O USO DO ASTERISK PARA O CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DO ASTERISK PARA O CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO"

Transcrição

1 O USO DO ASTERISK PARA O CONTROLE REMOTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO MICHEL C. DIAS, DAIANA C. LUCENA, ELIEL P. SANTOS Laboratório de Telefonia e Redes Convergentes, Departamento de Engenharia Elétrica, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB Avenida Primeiro de Maio, Jaguaribe, João Pessoa - PB, s: Abstract This work describes a multiuser platform that allows the remote and concurrent control of automation systems which uses an Arduino as main controller. It user interface is an IVR (Interactive Voice Response) that send commands over the TCP/IP network established for the remote systems to be controlled. The platform was developed with Asterisk VoIP software which is in public domain, free and widely spread in Internet. The validation occurred through two experiments set up and tested in laboratory. The result is a low cost and open VoIP platform that fulfills what was described above. Keywords Asterisk, Automation Systems, Arduino, VoIP. Resumo Este trabalho descreve uma plataforma multiusuário que permite o controle remoto e concorrente de sistemas de automação que utilizam o Arduino como controlador principal. A interface com o usuário é uma URA (Unidade de Resposta audível) que de acordo com as interações dos usários envia comandos para os sistemas remotos a serem controlados. A plataforma foi desenvolvida com o software VoIP Asterisk que é de domínio público, gratuito e amplamente utilizado na Internet. A validação foi feita em dois experimentos realizados em laboratório. O resultado é uma plataforma aberta e baixo custo que atende o proposto no artigo. Palavras-chave Asterisk, Sistemas de Automação, VoIP. 1 Introdução É cada vez mais frequente o uso de sistemas de automação para resolver problemas do cotidiano. Soluções são dadas nas mais variadas áreas, desde segurança até na área de saúde. No entanto, em muitos casos, um dos fatores que dificultam a implementação das soluções de automação é o custo. Além disto, os sistemas comerciais em sua grande maioria são de difícil alteração e evolução tecnológica. Diante do exposto, este artigo contribui para sanar estas deficiências ao propor um sistema de baixo custo formado por soluções de software gratuito (Asterisk) de código aberto, e hardware livre (Arduino, 2013). O software Asterisk (ASTERISK, 2013), normalmente utilizada como PABX VoIP (Voice Over IP) em empresas, contém um conjunto de aplicações e funções que podem ser utilizadas para fins de automação. Estas permitem gerenciar e direcionar chamadas telefônicas, através de uma URA (Unidade de Resposta Audível), a processos de automação, controlando equipamentos remotamente, reduzindo custos e criando um sistema flexível. Um servidor centralizado executando o Asterisk pode ser responsável pelo gerenciamento das chamadas e pelo envio de comandos pela rede TCP/IP aos sistemas a serem controlados (GONÇALVES, 2009), (KAPICAK et. al, 2011). O Asterisk é um software em código aberto que executa as funções de uma central telefônica e recebe diversas contribuições de programadores de todo o mundo. O software pode ser customizado de acordo com as necessidades do usuário (ASTERISK, 2013). Algumas funcionalidades como o acesso a bases de dados e comunicação com recursos externos podem ser executadas através de scripts em outras linguagens de programação, tais como Python, PHP (Hypertext Preprocessor) e Perl a partir do plano de discagem por meio do AGI (Asterisk Gateway Interface) (MACURA et. al, 2012), (KELLERl, 2009), (QUADEER, SHAH & GOEL, 2012). O Arduino é uma placa eletrônica em código aberto, sendo o seu ambiente para desenvolvimento um software também em código aberto. O objetivo deste trabalho é propor uma plataforma aberta VoIP (Voice Over IP), de baixo custo, multiusuário e que permite acesso concorrente para controle remoto de múltiplos sistemas de automação. A plataforma desenvolvida permite gerenciar e direcionar múltiplas chamadas telefônicas para o controle de processos de automação, e pode ser aplicada de diversas situações. É um sistema de baixo custo já que necessita apenas de um computador com o software Asterisk instalado, uma placa Arduico para cada sistema de automação a ser controlado e uma conexão de rede TCP/IP entre os dois. E é aberta porque utiliza apenas softwares/plataformas em código aberto. Por outro lado, o Asterisk pode também ser instalado em um dispositivo Android para controlar uma quantidade pequena de dispositivos Arduino. Estas características agregam à plataforma proposta, alta flexibilidade e escalabilidade. Tecnologias como bluetooth, GPRS e Web Service tem sido utilizadas em sistemas de automação. Comumente surgem novas pesquisas na área de sistemas de automação utilizando diferentes mecanismos para o controle remoto (JIN et. al, 2000), (KAPICAK et. al, 2011), (LEE & CHOI, 2003). A plataforma proposta, sendo modular, aberta e facil- 1674

2 mente modificável, pode ser utilizada junto a essas novas tecnologias. Atualmente, o Asterisk vem sendo utilizado por diversos usuários em projetos para automação residencial (EGUINO, 2013) (HACKWORTH, 2012). São príncípios de trabalhos como por exemplo em (GRAVEN, 2009) que se baseiam a automação residencial utilizando Asterisk no qual é possível controlar aplicações através dele. Projetos que descrevem a integração do GSM com o Asterisk na qual o usuário consegue registrar um servidor asterisk em celulares e em computadores também tem sido alvo de pesquisas (GUPTA, AGRAWAL & QADEER, 2013). Este trabalho está organizado da seguinte forma: inicialmente é descrito que microcontrolador foi utilizado como também o software Asterisk. Em seguida é explicado como é estabelecida a comunicação entre o Asterisk e o Arduino e a arquitetura da plataforma. Ao fim, são apresentadas a validação da plataforma e as considerações finais. 2 Arduino O Arduino é um circuito eletrônico para controle de entrada/saída de dados baseada no microcontrolador AVR de 8 bits, de arquitetura Harvard (memória de dados e de programa são fisicamente separadas), da Atmel. Seu projeto foi iniciado na cidade de Ivre, Itália, em 2005, com o intuito de interagir em projetos escolares, com um orçamento menor que outros sistemas de prototipagem disponíveis na época. De forma que as pessoas tivessem acesso ao códigofonte do software e ao projeto do hardware (sendo assim open-source), podendo estender e adequar a plataforma às suas necessidades (ARDUINO, 2013). O Arduino pode ter suas funcionalidades estendidas através de shields, que são placas contendo dispositivos adicionais como receptores GPS, módulos Ethernet, bluetooth, zigbee, etc. Estes conectamse ao Arduino por barras de pinos empilháveis, mantendo o layout e permitindo que outro shield se encaixe acima. Para o desenvolvimento do trabalho foi utilizado um Arduino Uno, que é responsável por receber os comandos de um Ethernet shield, processá-los e enviar sinais para que os dispositivos sejam acionados. A Figura 1 apresenta os elementos de um Arduino Uno (ARDUINO BRASIL, 2013). Figura 1 Elementos de um Arduino Uno (ARDUINO BRASIL, 2013). 3 Asterisk A plataforma Asterisk foi criada pela companhia Digium, tem sido utilizado por pequenas e grandes empresas, call centers, operadoras, provedores VoIP e agências governamentais em todo o mundo. A estrutura dinâmica da plataforma Asterisk permite ao cliente adequar o cenário da empresa aos diversos recursos tecnológicos por meio de aplicações tais como: correio de voz, conferências, bilhetagem, chamadas em fila, call agents (gerencia funções como roteamento de ligações e sinalização), Distribuição Automática de Chamadas (DAC), Unidade de Resposta Audível (URA), música em espera, gravação da chamada, bloqueio de chamadas, entre outras. Essas aplicações são características padronizadas ou que podem ser inseridas no software por meio do plano de discagem (MADSEN, MEGGELEN & SMITH, 2011). Existem três tipos de dispositivos finais que podem ser usados para o estabelecimento de comunicação via rede TCP/IP: Telefone IP, Softfone e ATAs (Analog Terminal Adaptors). Um Telefone IP possui a interface de um telefone convencional, e pode conectar-se diretamente a uma rede. O Softfone é uma aplicação em software que se pode executar em um computador ou em um celular, exercendo a função de um telefone. ATAs são designados para permitir que telefones convencionais possam ser conectados a rede. A arquitetura do Asterisk é organizada em módulos, isto é, componentes carregáveis que possibilitam a execução de uma funcionalidade especifica, como o driver de um canal (chan_sip.so) ou um recurso que permite conexão com uma tecnologia externa (func_odbc.so). O plano de discagem é o ponto central do Asterisk, composto por contextos, extensões, prioridades e aplicações. É por onde passam todas as chamadas, e é o que determina como elas devem ser processadas. Pode ser configurado utilizando a sintaxe tradicional em /etc/asterisk/extensions.conf. 1675

3 Os contextos mantem blocos isolados no plano de discagem, sendo definidos por um nome entre colchetes ([]). Uma extensão definida em um contexto está isolada de extensões em outro contexto. Quando um canal é configurado (no arquivo sip.conf ou iax.conf), um dos parâmetros necessário é o contexto, que especifica o ponto no plano de discagem, onde as instruções devem começar a ser executadas. A Figura 2 ilustra isto (MADSEN, MEGGELEN & SMITH, 2011). Figura 2 Relação entre um arquivo de configuração do canal e o contexto no plano de discagem (MADSEN, MEGGELEN & SMITH, 2011). As extensões que são identificações dentro de cada contexto definem os passos a serem seguidos no plano de discagem. Cada extensão é composta por um nome (ou número), prioridade (que define qual passo irá ser executado) e aplicação. A sintaxe é a seguinte: exten => nome, prioridade, aplicação() As prioridades são numeradas sequencialmente, começando com 1, e cada uma executa uma aplicação especifica. A prioridade n pode ser utilizada para indicar que a anterior mais 1 deve ser executada. As aplicações executam uma ação especifica como tocar um som, procurar algo no banco de dados, desligar ou atender uma chamada, entre outros. O funcionamento e a operação do Asterisk estão baseados em quatro componentes básicos: protocolo, driver do canal, CODEC e aplicações. 3.1 Protocolo Os protocolos de transporte TCP (Transport Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol) não foram desenvolvidos tendo como prioridade o fluxo de dados em tempo real. E os dispositivos finais devem lidar com a perda de pacotes, aguardando a chegada de alguns, requisitando uma retransmissão ou desconsiderando os que foram perdidos. No entanto, na transmissão de voz, se pacotes são perdidos ou ocorrer um atraso superior a 150 milissegundos haverá dificuldades em continuar uma conversação. Sendo necessário para o estabelecimento de uma conexão/chamada VoIP entre dispositivos finais um protocolo de sinalização (MADSEN, MEGGELEN & SMITH, 2011). Quanto aos protocolos de sinalização, a recomendação H.323 foi largamente implementada em redes VoIP (Voice Over IP). Atualmente, tem se tornado comum o uso do SIP (Session Initiation Protocol), considerado mais simples em relação ao H.323. O SIP trata cada conexão como um par, negociando o estabelecimento da conexão entre eles, e transporta apenas a sinalização sobre TCP ou UDP. O RTP (Real Time Protocol) é usado junto ao SIP ou H.323 para a transmissão dos pacotes de dados (que contêm o áudio das chamadas) (GONÇALVES, 2013). O IAX (Inter-Asterisk exchange) é um protocolo de aplicação aberto, que utiliza um processo de registro e autenticação similar ao SIP e foi produzido com o objetivo de estabelecer comunicação entre dois servidores Asterisk. A sinalização do canal e o fluxo de dados são enviados por uma única porta UDP (4569) (o protocolo RTP não é utilizado para o transporte do áudio), e consegue reduzir a vazão utilizada, através de uma característica denominada trunk que possibilita a multiplexação de várias chamadas utilizando um único cabeçalho. E o IAX2 (2ª versão do protocolo IAX) foi desenvolvido para funcionar em uma rede que utilize NAT (Network Adress Translation) (GONÇALVES, 2013), (MADSEN, MEGGELEN & SMITH, 2011). Em uma rede IP os dados serão transportados utilizando como protocolo de transporte, o TCP, UDP ou SCTP. O TCP quase nunca é utilizado em VoIP, pois embora garanta a entrega dos dados, acrescenta um atraso significativo, aumentando a latência, não sendo eficiente para comunicação em tempo real. O proposito do TCP é garantir a entrega dos pacotes, e por isto, vários mecanismos são implementados, como numeração dos pacotes, confirmação da entrega e retransmissão de pacotes perdidos. Diferentemente do TCP, o UDP não oferece nenhuma garantia de entrega dos dados, conseguindo que os pacotes cheguem ao destino final em um intervalo de tempo menor. O SCTP (Stream Control Transmission Protocol) foi desenvolvido para suprir as limitações do TCP e do UDP. Consegue implementar técnicas mais eficazes de controle de congestionamento (evitando também ataques de negação de serviço), garante a sequência dos pacotes entregues e apresenta baixa latência [2, (KELLER, 2009)]. 3.2 Driver do canal São necessários para a realização de chamadas. Cada protocolo utilizado (SIP, IAX, etc.) possui um driver específico como descrito a seguir: chan_iax2 - promove conexão entre dois terminais IAX, chan_sip - driver do protocolo SIP, chan_mgcp - driver do protocolo MGCP, chan_dahdi - possibilita comunicação com a RTPC (Rede Pública de Telefonia Comutada), entre outros. O driver do canal age como um gateway para o Asterisk. 3.3 CODEC Software dedicado a codificar e decodificar uma informação digital. O propósito dos algoritmos de codificação é apresentar diferentes relações entre 1676

4 eficiência e qualidade. São caracterizados de acordo com a taxa de compressão, perda de pacotes, vazão utilizada e processamento computacional exigido, possibilitam a detecção de silêncio e geração do ruído de conforto. Como a vazão é finita, o número de conversações simultâneas que uma conexão pode estabelecer está diretamente relacionado ao CODEC utilizado. 3.4 Aplicações As aplicações definem, dentro do plano de discagem (extensions.conf), as ações que devem ser aplicadas às chamadas, são responsáveis por exemplo, pelo estabelecimento da comunicação, toque de uma gravação, recebimento de dígitos e desligamento de uma chamada. As aplicações são invocadas a partir do plano de discagem. O plano de discagem realiza o gerenciamento das chamadas determinando a sequência de passos por onde a chamada será conduzida. A maioria das características como Voic , conferência, call center são executadas como aplicações. 3.5 AGI (Asterisk Gateway Interface) Em várias situações se faz necessário estender as funcionalidades da plataforma Asterisk utilizando aplicações externas. O AGI permite ao desenvolvedor realizar o controle das chamadas ou parte dele, na linguagem de programação de sua escolha, como Perl, PHP e Python. Isto permite integrar o Asterisk com outros sistemas, como um Arduino. Para isto, é criado um script em /var/lib/asterisk/agi-bin/, que será executado por meio do AGI a partir do plano de discagem. A sintaxe dentro do plano de discagem deve ser a seguinte: exten => nome, prioridade, AGI (<nome do arquivo>) (KELLER, 2009), (AGI, 2013). Neste trabalho utilizou-se um script em PHP, executado através do AGI, para estabelecer uma conexão, via socket, entre a plataforma Asterisk e o Arduino. 3.6 AstDB (Asterisk Database) O AstDB foi utilizado neste trabalho para armazenamento/consulta do login e senha dos usuários, necessário durante a etapa de autenticação, para acesso ao menu da URA. Este é um banco de dados interno do Asterisk que armazena os dados em grupos chamados famílias com valores identificados por chaves, onde cada chave possui um valor único. Cada valor alocado está associado a uma família. Os dados do AstDB ficam no arquivo /var/lib/asterisk/astdb. Um processo envia e recebe mensagens da rede utilizando uma interface de software denominada socket, que é a interface de programação pelas quais as aplicações de rede são inseridas na Internet. É uma interface ou porta entre o processo de aplicação e a camada de transporte dentro de uma máquina, que especifica os detalhes de como o programa aplicativo interage com o protocolo. Uma vez que o socket for estabelecido, os aplicativos podem transferir informações (KUROSE & ROSS, 2010), (COMER, 2000). Para realizar a comunicação entre o Arduino e o Asterisk, estabeleceu-se um socket UDP, através de um script, utilizando uma classe da programação PHP, o PHPAGI (PHPAGI, 2013). Este foi especificamente criado para o desenvolvimento de aplicações com o AGI (Asterisk Gateway Interface) e está disponível para uso e distribuição sob os termos da GNU GPL (General Public License). O Asterisk espera encontrar o script no diretório /var/lib/asterisk/agi-bin/ para que o AGI possa executá-lo. E os parâmetros recebidos pelo Asterisk durante a execução do menu da URA, são passados para o script PHP através do AGI. A sintaxe utilizada no plano de discagem é a seguinte: exten => nome, prioridade, AGI(<nome do arquivo>, valor1, valor2, valor3). Os parâmetros valor1, valor2 e valor3 serão armazenados respectivamente em $argv[1], $argv[2] e argv[3]. A variável $argv[ ] é um array próprio da linguagem PHP que armazena todos os parâmetros passados para o script PHP, neste caso enviado através do plano de discagem do Asterisk, do arquivo extensions.conf. Os parâmetros são as informações que o usuário escolheu durante o menu da URA. Para a abertura do socket utilizou-se a função fsockopen(), que apresenta a sintaxe: fsockopen ($Arduino_ip, $Arduino_port, $errno, $errstr), onde $Arduino_ip, $Arduino_port, $errno e $errstr são variáveis que contém respectivamente, o endereço IP do Arduino, o número da porta, uma mensagem de erro e o valor 0 caso haja algum problema na inicialização do socket (PHP, 2013). 5 Arquitetura da Plataforma A plataforma implementada é formada por um servidor Asterisk com uma URA configurada, os dispositivos a serem acionados, telefone IP, softfone ou telefone analógico com um ATA e uma placa Arduino com Ethernet shield para cada localidade a ser controlada. A Figura 3 ilustra a arquitetura geral da plataforma. 4 Estabelecimento da Comunicação Esta seção irá descrever como se estabeleceu a comunicação entre o servidor Asterisk e o Arduino para o envio de comandos de controle. 1677

5 Figura 3 - Arquitetura geral do sistema. Fonte: Própria. A Figura 4 ilustra a arquitetura detalhada do sistema mostrando alguns pontos específicos. Figura 4 - Arquitetura detalhada do sistema. Fonte: Própria. Conforme pode ser observado na Figura 4, o funcionamento da plataforma ocorre da seguinte forma: 1. Inicialmente, o usuário inicia uma chamada direcionada ao servidor Asterisk utilizando um telefone IP (hardware ou software). 2. Quando a chamada é estabelecida, o usuário é direcionado a um processo de autenticação, em que um login e uma senha são solicitados. 3. Caso o passo 2 seja bem sucedido, o usuário pode acessar o menu, para controle dos dispositivos, da URA. 4. De acordo com as escolhas do usuário, o Asterisk irá receber e processar tons DTMF (Dual-Tone Multi-Frequency), que corresponderão dentro do menu, a um dos dispositivos configurados previamente. 5. A escolha do usuário é direcionada a uma ação, de acordo com o que foi configurado no plano de discagem (dialplan). 6. O script PHP será executado através do AGI, estabelecendo comunicação e enviando os comandos para o Arduino. 7. O Arduino envia sinais de controle para os dispositivos. Na configuração do softfone foram utilizados os protocolos SIP/RTP para o estabelecimento da chamada, alternativamente o protocolo IAX poderia ter sido usado. O arquivo de configuração do plano de discagem é o extensions.conf, onde estão as aplicações e funções necessárias para o desenvolvimento do projeto. Nele está configurada uma URA, que está relacionada a cada um dos usuários, já que estes podem possuir diferentes dispositivos a controlar. Ao escolher as opções durante o menu da URA, o AGI executa o programa em linguagem PHP, passando as opções em forma de argumentos. O plano de discagem possui uma etapa de autenticação, no qual o usuário deve digitar seu login e sua senha para que possa ter acesso ao sistema. Caso erre o login ou a senha, o usuário retorna a um estágio anterior para repetir o processo de identificação. Estes dados foram previamente armazenados no banco de dados do Asterisk, o astdb, onde cada usuário possui sua entrada correspondente. O bloco designado como interface elétrica é composto por um circuito de chaveamento capaz de elevar a corrente recebida do Arduino (40 ma), e possibilitar o acionamento de dispositivos em 220 V. Na programação do Arduino, para que alguns dispositivos pudessem permanecer acionados por um intervalo de tempo determinado pelo usuário, utilizou-se um temporizador interno através da função millis(), que retorna o tempo em milissegundos desde que o programa corrente está em execução. Este número estoura aproximadamente após 50 dias (ARDUINO, 2013). É válido salientar que utilizar um temporizador interno apresenta os seguintes inconvenientes: precisão na contagem, acumulando erros em períodos muito longos e ao ser desligado a contagem é interrompida, sendo reiniciada quando o dispositivo for novamente energizado. E devido à estrutura do sistema, cada vez que o usuário acessar outro menu na URA, o programa também será reiniciado, interrompendo a temporização. A solução seria utilizar um RTC (Real Time Clock), que é um módulo capaz de gerar uma contagem de tempo precisa a partir da oscilação de um cristal (no valor padrão de 32 KHz, (KAPICAK et. al, 2011), (LEE & CHOI, 2003)), armazenando a data (com ano, mês e dia) e a hora, minuto e segundo. Mantendo a contagem de tempo mesmo que a energia principal seja desligada, através de uma bateria de backup. Para a comunicação destes módulos com microcontroladores geralmente se utiliza o protocolo I²C (Inter-Integrated Circuit). 6 Validação da Plataforma Para fins de validação da plataforma construíramse em laboratório dois experimentos. No primeiro, o usuário realiza uma chamada telefônica utilizando um softfone configurado com uma conta SIP no servidor Asterisk. O usuário escolhe opções através do menu da URA e os comandos são enviados para os dispositivos através da rede. A intenção deste cenário é si- 1678

6 mular o controle de dispositivos comumente utilizados em utilizados em automação residencial. A plataforma utilizada durante o experimento pode ser visualizada na Figura 5. A interface elétrica entre o Arduino e os dispositivos é composta basicamente por relés e transistores atuando como chave. O Arduino fornece uma corrente máxima de 40 ma, e quatro de seus pinos estão configurados como saída e ligados a transistores que por sua vez irão fazer com que os relés comutem, sempre que o pino correspondente estiver em nível lógico alto, ativando os dispositivos. A saída de tensão de 5 V CC do Arduino, que estava sendo alimentado via USB, foi utilizada para alimentar o circuito de chaveamento, o motor e o cooler. Figura 7 Protótipo desenvolvido para irrigação residencial. Fonte: Própria. Assim como acontece para o sistema de irrigação, o plano de discagem pode ser adequado para receber o intervalo de tempo (em minutos) durante o qual o usuário deseje acionar os demais dispositivos. Considerações Finais Figura 5 - Plataforma utilizada durante o experimento. Fonte: Própria. Estabeleceu-se comunicação entre o Asterisk e o Ethernet shield através do socket criado pelo programa em PHP, e o Arduino foi responsável por gerenciar os sinais de saída. O segundo cenário implementado foi um sistema de irrigação temporizado. Nele o usuário determina o tempo em minutos em que o sistema deve permanecer ativo, através da URA. Para realizar a irrigação utilizou-se uma válvula solenoide normalmente fechada. O seu princípio de funcionamento consiste em uma bobina (formada por um condutor enrolado através de um cilindro) que, quando energizada, gera uma força fazendo com que o êmbolo da válvula seja deslocado, permitindo a passagem do fluido, neste caso a água. O tipo de válvula utilizada, ilustrada pela Figura 6, é a que está presente em máquinas de lavar roupa. Na Figura 7 é mostrado o protótipo desenvolvido. Figura 6 Valvula solenoide utilizada. Fonte: Própria. Neste trabalho foi proposta uma solução para sistemas de automação. Inicialmente foi realizado um estudo das ferramentas a serem utilizadas, o software Asterisk e a plataforma microcontrolada Arduino. E posteriormente como a comunicação entre eles seria feita. Ao fim apresentou-se o sistema implementado em laboratório. A solução é simples, de baixo custo e baseada em plataformas bem estabelecidas e abertas a modificações como o Asterisk e a placa Arduino com Ethernet shield. Desta forma, reduziu-se o tempo de desenvolvimento e facilitaram-se futuras alterações no sistema. Além disso, considera-se a solução abrangente, pois pode ser utilizada em vários campos diferentes da automação tais como residencial, agrícola, industrial, engenharia biomédica. Em trabalhos futuros o sistema pode ser modificado. Outra plataforma microcontrolada que permita comunicação pela Internet pode ser utilizada. O sistema pode utilizar o reconhecimento de voz, em vez do recebimento de dígitos. Com relação à segurança do sistema, foi implementada uma autenticação do usuário na URA através do login e senha. Mas, outras questões relacionadas à segurança do tráfego das informações dos usuários pela rede devem ser consideradas. Devem-se procurar soluções que permitam garantir a confidencialidade e integridade dos dados transmitidos. Neste sentido propõe-se construir uma aplicação no Asterisk e fazer uma modificação no software do Ethernet shield para que se possa estabelecer um túnel criptografado entre a URA e as plataformas microcontrolada. Propõe-se também estender os cenários de validação para problemas relacionados à assistência a pessoas com necessidades especiais dentro do contexto de tecnologia e-health. A título de exemplo, um tetraplégico poderia utilizar o sistema para realizar 1679

7 tarefas como ligar luzes, levantar a cama e ligar a televisão sem o auxílio de outras pessoas bastando para isso apenas adicionar o reconhecimento de voz à solução. Quanto ao acionamento de dispositivos por um tempo predeterminado (com aplicação em um sistema de irrigação, por exemplo), um hardware adicional deve ser utilizado, um módulo RTC. Pois com a função millis() ou outra função/procedimento que funcione como temporizador e seja interno ao Arduino, o horário em que o dispositivo deve ser desligado será perdido a cada reinicialização do programa, o que ocorre a cada vez que o usuário acessa um menu diferente na URA, ou a cada vez que o Arduino for realimentado th International Conference on, vol., no., pp MADSEN, L., MEGGELEN, J., V., and BRYANT, R. (2011). Asterisk: The Definitive Guide. 3 ed. USA: O Reilly Media. QADEER, M.A.; SHAH, K. and GOEL, U., (2012). Voice - Video Communication on Mobile Phones and PCs' Using Asterisk EPBX. Communication Systems and Network Technologies (CSNT), 2012 International Conference on. pp PHP. PHP Manual. Disponível em: <http://www.php.net/manual/pt_br/language.functions.php > Acesso em: 22 Jan PHPAGI. PHPAGI: Where PHP connects to Asterisk. Disponível em: <http://phpagi.sourceforge.net/> Acesso em: 20 Jan Referências Bibliográficas AGI. AGI Scripting with PHP. Disponível em: < Acesso em: 10 Fev ASTERISK. Disponível em: <http://www.asterisk.org/>. Acesso em: 15 Jul ARDUINO. Arduino Uno. Disponível em: <http://arduino.cc/en/main/arduinoboarduno> Acesso em: 23 Jan ARDUINO BRASIL. Nova versão do Arduino: Uno. Disponível em: < Acesso em: 23 Mar COMER, D., E. Redes de Computadores e Internet. 4ª ed. Bookman Companhia Editora Ltda, São Paulo, EGUINO, A. (2013). Asterisk & Z-Wave demo. Disponível em: <http://domotica4all.com/2013/11/asterisk-z-wave-demo-invoip2day-2013/>. Acesso em: 12 Jun GONÇALVES, F., E. Configuration Guide for Asterisk PBX: How to build and configure a PBX with Open Source Software. 2ª ed. V.Office Networks LTDA, GRAVES, M. (2009). Controlling Applications From Asterisk. Disponível em : <http://www.mgraves.org/2009/01/controlling-applicationsfrom-asterisk/> Acesso em: 13 Jun GUPTA, P; AGRAWAL, N and QADEER, M. A (2013). GSM and PSTN Gateway for Asterisk EPBX. Wireless and Optical Communications Networks (WOCN), 2013 Tenth International Conference on. HACKWORTH, J. (2012). Home Automation with Asterisk and FreePBX. Disponível em: <http://www.jordanhackworth.com/home-automation-withasterisk-and-freepbx/>. Acesso em: 12 Jun JIN, J., JIN+, J., WANG, Y., ZHAO, K. and HU, J. (2008) Development of Remote-Controlled Home Automation System with Wireless Sensor Network. Fifth IEEE International Symposium on Embedded Computing, pp KAPICAK, L., NEVLUD, P., ZDRALEK, J., DUBEC, P. and PLUCAR, J (2011). Remote Control of Asterisk via Web Services. Telecommunications and Signal Processing, pp KELLER, A. Asterisk na prática. 1ª ed. São Paulo: Novatec, KUROSE, J., F., ROSS, K., W. Redes de Computadores e a Internet: Uma Abordagem Top-down. 5ª ed. Addison- Wesley, LEE, Y., K. and CHOI, J., W. (2003). Remote-Controlled Home Automation System via Bluetooth Home Network. SICE Annual Conference in Fukui, August 4-6, pp MACURA, L.; VOZNAK, M.; TOMALA, K. and SLACHTA, J. (2012). Embedded multiplatform SIP server solution, Telecommunications and Signal Processing (TSP), 1680

Asterisk. na prática. Alexandre Keller. Novatec

Asterisk. na prática. Alexandre Keller. Novatec Asterisk na prática Alexandre Keller Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre o autor... 14 Prefácio... 15 Capítulo 1 Introdução ao VoIP e ao Asterisk... 17 1.1 VoIP (Voice over IP Voz sobre IP)...17

Leia mais

2ª Edição Alexandre Keller

2ª Edição Alexandre Keller Asterisk na prática 2ª Edição Alexandre Keller Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra,

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA TÍTULO: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL PELA INTERNET COM PHP E ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS AUTOR(ES):

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015

MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 EVENTO MUM Brasil - MikroTiK User Meeting Florianópolis - 2015 MikroTiK PoE Automation APRESENTAÇÃO MikroTiK PoE Automation TÍTULO: Desenvolvimento de Soluções de Automação Comercial e Residencial através

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center.

Tactium IP. Tactium IP. Produtividade para seu Contact Center. TACTIUM IP com Integração à plataforma Asterisk Vocalix Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP

TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall. Guia de Funcionalidades. Tactium IP IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma Dígitro EasyCall Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de uso dos recursos

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Manual de Instalação. GPRS Universal

Manual de Instalação. GPRS Universal Manual de Instalação GPRS Universal INTRODUÇÃO O módulo GPRS Universal Pináculo é um conversor de comunicação que se conecta a qualquer painel de alarme monitorado que utilize o protocolo de comunicação

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 2 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet. Compreender os conceitos básicos de protocolo. Conhecer mais a respeito

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Ferramenta para desenvolvimento de Planos de Discagem no Asterisk

Ferramenta para desenvolvimento de Planos de Discagem no Asterisk Ferramenta para desenvolvimento de Planos de Discagem no Asterisk Universidade Federal de Santa Catarina Ciências da Computação Richard Hobold da Rosa hobold@inf.ufsc.br Abstract With the emerging of VoIP

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS.

MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. PROTEJA MELHOR OS PABXS DA SUA EMPRESA CONTRA FRAUDES E EVITE PREJUÍZOS. MANUAL DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA DO USUÁRIO DO PABX. Caro cliente, Para reduzir

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Qando falamos em VOIP

Qando falamos em VOIP Disc-OS, o SoftPABX tropicalizado Asterisk à moda brasileira CAPA Voltada para o mercado brasileiro, a distribuição Disc-OS veio para diminuir a linha de aprendizagem e facilitar a instalação do Asterisk

Leia mais

Comunicação interligando vidas

Comunicação interligando vidas Comunicação interligando vidas APRESENTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento contém o projeto técnico comercial para prestação dos serviços de locação, suporte, consultorias da área

Leia mais

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15.

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15. MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 W. ROMEIRO * e F. COSTA Instituto Federal de Ciências e Tecnologias do Rio Grande do Norte wr.romeiro@gmail.com * Artigo submetido

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC Tiago Menezes Xavier de Souza¹, Igor dos Passos Granado¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí- PR- Brasil tiago_x666@hotmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores.

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. PROJETO DE PESQUISA 1. Título do projeto Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. 2. Questão ou problema identificado Controlar remotamente luminárias, tomadas e acesso

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais