Bacharelado em Ciência da Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bacharelado em Ciência da Computação"

Transcrição

1 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Ciência da Computação VAM VOIP, ASTERISK E MOBILIDADE UMA SOLUÇÃO DE TELEFONIA PARA O MERCADO. Autores: Antonio Marcos de Castro Mota Márcio Gonçalves de Oliveira Orientador: MSc. Eduardo Augusto Oliveira Lobo 2008

2 ANTONIO MARCOS DE CASTRO MOTA MÁRCIO GONÇALVES DE OLIVEIRA VAM VOIP, ASTERISK E MOBILIDADE UMA SOLUÇÃO DE TELEFONIA PARA O MERCADO. Projeto Final apresentado ao curso de graduação em Ciência da Computação da Universidade Católica de Brasília, como requisito para a obtenção do Título de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: MSc. Eduardo Augusto Oliveira Lobo Brasília 2008

3 TERMOS DE APROVAÇÃO Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Ciência da Computação, defendido e aprovado, em de de 2008, pela banca examinadora constituída por: Prof. Eduardo Augusto Oliveira Lobo Prof. Giovanni Almeida Santos Brasília UCB

4 Agradeço a meus familiares, em especial à minha mãe, por todo incentivo e dedicação. À minha Tia Marinete, quem me ensinou as primeiras letras. À minha esposa e filhinha, sem as quais não teria conseguido vencer mais esta importante etapa. Ao meu companheiro de projeto pelo grande esforço e apoio empreendido. Aos verdadeiros amigos e ao nosso Orientador Eduardo Lobo. Antonio Marcos de Castro Mota.

5 Agradeço a Deus por sempre me abençoar, me capacitar e me dar força nos momentos mais difíceis para que eu pudesse sempre caminhar pelos caminhos corretos. A minha mãe pelas orações, carinho, todo amor que sempre teve por mim e pelos lanchinhos e comidinhas gostosas que sempre me deram força. Ao meu pai por todas as conversas, os incentivos e toda a atenção que sempre teve ao me buscar onde eu precisava e ao me disponibilizar o carro quando necessitava. A minha namorada que sempre se esforçou para compreender minhas ausências devido à dedicação aos estudos, por todo apoio e incentivo que ela sempre me deu nas horas que mais precisava e principalmente por seu amor e carinho. Por fim a toda minha família, ao meu colega de Projeto e ao nosso orientador que sempre estavam dispostos a ajudar. Márcio Gonçalves de Oliveira.

6 Era uma vez um menino....com um computador...e um telefone. Esse simples começo causou tantos problemas! Mark Spencer

7 RESUMO A comunicação é uma necessidade fundamental do ser humano. Desde os primórdios o homem tenta se comunicar por meio de sinais, gestos e desenhos; com a evolução natural das espécies, a fala e a escrita foram surgindo e o conhecimento foi se tornando algo cada vez mais valorizado. Esse conhecimento permitiu ao homem criar os primeiros equipamentos eletrônicos como a calculadora, o telégrafo, o telefone etc. Com o surgimento dos microcomputadores, novos desafios foram lançados e junto com eles, novas necessidades foram aparecendo. Novas tecnologias permitiram ao homem fazer coisas que, por muito tempo, pareciam ser impossíveis. A Internet foi algo que possibilitou essa mudança de paradigma, pois ela permitiu que pessoas do mundo inteiro se comunicassem por meio de diversos serviços como páginas web, chats, webmails etc. Voz sobre IP também é uma dessas novas tecnologias e tem revolucionado a comunicabilidade entre pessoas de diversos lugares, pois a cada dia a qualidade de transmissão da voz é melhorada e os custos são reduzidos em comparação com os serviços de telefonia comum. Prova disso, é o fato de que até as empresas de telecomunicações já estão usando serviços VoIP para interconectar seus clientes, porém isso é feito de forma transparente ao usuário final. Este projeto tem como propósito implantar uma solução de comunicação VoIP, a qual integre serviços avançados como os de um PABX. Pretende também atribuir funções de mobilidade, pois isso agrega maior acessibilidade à comunicação entre os envolvidos (usuários de uma empresa). Ainda visa documentar os procedimentos de instalação e configuração de um servidor Asterisk e seus recursos avançados, bem como estudar as melhores práticas e ferramentas para a implantação de uma aplicação VoIP. PALAVRAS-CHAVE: Asterisk, Wi-fi, VoIP, telefonia, ferramentas VoIP, codecs.

8 ABSTRACT The communication is a basic necessity of human being. Since the beginning of the times the man tries to communicate by the signals, gestures and drawings; with the natural evolution of the species, the speaking and the writing were growing up and the knowledge was becoming in a so valuable thing. This knowledge allows the man to create the firsts electronic devices like the calculator, the telegraph, the telephone and others. With the appearance of microcomputers, new challenges were launched and together with them, new necessities were growing up. New technologies allowed the man to do things that, for a so long time, would seem to be impossible. The Internet made possible this changing of paradigm, because it allows that people of whole world communicate with each other by the different services like web pages, chats, web mails and other ones. Voice over IP is also one of these new technologies and has revolutionized the communicability among people of different places, because each day the voice transmission quality is improving and the costs are reduced in comparison with the common telephony services. Proving of this, is the fact that even the telecommunications companies are already using the VoIP services to interconnect your clients, however it is made of a transparent way to the end-user. This project intends to implant a solution of VoIP communication and integrate advanced services such as the ones in the PABX. Also intends to attribute mobile functions, because it adds bigger accessibility to the communication among the involved people (user of a company). It aims to register the procedures of installation and of configuration of an Asterisk server and its advanced resources, as well as studies the better practices and tools to implant a VoIP application. KEY-WORDS: Asterisk, Wi-fi, VoIP, telephony, VoIP tools, codecs.

9 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS CRONOGRAMA PROPOSTA DE ESTUDO DESCRIÇÃO DA PESQUISA RESULTADOS ESPERADOS RESTRIÇÕES DA PESQUISA PROPOSTA INTERESSADOS E BENEFICIADOS RECURSOS NECESSÁRIOS AO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO Recursos de Hardware Recursos de Software SISTEMA DE TELEFONIA SISTEMA DE TELEFONIA FIXA COMUTADA Introdução Rede Pública de Telefonia Comutada Serviço Telefônico Fixo Comutado Prestadora de Serviço Serviço Local Serviço de Longa Distância Nacional Serviço de Longa Distância Internacional Comutação por Circuitos e por Pacotes Canais FXS e FXO PBX e PABX SISTEMA DE TELEFONIA MÓVEL Introdução Padrões de Tecnologias Móveis TDMA CDMA GSM Redes 2G Redes 3G Serviço Móvel Celular Serviço Móvel Pessoal Serviço Móvel Especializado Serviço Especial de Radiochamada PADRÃO IEEE INTRODUÇÃO REDES IEEE Ethernet Fast Ethernet Gigabit Ethernet CSMA/CD REDES IEEE Introdução Padrão a Padrão b... 29

10 6.3.4 Padrão g Segurança VOZ SOBRE IP INTRODUÇÃO PROTOCOLOS Introdução H SIP IAX MGCP EQUIPAMENTOS VOIP Adaptador ATA Telefone Convencional Telefone IP Smartphone Estações Multimídia Gateway Roteador Servidor CODECS Introdução ITU G ITU G ITU G ITU G ITU G ILBC GSM Speex Análise de Codecs QOS SEGURANÇA Ataques de Negação de Serviço Análise de tráfego Delegação de privilégios FERRAMENTAS VOIP INTRODUÇÃO ASTERISK OPEN SER SIPX TRIXBOX FREEPBX ASTERISK E SEUS RECURSOS AVANÇADOS ASTERISK ESTACIONAMENTO DE CHAMADAS CAPTURA DE CHAMADAS TRANSFERÊNCIA DE CHAMADAS CONFERÊNCIA MÚSICA EM ESPERA CORREIO DE VOZ UNIDADE DE RESPOSTA AUDÍVEL GRAVAÇÃO DAS LIGAÇÕES SOLUÇÃO VAM VOZ, ASTERISK E MOBILIDADE TOPOLOGIA SISTEMA OPERACIONAL INSTALAÇÃO E COMPILAÇÃO DO ASTERISK... 62

11 10.4 CONFIGURAÇÃO SIMPLES DE RAMAIS (EXTENSÕES) RECURSOS AVANÇADOS EM ASTERISK INTERCONEXÃO ENTRE SERVIDORES VOIP SOFTPHONES SMARTPHONES ÁUDIOS EM PORTUGUÊS CONCLUSÃO SUGESTÃO DE TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICES GLOSSÁRIO... 91

12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 Plugs FXS e FXO Ilustração 2 - Exemplo de conexão entre PABX e Rede Pública Ilustração 3 - Evolução do Serviço Móvel Celular Brasil Ilustração 4 Interligação entre rede PSTN e Celular Ilustração 5 A rede Ethernet e a topologia lógica de barramento Ilustração 6 Modelo H Ilustração 7 Principais componentes do MGCP Ilustração 8 Exemplo de adaptador ATA Ilustração 9 Topologia de rede do Projeto VAM Ilustração 10 Softphone X-Lite para Windows Ilustração 11 Lista de Contas SIP Configuradas Ilustração 12 Janela de Configuração de Conta SIP Ilustração 13 Softphone X-Lite para Linux Ilustração 14 Tela System Settings do X-Lite Ilustração 15 Tela Network do X-Lite Ilustração 16 Tela SIP Proxy do X-Lite Ilustração 17 Tela Default do X-Lite Ilustração 18 Menu Configurações N Ilustração 19 Menu Conexão N Ilustração 20 Configuração Perfil SIP no N Ilustração 21 Continuação Configuração Perfil SIP no N Ilustração 22 Configuração Servidor Proxy no N Ilustração 23 Continuação Configuração Servidor Proxy no N Ilustração 24 Configuração Registro no N Ilustração 25 Continuação Configuração Registro no N Ilustração 26 Configuração Telefone Internet no N

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Cronograma de Atividades Tabela 2 Áreas Locais nos Estados Brasileiros Tabela 3 Bandas de Operação GSM e 3GSM Tabela 4 Comparação entre WCDMA e HSDPA Tabela 5 Vantagens de cada um dos padrões mais populares Tabela 6 Relação de alguns Codecs suportados pelo Asterisk Tabela 7 Variáveis do arquivo features.conf

14 1 1 INTRODUÇÃO Até que chamadas realizadas por todo o país utilizando a tecnologia VoIP (Voice over Internet Protocol) deixassem de ser apenas uma tendência para se tornar uma realidade, a telefonia no Brasil, para consolidar-se, passou por diferentes estágios. Desde 1881, ano em que foi dada a concessão para a exploração dos serviços de telefonia à empresa Western and Brazilian Telegraph, durante a regência de Dom Pedro II, até os dias de hoje, muito se evoluiu. Hoje a telefonia móvel cresce vertiginosamente e a cada dia que passa vem substituindo os telefones fixos. Novas tecnologias como as redes 3G e WiMax (Worldwide Interoperability for Microwave Access) dão seus primeiros passos para se tornarem tão populares quanto a Internet. Nesse intervalo de tempo concessões de linhas telefônicas foram instituídas e regulamentadas; o Código Brasileiro de Telecomunicações foi criado; acordos para a instalação de cabos intercontinentais foram firmados e implantados; viu-se o surgimento de uma empresa estatal (Embratel) cujo objetivo era explorar os serviços de Telecomunicações; o país associou-se ao sistema INTELSAT para planejar, implantar e controlar o sistema mundial de comunicação por satélites; foi ativado o sistema de discagem direta à distância (DDD); criou-se e posteriormente privatizou-se a TELEBRÁS; abriu-se o mercado para os serviços de telefonia móvel e muitos outros fatos deixaram sua marca na História. No início dos anos 2000, quando se percebeu que o volume do tráfego de dados era consideravelmente maior que o volume do tráfego de voz e que a tendência era de crescimento exponencial para os serviços de voz, várias operadoras de redes de comutação de pacotes interessaram-se em transportar voz sobre suas redes de dados. Assim, tendo em vista a estrutura que as operadoras de redes de dados dispunham e que os gastos de um consumidor médio eram maiores na conta de telefone do que na conta de Internet. Essas empresas enxergaram na telefonia da Internet a possibilidade de lucro sem ter de fazer nenhum investimento extra em cabos de fibra ótica ou qualquer outro equipamento (estrutura física). Dessa forma, surgira a telefonia da Internet também denominada de VoIP. A tecnologia VoIP foi, no início, uma ameaça para as empresas de telecomunicações, pois representava grande redução de gastos com telefonia para as empresas; principalmente no que diz respeito a ligações de longa distância ou até internacionais.

15 2 Hoje, VoIP não representa somente redução de custos para as empresas devido às tarifas bem mais baixas, mas é um fator crítico de sucesso e um diferencial competitivo, uma vez que esta tecnologia possibilita a utilização de uma variedade muito grande de serviços úteis. Mobilidade, VoIP, tendência de Convergência Digital e outros temas são fatores que visam facilitar ou tornar a vida mais prática, seja de um simples usuário em sua residência ou de um executivo em sua empresa. Uma solução que envolva VoIP, software livre, redução de custos para ligações, mobilidade e outros fatores adversos é, certamente, uma solução de interesse e grande impacto nas vidas dos envolvidos. De acordo com Meggelen (2005) [1], Asterisk é um software de código aberto, uma plataforma de telefonia convergida que é projetado primeiramente para ser executado em Linux e combina mais de cem anos de conhecimento em telefonia dentro de um robusto leque de aplicações de telecomunicações firmemente integradas. O poder do Asterisk encontra-se na sua natureza customizável que é complementada por seus padrões únicos de flexibilidade. Nenhum outro PBX (Private Branch Exchange) pode ser desenvolvido ou manipulado de formas tão criativas. Dentre as principais vantagens da utilização de servidores Asterisk incluem-se a redução de custos com infra-estrutura e com recursos humanos de uma empresa. Além disso, este software possui características que muito se assemelham ou até superam aquelas contidas em um aparelho PABX (Private Automatic Branch Exchange) convencional. A necessidade de uma empresa ter um sistema de telefonia que atenda a requisitos como mobilidade, VoIP, redução de gastos com materiais de hardware e agregação de serviços diversos denota uma demanda clara do mercado, pois nem sempre são oferecidas soluções alternativas que interliguem ramais fixos e móveis com tarifas cujo custo é zero entre qualquer filial. Essa demanda gera uma oportunidade para que seja estudada uma solução que vise cobrir tais deficiências.

16 3 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivos Gerais Tem-se como objetivo geral estudar e implementar uma solução de telefonia VoIP, que envolva recursos avançados do software livre Asterisk e que agregue mobilidade por meio de dispositivos Wi-Fi Wireless Fidelity. Entende-se por solução real, a implantação de duas redes de computadores interconectadas, nas quais a comunicação via VoIP ocorrerá de forma transparente para o usuário final, ou seja, sem a necessidade de conhecimento prévio avançado da tecnologia adotada para a solução. Mobilidade e telefonia IP (Internet Protocol) são pontos marcantes para este projeto, pois a solução implantada integrará uma arquitetura de rede que envolve dispositivos móveis (Smartphone Wi-Fi). Isso aumenta a gama de serviços e facilidades que podem ser exploradas, gera maior acessibilidade, competitividade às empresas, produtividade e até redução de custos. Além disso, o projeto pretende integrar conhecimentos de redes de telefonia, VoIP, segurança, QoS (Quality of Service) e outros conceitos correlatos. 2.2 Objetivos Específicos Como objetivos específicos, podemos citar os abaixo listados: Compreender conceitos relacionados a VoIP, mobilidade e softwares livres de telefonia (PABX digitais); Comparar aspectos relativos aos CODECs (codificadores/decodificadores) de voz mais utilizados para esse tipo de solução; Instalar e configurar dois servidores de PABX digital, por meio do software livre Asterisk; um com suas configurações iniciais padrão e outro com os recursos avançados mencionados no item seguinte;

17 4 Configurar alguns dos recursos avançados da ferramenta Asterisk (Estacionamento, Captura e Transferência de Chamadas, Áudio Conferência, Música em espera, Correio de Voz e Unidade de Resposta Audível); Instalar e configurar um servidor de DNS (Domain Name System), para que os servidores VoIP possam se enxergar para fins de registro ou autenticação; Implementar a integração de duas redes por meio de um tronco de comunicação entre os servidores VoIP; Implementar a comunicação, de forma transparente para o usuário, entre ramais fixos e móveis e configurar, de modo otimizado, os softphones; Implantar e configurar Access Point para servir de dispositivo central com o intuito de fornecer a comunicação entre dispositivos móveis e fixos;

18 5 3 CRONOGRAMA A tabela 1 mostra o cronograma das atividades realizadas neste projeto, sendo a faixa clara o tempo previsto e a escura o tempo efetivo para a concretização dessas atividades: Atividade Tempo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Previsto Efetivo Ano 2007 Ano 2008 Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Tabela 1 Cronograma de Atividades. Atividades: 1. Definir área e tema do projeto; 2. Levantar fontes bibliográficas; 3. Instalar o sistema operacional Linux distribuição Ubuntu e instalar e configurar Asterisk de forma padrão; 4. Realizar reuniões com profissionais da área envolvidos com o tema; 5. Especificar projeto monografia; 6. Instalar e configurar estrutura de rede para uso da tecnologia VoIP e recursos de telefonia com o Asterisk; 7. Configurar recursos avançados do Asterisk; 8. Instalar e configurar servidor DNS e tronco de comunicação entre servidores VoIP;

19 6 9. Implementar a comunicação, de forma transparente para o usuário, entre ramais fixos (exceto telefone convencional) e móveis; 10. Instalar e configurar os softphones de modo otimizado.

20 7 4 PROPOSTA DE ESTUDO 4.1 Descrição da Pesquisa A pesquisa compreende a instalação e configuração de um ambiente de rede com dois servidores Asterisk. Esses se interligarão por meio de um tronco de comunicação provendo recursos avançados de telefonia VoIP. Tal configuração desses recursos em servidores Asterisk tem como intenção atender às demandas das organizações de forma otimizada e com qualidade. Os principais CODECs de áudio serão definidos e caracterizados. A partir disso, serão feitas comparações e o que se mostrar mais adequado será utilizado neste projeto. O projeto engloba ainda como objeto de pesquisa a implantação de ramais telefônicos (tanto móveis celular com WiFi como fixos por meio de uma estação multimídia conectada a uma rede de computadores) instalados e devidamente configurados com o protocolo SIP (Session Initiation Protocol). 4.2 Resultados Esperados Ao concluir o trabalho, espera-se: Compreender de forma coerente e satisfatória, os conceitos a respeito do Sistema Telefonia Fixa Comutado, Sistema de Telefonia Móvel, Voz sobre IP (Protocolos, equipamentos VoIP, CODECs, QoS e Segurança) e Recursos Avançados sobre o Asterisk; Instalar e configurar servidores VoIP com o devido software de PABX digital (Asterisk) e seus recursos avançados; Estruturar uma rede similar a de uma empresa com sua matriz e filial, por meio da intercomunicação dos servidores Asterisk; Obter um ambiente cujas estações multimídias e telefones celulares se comuniquem de forma transparente e plenamente funcionais quanto a utilização da tecnologia VoIP e às exigências do Asterisk;

21 8 4.3 Restrições da Pesquisa Proposta Alguns recursos avançados de telefonia como Billing 1, Distribuição Automática de Chamadas entre outros, bem como a análise de algumas ferramentas gráficas de gerenciamento do Asterisk não foram viáveis de instalação devido à falta de tempo para o estudo e a conseqüente impossibilidade de implantação desses recursos. Houve a intenção de interligar o sistema de telefonia digital do projeto com o Sistema de Telefonia Fixo Comutado (STFC), porém existiu a carência de material devido aos altos custos. Isso se tornou uma restrição do projeto. Não foi viável a análise e a verificação de desempenho de um servidor Asterisk quando da utilização de vários canais de comunicação (diversos usuários efetuando ligações simultâneas) em uma rede digital, devido à falta de recursos materiais e humanos para a realização desta atividade. 4.4 Interessados e Beneficiados Podemos citar como possíveis interessados da solução proposta empresas quaisquer portes, pois a redução de custos para as mesmas poderá ser significativo independente de seu tamanho ou área de atuação. Vale ressaltar que devem ser feitas as devidas adequações para cada situação, sejam elas de software ou de hardware. Este projeto pode estender-se a instituições educacionais, comércios e todo tipo organização que necessite de uma solução que envolva um tipo de tecnologia distribuída, tal como o VoIP que tem revolucionado o mercado de telecomunicações nos últimos anos. 1 Billing sistema de geração de faturas ou tarifamento a respeito das ligações telefônicas efetuadas.

22 9 4.5 Recursos Necessários ao desenvolvimento do trabalho Abaixo serão relacionados os recursos necessários para o desenvolvimento das atividades deste projeto. Não significando, necessariamente, que esses recursos devem ser os mesmos para uma solução voltada a um ambiente empresarial qualquer, ou seja, cada caso deve ser analisado de maneira particular Recursos de Hardware Abaixo são listados os recursos de hardware utilizados neste projeto. Isso não significa que são os equipamentos recomendados para toda e qualquer implementação. Dois computadores com as seguintes especificações: o processador: Intel(R) Pentium(R) 4 CPU 2.80GHz; o memória RAM: 256 Mega Bytes; o disco Rígido: 40 Giga Bytes; o placa de Rede: Ethernet 10/100 Mbps; o placa de Som: AC'97 Audio Controller; o unidade de CD-ROM; Acess Point AP compatível com IEEE b/g; Switch com no mínimo seis portas (RJ45) Ethernet 10/100; HeadSet (microfone e/ou fone de ouvido); Um notebook com as seguintes configurações: o Processador: Intel(R) Core 2 Duo CPU 1.66 GHz; o Memória RAM: 2048 MB System Memory (Barramento 667 MHz); o Disco Rígido: 120 Giga Bytes; o Placa de Rede: Ethernet 10/100 Mbps; o Placa de Rede Wireless: 54Mbps Wireless Interface; o Placa de Som: AC'97 Audio Controller; o Unidade de DVD-RW; Um notebook com as seguintes configurações: o Processador: Intel(R) Celeron(R) M 1.20 GHz;

23 10 o Memória RAM: 512 MB; o Disco Rígido: 40 Giga Bytes; o Placa de Rede: Ethernet 10/100 Mbps; o Placa de Rede Wireless: 54Mbps Wireless Interface; o Placa de Som: Realtek AC'97 Áudio; o Unidade de DVD-RW; Celular/Smartphone WiFi Recursos de Software Pacote Microsoft Office 2003; Asterisk ; Distribuição do Linux (Ubuntu 7.04); Softphone X-Lite (2.0 para Linux ou 3.0 para Windows); Softphone Fring (Beta version); Navegador de Internet.

24 11 5 SISTEMA DE TELEFONIA 5.1 SISTEMA DE TELEFONIA FIXA COMUTADA Introdução Abordaremos a seguir alguns aspectos relativos ao Sistema de Telefonia Fixa Comutada STFC, tais como rede pública, serviço telefônico, comutação, canais e conceitos referentes a PBX e PABX Rede Pública de Telefonia Comutada A Rede Pública de Telefonia Comutada RPTC ou também conhecida como Public Switched Telephone Network PSTN é uma rede de comunicação (analógico ou digital) cujo objetivo inicial era a transmissão de voz humana, destinando-se assim ao serviço de telefonia. Com o tempo seus recursos foram adaptados de forma a possibilitar comunicação entre computador/computador oferecendo suporte à comunicação de dados na faixa de voz (entre 300 Hz e 3500 Hz). De acordo com Tanenbaum (2003) [2], a adaptação de uma rede como a RPTC para a comunicação entre computadores foi em muito facilitada pela introdução de fibras ópticas como meio físico de transmissão de dados e pelos consideráveis avanços da tecnologia digital. Tais condições de modificação possibilitaram o estreitamento das relações entre redes de computadores (geograficamente distribuídas) e sistemas telefônicos Serviço Telefônico Fixo Comutado De acordo com a ANATEL (2008) [3], o Serviço Telefônico Fixo Comutado é o nome técnico do serviço de telecomunicação realizado através da transmissão de voz e de outros sinais destinados à comunicação entre pontos fixos determinados, utilizando processos de telefonia. Entre as modalidades de telefonia fixa para o público em geral estão o serviço Local, o serviço de Longa Distância Nacional e o serviço de Longa Distância Internacional.

25 12 Dessa forma, este serviço é de utilidade pública, uma vez que são postos à disposição da população telefones fixos em suas residências e até em ambientes comerciais, como é o caso dos orelhões Prestadora de Serviço Pessoa jurídica que mediante concessão, permissão ou autorização presta o Serviço Telefônico Fixo Comutado. Dessa forma, trata-se de empresas que possibilitam à população o acesso à telefonia fixa. Como exemplo dessas prestadoras de serviço pode-se citar: 1. Brasil Telecom; 2. Embratel; 3. GVT; 4. Telemar etc Serviço Local Destina-se à comunicação entre pontos fixos determinados situados em uma mesma Área Local. De acordo com a resolução 373/2003 Área Local é uma área geográfica delimitada por um estado, conjunto de municípios ou cidades; de forma que não podem ser cobradas tarifas interurbanas dentro a área de abrangência desta área. Segundo a ANATEL (2008) [3], cada área local possui o seu código de área ou código de registro, que serve para identificar uma localidade ou conjunto de localidades. Tecnicamente chamado de Código Nacional, ele é representado por dois caracteres numéricos que identificam a respectiva área geográfica Serviço de Longa Distância Nacional É uma modalidade de Serviço Telefônico Fixo Comutado que se destina à comunicação entre pontos fixos determinados, situados em áreas locais distintas no território nacional. Exemplo disso seria quando uma pessoa fizesse uma ligação interurbana. A Tabela

26 13 2 a seguir, baseada em informações extraídas do sítio da ANATEL, mostra que dentro de um mesmo estado pode haver ligações interurbanas, pois possuem vários códigos de área. Estado Áreas Locais Estado Áreas Locais Estado Áreas Locais AC 68 MA 98 e 99 RJ 21, 22 e 24 AL 82 MG 31 a 35, 37 e 38 RN 84 AM 92 e 97 MS 67 RO 69 AP 96 MT 65 e 66 RR 95 BA 71, 73, 74, 75 e 77 PA 91, 93 e 94 RS 51, 53, 54 e 55 CE 85 e 88 PB 83 SC 47, 48 e 49 DF 61 PE 81 e 87 SE 79 ES 27 e 28 PI 86 e 89 SP 11 a 19 GO 62 e 64 PR 41 a 46 TO 63 Tabela 2 Áreas Locais nos Estados Brasileiros. (Fonte: ANATEL, 2008 [3]) Serviço de Longa Distância Internacional O Serviço de Longa Distância Internacional (LDI) é uma modalidade de Serviço Telefônico Fixo Comutado que se destina à comunicação entre um ponto fixo situado no território nacional e outro ponto no exterior, dessa forma, trata-se das ligações internacionais. Para que haja diferenciação, cada país é representado por um código de ligação internacional. Como exemplo disso sabe-se que o Brasil possui o código 55, Estados Unidos e Canadá o código 1, Reino Unido 44, Japão 81 etc Comutação por Circuitos e por Pacotes Atualmente são utilizadas dentro do sistema telefônico duas técnicas de comutação distintas: a comutação de circuitos e a comutação de pacotes. A técnica em que o equipamento de comutação do sistema telefônico procura um caminho físico desde o telefone de quem requisitou até o telefone do receptor quando uma chamada telefônica é efetuada, chama-se comutação de circuitos ou orientado à conexão. Assim, quando um número é discado e o telefone é atendido tem-se estabelecida uma conexão bidirecional com um canal dedicado àquela chamada, que será mantido durante todo o

27 14 período da ligação só sendo desfeita quando esta terminar. A comutação por circuitos apresenta como vantagem sua capacidade segura, pois uma vez que o circuito é estabelecido, nenhuma outra atividade de rede poderá reduzir a capacidade do circuito. Outra técnica de comutação alternativa é a comutação de pacotes. Nessa técnica os pacotes individuais são envidados de acordo com a necessidade, sem qualquer caminho dedicado previamente configurado. Dessa maneira, cada pacote tem que descobrir o seu caminho até o destino sozinho. Segundo Tanenbaum (2003) [2], com a comutação de pacotes, não há nenhum caminho, e assim diferentes pacotes podem seguir caminhos distintos, dependendo das condições da rede no momento em que eles são enviados. Portanto, eles podem chegar fora de ordem. Uma importante característica da técnica de comutação por pacotes é o fato de esta ser tolerante a defeitos. Dessa forma, se, por exemplo, um dispositivo de rede como o switch falhar ou ficar inativo, isso acarretará na desativação dos circuitos que passarem por ele bem como no término do tráfego. Assim, em uma situação similar a essa, a comutação de pacotes possibilitaria que os pacotes fossem encaminhados para rotas diferentes de forma a contornar os switches fora de atividade Canais FXS e FXO Para que seja possível efetuar a comunicação de um sinal de voz que possui codificação analógica, vindo de um telefone conectado a uma rede de dados, com a RPTC, é preciso fazer uso de uma interface, em geral de hardware, que possua portas para telefones analógicos internos e portas para a RPTC. Assim, FXS (Foreign Exchange Subscriber) é a interface de comunicação utilizada para a conexão de um terminal a uma central telefônica da RPTC, dessa forma ela fornece a linha analógica. Já FXO (Foreign Exchange Office) é a interface de comunicação utilizada para conexão de um terminal telefônico que recebe a linha analógica. Ilustração 1 Plugs FXS e FXO.

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Marcelo Filipe Rocha Assunção 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA TIM BETA

REGULAMENTO OFERTA TIM BETA REGULAMENTO OFERTA TIM BETA A oferta TIM BETA é valida para os clientes pessoa física que possuam o plano pré-pago Jovem ativado. Eles estarão aderindo automaticamente ao benefício promocional de efetuar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Redes 10 Gigabit Ethernet

Redes 10 Gigabit Ethernet Redes 10 Gigabit Ethernet Ederson Luis Posselt 1, Joel Henri Walter 2 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Bairro Universitário na Av. Independência 2293 Santa Cruz do Sul

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi"

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi Oi MÓVEL S.A., autorizatária do Serviço Móvel Pessoal com sede no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11,

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet e Padrão IEEE 802.3 Robert Metcalf, Xerox, 1973 1 Barra 2 Barra-Estrela: HUBS 3 Hubs, Concentradores e Switches Hub ou Switch 4 Barra 5 Arquitetura OSI Aplicação Apresentação Sessão Transporte

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

Ethernet. Fast Ethernet

Ethernet. Fast Ethernet Ethernet Desenho feito por Robert Metcalfe em 1973 no centro de pesquisas da Xerox. Fast Ethernet Padrão IEEE 802.3u 1995 Switches com função: Full duplex / Controle de Fluxo (802.3x) Virtual LAN (VLAN)

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais