégia Antecipativa, que explora informações provenientes do ambiente externo de uma organização, visando proteger patrimônio e criar novas oportunidades, que servirão para que os membros da empresa estejam aptos a perceber o mais cedo possível, as novas tendências ligadas ao contexto, negócio, produto ou serviço da empresa. Os resultados obtidos nesta pesquisa, foram considerados satisfatórios na elaboração de conceitos iniciais relacionados às tendências do negócio do mercado de ações da Grendene, para motivar a implantação do método. Palavras-chave: Mercado de Ações, Sinais Fracos, Grendene, Inteligência Estratégica Antecipativa, Método L.E.Scanning.

6 6 ABSTRACT Currently the shares market is a business that arouse the attention no only to social class more aware, but also is open to several types of investors. Large numbers that moving high values of applications, even the smallest amounts that could seem insignificant the most experienced in the market, they are responsible for fluctuations in the stock exchange. This way, it looks for better investment or where it will be the better aplication in the moment, is the answer that all one currently are next with the business would like having advance -, before investing any amount in determinate company or organization. The same way, but the opposite side, are the businessman and their worries, that have for sale, the capital of their organizations in form of shares. What would be required to develop or invest in the shares to be well accepted by investors and as a result, it will be well evaluated by the shares market, is a question that always worrie who will bet in this market. The present work shows the Grendene case, evaluating the informations since in at shares market until actually days, in an attempt to formalize a concept useful to precisely understand the questions relating about fluctuations of the values of shares. For this, we use L.E. Scanning method developed for Lesca (2003), for extract concepts, based on the weak signals that may be contained in informations collected during the period set in context. This method is based on the concepts of Antecipative Strategic Intelligence, that explore informations form external environment of the organization, looking for protect the heritage and create new opportunities, that will serve to the members of the organization will be able to realize as early as possible, the news trends related to the context, business, product or service of the company. The results obtained in this research, were considered satisfactory in the preparation of inicial concepts related to the business trends of shares market s Grendene, to motivate the implementation of the method. Key-words: shares market, weak signals, Grendene, Antecipative Strategic Intelligence, L.E. Scanning method.

7 7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01: O método L.E.Scanning...43 FIGURA 02: Planilha ator X tema...44 FIGURA 03: Diagrama da informação FIGURA 04: Diagrama da informação FIGURA 05: Ficha de captação...46 FIGURA 06: Legenda dos relacionamentos dos puzzles...55 FIGURA 07: Relação de capital estrangeiro com o mercado nacional...61 FIGURA 08: Relação da Grendene e o ambiente de abertura de capital...62 FIGURA 09: Relação Grendene, e informações sobre marketing em eventos...63 FIGURA 10: Relação de oposição hipotética em crise aparente...64 FIGURA 11: Relação de governança de RI...65 FIGURA 12: Relação da Grendene com a função de formador de Mercado...66 FIGURA 13: Grendene e a relação com a oferta de ações no mercado...67 FIGURA 14: Relação da Grendene e o ambiente de abertura de capital...68 FIGURA 15: Relação de poder da família Grendene...69 FIGURA 16: Relação entre as expectativas de crescimento da fábrica...70 FIGURA 17: Relação de investidores pessoa física com o mercado...71 FIGURA 18: Relacionamento entre as características do investidor...72 FIGURA 19: Relação de apontamento duvidoso: Investidor individual e o mercado 73 FIGURA 20: Relação do mercado com o meio ambiente...74 FIGURA 21: Relacionamento de incentivos as empresas...75 FIGURA 22: Relação das ações da Grendene com as outras empresas da família 76 FIGURA 23: Relações dentro do grupo de conselheiros dos acionistas...77 FIGURA 24: Relação entre investidores pessoa física e a empresa...78 FIGURA 25: Relação com investimentos apresentados...79 FIGURA 26: Reconhecimento estrangeiro...80 FIGURA 27: Incentivos para o mercado nacional...81 FIGURA 28: Sinais de favorecimento ao desenvolvimento do mercado...82 FIGURA 29: Ações de empresas não produtivas...83

8 8 LISTA DE TABELAS TABELA 01: Relacionamento posição X função dos envolvidos no problema...27 TABELA 02: Relacionamento das fronteiras evolutivas nas organizações...29 TABELA 03: Matriz ator / tema...59

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTO DELIMITAÇÃO DO TEMA PROBLEMA DE PESQUISA QUESTÃO DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Principal Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA RESUMO DO MÉTODO ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O MERCADO DE CAPITAL Por que Abrir o Capital? Quanto custa abrir o capital? Quanto custa fechar o Capital? O Novo Mercado AVALIAÇÃO DE PROBLEMA CONCEITOS SOBRE INFORMAÇÃO Identificando a informação: Peculiaridades da informação: INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA A Inteligência Estratégica na avaliação do problema: A Inteligência Estratégica Antecipativa: Os pontos de ruptura: O método L.E.Scanning METODOLOGIA ESTUDO DE CASO NA EMPRESA GRENDENE O FOCO DA EXPLORAÇÃO PESQUISA QUALITATIVA: ESCOLHA, APLICAÇÃO E ENCAMINHAMENTO...50

10 10 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS DESENVOLVIMENTO CONCEITOS CONCLUSÕES E CONTRIBUIÇÕES FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...94 ANEXO A GRÁFICO DA POSIÇÃO DAS AÇÕES...96 ANEXO B GRADE DE DSITRIBIÇÃO DAS AÇÕES...98 ANEXO C FICHAS DE CAPTAÇÃO...106

11 11 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contexto A Grendene S/A é uma das maiores produtoras mundiais de calçados sintéticos e líder em vários segmentos no mercado brasileiro, com marcas de sucesso como Melissa, Grendha, Rider, Kid s e Ipanema. Junto a estes produtos, estão licenças de imagens famosas tais como Disney, Mattel, Hello Kitty, Mormaii, Bob Esponja, Seninha, entre outros, e nomes tais como Gisele Bündchen, Xuxa, Ivete Sangalo, Guga e Sandy. A empresa tem por excelência, a elaboração e desenvolvimento de calçados termoplásticos, injetados, fabricados com uma tecnologia própria e exclusiva, a partir de matrizes produzidas internamente. Com isso, fabrica calçados inovadores e originais, de forma mais rápida, com maior precisão, menor emprego de mão-de-obra e custos inferiores ao dos diversos concorrentes. A capacidade anual de produção, dependendo do mix de produtos, poderá atingir 200 milhões de pares, desenvolvida em cinco unidades industriais: três no estado do Ceará (Sobral, Crato e Fortaleza), uma no estado da Bahia (Teixeira de Freitas) e uma no estado do Rio Grande do Sul (Farroupilha), onde a empresa foi fundada, em Atualmente, o grupo Grendene mantém um número em torno de funcionários e quase clientes. Seus produtos estão presentes em pontos de venda no Brasil, correspondendo a 70% do volume de vendas de calçados nacionais e em no exterior, com exportações para mais de 80 países. Em outubro de 2004, a Grendene resolveu abrir seu capital no mercado aberto de ações, na intenção de fortalecer ainda mais seu capital de giro, para novos investimentos, e tornar seu produto ainda mais forte.

12 12 A respeito do mercado de ações, foco deste trabalho, podemos dizer que quando uma empresa resolve abrir seu capital, ou seja, transformar seu ativo em várias partes, e assim, disponibilizá-las aos mais variados interessados na aquisição, ou melhor dizendo, vender aos seus investidores, vários fatores deverão ser levados em conta, desde aqueles exigidos pelas regras do mercado de ações, fatores internos da própria organização, até aos fatores externos, que podem de uma maneira direta ou indireta, influenciarem no sucesso ou no fracasso dessa decisão, em curto ou longo prazo. Todo este procedimento de abertura e valorização do capital, exige um investimento bastante alto, não somente em valores monetários, mas também valores intelectuais, que justificam uma preocupação com o futuro do processo. Baseados nesta idéia, desenvolveremos, neste trabalho, uma adaptação de um método de Inteligência Estratégica Antecipativa, na intenção de criar conceitos que poderão ser utilizados pela empresa neste contexto. 1.2 Delimitação do Tema Esta pesquisa busca implementar um método auxiliado por ferramentas de Inteligência Estratégica Antecipativa, para analisar possíveis sinais dentro das informações encontradas nos meios de comunicação, internet, prospectos informativos e comentários pessoais, entre junho de 2004 e setembro de 2007, pertinentes ao mercado de ações. Tem-se a intenção de elaborar um roteiro explícito próprio, para medir o processo de abertura e avaliar possíveis sinais que alterem ou que criam oscilações na valorização das ações dentro do mercado aberto de capital. 1.3 Problema de Pesquisa Ao inicial no mercado, os valores das ações da Grendene foram avaliados sobre uma base considerada alta, que ao decorrer do tempo, foram perdendo

13 13 números em um processo de variação de valor que pode ser comparado a uma montanha russa, e até então, os valores das ações nunca mais chegaram ao mesmo patamar inicial. Pretende-se não resolver o problema dos valores das ações, mas sim, fornecer subsídios de conhecimentos, para evitar que tal situação se repita, ou ainda que se criem regras concretas para que tais situações possam ser avaliadas antecipadamente. Com a utilização das ferramentas da Inteligência Estratégica Antecipativa, pretende-se monitorar os agentes externos (globais e específicos) e internos da empresa na intenção de identificar oportunidades e antecipar problemas e expectativas para então definir regras explícitas utilizadas no acompanhamento dos sinais, obtidos na coleta das informações, nos quais, deverá ter uma atenção especial que provavelmente trará mais segurança na decisão de uma ação antecipada diante de alguma mudança. 1.4 Questão de pesquisa Tendo em vista os mais variados itens que compõe uma sociedade por capital aberto, somados às incógnitas e variáveis diversas que influenciam na variação do valor das ações de uma empresa de capital aberto, perguntamos: Como as ferramentas da Inteligência Estratégica Antecipativa poderiam ser úteis na avaliação das informações e formação de conceitos, na tentativa de conceber regras úteis de reconhecimento antecipativo dos momentos ou atos que possam facilitar o sucesso destas ações no Mercado?

14 Objetivos Objetivo Principal Propor uma aplicação das soluções de monitoramento de mercado fornecidas pela Inteligência Estratégica Antecipativa para o contexto de mercado de ações, na intenção de facilitar o controle das oscilações dos valores no mercado aberto Objetivos Específicos a) Fixar um ponto para início das medições da pesquisa, ou seja, definir uma origem para a avaliação. b) Eleger as empresas de capital aberto que farão parte colateralmente de todo o processo de análise de fatores para avaliação dos sinais. O fator decisório para tal, serão empresas com maior ou menor nível de sucesso, tendo como parâmetro, a empresa do case foco da pesquisa. c) Coletar informações que representem sinais relevantes do momento anterior ao momento da abertura do capital no mercado de ações em que a empresa foco e as empresas eleitas, escolheram para a sua realização, para mapear o panorama inicial. d) Coletar novas informações, agora relacionadas ao período entre o IPO,e o momento atual, e compará-las aos gráficos de evolução dos valores das ações das empresas escolhidas. e) Identificar fatores que relacionam as informações coletadas aos pontos relevantes dos gráficos das ações que tiveram influência em cada etapa temporal da variação de valor da ação. f) Identificar os autores e os temas que influenciaram na variação do negócio, e montar a matriz de relacionamento. g) Transformar as informações tácitas, em explícitas, e elaborar conceitos para auxiliarem na percepção de tendências futuras, através de sinais identificados.

15 Justificativa A justificativa da escolha deste assunto para desenvolvimento da monografia, se dá em função dos seguintes aspectos: a) Atualmente, existe uma tentativa de popularizar o mercado de ações, trazendo um público, que até então tem muito pouco, ou não tem acesso às informações e culturas sobre este tipo de investimento, que tem interesse em conhecê-lo, mas as informações estão muito distantes. b) Com esta popularização, teremos também um incentivo para as empresas de pequeno porte, que por sua vez, não possuem um suporte com a atenção devida, por movimentarem um capital menor, ou por motivos de desconhecer quando o mercado está favorável ou não. c) Aplicar a filosofia da Inteligência Estratégica Antecipativa no negócio de mercado aberto de capital, no caso Grendene, para tentar entender o fato do valor das ações inicialmente apresentar-se como um promissor negócio, e logo após a abertura, o quadro se fez desfavorável, e aos poucos está novamente crescendo. d) Utilizar o tema como um laboratório para o conhecimento do pesquisador, já que também não temos uma completa noção sobre a área estudada, e com isso, tentar justificar a favor ou contra a utilização da IEAc em áreas que não são do conhecimento do aplicador. e) Ampliar o conhecimento do pesquisador e relacionamento com o tema sobre empresas de capital aberto. f) Tentar, no caso de sucesso, implementar esta filosofia na área da empresa, e atingir outros nichos de problemas, como por exemplo, conhecer quais os melhores investidores, ou incentivar socialmente a aplicação do capital físico nas ações da organização, e ainda facilitar o aprendizado e entendimento por parte do novo investidor, em qual mercado será mais bem aplicado o seu capital

16 Resumo do Método O presente estudo envolve uma pesquisa de abordagem qualitativa exploratória, com utilização das ferramentas da Inteligência Estratégica Antecipativa, para investigar o caso real de abertura de capital da empresa Grendene S/A. Para desenvolvimento deste trabalho, consideraremos as informações colhidas na internet, na Bovespa, em jornais, em entrevistas individuais com investidores, e entrevistas com membros do conselho do departamento de Relações com Investidores da Grendene, e prospectos colhidos em outras empresas. O método que apoiará este estudo é o L.E.Scanning (LESCA 2003), que se baseia no estudo das ferramentas da Inteligência Estratégica, para criação de conceitos antecipativos. 1.8 Estrutura do Trabalho Este trabalho está estruturado em capítulos conforme segue, organizando claramente cada passo proposto para alcançar os objetivos específicos. Introdução e definição do escopo do tema, redação sobre o Mercado de Ações. Revisão bibliográfica, contendo uma definição da escolha do problema, e da teoria de Lesca. Contextualização da pesquisa qualitativa e definição do método L.E.Scanning. Desenvolvimento da pesquisa e aplicação do método de Lesca nas informações coletadas. Conclusão e contribuições previstas. Referências bibliográficas Anexos.

17 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo, trabalharemos os conceitos sobre o mercado de capital, que envolverá também características sobre o Novo Mercado, as definições sobre como avaliar um problema corretamente, conceitos sobre o que é a informação e como identificá-la, a definição da Inteligência Estratégica, e o conceito sobre o Método L.E.Scanning (LESCA, 2003). 2.1 O Mercado de Capital Toda empresa que pretende abrir seu capital em forma de ações no mercado, precisa necessariamente adequar-se a algumas regras impostas pelo mercado. A seguir, estaremos apresentando alguns critérios deste desenvolvimento, para que o leitor possa ficar ciente da complexidade de exigências que precisam ser observadas, por parte dos empresários, que desejam fazer parte deste negócio Por que Abrir o Capital? Basicamente, uma empresa abre capital na intenção de capturar recursos ou reestruturar seu passivo. A captação de recursos através do lançamento de valores mobiliários é uma alternativa aos financiamentos bancários, abrindo para a companhia um amplo espectro de investidores potenciais. Tratando especificamente de emissão de ações, estas representam uma opção frente às modalidades de recursos que implicam pagamentos de juros, cujo comportamento decorrente da Política monetária foge ao controle da companhia. Adicionalmente, um aumento de capital alavanca um incremento do Patrimônio Líquido da empresa emissora, mas este processo também não está isento de custos, que abordaremos mais tarde. A decisão de abertura do capital de uma empresa não deve estar associada, exclusivamente, a uma necessidade imediata de captação de recursos. Quando o

18 18 horizonte de planejamento empresarial indica uma futura necessidade, os dirigentes ou acionistas podem promover colocações secundárias, ou primária de pequeno porte, de forma a preparar a empresa e o mercado para uma posterior operação maior. O mercado é bastante receptivo à subscrição de ações destinadas à captação de recursos para novos investimentos, já que estes sinalizam expansão das atividades empresariais. Enunciamos alguns tópicos que avalizam a abertura de capital social de uma organização: a) Imagem Institucional: Uma empresa aberta tem um diferencial competitivo e melhoria de imagem institucional frente a seus parceiros comerciais e financeiros, nacionais ou estrangeiros, e imprensa especializada. A exigida transparência e confiabilidade das suas informações básicas facilitam negócios e, em última instância, atrai o consumidor final. O reconhecimento da companhia tende a ultrapassar sua esfera de negócios, ganhando espaço em fóruns mais amplos, multi setoriais, regionais e internacionais. b) Profissionalização: A abertura de capital desencadeia a aceleração da profissionalização da empresa, atingindo os dirigentes e todo o quadro de pessoal, e que em princípio, já se necessita de eleger o conselho representativo dos novos acionistas. Uma administração profissionalizada é um dos aspectos positivos buscados pelo investidor. A empresa tem retornos surpreendentes neste processo. Dissemina-se progressivamente entre todos os funcionários o compromisso frente a acionistas que estão presentes fisicamente, mas são representados por analistas que interpelam e visitam a companhia. c) Novos Relacionamentos Com os Funcionários: Um programa de reestruturação empresarial, objetivando reduzir custos e ampliar a participação dos funcionários nas decisões, pode utilizar, como um dos instrumentos, a abertura do capital da empresa também a seus funcionários. Este já

19 19 amplamente difundido no exterior, passou também brasileiro, com os processos de privatizações. a ser utilizado no mercado d) Atribuições Societárias: Conforme Estatuto Social de cada empresa, e atendendo a legislação societária, a assembléia irá deliberar sobre o aumento do capital social através de subscrição, com definição de quantidade, características e preço, ou emissão de debêntures, bônus de subscrição, partes beneficiárias e notas promissórias para distribuição pública, com definição da quantidade, valor nominal e demais condições definição e período de preferência, se houver. e) Obtenção de Registros Junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e manutenção de companhia aberta: Para que a empresa mantenha sua condição de companhia aberta, são necessários os seguintes procedimentos: Relatório da Administração, Demonstrações Financeiras Anuais e respectivos pareceres de Auditoria Independente. DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas. ITR - Informações Trimestrais. IAN - Informações Anuais. Atas (AGOE/ARCA/ARD) para maior transparência. Divulgação de Fato Relevante. Proibição de Uso de Informação Privilegiada por parte dos administradores e seus familiares e/ou pessoas com informações privilegiadas. Registro na CVM. Registro na Bovespa (Brasil/Exterior). f) Registro da Empresa em Bolsa de Valores: É necessário efetuar o registro da empresa em Bolsa de Valores, para a listagem e negociação das ações.

20 20 g) Política dos Dividendos (Prevista no estatuto social): A abertura de capital da companhia através do lançamento de ações corresponde à admissão de novos sócios que disponibilizam capital e, em contrapartida, adquirem direito à participação nos resultados. Os novos acionistas têm como expectativa não apenas a valorização no mercado de seu investimento, mas que este proporcione dividendos. A valorização das ações no mercado depende da regularidade dos resultados distribuídos. A remuneração dos acionistas, depende do desempenho da companhia e do mercado. Os dividendos são estabelecidos no Estatuto obedecido o mínimo legal de 25% do lucro líquido ajustado, podendo haver a distribuição de dividendos intermediários. Os investidores, embora estimulados por políticas de dividendos que superem o mínimo legal e que apresentem regularidade, não apóiam práticas predatórias de distribuição de lucro, já que estas podem comprometer a capacidade de autofinanciamento da empresa e em conseqüência, o seu próprio patrimônio. Ao contrário, estão dispostos a aceitar um período de moderada distribuição de resultados, desde que este seja justificado por planos de investimento objetivando novos negócios ou novas dimensões para a companhia. h) Sociedades Corretoras: As sociedades Corretoras são instituições financeiras membros das Bolsas de Valores devidamente credenciadas pelo Banco Central do Brasil, pela CVM e pela própria bolsa, e estão habilitadas a negociar valores mobiliários. As corretoras podem ser definidas como intermediárias especializadas na execução de ordens e operações por conta própria e determinadas por seus clientes, além da prestação de uma série de serviços a investidores e empresas, tais como: Diretrizes para seleção de investimentos; intermediação de operações de câmbio; assessoria a empresas na abertura de capital; emissão debêntures conversíveis em ações, renovação do registro de capital etc. Elas contribuem para um fundo de garantia, mantidos pelas bolsas de valores, com o propósito de assegurar a seus clientes eventual reposição de títulos e valores negociados em pregão, e atender a outros casos previstos pela legislação. As sociedades corretoras são fiscalizadas pelas bolsas de valores, representando a

21 21 certeza de uma boa orientação e da melhor execução dos negócios de seus investidores Quanto custa abrir o capital? A empresa irá arcar com diversos custos para atender às exigências legais, tais como: a) taxa de registro da emissão na CVM calculada em função do volume; b) serviços de assessoria jurídica; c) gastos com o prospecto e divulgação da operação aos atuais acionistas e investidores potenciais; d) o custo de intermediação financeira, com a remuneração da coordenação; e) custo com a contratação de uma auditoria externa; f) adaptação do estatuto à nova condição da sociedade, tais como o departamento de relações com investidores; g) deverá providenciar o registro da companhia na Bolsa de Valores. Uma pesquisa feita pela Bovespa (2003), em uma emissão virtual têm-se que os custos totais iniciais ficam em torno de 3,76% do valor da operação, sendo que, as principais despesas referem-se aos contratos de coordenação e distribuição de ações, (comissões pagas ao intermediário financeiro) que chegam a 90% do total de custos iniciais para abrir o capital. Para a manutenção da condição de companhia aberta a CVM cobra uma taxa trimestral de fiscalização. As empresas que listarem seus valores mobiliários em Bolsa de Valores devem pagar anuidade à mesma, de acordo com os valores fixados pelas próprias Bolsas. Uma companhia aberta deve arcar com diversos custos para manter tal condição, tais como: divulgar trimestralmente informações financeiras, publicar seus balanços anuais e seus comunicados de fatos relevantes, auditoria externa, consultoria jurídica, manter um departamento de Relações com Investidores, deverá ter uma contabilidade ampliada e especializada para atender às exigências da CVM

22 22 e vários outros. Quanto maior transparência de seus atos, melhor seu desempenho no mercado Quanto custa fechar o Capital? O fechamento de capital por vezes é mais oneroso do que manter aberto. Por determinação legal, os controladores precisam, ao decidir fechar o capital, fazer uma oferta pública de compra de ações detidas pelos sócios minoritários. Não é um ônus pequeno. Para fechar o capital é necessário que pelo menos 2/3 das ações sejam tiradas de circulação. Se os acionistas minoritários não aceitarem o valor oferecido e discordarem da proposta de fechamento de capital, a operação deve ser cancelada O Novo Mercado O Novo Mercado é um segmento de listagem destinado à negociação de ações emitidas por companhias que se comprometam, voluntariamente, com a adoção de práticas de governança corporativa adicionais em relação ao que é exigido pela legislação. A valorização e a liquidez das ações são influenciadas positivamente pelo grau de segurança oferecido pelos direitos concedidos aos acionistas e pela qualidade das informações prestadas pelas companhias. Essa é a premissa básica do Novo Mercado. A entrada de uma companhia no Novo Mercado ocorre por meio da assinatura de um contrato e implica a adesão a um conjunto de regras societárias, genericamente chamadas de "boas práticas de governança corporativa", mais exigentes do que as presentes na legislação brasileira. Essas regras, ampliam os direitos dos acionistas, melhoram a qualidade das informações prestadas pelas companhias, bem como a dispersão acionária e, ao determinar a resolução dos conflitos societários, oferecem aos investidores a segurança de uma alternativa mais ágil e especializada.

23 23 As principais inovações do Novo Mercado, além de que o capital social da companhia seja composto somente por ações ordinárias, estão listadas a seguir: Extensão para todos os acionistas das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle da companhia (tag along). Realização de uma oferta pública de aquisição de todas as ações em circulação, no mínimo, pelo valor econômico, nas hipóteses de fechamento do capital ou cancelamento do registro de negociação no Novo Mercado. Conselho de Administração com mínimo de 5 (cinco) membros e mandato unificado de até 2 (dois) anos, permitida a reeleição. No mínimo, 20% (vinte por cento) dos membros deverão ser conselheiros independentes. Melhoria nas informações prestadas, adicionando às Informações Trimestrais; demonstrações financeiras consolidadas e a demonstração dos fluxos de caixa. Melhoria nas informações relativas a cada exercício social, disponibilizado ao público demonstrações financeiras anuais como por exemplo: a demonstração dos fluxos de caixa. Divulgação de demonstrações financeiras de acordo com padrões internacionais; Melhoria nas informações prestadas, disponibilizado ao público informações corporativas, tais como: a quantidade e características dos valores mobiliários de emissão da companhia detidos pelos grupos de acionistas controladores, membros do Conselho de Administração, diretores e membros do Conselho Fiscal, bem como a evolução dessas posições. Realização de reuniões públicas com analistas e investidores, ao menos uma vez por ano. Apresentação de um calendário anual, do qual conste a programação dos eventos corporativos, como assembléias e divulgação de resultados. Divulgação dos termos dos contratos firmados entre a companhia e partes relacionadas.

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

Nível 1. Governança Corporativa

Nível 1. Governança Corporativa Nível 1 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 A Importância do RI na Abertura de Capital Etapas do Processo de IPO José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 Agenda Registro Inicial de Companhia Aberta Registro de Oferta Pública de Distribuição

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Nível 2. Governança Corporativa

Nível 2. Governança Corporativa Nível 2 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

http://www.ieabrasil.com.br

http://www.ieabrasil.com.br http://www.ieabrasil.com.br Desenvolvimento da capacidade de antecipação pela identificação e captação de indícios antecipativos em contexto de Inteligência Estratégica Antecipativa Raquel Janissek-Muniz

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1

Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 245 Critérios e vantagens para as empresas que optam pela abertura de capital 1 UMINO, Cássia Akiko 2 ALCANTARA NETTO, Dimas de Barros 3 Introdução O presente texto tem como objetivo tratar do trabalho

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A.

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. I. FINALIDADE 1. O objetivo da Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. (a Companhia )

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Estácio Participações S.A. 1. Propósito Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados pelos (i) Administradores

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES I OBJETO Este instrumento disciplina as práticas diferenciadas de negociação de ações e divulgação de atos ou fatos relevantes da

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti. Recife, 26 e 27 de julho de 2010

Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti. Recife, 26 e 27 de julho de 2010 Mini-Curso Ministrado na PROCENGE Instrutor: Prof. José Carlos Cavalcanti Recife, 26 e 27 de julho de 2010 Mini- Curso: Governança Corporativa no Brasil e no Mundo A Governança Corporativa é considerada

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 1 ÍNDICE I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Definições... 4 IV. Divulgação de

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA A Diretoria da Participações Industriais do Nordeste S.A. ( Companhia ) comunica que, por deliberação do Conselho de Administração, em reunião extraordinária realizada em 30.06.2002, foram aprovadas as

Leia mais

MEETING DO MARKETING

MEETING DO MARKETING MEETING DO MARKETING Reputação Corporativa Ativo com Resultados Tangíveis Cristina Panella Cristina Panella Setembro Pág1 2007 Toda empresa funciona num meio ambiente de públicos Philip Kotler Pág2 Tipos

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital Página 1 de 7 Índice Geral 1. Objetivo e Escopo... 3 2. Princípios Gerais... 3 3. Potenciais Situações de Conflito de Interesses...

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política:... 2 04.02. Responsáveis

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Jornada de Valor. Novembro de 2010

Jornada de Valor. Novembro de 2010 Jornada de Valor Novembro de 2010 Planejando o crescimento O valor da empresa em uma transação está diretamente relacionado à percepção de valor de investidores, à governança corporativa, transparência

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Reunião: Política de Negociação de Valores Mobiliários (Portuguese only) MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO (Síntese adaptada do normativo interno PG-0V1-00034-0 Guia de Recebimento e Oferecimento de Presentes,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais