NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:"

Transcrição

1 NOTA METODOLÓGICA Título do trabalho: Apoio à Reflexão e Conceção de possíveis ações de Investigação e Desenvolvimento (I&D) a nível nacional e internacional do Centro das Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) 1. Introdução A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos: Identificação e descrição das principais etapas de execução do trabalho Identificação dos instrumentos e técnicas a mobilizar em cada uma das etapas Identificação dos principais atores-chave para a execução do trabalho Organização da equipa de trabalho Cronograma das atividades do trabalho 2. Objetivos gerais do trabalho O trabalho a desenvolver tem quatro objectivos gerais complementares 1 : Apoio ao CERMI na reflexão e concepção de possíveis acções de I&D nos domínios das energias renováveis e manutenção industrial, segmentadas por mercado nacional, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Países da Comunidade Económicaa dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), identificando um portfólio das mesmas actividades por mercado. Identificação de parcerias nacionais e internacionais no âmbito de investigação científica e tecnológica aplicada, e de fontes de financiamento, por segmento ou tipologia de actividade de I&D. Determinação da efectiva viabilidade de cada uma das actividades de actividades de I&D e estabelecer a sua calendarização, no período definido no Quadro Estratégico do CERMI. 1 Termos de Referência do Trabalho

2 Identificação das necessidades de eventual reforço das capacidades instaladas no CERMI, em termos de instalações, equipamentos e recursos humanos, tendo em vista as actividades de I&D propostas. 3. Identificação e descrição das principais etapas A visão identificada para o CERMI no seu documento de estratégia para o período de 2015 a 2020 é de tornar-se num centro de referência internacional, para o mercado da CEDEAO e dos PALOP e que oferece condições de formação, de auditoria, de certificação, de fiscalização, de monitorização e de investigação e desenvolvimento (I&D) de excelência, capazes de responder aos desafios tecnológicos que Cabo Verde e os países da região enfrentam para o seu desenvolvimento sustentável, nas áreas da energia e da manutenção industrial 2. Com essa visão o CERMI pretende ser um instrumento de operacionalização da política energética de Cabo Verde, promovendo e realizando atividades de interesse público na área da energia em geral, e na área de gestão da procura em particular e das respetivas interfaces com as demais políticas setoriais, sem perder de vista a sua vocação internacional, com enfoque nos mercados da CEDEAO e dos PALOP 3. As atividades a serem desenvolvidas com o presente trabalho deverão sobretudo fornecer ao CERMI as ferramentas para se tornar num centro de referência a nível local e regional na implementação de actividades de I&D para aumentar a penetração de fontes de energia renováveis nos sistemas energéticos dos países-alvo, e para identificar as melhores práticas em matéria de eficiência energética. As actividades de I&D a serem identificadas e implementadas devem ser integradas nas atividades de formação do CERMI, com vista ao desenvolvimento das energias renováveis, eficiência energética e manutenção de equipamentos direcionadas a soluções práticas para a criação de emprego e de uma massa crítica nas áreas atrás referidas. 2 Quadro Estratégico do CERMI , Dezembro de Quadro Estratégico do CERMI , Dezembro de 2014

3 a) Atividades e tarefas do trabalho O trabalho será organizado em 3 atividades descritas no Quadro I. Quadro I Lista das atividades do trabalho Descrição Atividade 1 Preparação dos relatórios e outros produtos da ação Atividade 2 Identificação dos recursos físicos e humanos necessários ao desenvolvimento das atividades do CERMI Atividade 3 Identificação das atividades de I&D a serem desenvolvidas no âmbito do documento estratégico do CERMI Atiividade 4 Identificação de possíveis fontes de financiamento, de parcerias fundamentais e de propostas para a implementação das atividades de I&D identificadas Atividade 5 Elaboração de indicadores de atividade, resultados e identificação de riscos e estratégias de mitigação dos riscos As atividades serão desenvolvidas através das tarefas descritas no Quadro II. Atividade 1 Atividade 2 Atividade 3 Quadro II Lista das tarefas por atividade Tarefas a. Recolha e análise de dados e informações relevantes para os objectivos do trabalho ; b. Identificação de actores-chave (instituições públicas e privadas, e indivíduos) através de entrevistas e questionários ; c. Preparação e apresentação do relatório final, incorporando os comentários e sugestões fornecidas pela equipa de acompanhamento do projeto (CERMI) ; d. Organização do atelier para a apresentação e socialização do documento final. a. Visita técnica ao CERMI (Praia) e encontros com a equipa de gestão do centro e outros recursos humanos ; b. Levantamento das capacidades instaladas no CERMI e de recursos humanos ; c. Identificação das necessidades do CERMI para o cumprimento dos objetivos identificados no seu documento de estratégia. a. Análise dos documentos de política a nível nacional e regional (CEDEAO e PALOP), respeitantes às áreas de intervenção do CERMI; b. Análise de atividades de I&D desenvolvidas em centros similares na CEDEAO, PALOP e outras regiões do mundo (e.g. UE); c. Elaboração de propostas para atividades de I&D nas áreas de intervenção do CERMI. Atiividade 4 a. Determinação dos recursos necessários para as atividades de I&D ;

4 b. Identificação de possíveis fontes de fianciamento e parcerias ; c. Apoio à elaboração de proposições/candidaturas a esses financiamentos. Atividade 5 a. Elaboração de indicadores de atividade, resultados e impacte ; b. Identificação de riscos e estratégias de mitigação. b) Descrição das atividades e tarefas Atividade 1 Preparação dos relatórios e outros produtos da acção Líder da Luís Alves atividade Duração 18 de agosto - 18 de dezembro de 2015 Descrição Tarefas Metodologia Esta atividade destina-se sobretudo à recolha de documentação e informação pertinente aos objetivos do trabalho, à identificação dos parceiros-chave da ação, à troca de informações, recolha de subsídios, elaboração dos relatórios e outros produtos do trabalho. a. Recolha e análise de dados e informações relevantes para os objectivos do trabalho ; b. Identificação de actores-chave (instituições públicas e privadas, e indivíduos) através de entrevistas e questionários ; c. Preparação e apresentação do relatório final, incorporando os comentários e sugestões fornecidas pela equipa de acompanhamento do projeto (CERMI) ; d. Organização do atelier para a apresentação e socialização do documento final. O trabalho irá incidir sobretudo nos membros dos PALOP e da CEDEAO. Para a obtenção de dados e informações relevantes ao trabalho serão contatados em cada país-membro as instituições responsáveis pela área da energia, da indústria, da investigação e inovação, da formação profissional, as empresas de energia, as agências reguladoras e as associações profissionais e empresariais de cada PALOP. Sendo os PALOP todos membros da CPLP, esta organização será também contatada para a mobilização de parceiros nos seus membros que pertencem aos PALOP note-se que a CPLP tem pontos focais da energia em cada país membro. Existe atualmente a ALER Associação Lusófona de Energias Renováveis que será um excelente interlocutor para o trabalho. No que tange aos países da CEDEAO, o interlocutor previlegiado para o trabalho será o ECREEE, com sede na Praia. O coordenador do trabalho utilizará os meios disponíveis nesse Centro para a identificação de parceiros na CEDEAO para a obtenção de dados e informações necessários ao trabalho. O que se pretende é dar a conhecer aos diferentes atores-chave identificados em cada país, seja dos PALOP seja da CEDEAO, o documento de estratégia do CERMI para recolher subsídios no respeitante às suas necessidades de I&D para a implementação do quadro legal do sector da energia, sobretudo no que diz respeito às energias renováveis, eficiência energética e manutenção de equipamentos para cada país-membro. Todos os parceiros e atores-chave identificados nos PALOP e na CEDEAO serão inseridos numa lista com a

5 Recursos Resultados descrição sumária de cada um e as suas principais especificações. Identificados os atores-chave, será elaborado um questionário a ser distribuído/enviado para a recolha de informação necessária à elaboração das atividades de I&D do CERMI no período As diferentes etapas do trabalho e os seus principais resultados serão sistematizado num relatório a ser entregue à equipa de acompanhamento em dois tempos: uma versão preliminar para análise e recolha de comentários e melhoramentos para a elaboração de uma versão final. O relatório preliminar será igualmente distribuído aos atores-chave mais relevantes para o trabalho (stakeholders). O relatório final será apresentado e discutido no atelier de validação a ser organizado na Praia nas instalações do CERMI. Participarão nas tarefas desta atividade todos os elementos da equipa técnica. Para as tarefas a e b, a maior parte do trabalho será desenvolvido pelos consultores Luís Alves e Vasco Cardoso, tendo em vista os contatos que possuem em vários desses países. O consultor Luís Alves tem larga experiência de trabalho na área da energia e da I&D em todos os PALOP, assim como em vários países da CEDEAO e já participou em alguns trabalhos envolvendo a CPLP e o ECREE, o que pressupõe um relacionamento previlegiado com essas instituções para o bom desenvolvimento do trabalho. a. Como resultado das tarefas a. e b. será elaborada uma Lista de atoreschave e stakeholders nos PALOP e na CEDEAO para as áreas das energias renováveis, eficiência energética e manutenção de equipamentos ; b. A tarefa b. será também elaborado um Relatório com o resultado dos questionários, complementado com entrevistas realizadas com os stakeholders ; c. O Relatório preliminar será produzido pela tarefa c.. O relatório final derivará do relatório preliminar pela introdução dos comentários dos diferentes stakeholders ; d. O principal produto da tarefa d. será o atelier de validação do relatório final e dos principais produtos do trabalho. Atividade 2 Identificação dos recursos físicos e humanos necessários ao desenvolvimento das atividades do CERMI Líder da Vasco Cardoso atividade Duração 1 de setembro 15 de novembro de 2015 Descrição Esta atividade servirá para fazer um levantamento das necessidades do CERMI em recursos físicos (instalações, equipamentos, etc.) e humanos para o desenvolvimento das atividades necessárias ao cumprimentos dos objetivos preconizados no seu documento de estratégia. Tarefas a. Visita técnica ao CERMI (Praia) e encontros com a equipa de gestão do centro e outros recursos humanos ; b. Levantamento das capacidades instaladas no CERMI e de recursos humanos ; c. Identificação das necessidades do CERMI para o cumprimento dos objetivos identificados no seu documento de estratégia. Metodologia O documento de estratégia do CERMI para será analisado para o levantamento das necessidades em instalações, equipamentos, tecnologias,

6 Recursos Resultados recursos humanos e financeiros do centro para a obtenção dos objetivos preconizados na estratégia. Uma visita técnica às instalações do CERMI será efetuada pelo líder desta atividade, o consultor Vasco Cardoso coadjuvado por dois engenheiros da GreenWorld. A visita decorrerá durante a realização da I Feira de Ambiente e Energias Renováveis que terá lugar na Praia de 15 a 17 de outubro de 2015, na qual participará a GreenWorld. Durante a visita técnica serão programadas várias reuniões de trabalho com a equipa de acompanhamento, com a direção e os técnicos do CERMI. As diferentes tarefas serão executadas pelos elementos da equipa técnica, com especial realce para o consultor Vasco Cardoso que será o líder da atividade e o responsável pela missão que visitará o CERMI em outubro De realçar que o consultor Luís Alves já visitou o CERMI e teve várias reuniões com a sua direção e técnicos no âmbito de outros recentes trabalhos que envolveram o centro, pelo que também possui uma bom conhecimento dos recursos instalados no CERMI. a. Como resultado da análise do documento de estratégia, da visita técnica e das reuniões de trabalho será elaborado um Relatório com as necessidades do CERMI em recursos físicos e humanos para atingir os objetivos da sua estratégia para Atividade 3 Líder Identificação das actividades de I&D a serem desenvolvidas no âmbito do documento de estratégia do CERMI. Luís Alves Duração 18 de agosto 15 de novembro de 2015 Descrição Tarefas Metodologia Esta atividade servirá para a elaboração das atividades de I&D a serem desenvolvidas pelo CERMI e seus parceiros no período do atual documento de estratégia ( ) a. Análise dos documentos de política a nível nacional e regional (CEDEAO e PALOP), respeitantes às áreas de intervenção do CERMI ; b. Análise de atividades de I&D desenvolvidas em centros similares na CEDEAO, PALOP e outras regiões do mundo (e.g. UE) ; c. Elaboração de propostas para atividades de I&D nas áreas de intevenção do CERMI. As atividades de I&D do CERMI a serem desenvolvidas no âmbito da sua estratégia para serão identificadas pela análise das diferentes quadros legais e políticas na área da energia e da indústria para cada país e do documento de estratégia do CERMI e tendo em conta igualmente os contributos dados pelos diferentes atores-chave contatados durante o trabalho. Serão também analisados os documentos de políticas e estratégia produzidos pela CEDEAO e pelo ECREEE nas áreas de interesse do CERMI: Serão utilizados os conhecimentos adquiridos pelo líder da tarefa em projetos de I&D desenvolvidos no passado para atingir iguais metas preconizadas no documento de estratégia do CERMI. O consultor Luís Alves possui excelente experiência de trabalho no âmbito de

7 Recursos Resultados projetos de I&D com centros similares na Europa e particularmente nos arquipélagos da Macaronésia, de que também faz parte o arquipélago de Cabo Verde. Essa experiência e os contatos com esses centros servirão para enriquecer o portfolio de atividades de I&D do CERMI, o principal produto desta atividade. Os principais consultores envolvidos nesta atividade serão Luís Alves e Ângelo Cabral, visto possuírem mais experiência na área de investigação para a elaboração do portfolio de atividades de I&D para a. Portfolio de atividades de I&D a serem desenvolvidas pelo CERMI no quadro da sua estratégia para Atividade 4 Identificação de possíveis fontes de financiamento, de parcerias fundamentais e de propostas para a implementação das atividades de I&D indentificadas Líder Luís Alves Outros Vasco Cardoso e Ângelo Cabral Duração 1 de setembro 18 de dezembro 2015 Descrição Esta atividade destina-se à determinação dos recursos necessários, à procura de fontes de financiamento e de parcerias para a implementação das atividades de I&D identificadas, e à elaboração de proposições/candidaturas a esses financiamentos. Tarefas a. Determinação dos recursos necessários para as atividades de I&D ; b. Identificação de possíveis fontes de fianciamento e parcerias ; c. Apoio à elaboração de proposições/candidaturas a esses financiamentos. Metodologia As fontes de financiamento serão procuradas no quadro dos financiamentos programáticos da União Europeia, da CEDEAO, de instituições tipo Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimentos, de instituições internacionais, como por exemplo as institutições do sistema das Nações Unidas, de cooperações bilaterais e de instituições que disponibilizam financiamentos para a área da energia, tais como a IRENA, o ECREEE, entre outros. Para cada atiividade de I&D serão indicadas as fontes de financiamento mais adequadas e explicitadas as modalidades de acesso a esses financiamentos. Durante esta atividade será prestado apoio ao CERMI na elaboração de propostas para os financiamentos disponíveis a curto/médio prazo. Recursos O líder da atiividade será coadjuvado pelos consultores Vasco Cardoso e Ângelo Cabral. O líder atividade possui experiência na identificação de fontes de financiamento para atividades de I&D, ilustrada pela sua longa experiência na elaboração de propostas de I&D e sua apresentação às fontes de financiamento. Resultados a. Relatório de fontes de fianciamento e parcerias como produto das tarefas a. e b.; b. A tarefa c. deverá resultar em propostas/candidaturas às fontes de financiamento identificadas.

8 Atividade 5 Elaboração de indicadores de atividade, resultados e identificação de riscos e estratégias de mitigação dos riscos. Líder Ângelo Cabral Duração 1 de setembro 30 de novembro de 2015 Descrição Esta atividade servirá para a elaboração de um conjunto de indicadores de atividade, resultados e impacte neste domínio, no período do documento de estratégia do CERMI, a integrar nos planos de atividade anuais do centro, assim como para a identificação de riscos e respetivas estratégias de mitigação. Tarefas a. Elaboração de indicadores de atividade, resultados e impacte; b. Identificação de riscos e estratégias de mitigação. Metodologia A análise do desempenho será feita por meio da criação de indicadores de desempenho que possam levar em consideração elementos financeiros e não financeiros, bem como através da indicação de perspectivas que contemplem a análise do ambiente em que as atividades são implementadas, para a satisfação das necessidades sócio-económicas dos países-alvo. Como parte deste exercício serão identificados os riscos para cada atividade de I&D e identificadas estratégias para mitigação desses riscos. Recursos O líder da atividade possui excelente experiência na identificação de indicadores, riscos e medidas de mitigação em atividades de I&D, sendo auxiliado pelos consultores Luís Alves, Vasco Cardoso e Luís Vieira. Resultados a. Como resultado da tarefa a. será produzida uma lista de indicadores de atividade, resultados e impacte; b. Relatório com os riscos e respetivas estratégias de mitigação a ser elaborado durante a tarefa b..

9 4. Cronograma das atividades e tarefas do trabalho O presente trabalho terá duração de 4 (quatro) meses, com início a 18 de agosto de 2015, e término a 18 de dezembro de As atividades e tarefas serão desenvolvidas com o seguinte cronograma: Atividade Tarefas Ago Set Out Nov Dez 1 a. Recolha e análise de dados e informações b. Identificação de atores-chave c. Preparação e apresentação do relatório final d. Organização do atelier de validação do relatório e produtos 2 a. Visita técnica ao CERMI 13 a 18 b. Levantamento das capacidades do CERMI 1 15 c. Identificação das necessidades do CERMI a. Análise das políticas nacionais e regionais dos PALOP e CEDEOA b. Análise das atividades de I&D em outros 1 15 centros similares c. Elaboração de propostas de I&D a. Determinação dos recursos necessários para as 1 30 atividades de I&D b. Identificação de possíveis fontes de 1 30 financiamento e parcerias c. Apoio à elaboração de propostas / 1 18 candidaturas e financiamentos 5 a. Elaboração de indicadores de atividade, 1 30 resultados e impacte b. Identificação de riscos e estratégias de mitigação 1 30

10 5. Potenciais atores-chave e stakeholders Os principais parceiros para a execução do trabalho serão: Em Cabo Verde : CERMI Cooperação Luxemburguesa Ministério do Turismo, Investimentos e Desenvolvimento Empresarial Ministério da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos Ministério do Ensino Superior, Ciência e Inovação Ministério da Educação e Desporto Ministério do Ambiente, Habitação e Ordenamento do Território Ministério do Desenvolvimento Rural Ministério das Infra-estruturas e Economia Marítima Ministério das Finanças e do Planeamento Agência Reguladora da Energia Universidade de Cabo Verde Universidades privadas Instituições de investigação Instituições de formação profissional Empresas de energia e de manutenção industrial Empresas de engenharia e inovação Câmaras de Comércio e Indústria Associações Empresariais Ordem dos Engenheiros Ordem dos Arquitetos Nos outros PALOP: Ministérios responsáveis pela área da energia Ministérios responsáveis pela área da indústria Ministérios responsáveis pela educação e formação Ministérios responsáveis pelas áreas do ensino superior, ciência e inovação Agências reguladoras da energia Universidades e instituições de investigação Centros similares ao CERMI

11 Instituições de formação profissional Empresas de energia e de manutenção industrial Empresas de engenharia e inovação Câmaras de Comércio e Indústria Associações Empresariais Ordens profissionais A nível regional: CEDEAO pelouro da energia e da indústria ECREEE Países da CEDEAO: Ministérios responsáveis pela área da energia Ministérios responsáveis pela área da indústria Ministérios responsáveis pela educação e formação Ministérios responsáveis pelas áreas do ensino superior, ciência e inovação Agências reguladoras da energia Universidades e instituições de investigação Centros similares ao CERMI Instituições de formação profissional Empresas de energia e de manutenção industrial Empresas de engenharia e inovação Câmaras de Comércio e Indústria Associações Empresariais Ordens profissionais Serão utilizados os recursos disponibilizados pelo CERMI e equipa de acompanhamento do trabalho, pelo ECREEE, os recursos disponíveis na internet e informação e documentação pertencentes à equipa técnica e à GreenWorld, provenientes de trabalhos e ações similares desenvolvidos recentemente. Os contatos com os parceiros-chave de Cabo Verde serão feitos presencialmente entrevistas e reuniões, durante a Missão 1 à Praia e através de , telefone e outros recursos. Para os outros PALOP e CEDEAO serão elaborados inquéritos simples e sucintos para a obtenção de inputs por parte dos parceiros-chave a serem utilizados na elaboração dos principais resultados do trabalho. Para a recolha de informação

12 localmente, far-se-à igualmente recurso a colaboradores locais, recrutados pontualmente para determinadas tarefas específicas. 6. Organização da equipa técnica do trabalho A equipe montada para o desenvolvimento das atividades do projeto é composta da seguinte forma: Prof. Doutor Luís Alves Coordenador do trabalho, expert em energias renováveis - PhD em ciências do ambiente, pós-doutrado em energia e ambiente, experiência de trabalho em projetos I&D em fontes de energias novas e renováveis para ilhas e zonas isoladas, energia e pobreza, energia e alterações climáticas. Tem excelente experiência em I&D, especialmente nos países em desenvolvimento (participação em mais de 30 projectos de I&D financiados pela UE e outras instituições internacionais). Excelente conhecimento do país e da região (PALOP e CEDEAO). Prof. Doutor Ângelo Cabral Expert em gestão - Licenciado em Gestão de Empresas, Mestre em Gestão de Empresas com especialização científica em Psicologia Organizacional no ambiente Estratégico das Organizações, pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde também realizou o Curso de especialização em auditoria financeira e controlo interno. Atualmente é Doutorando do programa de Doutoramento em Gestão de Empresas da mesma Faculdade, encontrando-se numa fase de desenvolvimento da tese subordinada aos domínios da Psicologia Organizacional, Estratégia de Internacionalização e Performance Internacional. Desde 2012 até 2015 foi professor assistente convidado da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria, onde lecionou aos cursos de Relações Humanas e Comunicação Organizacional e de Serviço Social e Desenvolvimento Comunitário. Disciplinas lecionadas: Economia, Marketing, Análise Económica e Financeira e, Gestão Orçamental e Financeira. É autor de diversos artigos científicos nos domínios da Ética e da Inteligência Emocional no sucesso das organizações. É membro efetivo da ordem dos economistas.

13 Prof. Engº. Vasco Cardoso Expert em energias renováveis e eficiência energética - Mestre em engenharia eletrotécnica, especializado em sistemas de auditoria de gestão de energia - NP EN e gestão da energia na indústria. Professor universitário, experiência em pósgraduação em energia, gestão de negócios, energia e eficiência energética. Experiência em projetos de I&D em iluminação LED e energia eólica. Experiência em auditoria energética e solução de utilização racional da energia em Cabo Verde. Engº. Luís Vieira Expert em manutenção industrial - Mestre em engenharia eletrotécnica, especialização em manutenção industrial, instalações elétricas e energia renovável. Excelente experiência na gestão de projetos de instalação elétrica, energia renovável e manutenção industrial. Experiência de coordenação de projetos em África.

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO SETEMBRO 2014 2 INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO BRANDSTORY, LDA SETEMBRO 2014 FICHA TÉCNICA Brandstory, Unipessoal Lda Coordenadora

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em Estratégia Para a Energia Sustentável em CABO VERDE Plano de Ação para as Energias Renováveis Plano de Ação para a Eficiência Energética Agenda de Ação para Energia Sustentável para Todos Enquadramento

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 14 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS Os apoios a atribuir

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI)

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) DE CABO VERDE Resumo Cabo Verde assume claramente a energia renovável como

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Convite à manifestação de interesse de consultores nacionais individuais nos quinze Estados Membros da CEDEAO (um para cada país) Termos de Referência

Convite à manifestação de interesse de consultores nacionais individuais nos quinze Estados Membros da CEDEAO (um para cada país) Termos de Referência Convite à manifestação de interesse de consultores nacionais individuais nos quinze Estados Membros da CEDEAO (um para cada país) Termos de Referência Assistência Técnica para o desenvolvimento dos Planos

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de:

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Qualidade e IT Service Management Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Ambiente Higiene e Segurança no Trabalho

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

APRESENTAÇÃO ACCENDO

APRESENTAÇÃO ACCENDO APRESENTAÇÃO ACCENDO "A Accendo é uma empresa que funciona com uma rede de parceiros e associados, vocacionada para o desempenho de todas as actividades ligadas à formação profissional essencialmente a

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 15 de Abril de 2014

VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 15 de Abril de 2014 VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 15 de Abril de 2014 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis pela Ciência, Tecnologia

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

ce tec CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA

ce tec CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA ce tec CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional O CEITEC (Centro de Empreendedorismo ISMAI-Tecmaia) apresenta a 3ª edição do Curso em Empreendedorismo,

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO

ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO 1 ATIVIDADE 6 ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO 7 CONSULTORIA ESTRATÉGICA CONSULTORIA ESTRATÉGICA A vasta experiência internacional no estudo

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

/NOTA CONCEPTUAL/ Formação Regional da CEDEAO. Auditoria Energética em Edifícios

/NOTA CONCEPTUAL/ Formação Regional da CEDEAO. Auditoria Energética em Edifícios /NOTA CONCEPTUAL/ Formação Regional da CEDEAO em Auditoria Energética em Edifícios Centro para as Energias Renováveis e Manutenção Industrial CERMI Praia, Cabo Verde Data: 08 12 Dezembro 2015 Em parceria

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011 Manual da Qualidade 1 Índice Índice Apresentação da Empresa.. Politica da Qualidade Organograma. Âmbito da Certificação Exclusões Estrutura do SGQ. Processos.. Interligação Processos 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais